EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL"

Transcrição

1 ISSN Ano CXLVII 25 Brasília - DF, quarta-feira, 0 de novembro de 200 Sumário. PÁGINA Atos do Poder Executivo... Presidência da República... Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento... 2 Ministério da Ciência e Tecnologia... 3 Ministério da Cultura... 4 Ministério da Defesa... 5 Ministério da Educação... 6 Ministério da Fazenda... 6 Ministério da Integração Nacional... 6 Ministério da Justiça... 7 Ministério da Previdência Social Ministério da Saúde Ministério das Cidades Ministério das Comunicações Ministério de Minas e Energia Ministério do Desenvolvimento Agrário Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Ministério do Esporte Ministério do Meio Ambiente Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério do Trabalho e Emprego... 5 Ministério dos Transportes Ministério Público da União Poder Judiciário Entidades de Fiscalização do Exercício das Profissões Liberais RETIFICAÇÃO DECRETO N o 7.340, DE 2 DE OUTUBRO DE 200 Institui o Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável - PDRS do Xingu, o seu Comitê Gestor e dá outras providências. EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL (Publicado no Diário Oficial da União de 22 de outubro de 200, Seção, páginas e 2) no art. 5 o : Atos do Poder Executivo onde se lê: " 4 o... referidos no inciso IV..." leia-se: " 4 o... referidos no inciso V..." onde se lê: " 5 o... referidos no inciso V..." leia-se: " 5 o... referidos no inciso IV...". Presidência da República CASA CIVIL INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIADA INFORMAÇÃO DESPACHOS DO DIRETOR-PRESIDENTE Em 8 de novembro de 200 Entidades: AR CNB-CF e AR CNBSP, vinculadas à AC NOTARIAL RFB Processo nº: / Acolhe-se o Parecer AUDIT - ITI 52/200 que opina pelo deferimento do pedido de credenciamento de novas Instalações Técnicas da AR CNB-CF e da AR CNBSP vinculadas à AC NOTARIAL RFB, listadas abaixo, com Políticas de Certificados credenciadas. Em vista disso, e consoante com o disposto no item , do DOC-ICP-03, defere-se o credenciamento. AR NOME DA INSTALAÇÃO TÉCNICA ENDEREÇO AR CNB-CF Ofício de Castelo de Sonhos - Altamira - PA Rua Francisco Ratski, s/nº, Distrito Castelo de Sonhos, Altamira - PA Cartório Condurú - Belém - PA Travessa 3 de maio, 465, São Brás, Belém - PA AR CNBSP Primeiro Tabelião de Notas da Comarca de São Bernardo do Campo Rua Dr. Flaquer, 70, Centro, São Bernardo do Campo - SP 3º Tabelião de Notas de São Vicente - SP Praça Coronel José, 420, Centro, São Vicente - SP º Tabelião de Notas e de Protesto de Jaú - SP Rua Paulino Maciel, 88, Centro, Jaú - SP Entidade: AC PR, vinculada à AC RAIZ Processo nº: / Acolhe-se o Parecer CGAF/ITI nº 007/200, que aprova a versão 4. da DPC da AC PR, vinculada à AC RAIZ. O arquivo contendo o documento aprovado possui o hash SHA informado no Parecer e deve ser publicado pela AC em seu repositório no prazo máximo de 30 dias, a contar da data desta publicação. Entidade: AR JM CARDOSO, vinculada à AC CERTISIGN RFB Processo nº: / Acolhe-se o Parecer AUDIT - ITI 59/200 que opina pelo deferimento do pedido de credenciamento de nova Instalação Técnica da AR JM CARDOSO, vinculada à AC CERTISIGN RFB, localizada na Praça Raul Leme, 200, 5º Andar, Conjunto 54, Centro, Bragança Paulista - SP, para as Políticas de Certificados credenciadas. Em vista disso, e consoante com o disposto no item , do DOC-ICP-03, defere-se o credenciamento. Entidade: AR JM CARDOSO, vinculada à AC SINCOR RFB Processo nº: / Acolhe-se o Parecer AUDIT - ITI 49/200 que opina pelo deferimento do pedido de credenciamento de nova Instalação Técnica da AR JM CARDOSO, vinculada à AC SINCOR RFB, localizada na Praça Raul Leme, 200, 5º Andar, Conjunto 54, Centro, Bragança Paulista - SP, para as Políticas de Certificados credenciadas. Em vista disso, e consoante com o disposto no item , do DOC-ICP-03, defere-se o credenciamento. CONSELHO DE GOVERNO CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR RESOLUÇÃO N o 80, DE 9 DE NOVEMBRO DE 200 Dispõe sobre a aplicação das regras de origem não preferenciais de que tratam o art. 9º do Decreto-Lei nº 37, de 8 de novembro de 966, e o Acordo sobre Regras de Origem da OMC. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE MINISTROS DA CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR - CAMEX, no uso de suas atribuições e da competência prevista no art. 2º, III, "g", ouvidos os demais membros conforme o art. 4º, I e 7º, todos do Decreto nº 4.732, de 0 de junho de 2003, e tendo em vista o disposto no art. 9º RENATO DA SILVEIRA MARTINI do Decreto-Lei nº 37, de 8 de novembro de 966, e no Acordo sobre Regras de Origem da Organização Mundial de Comércio - OMC, promulgado pelo Decreto n o.355, de 30 de dezembro de 994, resolve: Art. o As regras de origem de que tratam o art. 9º do Decreto-Lei nº 37, de 8 de novembro de 966, e o Acordo sobre Regras de Origem da OMC promulgado pelo Decreto n o.355, de 30 de dezembro de 994, serão aplicadas em instrumentos não preferenciais de política comercial, observados os critérios e parâmetros fixados na presente Resolução. Parágrafo único. As regras de origem não preferenciais referidas no caput serão utilizadas em todos os instrumentos não preferenciais de política comercial, exceto nas situações previstas na Resolução CAMEX nº 63, de 7 de agosto de 200, e suas posteriores alterações. pelo código

2 2 ISSN Nº 25, quarta-feira, 0 de novembro de 200 Art. 2 o Respeitados os critérios decorrentes de ato internacional de que o Brasil seja parte, tem-se por país de origem da mercadoria aquele onde houver sido produzida ou, no caso de mercadoria resultante de material ou de mão-de-obra de mais de um país, aquele onde houver recebido transformação substancial (Decreto-Lei nº 37, de 966, art. 9º). o Considera-se mercadoria produzida, para fins desta Resolução: I - os produtos totalmente obtidos, assim entendidos: a) produtos do reino vegetal colhidos no território do país; b) animais vivos, nascidos e criados no território do país; c) produtos obtidos de animais vivos no território do país; d) mercadorias obtidas da caça, captura com armadilhas ou pesca realizada no território do país; COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS e) minerais e outros recursos naturais não incluídos nas alíneas "a" a "d" extraídos ou obtidos no território do país; f) peixes, crustáceos e outras espécies marinhas obtidos do mar fora de suas zonas econômicas exclusivas por barcos registrados ou matriculados no país e autorizados para arvorar a bandeira desse país, ou por barcos arrendados ou fretados a empresas estabelecidas no território do país; g) mercadorias produzidas a bordo de barcos-fábrica a partir dos produtos identificados nas alíneas "d" e "f", sempre que esses barcos-fábrica estejam registrados, matriculados em um país e estejam autorizados a arvorar a bandeira desse país, ou por barcosfábrica arrendados ou fretados por empresas estabelecidas no território do país; h) mercadorias obtidas por uma pessoa jurídica de um país do leito do mar ou do subsolo marinho, sempre que o país tenha direitos para explorar esse fundo do mar ou subsolo marinho; e i) mercadorias obtidas do espaço extraterrestre, sempre que sejam obtidas por pessoa jurídica ou por pessoa natural do país. pelo código II - os produtos elaborados integralmente no território do país, quando em sua elaboração forem utilizados, única e exclusivamente, materiais dele originários. 2 o Entende-se por transformação substancial, para efeito desta Resolução, os produtos em cuja elaboração forem utilizados materiais não originários do país, quando resultantes de um processo de transformação que lhes confira uma nova individualidade, caracterizada pelo fato de estarem classificados em uma posição tarifária (primeiros quatro dígitos do Sistema Harmonizado de Designação e Codificação de Mercadorias - SH) diferente da posição dos mencionados materiais, ressalvado o disposto no 3 o deste artigo. 3 o Não será considerado originário do país exportador o produto resultante de operação ou processo efetuado no seu território pelo qual adquire a forma final em que será comercializado quando, na operação ou no processo, for utilizado material ou insumo não originário do país e consista apenas em montagem, embalagem, fracionamento em lotes ou volumes, seleção, classificação, marcação, composição de sortimentos de mercadorias ou simples diluições em água ou outra substância que não altere as características do produto como originário ou outras operações ou processos equivalentes, ainda que essas operações alterem a classificação do produto, considerada a 4 (quatro) dígitos. Art. 3 o A Secretaria de Comércio Exterior (SECEX) promoverá, na fase de licenciamento, a verificação da certificação de origem não preferencial, sob os aspectos de autenticidade, veracidade e observância das normas vigentes, sem prejuízo da adoção das medidas de sua responsabilidade quanto às exigências e sanções aplicáveis. Art. 4 o Esta Resolução entra em vigor após 45 (quarenta e cinco) dias da sua publicação.. MIGUEL JORGE Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE C U LT I VA R E S ATO 5, DE 8 DE NOVEMBRO DE 200 Em cumprimento ao disposto no 2, do art. 4º, da Lei n 9.456, de 25 de abril de 997, e no inciso III, do art. 3, do Decreto nº 2.366, de 5 de novembro de 997, e o que consta do Processo nº /200-24, o Serviço Nacional de Proteção de Cultivares divulga, para fins de abertura de pedidos de proteção de cultivares de AMENDOIM FORRAGEIRO (Arachis pintoi Krapov. & W.C. Gregory), os descritores definidos na forma do Anexo I. O formulário estará disponível aos interessados pela internet no endereço - Serviços > Proteção de Cultivares > Formulários para Proteção de Cultivares. DANIELA DE MORAES AVIANI Coordenadora ANEXO INSTRUÇÕES PARA EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE DISTINGUIBILIDADE, HOMOGENEIDADE E ESTABILIDADE DE CULTIVARES DE AMENDOIM FORRAGEIRO (Arachis pintoi Krapov. & W.C. Gregory) I. OBJETIVO Estas instruções visam estabelecer diretrizes para as avaliações de distinguibilidade, homogeneidade e estabilidade (DHE), a fim de uniformizar o procedimento técnico de comprovação de que a cultivar apresentada é distinta de outra(s) cujos descritores sejam conhecidos, é homogênea quanto às suas características dentro de uma mesma geração e é estável quanto à repetição das mesmas características ao longo de gerações sucessivas. Aplicam-se às cultivares de AMENDOIM FORRAGEIRO (Arachis pintoi Krapov. & W.C. Gregory) II. AMOSTRA VIVA. Para atender ao disposto no art. 22 e seu parágrafo único da Lei de 25 de abril de 997, o requerente do pedido de proteção obrigar-se-á a manter e a apresentar ao SNPC, amostras vivas da cultivar objeto da proteção, como especificado a seguir: Para materiais propagados por sementes (segmentos de frutos): g de sementes como amostra de manipulação (apresentar ao SNPC); g de sementes como germoplasma (apresentar ao SNPC); e g de sementes mantidas pelo obtentor. Para materiais propagados por via vegetativa: - A amostra viva deverá ser composta de no mínimo m 2 ( m x m) de mudas de tapete ou 20 tubetes. 2. As sementes não devem ser tratadas, salvo em casos opcionais, devidamente justificados. 3. O material deve apresentar boas condições fitossanitárias e vigor suficiente para a formação de estande adequado. 4. A amostra deverá ser disponibilizada ao SNPC após a obtenção do Certificado de Proteção. Entretanto, sempre que durante a análise do pedido for necessária a apresentação da amostra para confirmação de informações, o solicitante deverá disponibilizá-la. III. EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE DISTINGUIBILIDA- DE, HOMOGENEIDADE E ESTABILIDADE - DHE. Cada teste deverá incluir, no mínimo, 20 plantas divididas em três repetições, plantadas com espaçamento mínimo de 0,5 x 0,5 m. 2. Os ensaios deverão ser realizados por, no mínimo, 2 ciclos distintos de crescimento. 3. Os ensaios deverão ser conduzidos em um único local. Caso neste local não seja possível a visualização de todas as características da cultivar, a mesma poderá ser avaliada em um local adicional. 4. Os ensaios deverão ser conduzidos em condições que assegurem o desenvolvimento normal das plantas. 5. Os métodos recomendados de observação das características são indicados na primeira coluna da Tabela de características, segundo a legenda abaixo: - MG: Mensuração única de um grupo de plantas ou partes de plantas; - MI: Mensurações de um número de plantas ou partes de plantas, individualmente; - VG: Avaliação visual única de um grupo de plantas ou partes dessas plantas; - VI: Avaliações visuais em plantas ou partes dessas plantas, individualmente. 6. A menos que seja indicado outro modo, as observações devem ser feitas em, no mínimo, 30 plantas ou partes retiradas de 30 plantas, sendo 0 plantas ou suas partes em cada repetição. 7. Para a avaliação de homogeneidade, devem ser levadas em consideração todas as plantas do ensaio, sendo que a tolerância máxima de plantas atípicas é de % da população com 95% de probabilidade de ocorrência. No caso de uma amostra com 20 plantas, serão permitidas, no máximo, 4 plantas atípicas. 8. O tamanho das parcelas deverá possibilitar que plantas, ou suas partes, possam ser removidas para avaliações sem que isso prejudique as observações que venham a ser feitas até o final do ciclo de crescimento. 9. Para a descrição da cultivar as avaliações deverão ser realizadas nas plantas com as expressões típicas, sendo desconsideradas aquelas com expressões atípicas. 0. Testes adicionais para a avaliação de características relevantes poderão ser estabelecidos. IV. LEGENDAS (a)-(d) e (+): Ver item "OBSERVAÇÕES E FIGURAS". MG, MI, VG, VI: Ver item III, 5 V. INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO. Ver formulário da internet 2. Para solicitação de proteção de cultivar, o interessado deverá apresentar, além deste, os demais formulários disponibilizados pelo Serviço Nacional de Proteção de Cultivares. 3. Todas as páginas deverão ser rubricadas pelo Representante Legal e pelo Responsável Técnico. VI. TABELA DE DESCRITORES DE AMENDOIM FOR- RAGEIRO (Arachis pintoi Krapov. & W.C. Gregory) Nome proposto para a cultivar:

3 Nº 25, quarta-feira, 0 de novembro de 200 ISSN Característica Níveis de expressão Código do nível de expressão obovada levemente obovada 2 elíptica 3. Folíolo basal: forma predominante VG (a) (b) (+) 2. Folíolo basal: forma predominante do ápice VG (a) (b) (+) 3. Folíolo basal: comprimento MI (a) (b) 4. Folíolo basal: largura MI (a) (b) 5. Folíolo basal: relação comprimento/largura MI (a) (b) 6. Folíolo basal: presença de cerdas na face abaxial MI (a) (b) (+) 7. Apenas cultivares com presença de cerdas na face abaxial: Folíolo basal: intensidade de cerdas na face abaxial (a) (b) 8. Folíolo apical: forma predominante VG (a) (b) (+) 9. Folíolo apical: forma predominante do ápice VG (a) (b) (+) 0. Folíolo apical: comprimento MI (a) (b). Folíolo apical: largura MI (a) (b) 2. Folíolo apical: relação comprimento/largura MI (a) (b) 3.Estípula: comprimento da estípula, na parte soldada ao pecíolo MI (a) (b)(+) 4. Estípula: comprimento da estípula, na parte livre, não soldada ao pecíolo MI (a) (b) (+) 5. Estípula: largura da estípula, na parte livre, não soldada ao pecíolo (mm) MI (a) (b) (+) 6. Pecíolo: comprimento MI (a) (b) (+) 7. Estolão: comprimento médio dos entrenós MI (a) (+) 8. Estolão: diâmetro médio dos entrenós MI (a) (+) 9. Estolão: pigmentação antocianínica VG (a) (+) 20. Flor: comprimento do hipanto MI (c) (+) 2. Flor: largura do estandarte MI (c) (+) 22. Flor: cor VG (c) (+) 23. Fruto: largura do segmento do fruto maduro MI (d) (+) obtusa aguda truncada curto médio longo estreita média l a rg a pequena média grande ausente presente baixa média alta obovada levemente obovada elíptica obtusa aguda truncada curto médio longo estreita média l a rg a pequena média grande curto médio longo curto médio longo estreita média l a rg a curto médio longo curto médio longo pequeno médio grande ausente presente curto médio longo EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL VII. OBSERVAÇÕES E FIGURAS. Ver formulário da internet. estreita média l a rg a branca creme amarela laranja estreita média l a rg a SUPERINTENDÊNCIA FEDERAL DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO NO ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA 38, DE 5 DE NOVEMBRO DE 200 O SUPERINTENDENTE FEDERAL DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMEN- TO NO ESTADO DE SÃO PAULO, no uso da competência que lhe foi delegada pelo artigo 44, do Regimento Interno das Superintendências Federais de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, aprovado pela Portaria Ministerial n 428, de 09/06/200, publicada no DOU de 4/06/200, tendo em vista o pelo código disposto na Instrução Normativa SDA n 66, de 27 de novembro de 2006, na Lei n 7.802, de de julho de 989, no Decreto 4.074, de 04 de janeiro de 2002 e o que consta do Processo / , resolve: Art. Renovar o Credenciamento da empresa ECOTEC BRASIL TRATAMENTOS FITOS- SANITÁRIOS LTDA-EPP, CNPJ /000-90, localizada na Rua João Pessoa, nº 69, 3 andar, Cj. 3, Centro, Santos-SP para, na qualidade de empresa prestadora de serviços de tratamentos quarentenários e fitossanitários no trânsito internacional de vegetais e suas partes, executar o seguinte tratamento: a) Fumigação em Porões de Navio - Fosfina (FPN). Art. 2 O Credenciamento de que trata esta Portaria terá validade por 05 (cinco), podendo ser renovado mediante requerimento encaminhado à Superintendência Federal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento no Estado de São Paulo - SFA/SP. Art. 3 Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. JOSÉ TADEU DE FARIA. Ministério da Ciência e Tecnologia GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL 93, DE 5 DE NOVEMBRO DE 200 OS MINISTROS DE ESTADO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR e DA FAZENDA, no uso das atribuições que lhes confere o art. 7 o do Decreto n o 6.233, de de outubro de 2007, e considerando o que consta no Processo MCT n o /2009-8, de 9 de novembro de 2009, resolvem: Art. o Aprovar o projeto de pesquisa e desenvolvimento da empresa Smart Modular Technologies Indústria de Componentes Eletrônicos Ltda. inscrita no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica do Ministério da Fazenda - CNPJ sob o n o /000-07, objetivando sua habilitação no Programa de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Semicondutores - PADIS, para a realização das atividades de encapsulamento e teste dos seguintes dispositivos eletrônicos semicondutores: - Circuitos integrados eletrônicos montados, do tipo memórias de acesso randômico, dinâmicas e síncronas (Synchronous Dynamic Random Access Memory - SDRAM). Art. 2 o Para a realização das atividades de encapsulamento e teste e comercialização dos circuitos integrados referidos no art. o serão concedidos os incentivos fiscais previstos nos arts. 2 o, 3 o e 4 o do Decreto n o 6.233, de de outubro de o Os incentivos de que tratam o art. 2 o e os incisos I e II do art. 4 o do Decreto n o 6.233, de 2007, vigorarão até 22 de janeiro de 2022, conforme o disposto no art. 64 da Lei n o.484, de 3 de maio de o Os incentivos de que tratam o art. 3 o e o inciso III do art. 4 o do Decreto n o 6.233, de 2007, vigorarão por (2) doze, contados a partir da data de publicação desta Portaria, conforme o disposto no inciso I do art. 65 da Lei n o.484, de Art. 3 o Os critérios insumo-produto e insumo-capacidade de produção são os constantes do Processo acima identificado e poderão ser atualizados pela empresa e auditados pela Administração, a qualquer tempo. Art. 4 o Para usufruir dos incentivos fiscais de que trata o art. 2 o a empresa deverá requerer sua prévia habilitação junto à Secretaria da Receita Federal do Brasil - RFB, conforme previsto no art. 5 o do Decreto n o 6.233, de Art. 5 o As notas fiscais relativas à aquisição ou comercialização de produtos vinculados ao PADIS deverão fazer expressa referência a esta Portaria e ao ato de habilitação da empresa junto à RFB. Art. 6 o A habilitação junto à RFB poderá ser suspensa ou cancelada, a qualquer tempo, nos termos do art. do Decreto n o 6.233, de 2007, caso a empresa beneficiária deixe de atender ou de cumprir qualquer das condições estabelecidas no referido Decreto. Art. 7 o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. SERGIO MACHADO REZENDE Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia MIGUEL JORGE Ministro de Estado do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior GUIDO MANTEGA Ministro de Estado da Fazenda COMISSÃO TÉCNICA NACIONAL DE BIOSSEGURANÇA RETIFICAÇÃO No Extrato de Parecer Técnico nº 757/2009, publicado no DOU n o - 54, de 20/03/2009, Seção, página 3; onde lê-se: " As restrições ao uso do OGM em análise e seus derivados estão condicionadas ao disposto na Resolução Normativa nº 03 e Resolução Normativa nº 04 da CTNBio.", leia-se "As restrições ao uso do OGM em análise e seus derivados estão condicionadas ao disposto na Portaria 2/05 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.". CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO, FINANÇAS E PLANEJAMENTO DESPACHOS DO DIRETOR Em 9 de novembro de ª Relação de Credenciamento - Lei 8.00/90. ENTIDADE C R E D E N C I A M E N TO CNPJ Fundação Centro Universitário Estadual da Zona / / Oeste 385ª Relação de Revalidação de Credenciamento - Lei 8.00/90. ENTIDADE C R E D E N C I A M E N TO CNPJ Universidade Federal do Paraná / / Fundação de Apoio ao Desenvolvimento Científico / / Associação Alberto Santos Dumont para Apoio à / / Pesquisa ERNESTO COSTA DE PAULA

4 . 4 ISSN Ministério da Cultura GABINETE DO MINISTRO PORTARIA 2, DE 8 DE NOVEMBRO DE 200 Torna público o resultado da análise da documentação das entidades associativas de caráter cultural e artístico e as representativas do empresariado, inscritas para indicar membros para compor a Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC), para o Biênio 20/202, de que trata o Edital de Convocação de 7 de maio de 200, alterado pelo Edital de Prorrogação de Prazo de 2 de agosto de 200. O MINISTRO DE ESTADO DA CULTURA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição Federal, e em cumprimento ao disposto nos incisos IV e V do art. 32 da Lei nº 8.33, de 23 de dezembro de 99 c/c o 2º do art. 39 do Decreto nº 5.76, de 27 de abril de 2006, e considerando o disposto no Edital de Convocação de 7 de maio de 200, alterado pelo Edital de Prorrogação de Prazo de 2 de agosto de 200, resolve: Art. º Tornar pública a relação das entidades de âmbito nacional, representativas do empresariado nacional e as representativas dos setores cultural e artístico, habilitadas para indicar os representantes para compor a Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC), no Biênio 20/202, na qualidade de membros, conforme Anexo I desta Portaria. Art. 2º Tornar pública a relação das entidades não habilitadas em razão da não comprovação de sua abrangência nacional ou pela não apresentação de toda a documentação exigida no Edital de Convocação de 7 de maio de 200, conforme Anexo II desta Portaria. Parágrafo único. A decisão de inabilitação proferida pela Comissão Avaliadora constará dos autos de cada processo de habilitação, com imediata comunicação a cada entidade participante do certame para interposição de recurso, no prazo de 5 (cinco) dias, a contar da data da publicação do resultado no Diário Oficial da União, devendo ser observado pelo recorrente os procedimentos previstos no item 2.7 do Edital de Convocação. Art. 3º O recurso interposto será dirigido à Comissão Avaliadora, que terá até 5 (quinze) dias para proferir decisão, contados da data de sua interposição. Parágrafo único. A decisão sobre o recurso será irrecorrível e publicada no Diário Oficial da União. Art. 4º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. JOÃO LUIZ SILVA FERREIRA ANEXO I ENTIDADES REPRESENTATIVAS DO SETOR CULTURAL HABILI- TA D A S Associação Brasileira de Teatro de Bonecos - ABTC Centro Brasileiro de Teatro para a Infância e Juventude - CBTIJ Associação Brasileira do Circo - ABRACIRCO Instituto Pensarte Associação Nacional das Entidades Culturais Não Lucrativas - ANEC Associação Brasileira de Difusão do Livro - ABDL União Latina de Economia Política da Informação, Comunicação e Cultura - Ulepicc Câmara Brasileira do Livro - CBL Associação Brasileira das Editoras Universitárias - ABEU Brasil Música e Artes - BMeA Associação Brasileira de Festivais Independentes- ABRAFIN Instituto Quorum Produções Artísticas e Culturais Comitê Brasileiro ICOM-BR Confederação Brasileira da Tradição Gaúcha - CBTG Associação dos Arquivistas Brasileiros - AAB Clube de Máscaras o Galo da Madrugada ENTIDADE REPRESENTATIVA DO EMPRESARIADO NACIONAL H A B I L I TA D A Confederação Nacional do Comércio - CNC ANEXO II ENTIDADES REPRESENTATIVAS DO SETOR CULTURAL INABILI- TA D A S Instituto Escola do Teatro Bolshoi no Brasil Associação de Famílias e Artistas Circenses - ASFACI Cooperativa Brasileira de Circo Conselho Brasileiro de Entidades Culturais Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões do Estado do Ceará Sindicato Nacional dos Artistas Plásticos - SINAP Associação Comunitária e Beneficente Vila Ana Maria - ABEVILA Associação das Produtoras Brasileiras de Audiovisual - APBA Associação Brasileira de Produtores Independentes de Televisão - ABPITV Associação Brasileira de Televisão Universitária -ABTU AM Filmes Digitais Associação Nacional de Livrarias - ANL Associação Nacional de História, ANPUH Academia Brasileira de Música - ABM Comitê Brasileiro do ICOMOS Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB Instituto de Educação e Pesquisa Ambiental Planeta Verde ENTIDADES REPRESENTATIVAS DO EMPRESARIADO NACIONAL I N A B I L I TA D A S Confederação Nacional da Indústria - CNI Confederação Nacional das Instituições Financeiras - CNF Associação Brasileira de Centros de Inclusão Digital - ABCID AGÊNCIA NACIONAL DO CINEMA DIRETORIA COLEGIADA SÚMULA 2, DE 26 DE OUTUBRO DE 200 Dispõe sobre a forma de recolhimento da Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional - CON- DECINE relativa à obras audiovisuais seriadas com episódios de curta duração (até 5 minutos) para o segmento de mercado de vídeo doméstico. A DIRETORIA COLEGIADA DA AGÊNCIA NACIONAL DO CINEMA - ANCINE, no uso da atribuição que lhe confere o inciso IV, do art. 6º do Decreto nº 4.2, de 7 de fevereiro de 2002, bem como o preceituado no inciso IV, art. 25 do Regimento Interno, dispõe sobre o que segue: Nº 25, quarta-feira, 0 de novembro de 200 Art. º. As obras seriadas em capítulos ou episódios de curta duração (até 5 minutos) cujos capítulos ou episódios constantes de um mesmo suporte tenham somados duração superior a 50 minutos, devem ser enquadradas, para fins de recolhimento da CONDECINE relativa ao segmento de mercado de vídeo doméstico, na terceira hipótese da alínea "b", do inciso I, do art. 33, conforme Anexo I da Medida provisória nº , de 06 de setembro de 200. Art. 2º. Os demais casos de obra seriada devem ser enquadrados, para fins de recolhimento da CONDECINE relativa ao segmento de mercado de vídeo doméstico, na quarta hipótese da alínea "b", do inciso I, do art. 33, conforme Anexo I da citada MP. Art. 3. Esta Súmula entra em vigor na data de sua publicação. Art. 4º Torna-se sem efeito a Súmula nº 02 de 26/0/200, publicada no D.O.U de 09//200, seção, página 05. MANOEL RANGEL Diretor-Presidente RETIFICAÇÃO Na Deliberação nº. 8, de 02/02/200, publicada no DOU nº. 24 de 04/02/200, Seção, página 7, em relação ao projeto "É Ouro", para considerar o seguinte: ONDE SE LÊ: Caribe Produções Ltda. LEIA - SE: Caribe Produções Ltda. ME FUNDAÇÃO NACIONAL DE ARTES PORTARIA 330, DE 8 DE NOVEMBRO DE 200 O Presidente da Fundação Nacional de Artes - Funarte, no uso das atribuições que lhe confere o inciso V artigo 4 do Estatuto aprovado pelo Decreto n de 07/04/2004, publicado no DOU de 08/04/2004, em conformidade com a Portaria nº 23, de 9/07/200, publicada no DOU de 20/07/200, que relacionou os contemplados do Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz/200, resolve: I - Retificar o nome de um proponente, onde se lê: Douglas B. Rodrigues, leia-se Associação dos Artistas Cênicos do Amazonas - Arte & Fato; II - Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. SÉRGIO DUARTE MAMBERTI COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS SECRETARIA DE FOMENTO E INCENTIVO À CULTURA PORTARIA 598, DE 8 DE NOVEMBRODE 200 O SECRETÁRIO DE FOMENTO E INCENTIVO À CULTURA, no uso da delegação de competência estipulada na Portaria GM-MinC n. 3/2007, constante na seção do Diário Oficial da União de 9 de abril de 2007, Portaria nº 7 de 2 de janeiro de 200 e o art. 4º da Portaria nº 20, de 29 de março de 200, resolve: Art.º - Tornar pública a relação do (s) projeto (s) incentivado (s) por meio da Lei 8.33/9 que tiveram sua (s) prestação (es) de contas aprovada (s) no âmbito deste Ministério, conforme anexo abaixo: Art.2º - Informar da determinação contida no parágrafo 2º do artigo 73 da Instrução Normativa/ MinC nº 0 de , publicada no Diário a Oficial União de , a saber: "O proponente deve manter os documentos fiscais originais e cópias de todos os cheques emitidos, frente e verso, de forma que os beneficiários possam ser identificados, pelo prazo mínimo de dez ". Art. 3.º - Esta portaria entra em vigor na data de sua publicação. HENILTON PARENTE DE MENEZES ANEXO P ro n a c Nome do Projeto P ro p o n e n t e Objeto Modalidade Valor Proposto (R$) Valor Aprovado (R$) Valor Captado (R$) Paixão de Cristo de Nova Jerusalém 2004 Sociedade Teatral Fazenda Nova Produzir e divulgar Paixão do Cristo da Nova Jerusalém, com objetivo de garantir a continuidade da tradição pernambucana nas artes cênicas, representada por um dos maiores espetáculos teatrais do mundo. Te a t r o , , ,00 PORTARIA 599, DE 9 DE NOVEMBRO DE 200 O SECRETÁRIO DE FOMENTO E INCENTIVO À CUL- TURA, no uso de suas atribuições legais, que lhe confere a Portaria nº 7 de 2 de janeiro de 200 e o art. 4º da Portaria nº 20, de 29 de março de 200, RESOLVE: Art..o - Aprovar projetos culturais, relacionados no anexo à esta Portaria, para os quais os proponentes ficam autorizados a captar recursos, mediante doações ou patrocínios, na forma prevista no º do artigo 8 da Lei n.º 8.33, de 23 de dezembro de 99, alterada pela Lei n.º 9.874, de 23 de novembro de 999. Art. 2.o - Esta portaria entra em vigor na data de sua publicação. HENILTON PARENTE DE MENEZES pelo código ANEXO ÁREA: ARTE CÊNICAS - (ART.8, º) giramundo 40 - alice no país das maravilhas Giramundo Teatro de Bonecos CNPJ/CPF: / Processo: /20-0 MG - Belo Horizonte Valor do Apoio R$: ,00 Prazo de Captação: 0//200 a 3/2/200 Resumo do Projeto: O projeto prevê a montagem do espetáculo Alice no País das Maravilhas e sua circulação por São Paulo e Rio de Janeiro, e a apresentação em teatro da trilogia teatro/vídeo, composta, além de Alice, por Pinocchio e Vinte Mil Léguas Submarinas em Belo Horizonte, totalizando 20 apresentações (04 apresentações em São Paulo, 04 apresentações no Rio de Janeiro e 2 apresentações em Belo Horizonte) Babel ȃ Temporada e Turnê Substancia Produções Culturais Ltda CNPJ/CPF: / Processo: /20-0 SP - São Paulo Valor do Apoio R$: 5.797,00 Prazo de Captação: 0//200 a 3/2/200 Resumo do Projeto: O projeto prevê a encenação, temporada e turnê do espetáculo teatral Babel. Estreia e temporada em São Paulo, turnê em dez cidades brasileiras. Trata-se de um texto da dramaturga italiana Letizia Russo, inédito no Brasil, com direção de Alvise Camozzi e elenco formado pelos atores Sabrina Greve e Rodrigo Fregnan. O texto discute temas como a liberdade, o poder e a esperança e é ambientado em um fictícia realidade futura.

