GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL GDF SECRETARIA DE ESTADO DE OBRAS PROGRAMA DE SANEAMENTO BÁSICO NO DISTRITO FEDERAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL GDF SECRETARIA DE ESTADO DE OBRAS PROGRAMA DE SANEAMENTO BÁSICO NO DISTRITO FEDERAL"

Transcrição

1 GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL GDF SECRETARIA DE ESTADO DE OBRAS PROGRAMA DE SANEAMENTO BÁSICO NO DISTRITO FEDERAL ACORDO DE EMPRÉSTIMO Nº 1288/OC-BR BID PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA DO DISTRITO FEDERAL Volume 8 Relatório de Produto 4 Diagnóstico do sistema de drenagem TOMO 1 Fevereiro / 2009

2 GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL GDF SECRETARIA DE ESTADO DE OBRAS PROGRAMA DE SANEAMENTO BÁSICO NO DISTRITO FEDERAL ACORDO DE EMPRÉSTIMO Nº 1288/OC-BR BID PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA DO DISTRITO FEDERAL Volume 8 Relatório de Produto 4 Diagnóstico do sistema de drenagem TOMO 1 Fevereiro / 2009

3 Ficha Catalográfica Distrito Federal, Secretaria de Estado de Obras, Plano Diretor de Drenagem Urbana do Distrito Federal Brasília: Concremat Engenharia, 2009 V.8, T.01/07 Conteúdo: 12 V Relatório de Produto 4 Revisão dos Estudos Hidrológicos; Definição da Base de Dados Hidrológicos; Modelagem da Rede de Macrodrenagem; Avaliação do Funcionamento da Rede de Macrodrenagem; Simulações de Funcionamento da Rede Segundo Cenários Preestabelecidos 1. Planejamento. 2. Plano Diretor de Drenagem Urbana. 3. Distrito Federal. I. Concremat Engenharia, II Secretaria de Estado de Obras. III. NOVACAP CDU 556:711.4

4 SUMÁRIO TOMO 1 APRESENTAÇÃO... VI LISTA DE FIGURAS... VII LISTA DE TABELAS... XXIII LISTA DE QUADROS... XXIII LISTA DE ANEXOS... XXV LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS... XXVI 1 ASPECTOS GERAIS Principais Características do Contrato Identificação da Área de Abrangência do Trabalho Resumo deste relatório REVISÃO DOS ESTUDOS HIDROLÓGICOS Introdução Estudos existentes sobre drenagem urbana Análise das relações IDF existentes Levantamento histórico de ocorrências de inundações Relação entre inundações e doenças Registros de doenças de notificação obrigatória Doenças de veiculação hídrica Relação entre doenças de notificação obrigatória e enchentes no DF DEFINIÇÃO DA BASE DE DADOS HIDROLÓGICOS Introdução Análise das séries de precipitação disponíveis Determinação da curva IDF do Distrito Federal para projetos de drenagem urbana Discretização das bacias hidrográficas para a modelagem hidrológica-hidráulica Parâmetros da modelagem hidrológica Cenários de simulação Tempo de concentração Estimativa do parâmetro CN do método da Curva Número do SCS Hietogramas de projeto MODELAGEM DA REDE DE MACRODRENAGEM Modelagem hidrológica Modelagem hidráulica Storm Water Management Model (SWMM) Representação topológica dos sistemas de macrodrenagem I

5 4.3 Resultados da modelagem hidrológica -hidráulica SIMULAÇÕES DO FUNCIONAMENTO DA REDE SEGUNDO CENÁRIOS PREESTABELECIDOS Introdução Definição do cenário futuro de ocupação do solo TOMO 2 6 BACIA ELEMENTAR LAGO DESCOBERTO Brazlândia Resultados da simulação hidráulica no cenário de diagnóstico de Brazlândia Análise dos resultados de diagnóstico de Brazlândia Resultados da simulação hidráulica no cenário de prognóstico de Brazlândia Análise dos resultados de prognóstico de Brazlândia Núcleo Rural Alexandre Gusmão - Incra Resultados da simulação hidráulica no cenário de diagnóstico do Núcleo Rural Alexandre Gusmão - Incra Análise dos resultados de diagnóstico do Núcleo Rural Alexandre Gusmão - Incra Resultados da simulação hidráulica no cenário de prognóstico do Núcleo Rural Alexandre Gusmão - Incra Análise dos resultados de prognóstico do Núcleo Rural Alexandre Gusmão - Incra BACIA ELEMENTAR MELCHIOR/BELCHIOR Ceilândia Resultados da simulação hidráulica no cenário de diagnóstico de Ceilândia Análise dos resultados de diagnóstico de Ceilândia Resultados da simulação hidráulica no cenário de prognóstico de Ceilândia Análise dos resultados de prognóstico de Ceilândia Taguatinga Resultados da simulação hidráulica no cenário de diagnóstico de Taguatinga Análise dos resultados de diagnóstico de Taguatinga Resultados da simulação hidráulica no cenário de prognóstico de Taguatinga Análise dos resultados de prognóstico de Taguatinga Samambaia Resultados da simulação hidráulica no cenário de diagnóstico de Samambaia Análise dos resultados de diagnóstico de Samambaia Resultados da simulação hidráulica no cenário de prognóstico de Samambaia Análise dos resultados de prognóstico de Samambaia TOMO 3 8 BACIA ELEMENTAR ALAGADO/PONTE ALTA Recanto das Emas Resultados da simulação hidráulica no cenário de diagnóstico de Recanto das Emas Análise dos resultados de diagnóstico de Recanto das Emas Resultados da simulação hidráulica no cenário de prognóstico de Recanto das Emas II

6 8.1.4 Análise dos resultados de prognóstico de Recanto das Emas Gama Resultados da simulação hidráulica no cenário de diagnóstico do Gama Análise dos resultados de diagnóstico do Gama Resultados da simulação hidráulica no cenário de prognóstico do Gama Análise dos resultados de prognóstico do Gama BACIA ELEMENTAR SANTA MARIA Santa Maria Resultados da simulação hidráulica no cenário de diagnóstico de Santa Maria Análise dos resultados de diagnóstico de Santa Maria Resultados da simulação hidráulica no cenário de prognóstico de Santa Maria Análise dos resultados de prognóstico de Santa Maria TOMO 4 10 BACIA ELEMENTAR RIACHO FUNDO Riacho Fundo I Resultados da simulação hidráulica no cenário de diagnóstico de Riacho Fundo I Análise dos resultados de diagnóstico de Riacho Fundo I Resultados da simulação hidráulica no cenário de prognóstico de Riacho Fundo I Análise dos resultados de prognóstico de Riacho Fundo I Riacho Fundo II Resultados da simulação hidráulica no cenário de diagnóstico de Riacho Fundo II Análise dos resultados de diagnóstico de Riacho Fundo II Resultados da simulação hidráulica no cenário de prognóstico de Riacho Fundo II Análise dos resultados de prognóstico de Riacho Fundo II Guará I Resultados da simulação hidráulica no cenário de diagnóstico de Guará I Análise dos resultados de diagnóstico de Guará I Resultados da simulação hidráulica no cenário de prognóstico de Guará I Análise dos resultados de prognóstico de Guará I Guará II Resultados da simulação hidráulica no cenário de diagnóstico de Guará II Análise dos resultados de diagnóstico de Guará II Resultados da simulação hidráulica no cenário de prognóstico de Guará II Análise dos resultados de prognóstico de Guará II Núcleo Bandeirante Resultados da simulação hidráulica no cenário de diagnóstico de Núcleo Bandeirante Análise dos resultados de diagnóstico de Núcleo Bandeirante Resultados da simulação hidráulica no cenário de prognóstico de Núcleo Bandeirante Análise dos resultados de prognóstico de Núcleo Bandeirante TOMO 5 11 BACIA ELEMENTAR LAGO PARANOÁ Cruzeiro Resultados da simulação hidráulica no cenário de diagnóstico do Cruzeiro Análise dos resultados de diagnóstico do Cruzeiro III

