PROJETO ESPORODIFUSORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO ESPORODIFUSORES"

Transcrição

1 EDITAL Nº 04, DE 10, DE MARÇO DE 2010 PRÊMIO CULTURA DIGITAL 2010 Esporos Pesquisa e Experimentação PROJETO ESPORODIFUSORES São Carlos SP

2 Abril 2010 Índice 1. Histórico Atuação Justificativa Objetivos Gerais Específicos Proposta ação Proposta envolvimento da re dos pontos cultura Proposta transversalida das ações do Programa Cultura Viva Proposta continuida Cronograma...7 Obs: é importante ressaltar que tais ações, conforme estão postas neste cronograma, porão sofrer mudanças em seus respectivos períodos execução em virtu fatores externos ao projeto, como repasse recursos, agendamento datas para realização das atividas formativas propostas, entre outros Público-alvo Apêndice

3 3 1. Histórico Em 2004 a Teia - casa criação iniciou sua aproximação aos conceitos e à filosofia do software livre, nesse momento a organização ainda utilizava softwares e plataformas proprietárias para todas as suas atividas digitais. Os primeiros contatos com a plataforma GNU-Linux ocorreram em função da proximida com grupos programadores e pequenas empresas programação instaladas em São Carlos. A aproximação entre a filosofia do software livre e a filosofia da Teia ficaram cada vez mais latentes para todos ntro do grupo, momento este em que a cisão política migração foi se tornando cada vez mais consolidada. Embora já houvesse a aproximação teórica e o interesse político para o uso SL, a diversida composição do grupo, assim como os s gráficos profissionais que já eram senvolvidos criavam entraves à migração. Em 2006, com a aprovação do projeto ponto cultura Teia das Culturas foi dada a cartada final para a migração finitiva da Teia. Com o dinheiro stinado para a compra equipamentos conseguimos estruturar uma re alto rendimento e agora tínhamos o compromisso com o Ministério da Cultura para utilizar SL. Planejamos a migração total e ntro oito meses já realizávamos 90% nossas atividas em SL. Com essa experiência, migração das atividas um grupo inteiro, com aproximadamente vinte e cinco pessoas senvolvendo atividas digitais diversas, nos tornamos uma referência e passamos a contribuir para outros grupos também migrarem, assim a Teia Casa Criação passou a buscar, s 2006, o uso pleno e a difusão do software livre a todos os parceiros, frequentadores, simpatizantes e atuantes do espaço. Em meados 2008 encaminhamos um projeto a um edital do MinC, fomos contemplados e nos tornamos um pontão cultura digital, passamos a atuar em abrangência estadual, através do Pontão Nós Digitais, que é voltado para a capacitação base dos pontos cultura, direcionada para o gerenciamento e administração res GNU-Linux. 1.1 Atuação Entre nossas ações durante o exercício 2009 e início 2010, pomos stacar, entre outros, os seguintes pontos: Compilação, organização e disponibilização materiais e documentações sobre sistemas e aplicativos GNU/Linux, sobre softwares livres edição áudio, vío e gráfico, disponibilizados através da plataforma Mais 10 oficinas presenciais administração e gerenciamento res, áudio, vío, gráfico e web, realizadas em diferentes regiões do estado São Paulo, cada uma reunindo diversos pontos cultura daquela região, 3 oficinas abrangendo pontos Minas Gerais, além capacitações alongadas stinadas a migração plataformas proprietárias para livres em pelo menos 5 pontos cultura São Paulo;

