RÁDIOS COMUNITÁRIAS NA INTERNET:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RÁDIOS COMUNITÁRIAS NA INTERNET:"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social RÁDIOS COMUNITÁRIAS NA INTERNET: Usos e apropriações do e no Radiotube Aline Pinto Luz Belo Horizonte 2011

2 Aline Pinto Luz RÁDIOS COMUNITÁRIAS NA INTERNET: Usos e apropriações do e no Radiotube Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Comunicação Social. Orientador: Maria Ângela Mattos Belo Horizonte 2011

3 FICHA CATALOGRÁFICA Elaborada pela Biblioteca da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais L979r Luz, Aline Pinto Rádios comunitárias na internet: usos e apropriações da Radiotube / Aline Pinto Luz : Belo Horizonte f.: Il. Orientador: Maria Ângela Mattos Dissertação (Mestrado) Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social. 1. Rádio difusão na Internet. 2. Rádio comunitária. 3. Comunicação de massa. I. Mattos, Maria Angela. II. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Programa de Pós-Graduação em Comunicação. III. Título. CDU: 659.3

4 Aline Pinto Luz RÁDIOS COMUNITÁRIAS NA INTERNET: Usos e apropriações do e no Radiotube Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Comunicação Social. Banca Examinadora Orientadora: Profa. Dra. Maria Ângela Mattos PUC Minas Profa. Dra. Teresinha Maria de Carvalho Cruz Pires PUC Minas Prof. Dr. Valdir de Castro Oliveira Fundação Oswaldo Cruz - RJ Belo Horizonte, 23 de fevereiro de 2011.

5 A todos os comunicadores que fazem da comunicação sua ferramenta para o fortalecimento da cidadania e a construção de uma sociedade mais igualitária.

6 AGRADECIMENTOS Esse trabalho só foi possível devido a uma extensa e intrincada rede de cooperação. Se nos ocupássemos em desenhar os vários nós colaborativos que compõem esse texto, o resultado final seria uma colorida malha de múltiplos pontos. Direta ou indiretamente as pessoas abaixo mencionadas contribuíram com questionamentos, levantamento de dados, ouvidos para lamentos, indicações de leitura, conversas relaxantes, compreensões por ausências, reflexões, críticas, orações, auxílios na formatação, abraços, entre outras tantas formas em que se materializam a solidariedade, a amizade e o comprometimento com o outro. Meus sinceros agradecimentos: A Dedé pelas orientações acadêmicas, conversas esclarecedoras e por todo empenho e dedicação; A Teresinha e Valdir por terem aceitado contribuir com esse trabalho através de suas preciosas considerações; À preciosa colaboração da equipe do Radiotube, em especial a João e André; À todos os entrevistados personagens que enriqueceram e deram vida a este trabalho; Aos colegas de trabalho: Brunos, Marx, Rafael, Camila, Tati, Lisboa, Moinhos - (DC); Mari, Miti, Núdia, Tamira (ETC); Renaits, Ju, Bia, Doly, Nayara, Eugênio, Poli, Poly - (Rede); Maria Inácia, Ana Clara, Ju, Eulene, Lili, Nat, Celira, Dani (Link); Aos amigos de todas as horas: Ju, Rodolpho, Lu, Ivana, Arthur, Robert, Vanusia, Thales, Lê, Fábio, Gu, Dinha, Guga, Tony, André, Kátia, Léo, Eustáquio, Mary; Aos meus familiares, especialmente Ivana, Ramon, Pedrinho, Juliana, Fabrício e Fabricinho; Aos pilares da minha vida: mainha e painho; A Deus, fonte maior de inspiração. Mais que um mero apanhado de nomes, cada menção dessas representa a fração de uma história, em que essa dissertação é um importante relato. Para aqueles que impiedosamente aqui não foram citados por puro esquecimento, ofereço as entrelinhas desse trabalho: a ausência impregnada de sentidos.

7 Comunicar foi e continuará sendo algo muito mais difícil e amplo que informar, pois comunicar é tornar possível que homens reconheçam outros homens em um duplo sentido: reconheçam seu direito a viver e a pensar diferente, e reconheçam a si mesmos nessa diferença, ou seja, que estejam dispostos a lutar a todo momento pela defesa do direito dos outros, já que nesses mesmos direitos estão contidos os próprios Jesus Martín-Barbero

8 RESUMO O trabalho investiga as apropriações que as rádios comunitárias brasileiras e suas entidades representativas têm feito das novas tecnologias de informação e comunicação. Esses atores têm sido importantes para a mobilização e a conscientização sócio-histórica de parcelas excluídas das instâncias decisórias de poder, apesar de serem sistematicamente perseguidos e estigmatizados pelo poder estatal. Fazendo um inventivo uso da internet, as rádios comunitárias brasileiras têm estabelecido redes de aliança e trocas diretas e horizontais entre si e com outros atores da sociedade civil que, além de fortalecê-las enquanto corpo coletivo pode significar um contínuo refinamento de suas demandas e valores. Para realizar essa investigação primeiramente fez-se necessário uma pesquisa teórica, com uma revisão terminológica, conceitual e de abordagem na área de Comunicação Comunitária a fim de problematizar um caminho teórico mais adequado para esse momento atual das mídias comunitárias. Por fim, analisou-se a situação atual das rádios comunitárias marcada por antigos desafios frente aos conglomerados de comunicação e ao poder estatal e novas possibilidades tecnológicas como forma de ampliar seu poder de atuação e aumentar a visibilidade a suas demandas. Com as redes sociais virtuais essas emissoras vão assumindo modos de agir mais libertários, mesclando meios e atores na sua prática comunicacional. A partir de pesquisas quantitativa e qualitativa fez-se uma análise de uma rede social colaborativa comprometida com a cidadania e com foco nas rádios comunitárias: o Radiotube. Palavras-Chave: Comunicação comunitária; rádios comunitárias; webrádios.