7 Resultados da simulação hidráulica no cenário de prognóstico do Cruzeiro Análise dos resultados de prognóstico do Cruzeiro Plano Piloto Resultados da simulação hidráulica no cenário de diagnóstico do Plano Piloto Análise dos resultados de diagnóstico do Plano Piloto Resultados da simulação hidráulica no cenário de prognóstico do Plano Piloto Análise dos resultados de prognóstico do Plano Piloto Paranoá Resultados da simulação hidráulica no cenário de diagnóstico do Paranoá Análise dos resultados de diagnóstico do Paranoá Resultados da simulação hidráulica no cenário de prognóstico do Paranoá Análise dos resultados de prognóstico do Paranoá BACIA ELEMENTAR SANTA MARIA/TORTO Taquari Resultados da simulação hidráulica no cenário de diagnóstico do Taquari Análise dos resultados de diagnóstico do Taquari Resultados da simulação hidráulica no cenário de prognóstico do Taquari Análise dos resultados de prognóstico do Taquari TOMO 6 13 BACIA ELEMENTAR PAPUDA São Sebastião Resultados da simulação hidráulica no cenário de diagnóstico de São Sebastião Análise dos resultados de diagnóstico de São Sebastião Resultados da simulação hidráulica no cenário de prognóstico de São Sebastião Análise dos resultados de prognóstico de São Sebastião BACIA ELEMENTAR SOBRADINHO Sobradinho Resultados da simulação hidráulica no cenário de diagnóstico de Sobradinho Análise dos resultados de diagnóstico de Sobradinho Resultados da simulação hidráulica no cenário de prognóstico de Sobradinho Análise dos resultados de prognóstico de Sobradinho BACIA ELEMENTAR MESTRE D ARMAS Planaltina Resultados da simulação hidráulica no cenário de diagnóstico de Planaltina Análise dos resultados de diagnóstico de Planaltina Resultados da simulação hidráulica no cenário de prognóstico de Planaltina Análise dos resultados de prognóstico de Planaltina BACIA ELEMENTAR PIPIRIPAU Vale do Amanhecer Resultados da simulação hidráulica no cenário de diagnóstico de Vale do Amanhecer Análise dos resultados de diagnóstico de Vale do Amanhecer Resultados da simulação hidráulica no cenário de prognóstico de Vale do Amanhecer Análise dos resultados de prognóstico de Vale do Amanhecer EQUIPE TÉCNICA E DE APOIO IV

8 17.1 Governo do Distrito Federal GDF Secretaria de Estado de Obras Equipe de coordenação e apoio da contratante Concremat Engenharia BIBLIOGRAFIA TOMO 7 ANEXOS V

9 APRESENTAÇÃO O Plano Diretor de Drenagem Urbana do Distrito Federal, objeto do contrato nº 037/08 firmado entre a Secretaria de Obras do DF e a Concremat Engenharia, tem como finalidades principais, entre outras: 1) a definição de diretrizes institucionais visando estabelecer condições de sustentabilidade para as políticas de drenagem urbana, 2) a caracterização das condições de funcionamento hidráulico das tubulações, galerias, canais a céu aberto, canais naturais, dispositivos de captação e conexão entre redes e de dissipação de energia, bueiros e pontes, 3) as proposições, em nível de anteprojeto, de obras de curto, médio e longo prazo necessário para equacionamento dos problemas encontrados na macrodrenagem urbana. O Relatório Final do Plano Diretor de Drenagem Urbana - DF, no qual são abordadas as questões acima mencionadas, é composto por 12 volumes, separados de acordo com a natureza dos estudos apresentados em relatórios de andamento e de produto. Este Relatório Técnico corresponde ao volume 8 que apresenta o resultado do módulo de Diagnóstico do Atual Sistema de Drenagem focando nas atividades Revisão dos Estudos Hidrológicos, em particular os estudos sobre as chuvas intensas no DF, Definição da Base de Dados Hidrológicos, Modelagem da Rede de Macrodrenagem, Avaliação do Funcionamento da Rede de Macrodrenagem e Simulações do funcionamento da Rede Segundo Cenários Preestabelecidos. Inicialmente, são descritas as características principais do contrato, a área de abrangência dos trabalhos, os objetivos e o escopo dos estudos, bem como os conteúdos do presente Relatório Técnico. Celso Queiroz Coordenador VI

10 LISTA DE FIGURAS TOMO 1 Figura 2.1. Valores de precipitação do posto de Formosa obtidos do estudo de Pfafstetter, ajuste de uma equação e da equação de Brasília: percebe-se que esta última se ajusta bem a valores até pouco acima de 100 mm, correspondente ao Tempo de retorno de no máximo 5 anos (FONTE: TCBR, 2008) Figura 2.2. Parâmetro G da equação IDF apresentada por TCBR (2008) Figura 2.3. Ilustração das doenças de veiculação hídrica mais conhecidas e seus vetores (FONTE: COUTO, 2008) Figura 2.4. Gastos em saúde e saneamento no Brasil como percentagem do PIB. FONTE: (FGV, 2007) Figura 2.5. Registro oportuno de doenças de notificação obrigatória no DF Figura 2.6. Dados totais mensais de chuvas e máximo diário observado em cada mês no posto da sede da Agencia Nacional de Águas (Código ANA/ANEEL ) Figura 3.1. Dados básicos necessários a elaboração de um Plano Diretor de Drenagem Urbana Figura 3.2. Localização dos postos pluviométricos levantados para este estudo. (Fonte: Google Earth e Hidroweb) Figura 3.3. Períodos efetivos com dados nos postos pluviométricos do Distrito Federal Figura 3.4. Localização dos postos pluviométricos com 20 ou mais anos de dados no Distrito Federal Figura 3.5. Precipitação mensal média nos diferentes postos pluviométricos do Distrito Federal Figura 3.6. Precipitações médias máximas anuais adimensionalizadas com relação a sua média ao longo dos anos Figura 3.7. Localização do posto pluviográfico do INMET Figura 3.8. Exemplos de pluviogramas disponibilizados Figura 3.9. Ajuste da relação IDF determinada aos dados observados e comparação com as IDF atualmente utilizadas em drenagem urbana no DF Figura Gráfico da relação Intensidade-Duração-Frequência proposta para o Distrito Federal Figura Resultados da simulação de uma bacia de 1 km 2 com CN=90 e tempo de concentração de 30 minutos para cada uma das IDFs do Distrito Federal Figura Curva IDF e precipitação ocorrida em 28 de novembro de 2008: alagamentos registrados pela equipe do PDDU Figura Densidades demográficas previstas no PDOT (2008) para o Distrito Federal Figura Densidades demográficas utilizadas para a determinação do parâmetro CN Figura Polígonos de áreas impermeáveis para o cenário de prognóstico previsto no PDOT Figura Polígonos de áreas impermeáveis para o cenário de diagnóstico determinado a partir do uso atual do solo Figura Taxa média de impermeabilidade para o cenário de prognóstico VII

