MIF IgG para clamídia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MIF IgG para clamídia"

Transcrição

1 Código do Produto:IF1250G Rev. J Características de desempenho Distribuição proibida nos Estados Unidos VALORES ESPERADOS População com pneumonia adquirida na comunidade Dois pesquisadores externos avaliaram os ensaios Focus MIF IgM e MIF IgG para clamídia ( MIF Focus ) em 144 pacientes com pneumonia adquirida na comunidade, sendo 141 selecionados em sequência e 3 selecionados porque apresentaram PCR positivo para C. pneumoniae. Todos eram pacientes ambulatoriais adultos com diagnóstico de pneumonia confirmado por radiografia de tórax. Foram colhidas duas amostras de soro: a primeira duas semanas ou mais após o início dos sintomas e a segunda 3 a 6 semanas após a primeira. Os pacientes foram testados para C. pneumoniae, Legionella pneumophila, Mycoplasma pneumoniae e Streptococcus pneumoniae, sendo que os testes usados para C. pneumoniae foram cultura, PCR e MIFs de referência (IgG e IgM) de uma universidade no noroeste (costa do Pacífico) dos EUA. Foram usados sorologia com anticorpo polivalente, antígeno urinário e PCR para Legionella pneumophila e cultura, PCR e sorologia (IgG e IgM) para Mycoplasma pneumoniae. e antígeno urinário para Streptococcus pneumoniae. As prevalências observadas e os valores preditivos hipotéticos nesta população são mostrados na tabela abaixo. Prevalência de patógenos em pacientes ambulatoriais com pneumonia adquirida na comunidade Prevalência C. pneumoniae (presuntivo, aguda ou não) 12,8% C. pneumoniae (presuntiva aguda) 3,5% C. pneumoniae (possível aguda) 9,2% Clamídia indiferenciada (presuntiva aguda) 0,7% Legionella pneumophila 2,8% Mycoplasma pneumoniae 13,5% Streptococcus pneumoniae 8,5% Patógenos indiferenciados, incluindo: C. trachomatis (infecção prévia) C. trachomatis (possível aguda) C. psittaci (infecção prévia) 61,0% (1,4%) (1,4%) (1,4%) CARACTERÍSTICAS DE DESEMPENHO Reatividade com agentes comumente encontrados em pacientes com pneumonia Dois pesquisadores externos avaliaram a reatividade dos testes Focus MIF IgM e MIF IgG (MIF Focus) em 144 pacientes com pneumonia adquirida na comunidade (PAC) usando os métodos e pacientes descritos acima na seção Valores esperados. A reatividade do MIF Focus foi calculada para MIF IgM isolada, MIF IgG isolada e reatividade combinada do IgM Focus MIF e IgG Focus MIF ( MIF Focus combinados ). Os valores preditivos basearam-se na reatividade estimada para C. pneumoniae: Especificidade de 99,8% (85/86) com os MIF Focus combinados. Sensibilidade de 87,5% (7/8) com os MIF Focus combinados. Sensibilidade de 37,5% (3/8) com Focus MIF IgM. Sensibilidade de 62,5% (5/8) com Focus MIF IgG. Sensibilidade de 100% (86/86) com Focus MIF IgM. Especificidade de 99,8% (85/86) com Focus MIF IgG. Prevalência e valores preditivos hipotéticos para C. pneumoniae Prev. Combinado IgM IgG pos. (%) VPP % VPN % VPP % VPN % VPP % VPN % 30 99,5 94, ,9 99,3 86, ,3 96, ,8 99,0 88, ,1 97, ,5 98,7 91, ,7 97, ,1 98,2 93, ,0 98, ,5 97,2 96,0 5 95,8 99, ,8 94,3 98,1 1 81,5 99, ,4 75,9 99,6

2 O grupo com pneumonia e patógeno não identificado (todos os exames negativos) continha 86 dos 144 pacientes. A reatividade do Focus MIF para C. pneumoniae em pacientes com patógenos não identificados foi a seguinte: Especificidade de 99,8% (85/86) com os Focus MIF combinados. Sensibilidade de 100% (86/86) com Focus MIF IgM. Especificidade de 99,8% (85/86) com Focus MIF IgG. A reatividade do Focus MIF para C. trachomatis em pacientes com patógenos não identificados foi a seguinte: Especificidade de 100% (86/86) com os Focus MIF combinados. Sensibilidade de 100% (86/86) com Focus MIF IgM. Especificidade de 100% (86/86) com Focus MIF IgG (foram detectadas duas infecções prévias por C. trachomatis). MIF IgG para clamídia Página 2 O grupo com pneumonia presumida por C. pneumoniae (PCR positivo e/ou MIF de referência positivo para IgM e/ou aumento em quatro vezes do MIF de referência para IgG ) continha 8 dos 144 pacientes. A reatividade do Focus MIF para C. pneumoniae em pacientes com infecção aguda presumida por C. pneumoniae foi a seguinte: Sensibilidade de 87,5% (7/8)* com os Focus MIF combinados. Sensibilidade de 37,5% (3/8) com Focus MIF IgM. Sensibilidade de 62,5% (5/8) com Focus MIF IgG. * Uma amostra negativa para C. pneumoniae ao teste Focus foi detectada pelo Focus MIF IgG e classificada como infecção aguda presumida por clamídia indiferenciada (positiva para C. trachomatis e C. psittaci). A reatividade do Focus MIF para C. trachomatis em pacientes com infecção aguda presumida por C. pneumoniae foi a seguinte: Especificidade de 100% (7/7)** com os Focus MIF combinados. Sensibilidade de 100% (8/8) com Focus MIF IgM. Especificidade de 100% (7/7)** com Focus MIF IgG. * Exceto uma amostra negativa para C. pneumoniae ao teste Focus foi detectada pelo Focus MIF IgG e classificada como infecção aguda presumida por clamídia indiferenciada (positiva para C. trachomatis e C. psittaci). O grupo com possível pneumonia aguda por C. pneumoniae (MIF IgM de referência negativo, cultura negativa, PCR negativo e título na MIF IgG de referência igual ou maior a 1:512) continha 13 dos 144 pacientes. A reatividade do Focus MIF para C. pneumoniae em pacientes com possível infecção aguda por C. pneumoniae foi a seguinte: Concordância de 100% (13/13) entre o Focus MIF IgM e o MIF IgM de referência (ambos negativos), e Sensibilidade de 23,1% (3/13) com Focus MIF IgG. O grupo com pneumonia presumida por Legionella pneumophila (soropositivos para legionela) continha 3 dos 144 pacientes. A reatividade do Focus MIF para C. pneumoniae em pacientes com infecção presumida por Legionella pneumophila foi a seguinte: Especificidade de 100% (3/3) com os Focus MIF combinados. Sensibilidade de 100% (3/3) com Focus MIF IgM. Especificidade de 100% (3/3) com Focus MIF IgG. A reatividade do Focus MIF para C. trachomatis em pacientes com infecção presumida por Legionella pneumophila foi a seguinte: Especificidade de 100% (3/3) com os Focus MIF combinados. Sensibilidade de 100% (3/3) com Focus MIF IgM. Especificidade de 100% (3/3) com Focus MIF IgG. O grupo com pneumonia presumida por Legionella pneumophila (IgM contra micoplasma positiva e/ou quadruplicação de IgG) continha 3 dos 144 pacientes. Um dos 19 pacientes foi positivo para Mycoplasma pneumoniae e para Streptococcus pneumoniae. A reatividade do Focus MIF para C. pneumoniae em pacientes com infecção presumida por Mycoplasma pneumoniae foi a seguinte: Especificidade de 100% (19/19) com os Focus MIF combinados. Sensibilidade de 100% (19/19) com Focus MIF IgM. Especificidade de 100% (19/19) com Focus MIF IgG. A reatividade do Focus MIF para C. trachomatis em pacientes com infecção presumida por Mycoplasma pneumoniae foi a seguinte: Especificidade de 100% (19/19) com os Focus MIF combinados. Sensibilidade de 100% (19/19) com Focus MIF IgM. Especificidade de 100% (19/19) com Focus MIF IgG. O grupo com pneumonia presumida por Streptococcus pneumoniae (antígeno urinário positivo para Streptococcus pneumoniae) continha 12 dos 144 pacientes. Um dos 12 pacientes foi positivo para Mycoplasma pneumoniae e para Streptococcus pneumoniae. A reatividade do Focus MIF para C. pneumoniae em pacientes com infecção presumida por Streptococcus pneumoniae foi a seguinte: Especificidade de 100% (12/12) com os Focus MIF combinados. Sensibilidade de 100% (12/12) com Focus MIF IgM. Especificidade de 100% (12/12) com Focus MIF IgG. A reatividade do Focus MIF para C. trachomatis em pacientes com infecção presumida por Streptococcus pneumoniae foi a seguinte: Especificidade de 100% (12/12) com os Focus MIF combinados. Sensibilidade de 100% (12/12) com Focus MIF IgM. Especificidade de 100% (12/12) com Focus MIF IgG.