5 Nº 25, quarta-feira, 0 de novembro de 200 ISSN PORTARIA 600, DE 9 DE NOVEMBRO DE 200 O SECRETÁRIO DE FOMENTO E INCENTIVO À CUL- TURA, no uso de suas atribuições legais, que lhe confere a Portaria nº 7 de 2 de janeiro de 200 e o art. 4º da Portaria nº 20, de 29 de março de 200, resolve: Art. º - Aprovar a alteração do nome do projeto abaixo relacionado: PRONAC: "Última Quimera (A)", publicado na portaria n. 02/09 de 6/0/2009, publicada no D.O.U. em 9/0/2009, para "Última Miragem (A)". Art. 2º - Aprovar a alteração do proponente do projeto abaixo relacionado: PRONAC: "Acervo do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro - Projeto de segurança e exposição", portaria de aprovação n.º 0664/08 de 2/0/2008 e publicado no D.O.U. n. 205 do dia 22/0/2008. Onde se lê: Associação dos Amigos do Museu da Cidade CNPJ: / Leia-se: Ágapa Criação e Produção Cultural Ltda. CNPJ: / Art. 3º - Esta portaria entra em vigor na data de sua publicação. HENILTON PARENTE DE MENEZES. Ministério da Defesa AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL D I R E TO R I A RETIFICAÇÃO No Anexo da Resolução nº 46, de 7 de março de 200, publicada no Diário Oficial da União de 22 de março de 200, Seção, página 6 (Regulamento Brasileiro da Aviação Civil nº 2 - RBAC nº 2, intitulado "Requisitos Operacionais: Operações Domésticas, de Bandeira e Suplementares", divulgado no Boletim de Pessoal e Serviço - BPS desta Agência de 22 de março de endereço eletrônico - e igualmente disponível em sua página "Legislação" - endereço eletrônico - na rede mundial de computadores): I - no parágrafo (g) da seção 2.7, onde se lê: "(a) Nenhum detentor de certificado conduzindo operações suplementares pode usar um aeródromo, a menos que ele seja certificado e apropriadamente equipado e adequado à operação proposta, considerando aspectos como dimensões, superfície das pistas, obstruções, facilidades, proteção ao público, iluminação, auxílios à navegação e aproximação, comunicação, horário de funcionamento e ATC.", leia-se: "(a) Nenhum detentor de certificado conduzindo operações suplementares pode usar um aeródromo, a menos que ele seja cadastrado e apropriadamente equipado e adequado à operação proposta, considerando aspectos como dimensões, superfície das pistas, obstruções, facilidades, proteção ao público, iluminação, auxílios à navegação e aproximação, comunicação, horário de funcionamento e ATC."; e II - no parágrafo (g) da seção 2.590, onde se lê: "(a) A menos que especificamente autorizado pela ANAC, nenhum detentor de certificado operando segundo este regulamento e nenhum piloto por ele empregado na condução de tal operação pode operar em aeródromo brasileiro, incluindo aeródromo de alternativa, sem que esse aeródromo seja certificado pela ANAC.", leia-se: "(a) A menos que especificamente autorizado pela ANAC, nenhum detentor de certificado operando segundo este regulamento e nenhum piloto por ele empregado na condução de tal operação pode operar em aeródromo brasileiro, incluindo aeródromo de alternativa, sem que esse aeródromo seja cadastrado pela ANAC.". SUPERINTENDÊNCIA DE INFRAESTRUTURA A E R O P O RT U Á R I A EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL PORTARIA.999, DE 9 DE NOVEMBRO DE 200 Exclui o Aeródromo Público Edra do Brasil (SP) do cadastro de aeródromos. O SUPERINTENDENTE DE INFRAESTRUTURA AERO- PORTUÁRIA SUBSTITUTO DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no uso de suas atribuições outorgadas pelo artigo 4, incisos VIII e X, do Regimento Interno aprovado pela Resolução n 0, de 5 de setembro de 2009, nos termos do disposto na Resolução nº 58, de 3 de julho de 200, com fundamento na Lei nº 7.565, de 9 de dezembro de 986, que dispõe sobre o Código Brasileiro de Aeronáutica, e tendo em vista o que consta no processo nº /200-74, resolve: Art. º Excluir do cadastro de aeródromos da ANAC o Aeródromo Público Edra do Brasil (SDED) localizado no município de Ipeúna / SP, coordenadas geográficas 22 26' 23" S / 47 42' 04" W. Art. 3º Revogar a Portaria DAC N 347/SOP de 20 de agosto de 987, publicada no Diário Oficial da União edição 7 de 9 de setembro de 987. JORGE ALENCAR FILGUEIRAS VIEGAS Substituto pelo código PORTARIA 2.000, DE 9 DE NOVEMBRO DE 200 Inscreve o Aeródromo Privado Edra Aeronáutica (SP) no cadastro de aeródromos. O SUPERINTENDENTE DE INFRAESTRUTURA AERO- PORTUÁRIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no uso de suas atribuições outorgadas pelo artigo 4, incisos VIII e X, do Regimento Interno aprovado pela Resolução n 0, de 5 de setembro de 2009, nos termos do disposto na resolução nº 58, de 3 de julho de 200, com fundamento na Lei nº 7.565, de 9 de dezembro de 986, que dispõe sobre o Código Brasileiro de Aeronáutica, e tendo em vista o que consta no processo nº / , resolve: Art. º Inscrever o aeródromo abaixo no cadastro, abrindo-o ao tráfego aéreo: I - denominação: Aeródromo Privado Edra Aeronáutica (SDED); II - município(uf): Ipeúna (SP); III - proprietário: Rodrigo Scoda; IV - ponto de referência: 22 26' 25" S / ' 06" W; V - dimensões da pista de pouso e decolagem: 500 x 20 metros; VI - elevação: 62 metros; VII - natureza do piso: grama; VIII - designação da pista: 3/3; IX - resistência do pavimento: 5000 Kg/0,50 MPa; X - condições operacionais: VFR Diurna. Art. 2º A inscrição tem validade de 0 (dez). Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. JORGE ALENCAR FILGUEIRAS VIEGAS Substituto PORTARIA 2.00, DE 9 DE NOVEMBRO DE 200 Homologa o Heliponto em Plataforma Privado DYNAMIC PRODUCER (SP). O SUPERINTENDENTE DE INFRAESTRUTURA AERO- PORTUÁRIA SUBSTITUTO DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no uso de suas atribuições outorgadas pelo artigo 4, incisos VIII e X da Resolução Nº 0, de 5 de setembro de 2009, que aprova o Regimento Interno da ANAC, e pela Portaria Interministerial nº 0856, de 7 de setembro de 985, publicada no Diário Oficial da União nº 206 de 25 de outubro de 985, tendo em vista o que consta no processo nº /200-7, resolve: Art. º Considerar homologado e aberto ao tráfego aéreo o heliponto em plataforma privado abaixo, com as seguintes características: I - denominação: DYNAMIC PRODUCER (9PBQ); II - unidade da federação: SP; III - tipo e nome do campo de recursos naturais: produção - CAMPO DE GUARA/BACIA DE SANTOS; IV - proprietário: DYNAMIC PRODUCER INC.; V - coordenadas geográficas: Variáveis; VI - Altitude: 38,95 metros; VII - formato e dimensões da área de pouso e decolagem: octogonal - 25,00 X 25,00 metros VIII - resistência do pavimento: 2,00 toneladas; IX - comprimento total do maior helicóptero a operar: metros; X - condições operacionais: VFR Diurna/Noturna. Art. 2º A operação no heliponto em plataforma de que trata esta Portaria sujeita-se à observância das seguintes condições: I - Operações VFR noturnas somente em caráter de emergência. Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação e será válida até 3 de outubro de 205. JORGE ALENCAR FILGUEIRAS VIÉGAS Substituto PORTARIA 2.002, DE 9 DE NOVEMBRO DE 200 Altera e renova a inscrição do Aeroporto Estadual de Campinas (Amarais) no cadastro de aeródromos. O SUPERINTENDENTE DE INFRAESTRUTURA AERO- PORTUÁRIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no uso de suas atribuições outorgadas pelo artigo 4, incisos VIII e X, do Regimento Interno aprovado pela Resolução n 0, de 5 de setembro de 2009, nos termos do disposto na Resolução nº 58, de 3 de julho de 200, com fundamento na Lei nº 7.565, de 9 de dezembro de 986, que dispõe sobre o Código Brasileiro de Aeronáutica, e tendo em vista o que consta no processo nº / , resolve: Art. º Alterar e renovar a inscrição do aeródromo abaixo no cadastro de aeródromos da ANAC, mantendo-o aberto ao tráfego aéreo: I-denominação: Aeroporto Estadual de Campinas (Amarais) II-código OACI: SDAM III-município (UF): Campinas (SP) IV-ponto de referência do aeródromo (coordenadas geográficas):22 5' 33" S / 47 06' 29" W Art. 2º A renovação de inscrição tem validade de 0 (dez). Art. 3º As características cadastrais do aeródromo relativas a esta renovação serão publicadas no sítio da ANAC na rede mundial de computadores. Art. 4º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. JORGE ALENCAR FILGUEIRAS VIÉGAS Substituto PORTARIA 2.003, DE 9 DE NOVEMBRO DE 200 Altera e renova a inscrição do Aeródromo de Iturama/ MG no cadastro de aeródromos. O SUPERINTENDENTE DE INFRAESTRUTURA AERO- PORTUÁRIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no uso de suas atribuições outorgadas pelo artigo 4, incisos VIII e X, do Regimento Interno aprovado pela Resolução n 0, de 5 de setembro de 2009, nos termos do disposto na Resolução nº 58, de 3 de julho de 200, com fundamento na Lei nº 7.565, de 9 de dezembro de 986, que dispõe sobre o Código Brasileiro de Aeronáutica, e tendo em vista o que consta no processo nº / , resolve: Art. º Alterar e renovar a inscrição do aeródromo abaixo no cadastro de aeródromos da ANAC, mantendo-o aberto ao tráfego aéreo: I-denominação: Aeródromo de Iturama II-código OACI: SNYU III-município (UF): Iturama (MG) IV-ponto de referência do aeródromo (coordenadas geográficas):50 3' 03" W / 9 43' 04" S Art. 2º A renovação de inscrição tem validade de 0 (dez). Art. 3º As características cadastrais do aeródromo relativas a esta renovação serão publicadas no sítio da ANAC na rede mundial de computadores. Art. 4º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. JORGE ALENCAR FILGUEIRAS VIÉGAS Substituto PORTARIA 2.004, DE 9 DE NOVEMBRO DE 200 Homologa o Heliponto em Plataforma Privado PEROÁ (ES). O SUPERINTENDENTE DE INFRAESTRUTURA AERO- PORTUÁRIA SUBSTITUTO DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIA- ÇÃO CIVIL - ANAC, no uso de suas atribuições outorgadas pelo artigo 4, incisos VIII e X da Resolução Nº 0, de 5 de setembro de 2009, que aprova o Regimento Interno da ANAC, e pela Portaria Interministerial nº 0856, de 7 de setembro de 985, publicada no Diário Oficial da União nº 206 de 25 de outubro de 985, tendo em vista o que consta no processo nº /200-0, resolve: Art. º Considerar homologado e aberto ao tráfego aéreo o heliponto em plataforma privado abaixo, com as seguintes características: I - denominação: PEROÁ (9PER); II - unidade da federação: ES; III - tipo e nome do campo de recursos naturais: produção - Campo de Produção de Gás de Peroá; IV - proprietário: PETRÓLEO BRASILEIRO S/A - PETRO- BRÁS; V - coordenadas geográficas: 9º 33' 46,02'' S / 039º 5' 9,02'' W; VI - Altitude: 2,00 metros; VII - formato e dimensões da área de pouso e decolagem: quadrado metros VIII - resistência do pavimento: 6,00 toneladas; IX - comprimento total do maior helicóptero a operar: 7.46 metros; X - condições operacionais: VFR Diurna/Noturna. Art. 2º A operação no heliponto em plataforma de que trata esta Portaria sujeita-se à observância das seguintes condições: I - Operações VFR noturnas, somente em caráter de emergência. Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação e será válida até 29 de setembro de 205. JORGE ALENCAR FILGUEIRAS VIÉGAS COMANDO DA MARINHA DIRETORIA-GERAL DE NAVEGAÇÃO DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS PORTARIA 234/DPC, DE 3 DE NOVEMBRO DE 200 Altera as Normas da Autoridade Marítima para Obras, Dragagens, Pesquisa e Lavra de Minerais Sob, Sobre e às Margens das Águas Jurisdicionais Brasileiras - NOR- M A M - / D P C. O DIRETOR DE PORTOS E COSTAS, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Portaria nº 56, do Comandante da Marinha, de 3 de junho de 2004, e de acordo com o contido no artigo 4º, da Lei nº 9537, de de dezembro de 997 (Lesta), resolve:

6 6 ISSN Nº 25, quarta-feira, 0 de novembro de 200 Art. º Alterar as "Normas da Autoridade Marítima para Obras, Dragagens, Pesquisa e Lavra de Minerais Sob, Sobre e às Margens das Águas Jurisdicionais Brasileiras", aprovada pela Portaria nº 09/DPC, de 6 de dezembro de 2003, publicada no Diário Oficial da União (DOU) de 20 de janeiro de 2004; alterada pela Portaria n 67/DPC, de 03 de setembro de 2004, publicada no DOU de 09 de setembro de 2004 (Mod ); pela Portaria n 65/DPC, de 6 de junho de 2006, publicada no DOU de 26 de junho de 2006 (Mod 2); pela Portaria n 9/DPC, de de março de 2007, publicada no DOU de 07 de março de 2007 (Mod 3); pela Portaria n 28/DPC, de de dezembro de 2008, publicada no DOU de 04 de dezembro de 2008 (Mod 4); e pela Portaria n 3/DPC, de 5 de setembro de 2009, publicada no DOU de 6 de setembro de 2009 (Mod 5), conforme abaixo especificado. Esta modificação é denominada Mod 6. I -No Capítulo - "PROCEDIMENTOS PARA SOLICI- TAÇÃO DE PARECER PARA REALIZAÇÃO DE OBRAS SOB, SOBRE ÀS MARGENS DAS ÁGUAS JURISDISCIONAIS BRA- SILEIRAS": a)no item "OBRAS EM GERAL", nomear o 5 parágrafo como "NOTA:", e as alíneas a) e b) como incisos I) e II). b)no item "PORTOS OU INSTALAÇÕES POR- TUÁRIAS, CAIS, PÍERES, MOLHES, TRAPICHES, MARINAS OU SIMILARES", nomear o 7 parágrafo como "NOTA:", e as alíneas a) e b) como incisos I) e II). c)no item "VIVEIROS DE SERES AQUÁTICOS OU SIMILARES PARA AQUICULTURA":.Alterar o título para o seguinte: "VIVEIROS PARA AQUI- C U LT U R A "; 2.No 2 parágrafo, alterar o texto: "..., para fins de Aquicultura, passa a ser efetuada conforme a seguir:" para: "..., para fins de Aquicultura, é efetuado conforme a seguir:"; 3.No parágrafo da alínea a), alterar o texto: "A Secretaria Especial de Aquicultura e Pesca da Presidência da República (SEAP- PR) encaminhará consulta..." para: "O Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA) encaminhará consulta..."; 4.Na subalínea 3), da alínea a), alterar o texto: "Memorial Descritivo contendo a descrição detalhada dos dispositivos..." para: "Memorial Descritivo contendo o detalhamento dos dispositivos..."; 5.Na subalínea 3), da alínea a), alterar o texto: "..., vida útil dos equipamentos e tipo de sinalização;" para: "..., vida útil dos equipamentos e tipo de sinalização náutica a ser empregada;"; 6.No 2 parágrafo da alínea a), alterar o texto: "O memorial descritivo e as plantas deverão ser assinados pelo engenheiro responsável, constando seu nome completo e o registro no CREA." para: "O memorial descritivo e as plantas deverão ser assinados pelo responsável técnico cadastrado no Cadastro Técnico Federal do IBA- MA."; 7.No 3 parágrafo da alínea a), alterar o texto: "Estando a documentação de acordo com essa instrução, a CP convocará o interessado para a realização de inspeção no local da obra, a fim de fundamentar seu parecer." para: "Estando a documentação de acordo com esta instrução, a CP deverá convocar o interessado para a realização de inspeção no local da obra, a fim de fundamentar seu parecer. Para a realização da inspeção, o interessado deverá realizar demarcação provisória da área com bóias de arinque, para visualização dos seus limites."; e 8.No 4 parágrafo da alínea a), alterar o texto: "...deverá ser restituído à SEAP/PR, por intermédio da CP,..." para: "...deverá ser restituído ao MPA, por intermédio da CP,..."; d)no item 00 - "LANÇAMENTO DE CABOS E DUTOS SUBMARINOS OU ESTRUTURAS SIMILARES", nomear o 4 parágrafo como "NOTA:", e as alíneas a) e b) como incisos I) e II). e)no item 0 - "CONSTRUÇÃO DE PONTES RODO- VIÁRIAS OU SIMILARES SOBRE ÁGUAS", na alínea b) nomear o 3 parágrafo como "NOTA:", e as alíneas a) e b) como incisos I) e II). f)no item 02 - "CABOS E DUTOS AÉREOS E ESTRU- TURAS SIMILARES", nomear o 5 parágrafo como "NOTA:", e as alíneas a) e b) como incisos I) e II). g)no item 03 - "PLATAFORMAS E UNIDADES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO OU GÁS", nomear o 4 parágrafo como "NOTA:", e as alíneas a) e b) como incisos I) e II). h)no item 04 - "FLUTUANTES OU EMBARCAÇÕES FUNDEADAS NÃO DESTINADAS À NAVEGAÇÃO":.Alterar o título para o seguinte: "FLUTUANTES OU OU- TRAS EMBARCAÇÕES FUNDEADAS NÃO DESTINADAS À N AV E G A Ç Ã O "; 2.Nomear o 7 parágrafo como "NOTA:"; e 3.Acrescentar como último parágrafo o texto abaixo: "As Capitanias, Delegacias e Agências participarão aos órgãos ambientais competentes e Municípios, o local onde se pretende instalar o flutuante ou outras embarcações fundeadas não destinadas à navegação.". II -Substituir o Anexo -A - "TABELA DE INDENIZA- ÇÕES PELOS SERVIÇOS RELATIVOS ÀS OBRAS, DRAGA- GENS, PESQUISA, LAVRA DE MINERAIS E AQUICULTURA SOB, SOBRE E ÀS MARGENS DAS ÁGUAS JURISDICIONAIS BRASILEIRAS" que a esta acompanha. Art. 2 º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação em DOU. COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS Vice-Almirante EDUARDO BACELLAR LEAL FERREIRA pelo código ANEXO TABELA DE INDENIZAÇÕES PELOS SERVIÇOS RELATIVOS ÀS OBRAS, DRAGAGENS, PESQUISA, LAVRA DE MINERAIS E AQUICULTURA SOB, SOBRE E ÀS MARGENS DAS ÀGUAS JURISDICIONAIS BRASILEIRAS.0- Processo relativo à obra, dragagem, pesquisa, lavra de minerais e aquicultura, sob, sobre e às margens das águas jurisdicionais brasileiras: VISTORIA / SERVIÇO INDENIZAÇÃO. - Análise do processo e emissão de R$ 20,00 parecer.2 - Realização da vistoria R$ 50, Para as vistorias a serem realizadas fora da sede das CP/DL/AG, a indenização constante do item.2 já inclui a permanência do vistoriador por um dia no local de realização da vistoria. Para cada dia subseqüente, quando necessário, será acrescido o valor de R$ 92, Ao valor da indenização constante do item.2 deverá também ser acrescida a despesa de transporte do vistoriador, pelo meio adequado determinado pelo CP/DL/AG para o local da vistoria. OBSERVAÇÃO:A dispensa de quaisquer emolumentos acima poderá ser efetivada pelo titular da OM, quando o interessado for considerado pessoa física de baixa renda e, após criteriosa avaliação pessoal.. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PORTARIA 726, DE 8 DE NOVEMBRO DE 200 O REITOR PRO TEMPORE DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA - RS, nomeado pela Portaria MEC nº 48, de 07 de janeiro de 2009, publicada no DOU de 08 subseqüente, resolve: Prorrogar, por mais um ano, a partir de 3//200, o Edital de Homologado nº 55 de 2//2009, publicado no DOU nº 27 de 3//2009, Seção 3, página 56 e 57, relativo ao Concurso Público para os cargos de Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Quadro Permanente do Instituto Federal Farroupilha. CARLOS ALBERTO PINTO DA ROSA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS FACULDADE NACIONAL DE DIREITO PORTARIA 52, DE 22 DE SETEMBRO DE 200 O Diretor da Faculdade Nacional de Direito, Professor Flávio Alves Martins, nomeado pela Portaria nº 4688 de 2 de novembro de 2009, publicada no DOU de 3//2009, no uso de suas atribuições legais, resolve tornar público o resultado do processo seletivo aberto para contratação de professores substitutos, conforme Edital nº 64 de 30 de agosto de 200, publicado no DOU de /9/200, divulgando a ordem de classificação e os nomes dos candidatos aprovados: DEPARTAMENTO: DIREITO DO ESTADO SETOR: DIREITO ADMINISTRATIVO - MÁRCIO MONTEIRO REIS 2 - EPAMINONDAS MORAES DE SOUZA FLÁVIO ALVES MARTINS. Ministério da Educação Ministério da Fazenda GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL 523, DE 5 DE NOVEMBRO DE 200 OS MINISTROS DE ESTADO DA FAZENDA E DE MI- NAS E ENERGIA, no uso da atribuição que lhes confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, e tendo em vista o disposto na Lei.480, de 30 de maio de 2007, e no art. 2-A, 6 o, do Decreto n o 4.550, de 27 de dezembro de 2002, resolvem: Art. º O Valor da Diferença entre Saldos Devedores - VSD decorrente da redução de receita da Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - ELETROBRAS e do Tesouro Nacional no ano de 200, ocorrida em função da retirada do fator anual do índice de reajuste da inflação americana, incidente sobre os contratos de financiamento, definido no art. o da Portaria Interministerial MF/MME n o 33, de de dezembro de 2007, é US$,305,374,30.39 (um bilhão, trezentos e cinco milhões, trezentos e setenta e quatro mil, trezentos e dez dólares norte-americ e trinta e nove centavos). Art. 2º Fica assegurado à ELETROBRAS o valor de Ativo Regulatório - AR, equivalente a US$,46,98, (um bilhão, cento e quarenta e seis milhões, novecentos e dezoito mil, novecentos e vinte dólares norte-americ e noventa e nove centavos), relativo ao saldo acumulado até o exercício de 200, apurado conforme dispõe o art. o da Portaria Interministerial MF/MME n o 33, de 2007, e não incluído na tarifa de repasse da potência contratada de ITAIPU Binacional a ser praticada no período de o de janeiro a 3 de dezembro de 20. Art. 3º O valor da Parcela do Diferencial - Par, a ser incluído na tarifa de repasse da potência contratada de ITAIPU e a ser praticada pela ELETROBRAS em 20, apurado de acordo com o art. 2 o da Portaria Interministerial MF/MME n o 33, de 2007, é de US$ 53,80, (cento e cinquenta e três milhões, oitocentos e dez mil, quatrocentos e sessenta e sete dólares norte-americ e noventa e seis centavos) que correspondem a US$.234/kW. Art. 4º O valor da fração da Parcela do Diferencial, mencionado no art. 3 o desta Portaria, a ser transferido ao Tesouro Nacional - ParTN, apurado nos termos do art. 3 o da Portaria Interministerial MF/MME n o 33, de 2007, e do art. 2 o, parágrafo único, da Lei.480, de 30 de maio de 2007, é de US$ 75,439,93.05 (setenta e cinco milhões, quatrocentos e trinta e nove mil, novecentos e trinta e um dólares norte-americ e cinco centavos). Art. 5º O valor da fração da Parcela do Diferencial, mencionado no art. 3 o desta Portaria, a ser transferido à ELETROBRAS - ParEBRAS, apurado de acordo com o que dispõe o art. 3 o, parágrafo único, da Portaria Interministerial MF/MME n o 33, de 2007, é de US$ 78,370,536.9 (setenta e oito milhões, trezentos e setenta mil, quinhentos e trinta e seis dólares norte-americ e noventa e um centavos). Art. 6º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. GUIDO MANTEGA Ministro de Estado da Fazenda MÁRCIO PEREIRA ZIMMERMANN Ministro de Estado de Minas e Energia PORTARIA 527, DE 9 DE NOVEMBRO DE 200 Dispõe sobre a prática de atos e termos processuais em forma eletrônica, bem como a digitalização e armazenamento de documentos digitais no âmbito do Ministério da Fazenda. O MINISTRO DE ESTADO DA FAZENDA INTERINO, no uso da atribuição que lhe confere o parágrafo único, inciso II, do art. 87 da Constituição da República Federativa do Brasil e tendo em vista o disposto nos artigos 2º e 23 do Decreto , de 6 de março de 972, e na Medida Provisória , de 24 de agosto de 200, resolve: Art. º A elaboração e o encaminhamento de atos e termos processuais em forma eletrônica serão realizados, no âmbito do Ministério da Fazenda (MF), conforme o disposto nesta Portaria. º A elaboração de documento digital, o processo de digitalização de documentos originais constantes de suporte analógico e o processo de armazenamento dos documentos digitalizados correspondentes deverão ser realizados de forma a manter a integridade, a autenticidade, a interoperabilidade e, quando necessário, a confidencialidade do documento digitalizado, com o emprego de certificado digital emitido no âmbito da Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil), nos termos da Medida Provisória , de º Os atos e termos processuais praticados em forma eletrônica, bem como os documentos apresentados em papel, digitalizados pelo MF, desde que devidamente observado o parágrafo anterior, comporão processo eletrônico, doravante denominado de e- processo. 3º Os documentos originais serão conservados pelo seu detentor até que ocorra a prescrição da pretensão de discutir a validade do documento em juízo. 4º Os documentos produzidos eletronicamente desde seu nascedouro e juntados aos processos digitais com garantia da origem e de seu signatário, observados os termos desta Portaria, serão considerados originais para todos os efeitos legais. 5º O documento digitalizado, objeto de conversão, será considerado cópia autenticada para todos os efeitos legais. 6º Impugnada a validade da cópia mencionada no parágrafo anterior, mediante alegação motivada, fundamentada e comprovada de adulteração antes ou durante o processo de digitalização, deverá ser instaurado incidente, preferencialmente em meio eletrônico, para a verificação da autenticidade do documento objeto de controvérsia. Art. 2º A impugnação, o recurso e os demais atos e termos processuais produzidos eletronicamente, inclusive quando se tratar de Procedimento Administrativo Fiscal (PAF), deverão ser assinados eletronicamente, autenticados com emprego de certificado digital emitido no âmbito da ICP-Brasil e enviados ao órgão competente por meio de centro virtual disponível na Internet. º Alternativamente à hipótese descrita no caput, poderá o interessado se cadastrar perante um dos órgãos do MF, oportunidade em que lhe serão fornecidos os meios para que possa enviar eletronicamente os atos e termos processuais, conforme regulamento. 2º A comprovação do envio de petições e de documentos na forma prevista no caput e no º dar-se-á mediante recibo eletrônico emitido pelo órgão competente. 3º Inexistindo o centro virtual previsto no caput, as petições e os documentos que couberem aos interessados deverão ser entregues à unidade competente do MF em arquivo contido em mídia eletrônica, assinado eletronicamente e autenticado com emprego de certificado digital emitido no âmbito da ICP-Brasil.

7 Nº 25, quarta-feira, 0 de novembro de 200 ISSN º Verificada a regularidade da entrega prevista no parágrafo anterior, será emitido protocolo de recebimento ao apresentante. 5º O teor e a integridade dos arquivos entregues, bem assim a observância dos prazos, são de inteira responsabilidade dos interessados. 6º A utilização de qualquer dos meios previstos nos dispositivos anteriores desobrigará o interessado de protocolar os documentos em papel nos órgãos do MF. 7º Caso o sujeito passivo, na hipótese do 3º, não optar por entregar os atos processuais que lhe couberem em arquivo contido em mídia eletrônica, deverá protocolá-los em papel, apresentando, juntamente com os originais, cópia de cada um dos documentos a serem protocolados. 8º Os originais a que se refere o parágrafo anterior deverão ser devolvidos ao sujeito passivo, imediatamente após o protocolo e a realização das medidas impostas em regulamento, caso sejam necessárias. 9º As cópias apresentadas pelo sujeito passivo poderão ser destruídas pela Administração imediatamente após o processo de digitalização previsto nesta Portaria. 0. Os meios de prova que não puderem ser apresentados em forma eletrônica serão protocolados na unidade competente do órgão do MF, na forma dos 7º, 8º e 9º.. A Administração poderá exigir no curso do processo, a seu critério, o original de documento que tenha sido apresentado pelo sujeito passivo. Art. 3º Será considerada como data de protocolo da impugnação, do recurso e dos documentos apresentados eletronicamente a data e hora de recebimento dos dados pelo centro virtual dos órgãos do MF disponível na Internet. º O recebimento pelo centro virtual a que se refere o caput será efetuado das 8 às 20 horas, horário de Brasília. 2º A tempestividade da impugnação ou do recurso será aferida pela data e hora referida no caput. Art. 4º A intimação por meio eletrônico, com prova de recebimento, será efetuada pelo órgão competente do MF mediante: I - envio ao domicílio tributário do sujeito passivo; ou II - registro em meio magnético ou equivalente utilizado pelo sujeito passivo. º Para efeito do disposto no inciso I, considera-se domicílio tributário do sujeito passivo a caixa postal a ele atribuída pela Administração Tributária e disponibilizada no centro virtual na Internet, desde que o sujeito passivo expressamente autorize. 2º A autorização a que se refere o º dar-se-á mediante envio pelo sujeito passivo aos órgãos competentes do MF de Termo de Opção, por meio do centro virtual, sendo-lhe informadas as normas e condições de utilização e manutenção de seu endereço eletrônico. 3º Inexistindo a autorização prevista no º e não sendo realizada a intimação nos termos do inciso II do caput, o órgão do MF deverá realizá-la por via postal, telegráfica ou por qualquer outro meio ao endereço do sujeito passivo, com prova de recebimento, conservando-se o comprovante de entrega em meio físico, após a sua respectiva digitalização e juntada ao processo eletrônico, observado o disposto no 3º do art. º desta Portaria. 4º Resultando-se improfícuo qualquer dos meios de intimação previstos nos parágrafos anteriores, a intimação poderá ser feita por meio de edital publicado no endereço eletrônico do órgão do MF na Internet. Art. 5º A intimação mediante registro em meio magnético ou equivalente será efetuada nos casos de aplicação de penalidade pela entrega de declaração após o prazo estabelecido na legislação. Parágrafo único. Após concluída a transmissão da declaração do sujeito passivo à Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB), o aplicativo utilizado para gerar a declaração emitirá o recibo de entrega e a intimação a que se refere o caput, bem como possibilitará sua impressão. Art. 6º Considera-se feita a intimação por meio eletrônico, 5 (quinze) dias contados: I - da data registrada no comprovante de entrega no domicílio tributário do sujeito passivo, nos casos do inciso I do art. 4º; II - da data registrada no meio magnético ou equivalente utilizado pelo sujeito passivo, nos casos do inciso II do art. 4º; ou III - após a publicação do edital, se este for o meio utilizado. Art. 7º Para fins de cumprimento dos 8º e 9º do art. 23 do Decreto , de 972, o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF) poderá encaminhar à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) os autos do processo integralmente digitalizado ou do processo digital. º A data de entrega do processo à PGFN e a data do retorno do processo ao CARF será atestada em documento de remessa e entrega do processo administrativo, devendo ser posteriormente digitalizado e anexado aos autos do e-processo. 2º O documento de remessa e entrega do processo administrativo poderá ter forma digital e ser anexado aos autos do e- processo, desde que ateste, automaticamente, a data de entrega do processo à PGFN e a data do retorno do processo ao CARF. 3º Os Procuradores da Fazenda Nacional serão considerados intimados pessoalmente das decisões do CARF, com o término do prazo de 30 (trinta) dias contados da data em que os respectivos autos forem entregues à PGFN na forma deste artigo. 4º Os Procuradores da Fazenda Nacional deverão anexar as petições digitais que produzirem diretamente aos autos do e-processo. EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL pelo código º O prazo para a interposição do recurso será contado a partir da data da intimação pessoal presumida ou em momento anterior, se o Procurador da Fazenda Nacional se der por intimado antes da data prevista no 3 mediante assinatura no documento de remessa e entrega do processo administrativo. 6º A data do retorno do processo ao CARF, atestada no documento de remessa e entrega do processo administrativo, será considerada para fins de aferição da tempestividade do recurso interposto ou da petição protocolada. Art. 8º Os originais dos documentos em papel recebidos do sujeito passivo serão arquivados pela Administração, independentemente de terem sido digitalizados, quando configurar prova em processo de Representação Fiscal para Fins Penais ou em qualquer outra situação descrita em regulamento, ou devolvidos ao sujeito passivo após a digitalização. Art. 9º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. NELSON MACHADO CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA FA Z E N D Á R I A SECRETARIA EXECUTIVA DESPACHO DO SECRETÁRIO EXECUTIVO Em 9 de novembro de O Secretário Executivo do Conselho Nacional de Política Fazendária - CONFAZ, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo inciso IX, do art. 5º do Regimento desse Conselho, torna público que na 54ª reunião extraordinária do CONFAZ, realizada no dia 8 de novembro de 200, foram celebrados os seguintes Convênios ICMS: CONVÊNIO ICMS 6, DE 8 DE NOVEMBRO DE 200 Autoriza o Estado de São Paulo e o Distrito Federal a instituir parcelamento de débitos fiscais relacionados com o ICM e o ICMS, na forma que especifica. O Conselho Nacional de Política Fazendária - CONFAZ, na sua 54ª reunião extraordinária, realizada em Brasília, DF, no dia 8 de novembro de 200, tendo em vista o disposto na Lei Complementar 24, de 7 de janeiro de 975, resolve celebrar o seguinte CONVÊNIO Cláusula primeira Fica o Estado de São Paulo e o Distrito Federal autorizado a conceder parcelamento e reparcelamento, em até 00 (cem) meses, de débitos fiscais relacionados com o ICM e ICMS, constituídos ou não, inclusive os espontaneamente denunciados pelo contribuinte, inscritos ou não em dívida ativa, ainda que ajuizados, nos termos de suas legislações, de fatos geradores ocorridos até 3 de dezembro de º O débito será consolidado, de forma individualizada, na data do pedido do parcelamento, com todos os acréscimos legais previstos na legislação vigente na data dos respectivos fatos geradores da obrigação tributária. 2º - Os juros e a atualização monetária não poderão ser inferiores à variação da taxa de juros do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia - SELIC - ou, alternativamente, os juros não poderão ser inferiores a % ao mês, acrescidos de atualização monetária correspondente a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor - INPC - ou de outro índice de correção monetária. Cláusula segunda O parcelamento previsto neste convênio: I - não autoriza a restituição ou compensação das importâncias já recolhidas; II - não se aplica a débito fiscal decorrente de operações ou de prestações que a legislação expressamente vedar. Cláusula terceira O parcelamento fica condicionado a que o contribuinte: I - formalize sua opção, mediante requerimento cujo modelo será disponibilizado pela respectiva Secretaria de Estado de Fazenda ou de Finanças, até 3 de julho de 20. II - efetue o pagamento de, no mínimo, 5% (cinco por cento) do valor total do débito consolidado; III - cumpra outras condições expressamente previstas na legislação. Cláusula quarta O Estado de São Paulo e o Distrito Federal poderão, na forma prevista nas suas legislações limitar a aplicação do parcelamento definido neste convênio e estabelecer condições de rescisão. Cláusula quinta Este convênio entra em vigor na data da publicação de sua ratificação nacional. Presidente do CONFAZ - Nelson Machado p/ Guido Mantega; Acre -Mâncio Lima Cordeiro; Alagoas -Maurício Acioli Toledo; Amapá -Arnaldo Santos Filho; Amazonas -Isper Abrahim Lima; Bahia - Carlos Martins Marques de Santana; Ceará - João Marcos Maia; Distrito Federal -André Clemente Lara de Oliveira; Espírito Santo - Bruno Pessanha Negris; Goiás -Célio Campos de Freitas; Maranhão - Claudio José Trinchão Santos; Mato Grosso - Edmilson José dos Santos; Mato Grosso do Sul - Mário Sérgio Maciel Lorenzetto; Minas Gerais - Leonardo Maurício Colombini Lima; Pará - Vando Vidal de Oliveira Rego; Paraíba - Nailton Rodrigues Ramalho; Paraná - Heron Arzua; Pernambuco - Djalmo de Oliveira Leão; Piauí -Antonio Silvano Alencar de Almeida; Rio de Janeiro - Renato Augusto Zagallo Villela dos Santos; Rio Grande do Norte - João Batista Soares de Lima; Rio Grande do Sul - Ricardo Englert; Rondônia - José Genaro de Andrade; Roraima - Antônio Leocádio Vasconcelos Filho; Santa Catarina - Cleverson Siewert; São Paulo - Mauro Ricardo Machado Costa; Sergipe - João Andrade Vieira da Silva; Tocantins - Marcelo Olímpio Carneiro Tavares. CONVÊNIO ICMS 62, DE 8 DE NOVEMBRO DE 200 Autoriza o Distrito Federal a prorrogar o prazo de pagamento do ICMS devido por contribuintes dedicados ao comércio varejista, relativo aos fatos geradores do mês de dezembro de 200. O Conselho Nacional de Política Fazendária - CONFAZ, na sua 54ª reunião extraordinária, realizada em Brasília, DF, no dia 8 de novembro de 200, tendo em vista o disposto na Lei Complementar 24, de 7 de janeiro de 975, resolve celebrar o seguinte CONVÊNIO Cláusula primeira Fica o Distrito Federal autorizado a prorrogar até o dia 20 de fevereiro de 20, sem incidência de multas, juros e correção monetária, o pagamento de até 50% (cinqüenta inteiros por cento) do Imposto sobre Operações Relativas a Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação - ICMS, decorrente da venda interna de mercadorias realizadas no mês de dezembro de 200, efetuadas por contribuintes que exerçam, exclusivamente, o comércio varejista e cuja Classificação Nacional de Atividade Econômica-Fiscal - CNAE/FISCAL - esteja relacionada em ato do Poder Executivo Distrital. Parágrafo único. O Distrito Federal poderá expedir atos para estabelecer controles específicos para operações previstas no "caput", podendo excluir do benefício fiscal determinadas mercadorias e categorias de contribuintes, de acordo com o interesse da Administração Tr i b u t á r i a. Cláusula segunda O disposto na cláusula primeira não se aplica: I - aos contribuintes tributados pelo regime da Lei Complementar Federal 23, de 4 de dezembro de 2006; II - as operações com: a) combustíveis e lubrificantes derivados ou não do petróleo; b) energia elétrica; c) veículos novos; d) mercadorias sujeitas ao regime de substituição tributária; e) mercadorias sujeitas ao regime de pagamento antecipado do imposto; III - ao fornecimento de alimentação; IV - ao contribuinte que possua débito inscrito em dívida ativa, exceto se a exigibilidade estiver suspensa, inclusive em razão de parcelamento. Cláusula terceira Este convênio entra em vigor na data da publicação de sua ratificação nacional. Presidente do CONFAZ - Nelson Machado p/ Guido Mantega; Acre -Mâncio Lima Cordeiro; Alagoas -Maurício Acioli Toledo; Amapá -Arnaldo Santos Filho; Amazonas -Isper Abrahim Lima; Bahia - Carlos Martins Marques de Santana; Ceará - João Marcos Maia; Distrito Federal -André Clemente Lara de Oliveira; Espírito Santo - Bruno Pessanha Negris; Goiás -Célio Campos de Freitas; Maranhão - Claudio José Trinchão Santos; Mato Grosso - Edmilson José dos Santos; Mato Grosso do Sul - Mário Sérgio Maciel Lorenzetto; Minas Gerais - Leonardo Maurício Colombini Lima; Pará - Vando Vidal de Oliveira Rego; Paraíba - Nailton Rodrigues Ramalho; Paraná - Heron Arzua; Pernambuco - Djalmo de Oliveira Leão; Piauí -Antonio Silvano Alencar de Almeida; Rio de Janeiro - Renato Augusto Zagallo Villela dos Santos; Rio Grande do Norte - João Batista Soares de Lima; Rio Grande do Sul - Ricardo Englert; Rondônia - José Genaro de Andrade; Roraima - Antônio Leocádio Vasconcelos Filho; Santa Catarina - Cleverson Siewert; São Paulo - Mauro Ricardo Machado Costa; Sergipe - João Andrade Vieira da Silva; Tocantins - Marcelo Olímpio Carneiro Tavares. CONVÊNIO ICMS 63, DE 8 DE NOVEMBRO DE 200 Altera o Convênio ICMS 30/07, que dispõe sobre a isenção e redução de base de cálculo do ICMS em operação com bens ou mercadorias destinadas às atividades de pesquisa, exploração ou produção de petróleo e gás natural. O Conselho Nacional de Política Fazendária - CONFAZ, na sua 54ª reunião extraordinária, realizada em Brasília, DF, no dia 8 de novembro de 200, tendo em vista o disposto na Lei Complementar nº. 24, de 7 de janeiro de 975, resolve celebrar o seguinte CONVÊNIO Cláusula primeira O 3º da cláusula sétima do Convênio ICMS 30/07, de 27 de novembro de 2007, fica alterado com a seguinte redação: " 3º O imposto a que se refere o º desta cláusula será pago uma única vez, ainda que o bem saia do território nacional e nele reingresse posteriormente sem qualquer alteração ou beneficiamento, ou ainda nas subsequentes operações interestaduais.". Cláusula segunda Este convênio entra em vigor na data da publicação de sua ratificação nacional. Presidente do CONFAZ - Nelson Machado p/ Guido Mantega; Acre -Mâncio Lima Cordeiro; Alagoas -Maurício Acioli Toledo; Amapá -Arnaldo Santos Filho; Amazonas -Isper Abrahim Lima; Bahia - Carlos Martins Marques de Santana; Ceará - João Marcos Maia;

