Processamento de Sinais Áudio-Visuais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processamento de Sinais Áudio-Visuais"

Transcrição

1 Processamento de Sinais Áudio-Visuais Parte II Voz e Áudio Prof. Celso Kurashima Introdução à Engenharia da Informação Fevereiro/ Snapshot sinais no osciloscópio 2 1

2 processamento de voz e áudio Sistemas Home Theater 3 1. Introdução 2. Sinais de Voz 3. Sinais Áudio Agenda 4 2

3 1. Introdução Voz vs. Áudio Semelhanças? Diferenças? 5 2. Processamento Digital de Sinais de Voz Noções sobre sinais de voz Processamento digital Pesquisa e desenvolvimento 6 3

4 Produção da Fala Ondas acústicas cordas vocais A fala que as pessoas emitem é produzida pelo ar que vem do pulmão, atravessa as cordas vocais, passa pela boca e nariz, e é emanada pelo ar na forma de ondas acústicas 7 Conversão em Sinal Digital Para enviar e receber a voz por meio de equipamentos ou computadores, é necessário converter o som da voz em formato digital. Essa conversão é feita pela conversão da voz em sinal elétrico analógico, e depois pela sua conversão em sinal digital. 8 4

5 Conversão pela placa de som. Microfone Placa de som do computador 9. Conversão digital na telefonia Telefone residencial Central Telefônica Transmissão digital para outras Centrais Telefônicas 10 5

6 Conversão digital na telefonia celular digital. Transmissão digital para Central de Controle Telefone Celular Estação Radio Base 11 Serviços e aplicações Serviços e aplicações que utilizam voz digital são vastos. Alguns exemplos: Telefonia celular digital Telefonia IP Gravadores digitais de voz Equipamentos de resposta automática (ex. Serviço bancário por telefone) Reconhecimento de pessoas pela voz Comandos de computadores ou equipamentos eletrônicos pela voz 12 6

7 A telefonia IP A telefonia IP, também conhecida pela sigla VoIP (voz sobre IP) é uma aplicação onde o sinal digital de voz é transmitida através de rede de computadores ou pela Internet. A conversação pode ser estabelecida entre dois computadores, ou entre computador e telefone comum 13 Telefonia IP Laptop e headset Computador e headset INTERNET Telefonia convencional 14 7

8 Serviços VoIP Skype 15 Áreas de Processamento de voz Codificação (compressão) Reconhecimento de voz De palavras faladas De locutor Síntese de Voz Conversão texto para fala Melhoria de voz (enhancement) Auxílio auditivo Redução de ruído perceptual 16 8

9 Codificação de voz Objetivo é transformar a voz digital amostrada e quantizada em outros formatos que ocupem menos quantidade de memória de armazenamento ou de banda de transmissão. Há duas abordagens: Forma de onda Parâmetros de modelagem de produção da fala 17 codificação de forma de onda O PCM é o método mais conhecido: PCM linear PCM logaritmico (ITU-T G.711) PCM diferencial DPCM e DM ADPCM (ITU-T G.721) Por transformadas subbandas 18 9

10 Taxa de bits do PCM Qual a taxa de bits do PCM? Dado que: Frequência de amostragem é: 8 KHz São usados 8 bits por amostra Cálculo: Taxa bits = 8 bits/amostra x 8000 amostras/seg Taxa bits = bits/seg 19 Codificação Paramétrica Consiste na obtenção de parâmetros do sinal de voz para atender à modelagem da produção da fala. Método da Predição Linear LPC Apenas parametros são transmitidos ou armazenados: grande redução da taxa de bits. Exemplo: LPC-10 a 2400 bits/seg 20 10

11 Método da Predição Linear Passos: Calcula coeficientes LPC para a produção de voz e informação de pitch, durante uma certa janela de voz Na recepção os parâmetros são usados num filtro de síntese, que reproduz (sintetiza) uma voz que é bem próxima da original 21 Desafios Há o compromisso entre baixa taxa-debits e a qualidade do sinal de voz recuperado Os esquemas de codificação atuais usam conceitos matemáticos complexos e buscam a qualidade perceptual em contraposição à forma de onda 22 11

12 Reconhecimento de Voz Também pode usar como base os parâmetros da modelagem da produção da fala como os coeficientes LPC e os coeficientes Cepstrum Baseia-se em treinamento do sistema, requerendo extensos bancos de dados de voz: Treinamento Testes 23 Reconhecimento de Voz Reconhecimento de palavras de comando Várias pessoas falam a mesma palavra Testes de acerto da palavra com base de dados de várias pessoas Reconhecimento de locutor Aquelas pessoas que desejamos identificar treinam o sistema com sua voz Testes de acerto com pessoas diferentes 24 12

13 Técnicas de Reconhecimento Método de probabilidades HMM Hidden Markov Model Redes Neurais Artificiais MPL Multi-Layer Perceptron RBF Radial Basis Function 25 Síntese de voz Utiliza da modelagem da produção da fala (parametros) identifica sílabas das palavras de acordo com regras de linguagem converte texto para sinais de voz seguindo as regras de amostragem e temporizações pré-determinadas 26 13