9 ABSTRACT The paper investigates the appropriations that the Brazilian community radios and their unions have made the new technologies of information and communication. These actors have been important to the mobilization and awareness of socio-historical portions excluded from decision-making power, while being systematically persecuted and stigmatized by the state. Making an inventive use of the internet, community radio stations in Brazil have established networks of alliance and direct exchanges and horizontal among themselves and with other actors in civil society, and strengthen them as a collective body can mean a continuous refinement of their demands and values. To accomplish this first investigation was necessary theoretical research, with a review of terminology, and conceptual approach in the area of Community Communication to discuss a theoretical way most appropriate for that moment of community media. Finally, we analyzed the current situation of community radio stations marked by old challenges facing the state power and new technological opportunities as a way to expand his power of performance and increase visibility to their demands. With social networking taking these stations will act more libertarian ways, means and hybridizing agents in their communication practice. From research quantitative and qualitative analysis was made of a collaborative social network committed to focusing on citizenship and community radio: the Radiotube. Keywords: Communication Community, community radio stations; webradios.

10 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Layout de página do Radiotube...123

11 LISTA DE QUADROS QUADRO 1 Evolução dos modos fundamentais de gestão social do conhecimento QUADRO 2 Cinco áudios com maios número de acessos e de comentários postados QUADRO 3 Posts do áudio da Campanha de Valorização do Trabalho Doméstico QUADRO 4: Posts do áudio Descriminalização das Rádios Comunitárias QUADRO 5: Posts do áudio da Música da Sogra QUADRO 6: Posts do áudio da Manifestação contra as demissões no Brasil QUADRO 7: Posts do áudio do Jingle Radiotube...133

12 LISTA DE SIGLAS ABERT Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão ABRAÇO Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária ALER Associação Latino-americana de Educação Radiofônica Alread América Latina em Rede AMARC Associação Mundial de Rádios Comunitárias ANATEL Agência Nacional de Telecomunicações ANCARC Associação Nacional das Rádios Comunitárias Católicas CIDH Comissão Interamericana de Direitos Humanos BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social CPqD Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações Confecom Conferência Nacional de Comunicação Conrad- Conselho Regional de Radiofusão Comunitária EPCOM Instituto de Pesquisas em Comunicação FARC Federação das Associações de Rádios Comunitárias do Estado do Rio de Janeiro FM Frequência Modulada FNDC Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação

13 FNPDC Frente Nacional por Políticas Democráticas de Comunicação GTI Grupo de Trabalho Interministerial Iboc In-Band-On-Channel MiniCom Ministério das Comunicações OEA Organização dos Estados Americanos SBTVD Sistema Brasileiro de Televisão Digital SICR Sistema Intercontinental de Comunicação Radiofônica

14 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO COMUNICAÇÃO COMUNITÁRIA A comunicação comunitária num mundo globalizado O papel da comunicação comunitária num Brasil latino-americano Reelaborações dos conceitos de comunidade e do local Comunicação para a cidadania e construção da identidade Rádios comunitárias no Brasil: contextualização histórica e conceituação Livres e/ou Comunitárias? A luta pela regulamentação Desafios e perspectivas RÁDIOS COMUNITÁRIAS E AS NOVAS TIC S Contextualização das rádios comunitárias na web O desafio da rádio digital: possibilidade real de democratização do ar O caso da TV/rádio digital no Brasil A entrada no mundo virtual: ampliando o poder de ação ALER e AMARC: unificando o continente latino-americano FNDC e ABRAÇO: unificando o Brasil Rádios comunitárias e a web: ampliando a visibilidade, potencializando as trocas Rede de redes em movimento social Web 2.0: possibilidade de dialogismo radical Redes sociais virtuais: uma organização imanente da cultura Webrários: conceituação e breve histórico Modalidades de rádio na internet Interatividade Percebendo a comunicação como um momento de interação Relação do virtual com o local Processo colaborativo RADIOTUBE: A CIDADANIA POR TODAS AS ONDAS Idealização, concepção e implantação do projeto Radiotube: características gerais Metodologia Resultados da pesquisa Análise de dados Comunicação em um momento de interação Usos e apropriações Desdobramentos das relações do virtual com o local...137