4 4 Contato, mapeamento, formação e acompanhamento para mais 30 pontos cultura cuja atuação estava diretamente ligada à cultura digital (ver apêndice 1, capítulo 11.); Realização do 1 Fórum Paulista Cultura Digital, em São Carlos, com a participação cinquenta representantes pontos cultura do estado. 2. Justificativa São muitas as possíveis abordagens para uma premiação como esta, e provavelmente todas elas tenham justificativas bastante significativas. De um modo ou outro, em função do tempo e do recurso disponibilizado se coloca a necessida objetivação das ações que serão apresentadas ntro ste recorte. Muitos sdobramentos poriam ser apresentados aqui a partir da experiência implementação do Pontão Nós Digitais em São Paulo, tanto ntro do território do estado quanto no sentido ampliar a atuação do projeto para outras partes do território nacional. Um gargalo em especial nos faz apresentar essa proposta aqui, já que percebemos muitos gargalos na re, mas na nossa avaliação alguns stes gargalos não pom ser encarados com objetivida apenas com o aporte ste prêmio e os outros ou vem sendo gradativamente resolvidos ou vem se modificando ao longo do tempo. O gargalo a que nos referimos é parte uma situação mais ampla, que é a necessida apropriação ferramentas livres comunicação por parte dos pontos cultura. Entenmos que o Pontão Nós Digitais, assim como diversos outros agentes da re, tem como parte sua função trabalhar para melhorar esta realida. A partir sta leitura nos entenmos em uma situação privilegiada para contribuir com a resolução uma situação específica, mas muito potente, que é a apropriação do Software Livre automação rádio Rivenll. Duas condições nos colocam nesta situação privilegiada, sendo elas: 1 - nossa proximida com a experiência mais bem sucedida no Brasil, pelo menos no que se tem notícia, implementação do Rivenll - que ocorreu na rádio UFSCar, on o software é responsável por manter a programação 24 horas no ar, rodando 100% em software livre já a alguns anos; 2 - fazermos parte ativa da re pontos com o papel disseminar o uso softwares livres. Essas condições já viabilizaram a apropriação do software pela equipe do Nós Digitais, inclusive tendo iniciado em 2009 a disseminação do mesmo em alguns pontos do estado São Paulo. Essa sequência raciocínio nos faz apresentar aqui o foco disseminação do Rivenll com a formação 3 esporos, além nós, espalhados no território, que usem e disseminem este software e outras ferramentas rádio e webradio ntro da re pontos cultura. Essa proposta não surge um vonta do Pontão Nós Digitais, mas sim da manda que pontos e pontões da re vem nos apresentando em encontros presenciais e virtuais, portanto, estamos sistematizado uma resposta à manda que nos chega, tentando construir outras referências na re para facilitar a apropriação ferramentas livres comunicação. O do Pontão, que tem origem no gerenciamento e administração res GNU- Linux, já há algum tempo tem se bifurcado em ações voltadas ao áudio, gráfico e vío, isso porque na realida dos pontos a manda aponta claramente essa necessida, em função disso, entenmos que é um bom momento para consolidarmos esse foco.

5 5 3. Objetivos Assim como um esporo é uma unida reprodução, este projeto almeja em seus objetivos mais essenciais ser uma unida reprodução dos valores ligados à produção colaborativa, ao compartilhamento em re, à generosida intelectual e à autonomia dos grupos culturais. 3.1 Gerais 1.Potencializar a re pontos cultura. 2.Consolidar entre os pontos cultura a opção pelo uso do Software Livre. 3.2 Específicos 1.Estimular a divulgação e circulação bens musicais produzidos pelos pontos cultura. 2.Fortalecer canais comunicação inpenntes entre os pontos cultura e forma geral. 3.Contribuir para consolidar a ferramenta Rivenll como uma referência viável software livre para a automação rádio. 4.Ampliar a apropriação das ferramentas produção rádio e webrádio pelos pontos cultura. 4. Proposta ação A proposta apresentada aqui foca uma das vertentes ação do Pontão Nós Digitais, para com isso trabalhar com mais profundida o assunto. Pretenmos nos concentrar na disseminação softwares livres rádio e webrádio, porque consiramos que essas ferramentas são fundamental importância para as experiências comunicação comunitária, mídias alternativas, mídias livres entre outras. Iremos estruturar três frentes ação, sendo elas: 1 Tradução e disponibilização via web do tutorial do software livre automação rádio Rivenll; 2 Imersão formação sobre o uso do Rivenll em três diferentes regiões do país, stinadas a grupos e coletivos que já tenham experiência em produção rádio e ou webrádio, indicamos previamente que uma ativida seja realizada em Porto Alegre RS junto à ASL (Associação do Software Livre) e outra em Santarém PA junto ao Coletivo Puraqué, em função do gran interesse já monstrado pelos mesmos. A terceira imersão fica a se finir, a intenção stas imersões é consolidar diferentes núcleos uso e disseminação do Rivenll espalhados no território entenndo que eles atuarão como esporos; 3 Realização um encontro presencial que reúna as experiências pontos cultura e

6 6 pontos mídia livre no estado São Paulo que trabalham ou se interessam pela produção rádio e webrádio, no qual verão participar representantes dos esporos formados pelas imersões scritas no item Proposta envolvimento da re dos pontos cultura Como Pontão Cultura Digital as ações realizadas pelo Nós Digitais sempre são direcionadas à re pontos, ou à formação da re pontos cultura. Consiramos que o uso software livre, a produção colaborativa e o domínio das ferramentas comunicação são um safio fundamental para a sustentação sta re. A tradução do tutorial do Rivenll ve beneficiar todos os produtores rádio e interessados em geral que utilizem a língua portuguesa, entre eles pontos cultura e pontos mídia livre. A formação esporos está direcionada a pontos, pontões ou grupos referência que se relacionam fortemente com a re pontos e que estejam espalhados pelo território nacional, e por fim, o encontro formação tem como público a re pontos do estado São Paulo. Como scrito anteriormente, o entendimento expresso aqui é que esta proposta está totalmente relacionada à re pontos cultura, embora seu impacto possa reverberar para além la. 6. Proposta transversalida das ações do Programa Cultura Viva Entenmos que a comunicação em si é essencialmente transversal, não só às ações do Programa como à quase toda a ação humana em socieda. A proposta está direcionada a atingir pontos e pontões que lim com rádio e webradio, sem diferenciação entre as ações que estão ligadas. As ações pom encontrar na webrádio uma ferramenta eficaz para sua comunicação regional ou nacional, isso inpen nossa atuação, mas se as ações pretenrem essa opção comunicação iremos contribuir com condições que viabilizem sua realização. Como estímulo à transversalida pretenmos que no encontro das experiências do estado São Paulo, exista ao menos um representante cada Ação do programa, e que esta participação possa estimular que as atividas comunicação das Ações consigam se apropriar das ferramentas disseminadas no projeto. 7. Proposta continuida A intenção ste projeto é resolver um gargalo da re pontos, que diz respeito à necessida apropriação ferramentas livres comunicação, mais especificamente ao Rivenll, software automação rádio. Está clara para nós a manda formação grupos que já são referência em suas regiões, como a ASL no Rio Gran do Sul e o Puraqué no Pará. Acreditamos que o domínio sta ferramenta por estes grupos referência já os transforma imediatamente em esporos, que irão também contagiar sua regiões.

