AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE TRÊS A NOVE ANOS DE IDADE DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DE CAMPO GRANDE / MATO GROSSO DO SUL RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE TRÊS A NOVE ANOS DE IDADE DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DE CAMPO GRANDE / MATO GROSSO DO SUL RESUMO"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE TRÊS A NOVE ANOS DE IDADE DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DE CAMPO GRANDE / MATO GROSSO DO SUL GISLAINE DOMINGUES CRN SUELLEN CRISTINA MENDES MAGRO CRN RESUMO Este trabalho teve por objetivo avaliar e acompanhar ano a ano o estado nutricional de crianças de três a nove anos de idade de instituições filantrópicas de Campo Grande/MS nas quais estudam em período integral. Realizou-se o estudo em treze entidades onde oitocentos e oitenta e quatro crianças foram assistidas no período de junho de 2004 a julho de A partir dos resultados da avaliação nutricional apresentados através de indicadores antropométricos, verificamos que houve uma diminuição de crianças fora do parâmetro de normalidade, e um aumento das crianças avaliadas dentro da normalidade. Dados relevantes frente ao número da população pesquisada. Palavras chave: estado nutricional; alimentação de crianças de três a nove anos; Entidades Filantrópicas de Campo Grande/MS. INTRODUÇÃO O consumo de uma dieta balanceada desde a infância é extremamente importante para o crescimento e desenvolvimento intelectual, pois melhora o nível educacional e reduz transtornos de aprendizado causado por deficiências nutricionais, tais como anemia e desnutrição. Estudos sobre a alimentação e o estado nutricional de crianças de três a nove anos, estão freqüentemente relacionados com a ingestão alimentar da família ou com o nível sócio-econômico da mesma, estes interferem diretamente na saúde da criança

2 mesmo obtendo uma alimentação equilibrada nas Entidades Filantrópicas onde permanecem a maior parte do dia. Partindo deste pressuposto, o presente estudo visa verificar se estas Entidades Filantrópicas estão contribuindo para a saúde nutricional das crianças assistidas. Sabe-se que a faixa etária de 3 a 9 anos é de crescimento, e se não houver conscientização à respeito de uma alimentação adequada, futuramente podem ter alguma ocorrência patológica que poderá comprometer o desenvolvimento da criança. A alimentação é o princípio básico da saúde e da vida, sendo fundamental no crescimento e desenvolvimento das crianças. No entanto, a privação de alimentos, tanto pela quantidade reduzida como pela má qualidade ou variedade de alimentos, provoca danos irreparáveis à saúde desta faixa etária. OBJETIVO Este trabalho teve por objetivo avaliar, acompanhar e comparar ano a ano o estado nutricional de crianças de três a nove anos de idade de instituições filantrópicas de Campo Grande/MS nas quais estudam em período integral. Realizou-se o começo do estudo de junho à setembro de 2004 avaliando o peso e altura, de 453 crianças, em 7 instituições com idade de 3 meses à 12 anos, no qual encontramos 49 (11%) abaixo do peso, 46 (10%) sobrepeso, e 358 (79%) no peso/altura corretos para a idade. De julho à novembro de 2005 pesamos 572 crianças, em 9 instituições, sendo 44 (8%) abaixo do peso, 23 (4%) acima do peso e 505 (88%) eutróficas. Nos meses de maio, junho e julho de 2007 foram realizados novamente esta avaliação, em 13 instituições, com um total de 884 crianças, sendo que 59 (7%) estão abaixo do peso, 27 (3%) estão acima do peso e 798 (90%) estão no peso/altura adequado para idade. Para o diagnóstico nutricional foram utilizados os indicadores de parâmetros antropométricos: peso/idade, peso/altura e altura/idade avaliados pelo percentil, considerando o NCHS (1997). Os dados foram processados pelo programa Epi-Info 2002.

3 Sabe-se que a faixa etária dos 3 aos 9 anos é de crescimento, e se não dispor de nutrientes essenciais e conscientizar à respeito de uma alimentação correta no momento, futuramente podem ter alguma patologia que poderá comprometer a vida toda destas crianças. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda encontrar 7% de crianças abaixo do peso e 3% acima do peso. Assim como a má alimentação e a falta de equilíbrio energético, e até mesmo o sobrepeso que se observam nas crianças avaliadas, é motivo de especial preocupação, pois, a ingestão de micronutrientes está estreitamente relacionada com a ingestão de energia, sendo possível que as crianças cujo consumo de energia é menor, também sofram de deficiência de ferro e zinco. O presente estudo mostra que, a partir dos resultados da avaliação nutricional apresentados através de indicadores antropométricos, houve um declínio das crianças encontradas fora do parâmetro de normalidade e um aumento das crianças avaliadas dentro da normalidade. Dados relevantes frente ao número da população pesquisada. MATERIAIS E MÉTODOS Os materiais utilizados para realização deste estudo foram: trena e balança portátil, estes equipamentos foram utilizados para realizar a avaliação antropométrica e avaliar o estado nutricional das crianças assistidas pelas Entidades Filantrópicas. Primeiramente, em 2004, sete instituições foram visitadas e em 2005 e 2007 as mesmas, acrescentando mais seis ao final do projeto. Foi solicitado a autorização de coleta de dados nos locais. Durante as visitas, foram aplicados questionários de caracterização destas entidades, número de crianças inscritas, custo alimentar por criança, descrição e quantificação das refeições realizadas pelas crianças, seus mantenedores, seus requisitos para recebimento de verbas. Foi realizada a avaliação antropométrica em 884 crianças na faixa etária de 3 a 9 anos, inscritas em treze das entidades do município de Campo Grande.