15 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICE ANEXOS...157

16 14 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho entende os meios de comunicação como importantes espaços de disputa política e ideológica, ou seja, instrumentos eficazes para mudança ou permanência de uma determinada configuração de poder no mundo social. Nesse contexto, inserem-se as iniciativas midiáticas pontuais levadas a cabo por grupos de pessoas que almejam uma nova situação política (no sentido amplo que o termo assume), em que suas demandas e necessidades sejam enfim levadas em conta pelas esferas decisórias de poder. São atores sociais que vivem cotidianamente o peso da História e usam a comunicação como instrumento da sua luta política: sob as asas presas do Angelus Novus (BENJAMIN, 1987, p. 222) eles travam uma batalha diária na arena social de sentidos: individualmente suas vozes nem sempre soam alto, mas a teimosa mania da persistência e da solidariedade tende a amplificar suas denúncias. As definições usadas são muitas: mídias comunitárias, alternativas, oposicionistas, populares, contra-hegemônicas, radicais. Há controvérsias quanto ao melhor termo a ser utilizado e essa questão também será levantada ao longo do texto, mas todos apontam para um agir comum: o desejo de alteração da realidade circundante e a expressão de uma visão alternativa às políticas, prioridades e perspectivas hegemônicas (DOWNING, 2002). Com o advento das novas tecnologias de informação e comunicação se tem visto essas mídias ampliarem suas ações, aumentar sua visibilidade e iniciar uma promissora atuação em rede. Nesse contexto, novas mídias surgem e as antigas vão inevitavelmente se transformando, através da convergência dos meios, da renovação da linguagem e de novas formas de vinculação. Seus modos de agir acompanham tal mudança e, para auxiliar no seu entendimento, são necessárias sempre novas abordagens, sob repetidas críticas. O momento contemporâneo é também o de deslocamentos dos espaços tradicionais de construção de consensos hegemônicos, com as corporações midiáticas assumindo um papel cada vez mais preponderante na manutenção do status quo: favorecendo as mesmas classes no poder e a expansão acelerada do capital em todo o globo. Alijadas das benesses da era do capitalismo financeiro, uma multidão de excluídos cresce a cada dia. Mas o que tem sido o propulsor de novos mecanismos de exclusão pode também ser seu freio. A aceleração dos fluxos informativos apresenta dois lados: se uma de suas faces reflete monomorfa o sucesso das corporações, com seus lucros inchados e os Estados aos seus

17 15 serviços, a outra é uma multiface que exibe um sem número de possibilidades e apropriações promissoras para a condição humana. A era do capitalismo financeiro coincide com a era do capitalismo cognitivo (COCCO, 2003): o estabelecimento de redes cooperativas que, ao agilizar os processos produtivos com inovações constantes, também produz um excedente organizativo e informacional capaz de gerar novas propostas solidárias ao tecido social. O que se tem visto é a formação principalmente via internet de redes de atores da sociedade civil organizada que, apesar da multiplicidade de lutas, apresentam como pautas comuns os imperativos do deslocamento do poder, da garantia de direitos e da justiça social. Na sinergia de forças e de ações esses atores se fortalecem, se transformam, se hibridizam, mesmo sob os inevitáveis retrocessos que qualquer processo social implica. É no bojo dessa complexa e cada vez mais intrincada rede contra-hegemônica que se inserem as mídias comunitárias, importantes atores na mobilização social de parcelas da população excluídas das instâncias decisórias, visando à conscientização de sua situação histórica, a promoção de justiça social e o reequilíbrio das forças hegemônicas na região (PERUZZO, 2003). Essas mídias passam a agir de forma cada vez mais desterritorializada e articulada com outros atores sociais, e vão angariando maior legitimidade e força política através de alianças que forjam. Com as rádios comunitárias brasileiras isso não é diferente. Mesmo antes do advento das novas tecnologias de informação e comunicação, as emissoras comunitárias já representavam em si uma rede local analógica de atores sociais comprometidos com a luta pelos direitos civis, sociais e políticos, fundamentais para a existência plena da vida humana. Devido às suas facilidades técnicas e ao baixo custo de implantação, o rádio rapidamente se popularizou entre as parcelas pobres da população brasileira como um meio acessível para produção de seus próprios discursos e espaço propício à articulação política. No ambiente coletivo da rádio comunitária, não só o grupo social se fortalece, mas seus indivíduos adquirem consciência da sua situação sócio-histórica e passam a lutar para alterá-la. Seguindo uma tendência inata de expansão e resistência, essas emissoras e seus aliados na sociedade civil têm feito um interessante uso das novas ferramentas tecnológicas como forma de ampliar sua esfera de ação, angariar maior visibilidade para sua causa e conseguir força política através das trocas com outros atores da sociedade civil organizada. Além disso, vale dizer que no ambiente desregulado da web, as rádios comunitárias podem seguir caminhos mais libertários, sem as amarras de uma lei criada para limitar seu crescimento.