14 Melhoria do Sinal de Voz Utilizado na presença de forte ruído no sinal, ou na codificação de baixa qualidade Abordagem perceptual Realça características/parâmetros importantes da voz Processamento de Áudio Digital Áudio refere-se aos sons acústicos na forma de sinal elétrico, geralmente oriundos de instrumentos musicais e canções. O Áudio Digital é o sinal de áudio analógico convertido para o formato digital, usualmente com alta fidelidade

15 Possibilidades O sinal de áudio digital pode ser: armazenado em computadores, gravado em discos de CD s, ser associado aos filmes de DVD s, ser distribuído pela Internet, e ser transmitido por rádio digital e TV digital. 29 Aplicações de áudio digital Grande parte das aplicações de áudio digital são associadas às aplicações de vídeo digital. As principais aplicações de áudio digital atualmente são: No cinema digital, onde se utiliza o sistema Dolby Digital AC-3. Em discos de vídeo digital DVD com áudio para home theater, que também utiliza o sistema Dolby Digital AC-3 e o áudio surround

16 Aplicações Na codificação MP3 de canções e músicas, que é baseada no sistema MPEG-2, é bastante utilizada para transmissão ou envio de arquivos musicais pela Internet. Na composição musical por computação e nos instrumentos digitais, são cada vez mais usados o áudio digital pela sua facilidade de utilização e pela alta-fidelidade. Sistemas de áudio profissional, com equipamentos de altíssima fidelidade. 31 Áudio Imersivo O Áudio Imersivo é não apenas uma aplicação de áudio digital, mas também uma linha de pesquisa para o desenvolvimento de futuros sistemas. Suas principais características são: A sensação de imersão acústica no cenário. Com diversos alto-falantes pode-se compor os sons em qualquer posição do espaço, através de equações acústicas complexas. Todos alto-falantes contribuem na formação do som ambiente. Trata-se de uma combinação perfeita com Video Imersivo Tridimensional

17 Audio Imersivo Pesquisa Acadêmica em Laboratório da USP 33 Leitura sugerida Leitura do ponto de vista das aplicações (não é necessário entender profundamente as questões matemáticas) Chapter 22 do livro online: The Scientist and Engineer's Guide to Digital Signal Processing, by Steven W. Smith. <http://www.dspguide.com/> 34 17

18 Referências em Voz Lawrence R. Rabiner, Ronald W. Schafer. Digital Processing of Speech Signals. Prentice Hall, John R. Deller, Jr., John G. Proakis, John H. Hansen. Discrete Time Processing of Speech Signals. Prentice Hall, S. FURUI. Digital speech processing, synthesis, and recognition. New York: Marcel Dekker, N. S. JAYANT, P. NOLL. Digital coding of waveforms. Englewood Cliffs: Prentice-Hall, Douglas O'Shaughnessy. Speech Communications: Human and Machine. 2nd ed. Wiley-IEEE Press, Referências em Áudio William M. Hartmann. Signals, Sound, and Sensation: Modern acoustics and signal processing. AIP Press, Glen Ballou. Handbook for Sound Engineers, 3rd ed. Focal Press, Hyoung-Gook Kim, Nicolas Moreau, Thomas Sikora. MPEG-7 Audio and Beyond: Audio Content Indexing and Retrieval. Wiley, Jeroen Breebaart, Christof Faller. Spatial Audio Processing: MPEG Surround and Other Applications. Wiley, Francis Rumsey. Spatial Audio: Music Technology. Focal Press, Marina Bosi, Richard E. Goldberg. Introduction to Digital Audio Coding and Standards. Springer,

19 Livro: Voz & Audio Ian McLoughlin. Applied Speech and Audio Processing: With Matlab Examples. Cambridge University Press, ISBN: Exemplos práticos em Matlab 37 19

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia Prof. Daniel Hasse Multimídia e Hipermídia AULA 02 Agenda: Algoritmos de Codificação/Decodificação; Codec de Áudio. Atividade complementar. Algoritmos de Codificação/Decodificação - Comunicação tempo real,

Leia mais

Processamento de Sinais Áudio-Visuais

Processamento de Sinais Áudio-Visuais Processamento de Sinais Áudio-Visuais Parte I Noções de Sinais Digitais Prof. Celso Kurashima Introdução à Engenharia da Informação Fevereiro/2011 1 motivação 2 1 processamento de imagem 3 Agenda 1. Introdução

Leia mais

Codificadores de voz do MPEG-4. Eriko Porto eriko_porto@uol.com.br

Codificadores de voz do MPEG-4. Eriko Porto eriko_porto@uol.com.br Codificadores de voz do MPEG-4 Eriko Porto eriko_porto@uol.com.br Roteiro Introdução Waveform Codecs Source Codecs Hybrid Codecs Áudio no MPEG-4 Comparação entre alguns codecs Codificadores de Voz Introdução

Leia mais

Introdução... 2. Características das placas de som... 2

Introdução... 2. Características das placas de som... 2 á Placa de som: principais características... 2 Introdução... 2 Características das placas de som... 2 Conversores ADC e DAC... 2 Resolução das placas de som... 2 Taxa de amostragem... 3 Resposta de freqüência...

