Comutação por pacotes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comutação por pacotes"

Transcrição

1 VOIP

2 O mercado Sistema Telebrás; Privatização ocorrida em 1.998; Abertura do setor, concorrência; Explosão da industria: Ericsson, Nortel, Siemens, Lucent, Avaya; Convergência; Comutação por circuito; Surgimento do Voip;

3 Comutação por pacotes Dados são transmitidos por sucessão de segmentos chamados pacotes; Desenvolvido na década de 60; Cada pacote carrega o endereço de origem e destino; Os pacotes viajam de forma independente e por caminhos diferentes; TCP/IP Comutação por pacotes;

4 Definição Pode-se definir convergência como a utilização do mesmo meio para transmissão de mais de um tipo de fluxo de informação. Ou seja, na mesma rede onde são trafegados dados, trafega voz, o que se traduz na chamada Voz sobre IP ou simplesmente VoIP (Voice over Internet Protocol).

5 Nascimento do Voip O conceito de VoIP nasceu da junção de duas vertentes: uma partiu do mundo das redes públicas de telecom, com digitalização do tráfego entre centrais telefônicas; a outra é oriunda do mundo da Internet, para reduzir custos em telefonia de longa distância. Assim surgiu a normalização de VoIP atual

6 VoIP vem do termo em inglês: Voice Over Internet Protocol ou, traduzindo, Voz Sobre o Protocolo da Internet. Esta tecnologia unifica dois mundos telefonia e dados numa só rede convergente. Aqui, o tráfego telefônico é levado para as redes de dados.

7 As companhias telefônicas já transportam boa parte de seu tráfego de voz por VoIP. A idéia básica é estabelecer uma conexão IP entre dois "terminais", cada um com seu IP e/ou identificação própria, e trocar pacotes de dados em tempo real com a informação de áudio, de forma bidirecional.

8 O resultado final é muito similar a uma ligação telefônica comum. Para que isso seja possível, são realizados entre os terminais dois tipos de conexão. Um para o tráfego de voz (normalmente utilizando UDP-IP) e outro para o controle desse processo (normalmente em TCP- IP).

9 Os protocolos de controle mais utilizados são o SIP, mais identificado com a Internet, uma tendência mundial; e o H.323, um protocolo com o perfil de telefonia pública. Podem existir regulamentações específicas para o uso desses protocolos em cada País. Quem já usou algum daqueles softwares de vídeo conferência, ou de mensagens instantâneas com áudio, já utilizou algum tipo de VoIP.

10 Os principais requisitos para que um sistema de VoIP funcione bem são: Tempo reduzido de propagação dos dados entre os terminais (se este tempo for maior que alguns décimos de segundo, temos uma sensação de desconforto pelo atraso da voz entre os terminais) Estabilidade das redes envolvidas podem gerar falhas no áudio ou perda das ligações A banda disponível na conexão / rede o áudio da ligação pode ficar picotado; Tipos de terminais envolvidos compatíveis e recursos de cancelamento de eco.

11 VoIP é muito relacionado com software, os terminais podem assumir formas diferentes: IP Phone É um aparelho de telefone de aparência comum, mas com o hardware e o software necessários embutidos, e uma interface RJ45 para rede Ethernet. Assume um IP na rede interna e precisa ser configurado cuidadosamente. É um equipamento dedicado, simples de usar como um telefone e estável. Sua desvantagem é o preço e por vezes equipamentos diferentes não se conectam bem entre si, não muito flexíveis. SoftPhone É um software que roda em um PC comum, fazendo uso de seus recursos de multimídia para tratar o áudio. Algumas soluções utilizam também um equipamento adicional, parecido com um telefone, conectado a alguma interface do PC (normalmente USB) para evitar problemas de performance de áudio ou processamento do PC. É mais barato, mais flexível, pode ter mais features. Porém, como roda em um PC compartilhando processamento, é mais suscetível a falhas, travamentos e perda de performance.

12 Cenário atual A tecnologia VoIP foi desenvolvida ao longo da década de 90 Devido banda larga, apresenta crescimento doméstico Foco: redução de custos Vantagens: qualidade, funcionalidade e custo Melhorar o controle de custos, tornando o uso da voz e os custos de administração mais previsíveis.

13 VoIP não é necessariamente a escolha ideal para todas as empresas Antes de adotar a solução, é necessário analisar diversos fatores. Empresas novas; Empresa que estão reformulando infra; Abertura de filiais/expansão; Existe cabeameto para isso;

14 Uma boa implantação: Pode melhorar a competitividade da organização em geral, reduzindo o custo-base e melhorando a produtividade por meio das funcionalidades melhoradas do VoIP. Permite acelerar processos em todos os departamentos, desde as vendas ao suporte ao cliente. Possibilita ainda melhorar a eficiência em toda a organização, facilitando a integração entre sistemas de informação e aplicações baseadas em voz.