11 Figura Relações CN x área impermeável em zonas urbanas para os grupos de solo do SCS condição de umidade antecedente II (Fonte: adaptado do SCS, 1957) Figura Exemplo de imagem do satélite ALOS sensor PRISM (resolução de 2,5 m) utilizado para a determinação de taxa de impermeabilidade do solo Figura Exemplo do produto da classificação da imagem ALOS para a determinação da taxa média de impermeabilidade do solo nas zonas urbanas do Distrito Federal Figura Amostra da classificação do uso da terra contida no PGIRH (2001) utilizando imagens LANDSAT TM E ETM Figura Hietograma de projeto para uma chuva com 2 anos de período de recorrência a partir da IDF apresentada nesse estudo para o DF Figura Hietograma de projeto para uma chuva com 5 anos de período de recorrência a partir da IDF apresentada nesse estudo para o DF Figura 3.24.Hietograma de projeto para uma chuva com 10 anos de período de recorrência a partir da IDF apresentada nesse estudo para o DF Figura Hietograma de projeto para uma chuva com 25 anos de período de recorrência a partir da IDF apresentada nesse estudo para o DF Figura 4.1. Hidrograma unitário sintético triangular do SCS Figura 4.2. Hidrogramas de projeto das sub-bacias de simulação das macrobacias 1 a 3 do núcleo urbano de Planaltina TR = 2 anos diagnóstico Figura 5.1. Densidades populacionais dos setores censitários do IBGE (2000) para as áreas onde a densidade é maior que zero Figura 5.2. Relação densidade populacional x taxa de área impermeável para o Distrito Federal Figura 5.3. Relação entre área impermeável e densidade populacional para Campo Grande (PCG, 2008) TOMO 2 Figura 6.1. Localização de Brazlândia no Distrito Federal (Fonte: Google Earth, 2009) Figura 6.2. Divisão de Brazlândia em macrobacias (Fonte: Google Earth, 2009) Figura 6.3. Imagem de satélite da região de Brazlândia com traçado esquemático das redes existentes Figura 6.4. Divisão das macrobacias de Brazlândia em sub-bacias Figura 6.5. Esquema de representação dos sistemas das macrobacias de Brazlândia no programa SWMM Figura 6.6. Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Brazlândia Figura 6.7. Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Brazlândia Figura 6.8. Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Brazlândia Figura 6.9. Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Brazlândia Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de diagnóstico Brazlândia VIII

12 Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Brazlândia Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Brazlândia Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Brazlândia Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Brazlândia Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de prognóstico Brazlândia Figura Potenciais locais para implantação de reservatórios de detenção em Brazlândia Figura Localização do Incra 08 no Distrito Federal (Fonte: Google Earth, 2009) Figura Delimitação da macrobacia do Incra (Fonte: Google Earth, 2009) Figura Imagem de satélite da região do Incra com traçado esquemático das redes existentes Figura Divisão da macrobacia do Incra em sub-bacias Figura Esquema de representação do sistema da macrobacia do Incra no programa SWMM Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Incra Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Incra Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Incra Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Incra Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto Incra Figura Nível da água máximo na galeria que drena as águas da macrobacia do Incra, entre os PVs 7.6 e 22.1, para TR 10 anos Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Incra Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Incra Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Incra Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Incra Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de prognóstico Incra Figura Volumes afluentes totais nos cenários de diagnóstico e prognóstico - Incra Figura Volumes excedentes totais nos cenários de diagnóstico e prognóstico- Incra Figura 7.1. Localização de Ceilândia no Distrito Federal (Fonte: Google Earth, 2009) Figura 7.2. Divisão de Ceilândia em macrobacias (Fonte: Google Earth, 2009) Figura 7.3. Imagem de satélite da região de Ceilândia com traçado esquemático das redes existentes IX

13 Figura 7.4. Divisão das macrobacias de Ceilândia em sub-bacias Figura 7.5. Esquema de representação dos sistemas das macrobacias de Ceilândia no programa SWMM Figura 7.6. Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Ceilândia Figura 7.7. Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Ceilândia Figura 7.8. Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Ceilândia Figura 7.9. Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Ceilândia Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de diagnóstico Ceilândia Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Ceilândia Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Ceilândia Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Ceilândia Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Ceilândia Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de prognóstico Ceilândia Figura Potenciais locais para implantação de reservatórios de detenção em Ceilândia Figura Localização de Taguatinga no Distrito Federal (Fonte: Google Earth, 2009) Figura Divisão de Taguatinga em macrobacias (Fonte: Google Earth, 2009) Figura Imagem de satélite da região de Taguatinga com traçado esquemático das redes existentes Figura Divisão das macrobacias de Taguatinga em sub-bacias Figura Esquema de representação dos sistemas das macrobacias de Taguatinga no programa SWMM Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Taguatinga Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Taguatinga Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Taguatinga Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Taguatinga Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de diagnóstico Taguatinga Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Taguatinga Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Taguatinga X

14 Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Taguatinga Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Taguatinga Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de prognóstico Taguatinga Figura Potenciais locais para implantação de reservatórios de detenção em Taguatinga Figura Localização de Samambaia no Distrito Federal (Fonte: Google Earth, 2009) Figura Divisão de Samambaia em macrobacias (Fonte: Google Earth, 2009) Figura Imagem de satélite da região de Samambaia com traçado esquemático das redes existentes Figura Divisão das macrobacias de Samambaia em sub-bacias Figura Esquema de representação dos sistemas das macrobacias de Samambaia no programa SWMM Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Samambaia Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Samambaia Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Samambaia Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Samambaia Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de diagnóstico Samambaia Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Samambaia Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Samambaia Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Samambaia Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Samambaia Figura Perfil longitudinal da galeria principal na macrobacia 4, mostrando o comprometimento da capacidade hidráulica para um evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Samambaia Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de prognóstico Samambaia Figura Potenciais locais para implantação de reservatórios de detenção em Samambaia TOMO 3 Figura 8.1. Localização de Recanto das Emas no Distrito Federal (Fonte: Google Earth, 2009) Figura 8.2. Divisão de Recanto das Emas em macrobacias (Fonte: Google Earth, 2009) XI

15 Figura 8.3. Imagem de satélite da região de Recanto das Emas com traçado esquemático das redes existentes Figura 8.4. Divisão das macrobacias de Recanto das Emas em sub-bacias Figura 8.5. Esquema de representação dos sistemas das macrobacias de Recanto das Emas no programa SWMM Figura 8.6. Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Recanto das Emas Figura 8.7. Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Recanto das Emas Figura 8.8. Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Recanto das Emas Figura 8.9. Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Recanto das Emas Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de diagnóstico Recanto das Emas Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Recanto das Emas Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Recanto das Emas Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Recanto das Emas Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Recanto das Emas Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de prognóstico Recanto das Emas Figura Potenciais locais para implantação de reservatórios de detenção em Recanto das Emas Figura Localização do Gama no Distrito Federal (Fonte: Google Earth, 2009) Figura Divisão do Gama em macrobacias (Fonte: Google Earth, 2009) Figura Imagem de satélite da região do Gama com traçado esquemático das redes existentes Figura Divisão das macrobacias do Gama em sub-bacias Figura Esquema de representação dos sistemas das macrobacias do Gama no programa SWMM Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Gama Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Gama Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Gama Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Gama Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de diagnóstico Gama Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Gama XII

16 Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Gama Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Gama Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Gama Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de prognóstico Gama Figura Potenciais locais para implantação de reservatórios de detenção no Gama Figura 9.1. Localização de Santa Maria no Distrito Federal (Fonte: Google Earth, 2009) Figura 9.2. Divisão de Santa Maria em macrobacias (Fonte: Google Earth, 2009) Figura 9.3. Imagem de satélite da região de Santa Maria com traçado esquemático das redes existentes Figura 9.4. Divisão das macrobacias de Santa Maria em sub-bacias Figura 9.5. Esquema de representação dos sistemas das macrobacias de Santa Maria no programa SWMM Figura 9.6. Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Santa Maria Figura 9.7. Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Santa Maria Figura 9.8. Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Santa Maria Figura 9.9. Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Santa Maria Figura Perfil longitudinal da rede de macrodrenagem ao longo da AC 116, QR 118, QR 318, Av. Santa Maria e coletor lateral ao Ribeirão Santa Maria, para o evento com 10 anos de período de recorrência - cenário de diagnóstico Santa Maria Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de diagnóstico Santa Maria Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Santa Maria Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Santa Maria Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Santa Maria Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Santa Maria Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de prognóstico Santa Maria Figura Potenciais locais para implantação de reservatórios de detenção em Santa Maria TOMO 4 Figura Localização de Riacho Fundo I no Distrito Federal (Fonte: Google Earth, 2009) XIII

17 Figura Divisão de Riacho Fundo I em macrobacias (Fonte: Google Earth, 2009) Figura Imagem de satélite da região de Riacho Fundo I com traçado esquemático das redes existentes Figura Divisão das macrobacias de Riacho Fundo I em sub-bacias Figura Esquema de representação dos sistemas das macrobacias de Riacho Fundo I no programa SWMM Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Riacho Fundo I Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Riacho Fundo I Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Riacho Fundo I Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Riacho Fundo I Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de diagnóstico Riacho Fundo I Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Riacho Fundo I Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Riacho Fundo I Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Riacho Fundo I Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Riacho Fundo I Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de prognóstico Riacho Fundo I Figura Potenciais locais para implantação de reservatórios de detenção em Riacho Fundo I Figura Localização de Riacho Fundo II no Distrito Federal (Fonte: Google Earth, 2009) Figura Divisão de Riacho Fundo II em macrobacias (Fonte: Google Earth, 2009) Figura Imagem de satélite da região de Riacho Fundo II com traçado esquemático das redes existentes Figura Divisão das macrobacias de Riacho Fundo II em sub-bacias Figura Esquema de representação dos sistemas das macrobacias de Riacho Fundo II no programa SWMM Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Riacho Fundo II Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Riacho Fundo II Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Riacho Fundo II Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Riacho Fundo II Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de diagnóstico Riacho Fundo II XIV