3 Página 3 Reatividade do Focus MIF para C. pneumoniae em pacientes com pneumonia adquirida na comunidade Pacientes com pneumonia adquirida na comunidade (C. pneumoniae) MIF Focus: positividade p/ C. pneumoniae (%) 0,0% (0/86) 1,2% (1/86) 1,2% (1/86) Patógeno não identificado IC 95% 0,0-4,2% IC 95% 0,0-6,3% IC 95% 0,0-6,3% 37,5% (3/8) 62,5% (5/8) 87,5% (7/8) C. pneumoniae (presuntiva aguda) IC 95% 8,5-75,5% IC 95% 24,5-91,5% IC 95% 47,3-99,7% 0,0% (0/13) 23,1% (3/13) 23,1% (3/13) C. pneumoniae (possível aguda) IC 95% 0,0-24,7% IC 95% 5,0-53,8% IC 95% 5,0-53,8% C. pneumoniae (possível aguda) e 75,0% (3/4)* 75,0% (3/4)* L. pneumophila IC 95% 0,0-60,2% IC 95% 28,4-99,5% IC 95% 28,4-99,5% Legionella pneumophila IC 95% 0,0-70,8% IC 95% 0,0-70,8% IC 95% 0,0-70,8% 0,0% (0/19) 0,0% (0/19) 0,0% (0/19) Mycoplasma pneumoniae IC 95% 0,0-17,6% IC 95% 0,0-17,6% IC 95% 0,0-17,6% 0,0% (0/12) 0,0% (0/12) 0,0% (0/12) Streptococcus pneumoniae IC 95% 0,0-26,5% IC 95% 0,0-26,5% IC 95% 0,0-26,5% * Dois terços dos pacientes com Focus IgG positivo eram possíveis casos agudos ( 512) e o terço restante foi presumido agudo (aumento em quatro vezes ou mais). Inclui uma amostra positiva tanto para Streptococcus pneumoniae como para Mycoplasma pneumoniae A única amostra com Focus IgG e C pneumoniae positivos no grupo de patógenos não identificados foi presumida como aguda (aumento em quatro vezes ou mais). Pacientes com pneumonia adquirida na comunidade (C. trachomatis) MIF Focus: positividade p/ C. trachomatis (%) 0,0% (0/8) 0,0% (0/7)* 0,0% (0/7) C. pneumoniae (presuntiva aguda) IC 95% 0,0-36,9% IC 95% 0,0-41,0% IC 95% 0,0-41,0% 0,0% (0/13) 0,0% (0/13) 0,0% (0/13) C. pneumoniae (possível aguda) IC 95% 0,0-24,7% IC 95% 0,0-24,7% IC 95% 0,0-24,7% C. pneumoniae (possível aguda) L. pneumophila IC 95% 0,0-60,2% IC 95% 0,0-60,2% IC 95% 0,0-60,2% Legionella pneumophila IC 95% 0,0-70,8% IC 95% 0,0-70,8% IC 95% 0,0-70,8% 0,0% (0/19) 0,0% (0/19) 0,0% (0/19) Mycoplasma pneumoniae IC 95% 0,0-17,6% IC 95% 0,0-17,6% IC 95% 0,0-17,6% 0,0% (0/12) 0,0% (0/12) 0,0% (0/12) Streptococcus pneumoniae IC 95% 0,0-26,5% IC 95% 0,0-26,5% IC 95% 0,0-26,5% 0,0% (0/86) 0,0% (0/86) 0,0% (0/86) Patógeno não identificado IC 95% 0,0-4,2% IC 95% 0,0-4,2% IC 95% 0,0-4,2% * Com exceção de uma amostra de um caso presumido de C. pneumoniae que apresentou positividade indiferenciada para clamídia (positivo para C. trachomatis e C. psittaci) no Focus MIF que pode não ter sido identificado no MIF de referência. Duas infecções anteriores por C. trachomatis foram detectadas nos dois casos com possível infecção por C. pneumoniae e no grupo com patógeno não identificado.