7 7 A intenção é que um ponto disseminação, que é rádio UFSCar, passemos para sistematicamente cinco: a rádio, o Pontão Nós Digitais, a ASL, o Puraqué e um quinto ainda não finido. Alcançando este número o gargalo inicial já será outro e com certeza muitos grupos porão se beneficiar do realizado, forma que boa parte da continuida está aí, na ação stes outros grupos espalhados. De qualquer forma, como maneira incentivar a disseminação propomos: Consolidação um comunida virtual usuários do Rivenll e outros softwares livres rádio e webradio; Criação, como espaço fixo encontro, no calendário atividas do Fórum Internacional Software Livre, do encontro anual dos Pontos Cultura radiodifusores livres do Brasil. 8. Cronograma Período Atividas previstas Objetivos Recursos necessários 1 mês Contatos e planejamento das ações junto aos Pontos Cultura e instituições parceiras do projeto (Coletivo Digital, ASL Associação Software Livre, Coletivo Puraqué, Massa Coletiva, Rádio Ufscar); Divulgação das atividas formação para uso do Rivenll; Elaboração do plano oficina; Mapear mandas específicas do projeto; Planejar as ações do primeiro semestre do projeto; Iniciar processo seleção do terceiro local imersão; - Material escritório; - Recursos humanos. 2 mês Tradução da 1 parte do manual do software automação rádio Rivenll para o português; Tradução da 2 parte do manual do software Rivenll para o português; Realização das inscrições dos locais interessados para a realização da terceira imersão e seleção do local escolhido; Agendamento datas, locais e equipamentos para realização das oficinas imersão; Planejar e produzir material didático/documental para dar suporte aos usuários que farão uso das ferramentas livres em questão; Definir terceiro local imersão; - Material escritório; - Filmadora; - Recursos humanos. Elaboração do roteiro vio-

8 8 aulas do software automação rádio Rivenll; Produção duas vio-aulas sobre software automação radio rivenll; 3 mês Produção material documental e publicação online; Tradução da 3 parte do manual do software automação rádio Rivenll para o português; Produção mais duas víoaulas sobre software automação radio rivenll; Produzir material didático/documental para dar suporte aos usuários que farão uso das ferramentas livres em questão; - Material escritório; - Filmadora; - Recursos humanos; Contatos e convites para participação da primeira oficina imersão em radio e web-radio livre; 4 mês 5 mês Produção e distribuição material divulgação da 1 oficina imersão, bem como divulgação dos espaços online documentação e material didático das ferramentas utilizadas; 1 Oficina presencial imersão Porto Alegre (Rio Gran do Sul) ASL: web-radio com ferramentas livres (Rivenll); Lançamento e publicação online do manual do software Rivenll em português; Avaliação da oficina; Contatos e replanejamento das ações junto Pontos Cultura e instituições parceiras do projeto (Coletivo Digital, Pontão Minuano, Executar ativida formativa presencial com representantes pontos cultura e coletivos envolvidos; Remapear mandas específicas do projeto; - Material escritório; - Data-show; - Recursos humanos; - Transporte aéreo (São Paulo Porto Alegre / Porto Alegre São Paulo); - Hospedagem; - Alimentação; - Material escritório;

9 9 6 mês 7 mês 8 mês Puraqué, Massa Coletiva, Rádio Ufscar); Elaboração do 1 relatório geral prestação contas do projeto; Contatos e convites para participação da segunda oficina imersão em radio e web-radio livre; Produção e distribuição material divulgação da 2 oficina imersão, bem como divulgação dos espaços online documentação e material didático das ferramentas utilizadas; 2 Oficina presencial Santarém (Pará) Projeto Puraqué: rádio, web-radio e difusão midiática com ferramentas livres (Rivenll) Avaliação da oficina; Lançamento das vío-aulas do software automação radio Rivenll; Contatos e convites para participação da terceira oficina imersão em radio e web-radio livre; Relançamento do manual do software Rivenll em português; Produção e distribuição material divulgação da 3 oficina imersão, bem como divulgação dos espaços online documentação e material didático das ferramentas utilizadas; 3 Oficina presencial local a finir: rádio, web-radio com ferramentas livres (Rivenll) Replanejar as ações do segundo semestre do projeto; Preparar 2 ativida presencial formativa; Difundir material didático sobre ferramentas livres transmissão radiofônica; Executar ativida formativa presencial com representantes pontos cultura e coletivos envolvidos; Difundir material didático sobre ferramentas livres transmissão radiofônica; Preparar 3 ativida presencial formativa; Difundir material didático sobre ferramentas livres transmissão radiofônica; Executar ativida formativa presencial com representantes pontos cultura e - Recursos humanos; - Material escritório; - Impressão mídias; - Recursos humanos; - Transporte aéreo (São Paulo Santarém / Santarém São Paulo) - Hospedagem; - Alimentação; - Internet - Telefone - Material escritório; - Recursos humanos - Material escritório;