15 Uma implantação inadequada: Pode até paralisar toda a organização, entre outros.

16 Benefícios do sistema Redução custo; Contratos de manutenção de PABX Redução de pessoal Redução de custos de chamadas Chamadas gratuitas dentro da mesma rede Redução de linhas externas Interação com aplicações (call center) Integração com wireless Aumento da escalabilidade

17 Inicio: era o inimigo das operadoras Mercado percebeu melhora de qualidade Skype, criado por Niklas Zennström Crescimento em massa residencial Marca uma mudança histórica Revolução tecnológica Ainda tem crescimento futuro com o wireless de longa distância (wimax)

18 O mundo VoIP É uma tecnologia que permite a transmissão de voz por IP Possibilita a realização de chamadas telefônicas pela Internet Na prática, o VoIP faz com que as redes de telefonia se misturem às redes de dados, de tal forma que se torna possível fazer uma ligação para telefones convencionais por meio de seu computador, usando um microfone, caixas ou fones de som e um software apropriado, no caso dos usuários domésticos.

19 O mundo VoIP A tecnologia VoIP também tem sido aplicada nos PABX (Private Automatic Branch Exchange), os conhecidos sistemas de ramais telefônicos. Dessa forma, muitas empresas estão deixando de gastar com centrais telefônicas por substituírem estas por sistemas VoIP

20 O mundo VoIP Para que a transmissão de voz seja possível, o VoIP captura a voz, que até então é transmitida de forma analógica e a transforma em pacotes de dados, que podem ser enviados por qualquer rede TCP/IP (Transport Control Protocol/Internet Protocol). Assim, é perfeitamente possível trabalhar com esses pacotes pela Internet. Quando o destino recebe os pacotes, estes são retransformados em sinais analógicos e transmitidos a um meio no qual seja possível ouvir o som.

21 O mundo VoIP Em seu primeiro estágio, a tecnologia VoIP Podia ser entendida como uma conversação telefônica entre dois usuários de uma rede privada usando conversão de voz para dados (exclusivamente em redes corporativas). Mais tarde, essa tecnologia chegou ao seguinte conceito: Uma conversação telefônica entre um usuário de Internet e um usuário da telefonia convencional, sem necessidade de acesso simultâneo.

22 Padrões de mercado Voip não é novo Surgiu antes da internet e já foi considerado um fracasso Só avançou devido avanço da banda larga e do ADSL Foi adotado RTP pelo mercado (Real Time Protocol)

23 RTP - Real Time Protocol Organiza os dados, de forma que seja possível sua transmissão em tempo real. Caso algum pacote chegue atrasado, o RTP causa uma interpolação entre o intervalo deixado pelo pacote e este não é entregue

24 Exemplo Imagine que para transmitir a palavra informática seja usado um pacote por letra. Se o pacote da letra o se atrasar, é melhor que o destinatário receba infrmática do que infrmaticao. O atraso de pacotes pode ocorrer porque estes podem seguir caminhos diferentes para chegar ao destino. Isso não é um problema se você estiver transmitindo um arquivo, pois seus pacotes são encaixados no destinatário. Mas com voz e vídeo, em tempo real, isso não poderia acontecer

25 RTCP (Real Time Control Protocol) 27/04 É responsável pela compressão dos pacotes dos dados e também atua no monitoramento destes. Por ainda serem necessárias melhorias, a IETF (Internet Engineering Task Force), entidade responsável pelo RTP e pelo RTCP, sugeriu a aplicação do protocolo RSVP (Resource Reservation Protocol), que tem como principal função alocar parte da banda disponível para a transmissão de voz.

26 Qualidade Uma empresa que deseja interligar sua matriz a uma de suas filiais e que para isso sejam necessários 30 canais de conversação disponíveis. Cada canal de conversação utilizaria um padrão específico, o codec G711A, requisitando uma banda de 64Kbps por canal. Dessa forma, usando ou não as 30 linhas, terão de ser mantidos disponíveis 2Mbps (esse é o padrão E1 da telefonia convencional para 30 canais) para tal serviço.

27 Qualidade Utilizarndo a tecnologia VoIP, pode ser empregado outro codec: O G.729, por exemplo, que precisa de, no máximo, 32kbps para transmitir o fluxo de voz e o cabeçalho IP em cada pacote, dispondo do dobro de canais de conversação e utilizando a mesma banda de 2Mbps.

28 Vantagem A rede IP não é uma rede comutada por circuitos e sim, por pacotes, descartando a necessidade de manter o meio dedicado para a conversação, permitindo que o tráfego IP possa fluir livremente, como acontece na Internet

29 Codecs São protocolos extras que adicionam funcionalidades e maior qualidade à comunicação. G.711, G.722, G.723, G.727. O que os diferencia são os algoritmos usados, a média de atraso e principalmente a qualidade da voz. Neste último aspecto, o G.711 é considerado excelente. Todos esses codecs são recomendados pela entidade ITU-T (InternationalTelecommunications Union Telecommunications standardization sector) Geralmente trabalham em conjunto com mais outro protocolo: O CRTP (Compressed Real-Time Protocol), responsável por melhorar a compressão de pacotes e assim dar mais qualidade ao VoIP.

30 Quem converte o sinal Gateway Ele é responsável por fazer a conversão do sinal analógico em digital e vice-versa, além de fazer a conversão para os sinais das chamadas telefônicas. Existe ainda o Gateway Controller (ou Call Agent), que é responsável por controlar as chamadas feitas pelo Gateway. Para as ligações em longa distância, são utilizados equipamentos conhecidos por Gatekeeper. Eles gerenciam uma série de outros equipamentos e podem autorizar chamadas, fazer controle da largura de banda utilizada. Em linhas gerais, ele pode ser entendido como uma central telefônica para VoIP.

31 VoIP e Telefonia IP Telefonia IP é uma espécie de versão evoluída do VoIP Para um serviço ser caracterizado como Telefonia IP, é necessário que este tenha, no mínimo, funcionalidades e qualidade equivalentes à telefonia convencional Faz uso de aparelhos telefônicos específicos e utiliza de maneira efetiva as redes computacionais (como a Internet) VoIP, basicamente, converte sinal de voz (analógico) para o formato digital, utilizando tanto a infra-estrutura de dados, quanto a infraestrutura analógica.

32 Evolução natural Os PABXs IP estão presentes nas empresas desde o início dos anos 80 com pouca evolução das funcionalidades e é anterior à rede de dados e ao microcomputador PC. Depois de tantos anos de estabilidade, entretanto, a maioria dos fabricantes e vendedores de PABXs está introduzindo uma radical mudança em sua arquitetura, provocada pela ascensão do VoIP.

33 Essa evolução da tecnologia que está redefinindo a arquitetura de um PABX faz com que muito dos componentes sejam distribuídos ao longo da rede IP para transmitir informações de voz e controle da ligação.

34 Controlador de processo: É um servidor que executa uma aplicação num sistema operacional padrão (Microsoft, UNIX ou Linux). Existe um grande benefício em se utilizar um hardware e um software comercial, permitindo uma grande redução nos custos de desenvolvimento e de fabricação;

35 Os dispositivos de ponta: São os telefones IPs que conectam-se diretamente na rede IP em vez de interligarem-se nos cartões de interfaces dedicadas dos módulos. Esses equipamentos necessitam de um endereço IP e podem ser atualizados (firmware) por meio de um servidor TFTP com novas funcionalidades. Diferente do PABX tradicional, dois telefones IPs conversam diretamente, sem utilizar recursos do servidor;

36 Gateways: São interfaces ou equipamentos que convertem a sinalização e o canal de voz para a rede IP, fazendo a integração com a rede STFC e para permitir utilizar os telefones analógicos ou digitais existentes, reduzindo os custos da migração para a nova arquitetura;

37 Módulos de interconexão: Eles operam por meio da rede IP Vai haver uma degradação na qualidade da voz se acontecer algum congestionamento ao longo do trajeto dos dados, normalmente no link WAN

38 Desvantagens Se a Telefonia IP ocorre via Internet, pode haver instabilidade por ser uma rede sem gerência Se a transmissão ocorre em uma rede privada a qualidade é igual a da telefonia convencional

39 Atraso ou Delay Este problema ocorre devido ao tempo despendido para a chegada de um pacote que pode gerar eco quando o tempo de ida e de volta do pacote for maior que 50ms. Esse problema pode ser corrigido utilizando-se mecanismos de cancelamento de eco. Outro problema é a sobreposição de sinal, uma espécie de linha cruzada que ocorre quando a demora for de mais de 250ms. Além dos problemas da rede, existem outras fontes de atraso, como a digitalização e a codificação da voz.

40 Variação do atraso ou jitter A variação do atraso ocorre devido às próprias características da rede IP, a qual pode entregar uma seqüência de pacotes com diferentes atrasos. A remoção desse efeito requer que os pacotes sejam armazenados por tempo suficiente em buffers, porém, isso gera atraso na transmissão que também acarreta problemas de qualidade de voz

41 Perda de pacotes As redes IP não podem assegurar que todos os pacotes serão entregues, muito menos na ordem correta de envio. Alguns pacotes podem ser perdidos durantes as transmissões quando a rede estiver congestionada. A tecnologia VoIP possui maneiras de minimizar esse problema, porém, perdas de pacote maiores que 10% geralmente não são toleradas

42 Segurança ainda compromete O grampo agora é o mesmo processo para invasão e captura de informações normais de rede, , acesso a web, etc. Consiste em gravar a conversação dentro da rede Como a voz é igual aos dados, usa-se criptografia

43 Utiliza-se o algoritmo rijnadel, novo AES Advanced Encryption Standard Foi escolhido para substituir o antigo DES Via internet, usa-e os túneis vpn

44 Oferta de Serviços de VoIP Integração de sistemas de VoIP com a rede pública de telefonia Todo tipo de funcionalidades de PABX, sistemas de comunicação interna e entre escritórios CRMs, Call Center e Voice Mail Sistemas de auto-atendimento Integração com outros softwares Sistemas de bilhetagem e chamadas pré-pagas / póspagas Sistemas de teleconferência Sistemas de chamadas internacionais Sistemas de chamadas de longa distância

45 Interação com TV Facilidade de oferta de serviços de banda larga, acesso a internet,tv por assinatura e telefonia Exemplos: Speedy, Net, Embratel, Velox, etc

46 VoIP e Mobilidade Ramal móvel pelo softfone Desenvolvimento avançado das redes das operadoras cria um enorme leque do opções para empresas. Exemplo: redes MPLS A convergência faz com que todos serviços migrem para o mesmo meio

47 De olho no mercado Os grandes fabricantes nesse segmento, são Ericsson, Nortel, Alcatel, Philips Telecom, Cisco e Avaya Existem outras empresas que oferecem serviços de voip por redirecionamento O cliente tem sua chamada direcionada para um 0800, a chamada entra em uma rede voip que está interligada regional e até mundialmente

48 Cartões pré pagos Cartões de crédito Serviços para empresas menores Sem necessidade de investimento em hardware ou software, muito menos com um PABX voip Operadoras pequenas

49 Para testar o VoIP Uma das alternativas mais comuns atualmente é o Skype (www.skype.com). Ele permite conversar de graça com outras pessoas que usam esse programa, funcionando com um computador com acesso à Internet de banda larga, microfone, fone de ouvido e um software que pode ser copiado gratuitamente pela Web. Existem mais de XX milhões de usuários cadastrados.

50 Uma versão nacional do Skype é o Voxfone (www.voxfone.com.br). Ele funciona de uma forma bastante parecida com o do concorrente, e as chamadas para telefones comuns são cobradas. Oferece como vantagem o suporte técnico em português. Nos dois casos, microfone e fone de ouvido são itens essenciais para usar o computador como telefone

51 Caminho sem volta Alguns fabricantes já estão produzindo equipamentos, chamados de aparelhos multiplataforma, capazes de funcionar em Wi-Fi, Wi-Max e GSM. Trata-se de uma via só de ida não há como retroceder

52 VoIP nas redes sem fio O padrão Wireless , Wi-Max é uma extensão das redes Wi-Fi (redes sem fio), que permite cobrir áreas de até 50 quilômetros de distância com acesso à Internet sem fio, em velocidade de até 74 Mbps. É própria para áreas metropolitanas, pela performance e disponibilidade. Outras vantagens são a flexibilidade e a velocidade deinstalação.

53 Como Funciona? Na tecnologia de redes sem fio, todos os dados trafegam por ondas de rádio em freqüências consideradas não licenciadas, ou seja, não há regulamentação para seu uso, o que dispensa a necessidade de licenças para operar nessas faixas de freqüência. As freqüências utilizadas hoje pelos equipamentos Wi-Fi são as de banda 2,4GHz e 5GHz, sendo a primeira uma banda já utilizada por muitos dispositivos móveis, como telefones sem fio e microondas, tornando-a, assim, sujeita a uma série de interferências.

54 TV e Voz sobre IP Serão oferecidos muitos serviços avançados na transmissão da programação de TV

55 Cenário atual Os serviços de telecomunicações brasileiros são regidos pela LGT Lei Geral das Telecomunicações Criada em 1998, quando o sistema foi privatizado. As características predominantes do setor de telecomunicações, até a década de 90, eram baseadas em monopólios, forte integração vertical e uso de tecnologias proprietárias. Com o surgimento de tecnologias abertas concorrentes, evolução dos microprocessadores e desregulamentação, as estratégias de negócios até então adotadas foram diminuindo para dar espaço a um mercado em que o privilegiado deve ser o usuário final

56 Não há nenhum regulamento ou proposta que trate de VoIP Tudo o que a Anatel já produziu sobre o assunto é a definição contida no glossário da Agência, a qual confirma o seu tratamento como a tecnologia que possibilita o uso de redes IP como meio de transmissão de voz.

57 Na prática, a teoria é outra Tudo o que não é especificado em lei não está proibido. Valendo-se dessa afirmação, os provedores de Internet, carriers e operadoras SLE estão oferecendo serviços de Voz sobre IP (VoIP), localizados em uma seara que não pertence a ninguém e ao mesmo tempo pertence a todos Uma vez que não é regulamentado pela Anatel o ponto central é a falta de fiscalização da qualidade dos serviços e da competência para oferecê-los.

58 A Anatel alega que não regulamenta tecnologia Porém ela vem regulamentando serviços de telecomunicações, entre eles, o mais recentemente Serviço de Comunicação Multimídia (SCM), no qual pode ser usado o IP nas condições dispostas no regulamento do serviço. Uma dessas condições é a que o SCM se deve distinguir do Serviço Telefônico Fixo Comutado. A agência conclui que há ainda muito a ser estudado e desenvolvido em relação ao IP, especialmente quanto a padronizações e interfuncionamento de redes.

59 O que diz a Lei Lei Geral de Telecomunicações - LGT, no que tange à definição do escopo de serviços de telecomunicações:

60 Art. 60. Serviço de telecomunicações é o conjunto de atividades que possibilita a oferta de telecomunicação. 1 Telecomunicação é a transmissão, emissão ou re cepção, por fio, radioeletricidade, meios ópticos ou qualquer outro processo eletromagnético, de símbolos, caracteres, sinais, escritos, imagens, sons ou informações de qualquer natureza. " Art. 61. Serviço de valor adicionado é a atividade que acrescenta, a um serviço de telecomunicações que lhe dá suporte e com o qual não se confunde, novas utilidades relacionadas ao acesso, armazenamento, apresentação, movimentação ou recuperação de informações. 1º Serviço de valor adicionado não constitui serviço de telecomunicações, classificando-se seu provedor como usuário do serviço de telecomunicações que lhe dá suporte, com os direitos e deveres inerentes a essa condição.

61 Mercado de Voz sobre IP Mercado promissor que ganha mais força todos os anos Investimentos crescente a cada ano Empresas de grande porte são os maiores investidores Aumenta a cada ano o cardápio de soluções oferecidas

62 Economia impulsiona mercado O preço é especialmente importante porque as empresas instalam sistemas VoIP na esperança de economizar dinheiro com suas contas telefônicas, no longo prazo

63 Conforme a tecnologia para produção de telefones IP torna-se mais simples e mais rivais asiáticos entram no setor, os preços dos aparelhos, ao redor de US$ 250 a unidade, vão ficar ainda mais baixos.

64 Impacto no mercado As aplicações de voz deixaram de ser uma curiosidade com qualidade sofrível para se transformarem em uma grande oportunidade de novos negócios. Se por um lado a tecnologia possibilita a entrada de novas empresas nos negócios da telefonia, também ameaça os lucros de empresas antigas e que até hoje vendem o serviço telefônico, cobrado pelos fatores tempo de uso e distância.

65 Mobilidade na prática Com a introdução da tecnologia VoIP, o usuário pode escolher como código DDD aquele que mais lhe convier, independentemente do local onde reside. Ao conectar seu aparelho em um acesso de banda larga em qualquer lugar do mundo receberá suas chamadas locais sem pagar interurbanos nacionais ou internacionais. Além disso, poderá gerenciar sua conta, ouvir as mensagens de sua secretária eletrônica e programar a aceitação e desvios de chamada, tudo via web

66 Funcionamento das principais aplicações As três principais aplicações do VoIP podem ser feitas de: Telefone para telefone PC para telefone Telefone para PC Para que a comunicação seja viável, é preciso implementar os gateways de VoIP, que possuem placas de processamento de voz e têm como função estabelecer a transição entre a Internet e a rede normal de telefonia comutada por circuitos (PSTN).

67 Ponto fraco: QoS Tempo real de envio é o ponto-chave para VoIP em redes IP onde trafegam pacote de dados que necessitam de uma rede estável de baixa latência com mínimos atrasos (delay). Por isso, a importância de QoS na rede sigla em inglês de Quality of Service, ou Qualidade de Serviço. A prioridade para os dados e a garantia de envio são os responsáveis pela qualidade

68 Por meio do QoS, fluxos de dados das aplicações são categorizados em classes de serviço e recebem tratamento diferenciado, de acordo com a importância do pacote. Esse tratamento acontece por mecanismos de controle e priorização de fluxo.

69 Precisamos realmente de QOS na rede? Imagine uma rede IP onde trafegam vários pacotes de diferentes serviços, como FTP, http, DNS, MP3, RDP e SMTP, em um link de 256Kbps Um computador conectado à Internet consome em média de 8 Kbps a 10Kbps (se não estiver fazendo download). Já uma ligação VoIP consome em média 8Kbps de codificação, utilizando codec (G.729) mais 16Kbps para o IP+RTP+UDP+Payload. Somando tudo, encontramos 24Kbps em média por uma ligação VoIP.

70 Imagine nessa mesma rede 12 máquinas conectadas à Internet, com quatro ligações VoIP simultâneas e um computador fazendo FTP Teríamos o link saturado com toda a banda praticamente consumida e as ligações VoIP seriam com certeza prejudicadas, porque não haveria prioridade para os pacotes de VoIP na rede

71 Ou seja, os pacotes de VoIP precisam sair da rede em tempo real sem atraso (ou com o mínimo de atraso possível), mas se a rede não possuir prioridade, simplesmente os pacotes que chegarem primeiro terão preferência. Os de VoIP esperariam outros pacotes que estivessem na sua frente, disputando a banda disponível e teriam sua saída atrasada.

72 Na prática, a idéia é colocar tudo que é sinalização ou pacote VoIP (no caso H323, SIP, RTP) na frente de todos os outros pacotes saída/entrada de throughput, ou disponibilizar uma quantidade específica de banda para os pacotes que possuírem preferência na rede

73 Métodos QoS Classificação: pacotes são classificados por classes de serviço. Podemos, por exemplo, classificá-los por endereço IP, ou porta TCP da aplicação. Marcação: a classe de serviço de cada pacote é identificada por marcação de cada pacote. A marcação no campo ToS do cabeçalho do pacote IP é o padrão mais utilizado hoje.

74 Policiamento: tráfego excedente ao requisito de serviço pode ser descartado Enfileiramento: filas são criadas para cada classe e a banda do enlace pode ser dividida para cada fila

75 DiffServ Differentiated Services RFC 2474 e RFC 2475 Mecanismo de QOS usado em L3 para separar e classificar o tráfego Default PHB (Per-Hop Behavior) Expedited Forwarding (low-loss, low-latency traffic) Assured Forwarding (transm assegurada)

76

77 Pesquisa Type of Service

78 Outras vantagens Adoção de VoIP tende a crescer Segurança e infra-estrutura são desafios A caminho da massificação Conclusão

79 FIM

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo Brasília, 09 de Maio de 2012 Tecnologia Voip VoIP (Voice over Internet

Leia mais

Revisão de Literatura

Revisão de Literatura Revisão de Literatura VoIP é um conjunto de tecnologias que usa a Internet ou as redes IP privadas para a comunicação de Voz, substituindo ou complementando os sistemas de telefonia convencionais. A telefonia

Leia mais

Um Pouco de História

Um Pouco de História Telefonia IP Um Pouco de História Uma Breve Introdução às Telecomunicações Telefonia Tradicional Conversão analógica-digital nas centrais (PCM G.711) Voz trafega em um circuito digital dedicado de 64 kbps

Leia mais

Familiarize-se com o VoIP descobrindo como surgiu este conceito, cenário atual e seus principais benefícios.

Familiarize-se com o VoIP descobrindo como surgiu este conceito, cenário atual e seus principais benefícios. VOIP Modulo 1 - Introdução ao VoIP Familiarize-se com o VoIP descobrindo como surgiu este conceito, cenário atual e seus principais benefícios. O cenário de transformação do mercado de telecomunicações

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO Por Leonardo Mussi da Silva Evolução do sistema telefônico como tudo começou 1875 Alexander Graham Bell e Thomas Watson, em projeto dedicado a telegrafia, se depararam com

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA Introdução Saiba como muitas empresas em todo mundo estão conseguindo economizar nas tarifas de ligações interurbanas e internacionais. A História do telefone Banda Larga

Leia mais

Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP. Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva

Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP. Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva 1 Participantes * Cláudio Rodrigues Muniz da Silva DCO / UFRN; * Fabiano André de Sousa Mendonça DPUB / UFRN; * Lívio Peixoto do Nascimento

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO Artigo Científico Curso de Pós-Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Instituto

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Você conectado ao mundo com liberdade APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL > ÍNDICE Sobre a TESA 3 Telefonia IP com a TESA 5 Portfólio de produtos/serviços 6 Outsourcing 6 Telefonia 7 Web

Leia mais

Voz em ambiente Wireless

Voz em ambiente Wireless Voz em ambiente Wireless Mobilidade, acesso sem fio e convergência são temas do momento no atual mercado das redes de comunicação. É uma tendência irreversível, que vem se tornando realidade e incorporando-se

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos de um PABX IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos de um PABX IP, suas características e aplicações. PABX IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos de um PABX IP, suas características e aplicações. Alberto Mitsuo Sato Engenheiro de Eletrônica e Telecomunicações (CEFET-PR 88), com certificado da

Leia mais

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens Callix PABX Virtual SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens Por Que Callix Foco no seu negócio, enquanto cuidamos da tecnologia do seu Call Center Pioneirismo no mercado de Cloud

Leia mais

LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO SEM LIMITES.

LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO SEM LIMITES. v8.art.br LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO SEM LIMITES. www.liguetelecom.com.br 0800 888 6700 VOIP FIXO INTERNET LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

Se eu tenho o serviço de Voz sobre Internet, para quem posso ligar?

Se eu tenho o serviço de Voz sobre Internet, para quem posso ligar? 1 Conheça o sistema de Voz sobre IP (ou VOIP) O que é Voz sobre IP / Voz sobre Internet Protocolo? R. Voz sobre IP permite que você faça ligações telefônicas utilizando uma rede de computadores, como a

Leia mais

Introdução à voz sobre IP e Asterisk

Introdução à voz sobre IP e Asterisk Introdução à voz sobre IP e Asterisk José Alexandre Ferreira jaf@saude.al.gov.br Coordenador Setorial de Gestão da Informática CSGI Secretaria do Estado da Saúde SES/AL (82) 3315.1101 / 1128 / 4122 Sumário

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

COMUNICAÇÃO ATRAVÉS DA TECNOLOGIA VoIP

COMUNICAÇÃO ATRAVÉS DA TECNOLOGIA VoIP COMUNICAÇÃO ATRAVÉS DA TECNOLOGIA VoIP Por: Sidney Ribeiro de Andrade1 Pérolla Chrystie Carvalho Dondo Gonçalves2 Júnior César Costa de Sousa2 Aline Martins Figueredo2 Patrícia Souza Pereira2 Nilma Campos2

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. O que esperar dos Serviços VoIP Este tutorial tem por objetivo apresentar os principais conceitos dos serviços VoIP e o que se pode obter desses serviços considerando principalmente as características

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações Introdução a conceitos de hardware e software de computador. Introdução a sistemas operacionais: Microsoft Windows e Linux. Conceitos básicos e utilização de aplicativos para edição de textos, planilhas

Leia mais

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA 1. Implantação de Sistema de Call Center 1.1. O software para o Call Center deverá ser instalado em servidor com sistema operacional Windows (preferencialmente

Leia mais

Soluções de comunicação integrada para telefonia TDM e IP

Soluções de comunicação integrada para telefonia TDM e IP SOPHO is3000 Soluções de comunicação integrada para telefonia TDM e IP Benefícios Soluções de comunicação híbrida para telefonia TDM e IP Convergência de voz e dados em uma plataforma de alto desempenho

Leia mais

tendências Unificada Comunicação Dezembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 05 Introdução Como Implementar Quais as Vantagens

tendências Unificada Comunicação Dezembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 05 Introdução Como Implementar Quais as Vantagens tendências EDIÇÃO 05 Dezembro/2012 Comunicação Unificada Introdução Como Implementar Quais as Vantagens Componentes das Comunicações Unificadas 02 04 05 06 Introdução Nos últimos anos, as tecnologias para

Leia mais

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR fevereiro/2011 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 QUEM SOMOS?... 4 3 PRODUTOS... 5 3.1 SMS... 6 3.2 VOZ... 8 3.3 INFRAESTRUTURA... 12 3.4 CONSULTORIA... 14 4 SUPORTE... 14

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Kurose Redes de Computadores e a Internet Uma Abordagem Top-Down 5ª. Edição Pearson Cap.: 1 até 1.2.2 2.1.2 2.1.4 Como funciona uma rede? Existem princípios de orientação e estrutura?

Leia mais

Entendendo o Sistema

Entendendo o Sistema Entendendo o Sistema Passos para Venda: 1. O profissional escolhido efetua o cadastro na JG, se tornando um parceiro e vendedor. 2. O Parceiro visita empresas potenciais 3. O parceiro fecha um plano com

Leia mais

LGW4000 Labcom Media Gateway. Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011

LGW4000 Labcom Media Gateway. Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011 LGW4000 Labcom Media Gateway Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011 LGW4000 Labcom Media Gateway LGW4000 é um Media Gateway desenvolvido pela Labcom Sistemas que permite a integração entre

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Camada Física: Redes Sem Fio. Equipamentos de Rede. O que já conhecemos.

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Camada Física: Redes Sem Fio. Equipamentos de Rede. O que já conhecemos. Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Equipamentos de Rede O que já conhecemos. Cabos; Atenas; Tipos de transmissão; 1 O que vamos conhecer. Equipamentos

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Maio de 2005 Esse documento descreve a arquitetura do serviço fone@rnp. RNP/REF/0343a Versão Final Sumário 1. Arquitetura... 3 1.1. Plano de numeração... 5 1.1.1.

Leia mais

1.1 Transmissão multimídia em redes

1.1 Transmissão multimídia em redes 1.1 Transmissão multimídia em redes Pode-se dividir a parte de transmissão multimídia em redes de computadores como mostra a figura 1, ou seja, a parte de conferência (que requer interatividade) e a parte

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

II Semana de Engenharia de Telecomunicações - SETEL - 2013

II Semana de Engenharia de Telecomunicações - SETEL - 2013 II Semana de Engenharia de Telecomunicações - SETEL - 2013 Lívio Peixoto do Nascimento Gerente Anatel/RN UFRN Natal - RN Outubro/2013 Agenda Convergência Tecnológica Evolução dos Marcos Regulatórios Avaliação

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

QoS em roteadores Cisco

QoS em roteadores Cisco QoS em roteadores Cisco Alberto S. Matties 1, André Moraes 2 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Rua Gonçalves Chaves 602 96.015-000 Pelotas RS Brasil 2 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC

Leia mais

Introdução ao VoIP Codecs

Introdução ao VoIP Codecs Introdução ao VoIP Codecs Carlos Gustavo A. da Rocha Introdução ao VoIP Relembrando Telefonia analógica usa frequências captadas como voz humana na faixa de 0 a 4000Khz Para digitalizar a voz é necessário

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

A EMPRESA SOLUÇÕES CORPORATIVAS SOLUÇÕES PARA OPERADORAS. Wholesale. Servidores SIP. Flat Fixo Brasil em CLI. IPBX Segurança e economia

A EMPRESA SOLUÇÕES CORPORATIVAS SOLUÇÕES PARA OPERADORAS. Wholesale. Servidores SIP. Flat Fixo Brasil em CLI. IPBX Segurança e economia A EMPRESA A ROTA BRASIL atua no mercado de Tecnologia nos setores de TI e Telecom, buscando sempre proporcionar às melhores e mais adequadas soluções aos seus Clientes. A nossa missão é ser a melhor aliada

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Atualmente existem 3 formatos mais comuns de serviços VoIP sendo oferecidos:

Atualmente existem 3 formatos mais comuns de serviços VoIP sendo oferecidos: VoIP VoIP (Voice over Internet Protocol) é uma tecnologia que permite a transmissão de voz, como dados através da internet. A tecnologia funciona capturando a voz, que é analógica, e a transforma em pacotes

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA Caio Fernandes Gabi cfgabi@hotmail.com Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba IFPB Av. 1º de Maio, nº. 720,

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Tecnologias de Banda Larga

Tecnologias de Banda Larga Banda Larga Banda larga é uma comunicação de dados em alta velocidade. Possui diversas tecnologia associadas a ela. Entre essas tecnologias as mais conhecidas são a ADSL, ISDN, e o Cable Modem. Essas tecnologias

Leia mais

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro)

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) 1 HTVix HA 211 1. Interfaces Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) Conector RJ11 para conexão de aparelho telefônico analógico ou o adaptador para telefone e rede de telefonia convencional

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 05 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XIX GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FÓRUM TÉCNICO CONSULTIVO TELEFONIA IP Carlos José Rosa Coletti AI Reitoria Lazaro Geraldo Calestini Rio Claro Tatiana Pinheiro de Brito IA São Paulo Valmir Dotta FCLAr - CSTI Walter Matheos Junior IFT

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição geral

Serviço fone@rnp: descrição geral Serviço fone@rnp: descrição geral Este documento descreve o serviço de Voz sobre IP da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa. RNP/REF/0347 Versão Final Sumário 1. Apresentação... 3 2. Definições... 3 3. Benefícios

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Telefones Fixos RJ-SP R$ 0,14 Telefones Fixos Brasil R$ 0,19 Telefones Celulares BR R$ 0,69

Telefones Fixos RJ-SP R$ 0,14 Telefones Fixos Brasil R$ 0,19 Telefones Celulares BR R$ 0,69 A é uma operadora VoIP, que tem como objetivo oferecer o melhor serviço de Voip com os menores custos possíveis para o cliente. O VoIP (Voice over Internet Protocol), conhecida também por Voz sobre IP,

Leia mais

Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs

Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs Pergunta O que é o teste de velocidade? Quem é o público alvo? O que oferece? Como funciona? Por onde é o acesso? Resposta Um teste de qualidade de banda

Leia mais

Guia do usuário Placa VoIP

Guia do usuário Placa VoIP Guia do usuário Placa VoIP Versão 02/07 Caro usuário, Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A Placa VoIP é um acessório que poderá ser utilizado em todas as

Leia mais

Manual do Radioserver

Manual do Radioserver Manual do Radioserver Versão 1.0.0 Alex Farias (Supervisão) Luiz Galano (Comercial) Vinícius Cosomano (Suporte) Tel: (011) 9393-4536 (011) 2729-0120 (011) 2729-0120 Email: alex@smartptt.com.br suporte@smartptt.com.br

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

Como explorar os recursos do Asterisk Epaminondas Lage

Como explorar os recursos do Asterisk Epaminondas Lage Como explorar os recursos do Asterisk Epaminondas Lage Apresentação Epaminondas de Souza Lage Epaminondas de Souza Lage popo@planetarium.com.br Formado em Engenharia Elétrica com ênfase em Sistemas Industriais

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000

CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000 CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000 Características Protocolos Interface de Rede Características das Chamadas Codecs Instalação Física Configuração Acessando o ATA pela primeira vez Modificações a

Leia mais

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa Introdução UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Com o aparecimento dos sistemas de comunicação móvel como a telefonia celular, o termo telefonia fixa passou a ser utilizado para caracterizar

Leia mais

A Intel espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas

A Intel espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas Microsoft Office System Estudo de caso da solução do cliente A espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas Visão geral País ou região: Estados Unidos

Leia mais

VoIP. Voice Over IP. lmedeiros@othos.com.br

VoIP. Voice Over IP. lmedeiros@othos.com.br VoIP Voice Over IP lmedeiros@othos.com.br Índice O que Significa? Como funciona? Porque utilizar? Equipamentos VoIP Desvantagens Provedores VoIP Conclusão O que significa? VoIP é uma tecnologia que usa

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

Figura 1: Como um PABX IP se integra na Rede. PSTN, em português, é Rede de Telefonia Pública Comutada.

Figura 1: Como um PABX IP se integra na Rede. PSTN, em português, é Rede de Telefonia Pública Comutada. O Que é um PABX IP? Um PABX IP é um sistema completo de telefonia que fornece chamadas telefônicas em cima da redes de dados IP. Todas as conversações são enviadas como pacotes de dados sobre a rede. A

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP?

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? Convergência ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? O negócio Presença universal do IP Maturação da tecnologia Passagem para a rede de dados

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

VoIP (Voz sobre IP): Trajetória Tecnológica e Perspectivas para o Brasil no cenário de Convergência Tecnológica

VoIP (Voz sobre IP): Trajetória Tecnológica e Perspectivas para o Brasil no cenário de Convergência Tecnológica IV CONGRESSO ACORN-REDECOM POLÍTICAS PÚBLICAS: IMPACTO SOCIOECONÔMICO DAS TICs NAS AMÉRICAS VoIP (Voz sobre IP): Trajetória e Perspectivas para o Brasil no cenário de Convergência Michele Cristina Silva

Leia mais

VoIP: Falando Sobre IP

VoIP: Falando Sobre IP VoIP: Falando Sobre IP Introdução De Alexander Graham Bell à Telefonia IP Alexander Graham Bell ao telefone no lançamento do serviço telefônico entre Nova York e Chicago em 1892. Foto: NASA Introdução

Leia mais

rr-09-r.01 Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes

rr-09-r.01 Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes Créditos I Créditos II Bibliografia Básica Título Autor Edição Local Editora Ano Redes de computadores TANENBAUM, Andrew S. Rio de Janeiro

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Muito mais do que um simples PABX. Uma solução de economia para sua empresa.

Muito mais do que um simples PABX. Uma solução de economia para sua empresa. PABX Digital PABX Muito mais do que um simples PABX. Uma solução de economia para sua empresa. O ACTIVE IP é PABX inovador que possibilita a utilização da telefonia IP e convencional garantindo eficiência

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA]

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA] CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA] UC: Redes Docente: Prof. André Moraes Curso técnico em Informática Instituto Federal de Santa Catarina Créditos I Instituto Federal de Santa Catarina

Leia mais

Série SV8000 UNIVERGE 360. UNIVERGE 360 - Unificando as Comunicações Empresariais

Série SV8000 UNIVERGE 360. UNIVERGE 360 - Unificando as Comunicações Empresariais Série SV8000 UNIVERGE 360 UNIVERGE 360 - Unificando as Comunicações Empresariais Tudo a ver com mudança E estar preparado para ela Com UNIVERGE360 você estabelece a direção. O ambiente de trabalho está

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA

MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA Pioneirismo tecnológico e FLEXIBILIDADE na migração O é uma plataforma de comunicação convergente, aderente às principais necessidades das

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

CGW-PX1 Gateway SIP GSM

CGW-PX1 Gateway SIP GSM Interface de conexão SIP entre PABX e rede Celular Interconecte seu PABX ou Switch SIP com a rede celular GSM O gateway CGW-PX1 é um dispositivo que interconecta seu PABX ou switch de voz com as redes

Leia mais

REDES HETEROGENEAS E CONVERGENTES

REDES HETEROGENEAS E CONVERGENTES 26/07/12 09:56 REDES HETEROGENEAS E CONVERGENTES das vantagens das redes convergentes valor agregado B) simplicidade C) praticidade D) operacionalização E) manutenção das vantagens do VoIP manutenção de

Leia mais