4 Cultura ou PCR positivo para Chlamydia pneumoniae MIF IgG para clamídia Página 4 Um pesquisador externo avaliou a reatividade do teste em 98 soros de 27 pacientes com sintomas de doença respiratória aguda e cultura ou PCR positivo para Chlamydia pneumoniae. A reatividade do Focus MIF para C. pneumoniae em pacientes com infecção presumida por C. pneumoniae foi a seguinte: Sensibilidade de 92,6% (25/27) com os Focus MIF combinados. Sensibilidade de 88,9% (24/27) com Focus MIF IgM. Sensibilidade de 51,9% (14/27) com Focus MIF IgG. A reatividade do Focus MIF para C. trachomatis em pacientes com infecção presumida por C. pneumoniae foi a seguinte: Especificidade de 100% (27/27) com os Focus MIF combinados. Sensibilidade de 100% (27/27) com Focus MIF IgM. Especificidade de 100% (27/27) com Focus MIF IgG. Reatividade em casos de cultura ou PCR positivo para C. pneumoniae pneumoniae em amostras com cultura ou PCR positivos para C. pneumoniae trachomatis em amostras com cultura ou PCR positivos para C. pneumoniae Focus MIF positivo (%) por paciente 88,9% (24/27) IC 95% 70,8-97,7% 100% (27/27) IC 95% 87,2-100% 51,9% (14/27) IC:95% 31-71,3% 100% (27/27) IC 95% 87,2-100% 92,6% (25/27) IC 95% 75,7-99,1% 100% (27/27) IC 95% 87,2-100% Culturas positivas para C. trachomatis Um pesquisador externo avaliou a reatividade cruzada do teste em 75 soros de 29 pacientes com cultura positiva para C. trachomatis. sendo que a maioria dos pacientes (27/29) eram crianças pequenas. Trinta e cinco soros eram positivos para C. trachomatis, incluindo dois com títulos de 1:1280. A reatividade do Focus MIF para C. pneumoniae em pacientes infantis com pneumonia por Chlamydia trachomatis foi a seguinte: Especificidade de 100% (27/27) com os Focus MIF combinados. Sensibilidade de 100% (27/27) com Focus MIF IgM. Especificidade de 100% (27/27) com Focus MIF IgG. A reatividade do Focus MIF para C. trachomatis em pacientes infantis com pneumonia por Chlamydia trachomatis foi a seguinte: Sensibilidade de 85,2% (23/27) com os Focus MIF combinados. Sensibilidade de 815% (22/27) com Focus MIF IgM. Sensibilidade de 63,0% (17/27) com Focus MIF IgG. pneumoniae em amostras com cultura positiva para C. trachomatis trachomatis em amostras com cultura positiva para C. trachomatis Reatividade em casos soropositivos para C. psittaci Reatividade em casos de cultura positivas para C. trachomatis Focus MIF positivos (%) 0,0% (0/27) IC 95% 0,0-12,8% 81,5% (22/27) IC 95% 61,9-93,7% 0,0% (0/27) IC 95% 0,0-12,8% 63,0% (17/27) IC 95% 42,4-80,6% * Positivo se IgM for positiva, o título de IgG quadruplicar ou atingir um valor >1:512. 0,0% (0/27) IC 95% 0,0-12,8% 85,2% (23/27) IC 95% 0,0-41,0% Um pesquisador externo avaliou a reatividade cruzada do Focus MIF para IgG em 42 soros de 19 pacientes soropositivos para Chlamydia psittaci. Todos os pacientes eram soropositivos ao exame de fixação de complemento por clamídia e ao teste MIF (IgM e/ou IgG) de uma universidade localizadas no noroeste (costa do Pacífico) dos Estados Unidos e todos apresentavam evidência epidemiológica de infecção por Chlamydia psittaci e havia mais de uma amostra para 16 dos 19 pacientes. O MIF Focus IgG foi positivo para C. pneumoniae (quadruplicação do título em sorologia pareada ou um valor >1:512) em 37,5% (6/16) dos pacientes e 4/6 dos resultados positivos no teste Focus foram classificados infecções agudas presumidas por clamídia indeterminada (reação a vários pontos de antígeno de clamídia). O MIF Focus IgG foi positivo para C. trachomatis (quadruplicação do título em sorologia pareada ou um valor >1:512) em 6,3% (1/16) dos pacientes. O único resultado positivo do MIF Focus IgG para C. trachomatis foi uma clamídia indeterminada presumida como positivo agudo ( reação em pelo menos dois pontos de antígeno). O MIF Focus IgG foi positivo para C. psittaci em (um soro com valor 1:16) em 68,4% (13/19) dos soros e em 71,4% (30/42) dos pacientes. Reatividade em doadores de sangue Reatividade em casos soropositivos para C. psittaci Focus MIF IgG positivos (%) C. pneumoniae C. trachomatis Soropositivos para C. psittaci (por 37,5% (6/16)* 6,3% (1/16) paciente) IC 95% 15,2-64,6% IC 95% 0,2-30,2% * 4/6 dos positivos para C. pneumoniae e um para C. trachomatis foram para clamídia indeterminada (positividade para vários pontos de antígeno de clamídia).

5 Página 5 Um pesquisador externo avaliou a reatividade do teste em soros de 64 doadores de sangue. Os resultados são para soros isolados e mostram apenas reatividade, título de IgG igual ou maior a 1:512 e possível infecção aguda. As infecções agudas presumidas (quadruplicação do título de IgG) não podem ser inferidas a partir de resultados em apenas um soro. O Focus MIF IgG foi positivo para C. pneumoniae em 42,2% (27/64) dos doadores de sangue. 3 dos 27 apresentaram Focus MIF IgG para C. pneumoniae com título igual ou maior a 1:512. O Focus MIF IgG foi positivo para C. trachomatis em 11,0% (7/64) dos doadores de sangue. Nenhuma amostra apresentou Focus MIF IgG para C. trachomatis com título igual ou maior a 1:512. O Focus MIF IgG foi positivo para C. psittaci em 0,0% (0/64) dos doadores de sangue. Reatividade em doadores de sangue (n = 64) MIF p/c. pneumoniae Doadores de sangue 42,2% (27/64) IC 95% 29,9-55,2% Focus MIF IgG positivos (%) MIF p/c. trachomatis 11,0% (7/64) IC 95% 4,5-21,2% * Como os redsultados são para uma única amostra de soro, não foi possível verificr se houve quadruplicação do título. Trêsamostras apresentaram Focus MIF IgG para C. pneumoniae com valor igual ou maior a 1:512. Nenhuma amostra apresentou Focus para C. trachomatis com título igual ou maior a 1:512. Reatividade em pacientes sexualmente ativos (C. trachomatis) Um pesquisador externo no meio-oeste dos Estados Unidos comparou o Focus MIF IgG para clamídia com o Kit A (um ensaio ELISA disponível comercialmente). Os dois kits foram avaliados para testar a reatividade a Chlamydia trachomatis em 400 pacientes sexualmente ativos. Trezentas dessas amostras foram colhidas ativamente em uma clínica de doenças sexualmente transmissíveis (DST) no noroeste (costa do Pacífico) dos EUA e as outras 100 foram fornecidas por um laboratório australiano que obteve amostras de uma clínica de DST em que os exames de PCR foram positivos para Chlamydia trachomatis. Nos casos em que os resultados do Focus MIF IgG para clamídia e do Kit A, as amostras foram testadas com o Kit B (um ensaio MIF disponível comercialmente). A porcentagem de concordância foi calculada para o Focus MIF IgG para clamídia, Kit A e Kit B. As populações foram analisadas separadamente e em conjunto. População da clínica de DST População PCR+ Focus MIF IgG Kit A (C. trachomatis) (C. trachomatis) + +/ N = 300 Concordância positiva 37,3%, IC 95% 24,1 51,9% Concordância negativa 92,6%, IC 95% 88,5 95,5% Concordância total 81,0%, IC 95% 76,6 85,4% População total Focus MIF IgG Kit A (C. trachomatis) (C. trachomatis) + +/ N = 400 Concordância positiva 45,9%, IC 95% 36,3 55,7% Concordância negativa 93,2%, IC 95% 89,6 95,9% Concordância total 78,0%, IC 95% 73,9 82,1% Focus MIF IgG Kit A (C. trachomatis) (C. trachomatis) + +/ N = 100 Concordância positiva 55,2%, IC 95% 41,5 68,3% Concordância negativa 97,4%, IC 99,9% 86,5 95,5% Concordância total 70,0%, IC 95% 60,0 78,8% Os resultados do Focus MIF IgG e do Kit A foram divergentes em 88 amostras, que foram, com exceção de 2 amostras, analisadas com o Kit B para confirmação do resultado (N=86*). A concordância total do Kit B com o Focus MIF IgG e com o Kit A foi de 58,1% (50/86) e 36,0% (31/86), respectivamente. Ao todo, 37 amostras negativas ao teste Focus MIF IgG também foram negativas ao teste com o Kit B, 78,7% (37/47). Um total de 7 amostras negativas ao teste com Kit A apresentaram resultados negativos ao teste com o Kit B, 14,9% (13/47). O teste com o Kit B foi positivo em 39 amostras, e 13 amostras foram positivas tanto ao Focus MIF IgG como com o Kit B. Outras 24 amostras foram positivas tanto com o Kit A como com o Kit B. Nos testes de arbitragem, a concordância positiva entre o Focus MIF IgA e o Kit B foi 33,3% (13/39). Focus MIF IgG (C. trachomatis) Kit A (C. trachomatis) N = 86* Concordância positiva 33,3%, IC 95% 19,1 50,2% Concordância negativa 78,7%, IC 95% 64,3 89,3% Concordância total 58,1%, IC 95% 47,0 68,7% Duas amostras não foram incluídas porque não foram realizados testes com o Kit B. PCR positivo confirmado Kit A (C. trachomatis) Kit A (C. trachomatis) / N = 86* Concordância positiva 61,5%, IC 95% 44,6 76,6% Concordância negativa 14,9%, IC 95% 6,2 28,3% Concordância total 36,0%, IC 95% 26,0 47,1% Os laboratórios também testaram c concordância positiva com amostras de 100 pacientes (33 de 100 amostras foram testadas com o Kit B) de um laboratório australiano que obteve amostras de uma clínica de DST nas quais o PCR foi positivo para Chlamydia trachomatis.