18 Figura Perfil longitudinal das redes de macrodrenagem da macrobacia 2 em Riacho Fundo II, desde o extremo Sul até o lançamento no córrego Riacho Fundo para o evento com 10 anos de recorrência, cenário de diagnóstico Figura Perfil longitudinal das redes de macrodrenagem da macrobacia 3 em Riacho Fundo II, desde Av. Central, continuação da Av. Recanto das Emas, Av. do Contorno, até o lançamento no córrego Riacho Fundo para o evento com 10 anos de recorrência, cenário de diagnóstico Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Riacho Fundo II Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Riacho Fundo II Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Riacho Fundo II Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Riacho Fundo II Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de prognóstico Riacho Fundo II Figura Potenciais locais para implantação de reservatórios de detenção em Riacho Fundo II Figura Localização de Guará I no Distrito Federal (Fonte: Google Earth, 2009) Figura Divisão de Guará I em macrobacias (Fonte: Google Earth, 2009) Figura Imagem de satélite da região de Guará I com traçado esquemático das redes existentes Figura Divisão das macrobacias de Guará I em sub-bacias Figura Esquema de representação dos sistemas das macrobacias de Guará I no programa SWMM Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Guará I Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Guará I Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Guará I Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Guará I Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de diagnóstico Guará I Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Guará I Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Guará I Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Guará I Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Guará I Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de prognóstico Guará I XV

19 Figura Potenciais locais para implantação de reservatórios de detenção em Guará I Figura Localização de Guará II no Distrito Federal (Fonte: Google Earth, 2009) Figura Divisão de Guará II em macrobacias (Fonte: Google Earth, 2009) Figura Imagem de satélite da região de Guará II com traçado esquemático das redes existentes Figura Divisão das macrobacias de Guará II em sub-bacias Figura Esquema de representação dos sistemas das macrobacias de Guará II no programa SWMM Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Guará II Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Guará II Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Guará II Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Guará II Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de diagnóstico Guará II Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Guará II Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Guará II Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Guará II Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Guará II Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de prognóstico Guará II Figura Potenciais locais para implantação de reservatórios de detenção em Guará II Figura Localização de Núcleo Bandeirante no Distrito Federal (Fonte: Google Earth, 2009) Figura Divisão de Núcleo Bandeirante em macrobacias (Fonte: Google Earth, 2009) Figura Imagem de satélite da região de Núcleo Bandeirante com traçado esquemático das redes existentes Figura Divisão das macrobacias de Núcleo Bandeirante em sub-bacias Figura Esquema de representação dos sistemas das macrobacias de Núcleo Bandeirante no programa SWMM Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Núcleo Bandeirante Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Núcleo Bandeirante Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Núcleo Bandeirante XVI

20 Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Núcleo Bandeirante Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de diagnóstico Núcleo Bandeirante Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Núcleo Bandeirante Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Núcleo Bandeirante Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Núcleo Bandeirante Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Núcleo Bandeirante Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de prognóstico Núcleo Bandeirante Figura Potenciais locais para implantação de reservatórios de detenção em Núcleo Bandeirante TOMO 5 Figura Localização do Cruzeiro no Distrito Federal (Fonte: Google Earth, 2009) Figura Divisão do Cruzeiro em macrobacias (Fonte: Google Earth, 2009) Figura Imagem de satélite da região de Cruzeiro com traçado esquemático das redes existentes Figura Divisão das macrobacias do Cruzeiro em sub-bacias Figura Esquema de representação dos sistemas das macrobacias do Cruzeiro no programa SWMM Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Cruzeiro Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Cruzeiro Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Cruzeiro Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Cruzeiro Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de diagnóstico Cruzeiro Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Cruzeiro Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Cruzeiro Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Cruzeiro Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Cruzeiro Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de prognóstico Cruzeiro XVII

21 Figura Potenciais locais para implantação de reservatórios de detenção no Cruzeiro Figura Localização do Plano Piloto no Distrito Federal (Fonte: Google Earth, 2009) Figura Divisão do Plano Piloto em macrobacias (Fonte: Google Earth, 2009) Figura Imagem de satélite da região de Plano Piloto com traçado esquemático das redes existentes Figura Divisão das macrobacias do Plano Piloto em sub-bacias Figura Esquema de representação dos sistemas das macrobacias do Plano Piloto no programa SWMM Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Plano Piloto Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Plano Piloto Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Plano Piloto Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Plano Piloto Figura Perfil longitudinal da rede de macrodrenagem principal da macrobacia 14 do Plano Piloto, mostrando a linha d água para um evento com 2 anos de recorrência no cenário de diagnóstico Figura Perfil longitudinal da rede de macrodrenagem norte da macrobacia 26 do Plano Piloto, mostrando a linha d água para um evento com 10 anos de recorrência no cenário de diagnóstico Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de diagnóstico Plano Piloto Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Plano Piloto Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Plano Piloto Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Plano Piloto Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Plano Piloto Figura Perfil longitudinal da rede de macrodrenagem norte da macrobacia 26 do Plano Piloto, mostrando a linha d água para um evento com 10 anos de recorrência no cenário de prognóstico Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de prognóstico Plano Piloto Figura Potenciais locais para implantação de reservatórios de detenção no Plano Piloto Figura Localização do Paranoá no Distrito Federal (Fonte: Google Earth, 2009) Figura Divisão do Paranoá em macrobacias (Fonte: Google Earth, 2009) Figura Imagem de satélite da região de Paranoá com traçado esquemático das redes existentes Figura Divisão das macrobacias do Paranoá em sub-bacias XVIII

22 Figura Esquema de representação dos sistemas das macrobacias do Paranoá no programa SWMM Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Paranoá Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Paranoá Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Paranoá Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Paranoá Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de diagnóstico Paranoá Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Paranoá Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Paranoá Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Paranoá Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Paranoá Figura Locais com volumes excedentes em função do evento de projeto, cenário de prognóstico Paranoá Figura Potenciais locais para implantação de reservatórios de detenção no Paranoá Figura Localização do Taquari no Distrito Federal (Fonte: Google Earth, 2009) Figura Divisão do Taquari em macrobacias (Fonte: Google Earth, 2009) Figura Imagem de satélite da região de Taquari com traçado esquemático das redes existentes Figura Divisão das macrobacias do Taquari em sub-bacias Figura Esquema de representação dos sistemas das macrobacias do Taquari no programa SWMM Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Taquari Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Taquari Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 10 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Taquari Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 25 anos de recorrência e 24 horas de duração, diagnóstico Taquari Figura Nível da água máximo na galeria 1-2 que drena as águas da macrobacia 1 de Taquari cenário de diagnóstico, evento TR=10 anos Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 2 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Taquari Figura Comprometimento da capacidade das galerias para o evento com 5 anos de recorrência e 24 horas de duração, prognóstico Taquari XIX

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. 19ª Edição Comercial - Janeiro de 2012

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. 19ª Edição Comercial - Janeiro de 2012 Boletim de Conjuntura Imobiliária 19ª Edição Comercial - Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard, Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult Consultoria

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Versão Comercial - Outubro de 2010

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Versão Comercial - Outubro de 2010 Comercialização No mês de outubro, foram analisados 18.164 imóveis destinados à comercialização, contemplados em imóveis residenciais e comerciais. Na amostra, a participação dos imóveis residenciais obteve

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Versão Comercial - Novembro de 2010

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Versão Comercial - Novembro de 2010 O Censo Demográfico 2010 e o mercado do DF Boletim de Conjuntura Imobiliária Alguns resultados do último recenseamento feito pelo IBGE foram divulgados. Os dados mostram que o Distrito Federal registrou