Leia mais

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.4. Áudio. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.4. Áudio. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Sistemas e Conteúdos Multimédia 4.4. Áudio Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt O som é um fenómeno físico causado pela vibração da matéria (p. ex. a pele de um tambor) A vibração provoca

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina Circuitos Digitais Cap. 1 Prof. José Maria P. de Menezes Jr. Circuitos Digitais Tópicos Digitais I- Engenharia Elétrica -UFPI Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO ALEXANDRE PINTO DE LARA CARLA EDUARDA ORLANDO DE MORAES DESENVOLVIMENTO DE EQUIPAMENTO DE CAPTURA

Leia mais

A música e a voz. A música e a voz. Síntese musical. A música e a voz. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho. Tópicos: Definição:

A música e a voz. A música e a voz. Síntese musical. A música e a voz. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho. Tópicos: Definição: A música e a voz Tópicos: A música e a voz Técnicas de síntese digital de som Definição: Técnicas de produção de seqüências de áudio a partir de uma seqüência de eventos musicais. Tipos de síntese: tempo

Leia mais

Mídias Contínuas. Mídias Contínuas

Mídias Contínuas. Mídias Contínuas Mídias Contínuas Processamento da Informação Digital Mídias Contínuas Mídias Contínuas (dinâmicas ou dependentes do tempo) Digitalização de Sinais Áudio Vídeo 1 Digitalização de Sinais Codificadores de

Leia mais

Multiplexador. Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação

Multiplexador. Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação Multiplexadores Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação Transmissor 1 Receptor 1 Transmissor 2 Multiplexador Multiplexador Receptor 2 Transmissor 3 Receptor 3 Economia

Leia mais

Miguel Nascimento Nº 2010426 TIM LTM 12 Janeiro 2011

Miguel Nascimento Nº 2010426 TIM LTM 12 Janeiro 2011 Miguel Nascimento Nº 2010426 TIM LTM 12 Janeiro 2011 Introdução Existem actualmente diversos formatos para reprodução de som multi-canal, mas neste trabalho serão abordados os seguintes: Estéreo LCRS 5.1

Leia mais

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são?

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Aplicações Multimédia: áudio e vídeo pela rede ( meios contínuos ) QoS a rede oferece às aplicações o nível de desempenho necessário para funcionarem.

Leia mais

Aula de Hoje. Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas. Sinal em Tempo Contínuo. Sinal Acústico

Aula de Hoje. Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas. Sinal em Tempo Contínuo. Sinal Acústico Aula de Hoje Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas lco@ist.utl.pt Instituto Superior Técnico O que é um sinal? Como representamos matematicamente um sinal? Qual a diferença entre um sinal contínuo e um sinal

Leia mais

TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO

TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO Davi Schmutzler Valim Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC davi_valim@puccampinas.edu.br Resumo: O trabalho trata de fazer

Leia mais

Processamento de Sinais Áudio-Visuais

Processamento de Sinais Áudio-Visuais Processamento de Sinais Áudio-Visuais Parte III Imagem e Video Prof. Celso Kurashima Introdução à Engenharia da Informação Fevereiro/2011 1 A Picture is worth a thousand words Uma imagem vale mil palavras

Leia mais

Computadores VII: Digitalizando Sons - Final

Computadores VII: Digitalizando Sons - Final Computadores VII: Digitalizando Sons - Final A2 Texto 4 http://www.bpiropo.com.br/fpc20050808.htm Sítio Fórum PCs /Colunas Coluna: B. Piropo Publicada em 08/08/2005 Autor: B.Piropo Semana passada vimos

Leia mais

Aprenda a Trabalhar com Telemensagens

Aprenda a Trabalhar com Telemensagens Aprenda a Trabalhar com Telemensagens 5 Incluindo dicas de Cestas, Flores, Presentes e Internet Do Iniciante ao Profissional www.as2.com.br 1 Aprenda a Trabalhar com Telemensagens FASCÍCULO 5 Adquira o

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FONTES PEREIRA DE MELO Aplicações Informáticas B. 2006/2007 Grupo II

ESCOLA SECUNDÁRIA FONTES PEREIRA DE MELO Aplicações Informáticas B. 2006/2007 Grupo II ESCOLA SECUNDÁRIA FONTES PEREIRA DE MELO Aplicações Informáticas B 2006/2007 Grupo II 1. Defina o conceito de multimédia. 2. No quadro1, estabeleça a ligação entre os tipos de media e a sua classificação,

Leia mais

COMPRESSÃO DE DADOS MULTIMÍDIA

COMPRESSÃO DE DADOS MULTIMÍDIA COMPRESSÃO DE DADOS MULTIMÍDIA Por que Compressão? Apesar da expansão das capacidade de comunicação e computação, a demanda das novas aplicações multimídia cresce rapidamente Custo de transmissão e armazenagem

