Diretrizes para a Especificação da Densidade de Potência do Data Center

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diretrizes para a Especificação da Densidade de Potência do Data Center"

Transcrição

1 Diretrizes para a Especificação da Densidade de Potência do Data Center White Paper 120 Revisão 1 Por Neil Rasmussen > Sumário Executivo Os métodos convencionais para especificar a densidade do data center são ambíguos e podem levar a erros. Descrever a densidade do data center usando Watts/pé2 ou Watts/m2 não é suficiente para determinar a potência ou a compatibilidade de refrigeração com cargas de computação de alta densidade, como servidores blade. Historicamente, não há uma forma padrão clara de especificar que os data centers apresentarão comportamento previsível com cargas de alta densidade. Uma especificação adequada para a densidade do data center deve garantir compatibilidade com cargas de alta densidade previstas, fornecer instruções precisas para o planejamento e a instalação de equipamentos de energia e refrigeração, impedir o crescimento excessivo e maximizar a eficiência elétrica. Este documento descreve a ciência e a aplicação prática de um método aprimorado de especificação da infraestrutura de energia e refrigeração para os data centers. Conteúdo clique em uma seção para ter acesso a ela Introdução 2 Os diversos métodos de especificação da densidade Estratégias de implantação 8 Modelo 13 Conclusão 19 Recursos 20 Apêndice 21 2 by Schneider Electric White Papers são parte da livraria de White papers Schneider Electric, produzidos pelo centro científico de data centers Schneider Electric

2 Introdução A especificação da densidade da potência operacional de data centers e salas de servidores é um desafio cada vez maior enfrentado pelos profissionais de TI. Especificar data centers utilizando densidades tradicionais a Watts/pé 2 ( Watts/m 2 ) resultará na incapacidade de implantar de forma confiável os equipamentos de TI de última geração. Especificar data centers a Watts/pé 2 ( Watts/m 2 ) que operam densidades de equipamentos de TI de alta densidade das gerações mais recentes resultará em data centers que levam sua potência e tecnologia de refrigeração ao limite, resultando em gastos excessivos, assim como em baixa eficiência operacional elétrica. O problema do planejamento da densidade é agravado pela necessidade de criar um data center para operar durante vários ciclos de atualização da TI, em que a natureza dos futuros equipamentos a serem instalados é desconhecida. O método conhecido para especificar a densidade do data center em Watts/pé 2 oferece muito pouca orientação útil para responder a questões críticas enfrentadas pelos operadores de data centers de hoje. Em particular, a especificação da densidade de potência conhecida não responde à principal questão: "O que acontecerá quando um rack implantado exceder a especificação da densidade?" Essa é uma pergunta muito prática porque um data center típico de hoje possui um valor de densidade de 1,5 kw por rack, enquanto os equipamentos de TI comuns possuem uma densidade de potência de 3 a 20 kw por rack. É necessário um novo e mais completo método de especificação da densidade de potência do data center. Um método aprimorado atenderia às seguintes necessidades: Garantia de compatibilidade com equipamentos de TI de alta densidade Prevenção contra desperdício de eletricidade, espaço ou capital Fornecimento de meios de validar planos de implantação de TI para projetar recursos de refrigeração e energia Link para a fonte White Paper 46 Estratégias de Refrigeração para Racks e Servidores Blade de Densidade Ultra-alta Este documento tem como objetivo focar em um método aprimorado de especificação da densidade de potência. Criar data centers para implementar fornecimento de energia, refrigeração, racks e gerenciamento de aplicativos de alta densidade é o escopo de muitos outros white papers da Schneider Electric, inclusive o White Paper 46, Estratégias de Refrigeração para Racks e Servidores Blade de Ultra-alta Densidade. Os diversos métodos de especificação da densidade A definição da densidade de potência é inconsistente na literatura, o que resultou em uma confusão substancial dentro das comunidades de usuários. A fim de compreender melhor essas definições, considere o data center hipotético de 500 kw ilustrado na Mesa 1: Schneider Electric Centro Científico de Data Centers White Paper 120 Rev 1 2

3 Mesa 1 Data center hipotético de 500 kw Parâmetros do data center de 500 kw Energia total consumida pelos equipamentos de TI Espaço total ocupado pelos equipamentos de TI Área da sala dos fundos dedicada para a unidade de refrigeração, painel de distribuição etc. Sistema britânico Watts Sistema internacional pés m pés m 2 Espaço total em solo ocupado pelo data center pés m 2 Espaço ocupado por gabinete de rack de TI 6,7 pés 2 0,622 m 2 Quantidade de gabinetes de rack 100 Mesa 2 Diferentes definições para a densidade de potência do data center fornecem diferentes valores quando aplicadas ao mesmo data center Definição da densidade Cálculo Densidade Explicação O consumo de energia dos equipamentos de TI dividido pela área ocupada por todos os gabinetes de rack de TI Watts / (6,7 pés 2 x 100 racks) Watts / (0,622 m 2 x 100 racks) 746 W/pé W/m 2 Esse método inclui somente a área ocupada pelo rack, não incluindo as áreas de acesso ao redor do rack ou o espaço ocupado por outra Infraestrutura Física do Data Center. Esse método gera valores de densidade muito mais altos do que os outros métodos. Ele é comumente usado por fabricantes de equipamentos. O consumo de energia dos equipamentos de TI dividido pela área ocupada por todos os gabinetes de rack de TI e seus espaços livres Watts / pés Watts / 260 m W/pé W/m 2 Essa é a definição mais comum usada na literatura. Geralmente é usado um valor de área de 28 pés 2 (2,6 m 2 ) por rack. Esse é um método eficaz para determinação dos requisitos de distribuição de energia e refrigeração. Método comumente usado pela equipe de TI. O consumo de energia dos equipamentos de TI dividido pelo espaço total em solo ocupado pelo data center Watts / pés Watts / 390 m W/pé W/m 2 O espaço total em solo ocupado pelo data center inclui o espaço dos equipamentos de TI e o espaço da sala de instalações de energia e refrigeração. Esse método é válido para o planejamento de espaço em solo, pois inclui o espaço da sala dos fundos que pode consumir um espaço significativo em instalações de alta densidade. Método comumente usado por arquitetos. O consumo total de energia dos equipamentos de TI e equipamentos de fornecimento de energia e refrigeração dividido pelo espaço total em solo ocupado pelo data center ( Watts Watts) / pés 2 ( Watts Watts) / 390 m W/pé W/m 2 Essa definição é comumente usada para planejamento de instalações, pois ela usa o espaço total do data center e o consumo de energia total da rede elétrica. Considera-se que os equipamentos de refrigeração utilizem 265 kw, incluindo ineficiência, além de 30 kw de ineficiência do sistema de energia. O consumo de energia do rack Watts/100 racks 5 kw por rack Essa definição é calculada com base em cada rack, o que elimina muito da variação ao definir a densidade de potência. Schneider Electric Centro Científico de Data Centers White Paper 120 Rev 1 3

4 Todas as definições para densidade na Mesa 2 são usadas na literatura publicada e nas especificações. As quatro definições que usam W/pé 2 ou W/m 2 são ambíguas, a menos que acompanhadas de uma explicação clara sobre o que está incluído na área e o que está incluído na energia. No entanto, os valores publicados para densidade geralmente omitem essas informações. Isso levou a uma enorme confusão no setor e erros comuns na comunicação entre os profissionais de TI e os responsáveis pelo planejamento e construção das instalações. Os dados da Mesa 2 claramente mostram que as especificações da densidade para a mesma instalação podem variar em quase um fator de 8, dependendo da definição de densidade usada. A definição de densidade mais clara é o consumo de energia "por rack". Ela fornece uma orientação clara com relação aos requisitos de energia e refrigeração de um rack (para equipamentos de TI, o consumo de energia elétrica do rack em Watts é igual ao requisito de refrigeração em Watts). Este documento mostrará que o consumo de energia por rack oferece uma outra grande vantagem na especificação da densidade do data center, em outras palavras, é a forma mais eficaz de especificar variações de densidade dentro de um data center. Os data centers reais não apresentam uma densidade de potência uniforme. Alguns racks usam mais energia elétrica e, consequentemente, geram mais calor do que os outros. Racks de painéis de conexão podem usar zero de potência. Racks de servidores blade podem usar 20 kw ou mais de energia. Como parte desse problema está o fato de que os equipamentos de TI ficam constantemente sob refrigeração, o que significa que o consumo de energia de determinados racks estão sujeitos a alterações com o tempo. As especificações de densidade não consideram totalmente essas variações de energia e, à medida que o tempo passa, tornam-se menos eficazes. Limitações dos métodos convencionais de especificação da densidade Os dois exemplos abaixo ilustram as graves limitações da especificação convencional da densidade: Neste primeiro exemplo, considere o caso de um data center especificado para 50 W/pé 2 (538 W/m 2 ). Ao usar a definição de densidade da carga total de TI/espaço total e espaços livres de racks de TI, isso resulta em W por rack (50 W/pé 2 x 28 pés 2 /rack). Um data center construído para gerar no máximo W de energia e W de refrigeração para cada rack atende a esse requisito. Há muitos tipos de equipamento de TI, como servidores blade, que excedem W por chassi. Nenhum desses tipos de equipamento pode ser implantado em um data center que tenha um limite definido de W por rack. Como resultado, esse data center poderia não ser compatível com muitos tipos de equipamento de TI. Além disso, quando uma baixa carga de energia é aplicada a um rack, como painéis de conexão, a energia subutilizada não fica disponível para os outros racks, já que todos eles têm um limite de energia e refrigeração de W. O resultado geral é um data center ineficaz incompatível com muitos tipos de equipamento de TI e que também não pode utilizar de forma eficaz o espaço, a capacidade de energia ou de refrigeração disponíveis do rack. No segundo exemplo, a densidade do data center é especificada rack por rack. Para cada local de rack, a energia e a refrigeração são exatamente especificadas. Um projeto pode ser implementado para atender a essa especificação, e o data center é completamente organizado antecipadamente. Essa é uma situação ideal. Infelizmente, quase nenhum data center real pode fornecer uma especificação exata de energia no nível do rack com antecedência. Em data centers reais, as cargas no nível do rack não podem ser previstas durante o ciclo de vida da instalação. Caso a densidade de implantação de TI real seja inconsistente em relação à especificação original no nível do rack, haverá sérias consequências, incluindo a situação em que uma carga de TI abaixo da especificação da potência do rack é implantada e a energia subutilizada não fica disponível nos outros racks, já que cada rack Schneider Electric Centro Científico de Data Centers White Paper 120 Rev 1 4

5 possui um limite de energia e refrigeração especificado. O resultado geral é um data center ineficiente que exige informações sobre implantação de TI futuras, o que geralmente não acontece. Esses dois exemplos são métodos comumente usados para especificar a densidade nos data centers. A especificação geral no nível da sala e a especificação exata rack por rack sofrem sérias limitações práticas, o que resulta em implementações que não atendem às expectativas do cliente. Uma abordagem aprimorada à especificação ofereceria flexibilidade e compatibilidade com relação às cargas de TI e, ao mesmo tempo, maximizaria a eficácia elétrica e a utilização da energia, da refrigeração e do espaço. Requisitos de especificação da densidade A discussão a seguir sugere vários requisitos para um método aprimorado de especificação de densidade. Os requisitos são: Previsibilidade: A especificação da densidade deve permitir a determinação da capacidade de energia e refrigeração em qualquer localização do rack para qualquer instalação proposta ou atual de equipamentos de TI. Aceitar requisitos futuros parcialmente especificados: A especificação da densidade não deve exigir que se conheça a energia exata necessária com antecedência em cada localização dos racks. Na verdade, o equipamento de TI dura somente por uma fração da vida de um data center e é periodicamente trocado por novos e diferentes equipamentos. Suportar o empréstimo de energia e refrigeração: A energia e a refrigeração disponíveis que não são usadas em um rack específico devem ficar disponíveis para os outros racks. Minimizar o desperdício: A ineficiência elétrica deve ser minimizada. Energia, refrigeração e espaço disponíveis devem ser utilizados. Os custos de operacionais e de capital devem ser minimizados. Suportar a implantação gradual: A especificação da densidade deve suportar uma implantação gradual, incluindo o cenário em que diferentes estágios podem usar densidades diferentes e em que os dados para futuros estágios de implantação são desconhecidos antes da implantação. Embora alguns dos requisitos acima sejam conflitantes, eles podem servir como a base para determinar um método aprimorado de especificação da densidade de potência em data centers. Opções e limitações práticas Qualquer método prático de especificação da infraestrutura de energia deve abranger as opções e as limitações práticas envolvidas no projeto de um data center. Várias dessas limitações e opções são descritas juntamente com seu impacto na especificação da densidade: Link para a fonte White Paper 29 Opções de Alimentação de Racks para Alta Densidade Aumentos da distribuição de energia: O custo e a complexidade da distribuição de energia é uma função não linear da energia. Por exemplo, uma alimentação de energia trifásica de 18 kw não custa três vezes a alimentação elétrica monofásica de 6 kw. Há várias capacidades elétricas ideais para a distribuição de energia de CA devido à utilização de disjuntores associada aos receptáculos e devido à coordenação falha destes disjuntores. Esses problemas e os circuitos de energia ideias são descritos no White Paper 29, Opções de Alimentação de Racks para Alta Densidade. As especificações relacionadas à distribuição de energia devem ser desenvolvidas considerando esses tamanhos ideais de circuito, o que pode variar dependendo da localização geográfica. Schneider Electric Centro Científico de Data Centers White Paper 120 Rev 1 5

6 Limitações da distribuição de ar: A distribuição de ar dentro de um data center é um fator fundamental que limita a densidade de potência do rack. Os equipamentos de TI exigem entre 100 e 160 cfm (47,2-75,5 L/s) de ar por kw. Muitos data centers têm pisos elevados já existentes ou limitações de altura do teto que restringem a altura de qualquer piso elevado. Nos casos em que o piso elevado fizer parte do sistema de distribuição de ar, há limitações práticas do volume de ar que pode ser movimentado de forma previsível debaixo do piso. Isso limita as densidades de potência média e máxima do rack. Para muitas instalações pré-existentes, isso limita a densidade de potência média prática para cerca de 5 kw por rack. Para ultrapassar essa densidade, devem ser instalados equipamentos de condicionamento e/ou distribuição de ar complementares. Com isso, o custo pode aumentar rapidamente acima de uma densidade de potência crítica, e uma especificação de densidade adequada reconheceria e abordaria essa questão antes que ela se tornasse um problema. Peso: Algumas instalações têm limites de carga sobre o piso. Isso acontece particularmente em instalações que já possuem o piso elevado. Os equipamentos de TI que alcançam densidades de potência muito altas geralmente também exercem uma grande carga de peso no rack. Em alguns casos, esse é um limite muito prático à capacidade de implantar alta densidade. Em consequência disso, uma especificação de densidade não deveria definir despropositalmente densidades de potência que excedessem o limite correspondente de carga do piso da instalação. Espaço reservado do piso: Muitos data centers possuem uma área do piso reservada para funções não especificadas para densidade. Tais funções podem incluir armazenamento de fitas, espaço de trabalho para o operador ou áreas de acesso especial. A consequência disso é que um modelo de especificação de densidade deve reservar essas áreas, e não depende delas fornecer qualquer função relacionada à implementação de refrigeração e energia de alta densidade. Capacidade de distribuir cargas: A capacidade de distribuir fisicamente os equipamentos de TI dentro de um data center é uma opção prática para a maioria dos equipamentos de TI de hoje. Isso acontece devido ao amplo uso de cabeamento de fibra ótica. Em muitos casos, não é necessário ou recomendável implantar equipamentos utilizando a densidade máxima que podem oferecer. Os servidores blade e os servidores de 1 U são exemplos de equipamentos de TI de alta densidade que podem ser prontamente distribuídos dentro dos racks a fim de reduzir a densidade. Embora agrupar os racks com servidores blade ou servidores de 1 U pareça otimizar o uso do espaço, em muitos casos, o benefício é ilusório, e os custos associados ao alcance de refrigeração e energia de alta densidade de um rack geralmente excedem muito os custos de consumo de racks adicionais. A consequência é que o modelo da densidade não deve especificar sem fundamento os valores da densidade com base nos recursos dos equipamentos, em vez disso, deve-se considerar a possibilidade de distribuir as cargas a fim de otimizar o custo e a disponibilidade de todo o sistema. Limitações de espaço reais para um local específico: As limitações de espaço reais em um local específico afetam muito a proposta de valor geral de alta densidade. Nota-se que para muitas instalações específicas existentes que foram criadas para baixa densidade, a implantação de alta densidade alivia a pressão por espaço. No entanto, não há muitos benefícios na compactação do espaço de TI. Por outro lado, há instalações que são altamente limitadas pelo espaço físico, por isso, é extremamente caro ou impraticável obter essa área. Por essa razão, uma metodologia de especificação da densidade deve considerar o valor do espaço e qualquer limitação de espaço. Perda de espaço para a infraestrutura de energia e refrigeração A infraestrutura de energia e refrigeração consome espaço que poderia ser ocupado equipamentos de TI. Às vezes, os equipamentos de energia e refrigeração são levados para fora do espaço ocupado pelos equipamentos de TI, em uma sala próxima. No entanto, o espaço consumido ainda é real e deve ser considerado como uma perda efetiva na densidade que pode ser alcançada. O espaço ocupado pela infraestrutura de energia e refrigeração pode ser expressa em racks equivalentes, e esse espaço aumenta juntamente com a necessidade de capacidade de energia e refrigeração. Esse efeito é ilustrado na Figura 1. Schneider Electric Centro Científico de Data Centers White Paper 120 Rev 1 6

7 Figura 1 Efeito da especificação média da densidade do rack na fração do espaço disponível para racks de TI % de espaço disponível para Racks de TI 100% 80% Projeto não redundante 60% 40% Energia 2N; Refrigeração N+1 20% 0% Média Especificada Por Energia do Rack kw Nota: as curvas vistas nesta tabela são resultado de fórmulas mostradas no Apêndice. Isso mostra claramente que o espaço que pode ser ocupado pelos equipamentos de TI diminui à medida que a energia média especificada por rack de equipamentos de TI (densidade de potência) aumenta. O eixo horizontal é a média especificada para a energia média por rack na sala. O eixo vertical é a fração dos locais disponíveis do rack na sala que são perdidos devido ao espaço ocupado pela infraestrutura de energia e refrigeração, incluindo UPS, unidades de distribuição de energia e ar-condicionados da sala de computação. A curva mais baixa na Figura 1 representa um sistema de ar-condicionados da sala de computação com energia de caminho duplo (2N) e redundante (N+1). Esse é um esquema típico para aplicações de alta densidade. Observe que para data centers típicos em funcionamento hoje operando a 1,5 kw por rack, aproximadamente 15% de espaço físico é perdido. No entanto, à medida que a especificação da densidade aumenta, há uma perda substancial de espaço. Quando a energia média especificada por rack excede 7 kw, mais de 50% do espaço é ocupado por equipamentos de energia e refrigeração, portanto, não está disponível para os racks de TI. Não importa se a densidade real é muito mais baixa do que a densidade especificada, o espaço será ocupado pelos equipamentos de energia e refrigeração. Isso leva ao princípio básico da alta densidade: Especificar um data center para uma densidade mais alta do que é realmente necessário reduzirá desnecessariamente o espaço disponível para os equipamentos de TI. Esse é um ônus muito alto, além do aumento dos custos e gastos operacionais. Por essa razão, é fundamental que a densidade seja planejada de forma eficaz e, sempre que possível, que os sistemas de refrigeração e energia de alta densidade sejam implantados somente quando necessário. Subdivisão do espaço em áreas de densidade Os requisitos citados anteriormente estabelecem a clara necessidade de especificar a densidade de potência de formas diferentes em áreas distintas dentro do data center. Isso é necessário para possibilitar a implantação gradual quando a densidade pode variar nos estágios sucessivos. A alternativa, que é especificar todo o data center para a carga máxima futura esperada é completamente impraticável, já que isso aumentará desnecessariamente os gastos de capital e operacionais por um fator que pode variar de 3 a 8 vezes e reduzir substancialmente a eficiência elétrica. Mesmo quando houver somente uma implantação de estágio único, pode haver vantagens significativas em segmentar um data center em áreas de densidade. Por exemplo, a diferença na densidade entre servidores blade e armazenamento é significativa, e um data center que separa servidores e armazenamento pode obter uma vantagem significativa ao criar zonas Schneider Electric Centro Científico de Data Centers White Paper 120 Rev 1 7