10 10 Avaliação da oficina; Planejamento e divulgação do encontro presencial com participantes das oficinas imersão ocorridas previamente; coletivos envolvidos; Planejar e divulgar ações do projeto; - Impressão mídias; - Recursos humanos; - Transporte aéreo (São Paulo a finir / a finir São Paulo) - Hospedagem; - Alimentação; 9 e 10 mês 11 e 12 mês Encontro presencial, a ser realizado na cida São Carlos, se do Pontão Nós Digitais, com participantes dos encontros imersão ocorridos previamente; Organizar bate sobre ações continuida e sustentabilida das ações do projeto: discutir a criação comunida virtual pontos cultura radiodifusores livres, bem como a criação, como espaço fixo encontro, no calendário atividas do Fórum Internacional Software Livre, do encontro anual dos Pontos Cultura radiodifusores livres do Brasil; Avaliação e publicação relatório avaliativo do encontro; Acompanhamento dos pontos cultura que participaram das atividas formativas imersão; Elaboração do 2 relatório geral prestação contas do projeto; Executar ativida formativa presencial com representantes pontos cultura e coletivos envolvidos; Empreenr momento reflexão sobre continuida das ações do projeto; Acompanhar senvolvimento dos coletivos e pontos cultura participantes do projeto; Avaliar ações do projeto; - Internet - Telefone - Material escritório; - Instrutores; - Transporte; - Hospedagem; - Alimentação; - Material escritório; Obs: é importante ressaltar que tais ações, conforme estão postas neste cronograma, porão sofrer mudanças em seus respectivos períodos execução em virtu fatores externos ao projeto, como repasse recursos, agendamento datas para realização das atividas formativas propostas, entre outros. 9. Público-alvo Existem duas escalas diferentes público neste projeto: 1- primeiro os três esporos disseminação do Rivenll, dos quais já indicamos: a ASL RS e o

11 11 Puraqué PA, pelo seu e interesse no assunto, o terceiro esporo ainda será escolhido e verá estar em outra região do território nacional e já atuar com rádio e ou web-radio, sendo referência em sua localida. 2 segundo os Pontos Cultura, Pontos Mídia Livre, Casas Brasil e outros coletivos comunicadores envolvidos na re em especial aqueles com foco na preservação e difusão povos e comunidas tradicionais conveniados ou não ao programa Cultura Viva, cuja atuação se dê, direta ou indiretamente, com a comunicação via rádio, webradio e streaming.

12 Apêndice 1 Lista Pontos/Instituições Cultura que mantiveram contato e/ou parcerias com Pontão Nós Digitais durante Ponto/Instituição Cida Oficinas e/ou visitas realizadas Arte aos Quatro Ventos São Paulo SP 1 Arte Vencer - Americana Americana SP 1 Casa Brasil Capão Redondo - Associação Chico Mens São Paulo SP 7 Casa Brasil Guarulhos Guarulhos SP 5 Casa do Hip Hop Diama SP 4 Centro Cineclubista São Paulo - Audiovisualistas São Paulo SP 1 Centro Referência da Juventu Campinas SP 4 Comunida Audiovisual Diama SP 2 Cooperativa Agrofloresta Barra do Turvo Barra do Turvo SP 1 Cultura na Vila - G.R.C.S.E.S. Unidos da Vila Maria São Paulo SP 1 D.P.I.E. - Departamento Planejamento e Informática na Educação Guarulhos SP 3 Nos Caminhos São Paulo - Campinas Campinas SP 3 OCA Carapicuíba SP 2

13 13 Ponto Cultura Carlos Drummond Andra Guarulhos SP 2 Ponto Cultura Casa dos Meninos São Paulo SP 5 Ponto Cultura Chico Mens Guarulhos SP 2 Ponto Cultura Lado Leste Cultural São Paulo SP 4 Ponto Cultura Massa Coletiva São Carlos SP 2 Ponto Cultura Memórias do Olhar Poá SP 5 Ponto Cultura Milton Santos Guarulhos SP 2 Ponto Cultura Pilar do Sul - SOSACI Pilar do Sul SP 6 Ponto Cultura Pombas Urbanas São Paulo SP 2 Ponto Cultura Rio Claro Rio Claro SP 2 Ponto Cultura Tarsila do Amaral Guarulhos SP 1 Ponto Cultura UNAS São Paulo SP 2 Ponto PRODARTE Santa Rita do Sapucaí MG 1 Radio Maluco Beleza - Campinas Campinas SP 2 Radio UFSCAR São Carlos SP 6 Ponto, pontão, pontinho Cultura Bola Meia São José dos Campos SP 1 República Cultural Osasco SP 3

14 14 Total contatos, visitas e/ou oficinas realizadas 83

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos Criação de um canal de atendimento específico ao público dedicado ao suporte de tecnologias livres. Formação de comitês indicados por representantes da sociedade civil para fomentar para a ocupação dos

Leia mais

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital.