8 8 ISSN Nº 25, quarta-feira, 0 de novembro de 200 Distrito Federal -André Clemente Lara de Oliveira; Espírito Santo - Bruno Pessanha Negris; Goiás -Célio Campos de Freitas; Maranhão - Claudio José Trinchão Santos; Mato Grosso - Edmilson José dos Santos; Mato Grosso do Sul - Mário Sérgio Maciel Lorenzetto; Minas Gerais - Leonardo Maurício Colombini Lima; Pará - Vando Vidal de Oliveira Rego; Paraíba - Nailton Rodrigues Ramalho; Paraná - Heron Arzua; Pernambuco - Djalmo de Oliveira Leão; Piauí -Antonio Silvano Alencar de Almeida; Rio de Janeiro - Renato Augusto Zagallo Villela dos Santos; Rio Grande do Norte - João Batista Soares de Lima; Rio Grande do Sul - Ricardo Englert; Rondônia - José Genaro de Andrade; Roraima - Antônio Leocádio Vasconcelos Filho; Santa Catarina - Cleverson Siewert; São Paulo - Mauro Ricardo Machado Costa; Sergipe - João Andrade Vieira da Silva; Tocantins - Marcelo Olímpio Carneiro Tavares. CONVÊNIO ICMS 64, DE 8 DE NOVEMBRO DE200 Autoriza o Estado do Piauí e o Distrito Federal a dispensar ou reduzir juros e multas mediante parcelamento de débitos fiscais relacionados com o ICMS. COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS O Conselho Nacional de Política Fazendária - CONFAZ, na sua 54ª reunião extraordinária, realizada em Brasília, DF, no dia 8 de novembro de 200, tendo em vista o disposto na Lei Complementar 24, de 7 de janeiro de 975, resolve celebrar o seguinte CONVÊNIO Cláusula primeira Ficam o Estado do Piauí e o Distrito Federal autorizados a instituir programa destinado a dispensar ou reduzir juros e multas relacionados com o ICMS, cujos fatos geradores tenham ocorrido até 3 de dezembro de 2009, constituídos ou não, inscritos ou não em dívida ativa, inclusive ajuizados, observadas as condições e limites estabelecidos neste convênio. º O débito será consolidado na data do pedido de ingresso no programa, com todos os acréscimos legais previstos na legislação vigente na data dos respectivos fatos geradores da obrigação tributária. 2º As disposições deste convênio também se aplicam aos parcelamentos em curso. Cláusula segunda O débito consolidado poderá ser pago com redução: I - de até 00 % (cem por cento) dos juros e das multas punitivas e moratórias, se recolhido até 24 de dezembro de 200; II - de 80% (oitenta por cento) dos juros e das multas punitivas e moratórias, em até 06 (seis) parcelas mensais, iguais e sucessivas; III - de 60% (sessenta por cento) dos juros e das multas punitivas e moratórias, em até 2 (doze) parcelas mensais, iguais e sucessivas. º Em se tratando de obrigação acessória, o débito consolidado poderá ser pago: I - em parcela única, com redução de até 90% (noventa por cento); II - em até 06 (seis) parcelas mensais, iguais e sucessivas, com redução de até 60% (sessenta por cento). 2º No pagamento de parcela em atraso serão aplicados os acréscimos legais previstos na legislação do ICMS. Cláusula terceira O benefício previsto neste convênio impõe ao sujeito passivo a autorização de débito automático das parcelas em conta corrente mantida em instituição bancária conveniada com a Secretaria da Fazenda. Cláusula quarta A formalização de pedido de quitação ou parcelamento implica reconhecimento dos débitos tributários nele incluídos, ficando condicionada à desistência de eventuais ações ou embargos à execução fiscal, com renúncia ao direito sobre o qual se fundam, nos autos judiciais respectivos e da desistência de eventuais impugnações, defesas e recursos apresentados no âmbito administrativo. º A homologação do fisco dar-se-á no momento do pagamento único ou da primeira parcela; 2º A legislação do Estado fixará o prazo máximo de opção do contribuinte, que não poderá exceder a 24 de dezembro de 200. Cláusula quinta Implica revogação do parcelamento, resultando na perda do benefício e antecipação do vencimento das parcelas vincendas: I - a inobservância de qualquer das exigências estabelecidas neste convênio; II - estar em atraso, por prazo superior a 60 (sessenta) dias, com o pagamento de qualquer parcela; III - o descumprimento de outras condições, a serem estabelecidas pela Secretaria da Fazenda. Cláusula sexta A legislação do Estado poderá dispor sobre: I - o valor mínimo de cada parcela; II - a redução do valor dos honorários advocatícios; III - os percentuais de redução de juros e multas, observados os limites e os prazos estabelecidos neste convênio; IV - outras condições não previstas nesta cláusula para concessão da anistia de que trata este convênio. Cláusula sétima O disposto neste convênio não autoriza a restituição ou compensação de importâncias já pagas. Cláusula oitava Este convênio entra em vigor na data da publicação de sua ratificação nacional. Presidente do CONFAZ - Nelson Machado p/ Guido Mantega; Acre -Mâncio Lima Cordeiro; Alagoas -Maurício Acioli Toledo; Amapá -Arnaldo Santos Filho; Amazonas -Isper Abrahim Lima; Bahia - Carlos Martins Marques de Santana; Ceará - João Marcos Maia; Distrito Federal -André Clemente Lara de Oliveira; Espírito Santo - pelo código Bruno Pessanha Negris; Goiás -Célio Campos de Freitas; Maranhão - Claudio José Trinchão Santos; Mato Grosso - Edmilson José dos Santos; Mato Grosso do Sul - Mário Sérgio Maciel Lorenzetto; Minas Gerais - Leonardo Maurício Colombini Lima; Pará - Vando Vidal de Oliveira Rego; Paraíba - Nailton Rodrigues Ramalho; Paraná - Heron Arzua; Pernambuco - Djalmo de Oliveira Leão; Piauí -Antonio Silvano Alencar de Almeida; Rio de Janeiro - Renato Augusto Zagallo Villela dos Santos; Rio Grande do Norte - João Batista Soares de Lima; Rio Grande do Sul - Ricardo Englert; Rondônia - José Genaro de Andrade; Roraima - Antônio Leocádio Vasconcelos Filho; Santa Catarina - Cleverson Siewert; São Paulo - Mauro Ricardo Machado Costa; Sergipe - João Andrade Vieira da Silva; Tocantins - Marcelo Olímpio Carneiro Tavares. MANUEL DOS ANJOS MARQUES TEIXEIRA PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL PROCURADORIAS REGIONAIS ª REGIÃO ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 8, DE 5 DE NOVEMBRO DE 200 Exclui pessoas físicas do Parcelamento Especial (PAES), que trata o art. º da Lei 0.684, de 30 de maio de O PROCURADOR REGIONAL DA FAZENDA NACIO- NAL NA ª REGIÃO-DISTRITO FEDERAL, no uso da competência outorgada pelo art. 76, inciso II do Regimento Interno da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, aprovado pela Portaria 257, de 23 de junho de 2009, publicada no DOU de 25 de junho de 2009, tendo em vista o disposto nos arts. º e 7º da Lei 0.684, de 30 de maio de 2003, no art. 2 da Lei.033, de 2 de dezembro de 2004, nos arts. 9º e 7 da Portaria Conjunta PGFN/SRF 3, de 25 de agosto de 2004, na Portaria Conjunta PGFN/SRF 4, de 20 de setembro de 2004, declara: Art. º Fica excluída do Parcelamento Especial (PAES) de que trata o art. º da Lei 0.684, de 30 de maio de 2003, de acordo com o seu art. 7º, a pessoa e jurídica relacionada no Anexo Único a este Ato Declaratório Executivo, tendo em vista que foi constatada a ocorrência de três meses consecutivos ou seis alternados sem recolhimento das parcelas ou que este foi efetuado em valor inferior ao fixado nos incisos II e III do 3º incisos I e II dos 4º e 6º do art. º da Lei 0.684, de Art. 2º A rescisão referida no art. º implicará a remessa do débito para a inscrição em dívida ativa ou o prosseguimento da execução, conforme o caso, e implicará exigibilidade imediata da totalidade do crédito confessado e ainda não pago e automática execução da garantia prestada, quando existente, restabelecendo-se, em relação ao montante não pago, os acréscimos legais na forma da legislação aplicável à época da ocorrência dos respectivos fatos geradores. Art. 3º É facultativo ao sujeito passivo, no prazo de dez dias contando da data de publicação deste Ato Declaratório Executivo, apresentar recurso administrativo dirigido, nos termos do art. 4, 2º da Portaria Conjunta PGFN/SRF n 03 de 25 de agosto de 2004, ao Procurador Regional da Fazenda Nacional no Distrito Federal, com endereço à SAS Quadra 03, Bloco O, 9º andar, Ed. Órgãos Regionais, Brasília, mencionando o número do processo administrativo respectivo. Art. 4º Não havendo apresentação de recurso no prazo previsto no art. 3º, a exclusão do PAES será definitiva. Art. 5º Este Ato Declaratório Executivo entra em vigor na data de sua publicação. LUIZ FERNANDO JUCÁ FILHO ANEXO ÚNICO Relação do contribuinte excluído do Parcelamento Especial previsto na Lei 0.684, de 30 de maio de 2003, com base no numero do CNPJ e respectivo processo de exclusão. NOME CNPJ/CPF PROCESSO A D M I N I S T R AT I V O PAVAC TERRAPLANAGEM LTDA EPP / / ª REGIÃO ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 25, DE 2 DE SETEMBRO DE 200 Exclui pessoas físicas e jurídicas do Parcelamento Especial (PAES), de que trata o art. º da lei 0.684, de 30 de maio de O CHEFE DE DIVISÃO DA DÍVIDA ATIVA DA UNIÃO DA PROCURADORIA REGIONAL DA FAZENDA NACIONAL DA 5 ª REGIAO, tendo em vista o disposto nos arts. º e 7º da Lei 0.684, de 30 de maio de 2003, no art. 2 da Lei 033, de 2 de dezembro de 2004, nos arts, 9º a 7º da Portaria Conjunta PGFN/SRF 3, de 25 de agosto de 2004, na Portaria Conjunta PGFN/SRF 4, de 20 de setembro de 2004, declara: Art. º- Ficam excluídas do parcelamento especial (PAES), de que trata o art. º da lei 0.684, de 30 de maio de 2003, de acordo com seu art. 7º as pessoas físicas e jurídicas relacionadas no Anexo Único deste Ato Declaratório, tendo em vista constatação da ocorrência de três meses consecutivos ou seis alternados sem recolhimento das parcelas do PAES ou que este tenha sido efetuado em valor inferior ao fixado nos incisos II e III do 3º, incisos I e II do 4º e 6º do art. º da Lei 0.684, de Art. 2º É facultado ao sujeito passivo no prazo de 0 dias, contando da data da publicação deste ato declaratório executivo, apresentar recurso administrativo dirigido, nos termos do art. 4, 2º da Portaria Conjunta PGFN/SRF 3/2004 ao PROCURADOR-RE- GIONAL DA FAZENDA NACIONAL - 5ª REGIAO, no endereço Av. Agamenon Magalhães, 2864, Espinheiro, CEP , Recife/PE, mencionando o número do processo administrativo. Art. 3º Não havendo apresentação de recurso ao prazo previsto no art. 2º, a exclusão do PAES será definitiva. Art. 4º Este ato declaratório entra em vigor na data de sua publicação. LEONARDO SALES DE ARAUJO ANEXO ÚNICO Relação das pessoas excluídas do Parcelamento Especial previsto na Lei 0684/2003 (PAES), com base no número do CPF/CNPJ e o respectivo processo administrativo: OPTANTE PROCESSO ADMINISTRATIVO / SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL SUBSECRETARIA DE TRIBUTAÇÃO E CONTENCIOSO COORDENAÇÃO-GERAL DE TRIBUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE TRIBUTOS SOBRE A RENDA, PATRIMÔNIO E OPERAÇÕES FINANCEIRAS ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 33, DE 8 DE NOVEMBRO DE 200 Divulga taxas de câmbio para fins de elaboração de balanço relativo ao mês de outubro de 200. A COORDENADORA DE TRIBUTOS SOBRE A RENDA, PATRIMÔNIO E OPERAÇÕES FINANCEIRAS, no uso da competência delegada pelo art. 3º da Portaria Cosit 3, de 8 de maio de 2008, e tendo em vista o disposto nos arts. 35, 36 e 37 da Lei 8.98, de 20 de janeiro de 995, no art. 8º da Lei 9.249, de 26 de dezembro de 995, e nos arts. 375 a 378 do Decreto 3.000, de 26 de março de Regulamento do Imposto de Renda (RIR/999), declara: Art. º Para fins de determinação do lucro real, no reconhecimento das variações monetárias decorrentes de atualizações de créditos ou obrigações em moeda estrangeira, quando da elaboração do balanço relativo ao mês de outubro de 200, na apuração do imposto de renda das pessoas jurídicas em geral, serão utilizadas as taxas de compra e de venda disponíveis no Sistema de Informações Banco Central (Sisbacen), em 29 de outubro de 200. Art. 2º As cotações das principais moedas a serem utilizadas nas condições do art. º deste Ato Declaratório Executivo são: Outubro/200 Código Moeda Cotação Compra R$ Cotação Venda R$ 220 Dólar dos Estados Unidos,7006, Euro 2,3654 2, Franco Suíço,7286, Iene Japonês 0, 022 0, Libra Esterlina 2,7257 2,7273 CLAUDIA LUCIA PIMENTEL MARTINS DA S I LVA SUPERINTENDÊNCIAS REGIONAIS ª REGIÃO FISCAL DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM CUIABÁ ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 46, DE 4 DE NOVEMBRO DE 200 Declara o perdimento de mercadorias apreendidas O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM CUIABÁ-MT, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 280, inciso IV, do Regimento Interno da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria 25, de 04 de março de 2009, do Ministério da Fazenda, publicado no D.O.U. de 06 de março de 2009, no item 07, letra B da IN SRF 80/8, de 04 de novembro de 98, e art. 05, inciso X, do Decreto-Lei 37/66 e arts. 23, inciso IV e parágrafo primeiro, e 24 do Decreto-Lei.455/76 (alterado pela Lei 0.637/2002), regulamentado pelo art. 689, inciso X, do Decreto 6.759/09; arts. 94, 95, 96, inciso II,, 3 do Decreto-Lei 37/66, e arts. 23, 25 e 27 do Decreto-Lei.455/76, regulamentados pelos arts. 673, 674, 675, inciso II, 686, 687, 70 e 774 do Decreto 6.759/09, e tendo em vista o que consta do processo /

9 Nº 25, quarta-feira, 0 de novembro de 200 ISSN DECLARA PERDIDAS EM FAVOR DA FAZENDA PÚ- BLICA NACIONAL FEDERAL, as mercadorias discriminadas no Auto de Infração e Termo de Apreensão e Guarda Fiscal 03000/EFA000007/200, do processo em referência, tornando-as destináveis de acordo com as normas previstas na Portaria MF 00, de 22 de abril de MAURO CELSO GOMES FERREIRA ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 462, DE 4 DE NOVEMBRO DE 200 Declara o perdimento de mercadorias apreendidas O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM CUIABÁ-MT, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 280, inciso IV, do Regimento Interno da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria 25, de 04 de março de 2009, do Ministério da Fazenda, publicado no D.O.U. de 06 de março de 2009, no item 07, letra B da IN SRF 80/8, de 04 de novembro de 98, e art. 23, inciso II, alínea "a" e seu parágrafo primeiro, do Decreto-Lei.455/76 (alterado pela lei 0.637/2002), c/c os arts. 96, 05, inciso IX do Decreto-Lei 37/66 regulamentado pelo art. 642, inciso I, alíneas "a" e "b", 675, inciso II e 689, inciso XXI do Decreto 6.759/09; arts. 94, 95, 96, inciso II,, 3 do Decreto-Lei 37/66, e arts. 23, 25 e 27 do Decreto-Lei.455/76, regulamentados pelos arts. 673, 674, 675, inciso II, 686, 687, 70 e 774 do Decreto 6.759/2009, e tendo em vista o que consta do processo / DECLARA PERDIDAS EM FAVOR DA FAZENDA PÚ- BLICA NACIONAL FEDERAL, as mercadorias discriminadas no Auto de Infração e Termo de Apreensão e Guarda Fiscal 03000/00038/09, do processo em referência, tornando-as destináveis de acordo com as normas previstas na Portaria MF 00, de 22 de abril de MAURO CELSO GOMES FERREIRA ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 463, DE 4 DE NOVEMBRO DE 200 Declara o perdimento de mercadorias apreendidas O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM CUIABÁ-MT, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 280, inciso IV, do Regimento Interno da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria 25, de 04 de março de 2009, do Ministério da Fazenda, publicado no D.O.U. de 06 de março de 2009, no item 07, letra B da IN SRF 80/8, de 04 de novembro de 98, e art. 05, inciso X, do Decreto-Lei 37/66 e arts. 23, inciso IV e parágrafo primeiro, e 24 do Decreto-Lei.455/76 (alterado pela Lei 0.637/2002), regulamentado pelo art. 689, inciso X, do Decreto 6.759/09; arts. 94, 95, 96, inciso II,, 3 do Decreto-Lei 37/66, e arts. 23, 25 e 27 do Decreto-Lei.455/76, regulamentados pelos arts. 673, 674, 675, inciso II, 686, 687, 70 e 774 do Decreto 6.759/09, e tendo em vista o que consta do processo / DECLARA PERDIDAS EM FAVOR DA FAZENDA PÚ- BLICA NACIONAL FEDERAL, as mercadorias discriminadas no Auto de Infração e Termo de Apreensão e Guarda Fiscal 03000/EFA00000/200, do processo em referência, tornando-as destináveis de acordo com as normas previstas na Portaria MF 00, de 22 de abril de MAURO CELSO GOMES FERREIRA 6ª REGIÃO FISCAL EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM CORONEL FABRICIANO ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 8, DE 5 DE NOVEMBRO DE 200 O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM CORONEL FABRICIANO-MG, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 227 do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria 259, de 24/08/200, publicada no DOU de 29/08/200, e face ao disposto no artigo 3º da Instrução Normativa SRF 504 de 03 de fevereiro de 2005 e nos artigos 267 a 272 do Decreto 4.544, de 26 de dezembro de 2002, e ainda tendo em vista o que consta do processo administrativo 3629/00279/200-20, resolve declarar:. Inscrito no Registro Especial sob o 06/023 como engarrafador, o estabelecimento da empresa AGROPECUÁRIA FA- ZENDA BABILÔNIA LTDA, inscrito no CNPJ sob o /000-59, situado na Estrada Marliéria/Trindade, KM 2, zona rural do munícipio de Marliéria/MG, não alcançando este registro qualquer outro estabelecimento da mesma empresa. O estabelecimento supra identificado está autorizado a produzir/engarrafar/comercializar aguardente de cana, marca Babilônia, que será vendida em recipientes de 50 (cinquenta) ml, 300 (trezentos) ml, 600 (seiscentos) ml, 670 (seiscentos e setenta) ml, 700 (setecentos) ml e 960 (novecentos e sessenta) ml. pelo código O estabelecimento interessado deverá cumprir as obrigações citadas na IN/SRF 504/05, e nas IN's/SRF 728/2007 e 824/2008, sob pena de suspensão ou cancelamento desta inscrição. 3. Este Ato Declaratório Executivo entra em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial da União. ARILTON DE PAULA FARIA 7ª REGIÃO FISCAL ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 303, DE 9 DE NOVEMBRO DE 200 Alfandegamento de área portuária a título extraordinário e em caráter eventual. A SUPERINTENDENTE DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL NA 7ª REGIÃO FISCAL, no uso da competência outorgada pela Portaria SRF 3, de 9 de janeiro de 2002, publicada no D.O.U. de de janeiro de 2002, tendo em vista o que consta do processo /200-62, declara: Art. º Alfandegada, a título extraordinário e em caráter eventual, a área portuária localizada no Distrito Industrial de Santa Cruz, município do Rio de Janeiro, estado do Rio de Janeiro, demarcada no layout apresentado no processo acima mencionado, administrada pela ThyssenKrupp CSA Siderúrgica do Atlântico Ltda., com sede na Avenida João XXIII, s/nº, Santa Cruz, município do Rio de Janeiro, estado do Rio de Janeiro, inscrita no CNPJ sob o /000-9, exclusivamente para as operações previstas nos incisos I e II do art. 5º do Regulamento Aduaneiro, aprovado pelo Decreto 6.759, de 5 de fevereiro de 2009, relativamente as mercadorias embarcadas no navio "Front Runner", de bandeira Panamenha, IMO , com destino ao de Porto Rotterdam, Holanda, com previsão de chegada para o dia 9 de novembro de 200 e início da operação de carregamento a partir do dia seguinte. Art. 2º O presente alfandegamento tem por objetivo a exportação de toneladas de produtos siderúrgicos, semimanufaturados de aço, e destina-se ao comissionamento e testes dos guindastes e demais equipamentos de movimentação e transportes das placas de aço e servirá para avaliar o funcionamento de toda estrutura de carga de parte das instalações do Complexo Siderúrgico no Distrito Industrial de Santa Cruz, caracterizando, desta forma, impossibilidade de utilização de outro local alfandegado para tal fim, conforme minuciosamente descrito no processo em referência. Art. 3º A operação de carregamento dos produtos será realizada em local devidamente habilitado ao trafego marítimo internacional, conforme despacho 38 do Superintendente de Portos da Agência Nacional de Transportes Aquaviários - ANTAQ, de 28 de janeiro de 200, publicado no Diário Oficial da União em 29 de janeiro de 200. Art. 4º Caberá exclusivamente a própria administradora da área portuária de que se trata, submeter às mercadorias exportadas ao correspondente despacho aduaneiro. Art. 5º Nos termos do parágrafo único, do art. 3º, da Portaria SRF 3/2002, a exportação deverá ser processada nos termos da Instrução Normativa SRF 28, de 27 de abril de 994, e a conferência aduaneira poderá ser efetuada simultaneamente à carga. Art. 6º O recinto ora alfandegado ficará sob a jurisdição da Alfândega da Receita Federal do Brasil no Porto de Itaguaí- ALF/IGI, que poderá estabelecer as rotinas operacionais necessárias ao controle fiscal. Art. 7º Cumprirá à empresa administradora do recinto ressarcir ao Fundo Especial de Desenvolvimento e Aperfeiçoamento das Atividades de Fiscalização - FUNDAF, instituído pelo Decreto - Lei.437, de 7 de dezembro de 975, de acordo com o disposto no art. 85 do Decreto 6.759/2009, adotando-se para este fim a sistemática estabelecida na Instrução Normativa SRF 48, de 23 de agosto de 996. Art. 8º Ao recinto ora alfandegado atribui-se o código , consoante determinação da Instrução Normativa SRF 5, de 22 de fevereiro de 99. Art. 9º Este ato entra em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial da União. ELIANA POLO PEREIRA ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 302, DE 8 DE NOVEMBRO DE 200 Revigoramento de Registro de Despachante Aduaneiro. A SUPERINTENDENTE DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL NA 7ª REGIÃO FISCAL, em cumprimento à decisão de tutela antecipada proferida pelo juízo da 26ª Vara Federal do Rio de Janeiro nos autos do processo , declara: Art. Ficam cancelados os efeitos do Ato Declaratório Executivo nº48, de 08/05/2008, e, consequentemente, revigorada a inscrição de ROSA ALVES DE LIMA como despachante aduaneira sob o 07/ Art.2º Este ato entra em vigor na data da sua publicação no Diário Oficial da União. ELIANA POLO PEREIRA DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM NITERÓI ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 3, DE 8 DE NOVEMBRO DE 200 Declara inapta a inscrição da entidade que menciona perante o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) e a inidoneidade dos documentos fiscais por ela emitidos. O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM NITERÓI, no uso das atribuições que lhe confere o Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria MF 25, de 04 de março de 2009, publicada no D.O.U. de 06 de março de 2009, declara: Art. º Inapta a inscrição / no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica da entidade VETOR ENGENHA- RIA LTDA, por sua não localização no endereço constante nos cadastros da Secretaria Receita Federal do Brasil, tendo em vista o disposto nos artigos 8 e 82 da Lei 9.430, de 27 de dezembro de 996, bem como no inciso II do art. 39, inciso II e 2º do art. 4, e sujeitando-se aos efeitos previstos nos arts. 44 a 47, todos da Instrução Normativa RFB 005, de 08 de fevereiro de 200, e ainda o que consta do processo administrativo / Art. 2º Inidôneos, não produzindo efeitos tributários em favor de terceiro interessado, os documentos por ela emitidos a partir da publicação do presente ato, em virtude do contido no inciso I do 3º do art. 45, da Instrução Normativa RFB.005, de 08 de fevereiro de 200. DIRCEU RESENDE PINHEIRO DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM NOVA IGUAÇU ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 5, DE 4 DE NOVEMBRO DE 200 Contribuinte : RIO SORTE COMERCIAL DE ALIMENTOS LTDA CNPJ : / Processo : / O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM NOVA IGUAÇU, de acordo com o disposto nos artigos 8 e 82, da Lei 9.430, de 27 de dezembro de 996, combinado com o preceituado nos artigos 39, inciso II, 4, inciso, II parágrafo 2º e 45, parágrafo 3º, inciso I, alínea "b" da Instrução Normativa RFB.005, de 8 de fevereiro de 200, declara: Art. º - o contribuinte acima identificado fica com a inscrição no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ) enquadrada, quanto à situação cadastral, em INAPTA pelo motivo infraposto: I - No curso dos trabalhos de fiscalização amparados pelo Mandado de Procedimento Fiscal , e considerando que a pessoa jurídica acima identificada não foi localizada no endereço informado ao CNPJ/MF. Art. 2º - Serão considerados tributariamente ineficazes, a partir da publicação deste Ato Declaratório Executivo, os documentos emitidos pela pessoa jurídica em epígrafe em razão em razão da constatação do descrito no inciso anterior. Art. 3º - Este ato entrará em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial da União. CARLOS ALBERTO DO AMARAL AZEREDO ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 53, DE 4 DE NOVEMBRO DE 200 Contribuinte : INDÚSTRIA DE REFRIGERANTES CAXIAS LTDA CNPJ : / Processo : / O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM NOVA IGUAÇU, de acordo com o disposto nos artigos 8 e 82, da Lei 9.430, de 27 de dezembro de 996, combinado com o preceituado nos artigos 39, inciso II, 4, inciso, II parágrafo 2º e 45, parágrafo 3º, inciso I, alínea "b" da Instrução Normativa RFB.005, de 8 de fevereiro de 200, declara: Art. º - o contribuinte acima identificado fica com a inscrição no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ) enquadrada, quanto à situação cadastral, em INAPTA pelo motivo infraposto: I - No curso dos trabalhos de fiscalização amparados pelo Mandado de Procedimento Fiscal no , e considerando que a pessoa jurídica acima identificada não foi localizada no endereço informado ao CNPJ/MF. Art. 2º - Serão considerados tributariamente ineficazes, a partir da publicação deste Ato Declaratório Executivo, os documentos emitidos pela pessoa jurídica em epígrafe em razão em razão da constatação do descrito no inciso anterior. Art. 3º - Este ato entrará em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial da União. CARLOS ALBERTO DO AMARAL AZEREDO

