Determinação da intensidade do treinamento de força em indivíduos de 18 a 25 anos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Determinação da intensidade do treinamento de força em indivíduos de 18 a 25 anos"

Transcrição

1 Determinação da intensidade do treinamento de força em indivíduos de 18 a 25 anos Euripedes Barsanulfo Gonçalves Gomide 1 Agnelo de Almeida Martins 2 Thiago Chiarato 2 Resumo: O treinamento de força tornou-se uma das formas mais populares de exercício para melhorar a estética, preservar a funcionalidade motora, melhorar a aptidão física de um indivíduo e para otimizar o condicionamento físico de atletas. Os principais benefícios que a prática do treinamento de força proporciona na saúde dos indivíduos são: aumentos na força, resistência muscular, massa magra, e diminuição do percentual de gordura corporal. O treinamento de força com o objetivo de aumentar a massa muscular é importante para evitar a sarcopenia e a diminuição da força muscular com o avançar da idade. O propósito deste estudo foi verificar se o treinamento realizado por indivíduos praticantes de musculação, com o objetivo de hipertrofia muscular, está dentro do percentual em relação à força máxima recomendada pela literatura, para maximizar os ganhos de hipertrofia muscular. Para a realização deste estudo, foram selecionados 23 alunos do sexo masculino, com idade entre 21 e 30 anos, praticantes de musculação da Academia de Musculação do Centro Universitário Claretiano de Batatais. Cada sujeito realizou a sessão de treinamento de força com o objetivo de hipertrofia muscular, para determinar a carga utilizada no treinamento. Em seguida, determinou-se a carga máxima por meio do teste de uma repetição máxima (1RM) nos exercícios supino e leg-press para mensurar qual o percentual, em relação à força máxima, era utilizado no treinamento de força. Após a realização deste trabalho, pode-se concluir que a carga utilizada está dentro da intensidade recomendada por diversos autores para proporcionar aumento da força e hipertrofia muscular. Porém, são necessários métodos mais pesquisas e metodologias diferentes para comprovar os resultados encontrados neste estudo. Palavras-chave: Força. Hipertrofia. Intervalo. Séries. Repetições. 1 Professor Ms. do Centro Universitário Claretiano de Batatias - SP. 2 Graduandos em Educação Física - bacharel. Centro Universitário Claretiano de Batatias - SP. Saúde, Batatais, v. 1, n. 1, p , junho,

2 1. INTRODUÇÃO O treinamento de força tornou-se uma das formas mais populares de exercício para melhorar a estética, preservar a funcionalidade motora, melhorar a aptidão física de um indivíduo e para otimizar o condicionamento de atletas (FLECK; KRAEMER, 2006). Um dos principais benefícios que a prática do treinamento de força proporciona são aumentos na força, na resistência muscular, na massa magra, e diminuição do percentual de gordura corporal em diferentes populações (POLITO et al., 2010; NETO; PONTES; FILHO, 2010; DIAS et al., 2005). O treinamento de força com o objetivo de aumentar a massa muscular é importante para evitar a sarcopenia e a diminuição da força muscular com o avançar da idade. Essa hipertrofia se deve, sobretudo, a um aumento do estresse mecânico, que aumenta a ativação do RNA mensageiro (RNAm), que sob a influência da enzima peptidiltransferase (uma das proteínas no ribossomo), estimulam a síntese protéica (RONNESTAD; HANSEN; RAASTAD, 2011). Dentre diversas variáveis (frequência de treinamento, número de séries e repetições, volume de treinamento, velocidade de treinamento, etc), a carga de treinamento é a mais importante variável de treinamento com pesos. O método mais simples e utilizado para determinar a carga de treinamento é o teste de uma repetição máxima (FLECK, 1989). Quando se treina com o objetivo de hipertrofia muscular, é preconizado na literatura que a intensidade de esforço para ganhos de força e hipertrofia, devem estar entre 60% - 85% de uma repetição máxima (LIMA, et al., 2006). Portanto, o objetivo deste estudo, é verificar se o treinamento realizado por indivíduos praticantes de musculação, com o objetivo de hipertrofia muscular, está dentro do percentual em relação à força máxima recomendada pela literatura, para maximizar os ganhos de hipertrofia muscular. Como é crescente o número de indivíduos que participam de um programa de treinamento de força em busca de determinados benefícios 80 Saúde, Batatais, v. 1, n. 1, p , junho, 2012

3 como aumento de força, aumento da massa magra, diminuição da gordura corporal e melhora no desempenho físico seja em esportes ou atividades diárias, se torna cada vez mais necessário que o treinamento de força seja bem elaborado em suas variáveis (FLECK; KRAEMER, 2006). Infelizmente sabe-se que algumas avaliações para melhor predizer o treinamento de força, como por exemplo, o teste de uma repetição máxima (1RM), acabam sendo negligenciadas, o que pode resultar em programas que não maximizam o aumento da performance ou provoque as adaptações fisiológicas desejáveis (FLECK, 1989). Assim sendo, seguindo a orientação da literatura de que o treinamento ótimo de hipertrofia se encontra entre 60% e 85% de 1RM, é importante analisar se os indivíduos que praticam de forma autosselecionada o treinamento de força com o objetivo de hipertrofia atingem esta intensidade de treinamento. O objetivo deste estudo é verificar se indivíduos que praticam o treinamento de força de maneira autosselecionada com o objetivo de hipertrofia muscular atuam dentro do padrão preconizado pela literatura (entre 60% a 85% de 1RM). 2. MATERIAIS E MÉTODOS Sujeitos Participaram deste estudo 23 alunos do sexo masculino, com idade entre 21 e 30 anos, praticantes de musculação da Academia de Musculação do Centro Universitário Claretiano de Batatais. O projeto foi aprovado pelo comitê de ética do Centro Universitário Claretiano de Batatais (nº 78/2011). Os participantes deste estudo treinavam força com o objetivo de hipertrofia a pelo menos três meses. Os sujeitos foram informados sobre os procedimentos e riscos do testes, além de serem orientados sobre os objetivos do estudo, e assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido, concordando em participarem da pesquisa. Saúde, Batatais, v. 1, n. 1, p , junho,

4 Medidas antropométricas A antropometria, perimetria e teste de dobras cutâneas foram realizadas no Laboratório de Avaliação Física (LAFIS) do Centro Universitário Claretiano de Batatais, sendo: Antropometria: Na antropometria, os indivíduos foram pesados e mensurados a sua altura. O instrumento utilizado será uma balança da marca Welmy com precisão de 0,1kg. Dobras cutâneas: Para a determinação das dobras cutâneas, foram aferidas as dobras tricipital, subescapular, supra-ilíaca, abdominal, utilizando um compasso da marca Cescorf. Critério de exclusão Todos os sujeitos que apresentaram algum tipo de problema de saúde ou não se encaixavam no perfil desejado, com pelo menos três meses de experiência em treinamento de força, foram excluídos do teste. Determinação da força máxima Todos os indivíduos foram submetidos à avaliação da força máxima dinâmica, através do teste de uma 1RM, utilizando os aparelhos supino e leg-press horizontal. Estes testes foram realizados na Academia de Musculação do Centro Universitário Claretiano de Batatais. O objetivo destes testes foi determinar a força máxima dos avaliados e uma única repetição para cada um dos aparelhos utilizados. Inicialmente, os avaliados realizaram um aquecimento de 5 minutos com movimentação dos membros superiores e inferiores. Além disso, fizeram entre 10 e 12 repetições em cada aparelho com um peso leve (aproximadamente 40% do peso máximo estimado). Os sujeitos realizaram até três tentativas com intervalos de 5 minutos para a determinação da força máxima (1RM). A força máxima foi considerada como sendo a maior carga que o indivíduo conseguir movimentar corretamente durante a avaliação. 82 Saúde, Batatais, v. 1, n. 1, p , junho, 2012

5 Determinação da intensidade do treinamento de força: Para a determinação da intensidade do treinamento de força, os avaliados responderam um questionário sobre qual a carga que utilizavam durante o treinamento nos exercícios supino e leg-press. Em seguida, estes alunos foram até a academia para comprovarem o peso que era utilizado durante o treinamento. Foi considerada a carga (kg) que o indivíduo conseguiu realizar adequadamente durante o treinamento. Para determinar a intensidade do treinamento, dividiu-se o peso que o indivíduo conseguir levantar durante o treinamento pela carga máxima obtida no teste de avaliação da força máxima e, em seguida, multiplicado por 100. Análise estatística Na análise, os resultados foram comparados, entre os pesos levantados no treinamento e o resultado do teste de carga máxima (1RM), através da análise de variância com medidas repetidas e o teste t de student para amostras pareáveis. Foram considerados significativos os testes com o valor de p 0, RESULTADOS Os alunos tinham em média, 77,8 Kg de peso corporal, 1,77m, 24,7kg/m 2 de índice de massa corporal (IMC) e 14,1% de gordura corporal (%GC). Os dados antropométricos dos sujeitos estão dispostos na Tabela 1. Tabela 1 - Características antropométricas dos 23 sujeitos participantes (média±dp). Saúde, Batatais, v. 1, n. 1, p , junho,

6 Na avaliação da força máxima (1RM) foram encontrados valores de 83,2 kg e 308, 1 kg para os exercícios de supino e leg-press, respectivamente. A carga utilizada no treinamento foi de 68,9 kg e 243,8 kg para os exercícios de supino e leg-press, respectivamente (Tabela 2.). Tabela 2 - Avaliação da força máxima e determinação da intensidade do treinamento de força nos exercícios de supino e leg-press (média±dp). Teste t Student. *p < 0,05. Média ± DP. DP+ desvio padrão 4. DISCUSSÃO O volume de treinamento pode ser utilizado para determinar a quantidade total de trabalho realizado numa sessão de treinamento de força. Para determiná-lo é necessário analisar a duração da sessão de treinamento, o número de séries em cada aparelho, o número de repetições, o número de exercícios realizados para cada grupo muscular trabalhado, o intervalo de recuperação entre as séries e a carga utilizada. Para prescrever a carga que o indivíduo utilizará, pode-se determinar o teste de 1RM e, a partir deste, determinar qual o percentual em relação a esta RM o indivíduo utilizará como carga para o treinamento. O teste de uma repetição máxima (1RM) é um procedimento freqüentemente utilizado para determinar a força muscular máxima, tanto de membros superiores quanto de membros inferiores (MAYHEW, et al., 1995). Materko, Neves e Santos (2007) mencionam que estes testes tem uma baixa probabilidade de lesões. 84 Saúde, Batatais, v. 1, n. 1, p , junho, 2012

7 Jackson, Watkins e Patton (1980) encontraram uma boa fidedignidade e objetividade nos testes de 1RM para membros superiores e inferiores. Pereira e Gomes (2003) relatam que a confiabilidade no teste de avaliação da força máxima utilizando 1RM encontrada na literatura varia entre 0,79 e 0,99, evidenciando ser este teste adequado para a determinação da força máxima de um determinado grupo muscular. Para realizar este teste, é necessária uma grande concentração e determinação na execução do mesmo. Segundo Mazur, Yetman e Risser (1987) apesar de ser muito intenso, são escassos os dados na literatura sobre o número de lesões durante este teste. Neste trabalho, os indivíduos realizaram o teste com concentração e determinação. No decorrer do teste ou após o mesmo, não foi constatado nenhum tipo de lesão nos executores. Simão, Poly e Lemos (2004), mencionam que o teste de 1RM parece não ser o mais adequado para prescrever o treinamento com objetivo de hipertrofia para o exercício de agachamento. Em contrapartida, esse teste pode ser utilizado para prescrever a intensidade de treinamento no exercício supino. No entanto, o ACSM (2000) recomenda os exercícios de supino para a avaliação da força dos membros superiores e leg-press para avaliar a força dos membros inferiores, relatando que o teste de 1RM é adequado para determinar a intensidade de carga nestes exercícios. Brazell-Roberts e Thomas (1989) observaram um aumento de 37% da força muscular no supino, em indivíduos que treinaram três séries de 10 repetições a 75% de 1RM, durante 12 semanas, treinando duas ou três vezes por semana. Brazell-Roberts e Thomas (1989) mencionam que o treinamento realizado entre 60 e 65% de 1RM pode produzir aumento da força em jovens saudáveis. Porém, Rhea et al. (2003) mencionam que treinar a 80% de 1RM resulta em ganhos máximos de força quando comparado a treinar com intensidades menores. Peterson, Rhea e Alvar (2004) após realizarem um estudo verificando qual a melhor intensidade para aumentar a força, concluíram que o ideal era treinar a 85% de 1RM, dois dias por semana, com uma media de volume de treinamento de oito séries por grupo muscular. Neste trabalho, o percentual em relação a 1RM Saúde, Batatais, v. 1, n. 1, p , junho,

8 que os indivíduos treinaram foi correspondente a 83,2% para membros superiores, no exercício supino, e 79,2 para membros inferiores no exercício leg-press. Para Brandon et al. (2011), o percentual da força máxima utilizada para obter uma magnitude da hipertrofia muscular, varia de 80 a 90% da força máxima obtida por meio do teste de 1RM. Estes valores são próximos dos mencionados anteriormente para a adequada prescrição da intensidade da carga utilizada para a melhoria da força e hipertrofia muscular. 5. CONCLUSÃO Após a realização deste estudo conclui-se que a carga utilizada pelos indivíduos praticantes de musculação, na academia do Centro Universitário Claretiano de Batatais, está de acordo com a intensidade recomendada por diversos autores para proporcionar aumento da força e hipertrofia muscular. REFERÊNCIAS AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE ACSM. Diretrizes do ACSM para os Testes de Esforço e sua Prescrição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, BRANDON, LJ, et al. Effects of resistive training on strength gains in older adults. The Journal of Nutrition. v.1, p.2, BRAZELL-ROBERTS, JV; THOMAS, LE. Effects of weight training frequency on the self-concept of college females. Journal of Applied Sports Science Research. v.3, p.40-43, DIAS, R. M. R; CYRINO, E. S; NAKAMURA, F. Y; PINA, F. L. C; OLIVEIRA, A. R. Impacto de oito semanas de treinamento com pesos sobre a força muscular de homens e mulheres. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. v.11, p Saúde, Batatais, v. 1, n. 1, p , junho, 2012

9 FLECK, S. F. Princípios básicos do treinamento com pesos. Revista Brasileira Ciência & Movimento. v.3, p FLECK, S. J; KRAEMER, W. J. Fundamentos do treinamento de força muscular. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, JACKSON, A.; WATKINS, M.; PATTON, RW. A factor analysis of twelve selected maximal isotonic strength performances on the universal gym. Medicine and Science in Sports and Exercise. v.12, p. 4, LIMA, F.V. et al. Análise de dois treinamentos com diferentes durações de pausa entre séries baseados em normativas previstas para a hipertrofia muscular em indivíduos treinados. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. v. 12, p MATERKO, W.; NEVES, CEBN.; SANTOS, EL. Modelo de predição de uma repetição máxima (1RM) baseado nas características antropométricas de homens e mulheres. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. v. 13, p. 1, MAYHEW, JL; et al. Muscular endurance repetitions to predict bench press strength in men of different training levels. Journal Sports Medicine Physiology Fitness. v. 3, p , MAZUR, LJ; YETMAN, RJ; RISSER, WL. Weight-training injuries: common injuries and preventive methods. Sports Hed. v.16, p , NETO, J. F; PONTES, L. M; FILHO, J. F. Alterações na composição corporal decorrentes de um treinamento de musculação em portadores de síndrome de down. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. v. 16, p PEREIRA, MIR; GOMES, PSC. Testes de força e resistência muscular: confiabilidade e predição de uma repetição máxima revisão e novas evidências. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. v. 9, p. 5, PETERSON, MD.; RHEA, MR; ALVAR, BA. Maximizing strength development in athletes: a meta-analysis to determine the dose-response relationship. Journal of Strength Conditioning Research. v. 18, p , POLITO, M. D; CYRINO, E. S; GERAGE, A. M; NASCIMENTO, M. A; JANUÁRIO, R. S. B. Efeito de 12 semanas de treinamento com peso sobre força muscular, composição corporal e triglicérides em homens sedentários. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. v. 16, p Saúde, Batatais, v. 1, n. 1, p , junho,

10 RHEA, MR, et al. A meta-analysis to determine the dose response for strength development. Medicine and Science in Sports and Exercise. v. 35, p , RONNESTAD, BR; HANSEN, EA; RAASTAD, T. High volume of endurance training impair adaptations to 12 weeks of strength training in well-trained endurance athletes. European Journal of Applied Physiology. p.11, SIMÃO, R.; POLY, MA.; LEMOS, A. Prescrição de exercícios através do teste de 1RM em homens treinados. Colégio Brasileiro de Atividade Física, Saúde e Esporte. v. 3, p. 48, Title: Determination of strength training intensity in individuals of 18 to 25 years: a comparison of genres. Authors: Euripedes Barsanulfo Gonçalves Gomide; Agnelo de Almeida Martins; Thiago Chiarato. ABSTRACT: Strength training became one of the most popular forms of exercise to improve the aesthetics, preserve motor functionality, and improves physical fitness of an individual and to optimize the physical conditioning of athletes. One of the major benefits that the practice of strength training provides on the health of individuals are: increases in strength, muscular endurance, lean mass, and decrease in body fat percentage. Strength training with the goal of increasing muscle mass is important to prevent sarcopenia and decrease muscle strength with the advance of the age. The aim of this study was to verify whether the training conducted by individuals practicing bodybuilding, muscle hypertrophy, is within the percentage in relation to maximum force recommended by literature, to maximize muscle hypertrophy gains. To complete this study, were selected 23 male students, aged between 21 and 30 years, practicing body building at Academy of Centro Universitário Claretiano of the Batatais town. Each subject performed the strength training session with the goal of muscular hypertrophy, to determine the load used in training. Then it was determined the maximum load through a test repetition maximum (1RM) in exercises and supine leg-press to gauge what percentage, relative to maximum strength, was used in strength training. After the completion of this work, one can conclude that the load used is within the recommended intensity by several authors to provide increased strength and muscle hypertrophy. However, more research methods are necessary and different methodologies to prove the results found in this study. Keywords: Strength. Hypertrophy. Range. Series. Repetitions. 88 Saúde, Batatais, v. 1, n. 1, p , junho, 2012

ANALYSIS OF THE ESTIMATED MAXIMUM REPETITIONS THROUGH ONE MAXIMUM REPETITION

ANALYSIS OF THE ESTIMATED MAXIMUM REPETITIONS THROUGH ONE MAXIMUM REPETITION VOLUME 3 NÚMERO 2 Julho / Dezembro 2007 ANÁLISE DAS REPETIÇÕES MÁXIMAS ESTIMADAS ATRAVÉS DO TESTE DE UMA REPETIÇÃO MÁXIMA Daiane Graziottin Borges 1 Jacqueline Souza Oliveira 2 João Paulo Manochio Riscado

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS. CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS. CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS. CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física BRUNA COSTA MARTINS EFICIÊNCIA DA PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS ATRAVÉS

Leia mais

TESTE DE 1RM E PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS

TESTE DE 1RM E PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS VOLUME 2 NÚMERO 2 Julho / Dezembro 2006 TESTE DE 1RM E PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS Roberto Fares Simão Junior 1 Marcelo S.Cáceres 2 Fabricio Bürger 2 Luciane Kovalczyk 2 Adriana Lemos 2 Resumo:

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina Universidade Estadual de Londrina CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO É POSSIVEL SEGUIR AS RECOMENDAÇÕES DO ACSM (2009) E REALIZAR

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FORÇA MUSCULAR, EM DIFERENTES PERÍODOS DO CICLO MENSTRUAL

AVALIAÇÃO DA FORÇA MUSCULAR, EM DIFERENTES PERÍODOS DO CICLO MENSTRUAL AVALIAÇÃO DA FORÇA MUSCULAR, EM DIFERENTES PERÍODOS DO CICLO MENSTRUAL Cristovão Humberto Lucena Bezerra Graduado em Educação Física. Universidade Potiguar UnP. E-mail: cristovao@unp.br Jose Fernandes

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica TESTE DE 1RM NA PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO DE FORÇA 543 Juan Marcelo Simões Cáceres 1, Ciane Vanessa Steinbach 1, Tiago Figueiredo 1,4, Belmiro Freitas de Salles 1, Renato Aparecido de Souza 2, Humberto

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física Marcos Abibi Tavares da Cunha Petrous André Monteiro Cesário RESPOSTAS CARDIOVASCULARES

Leia mais

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO 50 REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO MAXIMUM REPETITIONS WITH 90% OF 1MR IN BENCH PRESS AND LEG PRESS EXERCISES

Leia mais

FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO

FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO (FACTORS RELATED TO THE ANXIETY LEVEL IN FOOTBALL FEMALE ATHLETES) Marcos Vinicius Dias Munhóz 1 ; Claudia Teixeira-Arroyo 1,2

Leia mais

ANÁLISE DO TESTE DE UMA REPETIÇÃO MÁXIMA NO EXERCÍCIO SUPINO PARA PREDIÇÃO DA CARGA

ANÁLISE DO TESTE DE UMA REPETIÇÃO MÁXIMA NO EXERCÍCIO SUPINO PARA PREDIÇÃO DA CARGA ARTIGO ORIGINAL (ORIGINAL PAPER) ANÁLISE DO TESTE DE UMA REPETIÇÃO MÁXIMA NO EXERCÍCIO SUPINO PARA PREDIÇÃO DA CARGA ANALYSIS OF ONE REPETITON MAXIMUM TEST IN BENCH PRESS EXERCISE TO PREDICT THE LOAD Mauro

Leia mais

EFEITO DE UM PROGRAMA PERSONALIZADO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO

EFEITO DE UM PROGRAMA PERSONALIZADO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO EFEITO DE UM PROGRAMA PERSONALIZADO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO CELI, Jonathan Antônio 1 ; PANDA, Maria Denise Justo 2 Resumo: Esta pesquisa teve como objetivo analisar

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade II Controle e Prescrição do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Prescrição de Atividades Físicas Condições de saúde; Estado geral do aluno (cliente);

Leia mais

Efeitos de diferentes intervalos de recuperação no número de repetições máximas

Efeitos de diferentes intervalos de recuperação no número de repetições máximas Revista Mineira de Ciências da Saúde Patos de Minas: UNIPAM, (1): 32-41, ano 1, n. 1, 2009 Efeitos de diferentes intervalos de recuperação no número de repetições máximas Cristiano Lino Monteiro de Barros

Leia mais

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF Artigo apresentado ao Curso de graduação em Educação Física da Universidade

Leia mais

EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO

EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO Andrey Portela 1, Arnaldo Guilherme Borgo 2 1 UNIGUAÇU; 2 Licenciado em Educação Física e Esportes.

Leia mais

RESPOSTA AO EXERCICIO COM PESOS PARA GRUPOS DE DIFERENTES FAIXAS ETARIAS EM HUMANOS

RESPOSTA AO EXERCICIO COM PESOS PARA GRUPOS DE DIFERENTES FAIXAS ETARIAS EM HUMANOS 27 CIÊNCIAS AGRÁRIAS TRABALHO ORIGINAL RESPOSTA AO EXERCICIO COM PESOS PARA GRUPOS DE DIFERENTES FAIXAS ETARIAS EM HUMANOS ANSWER TO THE EXERCISE WITH WEIGHTS FOR GROUPS OF DIFFERENT AGE RANGE IN HUMANS

Leia mais

CRITÉRIOS DE PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS ATRAVÉS DE 1 RM

CRITÉRIOS DE PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS ATRAVÉS DE 1 RM 1 ARTIGO ORIGINAL CRITÉRIOS DE PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS ATRAVÉS DE 1 RM Carlos Henrique Silva Leonardo Silva de Rezende Maria Amélia Paes Villas-Bôas da Fonseca Nádia Maria de Sales Pires Pós Graduação

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

EFICÁCIA DO MÉTODO DE MUSCULAÇÃO DROP-SET RELACIONANDO FORÇA E COMPOSIÇÃO CORPORAL

EFICÁCIA DO MÉTODO DE MUSCULAÇÃO DROP-SET RELACIONANDO FORÇA E COMPOSIÇÃO CORPORAL EFICÁCIA DO MÉTODO DE MUSCULAÇÃO DROP-SET RELACIONANDO FORÇA E COMPOSIÇÃO CORPORAL Márcio Luis Carvalho 1 Gilson Brun 2 Matheus Uba Chupel 3 William Cordeiro de Souza 4 Wallace Bruno de Souza 5 Marcos

Leia mais

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO TESTE DE CARGA MÁXIMA DINÂMICA (1RM), COMO REFERENCIAL PARA PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO DE HIPERTROFIA MUSCULAR.

UTILIZAÇÃO DO TESTE DE CARGA MÁXIMA DINÂMICA (1RM), COMO REFERENCIAL PARA PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO DE HIPERTROFIA MUSCULAR. Neves UTILIZAÇÃO DO TESTE DE CARGA MÁXIMA DINÂMICA (1RM), COMO REFERENCIAL PARA PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO DE HIPERTROFIA MUSCULAR. Ricardo Pereira Neves 1 RESUMO Este estudo teve como objetivo, identificar

Leia mais

Efeitos do treinamento com exercício resistido em

Efeitos do treinamento com exercício resistido em 1 de 7 12/2/2009 08:41 Nutricionistas- Nutricore Atendimento Nutricional Campinas e Jundiaí www.nutricore.com.br Pós Treinamento de Força Pós Unimonte Veja Nossa Mensalidade Convênio com Ohio University

Leia mais

O EFEITO DO TREINO RESISTIDO COMO MEIO DE DIMINUIR O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL (PGC). RESUMO

O EFEITO DO TREINO RESISTIDO COMO MEIO DE DIMINUIR O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL (PGC). RESUMO O EFEITO DO TREINO RESISTIDO COMO MEIO DE DIMINUIR O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL (PGC). Adriana Cristina Barriviera Prada 1 Eduardo Salerno 2 Rafael Andre de Araujo 3 Francisco José Andriotti Prada

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisiologia do Exercício Trabalho de Conclusão de Curso

Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisiologia do Exercício Trabalho de Conclusão de Curso Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisiologia do Exercício Trabalho de Conclusão de Curso REVISÃO DE LITERATURA: PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E GANHO DE FORÇA MUSCULAR Autor: Murilo de

Leia mais

1 Aluno Curso de Educação Física,UFPB 2 Professor Departamento de Educação Física, UFPB 3 Professor Departamento de Biofísica e Fisiologia, UFPI

1 Aluno Curso de Educação Física,UFPB 2 Professor Departamento de Educação Física, UFPB 3 Professor Departamento de Biofísica e Fisiologia, UFPI ATUALIZAÇÃO DE CARGAS EM TREINAMENTO DE HIPERTROFIA DE MULHERES PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO Pablo Rebouças Marcelino 1 Filipe Antonio de Barros Sousa 1 Anielle Chaves de Araujo 1 Alexandre Sérgio Silva 2

Leia mais

PLATAFORMA VIBRATÓRIA EMAGRECE?

PLATAFORMA VIBRATÓRIA EMAGRECE? PLATAFORMA VIBRATÓRIA EMAGRECE? Amaral, Mayra Ternes¹; Noronha, Alessandra Ferreira de² ¹Pós Graduanda em Fisioterapia Dermatofuncional Centro de Estudos Avançados e Formação Integrada (CEAFI - Pós graduação);

Leia mais

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA).

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). GLEICIANE MARTINS GOMES ADRIANA MOURA DOS SANTOS JOSEANA MOREIRA ASSIS RIBEIRO FERNANDO VINÍCIUS FARO REIS JÚLIO ALVES PIRES FILHO

Leia mais

ANÁLISE DE PROTOCOLOS DE TESTES DE FORÇA SUBMÁXIMOS PARA PREDIÇÃO DE CARGA MÁXIMA (1RM) NA MUSCULAÇÃO

ANÁLISE DE PROTOCOLOS DE TESTES DE FORÇA SUBMÁXIMOS PARA PREDIÇÃO DE CARGA MÁXIMA (1RM) NA MUSCULAÇÃO Recebido em: 12/03/2012 Emitido parece em: 09/04/2012 Artigo original ANÁLISE DE PROTOCOLOS DE TESTES DE FORÇA SUBMÁXIMOS PARA PREDIÇÃO DE CARGA MÁXIMA (1RM) NA MUSCULAÇÃO Francisco Flávio Rodrigues Júnior¹,

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE AQUECIMENTO NO DESEMPENHO DOS TESTES DE 1RM NO SUPINO RETO. Lucas Henrique Foganholi 1 e Débora Alves Guariglia 1

EFEITO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE AQUECIMENTO NO DESEMPENHO DOS TESTES DE 1RM NO SUPINO RETO. Lucas Henrique Foganholi 1 e Débora Alves Guariglia 1 Revista Hórus, volume 6, número 1 (Jan-Mar), 2012. 48 EFEITO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE AQUECIMENTO NO DESEMPENHO DOS TESTES DE 1RM NO SUPINO RETO Lucas Henrique Foganholi 1 e Débora Alves Guariglia

Leia mais

Comparação antropométrica, força muscular e equilíbrio entre idosos praticantes e não praticantes de musculação

Comparação antropométrica, força muscular e equilíbrio entre idosos praticantes e não praticantes de musculação Comparação antropométrica, força muscular e equilíbrio entre idosos praticantes e não... Comparação antropométrica, força muscular e equilíbrio entre idosos praticantes e não praticantes de musculação

Leia mais

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Os textos são de responsabilidade de seus autores. CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Edson Luis Quintiliano 1 Orientador:

Leia mais

DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ

DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ Francieli Furlan de Souza 1, Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: As Academias

Leia mais

ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO COM CONTRAÇÕES RECÍPROCAS

ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO COM CONTRAÇÕES RECÍPROCAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA PÂMELLA RIBEIRO RODRIGUES ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO

Leia mais

Número de repetições e intensidade relativa em membros superiores e inferiores: implicações para o treinamento

Número de repetições e intensidade relativa em membros superiores e inferiores: implicações para o treinamento 1 Repetições e intensidade Artigo Original Número de repetições e intensidade relativa em membros superiores e inferiores: implicações para o treinamento Number of repetitions and relative intensity in

Leia mais

OS EFEITOS DO TREINAMENTO FORÇA SOBRE A POTÊNCIA E A VELOCIDADE EM ATLETAS DE FUTSAL DA CATEGORIA ADULTO MASCULINO.

OS EFEITOS DO TREINAMENTO FORÇA SOBRE A POTÊNCIA E A VELOCIDADE EM ATLETAS DE FUTSAL DA CATEGORIA ADULTO MASCULINO. OS EFEITOS DO TREINAMENTO FORÇA SOBRE A POTÊNCIA E A VELOCIDADE EM ATLETAS DE FUTSAL DA CATEGORIA ADULTO MASCULINO. THE EFFECTS OF STRENGTH TRAINING ON THE POWER AND THE SPEED IN ATHLETES OF FUTSAL OF

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA A QUALIDADE DE VIDA DOS PRATICANTES DE BIKE INDOOR

CONTRIBUIÇÕES PARA A QUALIDADE DE VIDA DOS PRATICANTES DE BIKE INDOOR Revista CPAQV - Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida - ISSN: 2178-7514 v.1, n. 2, 2009 CONTRIBUIÇÕES PARA A QUALIDADE DE VIDA DOS PRATICANTES DE BIKE INDOOR Thiago Vinicius Krzesinski Guanis

Leia mais

RESPOSTA CRÔNICA DA PRESSÃO ARTERIAL SISTÓLICA EM DIFERENTES MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA: DELORME VERSUS OXFORD

RESPOSTA CRÔNICA DA PRESSÃO ARTERIAL SISTÓLICA EM DIFERENTES MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA: DELORME VERSUS OXFORD RESPOSTA CRÔNICA DA PRESSÃO ARTERIAL SISTÓLICA EM DIFERENTES MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA: DELORME VERSUS OXFORD Dailson Paulucio da Silva Graduando em Educação Física dailson_educacaofisica@yahoo.com.br

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica EFEITO DO INTERVALO ENTRE AS SÉRIES SOBRE O VOLUME DE REPETIÇÕES NO MÉTODO PIRAMIDAL CRESCENTE Guilherme Fleury Fina Speretta 3, Rodrigo Ferro Magosso 1,2,3, Guilherme Borges Pereira 3, Richard Diego Leite

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

MOTIVOS QUE LEVAM MULHERES ADULTAS A PRÁTICA DO TREINAMENTO RESISTIDO

MOTIVOS QUE LEVAM MULHERES ADULTAS A PRÁTICA DO TREINAMENTO RESISTIDO MOTIVOS QUE LEVAM MULHERES ADULTAS A PRÁTICA DO TREINAMENTO RESISTIDO (GROUNDS FOR ADULT WOMEN TAKE THE PRACTICE OF WEIGHT TRAINING) Lidiane Cristina Fernandes da Silva; Claudia Teixeira-Arroyo 1,2 1 Centro

Leia mais

ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO E A EFICÁCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA EM IDOSOS

ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO E A EFICÁCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA EM IDOSOS Boletim Informativo Unimotrisaúde em Sociogerontologia 65 ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO E A EFICÁCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA EM IDOSOS RESUMO Sônia Darque do Nascimento Brandão Thomaz Décio Abdalla

Leia mais

TÍTULO: COMPARAÇÃO DA PERIODIZAÇÃO LINEAR E ONDULATÓRIA NO DESENVOLVIMENTO DA FORÇA MUSCULAR MÁXIMA

TÍTULO: COMPARAÇÃO DA PERIODIZAÇÃO LINEAR E ONDULATÓRIA NO DESENVOLVIMENTO DA FORÇA MUSCULAR MÁXIMA TÍTULO: COMPARAÇÃO DA PERIODIZAÇÃO LINEAR E ONDULATÓRIA NO DESENVOLVIMENTO DA FORÇA MUSCULAR MÁXIMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO

PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BE066 FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO PROF. SERGIO GREGORIO DA SILVA, PHD AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE (COLÉGIO

Leia mais

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial?

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? Enéas Van Der Maas do Bem Filho 1 Resumo As doenças cardiovasculares são as principais causas de morte

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica EFEITOS DE UM TREINAMENTO DE HIPERTROFIA NO GANHO DE FORÇA MUSCULAR E VARIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE MULHERES PARTICIPANTES DE MUSCULAÇÃO DE ACADEMIA 234 Cristina Silva da Mata 1,2, Cindi Cristina

Leia mais

Pós-graduação Lato-Sensu em Atividades Motoras para Promoção da Saúde e qualidade de Vida Escola de Educação Física de Caratinga.

Pós-graduação Lato-Sensu em Atividades Motoras para Promoção da Saúde e qualidade de Vida Escola de Educação Física de Caratinga. Pós-graduação Lato-Sensu em Atividades Motoras para Promoção da Saúde e qualidade de Vida Escola de Educação Física de Caratinga. ANÁLISE DE DADOS ANTROPOMÉTRICOS E MOTIVOS DA DESISTÊNCIA EM PRATICANTES

Leia mais

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO ROGER MARCHESE INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento Desportivo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA RESPIRAÇÃO AQUÁTICA EM CRIANÇAS DE 3 A 4 ANOS PRATICANTES DE NATAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DA RESPIRAÇÃO AQUÁTICA EM CRIANÇAS DE 3 A 4 ANOS PRATICANTES DE NATAÇÃO DESENVOLVIMENTO DA RESPIRAÇÃO AQUÁTICA EM CRIANÇAS DE 3 A 4 ANOS PRATICANTES DE NATAÇÃO Laise Cordeiro Vaz 1 Prof. Dr. José Fernandes Filho 2 Resumo: O objetivo deste estudo foi analisar o desenvolvimento

Leia mais

24/10/2013 Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com

24/10/2013 Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Alterações morfofuncionais decorrentes do treinamento de força 1 Exercícios

Leia mais

APTIDÃO FÍSICA PARA O DESEMPENHO ESPORTIVO DE ESCOLARES DO PIBID/ UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1

APTIDÃO FÍSICA PARA O DESEMPENHO ESPORTIVO DE ESCOLARES DO PIBID/ UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1 APTIDÃO FÍSICA PARA O DESEMPENHO ESPORTIVO DE ESCOLARES DO PIBID/ UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1 FUHRMANN, Marlon 2 KRUG, Rodrigo De Rosso 3 PANDA, Maria Denise Justo 4 Resumo: Com o objetivo avaliar a aptidão

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO.

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. MATEUS RIBEIRO SANTANELLI RENAN JÚLIO SILVA CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. Trabalho de Conclusão de

Leia mais

EFEITO DA ORDEM DOS EXERCÍCIOS NO TREINAMENTO DE FORÇA EFFECTS OF THE EXERCISE ORDER IN THE RESISTANCE TRAINING

EFEITO DA ORDEM DOS EXERCÍCIOS NO TREINAMENTO DE FORÇA EFFECTS OF THE EXERCISE ORDER IN THE RESISTANCE TRAINING Revista CPAQV Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida ISSN: 2178-7514. V.5, n.3, 2013 ARTIGO DE REVISÃO EFEITO DA ORDEM DOS EXERCÍCIOS NO TREINAMENTO DE FORÇA EFFECTS OF THE EXERCISE ORDER IN

Leia mais

ANOREXIA EM ALUNAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

ANOREXIA EM ALUNAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte 2006, 5(especial):23-30 ANOREXIA EM ALUNAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Faculdade de Educação Física da ACM de Sorocaba Resumo: Anorexia caracteriza-se pelo intenso

Leia mais

Precisão das equações preditivas de 1-RM em praticantes não competitivos de treino de força

Precisão das equações preditivas de 1-RM em praticantes não competitivos de treino de força Motricidade FTCD/CIDESD 2010, vol. 6, n. 3, pp. 31-37 ISSN 1646 107X Precisão das equações preditivas de 1-RM em praticantes não competitivos de treino de força Precision of 1-RM prediction equations in

Leia mais

ANÁLISE DO NUMERO MÁXIMO DE REPETIÇÕES EM EXERCÍCIOS DE FORÇA A 85% DE 1 RM EM DIFERENTES GRUPOS MUSCULARES EM INDIVÍDUOS JOVENS TREINADOS 1

ANÁLISE DO NUMERO MÁXIMO DE REPETIÇÕES EM EXERCÍCIOS DE FORÇA A 85% DE 1 RM EM DIFERENTES GRUPOS MUSCULARES EM INDIVÍDUOS JOVENS TREINADOS 1 1 ANÁLISE DO NUMERO MÁXIMO DE REPETIÇÕES EM EXERCÍCIOS DE FORÇA A 85% DE 1 RM EM DIFERENTES GRUPOS MUSCULARES EM INDIVÍDUOS JOVENS TREINADOS 1 Yuri Jorge Bravo de Carvalho Siomara F. M. de Araújo 2 Mariana

Leia mais

Palavras-chaves: composição corporal, treinamento personalizado, avaliação física, atividade física.

Palavras-chaves: composição corporal, treinamento personalizado, avaliação física, atividade física. EFEITO DE PROGRAMAS DE TREINAMENTO FÍSICO PERSONALIZADO SOBRE RELAÇÃO CINTURA QUADRIL (RCQ), CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL (CA), MASSA CORPORAL (MC) E PERCENTUAL DE GORDURA (%G) EM MULHERES. LUIZ ANTONIO DOMINGUES

Leia mais

ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR

ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR Os textos são de responsabilidade de seus autores. ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR RESUMO Daiane Grando 1 2 O propósito

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO MAXIMUM CONSUMPTION OF OXYGEN - A COMPARATIVE ANALYSIS BETWEEN DIRECT AND INDIRECT

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO NUTRICIONAL PARA ATLETAS: CONHECIMENTO DE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO

SUPLEMENTAÇÃO NUTRICIONAL PARA ATLETAS: CONHECIMENTO DE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO SUPLEMENTAÇÃO NUTRICIONAL PARA ATLETAS: CONHECIMENTO DE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO CARLOS VINÍCIUS DA SILVA BARBOSA, CAIO VICTOR COUTINHO DE OLIVEIRA, ALEXANDRE SÉRGIO SILVA, JANAINA CÂNDIDA RODRIGUES

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE A FLEXIBILIDADE E A FORÇA DE MEMBROS INFERIORES EM ATLETAS DE FUTSAL MASCULINO

RELAÇÃO ENTRE A FLEXIBILIDADE E A FORÇA DE MEMBROS INFERIORES EM ATLETAS DE FUTSAL MASCULINO RELAÇÃO ENTRE A FLEXIBILIDADE E A FORÇA DE MEMBROS INFERIORES EM ATLETAS DE FUTSAL MASCULINO (RELATIONSHIP BETWEEN FLEXIBILITY AND STRENGTH OF LOWER LIMB IN MALE ATHLETES OF FUTSAL) Fauler Fernandes Pereira

Leia mais

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Siomara F. M. de Araújo; Dyego F. Facundes; Erika M. Costa; Lauane L. Inês; Raphael Cunha. siomarafma@hotmail.com

Leia mais

Palavras-chave: Controle Autonômico; Recuperação; Treinamento Esportivo; Esportes Coletivos.

Palavras-chave: Controle Autonômico; Recuperação; Treinamento Esportivo; Esportes Coletivos. RESUMO O futsal é um esporte intermitente com muitas substituições e pausas durante a partida, o que possibilita a recuperação de variáveis fisiológicas durante esses momentos, proporcionando ao jogador,

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL ALTERAÇÕES DA AGILIDADE E RESISTÊNCIA AERÓBIA EM IDOSOS PRATICANTES DE EXERCÍCIO FÍSICO APÓS PERÍODO DE INTERRUPÇÃO

ARTIGO ORIGINAL ALTERAÇÕES DA AGILIDADE E RESISTÊNCIA AERÓBIA EM IDOSOS PRATICANTES DE EXERCÍCIO FÍSICO APÓS PERÍODO DE INTERRUPÇÃO ARTIGO ORIGINAL ALTERAÇÕES DA AGILIDADE E RESISTÊNCIA AERÓBIA EM IDOSOS PRATICANTES DE EXERCÍCIO FÍSICO APÓS PERÍODO DE INTERRUPÇÃO CHANGES IN AEROBIC STRENGHT AND AGILITY IN ELDERLY PRACTICING PHYSICAL

Leia mais

TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS DESTREINADOS

TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS DESTREINADOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS

Leia mais

ANÁLISE BIOMECÂNICA DO SALTO SOBRE A MESA: RELAÇÃO ENTRE O TIPO DE SALTO E SEUS PARÂMETROS CINEMÁTICOS

ANÁLISE BIOMECÂNICA DO SALTO SOBRE A MESA: RELAÇÃO ENTRE O TIPO DE SALTO E SEUS PARÂMETROS CINEMÁTICOS ANÁLISE BIOMECÂNICA DO SALTO SOBRE A MESA: RELAÇÃO ENTRE O TIPO DE SALTO E SEUS PARÂMETROS CINEMÁTICOS Márcia Francine Bento 1, Marcelo Sato Yamauchi 1, Paulo Carrara 1,3, Cindy Santiago Tupiniquim 1 e

Leia mais

AS DIFERENTES METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

AS DIFERENTES METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR AS DIFERENTES METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR (DIFFERENT METHODS OF TEACHING PHYSICAL EDUCATION SCHOOL) Camila Martins Ferreira; Andréia Cristina Metzner Centro Universitário UNIFAFIBE

Leia mais

Brazilian Journal of Biomotricity ISSN: 1981-6324 marcomachado@brjb.com.br Universidade Iguaçu Brasil

Brazilian Journal of Biomotricity ISSN: 1981-6324 marcomachado@brjb.com.br Universidade Iguaçu Brasil Brazilian Journal of Biomotricity ISSN: 1981-6324 marcomachado@brjb.com.br Universidade Iguaçu Brasil Rodrigues de Oliveira Ramalho, Gustavo Henrique; Mazini Filho, Mauro Lúcio; Minelli Rodrigues, Bernardo;

Leia mais

ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE

ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE INTRODUÇÃO AGNELO WEBER DE OLIVEIRA ROCHA RONÉLIA DE OLIVEIRA MELO VIANA UFAM UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

ALTERAÇÕES NA COMPOSIÇÃO CORPORAL E CONDICIONAMENTO FÍSICO DE MULHERES PRATICANTES DO JUMP FIT

ALTERAÇÕES NA COMPOSIÇÃO CORPORAL E CONDICIONAMENTO FÍSICO DE MULHERES PRATICANTES DO JUMP FIT ALTERAÇÕES NA COMPOSIÇÃO CORPORAL E CONDICIONAMENTO FÍSICO DE MULHERES PRATICANTES DO JUMP FIT Kilvia Paula Nogueira da Silva 1 ; Danilo Lopes Ferreira Lima 1 ; André Accioly Nogueira Machado 2 ; Frederico

Leia mais

SUMÁRIO. Página LISTA DE TABELAS LISTA DE FIGURAS

SUMÁRIO. Página LISTA DE TABELAS LISTA DE FIGURAS i DEDICATÓRIA Dedico esse trabalho aos meus pais Helcio (in memorian) e Alina, com todo meu amor e gratidão, por tudo que fizeram por mim ao longo de minha vida. Desejo poder ter sido merecedor do esforço

Leia mais

Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma

Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma habilidade motora - o largar e pontapear sem ressalto - em precisão. Nuno Amaro 1,2, Luis Neves 1,2, Rui Matos 1,2,

Leia mais

COMPARAÇÃO DO MÉTODO PRÉ-EXAUSTÃO E DA ORDEM INVERSA EM EXERCÍCIOS PARA MEMBROS INFERIORES

COMPARAÇÃO DO MÉTODO PRÉ-EXAUSTÃO E DA ORDEM INVERSA EM EXERCÍCIOS PARA MEMBROS INFERIORES COMPARAÇÃO DO MÉTODO PRÉ-EXAUSTÃO E DA ORDEM INVERSA EM EXERCÍCIOS PARA MEMBROS INFERIORES COMPARISION OF THE PRE-EXHAUSTION METHOD AND THE INVERSE ORDER IN LOWER BODY EXERCISES Belmiro Freitas de Salles

Leia mais

INFLUÊNCIAS DA KINESIOTAPING NO DESEMPENHO DO SALTO EM DISTÂNCIA, EM INDIVÍDUOS SADIOS JOVENS

INFLUÊNCIAS DA KINESIOTAPING NO DESEMPENHO DO SALTO EM DISTÂNCIA, EM INDIVÍDUOS SADIOS JOVENS 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA JOÃO RAFAEL FREITAS DA SILVA INFLUÊNCIAS DA KINESIOTAPING NO DESEMPENHO DO SALTO EM DISTÂNCIA, EM INDIVÍDUOS SADIOS JOVENS

Leia mais

Treinamento de Força

Treinamento de Força Treinamento de Força Sandro de Souza Referencial teórico: FLECK, S.J; KRAEMER, W.J. Fundamentos do Treinamento de Força Muscular, ArtMed, 3 Ed., 2007. As 5 leis básicas do Treinamento de Força Lei nº1

Leia mais

LESÕES NA PRÁTICA DA MUSCULAÇÃO: ASPECTOS FISIOLÓGICOS E PSICOLÓGICOS ANALISADOS EM ACADEMIAS DE PATOS DE MINAS - MG

LESÕES NA PRÁTICA DA MUSCULAÇÃO: ASPECTOS FISIOLÓGICOS E PSICOLÓGICOS ANALISADOS EM ACADEMIAS DE PATOS DE MINAS - MG LESÕES NA PRÁTICA DA MUSCULAÇÃO: ASPECTOS FISIOLÓGICOS E PSICOLÓGICOS ANALISADOS EM ACADEMIAS DE PATOS DE MINAS - MG Natal Luis de Santana, Luiz Antônio Silva Campos RESUMO Este estudo se caracteriza como

Leia mais

COMPARAÇÃO DA RESPOSTA AGUDA DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E PRESSÃO ARTERIAL EM DUAS MODALIDADES DE TREINAMENTO DE FORÇA NA MUSCULAÇÃO

COMPARAÇÃO DA RESPOSTA AGUDA DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E PRESSÃO ARTERIAL EM DUAS MODALIDADES DE TREINAMENTO DE FORÇA NA MUSCULAÇÃO Comparação da resposta aguda da freqüência cardíaca... Arq. Ciênc. Saúde Unipar, Umuarama, v.9(2), mai./ago., 2005 COMPARAÇÃO DA RESPOSTA AGUDA DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E PRESSÃO ARTERIAL EM DUAS MODALIDADES

Leia mais

ANÁLISE DO NÍVEL DE ESTRESSE E ANSIEDADE EM BAILARINAS DO 28º FESTIVAL DE DANÇA DE JOINVILLE

ANÁLISE DO NÍVEL DE ESTRESSE E ANSIEDADE EM BAILARINAS DO 28º FESTIVAL DE DANÇA DE JOINVILLE ANÁLISE DO NÍVEL DE ESTRESSE E ANSIEDADE EM BAILARINAS DO 28º FESTIVAL DE DANÇA DE JOINVILLE Fernanda Almeida Gutierrez (UNIDERP) Fernanda Almeida Gutierrez, Licenciatura plena em Educação Física UNIDERP

Leia mais

Sistemas de Treino de Força Muscular

Sistemas de Treino de Força Muscular Sistemas de Treino de Força Muscular Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Considerações iniciais Poucos

Leia mais

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009 AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE NUTRIÇÃO E SUPLEMENTAÇÃO DE INSTRUTORES QUE ATUAM EM ACADEMIAS WILSON CÉSAR DE ABREU 1, ALESSANDRA BOUERI LAZARINI 2, CARLA MICHELLE FERREIRA DE ABREU 3 RESUMO: O presente

Leia mais

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO NO TESTE DE 1RM E DO NÚMERO DE REPETIÇÕES REALIZADAS NOS EXERCÍCIOS SUPINO LIVRE E GUIADO

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO NO TESTE DE 1RM E DO NÚMERO DE REPETIÇÕES REALIZADAS NOS EXERCÍCIOS SUPINO LIVRE E GUIADO COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO NO TESTE DE 1RM E DO NÚMERO DE REPETIÇÕES REALIZADAS NOS EXERCÍCIOS SUPINO LIVRE E GUIADO Lima, F. V. a ; Machado, S. C. a ; Costa, C. G. a ; Martins Costa, H. C. a,b ; Diniz,

Leia mais

Perfil somatotipológico e respostas hipertróficas do braço, após 12 semanas de treinamento tradicional de musculação

Perfil somatotipológico e respostas hipertróficas do braço, após 12 semanas de treinamento tradicional de musculação Perfil somatotipológico e respostas hipertróficas do braço, após 12 semanas de treinamento tradicional de musculação Perfil somatotipológico y respuestas hipertróficas del brazo luego de 12 semanas de