4 A avaliação antropométrica começou em junho de 2004 a julho de Os dados pessoais das crianças, tais como nome completo, idade, sexo e data de nascimento foram obtidos através dos termos de inscrição, concedidos pela entidade. Uma sala da entidade foi requisitada para que fosse realizada a avaliação antropométrica, sendo que as crianças foram encaminhadas à mesma, separadas por sexo e turma, em intervalos regulares. Para obtenção da estatura das crianças, a fita métrica foi afixada em paredes, sem cantoneiras e em contato com pisos regulares. As crianças foram posicionadas em pé, eretas, imóveis, com os braços estendidos ao longo do corpo e com a cabeça mantida no plano de Frankfort. A nuca, ombros, nádegas e calcanhares permanecem encostados no centro da fita métrica, com os joelhos unidos. A aferição da estatura foi feita em centímetros, com instrumentos apresentando variação da escala em milímetros por serem mais precisos. No caso das meninas, os cabelos estavam soltos e sem adornos. Para obtenção do peso das crianças, foi utilizada balança digital da marca Sanny, com capacidade máxima de 150 Kg e divisão de 100g. As crianças foram pesadas individualmente, com o mínimo de roupa possível, descalças e antes de terem realizado a refeição mais próxima. Foram mantidas imóveis, de modo que o peso ficou igualmente distribuído sobre a balança. Os indicadores antropométricos peso/idade (PI), peso/altura (PA) e altura/idade (AI) foram adotados para diagnosticar o estado nutricional das crianças de 3 a 9 anos através do percentil, considerando p Padrão de Referência da National Center of Health Statistics - NCHS (NCHS: 1977), recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS, 1995), cujas classificações são: < P3 = Desnutrição, < P10 até P5 = Baixo Peso, P50 = Normalidade, > P90 = Sobrepeso e < P95 = Obesidade. O processamento dos dados foi feito utilizando o aplicativo Nutrition do Programa Epi Info versão REVISÃO DE LITERATURA Os pré-escolares cuja idade vai dos 3 aos 6 a ano, ganham, em média, 2 Kg de peso corporal. Aos 6 anos, a criança tem em média 21 Kg, isto é, dobra o peso que

5 tinha no primeiro ano (BODINISKI, 1999). A estatura de nascimento aumenta em 50% no primeiro ano, mas não é dobrada até aproximadamente a idade de 4 anos. O aumento de altura varia de 6 a 8 cm por ano, de 2 anos de idade até a aceleração puberal (MAHAN e ESCOTT STUMP, 2002). A composição corpórea nas crianças de idade pré-escolar permanece relativamente constante. A gordura diminui gradualmente durante os primeiros anos na infância, atingindo o mínimo, aproximadamente, aos seis anos de idade. Após isto, ela aumenta ( a chamada recuperação de adiposidade) em preparação para o estirão de crescimento puberal (DEITZ, 1994 apund MAHAN e ESCOTT- STUMP, 2002). Os gráficos de desenvolvimento para o nascimento até 36 meses de idade são baseados nas medidas de altura e pesos sem roupa, enquanto os gráficos utilizados para 2 a 18 anos de idade são baseados nas normas de ficarem em pé e peso com roupas leves e sem sapatos (MAHAN e ESCOTT-STUMP, 2002). O peso que aumenta em uma taxa rápida e supera o padrão de crescimento sugere o desenvolvimento de obesidade. A ausência de ganho ou perda de peso, durante um período de meses, pode ser resultado de desnutrição, enfermidade aguda, doença crônica não diagnosticada ou problemas emocionais ou familiares significantes. (MAHAN e ESCOTT-STUMP, 2002). O período pré-escolar é um momento de crescimento significante nas áreas social, cognitiva e emocional ( MAHAN e ESCOTT-STUMO, 2002). A saúde, na idade pré-escolar, se refletirá definitivamente na adolescência e vida adulta, sendo fundamental que sejam atendidas as exigências nutricionais nesta faixa etária. A desnutrição na faixa pré-escolar, por exemplo, pode levar a alterações físicas, funcionais e anatômicas, repercutindo, negativamente, no crescimento e desenvolvimento da criança, na apatia, no retardo de linguagem, na diminuição da capacidade de concentração e baixa resposta a estímulos (CARDOSO e CARRAZZA apud ACCIOLY, SAUNDERS e LACERDA, 2004). As medidas mais sensíveis do crescimento são o peso e estatura, que devem ser obtidos periodicamente em equipamentos adequados e de acordo com as normas de aferição pré-estabelecidas e registradas em instrumentos adequados (ACCIOLY, SAUNDERS e LACERDA, 2004). As necessidades de energia de uma criança são determinadas com base no metabolismo basal, taxa de crescimento e atividade. A energia dietética deve ser

6 suficiente para assegurar o crescimento e poupar proteína de ser utilizada para energia, sem que os resultados sejam excessivos e levem à obesidade. A ingestão de energia para crianças saudáveis, em crescimento, da mesma idade e sexo varia dependendo principalmente de seu nível de atividade. É útil determinar as necessidades de energia em base individual, utilizando quilocalorias por quilograma de peso. (MAHAN e ESCOTT-STUMP, 2002; BEAL apud MAHAN e ESCOTT-STUMP, 2002). As refeições devem ser feitas e, horários regulares, sem rigidez excessiva, porém com disciplina. Entre os 5 e 7 anos, a criança pode recusar carnes gordurosas, molhos, verduras cozidas e alimentos de sabor pronunciado, preferindo os mais simples, sem misturas e servidos mornos (WAITZBERG, 2004) De acordo com Lacerda et al.(2002), deve-se diversificar os alimentos na forma de preparo e apresentação das refeições (combinações coloridas de alimentos, consistência sólida e alimentos separados no prato); permitir certo grau de repetição de determinados alimentos, desde que a criança receba cardápio balanceado; a criança deve descontrair-se antes das refeições, devem ser evitados doces, petiscos e bebidas de alto teor energético entre as refeições. CONCLUSÃO Conclui-se que a parcela de crianças que se apresentam fora da normalidade pode não ser formada por vítimas da fome ou da má nutrição necessariamente, uma vez que se detectou que as instituições oferecem os alimentos necessários para uma dieta saudável, mas por vítimas de maus tratos em casa ou doenças como verminose, bronquite asmática, diarréia crônica anemia, além da falta de orientação nutricional pois esta tem grande importância no esclarecimento tanto dos pais quanto da criança em suas escolhas alimentares, uma vez que os hábitos alimentares são formados até os dois anos de idade e serão os mesmos por toda a vida. Portanto, somente através da implantação de ações educativas que promovam a saúde, programas públicos destinados a esta população e que estejam mais voltados para a educação nutricional do que somente com a oferta de alimentos, podemos conseguir a diminuição de crianças abaixo do peso e sobrepeso.