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse terá suas etapas e prazos muito bem definidos, garantindo um processo

Leia mais

Pontão Nós Digitais. Relatório de Atividades

Pontão Nós Digitais. Relatório de Atividades Pontão Nós Digitais Relatório de Atividades Nome do Instrutor: Fernando Padilha Avena Período (datas de início e fim do período): 02/10 a 04/11 Descrição das Atividades na Quinzena: - [Atividade 01 Realização/Organização

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO NOME DO PROJETO Web Rádio: Escola César Cals- Disseminando novas tecnologias via web ENDREÇO ELETRÔNICO www.eccalsofqx.seduc.ce.gov.br PERÍODO DE EXECUÇÃO Março a Dezembro de

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre

Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre FÓRUM DE SOFTWARE LIVRE - 2010 Valdir Barbosa Agenda Plano estratégico 2011 para uso de Software Livre Diretrizes Objetivos e indicadores

Leia mais

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL A DIRETORA DA ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS no exercício de suas atribuições legais, com fundamento no art. 65, inciso II da Lei

Leia mais

Eixo 3: Distribuição de Conteúdos

Eixo 3: Distribuição de Conteúdos : Distribuição de Conteúdos Criação de um órgão responsavel pela assessoria e planejamento de projetos de distribuição de conteúdos culturais. Criação de polos de distribuição da produção cultural por

Leia mais

EDITAL PRÊMIO GUNGA IDENTIDADE E CULTURA

EDITAL PRÊMIO GUNGA IDENTIDADE E CULTURA EDITAL PRÊMIO GUNGA IDENTIDADE E CULTURA 1. APRESENTAÇÃO Com base nos valores da economia solidária e da cultura livre, o Estúdio Gunga empresa de comunicação focada na criação de sites, editoração gráfica,

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 1 CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 04/2007 Mílada Tonarelli Gonçalves CENPEC - Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária

Leia mais

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS PORTO ALEGRE EM AÇÃO É ESPORTE E EDUCAÇÃO O esporte não é educativo a priori, é o educador que precisa fazer dele ao mesmo tempo um objeto e meio

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

www.educacao.ba.gov.br

www.educacao.ba.gov.br Esta cartilha digital tem o objetivo de apresentar aos professores e estudantes da Rede Pública de Ensino as Mídias e Tecnologias Educacionais Livres da Secretaria de Educação da Bahia disponibilizados

Leia mais

Mais Cultura nas Escolas

Mais Cultura nas Escolas Mais Cultura nas Escolas O que é o Programa Mais Cultura nas Escolas? Projeto Andarilha das Letras, Circulação Literária/ FUNARTE É o encontro de projetos pedagógicos de escolas da rede pública com experiências

Leia mais

Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização

Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização coordenador: Lisandro Zambenedetti Granville relatores: Francele Cocco e Lucas Farinella Pretti A) Questões-chave SUSTENTABILIDADE DE PRODUTORES

Leia mais

10ª Edição 2015 SESI EMPREENDEDORISMO SOCIAL Transforme sua ideia de hoje na prática do amanhã

10ª Edição 2015 SESI EMPREENDEDORISMO SOCIAL Transforme sua ideia de hoje na prática do amanhã 10ª Edição 2015 SESI EMPREENDEDORISMO SOCIAL Transforme sua ideia de hoje na prática do amanhã REGULAMENTO O SESI/PR torna público o regulamento para participação no Programa SESI Empreendedorismo Social

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA nº 2014.0721.00016-3

TERMO DE REFERÊNCIA nº 2014.0721.00016-3 TERMO DE REFERÊNCIA nº 2014.0721.00016-3 Ref.: Contratação de consultoria pessoa jurídica para elaboração e realização de capacitação em gestão institucional e gestão de projetos voltada para instituições

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede

Leia mais

A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1

A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1 A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1 Isabela LOURENÇO 2 Caio Cardoso de QUEIROZ 3 Francisco José Paoliello PIMENTA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora,

Leia mais

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA PRODEB-UFBA PRODEB/DSS Diretoria de Sistemas e Serviços UFBA/LCAD

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Colóquio Internacional Democracia e interfaces digitais para a participação

Colóquio Internacional Democracia e interfaces digitais para a participação Colóquio Internacional Democracia e interfaces digitais para a participação pública (Projeto) PPG-AU/UFBA Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo 1 Contexto e justificativa Odesenvolvimento

Leia mais

Projeto Empreendedores Cívicos

Projeto Empreendedores Cívicos Projeto Empreendedores Cívicos I. Conceito Empreendedores Cívicos são agentes de inovação social que fomentam e promovem transformações positivas em benefício da coletividade rumo a um Brasil Sustentável.