6 Página 6 Focus MIF IgG PCR positivo N = 100 Concordância positiva 32,0%, IC 95% 23,0 42,1% + Kit A PCR positivo / N = 100 Concordância positiva 58.0%, IC 95% % Kit B PCR positivo N = 33 Concordância positiva 51,5%, IC 95% 33,5 69,2% + CROSS REACTIVITY As amostras em que os testes para C. trachomatis foram negativas com o Kit B (MIF) e que foram positivas para C. pneumoniae e/ou C. psittaci, a concordância percentual de reatividade cruzada com o Focus MIF IgA e o Kit A (ELISA) são calculadas abaixo. 93.3% (84/90): Concordância porcentual de reatividade cruzada entre Focus MIF IgG e C. pneumoniae. 100% (90/90): Concordância porcentual de reatividade cruzada entre Focus MIF IgG e C. psittaci. 80.0% (72/90): Concordância porcentual de reatividade cruzada entre Kit A e C. pneumoniae. 100% (90/90): Concordância porcentual de reatividade cruzada entre Kit A e C. psittaci. Reatividade cruzada com vírus comuns Um pesquisador avaliou a reatividade cruzada do teste com amostras positivas para IgM anti-ebv (antígeno de capsídeo viral), IgM anti-cmv e IgG anti influenza A. O Focus MIF IgG foi positivo para C. pneumoniae em 0,0% (0/5) das amostras positivas para IgG contra capsídeo viral de EBV, 18,2% (2/11) de amostras positivas para IgM anti-cmv e 0,0% (0/5) de positivos para IgG anti-influenza A. O Focus MIF IgG também foi negativo para C. trachomatis em todas as amostras de EBV, CMV e influenza A. Reatividade cruzada com vírus comuns Soropositivos p/ IgG anticapsídeo de EBV 0,0% (0/5) IC 95% 0,0-70,8% Soropostiivos para IgM anti-cmv 18,2% (2/11) IC 95% 2,3-51,8% Soropositivos para IgG anti-influenza A 0,0% (0/5) IC 95% 0,0-52,2% Focus MIF IgG positivos (%) MIF p/c. pneumoniae MIF p/c. trachomatis 0,0% (0/5) IC 95% 0,0-70,8% 0,0% (0/11) IC 95% 0,0-28,5% 0,0% (0/5) IC 95% 0,0-52,2% Reprodutibilidade Interensaio Um pesquisador avaliou a reprodutibilidade interensaio analisando 24 soros com concentrações determinadas de todos os três antígenos em três sequências de teste realizadas em três dias diferentes. 86% (186/216) estavam no intervalo de uma diluição pela metade. Reprodutibilidade interlote Um pesquisador avaliou a reprodutibilidade interlote analisando 15 soros com títulos específicos de todos os três antígenos usando lâminas de três lotes diferentes. 100% (108/108) estavam no intervalo de uma diluição pela metade. Reprodutibilidade interlaboratório Dois pesquisadores externos avaliaram a reprodutibilidade interlaboratório testando 15 soros com concentrações determinadas de todos os três antígenos. 89% (240/270) dos resultados estavam no intervalo de uma diluição pela metade em todos os seis testes. REPRESENTANTE AUTORIZADO mdi Europa GmbH, Langenhagener Str , Langenhagen-Hannover, Alemanha INFORMAÇÕES SOBRE PEDIDOS Telefone: 1 (562) (internacional) Fax: 1 (562) ASSISTÊNCIA TÉCNICA Telefone: 1 (562) (internacional) Fax: 1 (562) Acesse nosso website PC.IF1250G Rev. J Data de edição: 27 jan 2011 Cypress, California EUA

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue é uma doença endêmica que afeta mais de 100 países, incluindo as regiões de clima tropical e subtropical da África, Américas, Leste do Mediterrâneo,

Leia mais

HIV em gestantes: garantindo a acurácia diagnóstica. Dra Ester Sabino Fundação Pró-Sangue/ Hemocentro de São Paulo Diagnósticos da América

HIV em gestantes: garantindo a acurácia diagnóstica. Dra Ester Sabino Fundação Pró-Sangue/ Hemocentro de São Paulo Diagnósticos da América HIV em gestantes: garantindo a acurácia diagnóstica Dra Ester Sabino Fundação Pró-Sangue/ Hemocentro de São Paulo Diagnósticos da América Distribuição de freqüência de títulos sorológicos de duas populações

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: Farmácia Disciplina: Imunologia Clínica Código da Disciplina 06117082 Professor(es): Yoshimi Imoto Yamamoto Etapa 7ªA Carga horária:

Leia mais

INSTITUTO ADOLFO LUTZ CENTRO DE VIROLOGIA NÚCLEO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO VETORIAL

INSTITUTO ADOLFO LUTZ CENTRO DE VIROLOGIA NÚCLEO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO VETORIAL INSTITUTO ADOLFO LUTZ CENTRO DE VIROLOGIA NÚCLEO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO VETORIAL LABORATÓRIO DE RIQUÉTSIAS Fabiana Cristina Pereira dos Santos Pesquisador Científico D) Qual é a previsão para otimizar

Leia mais

Diagnóstico Laboratorial de Chikungunya

Diagnóstico Laboratorial de Chikungunya Diagnóstico Laboratorial de Chikungunya Fernanda Montenegro de Carvalho Araújo Dezembro/2014 Introdução A febre do CHIKUNGUNYA é uma doença endêmica nos países do Sudeste da Ásia, África e Oceania e emergente

Leia mais

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO HEPATITES Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO Hepatites virais: agentes etiológicos A B C D E Vírus hepatotrópicos G TT Herpes vírus EBV CMV Enterovírus Adenovírus Febre

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Considerações sobre o diagnóstico de doenças transmitidas pelo sangue Ms. Paulo Germano de Carvalho O sangue é uma porta de entrada para

Leia mais

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV)

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV) ANEXO II ANEXO DA RESOLUÇÃO SESA Nº.../2009 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ALTERAÇÃO DA CAUSA DE REJEIÇÃO DO CÓDIGO 57 (INCONCLUSIVO), PELOS SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA NO SHTWEB. 1. Segundo a RDC nº 153 de 14

Leia mais

Portuguese Summary. Resumo

Portuguese Summary. Resumo Portuguese Summary Resumo 176 Resumo Cerca de 1 em 100 indivíduos não podem comer pão, macarrão ou biscoitos, pois eles têm uma condição chamada de doença celíaca (DC). DC é causada por uma das intolerâncias

Leia mais

REPRODUTIBILIDADE DOS RESULTADOS DE ANTICORPOS ANTI- HIV EM AMOSTRAS DE SORO ARMAZENADAS POR PERÍODOS DE DOIS A DEZOITO ANOS.

REPRODUTIBILIDADE DOS RESULTADOS DE ANTICORPOS ANTI- HIV EM AMOSTRAS DE SORO ARMAZENADAS POR PERÍODOS DE DOIS A DEZOITO ANOS. REPRODUTIBILIDADE DOS RESULTADOS DE ANTICORPOS ANTI- HIV EM AMOSTRAS DE SORO ARMAZENADAS POR PERÍODOS DE DOIS A DEZOITO ANOS. Castejon MJ, Yamashiro R, Oliveira CC, Oliveira CAF, Ueda M Instituto Adolfo

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS Descrição Doença que representa um dos maiores problemas de saúde da atualidade, em função de seu

Leia mais

Pneumonia na Pediatria

Pneumonia na Pediatria Pneumonia na Pediatria Universidade Católica de Brasília Nome: Gabriela de Melo Souza da Silva Costa Matrícula: UC11045029 Orientadora: Drª Carmem Lívia Faria da Silva Martins Pneumonias São doenças inflamatórias

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Vírus da Rubéola Togavirus Vírus de RNA fita simples Principal epítopo dominante:

Leia mais

Suspeita clínic a de doença celíaca. + IgA sérica POSITIVO 3? Anti-gliadina IgG POSITIVO?

Suspeita clínic a de doença celíaca. + IgA sérica POSITIVO 3? Anti-gliadina IgG POSITIVO? DOENÇA CELÍACA Suspeita clínic a de doença celíaca ttg 1 IgA ou Antiendomísio (AEM) IgA 2 + IgA sérica 3? Probabilidade de doença celíaca é baixa Probabilidade de doença celíaca é alta Deficiência de IgA?

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora TESTE DE ANTIGLOBULINA E SUA APLICAÇÃO EM LABORATÓRIOS Margarida de Oliveira Pinho, Bióloga, Responsável pelo Setor de Imunohematologia e Coordenação da equipe técnica do Serviço de Hemoterapia

Leia mais

DESEMPENHO COMPARATIVO DO KIT DE TESTE RÁPIDO ASSURE DENGUE IGA COM O KIT DE TESTE RÁPIDO DENGUE IGM/IGG NA DETECÇAO AGUDA DA DENGUE.

DESEMPENHO COMPARATIVO DO KIT DE TESTE RÁPIDO ASSURE DENGUE IGA COM O KIT DE TESTE RÁPIDO DENGUE IGM/IGG NA DETECÇAO AGUDA DA DENGUE. DESEMPENHO COMPARATIVO DO KIT DE TESTE RÁPIDO ASSURE DENGUE IGA COM O KIT DE TESTE RÁPIDO DENGUE IGM/IGG NA DETECÇAO AGUDA DA DENGUE. Bijon Kumar Sil 1, Yun Ying Tan 1, Firoz Ahmed 2, Huzzatul Mursalin

Leia mais

TOXOPLASMOSE CONGÊNITA

TOXOPLASMOSE CONGÊNITA FLUXO DE ENCAMINHAMENTO SOLICITAR: exames de rotina (TOXOPLASMOSE, VDRL, HIV e FEZES) PREENCHER: Questionário epidemiológico (orientar sobre as medidas de prevenção da toxoplasmose), assinar o Termo de

Leia mais

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE Todos os indivíduos com suspeita de Pneumonia Adquirida na Comunidade (PAC) devem realizar telerradiografia do tórax (2 incidências)(nível A). AVALIAÇÃO

Leia mais

HEPATITE B - Anti HBs

HEPATITE B - Anti HBs HEPATITE B - Anti HBs Material: soro Sinônimo: Anti -HBsAg Volume: 1,0 ml Método: Eletroquimioluminescência - ECLIA Volume Lab.: 1,0 ml Rotina: Diária Temperatura: Refrigerado Coleta: Jejum recomendado,

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil COVER/CGDT/ DEVEP/SVS/MS São Paulo,, setembro de 2007 Classificações das Pneumonias Local de aquisição Tempo de evolução Tipo do comprometimento Comunitária

Leia mais

Uso do Dímero D na Exclusão Diagnóstica de Trombose Venosa Profunda e de Tromboembolismo Pulmonar

Uso do Dímero D na Exclusão Diagnóstica de Trombose Venosa Profunda e de Tromboembolismo Pulmonar Uso do Dímero D na Exclusão Diagnóstica de Trombose Venosa Profunda e de Tromboembolismo Pulmonar 1- Resumo O desequilíbrio das funções normais da hemostasia sangüínea resulta clinicamente em trombose

Leia mais

HPV Fatores relacionados à persistência da infecção

HPV Fatores relacionados à persistência da infecção HPV Fatores relacionados à persistência da infecção Papilomavírus humano(hpv) Agente etiológico do câncer cervical e lesões precursoras. DNA-HPV pode ser detectado com prevalência de 90 a 100% nas amostras

Leia mais

OraQuick ADVANCE HIV-1/2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos HIV-1/2. Plasma. Amostras HIV-1. Amostras HIV-1. Amostras

OraQuick ADVANCE HIV-1/2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos HIV-1/2. Plasma. Amostras HIV-1. Amostras HIV-1. Amostras Dispositivo Médico para Diagnóstico In vitro Nome Mandatário Fabricante Distribuidor Tipo de Teste Teste rápido. OraQuick ADVANCE /2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos /2 Aplicação Diagnóstica

Leia mais

INTERFERÊNCIA DE REAÇÕES CRUZADAS NO DIAGNÓSTICO DA TOXOPLASMOSE

INTERFERÊNCIA DE REAÇÕES CRUZADAS NO DIAGNÓSTICO DA TOXOPLASMOSE INTERFERÊNCIA DE REAÇÕES CRUZADAS NO DIAGNÓSTICO DA TOXOPLASMOSE Clarissa Zanoni Kera Arantes RESUMO: O grande número de casos positivos para pesquisa de anticorpos da classe IGM para e mononucleose num

Leia mais

Diagnóstico Laboratorial das Infecções Virais

Diagnóstico Laboratorial das Infecções Virais Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic/diaadia Diagnóstico Laboratorial das Infecções Virais Introdução A análise

Leia mais

FLUXO PARA ACOMPANHAMENTO, ENCERRAMENTO E DIGITAÇÃO DOS CASOS DE DENGUE

FLUXO PARA ACOMPANHAMENTO, ENCERRAMENTO E DIGITAÇÃO DOS CASOS DE DENGUE Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos Prefeitura Municipal de Curitiba - Secretaria Municipal da Saúde Centro de Epidemiologia - Vigilância Epidemiológica DENGUE (CID A90 ou A91) CHIKUNGUNYA (CID A92) ZIKA (CID A92.8) Definição de caso suspeito

Leia mais

Imunodiagnóstico. Conceitos. Fatôres que afetam as reações de Ag/Acs. Reatividade Cruzada. Quantificação. da Resposta Imune.

Imunodiagnóstico. Conceitos. Fatôres que afetam as reações de Ag/Acs. Reatividade Cruzada. Quantificação. da Resposta Imune. O QU SÃO TSTS SOROLÓGICOS? Imunodiagnóstico Conceitos Prof: Prof: Teresa Teresa Gomes Gomes de de Oliveira Oliveira São técnicas para a detecção e quantificação de antígenos e anticorpos, ou outras substâncias

Leia mais

EIE ENSAIOS ENSAIOS IMUNOENZIMÁTICOS. ImmunoSorbent Assay ENSAIOS IMUNOENZIMÁTICOS (EIE) Profa MsC. Priscila P. S. dos Santos

EIE ENSAIOS ENSAIOS IMUNOENZIMÁTICOS. ImmunoSorbent Assay ENSAIOS IMUNOENZIMÁTICOS (EIE) Profa MsC. Priscila P. S. dos Santos ENSAIOS IMUNOENZIMÁTICOS (EIE) CURSO DE FARMÁCIA DISCILINA DE IMUNOLOGIA CLÍNICA rofa MsC. riscila. S. dos Santos ENSAIOS IMUNOENZIMÁTICOS EIE HOMOGÊNEOS HETEROGÊNEOS CROMÓGENOS SOLÚVEIS Todo em fase líquida

Leia mais

Testes sorológicos de triagem para componentes hemoterápicos.

Testes sorológicos de triagem para componentes hemoterápicos. Parecer do Grupo Técnico de Auditoria em Saúde 08/06 Tema: Testes sorológicos de triagem para doenças infecciosas em doadores de sangue I Data: 13/03/2006 II Grupo de Estudo: Dra. Célia Maria da Silva

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA Dengue Dengue em tempo Real RT Adenovírus Colher 5 ml de sangue em tubo com gel separador (tampa amarela). Colher a primeira amostra na fase aguda da doença (até 7 dias após o início dos sintomas). Coletar

Leia mais

DST Testes Moleculares GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR

DST Testes Moleculares GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR DST Testes Moleculares A Genética de Microorganismos do Hermes Pardini é reconhecida por oferecer uma gama de exames moleculares que auxiliam nas decisões clínicas

Leia mais

Informe Técnico SARAMPO nº 5 Sarampo no Estado de São Paulo

Informe Técnico SARAMPO nº 5 Sarampo no Estado de São Paulo GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC DIVISÃO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA

Leia mais

4 0 0 /2 2 0 A D A IS V E R O Ã IÇ D pelo E V L T H O L E P O Ã Ç C E F - IN E T N IE C A P O D L A U N A M

4 0 0 /2 2 0 A D A IS V E R O Ã IÇ D pelo E V L T H O L E P O Ã Ç C E F - IN E T N IE C A P O D L A U N A M MANUAL DO PACIENTE - INFECÇÃO PELO HTLV EDIÇÃO REVISADA 02/2004 pelo Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Infecção pelo HTLV. Sabemos que as

Leia mais

Diagnóstico e Tratamento das Hepatites Agudas na Gestação

Diagnóstico e Tratamento das Hepatites Agudas na Gestação III WORKSHOP INTERNACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM HEPATOLOGIA Diagnóstico e Tratamento das Hepatites Agudas na Gestação CLÁUDIO G. DE FIGUEIREDO MENDES SERVIÇO DE HEPATOLOGIA SANTA CASA DO RIO DE JANEIRO Hepatites

Leia mais

ADM_GERENCIAMENTO POP PROCEDIMENTO OPERACIONAL

ADM_GERENCIAMENTO POP PROCEDIMENTO OPERACIONAL Processo: Precauções e isolamentos ADM_GERENCIAMENTO POP PROCEDIMENTO OPERACIONAL Identificação P O P 04 CCIH Revisão: 00 DATA DE ELABORAÇÃO: Maio/2015 Folha Nº 1. OBJETIVO: Reduzir ou minimizar os riscos

Leia mais

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia e VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Avaliação do desempenho da técnica de nested- PCR em amostras de sangue coletadas de pacientes pediátricos com suspeita

Leia mais

Roteiro para uso do banco de dados do SINAN Online Dengue para análise de completitude e inconsistências

Roteiro para uso do banco de dados do SINAN Online Dengue para análise de completitude e inconsistências Roteiro para uso do banco de dados do SINAN Online Dengue para análise de completitude e inconsistências O Sistema de Informação de Agravos de Notificação Online (SINAN Online) tem por objetivo a notificação

Leia mais

Programa de Controle da Dengue/SC

Programa de Controle da Dengue/SC Programa de Controle da Dengue/SC Estratégia operacional de prevenção e controle da dengue para municípios não infestados por Aedes aegypti, infestados por Aedes aegypti sem circulação viral e infestados

Leia mais

ANEXO 2 VALIDADE DE INSTRUMENTOS DE DIAGNÓSTICO

ANEXO 2 VALIDADE DE INSTRUMENTOS DE DIAGNÓSTICO ANEXO 2 VALIDADE DE INSTRUMENTOS DE DIAGNÓSTICO 207 ANEXO 2 Em vigilância e em investigações de surtos, como em várias outras aplicações da epidemiologia, é importante conhecer os conceitos e aplicações

Leia mais

Testes pré-transfusionais. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br

Testes pré-transfusionais. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Testes pré-transfusionais Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Imunohematologia Antígenos eritrocitários Importância do estudo dos antígenos Incompatibilidades transfusionais

Leia mais

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB ANTI-A ANTI-B ANTI-AB Monoclonal Murino IgM PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagentes para classificação do sistema sangüíneo ABO PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO

Leia mais

AUTARQUIA EDUCACIONAL DE BELO JARDIM CURSO BACHARELADO EM ENFERMAGEM ROSELINE CALISTO FEBRE DO NILO OCIDENTAL

AUTARQUIA EDUCACIONAL DE BELO JARDIM CURSO BACHARELADO EM ENFERMAGEM ROSELINE CALISTO FEBRE DO NILO OCIDENTAL AUTARQUIA EDUCACIONAL DE BELO JARDIM CURSO BACHARELADO EM ENFERMAGEM ROSELINE CALISTO FEBRE DO NILO OCIDENTAL Belo Jardim 2008 FEBRE DO NILO OCIDENTAL 1. DESCRIÇÃO Infecção viral que pode transcorrer de

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Segurança Transfusional, Sorologia, bancos de sangue, biologia molecular.

PALAVRAS CHAVE: Segurança Transfusional, Sorologia, bancos de sangue, biologia molecular. AVALIAÇÃO DE INAPTIDÃO SOROLÓGICA E MOLECULAR PÓS- IMPLANTAÇÃO DA TÉCNICA DE AMPLIFICAÇÃO DE ÁCIDOS NUCLÉICOS (NAT) NA TRIAGEM DA HEPATITE C E DO HIV NO CENTRO DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA DO PARANÁ -

Leia mais

Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos

Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos Aula 11 Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos As amostras com resultados reagentes, na etapa de triagem, devem ser submetidas à etapa complementar. Nessa etapa,

Leia mais

vacina pneumocócica 13-valente (conjugada)

vacina pneumocócica 13-valente (conjugada) vacina pneumocócica 13-valente (conjugada) Wyeth Indústria Farmacêutica Ltda. Suspensão injetável 0,5 ml TEXTO DE BULA DA VACINA PNEUMOCÓCICA 13-VALENTE (CONJUGADA) I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES

Leia mais

Aviso de Segurança Urgente

Aviso de Segurança Urgente IMMULITE IMMULITE 1000 IMMULITE 2000 IMMULITE 2000 XPi Aviso de Segurança Urgente 4005 Novembro de 2012 Todas as plataformas IMMULITE para o ensaio IGF -I (Factor de Crescimento I Tipo Insulina ) - Alteração

Leia mais

ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano)

ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano) ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano) PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagente para classificação do fator Rh PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO Conservar entre: 2-8

Leia mais

FEBRE DO NILO OCIDENTAL CID 10: A92.3

FEBRE DO NILO OCIDENTAL CID 10: A92.3 Febre do Nilo Ocidental FEBRE DO NILO OCIDENTAL CID 10: A92.3 Características gerais Descrição Infecção viral que pode transcorrer de forma subclínica ou com sintomatologia de distintos graus de gravidade,

Leia mais

P N E U M O N I A UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES 10/09/2015 CONCEITO

P N E U M O N I A UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES 10/09/2015 CONCEITO UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES P N E U M O N I A CONCEITO Processo inflamatório do parênquima pulmonar que, comumente, é causada por agentes infecciosos. 1 Uma

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde. Atualização - Dengue. Situação epidemiológica e manejo clínico

Secretaria Municipal de Saúde. Atualização - Dengue. Situação epidemiológica e manejo clínico Secretaria Municipal de Saúde Atualização - Dengue Situação epidemiológica e manejo clínico Agente Etiológico Arbovírus do gênero Flavivírus: Den-1, Den-2, Den-3 e Den- 4. Modo de Transmissão: Aspectos