18 16 A indagação que se pretende responder nesse trabalho é: será que os usos e apropriações que as rádios comunitárias têm feito da internet com o estabelecimento de uma rede de alianças com outros atores da sociedade civil (ONGs, associações, jornalistas, entre outros) pode significar para as rádios comunitárias tanto seu fortalecimento quanto o refinamento de seus perfis, reanimando aquela sua motivação política original? É que, com a intensificação das trocas propiciadas pelas novas tecnologias de informação e comunicação, estabelece-se uma relação mais horizontal e direta com a comunidade que exige um processo contínuo de reconhecimento, estranhamento e negociação de suas demandas. Para dar conta dessa problemática e tomando a mídia comunitária como norte, primeiramente fez-se necessário preparar um caminho teórico que guiasse o restante da investigação: o objetivo é que cada item desse segundo capítulo ilumine de antemão os questionamentos que serão levantados no decorrer do trabalho. Para tanto, faz-se necessário uma análise dos papéis desempenhados pela Comunicação Comunitária no mundo contemporâneo e as características que singularizam um veículo como comunitário. Dessa forma, o segundo capítulo deste trabalho vai percorrer autores que têm se debruçado sobre as possibilidades e limites da Comunicação Comunitária no contexto latino-americano, notadamente as significativas contribuições de Cicília Peruzzo e Raquel Paiva. Uma primeira parte desse capítulo vai procurar dar conta do papel de articulação que os veículos comunitários podem desempenhar no mundo globalizado, negociando estímulos globais com a memória e a história local de cada comunidade a qual se insere. Posteriormente, será discutida a atuação dos veículos comunitários como canais de mobilização social, articulando os membros de determinada comunidade em torno de suas demandas cidadãs. Serão também levantadas algumas características norteadoras da definição de um veículo como comunitário. Mais que estabelecer uma demarcação estanque do que é uma mídia comunitária, o objetivo é auxiliar no entendimento de como essa forma peculiar de fazer comunicação aciona subjetividades em torno de demandas locais. Através de pesquisa bibliográfica, será delineada a luta pela regulamentação, que marcou a história das rádios comunitárias no fim do século passado. Em seguida será feita uma análise acerca da situação atual das emissoras comunitárias brasileiras e seus recentes desafios. As rádios comunitárias e o movimento político que as constitui buscam agora a adequação da atual legislação brasileira de radiodifusão comunitária à realidade das emissoras. Serão explicitadas as principais restrições legais e suas implicações no cotidiano das comunidades atendidas pelo serviço de radiodifusão comunitária.

19 17 O terceiro capítulo vai primeiro, a fim de dar conta de um debate atual, apresentar como tem se dado a implantação da rádio digital no Brasil, uma tecnologia capaz de democratizar o espectro eletromagnético. Em seguida, mostrou-se a entrada das rádios comunitárias brasileiras no mundo virtual e a conformação de redes de intercâmbio e cooperação entre essas emissoras e sua teia de apoios na sociedade civil. Também foram apresentados exemplos de organizações da sociedade civil e movimentos sociais que têm utilizado as ferramentas da internet para publicizar suas demandas políticas, organizar atos públicos, pressionar o poder público e até mesmo denunciar atos de repressão e abuso estatal e/ou de polícia. Para esse capítulo foram apresentadas reflexões de diversos autores que se ocupam em analisar a internet e iniciativas em redes sociais, principalmente Lévy e Moraes. A exposição de algumas características, conceitos das rádios na internet, feita no capítulo 3, é uma forma de dar suporte para apresentar, no capítulo seguinte, os usos que as rádios comunitárias têm feito das novas Tecnologias de Informação e Comunicação como forma de driblar determinadas restrições legais e ampliar a visibilidade às suas demandas políticas. No capítulo 4, avaliam-se quais usos as rádios comunitárias integradas à Radiotube - Rede de Cidadania têm feito das ferramentas da internet e as formas e processos de tais apropriações. O Radiotube é um site colaborativo, que se denomina, como sendo feito por e para comunicadores e apaixonados por rádio. Um espaço virtual para que as produções radiofônicas de todo o país possam ser disponibilizadas na rede e utilizadas pelo Brasil afora. O Radiotube surgiu com a evolução da Rede de Cidadania nas Ondas do Rádio, desenvolvida pelo Criar Brasil em 2007, com patrocínio da Petrobras. O projeto conta com jovens correspondentes em diversos pontos do país e uma rede de 635 emissoras de rádio. Com a participação dos jovens, o Criar Brasil produz programas jornalísticos e radionovelas sobre juventude e cidadania. Na avaliação da primeira fase do projeto, mais de 70% dos integrantes da Rede afirmaram ter interesse em disponibilizar suas produções e receber materiais de outras emissoras. Assim, como resposta a uma demanda da rede de rádios, nasceu o Radiotube Rede de Cidadania. O Criar Brasil atualmente possui uma rede com cerca de emissoras de todas as regiões do país. Além da capacitação para comunicadores populares, uma importante linha de ação da entidade tem sido a produção de séries de programas de rádios sobre temas como discriminação racial, prevenção às doenças sexualmente transmissíveis, democracia participativa, campanhas de sensibilização da sociedade civil, saneamento básico, direitos do

20 18 cidadão, economia solidária, entre outros. Os programas são produzidos através da parceria com ministérios, fundações, empresas privadas e entidades da sociedade civil e distribuídos sem custos para as emissoras da rede. O Radiotube (www.radiotube.org.br), objeto de estudo deste trabalho, se define como uma rede social que utiliza o espaço virtual para rádios comunitárias, associações, ativistas de movimentos sociais, comunicadores populares, estudantes, professores, pesquisadores e demais atores da sociedade civil disponibilizarem e trocarem conteúdo informativo com temas ligados à cidadania. Com a web 2.0 (ambiente que aponta uma nova forma de encarar as ferramentas da internet com foco na interatividade e na cooperação), tem-se visto emergir uma nova forma de comunicação contra-hegemônica multidirecional, horizontal e colaborativa capaz de radicalizar o nível de trocas entre os atores sociais. O objetivo da dissertação é apontar possibilidades e discutir perspectivas teóricas que auxiliassem na problematização de uma iniciativa que se propõe a colocar em troca direta atores sociais preocupados com a questão da cidadania: o Radiotube. Através de dois métodos, um quantitativo outro qualitativo, o trabalho avalia as potencialidades e limitações dessa rede social colaborativa cujo foco são as rádios comunitárias. Por fim, na conclusão, procurou-se tecer algumas reflexões acerca do objeto de análise, principalmente quanto às suas limitações, riscos e potencialidades. Houve o cuidado também de apresentar alguns desdobramentos possíveis, a partir da investigação realizada: como qualquer estudo é um recorte, coube indicar o que foi vislumbrado (mesmo que não visitado) a partir do horizonte desta pesquisa.

