Capítulo 4 Oxigenoterapia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capítulo 4 Oxigenoterapia"

Transcrição

1 Capítulo 4 Oxigenoterapia 1. Objetivos No final desta unidade modular, os formandos deverão ser capazes de: Listar e descrever as indicações para oxigenoterapia; Listar os débitos de oxigénio protocolados; Listar e descrever as precauções a ter aquando do manuseamento e administração de oxigénio; Listar e descrever indicações e características dos equipamentos em uso para oxigenoterapia; Descrever a fórmula de cálculo da capacidade das garrafas de oxigénio. 1

2 2. Introdução Todas as células do corpo humano necessitam, para viver, de várias substâncias químicas, entre as quais o oxigénio. O aparelho respiratório é responsável pela captação desse oxigénio do ar e o seu transporte até ao sangue. Por sua vez, o sangue será o grande responsável, através do aparelho circulatório, pela chegada do oxigénio a todas as células que compõem o organismo humano. Por outro lado, é também do nosso conhecimento que o ar é composto por vários tipos de gases, ocupando o oxigénio apenas cerca de 21 % da sua totalidade. Desta percentagem que atinge os alvéolos pulmonares, só parte passará à rede sanguínea, dependendo para isso de todo um conjunto de necessidades orgânicas existentes na altura. Mas há situações em que o indivíduo não consegue captar quantidades suficientes de oxigénio, pondo por vezes em risco a sua própria vida. Será importante nestas situações administrá-lo e, sobretudo saber como fazê-lo. E isto porque, tal como a administração de qualquer medicamento, a oxigenoterapia (ou seja, a administração de oxigénio) requer cuidados especiais. 3. Princípios Fundamentais na Administração de Oxigénio O estímulo respiratório é desencadeado pelo aumento de CO2 no sangue e pela diminuição de oxigénio. Quando uma vítima apresenta uma frequência respiratória normal (12 a 20 ciclos por minuto), esta não deve ser entendida de imediato como indicador de que tudo se encontra bem. No entretanto, uma frequência respiratória alta indica que não há um suficiente aporte de oxigénio aos tecidos, desencadeando nestes casos um mecanismo anaeróbio. Este, apesar de ser eficaz é de curta duração e em que os subprodutos (ácido potássico) resultantes são nocivos para o organismo e se não for rapidamente combatido, através da oxigenação correta dos tecidos, leva à morte celular. Perante esta acidose metabólica, o sistema de bloqueio do organismo muda para CO2 e H2O em que o sistema de deteção ao identificar o aumento do CO2 dá indicações ao centro respiratório que aumente a frequência respiratória para diminuir o excesso de CO2. No entanto, este aumento da frequência respiratória vai fazer com que o CO2 aumente, criando-se um círculo vicioso entre o aumento da frequência respiratória e o aumento do CO2. Assim, a equipa de emergência na abordagem de uma vítima deve obter resposta às seguintes questões: Quando administrar oxigénio à vítima? Como administrar oxigénio à vítima? Que quantidade de oxigénio deverá administrar? 2

3 Que cuidados ter com a vítima durante a administração de oxigénio? Para quanto tempo tem oxigénio? QUANDO ADMINISTRAR OXIGÉNIO A administração de oxigénio está indicada nas seguintes situações: Alterações do estado de consciência. Quando o cérebro não é oxigenado corretamente, vão surgir alterações do estado de consciência, podendo a vítima apresentar-se confusa, desorientada ou mesmo inconsciente. Alterações de ventilação. Ventilação rápida e superficial ou difícil. Uma ventilação deste tipo não permite que as trocas gasosas se processem de forma eficaz. Alterações do pulso. O coração efetua o bombeamento contínuo do sangue para todas as partes do corpo. No entanto, se o coração apresentar alguma alteração, o sangue pode não chegar aos vários órgãos em quantidade suficiente para garantir um fornecimento de oxigénio adequado. Quando do aparecimento de cianose. Este sinal traduz a existência de um défice de oxigénio no sangue. Dor torácica. A dor pode aparecer por diversos motivos (enfarte, distensão muscular, etc..) mas, só por si, pode impedir a vítima de respirar livremente. Quando a vítima apresente sinais de choque. Politraumatizados. Hemorragias. Uma vez que o oxigénio é transportado pelo sangue, a perda deste leva, inevitavelmente, à diminuição do oxigénio nos órgãos. Paragem ventialtória. Paragem cardiorrespiratória. Intoxicações. De acordo com a legislação em vigor, a ambulância deve estar equipada com sistemas e equipamentos de oxigenoterapia, devendo existir um fixo (Fig. 4.1) e um portátil (Fig. 4.2). O equipamento fixo destina-se a ser utilizado durante o transporte da vítima para a unidade de saúde. O equipamento portátil destina-se a ser utilizado essencialmente no local, durante o transporte do local para a ambulância e da ambulância para a unidade de saúde. 3

4 Fig Equipamento fixo de oxigénio. Fig Equipamento portátil de oxigénio. COMO ADMINISTRAR OXIGÉNIO Para se administrar oxigénio existem dois métodos disponíveis: Por inalação; Por ventilação artificial ou insuflação. POR INALAÇÃO Este método permite administrar oxigénio apenas quando o indivíduo ventila espontaneamente, pois é necessária a inspiração do indivíduo para que o ar enriquecido com oxigénio chegue aos pulmões. A administração de oxigénio por inalação pode ser feita utilizando quatro recursos: Cânula nasal ou óculos nasais; Máscaras de oxigénio simples; Máscara de oxigénio de alta concentração. Qualquer um destes recursos apresenta vantagens e desvantagens, pelo que destacamos alguns princípios a reter: As concentrações de oxigénio obtidas através da utilização de cânula nasal são inferiores às obtidas por máscara simples; Com a máscara simples se o doente vomitar corre o risco de fazer aspiração de vómito (passagem de vómito para a árvore pulmonar); A máscara de alta concentração permite fornecer ao doente uma percentagem de O2 muito próxima dos 100%. 4