7 No presente estudo, as prevalências de acima do peso em 2004 foram de 10% e em 2007, 3%. Contudo, segundo o Departamento de Endocrinologia Pediátrica da Sociedade Brasileira de Pediatria apud Zanella (2003), a obesidade atinge entre 8% e 10% das crianças. Ao contrário da desnutrição, que pode causar a morte logo nos primeiros anos de vida, a obesidade ameaça a ter o mesmo desfecho mais tarde, quando se manifestam as complicações associadas à doença, as chamadas Doenças Crônicas Não-Transmissíveis (DCNT). A obesidade infantil atinge no Brasil entre 7% e 15% das crianças, dependendo da região (IBGE, 2004). Na região Centro Oeste, segundo o IBGE (2004), a prevalência de obesidade infantil em crianças dos sexos masculino e feminino são, respectivamente, 8.6% e 10,6%. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ACCIOLY, E.; SAUNDERS, C.; LACERDA, E. M. de A. Nutrição em Obstetrícia e Pediatria. Rio de Janeiro: Cultura Médica, AUGUSTO. A. L. P. et.al. Terapia Nutricional. São Paulo: Atheneu, BODINSKI, L. H. Dietoterapia: princípios e prática. São Paulo : Atheneu, CUPPARI, L. Guia de Nutrição: nutrição clínica no adulto. Barueri, SP: Manole, Estratégia global da OMS para Alimentação e Nutrição. In: 57º Assembléia Mundial de Saúde WHA57., Obtido Via Internet Acesso em 09 out. 2005, 9h05min. GOUVEIA, E. L. Nutrição Saúde & Comunidade. 2.ed. Rio de Janeiro: Revinter, IBGE. Prevalência de Obesidade em Crianças de Diferentes Regiões no Brasil, Brasília: IBGE, Obtido via Internet. Acesso em 15 de out. 2005, 21h.

8 IBGE. Tabela da População residente, por situação do domicílio e sexo, segundo os grupos de idade, Brasil. Obtido via Internet. Acesso em 09 out. 2005, 7h29min. RIBEIRO. E. R. O. et.al. Comparação entre duas coortes de mães adolescentes em municípios do Sudeste do Brasil. Revista de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 34, n. 2, p. 136, VASCONCELOS, F., A, G. Avaliação nutricional de coletividades. Florianópolis: Editora UFSC, 1993

PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ, PR

PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ, PR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ,

Leia mais

Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI.

Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI. Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI. Professor Assistente da Universidade Federal do Piauí Gilvo de Farias Júnior Nutricionistas: Francilany

Leia mais

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS Carla Andréa Metzner 1 Ana Paula Falcão 2 RESUMO No presente trabalho coletou-se dados referente ao Indicador

Leia mais

Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS

Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS Em 2006 foi lançada pela Organização

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL INFLUÊNCIA NO PESO AO NASCER

RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL INFLUÊNCIA NO PESO AO NASCER ISBN 978-85-61091-05-7 EPCC VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL

Leia mais

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição.

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Projeto Ação Social Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Objetivo Geral: A equipe de Nutrição teve por objetivo atender aos pacientes

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL ENTRE CRIANÇAS

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL ENTRE CRIANÇAS EDUCAÇÃO NUTRICIONAL ENTRE CRIANÇAS Nayara Andrade de Oliveira 1, Vivian Rahmeier Fietz 2, Emmanuela Alves Inácio Carvalho 1 Estudante do Curso de Enfermagem da UEMS, Unidade Universitária de Dourados;

Leia mais

Criança nutrida & criança Vitaminada

Criança nutrida & criança Vitaminada Criança nutrida & criança Vitaminada IMC INFANTIL Muitos pais se preocupam com o peso e a estatura de seu filho. Questionam-se se a massa corporal da criança está de acordo com a idade, se a alimentação

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal.

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA 1 ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PET-Saúde

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS CARNEIRO, Alessandra Rosa de Araújo ARAÚJO, Ana Cristina Tomaz (UNITRI) anacrisnutricao@yahoo.com.br RESUMO: Introdução:

Leia mais

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA).

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). GLEICIANE MARTINS GOMES ADRIANA MOURA DOS SANTOS JOSEANA MOREIRA ASSIS RIBEIRO FERNANDO VINÍCIUS FARO REIS JÚLIO ALVES PIRES FILHO

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADULTOS E IDOSOS EM UMA UBS DE APUCARANA-PR

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADULTOS E IDOSOS EM UMA UBS DE APUCARANA-PR PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADULTOS E IDOSOS EM UMA UBS DE APUCARANA-PR Resumo Lourival, N B S Fernandes, L S; A Educação nutricional ocorre devido ações educativas com a finalidade de um maior conhecimento

Leia mais

PROC. Nº 0838/06 PLL Nº 029/06 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

PROC. Nº 0838/06 PLL Nº 029/06 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS A obesidade é uma das patologias nutricionais que mais tem apresentado aumento em seus números, não apenas nos países ricos, mas também nos países industrializados. Nos últimos anos,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: avaliação antropométrica; oficina de culinária; Síndrome de Down.

PALAVRAS-CHAVE: avaliação antropométrica; oficina de culinária; Síndrome de Down. AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DE 06 E 36 MESES, COM SÍNDROME DE DOWN, E OFERTA DE OFICINAS DE CULINÁRIA À SUAS FAMÍLIAS FUNDAÇÃO DOM BOSCO B.H. Luciana Ramos Costa SIMÕES Centro Universitário

Leia mais

Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN

Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL

DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica - ABESO Dra. Maria Edna de Melo CREMESP 106.455 Responsável Científica pelo site da ABESO A Pesquisa

Leia mais

Evolução de Crianças e Adolescentes Obesos Acompanhados em Atendimento Ambulatorial

Evolução de Crianças e Adolescentes Obesos Acompanhados em Atendimento Ambulatorial UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde Curso de Nutrição Evolução de Crianças e Adolescentes Obesos Acompanhados em Atendimento Ambulatorial trabalho de conclusão de curso

Leia mais

PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB.

PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB. 1 PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB. ¹Thatiany de Sousa Pereira; ¹ Sebastião Ângelo da Silva; ¹Adeilma Fernandes de Sousa

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA INFÂNCIA

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA INFÂNCIA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA INFÂNCIA Andréa Ott 1, Arléia Maria Gassen 1, Catiana de Moura Morcelli 1, Elisângela Maria Politowski 1, Débora Krolikowski 2 Palavras-chave: nutrição humana, criança, saúde. INTRODUÇÃO

Leia mais

Campus de Botucatu PLANO DE ENSINO. CURSO: Nutrição ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA. DOCENTE RESPONSÁVEL : Maria Antonieta de Barros Leite Carvalhaes

Campus de Botucatu PLANO DE ENSINO. CURSO: Nutrição ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA. DOCENTE RESPONSÁVEL : Maria Antonieta de Barros Leite Carvalhaes PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO CURSO: Nutrição MODALIDADE: DISCIPLINA: Nutrição Materno-Infantil ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA DEPARTAMENTO:Enfermagem DOCENTE RESPONSÁVEL : Maria Antonieta de Barros

Leia mais

Congregação das Filhas do Amor Divino

Congregação das Filhas do Amor Divino Congregação das Filhas do Amor Divino EXERCÍCIO FÍSICO E ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Em se tratando dos conhecimentos necessários para a prática de exercícios e/ou atividades físicas, a alimentação deve ser considerada

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DA ANTROPOMETRIA REALIZADA NA ATENÇÃO BÁSICA

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DA ANTROPOMETRIA REALIZADA NA ATENÇÃO BÁSICA FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DA ANTROPOMETRIA REALIZADA NA ATENÇÃO BÁSICA IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO (ID) [ ] ( ) Questionário [ ] ( ) Entrevistador (bolsista): [ ] ( ) Pesquisador (professor orientador):

Leia mais

PAPEL DO NUTRICIONISTA NO SISTEMA DE SAÚDE¹

PAPEL DO NUTRICIONISTA NO SISTEMA DE SAÚDE¹ 453 PAPEL DO NUTRICIONISTA NO SISTEMA DE SAÚDE¹ Aparecida Elaine de Assis Cardoso 2, Jacira Francisca Matias 2, Mônica de Paula Jorge 2, Jaqueline Miranda 2, Maria Aparecida Resende Marques 2, Luciana

Leia mais

FACULDADE ASSIS GURGACZ PRISCILA RAMOS VARGAS

FACULDADE ASSIS GURGACZ PRISCILA RAMOS VARGAS 1 FACULDADE ASSIS GURGACZ PRISCILA RAMOS VARGAS CONSUMO ALIMENTAR E ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS ATENDIDAS EM CRECHE FILANTRÓPICA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ CASCAVEL 2007 2 PRISCILA RAMOS VARGAS CONSUMO

Leia mais

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL ARTIGO PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL Flávio Petrônio Cabral de Castro Docente da Escola Estadual Antonia Rangel

Leia mais

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes TER DIABETES NÃO É O FIM... É o início de uma vida mais saudável, com alimentação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1 A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1 Angélica Aparecida De Almeida 2, Ligia Beatriz Bento Franz 3, Mabili Tresel Freitas 4, Vanessa Huber Idalêncio 5. 1 Pesquisa Institucional

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA PRÉ-ESCOLARES DO CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM VIÇOSA-MG

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA PRÉ-ESCOLARES DO CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM VIÇOSA-MG 369 EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA PRÉ-ESCOLARES DO CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM VIÇOSA-MG Jacira Francisca Matias 2 Jaqueline Miranda Lopes 2, Eliene da Silva Martins Viana 3 Resumo: A formação dos hábitos

Leia mais

Obesidade Infantil. O que é a obesidade

Obesidade Infantil. O que é a obesidade Obesidade Infantil O que é a obesidade A obesidade é definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma doença em que o excesso de gordura corporal acumulada pode atingir graus capazes de afectar

Leia mais

A NUTRIÇÃO COMO FATOR FUNDAMENTAL NO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA.

A NUTRIÇÃO COMO FATOR FUNDAMENTAL NO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA. A NUTRIÇÃO COMO FATOR FUNDAMENTAL NO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA. Mesa de Trabajo 3. Extensión, docencia e investigación Malheiros, Rafael Tamborena 1 ; Cardoso, Camila Krüger 2 ; Bueno, Elaine Alegre 1

Leia mais

Disponível no site Nutrição Ativa (www.nutricaoativa.com.br)

Disponível no site Nutrição Ativa (www.nutricaoativa.com.br) ESTUDO COMPARATIVO DO ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS EM IDADE ESCOLAR MATRICULADAS EM ESCOLA PÚBLICA E PRIVADA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA RS. MOREIRA, Thaís Rodrigues; PRASS, Francine Sarturi; BLASI,

Leia mais

PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO

PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO 1 PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO Iara de Souza Assunção 1 Josiane Kênia de Freitas 2 Viviane Modesto Arruda 3 Silvana Rodrigues Pires Moreira 4

Leia mais

ROTEIROS E ORIENTAÇÕES PARA OS RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA ÁREA DE:

ROTEIROS E ORIENTAÇÕES PARA OS RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA ÁREA DE: CURSO DE NUTRIÇÃO ROTEIROS E ORIENTAÇÕES PARA OS RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA ÁREA DE: MANUAL DO ESTAGIÁRIO NUTRIÇÃO CLÍNICA PROFESSORA SUPERVISORA Valéria Cristina Schneider São Carlos 2013 A - Estágio Supervisionado

Leia mais

Estado Nutricional e Crescimento Saudável dos Escolares

Estado Nutricional e Crescimento Saudável dos Escolares 5 Estado Nutricional e Crescimento Saudável dos Escolares Jaqueline Girnos Sonati Mestre em Educação Física - UNICAMP Christianne de Vasconcelos Affonso Doutora em Tecnologia de Alimentos - UNICAMP Erika

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 LEITE, Raíssa Moraes 1 ; FRANCO, Lana Pacheco 2 ; SOUZA, Isabela Mesquita 3 ; ALVES, Ana Gabriella Pereira

Leia mais

Assessment of nutritional status in children attending of CREI Dra. Rita Gadelha de Sá, located in the city of João Pessoa/PB.