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia - PPGECT

Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia - PPGECT Dança: Proposta para o ensino e desenvolvimento da aptidão física na disciplina de Qualidade de Vida nos cursos de engenharia do UTFPR Campus Cornélio Procópio Sônia Maria Rodrigues Selma Rodrigues Druzini

Leia mais

GASTO ENERGÉTICO DA AULA DE STEP

GASTO ENERGÉTICO DA AULA DE STEP GASTO ENERGÉTICO DA AULA DE STEP RESUMO Viviane Ribeiro de Ávila Vianna 1 Vinícius de Oliveira Damasceno 2 Jeferson Macedo Vianna 3 Jorge Roberto Perrout Lima 4 Jeferson da Silva Novaes 5 Estélio Henrique

Leia mais

Luís Alves Faculdade de Ciências da Saúde UFP luisalves2@gmail.com. Maria Raquel Silva Professora Auxiliar. raquel@ufp.edu.pt

Luís Alves Faculdade de Ciências da Saúde UFP luisalves2@gmail.com. Maria Raquel Silva Professora Auxiliar. raquel@ufp.edu.pt 442 Selecção Nacional Olímpica de Canoagem 2008: composição corporal e prestação competitiva Luís Alves Faculdade de Ciências da Saúde UFP luisalves2@gmail.com Maria Raquel Silva Professora Auxiliar Faculdade

Leia mais

APTIDÃO FÍSICA PARA A SAÚDE DOS ESCOLARES DOS PRIMEIROS ANOS PARTICIPANTES DAS OFICINAS DE EDUCAÇÃO PSICOMOTORA DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1

APTIDÃO FÍSICA PARA A SAÚDE DOS ESCOLARES DOS PRIMEIROS ANOS PARTICIPANTES DAS OFICINAS DE EDUCAÇÃO PSICOMOTORA DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1 APTIDÃO FÍSICA PARA A SAÚDE DOS ESCOLARES DOS PRIMEIROS ANOS PARTICIPANTES DAS OFICINAS DE EDUCAÇÃO PSICOMOTORA DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1 SCHNEIDER, Camila 2 PEDROTTI, Paulo Henrique de Oliveira²

Leia mais

ANALISE DA COORDENAÇÃO MOTORA RUDIMENTAR E EQUILIBRIO EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PARTICULAR DE BRASILIA-DF

ANALISE DA COORDENAÇÃO MOTORA RUDIMENTAR E EQUILIBRIO EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PARTICULAR DE BRASILIA-DF CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA - UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE FACES WILLIAM ALVES DE VELLOSO VIANNA ANALISE DA COORDENAÇÃO MOTORA RUDIMENTAR E EQUILIBRIO EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

Leia mais

MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA

MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA Universidade de Lisboa Faculdade de Medicina de Lisboa MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA Catarina Isabel Fonseca Paulos Mestrado em Medicina Legal e Ciências Forenses 2005 Esta dissertação

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

Avaliação do consumo de suplementos nutricionais por praticantes de atividade física do município de Monte Azul Paulista

Avaliação do consumo de suplementos nutricionais por praticantes de atividade física do município de Monte Azul Paulista 1 Avaliação do consumo de suplementos nutricionais por praticantes de atividade física do município de Monte Azul Paulista (Consumption s evaluation of nutritional supplements by physical activities practitioners

Leia mais

Efeitos dos exercícios resistidos nos indicadores de normalidade de força dos músculos respiratórios de idosos

Efeitos dos exercícios resistidos nos indicadores de normalidade de força dos músculos respiratórios de idosos Efeitos dos exercícios resistidos nos indicadores de normalidade de força dos músculos respiratórios de idosos VANDERSON CUNHA DO NASCIMENTO 1 JOSIANE DA SILVA TRINDADE 2 EDILÉA MONTEIRO DE OLIVEIRA 3

Leia mais

RELAÇÃO CINTURA-ESTATURA DE UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP.

RELAÇÃO CINTURA-ESTATURA DE UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP. RELAÇÃO CINTURA-ESTATURA DE UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP. Alessandra Santana Valadares Cleverson Alves dos Santos Cristiano Rovella Alecsandro Rosa da Silva

Leia mais

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS Diego de Faria Sato 1 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: A obesidade é considerada

Leia mais

EFEITOS ANTROPOMÉTRICOS DECORRENTES DA VARIAÇÃO DE INTENSIDADE DE TREINAMENTO EM CIRCUITO DURANTE O CICLO MENSTRUAL

EFEITOS ANTROPOMÉTRICOS DECORRENTES DA VARIAÇÃO DE INTENSIDADE DE TREINAMENTO EM CIRCUITO DURANTE O CICLO MENSTRUAL EFEITOS ANTROPOMÉTRICOS DECORRENTES DA VARIAÇÃO DE INTENSIDADE DE TREINAMENTO EM CIRCUITO DURANTE O CICLO MENSTRUAL FRANKLIN GONÇALVES PEREIRA Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande,

Leia mais

PERIODIZAÇÃO PARA ALUNOS DE ACADEMIAS DE GINÁSTICA

PERIODIZAÇÃO PARA ALUNOS DE ACADEMIAS DE GINÁSTICA PERIODIZAÇÃO PARA ALUNOS DE ACADEMIAS DE GINÁSTICA INTRODUÇÃO RAFAEL RODRIGUES CARDOSO Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil rafa_net@hotmail.com O homem exercitava seu corpo, mesmo que

Leia mais

Efeitos de uma pré temporada de quatro semanas sobre os parâmetros de VO 2 máx e composição corporal em atletas de futsal da categoria infantil

Efeitos de uma pré temporada de quatro semanas sobre os parâmetros de VO 2 máx e composição corporal em atletas de futsal da categoria infantil 248 ARTIGO Efeitos de uma pré temporada de quatro semanas sobre os parâmetros de VO 2 máx e composição corporal em atletas de futsal da categoria infantil Anderson Leandro Peres Campos Gregore Iven Mielke

Leia mais

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Esquema de Aula Atividade Física Bioenergética - Sistemas Produtores de Energia Princípio do Treinamento Identificação de Índices Fisiológicos Capacidade

Leia mais

Taciana Alves Ribeiro Bianchi Scaldaferri SISTEMAS DE TREINAMENTO UTILIZADOS POR FISICULTURISTAS

Taciana Alves Ribeiro Bianchi Scaldaferri SISTEMAS DE TREINAMENTO UTILIZADOS POR FISICULTURISTAS Taciana Alves Ribeiro Bianchi Scaldaferri SISTEMAS DE TREINAMENTO UTILIZADOS POR FISICULTURISTAS Belo Horizonte Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional Universidade Federal de Minas

Leia mais

CONHECIMENTO SOBRE HIDRATAÇÃO EM PRATICANTES DE SPINNING EM UMA ACADEMIA DE CURITIBA-PR KNOWLEDGE ABOUT HYDRATION IN PRACTITIONERS OF SPINNING AT

CONHECIMENTO SOBRE HIDRATAÇÃO EM PRATICANTES DE SPINNING EM UMA ACADEMIA DE CURITIBA-PR KNOWLEDGE ABOUT HYDRATION IN PRACTITIONERS OF SPINNING AT CONHECIMENTO SOBRE HIDRATAÇÃO EM PRATICANTES DE SPINNING EM UMA ACADEMIA DE CURITIBA-PR KNOWLEDGE ABOUT HYDRATION IN PRACTITIONERS OF SPINNING AT A GYM OF CURITIBA-PR Artigo original Carina Scucato Acadêmica

Leia mais