5 Cânula Nasal (óculos nasais) Também conhecida por óculos nasais, devido à sua forma de colocação, é o método de administração de oxigénio, baixas concentrações, mais utilizado em situações de emergência por não possuir os inconvenientes das sondas nasais. A sua colocação é de extrema facilidade e de maior comodidade para a vítima. Durante a sua colocação deve: 1. Acalmar a vítima e pedir a sua colaboração; 2. Explicar o que se vai fazer; 3. Introduzir cada uma das extremidades dos óculos em cada narina (Fig. 4.3). Fig Colocação da cânula nasal nas narinas. 4. Passar cada um dos ramos dos óculos por detrás dos pavilhões auriculares da vítima (Fig. 4.4). Fig Colocação dos ramos da cânula nasal por trás dos pavilhões auriculares. 5. Ajustar os óculos à região submandibular (Fig. 4.5). 5

6 Fig. 4.5.Ajuste da cânula nasal. Máscara Simples Composta por uma entrada direta do tubo proveniente da fonte de oxigénio e orifícios de escape dos gases expirados (em alguns tipos de máscaras existem válvulas de escape). A máscara simples permite uma inalação eficaz de oxigénio, tanto pelo nariz como pela boca, pois ela abrange estas duas zonas da face. Normalmente é feita de plástico transparente para possibilitar a verificação de indícios de cianose nos lábios e a possível existência de vómito ou secreções na boca da vítima. Ao aplicar a máscara simples deve: 1. Acalmar a vítima e pedir a sua colaboração. 2. Explicar à vítima o que vai fazer. 3. Colocar em primeiro lugar a parte mais estreita da máscara, na parte superior do nariz e, só depois, adaptar a parte restante da máscara à face da vítima. A boca e nariz da vítima deverão ficar totalmente cobertos pela máscara (Fig. 4.6). Fig Ajuste da máscara à face da vítima. 6

7 4. Ajustar o elástico de fixação e adaptar a máscara ao nariz do indivíduo de forma a evitar fugas de oxigénio, nomeadamente para os olhos pois, existe o risco de provocar lesões dos mesmos (Fig. 4.7). Fig Fixação da máscara à face da vítima. Se a vítima não tolerar a máscara na cara pode em alternativa segurá-la junto da face. Esta técnica utiliza-se mais frequentemente nas crianças devido às dimensões das máscaras. Máscara de alta concentração Este tipo de máscaras são semelhantes às máscaras simples, tendo no entanto um reservatório de plástico que permite a obtenção de saturações de oxigénio mais altas (Fig. 4.8). A sua aplicação segue os mesmos princípios que os adotados para a máscara simples. Ter atenção ao usar a máscara, encher sempre primeiro o reservatório de O2 antes de aplicar a máscara na vítima. Para tal, deve pressionar a válvula da máscara. Fig Máscara de alta concentração. 7

8 VENTILAÇÃO ARTIFICIAL OU INSUFLAÇÃO Enquanto o método por inalação está indicado nas situações em que a vítima ventila espontaneamente, a ventilação artificial constitui a medida de eleição nos casos em que esta não ventila, ventila com uma frequência demasiado baixa ou ventila com uma frequência demasiado alta. Este método permite oxigenar os pulmões a uma pressão ligeiramente superior à pressão atmosférica, facilitando a entrada de ar nas vias aéreas. Existem várias possibilidades de ventilação artificial: BOCA - A BOCA modalidade mais utilizada. BOCA NARIZ utilizado, por exemplo, quando há traumatismos na boca. BOCA - NARIZ BOCA utilizado em crianças pequenas ou lactentes. BOCA ESTOMA utilizado em doentes traqueostomizados. BOCA MÁSCARA através da máscara de bolso conectada a uma fonte de oxigénio. INSUFLADOR MANUAL sempre associado a um tubo orofaríngeo e ligado a uma fonte de oxigénio. QUE QUANTIDADE DE OXIGÉNIO A ADMINISTRAR Já vimos que as concentrações de oxigénio a administrar a uma vítima, variam consoante o tipo de método a utilizar. Os óculos e as sondas nasais estão indicados quando são necessárias baixas concentrações de oxigénio enquanto que a máscara simples, a máscara de bolso e o insuflador manual estão indicadas nas situações que exigem altas concentrações. Para além deste fator, outras regras existem na oxigenoterapia como a existência de tabelas e regras protocolares para a administração de oxigénio a cada caso. Administrar 15 litros/minuto: Situações de Paragem cardiorrespiratória; Paragem respiratória; Edema Agudo do Pulmão; Asma grave com dificuldade respiratória; Intoxicações graves com dificuldade respiratória (por organofosforados, monóxido de carbono e fumos). Administrar 10 litros/minuto: Situações de origem cardíaca (ex. Enfarte Agudo do Miocárdio); Situações que afetem o Aparelho Cardiovascular (ex. Politraumatizados em choque e/ou com hemorragias graves). 9

9 Administrar 3 litros/minuto: Restantes situações. Atualmente defende-se que, tão importante como o débito a administrar, também é primordial a percentagem de oxigénio que se administra. Para meios com oximetria de pulso disponível, administrar oxigénio titulando o débito de acordo com os valores da oximetria (SpO2): Garantir oximetria 95% (na vítima crítica grave estes objetivos nem sempre se conseguem alcançar. Nestas condições o limite aceitável de oximetria de pulso é de 90% - 92%; Se vítima crítica grávida: oximetria 97%; Se DPOC: oximetria 88% - 92%. NOTAS: O débito de oxigénio poderá ser sempre alterado mediante indicação médica. Não existe necessidade de humidificar o oxigénio na fase pré-hospitalar em virtude de ser uma administração de curta duração. Nunca se administra oxigénio nas intoxicações por Paraquat (Gramoxone). Existem máscaras para administração de oxigénio nas quais é possível regular a FiO2 a administrar (Fig. 4.9 e 4.10), sendo a percentagem ajustada com base nos protocolos existentes ou com base na decisão de um médico. Fig Máscara com regulação de FiO2 na conexão do tubo de oxigénio. Fig Máscara com regulação de FiO2 por substituição da conexão ao tubo oxigénio. 10