Leia mais

Ata Final. Item 0001

Ata Final. Item 0001 Ata Final Às 10:00 horas do dia 09 de fevereiro de 2012, reuniu-se o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Palmas e respectivos membros da Equipe de apoio, designados pela portaria 095/2011-GAB/SEFIN

Leia mais

A Secretária de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições, e considerando:

A Secretária de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições, e considerando: Detecção de anticorpos anti-hiv - Portaria 488 de 17/6/1998 Ementa: As unidades hemoterápicas, públicas e privadas, que realizam atividades de Hematologia, ficam obrigadas a cumprir as etapas do conjunto

Leia mais

REQUISITOS ZOOSSANITÁRIOS PARA IMPORTAÇÃO DEFINITIVA OU PARA REPRODUÇÃO DE EQÜÍDEOS ENTRE OS ESTADOS PARTES

REQUISITOS ZOOSSANITÁRIOS PARA IMPORTAÇÃO DEFINITIVA OU PARA REPRODUÇÃO DE EQÜÍDEOS ENTRE OS ESTADOS PARTES MERCOSUL/GMC/RES Nº 20/07 REQUISITOS ZOOSSANITÁRIOS PARA IMPORTAÇÃO DEFINITIVA OU PARA REPRODUÇÃO DE EQÜÍDEOS ENTRE OS ESTADOS PARTES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e

Leia mais

Como os Modelos Atuais Podem Combater Novas Formas de Fraude?

Como os Modelos Atuais Podem Combater Novas Formas de Fraude? Como os Modelos Atuais Podem Combater Novas Formas de Fraude? Uma camada adaptativa, que aprende novos padrões de fraude, pode ser adicionada ao modelo para melhorar a sua capacidade de detecção Número

Leia mais

Instruções de uso. Dengue Vírus IgM Capture DxSelect EL1500M. Somente para diagnóstico in vitro

Instruções de uso. Dengue Vírus IgM Capture DxSelect EL1500M. Somente para diagnóstico in vitro Instruções de uso Somente para diagnóstico in vitro Dengue Vírus IgM Capture DxSelect EL1500M 96 / 480 testes UTILIZAÇÃO O Dengue Vírus IgM CaptureDxSelect da Focus Diagnostics é um teste qualitativo para

Leia mais

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte II 2012/1

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte II 2012/1 Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte II 2012/1 1. Um homem de 42 anos sabe que está com HIV/AIDS. Qual

Leia mais

Meningites- Etiologia

Meningites- Etiologia Meningites- Etiologia Meningites (meningo/encefalites) Virais Meningites bacterianas Meningites fúngicas e tuberculosas Meningites (meningo/encefalites) assépticas Outros (eosinofílicas) Meningites ndeterminadas

Leia mais

Nome do campo Campo Tipo Categoria Descrição Características DBF Campo obrigatório 31-Data da Investigação

Nome do campo Campo Tipo Categoria Descrição Características DBF Campo obrigatório 31-Data da Investigação MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA CENTRO DE INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS EM VIGILÂNCIA EM SAÚDE GT-SINAN SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO

Leia mais

TR DPP HIV-1/2 Bio-Manguinhos / TR DPP Sífilis

TR DPP HIV-1/2 Bio-Manguinhos / TR DPP Sífilis Pedro Paulo Ferreira Ribeiro Diagnóstico HIV ELISA Teste Rápido Diagnóstico Sífilis ELISA VDRL Testes antigênicos não treponêmicos ou testes lipoídicos: - VDRL (Venereal Disease Research Laboratory) -

Leia mais

Amostras: - DNA extraído por metodologia definida pelo usuário, seguindo as normas e padrões de amostras exigidos na descrição abaixo.

Amostras: - DNA extraído por metodologia definida pelo usuário, seguindo as normas e padrões de amostras exigidos na descrição abaixo. RTS097 Chlamydophila pn. Q - PCR Alert Kit Instruções de Uso USO PRETENDIDO O produto CHLAMYDOPHILA pn. Q-PCR Alert AmpliPROBE é parte de um ensaio quantitativo de amplificação de ácidos nucleicos para

Leia mais

10 de Julho de 2010 PROVA 2

10 de Julho de 2010 PROVA 2 Pontifícia Universidade Católica do Paraná Transferência Externa Medicina 2º Semestre 2010 10 de Julho de 2010 PROVA 2 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 6º PERÍODO N.º DO CARTÃO NOME (LETRA DE FORMA) ASSINATURA

Leia mais

Instruções de Uso. ImmunoComb CANINE EHRLICHIA. N Cat. do Produto: 50CEH201/50CEH210 USO VETERINÁRIO - PRODUTO IMPORTADO

Instruções de Uso. ImmunoComb CANINE EHRLICHIA. N Cat. do Produto: 50CEH201/50CEH210 USO VETERINÁRIO - PRODUTO IMPORTADO Instruções de Uso ImmunoComb CANINE EHRLICHIA Kit para a detecção de anticorpos IgG de Ehrlichia canis N Cat. do Produto: 50CEH201/50CEH210 USO VETERINÁRIO - PRODUTO IMPORTADO Instruction Cat. No: 63CEH511

Leia mais

Hepatites Virais. Carmen Regina Nery e Silva agosto 2011 Regina.nery@aids.gov.br

Hepatites Virais. Carmen Regina Nery e Silva agosto 2011 Regina.nery@aids.gov.br Hepatites Virais Carmen Regina Nery e Silva agosto 2011 Regina.nery@aids.gov.br Definição Hepatite viral: Doença causada exclusivamente por vírus hepatotrópico. Diagnóstico Diferencial: CMV, mononucleose

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS Doenças Infecciosas e Parasitárias 22 e 23 de julho de 2014 para os animais. pela saúde. por você. 1 O presente material corresponde ao conteúdo das palestras ministradas

Leia mais

Imunocromatografia e Dot-ELISA. Andréa Calado

Imunocromatografia e Dot-ELISA. Andréa Calado Imunocromatografia e Dot-ELISA Andréa Calado IMUNOCROMATOGRAFIA A imunocromatografia é uma técnica que começou a ser desenvolvida nos anos 60, sendo primeiro criada para o estudo das proteínas séricas;

Leia mais

Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa. Reação Ag-Ac in vitro

Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa. Reação Ag-Ac in vitro Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa Reação Ag-Ac in vitro Testes sorológicos Uso de soro ou outros fluidos biológicos de paciente p/ diagnóstico laboratorial Demonstração de anticorpos específicos

Leia mais

Aspectos Epidemiológicos

Aspectos Epidemiológicos CID-10 A50 Aspectos Epidemiológicos A Sífilis Congênita tem como agente etiológico o Treponema pallidum que, estando presente na corrente sangüínea da gestante, atravessa a barreira placentária e penetra

Leia mais

NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS ANTI- HIV EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA.

NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS ANTI- HIV EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DAS DST/HIV/AIDS NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO:

Leia mais

Arbovírus: arthropod-born virus 400 vírus isolados 100 patógenos humanos. Febres indiferenciadas Encefalites Febres hemorrágicas

Arbovírus: arthropod-born virus 400 vírus isolados 100 patógenos humanos. Febres indiferenciadas Encefalites Febres hemorrágicas Arbovírus: Hospedeiro natural vertebrado arthropod-born virus 400 vírus isolados 100 patógenos humanos Vetor hematófago Hospedeiro vert. Vetor hemat. Febres indiferenciadas Encefalites Febres hemorrágicas

Leia mais

TESTES RÁPIDOS: CONSIDERAÇÕES GERAIS PARA SEU USO COM ÊNFASE NA INDICAÇÃO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA

TESTES RÁPIDOS: CONSIDERAÇÕES GERAIS PARA SEU USO COM ÊNFASE NA INDICAÇÃO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA TESTES RÁPIDOS: CONSIDERAÇÕES GERAIS PARA SEU USO COM ÊNFASE NA INDICAÇÃO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA Unidade de Assistência, Unidade de Laboratório e Rede de Direitos Humanos

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA Versão: 06 Código: STROEM 02 Paginação: 1 de 36 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Aprovado e liberado por:

Leia mais

NOTA TÉCNICA N o 014/2012

NOTA TÉCNICA N o 014/2012 NOTA TÉCNICA N o 014/2012 Brasília, 28 de agosto de 2012. ÁREA: Área Técnica em Saúde TÍTULO: Alerta sobre o vírus H1N1 REFERÊNCIA(S): Protocolo de Vigilância Epidemiológica da Influenza Pandêmica (H1N1)

Leia mais

Pneumonia Adquirida na Comunidade U F M A. Prof. EDSON GARRIDO

Pneumonia Adquirida na Comunidade U F M A. Prof. EDSON GARRIDO Pneumonia Adquirida na Comunidade U F M A Prof. EDSON GARRIDO Pneumonia Adquirida na Comunidade O QUE É PNEUMONIA? Pneumonia Adquirida na Comunidade Infecção aguda do parênquima pulmonar distal ao bronquíolo

Leia mais

Sessão De Pediatria. Discussão De Artigos

Sessão De Pediatria. Discussão De Artigos Sessão De Pediatria Discussão De Artigos Evaluation of children with recurrent pneumonia diagnosed by world health organization criteria. Pediatr Infect Dis J. 2002: 21: 108-12. James D. Heffelfinger,

Leia mais

Medicamentos que contêm dextropropoxifeno com Autorização de Introdução no Mercado na União Europeia. Romidon 75mg/2ml Solução injectável

Medicamentos que contêm dextropropoxifeno com Autorização de Introdução no Mercado na União Europeia. Romidon 75mg/2ml Solução injectável ANEXO I LISTA DAS DENOMINAÇÕES FORMAS FARMACÊUTICAS, DOSAGENS, VIA DE ADMINISTRAÇÃO DOS MEDICAMENTOS, DOS TITULARES DAS AUTORIZAÇÕES DE INTRODUÇÃO NO MERCADO NOS ESTADOS-MEMBROS 1 Medicamentos que contêm

Leia mais

NADAL Testes Médicos Rápidos

NADAL Testes Médicos Rápidos NADAL Testes Médicos Rápidos Testes Imunológicos de Diagnóstico Imediato (Point-of-Care) Competente Inovador Personalizado 4 Infecciologia / Pediatria / Imunologia Na área das doenças infecciosas temos

Leia mais

Humberto Brito R3 CCP

Humberto Brito R3 CCP Humberto Brito R3 CCP ABSTRACT INTRODUÇÃO Nódulos tireoideanos são achados comuns e raramente são malignos(5-15%) Nódulos 1cm geralmente exigem investigação A principal ferramenta é a citologia (PAAF)

Leia mais

Manual Ilustrado Utilitários Controle de Infecção Hospitalar

Manual Ilustrado Utilitários Controle de Infecção Hospitalar Manual Ilustrado Utilitários Controle de Infecção Hospitalar Abril - 2014 Manual Ilustrado Utilitários Indíce Título do documento 1. Como utilizar esse material em seus estudos?... 3 2. Introdução... 3

Leia mais

ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo

ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo GEL FORMULADO COM REAGENTES MONOCLONAIS DE ORIGEM MURINA

Leia mais

HEMOCENTRO DE RIBEIRÃO PRETO CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO DE REAGENTES VISÃO DO CLIENTE

HEMOCENTRO DE RIBEIRÃO PRETO CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO DE REAGENTES VISÃO DO CLIENTE HEMOCENTRO DE RIBEIRÃO PRETO CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO DE REAGENTES VISÃO DO CLIENTE Rodrigo Spessotto Morais Toledo Qual a importância do controle da qualidade dos reagentes imunohematológicos? O

Leia mais

Carlos Alberto Dias Pinto. Vitória, 2014

Carlos Alberto Dias Pinto. Vitória, 2014 Carlos Alberto Dias Pinto Enfermeiro Sanitarista Mestre em Saúde Pública ENSP/FIOCRUZ Especialista em Vigilância Sanitária de Serviços de Saúde ENSP/FIOCRUZ STO/DVFS/SUVISA/SVS/SESDEC-RJ cadias.pinto2572@gmail.com

Leia mais

Coordenadora do laboratório, Assistente-técnico e Bioquímicos dos setores de Imunologia.

Coordenadora do laboratório, Assistente-técnico e Bioquímicos dos setores de Imunologia. POP L56 Página 1 de 6 1. Objetivo: Estabelecer procedimentos para realização de testes em paralelo para troca de lote de reagentes para HIV ARCHITECT, HIV ORAQUICK, HIV DUO ELFA, CD4/CD8, CT/NG e RNA-HIV

Leia mais

TYGACIL (tigeciclina)

TYGACIL (tigeciclina) TYGACIL (tigeciclina) I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Tygacil Nome genérico: tigeciclina APRESENTAÇÃO Tygacil 50 mg pó liofilizado estéril para infusão em embalagem contendo 10 frascos-ampolas.

Leia mais

Álgebra. SeM MiSTéRio

Álgebra. SeM MiSTéRio Álgebra SeM MiSTéRio Série SeM MiSTéRio Alemão Sem Mistério Álgebra Sem Mistério Cálculo Sem Mistério Conversação em Alemão Sem Mistério Conversação em Espanhol Sem Mistério Conversação em Francês Sem

Leia mais

VARICELA ZOSTER VARICELA E GRAVIDEZ

VARICELA ZOSTER VARICELA E GRAVIDEZ ZOSTER E GRAVIDEZ A varicela é uma doença comum da infância considerada habitualmente benigna. Adquirida na idade adulta pode acompanhar-se de complicações que serão ainda mais graves se for uma mulher

Leia mais

Effect of procalcitonin- guided treatment on antibiotic use and outcome in

Effect of procalcitonin- guided treatment on antibiotic use and outcome in Efeito do tratamento guiado por Procalcitonina no uso de Antibióticos e desfechos sob infecções do trato respiratório inferior: Estudo de intervenção cego e randomizado. Introdução Infecções do trato respiratório

Leia mais

REQUISITOS ZOOSSANITÁRIOS PARA IMPORTAÇÃO DEFINITIVA OU PARA REPRODUÇÃO DE EQÜÍDEOS DE TERCEIROS PAÍSES

REQUISITOS ZOOSSANITÁRIOS PARA IMPORTAÇÃO DEFINITIVA OU PARA REPRODUÇÃO DE EQÜÍDEOS DE TERCEIROS PAÍSES MERCOSUL/GMC/RES Nº 19/07 REQUISITOS ZOOSSANITÁRIOS PARA IMPORTAÇÃO DEFINITIVA OU PARA REPRODUÇÃO DE EQÜÍDEOS DE TERCEIROS PAÍSES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Decisão

Leia mais

Verdades e mentiras sobre a Toxoplasmose

Verdades e mentiras sobre a Toxoplasmose Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Verdades e mentiras sobre a Toxoplasmose Muito se tem falado sobre a Toxoplasmose e seus perigos,

Leia mais

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003 PNEUMONIA Este termo refere-se à inflamação do parênquima pulmonar associada com enchimento alveolar por exudato. São infecções das vias respiratórias inferiores gerando um processo inflamatório que compromete

Leia mais

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h.

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Vigilância Epidemiológica de Febre Chikungunya No Brasil, a febre chikungunya é uma doença de notificação compulsória e imediata,

Leia mais