8 distintas com diferentes especificações de densidade, mesmo que a carga de energia total do data center não mude. Se a distribuição dos locais dos racks de servidores e de armazenamento for aleatória e não for conhecida com antecedência, os sistemas de distribuição de energia e refrigeração devem ser ajustados para oferecer densidade máxima em qualquer local. No entanto, se uma zona de densidade mais baixa para os sistemas de armazenamento for definida com antecedência, os sistemas de distribuição de energia e refrigeração podem ter sua capacidade reduzida para a zona em questão. A vantagem seria reduzir os gastos de capital e operacionais, juntamente com a eficiência elétrica aprimorada. As áreas de densidade dentro de um data center podem ser definidas em um espaço físico dividindo os racks em diferentes zonas. No entanto, propõe-se como uma prática recomendada que as divisões de área não sejam arbitrárias, mas sempre sejam definidas por corredores, onde um corredor deve ser um grupo de racks de qualquer tamanho organizados lado a lado. A opção de definir as áreas de densidade por corredores é a unidade preferida porque: Muitas arquiteturas de distribuição de energia de rack são baseadas em corredor Muitas arquiteturas de distribuição de refrigeração de rack são baseadas em corredor Isso significa que o corredor será o nível preferido e mais econômico para definir os requisitos de densidade e o incremento preferido de implantação. Por essa razão, o objetivo deste documento focará no corredor como o nível no qual as variações de densidade para as zonas são definidas. Estratégia de implantação Os requisitos de especificação da densidade devem abranger as cargas de TI que mudam com o tempo e também as implantações graduais. Deve-se considerar a possibilidade de a infraestrutura de energia e refrigeração mudar com o tempo e como isso poderá acontecer. É válido supor que os equipamentos de distribuição de ar e de energia existentes mudarão em resposta às alterações das cargas de TI. As mudanças nesses sistemas, como operação em circuitos elétricos ou encanamentos em uso, podem exigir ou representar risco de tempo de inatividade a grupos de racks ou, até mesmo, todo o data center. É comprovado que erros humanos são as principais causas de tempo de inatividade nos data center e que as mudanças feitas a equipamentos em operação são os principais elementos que contribuem para a ocorrência desse problema. Por essa razão, recomenda-se que os equipamentos de distribuição de energia e refrigeração de um corredor ou zona sejam instalados e não sejam alterados ou reconfigurados durante o período operacional desse corredor ou dessa zona. A implementação prática dessa recomendação é uma estratégia de implantação que pode ser resumida da seguinte forma: Posicione corredores de racks/gabinetes no piso, usando espaçamentos de corredor padrão Determine a estrutura da especificação da densidade para um corredor e, então, construa um corredor completo para suportar essa especificação. Se os equipamentos precisarem ser implantados dentro dos parâmetros da especificação personalizada para um corredor existente não preenchido, eles poderão ser implantados no corredor em questão. Se os equipamentos precisarem ser implantados a uma densidade substancialmente diferente do que aquela de um corredor não preenchido, não modifique os sistemas de energia e refrigeração para poder implantá-los nele, em vez disso, crie um novo corredor especificamente para alta densidade. Schneider Electric Centro Científico de Data Centers White Paper 120 Rev 1 8

9 Com o tempo, os corredores que preenchidos por poucos equipamentos devem ser totalmente eliminados e reconstruídos com uma especificação de densidade diferente, mais consistente com as necessidades atuais. Usar essa estratégia é altamente recomendado, pois ela minimiza a chance de erros humanos relacionados à alterações em corredores em funcionamento dentro do data center. Essa estratégia prática e eficaz limita o modelo de especificação da densidade, já que a distribuição de energia e refrigeração de um sistema de corredor não mudará depois da instalação. Observe que há alguns produtos para distribuição de energia e refrigeração no mercado que permitem a reconfiguração da arquitetura desses sistemas sem oferecer risco de tempo de inatividade. Por exemplo, o sistema InfraStruXure permite: Alteração da saída de energia do UPS ao adicionar módulos de conexão automática Alteração do tipo e capacidade dos receptores em um rack por meio de PDUs de rack de troca a quente Adição de capacidade de fluxo de ar complementar para um rack por meio de dispositivos de conexão montados em rack Esse tipo de equipamento proporciona certa flexibilidade após a instalação e é particularmente útil em instalações menores em que a implantação gradual em corredores não é viável. Densidade máxima x densidade média dentro de um corredor ou zona Embora ter cargas de energia exatamente iguais em todos os racks pudesse simplificar a especificação da densidade, discussões anteriores sugerem que essa é uma meta é impraticável com pouca semelhança com que acontece nas instalações reais. Na verdade, espera-se que as densidade do rack variem entre 0 (painéis de conexão) e 30 kw (servidores blade de alta densidade). Essa variação representa um efeito drástico na natureza da especificação da densidade efetiva. Dentro de um determinado corredor ou zona em que a energia pode rack varia, a energia média do rack será menor do que a energia máxima do rack. A razão principal da energia real máxima para média do rack dentro de um corredor será, portanto, sempre maior ou igual a um. É interessante considerar uma variedade de métodos alternativos para especificar a densidade de potência para a estrutura de um corredor que suportará um conjunto conhecido de racks com vários níveis de consumo de energia por rack. Projete todos os racks do corredor para a máxima densidade. Uma abordagem para especificação da densidade de um corredor é especificar que qualquer um e todos os racks do corredor terão uma densidade de potência e refrigeração capaz de suportar a energia máxima prevista do rack. Nesse caso, a capacidade total de energia e refrigeração deve ser ajustada considerando que todos os racks podem usar a energia máxima. Isso certamente levará a uma estimativa substancialmente maior da capacidade de energia e refrigeração, o que resultará em custos de capital e operacionais mais altos, bem como pouca eficiência elétrica. Esses problemas não acontecerão se o consumo de energia máxima para média por rack dor igual a um. No entanto, os problemas serão agravados se esse consumo dentro do corredor for maior do que 1,5. Além disso, a especificação da energia máxima no pior caso não considera a opção de que as cargas que geraram a energia máxima do rack poderiam ser distribuídas, o que poderia ter reduzido a energia máxima para média por rack. Em geral, especificar a densidade geral do corredor para a energia máxima do rack no pior caso não é ideal, a menos que a razão da energia máxima para média do rack seja próxima a 1, o que raramente acontece nas instalações comuns. Projete todos os racks do corredor para a média. Outra abordagem seria especificar todos os racks com uma densidade de potência média. Como a abordagem anterior, Schneider Electric Centro Científico de Data Centers White Paper 120 Rev 1 9

10 esse método simples não é satisfatório, mas por outros motivos. Esse método exige que os equipamentos sejam removidos de qualquer carga do rack que ameace exceder a média até que fiquem iguais ou abaixo da média. Além disso, esse método apresenta uma leve limitação adicional: qualquer rack que tenha uma densidade real abaixo da densidade especificada gera capacidade de energia e refrigeração subutilizada que não pode ser empregada para criar capacidade adicional para outros racks. Isso acontece porque o corredor foi criado somente para fornecer energia e refrigeração para racks até a capacidade média. Considere o seguinte cenário: Um operador de TI deseja implantar um chassi blade de 4 kw em um corredor criado para fornecer 2 kw por rack. Pode-se alegar que é possível redirecionar uma corrente de energia de 2 kw de um rack subutilizado (de disponível) para um chassi blade. No entanto, refrigerar essa carga de 4 kw torna-se questionável porque o sistema de refrigeração não foi projetado para refrigerar racks acima de 2 kw. Além disso, isso resulta em um rack que não pode ser usado porque sua energia foi drenada por um outro rack. Comparar os cenários alternativos acima com os requisitos sugere que um elemento-chave de uma especificação de densidade efetiva seja a razão da energia máxima para média do rack em um corredor deve ser especificado e ser maior do que 1. A escolha de uma razão adequada de energia máxima para média do rack dependerá da variação esperada dentre os racks reais. Essa relação é mostrada na Figura 2 para limites e suposições do projeto do data center típicos: Figura 2 Efeito da especificação da densidade do rack máxima para média sobre o custo total de propriedade de energia e refrigeração para diferentes graus da real variação de densidade dentre os racks TCP normalizado por kw de carga de TI 200% 100% 0% Variação de densidade real alta Variação de densidade real típica Nenhuma variação de densidade real Razão da densidade da máxima para a média especificada A Figura 2 mostra como a especificação da densidade máxima para média do rack afeta o gasto com TCO padronizado 1 relacionado à infraestrutura de energia e refrigeração por kw dos equipamentos de TI instalados para três diferentes cenários da real variação da energia do rack. Os dados mostram que quando todos os racks apresentam o mesmo consumo de energia, o TCO é otimizado (mais baixo) quando a razão da densidade máxima para média do rack é igual a 1. Esse efeito é explicado porque especificar a capacidade da densidade de potência máxima adicional adiciona custos com distribuição de energia e refrigeração, mas não adiciona valores quando todos os racks apresentam o mesmo consumo de energia. No entanto, quando a variação de energia dentre os racks reais instalados aumenta, há uma pena substancial quando a especificação máxima para média não aumenta. Isso acontece 1 O gasto de TCO inclui o custo de capital dos equipamentos de energia e refrigeração, além de seu custo de serviço de 10 anos, espaço e eletricidade. Esses valores variarão de US$ ,00 a US$ ,00 por rack, dependendo do projeto e da utilização fracionária. Os gastos com UPS e refrigeração não são afetados pela razão máxima para média. As variações do TCO são acionadas pelos custos dos sistemas de distribuição de energia e refrigeração. Schneider Electric Centro Científico de Data Centers White Paper 120 Rev 1 10