10 Existem outros tipos de máscaras em que permitem, por exemplo, a administração de fármacos em conjunto com o oxigénio (Fig. 4.11). No entanto estas são pouco usadas no pré-hospitalar devido à sua especificidade, estando o seu uso condicionado a critérios médicos. Fig Máscara com nebulizador acoplado. TABELA DE DÉBITOS E PERCENTAGENS DE OXIGÉNIO Equipamento Débito aconselhado FiO 2 Cânula Nasal 1 a 6 Lt/min < 44% Máscara simples 6 a 10 Lt/min 35% a 60% Máscara com balonete Máscara com regulação do FiO 2 Com fonte de oxigénio afastada da face 12 a 15 Lt/min 60% a 90% Em conformidade com a saturação pretendida 1 a 10 Lt/min Em conformidade com a saturação pretendida Depende da distância da face da criança a que se encontra a fonte de O 2 Considerações - Indicada para baixos débitos de O 2 ; - Pouco aceite pelas crianças. - Indicada para baixos débitos de O 2 ; - Pouco aceite nas crianças; - Usar os tamanhos adequados. - Tem indicação para altos débitos de O 2 ; - Usar em vítimas com um quadro clínico de dificuldade respiratória grave; - Verificar que quando da sua utilização que o reservatório se encontra insuflado; - Existe um tamanho pediátrico e adulto. - Permite regulação do FiO 2 através da relação débito / saturação; - Eficaz quando se permite administrar oxigénio a um FiO2 específico; - Pouco aceite nas crianças; - Usar os tamanhos adequados. - Indicado para recém-nascidos, lactentes, ou para crianças que não toleram a máscara ou a cânula nasal; - Tolerado na maioria das situações; - A concentração está dependente da distância a que se encontra a face. 11

11 CUIDADOS A TER NA ADMINISTRAÇÃO DE OXIGÉNIO Os cuidados a ter quando da administração de oxigénio a uma vítima, serão divididos em duas partes: Em relação à vítima; Em relação ao material. Em relação à vítima: Acalmar a vítima, explicando sempre o que irá fazer. A colaboração da vítima é muito importante quando se está a administrar oxigénio, além dos outros cuidados necessários à sua estabilização. Solicite, portanto, e sempre que possível, a sua colaboração; Verificar se o sistema de oxigénio está preparado; Adaptar cuidadosamente o material que irá utilizar para administração de oxigénio. Se necessário solicite que a vítima o ajude; Observar constantemente o sistema de administração de oxigénio bem como a sua eficácia; Avaliar e registar os sinais vitais com frequência, e estar atento a alterações dos sinais e sintomas. Em relação ao material: Não deve fumar, ou fazer lume junto de qualquer fonte de oxigénio. O oxigénio é ALTAMENTE EXPLOSIVO; Não utilizar qualquer tipo de gordura, nem lubrificar o material, pois existe o risco de explosão; Utilizar de preferência material esterilizado e manipula-lo com cuidado. No caso de não ser possível, utilize material previamente lavado, desinfetado e seco; Procurar manter o debitómetro de oxigénio e respetivo copo misturador (se existir) sempre limpos e secos. Antes de iniciar qualquer procedimento preparar o sistema de oxigénio, segundo a sequência abaixo referida: 1. Abrir a torneira da garrafa; 2. Observar o manómetro de pressão; 3. Abrir a torneira do debitómetro durante algum tempo para purgar o sistema e fechá-la novamente; 4. Fazer a conexão do método de administração de O2 à fonte e adapta-lo à vítima; 5. Abrir a torneira do debitómetro com suavidade até ao débito indicado para a situação (Fig. 4.12). 12

12 Fig Debitómetro. Depois de utilizar o sistema de oxigénio, inutilizar o tubo de conexão e o sistema de inalação e proceda de acordo com as indicações que se seguem: 1. Fechar a torneira do debitómetro, e verificar qual a quantidade de oxigénio existente na garrafa; 2. Fechar a torneira da garrafa; 3. Abrir a torneira do debitómetro durante algum tempo, até sair completamente todo o oxigénio existente na canalização. REGRAS DE CÁLCULO DA CAPACIDADE DAS GARRAFAS DE OXIGÉNIO Todas as garrafas de oxigénio têm inscrito na sua face superior, as indicações necessárias ao cálculo da capacidade de oxigénio disponível em litros. Para proceder ao cálculo da capacidade, é necessário identificar os seguintes parâmetros: CAPACIDADE DA GARRAFA (em litros). Este dado encontra-se inscrito na garrafa; PRESSÃO a que se encontra o oxigénio no momento de verificação da garrafa (em Bares). O VOLUME DE OXIGÉNIO UTILIZÁVEL corresponde à quantidade de oxigénio existente dentro da garrafa e é expresso pela fórmula seguinte: VOLUME UTILIZÁVEL (litros) = CAPACIDADE DA GARRAFA (litros) x PRESSÂO DE OXIGÉNIO (bar) Para calcular a duração de oxigénio existente, isto é, por quanto tempo dispõe de oxigénio, empregando um determinado débito fixo regulado no debitómetro, teremos de efetuar a seguinte operação: MINUTOS DISPONÍVEIS = VOLUME UTILIZÁVEL DÉBITO A ADMINISTRAR 13

13 EXEMPLO: Capacidade da garrafa (em litros) =15 litros Pressão de oxigénio da garrafa (em bar) =200 bar Débito de oxigénio pretendido = 15 litros/minuto Cálculo da duração prevista da garrafa de oxigénio (minutos disponíveis): Volume utilizável = Capacidade da garrafa x pressão de oxigénio = litros MINUTOS DISPONÍVEIS = Volume utilizável = l = 200 minutos (3h20min) Débito a administrar 15 l/min Na garrafa de oxigénio estão igualmente inscritas outras indicações importantes: Data da realização da prova hidráulica (aferição da capacidade de enchimento da garrafa). A pressão de enchimento a que a garrafa foi sujeita durante a prova hidráulica. A pressão de enchimento de serviço. AS GARRAFAS DE OXIGÉNIO DEVERÃO SER SUJEITAS A PROVA HIDRÁULICA DE 5 EM 5 ANOS, DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO EM VIGOR. 14

Oxigenoterapia Não invasiva

Oxigenoterapia Não invasiva Oxigenoterapia Não invasiva Definição Consiste na administração de oxigênio numa concentração de pressão superior à encontrada na atmosfera ambiental para corrigir e atenuar deficiência de oxigênio ou

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Oxigénio Medicinal Gasoxmed, 100 % gás medicinal criogénico

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Oxigénio Medicinal Gasoxmed, 100 % gás medicinal criogénico FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Oxigénio Medicinal Gasoxmed, 100 % gás medicinal criogénico Leia atentamente este folheto antes de utilizar este medicamento. - Conserve este folheto.

