UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL ANA CAROLINA AZEVEDO CASEMIRO CERTEZAS E DÚVIDAS SOBRE O PROCESSO DE DIGITALIZAÇÃO DAS RÁDIOS AM DE BENTO GONÇALVES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL ANA CAROLINA AZEVEDO CASEMIRO CERTEZAS E DÚVIDAS SOBRE O PROCESSO DE DIGITALIZAÇÃO DAS RÁDIOS AM DE BENTO GONÇALVES"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL ANA CAROLINA AZEVEDO CASEMIRO CERTEZAS E DÚVIDAS SOBRE O PROCESSO DE DIGITALIZAÇÃO DAS RÁDIOS AM DE BENTO GONÇALVES CAXIAS DO SUL 2014

2 ANA CAROLINA AZEVEDO CASEMIRO CERTEZAS E DÚVIDAS SOBRE O PROCESSO DE DIGITALIZAÇÃO DAS RÁDIOS AM DE BENTO GONÇALVES Trabalho de Conclusão de Curso de Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo apresentado ao Centro de Ciências da Comunicação da Universidade de Caxias do Sul, como requisito para a obtenção do título de bacharel. Orientador: Prof. Dr. Alvaro Fraga Moreira Benevenuto Junior CAXIAS DO SUL 2014

3 ANA CAROLINA AZEVEDO CASEMIRO CERTEZAS E DÚVIDAS SOBRE O PROCESSO DE DIGITALIZAÇÃO DAS RÁDIOS AM DE BENTO GONÇALVES Trabalho de Conclusão de Curso de Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo apresentado ao Centro de Ciências da Comunicação da Universidade de Caxias do Sul, como requisito para a obtenção do título de bacharel. Banca Examinadora Prof. Dr. Alvaro Fraga Moreira Benevenuto Junior Universidade de Caxias do Sul UCS Prof. Ms Jacob Raul Hoffmann Universidade de Caxias do Sul UCS Prof. Ms Ronei Teodoro da Silva Universidade de Caxias do Sul UCS

4 Dedico este trabalho a meus pais, Ana, Orlando e Rozimeri (mãe do coração), pelo amor, pelos recursos e por permitirem que eu descobrisse as alegrias e pesares da vida por meus próprios passos. Ao Jonathan, que esteve a meu lado na maior parte desses 10 anos de vida acadêmica e que compartilhará comigo para todo o sempre um tesouro chamado Joana. À minha filha, que diariamente inunda minha vida de inseguranças e medos antes desconhecidos, mas que me ensina a todo instante o real sentido do amor e da família. Ao meu noivo, Felix, que suportou os momentos de total desespero e acreditou que eu chegaria aqui quando pensei repetidas vezes em desistir.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço aos professores do curso de Comunicação Social Habilitação em Jornalismo pelo conhecimento transmitido, o qual me conduziu até aqui. Especialmente aos Doutores Paulo Ribeiro, que alimentou a cada aula minha paixão pelo texto, e Luiz Artur Ferraretto, que, em sua breve passagem pela Universidade de Caxias do Sul, despertou em mim o interesse pelo rádio. Agradeço, especialmente, ao Prof. Dr. Alvaro Benevenuto pela sensibilidade demonstrada nestes meses e por ter, em vários momentos, extrapolado seu papel de orientador para atuar como um verdadeiro mestre. Sua serenidade foi, certamente, coautora deste trabalho. Aos gestores da Rádio Difusora e Rádio Viva de Bento Gonçalves, pela disponibilidade e pela conversa franca, essenciais para que se pudesse relatar as expectativas e projetos das emissoras diante da migração para o FM. Ao meu noivo Felix Polo, por relevar meus destemperos nos momentos de ansiedade e por secar minhas lágrimas nos de angústia. Às amigas Fernanda Monte Mezzo Forest e Josiane Ribeiro, pelas orientações e palavras de estímulo. Por fim, agradeço ao Café Melitta, que testemunhou cada linha desta monografia.

6 RESUMO Esta monografia apresenta um relato sobre o processo de digitalização do rádio e migração do AM para o FM, com ênfase nas emissoras Difusora e Viva, de Bento Gonçalves. Para tanto, pontua a trajetória do rádio desde sua invenção, passando pela chegada ao Brasil e sua ascensão meteórica até a chegada da televisão. Para situar o rádio nos dias atuais, pontua-se o advento da internet, das webradios e das rádios comunitárias. A partir do estudo das legislações pertinentes, descreve-se o processo de digitalização e como as discussões a respeito evoluíram no Brasil, chegando-se ao decreto que autoriza a migração das emissoras de AM para FM. Para entender como a mudança impactará na radiodifusão do município de Bento Gonçalves, foram ouvidos executivos das duas emissoras AM locais. Procede-se à análise das entrevistas e, a partir disso, entende-se que existe elevada preocupação com as questões técnicas. A produção de conteúdo, por outro lado, parece estar à mercê dos indicativos do mercado. Palavras-chaves: Rádio. Internet. Digitalização. Migração.

7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO O RÁDIO E HISTÓRIA NOVIDADES NO AR: A INTERNET A DIGITALIZAÇÃO DO RÁDIO DAB DIGITAL AUDIO BROADCASTING IBOC IN BAND ON CHANNEL DRM DIGITAL RADIO MONDIALE ISDB-TSB INTEGRATED SERVICES DIGITAL BROADCASTING, TERRESTRIAL, SEGMENTED BAND HORA DE DEFINIR O SISTEMA MIGRAÇÃO DO AM PARA O FM A PESQUISA OS MÉTODOS CONSAGRADOS MÉTODO APLICADO Técnicas CONTEXTO LOCAL As rádios AM ENTREVISTAS ANÁLISE DAS ENTREVISTAS NOTAS CONCLUSIVAS... 92

8 1 INTRODUÇÃO O rádio, em sua origem, foi um aparelho que permitiu a transmissão de sons por meio de ondas eletromagnéticas. Levando música, notícia e entretenimento sem exigir atenção exclusiva do ouvinte, o rádio elevou-se ao status de companheiro para todas as horas, algo não experimentado por nenhum outro meio de comunicação. As primeiras transmissões de som sem uso de fios ocorreram nos últimos anos do século XIX, conforme Ferraretto (2001). Os créditos do invento são, ainda hoje, divididos entre o italiano Guglielmo Marconi e o brasileiro Landell de Moura, que realizaram experimentos com sucesso na Itália e no Brasil, respectivamente. Inicialmente seu uso foi direcionado a transmissões oficiais por meio de alto-falantes instalados no alto das igrejas e nos prédios públicos. A indústria da radiodifusão, no sentido de produção e transmissão de conteúdos, com a ideia de que cada família poderia ter um aparelho de rádio, propagouse no ano de Ferraretto (2001) situa como marco a fundação da KDKA, nos Estados Unidos. A chegada do novo meio de comunicação ao Brasil ocorreria dois anos depois, nas comemorações do centenário da Independência, quando a própria Westinghouse, empresa proprietária da KDKA, promoveu as primeiras transmissões no país. O rádio teve ascensão meteórica no Brasil, especialmente pelos índices de analfabetismo da população, na primeira metade do século XX 1, o que desfavorecia a penetração dos meios de comunicação impressos. A chegada da televisão, porém, decretou o fim da Era do Rádio, já que o espetáculo começa a migrar para o novo meio (FERRARETTO, 2001, p.137). 1 Conforme informações do portal da Fundação Getúlio Vargas na internet, o Censo de 1940 apontava para uma taxa de analfabetismo de 56,17% entre a população com idade superior a 15 anos. Fonte: Acesso: 23 jun