Assessment of nutritional status in children attending of CREI Dra. Rita Gadelha de Sá, located in the city of João Pessoa/PB. Avaliação do estado nutricional em crianças frequentadoras do CREI Dra. Rita Gadelha de Sá, localizada no município de João Pessoa/PB. Assessment of nutritional status in children attending of CREI Dra.

Leia mais

Anexo I - Questionário

Anexo I - Questionário Anexo I - Questionário Joana Alexandra de Jesus Amorim, aluna do 4º ano da Licenciatura em Enfermagem da Universidade Fernando Pessoa, encontra-se a realizar um trabalho de investigação com o título Cirurgia

Leia mais

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL 1 ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL Ana Carolina Borghesi Marques Branco Mariah Martins da Silva Josiane Correia Juliana Ferreira

Leia mais

IV Jornada de Alimentação Escolar 21/10/2010 Ana Carolina Feldenheimer

IV Jornada de Alimentação Escolar 21/10/2010 Ana Carolina Feldenheimer Perfil nutricional da população brasileira segundo inquéritos populacionais (POF, PNDS e outros) e o SISVAN (Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional) quanto a transição nutricional e excesso de peso

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO ALIMENTAR DE CRIANÇAS ATENDIDAS EM CRECHE FILANTRÓPICA DA CIDADE DE LONDRINA PR

PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO ALIMENTAR DE CRIANÇAS ATENDIDAS EM CRECHE FILANTRÓPICA DA CIDADE DE LONDRINA PR TERRA E CULTURA, ANO XIX, Nº 37 94 PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO ALIMENTAR DE CRIANÇAS ATENDIDAS EM CRECHE FILANTRÓPICA DA CIDADE DE LONDRINA PR RESUMO 1 *Marisa Batista Brighenti *Flávia Hernandez Fernandez

Leia mais

M E D I D A D O P E S O. _ Identificar as gestantes com déficit nutricional ou sobrepeso, no início da gestação;

M E D I D A D O P E S O. _ Identificar as gestantes com déficit nutricional ou sobrepeso, no início da gestação; M E D I D A D O P E S O OBJETIVO: Avaliar o aumento do peso durante a gestação Para: _ Identificar as gestantes com déficit nutricional ou sobrepeso, no início da gestação; _ Detectar as gestantes com

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS EDITAL DE SELEÇÃO Nº 50/2015 PROFESSOR SUBSTITUTO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS EDITAL DE SELEÇÃO Nº 50/2015 PROFESSOR SUBSTITUTO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário - Viçosa, MG - 36570-000 - Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS FRUTAS NA ALIMENTAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DAS FRUTAS NA ALIMENTAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS FRUTAS NA ALIMENTAÇÃO INFANTIL Shyrley Rita da Silva Madureira de ABREU 1 Scarlatt Samanta Fonseca PEREIRA 2 Frederico de Barros TRINDADE 3 Gabrielle Cristina de OLIVEIRA 4 Cecy Maria

Leia mais

ELES QUE FAÇAM O QUE EU DIGO!

ELES QUE FAÇAM O QUE EU DIGO! ELES QUE FAÇAM O QUE EU DIGO! ESTRATÉGIAS PARA COMBATER A OBESIDADE PROPOSTAS PELAS CRIANÇAS NAS PASE 2008 Rosalina Gabriel, Ana Moura Arroz, Ana Cristina Palos, Isabel Estrela Rego, António Félix Rodrigues,

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE CRIANÇAS ENTRE 08 E 09 ANOS DA ESCOLA PÚBLICA CAIC, DE GUAXUPÉ-MG.

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE CRIANÇAS ENTRE 08 E 09 ANOS DA ESCOLA PÚBLICA CAIC, DE GUAXUPÉ-MG. DANILO RAIMUNDO GONZAGA JOÃO BOSCO DA SILVA ALEXANDRE PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE CRIANÇAS ENTRE 08 E 09 ANOS DA ESCOLA PÚBLICA CAIC, DE GUAXUPÉ-MG. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

DIFICULDADES ENCONTRADAS NA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE IDOSOS

DIFICULDADES ENCONTRADAS NA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE IDOSOS DIFICULDADES ENCONTRADAS NA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE IDOSOS Vanessa Almeida Santos Vanessa Perez Casado Laudicéia Soares Urbano INTRODUÇÃO De acordo com Mahan, Escott- Stump (2010) o envelhecimento é um

Leia mais

Protocolos de Nutrição Clínica

Protocolos de Nutrição Clínica 1 Protocolos de Nutrição Clínica Teresina PI 2012 Sumário 2 1 Introdução... 02 2 Protocolo de Assistência Nutricional para Pacientes Internados... 03 3 Protocolo Mínimo de Avaliação Nutricional... 05 4

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ÁGUAS FORMOSAS ESTADO DE MINAS GERAIS Processo Seletivo 001/2012

PREFEITURA MUNICIPAL DE ÁGUAS FORMOSAS ESTADO DE MINAS GERAIS Processo Seletivo 001/2012 À Comissão Especial do Processo Seletivo nº 001/2012 da Prefeitura Municipal de Águas Formosas / Minas Gerais. Ref.: Recursos Administrativos. Prezados Senhores, Foram protocolados/enviados recursos contra

Leia mais

balanço energético #compartilhequilibrio

balanço energético #compartilhequilibrio balanço energético #compartilhequilibrio balanço energético Obesidade e sobrepeso são problemas de saúde graves e complexos que afetam grande parte da população. Embora ambos os fatores hereditário e ambiental

Leia mais

CONSUMO ALIMENTAR, ESTADO NUTRICIONAL E INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DE LACTANTES ATENDIDAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS¹

CONSUMO ALIMENTAR, ESTADO NUTRICIONAL E INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DE LACTANTES ATENDIDAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS¹ CONSUMO ALIMENTAR, ESTADO NUTRICIONAL E INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DE LACTANTES ATENDIDAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS¹ FONTOURA, Ethiene da Silva 1 ; MALDONADO, Karla de Souza²;

Leia mais

Especialista explica a importância do consumo de frutas e verduras 12/11/2011 TAGS: ALIMENTAÇÃO, COMPORTAMENTO