Leia mais

Fibrose Pulmonar Idiopática (FPI)

Fibrose Pulmonar Idiopática (FPI) Fibrose Pulmonar Idiopática (FPI) Esse livro tem o apoio de: Caros pacientes, familiares e cuidadores, Informação espaço para outras informações/link do site e pode ser adaptado ao país em que vai ser

Leia mais

REGRAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO (NO FINAL DO MANUAL)

REGRAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO (NO FINAL DO MANUAL) A segurança no laboratório de química Os laboratórios são lugares de trabalho que necessariamente não são perigosos, desde que sejam tomadas certas precauções. Todos aqueles que trabalham em laboratório

Leia mais

Ficha de Segurança. 1. Identificação da preparação e da companhia

Ficha de Segurança. 1. Identificação da preparação e da companhia 1. Identificação da preparação e da companhia Nome do Produto/Preparação Código do produto Uso específico Ver Ficha Técnica do Produto. Métodos de aplicação Ver Ficha Técnica do Produto. Nome da Empresa

Leia mais

FOLHA DE DADOS DE SEGURANÇA de acordo com a Directiva CE 2001/58/CE ACRYL 1K MATT Versão 1 Data de impressão 16/05/2007

FOLHA DE DADOS DE SEGURANÇA de acordo com a Directiva CE 2001/58/CE ACRYL 1K MATT Versão 1 Data de impressão 16/05/2007 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/PREPARAÇÃO E DA SOCIEDADE/EMPRESA Informação do Produto Nome do produto : Código do produto : L0290158 Companhia : Lechler SpA Via Cecilio 17 22100 Como Telefone : +39031586111

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

N.º revisão: 1,10. Esta mistura não é classificada como perigosa de acordo com a Directiva 1999/45/CE.

N.º revisão: 1,10. Esta mistura não é classificada como perigosa de acordo com a Directiva 1999/45/CE. SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto 1.2. Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações desaconselhadas Utilização

Leia mais

SECÇÂO 1. Identificação da substancia/preparação e da sociedade

SECÇÂO 1. Identificação da substancia/preparação e da sociedade Pagina: 1 de 7 SECÇÂO 1. Identificação da substancia/preparação e da sociedade 1.1 Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa Tipo de produto quimico Nome Comercial Mistura 1.2 Utilizações

Leia mais

GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014

GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014 GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014 Gestos que Salvam O que fazer? EM CASO DE EMERGÊNCIA O QUE FAZER Número Europeu de Emergência LIGAR PARA O NÚMERO EUROPEU

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR-14725 Cartasol Turquesa K-2R liq 0100 Página 1 / 7

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR-14725 Cartasol Turquesa K-2R liq 0100 Página 1 / 7 Cartasol Turquesa K-2R liq 0100 Página 1 / 7 1. Identificação do produto e da empresa Nome comercial: Cartasol Turquesa K-2R liq 0100 nº Material: 235716 nº Material:235716 Código Interno de Produto :

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: CASTANHO P-BR Empresa: Clariquimica Com.de Produtos Químicos Ltda. Endereço: Rua Manoel Vitorino, 353. Complemento: xxxxxx Bairro: Cumbica Cidade: Guarulhos

Leia mais

Material Safety Data Sheet OP9011 TROWELABLE FAIRING COMPOUND CURING AGENT Version No: 2 Revision Date: 18/02/2003

Material Safety Data Sheet OP9011 TROWELABLE FAIRING COMPOUND CURING AGENT Version No: 2 Revision Date: 18/02/2003 1. Identificação da preparação e da companhia Nome do Produto/Preparação Código do produto Uso específico Ver Ficha Técnica do Produto. Só para uso profissional Métodos de aplicação Ver Ficha Técnica do

Leia mais

N.º revisão: 1,20. Esta mistura não é classificada como perigosa de acordo com a Directiva 1999/45/CE.

N.º revisão: 1,20. Esta mistura não é classificada como perigosa de acordo com a Directiva 1999/45/CE. SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto 1.2. Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações desaconselhadas Utilização

Leia mais

Manual de Ajuda para o Adulto. asma. Programa Nacional de Controlo

Manual de Ajuda para o Adulto. asma. Programa Nacional de Controlo Manual de Ajuda para o Adulto asma Programa Nacional de Controlo Direcção-Geral da Saúde COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DA ASMA 2001 EDIÇÃO Direcção-Geral da Saúde Al. D. Afonso Henriques, 45 1049-005

Leia mais

Jose Roberto Fioretto

Jose Roberto Fioretto Jose Roberto Fioretto jrf@fmb.unesp.br Professor Adjunto-Livre Docente Disciplina de Medicina Intensiva Pediátrica Faculdade de Medicina de Botucatu-UNESP 1988 Para começar... Ventilação mecânica é ventilação

Leia mais

Pesquisa Etiológica. Exame específico

Pesquisa Etiológica. Exame específico Influenza A (H1N1) O vírus A Influenza A(H1 N1) é uma doença respiratória e a transmissão ocorre de pessoa a pessoa, principalmente por meio de tosse, espirro ou de contato com secreções respiratórias

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ Produto: Ultralub Silispray Desmocoating Página 1 de 6 1 Informação do Produto e da Empresa Nome do Produto: Ultralub Silispray Desmocoating Fornecedor Nome: Ultralub Química Ltda. Endereço: Estrada dos

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR-14725 Mixtinter Laranja HOR 16L Página 1 / 6

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR-14725 Mixtinter Laranja HOR 16L Página 1 / 6 Mixtinter Laranja HOR 16L Página 1 / 6 1. Identificação do produto e da empresa Nome comercial: Mixtinter Laranja HOR nº Material: 238961 16L nº Material:238961 Código Interno de Produto : 000000393778

Leia mais

Transporte nos animais

Transporte nos animais Transporte nos animais Tal como nas plantas, nem todos os animais possuem sistema de transporte, apesar de todos necessitarem de estabelecer trocas com o meio externo. As hidras têm somente duas camadas

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA Respiração A função da respiração é essencial à vida e pode ser definida, de um modo simplificado, como a troca de gases (O 2 e CO 2 ) entre as células do organismo e a atmosfera.