Leia mais

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015.

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. 1 OBJETIVO O objetivo deste documento é estipular um plano de ação para criar e gerenciar perfis do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS

ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS Profa. Dra. Ivete Martins Pinto Secretária Geral de Educação a Distância Coordenadora UAB/FURG Presidente da Associação Universidade

Leia mais

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DA CIDADANIA E DA DIVERSIDADE CULTURAL PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL Brasília, Novembro de 2014. APRESENTAÇÃO A primeira Semana

Leia mais

NÚCLEO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS DE JARDIM/MS PLANO DE AÇÕES

NÚCLEO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS DE JARDIM/MS PLANO DE AÇÕES NÚCLEO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS DE JARDIM/MS PLANO DE AÇÕES PLANO DE AÇÃO 2015 Planejamento anual de atividades a serem Desenvolvidas pelos Professores Lotados no Núcleo de Tecnologias Educacionais

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Que acontece quando se solta uma mola comprimida, quando se liberta um pássaro, quando se abrem as comportas de uma represa? Veremos...

Que acontece quando se solta uma mola comprimida, quando se liberta um pássaro, quando se abrem as comportas de uma represa? Veremos... Que acontece quando se solta uma mola comprimida, quando se liberta um pássaro, quando se abrem as comportas de uma represa? Veremos... Gilberto Gil file:///c:/documents and Settings/normapaula/Meus documentos/norma

Leia mais

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social.

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Palestrante: Paulo Cesar Alves 19/09/2005 Agenda Formulação

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Aline Silveira SANTOS 2 Lorena PADRINI 3 Maria Claudia COSTA 4 João de CASTRO 5 Centro Universitário

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org REFORMULAÇÃO DO SITE FSM (www.forumsocialmundial.org.br) O processo FSM passa por uma nova fase

Leia mais

CARTILHA MONTE SEU PERCURSO DE FORMAÇÃO LIVRE

CARTILHA MONTE SEU PERCURSO DE FORMAÇÃO LIVRE CARTILHA MONTE SEU PERCURSO DE FORMAÇÃO LIVRE Tutorial básico para realização de atividades de formação livre em campi temporários ÍNDICE Apresentação, 03 Como funcionam os campi temporários?, 04 O que

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS GUARULHOS

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS GUARULHOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS GUARULHOS PROJETO ACESSIBILIDADE TIC: ACESSIBILIDADE AO CURRÍCULO POR MEIO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Projeto aprovado

Leia mais

http://www.bvs.br/ Projeto 3A Capacitação no acesso às Fontes de Informação da BVS Saúde Pública 14 de janeiro de 2004

http://www.bvs.br/ Projeto 3A Capacitação no acesso às Fontes de Informação da BVS Saúde Pública 14 de janeiro de 2004 http://www.bvs.br/ 14 de janeiro de 2004 Introdução Este documento descreve o projeto para continuidade do programa de capacitação de produtores, intermediários e usuários na operação e uso da Biblioteca

Leia mais

Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do

Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura, de modo a facilitar sua compreensão

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

Manutenção, por 01 (um) ano, das atividades de bandas de música com histórico de 1. atividades comprovadas há, pelo menos, 01 (um) ano.

Manutenção, por 01 (um) ano, das atividades de bandas de música com histórico de 1. atividades comprovadas há, pelo menos, 01 (um) ano. Artistas, bandas de música, produtores culturais, arte-educadores, pesquisadores e demais interessados podem apresentar propostas de projetos de música dentro das linhas de ação abaixo, conforme Resolução

Leia mais

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Santa Maria, 15 de Outubro de 2012 Pauta: 1) Contexto da Economia Criativa no Brasil de acordo com o Plano da Secretaria da Economia Criativa

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS

APRESENTAÇÃO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS Regulamento APRESENTAÇÃO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas FGV como entidade de caráter técnico-científico e educativo, fundada em 1944, visa ao estudo dos problemas relativos à economia

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org documento inicial Portal do Fórum Social Mundial introdução Entendemos que um site como do Fórum

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica INTRODUÇÃO O Grupo Telefônica, consciente de seu importante papel na construção de sociedades mais justas e igualitárias, possui um Programa de

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org CLIPPING FSM 2009 AMAZÔNIA Jornal: CARTA MAIOR Data: 29/01/09 http://www.cartamaior.com.br/templates/materiamostrar.cfm?materia_id=15538

Leia mais

Quem é o soylocoporti

Quem é o soylocoporti Pontão de Cultura Quem é o soylocoporti O Coletivo Soylocoporti tem como foco a promoção da autodeterminação dos povos e da integração latino-americana por meio da difusão e valorização da cultura e da