21 19 2 COMUNICAÇÃO COMUNITÁRIA 2.1 A comunicação comunitária num mundo globalizado Viver num mundo globalizado pode assumir diferentes significados. Depende de que lugar se fala, ou se percebe, ou se inscreve no cenário sócio-político mundial. O escritor espanhol, Jesús Martín-Barbero, comenta o caráter subjetivo da globalização: identificada por alguns como a única grande utopia possível, a de um só mundo compartilhado, e por outros com o mais aterrorizante dos pesadelos, o da substituição dos homens por técnicas e máquinas, a globalização pesa tanto ou mais no plano dos imaginários cotidianos das pessoas do que sobre os processos macrossociais. (MARTÍN-BARBERO, 2003, p. 58). Muniz Sodré (2003, p. 21) tangencia essa abordagem ao dizer que o sentido de uma palavra como globalização ou o comportamento de um ator social em face desse sentido podem variar de um indivíduo para o outro, de uma região para outra, ou mesmo de um curto período de tempo para o outro. Logo nas primeiras páginas de Antropológica do Espelho, Sodré (2003) vai demonstrar sua desconfiança quanto à euforia em torno do termo. Para Sodré, a tão celebrada uniformização da globalização é mais postulado que fato: global seria somente a medida da velocidade do deslocamento de capitais e informações. De qualquer forma, mesmo com apreensões singulares de significados, a globalização é, conforme aponta Bauman (1999), um processo irreversível com centro móvel e flexível e, por isso, afeta a todos. E dentre várias implicações e nuances desse processo em constante devir, um aspecto instigante da globalização é fundamental para este trabalho: o fato de os processos de globalização e localização serem indissociáveis (PAIVA, 1998, p. 23). Mohammed Elhajji, em seu texto Comunicação, Cultura e Conflitos (2005, p. 194), chega a falar de uma correlação dialética ou até paradoxal existente entre o processo de globalização e a tendência generalizada de reterritorialização e de reenraizamentos locais, particulares e transnacionais. Para ele, globalismos e localismos são duas faces do mesmo processo. É como um pequeno Davi que, diante do gigante globalizado, se volta para o território onde pisa e faz uso da arma que se encontra ao seu alcance: a pedra de entendimento que lhe cabe nas mãos, a ferramenta palpável de sobrevivência.

22 20 Raquel Paiva (1998, p. 24) traduz esse artifício contemporâneo ao supor que talvez o indivíduo, ao defrontar-se dentro da globalização com ordens tão variadas, acione uma estrutura que lhe permita reconhecer-se e não ser pulverizado: a estrutura comunitária. Num trabalho em que inaugura o conceito de Comunidade Gerativa, Paiva (2004) afirma que muitos dos nacionalismos e muitos integralismos religiosos insurgem-se nos cenários em que sua identidade é negada dando uma pista de proposta passível de dar conta dessa problemática. Como alternativa a essa instabilidade característica da contemporaneidade, Paiva propõe a Comunidade Gerativa, um conjunto de ações (norteadas pelo propósito do bem comum) passíveis de serem executadas por um grupo e/ou conjunto de cidadãos (...) com ênfase nas ações práticas do quotidiano e da localidade, uma proposta que passa por conceitos como cooperação, solidariedade, tolerância, fraternidade, docilidade, amizade, generosidade e caridade. (PAIVA, 2004, p. 62). A perspectiva inaugurada por Paiva dialoga com a importância que Martín-Barbero (2003) confere a ancoragem territorial, ao defender que é no lugar, no território, que se desenrola a corporeidade da vida cotidiana e a temporalidade a história da ação coletiva (...) mesmo atravessado pelas redes do global, o lugar segue feito dos tecidos das proximidades e das solidariedades. Mais à frente, o autor vai legitimar o local como âmbito onde se reside (e se complementa) a globalização, sua autorrevalorização como direito à autogestão e à memória própria, ambos ligados à capacidade de construir relatos e imagens de identidade. (MARTÍN-BARBERO, 2003, p. 58). Também Hall (2003) fala dessa possibilidade de a globalização levar a um fortalecimento de identidades locais e a produção de novas identidades. Numa coletânea brasileira de seus textos, fica clara a preocupação de Hall em dar conta dos processos e efeitos causados pela migração contemporânea de pessoas e informações. O autor propõe uma análise dialética da differánce, enxergando a diferença como fator essencial ao significado, e o significado como crucial à cultura. Hall não dá as costas para o perigo da homogeneização cultural ambicionada pelo neoliberalismo contemporâneo. Mas aposta na análise de processos que sutilmente descentralizam os modelos ocidentais, subvertendo, traduzindo, negociando e assimilando a diferença. O caráter dialógico global-local fica explícito: hoje o meramente local e o global estão atados um ao outro, não porque este último seja o manejo local dos efeitos essencialmente globais, mas porque cada um é condição de existência para o outro. (HALL, 2003, p. 45). E é a partir dessa perspectiva que chegamos ao papel preponderante que a comunicação comunitária pode desempenhar num mundo globalizado. O veículo comunitário