11 devido ao acúmulo da capacidade de energia e refrigeração subutilizada, combinado à necessidade de aumentar o espaço físico de uma determinada carga de TI. Como consequência, a razão da densidade máxima para média do rack maior do que 1 otimiza o TCO para as instalações reais. Isso leva a outro elemento-chave de uma especificação de densidade do data center eficaz: A razão da energia máxima para média do rack dentro de um corredor deve ser de aproximadamente 2 para estruturas comuns, e se a variação da densidade real máxima para média do rack dentro de um corredor for maior do que 2, é recomendada a distribuição das cargas de TI de densidade mais altas dentre os racks para limitar a razão máxima para média, ou a redistribuição de cargas que ultrapassarem as cargas de outros corredores. Especificações de densidade com base em normas Quando as densidades de energia máxima para média do rack para um corredor ou zona tiverem sido especificadas, será possível criar um projeto para implementar de forma previsível a especificação. Caso a energia máxima do rack esteja próxima ao valor médio, a implementação será óbvia. No entanto, quando a energia máxima para média do rack dentro de um corredor ficar na ordem de 1,5 ou maior, os desafios e custos de implementação da estrutura aumentarão. O problema de garantir que qualquer rack possa operar com a energia máxima do rack de forma que a energia média não seja excedida pode ser um grave limite nas instalações que usam piso elevado e sistemas de fornecimento de ar. As densidades de potência média e máxima geral que podem ser alcançadas poderão ser aumentadas se uma implantação de densidade com base em normas for permitida dentro da especificação da densidade. Para entender o problema solucionado com especificações baseadas em normas, considere o caso de um corredor instalado em um sistema de refrigeração de piso elevado existente com a densidade de potência máxima para média recomendada do rack de 2. A partir do ponto de vista do sistema de energia, cada rack deve receber a distribuição de energia com a densidade máxima do rack, mas fornecida por uma PDU ou UPS ajustadas para a densidade média do rack multiplicada pelo número de racks de TI. Isso é simples de implementar. No entanto, a partir da perspectiva da refrigeração, cada rack não tem um sistema de distribuição de ar bem-definido ajustado a 2x a densidade da média do rack. Os racks que operam a uma densidade acima da média deve emprestar a capacidade subutilizada dos racks adjacentes que operam abaixo da densidade média. No caso do piso elevado que limitou a capacidade do fluxo elevado, isso significa que separar racks de alta densidade dos outros racks do corredor reduz de forma significativa a sobrecarga local do sistema de distribuição de refrigeração. Se uma especificação incluir a capacidade de estabelecer regras relacionadas à localização dos racks de alta densidade dentro corredor, as densidades máxima e média mais altas poderão ser ativadas dentro dos limites do sistema. Um exemplo de uma simples regra seria a de que um rack pode exceder somente a potência nominal média até o valor do consumo médio dos racks adjacentes que estiver abaixo da média. Regras mais sofisticadas podem ser usadas para maximizar a densidade de potência previsível que pode ser atingida em uma determinada instalação, e essas regras podem ser implementadas no sistema de gerenciamento de energia e refrigeração. 2 Opções de especificação da densidade para futura expansão Muitos data centers não são construídos em sua totalidade de uma só vez, mas evoluem e crescem com o tempo. Nesses casos, não é recomendável ou prático especificar a densidade 2 A implementação das regras de densidade de refrigeração dentro de um sistema de gerenciamento está sujeita a patentes pendentes da Schneider Electric Schneider Electric Centro Científico de Data Centers White Paper 120 Rev 1 11

12 antecipadamente para corredores ou zonas ainda não planejados. Qualquer método prático de especificação da densidade do data center deve abranger requisitos futuros para os quais é difícil prever a densidade, além de preservar as opções de densidade futuras na medida do possível. De forma ideal, os gastos e compromissos relacionados à implantação da infraestrutura de energia e refrigeração são adiados pelo tempo que for necessário. Além disso, a expansão posterior do data center não comprometerá a disponibilidade dos equipamentos de TI que já estiverem em operação. Uma opção comumente usada é a criação de toda a infraestrutura de energia e refrigeração antecipadamente para suportar uma densidade de potência predefinida. Isso oferece a seguinte vantagem: a pré-instalação desse equipamento garante que, durante as implantações futuras de TI, não será necessário executar grandes trabalhos na rede elétrica do data center em operação. No entanto, essa abordagem oferece muitas grandes perdas financeiras, incluindo: A densidade futura de TI excede a densidade da infraestrutura de energia e refrigeração e, portanto, não pode ser implantada de forma eficaz A densidade futura de TI é menor do que a densidade da infraestrutura de energia e refrigeração e, portanto, há grande desperdício de investimentos com a infraestrutura A instalação expande ou a expansão é obrigada a acontecer em outro local devido a regulamentações ou outros problemas corporativos, resultando assim em grande desperdício de investimentos com infraestrutura A carga de curto prazo no data center é muito menor do que a calculada para a infraestrutura de energia e refrigeração, o que leva a uma grande queda na eficiência elétrica e custos significativos e desnecessários com eletricidade A instalação antecipada da infraestrutura de energia e refrigeração atual gera custos desnecessários com contratos de manutenção e equipamentos Um modelo eficaz para especificar a densidade evitaria esses problemas suportando uma abordagem de planejamento e implementação de uma infraestrutura modular e escalável de energia e refrigeração. Tal arquitetura teria como base a instalação inicial de recursos elétricos principais, como recursos de energia e refrigeração no nível da zona ou do corredor, em conjunto com a instalação futura de uma infraestrutura cara de energia e refrigeração, como sistemas de UPS, PDUs, racks, distribuição de energia dentro do corredor, ar condicionados e equipamentos de distribuição de ar. A densidade específica a ser suportada dentro de uma zona ou corredor seria uma decisão adiada até o momento da implantação, e a infraestrutura de energia e refrigeração seria implantada em um corredor com base em corredores. O sistema InfraStruXure é um exemplo prático dessa arquitetura. Essa discussão leva a outro elemento-chave de um método de especificação de densidade proposto: Os corredores ou zonas de um data center que serão implantados futuramente devem ser planejados para o pior caso de valor de alta densidade, e o cabeamento e a tubulação de alimentação principais devem ser instalados antes para suportar essa densidade. Porém, a real opção do equipamento de energia e refrigeração para corredores deve ser adiada até que a implantação da densidade e o plano sejam definidos. Assim, os principais acionadores de custo da infraestrutura de energia e refrigeração são ajustados para a aplicação real e implantados no momento e no local necessários. Isso reduz muito os custos de capital e operacionais, e resulta em um data center muito mais econômico. Schneider Electric Centro Científico de Data Centers White Paper 120 Rev 1 12

13 Modelo Agora, é possível criar um modelo para a especificação da densidade de potência que atende aos requisitos identificados anteriormente e que abrange as várias limitações práticas. Mesa 3 Dados necessários no nível do corredor O modelo inclui os seguintes elementos-chave: É criada uma disposição física do data center com base em corredores de racks e gabinetes Para cada corredor, são exigidos os dados da Mesa 3 Dados Unidades Descrição Principal uso Nº de locais de rack # O número de locais de rack em um corredor. Inclui todos os locais, alguns dos quais podem acabar sendo ocupados por equipamentos de energia e refrigeração, dependendo da arquitetura Para determinar o requisito total de energia e refrigeração para o corredor Média do rack no corredor kw/rack A densidade de potência média por rack exibida pelos racks de TI em um corredor específico. Deve ser especificada para cada rack na sala Para determinar os requisitos de potência em massa e de distribuição de ar para um corredor Máxima do rack no corredor kw/rack A densidade de potência máxima por rack exibida por qualquer rack dentro de um corredor específico. Deve ser especificada para cada rack na sala Para determinar o design do sistema de distribuição de energia e refrigeração no nível do rack Para que corredores sejam implantados futuramente, devem ser especificados valores máximos realistas da energia média e máxima do rack. Além disso, deve-se entender que esses valores podem ser reduzidos antes da implantação somente com uma pequena desvantagem, a de superdimensionar o cabeamento e a tubulação de alimentação principal. A partir das informações acima, os dados na Mesa 4 podem ser calculados Schneider Electric Centro Científico de Data Centers White Paper 120 Rev 1 13

14 Mesa 4 Dados da densidade calculada Dados Unidades Descrição Principal uso Total de racks de TI disponíveis # O número de racks de TI disponíveis no planejamento, líquido de qualquer local de rack alocado para a infraestrutura de energia e refrigeração Determinar o espaço total de rack de TI para energia disponível para fins de planejamento Requisito total de energia de TI inicial kw A carga total de TI inicial, exceto implantações futuras, que os sistemas de energia e refrigeração devem suportar Determinar o tamanho imediato da infraestrutura de energia e refrigeração e os investimentos necessários Requisito total de energia de TI final kw A carga final de TI do pior caso que os sistemas de energia e refrigeração devem suportar Determinar o tamanho da infraestrutura dos principais sistemas, incluindo painel de distribuição de energia, cabeamento e tubulação de refrigeração Densidade de potência máxima kw/rack A densidade de potência mais alta dentro de qualquer corredor Estabelecer a arquitetura de distribuição de refrigeração Densidade de potência média do data center kw/rack O atributo de resumo da densidade para o data center Permitir a conversão para outras métricas comuns, como W/pé 2 ou W/m 2. As conversões estão sujeitas a seleção da definição da Tabela 2 O problema mais complexo na definição da densidade por meio desse método é a determinação dos locais dos racks necessários para a infraestrutura de energia e refrigeração e que não ficam, portanto, disponíveis para os equipamento de TI. Um valor 1 de um local de rack consumido pela infraestrutura de energia e refrigeração para cada 15 kw da carga de TI é um valor guia razoável para estimar a densidade. Esse valor tem como base o requisito médio de energia e refrigeração, incluindo espaços livres, o que acontece nas instalações de data center de 1N e 2N existentes. O valor exato dependerá da arquitetura de energia e refrigeração escolhida, limitações de espaço e das diretrizes fornecidas pelo fornecedor do sistema. Por exemplo, no caso do sistema InfraStruXure do data center, a Schneider Electric fornece ferramentas de planejamento auxiliadas por computador que realizam esse cálculo para cada design de sala. Diretrizes práticas para uso O uso do modelo descrito para especificação da densidade não garante sozinho o design ideal da sala. As opções do usuário em relação à disposição da sala, a própria escolha da sala e as estimativas do usuário para os requisitos de densidade podem afetar o desempenho da instalação final. No entanto, o uso do modelo oferece muitos benefícios, incluindo: Fornecimento de uma descrição mais completa e precisa da densidade do data center em comparação com outros métodos de especificação comumente usados Data centers criados de acordo com a especificação apresentarão um desempenho previsível O modelo é tão específico que os custos, incluindo custos de capital e operacionais, podem ser rapidamente estimados, o que acelera o ciclo de planejamento e permite uma análise de cenário alternativo Ele suporta um sistema de implantação de data center modular escalável, o que pode reduzir substancialmente o TCO e melhorar a eficiência elétrica Schneider Electric Centro Científico de Data Centers White Paper 120 Rev 1 14