Especialista explica a importância do consumo de frutas e verduras 12/11/2011 TAGS: ALIMENTAÇÃO, COMPORTAMENTO Especialista explica a importância do consumo de frutas e verduras 12/11/2011 TAGS: ALIMENTAÇÃO, COMPORTAMENTO ricos em cores, aromas e sabores. As frutas e hortaliças (legumes e verduras) são alimentos

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DO CURSO TÉCNICO EM NUTRIÇÃO E DIETÉTICA EDITAL 061/2013 GDHS/HCU-UFU EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO (A)

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DO CURSO TÉCNICO EM NUTRIÇÃO E DIETÉTICA EDITAL 061/2013 GDHS/HCU-UFU EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO (A) ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DO CURSO TÉCNICO EM NUTRIÇÃO E DIETÉTICA EDITAL 06/203 GDHS/HCU-UFU EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO (A) O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO DE ASSISTÊNCIA, ESTUDO E PESQUISA DE

Leia mais

JORNALZINHO DA SAÚDE

JORNALZINHO DA SAÚDE JORNALZINHO DA SAÚDE POBREZA, FOME E DESNUTRIÇÃO Professor Chenso Pobreza: pobreza corresponde à condição de não satisfação de necessidades humanas elementares como comida, abrigo, vestuário, educação,

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PARTICIPANTES DO PROJETO GURI DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PARTICIPANTES DO PROJETO GURI DA CIDADE DE MARINGÁ-PR ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PARTICIPANTES DO PROJETO GURI DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

Leia mais

ANÁLISE QUALITATIVA DAS PREPARAÇÕES DO CARDÁPIO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NO MUNICÍPIO DE DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL

ANÁLISE QUALITATIVA DAS PREPARAÇÕES DO CARDÁPIO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NO MUNICÍPIO DE DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL ANÁLISE QUALITATIVA DAS PREPARAÇÕES DO CARDÁPIO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NO MUNICÍPIO DE DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL Melina Hatsue Sasaki 1 ; Andréa Ribeiro Luz Chamaa 2 1 Acadêmica do

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ÍNDIVIDUOS IDOSOS

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ÍNDIVIDUOS IDOSOS V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ÍNDIVIDUOS IDOSOS Flávia Regina Moleiro 1, Rose Mari Bennemann² RESUMO: O aumento da expectativa

Leia mais

MONITORAMENTO DO ESTADO NUTRICIONAL DE PRÉ-ESCOLARES DE UM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL

MONITORAMENTO DO ESTADO NUTRICIONAL DE PRÉ-ESCOLARES DE UM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL MONITORAMENTO DO ESTADO NUTRICIONAL DE PRÉ-ESCOLARES DE UM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Cristina de MORAI 1 ; Danielly Souza PIRES¹; Raquel Machado SCHINCAGLIA¹; Maria Irene de Castro BARBOSA¹; Polianna

Leia mais

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE INFANTIL EM CRIANÇAS DE ZERO A TRÊS ANOS

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE INFANTIL EM CRIANÇAS DE ZERO A TRÊS ANOS 37 PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE INFANTIL EM CRIANÇAS DE ZERO A TRÊS ANOS Nadieska Cristiani Baú 1 Fabiana Meneghetti Dallacosta 2 RESUMO Este estudo objetivou calcular a prevalência de sobrepeso

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTRODUÇÃO DOS VEGETAIS NA REFEIÇÃO DAS CRIANÇAS

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTRODUÇÃO DOS VEGETAIS NA REFEIÇÃO DAS CRIANÇAS EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTRODUÇÃO DOS VEGETAIS NA REFEIÇÃO DAS CRIANÇAS Vanessa dos Santos Ortega Jéssica de Paula Francisco Laudicéia Soares Urbano INTRODUÇÃO As crianças estão entre as populações

Leia mais

O PRÉ-ESCOLAR DE DOIS A CINCO ANOS DE IDADE: COMO ANDA SUA ALIMENTAÇÃO?

O PRÉ-ESCOLAR DE DOIS A CINCO ANOS DE IDADE: COMO ANDA SUA ALIMENTAÇÃO? ISBN 97-5-191-5-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 3 de outubro de 9 O PRÉ-ESCOLAR DE DOIS A CINCO ANOS DE IDADE: COMO ANDA SUA ALIMENTAÇÃO? Pâmela Carla de Andrade¹, Fabíola Roberta

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM EDUCAÇÃO NUTRICONAL: realização de dinâmicas educativas. SIMARA MARIA LOPES DE ARAÚJO

DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM EDUCAÇÃO NUTRICONAL: realização de dinâmicas educativas. SIMARA MARIA LOPES DE ARAÚJO 1 DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM EDUCAÇÃO NUTRICONAL: realização de dinâmicas educativas. SIMARA MARIA LOPES DE ARAÚJO Introdução A educação nutricional é um instrumento

Leia mais

10 Alimentos importantes para sua saúde.

10 Alimentos importantes para sua saúde. 10 Alimentos importantes para sua saúde. 10 Alimentos importantes para sua saúde. Os alimentos funcionais geram inúmeros benefícios para o organismo. Como muitas patologias se desenvolvem por deficiência

Leia mais

A influência da prática de atividade física no estado nutricional de adolescentes

A influência da prática de atividade física no estado nutricional de adolescentes A influência da prática de atividade física no estado nutricional de adolescentes Quelita Araújo Alves Freitas¹*(IC), Paulo Fabrício dos Santos Lima ²(IC), Emanuel Bruno da Silva Cruz³ (IC), Camila Pinheiro

Leia mais

ELABORAÇÃO DE MANUAL NUTRICIONAL PARA ASMÁTICOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA

ELABORAÇÃO DE MANUAL NUTRICIONAL PARA ASMÁTICOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA ELABORAÇÃO DE MANUAL NUTRICIONAL PARA ASMÁTICOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA ANDRADE, A. H. G.; CHERON, L. S. Resumo A asma é uma doença comum hoje em dia. O exercício físico e alimentação ajudam no

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA: UMA ABORDAGEM DA EDUCAÇÃO FÍSICA ATRAVÉS DAS INTERVENÇÕES DO PIBID/UEPB.

AVALIAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA: UMA ABORDAGEM DA EDUCAÇÃO FÍSICA ATRAVÉS DAS INTERVENÇÕES DO PIBID/UEPB. AVALIAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA: UMA ABORDAGEM DA EDUCAÇÃO FÍSICA ATRAVÉS DAS INTERVENÇÕES DO PIBID/UEPB. Lucas Ferreira da Silva¹; Karolyne de Fátima Nunes da Silva²; Mikaely Araújo Barros³; Jozilma de Medeiros

Leia mais

Atividade física no ambiente escolar

Atividade física no ambiente escolar Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção BásicaB Coordenação ão-geral da Política de Alimentação e Nutrição Atividade física x alimentação saudável no ambiente escolar

Leia mais

PIBID EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UMA ANÁLISE DO CONCEITO DE SAÚDE DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MONTES CLAROS MG.

PIBID EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UMA ANÁLISE DO CONCEITO DE SAÚDE DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MONTES CLAROS MG. PIBID EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UMA ANÁLISE DO CONCEITO DE SAÚDE DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MONTES CLAROS MG. 1.0 RESUMO O presente trabalho tem como objetivo analisar o conceito

Leia mais

Introdução. Palavras-chave: Composição corporal. Antropometria. Escola pública. Escola privada.

Introdução. Palavras-chave: Composição corporal. Antropometria. Escola pública. Escola privada. I Comparação de Composição Corporal Entre Alunos de Escolas Públicas e Privadas Por: André Shigueo F. Vieira Orientador: Prof. Dr. Ricardo Bernardo Mayolino Resumo: O objetivo do presente estudo foi analisar

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES E PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO DE ACADÊMICOS QUE RESIDEM SOZINHOS DE UMA FACULDADE PRIVADA

HÁBITOS ALIMENTARES E PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO DE ACADÊMICOS QUE RESIDEM SOZINHOS DE UMA FACULDADE PRIVADA 1 HÁBITOS ALIMENTARES E PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO DE ACADÊMICOS QUE RESIDEM SOZINHOS DE UMA FACULDADE PRIVADA PAGNUSSAT, Michely Von Rondon 1 PEREIRA, Edson Luiz 2 A alimentação saudável baseia-se em uma

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO Mari Uyeda* Pedro Henrique Martins de Lima** RESUMO: As mudanças nas práticas alimentares e no padrão de atividades físicas culminaram em

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR Sabrina Dalmazo Vieira 1 ; Rose Mari Bennemann 2 RESUMO:

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS 1. Introdução As Boas Práticas Nutricionais constituem-se um importante instrumento para a modificação progressiva da composição nutricional

Leia mais

PROPONDO UM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR NA ESCOLA: DO ASPECTO INFORMATIVO À PRÁTICAS TRANSFORMADAS

PROPONDO UM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR NA ESCOLA: DO ASPECTO INFORMATIVO À PRÁTICAS TRANSFORMADAS PROPONDO UM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR NA ESCOLA: DO ASPECTO INFORMATIVO À PRÁTICAS TRANSFORMADAS RESUMO Maria Márcia Melo de Castro Martins 1 Leandra Fernandes Nascimento 2 Maria Gorete de Gois 3

Leia mais

CUIDANDO DO SEU CORAÇÃO Controle e Prevenção da Doença Aterosclerótica Coronariana

CUIDANDO DO SEU CORAÇÃO Controle e Prevenção da Doença Aterosclerótica Coronariana HOSPITAL DAS CLÍNICAS - UFMG Programa de Reabilitação Cardiovascular e Metabólica Residência Multiprofissional em Saúde Cardiovascular CUIDANDO DO SEU CORAÇÃO Controle e Prevenção da Doença Aterosclerótica

Leia mais

Utilização da Aveia x Índice Glicêmico

Utilização da Aveia x Índice Glicêmico Utilização da Aveia x Índice Glicêmico MURIELE MARQUES JOB; SAHRA BRENA DE OLIVEIRA LIBANIO RESUMO: O conceito de índice glicêmico pode ser considerado uma extensão da hipótese da fibra dietética, sugerindo

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Técnico ETEC RODRIGUES DE ABREU - EXTENSÃO AGUDOS Código: 135.01 D Município: AGUDOS Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Componente Curricular: PLANEJAMENTO ALIMENTAR

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA EM CRIANÇA DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SALTO DO LONTRA PR

AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA EM CRIANÇA DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SALTO DO LONTRA PR 1 AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA EM CRIANÇA DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SALTO DO LONTRA PR Área de conhecimento: Medicina Eixo Temático: Educação e Saúde Gisele Arruda 1 Carla Rosani Hettwer de

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE 0 A 10 ANOS COM CÂNCER ASSISTIDAS EM UM HOSPITAL FILANTRÓPICO

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE 0 A 10 ANOS COM CÂNCER ASSISTIDAS EM UM HOSPITAL FILANTRÓPICO 1 -Acadêmica do 8º semestre do Curso de Enfermagem da Universidade Federal do Piauí/CSHNB UFPI/Picos/PI. Bolsista ICV/UFPI. Membro do Grupo de Pesquisa em Saúde Coletiva/CSHNB/CNPq. ESTADO NUTRICIONAL

Leia mais

Modelando o controle do crescimento humano

Modelando o controle do crescimento humano Modelando o controle do crescimento humano Marília Zabel (1) ; Ana Luiza Hein (2) ; Vitória Raissa Prada Fronza (3) (1) Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da Universidade Estadual

Leia mais

A PERCEPÇÃO DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS SOBRE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL: UM ESTUDO DE CASO

A PERCEPÇÃO DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS SOBRE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL: UM ESTUDO DE CASO 1 A PERCEPÇÃO DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS SOBRE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL: UM ESTUDO DE CASO INTRODUÇÃO DEISE JAQUELINE ALVES FALEIRO SUZANA HÜBNER WOLFF Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Leia mais

E E R D A B DISEB SO O RA S FALOM VA

E E R D A B DISEB SO O RA S FALOM VA VAMOS FALAR SOBRE OBESIDADE OBESIDADE A obesidade é uma doença crônica caracterizada pelo excesso de gordura corporal no organismo ou quando o peso do corpo ultrapassa em 20% o peso ideal. É atualmente

Leia mais

OBESIDADE INFANTIL: a culpa e dos pais?

OBESIDADE INFANTIL: a culpa e dos pais? OBESIDADE INFANTIL: a culpa e dos pais? Bianca de Oliveira 1 Vanessa Aparecida André Oliveira 2 Mariana Veloso Moreira 3 RESUMO O presente artigo sobre obesidade Infantil, focaliza um problema hereditário

Leia mais

Floripa Saudável 2040: Impacto do monitoramento e da educação em saúde nos indicadores nutricionais de crianças de 2 a 6 anos.

Floripa Saudável 2040: Impacto do monitoramento e da educação em saúde nos indicadores nutricionais de crianças de 2 a 6 anos. TÍTULO DA PRÁTICA: Floripa Saudável 2040: Impacto do monitoramento e da educação em saúde nos indicadores nutricionais de crianças de 2 a 6 anos. CÓDIGO DA PRÁTICA: T80 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14

Leia mais

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE IDOSO DOENÇAS MAIS COMUNS Com a chegada da terceira idade, alguns problemas de saúde começam a aparecer, conheça alguns dos mais comuns e saiba como se prevenir: 1 2 DIABETES

Leia mais

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL?

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? ISBN 78-8-6101-0-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 30 de outubro de 00 A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? Crislayne Teodoro Vasques 1 ; Rita de Cassia Felix

Leia mais

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes.

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes. RELATO DE EXPERIÊNCIA: AVALIAÇÃO DO PERFIL DE DESENVOLVIMENTO PONDERO-ESTATURAL E ORIENTAÇÃO SOBRE OBESIDADE INFANTIL REALIZADA PELOS MEMBROS DA LIGA ACADÊMICA DE PEDIATRIA DA UFG NO III ENCONTRO DO DIA

Leia mais

Lara Ribeiro Sisti Luisa de Albuquerque Philippsen Laudicéia Soares Urbano INTRODUÇÃO

Lara Ribeiro Sisti Luisa de Albuquerque Philippsen Laudicéia Soares Urbano INTRODUÇÃO FORMULAÇÃO DE DIETA ENTERAL ARTESANAL ADEQUADA PARA IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS PORTADORES DE DIABETES MELLITUS TIPO 2 E HIPERTENSÃO ARTERIAL NO MUNICÍPIO DE LONDRINA, PR INTRODUÇÃO Lara Ribeiro Sisti Luisa

Leia mais

ESTUDO DO ESTADO NUTRICIONAL COM CRIANÇAS DE 6 ANOS

ESTUDO DO ESTADO NUTRICIONAL COM CRIANÇAS DE 6 ANOS ESTUDO DO ESTADO NUTRICIONAL COM CRIANÇAS DE 6 ANOS Resumo QUADROS, Emanuele Naiara 1 - PUCPR Grupo de Trabalho Educação e Saúde Agência Financiadora: não contou com financiamento Neste estudo, buscou-se

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E SAÚDE LABORATÓRIO DE ESTUDO EXPERIMENTAL DOS ALIMENTOS 4. DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO SENSORIAL DE BARRA

Leia mais

PERFIL ALIMENTAR E ANTROPOMÉTICO DE CRIANÇAS EM IDADE PRÉ-ESCOLAR XIII INIC / IX EPG - UNIVAP 2009

PERFIL ALIMENTAR E ANTROPOMÉTICO DE CRIANÇAS EM IDADE PRÉ-ESCOLAR XIII INIC / IX EPG - UNIVAP 2009 PERFIL ALIMENTAR E ANTROPOMÉTICO DE CRIANÇAS EM IDADE PRÉ-ESCOLAR XIII INIC / IX EPG - UNIVAP 2009 Érica Cristina Moreira Guimarães 1, Marlene Maria Amaral Scheid 2 1 Faculdade de Ciências da Saúde,Universidade

Leia mais

Keywords: cash transfer, nutritional status, poverty.

Keywords: cash transfer, nutritional status, poverty. UFMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI 1 PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA:

Leia mais

O LANCHE EM ESCOLAS PARTICULARES E SUA RELAÇÃO COM AS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ALUNOS DE 6ª SÉRIE.

O LANCHE EM ESCOLAS PARTICULARES E SUA RELAÇÃO COM AS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ALUNOS DE 6ª SÉRIE. O LANCHE EM ESCOLAS PARTICULARES E SUA RELAÇÃO COM AS AULAS Bruno da Silva Freire Carlos Vinícius da Silva Fonseca Diogo José dos Santos Ferreira DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ALUNOS DE 6ª SÉRIE. RESUMO O estudo

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA

IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA INTRODUÇÃO Taciane Ávila Lazari Flavia Germinari Rodrigues Santos Solange da Silva Iurak Oliveira Laudicéia Soares Urbano A formação dos hábitos alimentares

Leia mais

ASSISTÊNCIA À SAÚDE ENTRE CRIANÇAS RESIDENTES EM ÁREAS ATENDIDAS E NÃO ATENDIDAS PELA PASTORAL DA CRIANÇA NA REGIÃO DE CAMPINAS, SP

ASSISTÊNCIA À SAÚDE ENTRE CRIANÇAS RESIDENTES EM ÁREAS ATENDIDAS E NÃO ATENDIDAS PELA PASTORAL DA CRIANÇA NA REGIÃO DE CAMPINAS, SP ASSISTÊNCIA À SAÚDE ENTRE CRIANÇAS RESIDENTES EM ÁREAS ATENDIDAS E NÃO ATENDIDAS PELA PASTORAL DA CRIANÇA NA REGIÃO DE CAMPINAS, SP Maria Aurora D. Chrestani* Juraci A. Cesar** Nelson A. Neumann*** * Residência

Leia mais

ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR

ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR Secretaria de Saúde do Estado do Tocantins Gerência de Alimentação e Nutrição E-mail: nutricao@saude.to.gov.br (63) 3218 1789 Terezinha Franco Nutricionista ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO MUNICÍPIO DE ARARUNA PB

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO MUNICÍPIO DE ARARUNA PB PROGRAMA DE VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO MUNICÍPIO DE ARARUNA PB MELO, Calionara Waleska Barbosa de 1 ; AUGOSTINHO, Ana Kelis de Sousa 2 ; BARBOSA, Francilayne

Leia mais