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Av. Jorge Alfredo Camasmie, 670 - Parque Industrial Ramos de Freitas

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Av. Jorge Alfredo Camasmie, 670 - Parque Industrial Ramos de Freitas FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO ROCOL FOODLUBE ALK T CÓDIGO FISPQ-1803 REVISÃO 0 EMISSÃO 18/07/2014 APROVAÇÃO 18/07/2014 Page 1 of 6 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

Leia mais

Capítulo 25. Emergências Pediátricas. Capítulo 25. Emergências Pediátricas 1. OBJETIVOS

Capítulo 25. Emergências Pediátricas. Capítulo 25. Emergências Pediátricas 1. OBJETIVOS Capítulo 25 Emergências Pediátricas 1. OBJETIVOS No final da sessão os formandos deverão ser capazes de: Listar e descrever as emergências médicas mais frequentes; Listar e descrever os cuidados gerais

Leia mais

PRIMEIRO A SEGURANÇA. Armazenamento e Manuseamento Seguro de Produtos de Limpeza e de Desinfecção. Seguir as Regras de Segurança:

PRIMEIRO A SEGURANÇA. Armazenamento e Manuseamento Seguro de Produtos de Limpeza e de Desinfecção. Seguir as Regras de Segurança: Seguir as Regras de Segurança: 1. Seguir sempre as recomendações e instruções de aplicação dos produtos de limpeza e de desinfecção. 2. Observar os pictogramas de perigo, as advertências de perigo e as

Leia mais

Distributeur d'eau Water dispenser Distribuidor de agua Distribuidor de água Waterautomaat IT Libretto istruzioni Distributore d'acqua

Distributeur d'eau Water dispenser Distribuidor de agua Distribuidor de água Waterautomaat IT Libretto istruzioni Distributore d'acqua Distributeur d'eau Water dispenser Distribuidor de agua Distribuidor de água Waterautomaat IT Libretto istruzioni Distributore d'acqua Vanddispenseren Wasserspender Recomendações gerais - Antes de utilizar

Leia mais

RISCOS E SEGURANÇA FRASES R NATUREZA DOS RISCOS ESPECÍFICOS ATRIBUÍDOS ÀS SUBSTÂNCIAS E PREPARAÇÕES PERIGOSAS

RISCOS E SEGURANÇA FRASES R NATUREZA DOS RISCOS ESPECÍFICOS ATRIBUÍDOS ÀS SUBSTÂNCIAS E PREPARAÇÕES PERIGOSAS RISCOS E SEGURANÇA FRASES R NATUREZA DOS RISCOS ESPECÍFICOS ATRIBUÍDOS ÀS SUBSTÂNCIAS E PREPARAÇÕES PERIGOSAS R1 R2 Explosivo no estado seco. Risco de explosão por choque, fricção, fogo ou outras fontes

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA CAPARICA PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 2.º CICLO DISCIPLINA: CIÊNCIAS NATURAIS 6.º ANO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA CAPARICA PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 2.º CICLO DISCIPLINA: CIÊNCIAS NATURAIS 6.º ANO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA CAPARICA PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 2.º CICLO DISCIPLINA: CIÊNCIAS NATURAIS 6.º ANO Período Nº semanas Nº de aulas Previstas 1º 13 37 2º 10 32 3º 9 27 TOTAL 96 Domínios Subdomínios

Leia mais

Capítulo 3 Documento Rascunho Eurico Ferreira S.A. 23 de Fevereiro de 2012. António Luís Passos de Sousa Vieira 070503362 ee07362@fe.up.

Capítulo 3 Documento Rascunho Eurico Ferreira S.A. 23 de Fevereiro de 2012. António Luís Passos de Sousa Vieira 070503362 ee07362@fe.up. Capítulo 3 Documento Rascunho Eurico Ferreira S.A. 23 de Fevereiro de 2012 António Luís Passos de Sousa Vieira 070503362 ee07362@fe.up.pt Capítulo 3 Baterias Solares As baterias solares, também conhecidas

Leia mais

Informações Básicas sobre o Novo Tipo de Influenza

Informações Básicas sobre o Novo Tipo de Influenza Informações Básicas sobre o Novo Tipo de Influenza 1 O que é o Novo Tipo de Influenza É o nome dado à doença causada pela presença do vírus da influenza A/H1N1, de origem suína, no corpo humano. Diz-se

Leia mais

PREVENÇÃO DA GRIPE A(H1N1)V

PREVENÇÃO DA GRIPE A(H1N1)V PREVENÇÃO DA GRIPE A(H1N1)V Gripe A(H1N1)v Quais os sintomas? Os sintomas são semelhantes aos da gripe sazonal: RECOMENDAÇÕES Qual o modo de contágio? Pessoa a pessoa através de gotículas quando tosse

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO 1. INTRODUÇÃO Toda e qualquer atividade prática a ser desenvolvida dentro de um laboratório apresentam riscos e estão propensas a acidentes. Devemos então utilizar normas

Leia mais

Gripe H1N1 ou Influenza A

Gripe H1N1 ou Influenza A Gripe H1N1 ou Influenza A A gripe H1N1 é uma doença causada por vírus, que é uma combinação dos vírus da gripe normal, da aviária e da suína. Essa gripe é diferente da gripe normal por ser altamente contagiosa

Leia mais

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Necessidades humanas básicas: oxigenação Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Revisão Revisão O Fatores que afetam a oxigenação Fisiológicos; Desenvolvimento; Estilo de vida; Ambiental. Fisiológicos

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

Planificação Curricular Anual Ano letivo 2014/2015

Planificação Curricular Anual Ano letivo 2014/2015 PROCESSOS VITAIS COMUNS AOS SERES VIVOS Trocas nutricionais entre o organismo e o meio: nos animais. 1. Compreender a importância de uma alimentação equilibrada e segura 1.1. Apresentar um conceito de

Leia mais

職 業 安 全 健 康 廳 Departamento de Segurança e Saúde Ocupacional. Lista de controle das condições de Segurança e Saúde Ocupacional para Hotelaria e afins

職 業 安 全 健 康 廳 Departamento de Segurança e Saúde Ocupacional. Lista de controle das condições de Segurança e Saúde Ocupacional para Hotelaria e afins Local de Trabalho 1 Manter o local de trabalho sempre limpo. 2 Não obstruir as vias de circulação. 3 Desimpedir as saídas de emergência e escapatórias. 4 Arrumar materiais ordenadamente e não demasiado

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO (CE) n 1907/2006 - REACH) Data : 11/05/2015 Página 1/6 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA

Leia mais

DPOC e Oxigenoterapia Guia Rápido

DPOC e Oxigenoterapia Guia Rápido Homehealth provider DPOC e Oxigenoterapia Guia Rápido www.airliquide.com.br O que é DPOC? O paciente com DPOC doença pulmonar obstrutiva crônica possui falta de ar e tosse porque seus pulmões e suas vias

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Página: 1 Data de compilação: 10.03.2014 Nº de Revisão: 1 Secção 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto Nome do produto: Código de stock: DF1513 1.2.