10 0 ISSN Nº 25, quarta-feira, 0 de novembro de 200 DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM VITÓRIA ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 59, DE 5 DE OUTUBRO DE 200 PROCESSO: /200-6 A Delegada da Receita Federal do Brasil de Vitória-ES, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria do Ministério da Fazenda 25, de 4 de março de 2009, publicada no DOU de 6 de março de 2009, nos termos do artigo 4 da Instrução Normativa SRF.005, de 8 de fevereiro de 200, declara INAPTA a inscrição no CNPJ / em nome da empresa MERÍADES DISTRIBUIÇÃO IND. E COM. DE ALIMENTOS LTDA, por ser inexistente de fato LAURA GADELHA XAVIER ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 60, DE 4 DE OUTUBRO DE 200 Processo / A Delegada da Receita Federal do Brasil em Vitória-ES, no uso de suas atribuições que lhe são conferidas pelo Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria MF 25, de 4 de março de 2009, publicada no DOU de 6 de março de 2009, nos termos do artigo 35 da Instrução Normativa SRF 005, de 8 de fevereiro de 200, declara ANULADA a inscrição no CNPJ: / , em nome da empresa VERA LÚCIA MEIRELLES DE FREITAS EPP, por motivo de duplicidade de inscrição. LAURA GADELHA XAVIER ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 6, DE 5 DE OUTUBRO DE 200 PROCESSO / A Delegada da Receita Federal do Brasil de Vitória-ES, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria MF 25, de 4 de março de 2009, publicada no DOU de 6 de março de 2009, nos termos do artigo 35 inciso II da Instrução Normativa SRF.005, de 8 de fevereiro de 200, declara ANULADA a inscrição no CNPJ / em nome da empresa SS COMÉRCIO E REPRESEN- TAÇÕES DE COMPRESSORES LTDA -ME: motivo de duplicidade de inscrição. LAURA GADELHA XAVIER DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL NO RIO DE JANEIRO I ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 497, DE 8 DE NOVEMBRO DE 200 Declara a inaptidão da inscrição da sociedade perante o Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ). A DELEGADA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL NO RIO DE JANEIRO I, no exercício das atribuições regimentais definidas pelos artigos 280, 284, 284-A, 285 e 292, do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria MF n 25, de 4 de março de 2009, publicada no DOU de 6 de março de 2009, com as alterações da Portaria MF n 206, de 3 de março de 200, publicada no DOU de 4 de março de 200, com base nos artigos 8 e 82 da Lei 9.430, de 27 de dezembro de 996, e nas disposições contidas na Instrução Normativa RFB 005, de 8 de fevereiro de 200, resolve: Tornar INAPTA a inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ), da sociedade TUTTI IDEA CONFECÇÕES DE ROUPAS LTDA, CNPJ /000-30, conforme artigo 39, inciso II, da Instrução Normativa RFB 005, de 8 de fevereiro de 200, sendo considerados inidôneos os documentos por ela emitidos a partir de 9 de fevereiro de 200. A presente declaração de inaptidão baseia-se na falta de regularização cadastral, e no não atendimento à intimação constante do Edital 0, de º de setembro de 200, publicado no Diário Oficial da União de 9 de setembro de 200, pág. 62, Seção 3, constatando-se a inexistência de fato do contribuinte, de acordo com o artigo 39, inciso II, da Instrução Normativa RFB 005, de 8 de fevereiro de 200, e em conformidade com os registros contidos no Processo Administrativo / Este Ato declaratório Executivo entra em vigor na data de sua publicação. MONICA PAES BARRETO COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS DIVISÃO DE ADMINISTRAÇÃO ADUANEIRA ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 304, DE 9 DE NOVEMBRO DE 200 Declara habilitada a utilizar o regime aduaneiro especial de exportação e de importação de bens destinados às atividades de pesquisa e de lavra das jazidas de petróleo e de gás natural (Repetro) a pessoa jurídica que menciona. O CHEFE-SUBSTITUTO DA DIVISÃO DE ADMINISTRAÇÃO ADUANEIRA DA SU- PERINTENDÊNCIA REGIONAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL NA 7ª REGIÃO FISCAL, no uso da competência que lhe foi delegada pelo inciso V do art. 4º da Portaria SRRF07 306, de 24 de maio de 2007, publicada no Diário Oficial da União de 30 de maio de 2007, atendendo ao previsto no art. 8º da Instrução Normativa (IN) RFB 844, de 9 de maio de 2008, alterada pela IN RFB.070, de 3 de setembro de 200, e tendo em vista o que consta dos processos relacionados no Anexo, declara: Art. º Fica habilitada a utilizar o regime aduaneiro especial de exportação e de importação de bens destinados às atividades de pesquisa e de lavra das jazidas de petróleo e de gás natural (Repetro), com fulcro no art. 5º da IN RFB 844/2008, a empresa MARÉ ALTA DO BRASIL NAVEGAÇÃO LTDA., na execução dos contratos especificados no Anexo, até o termo final fixado nos mesmos, atuando por meio de seus estabelecimentos habilitados, conforme também consignado no Anexo, devendo ser observado o disposto na citada Instrução Normativa, em especial em seus arts. º a 3º. Art. 2º Sem prejuízo da aplicação de penalidade específica, a habilitação de que se trata poderá ser suspensa ou cancelada, na ocorrência de situações previstas no art. 34 da IN RFB 844/2008. Art. 3º Eventuais alterações contratuais ensejarão a expedição de novo Ato Declaratório Executivo. Art. 4º Este Ato entra em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial da União. Art. 5º Fica revogado o Ato Declaratório Executivo SRRF07 276, de 3 de outubro de 200, publicado no DOU, em 4 de outubro de 200. JOSÉ MAURO SANTOS FRANCO pelo código ANEXO Processo / NO C O N T R ATA N T E ÁREA DE CONCESSÃO DO TERMO CNPJ (ANP) C O N T R ATO FINAL Campos em Exploração: Bacias Sedimentares: Amazonas: BA- e 3 Ceará- Amazonas: BPOT-4, Sergipe-Alagoas: BM-SEAL-4, SEAL-30 e 00, BT-SEAL-2 Camamu-Almada: BCAM-40 e BM-CAL- Espírito Santo: BES-3, 00 e 200. Campos: BC- 20, 30, 50, 60, 00, 200, 400, 500, 600, BM-C-3 e 6 Santos: BS-3, 400, 500, BM-S-3, 7, 8, 9,0 e. Campos em Produção: Petróleo Agulha, Albacora, Albacora Leste, / Brasileiro Anequim, Arabaiana, Aratum, S.A. Área do CES-066, Atum, Badejo, Bagre, Barracuda, Bicudo, Biquara Proc / (RNS-34), Bonito, Caioba, Cangoá, Carapeba, Caratinga, Caraúna, Cherne, Cioba(RNS-035), AHTS 800 TS Congro, Coral, Corvina, Curimã, CE Laborde JR Dentão (RNS-035), Dourado, Enchova, Enchova Oeste, Espada, Espadarte, Estrela do Mar, Garoupa, Garoupinha, Guaiuba (RNS-28), Guaricema, Linguado, Malhado, Marimbá, Marlim, Marlim Leste, Marlim Sul, Moréia, Namorado, Nordeste de Namorado, Norte de Pescada (RNS- 033), Pampo, Parati, Parati, Pargo, Peroá, Pescada, Piraúna, Roncador, Serra (RNS-28), Trilha, Ubarana, Vermelho, Viola, Voador e Xaréu. Processo / NO C O N T R ATA N T E ÁREA DE CONCESSÃO DO TERMO CNPJ (ANP) C O N T R ATO FINAL Campos em Produção: Petróleo Agulha, Albacora, Albacora Leste, / Brasileiro Anequim, Arabaiana, Aratum, S.A. Área do CES-066, Atum, Badejo, Bagre, Barracuda, Bicudo, Biquara (RNS-34), Bonito, Caioba, Cangoá, Carapeba, Caratinga, Caraúna, Cherne, Cioba(RNS-035), Congro, Coral, Corvina, Curimã, Dentão (RNS-035), Dourado, Enchova, Enchova Oeste, Espada, Espadarte, Estrela do Mar, Garoupa, Garoupinha, Guaiuba (RNS-28), Guaricema, Linguado, Malhado, Marimbá, Marlim, Marlim Leste, Marlim Sul, Moréia, Namorado, Nordeste de Namorado, Norte de Pescada (RNS- 033), Pampo, Parati, Parati, Pargo, Peroá, Pescada, Piraúna, Roncador, Serra (RNS-28), Trilha, Ubarana, Vermelho, Viola, Voador e Xaréu. Campos em Exploração: Bacias Sedimentares: Amazonas: BA- e 3 Ceará- Amazonas: BPOT-4, Embarcação Marathon Sergipe-Alagoas: BM-SEAL-4, Tunner II SEAL-30 e 00, BT-SEAL-2 Camamu-Almada: BCAM-40 e BM-CAL- Espírito Santo: BES-3, 00 e 200. Campos: BC- 20, 30, 50, 60, 00, 200, 400, 500, 600, BM-C-3 e 6 Santos: BS-3, 400, 500, BM-S-3, 7, 8, 9,0 e. Processo / NO C O N T R ATA N T E ÁREA DE CONCESSÃO DO TERMO CNPJ (ANP) C O N T R ATO FINAL Campos em Exploração: Bacias Sedimentares: Amazonas: BA- e 3 Ceará- Amazonas: BPOT-4, BPOT - 0 (RNS-43) e 00 Sergipe-Alagoas: BM-SEAL-4, SEAL-30 e 00, BT-SEAL-2 Cruz Tide Camamu-Almada: BCAM-40 e BM-CAL- Espírito Santo: BES-3, 00 e 200. Campos: BC- 20, 30, 50, 60, 00, 200, 400, 500, 600, BM-C-3 e 6 Santos: BS-3, 400, 500, BM-S-3, 7, 8, 9,0 e. Campos em Produção: Agulha, Albacora, Albacora Leste, Petróleo Anequim, Arabaiana, Aratum, Brasileiro Área do CES-066, Atum, Badejo, S.A. Bagre, Barracuda, Bicudo, Biquara

11 Nº 25, quarta-feira, 0 de novembro de 200 ISSN / (RNS-34), Bonito, Caioba, Cangoá, Carapeba, Caratinga, Caraúna, Cherne, Cioba(RNS-035), Congro, Coral, Corvina, Curimã, Dentão (RNS-035), Dourado, Enchova, Enchova Oeste, Espada, Espadarte, Estrela do Mar, Garoupa, Garoupinha, Guaiuba (RNS-28), Guaricema, Linguado, Malhado, Marimbá, Marlim, Marlim Leste, Marlim Sul, Moréia, Namorado, Nordeste de Namorado, Norte de Pescada (RNS- 033), Pampo, Parati, Parati, Pargo, Peroá, Pescada, Piraúna, Roncador, Serra (RNS-28), Trilha, Ubarana, Vermelho, Viola, Voador e Xaréu. NO C O N T R ATA N T E ÁREA DE CONCESSÃO DO TERMO CNPJ (ANP) C O N T R ATO FINAL Campos em Exploração: Processo / Bacias Sedimentares: Amazonas: BA- e Ceará- Amazonas: BPOT-4, Hebert Tide PSV 500 BPOT - 0 (RNS-43) e 00 Processo / Sergipe-Alagoas: BM-SEAL-4, SEAL-30 e 00, BT-SEAL Camamu-Almada: BCAM-40 Cabiness Tide PSV 500 e BM-CAL- Espírito Santo: BES-3, 00 e 200. Campos: BC- 20, 30, 50, 60, 00, 200, 400, 500, 600, BM-C-3 e 6 Santos: BS-3, 400, 500, BM-S-3, 7, 8, 9,0 e. Campos em Produção: Agulha, Albacora, Albacora Leste, Petróleo Anequim, Arabaiana, Aratum, Brasileiro Área do CES-066, Atum, Badejo, S.A. Bagre, Barracuda, Bicudo, Biquara / (RNS-34), Bonito, Caioba, Cangoá, Carapeba, Caratinga, Caraúna, Cherne, Cioba(RNS-035), Congro, Coral, Corvina, Curimã, Dentão (RNS-035), Dourado, Enchova, Enchova Oeste, Espada, Espadarte, Estrela do Mar, Garoupa, Garoupinha, Guaiuba (RNS-28), Guaricema, Linguado, Malhado, Marimbá, Marlim, Marlim Leste, Marlim Sul, Moréia, Namorado, Nordeste de Namorado, Norte de Pescada (RNS- 033), Pampo, Parati, Parati, Pargo, Peroá, Pescada, Piraúna, Roncador, Serra (RNS-28), Trilha, Ubarana, Vermelho, Viola, Voador e Xaréu. Processo / NO C O N T R ATA N T E ÁREA DE CONCESSÃO DO TERMO CNPJ (ANP) C O N T R ATO FINAL / Petróleo Todas as áreas em que a Brasileiro PETROBRÁS for concessionária S.A nos termos da Lei 9.478/98 AHTS 000. OIL VIBRANT Processo / NO C O N T R ATA N T E ÁREA DE CONCESSÃO DO TERMO CNPJ (ANP) C O N T R ATO FINAL / Petróleo Todas as áreas em que a Brasileiro PETROBRÁS for concessionária 22/2/200 S.A nos termos da Lei 9.478/98 Embarcação. Kehoe Tide EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL Processo /200-6 NO C O N T R ATA N T E ÁREA DE CONCESSÃO DO TERMO CNPJ (ANP) C O N T R ATO FINAL ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 305, DE 9 DE NOVEMBRO DE 200 Declara habilitada a utilizar o regime aduaneiro especial de exportação e de importação de bens destinados às atividades de pesquisa e de lavra das jazidas de petróleo e de gás natural (Repetro) a pessoa jurídica que menciona. O CHEFE-SUBSTITUTO DA DIVISÃO DE ADMINISTRAÇÃO ADUANEIRA DA SU- PERINTENDÊNCIA REGIONAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL NA 7ª REGIÃO FISCAL, no uso da competência que lhe foi delegada pelo inciso V do art. 4º da Portaria SRRF07 306, de 24 de maio de 2007, publicada no Diário Oficial da União de 30 de maio de 2007, atendendo ao previsto no art. 8º da Instrução Normativa (IN) RFB 844, de 9 de maio de 2008, alterada pela IN RFB.070, de 3 de setembro de 200, e tendo em vista o que consta dos processos relacionados no Anexo, declara: Art. º Fica habilitada a utilizar o regime aduaneiro especial de exportação e de importação de bens destinados às atividades de pesquisa e de lavra das jazidas de petróleo e de gás natural (Repetro), com fulcro no art. 5º da IN RFB 844/2008, a empresa BOURBON OFFSHORE MARÍTIMA S.A, na execução dos contratos especificados no Anexo, até o termo final fixado nos mesmos, atuando por meio dos seus estabelecimentos habilitados, conforme também consignado no anexo, devendo ser observado o disposto na citada Instrução Normativa, em especial em seus artigos º a 3º. Art. 2º Sem prejuízo da aplicação de penalidade específica, a habilitação de que se trata poderá ser suspensa ou cancelada, na ocorrência de situações previstas no art. 34 da IN RFB 844/2008. Art. 3º Eventuais alterações contratuais ensejarão a expedição de novo Ato Declaratório Executivo. Art. 4º Este Ato entra em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial da União. Art. 5º Fica revogado o Ato Declaratório Executivo SRRF07 273, de 3 de outubro de 200, publicado no D.O.U. de 4 de outubro de 200. ANEXO JOSÉ MAURO SANTOS FRANCO NO C O N T R ATA N T E ÁREA DE CONCESSÃO DO TERMO CNPJ (ANP) C O N T R ATO FINAL Campos em Exploração: Bacias Sedimentares: Amazonas: BA- e 3 UT 2500 retificação Ceará-Amazonas: BPOT-4,0 (RNS-43) e MISS GAYLA 00 Sergipe-Alagoas: BM-SEAL-4, SEAL-30 e 00, BT-SEAL-2 Camamu-Almada: BCAM-40 e BM-CAL Espírito Santo: BES-3, 00 e 200. UT 2500 retificação Campos: BC- 20, 30, 50, 60, 00, 200, MISS RAMONA 400, 500, 600, BM-C-3 e 6 Santos: BS-3, 400, 500, BM-S-3, 7, 8, 9,0 e Campos em Produção: BLUE SHARK novo Petróleo Agulha, Albacora, Albacora Leste, Anequim, contrato / Brasileiro Arabaiana, Aratum, Área do CES-066 S.A. Atum, Badejo, Bagre, Barracuda, Bicudo, Biguara (RNS-34), Bonito, Caioba, Cangoá, Carapeba, Caratinga, Caraúna, Cherne, Cioba (retificação) prorrogação (RNS-035), Congro, Coral, Corvina, Curimã, TEXAS STAR Dentão (RNS-035), Dourado, Enchova, Enchova Oeste, Estrela-do-Mar, Garoupa, Espada, Espadarte, Garoupinha, Guaiuba (RNS-28), Guaricema, Linguado, Malhado, SURFER 850 retificação Marimbá, Marlim, Marlim Leste, Marlim Sul, Namorado, Nordeste de Namorado, Moréia, Norte de Pescada (RNS-033), Oeste de Ubarana (RNS-07), Pampo, Parati, Pargo, Peroá, Pescada, Piraúna,Roncador, Serra LARS GRAEL novo (RNS-05), Trilha, Ubarana,Vermelho,Viola, contrato Voador e Xaréu. Processo / CNPJ Nº C O N T R ATA N T E ÁREA DE CONCESSÃO (ANP) CONTRATO Nº TERMO FINAL / PETROBRAS SA TODA A AREA EM QUE A BOURBON LIBERTY 20 PETROBRÁS SEJA CONCESSIONÁRIA NOS TERMOS DA LEI 9.478/97 Processo / CNPJ Nº C O N T R ATA N T E ÁREA DE CONCESSÃO (ANP) CONTRATO Nº TERMO FINAL / PETROBRAS SA TODA A AREA EM QUE A BOURBON LIBERTY 9 PETROBRÁS SEJA CONCESSIONÁRIA NOS TERMOS DA LEI 9.478/ / Petróleo Todas as áreas em que a Brasileiro PETROBRÁS for concessionária Embarcação 0/02/203 S.A nos termos da Lei 9.478/98 Davidson Tide Processo /200-6 NO C O N T R ATA N T E ÁREA DE CONCESSÃO DO TERMO CNPJ (ANP) C O N T R ATO FINAL / Petróleo Todas as áreas em que a Brasileiro PETROBRÁS for concessionária Embarcação 0/02/203 S.A nos termos da Lei 9.478/98 Luanda Tide Processo / NO C O N T R ATA N T E ÁREA DE CONCESSÃO DO TERMO CNPJ (ANP) C O N T R ATO FINAL Petróleo Todas as áreas em que a / Brasileiro PETROBRÁS for concessionária Embarcação S.A nos termos da Lei 9.478/98 ED KYLE 0/0/204 pelo código Processo / CNPJ Nº C O N T R ATA N T E ÁREA DE CONCESSÃO (ANP) CONTRATO Nº TERMO FINAL / PETROBRAS SA TODA A AREA EM QUE A BOURBON LIBERTY 06 PETROBRÁS SEJA CONCESSIONÁRIA NOS TERMOS DA LEI 9.478/97 Processo /200-5 CNPJ Nº C O N T R ATA N T E ÁREA DE CONCESSÃO (ANP) CONTRATO Nº TERMO FINAL / PETROBRAS SA TODA A AREA EM QUE A MISS KATHY PETROBRÁS SEJA CONCESSIONÁRIA NOS TERMOS DA LEI 9.478/97

12 2 ISSN Processo /200-5 CNPJ Nº C O N T R ATA N T E ÁREA DE CONCESSÃO (ANP) CONTRATO Nº TERMO FINAL / PETROBRAS SA TODA A AREA EM QUE A MISS ALLIE PETROBRÁS SEJA CONCESSIONÁRIA NOS TERMOS DA LEI 9.478/97 Processo /200-4 CNPJ Nº C O N T R ATA N T E ÁREA DE CONCESSÃO (ANP) CONTRATO Nº TERMO FINAL / PETROBRAS SA TODA A AREA EM QUE A MISS RAMONA PETROBRÁS SEJA CONCESSIONÁRIA NOS TERMOS DA LEI 9.478/97 Nº 25, quarta-feira, 0 de novembro de 200 INSPETORIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL NO RIO DE JANEIRO ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 36, DE 5 DE NOVEMBRO DE 200 Inscrição no registro de Despachante Aduaneiro de que trata a IN DpRF 09, de 02 de outubro de 992. O INSPETOR-CHEFE DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL NO RIO DE JANEIRO, no uso das atri - buições que lhe foram conferidas pelo art. 280 e 292, do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria MF 25/2009, publicada no D.O.U. de 06 de março de 2009, com fundamento no artigo 80 do Decreto 6759, de 05 de fevereiro de 2009, com a redação que lhe foi dada pelo artigo º do Decreto 723, de 5 de junho de 200, e nos termos do artigo 5º da Instrução Normativa DpRF 09, de 02 de outubro de 992, declara: Art. º Excluído do Registro de Ajudantes de Despachante Aduaneiro, em razão de incluir no Registro de Despachantes Aduaneiros, as seguintes inscrições: INSCRIÇÃO NOME CPF PROCESSO 7A/ MARCELO DE LIMA FELGUEIRAS / A / 04. DIOGO PEREIRA GUIMARÃES SILVA / A / LEONARDO PAIXÃO DE SOUZA / A/ ANDERSON SANTOS DE SOUZA / A/04.36 CARLOS ALBERTO QUEIROGA / A/04.35 ELIANE DE SOUZA / A/ MARCELO VIANA DE OLIVEIRA / A/ MARCOS ROBERTO SCHARF / A/ PAULO HENRIQUE JACINTO PIRES / COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS Processo / CNPJ Nº C O N T R ATA N T E ÁREA DE CONCESSÃO (ANP) CONTRATO Nº TERMO FINAL / PETROBRAS SA TODA A AREA EM QUE A MISS GAYLA PETROBRÁS SEJA CONCESSIONÁRIA NOS TERMOS DA LEI 9.478/97 Processo /200-9 CNPJ Nº C O N T R ATA N T E ÁREA DE CONCESSÃO (ANP) CONTRATO Nº TERMO FINAL / PETROBRAS SA TODA A AREA EM QUE A BOURBON LIBERTY 28 PETROBRÁS SEJA CONCESSIONÁRIA NOS TERMOS DA LEI 9.478/97 Processo /200-6 CNPJ Nº C O N T R ATA N T E ÁREA DE CONCESSÃO (ANP) CONTRATO Nº TERMO FINAL / / PETROBRAS SA TODA A AREA EM QUE A BOURBON LIBERTY ;99/ PETROBRÁS SEJA 4/06/204 CONCESSIONÁRIA NOS TERMOS DA LEI 9.478/97 ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 306, DE 9 DE NOVEMBRO DE 200 Declara habilitada a utilizar o regime aduaneiro especial de exportação e de importação de bens destinados às atividades de pesquisa e de lavra das jazidas de petróleo e de gás natural (Repetro) a pessoa jurídica que menciona. O CHEFE SUBSTITUTO DA DIVISÃO DE ADMINISTRAÇÃO ADUANEIRA DA SU- PERINTENDÊNCIA REGIONAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL NA 7ª REGIÃO FISCAL, no uso da competência que lhe foi delegada pelo inciso V do art. 4º da Portaria SRRF07 306, de 24 de maio de 2007, publicada no Diário Oficial da União de 30 de maio de 2007,, atendendo ao previsto no art. 8º da Instrução Normativa (IN) RFB 844, de 9 de maio de 2008, (DOU de 2/05/2008), alterada pela IN RFB 070, de 3/09/200 (DOU de 4/09/200), e tendo em vista o que consta dos processos relacionados no Anexo, declara: Art. º Fica habilitada a utilizar o regime aduaneiro especial de exportação e de importação de bens destinados às atividades de pesquisa e de lavra das jazidas de petróleo e de gás natural (Repetro), com fulcro nos artigos 5º e 6º da IN RFB 844/2008, a empresa SONANGOL STARFISH OIL & GAS S.A;.antiga Starfish Oil & Gás S.ª, inscrita no CNPJ/MF sob o /000-50, na execução do contrato especificado no Anexo, até o termo final fixado no mesmo, devendo ser observado o disposto na citada Instrução Normativa, em especial em seus arts. º a 3º. Parágrafo único. Encontram-se identificados no Anexo os estabelecimentos que poderão utilizar o Repetro. Art. 2º Sem prejuízo da aplicação de penalidade específica, a habilitação de que se trata poderá ser suspensa ou cancelada, na ocorrência de situações previstas no art. 34 da IN RFB 844/2008. Art. 3º Eventuais alterações contratuais ensejarão a expedição de novo Ato Declaratório Executivo. Art. 4º Este Ato entra em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial da União. Art. 5º Fica revogado o Ato Declaratório Executivo SRRF07 225, de 02 de setembro de 200, publicado no D.O.U. de 03 de setembro de 200. ANEXO JOSÉ MAURO SANTOS FRANCO Processo / Processo / NO ÁREA DE CONCESSÃO C O N T R ATO TERMO CNPJ (ANP) (ANP) FINAL Campos em Exploração Bacia Sedimentar de Campos: / / Bloco C-M-498 BM-C / / / Bloco C-M-622 BM-C / / Bacia Sedimentar de Santos / Bloco S-M-225 BM-S-60 pelo código Art. 2º Incluído no Registro de Despachantes Aduaneiros, com fundamento no art.80 do Decreto 6759, de 05 de fevereiro de 2009, as seguintes inscrições: INSCRIÇÃO NOME CPF PROCESSO 7D/02.49 MARCELO DE LIMA FELGUEIRAS / D/ DIOGO PEREIRA GUIMARÃES SILVA / D/ LEONARDO PAIXÃO DE SOUZA / D/ ANDERSON SANTOS DE SOUZA / D/ CARLOS ALBERTO QUEIROGA / D/ ELIANE DE SOUZA / D/ MARCELO VIANA DE OLIVEIRA / D/ MARCOS ROBERTO SCHARF / D/ PAULO HENRIQUE JACINTO PIRES / Art. 3º Este ato entra em vigor na data de sua publicação no Diário oficial da União. JORGE HENRIQUE BARBOSA SOUZA ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 37, DE 5 DE NOVEMBRO DE 200 Inscrição no registro de Ajudante de Despachante Aduaneiro de que trata a IN DpRF 09, de 02 de outubro de 992. O INSPETOR-CHEFE DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL NO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo art. 280 e 292, do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria MF 25/2009, publicada no D.O.U. de 06 de março de 2009, com fundamento no artigo 80 do Decreto 6759, de 05 de fevereiro de 2009, com a redação que lhe foi dada pelo artigo º do Decreto 723, de 5 de junho de 200, e nos termos do artigo 5º da Instrução Normativa DpRF 09, de 02 de outubro de 992, declara: Art. º Incluído do Registro de Ajudantes de Despachante Aduaneiro, as seguintes inscrições: INSCRIÇÃO NOME CPF PROCESSO 7A/04.52 ELIZABETH B. PEREIRA FILHA / A/04.53 THIAGO PESSOA CAVALCANTE / A/04.54 ALCIR DO AMARAL VALLADAO / A/04.55 ALINE DOS SANTOS LESSA / A/04.56 DIOGO C. PEREIRA / A/04.57 MARCELO CARLOS DE SOUZA / A/04.58 OSMAN LUZIO C. D PEREIRA / 200-7A/04.59 PATRICK AGUIAR GARCE / A/ WALLACE DA C. BARBOSA / A/04.52 WLADIA MARIA BEZERRA LUZ /200-0 Art. 2º Este ato entra em vigor na data de sua publicação no Diário oficial da União. JORGE HENRIQUE BARBOSA SOUZA 8ª REGIÃO FISCAL DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM JUNDIAÍ RETIFICAÇÃO No Ato Declaratório Executivo nº 00, de 04 de novembro de 200, publicado no DOU de 08 de novembro de 200, Seção, página 33: Onde se lê: " /20064" Leia-se: " /200-64" DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM PRESIDENTE PRUDENTE ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 35, DE 4 DE NOVEMBRO DE 200 Exclusão do SIMPLES FEDERAL pelo não atendimento aos requisitos legais. O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL EM PRESIDENTE PRUDENTE, Estado de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal, aprovado pela Portaria MF nº 25, de 04 de Março de 2009, publicada no Diário Oficial da União de 06 de Março de 2009, e de acordo com o disposto nos artigos 9º, 2, 3 e 4 ao 6 da Lei nº 9.37, de 5 de dezembro de 996, com as alterações introduzidas pela legislação posterior, combinada com a Instrução Normativa SRF nº 608, de 09 de janeiro de 2006, declara: - Excluída da sistemática de pagamento dos tributos e contribuições, denominada "SIMPLES", de que trata o artigo 3º da Lei 9.37/96, supra citada, a pessoa jurídica: "LG CLAR SUPRIMENTOS DE INFORMÁTICA LTDA - ME", inscrita no C.N.P.J-MF sob nº: /000-66, estabelecida Avenida Manoel Goulart, 604, Sala 05 - Centro, no Município de Presidente Prudente (SP), CEP: , em razão de se enquadrar nas vedações previstas no inciso XVIII do artigo 9º da Lei nº 9.37/96, conforme informações constantes no processo administrativo nº / Os efeitos da exclusão, iniciaram-se a partir de 0 de Janeiro de 2004, de acordo com o previsto no artigo 5, inciso II da Lei nº 9.37, de 5 de dezembro de 996, e artigos: 20, inciso XVII, 23, inciso I e 24, inciso II, da Instrução Normativa SRF nº 608, de 09 de janeiro de A pessoa jurídica em questão poderá, no prazo de 30 (trinta) dias da ciência deste Ato Declaratório, apresentar por escrito, sua inconformidade em relação ao presente procedimento, ao Delegado da Receita Federal de Julgamento em Ribeirão Preto - SP. 4 - Não havendo manifestação nesse prazo, a exclusão tornar-se-á definitiva. JOSÉ ROBERTO MAZARIN