9 9 As grandes estrelas das radionovelas e dos programas de auditório rapidamente migraram para o novo veículo e restou ao rádio aproveitar sua vantagem na transmissão de música e a dinamicidade na cobertura jornalística, enquanto a concorrente ainda não contava com a possibilidade dos chamados links ao vivo. Na atualidade, diante da internet, do processo de digitalização e da convergência das mídias, a definição original de rádio não mais se aplica. A mensagem sonora já não é formatada somente em hertz, mas também em bits. Tampouco está limitada à transmissão em ondas, pois está também nos satélites e na rede mundial de computadores. Conforme Kischinhevsky (2007), aspectos como a recepção, as tecnologias de transmissão e a produção de conteúdo foram rapidamente alteradas pela internet. No Brasil, o rádio prepara-se para a transição do analógico para o digital, com estudos e testes desenvolvidos desde 2005 em busca do melhor sistema para operação no Brasil: o IBOC, padrão criado e implantado nos Estados Unidos, ou o DRM, que funciona na Europa. Em meio a essas indefinições prestes a completar uma década, o governo brasileiro optou por interromper provisoriamente o processo de digitalização para autorizar a migração das emissoras AM para FM. A decisão teve rápidos desdobramentos, com decreto presidencial publicado em novembro de 2013, normas regulamentadoras definidas em março de 2014, audiências coletivas em cada unidade da federação para agrupar as solicitações e promessa de que as primeiras autorizações venham a público ainda neste ano. Mais que uma questão mercadológica no sentido de melhorar a qualidade de áudio das rádios, a migração que ainda não é obrigatória abre campo para a extinção do AM, liberando espaço no espectro para outros usos, como a internet, a televisão digital e o próprio rádio digital, no futuro. Considerando o contexto histórico acima, que coloca o rádio brasileiro em um momento de decisiva transição, o objetivo deste trabalho monográfico é relatar o andamento da digitalização, culminando no anúncio da migração e com ênfase no planejamento das rádios AM de Bento Gonçalves. Os objetivos específicos a são

10 10 resgatar a história do rádio, pontuando acontecimentos que impactaram, de alguma forma, o modo de produção e transmissão de conteúdo; detalhar o processo de digitalização do rádio, elencando todos os modelos implantados em diversos países e aqueles que vêm sendo testados no Brasil; compreender como as indefinições acerca da migração resultaram em um Decreto de Lei autorizando a migração das rádios AM para FM; e, por fim, relatar a analisar como as emissoras AM do município de Bento Gonçalves estão se preparando financeira e estruturalmente para a migração. O município de Bento Gonçalves, localizado na Encosta Superior do Nordeste do Rio Grande do Sul, dista 124 quilômetros da capital do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. De acordo com dados do IBGE de 2013, sua população estimada é de habitantes. Os principais setores da economia atualmente são o moveleiro, vinícola, metalúrgico, de transportes e a fruticultura. Bento Gonçalves possui colocação elevada no Índice de Desenvolvimento Socioeconômico (Idese), tendo liderado o ranking no ano de 2010 entre os municípios com população acima de 100 mil habitantes no Rio Grande do Sul. Além de sua importância econômica para o estado, esse é o município de residência da autora da pesquisa, o que justifica a escolha pelas rádios locais AM como estudo de caso. As hipóteses que nortearam esta pesquisa foram três: 1) Por se tratar de um processo irreversível, as emissoras AM de Bento Gonçalves estão envolvidas; 2) O investimento em equipamentos e regularização da documentação para migração será robusto; 3) O movimento de migração pode impactar no perfil do conteúdo ofertado pelas emissoras. Para atingir o objetivo deste trabalho, foi realizada uma revisão bibliográfica sobre as origens do rádio, sua chegada ao Brasil e como ele se desenvolveu no país até os dias atuais. Fez-se necessário analisar, também, a legislação pertinente ao tema

11 11 da digitalização e da migração. Criou-se um instrumento de pesquisa em forma de questionário aberto para a realização de entrevistas presenciais com os diretores das duas emissoras AM localizadas em Bento Gonçalves: Rádio Difusora 890 AM e Rádio Viva 1070 AM. A apresentação deste trabalho monográfico foi feita em sete capítulos. O capítulo de número 1 é a Introdução, onde se apresenta o objeto de estudo, pontuando brevemente os conceitos que permeiam este trabalho: rádio, internet, digitalização, migração, o município de Bento Gonçalves e as rádios entrevistadas. No segundo capítulo, Rádio e história, conduz-se um recorte histórico sobre a trajetória do rádio no mundo e no Brasil, iniciando pela polêmica sobre o real inventor do rádio: Marconi ou Landell de Moura? A seguir, descreve-se o período de transmissões experimentais no Brasil, até a primeira transmissão oficial, em 1822, e a fundação do primeiro Rádio Clube, no ano seguinte. Pontua-se os primeiros decretos envolvendo o serviço de radiodifusão no país, o advento da televisão, a chegada das rádios FM, da transmissão via satélite e a criação das rádios comunitárias. Novidades no ar: a internet é o capítulo 3, que contextualiza o período de estagnação do rádio brasileiro coincidente com a chegada da internet no país, abordando-se as origens dessa tecnologia e as possibilidades de uso que foram desenvolvidas, principalmente a criação dos programas que possibilitaram o uso doméstico da internet. A seguir, apresenta-se o uso inicial dado pelas emissoras brasileiras de rádio para a internet, até a criação das primeiras webradios, que alteraram rapidamente os processos de produção e transmissão de conteúdos. Pontuase brevemente a inexistência de mecanismos de regulação da internet que colocam as webradios em patamares diferentes do rádio convencional. Por fim, apresenta-se o Marco Civil da internet, primeira tentativa de definir direitos e deveres dos usuários e provedores da web. No quarto capítulo, A digitalização do rádio, aborda-se a perda de espaço do rádio nos lares brasileiros, onde predomina a presença da televisão e se registra elevação gradual no número de computadores. Em um cenário de convergência das

12 12 mídias, reforçada pela internet, a digitalização do rádio surge como um recurso para sua revitalização e recuperação da audiência. São apresentados os modelos implantados com êxito em diferentes partes do mundo e como iniciaram os testes no Brasil para eleger um sistema apropriado para o país. São citados os testes e audiências realizados e a indefinição sobre o tema, que culminou do adiamento da digitalização e anúncio da migração das rádios AM para FM, bem como suas consequências. No capítulo 5, é desenvolvida a pesquisa em si, descrevendo-se seus objetivos, hipóteses e a metodologia utilizada para a obtenção dos resultados. Detalham-se os métodos e técnicas aplicados para, então, estabelecermos o contexto local que envolve a pesquisa. Abordam-se as origens e características do município de Bento Gonçalves, escolhido como cenário desse estudo, enumerando-se também os veículos de imprensa existentes no município. Após, remonta-se o histórico das rádios AM da cidade para, então, pormenorizar as entrevistas realizadas com Volnei Pertile, diretor da Rádio Difusora 890 AM, e Marcos Piccoli, diretor do Grupo RSCOM, detentor da Rádio Viva 1070 AM. Por fim, é feita uma breve análise das falas dos entrevistados. As Notas conclusivas, tema do capítulo 6, exploram informações apresentadas anteriormente sobre a história do rádio, as promessas para seu futuro e as dificuldades do processo de digitalização. Com isso, procede-se a uma avaliação das certezas e dúvidas identificadas nas rádios entrevistadas. Com base nas entrevistas abertas, foi possível determinar os aspectos que recebem maior atenção e investimentos por parte dos radiodifusores, indicando, por exemplo, que as questões envolvendo conteúdo estão em segundo plano. Cabe pontuar que o presente estudo não tem caráter conclusivo, mas representa um recorte do momento atual do rádio brasileiro com ênfase nas emissoras AM de Bento Gonçalves. Portanto, decisões governamentais e mudanças do próprio cenário mercadológico podem, a qualquer momento, alterar as percepções apresentadas.

