ALTERNATIVAS PARA DEPOSIÇÃO DE ESTÉRIL PARA A MINA DO BARREIRO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALTERNATIVAS PARA DEPOSIÇÃO DE ESTÉRIL PARA A MINA DO BARREIRO"

Transcrição

1 ALTERNATIVAS PARA DEPOSIÇÃO DE ESTÉRIL PARA A MINA DO BARREIRO Marcélio Prado Fontes,Vale Fertilizantes/CEFET Rodrigo de Lemos Peroni UFRGS Luciano Nunes Capponi, Vale Fertilizantes Felipe de Moraes Russo CEFET Marcus Vinícius Andrade Silva, Vale Fertilizantes

2 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Introdução Contexto do problema Objetivo do trabalho Metodologia Análise dos resultados Conclusões Agradecimentos

3 Introdução As operações mineiras na mina do Barreiro iniciaram no final década de Naturalmente, a planta de beneficiamento ficava o mais próximo possível da mina e as áreas de deposição de estéril fora da área mineralizada. Essas ações de locação são fundamentais para otimização dos custos de lavra e aproveitamento mineral do recurso no início da mineração; Em uma região da mina do Barreiro onde as operações mineiras já findaram para as atuais reservas e está próxima às frentes de lavra, existe uma oportunidade de economia.

4 Introdução

5 CONTEXTO DO PROBLEMA Proximidade de exaustão Distâncias de transporte elevadas Custo operacional elevado Restrições ambientais relevantes Disponibilidade de áreas Existência de recursos remanescentes

6 CONTEXTO DO PROBLEMA

7 CONTEXTO DO PROBLEMA

8 OBJETIVO DO TRABALHO o Avaliar o potencial de redução do custo de lavra através da diminuição da distância média de transporte na movimentação de estéril, respeitando as condições ambientais, permitindo a continuidade das operações mineiras e a recuperação simultânea de áreas degradadas.

9 PREMISSAS Reduzir o custo de lavra ao máximo possível; Avaliar recursos e reservas minerais na área avaliada; Limite ambiental de cota do topo do depósito da Cava (1050 m); Garantir continuidade das operações mineiras, como acesso para a Área Sul; Não usar a área do dique da Baritina; Evitar obstrução da escada hidráulica do depósito da Cava; Considerar as drenagens superficiais da base do projeto e das áreas vizinhas.

10 TOPOGRAFIA INICIAL E LOCALIZAÇÕES Morro das Cobras Acesso a Área Sul Cota 1050 Depósito da Cava Entrada da Mina do Barreiro

11 INFORMAÇÕES UTILIZADAS Topografia da Mina do Barreiro do dia 27/08/12; Densidade do estéril no depósito 1,8 t/m 3 - SPT; Modelo de blocos md_barr2010 ; Cava final da auditoria de 2011; Avaliações feitas em campo junto com as áreas de geotecnia e geologia.

12 PROJETO DA EXPANSÃO DO DEPÓSITO DA CAVA 7,5 m 10,0 m 26 O 20 O Os parâmetros adotados são: bermas de 7,5 metros, ângulo individual de talude de 26 e altura de banco de 10 m resultando em um ângulo geral de talude de 20 de acordo com o relatório técnico, AR14-RT-01 Rev. 0 Com essa geometria, a pilha de estéril, no aspecto de estabilidade, fica com fator de segurança de 1,5

13 RESULTADOS DA EXPANSÃO DO DEPÓSITO DA CAVA CAPACIDADE A capacidade do projeto: Volume: 7, 3 milhões de metros cúbicos; Tonelagem: 11,0 milhões de toneladas.

14 PROJETO DE EXPANSÃO DO DEPÓSITO DA CAVA Dique da Baritina Acesso Acesso a Área Sul Cota 1050 Entrada da Mina do Barreiro

15 RESULTADOS DA EXPANSÃO DO DEPÓSITO DA CAVA DISTÂNCIAS MÉDIAS DE TRANSPORTE Tabela 1 - Distâncias de transporte do depósito Dora Lemos até as principais frentes de lavra. Tabela 2 Distâncias médias de transporte das frentes de lavra para a Expansão do Depósito da Cava

16 RESULTADOS DA EXPANSÃO DO DEPÓSITO DA CAVA DISTÂNCIAS MÉDIAS DE TRANSPORTE Morro do Juscelino Baritina Morro da Oficina

17 RESULTADOS DA EXPANSÃO DO DEPÓSITO DA CAVA SEQUENCIAMENTO DE LAVRA Tabela 3 Seqüenciamento trienal para as frentes de lavra e suas respectivas massas

18 ANÁLISE DOS RESULTADOS

19 RESULTADOS DA EXPANSÃO DO DEPÓSITO DA CAVA AVALIAÇÃO DE RESERVAS Footprint pilha

20 RESULTADOS DA EXPANSÃO DO DEPÓSITO DA CAVA AVALIAÇÃO DE RESERVAS Avaliação de recursos e reservas dentro da área de ocupação do depósito. Tabela 4 - Volumes da cubagem do modelo de longo prazo.

21 RESULTADOS DA EXPANSÃO DO DEPÓSITO DA CAVA AVALIAÇÃO DE RESERVAS Os volumes das tipologias consideradas como minério oxidado (Tipo 2 e 3) não foram confirmadas em visita de campo pelo geólogo da mina; Para fazer uma estimativa de produção do minério marginal (Tipo 4) foram consideradas algumas premissas: Período em análise: 2014 à 2016; Erro de estimativa (recursos INF): 20%; Parâmetros de produção: média dos resultados obtidas em escala industrial; Custos de produção (estimado nos resultados obtidos em escala industrial) e o preço de venda do produto, o mesmo do minério oxidado; A receita estimada com os parâmetros descritos foi de R$ 1,43 milhões de reais.