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO CE N.o 1907/2006) Data: 17/02/2010 Página 1/5 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA 1 IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/PREPARAÇÃO E DA SOCIEDADE / EMPRESA Identificação da substância/preparação:

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: LIQUITINT VIOLET LS Page: (1 de 5) ATENÇÃO: Leia atentamente esta Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico (FISPQ) antes

Leia mais

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab)

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Para a perda de visão devida a edema macular secundário a oclusão da veia retiniana (OVR) Informação importante para o doente Secção 1 Sobre o Lucentis

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS O GPL Auto Uma opção com futuro Como é do conhecimento público, há muito que a APETRO defendia que o regime jurídico português relativo à utilização do GPL

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS DATA DE APROVAÇÃO: 22/11/2011 Página 1 de 6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto LW Hidroprimer Nome da empresa Lwart Química Ltda. Endereço Rodovia Marechal Rondon, Km 303,5, Lençóis

Leia mais

QUALIDADE DO AR INTERIOR

QUALIDADE DO AR INTERIOR QUALIDADE DO AR INTERIOR POR DIA OS NOSSOS PULMÕES FILTRAM CERCA DE 13. 000 LITROS DE AR! A POLUIÇÃO EM AMBIENTES FECHADOS É UMA DAS PRINCIPAIS CAUSAS DE DOENÇAS RESPIRATÓRIAS A maior parte das nossas

Leia mais

Máscara Facial para Uso Hospitalar da ResMed

Máscara Facial para Uso Hospitalar da ResMed Máscara Facial para Uso Hospitalar da ResMed A MÁSCARA FACIAL PARA USO HOSPITALAR DA RESMED é destinada a ser utilizada por um só paciente adulto (>30 kg) ao qual foi prescrito o tratamento por pressão

Leia mais

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 000000122941 Data da revisão: 16.09.2015. Sikaflex -265. : Selante/ Adesivo

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 000000122941 Data da revisão: 16.09.2015. Sikaflex -265. : Selante/ Adesivo SEÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto : Código do produto : 000000122941 Tipo de produto : líquido Uso recomendado do produto químico e restrições de uso Uso da substância / preparação

Leia mais

Via aérea definiva no trauma

Via aérea definiva no trauma Via aérea definiva no trauma Mauricio Vidal de Carvalho Israel Figueiredo júnior A sistematização do atendimento inicial a vítimas de traumas trouxe importantes avanços na condução destes pacientes. Diante

Leia mais

FISPQ FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS FISPQ n : 006 Data última revisão: 11/05/2011 Página:1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Limpus Dogs Nome da Empresa: Class Indústria Química Endereço: Rua Claudino Gazzi, 225 Bairro São Luis

Leia mais

Plano de Contingência

Plano de Contingência Plano de Contingência Gripe A (H1N1) Creche, Jardim-de-infância e ATL da ASSTAS Índice I INTRODUÇÃO... 2 II OBJECTIVOS... 3 III PREVENÇÃO E INFORMAÇÃO SOBRE A GRIPE A... 4 A) Quais os sintomas?... 4 B)

Leia mais

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 100000010394 Data da revisão: 19.10.2015. Sika Silicone W : PROQUÍMICA: 0800118270 SIKA (DDG): 08007037340.

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 100000010394 Data da revisão: 19.10.2015. Sika Silicone W : PROQUÍMICA: 0800118270 SIKA (DDG): 08007037340. SEÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto : Código do produto : 100000010394 Tipo de produto : líquido Detalhes do fabricante ou do fornecedor Empresa : Sika S.A. Avenida Dr. Alberto

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ PRODUTO: FLASH CLEAN POP REVISÃO Nº: 002 05/2013

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ PRODUTO: FLASH CLEAN POP REVISÃO Nº: 002 05/2013 1 INDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Desinfetante para uso geral. Nome comercial: Flash Clean Pop. Empresa: Quimifel Indústria e Comércio de Produtos de Limpeza Ltda. Autorização de

Leia mais

NEBULIZADOR COMPRESSOR

NEBULIZADOR COMPRESSOR MANUAL DE INSTRUÇÕES medcarer NEBULIZADOR COMPRESSOR Modelo: NEB-C130 CNP 6146514 0434! ANTES DE USAR, LER COM ATENÇÃO O MANUAL DE INSTRUÇÕES medcare NEBULIZADOR COMPRESSOR MODELO: NEB-C130 I N S T R U

Leia mais

Ficha de dados de segurança

Ficha de dados de segurança Ficha de dados de segurança Data de emissão: 19-06-2015 Versão: 0100/POR SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 11 Identificador do produto Designação comercial: LEGE 2 12

Leia mais

Manual de Usuário. (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000)

Manual de Usuário. (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000) AUTOMATIZADORES PARA PORTAS DE ENROLAR IMPORTAÇÃO E SUPORTE TÉCNICO NA INSTALAÇÃO Manual de Usuário (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000) SAC: 55 + 11 3088

Leia mais

Índice. Características

Índice. Características Índice 1 2 4 5 12 14 Características 1 Cuidados para manuseio e operação Leia estes cuidados atentamente e use somente conforme destinado ou instruído. Instruções de segurança têm como objetivo evitar

Leia mais

Gases Especiais. & Equipamentos

Gases Especiais. & Equipamentos Gases Especiais & Equipamentos Desenvolvendo Novos Padrões em Parceria com Nossos Clientes Sempre inovando para atender nossos clientes de forma personalizada e com alta tecnologia, oferecemos a linha

Leia mais

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 Capítulo I CONCEITOS GERAIS SOBRE EMBALAGEM 1. Introdução 2 2. As funções da embalagem 2 3. Classificação das embalagens 5 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 5. O ambiente e a embalagem

Leia mais

Identificar as situações onde é necessária a oxigenoterapia; Descrever as características dos pacientes que necessitam de oxigenoterapia;

Identificar as situações onde é necessária a oxigenoterapia; Descrever as características dos pacientes que necessitam de oxigenoterapia; Módulo 7 Oxigenoterapia e equipamentos Apresentação do Módulo A hipóxia é uma condição na qual há uma deficiência da quantidade de oxigênio que alcança os tecidos do organismo. É extremamente grave, comprometendo

Leia mais

Sinais de alerta perante os quais deve recorrer à urgência:

Sinais de alerta perante os quais deve recorrer à urgência: Kit informativo Gripe Sazonal A gripe Sazonal é uma doença respiratória infeciosa aguda e contagiosa, provocada pelo vírus Influenza. É uma doença sazonal benigna e ocorre em todo o mundo, em especial,

Leia mais

Nós precisamos de beber água para sobreviver!... A. água representa cerca de 60 a 70% do peso corporal e é. do organismo ocorram adequadamente.