13 2 RÁDIO E HISTÓRIA Nos dicionários da Língua Portuguesa Aurélio, Houaiss, Michaelis e Priberam, as definições de rádio predominantes são osso do antebraço, elemento metálico branco, brilhante, alcalinoterroso, intensamente radioativo, quimicamente semelhante ao bário e aparelho de radiofonia que recebe ondas hertzianas. A versão online do Michaelis ainda amplia suas significações com a definição de atividade artística, educativa e informativa da radiofonia. Das três definições mais vistas, apenas uma está relacionada ao objeto desse estudo. Não trataremos aqui sobre elementos químicos ou partes do corpo humano, mas a respeito de um aparelho que revolucionou a comunicação à distância, ao possibilitar a emissão de mensagens sonoras sem fio de um transmissor para diversos receptores simultâneos. Para melhor compreender o passado e o presente do rádio, deve-se considerar que existem dois aspectos a serem avaliados: de um lado, está a tecnologia que permite a transmissão de sons usando ondas eletromagnéticas; de outro, estão os usos dessa tecnologia e sua evolução como veículo de comunicação massivo nesses mais de 120 anos transcorridos desde que o padre Landell de Moura realizou a primeira transmissão pública por meio de ondas hertzianas no Brasil ou, do outro lado do Oceano Atlântico, desde que Marconi fez sua demonstração pública e confirmada de radiotelegrafia, na Itália. Ferraretto (2001, p. 86) situa a primeira transmissão radiofônica comprovada e eficiente no ano de 1906, em Massachussets, Estados Unidos. O dono do feito foi o canadense Reginald Aubrey Fesseden, que, usando um alternador desenvolvido pelo sueco Ernest Alexanderson, transmitiu o som de um violino, de trechos da Bíblia e de uma gravação fonográfica. Ele é, contudo, mais um entre os vários pesquisadores de diversas nacionalidades apontados como o criador do rádio. A pesquisa de Ferraretto (2001) situa a origem dessa tecnologia no legado de Samuel Morse, com o telégrafo desenvolvido entre 1832 e 1837, e Alexander Graham Bell, detentor da patente do telefone, em Nos anos que se seguiram, muitos

14 14 pesquisadores de diversos países desenvolveram estudos sobre a eletricidade e suas características. Mas foi na última década do século XIX, como aponta Prado (2012), que o italiano Guglielmo Marconi utilizou seus estudos sobre as ondas hertzianas para produzir ondas de rádio. Em palestra feita na Fundação Nobel em dezembro de 1909, Marconi explicou os objetivos de seus estudos: Na minha casa perto de Bolonha, na Itália, iniciei, em 1895, testes externos e experiências com o objetivo de determinar se seria possível, por meio de ondas hertzianas, transmitir a uma distância telegráfica sinais e símbolos, sem o auxílio de fios de ligação. Depois de alguns experimentos preliminares com ondas hertzianas, fiquei muito convencido de que, se essas ondas ou ondas semelhantes poderiam ser confiavelmente transmitidas e recebidas por distâncias consideráveis, um novo sistema de comunicação se tornaria disponível, possuindo enormes vantagens sobre os refletores e métodos óticos, que são muito dependentes para o seu sucesso da clareza da atmosfera (NOBEL, 1909, tradução nossa). Assim, Marconi é citado como o responsável pelas pesquisas que trouxeram à realidade a radiotelegrafia. Em 1896, ele conseguiu realizar a primeira demonstração pública e confirmada de radiotelegrafia (FERRARETTO, 2001, p. 82), transmitindo uma mensagem em Código Morse. Com isso, obteve em Londres a patente sobre o telégrafo sem fio. Embora seu nome tenha ficado para a História, Marconi é considerado um homem visionário, mas não o pai dessa invenção, pois baseou-se nas teorias já estudadas por outros cientistas para aperfeiçoar suas ideias (PRADO, 2012, p.30). Ainda que o seu trabalho seja apontado como o resultado exitoso das pesquisas de seus antecessores, Prado reconhece seus méritos: O sucesso de Marconi deu início a uma revolução mundial no campo das comunicações. Outros inventores passaram a ocupar-se do rádio, várias nações reivindicaram a primazia da invenção (na França era atribuída a Brianey, nos Estados Unidos a Lodge, na Alemanha a Staby). O próprio governo italiano viria a demonstrar interesse tardio e oferecer a Marconi o navio Carlos Alberto para outras experiências (2012, p.32).

15 15 Embora a primeira transmissão sonora radiofônica comprovada e eficiente seja atribuída, como citado anteriormente, a Reginald Aubrey Fesseden pelo experimento realizado em 1906, a emissão de sons via rádio teria sido feita antes disso. Antes até da transmissão do Código Morse por Marconi, o padre gaúcho Roberto Landell de Moura chegou a obter resultados por vezes superiores aos dos cientistas estrangeiros (FERRARETTO, 2001, p. 83). Mas suas descobertas nunca chegaram a ter a repercussão obtida pelo italiano. Prado situa: Diferentemente do ocorrido com Landell de Moura, Marconi conseguiu ser reconhecido e foi agraciado em 1909, recebendo, juntamente com o alemão Karl Ferdinand Braun, o Nobel de Física. Braun é o descobridor dos semicondutores, dentre eles, o sulfeto de chumbo natural, um mineral conhecido como galena, base do histórico rádio de galena (2012, p.33). O padre Roberto Landell de Moura nasceu em Porto Alegre, onde iniciou seus estudos, tendo concluído sua formação em Roma, no Colégio Pio Americano e estudado Química na Universidade Gregoriana. De volta ao Brasil, por volta de 1886 e instalado no Rio de Janeiro, celebrou missas na presença do Imperador Dom Pedro II. Alencar situa que, na Capital Federal, o padre encontrou-se em algumas ocasiões com o Imperador do Brasil D. Pedro II, tendo lhe falado sobre suas pesquisas acerca da transmissão do som. O assunto fascinava D. Pedro II a ponto de ele ter financiado, em 1856, parte dos trabalhos de Alexander Graham Bell nos Estados Unidos. Nos anos que se seguiram, ele exerceu o ministério sacerdotal em cidades do Rio Grande do Sul e São Paulo. Instalado na capital paulista entre 1893 e 1894 portanto, pelo menos dois anos antes da demonstração pública de Marconi Landell de Moura teria realizado as suas primeiras experiências com transmissão e recepção de sons por meio de ondas eletromagnéticas [...] (FERRARETTO, 2001, p. 83). Precisamente em 1894, de acordo com Alencar, o padre realizou a primeira transmissão pública por meio de ondas hertzianas, entre o alto da Avenida Paulista e o alto de Sant'Anna, em São Paulo, cobrindo uma distância de oito quilômetros. Apesar de seus avanços, o padre era vítima da descrença e, em certa ocasião, declarou:

16 16 Quero mostrar ao mundo que a Igreja Católica não é inimiga da Ciência e do progresso humano. Indivíduos, na Igreja, podem, neste ou naquele caso, haverse oposto a esta verdade; mas fizeram-no por cegueira. A verdadeira fé católica não a nega. Embora me tenham acusado de participante com o diabo e interrompido meus estudos pela destruição de meus aparelhos, hei de sempre afirmar: isto é assim e não pode ser de outro modo... Só agora compreendo Galileu exclamando: E pur se muove! (ALENCAR apud FORNARI, 1960). Foi somente em março de 1901 que Landell obteve, no Brasil, a Carta Patente número O objeto da invenção é um aparelho que se presta à transmissão a distância com fio e sem fio condutor, tanto através do espaço e da terra, como do elemento aquoso (FERRARETTO, 2001, p.84). Em vida, Landell de Moura não obteve apoio, reconhecimento ou recursos financeiros para suas atividades científicas. Num esforço para levar adiante suas descobertas, rumou aos Estados Unidos, onde conseguiu, em 1904, outras três cartas patentes: para o telégrafo sem fio; para o telefone sem fio e para o transmissor de ondas sonoras. Depois disso, sem conseguir efetivar parcerias que pudessem levar adiante suas ideias, o padre voltou ao Brasil e retomou sua vida eclesiástica e acadêmica. O mérito pela primeira transmissão de voz coube a Fesseden, em Mas, na forma como conhecemos atualmente, o rádio foi imaginado [...] a partir de 1916, quando o russo radicado nos Estados Unidos, David Sarnoff, anteviu a possibilidade de cada indivíduo possuir em casa um aparelho receptor (FERRARETTO, 2001, p.23). Sarnoff era funcionário da empresa que Guglielmo Marconi fundou com atuação na Grã-Bretanha e Estados Unidos, sendo uma espécie de pioneira nas comunicações presente em vários países. A pesquisa de Ferraretto (2001) situa que o russo registrou suas intenções para a direção da empresa por meio de um memorando, concebendo a ideia de aproveitar o rádio como meio de comunicação de massa, pois até então a ferramenta havia sido utilizada para o envio de mensagens de uma pessoa à outra ou de uma pessoa a um público reunido em torno de uma caixa receptora.

17 17 A ideia permaneceu por alguns anos nas gavetas da corporação, somente tendo sido levada adiante por outra empresa, a Westinghouse Eletric and Manufacturing Company, a partir da criação da KDKA, em novembro de Conforme Ferraretto, nascia com a KDKA oficialmente a indústria de radiodifusão, no sentido de produção e transmissão de conteúdos, um novo campo para investimento de capital (2001, p.89). No Brasil, a partir de 1919, já havia algumas experiências de radioamadorismo, como o Rádio Clube de Pernambuco, em Recife. Porém, a chegada efetiva do rádio veio por intermédio da própria Westinghouse, que numa investida da estratégia de busca de novos mercados [...] enviou, a título de demonstração, duas estações transmissoras de 500W ao Brasil (FEDERICO, 1982, p. 15). A década de 1920 é descrita por Federico (idem) como uma época de transmissões experimentais e iniciais em todo o mundo. A autora enumera a chegada do rádio nessa época em pelo menos 12 países, além do Brasil: Alemanha, Bélgica, Canadá, Inglaterra, Espanha, Argentina, França, Itália, Portugal, Japão, Polônia e Suécia. A primeira demonstração em terras brasileiras ocorreu por ocasião do centenário da Independência, em 1922, com uma estação de radiotelefonia montada no alto do Corcovado: Essa estação teve receptores alto-falantes colocados estrategicamente nos recintos da exposição do centenário da nossa independência, pelos quais os visitantes puderam ouvir o pronunciamento do Presidente Epitácio Pessoa que a inaugurou. Esses receptores em forma de corneta propiciaram ainda a audição da canção O Aventureiro, da obra O Guarani, de Carlos Gomes (FEDERICO, 1982, p. 33). Ferraretto destaca que a demonstração promovida pelo capital norteamericano atingiria o seu objetivo, despertando o interesse dos pioneiros do rádio no Brasil (2001, p.94). Presente na ocasião, o antropólogo Edgar Roquette-Pinto, que ocupava o cargo de secretário na Academia Brasileira de Ciências, prontamente vislumbrou aquela revolucionária invenção utilizada com objetivo cultural e educativo.

18 18 Para implantar a primeira emissora de rádio com funcionamento regular no país, Roquette-Pinto contou com o apoio dos membros da Academia especialmente de seu presidente, Henrique Morize. Fundada em 20 de abril de 1923, a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro passou a operar durante uma hora por dia 2. Logo no começo, o Governo designou o Departamento de Correios e Telégrafos, vinculado ao Ministério da Viação, como responsável pela emissão de licenças para os primeiros proprietários de aparelhos de rádio. Naturalmente, os primórdios do rádio no Brasil foram marcados por um período de adaptação, sem uma programação totalmente definida e com público ainda muito insipiente. Além disso, a ideia de Roquette-Pinto de que o Rádio iria trabalhar pela cultura dos que vivem em nossa terra e pelo progresso do Brasil (FERRARETTO, 2001, p.97) não se concretizou tão cedo. Magaly Prado (2012) esclarece que apenas a elite brasileira tinha condições financeiras de acesso ao aparelho nessa fase inicial do rádio. Além do custo alto, as pessoas pagavam uma mensalidade para ouvir a emissora, já que era a contribuição dos associados que cobria os custos da operação. Os interessados nessa nova tecnologia da época esbarravam, ainda, na escassez de aparelhos no país. Em 1922, quando da demonstração da Westinghouse, apenas 80 aparelhos foram trazidos junto com os dois transmissores. Além deles, de acordo com Federico, havia alguns do tipo alto-falantes e outros do tipo galena (fabricados em casa) com fones de ouvido. Esses aparelhos individuais foram distribuídos a pessoas de destaque no Distrito Federal (1982, p.46). Além das contribuições mensais e do preço elevado dos aparelhos de rádio, houve outros fatores que elitizaram esse meio de comunicação nos seus primeiros anos. Segundo Federico (1982), havia taxas a serem pagas por quem desejasse 2 Para efetuar essas transmissões, conforme Ferraretto (2001), a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro obteve autorização do governo para utilizar, durante uma hora por dia, a estação de transmissão da Praia Vermelha uma das duas instaladas no Rio de Janeiro por ocasião do centenário da Independência. Sensibilizado pela utilidade dos equipamentos para radiotelefonia, o governo acabou adquirindo a estação instalada na Praia Vermelha. A outra, no Corcovado, já havia sido desmontada e regressara aos Estados Unidos.

19 19 escutar de casa as transmissões radiofônicas da Rádio Sociedade. Antes de instalar o aparelho, devia-se protocolar junto ao Ministério da Viação um requerimento de licença pelo qual se cobrava uma estampilha, ou taxa administrativa. Também era necessário um certificado de idoneidade emitido pela própria Rádio Sociedade, para o qual também havia custos. A autora esclarece que isso se devia ao temor do Governo da então Capital Federal de que os ouvintes interceptassem correspondências radiotelefônicas em seus aparelhos domésticos. Todos esses requisitos formais, que deviam ser preenchidos pelos ouvintes para usufruírem dos benefícios da radiodifusão, eram não só desencorajantes como onerosos. Portanto, só uma minoria economicamente privilegiada poderia despender não só o dinheiro necessário como o tempo para a obtenção de todos os deferimentos (FEDERICO, 1982, p.47). E, como se não bastasse, a programação era basicamente constituída por música clássica e discursos altamente eruditos o que se agravava pela falta de regularidade das transmissões. Conforme Ferraretto, a primeira sequência de programas organizados pela Rádio Sociedade contemplava notícias de interesse geral, conferências literárias, artísticas e científicas, números infantis, poesia, música vocal e instrumental (2001, p. 96). As dificuldades existiam porque o rádio brasileiro estabeleceu-se a partir de uma dupla determinação, segundo Lia Calabre: um veículo de comunicação privado, portanto subordinado às regras do mercado econômico, mas, ao mesmo tempo, controlado pelo Estado (2004, p.12). Nesse período, os pioneiros do rádio ainda não haviam percebido a possibilidade de exploração da publicidade, o que mudou em 1924: Esta nova consciência das possibilidades lucrativas do veículo tem suas origens na Rádio Clube do Brasil, fundada em 1º de junho de 1924 por Elba Dias, um dos técnicos que auxiliara na estruturação da Rádio Sociedade. A emissora foi a primeira a obter autorização para transmitir publicidade (FERRARETTO, 2001, p.100).

20 20 A década de 1920 foi marcada, portanto, pelo surgimento das primeiras emissoras de rádio e por uma exploração ainda pouco estruturada desse meio de comunicação. A grande virada da radiodifusão no país se deu entre 1931 e 1932, com a publicação de dois decretos governamentais. O primeiro, de número e publicado em de 27 de maio de 1931, regula a execução dos serviços de radiocomunicações no território nacional 3 (BRASIL, 1931). Esse decreto caracterizou como serviços da radiocomunicação, a radiotelegrafia, a radiotelefonia, a radiofotografia, a radiotelevisão, e quaisquer outras utilizações de radioeletricidade, para a transmissão ou recepção, sem fio, de escritos, sinais, imagens ou sons de qualquer natureza por meio de ondas hertzianas (idem). O outro, de número , regulamentou o decreto anterior e ainda contemplou a inserção de comerciais até um limite de 10% da programação, como descrito em seu parágrafo de número 73: Art. 73. Durante a execução dos programas é permitida a propaganda comercial, por meio de dissertações proferidas de maneira concisa, clara e conveniente à apreciação dos ouvintes, observadas as seguintes condições: a) o tempo destinado ao conjunto dessas dissertações não poderá ser superior a dez por cento (10%) do tempo total de irradiação de cada programa; b) cada dissertação durará, no máximo, trinta (30) segundos; c) as dissertações deverão ser intercaladas nos programas, de sorte a não se sucederem imediatamente; d) não será permitida, na execução dessas dissertações, a reiteração de palavras ou conceitos (BRASIL, 1932). Nessa época, Ferraretto (2001, p. 101) elenca a existência de emissoras nos estados da Bahia, Ceará, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo. O advento da publicidade 3 No decreto , é usado, pela primeira vez em um documento legal, o termo radiodifusão. Ferraretto elucida que, antes dele, as emissoras de rádio eram enquadradas na legislação da telefonia e da telegrafia sem fios (2001, p. 103).

Linguagem Radiofônica Aula 2 História do rádio O Surgimento do Rádio

Linguagem Radiofônica Aula 2 História do rádio O Surgimento do Rádio Linguagem Radiofônica Aula 2 História do rádio O Surgimento do Rádio O desenvolvimento do rádio como MCM faz parte da expansão capitalista. Apesar do senso comum atribuir a invenção do rádio ao italiano

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social O SISTEMA DE RÁDIO DIGITAL: A MODERNIZAÇÃO DO M.C.M. MAIS POPULAR DO PLANETA Texto redigido para embasar apresentação de seminário na

Leia mais

Universidade Católica de Petrópolis Centro de Engenharia e Computação Introdução as Telecomunicações. Professor: Erasmus Couto de Miranda Aluno: Rgu:

Universidade Católica de Petrópolis Centro de Engenharia e Computação Introdução as Telecomunicações. Professor: Erasmus Couto de Miranda Aluno: Rgu: Universidade Católica de Petrópolis Centro de Engenharia e Computação Introdução as Telecomunicações Professor: Erasmus Couto de Miranda Aluno: Rgu: ATIVIDADE 1: REALIZAR PESQUISA A RESPEITO DO SEGUINTE

Leia mais

RÁDIO DIGITAL Desafios e transformações desse novo veículo 16/09/2008. Érika Andréa de Melo Travassos * 1. Introdução

RÁDIO DIGITAL Desafios e transformações desse novo veículo 16/09/2008. Érika Andréa de Melo Travassos * 1. Introdução RÁDIO DIGITAL Desafios e transformações desse novo veículo 16/09/2008 Érika Andréa de Melo Travassos * 1. Introdução Quando o rádio foi criado, no século XIX, acreditava-se que era o fim das publicações

Leia mais

E já surgia vitoriosa! Pois todos os vetos de Goulart foram rejeitados.

E já surgia vitoriosa! Pois todos os vetos de Goulart foram rejeitados. Senhoras e senhores Companheiros da Radiodifusão, É para mim e para todos os meus colegas da ABERT uma enorme alegria e uma honra receber tantos amigos e presenças ilustres nesta noite em que comemoramos

Leia mais

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal Rádio Digital Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal Roberto Pinto Martins Secretário rio de Telecomunicações Ministério das Comunicações Sumário 1. Cenário

Leia mais

Digital no Brasil Audiência PúblicaP 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, - CCT

Digital no Brasil Audiência PúblicaP 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, - CCT Implantação do Rádio R Digital no Brasil Audiência PúblicaP Brasília 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática - CCT Ronald Siqueira Barbosa Lembrando a importância

Leia mais

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I DAS GENERALIDADES Art. 1º Ficam instituídos por este Regulamento

Leia mais

CURSO EFA NS CULTURA, LÍNGUA E COMUNICAÇÃO. CLC 5 Cultura, comunicação e média

CURSO EFA NS CULTURA, LÍNGUA E COMUNICAÇÃO. CLC 5 Cultura, comunicação e média CURSO EFA NS CULTURA, LÍNGUA E COMUNICAÇÃO CLC 5 Cultura, comunicação e média Formadora Sandra Santos O ser humano, sempre insatisfeito, sentiu sempre a necessidade de comunicar mais rápido, mais longe,

Leia mais

A participação do rádio no cotidiano da sociedade brasileira (1923-1960)

A participação do rádio no cotidiano da sociedade brasileira (1923-1960) A participação do rádio no cotidiano da sociedade brasileira (1923-1960) Lia Calabre NO APAGAR DAS LUZES DO SÉCULO XX, podemos dizer que este foi o tempo da revolução das formas de comunicação à distância.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO Por Leonardo Mussi da Silva Evolução do sistema telefônico como tudo começou 1875 Alexander Graham Bell e Thomas Watson, em projeto dedicado a telegrafia, se depararam com

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM

CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM Jornal Revista Televisão Rádio Internet - Relata o que já passou e o que vai acontecer; -Credibilidade; - Cobertura

Leia mais

O televisor ou aparelho de televisão capta as ondas eletromagnéticas e através de seus componentes internos as converte novamente em imagem e som.

O televisor ou aparelho de televisão capta as ondas eletromagnéticas e através de seus componentes internos as converte novamente em imagem e som. TELEVISÃO Temos a definição da palavra TELEVISÃO do grego como tele - distante e do latim visione visão; é um sistema eletrônico de recepção de imagens e som de forma instantânea. Funciona a partir da

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU / CURSO: TECNOLOGIA EM PRODUÇÃO AUDIOVISUAL DISCIPLINA: TRANSMISSÕES DE ÁUDIO / PROFESSOR: JOHAN VAN HAANDEL

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU / CURSO: TECNOLOGIA EM PRODUÇÃO AUDIOVISUAL DISCIPLINA: TRANSMISSÕES DE ÁUDIO / PROFESSOR: JOHAN VAN HAANDEL AULA: SUPORTE DIGITAL E RADIODIFUSÃO DIGITAL AULA II (PÁGINA 1) RADIODIFUSÃO DIGITAL Tecnologia que utiliza sinais digitais para transmitir informação através de ondas eletromagnéticas através da modulação

Leia mais

Professor Ventura Ensina Tecnologia

Professor Ventura Ensina Tecnologia Professor Ventura Ensina Tecnologia Experimento PV003 Telefone Experimental Ensino Fundamental Direitos Reservados = Newton C. Braga 1 Prof. Ventura Ensina Tecnologia Telefone O telefone pode ser considerado

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia) Dispõe sobre o serviço de comunicação eletrônica de massa e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1 Para fins desta lei e da sua regulamentação,

Leia mais

CRONOLOGIA DA RÁDIO APARECIDA

CRONOLOGIA DA RÁDIO APARECIDA CRONOLOGIA DA RÁDIO APARECIDA 1951 - Pe. Humberto Pieroni se tornou o primeiro diretor da Rádio. Criado o Programa Os Ponteiros Apontam para o Infinito que ganhou notoriedade com o Pe. Vitor Coelho de

Leia mais

Radiodifusão. Há mais de um século o Rádio encurtando distâncias

Radiodifusão. Há mais de um século o Rádio encurtando distâncias Radiodifusão Há mais de um século o Rádio encurtando distâncias Em 1901 os satélites ainda não gravitavam em órbitas em torno da terra e as comunicações eram bem mais difíceis do que agora. No entanto,

Leia mais

Audiência Pública PLS nº 483/2008. Serviço de Televisão Comunitária

Audiência Pública PLS nº 483/2008. Serviço de Televisão Comunitária Audiência Pública PLS nº 483/2008 Agência Nacional de Telecomunicações Ara Apkar Minassian Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa Serviço de Televisão Comunitária Senado Federal Comissão de

Leia mais

Comissão de Ciência e Tecnologia,

Comissão de Ciência e Tecnologia, Seminário de Rádio R Digital Comissão de Ciência e Tecnologia, Informática e Inovação Brasília 22 de novembro de 2007 Ronald Siqueira Barbosa O O pobre e o emergente de hoje são aqueles que no passado,