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

PROJETO DE INFORMÁTICA EDUCATIVA DE CAMPO LIMPO PAULISTA-SP

PROJETO DE INFORMÁTICA EDUCATIVA DE CAMPO LIMPO PAULISTA-SP PROJETO DE INFORMÁTICA EDUCATIVA DE CAMPO LIMPO PAULISTA-SP ADRIANA DE CÁSSIA GALLANI XAVIER RODRIGUES Coordenadora do Ensino Fundamental I Secretaria Municipal de Educação adriana.rodrigues@campolimpopaulista.sp.gov.br

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

Programa. orientações. Portal do Ministério da Cultura www.cultura.gov.br. Cultura Viva www.cultura.gov.br/culturaviva

Programa. orientações. Portal do Ministério da Cultura www.cultura.gov.br. Cultura Viva www.cultura.gov.br/culturaviva Programa Portal do Ministério da Cultura www.cultura.gov.br Cultura Viva www.cultura.gov.br/culturaviva orientações @DiversidadeMinC e @CulturaViva cidadaniaediversidade Secretaria da Cidadania e da Diversidade

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Mostrando que a proteção de nossas crianças e adolescentes também está em fase de crescimento Subsecretaria de Promoção

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Política Nacional de Participação Social

Política Nacional de Participação Social Política Nacional de Participação Social Apresentação Esta cartilha é uma iniciativa da Secretaria-Geral da Presidência da República para difundir os conceitos e diretrizes da participação social estabelecidos

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

1. Introdução. 2. O que é a Rede Acreana de Cultura?

1. Introdução. 2. O que é a Rede Acreana de Cultura? 1. Introdução O Programa Produtor Cultural Independente (nível básico) é uma nova ação formativa promovida pela Rede Acreana de Cultura em parceria com o Produtor Cultural Independente (www.produtorindependente.com),

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org documento inicial Site preparatório FSM Dacar introdução Neste documento, a Ethymos apresenta uma

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 O Presidente do Instituto Pauline Reichstul-IPR, torna público que receberá inscrições para o processo seletivo de pessoal para atuação no projeto Ações Integradas

Leia mais

Projeto de Design Instrucional

Projeto de Design Instrucional Projeto de Design Instrucional Curso: Educação Financeira Modalidade: EaD on-line o que é Design Instrucional? A ação institucional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DO GRUPO DE APOIO EM FÍSICA E MATEMÁTICA DA UFSM - GAFM

RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DO GRUPO DE APOIO EM FÍSICA E MATEMÁTICA DA UFSM - GAFM ISSN 2177-9139 RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DO GRUPO DE APOIO EM FÍSICA E MATEMÁTICA DA UFSM - GAFM Samuel Sonego Zimmermann - samuel.sonego.zimmermann@gmail.com Universidade Federal de Santa Maria, Campus

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ MISSÃO: Garantir prestação jurisdicional rápida, acessível e efetiva no âmbito da sua competência. DESCRIÇÃO DA MISSÃO: A Justiça Federal no Paraná existe para garantir direitos

Leia mais

PLANO DE TRABALHO GT PESQUISA VIVA: 2015 2016

PLANO DE TRABALHO GT PESQUISA VIVA: 2015 2016 PLANO DE TRABALHO GT PESQUISA VIVA: 2015 2016 MISSÃO Criar uma cultura de pesquisa no Cultura Viva junto a Pontos de Cultura, gestores públicos e universidades, contribuindo para a gestão participativa

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO TÉCNICA EM TESTES DE SOFTWARE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO TÉCNICA EM TESTES DE SOFTWARE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO TÉCNICA EM TESTES DE SOFTWARE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo

Leia mais

Roteiro para Plano de Ação Paracatu MATERIAL BRUTO - DOCUMENTO INTERNO. Consultoria Maria Helena Cunha Ana Flávia Macedo

Roteiro para Plano de Ação Paracatu MATERIAL BRUTO - DOCUMENTO INTERNO. Consultoria Maria Helena Cunha Ana Flávia Macedo Roteiro para Plano de Ação Paracatu MATERIAL BRUTO - DOCUMENTO INTERNO Consultoria Maria Helena Cunha Ana Flávia Macedo 2013 ESTRUTURA DO PLANO DE AÇÃO CULTURAL Diagnóstico cultural; Desafios e oportunidades;

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DO TRIÂNGULO MINEIRO - FCETM CAPÍTULO I

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DO TRIÂNGULO MINEIRO - FCETM CAPÍTULO I REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DO TRIÂNGULO MINEIRO - FCETM CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR Dispõe sobre a Política de uso de Softwares Livres no âmbito da UDESC O REITOR da FUNDAÇÃO

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Revisão do Plano Estratégico 2013/2014 PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2014 Página 1 de 16 Sumário 1 Apresentação... 3 2 Objetivos... 4 3 Público-Alvo

Leia mais

Promover maior integração

Promover maior integração Novos horizontes Reestruturação do Modelo de Gestão do SESI leva em conta metas traçadas pelo Mapa Estratégico Promover maior integração entre os departamentos regionais, as unidades de atuação e os produtos

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Hotsite: Carta de Serviços ao Cidadão do MDS

Hotsite: Carta de Serviços ao Cidadão do MDS PRÁTICA 1) TÍTULO Hotsite: Carta de Serviços ao Cidadão do MDS 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: O Hotsite da Carta de Serviços ao Cidadão do MDS foi um projeto realizado pela Ouvidoria

Leia mais

COLIVRE Cooperativa de Tecnologias Livres www.colivre.coop.br contato@colivre.coop.br Telefone: (71) 3011-2199 CNPJ: 07.970.