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. 11ª Edição Comercial - Maio de 2011. Custo do metro quadrado na construção no DF em maio foi de R$873,43

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. 11ª Edição Comercial - Maio de 2011. Custo do metro quadrado na construção no DF em maio foi de R$873,43 Boletim de Conjuntura Imobiliária 11ª Edição Comercial - Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard, Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult Consultoria

Leia mais

Quadro 4.3 - Relação de chuvas de diferentes durações. Valor Médio Obtido pelo DNOS. 5 min / 30 min 0,34 1 h / 24 h 0,42

Quadro 4.3 - Relação de chuvas de diferentes durações. Valor Médio Obtido pelo DNOS. 5 min / 30 min 0,34 1 h / 24 h 0,42 Determinação da Intensidade de Chuva Para obtenção das intensidades de chuvas de curta duração, em função de diversos tempos de recorrência, aplicaram-se procedimentos a seguir descritos: Primeiramente

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Especialistas descartam uma possível bolha imobiliária. 38ª Edição Comercial Agosto de 2013 de 2012

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Especialistas descartam uma possível bolha imobiliária. 38ª Edição Comercial Agosto de 2013 de 2012 + Boletim de Conjuntura Imobiliária 38ª Edição Comercial de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult

Leia mais

OPORTUNIDADE DE ESTÁGIO

OPORTUNIDADE DE ESTÁGIO OPORTUNIDADE DE ESTÁGIO Para participar deste processo seletivo entre em contato conosco no número: 61 3048-0044 OU 61 3346 6738 de 10:00 as 12:00 horas e das 14:00 as 18:00 horas e AGENDE SUA ENTREVISTA

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA nº 334, de 3 de abril de 2003 Publicada no DOU n o 94, de 19 de maio de 2003, Seção 1, páginas 79-80

RESOLUÇÃO CONAMA nº 334, de 3 de abril de 2003 Publicada no DOU n o 94, de 19 de maio de 2003, Seção 1, páginas 79-80 RESOLUÇÃO CONAMA nº 334, de 3 de abril de 2003 Publicada no DOU n o 94, de 19 de maio de 2003, Seção 1, páginas 79-80 Dispõe sobre os procedimentos de licenciamento ambiental de estabelecimentos destinados

Leia mais

Comprar ou alugar? Especialistas falam sobre as vantagens de cada opção.

Comprar ou alugar? Especialistas falam sobre as vantagens de cada opção. + Boletim de Conjuntura Imobiliária 63ª Edição Comercial de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult Consultoria

Leia mais

ESTUDO DE UM RESERVATÓRIO DE DETENÇÃO ATRAVÉS DE MODELAGEM HIDRODINÂMICA. Marllus Gustavo F. P. das Neves, Rutinéia Tassi e Adolfo O. N.

ESTUDO DE UM RESERVATÓRIO DE DETENÇÃO ATRAVÉS DE MODELAGEM HIDRODINÂMICA. Marllus Gustavo F. P. das Neves, Rutinéia Tassi e Adolfo O. N. ESTUDO DE UM RESERVATÓRIO DE DETENÇÃO ATRAVÉS DE MODELAGEM HIDRODINÂMICA Marllus Gustavo F. P. das Neves, Rutinéia Tassi e Adolfo O. N. Villanueva 1 Resumo Os reservatórios de detenção apresentam-se hoje

Leia mais

Anexo XI. Demonstrativo dos Recursos Destinados a Investimentos por Órgão. Fiscal 5.176.791.354 154.831.221 1.942.922.708 7.274.545.

Anexo XI. Demonstrativo dos Recursos Destinados a Investimentos por Órgão. Fiscal 5.176.791.354 154.831.221 1.942.922.708 7.274.545. Anexo XI GOVERNO DO DISTRITO 1 01 - CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO 01101 - CAMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO 02 - TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO 02101 - TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO 09 - CASA CIVIL DO DISTRITO

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Especialistas debatem sobre garantias locatícias em Brasília.

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Especialistas debatem sobre garantias locatícias em Brasília. + Boletim de Conjuntura Imobiliária 41ª Edição Comercial de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Preço dos imóveis ficará estável em 2015, dizem os corretores

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Preço dos imóveis ficará estável em 2015, dizem os corretores + Boletim de Conjuntura Imobiliária 52ª Edição Comercial de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult Consultoria

Leia mais

ESTUDOS RECENTES DESENVOLVIDOS OU DESENVOLVIMENTO 2008 A 2009

ESTUDOS RECENTES DESENVOLVIDOS OU DESENVOLVIMENTO 2008 A 2009 ESTUDOS RECENTES DESENVOLVIDOS OU DESENVOLVIMENTO 2008 A 2009 1. SIMULAÇÃO HIDROLÓGICA DE CENÁRIO CLIMÁTICO NO RIO PARAGUAI Cliente: Rio Tinto Mineração Descrição : As condições de navegação do rio Paraguai

Leia mais

VOLUME ASSUNTO PÁGINA VOLUME I

VOLUME ASSUNTO PÁGINA VOLUME I VOLUME I I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário previsto no art. 7o, 4o, desta Lei; 4 VOLUME I II - Recursos destinados

Leia mais

6.10 ATIVIDADE 10 - ANTEPROJETOS DAS ALTERNATIVAS ESCOLHIDAS

6.10 ATIVIDADE 10 - ANTEPROJETOS DAS ALTERNATIVAS ESCOLHIDAS A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano vem, em cumprimento ao disposto no art. 5º, parágrafo único do Decreto nº 48.042, de 26 de dezembro de 2006, tornar públicas as alterações realizadas no

Leia mais

Avançando na gestão das águas do DF

Avançando na gestão das águas do DF Avançando na gestão das águas do DF O Conselho de Recursos Hídricos do Distrito Federal (CRH DF) 1 emitiu no ano de 2014 duas resoluções tratando do enquadramento dos corpos d água superficiais do Distrito

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2015

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2015 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2015 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina AVALIAÇÃO DO POTENCIAL QUANTITATIVO DO ENTULHO DE CONSTRUÇÃO

Leia mais

Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB

Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB CRUZ CE Reunião de Planejamento ETAPA IV (Produto D) ETAPA V (Produto E) ETAPA VI (Produto F) ETAPA VIII (Produto H) ETAPAS DO PMSB ETAPA I (Produto A) - Formação

Leia mais

Subsecretaria de Captação de Recursos SUCAP/SEPLAN Secretaria de Planejamento e Orçamento do Distrito Federal SEPLAN Governo do Distrito Federal

Subsecretaria de Captação de Recursos SUCAP/SEPLAN Secretaria de Planejamento e Orçamento do Distrito Federal SEPLAN Governo do Distrito Federal Subsecretaria de Captação de Recursos SUCAP/SEPLAN Secretaria de Planejamento e Orçamento do Distrito Federal SEPLAN Governo do Distrito Federal TERMO DE REFERÊNCIA À SECRETARIA DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard, Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br

Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard, Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard, Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Boletim de Conjuntura Imobiliária 23ª Edição Comercial - Econsult Consultoria

Leia mais

+ Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard, Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br

+ Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard, Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br + Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard, Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Boletim de Conjuntura Imobiliária 27ª Edição Comercial - de 2012 Econsult

Leia mais

AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ ESTATÍSTICAS DE ACESSO AO SITE

AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ ESTATÍSTICAS DE ACESSO AO SITE ESTATÍSTICAS DE ACESSO AO SITE No segundo semestre de 27, já em funcionamento o banco de dados de acesso ao site, que possibilita ter informações dos acessos mensais por sub-bacia, para atender a meta

Leia mais

SANEAMENTO EM SANTA CATARINA

SANEAMENTO EM SANTA CATARINA SANEAMENTO EM SANTA CATARINA X INVESTIMENTO PAC Florianópolis, maio de 2008 EQUIPE TÉCNICA ABES-SC Eng Pablo Rodrigues Cunha Eng Paulo José Aragão Eng Rafael Meira Salvador Endereço e Contato: ABES-SC

Leia mais

NECESSIDADES HABITACIONAIS EM SÃO LOURENÇO DO OESTE: PMHIS COMO INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO

NECESSIDADES HABITACIONAIS EM SÃO LOURENÇO DO OESTE: PMHIS COMO INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO NECESSIDADES HABITACIONAIS EM SÃO LOURENÇO DO OESTE: PMHIS COMO INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO Giane Roberta Jansen Paula Batistello Docente, Mestre em Engenharia Ambiental, Curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Telecentros em BRASÍLIA

Telecentros em BRASÍLIA ANEXO IV Telecentros em BRASÍLIA TELECENTRO COMUNITÁRIO ESTRUTURAL End.: VALE DO AMANHECER End. Comp : Quadra 12, conj. A ch 2140 - Estrutural Bairro : VALE DO AMANHECER SALA DE INFORMÁTICA ACISP End.