Leia mais

Um estudo da Adequação do Rádio na Internet: o Surgimento das Webrádios 1

Um estudo da Adequação do Rádio na Internet: o Surgimento das Webrádios 1 Um estudo da Adequação do Rádio na Internet: o Surgimento das Webrádios 1 Gabriele Fernandes Siqueira 2 Gislaine Zanella 3 Camila Candeia Paz 4 Universidade do Contestado UnC Concórdia/SC RESUMO Os meios

Leia mais

Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão

Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão SET 2014 A SET (Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão) é a principal associação de profissionais que trabalham com tecnologias e sistemas operacionais

Leia mais

Em 1863, um professor de Física faz experimentos com ondas

Em 1863, um professor de Física faz experimentos com ondas CAPÍTULO 1 Pelos Caminhos do Mundo Em 1863, um professor de Física faz experimentos com ondas eletromagnéticas na cidade de Cambridge, na Inglaterra. Graham Bell inventa o telefone em 1876, tendo a primeira

Leia mais

A webradio e os novos modelos de negócios. Nair Prata UFOP

A webradio e os novos modelos de negócios. Nair Prata UFOP A webradio e os novos modelos de negócios Nair Prata UFOP A webradio e os novos modelos de negócios 2012 17 anos 1ª webradio que se tem notícia. Perguntas: A webradio é um negócio lucrativo? A webradio

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 490, DE 2011 (Apensos: PL 4186/1998, PL 4225/1998, PL 1513/1999, PL 2949/2000,PL4156/2001, PL4165/2001, PL

Leia mais

Linguagem Radiofônica Aula 1

Linguagem Radiofônica Aula 1 Linguagem Radiofônica Aula 1 Características do rádio: o veículo companheiro Você escuta rádio? Quais emissoras você ouve? Você presta atenção às peças comerciais? Que tarefas você faz enquanto escuta

Leia mais

Ensaios de Transmissão Simultânea Analógica/Digital em Radiodifusão Sonora (Simulcast)

Ensaios de Transmissão Simultânea Analógica/Digital em Radiodifusão Sonora (Simulcast) Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa Ensaios de Transmissão Simultânea Analógica/Digital em Radiodifusão Sonora (Simulcast) Yapir Marotta Gerente Geral

Leia mais

História e Evolução da Rádio

História e Evolução da Rádio 1 de História e Evolução da Rádio Helena Abegão Curso EFA Escolar Área de CLC5 Escola Secundária Monte de Caparica 2 de Introdução Neste trabalho vou tentar contar a história da rádio e como evoluiu ao

Leia mais

Audiência Pública. Impacto da Digitalização dos Serviços de Radiodifusão nos Procedimentos de Outorga de Rádio e Televisão

Audiência Pública. Impacto da Digitalização dos Serviços de Radiodifusão nos Procedimentos de Outorga de Rádio e Televisão Audiência Pública Agência Nacional de Telecomunicações Impacto da Digitalização dos Serviços de Radiodifusão nos Procedimentos de Outorga de Rádio e Televisão Ara Apkar Minassian Superintendente de Serviços

Leia mais

o rádio 0e o cinema educativos

o rádio 0e o cinema educativos Roquette-Pinto, VERA REGINA ROQUETTE-PINTO VERA REGINA ROQUETTE-PINTO é formada em Rádio e TV pela ECA-USP. Trabalhou 23 anos na TV Cultura como produtora e diretora de vários programas nas áreas educativa

Leia mais

De forma simplificada, os serviços de radiodifusão podem ser classificados da seguinte forma:

De forma simplificada, os serviços de radiodifusão podem ser classificados da seguinte forma: O que são "serviços de radiodifusão"? São os serviços, estabelecidos por legislação própria, que promovem a transmissão de sons (radiodifusão sonora) e de sons e imagens (televisão), a serem direta e livremente

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

Um novo meio com a linguagem e a inovação do som: o rádio

Um novo meio com a linguagem e a inovação do som: o rádio Um novo meio com a linguagem e a inovação do som: o rádio O rádio chegou ao Brasil na década de 1920. No primeiro centenário da Independência, em 7 de setembro de 1922, foram realizadas muitas festas no

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA

EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA Cronograma de Evolução da Mídia Audiovisual no Brasil Gráfico representativo do desenvolvimento de mídia audiovisual no Brasil década a década A

Leia mais

Comunicação da informação a longas distâncias

Comunicação da informação a longas distâncias Comunicação da informação a longas distâncias População mundial versus sistema de comunicação Comunicação, informação e mensagem Comunicação - é o ato de enviar informação, mensagens, sinais de um local

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

Publicidade. Monitoramento: Percepções sobre Publicidade. Relatório de Monitoramento de Marcas e Conversações

Publicidade. Monitoramento: Percepções sobre Publicidade. Relatório de Monitoramento de Marcas e Conversações Crédito da imagem: ronnestam.com Anúncio Upex Publicidade Relatório de Monitoramento de Marcas e Conversações Introdução Foram realizadas buscas na mídia social Twitter, através de ferramenta de monitoramento

Leia mais

Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação da Campanha

Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação da Campanha XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

DEXISTAS (DXers), RÁDIO ESCUTAS, RADIOAMADORES, OUVINTES DE ONDAS CURTAS E MONITORES DE EMISSORAS INTERNACIONAIS. QUAIS AS DIFERENÇAS?

DEXISTAS (DXers), RÁDIO ESCUTAS, RADIOAMADORES, OUVINTES DE ONDAS CURTAS E MONITORES DE EMISSORAS INTERNACIONAIS. QUAIS AS DIFERENÇAS? SWL - Notícias 32 DEXISTAS (DXers), RÁDIO ESCUTAS, RADIOAMADORES, OUVINTES DE ONDAS CURTAS E MONITORES DE EMISSORAS INTERNACIONAIS. QUAIS AS DIFERENÇAS? Artigo de autoria do Prof. Sérgio Dória Partamian,

Leia mais

RÁDIO EDUCATIVO: A CONTRIBUIÇÃO DE EDGAR ROQUETTE-PINTO PARA A DEMOCRATIZAÇÃO DO CONHECIMENTO NO BRASIL

RÁDIO EDUCATIVO: A CONTRIBUIÇÃO DE EDGAR ROQUETTE-PINTO PARA A DEMOCRATIZAÇÃO DO CONHECIMENTO NO BRASIL RÁDIO EDUCATIVO: A CONTRIBUIÇÃO DE EDGAR ROQUETTE-PINTO PARA A DEMOCRATIZAÇÃO DO CONHECIMENTO NO BRASIL Maria Luisa Furlan Costa/UEM O objetivo deste trabalho é apresentar, de forma sistematizada, aspectos

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO 1ª Atividade: Introdução a Telecomunicações Petrópolis, RJ 2012 Rádio é um recurso tecnológico das telecomunicações utilizado para

Leia mais

Publicidade Legal x Publicidade Institucional

Publicidade Legal x Publicidade Institucional Aperfeiçoamento em Licitações Públicas e Contratos Administrativos Módulo 6: Contratação de serviços de publicidade Edinando Brustolin Graduado e mestre em Direito pela UFSC. Assessor jurídico da Federação

Leia mais

MEC/CAPES. Portal de Periódicos

MEC/CAPES. Portal de Periódicos MEC/CAPES Portal de Periódicos A CAPES e a formação de recursos de alto nível no Brasil Criada em 1951, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) é uma agência vinculada ao

Leia mais

Relatório de Viagem. Consórcio Comunidades e Florestas / Componente 3: Mercados

Relatório de Viagem. Consórcio Comunidades e Florestas / Componente 3: Mercados Relatório de Viagem Consórcio Comunidades e Florestas / Componente 3: Mercados Período: 1 a 8 de agosto de 2007 Locais visitados: Gurupá e Porto de Moz, Pará Equipe: Simone Bauch (pesquisadora do Imazon)

Leia mais

Propriedade intelectual e políticas de comunicação

Propriedade intelectual e políticas de comunicação 1 Fórum Para entender os eixos focais Propriedade intelectual e políticas de comunicação Graça Caldas O texto do prof. Rebouças oferece uma importante revisão histórica sobre os conceitos que permeiam

Leia mais

Jornalismo Interativo

Jornalismo Interativo Jornalismo Interativo Antes da invenção da WWW, a rede era utilizada para divulgação de informações direcionados a públicos muito específicos e funcionavam através da distribuição de e-mails e boletins.