15 Aplicações práticas do método de especificação de densidade incluem: Comparação do TCO associado a locais de data center ou salas alternadas Como estimar custos associados ao aumento da densidade em um data center planejado ou já existente Fornecer uma especificação que claramente defina especificações de densidade de uma forma abrangente para usuários de TI, operadores e fornecedores de sistemas de data centers estabelece as mesmas expectativas A implementação desse método de especificação de densidade em ferramentas de planejamento do data center auxiliadas por computador podem facilitar e automatizar o processo de especificação e planejamento. Exemplo de uma especificação de data center Um exemplo ilustra como o modelo pode ser usado para especificar um data center real. Nesse caso, uma sala contém um projeto de consolidação de servidor. Todos os sistemas de refrigeração, distribuição de energia e UPS devem estar localizados na sala, mas atualmente não existem. Em função da sala principal, não há piso elevado ou não é viável têlo. Uma combinação de equipamentos de rede deve ser implantada, incluindo servidores blade, servidores de montagem em rack, equipamentos para armazenamento e funcionamento em rede. Os servidores blade devem permanecer no mesmo local, não devem ser separados. Estima-se que o requisito atual preencha somente metade da sala disponível. O restante da sala deve ser reservado a uma densidade 20% mais alta do que a densidade implantada atualmente, com a capacidade de suportar pelo menos três racks de futuros servidores blade, com consumo estimado de 25 kw por rack. O requisito de disponibilidade é para um sistema de refrigeração e energia não redundante. A sala esquematizada é mostrada na Figura 3, juntamente com uma proposta de disposição de racks, resultando em um total de 41 racks na sala. Está definido que os corredores 1,2 e 3 serão implantados imediatamente, e que os corredores 4, 5, 6 e 7 serão implantados posteriormente. Uma revisão da implantação atualmente planejada permite atribuir alguns equipamentos com consumo de energia semelhantes aos corredores com a finalidade de reduzir sua razão máxima para média, e alocar os servidores blade no mesmo lugar, como exigido no corredor 2. A especificação do nível dos corredores 1, 2 e 3 é exibida na Mesa 5. Schneider Electric Centro Científico de Data Centers White Paper 120 Rev 1 15

16 Figura 3 Disposição de planta baixa para o data center proposto, com a disposição dos racks proposta (Imagem do software InfraStruXure Build-Out Tool) Schneider Electric Centro Científico de Data Centers White Paper 120 Rev 1 16

17 Mesa 5 Dados da densidade do corredor para o data center proposto Dados Nº de locais de rack Média do rack no corredor Máxima do rack no corredor Unidades Corredor 1 Corredor 2 Corredor 3 Corredor 4 Corredor 5 Corredor 6 Corredor 7 # Total kw/rack kw/rack A partir dessas informações, a densidade média da primeira implantação pode ser calculada para ser (2*7+ 5*7+ 3*7) / 21 = 3,3 kw por rack. Se os corredores adicionais forem planejados a uma densidade 20% mais alta (sem especificar os detalhes dos corredores), a densidade média do data center total poderá ser calculara para ser (2*7+ 5*7+ 3*7+ 4*5+ 4*5 + 4*5+ 4*5) / 41 = 3,7 kw por rack. Especificar os corredores futuros não definidos com um valor alto de densidade máxima de 15 kw oferece flexibilidade significativa com relação às alterações mais recentes feitas ao planejamento dos corredores. A Mesa 5 ilustra essas especificações futuras para os corredores 4, 5, 6 e 7. A única consequência de definir valores máximos altos em corredores futuros é que o fornecimento principal de energia e refrigeração é dimensionado de forma conservadora. Usando a Figura 1, uma estimativa primária do espaço final ocupado pelos equipamentos de energia e refrigeração será 30%, a uma densidade média do rack de 3,7 kw, o que é equivalente a 13 racks (30% x 41 racks). A partir disso, o número total final de racks de TI disponíveis, com base na especificação da densidade, será de 70% ou 28 racks. A especificação da densidade para nosso projeto de consolidação de servidor consiste na Mesa 5, juntamente com os valores calculados da Mesa 6. Schneider Electric Centro Científico de Data Centers White Paper 120 Rev 1 17

18 Mesa 6 Dados calculados no nível da sala para o o data center proposto Dados Valor Unidades Total de racks de TI disponíveis 28 # Parte do espaço no data center é consumido pelos equipamentos de energia e refrigeração Requisito total de energia de TI inicial 47 kw Requisito total de energia de TI final 104 kw Densidade de potência máxima 15 kw/rack A instalação inicial dos equipamentos de energia e refrigeração deve suportar pelo menos 47 kw de carga de TI. Usando a Figura 1, com base na densidade dos corredores 1, 2 e 3, os números dos espaços de racks de TI disponíveis são 6, 4 e 5 respectivamente (6 x 2 kw/rack + 4 x 5 kw/rack + 5 x 3 kw/rack = 47 kw) O restante dos equipamentos de energia e refrigeração é reservado até que os corredores restantes sejam definidos, mas a infraestrutura de serviço público, que inclui painel de distribuição e tubulação de refrigeração, deve ter o tamanho adequado para suportar a carga final de TI de 104 kw (28 racks de TI x 3,7 kw/rack = 104 kw) A refrigeração a essa alta densidade restringe as opções disponíveis e aumenta o custo. Uma outra alternativa para distribuir essas cargas máximas deve ser levada em consideração antes de comprometer o planejamento a essa densidade Densidade de potência média do data center 3.7 kw/rack Esse data center, como especificado, tem mais do que duas vezes a densidade do data center médio existente. Menos de 2% dos data centers atualmente alcançam essa densidade A partir desse ponto, pode ser feito um projeto. A próxima etapa seria estabelecer os locais reais dos equipamentos de refrigeração e energia com base na natureza dos equipamentos e o projeto do sistema. Esse processo tem como base modelos matemáticos complexos de equipamentos específicos, juntamente com regras de otimização e preferências de clientes. Esse processo é exclusivo para diferentes fornecedores de equipamentos de energia e refrigeração e não será discutido aqui. De forma ideal, o projeto deve somente exigir os equipamentos de refrigeração e energia necessários na implantação inicial, mas deve antecipar e facilitar a instalação desses equipamentos futuramente a fim de atender ao plano de implantação futuro parcialmente especificado. Por exemplo, ao garantir que durante a primeira fase de implantação, o cabeamento elétrico e a tubulação de refrigeração sejam pé-instaladas para futuros racks. Embora os corredores futuros estejam atualmente especificados com os valores médios da densidade de rack máxima, esses valores podem ser alterados a qualquer momento antes da futura implantação, desde que a energia total de toda a área não exceda o valor atualmente planejado. Schneider Electric Centro Científico de Data Centers White Paper 120 Rev 1 18

19 Conclusão Os métodos convencionais usados para descrever a densidade do data center são primitivos, incompletos e ambíguos. Esses métodos consagrados não são capazes de fornecer uma orientação de planejamento que garanta um desempenho de energia e refrigeração previsível para o data center com a alta densidade de potência dos equipamentos de última geração. Este documento descreve os requisitos para a especificação de densidade e apresenta um novo método para isso. Esse método fornece especificações acionáveis que claramente interligam os requisitos entre a equipe de TI e os designers de instalações, além de facilitar a criação de data center previsíveis, econômicos e eletricamente eficientes. Sobre o autor Neil Rasmussen é vice-presidente sênior de Inovação da Schneider Electric. Ele estabelece os rumos de tecnologia do maior orçamento de P&D do mundo dedicado à alimentação, à refrigeração e à infraestrutura de racks para redes essenciais. Neil detém 19 patentes relacionadas à infraestrutura de alimentação e refrigeração de alta eficiência e alta densidade para data centers, e já publicou mais de 50 white papers relacionados a sistemas de alimentação e refrigeração, muitos deles publicados em mais de 10 idiomas, mais recentemente com foco na melhoria da eficiência energética. Ele é um palestrante internacionalmente reconhecido em matéria de data centers de alta eficiência. Atualmente, Neil está trabalhando para promover a ciência das soluções de infraestrutura do data center de alta eficiência, alta densidade e dimensionáveis, além de ser arquiteto principal do sistema APC InfraStruXure. Antes de fundar a APC em 1981, Neil obteve seus diplomas de bacharel e mestre em engenharia elétrica pelo MIT, onde escreveu sua tese sobre a análise de uma fonte de alimentação de 200 MW para um reator de fusão Tokamak. De 1979 a 1981 ele trabalhou para a MIT Lincoln Laboratories em sistemas de armazenamento de energia flywheel e sistemas de energia elétrica solar. Schneider Electric Centro Científico de Data Centers White Paper 120 Rev 1 19

20 Recursos Clique no ícone para linkar a pesquisa Estratégias de Refrigeração para Racks e Servidores Blade de Densidade Ultra-alta White Paper 46 Opções de Alimentação de Racks para Alta Densidade White Paper 29 Explore todos os White Papers whitepapers.apc.com Explore todas as ferramentas TradeOff tools.apc.com Entre em contato Para incluir comentários sobre o conteúdo deste White Paper: Data Center Science Center Se você é cliente e tem perguntas relacionadas especificamente com o data center que está projetando: Entre em contato com seu representante de Schneider Electric Schneider Electric Centro Científico de Data Centers White Paper 120 Rev 1 20

Preparando a Infraestrutura Física de Data Centers de Recebimento para Consolidação

Preparando a Infraestrutura Física de Data Centers de Recebimento para Consolidação Preparando a Infraestrutura Física de Data Centers de Recebimento para Consolidação White Paper 175 Revisão 1 Por Neil Rasmussen > Sumário Executivo A consolidação de um ou mais data centers em um data

Leia mais

Opções de Alimentação do Rack para Configurações de Alta Densidade em Países de 230 VCA

Opções de Alimentação do Rack para Configurações de Alta Densidade em Países de 230 VCA Opções de Alimentação do Rack para Configurações de Alta Densidade em Países de 230 VCA White Paper 28 Revisão 1 por Neil Rasmussen > Sumário Executivo As alternativas para fornecer energia elétrica para