Leia mais

Crise não atinge mercado imobiliário de luxo.

Crise não atinge mercado imobiliário de luxo. + Boletim de Conjuntura Imobiliária 64ª Edição Comercial de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult Consultoria

Leia mais

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia Manejo integrado de bacias urbanas e planos diretores de drenagem urbana: Porto Alegre e Caxias do Sul - RS - Brasil Adolfo O. N. Villanueva, Ruth Tassi e Daniel G. Allasia Instituto de Pesquisas Hidráulicas

Leia mais

Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal CAESB Superintendência de Atendimento Comercial CAC

Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal CAESB Superintendência de Atendimento Comercial CAC Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal CAESB Superintendência de Atendimento Comercial CAC A Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal CAESB é uma empresa pública de direito

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Criada nova letra imobiliária que tem isenção de IR e reconhecimento internacional

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Criada nova letra imobiliária que tem isenção de IR e reconhecimento internacional + Boletim de Conjuntura Imobiliária 50ª Edição Comercial de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard, Salas422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult

Leia mais

Gestão das Águas urbanas e a Drenagem

Gestão das Águas urbanas e a Drenagem Gestão das Águas urbanas e a Drenagem Carlos E. M. Tucci Instituto de Pesquisas Hidráulicas UFRGS Porto Alegre-RS Brasil Conteúdo Desenvolvimento urbano e a fonte de impacto na gestão das águas As fases

Leia mais

ANÁLISE DE REGIONALIZAÇÃO DE VAZÃO MÁXIMA PARA PEQUENAS BACIAS HIDROGRÁFICAS

ANÁLISE DE REGIONALIZAÇÃO DE VAZÃO MÁXIMA PARA PEQUENAS BACIAS HIDROGRÁFICAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL ANÁLISE DE REGIONALIZAÇÃO DE VAZÃO MÁXIMA PARA PEQUENAS BACIAS HIDROGRÁFICAS ALYNE DA SILVA PERALTA CAMPINAS 2003 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE

Leia mais

Corretores de imóveis são mantidos como Microempreendedores Individuais

Corretores de imóveis são mantidos como Microempreendedores Individuais + Boletim de Conjuntura Imobiliária 62ª Edição Comercial de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult Consultoria

Leia mais

I ENCONTRO DO FÓRUM PERMANENTE DE PESQUISADORES DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO

I ENCONTRO DO FÓRUM PERMANENTE DE PESQUISADORES DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UnB I ENCONTRO DO FÓRUM PERMANENTE DE PESQUISADORES DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO 03 e 04 DE SETEMBRO DE 2015, SALVADOR BAHIA Apresentação das Instituições de Ensino

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Águas Claras é a cidade mais rentável do Distrito Federal. 46ª Edição Comercial Abril de 2014

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Águas Claras é a cidade mais rentável do Distrito Federal. 46ª Edição Comercial Abril de 2014 + Boletim de Conjuntura Imobiliária 46ª Edição Comercial Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult Consultoria

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual

EMPREENDEDORISMO. Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual EMPREENDEDORISMO Números MPE Indicador Brasil DF Participação % Fonte Número de MPE 5.786.696 87.358 1,51 RAIS 2008 Número de MPE Comércio 3.067.577 41.967 1,37 RAIS 2008 Número de MPE - Serviço 1.861.779

Leia mais

Análise do crescimento urbano e seus efeitos na mudança da dinâmica de escoamento superficial da bacia do Pararangaba.

Análise do crescimento urbano e seus efeitos na mudança da dinâmica de escoamento superficial da bacia do Pararangaba. Análise do crescimento urbano e seus efeitos na mudança da dinâmica de escoamento superficial da bacia do Pararangaba. Iria Fernandes Vendrame 1 hiria@ita.br Wallace Alan Blois Lopes 1 blois@ita.br 1 Instituto

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

BALANÇO 4 ANOS 2007-2010 DISTRITO FEDERAL

BALANÇO 4 ANOS 2007-2010 DISTRITO FEDERAL BALANÇO 4 ANOS 2007-2010 DISTRITO FEDERAL Apresentação Ao lançar o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), em janeiro de 2007, o Governo Federal assumiu o compromisso de fazer o Brasil crescer de

Leia mais

PROSAMIM NO CENTRO DA AMAZÔNIA BRASILEIRA UM PROGRAMA DE MELHORIA AMBIENTAL E INCLUSÃO SOCIAL

PROSAMIM NO CENTRO DA AMAZÔNIA BRASILEIRA UM PROGRAMA DE MELHORIA AMBIENTAL E INCLUSÃO SOCIAL UM PROGRAMA DE MELHORIA AMBIENTAL E INCLUSÃO SOCIAL Nome: Frank Abrahim Lima Formação: Economista Instituição: GOVERNO DO AMAZONAS Unidade de Gerenciamento do Programa Social e Ambiental dos Igarapés de

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 532, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2009. DOE. nº 1371, de 19/11/2009

LEI COMPLEMENTAR Nº 532, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2009. DOE. nº 1371, de 19/11/2009 LEI COMPLEMENTAR Nº 532, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2009. DOE. nº 1371, de 19/11/2009 Cria a Secretaria de Estado de Assistência Social, altera dispositivos da Lei Complementar nº 224, de 4 de janeiro de 2000,

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS

CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO 081/2010 CEMA Publicado em Diário Oficial nº 8326 do dia 19/10/2010 Dispõe sobre Critérios e Padrões de ecotoxicidade para o Controle de Efluentes Líquidos lançados em águas superficiais no Estado

Leia mais

Governo rejeita liberar compulsório para financiar imóvel

Governo rejeita liberar compulsório para financiar imóvel + Boletim de Conjuntura Imobiliária 58ª Edição Comercial Abrilde 2015 de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br

Leia mais

4.4 PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA

4.4 PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA 4.4 PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA A programação financeira pública compreende atividades com o objetivo de adequar o ritmo de execução do orçamento ao fluxo provável de recursos financeiros. Constitui-se, portanto,

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais

Município de Capanema - PR

Município de Capanema - PR LEI Nº. 1.557, DE 20 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre a política municipal de resíduos sólidos do Município de Capanema e dá outras providências. A Câmara Municipal de Capanema, Estado do Paraná, aprovou

Leia mais

VANTAGENS DE INVESTIR NA LIGA BRASÍLIA DE VOLEIBOL

VANTAGENS DE INVESTIR NA LIGA BRASÍLIA DE VOLEIBOL CONVITE A Direção da Liga Brasília de Voleibol, tem a honra de convidar sua Empresa para ser parceira na 4ª edição do evento que acontecerá em 2016. A Liga Brasília de Voleibol já nas três primeiras edições,

Leia mais

2ª etapa. Discussão aprofundada de cada uma das propostas aprovadas para o Plano no 7º Fórum de Saneamento. Grupos de Trabalho

2ª etapa. Discussão aprofundada de cada uma das propostas aprovadas para o Plano no 7º Fórum de Saneamento. Grupos de Trabalho 7º Fórum de Saneamento e Meio Ambiente Grupos de Trabalho As propostas aprovadas são entendidas como desejos dos usuários que devem ser transformadas em diretrizes de gestão. Grupos de Trabalho 2ª etapa