23 21 pode funcionar como canal de negociação de conflitos ao articular informações e estímulos globais com a memória e a história local, (re) construindo novos relatos, negociando identidades. Importante dizer que a referência é feita àquele veículo comunitário empenhado no desenvolvimento da cidadania e comprometido com as questões sociais, políticas, econômicas e culturais vividas em determinada localidade 1. Além disso, acredita-se ser imprescindível salientar a importância de tal negociação ocorrer necessariamente em mão dupla: tanto o veículo comunitário precisa estar atento às informações externas pertinentes à realidade local quanto deve atuar no incentivo a produção cultural da região, preocupando-se em dar visibilidade a essa produção. E, mais que isso, a própria mídia comunitária deve ser um espaço criativo de atuação instigando a identidade dos indivíduos, provocando a exposição mútua das diferenças. É que o permanente exercício de reconhecimento daquilo que constitui a diferença dos outros acaba por promover o enriquecimento potencial da nossa cultura, e uma exigência de respeito àquilo que, no outro, em sua diferença, há de intransferível, não transigível e inclusive incomunicável. (MARTÍN- BARBERO, 2003, p. 60). A era da globalização é aquela que também assiste a interferência do mercado em todas as esferas da vida, e com as trocas culturais isso não é diferente. Regido pela lógica do lucro, o mercado, além de favorecer e privilegiar a produção cultural das regiões economicamente ricas do planeta, tende a esvaziar as práticas e produtos das culturas tradicionais como as camponesas, indígenas, negras, entre outras. Silenciando os traços mais conflitivamente heterogêneos e desafiantes (...) não haverá outro remédio senão estilizar e banalizar, isto é, simplificar o outro, ou melhor, descomplexizá-lo, torná-lo assimilável sem necessidade de decifrá-lo. (MARTÍN- BARBERO, 2003, p. 72). E é justamente como resposta a esse risco que a proposta da mídia comunitária, centrada na permanente construção da identidade, pode promover uma troca de subjetividades, por ser capaz de oferecer um discurso reflexivo, organizado, aberto e público sobre o próprio grupo, sobre os Outros e sobre o mundo. (ELHAJJI, 2005, p.201). No contexto da globalização, o advento das novas Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs), notadamente a internet, vem potencializando as trocas pelas mídias comunitárias e ampliando a abrangência e visibilidade de suas ações. Hoje em dia, a maior 1 A localidade e a territorialidade devem ser consideradas nesta discussão, mas neste trabalho a ênfase será dada ao ambiente digital, objeto empírico da dissertação, cuja abordagem será exposta no próximo capítulo.

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas CRAS como unidade de gestão local do SUAS 14º Encontro Nacional do Congemas

Leia mais

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Não é fácil situar-nos diante da questão da paz na atual situação do mundo e do nosso país. Corremos o risco ou de negar a realidade ou de não reconhecer o sentido

Leia mais

CAPACITAÇÃO E APOIO AOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS INTERMUNICIPAIS VISANDO FORTALECIMENTO INSTITUCIONAL NA ÁREA DE GESTÃO E PLANEJAMENTO TERRITORIAL

CAPACITAÇÃO E APOIO AOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS INTERMUNICIPAIS VISANDO FORTALECIMENTO INSTITUCIONAL NA ÁREA DE GESTÃO E PLANEJAMENTO TERRITORIAL CAPACITAÇÃO E APOIO AOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS INTERMUNICIPAIS VISANDO FORTALECIMENTO INSTITUCIONAL NA ÁREA DE GESTÃO E PLANEJAMENTO TERRITORIAL Número do Projeto: PRODOC BRA 10/001 Título do Projeto: Observatório

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

3 O Serviço Social no setor de ONGs

3 O Serviço Social no setor de ONGs 3 O Serviço Social no setor de ONGs Uma análise sobre a atuação do assistente social em organizações não governamentais (ONGs) deve partir da reflexão sobre a configuração da sociedade civil brasileira,

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Porto Alegre, RS Brasil 25, 26 e 27 de outubro de 2007 SISTEMATIZAÇÃO DAS MESAS TEMÁTICAS Objetivos

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

Resenha Internet e Participação Política no Brasil

Resenha Internet e Participação Política no Brasil Resenha Internet e Participação Política no Brasil (Orgs. MAIA, Rousiley Celi Moreira; GOMES, Wilson; MARQUES, Paulo Jamil Almeida. Porto Alegre: Ed. Sulina, 2011.) Átila Andrade de CARVALHO 1 A democracia

Leia mais

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 624 A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Fabiane Carniel 1,

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais TRATADO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS E RESPONSABILIDADE GLOBAL CIRCULO DE ESTUDOS IPOG - INSTITUTO DE PÓSGRADUAÇÃO MBA AUDITORIA, PERÍCIA E GA 2011 Princípios Desafios Sugestões 01

Leia mais

Ser jovem é ter arte de inventar... por que pra ser feliz a gente inventa!

Ser jovem é ter arte de inventar... por que pra ser feliz a gente inventa! 1 Ser jovem é ter arte de inventar... por que pra ser feliz a gente inventa! David da Silva Natasha Fonseca (...)ser jovem é viver a vida sim, seja com responsabilidade ou não, mas sempre com muita intensidade,criatividade

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político

ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político Silvio Caccia Bava Silvio Caccia Bava é sociólogo, coordenador executivo do Instituto Pólis e membro do Conselho Nacional de Segurança Alimentar

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

FEC 25 anos: Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Iremos lembrar 2015 como um ano chave no setor do desenvolvimento?