COLIVRE Cooperativa de Tecnologias Livres www.colivre.coop.br contato@colivre.coop.br Telefone: (71) 3011-2199 CNPJ: 07.970. Razões para usar Noosfero como plataforma de rede social da USP COLIVRE Cooperativa de Tecnologias Livres www.colivre.coop.br contato@colivre.coop.br Telefone: (71) 3011-2199 CNPJ: 07.970.746/0001-77 Contato:

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DO TRIÂNGULO MINEIRO - FCETM CAPÍTULO I

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DO TRIÂNGULO MINEIRO - FCETM CAPÍTULO I REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DO TRIÂNGULO MINEIRO - FCETM CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento

Leia mais

JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região

JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região Objetivo geral Elaborar um projeto básico de curso on-line Objetivos específicos 1.Aplicar conceitos e fundamentos do DI na concepção

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Histórico 2006/ 2010

Histórico 2006/ 2010 Histórico 2006/ 2010 Programa Na Mão Certa O Programa Na Mão Certa, uma iniciativa da Childhood Brasil, que tem como objetivo reunir esforços para mobilizar governos, empresas e organizações da sociedade

Leia mais

Projeto de Monitoria 2010/2011

Projeto de Monitoria 2010/2011 Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP Campus Guarulhos Curso de Ciências Sociais Projeto de Monitoria 2010/2011 Ciências Sociais, Linguagens e Tecnologias: formação docente inicial e práticas de

Leia mais

RELATÓRIO DE BOAS PRÁTICAS NOME DA AÇÃO HISTÓRICO DA AÇÃO. Somos o Projeto Ludimídia Laboratório de Arte, Mídia e Educação.

RELATÓRIO DE BOAS PRÁTICAS NOME DA AÇÃO HISTÓRICO DA AÇÃO. Somos o Projeto Ludimídia Laboratório de Arte, Mídia e Educação. RELATÓRIO DE BOAS PRÁTICAS NOME DA AÇÃO Ludimídia Laboratório de Arte, Mídia e Educação HISTÓRICO DA AÇÃO Somos o Projeto Ludimídia Laboratório de Arte, Mídia e Educação. Trabalhamos com experimentação,

Leia mais

Assessoria Social: um trabalho com a dimensão da comunicação institucional no universo da mídia comunitária

Assessoria Social: um trabalho com a dimensão da comunicação institucional no universo da mídia comunitária Assessoria Social: um trabalho com a dimensão da comunicação institucional no universo da mídia comunitária O PORQUÊ E A PROPOSTA DA ASSESSORIA SOCIAL Rafaela Lima Movimentos, grupos e entidades de cunho

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Tecnologia e Inovação

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Tecnologia e Inovação PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ LUÍS MÁRIO LUCHETTA DIRETOR PRESIDENTE GESTÃO 2005/2008 HISTÓRICO

Leia mais

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 1. Patrocínios 1.1 Patrocínio a Eventos e Publicações Data limite: 60 dias de antecedência da data de início do evento

Leia mais

Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social - 2013 Regulamento

Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social - 2013 Regulamento 1. Do Conceito de Tecnologia Social 1.1 Tecnologia Social compreende produtos, técnicas ou metodologias reaplicáveis, desenvolvidas na interação com a comunidade e que representem efetivas soluções de

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

2-Titulo: CUIDANDO DO TRABALHADOR DA SAÚDE UMA EXPERIÊNCIA NO DISTRITO DE SAÚDE LESTE

2-Titulo: CUIDANDO DO TRABALHADOR DA SAÚDE UMA EXPERIÊNCIA NO DISTRITO DE SAÚDE LESTE 2º SEMINÁRIO NACIONAL HUMANIZA SUS Em Resposta, envio os dados sobre nosso trabalho: 1- Diretriz Valorização do trabalho e do trabalhador da saúde. 2-Titulo: CUIDANDO DO TRABALHADOR DA SAÚDE UMA EXPERIÊNCIA

Leia mais

Implementação de Teletrabalho por meio de equipes virtuais. Setembro/2006

Implementação de Teletrabalho por meio de equipes virtuais. Setembro/2006 Implementação de Teletrabalho por meio de equipes virtuais Setembro/2006 Objetivo Nesta apresentação vamos discutir o teletrabalho através de equipes virtuais, ou seja, como realizar trabalhos através

Leia mais