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL GDF SECRETARIA DE ESTADO DE OBRAS PROGRAMA DE SANEAMENTO BÁSICO NO DISTRITO FEDERAL

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL GDF SECRETARIA DE ESTADO DE OBRAS PROGRAMA DE SANEAMENTO BÁSICO NO DISTRITO FEDERAL GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL GDF SECRETARIA DE ESTADO DE OBRAS PROGRAMA DE SANEAMENTO BÁSICO NO DISTRITO FEDERAL ACORDO DE EMPRÉSTIMO Nº 1288/OC-BR BID PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA DO DISTRITO FEDERAL

Leia mais

Planejamento na Drenagem Urbana: o caso de Porto Alegre RS

Planejamento na Drenagem Urbana: o caso de Porto Alegre RS Planejamento na Drenagem Urbana: o caso de Porto Alegre RS Prefeitura Municipal de Porto Alegre - PMPA Departamento de Esgotos Pluviais - DEP Dados Gerais do Município de Porto Alegre ~1,4 milhões de habitantes

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NO DISTRITO FEDERAL WWF Brasil Maio/ 2003 OBJETIVOS: Levantar informações para subsidiar o planejamento e a avaliação da comunicação da WWF Brasil. Gerar conhecimentos relevantes

Leia mais

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH A) Para Autoprodução PORTARIA Nº, DE DE DE 2005 Autoriza a empresa... a estabelecer-se como Autoprodutor de Energia Elétrica, mediante a implantação e exploração

Leia mais

Capítulo 66 Método de I PAI WU

Capítulo 66 Método de I PAI WU Capítulo 66 Método de I PAI WU 66-1 Capítulo 66- Método I PAI WU 66.1 Introdução Vamos comentar o Método I PAI WU usando os ensinamentos do prof. Hiroshi Yoshizane da Unicamp de Limeira. Para os engenheiros

Leia mais

LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO

LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 Nº 09 Resultados de setembro de 2015 LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego no PED-DF, realizada pela

Leia mais

Universidade do Grande Rio Prof. José de Souza Herdy ESCOLA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - ECT

Universidade do Grande Rio Prof. José de Souza Herdy ESCOLA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - ECT Universidade do Grande Rio Prof. José de Souza Herdy ESCOLA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - ECT PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA CIVIL (EXTRATO) Duque de Caxias 2016 Objetivos do Curso

Leia mais

DRENAGEM URBANA. Semana do Meio Ambiente 01 a 05 de Junho. Ribeirão Preto, 03 de Junho de 2009. Swami Marcondes Villela

DRENAGEM URBANA. Semana do Meio Ambiente 01 a 05 de Junho. Ribeirão Preto, 03 de Junho de 2009. Swami Marcondes Villela DRENAGEM URBANA Atualização do Plano Diretor de Macrodrenagem de Ribeirão Preto Semana do Meio Ambiente 01 a 05 de Junho Ribeirão Preto, 03 de Junho de 2009 Swami Marcondes Villela CONTROLE DE ENCHENTES

Leia mais

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES.

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES. REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES Seção I Da Natureza e Finalidade das Inspetorias Art. 1º A Inspetoria

Leia mais

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL 08 de Novembro de 2012 O que é o Brasil Rural? O Brasil Rural Diversidade: raças, origens étnicas, povos, religiões, culturas Conflitos: concentração de terra, trabalho

Leia mais

PEQUENO AUMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL

PEQUENO AUMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 Nº 01 Resultados de janeiro de 2015 PEQUENO AUMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL 1. De acordo com a Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, a taxa

Leia mais

Atribuições do órgão conforme a Lei nº 3.063, de 29 de maio de 2013: TÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA

Atribuições do órgão conforme a Lei nº 3.063, de 29 de maio de 2013: TÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA SECRETARIA MUNICIPAL DE COMPRAS E LICITAÇÕES End: Rua Siqueira Campos, S-64 Centro Fone: (14) 3283-9570 ramal 9576 Email: compras@pederneiras.sp.gov.br Responsável: Dr. Luis Carlos Rinaldi Atribuições

Leia mais

BoletIM do Observatório Imobiliário do DF

BoletIM do Observatório Imobiliário do DF BoletIM do Observatório Imobiliário do DF Novembro/Dezembro/2012 6 SEDHAB - SUPLAN Edição Nº 06 NOV/DEZ 2012 SUMÁRIO 1. Introdução. 2. Situação do Mercado Imobiliário segundo o índice FIPEZAP em Novembro/Dezembro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.847, DE 15 DE MARÇO DE 2004. Autoriza a criação da Empresa de Pesquisa Energética EPE e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA A MATRÍCULA DOS CURSOS TÉCNICOS SUBSEQUENTES, NA MODALIDADE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA, DO PROGRAMA PROFUNCIONÁRIO

CHAMADA PÚBLICA PARA A MATRÍCULA DOS CURSOS TÉCNICOS SUBSEQUENTES, NA MODALIDADE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA, DO PROGRAMA PROFUNCIONÁRIO CHAMADA PÚBLICA PARA A MATRÍCULA DOS CURSOS TÉCNICOS SUBSEQUENTES, NA MODALIDADE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA, DO PROGRAMA PROFUNCIONÁRIO O Coordenador Geral de Educação a Distância do Instituto Federal de Educação,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO N.º 62.866, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2006.

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO N.º 62.866, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2006. AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO N.º 62.866, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2006. O SUPERINTENDENTE EXECUTIVO DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL, no uso de suas competências, consoante o disposto

Leia mais

Cria o Conselho Estadual de Recursos Hídricos.

Cria o Conselho Estadual de Recursos Hídricos. LEI Nº 6.739, de 16 de dezembro de 1985 Cria o Conselho Estadual de Recursos Hídricos. Procedência- Governamental Natureza PL- 249/85 DO-12.859 de 18/12/85 *Alteradas parcialmente pelas Leis: 8.093/90;

Leia mais

GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF

GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF José Bento da Rocha Farmacêutico graduado pela Universidade Estadual de Goiás UEG,

Leia mais

1. DA SELEÇÃO: 2. DAS INSCRIÇÕES E ENTREVISTA:

1. DA SELEÇÃO: 2. DAS INSCRIÇÕES E ENTREVISTA: EDITAL Nº 17/2015 SELEÇÃO PÚBLICA PARA A CONTRATAÇÃO EMERGENCIAL DE TÉCNICOS DE NÍVEL SUPERIOR, EM CARÁTER TEMPORÁRIO, PARA ATENDIMENTO IMEDIATO DE CARÊNCIAS NOS CENTROS DE REFERÊNCIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Drenagem Urbana

Leia mais

Faculdade UnB Gama no contexto do projeto REUNI:

Faculdade UnB Gama no contexto do projeto REUNI: Faculdade UnB Gama no contexto do projeto REUNI: Impactos Sociais Maria Vitória Ferrari O Projeto Reuni Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (REUNI) em 54

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA INDIVIDUAL

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA INDIVIDUAL GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA INDIVIDUAL ESPECIALISTA EM GESTÃO AMBIENTAL PARA APOIAR A UEP NA GESTÃO TÉCNICA DOS COMPONENTES 1 E 2. UNIDADE

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

Aluguel residencial com aniversário em julho e reajuste pelo IGP-M subirá 5,59%.