Leia mais

A Tecnologia Digital na Radiodifusão

A Tecnologia Digital na Radiodifusão A Tecnologia Digital na Radiodifusão Painel Setorial de Telecomunicações INMETRO/XERÉM-RJ 27 de outubro de 2006 Ronald Siqueira Barbosa O O pobre e o emergente de hoje são s o aqueles que no passado, perderam

Leia mais

Telecomunicações o sistema nervoso da sociedade moderna

Telecomunicações o sistema nervoso da sociedade moderna Ágora Ciência e Sociedade Lisboa, 15 de Maio de 2015 Telecomunicações o sistema nervoso da sociedade moderna Carlos Salema 2014, it - instituto de telecomunicações. Todos os direitos reservados. Índice

Leia mais

História da Rádio e da Televisão e a Sua Influência na Cultura

História da Rádio e da Televisão e a Sua Influência na Cultura Licenciatura em Ciência da Informação História da Rádio e da Televisão e a Sua Influência na Cultura Professor: António Manuel de Barros Cardoso Alunos: João Manuel Freixo Rodrigues Leite Tiago Jorge Marinho

Leia mais

Hub de Mídia. Programação Música. Infortenimento Serviço. Política Promoções. Promoções Especiais

Hub de Mídia. Programação Música. Infortenimento Serviço. Política Promoções. Promoções Especiais Projeto Especial Além do Carnaval A cidade de Salvador reúne um dos mais importantes acervos vivos da expressão cultural afro-brasileira: os blocos afros e tradicionais. Indo além do desfile durante o

Leia mais

Evolução do rádio e digitalização

Evolução do rádio e digitalização Evolução do rádio e digitalização Octavio Penna Pieranti Diretor do Departamento de Acompanhamento e Avaliação SCE/MC Junho de 2012 Rádio: meio de comunicação brasileiro? Em 1896 o mundo (ou)viu nascer

Leia mais

Anexo 01. Caio Túlio Costa Diretor Geral do Universo Online Entrevista concedida via e-mail em 04/05/2001 caio@uol.com.br

Anexo 01. Caio Túlio Costa Diretor Geral do Universo Online Entrevista concedida via e-mail em 04/05/2001 caio@uol.com.br ANEXOS 166 167 Anexo 01 Caio Túlio Costa Diretor Geral do Universo Online Entrevista concedida via e-mail em 04/05/2001 caio@uol.com.br 1. Em que momento o Grupo Folha - Universo Online sentiu a necessidade

Leia mais

A melhor maneira de ficar informado em São José dos Pinhais

A melhor maneira de ficar informado em São José dos Pinhais A melhor maneira de ficar informado em São José dos Pinhais A sua agência de notícias em São José dos Pinhais O PautaSJP.com é um canal de Comunicação de São José dos Pinhais e Região, criado em 02 de

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4 INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4 As Redes do Futuro Começaram Ontem O acesso a grandes quantidades de informação, de modo rápido, preciso e seguro, vem se constituindo

Leia mais

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3 A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1 RESUMO Thais CASELLI 2 Iluska COUTINHO 3 Universidade Federal de Juiz De Fora, Juiz de Fora, MG Este trabalho verifica como é a

Leia mais

LIMITAÇÕES AO CAPITAL ESTRANGEIRO EM PORTAIS DA INTERNET CRISTIANO AGUIAR LOPES

LIMITAÇÕES AO CAPITAL ESTRANGEIRO EM PORTAIS DA INTERNET CRISTIANO AGUIAR LOPES LIMITAÇÕES AO CAPITAL ESTRANGEIRO EM PORTAIS DA INTERNET CRISTIANO AGUIAR LOPES Consultor Legislativo da Área XIV Comunicação Social, Informática, Telecomunicações, Sistema Postal, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP. Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva

Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP. Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva 1 Participantes * Cláudio Rodrigues Muniz da Silva DCO / UFRN; * Fabiano André de Sousa Mendonça DPUB / UFRN; * Lívio Peixoto do Nascimento

Leia mais

CDA COMUNICAÇÃO INTEGRADA

CDA COMUNICAÇÃO INTEGRADA Central de Cases CDA COMUNICAÇÃO INTEGRADA www.espm.br/centraldecases Central de Cases CDA COMUNICAÇÃO INTEGRADA Preparado pelo Prof. Marcus S. Piaskowy, da ESPM SP. Recomendado para a área de Administração

Leia mais

Rádio brasileiro: uma história de cultura, política e integração 1

Rádio brasileiro: uma história de cultura, política e integração 1 Rádio brasileiro: uma história de cultura, política e integração 1 Doris Fagundes Haussen 2 Rádio, cultura e política caminharam juntos na construção da identidade nacional brasileira. Desde os seu início,

Leia mais

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA

Leia mais

COMUNICAÇÕES A LONGAS DISTÂNCIAS

COMUNICAÇÕES A LONGAS DISTÂNCIAS Física 11º Ano COMUNICAÇÕES A LONGAS DISTÂNCIAS MARÍLIA PERES TRANSMISSÃO DE INFORMAÇÃO Produziu p pela p primeira vez ondas eletromagnéticas em laboratório (1887) utilizando um circuito para produzir

Leia mais

Frequências: São Paulo 102,1 MHz; Litoral Paulista MHz 90,1; Endereço: Av. Paulista, 2.200 15º andar CEP 01310-300 São Paulo SP

Frequências: São Paulo 102,1 MHz; Litoral Paulista MHz 90,1; Endereço: Av. Paulista, 2.200 15º andar CEP 01310-300 São Paulo SP Empresa Nome fantasia: Rádio Kiss FM Razão Social: Kiss Telecomunicações LTDA. Frequências: São Paulo 102,1 MHz; Litoral Paulista MHz 90,1; Campinas 107,9 MHz; Brasília 94,1 MHz CNPJ: 59.477.240/0001-24.

Leia mais

Dia Nacional da Consciência Negra

Dia Nacional da Consciência Negra Dia Nacional da Consciência Negra Sobre a EBC Criada em 007 para instituir o Sistema Público de Comunicação, a Empresa Brasil de Comunicação é formada pela TV Brasil, TV Brasil Internacional, Agência Brasil,

Leia mais

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno)

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Disciplina Ementa Pré- requisito C.H. Curso Assessoria de Comunicação Conhecimento geral, reflexão e prática

Leia mais

Radiodifusão Sonora Digital

Radiodifusão Sonora Digital 1 Radiodifusão Sonora Digital Lúcio Martins da Silva AUDIÊNCIA PÚBLICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SENADO FEDERAL ASSUNTO: A ADOÇÃO DE UMA NOVA TECNOLOGIA PARA

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

As formas de se ouvir Rádio: um estudo aplicado aos ouvintes de João Pessoa 16/10/2008

As formas de se ouvir Rádio: um estudo aplicado aos ouvintes de João Pessoa 16/10/2008 As formas de se ouvir Rádio: um estudo aplicado aos ouvintes de João Pessoa 16/10/2008 Adriana Poliana de Almeida Medeiros * Fabiane Marques do Nascimento ** Adriana Brambilla *** Resumo O rádio como meio

Leia mais

Relatório Final da Subcomissão Especial de Rádio Digital destinada a estudar e avaliar o modelo de rádio digital a ser adotado no Brasil.