22 CONCLUSÕES Decisão final da área estratégica da Vale Fertilizantes analisar os dados e optar pela continuação do projeto detalhado e executivo. Ações favoráveis: Redução de distância média de transporte; Economia de aproximadamente de 3 milhões de reais em 3 anos; Recuperação da área degradada (lavrada); Revitalização dos mananciais na região do Grande Hotel do Barreiro; Diminuição da frota de equipamentos; Redução da emissão de CO 2 ;

23 CONCLUSÕES Ações desfavoráveis: Possível inviabilidade do minério marginal da área ocupada.

24 REFERÊNCIAS [1] CARMO, F. A. R. (2001). Metodologias para o Planejamento de Cavas Finais de Minas a Céu Aberto Otimizadas. In: Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mineral da Universidade Federal de Ouro Preto. Ouro Preto, 108p. [2] GOMIDE, M. D.(2002). Comparação entre métodos de determinação de cava final, In: Dissertação de Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Engenharia Metalúrgica e de Minas da Universidade Federal de Minas Gerais. [3] PERONI, R.L. (2002). Análise da sensibilidade do sequenciamento de lavra em função da incerteza do modelo geológico, In: Tese de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais da UFRGS. Porto Alegre, 143p. [4] Relatório Técnico. (2009). Depósito de Estéril Dora Lemos, Projeto AR14-RT-01 Rev. 0, Geoconsultoria, Araxá, 43p. [5] NBR13029 (2006). Elaboração e apresentação de projeto de disposição de estéril em pilha. Norma brasileira. p 1-9. [6] BRASIL, Ministério do Interior.(1990).Manual de recuperação de áreas degradadas pela mineração: Técnica de Revegetação. IBAMA. Brasília, DF. 96p.

25 AGRADECIMENTOS LPM UFRGS PPGE3M UFRGS VALE FERTILIZANTES S/A

26 OBRIGADO PELA ATENÇÃO!

27

28

PROPOSTA DE CURSO DE EXTENSÃO EM TECNOLOGIAS DE LAVRA DE MINAS

PROPOSTA DE CURSO DE EXTENSÃO EM TECNOLOGIAS DE LAVRA DE MINAS PROPOSTA DE CURSO DE EXTENSÃO EM TECNOLOGIAS DE LAVRA DE MINAS Objetivos: Apresentar noções básicas atualizadas das principais tecnologias e conhecimentos técnico-científicos aplicados nas operações de

Leia mais

Análise da Estabilidade de Sitemas de Disposição Compartilhada de Rejeitos e Estéreis em Cavas Exauridas de Minas

Análise da Estabilidade de Sitemas de Disposição Compartilhada de Rejeitos e Estéreis em Cavas Exauridas de Minas Análise da Estabilidade de Sitemas de Disposição Compartilhada de s e Estéreis em Cavas Exauridas de Minas Aureliano Robson Corgozinho Alves Solosconsult Engenharia, Belo Horizonte, Brasil, aureliano.alves@solosconsult.com.br

Leia mais

Aterro Sanitário. Gersina N. da R. Carmo Junior

Aterro Sanitário. Gersina N. da R. Carmo Junior Aterro Sanitário Gersina N. da R. Carmo Junior Aterro Sanitário Rotina de operação do aterro Descarga do lixo O caminhão deve depositar o lixo na frente de serviço mediante presença do fiscal, para controle

Leia mais

CONCEPÇÃO E PROJETO BÁSICO DA DISPOSIÇÃO EM PILHAS DE REJEITOS DE MINÉRIODE FERRO EM CAVA EXAURIDA DE MINERAÇÃO

CONCEPÇÃO E PROJETO BÁSICO DA DISPOSIÇÃO EM PILHAS DE REJEITOS DE MINÉRIODE FERRO EM CAVA EXAURIDA DE MINERAÇÃO CONCEPÇÃO E PROJETO BÁSICO DA DISPOSIÇÃO EM PILHAS DE REJEITOS DE MINÉRIODE FERRO EM CAVA EXAURIDA DE MINERAÇÃO R. C. Gomes L. G. de Araújo W. L. de O. Filho S. G. S. Ribeiro C. de L. Nogueira RESUMO:

Leia mais

Inova Mineral 27/10/2015

Inova Mineral 27/10/2015 Inova Mineral Workshop para estruturação de um Plano Conjunto BNDES-FINEP de apoio à inovação tecnológica no setor de mineração e transformação mineral 27/10/2015 Inova Mineral AGENDA Objetivo: Propor

Leia mais

O ESTADO DA ARTE DO DESENVOLVIMENTO DE SOLUÇÕES PARA O PLANEJAMENTO DE LAVRA EM MINAS A CÉU ABERTO

O ESTADO DA ARTE DO DESENVOLVIMENTO DE SOLUÇÕES PARA O PLANEJAMENTO DE LAVRA EM MINAS A CÉU ABERTO O ESTADO DA ARTE DO DESENVOLVIMENTO DE SOLUÇÕES PARA O PLANEJAMENTO DE LAVRA EM MINAS A CÉU ABERTO Beck Nader beckn@demin.ufmg.br D.Sc. Engenharia Mineral M.Sc. Tecnologia Mineral Engenheiro de Minas MAIG

Leia mais

O ACOMPANHAMENTO TÉCNICO COMO CONTRIBUTO PARA A MELHORIA DO DESEMPENHO DA INDÚSTRIA EXTRACTIVA

O ACOMPANHAMENTO TÉCNICO COMO CONTRIBUTO PARA A MELHORIA DO DESEMPENHO DA INDÚSTRIA EXTRACTIVA O ACOMPANHAMENTO TÉCNICO COMO CONTRIBUTO PARA A MELHORIA DO DESEMPENHO DA INDÚSTRIA EXTRACTIVA Guerreiro, Humberto Eng. de Minas - Visa Consultores, S.A., Oeiras. 1. INTRODUÇÃO Na exploração de minas e