Aluguel residencial com aniversário em julho e reajuste pelo IGP-M subirá 5,59%. + Boletim de Conjuntura Imobiliária 60ª Edição Comercial de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult Consultoria

Leia mais

Boletim da Conjuntura Imobiliária

Boletim da Conjuntura Imobiliária MAIO DE 2015 Boletim da Conjuntura Imobiliária Brasília, junho de 2015 1 Boletim da Conjuntura Imobiliária Junho de 2015 2 Boletim da Conjuntura Imobiliária Maio de 2015 Descrição Capa: BRB - BANCO DE

Leia mais

Estudo de Caso Belo Horizonte

Estudo de Caso Belo Horizonte Estudo de Caso Belo Horizonte PARTICIPANDO DA GOVERNABILIDADE LOCAL: O Impacto do Orçamento Participativo na Administração Pública Local. Córdoba -Junho de 2006. BELO HORIZONTE INFORMAÇÕES GERAIS Quarta

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 425/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007)

RESOLUÇÃO Nº 425/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Publicação: 29/08/03 RESOLUÇÃO Nº 425/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Cria a Superintendência da Gestão de Recursos Humanos, estabelece seu Regulamento e dá outras providências. A CORTE SUPERIOR

Leia mais

Associação Brasileira de Consultores de Engenharia

Associação Brasileira de Consultores de Engenharia ABCE Associação Brasileira de Consultores de Engenharia Filiada à Federación Panamericana de Consultores FEPAC. Membro do Conselho Consultivo da Financiadora de Estudos e Projetos - FINEP. Banco de Dados

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Banco Central descarta bolha imobiliária no país. 44ª Edição Comercial Fevereiro de 2014

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Banco Central descarta bolha imobiliária no país. 44ª Edição Comercial Fevereiro de 2014 + Boletim de Conjuntura Imobiliária 44ª Edição Comercial Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult Consultoria

Leia mais

Parte II APLICAÇÕES PRÁTICAS. Capítulo 3 Determinação da Vazão de Projeto

Parte II APLICAÇÕES PRÁTICAS. Capítulo 3 Determinação da Vazão de Projeto Parte II APLICAÇÕES PRÁTICAS Capítulo 3 54 Capítulo 3 Para facilitar a compreensão das noções básicas de projetos de obras hidráulicas, no próximo capítulo desenvolve-se o projeto de uma pequena barragem.

Leia mais

Auditoria Operacional: escolas públicas do Distrito Federal 2007

Auditoria Operacional: escolas públicas do Distrito Federal 2007 Auditoria Operacional: Qualidade das instalações físicas das escolas públicas do Distrito Federal 2007 Processo nº 37.711/2006 - ANEXO - FOTOS DAS ESCOLAS VISITADAS DATA DAS VISITAS: 05/FEV A 09/FEV DE

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS - ANA RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 03, DE 10 DE AGOSTO DE 2010

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS - ANA RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 03, DE 10 DE AGOSTO DE 2010 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS - ANA RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 03, DE 10 DE AGOSTO DE 2010 Estabelecer as condições e os procedimentos a serem observados pelos concessionários

Leia mais

OPORTUNIDADES DE PPPs E CONCESSÕES EM SANEAMENTO

OPORTUNIDADES DE PPPs E CONCESSÕES EM SANEAMENTO SEMINÁRIO INTERNACIONAL PARCERIAS PARA O DESENVOLVIMENTO - PPPs e CONCESSÕES OPORTUNIDADES DE PPPs E CONCESSÕES EM SANEAMENTO Rio de Janeiro, 16 de Abril de 2012 Johnny Ferreira dos Santos Diretor de Água

Leia mais

Lei nº 7653 DE 24/07/2014

Lei nº 7653 DE 24/07/2014 Lei nº 7653 DE 24/07/2014 Norma Estadual - Alagoas Publicado no DOE em 28 jul 2014 Dispõe sobre as atividades pertinentes ao controle da poluição atmosférica, padrões e gestão da qualidade do ar, conforme

Leia mais

Edital Instituto Sabin - 02/2015

Edital Instituto Sabin - 02/2015 Edital Instituto Sabin - 02/2015 Seleção pública de entidades sociais para parceria com o Instituto Sabin Projeto Criança e Saúde O Instituto Sabin, por meio do Projeto Criança e Saúde, torna público o

Leia mais

PLANO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ

PLANO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ PLANO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ RELATÓRIO FINAL Volume 4/4 Fundação de Apoio à Universidade de São Paulo Dezembro de 2009 PLANO DA BACIA DO ALTO TIETÊ

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIAS DE 24 DE AGOSTO DE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIAS DE 24 DE AGOSTO DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIAS DE 24 DE AGOSTO DE 2005 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

Lei nº 9.433/97. Fundamentos Objetivos Diretrizes Instrumentos. Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos

Lei nº 9.433/97. Fundamentos Objetivos Diretrizes Instrumentos. Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos Articulação e operacionalização do sistema de alerta de cheias da Bacia Hidrográfica do rio Itajaí Competências dos atores intervenientes Dra. Noemia Bohn (FURB) Lei nº 9.433/97 Política Nacional de Recursos

Leia mais

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova.

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova. PROJETO DE LEI Nº 143/2009 Cria o Comitê Gestor do Programa Cultivando Água Boa da Itaipu Binacional, no âmbito do Município de Foz do Iguaçu, e dá outras providências. Autor: Vereador Nilton Bobato. A

Leia mais

De olho no futuro: como estará Brasília daqui a 25 anos?

De olho no futuro: como estará Brasília daqui a 25 anos? De olho no futuro: como estará Brasília daqui a 25 anos? Painel 1 Mobilidade Urbana: o planejamento de Brasília para os próximos 25 anos Novembro/2013 Distrito Federal e Entorno Planaltina De Goiás Formosa

Leia mais

Edital Instituto Bancorbrás 01/2015

Edital Instituto Bancorbrás 01/2015 Edital Instituto Bancorbrás 01/2015 O Instituto Bancorbrás, por meio do Projeto Bancorbrás Social torna público o presente edital e convoca as instituições interessadas a enviarem propostas para habilitarem-se

Leia mais

TREDF alerta eleitores para mudança de locais de votação

TREDF alerta eleitores para mudança de locais de votação TREDF alerta eleitores para mudança de locais de votação O Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TRE/DF) informa que 21 de setembro é o último dia para os interessados requererem a segunda via

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. Texto atualizado apenas para consulta.

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. Texto atualizado apenas para consulta. 1 Texto atualizado apenas para consulta. LEI Nº 3.984, DE 28 DE MAIO DE 2007 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Cria o Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Distrito Federal Brasília

Leia mais

Introdução. Porto Alegre - Bacia do Arroio Areia

Introdução. Porto Alegre - Bacia do Arroio Areia Planos diretores de drenagem urbana: Os casos de Porto Alegre e Caxias do Sul - RS - Brasil Adolfo O. N. Villanueva, Rutinéia Tassi e Daniel G. Allasia Instituto de Pesquisas Hidráulicas - Universidade

Leia mais

O Programa Produtor de Água

O Programa Produtor de Água O Programa Produtor de Água Arcabouço Legal e Institucional Lei nº 9.433 de 8.01.97 Titulo I - Da Política Nacional de Recursos Hídricos Capitulo II Dos Objetivos Artigo 2º - São objetivos da Política

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Diretoria de Gestão da Tecnologia da Informação

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Diretoria de Gestão da Tecnologia da Informação PROCESSO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS A Coordenadoria de Segurança da Informação da Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação DGTI, em conformidade com a Norma Complementar nº 04, da Instrução Normativa

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA 1. OBJETIVO GERAL As instruções técnicas contidas no presente Termo de Referência objetivam estabelecer os procedimentos e os

Leia mais

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante INTRODUÇÃO II - DO OBJETO E DESCRIÇÃO DOS PRODUTOS III - DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA IV - DAS CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO V - DO RECEBIMENTO DA DOCUMENTAÇÃO E DA PROPOST VI - ABERTURA DOS ENVELOPES VII - DA DOCUMENTAÇÃO

Leia mais

Trabalho infantil no Distrito Federal: diagnóstico, causas e soluções

Trabalho infantil no Distrito Federal: diagnóstico, causas e soluções Trabalho infantil no Distrito Federal: diagnóstico, causas e soluções Brasília Junho, 2013 Companhia de Planejamento do Distrito Federal Codeplan SAM Projeção H Ed. Sede CODEPLAN CEP: 70620-000 - Brasília-DF

Leia mais

Política de Recursos Hídricos do Brasil

Política de Recursos Hídricos do Brasil Política de Recursos Hídricos do Brasil Código de Águas (Decreto n.º 24.643, de 1934 ) Constituição Federal de 1988 Art. 21, XIX - SNGRH e Critérios de Outorga Art. 20, III (bens da União) e Art. 26, I

Leia mais