FEC 25 anos: Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Iremos lembrar 2015 como um ano chave no setor do desenvolvimento? SEMINÁRIO INTERNACIONAL REPENSAR O DESENVOLVIMENTO REINVENTAR A COOPERAÇÃO ENQUADRAMENTO : Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Lisboa, 19 de novembro de 2015 Iremos lembrar

Leia mais

II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal

II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal Data: 10 e 11 de dezembro de 2010 Local: UFPR Praça Santos

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

Propriedade intelectual e políticas de comunicação

Propriedade intelectual e políticas de comunicação 1 Fórum Para entender os eixos focais Propriedade intelectual e políticas de comunicação Graça Caldas O texto do prof. Rebouças oferece uma importante revisão histórica sobre os conceitos que permeiam

Leia mais

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO PROREXT/PROJETO DE EXTENSÃO 2008/1 - TERRITÓRIO AFROSUL DESENVOLVENDO O DIÁLOGO ACADEMIA / ONG AFROSUL ATRAVÉS DE TRABALHO COM JOVENS DE COMUNIDADE POPULAR RESUMO Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ²

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011).

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Resenha Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Bruno Ribeiro NASCIMENTO 1 Dominique Wolton costuma nadar contra a corrente: quando os críticos da indústria cultural

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA João Sotero do Vale Júnior ¹ a) apresentação do tema/problema: A questão ambiental está cada vez mais presente no cotidiano da população das nossas cidades, principalmente

Leia mais

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006).

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006). 1 FORMAÇÃO E AÇÃO DO DOCENTE ONLINE RODRIGUES, Tatiana Claro dos Santos UNESA taticlaro@globo.com GT-16: Educação e Comunicação Agência Financiadora: CAPES Introdução As tecnologias da informação e comunicação

Leia mais

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar Ulisses F. Araújo * * Professor Doutor da Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. 1 Um dos objetivos

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 PORTAL DO FÓRUM GOIANO DE EJA: INTERAÇÃO SOCIAL E EDUCAÇÃO EM AMBIENTE VIRTUAL Danielly Cardoso da Silva Karla Murielly Lôpo Leite Maria Emília de Castro Rodrigues O presente texto tem por objetivo apresentar

Leia mais

Page 1 of 6. Capítulo III Educação e Sustentabilidade MEIO AMBIENTE, EDUCAÇÃO E CIDADANIA: DESAFIOS DA MUDANÇA. Pedro Jacobi\USP 1

Page 1 of 6. Capítulo III Educação e Sustentabilidade MEIO AMBIENTE, EDUCAÇÃO E CIDADANIA: DESAFIOS DA MUDANÇA. Pedro Jacobi\USP 1 Page 1 of 6 Capítulo III Educação e Sustentabilidade Para ler o PDF instale o programa leitor, clique aqui. Versão para Impressão em PDF, clique aqui. MEIO AMBIENTE, EDUCAÇÃO E CIDADANIA: DESAFIOS DA MUDANÇA

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALMEIDA GARRETT VILA NOVA DE GAIA CÓDIGO 400798 FORMAÇÃO CÍVICA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALMEIDA GARRETT VILA NOVA DE GAIA CÓDIGO 400798 FORMAÇÃO CÍVICA ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALMEIDA GARRETT VILA NOVA DE GAIA CÓDIGO 400798 FORMAÇÃO CÍVICA Para uma Educação e Formação Social, Humana e Profissional dos alunos da Escola Secundária Almeida Garrett 1. Orientações

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Por que Projetos Sociais?

Por que Projetos Sociais? PROJETOS SOCIAIS Por que Projetos Sociais? Projetos são resultado de uma nova relação entre Estado e Sociedade Civil; Mudanças no que se relaciona à implantação de políticas sociais; Projetos se constroem

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO:

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: Hábitos de Navegação na Internet: será que nossos alunos e educadores navegam com segurança na Internet no Estado do Rio de Janeiro? REALIZAÇÃO:

Leia mais

Attached File: Proposta de Curso para Pós.doc

Attached File: Proposta de Curso para Pós.doc nome: Adilson José Gonçalves enviado_por: professor proposta: Ampliar as discuss~eos sobre o redesenho, apontando para a excelencia, agilidade, flexibilidade e aprofundamento da democratização da instituição.

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

A EDUCAÇÃO QUE PRECISAMOS PARA O MUNDO QUE QUEREMOS

A EDUCAÇÃO QUE PRECISAMOS PARA O MUNDO QUE QUEREMOS A EDUCAÇÃO QUE PRECISAMOS PARA O MUNDO QUE QUEREMOS GT EDUCAÇÃO / RIO+20 O Grupo de Trabalho de Educação consiste em: O Conselho Internacional de Educação de Adultos (ICAE), o Fórum Mundial de Educação

Leia mais

Inclusão digital e a busca por um acesso tecnológico respaldado nos reais interesses dos povos da Amazônia

Inclusão digital e a busca por um acesso tecnológico respaldado nos reais interesses dos povos da Amazônia ARTIGO Inclusão digital e a busca por um acesso tecnológico respaldado nos reais interesses dos povos da Amazônia Ricardo Damasceno Moura RESUMO Este ensaio faz uma análise da importância das tecnologias