Leia mais

Utilização de um rejeito de mineração como alternativa para estabilização de um solo tropical da região Centro-oeste

Utilização de um rejeito de mineração como alternativa para estabilização de um solo tropical da região Centro-oeste Utilização de um rejeito de mineração como alternativa para estabilização de um solo tropical da região Centro-oeste Leonardo Santos Gratão Bolsista PIBIC, Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Rodrigo Cézar Kanning rckanning@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

PROJETO CONCEITUAL DE APROVEITAMENTO ECONÔMICO DE CAMADAS DE CARVÃO UM ESTUDO DE CASO

PROJETO CONCEITUAL DE APROVEITAMENTO ECONÔMICO DE CAMADAS DE CARVÃO UM ESTUDO DE CASO PROJETO CONCEITUAL DE APROVEITAMENTO ECONÔMICO DE CAMADAS DE CARVÃO UM ESTUDO DE CASO Sarah Ribeiro Guazzelli Taís Renata Câmara Rodrigo de Lemos Peroni André Cezar Zingano Gustavo Steffen Daniel Fontoura

Leia mais

POTÁSSIO DO BRASIL CONFIRMA RESERVAS DE POTÁSSIO NO AMAZONAS QUE PODEM GARANTIR SUPRIMENTO AOS AGRICULTORES BRASILEIROS

POTÁSSIO DO BRASIL CONFIRMA RESERVAS DE POTÁSSIO NO AMAZONAS QUE PODEM GARANTIR SUPRIMENTO AOS AGRICULTORES BRASILEIROS POTÁSSIO DO BRASIL CONFIRMA RESERVAS DE POTÁSSIO NO AMAZONAS QUE PODEM GARANTIR SUPRIMENTO AOS AGRICULTORES BRASILEIROS PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA As descobertas de minério de potássio na Bacia do Amazonas

Leia mais

Proposta de Definição de Passivo Ambiental na Mineração

Proposta de Definição de Passivo Ambiental na Mineração PASSIVOS AMBIENTAIS NA ATIVIDADE MINERÁRIA RIA Proposta de Definição de Passivo Ambiental na Mineração CONCEITOS BÁSICOSB SICOS PASSIVOS AMBIENTAIS NA ATIVIDADE MINERÁRIA RIA A base conceitual foi elaborada

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto. Pós-Graduação 2011

Universidade Federal de Ouro Preto. Pós-Graduação 2011 Pós-Graduação 2011 Reitor Prof. Dr. João Luiz Martins Vice-Reitor Prof. Dr. Antenor Rodrigues Barbosa Junior Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação Prof. Dr. Tanus Jorge Nagem Pró-Reitor Adjunto de Pesquisa

Leia mais

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE Parecer Técnico GEDAM 054/2007 Processo COPAM: 0099/85/40/2007 Processos DNPM: 830.241/80 Fase DNPM: Título de Lavra PARECER TÉCNICO Empreendedor: RIO PARACATU MINERAÇÃO

Leia mais

OS RISCOS DA MINERAÇÃO: DEFINIÇÕES, IMPACTOS E MITIGAÇÃO UMA ABORDAGEM SIMPLIFICADA

OS RISCOS DA MINERAÇÃO: DEFINIÇÕES, IMPACTOS E MITIGAÇÃO UMA ABORDAGEM SIMPLIFICADA OS RISCOS DA MINERAÇÃO: DEFINIÇÕES, IMPACTOS E MITIGAÇÃO UMA ABORDAGEM SIMPLIFICADA HERNÁN EDUARDO M. CARVAJAL, PhD ALEJANDRO MARTINEZ C. MsC PARTE 1 INTRODUÇÃO: MINERAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE

Leia mais

14 de maio de 2013 Belo Horizonte (MG)

14 de maio de 2013 Belo Horizonte (MG) 14 de maio de 2013 Belo Horizonte (MG) Empresa: Mineração Maracá Indústria e Comércio Trabalho premiado: Avaliação do uso de correntes em caminhões fora de estrada Categoria: Lavra Autores: Bolívar Augusto

Leia mais

Como Definir e Reportar Recursos e Reservas Minerais. Ouro Preto, maio de 2016

Como Definir e Reportar Recursos e Reservas Minerais. Ouro Preto, maio de 2016 Como Definir e Reportar Recursos e Reservas Minerais Ouro Preto, maio de 2016 1 Importância de Padrões Internacionais Família de Códigos Mesma abordagem Definições idênticas Conformidade Confiança a dos

Leia mais

HIDROGEOLOGIA E MINERAÇÃO (PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO)

HIDROGEOLOGIA E MINERAÇÃO (PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO) HIDROGEOLOGIA E MINERAÇÃO (PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO) Marcus Vinícios Andrade Silva Engenheiro Geólogo / Hidrogeólogo Professor de Hidrogeologia CEFET MG (Campus Araxá) Supervisor Corporativo de Hidrogeologia

Leia mais

Nota técnica produzida para o projeto Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento

Nota técnica produzida para o projeto Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento Nota técnica produzida para o projeto Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento Agosto/2009 SDS Edifício Eldorado salas 106/109 CEP 70392-901 Brasília DF Telefax: (61) 3225-2288 E-mail: fneng@fne.org.br

Leia mais

Deswik.LHS. Sequenciamento do Transporte e Deposição de Material

Deswik.LHS. Sequenciamento do Transporte e Deposição de Material Deswik.LHS Sequenciamento do Transporte e Deposição de Material SOFTWARE INOVADOR QUE POSSIBILITA A OTIMIZAÇÃO DOS RESULTADOS DE TRANSPORTE E DEPOSIÇÃO DE MATERIAIS Maximize o valor dos projetos por meio

Leia mais

Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG)

Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG) Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG) o Tel. (11) 3895-8590 premiodeexcelencia@revistaminerios.com.br