Relatório Final da Subcomissão Especial de Rádio Digital destinada a estudar e avaliar o modelo de rádio digital a ser adotado no Brasil. COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA Relatório Final da Subcomissão Especial de Rádio Digital destinada a estudar e avaliar o modelo de rádio digital a ser adotado no Brasil. Presidente:

Leia mais

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS DESAFIOS DO CAPITALISMO GLOBAL E DA DEMOCRACIA Luiz Carlos Bresser-Pereira A Reforma Gerencial ou Reforma à Gestão Pública de 95 atingiu basicamente os objetivos a que se propunha

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

Rede Milícia Sat: A Fé Pelo Ar: 24 Horas de Evangelização (sem comerciais)

Rede Milícia Sat: A Fé Pelo Ar: 24 Horas de Evangelização (sem comerciais) 1 Rede Milícia Sat: A Fé Pelo Ar: 24 Horas de Evangelização (sem comerciais) Prof. Domingo Glenir Santarnecchi Revista Raízes Fundação Pró-Memória São Caetano do Sul Resumo A Rede Milícia Sat é a maior

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Comunicação

Introdução aos Sistemas de Comunicação Introdução aos Sistemas de Comunicação Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicação) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Colegiado de Engenharia

Leia mais

TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema?

TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema? TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema? Este tutorial apresenta conceitos básicos sobre antenas empregadas na transmissão de TV Digital que começam em 2 de dezembro de 2007 em

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A MEDIDA PROVISÓRIA 608/13 DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DE EMPRESAS DE COMUNICAÇÃO

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A MEDIDA PROVISÓRIA 608/13 DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DE EMPRESAS DE COMUNICAÇÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A MEDIDA PROVISÓRIA 608/13 DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DE EMPRESAS DE COMUNICAÇÃO Objetivo: Orientar as empresas de comunicação na aplicação da medida provisória de desoneração

Leia mais

Canal 2. Justificativa

Canal 2. Justificativa Índice Canal 1 - Justificativa do Livro...2 Canal 2 - Como Tudo Começou?...4 Canal 3 - De Onde Vem a Imagem?...6 Canal 4 - Como Aparece a Imagem?...8 Canal 5 - Como ocorre a transmissão?...10 Canal 6 -

Leia mais

1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES

1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES 1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES Objetivos da Aula Aprender os conceitos básicos para compreensão das próximas aulas. Na maioria dos casos, os conceitos apresentados serão revistos com maior

Leia mais

IPTV UMA INOVAÇÃO PARA O VALE DO SÃO LOURENÇO RESUMO

IPTV UMA INOVAÇÃO PARA O VALE DO SÃO LOURENÇO RESUMO IPTV UMA INOVAÇÃO PARA O VALE DO SÃO LOURENÇO AMADIO Renato Arnaut 1 RESUMO A região do Vale do São Lourenço já está inserida na era digital, ela se caracteriza pela economia sustentada na agropecuária,

Leia mais

Marcos tecnológicos do radiojornalismo no Brasil: uma revisão histórica 1

Marcos tecnológicos do radiojornalismo no Brasil: uma revisão histórica 1 Marcos tecnológicos do radiojornalismo no Brasil: uma revisão histórica 1 Resumo Debora Cristina Lopez 2 O presente artigo pretende apresentar e discutir alguns marcos tecnológicos da radiodifusão e, a

Leia mais

OBJETIVOS DE MARKETING

OBJETIVOS DE MARKETING CASE Banco do Brasil Todo Seu O Banco do Brasil é a mais antiga instituição bancária brasileira. Reconhecido como fundamental para o desenvolvimento econômico e social do país, é também o maior banco da

Leia mais

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p.

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Resenha Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Naná Garcez de Castro DÓRIA 1 Qual a lógica das políticas de comunicação

Leia mais

Projeto de Digitalização de Discos do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102599

Projeto de Digitalização de Discos do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102599 Projeto de Digitalização de Discos do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102599 Valor total do Projeto: R$ 981.420,00 Apresentação: A Rádio Gazeta, fundada em 1943, com sua programação voltada exclusivamente

Leia mais

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi)

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) XI Colóquio Internacional de Comunicação para o Desenvolvimento Regional (9,10,11

Leia mais

INTRODUÇÃO. Desde que a imprensa surgiu, a comunicação se baseia na tecnologia:

INTRODUÇÃO. Desde que a imprensa surgiu, a comunicação se baseia na tecnologia: INTRODUÇÃO Desde que a imprensa surgiu, a comunicação se baseia na tecnologia: 1450 Imprensa de Gutemberg 1940 Primeiras transmissões na TV 1960 Internet começa a ser desenvolvida 1973 Primeira ligação

Leia mais

PROJETO GERAL DA SIGNIS/BRASIL - Triênio 2011/2013

PROJETO GERAL DA SIGNIS/BRASIL - Triênio 2011/2013 PROJETO GERAL DA SIGNIS/BRASIL - Triênio 2011/2013 Signis Brasil Associação católica de comunicação foi criada no Brasil, no dia 2 de dezembro de 2010, em Assembleia, que aprovou seus estatutos e elegeu

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA (ANEXO I ao Edital de Pregão Amplo nº 10/2008)

TERMOS DE REFERÊNCIA (ANEXO I ao Edital de Pregão Amplo nº 10/2008) TERMOS DE REFERÊNCIA (ANEXO I ao Edital de Pregão Amplo nº 10/2008) 1 INTRODUÇÃO 1.1Compete à Agência Nacional de Telecomunicações - Anatel atuar com publicidade na adoção das medidas necessárias para

Leia mais

DECRETO Nº 20.047, DE 27 DE MAIO DE 1931

DECRETO Nº 20.047, DE 27 DE MAIO DE 1931 DECRETO Nº 20.047, DE 27 DE MAIO DE 1931 Regula a execução dos serviços de radiocomunicações no território nacional O Chefe do Governo Provisório da República dos Estados Unidos do Brasil, usando da atribuição

Leia mais

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 Juliane Cintra de Oliveira 2 Antônio Francisco Magnoni 2 RESUMO Criado em 2007, o Programa Falando de Política é um projeto de experimentação e extensão cultural em radiojornalismo,

Leia mais

Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700

Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700 Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700 Valor total do Projeto: R$ 2.283.138,52 Apresentação: O jornal A Gazeta foi comprado por Cásper Líbero em 1918. Produziu

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL A Agência de Certificação Ocupacional (ACERT) é parte integrante da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração

Leia mais

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ciências Humanas e Sociais Comunicação A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ingo A.F. von Ledebur 1 Thiago H. Ruotolo da Silva 2 Gabriela Rufino

Leia mais

O IMPACTO DA DIGITALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO NOS PROCEDIMENTOS DE OUTORGA DE RÁDIO E TELEVISÃO

O IMPACTO DA DIGITALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO NOS PROCEDIMENTOS DE OUTORGA DE RÁDIO E TELEVISÃO Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Brasília, 20 de outubro de 2009 O IMPACTO DA DIGITALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO NOS PROCEDIMENTOS DE OUTORGA DE RÁDIO E TELEVISÃO Prof.

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS CENTRO ABERTO DE MÍDIA 1) O que é o Centro Aberto de Mídia (CAM)? É um espaço físico e virtual para atendimento aos jornalistas, credenciados ou não credenciados pela FIFA, que desejam

Leia mais

CONTEÚDOS, INTERAÇÃO E FINANCIAMENTO NAS WEBRADIOS DE CAMPINAS

CONTEÚDOS, INTERAÇÃO E FINANCIAMENTO NAS WEBRADIOS DE CAMPINAS CONTEÚDOS, INTERAÇÃO E FINANCIAMENTO NAS WEBRADIOS DE CAMPINAS Beatriz Silva Pereira dos Santos Faculdade de Jornalismo Centro de Linguagem e Comunicação beatriz.sps@puccamp.edu.br Carlos Alberto Zanotti

Leia mais

Produção Eletrônica em Rádio e TV

Produção Eletrônica em Rádio e TV Produção Eletrônica em Rádio e TV Programetes Vídeos Institucionais e Produções Informativas TVs Corporativas Prof. Dirceu Lemos dirceulemos@yahoo.com.br O que são programetes? Programetes são programas

Leia mais