13 Nº 25, quarta-feira, 0 de novembro de 200 ISSN DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM SOROCABA ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 87, DE 9 DE NOVEMBRO DE 200 Altera Registro Especial concedido nos termos da IN SRF 504/2005 O Delegado Substituto da Receita Federal do Brasil em Sorocaba/SP, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 280, do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal do Brasil- RFB, aprovado pela Portaria MF 25, de 04 de março de 2009, considerando o disposto no artigo 3º da Instrução Normativa SRF 504, de 03 de fevereiro de 2005, e no artigo 336 do Decreto 7.22, de 5 de junho de 200, na forma do despacho exarado no processo /200-9, declara:. Alterada a inscrição 080/0036 no Registro Especial de Produtor e de Engarrafador de Produtos que trata a IN SRF 504/2005, alterada pela IN RFB n.026/200, do estabelecimento da empresa HGR Beverages Indústria e Comércio de Bebidas e Alimentos Ltda, CNPJ /000-67, com endereço na Rodovia Prefeito Quintino de Lima, 800, bairro Canguera, São Roque-SP, não alcançando este registro qualquer outro estabelecimento da mesma empresa. 2. O estabelecimento acima identificado deverá cumprir as obrigações citadas na Instrução Normativa SRF 504/2005 e alterações, sob pena de cancelamento desta inscrição. 3. Este registro abrange os produtos abaixo descritos: P R O D U TO MARCA COMERCIAL CAPACIDADE DO RECIPIENTE BEBIDA ALCOOL.MISTA DE VINHO TINTO COM SUCO DE GRAPE FRUIT, THE WINE DRINK GRAPE COOL Garrafa Long Neck 290 ml XAROPE DE GRAPE FRUIT ECHOPP GAS. BEBIDA ALCOOL.MISTA DE VINHO BRANCO COM SUCO DE GRAPE FRUIT, THE WINE DRINK GRAPE COOL Garrafa Long Neck 290 ml XAROPE DE GRAPE FRUIT ECHOPP GAS VINHO BRANCO FRISANTE DEMI SEC D O N AT E L L A 660 ml FINO PROSECCO VINHO BRANCO FRISANTE SUAVE D O N AT E L L A 660 ml FINO PROSECCO VINHO ROSE FRISANTE SUAVE FINO D O N AT E L L A 660 ml 4. Fica revogado o Ato Declaratório Executivo 23, de 2 de agosto de O presente Ato Declaratório Executivo entra em vigor na data de sua publicação. MANOEL NUNES DE SOUZA ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 88, DE 9 DE NOVEMBRO DE 200 Altera Registro Especial concedido nos termos da IN SRF 504/2005 O Delegado Substituto da Receita Federal do Brasil em Sorocaba/SP, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 280, do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal do Brasil- RFB, aprovado pela Portaria MF 25, de 04 de março de 2009, considerando o disposto no artigo 3º da Instrução Normativa SRF 504, de 03 de fevereiro de 2005, e no artigo 336 do Decreto 7.22, de 5 de junho de 200, na forma do despacho exarado no processo /200-80, DECLA- RA:. Alterada a inscrição 080/0035 no Registro Especial de Produtor e de Engarrafador de Produtos que trata a IN SRF 504/2005, alterada pela IN RFB n.026/200, do estabelecimento da empresa Vitivinicola Góes Ltda, CNPJ /000-36, com endereço à Estrada da Vinho, s/n 50, Km 9, bairro Canguera, São Roque-SP, não alcançando este registro qualquer outro estabelecimento da mesma empresa. 2. O estabelecimento acima identificado deverá cumprir as obrigações citadas na Instrução Normativa SRF 504/2005 e alterações, sob pena de cancelamento desta inscrição. 3. Este registro abrange os produtos abaixo descritos: P R O D U TO MARCA COMERCIAL CAPACIDADE DO RECIPIENTE COOLER COM VINHO BRANCO E SUCO DE PESSEGO GOES COOLER Vidro retornável 870 ml COOLER COM VINHO BRANCO E SUCO DE PESSEGO GOES COOLER Vidro não retornável 870 ml COOLER COM VINHO BRANCO E SUCO DE ABACAXI GOES COOLER Vidro Retornável 870 ml COOLER COM VINHO BRANCO E SUCO DE ABACAXI GOES COOLER Vidro não retornável 870 ml COOLER COM VINHO TINTO E SUCO DE MORANGO GOES COOLER Vidro retornável 870 ml COOLER COM VINHO TINTO E SUCO DE MORANGO GOES COOLER Vidro não retornável 870 ml BEBIDA ALCOOL.MISTA DE VINHO TINTO COM SUCO DE GRAPE FRUIT, THE WINE DRINK GRAPE COOL Lata 350 ml XAROPE DE GRAPE FRUIT ECHOPP GAS. BEBIDA ALCOOL.MISTA DE VINHO TINTO COM SUCO DE GRAPE FRUIT, THE WINE DRINK GRAPE COOL Garrafa Long Neck 290 ml XAROPE DE GRAPE FRUIT ECHOPP GAS BEBIDA ALCOOL.MISTA DE VINHO BRANCO COM SUCO DE GRAPE FRUIT, THE WINE DRINK GRAPE COOL Garrafa Long Neck 290 ml XAROPE DE GRAPE FRUIT ECHOPP GAS VINHO TINTO DE MESA SECO GOES 750ml/870ml/2L/4,5L VINHO TINTO DE MESA SUAVE GOES 750ml/870ml/2L/4,5L VINHO BRANCO DE MESA SECO GOES 750ml/870ml/4,5L VINHO BRANCO DE MESA SUAVE GOES 750ml/870ml/4,5L VINHO BRANCO LICOROSO DOCE GOES 750ml/870ml/4,5L VINHO ROSADO LICOROSO DOCE GOES 750ml/870ml/4,5L VINHO TINTO DE MESA SECO QUINTA DE JUBAIR 720ml/375ml VINHO TINTO DE MESA SUAVE QUINTA DE JUBAIR 720ml VINHO BRANCO DE MESA SUAVE QUINTA DE JUBAIR 720ml VINHO BRANCO LICOROSO DOCE QUINTA DE JUBAIR 720ml VINHO TINTO DE MESA SECO QUINTA DOS VINHEDOS 870ml/4,5L VINHO TINTO DE MESA SUAVE QUINTA DOS VINHEDOS 870ml/4,5L VINHO BRANCO DE MESA SUAVE QUINTA DOS VINHEDOS 870ml/4,5L VINHO TINTO DE MESA SECO GOES TRADIÇÃO 375ml/720ml VINHO TINTO DE MESA SUAVE GOES TRADIÇÃO 375ml/720ml VINHO BRANCO DE MESA SECO GOES TRADIÇÃO 720ml VINHO BRANCO DE MESA SUAVE GOES TRADIÇÃO 375ml VINHO ROSADO LICOROSO DOCE GOES TRADIÇÃO 720ml VINHO BRANCO LICOROSO DOCE GOES TRADIÇÃO 375ml VINHO TINTO FINO DEMI-SEC GOES TEMPOS CABERN 375ml/750ml VINHO BRANCO FRIS.DEMI-SEC FINO DONATELLA PROSECCO 660ml VINHO BRANCO FRISANTE SUAVE FINO DONATELLA PROSECCO 660ml VINHO ROSE FRISANTE SUAVE FINO D O N AT E L L A 660ml COOLER COM VINHO BRANCO E SUCO GOES COLLER 750ml DE PESSEGO COOLER COM VINHO BRANCO E SUCO DE ABACAXI GOES COOLER 750ml EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL 4. Fica revogado o Ato Declaratório Executivo n 7, de 25 de junho de O presente Ato Declaratório Executivo entra em vigor na data de sua publicação. MANOEL NUNES DE SOUZA pelo código INSPETORIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM SÃO PAULO ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 52, DE 8 DE NOVEMBRO DE 200 O INSPETOR-CHEFE DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM SÃO PAULO, no uso das atribuições que lhe confere o Artigo 280 do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria MF no 25, de 4 de março de 2009, publicada no Diário Oficial da União de 6 de março de 2009, nos termos do disposto no art. 80, 3º, do Decreto 6.759, de 05 de fevereiro de 2009, e tendo em vista decisão proferida pelo Juiz Federal José Henrique Prescendo, nos autos do Mandado de Segurança , da 22ª Vara Federal Cível da Subseção Judiciária em São Paulo, resolve: Tornar sem efeito no item do Ato Declaratório Executivo 6, de 2 de junho de 200, publicado nas páginas 69 e 70 da Seção do DOU 23, de 30 de junho de 200, emitido pelo Chefe da Divisão de Administração Aduaneira da Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil na 8ª Região Fiscal, a anulação da inscrição no Registro de Despachantes Aduaneiros de SUSETE BER- TOLINI - CPF , processo /92-2. Fica, portanto, restabelecida a inscrição de SUSETE BERTOLLINI, sob 8D.0.658, no Registro de Despachantes Aduaneiros. JOSÉ PAULO BALAGUER 9ª REGIÃO FISCAL INSPETORIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM FLORIANÓPOLIS ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 0, DE 9 DE NOVEMBRO DE 200 Inclusão no Registro de Ajudantes de Despachante Aduaneiro. O INSPETOR-CHEFE DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM FLORIANÓPOLIS/SC, no uso da competência conferida pelo 3º do art. 80 do Decreto 6.759, de 5 de fevereiro de 2009 (Regulamento Aduaneiro), alterado pelo Decreto 7.23, de 5 de junho de 200, resolve: Art. º Incluir no Registro de Ajudantes de Despachante Aduaneiro a seguinte pessoa: Nº NOME CPF 9A MONIQUE DE SOUZA WEISS Art. 2º Este Ato entrará em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial da União. GILBERTO TRAGANCIN ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO, DE 9 DE NOVEMBRO DE 200 Inclusão no Registro de Ajudantes de Despachante Aduaneiro. O INSPETOR-CHEFE DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM FLORIANÓPOLIS/SC, no uso da competência conferida pelo 3º do art. 80 do Decreto 6.759, de 5 de fevereiro de 2009 (Regulamento Aduaneiro), alterado pelo Decreto 7.23, de 5 de junho de 200, resolve: Art. º Incluir no Registro de Ajudantes de Despachante Aduaneiro a seguinte pessoa: Nº NOME CPF 9A FERNANDA SUELI SIMAS Art. 2º Este Ato entrará em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial da União. GILBERTO TRAGANCIN DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM LAGES ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 6, DE 8 DE NOVEMBRO DE 200 Registro especial obrigatório dos estabelecimentos produtores e engarrafadores de bebidas alcoólicas. O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM LAGES, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 292, VIII do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal aprovado pela Portaria nº 25, de 04 de março de 2009,e tendo em vista o Processo Administrativo Nº /200-6, resolve: Artigo único. Declarar, com fundamento no artigo 3º da Instrução Normativa SRF Nº 504, de 03 de fevereiro de 2005, CONCEDIDO o Registro Especial para Produtores e Engarrafadores de Bebidas Alcoólicas, sob o número 09205/005, o estabelecimento da empresa VINÍCOLA SANTO EMÍLIO LTDA, CNPJ nº /000-5, situado à Rua Major Bibiano Rodrigues de Lima, 94, bairro Coral, em Lages/SC. O estabelecimento supra citado está autorizado a produzir, engarrafar e comercializar os produtos abaixo discriminados: Produto Marca Comercial Capacidade do Recipiente Vinho Tinto Seco Fino Cabernet Sauvignon/Merlot LEOPOLDO 750 ml Vinho Espumante Rose Brut S T E L L ATO 750 ml Vinho Espumante Rose Brut S T E L L ATO 87 ml Vinho Moscatel Espumante C E L L E B R ATO 750 ml Vinho Moscatel Espumante C E L L E B R ATO 87 ml CARLOS ALBERTO PADLIPSKAS

14 4 ISSN DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM LONDRINA RETIFICAÇÃO No Ato Declaratório Executivo 65, de 04 de novembro de 200, publicado no DOU 22, de 5 de novembro de 200, na seção, página 4: onde se lê: "O DELEGADO DA DELEGACIA DA RE- CEITA FEDERAL EM LONDRINA-PR, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 243, inciso IV, do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal, aprovado pela Portaria MF 95, de 30 de abril de 2007,...", leia-se: "O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM LONDRINA-PR no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 280, inciso IX, do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria MF 25, de 4 de março de 2009,..." ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 75, DE 8 DE NOVEMBRO DE 200 Nº 25, quarta-feira, 0 de novembro de 200 COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS Nulidade de Ato praticado perante o Cadastro Nacional das Pessoas Jurídicas (CNPJ) O Delegado da Receita Federal do Brasil em Londrina-PR, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 280 do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal, aprovado pela Portaria MF 25, de 04 de março de 2009, e alterações posteriores, considerando o que consta do Processo Administrativo Fiscal / e, de acordo com o disposto no artigo 35, parágrafo º, da Instrução Normativa/RFB 005, de 08/02/200, declara: Art. º A nulidade de ato praticado em 0/06/200 perante o Cadastro Nacional das Pessoas Jurídicas (CNPJ) pela empresa AME- TISTA ESTOFADOS LTDA - CNPJ: /000-90, tendo em vista a ocorrência da hipótese de nulidade, prevista nos termos do artigo 35, inciso II da IN/RFB 005/200. Art. 2º A nulidade implicará no retorno da condição de matriz ao CNPJ: /00-90, ou seja, da empresa localizada na Rua Guaratinga, Parque Industrial - Arapongas/PR. SÉRGIO GOMES NUNES DIVISÃO DE ADMINISTRAÇÃO ADUANEIRA SOLUÇÃO DE CONSULTA 95, DE 9 DE AGOSTO DE 200 Assunto: Classificação de mercadorias Código Tipi Mercadoria Secador compacto destinado ao tratamento térmico de pedras naturais ou cerâmicas de revestimento, do tipo com uma câmara térmica na forma de túnel com um exaustor na extremidade e provido de uma esteira para o deslocamento das peças ao interior dessa câmara. Apresenta-se nos modelos com 3 e com 6 lâmpadas de infravermelho (220V/380V), cujas temperaturas máximas dentro da câmara podem chegar a 40oC e 80oC, respectivamente Máquina de uma cabeça para retificar, por polimento, arestas de pedras naturais e cerâmicas de revestimento. Dispositivos Legais: RGI/SH (texto das posições 84.9, 84.64) e 6 (texto das subposições 849.3, e ) e RGC/NCM (textos do item e subitem e ) da Tipi, aprovada pelo Decreto 6.006, de 2006; e subsídios Nesh, aprovadas pelo Dec. n.º 435, de 992, atualizadas pela IN RFB n.º 807, de JANETE DE SOUZA MACENA Chefe SOLUÇÃO DE CONSULTA 96, DE 9 DE AGOSTO DE 200 Assunto: Classificação de Mercadorias Código Tipi Mercadoria Plataformas de corte (ceifeiras amovíveis) para montagem em colheitadeira propulsora, destinadas à colheita de diversos tipos de culturas de grãos, providas de barra de corte flexível, molinetes com dentes de plástico resistente e sistema de recolhimento do material cortado com "drapers" (esteiras) de borracha, reversíveis e com guias em "V" nas duas arestas. Essas plataformas apresentamse nos modelos Flexer FD70 e D60 e podem ter as seguintes dimensões e pesos, respectivamente: - Flexer FD70: 9,m/30pés (3.290kg); 0,7m/35pés (3.480kg) ou 2,2m/40pés (3.680kg); - Flexer D60: 6,m/20pés (.422kg); 7,6m/25pés (.757kg); 9,m/30pés (2.78kg); 0,7m/35pés (2.435kg); 2,2/40pés (2.649kg) ou 3,7m/45pés (2.777kg). Dispositivos Legais: RGI/SH (Nota 2a da Seção XVI e texto da posição 84.33) e 6 (texto da subposição ) e RGC/NCM (texto do item ) da Tipi, aprovada pelo Decreto 6.006, de 2006, e subsídios extraídos das Nesh das posições e 84.32, aprovadas pelo Dec. n.º 435, de 992, atualizadas pela IN RFB n.º 807, de JANETE DE SOUZA MACENA Chefe pelo código SOLUÇÃO DE CONSULTA 97, DE 9 DE AGOSTO DE 200 Assunto: Classificação de Mercadorias Código TEC Mercadoria Cinzeiro especial para guarnecer o interior de aviões, de aço inox, na forma de gaveta em V, do tipo de embutir, com 0cm x 8cm x 5cm. Dispositivos Legais: RGI/SH (textos das Notas 2b e 3 da Seção XVII, Nota 2c da Seção XV e posição 83.02) e 6 (textos das subposições e ) da TEC, aprovada pela Res. Camex n.º 43, de 2006, e subsídios Nesh, aprovadas pelo Dec. n.º 435, de 992, atualizadas pela IN RFB n.º 807, de JANETE DE SOUZA MACENA Chefe SOLUÇÃO DE CONSULTA 98, DE 0 DE AGOSTO DE 200 Assunto: Classificação de Mercadorias Código TEC Mercadoria Adaptador conversor eletrônico, com 5x5x3cm, confeccionado em plástico, contendo em seu interior uma placa de circuito impresso com componentes eletrônicos montados e tendo, de um lado, um soquete para conexão de cabo com plug de 3,5mm e, do outro, um soquete para ligação de cabo com conector DB9, e que se destina a converter o sinal gerado pelo sistema "home theater" Panorama, fabricado pela Bowers & Wilkins, a uma máquina automática para processamento de dados, e vice-versa, de maneira a que esta possa exercer o controle daquele. O dispositivo é denominado comercialmente de Panorama Control Interface RS232. Dispositivos Legais: RGI/SH (texto da posição 84.7) e 6 (texto da subposição ) da TEC, aprovada pela Res. Camex 43, de 2006, subsídios Nesh, aprovadas pelo Decreto 435/92, atualizadas pela IN/RFB 807/2008. JANETE DE SOUZA MACENA Chefe SOLUÇÃO DE CONSULTA 202, DE 9 DE AGOSTO DE 200 Assunto: Classificação de Mercadorias Código TEC Mercadoria Climatizador de ambiente, modelo MVAC BCR, composto internamente de um ventilador, um recipiente para adicionar água e gelo, um pré-filtro e um falso tecido, tudo enclausurado em um gabinete, tipo torre, confeccionado em plástico, e que se destina a arrefecer e umidificar o ar de um ambiente pelo processo de evaporação. Acompanha o equipamento um dispositivo de controle remoto. Dispositivos Legais: RGI/SH (texto da posição 84.79) e 6 (texto da subposição ), da TEC, aprovada pela Res. Camex 43, de 2006, publicada no DOU de 26/2/2006. JANETE DE SOUZA MACENA Chefe SOLUÇÃO DE CONSULTA 207, DE 20 DE AGOSTO DE 200 Assunto: Classificação de Mercadorias Código Tipi Mercadoria Aparador de grama de uso manual, com motor elétrico incorporado de 500W, 600W, 700W ou 800W de potência, cuja extremidade com diâmetro de 280mm executa o corte por meio de fios de náilon. Dispositivos Legais: RGI/SH (texto da posição 84.67) e 6 (textos das subposições e ) e RGC/NCM (textos do item e subitem e ) da Tipi, aprovada pelo Dec. n.º 6.006, de 2006, e subsídios Nesh, aprovadas pelo Dec. n.º 435, de 992, atualizadas pela IN RFB n.º 807, de JANETE DE SOUZA MACENA Chefe SOLUÇÃO DE CONSULTA 208, DE 20 DE AGOSTO DE 200 Assunto: Classificação de Mercadorias Código Tipi Mercadoria Esboço de garrafa plástica de poli(tereftalato de etileno) - PET, de forma tubular, com 23,92mm x 00,60mm, fechado em uma extremidade e com a outra aberta e munida de um anel de travamento sobre o qual irá adaptar-se, sob pressão, uma tampa, devendo a parte abaixo desse anel ser transformada, posteriormente, para se obter a dimensão e forma desejada. Dispositivos Legais: RGI/SH e 2a (texto da posição 39.23) e 6 (texto da subposição ) da Tipi, aprovada pelo Dec. n.º 6.006, de 2006, e subsídios Nesh, aprovadas pelo Dec. n.º 435, de 992, atualizadas pela IN RFB n.º 807, de JANETE DE SOUZA MACENA Chefe SOLUÇÃO DE CONSULTA 209, DE 23 DE AGOSTO DE 200 Assunto: Classificação de Mercadorias Código TEC Mercadoria Aparelho de reprodução de som de alta fidelidade (Hi-Fi) pela conversão do sinal digital em sinal analógico a partir de arquivo de áudio gravado em suporte de leitura óptica (CD) ou magnético (disco rígido) e a partir de fluxo computacional de dados (streaming) no acesso ao serviço de transmissão de áudio via Internet (Web radio). Esse aparelho, comercialmente denominado Opus 4, também se destina a funcionar como o servidor em uma rede local (LAN) quando conjugado a outro aparelho do mesmo fabricante, o Melody 2, com vistas à reprodução, em conjunto, de som Hi- Fi nos ambientes onde houver este último. Possui software próprio para execução de seus recursos e externamente apresenta: botões para "navegação", uma tela do tipo touchscreen, uma saída de interconexão de rede local com tecnologia Ethernet e demais saídas para conexão de cabos (ao amplificador/alto-falantes, entre outros). Apresenta-se com os seguintes itens: uma antena para interconexão sem fio (wireless), um controle remoto com duas baterias, o guia do usuário, um CD para instalação inicial e um cabo elétrico Aparelho que, interligado numa rede local (LAN), faz a reprodução de som pela conversão do sinal digital em sinal analógico mediante fluxo computacional de dados (streaming). Denominado comercialmente Melody 2, quando interligado ao servidor Opus 4 do mesmo fabricante é capaz de oferecer no ambiente som de alta fidelidade (Hi-Fi) e por isso também é denominado pelo fabricante como "solução na distribuição do som em vários ambientes". Possui software próprio para execução de seus recursos e externamente apresenta: botões para "navegação", uma tela do tipo touchscreen, uma saída de interconexão de rede local com tecnologia Ethernet e demais saídas para conexão de cabos (amplificador/altofalantes, entre outros). Apresenta-se com os seguintes itens: uma antena para interconexão sem fio (wireless), um controle remoto com duas baterias, o guia do usuário e um cabo elétrico. Dispositivos Legais: RGI/SH (texto da posição 85.9) e 6 (textos das subposições 859.8, e ) e RGC/NCM (texto do item ) da TEC, aprovada pela Res. Camex n.º 43, de JANETE DE SOUZA MACENA Chefe SOLUÇÃO DE CONSULTA 20, DE 24 DE AGOSTO DE 200 Assunto: Classificação de Mercadorias Código TEC Mercadoria Semirreboque especialmente concebido para o transporte de animais vivos, em estrutura em monobloco de liga de alumínio, provido de recursos apropriados ao bem-estar e manejo com os animais, tais como: o interior compartimentado com gaiolas (box), um elevador eletro-hidráulico integrado à porta traseira para a introdução e a retirada dos animais da unidade e sistemas apropriados de ventilação interna, de bebedouros e de coleta e destinação dos dejetos dos animais. Dispositivos Legais: RGI/SH (texto da posição 87.6) e 6 (textos das subposições e ) da TEC, aprovada pela Res. Camex n.º 43, de 2006, e com subsídios extraídos das Nesh, aprovadas pelo Dec. n.º 435, de 992, atualizadas pela IN RFB n.º 807, de JANETE DE SOUZA MACENA Chefe SOLUÇÃO DE CONSULTA 22, DE 26 DE AGOSTO DE 200 Assunto: Classificação de Mercadorias Código Tipi Mercadoria Copo em polipropileno transparente de uso na indústria alimentícia para embalar e acondicionar bebidas em geral (água mineral, sucos ou chás), cuja vedação pode-se dar por tampa ou por selo. Apresenta-se com capacidade de 40, 240 ou 340ml, pesando, respectivamente, 3,70, 4,70 e 6,0g. Dispositivos Legais: RGI/SH (texto da posição 39.23) e 6 (texto da subposição ) da Tipi, aprovada pelo Dec. n.º 6.006, de 2006, e subsídios Nesh, aprovadas pelo Dec. n.º 435, de 992, atualizadas pela IN RFB n.º 807, de JANETE DE SOUZA MACENA Chefe SOLUÇÃO DE CONSULTA 23, DE 26 DE AGOSTO DE 200 Assunto: Classificação de Mercadorias Código Tipi Mercadoria Pote em polipropileno transparente de uso na indústria alimentícia para acondicionar ou embalar produtos como laticínios em geral (iogurte, doce de leite, manteiga, creme de leite etc.), geléias de frutas, azei - tonas, sorvetes e outros, cuja vedação pode-se dar por tampa ou por selo. Apresenta-se com as capacidades entre 40ml (3,70g) a 430ml (3,00g). Dispositivos Legais: RGI/SH (texto da posição 39.23) e 6 (texto da subposição ) da Tipi, aprovada pelo Dec. n.º 6.006, de 2006, e subsídios Nesh, aprovadas pelo Dec. n.º 435, de 992, atualizadas pela IN RFB n.º 807, de JANETE DE SOUZA MACENA Chefe

15 Nº 25, quarta-feira, 0 de novembro de 200 ISSN SOLUÇÃO DE CONSULTA 24, DE 26 DE AGOSTO DE 200 Assunto: Classificação de Mercadorias Código Tipi Mercadoria Tampa em polipropileno, transparente ou colorido, destinada a tampar potes que embalam ou acondicionam alimentos, apresentando-se com diâmetros de 80mm (2,50g) ou 05mm (3,50g). Dispositivos Legais: RGI/SH (texto da posição 39.23) e 6 (texto da subposição ) da Tipi, aprovada pelo Dec. n.º 6.006, de JANETE DE SOUZA MACENA Chefe SOLUÇÃO DE CONSULTA 25, DE 26 DE AGOSTO DE 200 Assunto: Classificação de Mercadorias Código TEC Mercadoria Módulo eletrônico SKY7753 destinado a transmissão (TX) e recepção (RX) dos sinais de telefonia (RF) concomitante à seleção de freqüência de banda, para aparelho telefônico celular quadri-band GSM, suportando o Serviço de Radio por Pacote Geral - GPRS classe 2, com controle integrado de amplificação de potência (ipac), operando nas faixas GSM850/900 e DCS 800/PCS900, denominado comercialmente Módulo Front-end para TX-RX, de fabricação da Skyworks Solution, Inc. Dispositivos Legais: RGI/SH (texto da posição 85.42) e 6 (textos das subposições e ), e RGC (textos do item e subitem ) da TEC, aprovadas pela Res. Camex 43, de 2006, subsídios Nesh, aprovadas pelo Dec. 435/92, atualizadas pela IN/RFB 807/2008. JANETE DE SOUZA MACENA Chefe SOLUÇÃO DE CONSULTA 28, DE 30 DE AGOSTO DE 200 Assunto: Classificação de Mercadorias Código TEC Mercadoria Suporte, do tipo cantoneira, com 9,9cm de largura, 9,8cm de comprimento e 7cm de altura, confeccionado em aço e com pequeno detalhe de proteção de borracha, para sustentação em parede do sistema de som Zeppelin Player (alto-falantes com amplificador de som para ipod ou iphones), fabricado pela Bowers & Wilkins, não servido a outros aparelhos. Dispositivos Legais: RGI/SH (texto da posição 83.02) e 6 (texto da subposição ) da TEC, aprovada Res. Camex 43/2006, subsídios NESH, aprovadas pelo Dec. 435/92 e atualizadas pela IN/RFB 807/2008. JANETE DE SOUZA MACENA Chefe SOLUÇÃO DE CONSULTA 29, DE 3 DE AGOSTO DE 200 Assunto: Classificação de Mercadorias Código Tipi Mercadoria Esboço de garrafa plástica de poli(tereftalato de etileno) - PET, de forma tubular, com 2,40mm x 02,50mm e 20g, fechado em uma extremidade e com a outra aberta e munida de um anel de travamento sobre o qual irá adaptar-se, sob pressão, uma tampa, devendo a parte abaixo desse anel ser transformada, posteriormente, para se obter a dimensão e forma desejada. Dispositivos Legais: RGI/SH e 2a (texto da posição 39.23) e 6 (texto da subposição ) da Tipi, aprovada pelo Dec. n.º 6.006, de 2006, e subsídios Nesh, aprovadas pelo Dec. n.º 435, de 992, atualizadas pela IN RFB n.º 807, de EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL JANETE DE SOUZA MACENA Chefe SOLUÇÃO DE CONSULTA 220, DE 3 DE AGOSTO DE 200 Assunto: Classificação de Mercadorias Código Tipi Mercadoria Esboço de garrafa plástica de poli(tereftalato de etileno) - PET, de forma tubular, com 23,92 mm x 00,60mm e 22g, fechado em uma extremidade e com a outra aberta e munida de um anel de travamento sobre o qual irá adaptar-se, sob pressão, uma tampa, devendo a parte abaixo desse anel ser transformada, posteriormente, para se obter a dimensão e forma desejada. Dispositivos Legais: RGI/SH e 2a (texto da posição 39.23) e 6 (texto da subposição ) da Tipi, aprovada pelo Dec. n.º 6.006, de 2006, e subsídios Nesh, aprovadas pelo Dec. n.º 435, de 992, atualizadas pela IN RFB n.º 807, de JANETE DE SOUZA MACENA Chefe pelo código SOLUÇÃO DE CONSULTA 22, DE 3 DE AGOSTO DE 200 Assunto: Classificação de Mercadorias Código Tipi Mercadoria Esboço de garrafa plástica de poli(tereftalato de etileno) - PET, de forma tubular, com 25,2mm x 08,5mm e 30g, fechado em uma extremidade e com a outra aberta e munida de um anel de travamento sobre o qual irá adaptar-se, sob pressão, uma tampa, devendo a parte abaixo desse anel ser transformada, posteriormente, para se obter a dimensão e forma desejada. Dispositivos Legais: RGI/SH e 2a (texto da posição 39.23) e 6 (texto da subposição ) da Tipi, aprovada pelo Dec. n.º 6.006, de 2006, e subsídios Nesh, aprovadas pelo Dec. n.º 435, de 992, atualizadas pela IN RFB n.º 807, de JANETE DE SOUZA MACENA Chefe SOLUÇÃO DE CONSULTA 222, DE 3 DE AGOSTO DE 200 Assunto: Classificação de Mercadorias Código Tipi Mercadoria Esboço de garrafa plástica de poli(tereftalato de etileno) - PET, de forma tubular, com 23,92mm x 00,60mm e 27g, fechado em uma extremidade e com a outra aberta e munida de um anel de travamento sobre o qual irá adaptar-se, sob pressão, uma tampa, devendo a parte abaixo desse anel ser transformada, posteriormente, para se obter a dimensão e forma desejada. Dispositivos Legais: RGI/SH e 2a (texto da posição 39.23) e 6 (texto da subposição ) da Tipi, aprovada pelo Dec. n.º 6.006, de 2006, e subsídios Nesh, aprovadas pelo Dec. n.º 435, de 992, atualizadas pela IN RFB n.º 807, de JANETE DE SOUZA MACENA Chefe 0ª REGIÃO FISCAL DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM CAXIAS DO SUL ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 68, DE 0 DE NOVEMBRO DE 200 Habilita a empresa que menciona a utilizar o procedimento simplificado de concessão e de controle do regime de admissão temporária previsto na IN RFB 747, de 4 de junho de O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM CAXIAS DO SUL (RS), no uso da atribuição que lhe confere o artigo 5º da Instrução Normativa RFB 747, de 4 de junho de 2007, e tendo em vista no que consta no processo /200-8, declara: Art. º Fica habilitada para a utilização do procedimento simplificado de concessão e de controle do regime aduaneiro especial de admissão temporária, até 0 de novembro de 20, a empresa INTERNATIONAL IND. AUTOMOTIVA DA AMERICA DO SUL LTDA, inscrita no CNPJ sob o número / e estabelecida na RST 453, número 3940, acesso oeste a Caxias do Sul, Distrito Industrial, município de Caxias do Sul/RS, para 420 racks metálicos, de aço 020, com capacidade para três motores, NCM Art.2º Os despachos aduaneiros deverão ser processados na Delegacia da Receita Federal do Brasil de Uruguaiana até 70 unidades e na Inspetoria da Receita Federal do Brasil de São Borja até 250 unidades. Art.3º Conforme º do artigo 5º da referida Instrução Normativa, a presente habilitação possui caráter precário. Art. 4º Este ato entra em vigor na data de sua publicação. LUIZ WESCHENFELDER ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 69, DE 0 DE NOVEMBRO DE 200 Habilita a empresa que menciona a utilizar o procedimento simplificado de concessão e de controle do regime de exportação temporária previsto na IN RFB 747, de 4 de junho de O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM CAXIAS DO SUL (RS), no uso da atribuição que lhe confere o artigo 5º da Instrução Normativa RFB 747, de 4 de junho de 2007, e tendo em vista no que consta no processo /200-23, declara: Art. º Fica habilitada para a utilização do procedimento simplificado de concessão e de controle do regime aduaneiro especial de exportação temporária, até 0 de novembro de 20, a empresa INTERNATIONAL IND. AUTOMOTIVA DA AMERICA DO SUL LTDA, inscrita no CNPJ sob o número / e estabelecida na RST 453, número 3940, acesso oeste a Caxias do Sul, Distrito Industrial, município de Caxias do Sul/RS, para até 000 conjuntos de embalagens plásticas compostos de pallet e 6 bandejas de plástico para transporte de cabeçotes de cilindro, NCM Art.2º Conforme º do artigo 5º da referida Instrução Normativa, a presente habilitação possui caráter precário. Art. 3ºEste ato entra em vigor na data de sua publicação. LUIZ WESCHENFELDER SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL SUBSECRETARIA DA DÍVIDA PÚBLICA PORTARIA 624, DE 8 DE NOVEMBRO DE 200 O SUBSECRETÁRIO DA DÍVIDA PÚBLICA DA SECRE- TARIA DO TESOURO NACIONAL, substituto, no uso das atribuições que lhe conferem a Portaria MF 83, de 3 de julho de 2003, a Portaria STN 43, de 2 de março de 2004, e a Portaria MF 02, de 08 de abril de 200, e tendo em vista as condições gerais de oferta de títulos públicos previstas na Portaria STN n 40, de 04 de agosto de 2003, resolve: Art. º Tornar públicas as condições específicas a serem observadas na oferta pública de Notas do Tesouro Nacional, série B - NTN-B, cujas características estão definidas no Decreto n 3.859, de 04 de julho de 200: I - data do acolhimento das propostas e do leilão: ; II - horário para acolhimento das propostas: de 2h às 3h; III - divulgação do resultado do leilão: na data do leilão, a partir das 4h30, por intermédio do Banco Central do Brasil; IV - data da emissão: ; V - data da liquidação financeira: ; VI - data-base das NTN-B: ; VII - critério de seleção das propostas: serão aceitas todas as propostas com cotações iguais ou superiores à cotação mínima aceita, a qual será aplicada a todas as propostas vencedoras; VIII - sistema eletrônico a ser utilizado: exclusivamente o módulo Oferta Pública Formal Eletrônica (OFPUB), nos termos do regulamento do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (SE- LIC); IX - quantidade máxima de propostas por instituição: 5 (cinco) para cada um dos títulos ofertados; X - quantidade para o público: até (setecentos e cinquenta mil) títulos, que serão distribuídos, a critério do Tesouro Nacional, entre os títulos listados abaixo e; XI - características da emissão: Título Prazo a Taxa de Quantidade Valor Nominal Data do Vencimento Adquirente partir da emissão (dias) Juros (a.a.) (em mil) (em R$) NTN-B.374 6% Até , Público NTN-B % Até , Público NTN-B % Até , Público Parágrafo único. Os cupons de juros das NTN-B poderão ser negociados separadamente do principal, mantidas as características da emissão. Art. 2º Na formulação das propostas deverá ser utilizada cotação com quatro casas decimais, devendo o montante de cada proposta contemplar quantidades múltiplas de cinqüenta títulos. Art. 3º Para fins de liquidação financeira do leilão, o valor nominal das NTN-B atualizado até a respectiva data de liquidação financeira, mencionada no Art.º, inciso V, a ser considerado para o cálculo dos preços unitários será: Título Data-base VNA NTN-B , Art. 4º As instituições credenciadas a operar com o DE- MAB/BCB e com a CODIP/STN, nos termos da Decisão Conjunta 8, de 0 de fevereiro de 200, poderão realizar operação especial, definida pelo art. º, inciso I, do Ato Normativo Conjunto 23, de 6 de agosto de 200, que consistirá na aquisição de NTN-B com as características apresentadas abaixo, pelo preço médio apurado na oferta pública de que trata o art. º desta Portaria: I - data da operação especial: ; II - horário para acolhimento das propostas: de 5h às 6h; III - divulgação da quantidade total vendida: na data do leilão, a partir das 6h30, por intermédio do Banco Central do Brasil; IV - data da liquidação financeira: e; V - características da emissão: Título Prazo a partir da Taxa de Valor Nominal Data do Vencimento emissão (dias) Juros (a.a.) (em R$) NTN-B.374 6%.000, NTN-B %.000, NTN-B %.000, Parágrafo único. Somente será realizada a operação especial prevista neste artigo, se a totalidade do volume ofertado ao público, nos termos do art. º desta Portaria, for vendida.

16 6 ISSN Nº 25, quarta-feira, 0 de novembro de 200 Art. 5º A quantidade de títulos a ser ofertada na operação especial a que se refere o art. 4º, corresponderá a 20% (vinte por cento) da quantidade vendida ao público na oferta pública de que trata o art. º e obedecerá à mesma distribuição percentual verificada entre os títulos vendidos. º. A alocação da quantidade ofertada, conforme o disposto no art. 8º do mencionado Ato Normativo, obedecerá a seguinte proporção: I - 50% (cinqüenta por cento) às instituições "dealers" que tenham alcançado a meta estabelecida no inciso I do art.2(grupo ) do referido Ato Normativo e; II - 50% (cinqüenta por cento) às instituições "dealers" que tenham alcançado a meta estabelecida no inciso II do art.2(grupo 2) do referido Ato Normativo. 2º. Dos títulos destinados a cada grupo, a quantidade máxima que poderá ser adquirida por cada instituição observará os critérios estabelecidos no art. 8º, º, do mencionado Ato Normativo, e será informada à instituição por meio do módulo OFDEALERS do SELIC. Art. 6º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS OTAVIO LADEIRA DE MEDEIROS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS PORTARIA 3.806, DE 5 DE NOVEMBRO DE 200 O SUPERINTENDENTE SUBSTITUTO DA SUPERIN- TENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da competência delegada pelo Ministro de Estado da Fazenda, por meio da Portaria N o 5, de 23 de junho de 2004, considerando o disposto no artigo 38 da Lei Complementar N o 09, de 29 de maio de 200, e o que consta do Processo SUSEP n o /200-3, resolve: Art. o Conceder à UNIMED PREVIDÊNCIA PRIVADA S.A., com sede social na cidade de São Paulo - SP, autorização para operar com pl de previdência complementar aberta em todo o território nacional. Art. 2 o Homologar, na íntegra, as deliberações tomadas pelos acionistas de UNIMED PREVIDÊNCIA PRIVADA S.A. na Assembléia Geral Extraordinária realizada em 4 de agosto de 200, rerratificadora da Assembléia Geral de Constituição realizada em 9 de junho de 200. Art. 3 o Ratificar que o capital social de UNIMED PRE- VIDÊNCIA PRIVADA S.A. é de R$ ,00, dividido em ações ordinárias nominativas, sem valor nominal. Art. 4 o Ratificar que o controle acionário e a ingerência efetiva nos negócios de UNIMED PREVIDÊNCIA PRIVADA S.A. são exercidos por UNIMED SEGURADORA S.A., CNPJ n o /000-06, com sede social na cidade de São Paulo - SP. Art. 5 o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. ALEXANDRE PENNER COORDENAÇÃO-GERAL DE REGISTROS E A U TO R I Z A Ç Õ E S PORTARIA SUSEP/CGRAT.60, DE 9 DE NOVEMBRO DE 200 O COORDENADOR GERAL DE REGISTROS E AUTO- RIZAÇÕES - CGRAT, no uso da competência subdelegada pelo Diretor de Autorizações da Superintendência de Seguros Privados, por meio da Portaria SUSEP/DIRAT n, de 2 de janeiro de 200, tendo em vista o disposto no artigo 77 do Decreto-Lei 73, de 2 de novembro de 966, e o que consta dos Processos SUSEP n /200-03, /200-27, /200-0 e /200-64, Resolve: Art. Homologar, na íntegra, as deliberações tomadas pelos acionistas de BRASILPREV SEGUROS E PREVIDÊNCIA S.A., CNPJ n /000-3, com sede social na cidade de São Paulo - SP, que, na Assembléia Geral Extraordinária realizada em 5 de julho de 200, rerratificadora da Assembléia Geral Extraordinária realizada em 30 de abril de 200 e das Assembléias Gerais Ordinária e Extraordinária realizadas cumulativamente em 0 de fevereiro de 200, aprovaram, em especial: I - A criação de ações preferenciais; II - A conversão de ações ordinárias em ações preferenciais; III - O aumento do capital social em R$ ,26, totalmente subscrito e parcialmente integralizado, na proporção de 50%, correspondente à R$ ,3, elevando-o de R$ ,37 para R$ ,63, dividido em ações nominativas e sem valor nominal, sendo ordinárias e preferenciais; e IV - A reforma e a consolidação do Estatuto Social. Art.2 Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. ANTONIO DE SOUSA BELTRÃO pelo código PORTARIA SUSEP/CGRAT.6, DE 9 DE NOVEMBRO DE 200 O COORDENADOR GERAL DE REGISTROS E AUTO- RIZAÇÕES - CGRAT, no uso da competência subdelegada pelo Diretor de Autorizações da Superintendência de Seguros Privados, por meio da Portaria SUSEP/DIRAT n, de 2 de janeiro de 200, tendo em vista o disposto no artigo 77 do Decreto-Lei 73, de 2 de novembro de 966, e o que consta dos Processos SUSEP n / e /200-23, resolve: Art. Homologar, na íntegra, as deliberações tomadas pelos conselheiros e acionistas de ITAÚ XL SEGUROS CORPORATIVOS S.A., CNPJ n /000-33, com sede social na cidade de São Paulo - SP, que, na Reunião do Conselho de Administração e na Assembléia Geral Extraordinária realizadas em 2 de agosto de 200, aprovaram, em especial: I - A mudança da denominação social para ITAÚ UNI- BANCO SEGUROS CORPORATIVOS S.A.; II - A extinção do Conselho de Administração; e II - A reforma e a consolidação do Estatuto Social. ANTONIO DE SOUSA BELTRÃO. Ministério da Integração Nacional GABINETE DO MINISTRO PORTARIA 932, DE 9 DE NOVEMBRO DE 200 Autoriza transferência de recursos para ações de reconstrução no Município de Forquilhinha/SC. O MINISTRO DE ESTADO DA INTEGRAÇÃO NACIO- NAL, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso IV da Constituição, e tendo em vista o disposto no Decreto 7257 de 4 de agosto de 200, resolve: Art. º Autorizar a transferência de recursos, para execução de ações de recuperação e reconstrução, conforme plano de trabalho constante no Processo n /200-3, necessárias ao retorno da normalidade no Município de Forquilhinha/SC. Art. 2 Considerando a natureza das ações e a intensidade dos efeitos do desastre na área afetada, o prazo de execução das obras e serviços é de 80 dias, a contar da liberação dos recursos. Art. 3º A utilização, pelo ente beneficiário, dos recursos transferidos está vinculada exclusivamente à execução das ações especificadas no art. desta Portaria. Art. 4º Os recursos financeiros relativos ao presente exercício, no valor de R$ ,00 (dois milhões. cento e sessenta mil e novecentos e cinqüenta e seis reais) estão autorizados por crédito extraordinário em favor do Ministério da Integração Nacional, conforme Nota de Empenho 200NE000632, Programa de Trabalho , Natureza da Despesa , Fonte 329, na UG Art. 5º O Repasse dos valores referidos não está condicionado à apresentação de contrapartida, por tratar-se de transferência obrigatória de recursos. Art. 6º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. JOÃO REIS SANTANA FILHO GRUPO EXECUTIVO PARA RECUPERAÇÃO ECONÔMICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO N -.270, DE 6 DE ABRIL DE 200 O GRUPO EXECUTIVO PARA RECUPERAÇÃO ECO- NÔMICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - GERES, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista a deliberação tomada em sua 33ª reunião ordinária, realizada aos 6 de abril de 200, resolve alterar o Orçamento Anual do Fundo de Recuperação Econômica do Estado do Espírito Santo - FUNRES, para o exercício de 200, aprovado pela Resolução N.264, de de dezembro de JOAQUIM BATISTA DE ARAÚJO RESOLUÇÃO N -.27, DE 6 DE ABRIL DE 200 O GRUPO EXECUTIVO PARA RECUPERAÇÃO ECO- NÔMICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - GERES, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista a deliberação tomada em sua 33ª reunião ordinária, realizada aos 6 de abril de 200, resolve: alterar a linha FUNRES/IFM/SETOR URBANO (FUNRES URBA- NO), instituída pela Resolução N.9 de , com as adequações estabelecidas pelas Resoluções N.250, de e N.265, de , operada com recursos do FUNRES Subconta ICMS, passando a vigorar o item Itens Financiáveis, alíneas m, o e p, com novo teor, referentes a despesas de software, despesas pré-operacionais e aquisição para serviços de hospedagem, hotelaria e centros de lazer e apoio; e incluindo no item Itens Financiáveis, desta última Resolução, uma nova alínea w referente a investimentos em franquias. JOAQUIM BATISTA DE ARAÚJO RESOLUÇÃO N -.272, DE 6 DE ABRIL DE 200 O GRUPO EXECUTIVO PARA RECUPERAÇÃO ECO- NÔMICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - GERES, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista a deliberação tomada em sua 33ª reunião ordinária, realizada aos 6 de abril de 200, resolve: a) aprovar os procedimentos prévios de notificação de empresa beneficiária dos recursos do FUNRES para o cumprimento de providências relacionadas ao andamento das renegociações de debêntures junto ao BANDES, de acordo com a Medida Provisória , de , e Portarias nº s.54, de , e.90, de , ambas do Ministério da Integração Nacional; b) revogar a Resolução N.267/2009, de de dezembro de JOAQUIM BATISTA DE ARAÚJO RESOLUÇÃO N -.273, DE 6 DE ABRIL DE 200 O GRUPO EXECUTIVO PARA RECUPERAÇÃO ECO- NÔMICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - GERES, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista a deliberação tomada em sua 33ª reunião ordinária, realizada aos 6 de abril de 200, resolve aprovar o Primeiro Aditivo ao Convênio de Cooperação Técnica e Financeira celebrado com a FCAA, datado de 20 de março de 200. JOAQUIM BATISTA DE ARAÚJO RESOLUÇÃO N -.274, DE 20 DE SETEMBRO DE 200 O GRUPO EXECUTIVO PARA RECUPERAÇÃO ECO- NÔMICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - GERES, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista a deliberação tomada em sua 34ª reunião ordinária, realizada aos 20 de setembro de 200, resolve: para a aprovação do Projeto Final para Concessão de Recursos do FUNRES por meio de Emissão de Debêntures Conversíveis em Ações pelo Colegiado do GERES, sem prejuízo dos demais requisitos expressos em Lei e Regulamentos aplicáveis à espécie, deverá ser feita uma análise detida do contrato de locação do imóvel, onde será localizado o Projeto, observando que o prazo de aluguel deverá ser igual ou superior a 5 (quinze) contados da data do protocolo do Projeto Final pela empresa no BANDES; o prazo estipulado no caput deste artigo deverá ser respeitado em todos os contratos envolvendo a transferência do uso e gozo do imóvel pelo proprietário à empresa interessada em obter os recursos do FUNRES. JOSÉ WELLINGTON DOS SANTOS RESOLUÇÃO N -.275, DE 20 DE SETEMBRO DE 200 O GRUPO EXECUTIVO PARA RECUPERAÇÃO ECO- NÔMICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - GERES, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista a deliberação tomada em sua 34ª reunião ordinária, realizada aos 20 de setembro de 200, resolve: aprovar o Convênio de Cooperação Técnica e Financeira celebrado com o BANDES, datado de , conforme Anexo Único a esta Resolução. JOSÉ WELLINGTON DOS SANTOS RESOLUÇÃO O -.276, DE 20 DE SETEMBRO DE 200 O GRUPO EXECUTIVO PARA RECUPERAÇÃO ECO- NÔMICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - GERES, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista a deliberação tomada em sua 34ª reunião ordinária, realizada aos 20 de setembro de 200, resolve: remeter o Processo Administrativo 56/2009 ao BANDES, para que seja sanada a Decisão da Diretoria, reunida em (903ª Reunião), de acordo com as normas aplicáveis à espécie, considerando-se prejudicado o Recurso interposto pela empresa beneficiária. JOSÉ WELLINGTON DOS SANTOS RESOLUÇÃO O -.277, DE 20 DE SETEMBRO DE 200 O GRUPO EXECUTIVO PARA RECUPERAÇÃO ECO- NÔMICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - GERES, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista a deliberação tomada em sua 34ª reunião ordinária, realizada aos 20 de setembro de 200, resolve: aprovar o Relatório de Reformulação e Conclusão do Projeto da empresa FIESA - FIAÇÃO ESPÍRITO SANTO S/A, apoiada pelo FUNRES, sob a forma de Subscrição de Debêntures Conversíveis em Ações, nos termos da Resolução "O".9/2006, de , alterada por meio das Resoluções "O" nº s.225/2007, de , e.237/2008, de ; as garantias dos recursos FUNRES passam a ser estabelecidas pelo BANDES, nos termos da Decisão da Diretoria do BANDES de 96, data de ; aprovar a respectiva expedição e publicação do Certificado de Empreendimento Implantado - CEI; prorrogar o prazo de carência até setembro de 200. JOSÉ WELLINGTON DOS SANTOS RESOLUÇÃO O -.278, DE 20 DE SETEMBRO DE 200 O GRUPO EXECUTIVO PARA RECUPERAÇÃO ECO- NÔMICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - GERES, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista a deliberação tomada em sua 34ª reunião ordinária, realizada aos 20 de setembro de 200, resolve:

17 Nº 25, quarta-feira, 0 de novembro de 200 ISSN aprovar o Relatório de Reformulação e Conclusão do Projeto de Ampliação da Empresa SOLESA SOLUÇÕES ESTRUTURAIS S/A, apoiada pelo FUNRES, sob a forma de Subscrição de Debêntures Conversíveis em Ações, nos termos da Resolução "O".228/2008, de ; aprovar a respectiva expedição e publicação do Certificado de Empreendimento Implantado - CEI.. JOSÉ WELLINGTON DOS SANTOS RESOLUÇÃO O -.279, DE 20 DE SETEMBRO DE 200 O GRUPO EXECUTIVO PARA RECUPERAÇÃO ECO- NÔMICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - GERES, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista a deliberação tomada em sua 34ª reunião ordinária, realizada aos 20 de setembro de 200, resolve: aprovar o Relatório de Reformulação e Conclusão do Projeto da Empresa CAPRI LOGÍSTICA S/A, apoiada pelo FUNRES, sob a forma de Subscrição de Debêntures Conversíveis em Ações, nos termos da Resolução "O".244/2008, de 2 de novembro de 2008; aprovar a respectiva expedição e publicação do Certificado de Empreendimento Implantado - CEI; prorrogar o prazo de carência até setembro de 200. JOSÉ WELLINGTON DOS SANTOS Ministério da Justiça GABINETE DO MINISTRO PORTARIAS DE 8 DE NOVEMBRO DE 200 O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais, com fulcro no artigo 0 da Lei nº 0.559, de 3 de novembro de 2002, publicada no Diário Oficial de 4 de novembro de 2002 e considerando o resultado do julgamento proferido pela Comissão de Anistia, na 3ª Sessão realizada no dia 04 de fevereiro de 200, no Requerimento de Anistia nº , resolve: Declarar ALICE APARECIDA DUARTE, portadora do CPF nº , anistiada política, conceder reparação econômica, de caráter indenizatório, em prestação mensal, permanente e continuada, no valor de R$ 2.853,37 (dois mil, oitocentos e cinqüenta e três reais e trinta e sete centavos), com efeitos retroativos a partir de até a data do julgamento, perfazendo um total retroativo de R$ 30.60,2 (trezentos e um mil, seiscentos e um reais e vinte e um centavos), e contagem do tempo, para todos os efeitos, do período compreendido de a , nos termos do artigo º, incisos I, II e III da Lei nº 0.559, de O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais, com fulcro no artigo 0 da Lei nº 0.559, de 3 de novembro de 2002, publicada no Diário Oficial de 4 de novembro de 2002 e considerando o resultado do julgamento proferido pela Comissão de Anistia, na 5ª Sessão realizada no dia 2 de novembro de 2009, no Requerimento de Anistia nº , resolve: Declarar MARIA JOSÉ BELO MECA MARANHÃO, portadora do PASSAPORTE nº , anistiada política, conceder reparação econômica, de caráter indenizatório, em prestação mensal, permanente e continuada, no valor de R$ 2.000,00 (dois mil reais), com efeitos retroativos da data do julgamento em a , perfazendo um total retroativo de R$ ,67 (duzentos e quarenta e três mil, seiscentos e sessenta e seis reais e sessenta e sete centavos), e contagem do tempo, para todos os efeitos, do período compreendido de a , nos termos do artigo º, incisos I, II e III da Lei nº 0.559, de O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais, com fulcro no artigo 0 da Lei nº 0.559, de 3 de novembro de 2002, publicada no Diário Oficial de 4 de novembro de 2002 e considerando o resultado do julgamento proferido pela Comissão de Anistia, na 4ª Sessão realizada no dia 04 de fevereiro de 200, no Requerimento de Anistia nº , resolve: EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL Declarar OSVALDO FRANCISCO RAMOS, portador do CPF nº , anistiado político, conceder reparação econômica, de caráter indenizatório, em prestação mensal, permanente e continuada, no valor de R$.875,00 (mil oitocentos e setenta e cinco reais), com efeitos retroativos da data do julgamento em a , perfazendo um total retroativo de R$ ,50 (duzentos e cinqüenta e cinco mil, quatrocentos e trinta e sete reais e cinqüenta centavos), e contagem do tempo, para todos os efeitos, do período compreendido de a , nos termos do artigo º, incisos I, II e III da Lei nº 0.559, de O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais, com fulcro no artigo 0 da Lei nº 0.559, de 3 de novembro de 2002, publicada no Diário Oficial de 4 de novembro de 2002 e considerando o resultado do julgamento proferido pela Comissão de Anistia, na 9ª sessão realizada no dia 27 de janeiro de 200, no Requerimento de Anistia nº , resolve: pelo código Declarar MYRIAM COSTA DE OLIVEIRA, portadora do CPF nº , anistiada política, conceder reparação econômica, de caráter indenizatório, em prestação mensal, permanente e continuada, no valor de R$ 2.000,00 (dois mil reais), com efeitos retroativos a partir de , até a data do julgamento, perfazendo um total retroativo de R$ ,00 (duzentos e noventa e oito mil e quatrocentos reais), e contagem de tempo, para todos os efeitos, do período compreendido de a , nos termos do artigo º, incisos I, II e III da Lei nº 0.559, de O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais, com fulcro no artigo 0 da Lei nº 0.559, de 3 de novembro de 2002, publicada no Diário Oficial de 4 de novembro de 2002 e considerando o resultado do julgamento proferido pela Comissão de Anistia, na 43ª Sessão realizada no dia 23 de julho de 2009 e 6ª Sessão realizada no dia 2 de novembro de 2009, no Requerimento de Anistia nº , resolve: Declarar JOÃO CANDIDO DE OLIVEIRA portador do CPF nº , anistiado político, conceder reparação econômica, de caráter indenizatório, em prestação mensal, permanente e continuada, no valor de R$ 2.546,00 (dois mil, quinhentos e quarenta e seis reais), com efeitos retroativos de a , perfazendo um total retroativo de R$ ,73 (trezentos e cinqüenta e nove mil, cento e cinqüenta e cinco reais e setenta e três centavos), e contagem do tempo, para todos os efeitos, do período compreendido de a , nos termos do artigo º, incisos I, II e III da Lei nº 0.559, de O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais, com fulcro no artigo 0 da Lei n.º 0.559, de 3 de novembro de 2002, publicada no Diário Oficial de 4 de novembro de 2002 e considerando o resultado do julgamento proferido pela Comissão de Anistia, na 73ª Sessão realizada no dia 0 de setembro de 2009, no Requerimento de Anistia n.º , resolve: Declarar PEDRO RICARDO DA COSTA COIMBRA filho de GUIOMAR VITOR DA COSTA, anistiado político "post mortem", conceder a IVONE NUNES FERREIRA portadora do CPF nº , reparação econômica, de caráter indenizatório, em prestação mensal, permanente e continuada, no valor de R$.299,00 (um mil, duzentos e noventa e nove reais), com efeitos retroativos da data do julgamento em a , perfazendo um total retroativo de R$ ,25 (trezentos e cinqüenta e três mil, quatrocentos e trinta e seis reais e vinte e cinco centavos), e contagem do tempo, para todos os efeitos, do período compreendido de a , nos termos do artigo º, incisos I, II e III da Lei n.º 0.559, de O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais, com fulcro no artigo 0 da Lei nº 0.559, de 3 de novembro de 2002, publicada no Diário Oficial de 4 de novembro de 2002 e considerando o resultado do julgamento proferido pela Comissão de Anistia, na 90ª Sessão realizada no dia 4 de outubro de 2009, no Requerimento de Anistia nº , resolve: Declarar GREGORIO CUCHERAVIA portador do CPF nº , anistiado político, conceder reparação econômica, de caráter indenizatório, em prestação mensal, permanente e continuada, no valor de R$.003,00 (um mil e três reais), com efeitos retroativos da data do julgamento em a , perfazendo um total retroativo de R$ ,78 (cento e vinte e quatro mil, oitocentos e cinqüenta e seis reais e setenta e oito centavos), e contagem do tempo, para todos os efeitos, do período compreendido de a , nos termos do artigo º, incisos I, II e III da Lei nº 0.559, de O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais, com fulcro no artigo 0 da Lei nº 0.559, de 3 de novembro de 2002, publicada no Diário Oficial de 4 de novembro de 2002 e considerando o resultado do julgamento proferido pelo Plenário da Comissão de Anistia na 2ª Sessão realizada no dia 03 de fevereiro de 200, no Requerimento de Anistia nº , resolve: Ratificar a condição de anistiado político de PAULO PONTES DA SILVA, portador do CPF nº , e conceder a reparação econômica, de caráter indenizatório, em prestação mensal, permanente e continuada, no valor de R$ 2.773,80 (dois mil, setecentos e setenta e três reais e oitenta centavos), em substituição à Aposentadoria Excepcional de Anistiado que recebe no valor de R$ 578,6 (quinhentos e setenta e oito reais e sessenta e um centavos), referente ao benefício do INSS nº 58/ , o que perfaz a diferença de R$ 2.95,9 (dois mil, cento e noventa e cinco reais e dezenove centavos), com efeitos financeiros retroativos da data do julgamento em a , perfazendo um total de R$ 375.0,63 (trezentos e setenta e cinco mil, onze reais e sessenta e três centavos), nos termos do art. º, incisos I e II c/c art. 9 da Lei nº 0.559, de 3 de novembro de O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais, com fulcro no artigo 0 da Lei nº 0.559, de 3 de novembro de 2002, publicada no Diário Oficial de 4 de novembro de 2002 e considerando o resultado do julgamento proferido pelo Plenário da Comissão de Anistia, na 2ª Sessão realizada no dia 20 de maio de 200, no Requerimento de Anistia n , resolve: Dar provimento ao recurso interposto por NABUCO- DONOSOR MATOS FREIRE DE CARVALHO, anistiado político portador do CPF nº , para ampliar os efeitos retroativos estabelecidos na Portaria nº 849, de 25 de novembro de 2003, para , e acrescer ao valor do retroativo, concedido na Portaria mencionada, a quantia de R$ ,38 (trezentos e noventa e dois mil, oitocentos e quarenta e quatro reais e trinta e oito centavos), nos termos do artigo, inciso II, e artigo 6º, 6º, da Lei nº 0.559, de 4 de novembro de O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais, com fulcro no artigo 0 da Lei nº 0.559, de 3 de novembro de 2002, publicada no Diário Oficial de 4 de novembro de 2002 e considerando o resultado do julgamento proferido pela Comissão de Anistia, na 5ª Sessão Plenária, realizada no dia 24 de março de 200 e o despacho do presidente, datado de 5 de abril de 200, no Requerimento de Anistia n.º , resolve: Declarar ANTÔNIO CARLOS DE OLIVEIRA, portador do CPF n.º anistiado político, conceder reparação econômica, de caráter indenizatório, em prestação mensal, permanente e continuada, no valor de R$ 2.000,00 (dois mil reais), com efeitos retroativos da data do julgamento em a , perfazendo um total retroativo de R$ ,45 (trezentos e quarenta mil, oitocentos e noventa e quatro reais e quarenta e cinco centavos), contagem do tempo, para todos os efeitos, do período compreendido de a , e isenção do Imposto de Renda nos termos do artigo º, incisos I, II e III e artigo 9º da Lei nº 0.559, de O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais, com fulcro no artigo 0 da Lei nº 0.559, de 3 de novembro de 2002, publicada no Diário Oficial de 4 de novembro de 2002 e considerando o resultado do julgamento proferido pela Comissão de Anistia, na ª Sessão realizada no dia 04 de fevereiro de 200, no Requerimento de Anistia nº , resolve: Declarar JOÃO KANZOU SUZUKI, portador do CPF nº , anistiado político, e conceder reparação econômica, de caráter indenizatório, em prestação mensal, permanente e continuada no valor de R$ 2.000,00 (dois mil reais), com efeitos retroativos a partir de , até a data do julgamento, perfazendo um total retroativo de R$ ,00 (cento e quarenta mil e novecentos reais), e contagem do tempo, para todos os efeitos, do período compreendido de a , nos termos do artigo º, incisos I, II e III da Lei nº 0.559, de O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais, com fulcro no artigo 0 da Lei n.º 0.559, de 3 de novembro de 2002, publicada no Diário Oficial de 4 de novembro de 2002 e considerando o resultado do julgamento proferido pela Comissão de Anistia, na 24ª Sessão realizada no dia 29 de setembro de 2009, no Requerimento de Anistia n.º , resolve: Declarar anistiado político "post mortem" MARINALDO DE LIMA GUIMARÃES, filho de MARIA TAVARES DE LIMA GUIMARAES, e conceder a MIRIAM REIS DE ANDRADE GUI- MARÃES, portadora do CPF nº e demais dependentes, se houver, reparação econômica, de caráter indenizatório, em prestação mensal, permanente e continuada, no valor de R$.88,00 (um mil, oitocentos e dezoito reais), com efeitos retroativos de até a data do julgamento em , perfazendo um total retroativo de R$ ,90 (duzentos e oitenta e um mil, quinhentos e setenta e sete reais e noventa centavos), e conceder contagem do tempo, para todos os efeitos, do período compreendido de a , nos termos do artigo º, incisos I, II e III da Lei n.º 0.559, de O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais, com fulcro no artigo 0 da Lei nº 0.559, de 3 de novembro de 2002, publicada no Diário Oficial de 4 de novembro de 2002 e considerando o resultado do julgamento proferido pela Comissão de Anistia, na 5ª Sessão realizada no dia 05 de maio de 200, no Requerimento de Anistia nº , resolve: Declarar MÁRIO CORREA LEITE, portador do CPF nº , anistiado político, conceder reparação econômica, de caráter indenizatório, em prestação mensal, permanente e continuada, no valor de R$.322,00 (um mil, trezentos e vinte e dois reais), com efeitos retroativos a partir de até a data do julgamento, perfazendo um total retroativo de R$ ,00 (duzentos e oitenta e seis mil, duzentos e treze reais), e contagem do tempo, para todos os efeitos, do período compreendido de a , nos termos do artigo º, incisos I, II e III da Lei nº 0.559, de O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais, com fulcro no artigo 0 da Lei nº 0.559, de 3 de novembro de 2002, publicada no Diário Oficial de 4 de novembro de 2002 e considerando o resultado do julgamento proferido pela Comissão de Anistia, na 93ª Sessão realizada no dia 5 de outubro de 2009, no Requerimento de Anistia nº , resolve: Declarar ANTÔNIO CARLOS TEIXEIRA, portador do CPF nº , anistiado político; conceder reparação econômica, de caráter indenizatório, em prestação mensal, permanente e continuada, no valor de R$ 2.000,00 (dois mil reais), com efeitos retroativos a partir de até a data do julgamento, perfazendo um total retroativo de R$ ,00 (duzentos e noventa e um mil reais), e contagem do tempo, para todos os efeitos, do período compreendido de a , nos termos do artigo º, incisos I, II e III da Lei nº 0.559, de O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais, com fulcro no artigo 0 da Lei nº 0.559, de 3 de novembro de 2002, publicada no Diário Oficial de 4 de novembro de 2002 e considerando o resultado do julgamento proferido pela Comissão de Anistia, na 5ª Sessão realizada no dia 29 de abril de 200, no Requerimento de Anistia nº , resolve:

18 8 ISSN Nº 25, quarta-feira, 0 de novembro de Declarar FERNANDO PALHA FREIRE, portador do CPF nº , anistiado político, conceder reparação econômica, de caráter indenizatório, em prestação mensal, permanente e continuada, no valor de R$.245,00 (um mil, duzentos e quarenta e cinco reais), com efeitos retroativos a partir de até a data do julgamento, perfazendo um total retroativo de R$ 84.0,00 (cento e oitenta e quatro mil e onze reais), e contagem do tempo, para todos os efeitos, do período compreendido de a , nos termos do artigo º, incisos I, II e III da Lei nº 0.559, de O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais, com fulcro no artigo 0 da Lei nº 0.559, de 3 de novembro de 2002, publicada no Diário Oficial de 4 de novembro de 2002 e considerando o resultado do julgamento proferido pela Comissão de Anistia, na 45ª Sessão realizada no dia 4 de abril de 200, no Requerimento de Anistia nº , resolve: Declarar ETELVIRA CUNHA OLIVEIRA, portadora do CPF nº , anistiada política, conceder reparação econômica, de caráter indenizatório, em prestação mensal, permanente e continuada, no valor de R$.784,00 (um mil, setecentos e oitenta e quatro reais), com efeitos retroativos a partir de até a data do julgamento, perfazendo um total retroativo de R$ ,07 (cento e oitenta mil, novecentos e cinqüenta e sete reais e sete centavos), e contagem do tempo, para todos os efeitos, do período compreendido de a , nos termos do artigo º, incisos I, II e III da Lei nº 0.559, de COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS LUIZ PAULO BARRETO RETIFICAÇÃO Na Portaria nº 3.470, de 27 de outubro de 200, publicada no Diário Oficial da União de 28 de outubro de 200, Seção, página 60, referente ao requerimento de anistia n.º , formulado por Eunice Soares do Nascimento, onde se lê: "portadora do C.P.F nº ", leia-se: "portadora do C.P.F nº ". SECRETARIA EXECUTIVA PORTARIAS DE 9 DE NOVEMBRO DE 200 O SECRETÁRIO EXECUTIVO DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA, no uso da competência que lhe foi delegada pela Portaria nº 45, de 26 de janeiro de 2004, resolve: Conceder naturalização, na conformidade do artigo 2 inciso II alínea "b" da Constituição Federal, a fim de que possam gozar dos direitos outorgados pela Constituição e leis do Brasil, a: ESTELVINA FLORENTIN DE RAMIREZ - W P, natural do Paraguai, nascida em 23 de janeiro de 946, filha de Eustaquio Florentin e de Valetina Arevalo, residente no Estado do Mato Grosso do Sul(Processo nº /200-68); FRANCISCO ALEJANDRO MARTINEZ LIZAMA - W0032-E, natural do Chile, nascido em 2 de janeiro de 954, filho de Victor Javier Martinez del Valle e de Blanca Elena Lizama Bazaure, residente no Estado de Pernambuco(Processo nº /2007-7); KATSUYO ABE - W G, natural do Japão, nascida em 5 de março de 93, filha de Toji Kobayashi e de Mitsuyo kobayashi, residente no Distrito Federal(Processo nº /200-76); MARIA CATHARINA ELISABETH VELDT DE WIT - W3789-S, natural da Holanda, nascida em 7 de fevereiro de 967, filha de Petrus Hermanus Veldt e de Cornelia Theresia Veldt Rodenburg, residente no Estado de Minas Gerais(Processo nº /2009-4); MARIAM AHMAD ASSAF - V L, natural do Líbano, nascida em 2 de fevereiro de 957, filha de Ahmad Assaf e de Fatme Tarabain, residente no Estado do Paraná(Processo nº / ); MOHAMAD EL MOKHTAR MOUSSA IBRAHIM - Y Z, natural do Líbano, nascido em 24 de maio de 949, filho de Moussa Ahmad Ibrahim e de Kemle Hassan Ali Ibrahim, residente no Estado do Paraná(Processo nº / ); NOURA REDA MANSOUR - Y08530-G, natural do Kuwait, nascida em 9 de maio de 980, filha de Reda Moussa Abdou Mansour e de Fatme Reda Moussa Mansour, residente no Estado do Paraná(Processo nº / ); SAMAHER MOHAMAD SALMAN - V , natural do Líbano, nascida em 5 de maio de 97, filha de Mahmoud Salman e de Fatme Akil Salman, residente no Estado do Paraná(Processo nº /200-53); e YUKIO HIRAI - W T, natural do Japão, nascido em 9 de julho de 929, filho de Ikuitiro Hirai e de Takee Hirai, residente no Estado de Pernambuco(Processo nº /2009-3) Conceder naturalização, na conformidade do artigo 2 inciso II alínea "b" da Constituição Federal, a fim de que possam gozar dos direitos outorgados pela Constituição e leis do Brasil, a: CAROL VARELA GUY SANTOS - W Z, natural da Inglaterra, nascida em 2 de março de 966, filha de Hugo Antonio Varela Santos e de Angela June Santos, residente no Estado de São Paulo(Processo nº / ); CAROL VERONICA PEINE JARA - W44082-W, natural do Chile, nascida em 7 de abril de 969, filha de Alfredo Isaac Peine Troncoso e de Maria Yolanda Jara Zarate, residente no Estado de São Paulo(Processo nº / ); pelo código CÉSAR PEDRO MOYA SÓLORZANO - W58639-N, natural do Peru, nascido em 2 de abril de 956, filho de Guillermo Moya Pajuelo e de Libia Solorzano Espiritu, residente no Estado do Amazonas(Processo nº /200-2); ELBIO GERMÁN FERREIRA SZEWEZUK - W , natural do Uruguai, nascido em 28 de janeiro de 953, filho de Elbio Ferreira Fagundez e de Margarita Szewezuk de Ferreira, residente no Estado do Rio Grande do Sul(Processo nº / ); JUAN MOLLO NINA - V07390-R, natural do Peru, nascido em 27 de dezembro de 938, filho de Roman Mollo e de Maria Nina, residente no Estado do Paraná(Processo nº / ); KELITA ESTHER LAULATE JUGO - V , natural do Peru, nascida em 5 de setembro de 985, filha de Jorge Alberto Laulate Moncayo e de Sara Esther Jugo Mozombite, residente no Estado do Amazonas(Processo nº / ); KING PEI JU - V0566-X, natural da China, nascido em 5 de dezembro de 946, filho de King Fung Shu e de Pan Tsao Hwa, residente no Estado de Pernambuco(Processo nº /200-77); MABROUK EL SAWY SAID - V , natural do Egito, nascido em 3 de dezembro de 936, filho de El Sawy Said e de Om Ibrahim Metwally, residente no Estado de Pernambuco(Processo nº / ); e MARCOS EUFEBIO MALLQUI ESPINOZA - V00242-H, natural do Peru, nascido em 28 de setembro de 959, filho de Eduardo Mallqui e de Marina Espinoza, residente no Estado do Rio Grande do Sul(Processo nº / ) Conceder naturalização, na conformidade do artigo 2 inciso II alínea "b" da Constituição Federal, a fim de que possam gozar dos direitos outorgados pela Constituição e leis do Brasil, a: ANTONIO PIRES BICHEIRO, natural de Portugal, nascido em 20 de maio de 933, filho de Antonio Pires Bicheiro e de Maria D. Assenção Afonsa Pecada, residente no Estado de São Paulo(Processo nº /2008-5); CHOU CHEN PI HSIANG - W L, natural da China, nascida em 9 de maio de 940, filha de Chen Yun Jou e de Chen Jen Hwan, residente no Estado do Rio Grande do Sul(Processo nº /200-05); FRANCISCO JAVIER MULLER GALDAMES - W G, natural do Chile, nascido em 3 de julho de 978, filho de Juan Eberhard Muller Fernandez e de Lidia Maria Del Carmen Galdames Padilla, residente no Estado do Rio de Janeiro(Processo nº / ); MARIA ELIDA DA LUZ OCANA - W H, natural do Uruguai, nascida em 23 de abril de 938, filha de Euclides da Luz e de Orelbina Ferreira, residente no Estado do Rio Grande do Sul(Processo nº /200-73); MARIA KURYLO - W X, natural da Alemanha, nascida em 9 de outubro de 946, filha de Kasimir Kurylo e de Ksenja Hytschuk, residente no Estado de Santa Catarina(Processo nº / ); MARIA TERESA MARTINEZ MAYORGA - W00376-R, natural da Colômbia, nascida em 9 de março de 945, filha de Edilberto Martinez Alonso e de Elisa Zapata, residente no Distrito Federal(Processo nº /2008-3); MARIA TERESA PERUSSO - W , natural de El Salvador, nascida em 3 de novembro de 948, filha de Andres Solorzano e de Mercedes Burgos de Solorzano, residente no Estado do Paraná(Processo nº / ); MICHEL EDWIN ZAMBRANA GUEVARA - V , natural da Bolívia, nascido em 20 de abril de 982, filho de Manuel Efrain Zambrana Zenteno e de Martha Lucilda Guevara Urena, residente no Estado de São Paulo(Processo nº /2009-8); e RUDIGER HOFFMANN - Y , natural da Alemanha, nascido em 26 de setembro de 94, filho de Roland Hoffmann e de Ida Hoffmann, residente no Estado do Rio de Janeiro(Processo nº / ) Conceder naturalização, na conformidade do artigo 2 inciso II alínea "b" da Constituição Federal, a fim de que possam gozar dos direitos outorgados pela Constituição e leis do Brasil, a: CRISTIAN ANDRES ESCALANTE SAAVEDRA - Y03250-H, natural do Chile, nascido em 5 de dezembro de 964, filho de Sergio Arturo Escalante Avarina e de Gladys Del Carmen Saavedra Arias, residente no Distrito Federal(Processo nº /200-30); FELIPE SEGUNDO REBOLLEDO QUEZADA - W , natural do Chile, nascido em 2 de dezembro de 932, filho de Fortunato Rebolledo e de Esther Quezada, residente no Estado de São Paulo(Processo nº / ); GONZALO JIMMY CORNEJO ECHALAR - V53276-T, natural da Bolívia, nascido em 2 de julho de 962, residente no Estado do Paraná(Processo nº /200-52); HERNAN JAVIER CUEVAS CHIRI - Y , natural da Bolívia, nascido em de agosto de 98, filho de Hernan Cuevas Chavez e de Santusa Chiri de Cuevas, residente no Estado de São Paulo(Processo nº /2009-0); JANE MARIA DEL SOCORRO BELLIDO OBLITAS - V C, natural do Peru, nascida em 2 de dezembro de 967, filha de Fidel Teodoro Bellido Rosas e de Maria Jesus Oblitas Nunes, residente no Estado de Santa Catarina(Processo nº / ); KEIKO OKUMURA - W60425-W, natural do Japão, nascida em 0 de fevereiro de 933, filha de Tetsuta Hasebe e de Iku Haseke, residente no Distrito Federal(Processo nº / ); LEE CHEN MING - Y , natural da China (Taiwan), nascido em 8 de setembro de 970, filho de Lou Wen Shion e de Lee Mei, residente Avenida Paraná, 60, ap Cr(Processo nº /200-94); MARK BRIAN PACLIBAR ALBA - W00370-, natural das Filipinas, nascido em 4 de março de 979, filho de Jose Capistrano Alba Junior e de Milburga Paclibar Alba, residente no Estado de São Paulo(Processo nº /2009-3); e WALAI CHAIMONGKOLTRAKUL GUTSCHWAGER - V68557-R, natural da Tailândia, nascida em 23 de abril de 959, filha de Pornchai Chaimongkoltrakul e de Praphai Phuthiwai, residente no Estado do Rio Grande do Sul(Processo nº /200-2) Conceder naturalização, na conformidade do artigo 2 inciso II alínea "b" da Constituição Federal, a fim de que possam gozar dos direitos outorgados pela Constituição e leis do Brasil, a: CARLOS CALVO CANABAL - W O, natural do Uruguai, nascido em 6 de outubro de 964, filho de Walter Calvo e de Raquel Canabal, residente no Estado de Santa Catarina(Processo nº /200-37); CESAR RENEE VARGAS RAMOS - W , natural da Bolívia, nascido em 4 de agosto de 965, filho de Enrique Vargas Guzman e de Maria Ramos, residente no Estado de Mato Grosso(Processo nº /2007-6); CHANG GOU MUU DAN - V , natural da China, nascida em 8 de outubro de 957, filha de Gou Sau Wan e de Gou Chiang Siu Fa, residente no Estado de São Paulo(Processo nº /200-72); LEE HUI FEN - Y04877-Q, natural da China (Taiwan), nascida em 7 de maio de 967, filha de Lou Wen Shion e de Lee Mei, residente no Estado do Paraná(Processo nº /200-82); MAHMOUD EL OUAWDEH - V0533-2, natural da Jordânia, nascido em 0 de janeiro de 939, filho de Mohamas Awadeh e de Aicha Abdel Rahman Odeh, residente no Estado do Rio de Janeiro(Processo nº / ); MANUEL BENITO ACEVEDO GARCIA - W684-N, natural do Chile, nascido em 2 de outubro de 954, filho de Hector Benito Acevedo Valenzuela e de Emma Rosa Garcia Guajardo, residente no Estado do Amazonas(Processo nº / ); MARIA ANGELICA CANGRE DE SOUSA - V , natural do Peru, nascida em 7 de julho de 952, filha de Daniel Cangre Paytan e de Elisa Maticorena Condego, residente no Estado do Amazonas(Processo nº / ); MODESTO BARBOZA AVILA - W , natural do Uruguai, nascido em 4 de agosto de 939, filho de Pedro Barboza e de Sixta Donalina Avila, residente no Estado do Rio Grande do Sul(Processo nº /200-35); e TAMIKO KOBORI - W40446-, natural do Japão, nascida em 6 de fevereiro de 929, filha de Tyokiti Kubo e de Mitsu Kubo, residente no Estado de São Paulo(Processo nº / ) Conceder naturalização, na conformidade do artigo 2 inciso II alínea "a" da Constituição Federal, a fim de que possam gozar dos direitos outorgados pela Constituição e leis do Brasil, a: AMANDA LUCIA DIAZ MIRANDA - V30372-D, natural da Colômbia, nascida em 2 de abril de 974, filha de Felipe Arenicio Diaz Gutierrez e de Amanda Miranda De La Hoz, residente no Estado de São Paulo (Processo nº /2009-5); AMENA EL KHATIB - V V, natural do Líbano, nascida em 25 de março de 977, filha de Hassan El Khatib e de Raya Baydoun, residente no Estado de São Paulo (Processo nº / ) ; DELIA JESSICA ASTETE MEDRANO GOMES - V22944-L, natural do Peru, nascida em 8 de abril de 973, filha de Segundo Arturo Astete Escalante e de Delia Medrano Merino, residente no Estado do Ceará (Processo nº /200-62); EDNA PATRICIA CHARRY RAMÍREZ - V , natural da Colômbia, nascida em 9 de julho de 968, filha de Pedro Alfonso Charry Sánchez e de Ana Maria Ramírez de Charry, residente no Estado do Rio de Janeiro (Processo nº / ); ISABEL MICHELLY CLAROS ROSALES - V52097-Y, natural do Peru, nascida em 20 de julho de 975, filha de William Condor Claros Pacheco e de Dominica Vitalia Rosales Sotelo, residente no Estado do Paraná (Processo nº / ); PRIMA SOLEDAD MONTIEL LEZCANO - V , natural do Paraguai, nascida em 3 de julho de 975, filha de Primo Nolazco Montiel Vera e de Clotilde Oliva Lezcano de Montiel, residente no Estado do Paraná (Processo nº /200-7); SERGIY GREKOV - V45938-I, natural da Ucrânia, nascido em 22 de novembro de 979, filho de Yriy Grekov e de Tatiana Grekova, residente no Estado de São Paulo (Processo nº /200-04); SILVERIA ALVEZ PIREZ - V Z, natural do Uruguai, nascida em 7 de junho de 96, filha de Alcibiades Alvez e de Zulema Pirez, residente no Estado do Paraná (Processo nº /200-48); e SLEIMAN FARES EID - V P, natural do Líbano, nascido em 30 de dezembro de 96, filho de Khattar Fares Eid e de Mariam Eid, residente no Estado de São Paulo (Processo nº / ) Conceder naturalização, na conformidade do artigo 2 inciso II alínea "a" da Constituição Federal, a fim de que possam gozar dos direitos outorgados pela Constituição e leis do Brasil, a:

19 Nº 25, quarta-feira, 0 de novembro de 200 ISSN AMR SAYED AMIN MOHAMED - Y23564-B, natural da República Árabe do Egito, nascido em 2 de novembro de 974, filho de Sayed Amin Mohamed e de Fatma Mahmoud Abed El Slam, residente no Estado de Santa Catarina (Processo nº / ); ANTONIO DOURADO IGLESIAS - V , natural da Espanha, nascido em 7 de agosto de 952, filho de Manuel Dourado e de Filomena Iglesias, residente no Estado de Paraná (Processo nº / ); ISAAC GINORIS ORAMAS - V55600-N, natural de Cuba, nascido em 24 de setembro de 97, filho de Oscar Ginoris Quesada e de Juana Rosa Oramas Gonzalez, residente no Estado do Amazonas (Processo nº /2009-4); JORGE OSVALDO ALZA MERNIES - V , natural do Uruguai, nascido em 23 de janeiro de 960, filho de Juan Nicolas Alza Baldi e de Alda Ines Mernies Savio, residente no Estado de Santa Catarina (Processo nº /2008-0); JULIO NEPTALI HUISACAYNA HUINCHO - V , natural do Peru, nascido em 4 de dezembro de 96, filho de Neptali Huisacayna Antacabana e de Lucia Huincho Leon, residente no Estado de São Paulo (Processo nº /2008-7); LEONARDO MARTIN NIETO - V22089-C, natural da Argentina, nascido em 2 de julho de 97, filho de Jose Alberto Nieto e de Marta Cristina Crowe, residente no Estado de Mato Grosso do Sul (Processo nº / ); MOHAMMAD FAHD EL MALT - Y , natural do Líbano, nascido em 20 de novembro de 979, filho de Fahd El Malt e de Ghazale El Hage, residente no Estado de São Paulo (Processo nº / ); OSAMA FAHMY MOHAMED ALY - V E, natural do República Árabe do Egito, nascido em 22 de março de 978, filho de Fahmy Mohamed Aly e de Saida Ali El Said, residente no Estado do Mato Grosso (Processo nº / ); e WIM HATEAU - V , natural da Bélgica, nascido em 3 de agosto de 98, filho de Roland Auguste Antoine Hateau e de Monique Melanie Gustaaf Lenssens, residente no Estado do Ceará (Processo nº / ) Conceder naturalização, na conformidade do artigo 2 inciso II alínea "a" da Constituição Federal, a fim de que possam gozar dos direitos outorgados pela Constituição e leis do Brasil, a: CAROLINA JANET PASTOR HUMPIRI - V2594-I, natural do Peru, nascida em 25 de outubro de 972, filha de Carlos Alberto Pastor Carrasco e de Ninfa Humpiri de Pastor, residente no Estado de Goiás (Processo nº /200-33); FILOMENA VICTORIA CHAMBI CHOQUE - V20700-X, natural da Bolívia, nascida em 9 de maio de 964, filha de Policarpo Chambi Zacari e de Victoria Choque Eulate, residente no Estado de São Paulo (Processo nº /200-8); GARY HUFANDA PALO - V8087-P, natural das Filipinas, nascido em 6 de maio de 960, filho de Pastor Palo e de Ramona Hufanda Palo, residente no Distrito Federal (Processo nº / ); JOSE MANUEL TENDER RODRIGUES - V40447-Z, natural de Portugal, nascido em 4 de julho de 956, filho de José Manuel Rodrigues e de Cândida Augusta Bragança Tender, residente no Estado do Rio de Janeiro (Processo nº / ); OLEG EVGUENIEVITCH ANDREEV ALMEIDA - V S, natural da Republica da Bielorrussia, nascido em de abril de 97, filho de Evguenyi Ivanovitch Andreev e de Galina Ivanovna Andreeva, residente no Distrito Federal (Processo nº / ); RICARDO GUSTAVO BALESTIE PELUFFO - V , natural do Uruguai, nascido em 26 de agosto de 963, filho de Eugenio Balestie e de Elia Graciela Peluffo, residente no Distrito Federal (Processo nº /2008-3); TAI PEI JUNG - Y , natural da China, nascida em 25 de maio de 985, filha de Tai Hsing Hsien e de Chien Miao Yen, residente no Estado de São Paulo (Processo nº /200-0); VIRGILIA EVA MARTINEZ DE OLIVEIRA - V , natural do Paraguai, nascida em 26 de junho de 960, filha de Casimiro Mareco e de Alvina Martinez Lima, residente no Estado do Mato Grosso do Sul (Processo nº /2007-0); e VIVIAN SIMONE NUNEZ BRAS - Z43464-Q, natural do Uruguai, nascida em 2 de junho de 982, filha de Juan Carlos de Los Santos e de Maria Gloria Nunez, residente no Estado do Rio Grande do Sul (Processo nº /200-53). EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL Conceder naturalização, na conformidade do artigo 2 inciso II alínea "a" da Constituição Federal, a fim de que possam gozar dos direitos outorgados pela Constituição e leis do Brasil, a: ALEJANDRA MARIA CAORSI TARINO - V32956-M, natural do Uruguai, nascida em 29 de julho de 964, filha de Juan Santiago Caorsi Elena e de Elena Luisa Tarino Ferriolo, residente no Estado do Rio Grande do Sul (Processo nº /200-30); ALFREDO FLORES URBINA - V06959-T, natural do Peru, nascido em 4 de agosto de 959, filho de Agapito Flores Paredes e de Concepcion Urbina Pena, residente no Estado do Maranhão (Processo nº / ); ERIKA PARADA GUTIERREZ FELICIO - V , natural da Bolívia, nascida em 5 de julho de 979, filha de Felipe Parada Barba e de Gladys Gutierrez, residente no Estado de Rondônia (Processo nº /200-32); FAYEZ KARIM MRAD - V O, natural do Líbano, nascido em 5 de março de 967, filho de KARIM MRAD e de JEANETTE AZAR DIB, residente no Estado de São Paulo (Processo nº /2008-5); pelo código LERNER AREVALO PINEDO - V65897-I, natural do Peru, nascido em 27 de janeiro de 968, filho de Hernan Arevalo Mendonza e de Auristela Pinedo Guerra, residente no Estado de São Paulo (Processo nº / ); MARTA INES VELAZCO FONTOVA - V7543-U, natural de Cuba, nascida em 4 de agosto de 97, filha de Emilio Vladimir Velazco Izquierdo e de Marta Margarita Fontova de Los Reyes, residente no Estado de São Paulo (Processo nº /200-79); NATHALY GUISEL BEJARANO ARAGON DA SILVA - V A, natural do Peru, nascida em 2 de abril de 980, filha de Edgar Miguel Bejarano Beltran e de Roxana Aragon Sanchez, residente no Estado da Paraíba (Processo nº / ); PEDRO JUAN MORLA ALPIZAR - V B, natural de Cuba, nascido em 4 de março de 990, filho de Pedro Alberto Morla Ibarra e de Ivonne Alpizar Delgado, residente no Estado de São Paulo (Processo nº /200-9); e RUBÉN ROBERTO VELAZCO GUTIÉREEZ - V44755-I, natural de Cuba, nascido em 29 de agosto de 953, filho de Rene Velazco Zapata e de Mercedes Gutierrez Zamalloa, residente no Estado de São Paulo (Processo nº / ) Conceder naturalização, na conformidade do artigo 2 inciso II alínea "a" da Constituição Federal, a fim de que possam gozar dos direitos outorgados pela Constituição e leis do Brasil, a: AMINE BENOUMECHIARA, natural da Argélia, nascido em 8 de setembro de 967, filho de Jamée Al Zahrah e de Rabeh Benoumechiara, residente em Argel/Argélia (Processo nº /200-82); ARA AZAD - V93538-, natural do Iraque, nascido em 4 de dezembro de 990, filho de Azad Zuzef Mugerdich e de Antaram Parkev Hosip, residente no Estado de São Paulo (Processo nº /2009-5); CECILIA CATALINA UBILLOS OSORIO - Y00995-J, natural do Uruguai, nascida em 24 de agosto de 969, filha de Omar Ubillos e de Rosa Padilla, residente no Estado do Rio Grande do Sul (Processo nº / ); GIANLUCA GUIDETTI - V3604-H, natural da Itália, nascido em 0 de dezembro de 967, filho de Guido Guidetti e de Caterina Zecchini, residente no Estado da ahia (Processo nº / ); GILBERTO LOZANO TAMARA - V , natural da Colômbia, nascido em 25 de março de 965, filho de Gilberto Lozano Lozano e de Luz Myrian Tamara de Lozano, residente no Estado do Paraná (Processo nº /200-32); ISRAA ABDALLA HAMID - V Z, natural da Palestina, nascida em 8 de outubro de 977, filha de Mohammad Yousef Samara e de Tamam Mohammad Yousef Samara, residente no Estado do Rio Grande do Sul (Processo nº / ); RAFFAELE MARIA RONCHI - V W, natural da Itália, nascido em 4 de outubro de 966, filho de Angelo Maria Ronchi e de Anna Maria Rizzi, residente no Estado de Santa Catarina (Processo nº /2007-7); SUN WEI TENG - Y , natural da China (Taiwan), nascido em 8 de novembro de 98, filho de Sun Kuang Hui e de Lin Kui Chun, residente no Estado de São Paulo (Processo nº / ); e TAI PANG KO - Y S, natural da China (Taiwan), nascido em 28 de agosto de 986, filho de Tai Hsing Hsien e de Chien Miao Yen, residente no Estado de São Paulo (Processo nº /200-6) Conceder naturalização, na conformidade do artigo 2 inciso II alínea "a" da Constituição Federal, a fim de que possam gozar dos direitos outorgados pela Constituição e leis do Brasil, a: CARMEN EUGENIA RODRIGUEZ ORTIZ - V , natural da Colômbia, nascida em 30 de agosto de 96, filha de Benjamin Rodriguez e de Mary Ortiz de Rodriguez, residente no Estado de Mato Grosso (Processo nº / ); DIEGO DARIO CEDRON - V , natural da Argentina, nascido em 3 de abril de 973, filho de Aurelio Dario Cedron e de Teresa Margarita Koornstra, residente no Estado de Santa Catarina (Processo nº /2007-0); FRANCISCA SEMEDO INDI CABANECO - V , natural de Guiné- Bissau, nascida em 27 de setembro de 973, filha de Domingos Semedo Indi e de Teresa Ca, residente no Estado de Minas Gerais (Processo nº / ); GUSTAVO ADOLFO SEPULVEDA - Y08809-I, natural da Argentina, nascido em 20 de abril de 962, filho de Adolfo Sepulveda e de Maria Cleofe Alarcon de Sepulveda, residente no Estado de Santa Catarina (Processo nº / ); HUANG JOU HUA - Y22879-Q, natural da China (Taiwan), nascida em 4 de maio de 990, filha de Huang Yu Hsi e de Wu Yi Ling, residente no Estado de São Paulo (Processo nº /200-67); IRINA MIKHAILOVA - V , natural da Rússia, nascida em 9 de junho de 957, filha de Vitali Plekhanov e de Manepha Plekhanova, residente no Estado do Rio Grande do Sul (Processo nº /2009-4); KASSEM ALI EL HAGE AHMAD - Y F, natural da Colômbia, nascido em 4 de setembro de 990, filho de Ali El Hage Ahmad e de Elizabete Ibrahim, residente no Estado de Paraná (Processo nº /2009-2); PRINCE MOHAMMED - V , natural da Libéria, nascido em 2 de maio de 970, filho de Masahudu Mohammed e de Hawa Mohammed, residente no Estado do Rio de Janeiro (Processo nº / ); e ZHOU YAN - Y H, natural da China, nascida em 3 de maio de 982, filha de Zhou Wenli e de Lu Ye Jie, residente no Estado de Minas Gerais (Processo nº / ) Reconhecer aos portugueses abaixo nomeados a igualdade de direitos e obrigações civis no Brasil, nos termos dos artigos 2, 3 e 5 do Tratado de Amizade, Cooperação e Consulta entre a República Federativa do Brasil e a República Portuguesa, promulgado pelo Decreto nº 3.927, de 9 de setembro de 200, a fim de que possam gozar dos direitos outorgados pela Constituição e leis do Brasil, salvo o gozo dos direitos políticos ARMANDO LUIS DIAS BARATA - V45590-, natural de Portugal, nascido em 8 de fevereiro de 947, filho de Manuel Joquim Barata e de Zulmira da Piedade Rego, residente no Estado do Ceará (Processo nº /200-4); FLAVIO JOSE MARQUES LOPES - V G, natural de Portugal, nascido em 2 de junho de 983, filho de Jose Silva Lopes e de Maria do Espirito Santo Mateus Marques Lopes, residente no Estado do Pará (Processo nº /200-24); JOSÉ CARLOS INÁCIO - V , natural de Portugal, nascido em 23 de maio de 953, filho de Porfírio Augusto e de Maria Rita, residente no Estado de São Paulo (Processo nº /200-66); JOSE CARLOS JANUARIO FRANCO - V , natural de Portugal, nascido em 27 de novembro de 950, filho de Jorge Nicolau Antunes Franco e de Ema da Conceição Januario, residente no Estado do Ceará (Processo nº / ); JOSE MARQUES DOS SANTOS - V , natural de Portugal, nascido em 2 de outubro de 937, filho de Jose Domingues dos Santos e de Maria Marques, residente no Estado do Ceará (Processo nº /200-00); MANUEL ANTONIO MACHADO - V6635-Q, natural de Portugal, nascido em 0 de fevereiro de 958, filho de Walter do Nascimento Machado e de Emilia da Conceição Leonel, residente no Estado de São Paulo (Processo nº /200-00); MARIA JOSE SARAMAGO MARGARIDO SOARES - V42584-L, natural de Portugal, nascida em 3 de março de 956, filha de Joaquim Jeronimo Margarido e de Gracinda Maria Saramago, residente no Estado do Ceará (Processo nº /200-88) e RICARDO EMANUEL DA SILVA LOPES - V A, natural Portugal, nascido em 25 de janeiro de 983, filho de Antonio Vicente Nunes Lopes e de Maria Arminda da Silva Lopes, residente São Paulo (Processo nº /200-2) Reconhecer aos portugueses abaixo nomeados a igualdade de direitos e obrigações civis e o gozo dos direitos políticos no Brasil, nos termos do artigo 7 do Tratado de Amizade, Cooperação e Consulta entre a República Federativa do Brasil e a República Portuguesa, promulgado pelo Decreto nº 3.927, de 9 de setembro de 200, a fim de que possam gozar dos direitos outorgados pela Constituição e leis do Brasil ANTONIO DE FRIAS GONÇALVES - W , natural de Portugal, nascido em de junho de 944, filho de Manuel Augusto Gonçalves e de Ermelinda de Frias, residente no Estado da Bahia (Processo nº / ); DELFINA PIRES HENRIQUES CORTEZ - V08320-C, natural de Portugal, nascida em 7 de fevereiro de 953, filha de Américo Henriques e de Ismenia de Jesus Henriques Pires, residente no Estado do Rio de Janeiro (Processo nº /200-98); DEOLINDA MARIA LAGE FERNANDES - W , natural de Portugal, nascida em 3 de junho de 967, filha de Joaquim Manuel Barbosa Fernandes e de Maria Eduarda de Azevedo Lage Fernandes, residente no Estado de Santa Catarina (Processo nº /200-02); JOÃO ALEXANDRE VICENTE DE ALMEIDA CARDA- DEIRO - V Q, natural de Angola, nascido em 26 de junho de 97, filho de João de Almeida Cardadeiro e de Maria Luzia da Ressurreição Vicente de Almeida Cardadeiro, residente no Estado de Mato Grosso do Sul (Processo nº / ); JULIA MARIA DA SILVA GONÇALVES DOS SANTOS - W T, natural de Portugal, nascida em 4 de agosto de 950, filha de José Luis Gonçalves dos Santos e de Arminda da Silva Bastos, residente no Estado do Maranhão (Processo nº /200-2); MARIA DA CONCEIÇÃO DOS SANTOS SOUSA RIBEI- RO - W , natural de Angola, nascida em de junho de 968, filha de Manuel Antonio Ferreira de Sousa e de Maria do Rosário Dias dos Santos Sousa, residente no Estado de São Paulo (Processo nº / ); MARIA EMILIA GONÇALVES PINTO OLIVEIRA - V X, natural de Angola, nascida em 25 de maio de 967, filha de Jose Moreira Pinto e de Rosaria da Rocha Gonçalves, residente no Estado de Pernambuco (Processo nº / ) e MARIA MANUELA DIAS DOS SANTOS - W , natural de Portugal, nascida em 20 de abril de 94, filha de Camilo Maria Dias e de Deolinda Ferreira de Souza, residente no Estado do Rio de Janeiro (Processo nº /200-2) Reconhecer aos portugueses abaixo nomeados a igualdade de direitos e obrigações civis e o gozo dos direitos políticos no Brasil, nos termos do artigo 7 do Tratado de Amizade, Cooperação e Consulta entre a República Federativa do Brasil e a República Portuguesa, promulgado pelo Decreto nº 3.927, de 9 de setembro de 200, a fim de que possam gozar dos direitos outorgados pela Constituição e leis do Brasil ALCIDES FERNANDES MARTINS - W8626-C, natural de Portugal, nascido em 9 de agosto de 954, filho de Abilio Martins e de Laurinda Domingues Fernandes, residente no Estado de São Paulo (Processo nº /200-25); HUGO MIGUEL PEDRO NUNES - V47845-K, natural de Portugal, nascido em 29 de agosto de 975, filho de Rui Antonio Mendes Nunes e de Maria João Vasques Pedro Nunes, residente no Distrito Federal (Processo nº /200-07);

20 20 ISSN Nº 25, quarta-feira, 0 de novembro de 200 HUMBERTO HENRIQUE DA SILVA CANCELINHA - W , natural de Angola, nascido em 2 de setembro de 958, filho de Adriano Simões Cancelinha e de Maria Helena da Silva, residente no Estado de Amapa (Processo nº /200-2); JOSE MANUEL VELOSO GALVÃO - W6509-C, natural de Portugal, nascido em 4 de março de 953, filho de Lino Dias Galvão e de Maria do Céu Veloso, residente no Estado de São Paulo (Processo nº /200-8); MARIA DA CONCEIÇÃO SIMÕES GONÇALVES DA SILVA - W B, natural de Portugal, nascida em 22 de janeiro de 950, filha de Manuel Gonçalves da Costa e de Maria de Jesus Simões, residente no Estado de São Paulo (Processo nº / ); MARIA MANUELA REBELO NOGUEIRA - W C, natural de Portugal, nascida em 2 de março de 949, filha de Joaquim da Silva Rebelo e de Maria da Piedade Costa, residente no Estado de São Paulo (Processo nº /200-00); NUNO MIGUEL NUNES DA CUNHA - Y2496-4, natural de Portugal, nascido em 22 de agosto de 975, filho de Carlos Ferreira da Cunha e de Maria Clotilde Pinheiro Nunes Cunha, residente no Estado de São Paulo (Processo nº /200-9) e TEREZA DE JESUS FERREIRA - V , natural de Portugal, nascida em 7 de março de 935, filha de Antonio Ferreira e de Maria Candida, residente no Estado de São Paulo (Processo nº / ) O SECRETÁRIO EXECUTIVO DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA, no uso da competência que lhe foi delegada pela Portaria nº 45, de 26 de janeiro de 2004, e nos termos do artigo 2 inciso II alínea "a" da Constituição Federal, combinado com o artigo 6 da Lei no 6.85, de 9 de agosto de 980, com a redação dada pela Lei no 6.964, de 09 de dezembro de 98, e tendo em vista o que consta do Processo nº /200-3, resolve: AUTORIZAR a emissão de Certificado Provisório de Naturalização a MAHANA ANAND ARRUA, natural da Venezuela, nascida em 27 de novembro de 994, filha de Ajai Kumar Anand e de Elsa Teodolina Arrua de Anand, residente no Estado do Paraná, a fim de que, até 27 de novembro de 204, possa gozar dos direitos outorgados pela Constituição Federal e pelas leis do Brasil. RAFAEL THOMAZ FAVETTI COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DESPACHOS DO DIRETOR-GERAL Em 8 de julho de Referência: Requerimento s/nº BANCO NORDESTE DO BRASIL, datado de 22/0/2009. Protocolo nº / Assunto: Recurso Administrativo. Interessado: BANCO NORDESTE DO BRASIL. I-Trata-se de recurso interposto contra processo administrativo iniciado com o Auto de Constatação de Infração - ACI N 40/08, lavrado pela DELESP/SR/DPF/PE em face do Banco do Nordeste do Brasil S/A, Vitória de Santo Antão/PE, CNPJ: /08-30, tendo em vista ter apresentado o plano de segurança fora do prazo regulamentar, mas ainda dentro da validade do plano anterior, infringindo disposições da Portaria n 387/06-DG/DPF (Art. 64 par. 3 cc Art. 33 Inc. I). II-No parecer nº 3577/09-ASS/CCASP/CGCSP (fl. 09), pugnou a assessoria pela aplicação da pena de multa no importe de 0.00 UFIR, sugestão acolhida pelo Presidente em exercício da CCASP, ouvido o Colegiado. III-Com fulcro no parecer 2779/200 - DELP/CGCSP, que adoto como fundamento para decidir, conheço do recurso para, no mérito, negar-lhe provimento, mantendo na íntegra a Portaria punitiva. IV-Retorne-se à SR/DPF/PE para ciência do recorrente e demais providências cabíveis. LUIZ PONTEL DE SOUZA Substituto Em 4 de outubro de Referência: Recurso Administrativo nº S/N. - CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - AGÊNCIA SHOPPING BOM SUCESSO., de 08/08/2007. Protocolo nº / Assunto: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - AGÊNCIA SHOPPING BOM SUCES- SO. / RECURSO - SEGURANÇA PRIVADA. Interessado: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - AGÊNCIA SHOP- PING BOM SUCESSO. à recorrente multa equivalente a (vinte mil) Ufirs, conforme Portaria n DIREX/DPF, publicada no D.O.U. nº 38, de , para, no mérito, conceder-lhe provimento parcial, substituindo a pena anteriormente cominada por multa no valor de 0.00 (dez mil e uma) Ufirs, nos termos do Parecer n 450/200-DELP/CGCSP, cujas razões de fato e Referência: Recurso Administrativo nº S/N. - BANCO HSBC BANK BRASIL S/A - PAB. MINISTÉRIIO PÚBLICO., de 7/5/2007. Protocolo nº / ASSUNTO: BANCO HSBC BANK BRASIL S/A - PAB. MINIS- TÉRIIO PÚBLICO./ RECURSO - SEGURANÇA PRIVADA. Interessado: BANCO HSBC BANK BRASIL S/A - PAB. MINIS- TÉRIO PÚBLICO. pelo código Portaria n DIREX/DPF, publicada no D.O.U. nº 38, de , para, no mérito, negar-lhe provimento, nos termos do Parecer n 4478/200-DELP/CGCSP/DIREX, cujas razões de fato e Em 5 de outubro de Referência: Recurso Administrativo nº S/N - CAIXA ECONÔMICA FEDERAL S/A - AGÊNCIA AFONSO SARDINHA., de 02//2006. Protocolo nº / Assunto: CAIXA ECONÔMI- CA FEDERAL S/A - AGÊNCIA AFONSO SARDINHA / RECUR- SO - SEGURANÇA PRIVADA. Interessado: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL S/A - AGÊNCIA AFONSO SARDINHA.. Portaria n DIREX/DPF, publicada no D.O.U. nº 38, de , para, no mérito, conceder-lhe provimento parcial, substituindo a pena anteriormente cominada por multa no valor de 0.00 (dez mil e uma) Ufirs, nos termos do Parecer n 4495/200- DELP/CGCSP, cujas razões de fato e fundamentos de direito integram esta decisão Referência: Requerimento s/nº HSBC BANK DO BRASIL, datado de 8/3/200.Despacho nº GAB/DG/DPF, de 2/3/200. Protocolo nº /200-9 e / ASSUNTO: Recurso Administrativo. Interessado: HSBC BANK DO BRASIL- AGÊNCIA PARQUE DAS NAÇÕES. Portaria n DIREX/DPF, publicada no D.O.U. nº 38, de , para, no mérito, negar-lhe provimento, nos termos do Parecer n 445/200-DELP/CGCSP/DIREX, cujas razões de fato e Referência: Recurso Administrativo nº S/N - BANCO HSBC BRA- SIL S/A PAB BRINQUEDOS BANDEIRANTES VILA EMA, de 8/3/200. Despacho nº GAB/DG/DPF, de 2/3/200. Protocolo nº / e / Assunto: RE- CURSO ADMINISTRATIVO HIERÁRQUICO REF. PORTARIA DOU DE 26/02/200. Interessado: BANCO HSBC BRASIL S/A - PAB BRINQUEDOS BANDEIRANTES VILA EMA. Portaria n DIREX/DPF, publicada no D.O.U. nº 38, de , para, no mérito, negar-lhe provimento, nos termos do Parecer n 4448/200-DELP/CGCSP/DIREX, cujas razões de fato e Referência: Recurso Administrativo nº S/N - BANCO HSBC BRA- SIL S/A BANCO MULTIPLO, de 8/3/200. Despacho nº GAB/DG/DPF, de 2/3/200. Protocolo nº /200-6 e / Assunto: RECURSO ADMINISTRATIVO HIERÁRQUICO REF. PORTARIA DOU DE 26/02/200. Interessado: BANCO HSBC S/A - AG. TANGARÁ DA SER- R A / M T. Portaria n 5.85-DIREX/DPF, publicada no D.O.U. nº 38, de , para, no mérito, negar-lhe provimento, nos termos do Parecer n 4709/200-DELP/CGCSP/DIREX, cujas razões de fato e Referência: Requerimento s/nº HSBC BANK DO BRASIL, datado de 08/03/200.Despacho nº GAB/DG/DPF, de 2/03/200. Protocolo nº / e / Assunto: Recurso Administrativo. Interessado: HSBC BANK DO BRASIL - PAB TRANSPORTADO- RA ITAPEMIRIM. à recorrente multa equivalente a (quatro mil, oitocentas e oitenta e oito) Ufirs, conforme Portaria n DIREX/DPF, publicada no D.O.U. nº 38, de , para, no mérito, negar-lhe provimento, nos termos do Parecer n 470/200-DELP/CGCSP/DI- REX, cujas razões de fato e fundamentos de direito integram esta decisão Referência: Recurso Administrativo nº S/N - HSBC BANK BRASIL S/A BANCO MULTIPLO, de 8/3/200. Despacho nº GAB/DG/DPF, de 2/3/200. Protocolo nº / e / ASSUNTO: RECURSO ADMINISTRATIVO. Interessado: HSBC BANK BRASIL S/A BANCO MÚLTIPLO - AGÊNCIA COLÍDER/MT. Portaria n DIREX/DPF, publicada no D.O.U. nº 38, de , para, no mérito, negar-lhe provimento, nos termos do Parecer n 497/200-DELP/CGCSP/DIREX, cujas razões de fato e Referência: Requerimento s/nº HSBC BANK DO BRASIL, datado de 8/3/200. Despacho nº GAB/DG/DPF, de 2/3/200. Protocolo nº / e / Assunto: Recurso Administrativo. Interessado: SBC BANK DO BRASIL- AG. CENTRO DIADEMA. Portaria n DIREX/DPF, publicada no D.O.U. nº 38, de , para, no mérito, negar-lhe provimento, nos termos do Parecer n 473/200-DELP/CGCSP/DIREX, cujas razões de fato e Em 9 de outubro de Referência: Ofício nº CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, de 06/09/2007. Protocolo nº / Assunto: Recurso Administrativo. Interessado: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - PAB JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DE OSASCO. Portaria n 5.67-DIREX/DPF, publicada no D.O.U. nº 38, de , para, no mérito, conceder-lhe provimento parcial, substituindo a pena anteriormente cominada por multa no valor de 0.00 (dez mil e uma) Ufirs, nos termos do Parecer n 453/200- DELP/CGCSP, cujas razões de fato e fundamentos de direito integram esta decisão Referência: Requerimento s/nº HSBC BANK BRASIL, datado de 08/03/200. Despacho nº GAB/DG/DPF, de 2/03/200. Protocolo nº / e / Assunto: Recurso Administrativo. Interessado: HSBC BANK BRASIL - AG. CENTRO PORTO VE- LHO. Portaria n DIREX/DPF, publicada no D.O.U. nº 38, de , para, no mérito, negar-lhe provimento, nos termos do Parecer n 449/200-DELP/CGCSP/DIREX, cujas razões de fato e Referência: Recurso Administrativo nº S/N - BANCO HSBC BANK BRASIL S/A AG JUÍNA/MT, de 08/03/200. Despacho nº GAB/DG/DPF, de 2/03/200. Protocolo nº / e / Assunto: RECURSO ADMINISTRATIVO. Interessado: BANCO HSBC BANK BRASIL S/A AG JUÍNA/MT. Portaria n DIREX/DPF, publicada no D.O.U. nº 38, de , para, no mérito, negar-lhe provimento, nos termos do Parecer n 4490/200-DELP/CGCSP/DIREX, cujas razões de fato e Referência: Ofício nº CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, de 7/2/2007. Protocolo nº / Assunto: Recurso Administrativo. Interessado: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL- AG. ADONIRAN BARBOSA. Portaria n DIREX/DPF, publicada no D.O.U. nº 38, de , para, no mérito, conceder-lhe provimento parcial, substituindo a pena anteriormente cominada por multa no valor de 0.00 (dez mil e uma) Ufirs, nos termos do Parecer n 4489/200- DELP/CGCSP, cujas razões de fato e fundamentos de direito integram esta decisão Referência: Auto de Infração s/nº SEV - CENTRO DE TREINA- MENTO E FORMAÇÃO DE VIGILANTES LTDA, datado de 3/0/2008. Protocolo nº / Assunto: Recurso Administrativo. Interessado: SEV - CENTRO DE TREINAMENTO E FORMAÇÃO DE VIGILANTES LTDA. à recorrente multa equivalente a 583 (quinhentas e oitenta e três) Ufirs, conforme Portaria n DIREX/DPF, publicada no D.O.U. nº 38, de , para, no mérito, negar-lhe provimento, nos termos do Parecer n 4552/200-DELP/CGCSP/DIREX, cujas razões de fato e Referência: Ofício nº 66 - CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, de 24/07/2007. Protocolo nº / Assunto: Recurso Administrativo. Interessado: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - AG TRT.