Leia mais

A Mineração Industrial em Goiás

A Mineração Industrial em Goiás A Mineração Industrial em Goiás Luciano Ferreira da Silva 1 Resumo: A extração mineral constitui atividade de relevante importância para a economia do estado de Goiás, ocupando posição de destaque no cenário

Leia mais

EXTRAÇÃO DE ACIDOS HUMICOS A PARTIR DO REJEITO DA CONCENTRAÇÃO DE CARVÃO MINERAL POR DIFERENTES METODOS

EXTRAÇÃO DE ACIDOS HUMICOS A PARTIR DO REJEITO DA CONCENTRAÇÃO DE CARVÃO MINERAL POR DIFERENTES METODOS EXTRAÇÃO DE ACIDOS HUMICOS A PARTIR DO REJEITO DA CONCENTRAÇÃO DE CARVÃO MINERAL POR DIFERENTES METODOS RENZON COSME 1 EDUARDO BROCCHI 2, DEBORAH DICK 3 1 Departamento de Engenharia de Materiais, PUC-RIO;

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO RESÍDUO INDUSTRIAL CASCA DE ARROZ COM VISTAS A SUA UTILIZAÇÃO COMO BIOMASSA

CARACTERIZAÇÃO DO RESÍDUO INDUSTRIAL CASCA DE ARROZ COM VISTAS A SUA UTILIZAÇÃO COMO BIOMASSA CARACTERIZAÇÃO DO RESÍDUO INDUSTRIAL CASCA DE ARROZ COM VISTAS A SUA UTILIZAÇÃO COMO BIOMASSA Iara J. Fernandes*, Emanuele C. A. dos Santos, Roxane Oliveira, Janaína M. Reis, Daiane Calheiro, Carlos A.

Leia mais

Passivos Ambientais Mineração. Marcelo Jorge Medeiros Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano

Passivos Ambientais Mineração. Marcelo Jorge Medeiros Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Passivos Ambientais Mineração Marcelo Jorge Medeiros Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano ATIVIDADE DE MINERAÇÃO A mineração está sempre entre as atividades para as quais, em quase todos os

Leia mais

MEIO AMBIENTE E MINERAÇÃO MINERAÇÃO E MEIO AMBIENTE

MEIO AMBIENTE E MINERAÇÃO MINERAÇÃO E MEIO AMBIENTE MINERAÇÃO E MEIO AMBIENTE COLOQUE O TÍTULO DE SUA APRESENTAÇÃO AQUI RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA MINA DE PIÇARRÃO DADOS GERAIS SOBRE A MINA DE PIÇARRÃO Localização: Estrada de Ligação Santa Maria/Nova Era

Leia mais

Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG)

Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG) Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG) o Tel. (11) 3895-8590 premiodeexcelencia@revistaminerios.com.br

Leia mais

Apresentação Corporativa Novembro de 2008. Plano de Negócios Follow Up

Apresentação Corporativa Novembro de 2008. Plano de Negócios Follow Up Apresentação Corporativa Novembro de 2008 Plano de Negócios Follow Up Disclaimer Esta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia que refletem a atual visão

Leia mais

Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas

Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas Stefânia Moreira Alves Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, Brasil, stefaniamoreiraalves@yahoo.com.br Romero César Gomes Universidade

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DA LAVRA DA PEDRA MORISCA DA REGIÃO DE CASTELO DO PIAUÍ NA CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS RESUMO

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DA LAVRA DA PEDRA MORISCA DA REGIÃO DE CASTELO DO PIAUÍ NA CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS RESUMO UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DA LAVRA DA PEDRA MORISCA DA REGIÃO DE CASTELO DO PIAUÍ NA CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS SILVEIRA, Leonardo 1 ; MELO, Marcus 2 ; LUZ, Adão 3 1 Centro de Tecnologia Mineral CETEM

Leia mais

A importância de um banco de dados para os estudos de Economia Mineral

A importância de um banco de dados para os estudos de Economia Mineral A importância de um banco de dados para os estudos de Economia Mineral Leandro Antonio Calixto Junior Bolsista de Iniciação Científica, Geografia, UFRJ Maria Helena Rocha Lima Orientadora, Economia Mineral,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE AGOSTO DE 2005

RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE AGOSTO DE 2005 RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE AGOSTO DE 2005 Fixa os valores de registro de ART e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA Confea, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

De Modelo de Blocos aos Planos de Lavra MSEP MSVALP PitExpansion MS Haulage MSSP

De Modelo de Blocos aos Planos de Lavra MSEP MSVALP PitExpansion MS Haulage MSSP De Modelo de Blocos aos Planos de Lavra MSEP MSVALP PitExpansion MS Haulage MSSP VI Seminário Prominas MineSight Brasil Prominas - Projetos e Serviços de Mineração Ltda www.prominas.net Julho/2012 Belo

Leia mais

PROJETO DE FORTALECIMENTO TECNOLÓGICO DO APL DE CAL E CALCÁRIO DO PARANÁ

PROJETO DE FORTALECIMENTO TECNOLÓGICO DO APL DE CAL E CALCÁRIO DO PARANÁ PROJETO DE FORTALECIMENTO TECNOLÓGICO DO APL DE CAL E CALCÁRIO DO PARANÁ Onde estamos?? Quem somos?? Número de indústrias de Cal e Calcário: 95. Principais Municípios integrantes do APL: Colombo, Rio Branco

Leia mais

Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil

Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil Alexandre Gonçalves Santos Fertilizantes Fosfatados S. A., Araxá, Minas Gerais, Brasil Paulo César Abrão

Leia mais

Apresentação Corporativa Novembro de 2008. Plano de Negócios Follow Up

Apresentação Corporativa Novembro de 2008. Plano de Negócios Follow Up Apresentação Corporativa Novembro de 2008 Plano de Negócios Follow Up Disclaimer Esta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia que refletem a atual visão

Leia mais

Prognóstico Ambiental dos Resíduos de Construção Civil do Município de Biritiba-Mirim, SP

Prognóstico Ambiental dos Resíduos de Construção Civil do Município de Biritiba-Mirim, SP Prognóstico Ambiental dos Resíduos de Construção Civil do Município de Biritiba-Mirim, SP Barbara Almeida Souza (Centro Universitário Senac SP) Graduanda de Engenharia Ambiental. basouza2@gmail.com Maurício

Leia mais

Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Públicos Federais

Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Públicos Federais Programa 0391 Mineração e Desenvolvimento Sustentável Objetivo Promover o desenvolvimento da produção mineral do País Indicador(es) úmero de Ações 15 úmero-índice da Produção Mineral úmero-índice de Pessoal

Leia mais

12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização. 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com.