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Relatório Final - MS777 Modelagem matemático/probabilística dos módulos acústicos e de linguagem de sistemas

Leia mais

Espectro da Voz e Conversão A/D

Espectro da Voz e Conversão A/D INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES GUIA DO 1º TRABALHO DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I Espectro da Voz e Conversão A/D Ano Lectivo de

Leia mais

Fundamentos de. Fundamentos de Sistemas Multimídia. Ementa. nuas. debora@midiacom.uff.br. Classes básicas de tráfego

Fundamentos de. Fundamentos de Sistemas Multimídia. Ementa. nuas. debora@midiacom.uff.br. Classes básicas de tráfego Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Ementa 1 Fundamentos de Sistemas Multimídia Profa. Débora Christina Muchaluat Saade debora@midiacom.uff.br http://www.midiacom.uff.br/~debora/fsmm 2

Leia mais

Conversores D/A e A/D

Conversores D/A e A/D Conversores D/A e A/D Introdução Um sinal analógico varia continuamente no tempo. Som Temperatura Pressão Um sinal digital varia discretamente no tempo. Processamento de sinais digitais Tecnologia amplamente

Leia mais

ORIENTADOR(ES): KENNY VINENTE DOS SANTOS, LUIZ EDUARDO SALES E SILVA, WALDIR SABINO DA SILVA JUNIOR, WHEIDIMA CARNEIRO DE MELO

ORIENTADOR(ES): KENNY VINENTE DOS SANTOS, LUIZ EDUARDO SALES E SILVA, WALDIR SABINO DA SILVA JUNIOR, WHEIDIMA CARNEIRO DE MELO TÍTULO: FILTROS DIGITAIS APLICADOS PARA SEPARAÇÃO DE SINAIS DE ÁUDIO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS AUTOR(ES): PAULA

Leia mais

Introdução à Multimédia conceitos

Introdução à Multimédia conceitos 1. Introdução à Multimédia conceitos Popularidade mercado potencial aparece nos anos 90 Avanços Tecnológicos que motivaram o aparecimento/ desenvolvimento da MULTIMÉDIA Indústrias envolvidas - Sistemas

Leia mais

Comunicações a longas distâncias

Comunicações a longas distâncias Comunicações a longas distâncias Ondas sonoras Ondas electromagnéticas - para se propagarem exigem a presença de um meio material; - propagam-se em sólidos, líquidos e gases embora com diferente velocidade;

Leia mais

Sistema de Aquisição de Dados

Sistema de Aquisição de Dados Sistema de Aquisição de Dados Versão 2013 RESUMO Nesta experiência será desenvolvido o projeto de um sistema de aquisição e armazenamento de dados analógicos em formato digital. O sinal de um sensor de

Leia mais

Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real

Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real Luis Eduardo Pereira Bueno Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real Trabalho elaborado como parte da avaliação da disciplina Processamento Digital de Sinais, ministrada pelo prof. Marcelo

Leia mais

[1] ALCAIM, A.. Processamento de Voz e Imagem. PUC Rio, 1999.

[1] ALCAIM, A.. Processamento de Voz e Imagem. PUC Rio, 1999. Referências Bibliográficas [1] ALCAIM, A.. Processamento de Voz e Imagem. PUC Rio, 1999. [2] ATAL, B.. Automatic Recognition of speakers from Their Voices. Proceeding of the IEEE, Vol. 64, No. 4, pp. 460-475,

Leia mais

Resumo. Sinais e Sistemas Apresentação da disciplina. Páginas WWW. Pré-Requisitos

Resumo. Sinais e Sistemas Apresentação da disciplina. Páginas WWW. Pré-Requisitos Resumo Sinais e Sistemas Apresentação da disciplina lco@ist.utl.pt Página WWW Pré-Requisitos e Resumo do Programa Bibliografia Aulas e Avaliação Sinais e Sistemas Instituto Superior Técnico Sinais e Sistemas

Leia mais

RECONHECIMENTO DE AVES DE NOMES ONOMATOPÉICOS

RECONHECIMENTO DE AVES DE NOMES ONOMATOPÉICOS RECONHECIMENTO DE AVES DE NOMES ONOMATOPÉICOS Célio Seixo de BRITO Junior, Paulo César Miranda MACHADO Escola de Engenharia Elétrica e de Computação, UFG, 74001-970, Goiânia, GO Celiojunior01@gmail.com,

Leia mais

Sistemas M ultimídia. Introdução. Midia. O que é multimídia?

Sistemas M ultimídia. Introdução. Midia. O que é multimídia? Midia Sistemas M ultimídia Adilson Barboza Lopes Departamento de Informática e Matemática Aplicada CCET/UFRN adilson@ dim ap.ufrn.br Meio para apresentar e distribuir informação tal como o livros, telefone,,

Leia mais

Introdução ao Aúdio Digital

Introdução ao Aúdio Digital Introdução ao Aúdio Digital O que é o SOM? O som chega aos nossos ouvidos como ondas de pressão de ar variando rapidamente, causadas por vibração de objectos como as cordas de uma guitarra. As cordas de

Leia mais

Telecomunicações e Teleprocessamento

Telecomunicações e Teleprocessamento Telecomunicações e Teleprocessamento Telecomunicações Telecomunicações podem ser definidas como comunicações por meios eletrônicos, normalmente a grandes distâncias. Como veículos de transmissão podem

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Comunicação

Introdução aos Sistemas de Comunicação Introdução aos Sistemas de Comunicação Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicação) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Colegiado de Engenharia

Leia mais

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E TÉCNICAS BÁSICASB Fernando Pereira Instituto Superior TécnicoT Digitalização Processo onde se expressa informação analógica de forma digital. A informação analógica

Leia mais

RECONHECIMENTO DE PADRÕES RECONHECIMENTO DE VOZ

RECONHECIMENTO DE PADRÕES RECONHECIMENTO DE VOZ RECONHECIMENTO DE PADRÕES RECONHECIMENTO DE VOZ O ESQUEMA DE CLASSIFICAÇÃO É GERALMENTE BASEADO NA DISPONIBILIDADE DE UM CONJUNTO DE PADRÕES QUE FORAM ANTERIORMENTE CLASSIFICADOS, O "CONJUNTO DE TREINAMENTO";

Leia mais

FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL. Objetivos do Sistema Digital. Digital. Comparação. (NTSC x ATSC) Transmissão simultânea de várias programações

FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL. Objetivos do Sistema Digital. Digital. Comparação. (NTSC x ATSC) Transmissão simultânea de várias programações PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL Prof. Alexandre A. P. Pohl Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica e Informática Industrial - CPGEI 1 Objetivos do Sistema

Leia mais

Sistemas Multimídia. Ementa do Curso

Sistemas Multimídia. Ementa do Curso Sistemas Multimídia Jauvane C. de Oliveira, Ph.D. http://www.lncc.br/~jauvane Instituto Militar de Engenharia Ementa do Curso Representação de Informação Multimídia Digitalização Mídias Texto, Imagem,

Leia mais

Sistemas e Sinais (LEIC) Análise em Frequência. Carlos Cardeira

Sistemas e Sinais (LEIC) Análise em Frequência. Carlos Cardeira Sistemas e Sinais (LEIC) Análise em Frequência Carlos Cardeira Análise em Frequência Até agora a análise que temos feito tem o tempo como domínio. As saídas podiam ser funções no tempo correspondentes

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO Amanda 5ª Atividade: Codificador e codificação de linha e seu uso em transmissão digital Petrópolis, RJ 2012 Codificador: Um codoficador

Leia mais

Redes de Computadores. Comunicação de Dados e Representação de Sinais Analógicos e Digitais Aula 02 Profa. Priscila Solís Barreto

Redes de Computadores. Comunicação de Dados e Representação de Sinais Analógicos e Digitais Aula 02 Profa. Priscila Solís Barreto Redes de Computadores Comunicação de Dados e Representação de Sinais Analógicos e Digitais Aula 02 Profa. Priscila Solís Barreto Bits, números e informação Bit: numero com valor 0 ou 1 n bits: representação

Leia mais

COMUNICAÇÕES A LONGAS DISTÂNCIAS

COMUNICAÇÕES A LONGAS DISTÂNCIAS Física 11º Ano COMUNICAÇÕES A LONGAS DISTÂNCIAS MARÍLIA PERES TRANSMISSÃO DE INFORMAÇÃO Produziu p pela p primeira vez ondas eletromagnéticas em laboratório (1887) utilizando um circuito para produzir

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LITA DE EXERCÍCIO # () Mostre que o circuito a seguir pode ser usado como

Leia mais

Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia IESAM (Belém, Pará).

Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia IESAM (Belém, Pará). Transmissão Digital em Banda Base: Modelagem do Canal Este tutorial apresenta a implementação da formatação de um pulso para transmissão digital em banda base que simule a resposta ao impulso de um canal

Leia mais

O AMPLIFICADOR LOCK-IN

O AMPLIFICADOR LOCK-IN O AMPLIFICADOR LOCK-IN AUTORES: MARCELO PORTES DE ALBUQUERQUE LEONARDO CORREIA RESENDE JORGE LUÍS GONZALEZ RAFAEL ASTUTO AROUCHE NUNES MAURÍCIO BOCHNER FEVEREIRO 2008 SUMÁRIO RESUMO... 3 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Monitor Cardíaco. Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação

Monitor Cardíaco. Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação Monitor Cardíaco Proposta de Trabalho de Conclusão de Curso Prof. Giovani Baratto Santa Maria Agosto de

Leia mais

Vetor Quantização e Aglomeramento (Clustering)

Vetor Quantização e Aglomeramento (Clustering) (Clustering) Introdução Aglomeramento de K-partes Desafios do Aglomeramento Aglomeramento Hierárquico Aglomeramento divisivo (top-down) Aglomeramento inclusivo (bottom-up) Aplicações para o reconhecimento

Leia mais

Amostragem e PCM. Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento

Amostragem e PCM. Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Amostragem e PCM Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Roteiro 1 Amostragem 2 Introdução O processo

Leia mais

Suporte Técnico de Vendas

Suporte Técnico de Vendas Suporte Técnico de Vendas Telefonia básica Hoje vivemos a sociedade da informação. A rede de telecomunicações desempenha papel fundamental na vida moderna. História das Telecomunicações Em 1876, o escocês

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Codificador G729a orientado à avaliação da qualidade perceptual do sinal de voz

Codificador G729a orientado à avaliação da qualidade perceptual do sinal de voz Codificador G729a orientado à avaliação da qualidade perceptual do sinal de voz Flávio Luis Wisnevski e Rubem Dutra Ribeiro Fagundes Resumo Esta pesquisa tem como objetivo principal desenvolver um modelo

Leia mais

Transmissão e comunicação de dados. Renato Machado

Transmissão e comunicação de dados. Renato Machado Renato Machado UFSM - Universidade Federal de Santa Maria DELC - Departamento de Eletrônica e Computação renatomachado@ieee.org renatomachado@ufsm.br 03 de Maio de 2012 Sumário 1 2 Modulação offset QPSK

Leia mais

Dicas para um Áudio Mobile. www.mvmob.com.br

Dicas para um Áudio Mobile. www.mvmob.com.br www.mvmob.com.br 1 1. Introdução Este guia foi produzido para auxiliar educandos e educadores durante as ofi cinas oferecidas pelo projeto MVMob - Minha Vida Mobile, como material de subsídio pedagógico.

Leia mais

Gerenciador de Áudio HD Realtek Manual do Usuário para o Sistema Operacional Vista

Gerenciador de Áudio HD Realtek Manual do Usuário para o Sistema Operacional Vista Gerenciador de Áudio HD Realtek Manual do Usuário para o Sistema Operacional Vista 27 de fevereiro de 2008 Copyrights da Realtek Semiconductor 2008 Índice Índice A. PARA COMEÇAR...4 B. INTRODUÇÃO...7 1.

Leia mais

Melodia e Harmonia. Marcelo Cicconet

Melodia e Harmonia. Marcelo Cicconet Melodia e Harmonia Marcelo Cicconet Melodia uma sucessão de tons composta de modo, ritmo e notas musicais arranjadas de modo a alcançar forma musical, sendo percebida como uma unidade pela mente (Virginia

Leia mais

Hit dos Bits. Série Matemática na Escola

Hit dos Bits. Série Matemática na Escola Hit dos Bits Série Matemática na Escola Objetivos 1. Apresentar o sistema de numeração binário; 2. Mostrar aplicações de sistemas de numeração diferentes do decimal; Hit dos Bits Série Matemática na Escola

Leia mais

Conteúdo. SCC5909 Fundamentos de Multimídia. Ementa do Curso. 1. Apresentação da Disciplina. Ementa do Curso. Ementa do Curso

Conteúdo. SCC5909 Fundamentos de Multimídia. Ementa do Curso. 1. Apresentação da Disciplina. Ementa do Curso. Ementa do Curso SCC5909 Fundamentos de Multimídia Aula 1 Conteúdo Apresentação da disciplina Conceitos e definições em multimídia Princípios de compressão Prof.: Dr. Rudinei Goularte (rudinei@icmc.usp.br) Instituto de

Leia mais

competente e registro no Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA).

competente e registro no Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA). EMPRESA BRASIL DE COMUNICAÇÃO (EBC) CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO EDITAL Nº 5 EBC, 26 DE JULHO DE 2011 A DIRETORA-PRESIDENTA

Leia mais

Conversão Digital Analógico e Analógico Digital. Disciplina: Eletrônica Básica Prof. Manoel Eusebio de Lima

Conversão Digital Analógico e Analógico Digital. Disciplina: Eletrônica Básica Prof. Manoel Eusebio de Lima Conversão Digital Analógico e Analógico Digital Disciplina: Eletrônica Básica Prof. Manoel Eusebio de Lima Agenda Grandezas Digitais e Analógicas Por que converter? Diagrama básico para conversão Conversores

Leia mais

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos Plano Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinais ula 04 Introdução Dados, sinais e transmissão Sinal analógico x sinal digital Sinais analógicos Grandezas básicas Domínio tempo x

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

Harmônicas. Filtros de Áudio

Harmônicas. Filtros de Áudio Som Vibrações Sonoras Uma onda é qualquer sinal que se transmite de um ponto a outro de um meio, com velocidade definida, sem que haja transporte de matéria. Podemos imaginar uma onda sonora como sendo

Leia mais

ANÁLISE DE RECONHECEDOR DE FALA DEPENDENTE DE LOCUTOR QUANDO USADO PARA LOCUTORES NÃO TREINADOS

ANÁLISE DE RECONHECEDOR DE FALA DEPENDENTE DE LOCUTOR QUANDO USADO PARA LOCUTORES NÃO TREINADOS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO SUPERIOR DE BACHARELADO EM ENGENHARIA ELÉTRICA GUILHERME ANTONIO PAVELSKI ANÁLISE DE RECONHECEDOR DE FALA DEPENDENTE DE LOCUTOR QUANDO USADO

Leia mais

Codificadores de Voz em Baixas Taxas de Transmissão

Codificadores de Voz em Baixas Taxas de Transmissão Codificadores de Voz em Baixas Taxas de Transmissão Eider L. Oliveira Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Engenharia Elétrica - UCG E-mail:eider@ucg.br Resumo Este artigo descreve

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital Sumário Aúdio digital Digitalização de som O que é o som? Digitalização Teorema de Nyquist MIDI: Musical Instrument

Leia mais

Teoria das Comunicações Prof. André Noll Barreto. Prova 3 2015/1 (02/07/2015)

Teoria das Comunicações Prof. André Noll Barreto. Prova 3 2015/1 (02/07/2015) Teoria das Comunicações Prova 3 2015/1 (02/07/2015) Aluno: Matrícula: Instruções A prova consiste de três questões discursivas A prova pode ser feita a lápis ou caneta Não é permitida consulta a notas

Leia mais

Departamento. Matéria. Disciplina. Código. Carga Horária (horas-aula) Objetivos. Ementa OP3.2014. Telecomunicações

Departamento. Matéria. Disciplina. Código. Carga Horária (horas-aula) Objetivos. Ementa OP3.2014. Telecomunicações Departamento Curso Formação Profissional Elétrica Engenharia Elétrica Disciplina Código Rádio e Telefonia OP3 Docentes João Bustamante (Professor Responsável). Matéria Telecomunicações Carga Horária (horas-aula)

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B PLANIFICAÇÕES SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B 12º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Introdução à Programação Introdução Linguagens naturais e formais Algoritmos

Leia mais

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO 1 COMUNICAÇÃO A COMUNICAÇÃO pode ser definida como a transmissão de um sinal através de um meio, de um emissor para um receptor. O sinal contém uma mensagem composta

Leia mais

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais.

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Patricia Alves Machado Telecomunicações, Instituto Federal de Santa Catarina machadopatriciaa@gmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A (1) CONVERSOR A/D APROXIMAÇÃO SUCESSIVA (SAR) A figura

Leia mais

Codificação de Canal

Codificação de Canal Laboratório de Processamento de Sinais Laboratório de Sistemas Embarcados Universidade Federal do Pará 26 de janeiro de 2012 Sumário 1 Introdução a 2 Códigos de Blocos Lineares 3 Códigos Cíclicos Introdução

Leia mais

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware Professor: Renato B. dos Santos 1 O computador é composto, basicamente, por duas partes:» Hardware» Parte física do computador» Elementos concretos» Ex.: memória, teclado,

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

Introdução à MULTIMÍDIA E REALIDADE VIRTUAL

Introdução à MULTIMÍDIA E REALIDADE VIRTUAL Introdução à MULTIMÍDIA E REALIDADE VIRTUAL Processo de Comunicação Emissor Mensagem Receptor Canal / Meio Processo de Comunicação Interpretação da Mensagem pode sofrer distorção (ruídos) Após interpretação,

Leia mais

Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br

Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br Hardware Processo Informação Codificação Armazenamento Decodificação Informação Modelo computacional

Leia mais

Visualização de um vídeo = movimento sequencial de um conjunto de imagens (fotogramas ou frames)

Visualização de um vídeo = movimento sequencial de um conjunto de imagens (fotogramas ou frames) 6.2. Compressão 6.3. Software Visualização de um vídeo = movimento sequencial de um conjunto de imagens (fotogramas ou frames) FRAME RATE = nº de frames por segundo (fps) Os valores mais utilizados pelas

Leia mais

Trabalhando com arquivos de som. Prof. César Bastos Fevereiro 2008

Trabalhando com arquivos de som. Prof. César Bastos Fevereiro 2008 Trabalhando com arquivos de som Prof. César Bastos Fevereiro 2008 Usando a mídia de som Vamos considerar os programas gratuitos como base de nossas ferramentas nesse curso, assim todos poderão usufruir

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Fabricio Breve Onde estão as redes? Caixa Eletrônico Terminais conectados a um computador central Supermercados, farmácias, etc... Vendas Caixa Estoque Etc... Por que Redes?

Leia mais

UFSM-CTISM. Teoria da Comunicação Aula-01

UFSM-CTISM. Teoria da Comunicação Aula-01 UFSM-CTISM Teoria da Comunicação Aula-01 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Objetivo Objetivos da disciplina: Ter conhecimento dos princípios básicos da telecomunicação; Conhecer os conceitos

Leia mais

Introdução à Transmissão Digital. Funções básicas de processamento de sinal num sistema de comunicações digitais.

Introdução à Transmissão Digital. Funções básicas de processamento de sinal num sistema de comunicações digitais. Introdução à Transmissão Digital Funções básicas de processamento de sinal num sistema de comunicações digitais. lntrodução à transmissão digital Diferença entre Comunicações Digitais e Analógicas Comunicações

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 550 INFORMÁTICA Planificação Anual /Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 550 INFORMÁTICA Planificação Anual /Critérios de avaliação DOMÍNIOS (Unidades) UNIDADE 1 INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO Introdução Conteúdos Objetivos Estratégias/ recursos Conceitos fundamentais Teste e controlo de erros em algoritmia Estruturas de controlo Arrays

Leia mais

Características do sinal de voz

Características do sinal de voz Características do sinal de voz Análise na freuência: a voz apresenta um conteúdo espectral ue vai de 0 Hz a 0 khz; os sons vozeados ou nasais (e.g. vogais e algumas consoantes j, l, m) apresentam um espectro

Leia mais

Multimídia. Conceitos Básicos (Parte II)

Multimídia. Conceitos Básicos (Parte II) Universidade do Estado de Minas Gerais Campus de Frutal Sistemas de Informação 7º Período Multimídia Conceitos Básicos (Parte II) Prof. Sérgio Carlos Portari Jr profsergio@frutalhost.com.br Carga Horária:

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ACORDES MUSICAIS: UMA ABORDAGEM VIA PERCEPTRON MULTICAMADAS

RECONHECIMENTO DE ACORDES MUSICAIS: UMA ABORDAGEM VIA PERCEPTRON MULTICAMADAS Mecánica Computacional Vol XXIX, págs 9169-9175 (artículo completo) Eduardo Dvorkin, Marcela Goldschmit, Mario Storti (Eds) Buenos Aires, Argentina, 15-18 Noviembre 2010 RECONHECIMENTO DE ACORDES MUSICAIS:

Leia mais

UNIDADE I Aula 6 Taxas de Transmissão Máxima em um Canal: Teorema de Nyquist e Teorema de Shannon. Fonte: Rodrigo Semente

UNIDADE I Aula 6 Taxas de Transmissão Máxima em um Canal: Teorema de Nyquist e Teorema de Shannon. Fonte: Rodrigo Semente UNIDADE I Aula 6 Taxas de Transmissão Máxima em um Canal: Teorema de Nyquist e Teorema de Shannon Fonte: Rodrigo Semente Sabemos que, quanto maior a banda passante de um meio físico, maior o número de

Leia mais

Guia Rápido. BS392 Micro System com DVD Player, Entrada USB e para Cartão de Memória

Guia Rápido. BS392 Micro System com DVD Player, Entrada USB e para Cartão de Memória Guia Rápido Consultar o Manual de Instruções para maiores informações. BS9 Micro System com DVD Player, Entrada USB e para Cartão de Memória Devido ao rápido avanço tecnólogico e ao sistema de produção

Leia mais

Padrões ITU-T H.261 e H.263

Padrões ITU-T H.261 e H.263 Padrões ITU-T H.261 e H.263 Acadêmicos: Orlando L. Pelosi Jr. Rodrigo Matheus da Costa Vinicius Mariano de Lima Professor: Prof. Adair Santa Catarina Vídeo Digital Vídeos são compostos por frames que contém

Leia mais

Aula 09. Exportação e Licenças

Aula 09. Exportação e Licenças Aula 09 Exportação e Licenças Exportação Como exportar um vídeo para celular, dispositivos móveis e internet? As propriedades para exportar um vídeo para celular e dispositivos móveis Dica Como saber qual

Leia mais

O vídeo. O vídeo. Sistemas analógicos de vídeo. O vídeo. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho

O vídeo. O vídeo. Sistemas analógicos de vídeo. O vídeo. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho O vídeo O vídeo Interfaces de vídeo Sistemas de televisão: as características do sinal de vídeo são determinadas pelos padrões de televisão principais padrões existentes: televisão em preto-e-branco televisão

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador

Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador 1 Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Curso: Sistemas de Informação Introdução 2 O Computador é uma ferramenta que

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

Mundo multicanal CINEMAEMCASA. Nem sempre é fácil olhar para SHERWOOD R-963RT PIONEER NS-DV990. INDÚSTRIA Formatos sonoros. 7.1 para todos Pág.

Mundo multicanal CINEMAEMCASA. Nem sempre é fácil olhar para SHERWOOD R-963RT PIONEER NS-DV990. INDÚSTRIA Formatos sonoros. 7.1 para todos Pág. SHERWOOD R-963RT 7.1 para todos Pág. 44 PIONEER NS-DV990 Só falta gravar Pág. 46 CINEMAEMCASA INDÚSTRIA Formatos sonoros Mundo multicanal Dois canais, cinco-ponto-um, DTS, Dolby Digital... Tem a certeza

Leia mais

Tecnologia para Integração de Serviços. Introdução

Tecnologia para Integração de Serviços. Introdução Introdução Carlos Gustavo A. da Rocha Introdução Historicamente sistemas de comunicação foram desenvolvidos para dar suporte a um tipo específico de informação, por exemplo: Sistema telefônico: Tráfego

Leia mais