Leia mais

A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola

A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola (Mônica Pereira dos Santos) 1 Introdução A perspectiva da relação entre família e escola pouco tem sido tratada na literatura do ponto de vista educacional,

Leia mais

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 Resumo: INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 QUEIROZ, Joyce Duarte joyceduart@hotmail.com QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

Assessoria Social: um trabalho com a dimensão da comunicação institucional no universo da mídia comunitária

Assessoria Social: um trabalho com a dimensão da comunicação institucional no universo da mídia comunitária Assessoria Social: um trabalho com a dimensão da comunicação institucional no universo da mídia comunitária O PORQUÊ E A PROPOSTA DA ASSESSORIA SOCIAL Rafaela Lima Movimentos, grupos e entidades de cunho

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo

Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo Contribuições construídas pelo GT Juventude A avaliação das entidades e grupos que compõe o GT Juventude faz da atuação do Movimento em 2008 é extremamente

Leia mais

Inteligência coletiva e função social da propriedade

Inteligência coletiva e função social da propriedade Apresentação As transformações no modo de produção capitalista rumo a um regime de acumulação global e flexível traduzem-se na fuga para adiante em relação aos aspectos materiais, fixos e territoriais

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

Gestão de tecnologias na escola

Gestão de tecnologias na escola Gestão de tecnologias na escola Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida 1 As tecnologias de informação e comunicação foram inicialmente introduzidas na educação para informatizar as atividades administrativas,

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR É parte de um Sistema Nacional

Leia mais

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA http:///br/resenhas.asp?ed=8&cod_artigo=136 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) (X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA)

PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA) 1 PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA) O presente trabalho trata de uma discussão sobre os aspectos pedagógicos dos programas

Leia mais

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 Juliane Cintra de Oliveira 2 Antônio Francisco Magnoni 2 RESUMO Criado em 2007, o Programa Falando de Política é um projeto de experimentação e extensão cultural em radiojornalismo,

Leia mais

TRABALHO INTERDISCIPLINAR 9º ANO 2013

TRABALHO INTERDISCIPLINAR 9º ANO 2013 TRABALHO INTERDISCIPLINAR 9º ANO 2013 1. Tema As relações interpessoais na atualidade. 2. Delimitação do tema As relações humanas e a socialização. 3. Problema Qual a importância das relações interpessoais

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil.

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. RADIOBRÁS Empresa Brasileira de Comunicação S. A. Diretoria de Gestão de Pessoas e Administração

Leia mais

foto: Ivan Muñoz/Oxfam A educação que precisamos RUMO À para o mundo que queremos GT Educação

foto: Ivan Muñoz/Oxfam A educação que precisamos RUMO À para o mundo que queremos GT Educação foto: Ivan Muñoz/Oxfam A educação que precisamos para o mundo que queremos À A educação que precisamos para o mundo que queremos GT EDUCAÇÃO / RIO+20 O Grupo de Trabalho de Educação consiste em: O Conselho

Leia mais

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3 A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1 RESUMO Thais CASELLI 2 Iluska COUTINHO 3 Universidade Federal de Juiz De Fora, Juiz de Fora, MG Este trabalho verifica como é a

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

Comunicação Comunitária: Uma Análise de Conteúdo do Jornal-Laboratório Portal Comunitário¹

Comunicação Comunitária: Uma Análise de Conteúdo do Jornal-Laboratório Portal Comunitário¹ Comunicação Comunitária: Uma Análise de Conteúdo do Jornal-Laboratório Portal Comunitário¹ RESUMO Vinícius SABINO¹ José TOLEDO² Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, PR Universidade Estadual

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

Aspectos culturais e relações de gênero 1

Aspectos culturais e relações de gênero 1 Aspectos culturais e relações de gênero 1 Objetivo da Aula A questão de gênero realiza-se culturalmente por ideologias que tomam formas específicas em cada momento histórico e, tais formas, estão associadas

Leia mais

IDENTIDADE(S) E GLOBALIZAÇÃO MODERNA

IDENTIDADE(S) E GLOBALIZAÇÃO MODERNA IDENTIDADE(S) E GLOBALIZAÇÃO MODERNA Adriana Pereira de Sousa Mestranda em Sociologia PPGS/UFPB anairda30@ig.com.br Resumo: Este trabalho é resultado das reflexões obtidas a partir das leituras bibliográficas

Leia mais

CIDADANIA DIREITO DE TODOS

CIDADANIA DIREITO DE TODOS CIDADANIA DIREITO DE TODOS Luciana Montes Arruda Universidade Castelo Branco INTRODUÇÃO Com o objetivo de contribuir para a qualidade de vida no estado do Rio, o Sistema FIRJAN criou, em 2010, o SESI Cidadania.

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). ENVELHECIMENTO COMPARTILHADO: PARTICIPAÇÃO DE IDOSAS NO GRUPO DE CONVIVÊNCIA DA COMUNIDADE NOVA PANTANAL Juliana Santos Graciani e Nadia Dumara Ruiz Silveira Pontifícia Universidade Católica- PUC, São

Leia mais

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR Neiva Maestro 1 A participação, sem dúvida, é o principal meio de se assegurar a gestão da escola que se quer democrática. Deve possibilitar

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL Lisandra Marisa Príncepe Faculdade Sumaré lisandra.marisa@sumare.edu.br Juliana Diamente Faculdade Sumaré juliana.diamente@sumare.edu.br RESUMO: Neste texto, discutem-se

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais