Jardim Zoológico Centro Pedagógico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Jardim Zoológico Centro Pedagógico"

Transcrição

1 N.º ( ) Jardim Zoológico Centro Pedagógico Vera Sequeira * [ ] 1. Introdução Se no seu início, os zoos eram meras exposições de animais, museus vivos repletos de curiosidades, formas de vida estranhas, nunca antes vistas e originárias de várias partes do Mundo, actualmente não é mais essa a sua missão. Actualmente, os zoos cumprem um importante papel em matéria de conservação das espécies, de educação do público e de investigação científica. Por ano, mais de 600 milhões de pessoas visitam os zoos espalhados por todo o Mundo (WAZA, 2005). A educação levada a cabo assume, por isso, um papel primordial no futuro, permitindo, assim, desenvolver nos visitantes a consciência do valor insubstituível da Natureza. Os programas de conservação das espécies e dos habitats dos parques zoológicos, assim como as actividades de pesquisa que aí são desenvolvidas, oferecem exemplos vivos para a educação e conservação da Natureza. O Jardim Zoológico é uma Instituição de Utilidade Pública sem fins lucrativos com 121 anos de existência. O seu espaço reflecte a sua longa história, mas também a sua nova missão, actual e de acordo com os tempos modernos. Para a levar a cabo, trabalha em estreita colaboração com os seus parceiros europeus e mundiais fazendo parte de Associações de Zoos e Aquários que em conjunto definem as estratégias que permitem concretizar essa missão. O objectivo é garantir às gerações futuras o que temos agora. A Natureza e as suas espécies fazem parte desse role. * Bióloga Ex-Coordenadora do Centro Pedagógico do Jardim Zoológico. 2. A educação no Jardim Zoológico A actividade educativa no Jardim Zoológico nasceu, formalmente, em 1992, com um programa de Visitas Guiadas direccionado para proporcionar às escolas um maior apoio e aproveitamento educativo na sua visita a este parque zoológico. Este objectivo inicial consolidou-se, criando um relacionamento muito próximo com as escolas, exigindo o melhoramento e criação de serviços de apoio e novos programas educativos, dando origem à criação dos Serviços Pedagógicos. Em 1996, o Jardim Zoológico construiu um novo Centro Pedagógico, um complexo de salas e equipamentos, e um centro de documentação equipado com uma biblioteca e uma videoteca, que permitem a uma equipa de técnicos formar, desenvolver e executar a função educativa da instituição. Aqui, desenvolvem-se conteúdos, apoiam-se estudantes na realização dos seus trabalhos escolares e académicos, formam-se e coordenam-se equipas que colaboram na realização de programas educativos.

2 112 RT&D N.º Sequeira Com uma forte preocupação educativa em todas as áreas de actuação, o trabalho desenvolvido nos últimos anos tem contribuído para que o Jardim Zoológico, na sua totalidade, represente o papel de um educador, com a vantagem de possuir uma das melhores salas de aula do país, cuja colecção animal, o seu espaço e as suas actividades, proporcionam uma aprendizagem atraente e eficaz. Desenvolver todas estas áreas de actividade é, não só cumprir os objectivos do Jardim Zoológico, como participar na concretização de objectivos definidos internacionalmente numa estratégia global para a conservação da Natureza. Tudo para que as futuras gerações não repitam os erros do passado e actuem de forma esclarecida, estimulando, por sua vez, as mudanças de atitude na Natureza e para com a Natureza Educação formal e informal Nestas incursões, são privilegiados os métodos activos, na medida em que permitem aos alunos aprender através da vivência de situações. Cada programa educativo consiste numa sessão interactiva e cheia de surpresas, conduzida pelos guias, tratadores, treinadores ou técnicos do Jardim Zoológico, em que os alunos podem aprender um pouco mais sobre o outro lado do trabalho e da vida dos e com os animais. São oportunidades únicas para os professores proporcionarem uma experiência educativa muito rica, não só do ponto de vista da aquisição de conhecimentos, como também da aquisição de atitudes e valores. Por apelarem aos sentidos e emoções, os alunos são envolvidos na dinâmica de cada programa, constituindo ferramentas ideais para professores que consideram ser possível melhorar as aprendizagens, aliando os aspectos educativos aos lúdicos. No Jardim Zoológico desenvolve-se educação formal e informal. Na primeira, incluem-se todos os programas educativos escolares e de férias, dirigidos ao público infanto-juvenil que visita o Jardim nos períodos escolar e de férias. Estes programas são pré-definidos para corresponder a objectivos específicos que conciliem os interesses das crianças pela vida animal, os currículos oficiais leccionados nas escolas e a mensagem de conservação que se pretende transmitir. No âmbito da educação informal, integramos todas as mensagens educativas que se transmitem de uma forma subtil, a qualquer visitante que queira ser despertado para essa mensagem. As apresentações, a sinalética, os folhetos informativos, as instalações, as campanhas, as exposições são formas de fazer passar essa mensagem Programas educativos escolares Para além de toda a oferta lúdica a que o bilhete dá acesso, o Jardim Zoológico disponibiliza de forma gratuita a todas as escolas, do pré-escolar ao ensino universitário, programas educativos que têm em conta as orientações curriculares definidas pelo Ministério da Educação e são adaptados aos diferentes graus de escolaridade (Quadro 1).

3 RT&D N.º Quadro 1 Programas educativos escolares Visitas Guiadas. São percursos guiados pelo Jardim Zoológico, em que se pretende valorizar a interpretação da colecção animal através da transmissão de informação relativa à biologia das espécies. São focados outros temas como os objectivos, a história e evolução dos zoos, o bem-estar animal e o enriquecimento ambiental. Durante cada visita, alunos e professores são acompanhados por um guia que recorre a exemplos vivos e concretos, curiosidades sobre os animais e casos de sucesso da actividade do Jardim Zoológico para dar a conhecer as espécies do nosso Planeta. Encontro com o Tratador da Quintinha. Neste encontro, as crianças compreendem a realidade do mundo rural. Os tratadores que acompanham a visita falam sobre o cultivo dos vegetais, a criação dos animais, o aproveitamento que o Homem faz dos animais domésticos. As experiências e aprendizagens das crianças são melhoradas e diversificadas com base na estimulação dos sentidos e na interacção com os animais. Na Quintinha, as crianças têm a possibilidade de compreender a ligação profunda do Homem com a Natureza e aprender a respeitar e a manifestar preocupação pelo Ambiente. Encontro com o Treinador dos Golfinhos e Leões-marinhos. Este programa educativo nasceu da vontade de querer que os alunos conheçam os treinadores e fiquem a saber um pouco mais sobre o que está por detrás das apresentações de golfinhos e leões-marinhos. Realizado pelos treinadores e técnicos do Centro de Vida Marinha, neste encontro pretende dar-se a conhecer as características dos mamíferos marinhos, explicar como se treinam estes animais, quais os cuidados necessários ao seu bem-estar, quais as principais ameaças que enfrentam no seu habitat natural e porque existem em zoos. As respostas a estas perguntas são muitas vezes dadas pelos próprios animais que mostram à audiência como é ser um mamífero marinho. Encontro com os Tratadores dos Répteis. Muitos são os alunos e professores que têm medo dos répteis e os acham peçonhentos e frios. Na verdade, são animais fundamentais nos nossos ecossistemas, controlando diversas pragas, como as de insectos e de ratos. Com o objectivo de dar a conhecer este grupo animal e desmistificar esta má impressão, criou-se este encontro onde são abordados conceitos e temáticas relacionadas com os répteis, recorrendo-se a meios audiovisuais e materiais de apoio diversos. Alguns animais são convidados a estar presentes e a apresentar algumas das suas características. Sessão Temática Os zoos na conservação das espécies. Durante este programa, é dada a oportunidade de conhecer em detalhe a verdadeira missão dos zoos, como estes contribuem para a conservação das espécies e o trabalho que desenvolvem para promover o seu bem-estar. Porque existem os zoos? Como podem estes ajudar à sobrevivência das espécies? Qual a missão do Jardim Zoológico? O que é um programa de reprodução? O que é o enriquecimento ambiental? São perguntas às quais se tentará dar resposta. No fim os participantes ficam a conhecer alguns exemplos de espécies já reintroduzidas nos seus habitats naturais graças ao trabalho dos parques zoológicos. 2.3 Programas educativos de férias Aprender a brincar é o lema destes programas e a síntese do trabalho que é desenvolvido, desde 1993, nos períodos de férias escolares. Acompanhando a constante renovação e inovação do Jardim Zoológico, estes programas constituem, para aqueles que gostam da vida selvagem, uma excelente oportunidade para aprenderem e contribuírem para melhorar o nosso Planeta. Com objectivos lúdicos e educativos bem vincados, é nesse equilíbrio que se desenvolve o programa de animação, construído com base numa vivência em grupo. Assim, o ATL do Zoo consegue ser um programa diferente sob várias perspectivas e, por isso, envolvente e único, já que cada um dos participantes poderá conhecer os objectivos e as principais actividades do Jardim Zoológico (Quadro 2). Quadro 2 ATL do Jardim Zoológico Para quem? Quando? Onde? Duração? Crianças dos 6 aos 15 anos. Nas férias de Páscoa, Verão e Natal. No Jardim Zoológico. Turnos de 5 dias das 9h00 às 18h00.

4 114 RT&D N.º Sequeira São privilegiadas as actividades ao ar livre que passam pela realização de percursos temáticos e de encontros com tratadores, treinadores e outros técnicos do Zoo, que permitem conhecer vários grupos de animais, e por oportunidades de interacção que vão permitir conhecer mais de perto algumas espécies e bastidores. A aprendizagem é feita de forma divertida e a brincar, pelo que muitas destas acções são vestidas de actividades de animação, jogos de pistas e de exploração, caças ao tesouro e peddy-papers. O aprofundamento das diferentes temáticas é realizado através de múltiplas actividades de expressão plástica, de desenho, de debates, entre muitas outras. É uma forma única e diferente de passar umas férias bem divertidas As equipas Para levar a cabo estes programas, o Jardim Zoológico possui equipas de guias e animadores constituídas por mais de 30 colaboradores. O crescimento dos programas tem sido de tal forma, que actualmente existe já uma necessidade de recrutamento e formação anual. Estes colaboradores são estudantes de áreas afins à actividade científica ou educativa. Alguns foram participantes dos próprios programas enquanto crianças. Depois de passarem pelo ATL, o seu interesse pela Natureza cresceu e levou-os a enveredarem por estudos superiores na área das ciências. Hoje são guias, animadores, coordenadores e formadores das equipas do Centro Pedagógico. No futuro querem trabalhar em conservação e alguns deles já realizaram mesmo cursos de formação e estágios em vários locais do mundo. O trabalho desenvolvido tem contribuído, de facto, para uma mudança de atitudes e para o crescimento do interesse pela Natureza Estratégia e resultados O Jardim Zoológico é um destino de visita infantil privilegiado. A seguir aos adultos (dos 12 aos 64 anos) (50%), as escolas são os visitantes mais importantes do Jardim Zoológico (21%), surgindo as crianças (dos 3 aos 11 anos) (19%) em terceiro lugar. Pela representatividade que o público infantil apresenta, é natural que muito do trabalho seja desenvolvido de acordo com este segmento, que acaba por condicionar e influenciar a visita dos adultos. Para corresponder aos seus interesses e expectativas, o Jardim Zoológico tem apostado na diversificação, divulgação e adaptação da sua oferta educativa. As escolas possuem um atendimento personalizado e condições especiais de visita. Desde 1997, que alunos e professores usufruem dos bilhetes mais reduzidos da tabela, um reflexo da importância que este público assume na visita ao Jardim Zoológico. Para além disso, desde 1999, que as creches e os jardins-de-infância possuem ao seu dispor um bilhete especial mais baixo que tem em conta as suas limitações em termos de aproveitamento da visita. Reforçando a aposta e o interesse do Jardim

5 RT&D N.º Zoológico na educação para conservação, desde 2000 que o acesso aos programas educativos escolares passou a ser totalmente gratuito. O aumento no número de programas escolares, a diversificação dos temas, a integração das orientações curriculares definidas pelo Ministério da Educação nestes programas, a implementação de uma estratégia de comunicação específica e direccionada para o público Escolas foram também medidas importantes para aumentar e fidelizar estes visitantes. Nos últimos cinco anos, a participação nos programas educativos cresceu mais de 350% reflectindo o sucesso da estratégia em que se apostou. O 1.º ciclo representa mais de 50% dos alunos participantes nos programas educativos escolares, seguindo-se o 2.º e o 3.º ciclo. No âmbito dos programas de férias participaram, desde o seu início em 1993 até 2005, mais de crianças. O ATL do Jardim Zoológico conquistou um lugar de confiança no mercado de actividades de tempos livres. A sua originalidade e qualidade têm convencido miúdos e graúdos, de tal forma que cerca de 30% das crianças participaram já em anos anteriores e 35% realiza mais do que um programa por ano. O programa acompanha a evolução do próprio espaço, pelo que há sempre algo de novo para ver, descobrir e aprender. Para além disso, e como o programa tem por base a dinâmica de grupo e o espírito de equipa, as relações de amizade que se criam são um factor de motivação muito grande. Os resultados deste trabalho são, também, o reflexo de uma aposta num elevado padrão de qualidade e exigência. Todos os programas são alvo de um rigoroso planeamento para que se definam objectivos gerais e específicos, estratégias de actuação, recrutamento, selecção e formação de recursos humanos e uma avaliação contínua de todos os projectos. Quadro 3 Alguns resultados dos últimos anos ( ) 5 milhões de visitantes. 1 milhão de crianças. 1 milhão e 100 mil alunos. 165 mil alunos nos programas educativos escolares. Neste âmbito, todos os participantes dos diversos programas (alunos, professores, crianças, encarregados de educação, guias, animadores, técnicos) são chamados a intervir e a avaliar os programas em que participam. Com recurso a estratégias formais e informais de avaliação (questionários, actividades, jogos, conversas, reuniões, etc.) são recolhidas as opiniões de todos, para que tenham, de facto, um papel activo na avaliação. Só assim é possível melhorar os programas e os seus resultados, adaptando-os às expectativas e necessidades de todos os participantes. 3. Conclusão A Educação é um dos três principais objectivos do Jardim Zoológico. É trabalhada tendo em conta todo o público visitante. O público infantil influencia a decisão familiar e escolar no momento da selecção do local a visitar, pelo que há necessidade de lhe prestar uma atenção especial. Assim, são vários os produtos que foram criados para as crianças, de forma a corresponderem às suas expectativas e aos interesses e motivações das famílias e dos grupos em que as crianças visitantes se inserem. A aposta na diversificação e na qualidade da oferta, na criação de condições especiais de visita, no atendimento personalizado, na comunicação, na divulgação e na fidelização do público infantil, tem- -se mostrado certeira. O futuro passa pela continuação do trabalho que tem sido desenvolvido e pelo seu alargamento a outros públicos. A educação não deve incidir apenas nas camadas mais jovens, pelo que a educação informal deverá ser a aposta do futuro para que se dê a conhecer o trabalho do Jardim Zoológico a todos quantos se interessam pela Natureza e pela vida animal. Bibliografia World Association of Zoos and Aquariums, 2005, Building a Future for Wildlife: The World Zoo and Aquarium Conservation Strategy, WAZA.

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Índice 1. Objetivos gerais:... 4 2. Objetivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 6 4. Atividades Sócio-Educativas... 7 5. Propostas

Leia mais

Guia do Professor 2014/2015. Faça do Zoo Santo Inácio a sua sala de aula!!!

Guia do Professor 2014/2015. Faça do Zoo Santo Inácio a sua sala de aula!!! Guia do Professor 2014/2015 Faça do Zoo Santo Inácio a sua sala de aula!!! A 10 minutos do Porto, mais precisamente em Vila Nova de Gaia, situa-se o Zoo Santo Inácio, o maior e mais verde parque zoológico

Leia mais

OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche. Maria Teresa de Matos

OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche. Maria Teresa de Matos OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche Maria Teresa de Matos Projecto Pedagógico de Sala Creche Princípios Orientadores Projecto Pedagógico de Sala * Projecto Curricular

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DA UNIÃO DE FREGUESIAS DE SACAVÉM E PRIOR. Projeto Pedagógico e de Animação de Campos de Férias

JUNTA DE FREGUESIA DA UNIÃO DE FREGUESIAS DE SACAVÉM E PRIOR. Projeto Pedagógico e de Animação de Campos de Férias JUNTA DE FREGUESIA DA UNIÃO DE FREGUESIAS DE SACAVÉM E PRIOR Projeto Pedagógico e de Animação de Campos de Férias ÍNDICE 2 Introdução Pág. 3 Princípios e Valores Pág. 3 Objetivos Gerais Pág. 4 Objetivos

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias 2015

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias 2015 Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias 2015 Índice 1. Objetivos gerais:... 4 2. Objetivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 6 4. Atividades Sócio-Educativas... 7

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

ExpressARTE. Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Guia do Formador drmadorr1manda. Aprender a Relação Humana

ExpressARTE. Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Guia do Formador drmadorr1manda. Aprender a Relação Humana ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Guia do Formador drmadorr1manda Aprender a Relação Humana Autor: Micaela Ramos Título: Aprender a Relação Humana Coordenação da Mala Formativa:

Leia mais

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma*

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Glória Macedo, PQND do 4º Grupo do 2º Ciclo do EB e Formadora do CFAE Calvet de Magalhães, Lisboa A Reorganização Curricular do Ensino Básico

Leia mais

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial?

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Para efeitos de elegibilidade para a educação especial deve-se, antes de mais, ter presente o grupo - alvo ao qual esta se destina alunos

Leia mais

Projeto Educativo. Creche Humanus C.A.M. Resposta Social Creche D O C. 0 0 3. 0 2. C R E. Página 1 de 11. Funcionamento com apoio:

Projeto Educativo. Creche Humanus C.A.M. Resposta Social Creche D O C. 0 0 3. 0 2. C R E. Página 1 de 11. Funcionamento com apoio: Projeto Educativo Creche Humanus C.A.M. 1 de 11 Índice Introdução... 3 Quem somos?...3 As Dimensões do Projeto Educativo Dimensão Global da Criança.. 5 Dimensão Individual.... 6 Dimensão das Aquisições..

Leia mais

Atividades de Enriquecimento do Currículo (AEC)

Atividades de Enriquecimento do Currículo (AEC) Atividades de Enriquecimento do Currículo (AEC) INTRODUÇÃO: De acordo com o DL 91/2013, artº 14º e os despachos normativos da organização do ano letivo n.s 7 e 7-A/2013 e o recente despacho de organização

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 1 PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 2 1. Introdução O processo de adaptação e ajustamento ao PNFT entra em 2012 na sua fase terminal

Leia mais

Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores

Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores O Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário, recentemente aprovado,

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA QUINTA DAS FLORES

ESCOLA SECUNDÁRIA DA QUINTA DAS FLORES ESCOLA SECUNDÁRIA DA QUINTA DAS FLORES Projecto Educativo - 2004/2007 INTRODUÇÃO O que importa é que a escola pense e para pensar são precisas muitas cabeças. Uma cabeça sozinha pode pensar, pode chegar

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL ASSISTENTE DE ACÇÃO EDUCATIVA (M/F)

PERFIL PROFISSIONAL ASSISTENTE DE ACÇÃO EDUCATIVA (M/F) PERFIL PROFISSIONAL ASSISTENTE DE ACÇÃO EDUCATIVA (M/F) PERFIL PROFISSIONAL Assistente de Acção Educativa Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 ÁREA DE ACTIVIDADE - SERVIÇOS DE APOIO A CRIANÇAS

Leia mais

PROJECTO DE REALIZAÇÃO

PROJECTO DE REALIZAÇÃO APPEUC Associação de Professores de Português dos Estados Unidos e Canadá MONTREAL 2007 13, 14 e 15 de Abril de 2007 no Hotel Auberge Universel em Montreal PROJECTO DE REALIZAÇÃO Comissão Organizadora:

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Índice 1. Objectivos gerais:... 4 2. Objectivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 5 4. Actividades Sócio-Educativas... 6 5.

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação 5 dias 5 passos na Cultura. Projeto Pedagógico e de Animação 5 dias 5 passos na Cultura

Projeto Pedagógico e de Animação 5 dias 5 passos na Cultura. Projeto Pedagógico e de Animação 5 dias 5 passos na Cultura Projeto Pedagógico e de Animação 5 dias 5 passos na Cultura 1 Índice 1. Objetivos gerais:... 4 2. Objetivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 6 4. Atividades Sócio-Educativas...

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão

AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão Índice Introdução Objectivos Metodologia de Trabalho Áreas de Trabalho/ Conclusões Estruturas Formais Estruturas FísicasF

Leia mais

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Para que o início das aulas do novo ano lectivo se realize com facilidade, a Direcção dos Serviços de Educação

Leia mais

A importância do animador sociocultural na Escola Agrupamento de Escolas de Matosinhos Sul

A importância do animador sociocultural na Escola Agrupamento de Escolas de Matosinhos Sul 1 A importância do animador sociocultural na Escola Agrupamento de Escolas de Matosinhos Sul Margarida Soares (*) O Agrupamento de Escolas Matosinhos Sul tem três animadores socioculturais afectos ao Projecto

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA MARIA DO CARMO D AGUIAR

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA MARIA DO CARMO D AGUIAR APRESENTAÇÃO DA EMPRESA MARIA DO CARMO D AGUIAR QUEM SOMOS NASCEMOS EM 1997 Fruto da firme convicção de que a Educação é pilar fundamental na construção de um futuro melhor e da forte vontade de intervir

Leia mais

FREIXO MARCO DE CANAVESES

FREIXO MARCO DE CANAVESES PROJETO EDUCATIVO FREIXO MARCO DE CANAVESES TRIÉNIO 2012-2015 Conteúdo 1. Caracterização da Escola Profissional de Arqueologia... 2 1.1. Origem e meio envolvente... 2 1.2. População escolar... 2 1.3. Oferta

Leia mais

Casa do Povo de Óbidos - Creche e Jardim de Infância Ano lectivo de 2011/2012 1

Casa do Povo de Óbidos - Creche e Jardim de Infância Ano lectivo de 2011/2012 1 PROJECTO DE VALÊNCIA DE CRECHE Ano lectivo de 2011/2012 1 Índice 1-INTRODUÇÃO... 1 2-PRINCÍPIOS GERAIS E OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS DA CRECHE... 2 3-ÁREAS DE CONTEÚDO... 4 3.1 - ÁREA DE FORMAÇÃO PESSOAL E

Leia mais

Posição sobre o Ensino Qualificante

Posição sobre o Ensino Qualificante Posição sobre o Ensino Qualificante Índice Índice... 1 Introdução... 2 Educação e Formação Profissional de Dupla Certificação... 3 Cursos de Educação e Formação de Jovens (CEF)... 3 Cursos Tecnológicos...

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência.

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência. KIT_PEDA_EST_MEIO_5:FERIAS_5_6 09/12/28 15:07 Page 1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 5 Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência ISBN

Leia mais

Jardim de Infância Professor António José Ganhão

Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância nº2 ( Brejo ) Jardim de Infância do Centro Escolar de Samora Correia Agrupamento de Escolas de Samora Correia Direcção Executiva Conselho

Leia mais

Plano Anual de Actividades

Plano Anual de Actividades Plano Anual de Actividades (Actividades de Tempos Livres) Jardim de Infância e Escola EB1 da Quinta das Indias Jardim de Infância e Escola EB1 de Alpriate Escola EB1 do Cabo de Vialonga Ano Lectivo 2012/2013

Leia mais

Introdução. 1.2 Escola Católica

Introdução. 1.2 Escola Católica Introdução A Escola Sagrada Família Externato é uma Escola Católica e é regida pelo Ideário das Escolas da Congregação das Irmãs Franciscanas de Nossa Senhora das Vitórias e o Estatuto da Associação Portuguesa

Leia mais

Programa de Educação Ambiental

Programa de Educação Ambiental Programa de Educação Ambiental 2015 / 2016 Escolas Centro de Formação Ambiental SEDE - Lisboa 2 Horário de Funcionamento das Actividades 2ª feira a 6ª feira: 9h30 às 13h00 e das 14h00 às 17h30 4 horários:

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO DA CRECHE

PROJECTO EDUCATIVO DA CRECHE PROJECTO EDUCATIVO DA CRECHE Uma proposta educativa própria de uma instituição e a forma global como se organiza para proporcionar às crianças o desenvolvimento do seu potencial, a experienciá-lo e a vivenciá-lo.

Leia mais

ÍNDICE PATRONATO DE SANTO ANTÓNIO INTRODUÇÃO... 2 I - OPÇÕES E PRIORIDADES... 3

ÍNDICE PATRONATO DE SANTO ANTÓNIO INTRODUÇÃO... 2 I - OPÇÕES E PRIORIDADES... 3 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 I - OPÇÕES E PRIORIDADES... 3 1.1. PRIORIDADES A NÍVEL DA ACTUAÇÃO EDUCATIVA... 4 1.2. PRIORIDADES A NÍVEL DO AMBIENTE EDUCATIVO... 4 II APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS... 5 2.1. SENSIBILIZAÇÃO

Leia mais

Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores

Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores A realização de pré-testes antes da distribuição dos materiais de extensão rural é um processo importante no desenvolvimento

Leia mais

ÍNDICE: 1. Introdução. 1. - Caracterização do meio 2. - Caracterização do espaço ATL... 2. - Caracterização do grupo. 3

ÍNDICE: 1. Introdução. 1. - Caracterização do meio 2. - Caracterização do espaço ATL... 2. - Caracterização do grupo. 3 ÍNDICE: 1. Introdução. 1 2. CONTEXTUALIZAÇÃO - Caracterização do meio 2 - Caracterização do espaço ATL... 2 3. Grupo - Caracterização do grupo. 3 - Caracterização da equipa/horário. 3 4. OBJETIVOS: - Objetivos

Leia mais

Projeto Educativo do Centro Paroquial do Estoril

Projeto Educativo do Centro Paroquial do Estoril Projeto Educativo do Centro Paroquial do Estoril ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. Caracterização... 5 a) Breve historial... 5 b) Atual estrutura... 5 c) Caracterização geográfica e sócio-cultural... 6 d) Comunidade

Leia mais

PROJETO DE ACOMPANHAMENTO DE DESPORTO ESCOLAR

PROJETO DE ACOMPANHAMENTO DE DESPORTO ESCOLAR UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA ESCOLA SECUNDÁRIA FERNANDO NAMORA Ano Letivo 2012/2013 PROJETO DE ACOMPANHAMENTO DE DESPORTO ESCOLAR - Badminton - Orientadores: Professor

Leia mais

Setembro.2010 F +351 239 499 239

Setembro.2010 F +351 239 499 239 SOFTWARE EDUCATIVO PARA PROMOÇÃO DA LEITURA E LITERACIA PLANO NACIONAL DE LEITURA 1. Apresentação... 2 2. O Plano Nacional de Leitura... 2 3. Ler+com Imagina: Promoção da Leitura e da Literacia com Recurso

Leia mais

ENCONTRO TEATRO ESCOLA

ENCONTRO TEATRO ESCOLA PROJECTO: XXIX ENCONTRO TEATRO ESCOLA PROMOTOR: IDENTIFICAÇÃO Nome da entidade: Escola Básica D. José I Endereço (rua, n.º, C.P.): Rua Santo António de Arenilha, 24, 8900-275 Vila Real de St. António Telef:

Leia mais

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Só é educativa a relação que faz crescera educando para uma maior autonomia (Aires Gameiro) Porque não lançar-se à tarefa de ajudar

Leia mais

Psicologia Aplicada em Portugal

Psicologia Aplicada em Portugal Psicologia Aplicada em Portugal Áreas Técnicos de Saúde Mental Psicologia Educacional Psicologia do Trabalho Psicologia Profissional Psicologia Clínica Psicologia Criminal Psicologia Desportiva Psicólogo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO Indicações para Operacionalização 2012-2015 O Plano Anual de Atividades do Agrupamento é relevante para toda a Comunidade Educativa. Por ele se operacionalizam

Leia mais

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180 1 A Escola a Tempo Inteiro em Matosinhos: dos desafios estruturais à aposta na formação dos professores das AEC Actividades de Enriquecimento Curricular Correia Pinto (*) antonio.correia.pinto@cm-matosinhos.pt

Leia mais

A ESCOLA CULTURAL COMO RESPOSTA À DISPERSÃO E DESARTICULAÇÃO CURRICULAR. Ramiro Marques Instituto Politécnico de Santarém

A ESCOLA CULTURAL COMO RESPOSTA À DISPERSÃO E DESARTICULAÇÃO CURRICULAR. Ramiro Marques Instituto Politécnico de Santarém A ESCOLA CULTURAL COMO RESPOSTA À DISPERSÃO E DESARTICULAÇÃO CURRICULAR Ramiro Marques Instituto Politécnico de Santarém Passada quase uma década após a reorganização curricular dos 2º e 3º ciclos, que

Leia mais

CAPÍTULO V CONCLUSÕES, IMPLICAÇÕES E SUGESTÕES

CAPÍTULO V CONCLUSÕES, IMPLICAÇÕES E SUGESTÕES CAPÍTULO V CONCLUSÕES, IMPLICAÇÕES E SUGESTÕES 5.1. Introdução Neste último capítulo, pretendemos esboçar as principais conclusões sobre os resultados obtidos na investigação orientada para o objectivo

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Formação Profissional Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de Matemática

Leia mais

PROJETO ANUAL DA LUDOTECA

PROJETO ANUAL DA LUDOTECA O FAZ DE CONTA PROJETO ANUAL DA LUDOTECA ANO LECTIVO 2014/2015 Inês Matos ÍNDICE I- INTRODUÇÃO 3 II- PROJETOS 5 2.1. Semana da Alimentação 4 2.2. Formação Técnica 6 2.3. Acompanhamento às famílias 6 2.4.

Leia mais

O Oceanário de Lisboa

O Oceanário de Lisboa N.º 9 2008 105 (105-110) O Oceanário de Lisboa J oa n a C u n h a d e C a rva l h o * [ cunha.carvalho@gmail.com ] 1. As origens Em 1998, Lisboa acolheu a exposição internacional Os Oceanos, Um Património

Leia mais

Curso de Monitores/Animadores de Colónias/Campos de Férias 2016

Curso de Monitores/Animadores de Colónias/Campos de Férias 2016 Curso de Monitores/Animadores de Colónias/Campos de Férias 2016 Caro Participante, A Pranima organiza este ano nas férias escolares da Páscoa o Curso de Monitores Intensivo 2016. Nesta carta vamos dar-te

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Despacho Normativo Nº 30/2002 de 23 de Maio

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Despacho Normativo Nº 30/2002 de 23 de Maio S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho Normativo Nº 30/2002 de 23 de Maio Ao abrigo do disposto no n.º 6 da Resolução nº 76/2002, de 2 de Maio determino: É aprovado o Regulamento do programa Mobilidade e

Leia mais

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS Educação Matemática na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental (EMEIAIEF) GT 09 RESUMO

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Título do artigo: O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Área: Gestão Coordenador Pedagógico Selecionadora: Maria Paula Zurawski 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador

Leia mais

Avanços e retrocessos na área da saúde mental dos imigrantes em Portugal: a perspectiva do GIS

Avanços e retrocessos na área da saúde mental dos imigrantes em Portugal: a perspectiva do GIS Iolanda Évora Avanços e retrocessos na área da saúde mental dos imigrantes em Portugal: a perspectiva do GIS Apresentado no 9º Encontro de Saúde Mental de Cascais a 14 de Novembro de 2008 O CEsA não confirma

Leia mais

Otrabalho diferenciado de aprendizagem

Otrabalho diferenciado de aprendizagem REVISTA N.º 27 09/07/07 19:52 Page 38 O Tempo de Estudo Autónomo na Aprendizagem da Língua Estrangeira: Treinar, Consolidar, Aprofundar Conhecimentos e Competências Maria Dulce Abreu* A acção educativa

Leia mais

C406. Ensino e Aprendizagem com TIC na Educação Pré-Escolar e no 1.º Ciclo do Ensino Básico

C406. Ensino e Aprendizagem com TIC na Educação Pré-Escolar e no 1.º Ciclo do Ensino Básico Plano de Formação para a Certificação de Competências TIC Nível 2-2010 C406. Ensino e Aprendizagem com TIC na Educação Pré-Escolar e no 1.º Ciclo do Ensino Básico - TURMA C - Formadores: Eunice Macedo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL. Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL. Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL * * * Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE GRELHA DE OBJECTIVOS INDIVIDUAIS DO PESSOAL DOCENTE (Decreto Regulamentar Nº 2/2008, de 10 de Janeiro) Identificação

Leia mais

Rotas da Leitura. Biblioteca Municipal de Beja. Cristina Taquelim. Introdução

Rotas da Leitura. Biblioteca Municipal de Beja. Cristina Taquelim. Introdução Rotas da Leitura Biblioteca Municipal de Beja Cristina Taquelim Introdução A promoção da leitura nas bibliotecas portuguesas públicas sofreu nos últimos anos uma forte expansão e alberga hoje um conjunto

Leia mais

Ateliers de Verão Câmara Municipal do Barreiro

Ateliers de Verão Câmara Municipal do Barreiro Programação de Actividades Julho 02 (4ª) 15h00 Edifício Américo Marinho Hum! Hum! Hum! Que delícia!, sessão I 04 (6ª) 15h00 Auditório Municipal Augusto Cabrita Atelier de Movimento, sessão I 07 (2ª) 15h00

Leia mais

«Aprender Como?» Colégio Escravas S. C. Jesus Centro Social S. C. Jesus. Junta Freguesia Lapa

«Aprender Como?» Colégio Escravas S. C. Jesus Centro Social S. C. Jesus. Junta Freguesia Lapa «Aprender Como?» Colégio Escravas S. C. Jesus Centro Social S. C. Jesus Junta Freguesia Lapa Como aprender e ser feliz? Fatores Intelectuais Fatores Não Inteletuais Fatores Relacionais Sucesso Escolar

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE MESTRADO QUE CONFEREM HABILITAÇÃO PROFISSIONAL PARA A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO O presente regulamento estabelece o enquadramento

Leia mais

Palavras Soltas. Projeto Pedagógico 2014/2015. Equipa Educativa:

Palavras Soltas. Projeto Pedagógico 2014/2015. Equipa Educativa: Palavras Soltas Equipa Educativa: Ana Maria Lopes; Ana Paula Neves; Daniela Bonito; Sandra Silva; Tathiana Germano; Teresa Ouro Índice Palavras Soltas 2 14 pág. Introdução... 5 I. Justificativa/ Tema...

Leia mais

CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA

CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA 1 CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA ENQUADRAMENTO Um projecto de prevenção em saúde mental na área da primeira infância implica sempre uma união de esforços e um trabalho em conjunto

Leia mais

8,9,10 maio 2015. 7 a edição do salão ser mamã. Este vai ser o maior salão ser mamã! salão da pré-mamã, bebé e criança. 7a edição

8,9,10 maio 2015. 7 a edição do salão ser mamã. Este vai ser o maior salão ser mamã! salão da pré-mamã, bebé e criança. 7a edição salão da pré-mamã, bebé e criança ENA! Este vai ser o maior salão ser mamã! informação aos media 8,9,10 maio 2015 7 a edição do salão ser mamã A 1000 Eventos Organização de Eventos Temáticos, irá realizar,

Leia mais

Direcções Executivas Projecto Gira Volei 2013/2014

Direcções Executivas Projecto Gira Volei 2013/2014 Direcções Executivas Projecto Gira Volei 2013/2014 16 de Julho de 2013 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO... 4 3. OBJECTIVOS DA AVM... 4 3.1. OBJECTIVOS GERAIS... 4 3.2. OBJECTIVOS ESPECÍFICOS...

Leia mais

Serra do Saber. Noções básicas de infância

Serra do Saber. Noções básicas de infância Noções básicas de infância Fundamentação Os espaços frequentados por crianças abrangem, cada vez mais profissionais de diferentes áreas. Esta mudança implica maior rigor e um melhor conhecimento de tudo

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO (A PREENCHER PELA COMISSÃO DO PAA) Atividade Nº AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Clube de adrez Professor Responsável Carlos Magalhães Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução 3 2. Objetivos

Leia mais

Regulamento de Estágio do Mestrado em Desporto 2009

Regulamento de Estágio do Mestrado em Desporto 2009 Instituto Politécnico de Santarém ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO DE ESTÁGIO Este regulamento enquadra-se no âmbito do artigo 21.º do regulamento específico do

Leia mais

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade P o r M a r g a r i d a S a r a i v a, J o r g e C a s a s N o v a s, J o s é R o b e r t o e E l i z a b e t h R e i s Um ano lectivo após o arranque

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares OFERTA COMPLEMENTAR 1º e 2º anos de escolaridade Ano letivo 2015/2016 l -Introdução No presente ano letivo a Oferta Complementar

Leia mais

Anexo VI Transcrição da entrevista realizada à equipa técnicopedagógica

Anexo VI Transcrição da entrevista realizada à equipa técnicopedagógica Anexo VI Transcrição da entrevista realizada à equipa técnicopedagógica do CNOGE (Grupo2) Entrevistados: Entrevista Grupo 2 E6 Formadora de Linguagem e Comunicação e de Cidadania e Empregabilidade E7 Formadora

Leia mais

Projecto de Resolução nº 442/X RECOMENDA AO GOVERNO A PROIBIÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE ANIMAIS SELVAGENS EM CIRCOS

Projecto de Resolução nº 442/X RECOMENDA AO GOVERNO A PROIBIÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE ANIMAIS SELVAGENS EM CIRCOS Grupo Parlamentar Projecto de Resolução nº 442/X RECOMENDA AO GOVERNO A PROIBIÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE ANIMAIS SELVAGENS EM CIRCOS Exposição de motivos: A arte do circo sempre ocupou um lugar no imaginário

Leia mais

Estudo descritivo das actividades de tempos livres no ATL um estudo de caso

Estudo descritivo das actividades de tempos livres no ATL um estudo de caso Estudo descritivo das actividades de tempos livres no ATL um estudo de caso Anabela Sequeira* Beatriz Pereira** *ATL de Fermentões **Universidade do Minho, Instituto de Estudos da Criança Contacto: sequeirana@portugalmail.pt,

Leia mais

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS INSTI INSTUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

PESQUISA DOCUMENTAL Metodologia da pesquisa Autodocumentação Estudo das novas tecnologias Documentos informáticos

PESQUISA DOCUMENTAL Metodologia da pesquisa Autodocumentação Estudo das novas tecnologias Documentos informáticos Conceição Castro Professora do 4.ºGrupo (Mat. e C. da Natureza) EBI Torre de Dona Chama ANEXO 1 PESQUISA DOCUMENTAL Metodologia da pesquisa Autodocumentação Estudo das novas tecnologias Documentos informáticos

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO SETEMBRO A DEZEMBRO 2011

PLANO DE FORMAÇÃO SETEMBRO A DEZEMBRO 2011 PLANO DE FORMAÇÃO SETEMBRO A DEZEMBRO 2011 INDICE: Quem somos? Oferta formativa Curso Acções Formativas CURSO DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES ESTES MIÚDOS SÃO IMPOSSÍVEIS!!! - GESTÃO DE COMPORTAMENTOS

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2014/2015

Plano Anual de Atividades 2014/2015 Mãos na Massa Plano Anual de Atividades 2014/2015 Equipa pedagógica do Centro de Educação de Infância Casa da Cruz Introdução O Plano Anual de Atividades é um documento orientador de uma dinâmica comum

Leia mais

Escolher um programa de cuidados infantis

Escolher um programa de cuidados infantis Escolher um programa de cuidados infantis A escolha de um programa de cuidados infantis é uma opção muito pessoal para cada família. O melhor programa é aquele que mais tem a ver com a personalidade, gostos,

Leia mais

Conversando sobre a REALIDADE. Propostas Educação. Ano 1 - nº 3 - Nov/15

Conversando sobre a REALIDADE. Propostas Educação. Ano 1 - nº 3 - Nov/15 Conversando sobre a REALIDADE social do BRASIL Propostas Educação Ano 1 - nº 3 - Nov/15 Partido da Social Democracia Brasileira Presidente: Senador Aécio Neves Instituto Teotônio Vilela Presidente: José

Leia mais

Plano de Actividades 2009

Plano de Actividades 2009 Plano de Actividades 2009 Introdução No prosseguimento da sua missão consultiva, instituída no quadro da Lei de Bases do Sistema Educativo de 1986, e tendo por referência a Lei Orgânica (Decreto-lei nº

Leia mais

O Trabalho Docente: Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas

O Trabalho Docente: Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO O Trabalho Docente: Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas Vitória - ES A Carga de Trabalho dos Professores - Pode ser analisada

Leia mais

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização 1. Introdução O presente questionário ajudá-lo-á a reflectir sobre os esforços desenvolvidos pela sua empresa no domínio da responsabilidade empresarial,

Leia mais

Proposta de Plano de Atividades do. Conselho Educativo de Marvila para 2014-2017

Proposta de Plano de Atividades do. Conselho Educativo de Marvila para 2014-2017 Proposta de Plano de Atividades do Conselho Educativo de Marvila para 2014-2017 1. Introdução A Lei de bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro, com a redação que lhe foi dada pela Lei

Leia mais

CONTEÚDOS «BROCHURA ESPECIAL ESCOLAS» - SETEMBRO 2013 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO 2013/ 2014

CONTEÚDOS «BROCHURA ESPECIAL ESCOLAS» - SETEMBRO 2013 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO 2013/ 2014 CONTEÚDOS «BROCHURA ESPECIAL ESCOLAS» - SETEMBRO 2013 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO 2013/ 2014 EDUCAR PARA CONSERVAR A VIDA ANIMAL E OS ECOSSISTEMAS Este é o lema do Centro Pedagógico do Jardim Zoológico. O Programa

Leia mais

Estratégias a utilizar

Estratégias a utilizar Introdução Ao olharmos à nossa volta e ao estarmos atentos à informação que nos chega diariamente através dos vários órgãos de comunicação social, chegamos à triste conclusão que a vida no planeta Terra

Leia mais

- Visitas orientadas Público-alvo: público geral

- Visitas orientadas Público-alvo: público geral Criado em 2006, o Serviço Educativo do Museu de Santa Maria de Lamas (MSML) tem desenvolvido um conjunto de actividades pedagógicas e lúdicas, no sentido de divulgar o património integrado no seu vasto

Leia mais

Alunos do 5º Ano Turma B

Alunos do 5º Ano Turma B Alunos do 5º Ano Turma B Boa tarde e Bem Vindos! 1 Todos conhecem a Prof.ª Isabel O meu nome é Alexandre e trabalho na empresa 2 Estamos aqui para vos apresentar o Projecto Concurso Escola Alerta! 3 O

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2007/2008 DEPARTAMENTO Secção Autónoma de Ciências da Saúde 1. INTRODUÇÃO Em 2003 foi criado o Mestrado em Geriatria e Gerontologia, que se iniciou no

Leia mais

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL A Amnistia Internacional Portugal defende a manutenção Formação Cívica nos 2.º

Leia mais

Destaque CONQUISTAS NO CONGRESSO DA SZB 2015

Destaque CONQUISTAS NO CONGRESSO DA SZB 2015 INFORMATIVO OFICIAL DA FUNDAÇÃO HERMANN WEEGE ZOOLÓGICO POMERODE ANO 2 5ª EDIÇÃO: JAN/FEV/MAR 2015 Destaque CONQUISTAS NO CONGRESSO DA SZB 2015 Claudio Maas (atual presidente) e Yara Barros (diretora de

Leia mais

Ciências / TIC na Escola Dimensões de Cidadania. Adelina Machado João Carlos Sousa

Ciências / TIC na Escola Dimensões de Cidadania. Adelina Machado João Carlos Sousa Ciências / TIC na Escola Dimensões de Cidadania Adelina Machado João Carlos Sousa Ser cidadão hoje... é algo de complexo... integra na construção da sua identidade duas dimensões: uma referente às pertenças

Leia mais

TempoLivre. Deixem brincar as crianças. Entrevista com a pedagoga Maria José Araújo. www.inatel.pt. N.º 235 Março 2012 Mensal 2,00

TempoLivre. Deixem brincar as crianças. Entrevista com a pedagoga Maria José Araújo. www.inatel.pt. N.º 235 Março 2012 Mensal 2,00 N.º 235 Março 2012 Mensal 2,00 TempoLivre www.inatel.pt Entrevista com a pedagoga Maria José Araújo Deixem brincar as crianças Destacável Viagens Primavera Verão 2012 Entrevista Maria José Araújo Pedagoga

Leia mais

DEFICIÊNCIA INTELECTUAL OU ATRASO COGNITIVO?

DEFICIÊNCIA INTELECTUAL OU ATRASO COGNITIVO? DEFICIÊNCIA INTELECTUAL OU ATRASO COGNITIVO? 1. O que é Deficiência Intelectual ou Atraso Cognitivo? Deficiência intelectual ou atraso cognitivo é um termo que se usa quando uma pessoa apresenta certas

Leia mais

Abordagens comuns do empreendedorismo:

Abordagens comuns do empreendedorismo: Abordagens comuns do empreendedorismo: principalmente do ponto de vista económico, administrativo, organizacional, sociológico, observando as partes da realidade, em detrimento do ponto de vista psicológico,

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

Competências Parentais

Competências Parentais ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Guia do Formador drmadorr1manda Competências Parentais Autor: Inês Eugénio Título: Competências Parentais Coordenação da Mala Formativa: Graça Pinto,

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO EANES LOBATO Critérios de Avaliação Educação Pré Escolar Departamento Educação Pré Escolar Ano letivo 2013/2014 A avaliação do processo permite reconhecer a pertinência e sentido

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PORTA DO MEZIO ARCOS DE VALDEVEZ PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Olá, sou o Lobito, a mascote da Porta do Mezio. Vem comigo descobrir as atividades que podes fazer na Porta do Mezio! 2013/2014 Localizado

Leia mais