Nós precisamos de beber água para sobreviver!... A. água representa cerca de 60 a 70% do peso corporal e é. do organismo ocorram adequadamente. A Água A água é o centro da vida! Nós precisamos de beber água para sobreviver!... A água representa cerca de 60 a 70% do peso corporal e é indispensável a todas as funções do organismo, designadamente,

Leia mais

Versão 1.1 Numero da FISPQ: 000000610265 Data da revisão: 12.09.2015. Separol BIO : PROQUÍMICA: 0800118270 SIKA (DDG): 08007037340. : Não conhecido.

Versão 1.1 Numero da FISPQ: 000000610265 Data da revisão: 12.09.2015. Separol BIO : PROQUÍMICA: 0800118270 SIKA (DDG): 08007037340. : Não conhecido. SEÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto : Código do produto : 000000610265 Tipo de produto : líquido Detalhes do fabricante ou do fornecedor Empresa : Sika S.A. Avenida Dr. Alberto

Leia mais

Máscara Nasal para Uso Hospitalar da ResMed

Máscara Nasal para Uso Hospitalar da ResMed Máscara Nasal para Uso Hospitalar da ResMed A MÁSCARA NASAL PARA USO HOSPITALAR DA RESMED é destinada a ser utilizada por um só paciente adulto (>30 kg) ao qual foi prescrito o tratamento por pressão contínua

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA PARA PRODUTO QUÍMICO THINNER USO GERAL - 8016

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA PARA PRODUTO QUÍMICO THINNER USO GERAL - 8016 01 - IDENTIFIÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Código Interno: 8016 THINNER USO GERAL Empresa: RHAI INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE MASSAS PLÁSTICAS LTDA Endereço: Rodovia PR 506, 44 km 2 Distrito de Araçatuba Campina

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Produto: NITROQUISA 20,5 Pág. 1 de 6 1. Designação de substância/preparação e empresa NITROQUISA 20,5 Adubo granulado Empresa: Agroquisa Agroquímicos, S.A. Rua dos Navegantes, 48-53 1200-732 LISBOA Tel:

Leia mais

Ficha de Segurança. 1. Identificação da preparação e da companhia

Ficha de Segurança. 1. Identificação da preparação e da companhia 1. Identificação da preparação e da companhia Nome do Produto/Preparação Código do produto Uso específico Ver a Ficha Técnica do Produto Só para uso profissional Métodos de aplicação Ver a Ficha Técnica

Leia mais

Sistema Respiratório Introdução

Sistema Respiratório Introdução Introdução Nesse caso, o termo respiração é empregado incluindo as trocas gasosas através do corpo e as trocas gasosas nas células dos diferentes tecidos. As trocas gasosas são realizadas através da superfície

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página: 1 de 5 FISPQ Nº: 044 Data da última revisão: 22/10/2010 Nome do Produto: Fixomat AR 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Fixomat AR Código do Produto: 025215001, 025215018.

Leia mais

Os Rins. Algumas funções dos Rins?

Os Rins. Algumas funções dos Rins? Os Rins Os Rins Algumas funções dos Rins? Elimina água e produtos resultantes do metabolismo como a ureia e a creatinina que, em excesso são tóxicas para o organismo; Permite o equilíbrio corporal de líquidos

Leia mais

Obrigado por escolher um aparelho da gama KRUPS exclusivamente previsto para a preparação de alimentos e para uma utilização doméstica apenas.

Obrigado por escolher um aparelho da gama KRUPS exclusivamente previsto para a preparação de alimentos e para uma utilização doméstica apenas. Obrigado por escolher um aparelho da gama KRUPS exclusivamente previsto para a preparação de alimentos e para uma utilização doméstica apenas. DESCRIÇÃO a Bloco motor a1 Selector electrónico de velocidade

Leia mais

> INTRODUÇÃO. > Gás nas autocaravanas. > Tipos de Gás existentes

> INTRODUÇÃO. > Gás nas autocaravanas. > Tipos de Gás existentes > INTRODUÇÃO O presente documento não pretende, de modo nenhum, sobrepor-se à leitura das normas que regulamentam o uso de Gás nas autocaravanas, nomeadamente a norma comunitário EN- 1949, apenas pretende

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) 1.- Identificação da substância ou do preparado e da sociedade ou empresa Identificação da substância ou do preparado Identificação da sociedade ou empresa:

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA Pág. 1/8 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA Nome do produto: CERA Cód. Interno de Identificação do Produto: Nome da Empresa: POLIDENTAL INDÚSTRIA

Leia mais

Primeiros Socorros Volume I

Primeiros Socorros Volume I Manual Primeiros Socorros Volume I um Manual de Junho de 2008 Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode

Leia mais

FISPQ (FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS.) DETERGENTE EUCALIPTO GEL 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA:

FISPQ (FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS.) DETERGENTE EUCALIPTO GEL 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1 Nome Comercial: Detergente Eucalipto Gel Maranso 1.2 Código de Venda:004 1.3 Nome do Fabricante: QOB MATERIAIS DOMISSANEANTES LTDA EPP Rua Ministro Joaquim

Leia mais

Cozinha Industrial. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Cozinha Industrial. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Cozinha Industrial Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Serviços de alimentação Este tipo de trabalho aparenta não ter riscos, mas não é bem assim, veja alguns exemplos: Cortes

Leia mais

MIXER INOX. Manual de Instruções

MIXER INOX. Manual de Instruções MIXER INOX Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto de nossa linha. Para garantir o melhor desempenho de seu produto, o usuário deve ler atentamente as instruções a seguir.