Leia mais

Como o Cabeamento Elevado Economiza Energia em Data Centers

Como o Cabeamento Elevado Economiza Energia em Data Centers Como o Cabeamento Elevado Economiza Energia em Data Centers White Paper 159 Revisão 0 Por Victor Avelar > Sumário Executivo O posicionamento de cabos de energia e de dados do data center em suportes para

Leia mais

Refrigeração de data centers completos com sistemas por corredor

Refrigeração de data centers completos com sistemas por corredor Refrigeração de data centers completos com sistemas por corredor White Paper 139 Revisão 0 Por Jim VanGilder e Wendy Torell > Sumário Executivo A refrigeração em linha está surgindo como uma solução de

Leia mais

Estratégias de Instalação de Servidores Blade em Data Centers

Estratégias de Instalação de Servidores Blade em Data Centers Estratégias de Instalação de Servidores Blade em Data Centers Por Neil Rasmussen Relatório interno N 125 Resumo Executivo Os servidores blade funcionam às densidades de potência mais altas que as capacidades

Leia mais

Implantação de Data Centers com Eficiência Energética

Implantação de Data Centers com Eficiência Energética Implantação de Data Centers com Eficiência Energética White Paper 114 Revisão 1 Por Neil Rasmussen > Sumário Executivo Os custos de utilização da energia elétrica passaram a ser uma fração crescente do

Leia mais

Uma arquitetura de distribuição de energia elétrica escalável, reconfigurável e eficiente para Data Centers

Uma arquitetura de distribuição de energia elétrica escalável, reconfigurável e eficiente para Data Centers Uma arquitetura de distribuição de energia elétrica escalável, reconfigurável e eficiente para Data Centers White Paper 129 Revisão 1 Por Neil Rasmussen > Sumário Executivo Melhorias significativas na

Leia mais

Determinando Capacidades de Energia, Refrigeração e Espaço ao Consolidar Data Centers

Determinando Capacidades de Energia, Refrigeração e Espaço ao Consolidar Data Centers Determinando Capacidades de Energia, Refrigeração e Espaço ao Consolidar Data Centers White Paper 177 Revisão 1 Por Wendy Torell e Patrick Donovan > Sumário Executivo Ao planejar a consolidação de vários

Leia mais

Os modelos convencionais para estimar a eficiência elétrica em data centers são

Os modelos convencionais para estimar a eficiência elétrica em data centers são Resumo executivo Os modelos convencionais para estimar a eficiência elétrica em data centers são bem imprecisos em instalações no mundo real. As estimativas de perdas elétricas são feitas normalmente somando

Leia mais

Implementação de data centers eficientes em termos de energia

Implementação de data centers eficientes em termos de energia Implementação de data centers eficientes em termos de energia Traduzido por Schneider Electric, Critical Power and Cooling Services Division - Brazil Relatório APC No. 114 Resumo executivo Os custos da

Leia mais

Cálculo da necessidade total de potência para centros de dados

Cálculo da necessidade total de potência para centros de dados Cálculo da necessidade total de potência para centros de dados Por Victor Avelar Relatório APC N 3 Revisão 1 Resumo executivo Parte do projeto e planejamento de um Data Center consiste em alinhar as necessidades

Leia mais

Modo econômico: Benefícios e riscos dos modos de economia de energia da Operação com No-Breaks

Modo econômico: Benefícios e riscos dos modos de economia de energia da Operação com No-Breaks Modo econômico: Benefícios e riscos dos modos de economia de energia da Operação com No-Breaks White Paper 157 Revisão 0 Por Neil Rasmussen > Sumário Executivo Muitos novos sistemas de UPS (no-break) têm

Leia mais

Como escolher entre refrigeração perimetral, por corredor e por rack para data center

Como escolher entre refrigeração perimetral, por corredor e por rack para data center Como escolher entre refrigeração perimetral, por corredor e por rack para data center White Paper 130 Revisão 2 Por Kevin Dunlap e Neil Rasmussen > Sumário Executivo Os equipamentos de TI mais modernos

Leia mais

>Proteção de Energia Trifásica

>Proteção de Energia Trifásica Symmetra PX Proteção de Energia Modular, Escalável e de Alta Eficiência para Data Centers Symmetra PX 100kW Escalável de 10kW até 100kW >Proteção de Energia Trifásica Modular de Alta Performance com Tamanho

Leia mais

Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura

Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura White Paper #6 Revisão 2 Resumo Nesta comunicação é descrito um método melhorado para medir o Custo Total de Exploração (TCO) da infraestrutura

Leia mais

Gerenciamento da alimentação elétrica e de refrigeração para data centers

Gerenciamento da alimentação elétrica e de refrigeração para data centers Gerenciamento da alimentação elétrica e de refrigeração para data centers Relatório 150 Revisão 1 Neil Rasmussen > Resumo executivo Equipamentos de TI de alta densidade exigem maior capacidade de densidade

Leia mais

Alocação dos Custos de Energia e de Carbono de Data Centers a Usuários de TI

Alocação dos Custos de Energia e de Carbono de Data Centers a Usuários de TI Alocação dos Custos de Energia e de Carbono de Data Centers a Usuários de TI White Paper 161 Revisão 1 Por Neil Rasmussen > Sumário Executivo São necessários softwares e instrumentos complicados para medir

Leia mais

Medição de Eficiência Elétrica de Data Centers

Medição de Eficiência Elétrica de Data Centers Medição de Eficiência Elétrica de Data Centers White Paper 154 Revisão 2 Por Neil Rasmussen > Sumário Executivo Introdução A eficiência elétrica do data center raramente é planejada ou gerenciada. O resultado

Leia mais

Infra-estrutura para Data Centres

Infra-estrutura para Data Centres Infra-estrutura para Data Centres Planejando Data Centres de Alto Desempenho. Eng. Eletricista José Luiz De Martini Consultor especializado no planejamento e desenvolvimento de soluções de infra-estrutura

Leia mais

Opções Práticas para Implementação de Equipamentos de TI em Pequenos Data Centers

Opções Práticas para Implementação de Equipamentos de TI em Pequenos Data Centers Opções Práticas para Implementação de Equipamentos de TI em Pequenos Data Centers White Paper 174 Revisão 0 por Victor Avelar > Sumário executivo Pequenos data centers são geralmente desorganizados, inseguros,

Leia mais

UPS CENTRALIZADA E UPS DISTRIBUÍDA: UMA COMPARAÇ Ã O DELTA POWER SOLUTIONS

UPS CENTRALIZADA E UPS DISTRIBUÍDA: UMA COMPARAÇ Ã O DELTA POWER SOLUTIONS UPS CENTRALIZADA E UPS DISTRIBUÍDA: UMA COMPARAÇ Ã O DELTA POWER SOLUTIONS Introdução Onde quer que seja necessária alimentação contínua de energia elétrica, há uma necessidade de Fontes de Alimentação

Leia mais

Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade?

Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? RESUMO DA SOLUÇÃO CA SERVICE MANAGEMENT - GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? O CA Service Management

Leia mais

Partidas para motores ultra-compactas SIRIUS 3RM1

Partidas para motores ultra-compactas SIRIUS 3RM1 Partidas para motores ultra-compactas SIRIUS 3RM1 Partidas para motores SIRIUS 3RM1 Multifuncionais e com apenas 22,5 mm de largura siemens.com/motorstarter/3rm1 Answers for industry. Acionamento de motores

Leia mais

Monitoramento de data centers

Monitoramento de data centers Monitoramento de data centers Os data centers são hoje um ambiente complexo, com inúmeras variáveis para gerenciar. Os métodos usados pelas empresas são específicos e incapazes de fazer comparações adequadas

Leia mais

Discrete Automation and Motion. Conceptpower DPA 500 100 kw 3 MW UPS modular - agora até 3 MW

Discrete Automation and Motion. Conceptpower DPA 500 100 kw 3 MW UPS modular - agora até 3 MW Discrete Automation and Motion Conceptpower DPA 500 100 kw 3 MW UPS modular - agora até 3 MW Tempo de inatividade igual a zero conheça o Conceptpower DPA 500 O Conceptpower DPA 500 da ABB é um sistema

Leia mais

Melhorando o desempenho do data center por meio da virtualização de bancos de dados SQL Server

Melhorando o desempenho do data center por meio da virtualização de bancos de dados SQL Server Melhorando o desempenho do data center por meio da virtualização de bancos de dados SQL Server Conteúdo Resumo.........................................................1 O papel do SQL Server em pequenas

Leia mais

Administração de CPD Internet Data Center

Administração de CPD Internet Data Center Administração de CPD Internet Data Center Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados a um dos principais tipos

Leia mais

UPS Liebert GXT3 de 6kVA e 10kVA Sistemas UPS Compactos para Aplicações em Racks de Alta Densidade

UPS Liebert GXT3 de 6kVA e 10kVA Sistemas UPS Compactos para Aplicações em Racks de Alta Densidade UPS Liebert GXT3 de 6kVA e 10kVA Sistemas UPS Compactos para Aplicações em Racks de Alta Densidade Energia CA Para a Continuidade da Operação Crítica Liebert GXT3, UPS de 6kVA e 10kVA: Muita Proteção,

Leia mais

as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las

as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las agility made possible sumário resumo executivo 3 efetivo do servidor: 3 difícil e piorando

Leia mais

Os Diferentes tipos de No-Breaks

Os Diferentes tipos de No-Breaks Os Diferentes tipos de No-Breaks White Paper # 1 Revisão 4 Resumo Executivo Existe muita confusão no mercado a respeito dos diferentes tipos de No-Breaks e suas características. Cada um desses tipos será

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Planejamento de Data Centers Instalações de Climatização

Planejamento de Data Centers Instalações de Climatização Logo da Empresa Planejamento de Data Centers Instalações de Climatização Eng. Eduardo Grecco Evolução das Salas de Processamento CPD s Mainframes 500 W/m2 ambiente a 22 o C Data Center Corredores quentes

Leia mais

Alocação de custos de energia e de emissões de carbono de data centers a usuários de TI

Alocação de custos de energia e de emissões de carbono de data centers a usuários de TI Alocação de custos de energia e de emissões de carbono de data centers a usuários de TI Relatório APC Nº 161, revisão 1 Neil Rasmussen > Índice Introdução 2 Qual é a meta? 2 > Resumo executivo Medição

Leia mais

Para superar esses problemas, a metodologia de três partes a seguir está detalhada neste artigo: igualmente à DCiE

Para superar esses problemas, a metodologia de três partes a seguir está detalhada neste artigo: igualmente à DCiE Os benefícios de se determinar a eficiência da infraestrutura do data center como parte de um plano efetivo de gerenciamento de energia são amplamente reconhecidos. A métrica padrão PUE (Eficácia do Uso

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO Gerenciamento de ativos de software com o CA IT Asset Manager como posso administrar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? agility made possible

Leia mais

Assumindo uma abordagem estratégica para a otimização da TI Documento técnico. Otimização da TI como fonte de vantagem competitiva sustentável.

Assumindo uma abordagem estratégica para a otimização da TI Documento técnico. Otimização da TI como fonte de vantagem competitiva sustentável. Assumindo uma abordagem estratégica para a otimização da TI Documento técnico Otimização da TI como fonte de vantagem Página 2 Conteúdo 2 O investimento tecnológico está chegando ao ponto de diminuir os

Leia mais

Maio. Soluções para Centro de Dados Rexel Solutions

Maio. Soluções para Centro de Dados Rexel Solutions Maio Rexel Solutions 2 Indíce 1_Centro de Dados 2_Conceitos 3_Soluções para CD 4_Segurança dos CD 5_A nossa Missão 6_Proximidade com o Cliente 7_Marcas 8_ExpoRexel - Fabricantes 1_Centro de Dados 3 O coração

Leia mais

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores REPORT 04 e fevereiro de 2013 INFRAESTRUTURA FÍSICA E DATA CENTERS SUMÁRIO Introdução O que são data centers Padrões construtivos para data centers Sistemas a serem considerados na construção de data centers

Leia mais

Symmetra PX. Symmetra PX 48kW Escalável de 16kW a 48kW. Proteção elétrica modular, escalável e de alta eficiência para Data Centers

Symmetra PX. Symmetra PX 48kW Escalável de 16kW a 48kW. Proteção elétrica modular, escalável e de alta eficiência para Data Centers Symmetra PX Proteção elétrica modular, escalável e de alta eficiência para Data Centers Symmetra PX 48kW Escalável de 16kW a 48kW > Proteção elétrica trifásica compacta, de alto desempenho e eficiência.

Leia mais

Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP

Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP Phil Maynard UNIDADE DE SOLUÇÕES DE GERENCIAMENTO DE DADOS PARA O CLIENTE FEVEREIRO DE 2012 Introdução Em todos os lugares, o volume de

Leia mais

Projetos de data centers: O planejamento do sistema

Projetos de data centers: O planejamento do sistema Projetos de data centers: O planejamento do sistema White Paper 142 Revisão 2 Por Neil Rasmussen > Sumário Executivo O planejamento de um projeto de infraestrutura de data center físico não precisa ser

Leia mais

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Sumário Introdução... 3 Windows Server 2008 R2 Hyper-V... 3 Live Migration... 3 Volumes compartilhados do Cluster... 3 Modo de Compatibilidade de Processador...

Leia mais

Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética

Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética Procurando reduzir gastos com energia? Por que não aumentar a produtividade ao mesmo tempo? Reduzir os custos operacionais usando a energia com eficiência

Leia mais

Monitorando Ameaças Físicas no Data Center

Monitorando Ameaças Físicas no Data Center Monitorando Ameaças Físicas no Data Center White Paper 102 Revisão 3 Por Christian Cowan e Chris Gaskins > Sumário Executivo Metodologias tradicionais para monitoramento do ambiente do data center não

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Selecionando o caminho ideal rumo à nuvem privada

BOLETIM INFORMATIVO Selecionando o caminho ideal rumo à nuvem privada Matriz global: 5 Speen Street Framingham, MA 01701 EUA Tel.: +1 508-872-8200 Fax: +1 508-935-4015 www.idc.com BOLETIM INFORMATIVO Selecionando o caminho ideal rumo à nuvem privada Oferecido por: EMC Laura

Leia mais

Os principais sistemas de automação de data centers DCIM: uma visão técnica e metodologias de escolha. Moacyr Franco Neto

Os principais sistemas de automação de data centers DCIM: uma visão técnica e metodologias de escolha. Moacyr Franco Neto Os principais sistemas de automação de data centers DCIM: uma visão técnica e metodologias de escolha Moacyr Franco Neto Agenda 1 Definição de DCIM. 2 Modelos de DCIM. 3 Benefícios e funcionalidades. 4-

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO CA SERVICE CATALOG Podemos gerenciar e fornecer os serviços necessários onde, quando e como nossos usuários precisam deles? agility made possible Com o CA Service Catalog, você pode promover

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO CA Capacity Management and Reporting Suite for Vblock Platforms você pode planejar efetivamente a migração e o gerenciamento de sistemas e aplicativos nas Plataformas Vblock? agility

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Contêiner como alternativa para redução de custos com energia

Contêiner como alternativa para redução de custos com energia Contêiner como alternativa para redução de custos com energia Mauro Faccioni Filho, Dr. Eng. FAZION 1 I - INTRODUÇÃO Os Data Centers são grandes consumidores de energia em todo o mundo, e esse fenômeno

Leia mais

Um White Paper da Websense Web Security Gateway: A Web 2.0 Protegida e Simplificada

Um White Paper da Websense Web Security Gateway: A Web 2.0 Protegida e Simplificada Um White Paper da Websense Web Security Gateway: A Web 2.0 Protegida e Simplificada Visão Geral do Mercado Embora o uso dos produtos da Web 2.0 esteja crescendo rapidamente, seu impacto integral sobre

Leia mais

PLAYBOOK. Criando uma Infraestrutura de TI que se Adapta ao Seu Negócio

PLAYBOOK. Criando uma Infraestrutura de TI que se Adapta ao Seu Negócio PLAYBOOK P A R A M U D A N Ç A Criando uma Infraestrutura de TI que se Adapta ao Seu Negócio Durante décadas, os data centers foram sobre provisionados de duas à três vezes em uma tentativa de planejar

Leia mais

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Resumo da solução Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Você deseja uma solução de computação unificada para a sua empresa de médio ou pequeno porte ou para o padrão avançado do seu

Leia mais

EDIFÍCIOS MAIS EFICIENTES

EDIFÍCIOS MAIS EFICIENTES UMA UMA BASE BASE FORTE FORTE PARA PARA EDIFÍCIOS MAIS EFICIENTES EDIFÍCIOS MAIS EFICIENTES UMA FUNDAÇÃO SÓLIDA A eficiência energética é o alicerce sobre a qual se constrói edifícios melhores, para hoje

Leia mais

Detecção e investigação de ameaças avançadas. VISÃO GERAL

Detecção e investigação de ameaças avançadas. VISÃO GERAL Detecção e investigação de ameaças avançadas. VISÃO GERAL DESTAQUES Introdução ao RSA Security Analytics, que oferece: Monitoramento da segurança Investigação de incidente Geração de relatórios de conformidade

Leia mais

Diferentes tipos de sistemas No-Break

Diferentes tipos de sistemas No-Break Diferentes tipos de sistemas No-Break Relatório interno N 1 Revisão 6 por Neil Rasmussen > Resumo executivo Há muita confusão no mercado acerca dos diferentes tipos de sistemas NO-BREAK e suas características.

Leia mais

Motores em miniatura proporcionam um grande desempenho para analisadores médicos

Motores em miniatura proporcionam um grande desempenho para analisadores médicos thinkmotion Motores em miniatura proporcionam um grande desempenho para analisadores médicos Os analisadores médicos são elementos fundamentais do setor de diagnósticos médicos. São ferramentas versáteis

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Orientado a valor com TI

Orientado a valor com TI Orientado a valor com TI Estudo sobre TCO da SAP: nuvem gerenciada por parceiro da SAP REALTECH Consulting GmbH Matthias Schmitt 13.02.2015 2 Conteúdo Sumário executivo Detalhes sobre economia obtida com

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

Ferramentas SIMARIS. Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Totally Integrated Power

Ferramentas SIMARIS. Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Totally Integrated Power s Totally Integrated Power Ferramentas SIMARIS Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Answers for infrastructure and cities. Planejamento de distribuição de energia mais

Leia mais

Plataformas integradas de computação: Opções de infraestrutura para o datacenter do futuro

Plataformas integradas de computação: Opções de infraestrutura para o datacenter do futuro White paper Plataformas integradas de computação: Opções de infraestrutura para o datacenter do futuro Por Mark Bowker, analista sênior, e Perry Laberis, colaborador sênior de pesquisa Março de 2013 Este

Leia mais

Faça mais com menos. Descubra o gerenciamento de dados descomplicado usando o IBM Informix

Faça mais com menos. Descubra o gerenciamento de dados descomplicado usando o IBM Informix Faça mais com menos Descubra o gerenciamento de dados descomplicado usando o IBM Informix Índice 2 Descomplicado Concentre seus recursos no crescimento, e não na administração. 1 Ágil Amplie seus negócios

Leia mais

Living Infrastructure

Living Infrastructure Living Infrastructure Guia de projeto para Data Centers www.commscope.com Índice Introdução 1 Descrição geral do Data Center 2 Seleção do projeto de módulo 3 Considerações para o Data Center típico 4 Solução

Leia mais

qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas?

qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas? RESUMO DA SOLUÇÃO Pacote CA Clarity PPM on Demand Essentials for 50 Users qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas? agility made possible Agora a CA Technologies oferece

Leia mais

Soluções de Confinamento Knürr para Data Centers Eficientes

Soluções de Confinamento Knürr para Data Centers Eficientes Soluções de Confinamento Knürr para Data Centers Eficientes Pense Verde! Sofrendo com problemas como esse? Melhores Práticas Organizar fileiras de racks em corredores frios / quentes Colocar as unidades

Leia mais

CA Automation Suite for Data Centers

CA Automation Suite for Data Centers FOLHA DE PRODUTOS: CA Automation Suite for Data Centers CA Automation Suite for Data Centers agility made possible "A tecnologia ultrapassou a capacidade de gerenciamento manual em todas as grandes empresas

Leia mais

Tubos OmegaBond Tecnologia Avançada

Tubos OmegaBond Tecnologia Avançada Aumento de produtividade em plantas de uréia através aumento de capacidade e melhoria de confiabilidade quanto a resistência a corrosão COMO A NOVA TECNOLOGIA AJUDA OS FABRICANTES A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE

Leia mais

Contêiner como alternativa para redução de custos com energia. Mauro Faccioni Filho, Dr.Eng

Contêiner como alternativa para redução de custos com energia. Mauro Faccioni Filho, Dr.Eng Contêiner como alternativa para redução de custos com energia Mauro Faccioni Filho, Dr.Eng TEMAS Mercado de DC e de Contêiner Eficiência Energética DC em contêiner Vantagens / Desvantagens Data Center

Leia mais

DELL POWERVAULT SÉRIE MD ARMAZENAMENTO DE DADOS MODULAR ARMAZENAMENTO DE DADOS DELL POWERVAULT SÉRIE MD

DELL POWERVAULT SÉRIE MD ARMAZENAMENTO DE DADOS MODULAR ARMAZENAMENTO DE DADOS DELL POWERVAULT SÉRIE MD ARMAZENAMENTO DE DADOS MODULAR ARMAZENAMENTO DE DADOS DELL POWERVAULT SÉRIE MD Simplificação da TI O Dell série MD pode simplificar a TI, otimizando sua arquitetura de armazenamento de dados e garantindo

Leia mais

Brochura Como a Hiperconvergência Pode Ajudar a TI

Brochura Como a Hiperconvergência Pode Ajudar a TI Brochura Como a Hiperconvergência Pode Ajudar a TI A próxima onda de virtualização Iniciativas bem intencionadas de TI podem levar a... Brochura Página 2 O que é hiperconvergência? O próximo passo na evolução

Leia mais

Uma abordagem estratégica para atender à demanda de Nuvem

Uma abordagem estratégica para atender à demanda de Nuvem White paper Para provedores de nuvem Uma abordagem estratégica para atender à demanda de Nuvem Introdução: os novos desafios dos clientes estimulam a adoção da nuvem Em um ambiente de negócios dinâmico,

Leia mais

Variações dinâmicas do consumo de corrente em centros de dados e salas de servidores

Variações dinâmicas do consumo de corrente em centros de dados e salas de servidores Variações dinâmicas do consumo de corrente em centros de dados e salas de servidores Por Jim Spitaels Aplicação técnica nº 43 Revisão 2 Sumário executivo Os requisitos de alimentação dos centros de dados

Leia mais

Documento técnico de negócios Gerenciamento de nuvens híbridas

Documento técnico de negócios Gerenciamento de nuvens híbridas Documento técnico de negócios Gerenciamento de nuvens híbridas Uma solução de gerenciamento de nuvens abrangente, segura e flexível Documento técnico de negócios Página 2 Frente às tendências significativas

Leia mais

Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009

Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009 Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009 Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes

Leia mais

Classificação de Ferramentas de Software de Gerenciamento de Data Center

Classificação de Ferramentas de Software de Gerenciamento de Data Center Classificação de Ferramentas de Software de Gerenciamento de Data Center White Paper 104 Revisão 2 por Kevin Brown e Dennis Bouley > Sumário Executivo Hoje, os data centers não possuem um sistema formal

Leia mais

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA DESTAQUES A infraestrutura do RSA Security Analytics Arquitetura modular para coleta distribuída Baseada em metadados para indexação, armazenamento

Leia mais

6 Passos para selecionar o nobreak adequado para sua aplicação. Um guia prático para adquirir a melhor fonte de alimentação ininterrupta de máxima

6 Passos para selecionar o nobreak adequado para sua aplicação. Um guia prático para adquirir a melhor fonte de alimentação ininterrupta de máxima 6 Passos para selecionar o nobreak adequado para sua aplicação. Um guia prático para adquirir a melhor fonte de alimentação ininterrupta de máxima qualidade. Introdução Se você tem planos para comprar

Leia mais

PANORAMA. O Panorama fornece gerenciamento centralizado de políticas e dispositivos em uma rede de firewalls de próxima geração da Palo Alto Networks.

PANORAMA. O Panorama fornece gerenciamento centralizado de políticas e dispositivos em uma rede de firewalls de próxima geração da Palo Alto Networks. PANORAMA O Panorama fornece gerenciamento centralizado de políticas e dispositivos em uma rede de firewalls de próxima geração da Palo Alto Networks. Exiba um resumo gráfico dos aplicativos na rede, os

Leia mais

Por que o gerenciamento de ativos de software é tão difícil e como simplificá-lo

Por que o gerenciamento de ativos de software é tão difícil e como simplificá-lo DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Melhores práticas de gerenciamento de ativos de software JUNHO DE 2013 Por que o gerenciamento de ativos de software é tão difícil e como simplificá-lo John Fulton CA IT Business Management

Leia mais

As dez coisas que você mais precisa considerar ao adquirir uma infraestrutura hiperconvergente

As dez coisas que você mais precisa considerar ao adquirir uma infraestrutura hiperconvergente As dez coisas que você mais precisa considerar ao adquirir uma infraestrutura hiperconvergente Por Scott D. Lowe, vexpert Sócio e co-fundador, ActualTech Media junho de 2015 Índice Índice... 2 Introdução...

Leia mais

Controle avançado de processos para a indústria do cimento

Controle avançado de processos para a indústria do cimento Controle avançado de processos para a indústria do cimento ECS/ProcessExpert 2 3 Por que usar o controle avançado de processos? O controle avançado de processos da FLSmidth assegura que as fábricas de

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO.

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. OneIT A gente trabalha para o seu crescimento. Rua Bento Barbosa, n 155, Chácara Santo

Leia mais

CA Server Automation. Visão geral. Benefícios. agility made possible

CA Server Automation. Visão geral. Benefícios. agility made possible FOLHA DE PRODUTOS: CA Server Automation agility made possible CA Server Automation O CA Server Automation é uma solução integrada de gerenciamento de data center que automatiza o provisionamento, a aplicação

Leia mais

utilizando o catálogo de serviços para expandir seus negócios como provedor de serviços gerenciados

utilizando o catálogo de serviços para expandir seus negócios como provedor de serviços gerenciados DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 utilizando o catálogo de serviços para expandir seus negócios como provedor de serviços gerenciados agility made possible sumário resumo executivo 3 Introdução 3 O

Leia mais

O Valor do Licenciamento do SQL Server 2012 Versus Oracle Database

O Valor do Licenciamento do SQL Server 2012 Versus Oracle Database White Paper Publicado em: Janeiro de 2012 Aplica-se ao: SQL Server 2012 O Valor do Licenciamento do SQL Server 2012 Versus Oracle Database Resumo: As mudanças no produto e no licenciamento da Microsoft

Leia mais

Padrões de Contagem de Pontos de Função

Padrões de Contagem de Pontos de Função Padrões de Contagem de Pontos de Função Contexto Versão: 1.0.0 Objetivo O propósito deste documento é apresentar os padrões estabelecidos para utilização da técnica de Análise de Pontos de Função no ambiente

Leia mais

Como é possível desenvolver os novos produtos certos na primeira vez e sempre?

Como é possível desenvolver os novos produtos certos na primeira vez e sempre? RESUMO DA SOLUÇÃO CA Clarity e Nova for PPM da Kalypso Como é possível desenvolver os novos produtos certos na primeira vez e sempre? agility made possible Obtenha as ferramentas e informações necessárias

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos como posso assegurar uma experiência excepcional para o usuário final com aplicativos

Leia mais

Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-30

Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-30 Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-30 SOLUÇÕES PARA GERENCIAMENTO TÉRMICO WWW.THERMAL.PENTAIR.COM digitrace ngc-30 O DigiTrace NGC-30 é um avançado sistema

Leia mais

Infra-estrutura Física de Rede Crítica para Redes Wireless LAN de Empresas

Infra-estrutura Física de Rede Crítica para Redes Wireless LAN de Empresas Infra-estrutura Física de Rede Crítica para Redes Wireless LAN de Empresas Por Viswas Purani Relatório Interno No. 84 Resumo Executivo Durante as implantações de redes LAN sem Fio (WLAN) podem surgir requisitos

Leia mais

SolarWinds Virtualization Manager

SolarWinds Virtualization Manager SolarWinds Virtualization Manager Gerenciamento potente e unificado da virtualização que não ultrapassa seu orçamento! A SolarWinds aprimorou a forma pela qual profissionais de TI de todo o mundo gerenciam

Leia mais

Tecnologias de alimentação alternativas para centros de dados e salas de servidores

Tecnologias de alimentação alternativas para centros de dados e salas de servidores Tecnologias de alimentação alternativas para centros de dados e salas de servidores Aplicação técnica nº 64 Revisão 1 Sumário Executivo As células de e as micro-turbinas são novas tecnologias alternativas

Leia mais

Conceito de automação pneumática - uma comparação entre um terminal de válvulas e válvulas avulsas

Conceito de automação pneumática - uma comparação entre um terminal de válvulas e válvulas avulsas White Paper Conceito de automação pneumática - uma comparação entre um terminal de válvulas e válvulas avulsas Válvulas avulsas ou terminal de válvulas para controle de equipamentos automatizados pneumáticos?

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PARA ENGENHEIROS E ARQUITETOS

ESPECIFICAÇÕES PARA ENGENHEIROS E ARQUITETOS Cymphany ACU2 Controlador Inteligente de Rede Cerberus Division ESPECIFICAÇÕES PARA ENGENHEIROS E ARQUITETOS Oito Leitoras de Cartões, Duas Portas de Multiconexão Lógica RS-485 com Quatro Leitoras Cada

Leia mais

ARQUITETURA TRADICIONAL

ARQUITETURA TRADICIONAL INTRODUÇÃO Atualmente no universo corporativo, a necessidade constante de gestores de tomar decisões cruciais para os bons negócios das empresas, faz da informação seu bem mais precioso. Nos dias de hoje,

Leia mais

Dez fatos inteligentes que você deve saber sobre storage

Dez fatos inteligentes que você deve saber sobre storage Dez fatos inteligentes que você deve saber sobre storage Tendências, desenvolvimentos e dicas para tornar o seu ambiente de storage mais eficiente Smart decisions are built on Storage é muito mais do que

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

CA Network Automation

CA Network Automation FOLHA DE PRODUTOS: CA Network Automation agility made possible CA Network Automation Ajude a reduzir o risco e aprimore a eficiência da TI automatizando o gerenciamento de mudança e da configuração de

Leia mais