12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização. 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com. 12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO Realização 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com.br Otimização do Planejamento de Mina Longo Prazo em Córrego do

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA / ELETROTÉCNICA

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA / ELETROTÉCNICA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA / ELETROTÉCNICA BRUNO GONÇALVES DE LIMA RAYSA ROOS HACK REBECCA BARRETO AVENÇA COMPARAÇÃO DOS NIVEIS DE IRRADIAÇÃO

Leia mais

1 de 5 ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META

1 de 5 ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS E FISCALIZ S AO PLN 0001 / 2008 - LDO Página: 2636 de 2993 1 de 5 ESPELHO DE S DE INCLUSÃO DE META AUTOR DA 12770001 7G66 Adequação de Trecho Rodoviário - Campina Grande

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DE GRUPOS ELETROBOMBA: ABORDAGEM DETERMINÍSTICA BASEADA EM ESTUDOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA.

SUBSTITUIÇÃO DE GRUPOS ELETROBOMBA: ABORDAGEM DETERMINÍSTICA BASEADA EM ESTUDOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. SUBSTITUIÇÃO DE GRUPOS ELETROBOMBA: ABORDAGEM DETERMINÍSTICA BASEADA EM ESTUDOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Exemplo: a captação de água em Morgavel. Nuno LOPES; Rodrigo MARQUES Manuel LACERDA; Luís GHIRA

Leia mais

Análises de Estabilidade e Gestão de Riscos em Sistemas de Disposição de Rejeitos de Minerações de Pequeno Porte

Análises de Estabilidade e Gestão de Riscos em Sistemas de Disposição de Rejeitos de Minerações de Pequeno Porte Análises de Estabilidade e Gestão de Riscos em Sistemas de Disposição de Rejeitos de Minerações de Pequeno Porte Cláudio Renato Carnevalli Dias Brumafer Mineração Ltda, Sabará, Minas Gerais, Brasil Romero

Leia mais

3. RESPONSÁVEIS TÉCNICOS PELA EXECUÇÃO DO PRAD

3. RESPONSÁVEIS TÉCNICOS PELA EXECUÇÃO DO PRAD 1. EMPRESA DE MINERAÇÃO RESPONSÁVEL PELA ÁREA Nome Oficial/Razão Social: COQUE CATARINENSE LTDA COCALIT CNPJ e Inscrição Estadual: 83.662.981/0001-60 250.012.383 Endereço da sede: Rua João Pessoa, 445/502

Leia mais

Abertura de poços fora de normas técnicas não resolve problema do desabastecimento.

Abertura de poços fora de normas técnicas não resolve problema do desabastecimento. Abertura de poços fora de normas técnicas não resolve problema do desabastecimento. Entrevista com Reginaldo Bertolo A crise de abastecimento de água vivida pela cidade de São Paulo trouxe à tona, mais

Leia mais

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS 1 Sumário 1. Equilíbrio econômico-financeiro metropolitano...3 2. Proposta econômico-financeira

Leia mais

7 Transporte e Logística

7 Transporte e Logística 7 Transporte e Logística Este capítulo apresenta a análise da logística das cadeias produtivas das oleaginosas pesquisadas e os custos de transporte utilizados nas simulações. 7.1. Logística Para a organização

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO DE MINERAÇÃO FPI FISCALIZAÇÃO PREVENTIVA INTEGRADA. Fonte: Renato Andrade Geólogo e analista técnico do Crea-BA

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO DE MINERAÇÃO FPI FISCALIZAÇÃO PREVENTIVA INTEGRADA. Fonte: Renato Andrade Geólogo e analista técnico do Crea-BA Fonte: Renato Andrade Geólogo e analista técnico do Crea-BA Nas FPIs realizadas foi constatada a necessidade de mais informações sobre os impactos gerados pelo material constante da Barragem de Rejeito

Leia mais

Núcleo Regional de Minas Gerais: o desafio de se tornar um fórum de discussão sobre barragens

Núcleo Regional de Minas Gerais: o desafio de se tornar um fórum de discussão sobre barragens Núcleo Regional de Minas Gerais: o desafio de se tornar um fórum de discussão sobre barragens Reportagem: CLÁUDIA RODRIGUES BARBOSA Newsletter CBDB - O que diferencia o Núcleo Regional de Minas Gerais

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA Rua Macéio, s/n Bairro Barcelona São Caetano do Sul /SP PAR 15026 Março/2015 Revisão 0 CPOI Engenharia e Projetos Ltda Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

NORMA OPERACIONAL PARA O RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA LAVRA, REFERENTE ÀS ATIVIDADES DE EXTRAÇÃO GRANITO - MÁRMORE ARGILA E SAIBRO.

NORMA OPERACIONAL PARA O RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA LAVRA, REFERENTE ÀS ATIVIDADES DE EXTRAÇÃO GRANITO - MÁRMORE ARGILA E SAIBRO. 1 OBJETIVO Estabelecer parâmetros para orientar a elaboração do relatório trimestral de monitoramento da atividade de extração mineral, referente ao avanço de lavra, as medidas mitigadoras implantadas

Leia mais

Grande parte dos planejadores

Grande parte dos planejadores ARTIGO Fotos: Divulgação Decidindo com o apoio integrado de simulação e otimização Oscar Porto e Marcelo Moretti Fioroni O processo de tomada de decisão Grande parte dos planejadores das empresas ainda

Leia mais

CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL CONFORME A NBR ISSO 14001: UMA ANÁLISE ECONÔMICA DO SGA DA EMPRESA DOURAMOTORS DOURADOS, MS. RESUMO

CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL CONFORME A NBR ISSO 14001: UMA ANÁLISE ECONÔMICA DO SGA DA EMPRESA DOURAMOTORS DOURADOS, MS. RESUMO CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL CONFORME A NBR ISSO 14001: UMA ANÁLISE ECONÔMICA DO SGA DA EMPRESA DOURAMOTORS DOURADOS, MS. Sônia Mendes Paiva de Mendonça 1 ; Luciana Ferreira da Silva 2 UEMS/ENGENHARIA AMBIENTAL

Leia mais

E qual é a nossa realidade???

E qual é a nossa realidade??? E qual é a nossa realidade??? Área urbana invadindo a beira de rio MUNIC 2012 - Dos 366 municípios que declararam sofrer problemas de deslizamento de terra, 25% também declararam ter como causa da degradação

Leia mais

O Princípio do Protetor-Recebedor no Financiamento das Unidades de Conservação no Brasil

O Princípio do Protetor-Recebedor no Financiamento das Unidades de Conservação no Brasil O Princípio do Protetor-Recebedor no Financiamento das Unidades de Conservação no Brasil Ronaldo Seroa da Motta seroadamotta.ronaldo@gmail.com Projeto Economía, Sociedad y Medio Ambiente Konrad Adenauer

Leia mais

Agosto - 2010 CPL IDENTIFICAÇÃO DE PASSIVOS AMBIENTAIS BOCAS DE MINAS REVISÃO 1 CARBONÍFERA PALERMO LTDA GEOVITA ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE

Agosto - 2010 CPL IDENTIFICAÇÃO DE PASSIVOS AMBIENTAIS BOCAS DE MINAS REVISÃO 1 CARBONÍFERA PALERMO LTDA GEOVITA ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE Agosto - 2010 CARBONÍFERA PALERMO LTDA GEOVITA ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO DE PASSIVOS AMBIENTAIS BOCAS DE MINAS REVISÃO 1 CPL. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 4 2. OBJETO DA IDENTIFICAÇÃO 4 3. SITUAÇÃO

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO SANTO ANTÔNIO DAS MISSÕES - RS BRASIL PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DAS MISSÕES Elaborado por: COMITE DE COORDENAÇÃO DO

Leia mais

Medir é uma atividade

Medir é uma atividade Algumas noções básicas sobre os padrões metrológicos Medir é uma atividade bastante corriqueira na sociedade atual. Ao olhar no relógio, por exemplo, a pessoa vê no mostrador o resultado de uma medição

Leia mais

PESQUISA MINERAL E O MEIO AMBIENTE

PESQUISA MINERAL E O MEIO AMBIENTE PESQUISA MINERAL E O MEIO AMBIENTE A mineração não brota simplesmente do subsolo acima do qual o Estado impõe a sua jurisdição. É preciso que a geologia desse subsolo tenha características peculiares (que

Leia mais

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08)

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) 6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) Curitiba/PR Julho de 2012 1 1 INTRODUÇÃO: A Ingá Engenharia e Consultoria Ltda. vem

Leia mais

Parecer sobre a Salinidade do Rio Araranguá e suas Implicações para a Cultura do Arroz Irrigado

Parecer sobre a Salinidade do Rio Araranguá e suas Implicações para a Cultura do Arroz Irrigado Parecer sobre a Salinidade do Rio Araranguá e suas Implicações para a Cultura do Arroz Irrigado Introdução A bacia hidrográfica do rio Araranguá está inserida na Região Hidrográfica Catarinense do Extremo

Leia mais

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes Antonio Liccardo Taludes Superfícies inclinadas que delimitam um maciço terroso ou rochoso. Naturais ou Artificiais Taludes naturais ou encostas Taludes

Leia mais

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático.

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Aline D. Pinheiro e Paulo César A. Maia Laboratório de Engenharia Civil, Universidade Estadual do Norte Fluminense,

Leia mais

RELATÓRIO: 01-9013 OBRA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO LOCAL: ESPINHEIRO RECIFE/PE CLIENTE: POLICONSULT DATA: JULHO DE 2013

RELATÓRIO: 01-9013 OBRA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO LOCAL: ESPINHEIRO RECIFE/PE CLIENTE: POLICONSULT DATA: JULHO DE 2013 RELATÓRIO: 01-9013 OBRA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO LOCAL: ESPINHEIRO RECIFE/PE CLIENTE: POLICONSULT DATA: JULHO DE 2013 APRESENTAÇÃO A POLICONSULT Associação Politécnica de Consultoria apresenta o

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO ALGODÃO- IBA. Relatório dos auditores independentes

INSTITUTO BRASILEIRO DO ALGODÃO- IBA. Relatório dos auditores independentes INSTITUTO BRASILEIRO DO ALGODÃO- IBA Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2010 FPRJ/HÁ/LB/KD 0350/11 INSTITUTO BRASILEIRO DO ALGODÃO - IBA Demonstrações contábeis

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Banco do Nordeste Fundo de Investimento Ações Petrobras (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20) 31 de março de 2014 com Relatório dos Auditores

Leia mais

UTILIZAÇÃO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA ANTI-REFLEXÃO DE TRINCAS NO RECAPEAMENTO DA RODOVIA BR-040 NOVA LIMA MG

UTILIZAÇÃO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA ANTI-REFLEXÃO DE TRINCAS NO RECAPEAMENTO DA RODOVIA BR-040 NOVA LIMA MG UTILIZAÇÃO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA ANTI-REFLEXÃO DE TRINCAS NO RECAPEAMENTO DA RODOVIA BR-040 NOVA LIMA MG Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Distribuidor: Bimig Comércio e Representação

Leia mais

Bairros Cota na Serra do

Bairros Cota na Serra do Geotecnia Ambiental Bairros Cota na Serra do Mar em Cubatão riscos em ebulição e planos de ação em andamento Os bairros localizados nas encostas da Serra do Mar, na cidade de Cubatão, passam por um processo

Leia mais

8 Cálculo da Opção de Conversão

8 Cálculo da Opção de Conversão 83 8 Cálculo da Opção de Conversão Uma usina de açúcar relativamente eficiente pode produzir 107 kg de açúcar a partir de cada tonelada de cana processada, da qual também é produzida obrigatoriamente uma

Leia mais

Sistema de Confinamento de Áreas Contaminadas do Depósito de Resíduos Industriais da Solvay S/A em Santo André/SP

Sistema de Confinamento de Áreas Contaminadas do Depósito de Resíduos Industriais da Solvay S/A em Santo André/SP Sistema de Confinamento de Áreas Contaminadas do Depósito de Resíduos Industriais da Solvay S/A em Santo André/SP Francisco José Pereira de Oliveira Fral Consultoria Ltda., São Paulo, Brasil, franciscojpoliveira@fralconsultoria.com.br

Leia mais

2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014-06-16. Belo Horizonte MG

2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014-06-16. Belo Horizonte MG 2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014-06-16 Belo Horizonte MG Eixo 1 - Desenvolvimento socioeconômico e conflitos territoriais Fechamento de minas no Brasil não

Leia mais

NPT 002 ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EDIFICAÇÕES EXISTENTES E ANTIGAS

NPT 002 ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EDIFICAÇÕES EXISTENTES E ANTIGAS Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 002 Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes e antigas CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 9 páginas

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA FERRAMENTA LINHA DE BALANÇO EM UMA OBRA INDUSTRIAL

IMPLANTAÇÃO DA FERRAMENTA LINHA DE BALANÇO EM UMA OBRA INDUSTRIAL IMPLANTAÇÃO DA FERRAMENTA LINHA DE BALANÇO EM UMA OBRA INDUSTRIAL Vanessa Lira Angelim (1); Luiz Fernando Mählmann Heineck (2) (1) Integral Engenharia e-mail: angelim.vanessa@gmail.com (2) Departamento

Leia mais

Módulo 2: Risco e Impacto Ambiental

Módulo 2: Risco e Impacto Ambiental APOSTILA DO CURSO SOBRE ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCOS E PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Relatório Nº: Apostila Análise Risco/2006 Revisão Nº: 2 Módulo 2: Preparado para: Ministério do Meio Ambiente Secretaria

Leia mais

CONSIDERANDO o disposto na Lei Federal 6.496/77;

CONSIDERANDO o disposto na Lei Federal 6.496/77; NORMA 06/2005 - CEGM Dispõe sobre a Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) nos serviços técnicos exigidos pelo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). A CÂMARA ESPECIALIZADA DE GEOLOGIA E

Leia mais

QUÍMICA APLICADA I/ Prática DESENHO TÉCNICO I: GEOMETRIA ANALÍTICA: 60 36. Cálculo 1 - B Desenho Técnico- 1 Geometria Analítica Introdução à Eng.

QUÍMICA APLICADA I/ Prática DESENHO TÉCNICO I: GEOMETRIA ANALÍTICA: 60 36. Cálculo 1 - B Desenho Técnico- 1 Geometria Analítica Introdução à Eng. SEMESTRE: º SEMESTRE - A PERÍODO LETIVO: 205.2 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA: 60 36 60 Lab. Infor. INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO: 0 METODOLOGIA: 40 4 QUÍMICA APLICADA I/ Prática DESENHO TÉCNICO I: Cálculo I: Cálculo

Leia mais

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD Departamento de Engenharia Florestal/DEFl/DEF Lab. de Conservação de Ecossistemas e Recuperação de Áreas Prof. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

Leia mais

IMPACTO DE DIFERENTES ALGORITMOS E GEOMETRIA DE DEPÓSITOS MINERAIS NO PLANEJAMENTO DE LONGO PRAZO

IMPACTO DE DIFERENTES ALGORITMOS E GEOMETRIA DE DEPÓSITOS MINERAIS NO PLANEJAMENTO DE LONGO PRAZO IMPACTO DE DIFERENTES ALGORITMOS E GEOMETRIA DE DEPÓSITOS MINERAIS NO PLANEJAMENTO DE LONGO PRAZO Mateus Toniolo Candido, Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS. mateus@miners.com.br Rodrigo de

Leia mais

Catalisadora de Riquezas em Processos Industriais

Catalisadora de Riquezas em Processos Industriais Catalisadora de Riquezas em Processos Industriais Junho de 2015 1 Catalisadora de riquezas em processos minerais BioMIDAS processamento mineral biotecnológico Inovação e P&D como cultura organizacional

Leia mais

Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica. Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG

Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica. Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG As organizações empresariais fracassam por um desses motivos: Sistema sem paixão; Paixão

Leia mais

GERAÇÃO DE LIXIVIADOS NA CÉLULA EXPERIMENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA MURIBECA-PE

GERAÇÃO DE LIXIVIADOS NA CÉLULA EXPERIMENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA MURIBECA-PE GERAÇÃO DE LIXIVIADOS NA CÉLULA EXPERIMENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA MURIBECA-PE Laís Roberta Galdino de Oliveira (1) Graduada em Engenharia Agrícola e Ambiental pela Universidade Federal Rural

Leia mais

Portaria nº 259/2012 de 28 de agosto Direção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo

Portaria nº 259/2012 de 28 de agosto Direção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo Portaria nº 259/2012 de 28 de agosto Fernanda Fenyves Agenda 1. Definição de Zona Vulnerável a Nitratos 2. Enquadramento da Diretiva Nitratos e objetivos 3. Destinatários e intervenientes 4. Obrigações

Leia mais

Engenharia Civil PROJETO MINAS-RIO: MINERODUTO

Engenharia Civil PROJETO MINAS-RIO: MINERODUTO Engenharia Civil PROJETO MINAS-RIO: MINERODUTO Campos dos Goytacazes, 14 de Outubro de 2014 Engenharia Civil PROJETO MINAS-RIO: MINERODUTO AUTORES: THAYS CRISTINE CORRÊA CAMINHA ARIANA ANDRADE SANTOS GISELE

Leia mais

Análise de Sensibilidade

Análise de Sensibilidade Métodos de Avaliação de Risco Opções Reais Análise de Risco Prof. Luiz Brandão brandao@iag.puc-rio.br IAG PUC-Rio Análise de Cenário Esta metodologia amplia os horizontes do FCD obrigando o analista a

Leia mais

SUSTENTABILIDADE DA MINERAÇÃO NO BRASIL

SUSTENTABILIDADE DA MINERAÇÃO NO BRASIL Benefício ou malefício para população local? Cobrança da CFEM. Prevenção e Mitigação dos Impactos. Fechamento de Mina. MINERAÇÃO: malefício ou benefício para população local? Benefícios da atividade minerária:

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ISO 9001 - UMA ESTRATÉGIA PARA ALAVANCAR A GESTÃO OPERACIONAL NA ELETRONORTE

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ISO 9001 - UMA ESTRATÉGIA PARA ALAVANCAR A GESTÃO OPERACIONAL NA ELETRONORTE SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GOP - 23 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO IX GRUPO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP ISO 9001 - UMA ESTRATÉGIA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA MANUTENÇAO PREVENTIVA EM HIDRÔMETROS INSTALADOS NA CIDADE DE PIRACICABA, SP

AVALIAÇÃO DA MANUTENÇAO PREVENTIVA EM HIDRÔMETROS INSTALADOS NA CIDADE DE PIRACICABA, SP AVALIAÇÃO DA MANUTENÇAO PREVENTIVA EM HIDRÔMETROS INSTALADOS NA CIDADE DE PIRACICABA, SP Daniel Manzi 1 e José Ronaldo da Silva 2 Resumo: A manutenção de um parque confiável de hidrômetros assume fundamental

Leia mais

5000 Avaliação preliminar

5000 Avaliação preliminar Avaliação preliminar 5000 5000 Avaliação preliminar O objetivo da etapa de avaliação preliminar é a realização de um diagnóstico inicial das áreas potencialmente contaminadas (APs), o que será possível

Leia mais

DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG.

DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG. DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG. Resumo Cristina Silva de Oliveira¹ (UFJF³, chrisoliveira.jf@gmail.com) Daiane Evangelista

Leia mais

III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG

III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG Fabiano de Jesus Ribeiro (1) Técnico em Topografia pela Escola Média

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES HIDRÁULICAS DE SOLOS DE ENCOSTA DO RIO DE JANEIRO

ESTUDO DAS PROPRIEDADES HIDRÁULICAS DE SOLOS DE ENCOSTA DO RIO DE JANEIRO ESTUDO DAS PROPRIEDADES HIDRÁULICAS DE SOLOS DE ENCOSTA DO RIO DE JANEIRO Alunos: Breno Verly Rosa e Alexandre da Rocha Rodrigues Orientador: Eurípides Vargas do Amaral Junior João Luis Teixeira de Mello

Leia mais

III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA

III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA Vera Lúcia A. de Melo (1) Mestre em Engenharia Civil (Geotecnia) pela UFPE. Aperfeiçoamento em pesquisa no

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NPGA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CAPACITAÇÃO GERENCIAL/OXITENO DISCIPLINA: MÉTODOS DE PESQUISA E PROJETO PROFESSORA: ELIZABETH LOIOLA

Leia mais

1 Introdução. 2 Exemplo de aplicação

1 Introdução. 2 Exemplo de aplicação Os problemas da utilização de métodos de simulação de cargas térmicas e consumo energético na auditoria energética para verificação dos Requisitos Energéticos dos edifícios por Luís Roriz e Alexandre Gonçalves

Leia mais

Atuação do CETEM na Área de Biotecnologia

Atuação do CETEM na Área de Biotecnologia 21/03/2014 Atuação do CETEM na Área de Biotecnologia Andréa C. de Lima Rizzo arizzo@cetem.gov.br Missão: desenvolver tecnologia para o uso sustentável dos recursos minerais brasileiros.(pdu 2011-2015)

Leia mais

SAMARCO MINERAÇÃO S.A.

SAMARCO MINERAÇÃO S.A. SAMARCO MINERAÇÃO S.A. MINAS GERAIS E ESPÍRITO SANTO INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DA LINHA 03 DE MINERODUTO PLANO BÁSICO AMBIENTAL PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL OS Tramitação Via Data 1SAMA013-OS-00011

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NA PEQUENA E MÉDIA EMPRESA. PÚBLICO ALVO - Técnicos, Tecnólogos e Engenheiros ligados a Micro, Pequena e Média Empresa.

ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NA PEQUENA E MÉDIA EMPRESA. PÚBLICO ALVO - Técnicos, Tecnólogos e Engenheiros ligados a Micro, Pequena e Média Empresa. ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NA PEQUENA E MÉDIA EMPRESA São Paulo, 07 a 10 de maio PÚBLICO ALVO - Técnicos, Tecnólogos e Engenheiros ligados a Micro, Pequena e Média Empresa. OBJETIVO As pequenas, micro e

Leia mais

GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF

GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF José Bento da Rocha Farmacêutico graduado pela Universidade Estadual de Goiás UEG,

Leia mais