Leia mais

Ficha de Segurança. 1. Identificação da preparação e da companhia

Ficha de Segurança. 1. Identificação da preparação e da companhia 1. Identificação da preparação e da companhia Nome do Produto/Preparação Código do produto Uso específico Thinner Métodos de aplicação Ver a Ficha Técnica do Produto Nome da Empresa International Paint

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) Ano Lectivo 2009/2010 PLANO DE CONTINGÊNCIA A principal finalidade do Nacional é a de minimizar o impacte de uma eventual pandemia em território nacional, sobretudo no que diz respeito à

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) Página 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código interno: 12044 (1,5L) Aplicação: Desinfetante para Roupas Empresa: BOMBRIL S/A - Marginal Direita da Via Anchieta, km14 -

Leia mais

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 000000122327 Data da revisão: 16.09.2015. Sikaflex -227. : Selante/ Adesivo

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 000000122327 Data da revisão: 16.09.2015. Sikaflex -227. : Selante/ Adesivo SEÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto : Código do produto : 000000122327 Tipo de produto : líquido Uso recomendado do produto químico e restrições de uso Uso da substância / preparação

Leia mais

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM O RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM O RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM O RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO i) DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO Sevoflurano Baxter 100%, líquido para inalação por vaporização. ii) COMPOSIÇÃO QUALITATIVA

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança Segundo Regulamento (CE) nº. 1907/2006

Ficha de Dados de Segurança Segundo Regulamento (CE) nº. 1907/2006 Página 1/6 1 Identificação da preparação e da empresa Área de aplicação do produto: Produto profissional para limpeza/manutenção no sector agrícola. Fabricante/Fornecedor: JohnsonDiversey Departamento

Leia mais

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR?

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? O NÚMERO DE PESSOAS AFETADAS POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EVITÁVEIS NÃO PÁRA DE AUMENTAR. AS CRIANÇAS E OS MAIS VELHOS SÃO OS MAIS ATINGIDOS. SÃO DOENÇAS

Leia mais

1. Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa. 2. Identificação dos perigos. (continuação na página 2)

1. Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa. 2. Identificação dos perigos. (continuação na página 2) Ficha de dados de segurança Página: 1/6 1. Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1 Identificador do produto 1.2 Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações

Leia mais

Ficha de dados de segurança

Ficha de dados de segurança Ficha de dados de segurança Data de emissão: 10-04-2015 Versão: 02.00/PRT SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto Designação comercial: LGGB 2

Leia mais

Sistemas de Lubrificação AutoJet

Sistemas de Lubrificação AutoJet Sistemas de Lubrificação AutoJet Sistemas de lubrificação AutoJet Sistemas de lubrificação oferece-lhe um método eficiente na aplicação de lubrificantes e líquidos anti-corrosivos. Em adição, moldes, estampagem,

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA De acordo com Regulamento 1907/2006 DODIVAL

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA De acordo com Regulamento 1907/2006 DODIVAL FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA De acordo com Regulamento 1907/2006 DODIVAL 1. IDENTIFICAÇÃO DA PREPARAÇÃO E DA EMPRESA Nome do produto: Identificação: Tipo de formulação: Tipo de utilização: DODIVAL dodina

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR ENDOFALK pó para solução oral Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento. - Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler.

Leia mais

FISPQ nº: 0008 Ultima Revisão: 08/11/2014

FISPQ nº: 0008 Ultima Revisão: 08/11/2014 1. Informação do Produto Nome do produto : Código do produto : 0008 Empresa : Jenifer Martins de Souza (MV Química / Lubrificantes Brasil) Rua José Carlos, 44 Jandira - SP Cep: 06608-330 Fone: (11) 3280-4707

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos FISPQ NBR 14725

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos FISPQ NBR 14725 Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos FISPQ NBR 14725 FISPQ PRODUTO ELABORADO REVISADO MOLLIS GEL HIGIENIZADOR COM 01/08/2012 03/09/2012 TRICLOSAN 1. Identificação do produto e da empresa

Leia mais

União de Ensino Superior de Campina Grande Curso Fisoterapia Disciplina: Farmacologia Vias de Administração de Fármacos

União de Ensino Superior de Campina Grande Curso Fisoterapia Disciplina: Farmacologia Vias de Administração de Fármacos União de Ensino Superior de Campina Grande Curso Fisoterapia Disciplina: Farmacologia Vias de Administração de Fármacos Yanna C. F. Teles yannateles@gmail.com FARMACOCINÉTICA Estuda o caminho que os fármacos

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 28 Compressores Octagon Aplicação Sub Crítica com Dióxido de Carbono CO 2 09/08 Nesse boletim vamos abordar as instruções de operação dos compressores Octagon aplicados com o Dióxido

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO MOTOBOMBA A GASOLINA VULCAN VMB552 / VMB552H / VMB653 ATENÇÃO ANTES DE UTILIZAR O EQUIPAMENTO LEIA ATENTAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES.

MANUAL DO USUÁRIO MOTOBOMBA A GASOLINA VULCAN VMB552 / VMB552H / VMB653 ATENÇÃO ANTES DE UTILIZAR O EQUIPAMENTO LEIA ATENTAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES. MANUAL DO USUÁRIO MOTOBOMBA A GASOLINA VULCAN VMB552 / VMB552H / VMB653 ATENÇÃO ANTES DE UTILIZAR O EQUIPAMENTO LEIA ATENTAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES. ÍNDICE 1. Aplicações...3 2. Instalações hidráulicas...4

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA MOD.QAS.033 / 03

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA MOD.QAS.033 / 03 1/5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1. Nome: 1.2. Aplicações: Pasta Adesiva. 1.2. Entidade Responsável: 1.3. Telefone de Emergência: Este produto destina-se à colagem de cerâmica. Saint-Gobain

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Montelucaste Generis 10 mg Comprimidos Montelucaste de sódio Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento -Conserve este folheto. Pode

Leia mais

1.1 Nome Comercial do Produto 3M 5990 BRAND PASTA ABRILHANTADORA. 1.2 Código 3M de Identificação do Produto GC-8001-9832-4

1.1 Nome Comercial do Produto 3M 5990 BRAND PASTA ABRILHANTADORA. 1.2 Código 3M de Identificação do Produto GC-8001-9832-4 1de 5 > 1 IDENTIFICAÇÃO DA PREPARAÇÃO 1.1 Nome Comercial do Produto 3M 5990 BRAND PASTA ABRILHANTADORA 1.2 Código 3M de Identificação do Produto GC-8001-9832-4 1.3 Uso Previsto para o Produto Polimento

Leia mais