PORTARIA Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2015 (Publicada no D.O.U. de 03/02/2015) DANIEL MARTELETO GODINHO

PORTARIA Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2015 (Publicada no D.O.U. de 03/02/2015) DANIEL MARTELETO GODINHO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR PORTARIA Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2015 (Publicada no D.O.U. de 03/02/2015) O SECRETÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR,

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS Orientador Empresarial CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF nº 580/2005

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.454, DE 13 DE MAIO DE 2002. Dispõe sobre remissão da Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica -

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.381

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.381 Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.381 Institui Regime Especial para dispensa da guarda e arquivo das Notas Fiscais de Serviços, condicionada à guarda e ao arquivo, pelo período decadencial, dos respectivos

Leia mais

SECRETARIA DO PRODUTOR RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES. ATO No- 8, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2015

SECRETARIA DO PRODUTOR RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES. ATO No- 8, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2015 SECRETARIA DO PRODUTOR RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ATO No- 8, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2015 Em cumprimento ao disposto no 2, do art. 4º, da Lei n 9.456, de 25 de abril

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011 ALTERADA PELA IN MPA Nº 16/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011 Dispõe sobre o Registro e a Licença de Aquicultor, para o Registro Geral da Atividade Pesqueira - RGP. A MINISTRA DE

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E CULTURA. Vale-Cultura-Normas para Gestão-Procedimentos

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E CULTURA. Vale-Cultura-Normas para Gestão-Procedimentos VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E CULTURA Orientador Empresarial Vale-Cultura-Normas para Gestão-Procedimentos INSTRUÇÃO NORMATIVA MINC nº 2/2013-DOU:

Leia mais

Certificado de Origem

Certificado de Origem Mercadores Certificado de Origem Coletânea (Versão Histórica) Versão 2.00 - Maio de 2010 Atualizada até: Instrução Normativa RFB nº 777, de 19 de outubro de 2007 Paulo Werneck mercadores.blogspot.com www.mercadores.com.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO EXTERIOR E SERVIÇOS SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR PORTARIA Nº 25, DE 31 DE MAIO DE 2016

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO EXTERIOR E SERVIÇOS SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR PORTARIA Nº 25, DE 31 DE MAIO DE 2016 MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO EXTERIOR E SERVIÇOS SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR PORTARIA Nº 25, DE 31 DE MAIO DE 2016 DOU de 01/06/2016 (nº 103, Seção 1, pág. 58) O SECRETÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR,

Leia mais

Portaria Interministerial N 416, de 23 de Abril de 2004

Portaria Interministerial N 416, de 23 de Abril de 2004 Portaria Interministerial N 416, de 23 de Abril de 2004 Portaria Interministerial N 416, de 23 de abril de 2004 Presidência da República Casa Civil OS MINISTROS DE ESTADO CHEFE DA CASA CIVIL DA PRESIDÊNCIA

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS RESOLUÇÃO DP Nº. 116.2013, DE 21 DE OUTUBRO DE 2013. ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA OS SERVIÇOS DE LAVAGEM DE PORÕES DE NAVIOS GRANELEIROS NAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE SANTOS O DIRETOR-PRESIDENTE DA

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM ECONÔMICA E FINANCEIRA CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS DA ATIVIDADE ECONÔMICA Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização

Leia mais

III. EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE DISTINGUIBILIDADE, HOMOGENEIDADE E ESTABILIDADE - DHE

III. EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE DISTINGUIBILIDADE, HOMOGENEIDADE E ESTABILIDADE - DHE ANEXO I INSTRUÇÕES PARA A EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE DISTINGUIBILIDADE, HOMOGENEIDADE E ESTABILIDADE DE CULTIVARES DE DIPLADÊNIA (Mandevilla sanderi (Hemsl.) Woodson e Mandevilla xamabilis (Backh. & Backh.

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA RESOLUÇÃO/SEFAZ N. 2.052, DE 19 DE ABRIL DE 2007.

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA RESOLUÇÃO/SEFAZ N. 2.052, DE 19 DE ABRIL DE 2007. ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA RESOLUÇÃO/SEFAZ N. 2.052, DE 19 DE ABRIL DE 2007. Dispõe sobre o Cadastro de Convenentes da Administração Estadual. O SECRETÁRIO DE ESTADO DE

Leia mais

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 Dispõe sobre a organização do ensino superior, a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14 Leia-se:...Art. 1º DELEGAR COMPETÊNCIA e as responsabilidades decorrentes ao Superintendente Regional do DNIT nos estados de Goiás e Distrito Federal para Lavrar o Termo Aditivo de Prorrogação de prazo,

Leia mais

LEI Nº 10.409, DE 11 DE JANEIRO DE 2002

LEI Nº 10.409, DE 11 DE JANEIRO DE 2002 LEI Nº 10.409, DE 11 DE JANEIRO DE 2002 Dispõe sobre a prevenção, o tratamento, a fiscalização, o controle e a repressão à produção, ao uso e ao tráfico ilícitos de produtos, substâncias ou drogas ilícitas

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. TEMÁRIO: 1 Portaria nº. 322, de 2 de setembro de 2014 Publicação: D.O.U. do dia 03/09/14 - Seção 1. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 322,

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98)

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98) Estabelece procedimentos para o credenciamento de laboratórios pelo Ministério do Trabalho

Leia mais

ANEXO CONSELHO DELIBERATIVO DO FUNDO DE AMPARO AO TRABALHADOR RESOLUÇÃO Nº 736, DE 8 DE OUTUBRO DE 2014 Torna obrigatório aos empregadores o uso do

ANEXO CONSELHO DELIBERATIVO DO FUNDO DE AMPARO AO TRABALHADOR RESOLUÇÃO Nº 736, DE 8 DE OUTUBRO DE 2014 Torna obrigatório aos empregadores o uso do ANEXO CONSELHO DELIBERATIVO DO FUNDO DE AMPARO AO TRABALHADOR RESOLUÇÃO Nº 736, DE 8 DE OUTUBRO DE 2014 Torna obrigatório aos empregadores o uso do aplicativo Empregador Web no Portal Mais Emprego para

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 13 DE ABRIL DE 2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 13 DE ABRIL DE 2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 13 DE ABRIL DE 2012 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012

Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012 Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012 DOU de 24.9.2012 Dispõe sobre o despacho aduaneiro de bens procedentes do exterior destinados à utilização na Copa das Confederações Fifa 2013

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição,

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição, DECRETO 3.100, de 30 de Junho de 1999. Regulamenta a Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999, que dispõe sobre a qualificação de pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, como Organizações

Leia mais

PORTARIA N o 51, DE 25 DE JUNHO DE 2015 (Publicada no D.O.U. de 26/06/2015)

PORTARIA N o 51, DE 25 DE JUNHO DE 2015 (Publicada no D.O.U. de 26/06/2015) MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR PORTARIA N o 51, DE 25 DE JUNHO DE 2015 (Publicada no D.O.U. de 26/06/2015) O SECRETÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR,

Leia mais

EDITAL Ocupação da Sala Carlos Miranda (SP) - Teatro Infantil

EDITAL Ocupação da Sala Carlos Miranda (SP) - Teatro Infantil Publicado no Diário Oficial da União em 31 de março de 2010 EDITAL Ocupação da Sala Carlos Miranda (SP) - Teatro Infantil O Presidente da Fundação Nacional de Artes Funarte, no uso das atribuições que

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM.

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 30 DE MAIO DE 2011 Normatiza a atividade de silvicultura econômica com espécies nativas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR PORTARIA Nº, DE DE DE 2013

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR PORTARIA Nº, DE DE DE 2013 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR PORTARIA Nº, DE DE DE 2013 Regulamenta o procedimento administrativo eletrônico relativo aos processos de defesa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre a celebração de convênios entre os Creas e as entidades de classe e as instituições de ensino e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA,

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE DECRETO Nº 29.720 DE 03 DE FEVEREIRO DE 2014

GOVERNO DE SERGIPE DECRETO Nº 29.720 DE 03 DE FEVEREIRO DE 2014 PUBLICADO NO D.O.E. Nº 26.912 DE 13.02.2014. Regulamenta a Lei nº 7.650, de 31 de maio de 2013, que dispõe sobre a comunicação eletrônica entre a Secretaria de Estado da Fazenda SEFAZ, e o sujeito passivo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.572, DE 28 DE SETEMBRO DE 2011. Regulamenta dispositivos da Medida Provisória n o 535, de 2 de junho de 2011, que tratam

Leia mais

EDITAL ANAC Nº 01, DE 24 DE MAIO DE 2012. PROCESSO SELETIVO INTERNO DE REMOÇÃO Nº 1

EDITAL ANAC Nº 01, DE 24 DE MAIO DE 2012. PROCESSO SELETIVO INTERNO DE REMOÇÃO Nº 1 EDITAL ANAC Nº 01, DE 24 DE MAIO DE 2012. PROCESSO SELETIVO INTERNO DE REMOÇÃO Nº 1 O DIRETOR-PRESIDENTE DA ANAC, no uso de suas atribuições, conferidas pelo artigo art. 16 da Lei nº 11.182, de 27 de setembro

Leia mais

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 1, DE 15 DE ABRIL DE 2011

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 1, DE 15 DE ABRIL DE 2011 SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 1, DE 15 DE ABRIL DE 2011 O SECRETÁRIO DE RECURSOS HUMANOS DO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, no uso da competência que lhe confere

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA imprimir Norma: RESOLUÇÃO Órgão: Conselho Federal de Medicina Número: 1980 Data Emissão: 07-12-2011 Ementa: Fixa regras para cadastro, registro, responsabilidade técnica e cancelamento para as pessoas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002. (D.O.U. de 19/12/02)

RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002. (D.O.U. de 19/12/02) RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002 (D.O.U. de 19/12/02) Dispõe sobre a aprovação do Regulamento Técnico para a Autorização de Funcionamento de empresas interessadas em prestar serviços

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 18, DE 6 DE NOVEMBRO DE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 18, DE 6 DE NOVEMBRO DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 18, DE 6 DE NOVEMBRO DE 2014 Dispõe sobre os procedimentos para a adesão de mantenedoras de Instituições de Educação Superior e a emissão

Leia mais

A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1. Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias:

A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1. Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias: A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1 Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias: a) Mercadorias inteiramente obtidas ou elaboradas inteiramente no território de uma das Partes,

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 229 DE 28 DE MAIO DE 2012 (Publicada no DOU, Seção 1, nº. 103,terça-feira, 29 de maio de 2012, página 96)

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 229 DE 28 DE MAIO DE 2012 (Publicada no DOU, Seção 1, nº. 103,terça-feira, 29 de maio de 2012, página 96) PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 229 DE 28 DE MAIO DE 2012 (Publicada no DOU, Seção 1, nº. 103,terça-feira, 29 de maio de 2012, página 96) Dispõe sobre o Programa Nacional de Habitação Rural PNHR, integrante

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 330, DE 1º DE JULHO DE 2014. TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO AERÓDROMO CIVIL PÚBLICO [NOME]

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 330, DE 1º DE JULHO DE 2014. TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO AERÓDROMO CIVIL PÚBLICO [NOME] ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 330, DE 1º DE JULHO DE 2014. TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO AERÓDROMO CIVIL PÚBLICO [NOME] TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO AERÓDROMO CIVIL PÚBLICO [NOME] LOCALIZADO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. LEI No 8.685, DE 20 DE JULHO DE 1993.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. LEI No 8.685, DE 20 DE JULHO DE 1993. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI No 8.685, DE 20 DE JULHO DE 1993. Cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual e dá outras providências. O PRESIDENTE DA

Leia mais

Atos do Poder Executivo

Atos do Poder Executivo Página 1 de 8 Marcelo Franca Alves De: "BDE on-line" Para: "BDE on-line" Enviada em: quarta-feira, 25 de agosto de 2004 17:39 Assunto: BDE on-line -

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 26, DE 24 DE OUTUBRO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 26, DE 24 DE OUTUBRO DE 2003 Casa Civil da Presidência da República Presidência da República Comitê Gestor da Infra-Estrutura de Chaves Públicas Secretaria Executiva RESOLUÇÃO Nº 26, DE 24 DE OUTUBRO DE 2003 Altera os Critérios e

Leia mais

REGULAMENTA OS PROCEDIMENTOS PARA CONCESSÃO DA LICENÇA PARA LOCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE EVENTOS.

REGULAMENTA OS PROCEDIMENTOS PARA CONCESSÃO DA LICENÇA PARA LOCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE EVENTOS. DECRETO Nº 16.785, DATA: 5 de outubro de 2005. REGULAMENTA OS PROCEDIMENTOS PARA CONCESSÃO DA LICENÇA PARA LOCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE EVENTOS. O Prefeito Municipal de Foz do Iguaçu,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.598, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2007. Estabelece diretrizes e procedimentos para a simplificação e integração do processo de registro

Leia mais

Edição Número 220 de 14/11/2012 Ministério da Educação Gabinete do Ministro PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012

Edição Número 220 de 14/11/2012 Ministério da Educação Gabinete do Ministro PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012 Edição Número 220 de 14/11/2012 Ministério da Educação Gabinete do Ministro PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre os procedimentos para a adesão de mantenedoras de instituições

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Despachante Aduaneiro e Ajudante de Despachante Aduaneiro-Exercício das Profissões INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

Atos do Poder Executivo

Atos do Poder Executivo Página 1 de 6 Marcelo Franca Alves De: "BDE on-line" Para: "BDE on-line" Enviada em: segunda-feira, 20 de dezembro de 2004 17:53 Assunto: BDE on-line

Leia mais

Lei do ICMS São Paulo Lei 12.268 de 2006

Lei do ICMS São Paulo Lei 12.268 de 2006 Governo do Estado Institui o Programa de Ação Cultural - PAC, e dá providências correlatas. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Página 1 de 10 Ministério da Educação Nº 1722 - Quarta feira, 19 de fevereiro de 2014 PORTARIA Nº 117 E 127, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014. SECRETARIA DE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - Defere

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 7 DE 23 DE ABRIL DE 2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 7 DE 23 DE ABRIL DE 2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 7 DE 23 DE ABRIL DE 2010 Estabelece as normas para que os Municípios, Estados e o Distrito Federal

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO Nº 89000/2012-026/00

TERMO DE CONVÊNIO Nº 89000/2012-026/00 MARINHA DO BRASIL COMANDO DO 8º DISTRITO NAVAL PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO TERMO DE CONVÊNIO Nº 89000/2012-026/00 PROCESSO Nº 62455.001094/2012-95 CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE

Leia mais

PROJETO DE LEI. I - possibilitar o acesso e a fruição dos produtos e serviços culturais;

PROJETO DE LEI. I - possibilitar o acesso e a fruição dos produtos e serviços culturais; PROJETO DE LEI Institui o Programa de Cultura do Trabalhador, cria o Vale-Cultura e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Fica instituído, sob a gestão do Ministério da Cultura,

Leia mais

PRÊMIO FUNARTE DE APOIO A ORQUESTRAS

PRÊMIO FUNARTE DE APOIO A ORQUESTRAS PRÊMIO FUNARTE DE APOIO A ORQUESTRAS O Presidente da Fundação Nacional de Arte FUNARTE,, no uso das atribuições que lhe confere o inciso V, artigo 14 do Estatuto aprovado pelo Decreto 5037 de 07/04/2004,

Leia mais

IV - somente tiverem registro de importação em data anterior a 12 de agosto de 1997.

IV - somente tiverem registro de importação em data anterior a 12 de agosto de 1997. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 16 DE MAIO DE 2005 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta a Portaria SEI

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 05 DE JULHO DE 2005.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 05 DE JULHO DE 2005. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 05 DE JULHO DE 2005. Dispõe sobre os critérios e procedimentos relativos à concessão de uso do selo combustível social. O MINISTRO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO, no

Leia mais

ANO XXII - 2011-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2011 TRIBUTOS FEDERAIS SIMPLES NACIONAL

ANO XXII - 2011-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2011 TRIBUTOS FEDERAIS SIMPLES NACIONAL ANO XXII - 2011-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2011 TRIBUTOS FEDERAIS REGIME DE TRIBUTAÇÃO UNIFICADA (RTU) - HABILITAÇÃO E CREDENCIAMENTO DE INTERVENIENTES - NORMAS GERAIS Introdução

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 040, de 09 de abril de 1999. O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL, no uso de suas atribuições, resolve:

Instrução Normativa SRF nº 040, de 09 de abril de 1999. O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL, no uso de suas atribuições, resolve: DOU de 13/04/1999, pág. 5 Instrução Normativa SRF nº 040, de 09 de abril de 1999 Dispõe sobre o despacho aduaneiro de bens de caráter cultural. Alterada pela IN SRF nº 63/99, de 8 de junho de 1999. Alterada

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 1.257, DE 8 DE MARÇO DE 2012. (Publicada no D.O.U.

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 1.257, DE 8 DE MARÇO DE 2012. (Publicada no D.O.U. SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 1.257, DE 8 DE MARÇO DE 2012 (Publicada no D.O.U. de 09/03/2012) Dispõe sobre o número de inscrição que representará os Estados,

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO - BRASIL INCENTIVO FISCAL. Lei Complementar 405/07

ESTADO DE SÃO PAULO - BRASIL INCENTIVO FISCAL. Lei Complementar 405/07 INCENTIVO FISCAL Lei Complementar 405/07 REQUISITOS EXIGIDOS PARA OBTENÇÃO E CONCESSÃO DO BENEFÍCIO Do beneficiário: Regularidade fiscal no âmbito municipal da empresa e dos sócios; Quitação integral de

Leia mais

PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761, de 27 de dezembro de 2012

PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761, de 27 de dezembro de 2012 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di Vale-Cultura IRRF Tabela Progressiva Atuação do Psicólogo como Perito INFORMATIVO 02/2013 PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761,

Leia mais

CAPÍTULO I Seção I Da Exigência e do Uso da PTV

CAPÍTULO I Seção I Da Exigência e do Uso da PTV INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 37, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2006 (Revogada pela IN 54, de 04/Dez/2007) O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

Construção Civil - DISO- ART ARO - Regularização de Obras - Alterações na IN RFB 971 09

Construção Civil - DISO- ART ARO - Regularização de Obras - Alterações na IN RFB 971 09 Construção Civil - DISO- ART ARO - Regularização de Obras - Alterações na IN RFB 971 09 Instrução Normativa RFB nº 1.477/2014 - DOU: 04.07.2014 Altera a Instrução Normativa RFB nº 971, de 13 de novembro

Leia mais

EDITAL 007/2015 FMAC/PMM EDITAL DE CONCURSO PARA SELEÇÃO DE PROJETOS CULTURAIS E ARTÍSTICOS PARA A CIDADE DE MACEIÓ EM 2015. PRÊMIO ERIS MAXIMIANO

EDITAL 007/2015 FMAC/PMM EDITAL DE CONCURSO PARA SELEÇÃO DE PROJETOS CULTURAIS E ARTÍSTICOS PARA A CIDADE DE MACEIÓ EM 2015. PRÊMIO ERIS MAXIMIANO EDITAL 007/2015 FMAC/PMM EDITAL DE CONCURSO PARA SELEÇÃO DE PROJETOS CULTURAIS E ARTÍSTICOS PARA A CIDADE DE MACEIÓ EM 2015. PRÊMIO ERIS MAXIMIANO A Prefeitura Municipal de Maceió, através da Fundação

Leia mais

CONSIDERANDO o disposto no art. 14-A e no inciso IV do art. 26 da Lei nº 10.233, de 05 de junho de 2001;

CONSIDERANDO o disposto no art. 14-A e no inciso IV do art. 26 da Lei nº 10.233, de 05 de junho de 2001; RESOLUÇÃO ANTT Nº 1.737, de 21/11/2006 Estabelece procedimentos de registro e fiscalização, institui infrações e sanções referentes ao Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Carga - RNTRC,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 Dispõe sobre o recebimento de documentos a serem protocolados junto ao Tribunal de Contas da União. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95

Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95 Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95 Dispõe sobre os procedimentos de acompanhamento, controle e avaliação a serem adotados na utilização dos benefícios fiscais instituídos pela Lei n

Leia mais

Portaria CAT 29, de 4.3.2011.

Portaria CAT 29, de 4.3.2011. Portaria CAT 29, de 4.3.2011. LEGISLAÇÃO ESTADUAL (Diário Oficial do Estado de São Paulo) Portaria COORDENAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CAT/SP nº 29, de 04.03.2011 D.O.E.: 05.03.2011.

Leia mais

Anexo I - Relatório Anual de Produção e Comercialização de Sementes de Espécies Florestais;

Anexo I - Relatório Anual de Produção e Comercialização de Sementes de Espécies Florestais; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 56, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

SECRETARIA DE MONITORAMENTO E CONTROLE DA PESCA E AQUICULTURA PORTARIA No- 28, DE 26 DE MAIO DE 2011

SECRETARIA DE MONITORAMENTO E CONTROLE DA PESCA E AQUICULTURA PORTARIA No- 28, DE 26 DE MAIO DE 2011 SECRETARIA DE MONITORAMENTO E CONTROLE DA PESCA E AQUICULTURA PORTARIA No- 28, DE 26 DE MAIO DE 2011 O SECRETÁRIO DE MONITORAMENTO E CONTROLE DA PESCA E AQUICULTURA DO MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA,

Leia mais

CAPITULO I DO PROGRAMA MUNCIPAL DE INCENTIVO À CULTURA. Seção I Dos objetivos e dos Participantes

CAPITULO I DO PROGRAMA MUNCIPAL DE INCENTIVO À CULTURA. Seção I Dos objetivos e dos Participantes PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 5.662, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2009. Institui no âmbito municipal o Programa Municipal de Incentivo à Cultura PROCULTURA, e dá outras providências.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 21.740 CAPÍTULO I DA ASSINATURA DIGITAL

RESOLUÇÃO Nº 21.740 CAPÍTULO I DA ASSINATURA DIGITAL RESOLUÇÃO Nº 21.740 INSTRUÇÃO Nº 85 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Fernando Neves. Dispõe sobre a assinatura digital dos programas fontes e programas executáveis que compõem

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA APOIO A PROJETOS CULTURAIS DA REGIÃO NORTE INFORMAÇÕES GERAIS E DICAS DE PARTICIPAÇÃO

EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA APOIO A PROJETOS CULTURAIS DA REGIÃO NORTE INFORMAÇÕES GERAIS E DICAS DE PARTICIPAÇÃO EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA APOIO A PROJETOS CULTURAIS DA REGIÃO NORTE INFORMAÇÕES GERAIS E DICAS DE PARTICIPAÇÃO 1 1. O que é o Programa Amazônia Cultural? Trata-se de programa gerenciado pela Representação

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.210/15-GSF, DE 7 DE ABRIL DE 2015.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.210/15-GSF, DE 7 DE ABRIL DE 2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.210/15-GSF, DE 7 DE ABRIL DE 2015. Estabelece condições e critérios para implementação do Programa de Cidadania Fiscal - Nota Fiscal Goiana. A SECRETÁRIA DE ESTADO DA FAZENDA DO

Leia mais

O MANUAL DO PRODUTOR DA ANCINE, publicado em 2005, sofreu algumas alterações em função de novas Instruções Normativas editadas nos últimos meses.

O MANUAL DO PRODUTOR DA ANCINE, publicado em 2005, sofreu algumas alterações em função de novas Instruções Normativas editadas nos últimos meses. O MANUAL DO PRODUTOR DA ANCINE, publicado em 2005, sofreu algumas alterações em função de novas Instruções Normativas editadas nos últimos meses. Estamos preparando a reedição do manual com as alterações.

Leia mais

Edição nº 141/2015 Brasília - DF, segunda-feira, 10 de agosto de 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015

Edição nº 141/2015 Brasília - DF, segunda-feira, 10 de agosto de 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta a Portaria-SEI 1 de 4 de agosto de 2015, que instituiu o Sistema Eletrônico de Informações - SEI no âmbito do Conselho Nacional de Justiça. O

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC nº 6, de 2 de janeiro de 2001(*).

RESOLUÇÃO - RDC nº 6, de 2 de janeiro de 2001(*). RESOLUÇÃO - RDC nº 6, de 2 de janeiro de 2001(*). Dispõe sobre o sistema de Recolhimento da Arrecadação de Taxas de Fiscalização de Vigilância Sanitária e dá outras providências. A Diretoria Colegiada

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.761, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Regulamenta o oferecimento e a aceitação do seguro garantia judicial para execução fiscal e seguro garantia parcelamento administrativo fiscal para

Leia mais

IN RFB 882/08 - IN - Instrução Normativa RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB nº 882 de 22.10.2008

IN RFB 882/08 - IN - Instrução Normativa RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB nº 882 de 22.10.2008 IN RFB 882/08 - IN - Instrução Normativa RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB nº 882 de 22.10.2008 D.O.U.: 23.10.2008 Dispõe sobre a suspensão da exigência da Contribuição para o PIS/Pasep, da Contribuição

Leia mais

Lei Complementar n 43, de 16 de dezembro de 2010

Lei Complementar n 43, de 16 de dezembro de 2010 Lei Complementar n 43, de 16 de dezembro de 2010 Dispõe sobre a alteração da lei complementar n 25/2006, que dispõe sobre o Código Tributário do Município de Seara, revoga leis anteriores, e dá outras

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004. (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005)

RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004. (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005) RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004 (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005) O Conselho Federal de Medicina, no uso das atribuições que lhe confere a

Leia mais

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008.

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre as ações de comunicação do Poder Executivo Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 342, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 342, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 342, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008 Altera a Portaria Interministerial nº 127/MP/MF/CGU, de 29 de maio de 2008,

Leia mais

DECRETO Nº 29 993, de 09 de dezembro de 2009.

DECRETO Nº 29 993, de 09 de dezembro de 2009. DECRETO Nº 29 993, de 09 de dezembro de 2009. REGULAMENTA A LEI COMPLEMENTAR ESTADUAL Nº 81, DE 02 DE SETEMBRO DE 2009, QUE INSTITUI O FUNDO DE INCENTIVO À ENERGIA SOLAR DO ESTADO DO CEARÁ FIES, E DÁ OUTRAS

Leia mais

D E C R E T A CAPÍTULO I DO RESPONSÁVEL E DA ABRANGÊNCIA

D E C R E T A CAPÍTULO I DO RESPONSÁVEL E DA ABRANGÊNCIA Imprimir "Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial do Estado." DECRETO Nº 13.869 DE 02 DE ABRIL DE 2012 Estabelece procedimentos a serem adotados pelos órgãos e entidades da Administração

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 12 DE MAIO DE 2004.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 12 DE MAIO DE 2004. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 12 DE MAIO DE 2004. Dispõe sobre operacionalização do Registro Geral da Pesca O SECRETÁRIO ESPECIAL DE AQUICULTURA E PESCA DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze)

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) *C0051416A* C0051416A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) Institui isenção da contribuição para o PIS/PASEP, COFINS e CIDE- Combustíveis incidente sobre o óleo

Leia mais

POLÍTICA DE PATROCÍNIO DA ELETROBRÁS

POLÍTICA DE PATROCÍNIO DA ELETROBRÁS POLÍTICA DE PATROCÍNIO DA ELETROBRÁS agosto de 2009 Eletrobrás Política de Patrocínio da Eletrobrás A Eletrobrás, alinhada a sua missão de criar, ofertar e implementar soluções que atendam aos mercados

Leia mais

Edital 02/2015 Saldo Remanescente

Edital 02/2015 Saldo Remanescente Edital 02/2015 Saldo Remanescente EDITAL Nº 02/2015 CMDCA EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS PARA FINANCIAMENTO NO ANO DE 2015 O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente CMDCA, no

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22.714. INSTRUÇÃO Nº 117 CLASSE 12ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Ari Pargendler.

RESOLUÇÃO Nº 22.714. INSTRUÇÃO Nº 117 CLASSE 12ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Ari Pargendler. RESOLUÇÃO Nº 22.714 INSTRUÇÃO Nº 117 CLASSE 12ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Ari Pargendler. Dispõe sobre a fiscalização do sistema eletrônico de votação, a votação paralela e a cerimônia

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 44, de 18 de junho de 2014 D.O.U de 20/06/2014

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 44, de 18 de junho de 2014 D.O.U de 20/06/2014 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 44, de 18 de junho de 2014 D.O.U de 20/06/2014 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000

CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000 MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000 Dispõe sobre a atividade de corretor de seguros, e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais