PROGRAMA: FORTALECIMENTO DA CAPACIDADE TÉCNICA DA PARTICIPAÇÃO SOCIAL NOS PROCESSOS DE REGULAÇÃO. Convênio ATN/ME BR (BR-M1035)

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA: FORTALECIMENTO DA CAPACIDADE TÉCNICA DA PARTICIPAÇÃO SOCIAL NOS PROCESSOS DE REGULAÇÃO. Convênio ATN/ME-10541-BR (BR-M1035)"

Transcrição

1 PROGRAMA: FORTALECIMENTO DA CAPACIDADE TÉCNICA DA PARTICIPAÇÃO SOCIAL NOS PROCESSOS DE REGULAÇÃO Convênio ATN/ME BR (BR-M1035) Diagnóstico das necessidades e competências técnicas e institucionais das organizações civis de defesa do consumidor Resumo executivo Novembro de 2008 Renata Farias Consultora Técnica

2 SUMARIO SUMARIO... 2 Introdução... 3 O universo da pesquisa o Fórum Nacional de Entidades Civis de Defesa do Consumidor. 4 Desenvolvimento institucional interno... 4 Relevância social da missão e da estratégia de intervenção institucional... 4 Áreas de atuação... 5 Atuação nos setores regulados... 5 Grau de burocratização e parâmetros para a gestão estratégica... 6 Estrutura e recursos materiais... 7 Instâncias de definição das políticas... 7 Instrumentos e recursos de controle financeiro... 7 Sistema de Planejamento, Monitoramento e Avaliação... 7 Grau de desenvolvimento e qualidade dos mecanismos de responsabilização pública e demonstração de resultados... 8 Realização de Auditoria... 8 Recursos Humanos: regime de trabalho e qualificação técnica... 8 Fontes de apoio... 9 Proporção de receitas não vinculadas em relação às receitas vinculadas... 9 Grau de dependência em relação a recursos de origem internacional Capacidade de geração e captação de recursos em relação às necessidades Desenvolvimento institucional ampliado Capacidade para estabelecer diálogo, parcerias e trabalho conjunto com outros atores Credibilidade e visibilidade Capacidade para iniciar processo de mobilização social e impactar a agenda pública. 13 Dificuldades encontradas e necessidade de capacitação

3 Diagnóstico: COMPETÊNCIAS TÉCNICAS E INSTITUCIONAIS DAS ORGANIZAÇÕES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR INTRODUÇÃO O presente texto apresenta alguns resultados da pesquisa conduzida com as entidades integrantes do Fórum Nacional de Entidades Civis de Defesa do Consumidor entre julho e outubro de Os objetivos da pesquisa, conduzida em parceria com a Secretaria-Executiva do Fórum, eram traçar o perfil das entidades que o integram, identificando aspectos institucionais e de sua atuação temática, e diagnosticar eventuais necessidades de capacitação. Dada a quantidade de informações obtidas, apenas serão destacados os aspectos relevantes para a discussão sobre a participação nos processos de regulação, sejam pertinentes ao desenvolvimento institucional interno das organizações, seja de aspectos de sua intervenção. Os dados foram coletados através de questionário contendo questões abertas e fechadas, respondidos pelas entidades, de forma identificada. Em alguns casos, solicitou-se complemento de informação. O presente relato traz a síntese dos principais resultados obtidos e conclusões à luz de indicadores de sustentabilidade. 3

4 O UNIVERSO DA PESQUISA O FÓRUM NACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR O Fórum Nacional de Entidades Civis de Defesa do Consumidor- FNECDC- é uma instância de articulação das organizações do movimento de consumidores que congrega atualmente 20 entidades que atuam, de forma exclusiva ou não, na proteção e defesa do consumidor, em 12 estados do país. O objetivo do Fórum é fortalecer o movimento de defesa do consumidor, promovendo a ampliação da capacidade de representação das entidades; articulação das entidades para potencializar uma ação conjunta, além de propugnar pela aplicação de princípios éticos, tais a independência, a transparência democrática e a solidariedade pelas organizações que integram o Sistema Nacional de Defesa do Consumidor. Longe de reunir todas as entidades civis que clamam hoje defender os direitos do consumidor, o Fórum procura destacar-se pela adesão de suas filiadas aos princípios que defende. As entidades do Fórum encontram-se distribuídas nas cinco regiões do país. Encontramos uma concentração maior de entidades nas regiões Sul e Nordeste, cada uma com sete entidades. As demais regiões contam com apenas duas entidades cada. A grande maioria está localizada em capitais, apenas duas entidades têm sua sede em municípios do interior. A metade das entidades atua no âmbito de seus estados, enquanto que um quarto tem abrangência nacional. Um quarto das entidades iniciou suas atividades antes da promulgação do Código de Defesa do Consumidor e mais da metade antes da institucionalização do Fórum. O pequeno número de entidades criadas antes dos anos 1980 ilustra também a dificuldade de manutenção e permanência das entidades. DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL INTERNO RELEVÂNCIA SOCIAL DA MISSÃO E DA ESTRATÉGIA DE INTERVENÇÃO INSTITUCIONAL O formato jurídico idêntico - são todas sem exceção constituídas na forma de associação 1 - pouco diz sobre o perfil institucional, a identidade e papel sociopolítico das organizações integrantes do Fórum. É interessante observar, contudo, que a convergência de interesses e objetivos, a proteção e a defesa do consumidor, esconde a heterogeneidade dessas organizações. Embora possam ser genericamente classificadas como organizações de desenvolvimento e defesa de direitos, encontramos ali reunidas entidades com finalidades específicas diversas, tais como associação de profissionais, entidade de defesa do meio ambiente e entidades que atuam com outras 1 As associações, de acordo com o art. 53 do novo Código Civil regido pela Lei no , de 10 de janeiro de 2002, constituem-se pela união de pessoas que se organizam para fins não econômicos. 4

5 formas de desenvolvimento, além de um universo variado de missões, visões e objetivos estatutários. Informação e orientação são as estratégias de intervenção desenvolvidas pelo maior número de entidades para o conjunto de temas trabalhados. Essas estratégias somente são superadas pelas campanhas, que conjugam informação e mobilização, em alguns temas específicos: meio ambiente, alimentos, segurança de produtos e serviços e telecomunicações. Mobilização social, representação e formação e capacitação também são estratégias freqüentes em boa parte das instituições. Poucas entidades, por outro lado, trabalham com ações judiciais. Entretanto, três quartos das entidades que informam atuar no setor das telecomunicações desenvolvem essa estratégia. A maioria das entidades produz e distribui material de informação e / educação sobre temas relativos à defesa do consumidor. Quando não produzem, distribuem material de outras organizações ou do Ministério da Justiça. Embora a maioria seja generalista, algumas entidades têm foco de atuação específico. Nesses casos, destacam-se os temas saúde e meio ambiente e consumo sustentável. Áreas de atuação Dentre os temas ou áreas de atuação prioritária das entidades, figuram os serviços regulados, em especial telecomunicações, água, energia elétrica, saúde, alimentos e segurança alimentar, meio ambiente e consumo sustentável. Uma outra informação igualmente relevante para a caracterização das entidades é a indicação de outras áreas de atuação, além do foco na proteção e defesa do consumidor. Mais da metade das organizações indicou o meio ambiente como outra área de intervenção. Segurança alimentar e geração de emprego e renda também são temas apontados. Atuação nos setores regulados Nos setores regulados, os dados da pesquisa apontam um maior número de entidades atuantes nas questões de meio ambiente e consumo sustentável, seguido de saúde pública e alimentos. Metade das organizações também pauta sua intervenção nos temas: segurança de produtos e serviços, energia elétrica, telecomunicações e medicamentos. 5

6 Atuação nos setores regulados Nº Entidades atuantes Setores Fonte: Diagnóstico das Entidades Civis de Defesa do Consumidor. Idec: 2008 GRAU DE BUROCRATIZAÇÃO E PARÂMETROS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA A pesquisa aponta baixo grau de burocratização e fragilidade dos sistemas de controle utilizados pelas entidades e a necessidade de esforços a serem feitos para garantir a eficácia da gestão, por meio de informações úteis ao processo de tomada de decisão dos gestores. Poucas entidades demonstram capacidade e parâmetros para a gestão estratégica. Contudo, destacam-se elementos positivos, como a posse de registros legais obrigatórios e existência de estruturas e modos de governança institucionais. No que diz respeito às possíveis qualificações enquanto pessoas jurídicas, deparamo-nos com situações distintas. É pouco significativo o número de entidades que possuem os registros que franqueiam o acesso aos restritos benefícios acordados às organizações sociais. Apenas quatro são registradas junto ao Conselho Municipal de Assistência Social CMAS, dentre essas, duas também possuem o registro no Conselho Estadual de Assistência Social. Todas elas pertencentes ao Movimento de Donas de Casa. Nenhuma entidade indicou possuir registro no Conselho Nacional da Assistência Social. Todavia, uma indicou possuir o Certificado de Entidade Beneficente da Assistência Social 2. Por outro lado, número um pouco mais expressivo de organizações possui qualificações derivadas da visibilidade de suas ações e credibilidade junto à opinião pública. Seis entidades possuem Título de Utilidade Pública Municipal, e oito o Título Estadual. O Título de Utilidade Pública Federal 3 foi atribuído a duas entidades com atuação nacional. 2 Antigo Certificado de Fins Filantrópicos. 3 O título de Utilidade Pública Federal é outorgado pelo Ministério da Justiça na forma da Lei nº 91 de 28 de agosto de 1935, regulamentada pelo Decreto nº , de 2 de abril de

7 Estrutura e recursos materiais A estrutura das entidades de defesa do consumidor revela uma realidade precarizada. Muitas trabalham com menos do que o equipamento mínimo essencial. Apenas uma entidade possui sede própria. Mais da metade funciona em local emprestado, incluído espaço nas dependências de outra organização ou na residência de um dos membros. Quase um terço das entidades não dispõe de linha telefônica própria. Em geral são entidades que funcionam em locais emprestados, e têm acesso à linha da organização ou pessoa que as hospeda. O computador é o equipamento mais presente nas entidades, mas em mais da metade, há apenas uma máquina. Por outro lado, a quase totalidade das organizações tem acesso à internet banda larga. Quanto a outros equipamentos, filmadora e leitor VHS são praticamente inexistentes no patrimônio das organizações, enquanto que leitor DVD, televisor, projetor multimídia e fotocopiadora também são pouco freqüentes. Instâncias de definição das políticas Assembléia Geral e Conselho Diretor (ou Diretoria) são as instâncias mais comuns de definição das políticas e estratégias das entidades. Em todas há previsão de mecanismo de renovação desses espaços, normalmente por meio do voto. A duração do mandato varia entre dois e quatro anos, assegurando estabilidade às estruturas de governança institucional. Instrumentos e recursos de controle financeiro A contabilidade é, na metade das vezes, realizada por contador externo ou empresa que presta serviços. Em um quinto das entidades, essa tarefa recai sobre um membro, normalmente o tesoureiro. A utilização de ferramentas informatizada para controle financeiro está restrita a um terço das entidades. Dentre essas, a metade apenas utiliza programas construídos para o gerenciamento, a outra metade limita-se ao uso de planilhas informatizadas. O orçamento anual é utilizado pela metade das entidades, o que explica em parte a ausência de instrumentos de controle orçamentário em cerca de dois terços das entidades. O fato de algumas explicarem a não utilização de orçamentos por não terem receitas previsíveis pode indicar que o orçamento não é utilizado como instrumento de planejamento. Sistema de Planejamento, Monitoramento e Avaliação Quase a metade das entidades informou realizar ou já ter realizado planejamento estratégico. Entretanto, a análise das respostas aponta, por elementos como a periodicidade de realização, que o processo mencionado deve ser de espécie mais simples, assemelhando-se a um planejamento operacional. 7

8 Um número significativo de entidades - três quartos - indicou monitorar o avanço de suas ações. Os instrumentos e mecanismos mais freqüentemente citados são pesquisas, relatórios e reuniões, em boa parte dos casos pontuais, realizadas para avaliação de atividades. Nos casos em que se observa a utilização de mecanismos mais sofisticados de monitoramento sistemático trata-se de entidades que recebem apoios e desenvolvem projetos. O mesmo ocorre em relação à avaliação de resultados e impactos. A maioria indica avaliar de maneira sistemática, contudo, em boa parte dos casos trata-se de processos isolados de avaliações de atividades realizadas. Relatos isolados indicam a utilização das avaliações na revisão de estratégias de objetivos e envolvimento de parceiros e público das ações nesses processos. Algumas entidades também relatam a utilização da repercussão na mídia como instrumento de avaliação. Grau de desenvolvimento e qualidade dos mecanismos de responsabilização pública e demonstração de resultados Três quartos das entidades produzem relatórios financeiros e/ou de atividades regularmente, com periodicidade variando do mensal ao anual. Na quase totalidade dos casos, esses relatórios destinam-se à prestação de contas junto aos associados. Eles são apresentados durante as Assembléia-Geral da instituição e, não raro, enviados aos membros e eventuais parceiros. A metade dos que produzem relatórios faz também divulgação dos dados para a população em geral, seja através da publicação na própria página da entidade, ou em boletim informativo, seja através de envio à imprensa. Realização de Auditoria Apenas um quarto das entidades informou realizar auditoria, seja interna ou externa. Destaque-se que as entidades que realizam auditoria interna são aquelas que recebem financiamentos de órgãos públicos e de agências de cooperação internacional. Dentre as utilizações de relatórios de auditorias informadas, podemos citar o aprendizado para melhoria das práticas gerencias e contábeis e, prestação de contas e divulgação para a sociedade civil. O conjunto das informações nos leva a inferir que há um início de adoção de práticas de transparência, accountability (responsabilidade pública) e de demonstração de resultado das organizações. RECURSOS HUMANOS: REGIME DE TRABALHO E QUALIFICAÇÃO TÉCNICA A força de trabalho dessas instituições concentra-se no trabalho voluntário, militante e precarizado. As entidades do FNECDC empregam oitenta trabalhadores assalariados e menos de 40 prestadores de serviço. 97,5% dos assalariados estão concentrados em apenas quatro entidades. A absoluta maioria não possui sequer um trabalhador assalariado ou prestador de serviços. 8

9 Apesar de a grande maioria das entidades ser movida pelo trabalho voluntário, apenas um quinto indica ter um plano de voluntariado e assinar contrato de adesão ao serviço voluntário. Os dados fornecidos revelam que uma parte dos colaboradores declarados como voluntários é membro da entidade, sejam membros de conselho diretor ou fiscal, ou associados. No restante dos casos, a regra geral é o voluntariado informal. É interessante destacar que mais da metade das organizações conta com operadores do direito, membros da associação ou da equipe executiva (remunerados ou não). Quase a metade também conta com administradores, enquanto que os profissionais de comunicação estão presentes em mais de um terço. Por outro lado, apenas três instituições contam com pessoal especializado em elaboração de projetos. FONTES DE APOIO É necessário lançar um olhar atento sobre a situação de precariedade das entidades de defesa do consumidor e considerar as parcas e frágeis formas de financiamento da sua atuação. Ao observarmos as entidades do FNECDC, deparamo-nos com o modelo de dependência dos associados e pouca diversificação de fontes de recursos. Proporção de receitas não vinculadas em relação às receitas vinculadas 45% 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% Origem das fontes de Recursos 2007 Venda produtos Entidades religiosas Empresas As fontes de recursos para a manutenção das entidades provêm, na sua maioria, de contribuições de associados, doações da comunidade ou de redes de apoiadores. Essas fontes próprias concentram 70% das receitas das organizações. Para algumas entidades, a contribuição dos associados representa a única fonte de receita. Fonte: Diagnóstico das Entidades Civis de Defesa do Consumidor. Idec:

10 Grau de dependência em relação a recursos de origem internacional Mais raramente, as entidades contam com recursos de transferências voluntárias 4 de órgãos ou de fundos públicos nacionais ou de doações de agências de cooperação internacional. Estima-se que as organizações são tanto mais sustentáveis quanto maior for a proporção de recursos acessados no próprio país. Percebe-se, no entanto, que a tendência de aumento da dependência das organizações brasileiras em relação a fontes nacionais públicas de recursos por enquanto ainda não se refletiu no cotidiano das organizações de defesa do consumidor, malgrado a previsão legal de fomento à criação e apoio ao desenvolvimento de entidades de defesa do consumidor e criação de fundos específicos de proteção e defesa do consumidor. Constata-se que, na prática, a previsão legal não se concretiza e que as organizações encontram-se excluídas do acesso aos fundos pelas exigências nas áreas de gestão administrativa e financeira e prestação de contas pouco compatíveis com suas estruturas e volume de recursos mobilizados. A adesão à carta de princípios éticos do Fórum veda o recebimento de financiamento por parte de empresas. Em conformidade com esses princípios, nenhuma entidade indicou receber recursos de empresas. É fundamental observar como as entidades aplicam os recursos. O item que mais pesa nos seus orçamentos é constituído pelas despesas operacionais ou de custeio. A aplicação de quase um terço dos recursos na estrutura, nesse caso, apenas demonstra o quão distante as receitas estão da sua real necessidade, pois, regra geral, as estruturas são mínimas. 8% 6% 8% 27% Distribuição das despesas por grupo (2007) 6% 22% 23% Projetos e ações (excluído pessoal) Pessoal e encargos Despesas operacionais Im postos e taxas Despesas financeiras Despesas de capital Outros Fonte: Diagnóstico das Entidades Civis de Defesa do Consumidor. Idec: 2008 Em segundo lugar, aparecem as despesas com pessoal (salário +benefícios + 4 Não há informação sobre transferências derivadas de lei orçamentária, como subvenções, contribuições e auxílios, com previsão de cobertura de despesas com manutenção, custeio e capital. As transferências voluntárias observam o disposto na Instrução Normativa nº1 da Secretaria do Tesouro Nacional, que veda a utilização dos recursos para despesas de capital, pagamento de pessoal já contratado e despesas de custeio que não sejam exclusivas da ação apoiada (vedado o apoio institucional). 10

11 encargos), em grande parte devido ao peso desse grupo de despesas no orçamento das entidades mais profissionalizadas (54% em média). Logo em seguida vêm as despesas exclusivas com as ações e projetos desenvolvidos pelas entidades, apontando um razoável equilíbrio orçamentário entre as atividades meio e fim. Despesas 2007 por grupos % do orçamento executado Pessoal e encargos Despesas operacionais Impostos e taxas Despesas financeiras Despesas de capital ABCCON/MS ACOPA/PR ACV/RO ADECON/PE ADOCON-Tubarão/SC IDEC/SP ADUSEPS/PE MDC/MG FEDC/RS VIDA Brasil /CE ÍCONES/PA Outros Fonte: Diagnóstico das Entidades Civis de Defesa do Consumidor. Idec:2008 Capacidade de geração e captação de recursos em relação às necessidades Por fim, talvez o ponto mais importante a destacar seja a distância entre a capacidade demonstrada para captação de recursos hoje em relação às necessidades das instituições. A busca da sustentação financeira permanece um desafio cotidiano das entidades de defesa do consumidor. DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL AMPLIADO Outros aspectos nos levam a avaliar de maneira positiva o nível de desenvolvimento institucional ampliado das entidades, em particular a credibilidade e grau de conhecimento das organizações por outros atores, a capacidade para estabelecer dialogo, parcerias e trabalho em conjunto com outras instituições. 11

12 Capacidade para estabelecer diálogo, parcerias e trabalho conjunto com outros atores As entidades têm como característica a participação em redes e articulação, sejam elas institucionalizadas ou não, quer em temas específicos pertinentes à defesa do consumidor quer em questões mais amplas, como o movimento de direitos humanos. Também é relevante sua participação em Conselhos, Comitês e Fóruns, em particular em Conselhos de Direitos ou de Políticas Pública, decorrentes de previsão constitucional ou legal para participação social na gestão pública e na formulação das políticas, como os Conselhos de Saúde, da Criança e do Adolescente, de Segurança Alimentar e Nutricional, de Assistência Social, do Meio Ambiente e da Mulher. Convém destacar a participação das entidades nos Conselhos Estaduais ou Municipais de Defesa do Consumidor (gestores dos fundos de defesa dos direitos difusos e ou do consumidor - onde estes foram criados) e nos Fóruns de Defesa do Consumidor. Outros espaços de participação das entidades são os conselhos de usuários instituídos no âmbito das concessionárias de telefonia, fixa e móvel, e de energia elétrica. De forma bem restrita, algumas entidades também participam em conselhos e câmaras setoriais ligadas a entes reguladores. Um quinto das entidades informa não se articular com o Procon local. Trata-se, em geral de entidades que desenvolvem sua intervenção em torno de temas mais específicos, como meio ambiente e consumo sustentável e segurança alimentar. As mesmas entidades tampouco se relacionam com o Ministério Público do Consumidor em seus estados. Quase todas as entidades articulam-se com outros atores da defesa do consumidor em sua área geográfica de atuação. Além do Procon e do Ministério Público, são citadas as Defensorias Públicas e Delegacias do Consumidor, os Institutos de Pesos e Medidas e as Comissões de Defesa do Consumidor da OAB, das Câmaras Municipais e Assembléias Legislativas. Em muitos casos, o espaço de articulação é um Fórum local ou estadual de defesa do consumidor. Para o desenvolvimento de suas atividades, em especial campanhas, eventos, estudos, testes e pesquisas, as entidades articulam-se com universidades e institutos de pesquisa, sindicato e órgãos públicos (em especial secretarias de governo), movimentos sociais e com outras organizações da sociedade civil, além dos demais atores das defesa do consumidor. Ressaltamos que na maioria dos casos as parcerias são eventuais e informais. 12

13 Credibilidade e visibilidade Embora não seja possível afirmar a existência de plano de comunicação construído nas entidades, e a presença de profissionais de comunicação ainda não seja tão difundida (duas entidades informaram contar com assessoria de imprensa), a intensidade e o tipo de relacionamento estabelecido com a mídia evidencia que a comunicação é vista como estratégia para alcance de resultados na maioria das organizações. A presença sistemática das organizações na mídia, em especial a mídia local, denota não somente a postura pró-ativa, evidenciada pela prática de envio de artigos e releases aos meios de comunicação, mas é uma resposta que legitima a posição de credibilidade. Verifica-se que as entidades são constantemente solicitadas a conceder entrevistas e manifestar-se nos meios de comunicação. Chama a atenção o fato de um quinto das entidades, em virtude de sua visibilidade, credibilidade e capacidade para mobilizar a sociedade em torno de temas de relevância, ter conseguido espaços fixos na mídia, na forma de programas de rádio, de televisão ou coluna em mídia escrita. Capacidade para iniciar processo de mobilização social e impactar a agenda pública As entidades do Fórum demonstram capacidade e potencial para efetivamente deflagrar ou influenciar processos de mobilização social em temas relevantes para o consumidor. Ressalva-se que a diversidade das entidades que compõem o movimento de consumidores e ausência de especialização técnica específica, dificultando o domínio de aspectos técnicos pertinentes aos serviços regulados, são fatores que contribuem para o quadro de fraca incidência das organizações civis em alguns setores da regulação. Quanto aos espaços e mecanismos de participação social institucionalizados nos processos regulatórios, apenas uma entidade informou não participar de audiências e consultas públicas referentes aos setores regulados. Os temas que concentram a participação das entidades são energia elétrica (revisão tarifária), telecomunicações (ponto extra de tv a cabo e postos de atendimento) e alimentos (inclusive alimentos orgânicos e transgênicos). Não é possível, contudo, medir a capacidade real das entidades em pautar e impactar a agenda pública e as políticas públicas nos setores regulados. É relevante destacar que, pelos dados fornecidos, pode-se inferir que muitas audiências das quais as entidades participam não são realizadas pelos entes reguladores, mas por órgãos do poder legislativo municipal ou estadual. 13

14 DIFICULDADES ENCONTRADAS E NECESSIDADE DE CAPACITAÇÃO As entidades são unânimes em apontar a falta de recursos, humanos, materiais e financeiros, como a maior dificuldade que enfrentam no desenvolvimento de suas ações. É interessante observar que aspectos externos que poderiam ter sido destacados por sua efetiva importância ou por se configurarem como barreiras à atuação não foram valorizados nas respostas das entidades. A predominância de fatores de ordem mais interna reflete dificuldades mais prementes por elas enfrentadas, por vezes esquecendo que essa vulnerabilidade das organizações decorre, pelo menos em parte, do modelo de financiamento existente, e da restrição de acesso a recursos públicos e não somente de sua fragilidade administrativa. A complexidade dos temas e as dificuldades relacionadas a barreiras políticas ou impostas pelos setores não são valorizados em suas análises. Apenas uma entidade apontou entraves de ordem política à sua atuação. Foram identificadas necessidades de capacitação institucional para a qualificação dos mecanismos de gestão, dos instrumentos de prestação de contas e demonstração de resultados e captação de recursos. As entidades também apontam a necessidade de capacitação em temas técnicos, em especial naqueles que tratam de novas tecnologias. 14

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR I - OBJETIVO GERAL Realização de Módulos do programa de capacitação

Leia mais

Título: atualização e aperfeiçoamento do website do Fórum Nacional de entidades Civis de Defesa do Consumidor

Título: atualização e aperfeiçoamento do website do Fórum Nacional de entidades Civis de Defesa do Consumidor 1. IDENTIFICAÇÃO DO TERMO DE REFERÊNCIA Nº termo de referência: TdR nº 19/2010 Plano de aquisições: 370 4.4.3.c.f. Título: atualização e aperfeiçoamento do website do Fórum Nacional de entidades Civis

Leia mais

ENSINO SUPERIOR: PRIORIDADES, METAS, ESTRATÉGIAS E AÇÕES

ENSINO SUPERIOR: PRIORIDADES, METAS, ESTRATÉGIAS E AÇÕES ENSINO SUPERIOR: PRIORIDADES, METAS, ESTRATÉGIAS E AÇÕES Introdução Paulo Speller 1 Nos anos recentes, diversos países vem debatendo a possibilidade de promoverem alterações em seus sistemas de educação

Leia mais

Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015]

Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015] Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015] Introdução As Organizações da Aliança Global Wycliffe desejam expressar a unidade e a diversidade do Corpo

Leia mais

PRODUTOS DO COMPONENTE 3. 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado

PRODUTOS DO COMPONENTE 3. 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado PRODUTOS DO COMPONENTE 3 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado A estruturação do atual modelo de gestão, caracterizou-se pela necessidade de alinhar permanentemente os órgãos

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA

REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA Art 1º - O Conselho de Desenvolvimento do Território CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC é composto por entidades

Leia mais

PROJETO DE AMPLIAÇÃO E ESTRUTURAÇÃO DA ANEPS NÚCLEO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

PROJETO DE AMPLIAÇÃO E ESTRUTURAÇÃO DA ANEPS NÚCLEO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROJETO DE AMPLIAÇÃO E ESTRUTURAÇÃO DA ANEPS NÚCLEO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Sede provisória: CEDAPS Centro de Promoção da Saúde Rua do Ouvidor, 86 5 andar Centro Cep: 20040-030 Rio de Janeiro RJ Tel/fax:

Leia mais

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade Introdução Há cerca de 20 anos, a Secretaria de Saúde de um grande município começou a desenvolver e implantar iniciativas relacionadas à Alimentação

Leia mais

Planejamento estratégico 2016-2019

Planejamento estratégico 2016-2019 Planejamento estratégico 2016-2019 Fortalecer as instituições e a qualidade dos serviços públicos para fortalecer a democracia e a competitividade. www.agendapublica.org.br 2 GOVERNANÇA PARA UM FUTURO

Leia mais

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO INDÍGENA 9.1.1 Objetivos gerais A Constituição Federal assegura às comunidades indígenas o direito de uma educação escolar diferenciada e a utilização

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 14/2016 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PARTICIPAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE NEGRA CAPÍTULO I

PROJETO DE LEI Nº 14/2016 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PARTICIPAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE NEGRA CAPÍTULO I PROJETO DE LEI Nº 14/2016 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PARTICIPAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE NEGRA RUI VALDIR OTTO BRIZOLARA, Prefeito Municipal de Morro Redondo, Estado do Rio

Leia mais

ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS

ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS O ACOMPANHAMENTO E APOIO NO ÂMBITO DO SUAS LINHA DO TEMPO Acompanhamento e Apoio Técnico no SUAS 2005 2007 2008 NOB-SUAS Prevê a habilitação

Leia mais

Categorias Temas Significados Propostos

Categorias Temas Significados Propostos 91 5. Conclusão O objetivo do presente trabalho foi descrever a essência do significado da experiência consultiva para profissionais de TI que prestam de serviços de consultoria na área de TI. Para atingir

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS AGRÁRIOS E DESENVOLVIMENTO RURAL PCT FAO UTF/BRA/083/BRA

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS AGRÁRIOS E DESENVOLVIMENTO RURAL PCT FAO UTF/BRA/083/BRA TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS TR Nº MODALIDADE PROCESSO SELETIVO CONS NEAD 024/2013 Consultoria por produto FUNDAMENTO LEGAL Decreto nº 5.151/2004; Portaria MRE Nº 717/2006 e Portaria MDA

Leia mais

O Uso da Inteligência Competitiva e Seus Sete Subprocessos nas Empresas Familiares

O Uso da Inteligência Competitiva e Seus Sete Subprocessos nas Empresas Familiares O Uso da Inteligência Competitiva e Seus Sete Subprocessos nas Empresas Familiares O uso da Inteligência Competitiva como processo para monitorar tecnologias, legislação, ambiente regulatório, concorrência,

Leia mais

Incentivar a comunidade escolar a construir o Projeto político Pedagógico das escolas em todos os níveis e modalidades de ensino, adequando o

Incentivar a comunidade escolar a construir o Projeto político Pedagógico das escolas em todos os níveis e modalidades de ensino, adequando o SELO DE EDUCAÇÃO PARA IGUALDADE RACIAL ANEXO 1: METAS NORTEADORAS DO PLANO NACIONAL DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E PARA O ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA

Leia mais

ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CASA CIVIL E DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS RELATÓRIO

ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CASA CIVIL E DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS RELATÓRIO 1 Procedência: Secretaria de Estado de Casa Civil e de Relações Institucionais Interessado: Secretaria de Estado de Casa Civil e de Relações Institucionais Número : 15.116 Data : 22 de setembro de 2011

Leia mais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS. Secretaria Nacional de Assistencia Social. DADOS

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL)

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) TÍTULO 1 Da Instituição e seus Fins Art. 1 0 O Centro de Estudos em Educação e Linguagem (CEEL), criado em 2004, para integrar uma

Leia mais

O PAPEL DOS MUNICÍPIOS DO RIO GRANDE DO SUL NA AMPLIAÇÃO DO ATENDIMENTO EM CRECHE ÀS CRIANÇAS DE 0 A 3 ANOS

O PAPEL DOS MUNICÍPIOS DO RIO GRANDE DO SUL NA AMPLIAÇÃO DO ATENDIMENTO EM CRECHE ÀS CRIANÇAS DE 0 A 3 ANOS O PAPEL DOS MUNICÍPIOS DO RIO GRANDE DO SUL NA AMPLIAÇÃO DO ATENDIMENTO EM CRECHE ÀS CRIANÇAS DE 0 A 3 ANOS Débora Brondani da Rocha Bacharel em Direito e Auditora Pública Externa do TCERS Hilário Royer-

Leia mais

EDITAL CHAMADA DE CASOS PARA PARTICIPAÇÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS INICIATIVAS INOVADORAS PARA SUSTENTABILIDADE EM DISTRIBUIÇÃO E LOGÍSTICA

EDITAL CHAMADA DE CASOS PARA PARTICIPAÇÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS INICIATIVAS INOVADORAS PARA SUSTENTABILIDADE EM DISTRIBUIÇÃO E LOGÍSTICA EDITAL CHAMADA DE CASOS PARA PARTICIPAÇÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS INICIATIVAS INOVADORAS PARA SUSTENTABILIDADE EM DISTRIBUIÇÃO E LOGÍSTICA O Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio

Leia mais

1. O Contexto do SBTVD

1. O Contexto do SBTVD CT 020/06 Rio de Janeiro, 27 de janeiro de 2006 Excelentíssimo Senhor Ministro Hélio Costa MD Ministro de Estado das Comunicações Referência: Considerações sobre o Sistema Brasileiro de Televisão Digital

Leia mais

Como se viu, a base dessa estruturação foram os Eixos Referenciais, que passaremos a descrever:

Como se viu, a base dessa estruturação foram os Eixos Referenciais, que passaremos a descrever: Conforme se pode inferir da publicação Planejamento Estratégico do Sistema Profissional 2009-2014: O Sistema Profissional é composto por organizações - com identidade e características próprias que devem

Leia mais

PESQUISA ASSOCIATIVISMO E REPRESENTAÇÃO POPULAR:

PESQUISA ASSOCIATIVISMO E REPRESENTAÇÃO POPULAR: PESQUISA ASSOCIATIVISMO E REPRESENTAÇÃO POPULAR: Comparações entre a América Latina e a Índia Uma pesquisa internacional desenvolvido pelos institutos de pesquisa IDS CENTRO BRASILEIRO DE ANÁLISE E PLANEJAMENTO-CEBRAP

Leia mais

Aspectos a serem considerados para se reduzir os entraves ao desenvolvimento da educação a distância no Brasil

Aspectos a serem considerados para se reduzir os entraves ao desenvolvimento da educação a distância no Brasil Aspectos a serem considerados para se reduzir os entraves ao desenvolvimento da educação a distância no Brasil Considerações preliminares O presente estudo é fruto de uma análise feita pela equipe do Instituto

Leia mais

Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS FINALIDADES

Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS FINALIDADES Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS FINALIDADES ARTIGO 1º As atividades socioeducativas desenvolvidas pela Associação Projeto Cuidado- APJ,reger-se-ão pelas normas baixadas nesse Regimento e pelas

Leia mais

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Por Zilda Knoploch, presidente da Enfoque Pesquisa de Marketing Este material foi elaborado pela Enfoque Pesquisa de Marketing, empresa

Leia mais

O QUE É ATIVO INTANGÍVEL?

O QUE É ATIVO INTANGÍVEL? O QUE É ATIVO INTANGÍVEL?! Quais as características do Ativo Intangível?! O problema da mensuração dos Ativos Intangíveis.! O problema da duração dos Ativos Intangíveis. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

ESTATUTO DA BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE BRASIL CAPITULO I. Da Apresentação

ESTATUTO DA BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE BRASIL CAPITULO I. Da Apresentação ESTATUTO DA BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE BRASIL CAPITULO I Da Apresentação Art. 1º O presente Estatuto orienta a organização, as competências e o funcionamento do da Biblioteca Virtual em Saúde Brasil (BVS

Leia mais

FACULDADE DO NORTE NOVO DE APUCARANA FACNOPAR PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2007-2011

FACULDADE DO NORTE NOVO DE APUCARANA FACNOPAR PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2007-2011 FACULDADE DO NORTE NOVO DE APUCARANA FACNOPAR PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2007-2011 Apucarana, dezembro de 2006 FACULDADE DO NORTE NOVO DE APUCARANA FACNOPAR PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

Leia mais

Política de Publicação de Conteúdo do Site da CCEE

Política de Publicação de Conteúdo do Site da CCEE Política de Publicação de Conteúdo do Site da CCEE ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. Padronização de textos e definições 1.1 O que é Notícia 1.2 O que é Artigo 1.3 O que é Comunicado 1.4 O que é Arquivo 1.5 O que é

Leia mais

Orçamento Público: Visão Geral

Orçamento Público: Visão Geral Orçamento Público: Visão Geral Versão para impressão ANEXO: SISTEMA INTEGRADO DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - SIOP Atualizado em: fevereiro/2013 Copyright ENAP 2013 Todos os direitos reservados SUMÁRIO ANEXO:

Leia mais

Município de Oliveira do Hospital PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS

Município de Oliveira do Hospital PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS O Município de Oliveira do Hospital entende como de interesse municipal as iniciativas empresariais que contribuem para o desenvolvimento e dinamização

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO VELHO

PREFEITURA DE PORTO VELHO LEI Nº. 1628, DE 27 DE OUTUBRO DE 2005. Institui a Política Municipal de fomento à Economia Popular e Solidária na Cidade de Porto Velho e estabelece outras disposições. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PORTO

Leia mais

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011.

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. 1 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Economia Solidária e o Fundo Municipal de Fomento à Economia Solidária e dá outras providências. O Prefeito Municipal

Leia mais

Análise jurídica para a ratificação da Convenção 102 da OIT

Análise jurídica para a ratificação da Convenção 102 da OIT Análise jurídica para a ratificação da Convenção 102 da OIT A análise do quadro jurídico para a ratificação da Convenção 102 da OIT por Cabo Verde, inscreve-se no quadro geral da cooperação técnica prestada

Leia mais

DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL

DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL I) Apresentação Este documento descreve as diretrizes e parâmetros de avaliação de mestrado profissional em Administração,

Leia mais

SEMINÁRIO INTERMINISTERIAL SOBRE A NOVA LEI DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Campo Grande-MS

SEMINÁRIO INTERMINISTERIAL SOBRE A NOVA LEI DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Campo Grande-MS SEMINÁRIO INTERMINISTERIAL SOBRE A NOVA LEI DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Campo Grande-MS Mudanças na Certificação das Entidades Beneficentes de Assistência Social e

Leia mais

ACT DEVELOPMENT. Ficha de Inscrição para Participante ou Observador

ACT DEVELOPMENT. Ficha de Inscrição para Participante ou Observador ACT DEVELOPMENT Ficha de Inscrição para Participante ou Observador Introdução a ACT Development ACT Development é uma aliança global de igrejas que são membros do Conselho Mundial de Igrejas e as organizações

Leia mais

O Sr. ÁTILA LIRA (PSB-OI) pronuncia o seguinte. discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores. Deputados, estamos no período em que se comemoram os

O Sr. ÁTILA LIRA (PSB-OI) pronuncia o seguinte. discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores. Deputados, estamos no período em que se comemoram os O Sr. ÁTILA LIRA (PSB-OI) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, estamos no período em que se comemoram os vinte anos de promulgação da Constituição Cidadã de

Leia mais

ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS Mônica Abranches 1 No Brasil, no final da década de 70, a reflexão e o debate sobre a Assistência Social reaparecem e surge

Leia mais

Curso: Diagnóstico Comunitário Participativo.

Curso: Diagnóstico Comunitário Participativo. Curso: Diagnóstico Comunitário Participativo. Material referente ao texto do Módulo 3: Ações Básicas de Mobilização. O conhecimento da realidade é a base fundamental ao desenvolvimento social, que visa

Leia mais

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento.

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento. PROGRAMA DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS FUNDEP REGULAMENTO PARA CADASTRAMENTO DE PROJETOS UFMG A Fundep//Gerência de Articulação de Parcerias convida a comunidade acadêmica da UFMG a cadastrar propostas de acordo

Leia mais

3º Seminário Internacional de Renda Fixa Andima e Cetip Novos Caminhos Pós-Crise da Regulação e Autorregulação São Paulo 19 de março de 2009

3º Seminário Internacional de Renda Fixa Andima e Cetip Novos Caminhos Pós-Crise da Regulação e Autorregulação São Paulo 19 de março de 2009 3º Seminário Internacional de Renda Fixa Andima e Cetip Novos Caminhos Pós-Crise da Regulação e Autorregulação São Paulo 19 de março de 2009 Alexandre A. Tombini Diretor de Normas e Organização do Sistema

Leia mais

OPERACIONALIZAÇÃO FISCAL DAS DOAÇÕES HENRIQUE RICARDO BATISTA

OPERACIONALIZAÇÃO FISCAL DAS DOAÇÕES HENRIQUE RICARDO BATISTA OPERACIONALIZAÇÃO FISCAL DAS DOAÇÕES HENRIQUE RICARDO BATISTA Programa de Voluntariado da Classe Contábil Com o objetivo de incentivar o Contabilista a promover trabalhos sociais e, dessa forma, auxiliar

Leia mais

Lista de verificação de aspectos de relevância para o gerenciamento de contratos de gestão na Administração Pública

Lista de verificação de aspectos de relevância para o gerenciamento de contratos de gestão na Administração Pública MINISTERIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO Lista de verificação de aspectos de relevância para o gerenciamento de contratos de gestão na Administração Pública Banco de Dados/Roteiro

Leia mais

PESQUISA EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Orçamento Pessoal e Conhecimentos Financeiros

PESQUISA EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Orçamento Pessoal e Conhecimentos Financeiros PESQUISA EDUCAÇÃO FINANCEIRA Orçamento Pessoal e Conhecimentos Financeiros Janeiro 2015 1. INTRODUÇÃO Quatro em cada dez consumidores consideram-se desorganizados financeiramente, mas sete em cada dez

Leia mais

Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais

Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais Informe nº 4 Informações sobre a renda familiar do Cadastro Único O que é o Programa de Fomento? O Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SEÇÃO IV. MEIOS DE IMPLEMENTAÇÃO CAPÍTULO 33

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SEÇÃO IV. MEIOS DE IMPLEMENTAÇÃO CAPÍTULO 33 CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SEÇÃO IV. MEIOS DE IMPLEMENTAÇÃO CAPÍTULO 33 RECURSOS E MECANISMOS DE FINANCIAMENTO INTRODUÇÃO 33.1. A Assembléia Geral, em sua resolução

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 Redação do vencido, para o turno suplementar, do Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara nº 90, de 2013 (nº 757, de 2011, na Casa de origem). A Comissão

Leia mais

SISTEMA CFC: UMA ABORDAGEM BASEADA NA GOVERNANÇA CORPORATIVA 1

SISTEMA CFC: UMA ABORDAGEM BASEADA NA GOVERNANÇA CORPORATIVA 1 SISTEMA CFC: UMA ABORDAGEM BASEADA NA GOVERNANÇA CORPORATIVA 1 Bruna Faccin Camargo 2, Jaciara Treter 3, Daniel Knebel Baggio 4. 1 Artigo de Conclusão do Curso em Ciências Contábeis 2 Aluna do Curso de

Leia mais

Licitações de Agências de Publicidade Lei nº 12.232/2010

Licitações de Agências de Publicidade Lei nº 12.232/2010 Licitações de Agências de Publicidade Lei nº 12.232/2010 * Rodrigo Corrêa da Costa Oliveira 1. INTRODUÇÃO A contratação de Agências de Propaganda pela Administração Pública sempre se pautou pela Lei Geral

Leia mais

NOTA INFORMATIVA Nº 20/2014 de 07 de novembro de 2014. Assunto: processo de pactuação de vagas 2015-1. Prezados Coordenadores,

NOTA INFORMATIVA Nº 20/2014 de 07 de novembro de 2014. Assunto: processo de pactuação de vagas 2015-1. Prezados Coordenadores, NOTA INFORMATIVA Nº 20/2014 de 07 de novembro de 2014 Assunto: processo de pactuação de vagas 2015-1. Prezados Coordenadores, Nos dias 3 e 4 deste mês participamos de reunião com a coordenação nacional

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE AUDITORIA APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO 3 II OBJETO

Leia mais

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO CORPORATIVO COM GRANDES CLIENTES

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO CORPORATIVO COM GRANDES CLIENTES POLÍTICA DE RELACIONAMENTO CORPORATIVO COM GRANDES CLIENTES CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA SESI, SENAI E IEL GERÊNCIA EXECUTIVA DE RELAÇÕES COM O MERCADO BRASÍLIA,

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. de administração de carteiras de valores mobiliários

MERCADO DE CAPITAIS. de administração de carteiras de valores mobiliários MERCADO DE CAPITAIS 01/04/2015 CVM edita a Instrução nº 558/15, que regula a atividade de administração de carteiras de valores mobiliários A Comissão de Valores Mobiliários ( CVM ) divulgou, em 26 de

Leia mais

Fórum Estadual de Educação PR Plano Nacional de Educação PNE 2011/2020

Fórum Estadual de Educação PR Plano Nacional de Educação PNE 2011/2020 Fórum Estadual de Educação PR Plano Nacional de Educação PNE 2011/2020 Sessão de Debate Regional Sudoeste, 01/07/2011 UTFPR Campus Pato Branco Região: Sudoeste Cidade: Pato Branco Data do debate: 01-07-2011

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Versão 2015.2 Editada em julho de 2015 SUMÁRIO 1. Objetivo da Política...3 2. Abrangência...3 3. Princípios...3 4. Das Diretrizes Estratégicas...4 5. Da Estrutura

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 78/2012. Acordo de Empréstimo LN 7513 BR COMPONENTE SAÚDE CONSULTORIA PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 78/2012. Acordo de Empréstimo LN 7513 BR COMPONENTE SAÚDE CONSULTORIA PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 78/0 Acordo de Empréstimo LN 753 BR COMPONENTE SAÚDE CONSULTORIA PESSOA FÍSICA OBJETIVO: Prestação de Serviços Técnicos especializados de Consultoria para Assessoria Jurídica de

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Atualização do Regimento de 2012 Porto Alegre, março de 2015 Faculdade de Tecnologia de Porto Alegre Av. Julio de Castilhos,

Leia mais

Câmara Municipal de São Paulo Gabinete Vereador Floriano Pesaro

Câmara Municipal de São Paulo Gabinete Vereador Floriano Pesaro SUBSTITUTIVO Nº, APRESENTADO EM PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 0141/2009 Institui o Programa de Incentivo a Rede de Comércio Solidário da Cidade de São Paulo, e dá outras providências. A D E C R E T A:

Leia mais

Conselho Nacional de Assistência Social CNAS

Conselho Nacional de Assistência Social CNAS As Conferências Municipais da Assistência Social de 2007 avaliarão as metas aprovadas nas Conferências de 2005, identificando os avanços, as dificuldades e os desafios a serem enfrentados nos próximos

Leia mais

Tema: evasão escolar no ensino superior brasileiro

Tema: evasão escolar no ensino superior brasileiro Entrevista com a professora Maria Beatriz de Carvalho Melo Lobo Vice- presidente do Instituto Lobo para o Desenvolvimento da Educação, Ciência e Tecnologia e Sócia- diretora da Lobo & Associados Consultoria.

Leia mais

Seguindo essas diretrizes, o doutrinador José Eduardo Sabo Paes conclui que o Terceiro Setor representa o

Seguindo essas diretrizes, o doutrinador José Eduardo Sabo Paes conclui que o Terceiro Setor representa o O Terceiro Setor Terceiro setor é a tradução de Third Sector, um vocábulo muito utilizado nos Estados Unidos da América para definir as diversas organizações sem vínculos diretos com o Primeiro Setor (Público,

Leia mais

02 a 05 de junho de 2009 Expo Center Norte - SP

02 a 05 de junho de 2009 Expo Center Norte - SP 02 a 05 de junho de 2009 Expo Center Norte - SP Eventos Oficiais: 0 A Saúde Rompendo Paradigmas para o Crescimento Sustentável Profissionalização na Gestão da Saúde Suplementar Governança Corporativa no

Leia mais

ORGANIZAÇÃO SINDICAL BRASILEIRA

ORGANIZAÇÃO SINDICAL BRASILEIRA Aula - Direito do Trabalho II Prof.ª Carolina ORGANIZAÇÃO SINDICAL BRASILEIRA ESTRUTURA SINDICAL Permanência inicial Moldes corporativistas não inteiramente revogados pela CF/88. Existência de uma pirâmide

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Introdução Independentemente do nível de experiência da proponente na elaboração de projetos, o Instituto Cooperforte empresta apoio, orientação e subsídios às Instituições

Leia mais

Secretaria Nacional da Juventude da Força Sindical BRASIL BRASIL MERCADO DE TRABALHO DESEMPREGO POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O PRIMEIRO EMPREGO

Secretaria Nacional da Juventude da Força Sindical BRASIL BRASIL MERCADO DE TRABALHO DESEMPREGO POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O PRIMEIRO EMPREGO Secretaria Nacional da Juventude da Força Sindical BRASIL População Jovem no Brasil 17% Não Jovens Jovens 83% 180 Milhões de Habitantes 30,8 Milhões de Jovens (17,1%) Fonte: IBGE 2004 BRASIL Distribuição

Leia mais

Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4.

Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4. Manual do Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4. Ser Voluntário da Liga... 3 5. Reflexões prévias...

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB.

ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB. ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB.ORG/EVALUATION ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL

Leia mais

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum 1. O direito constitucional à educação é concretizado, primeiramente, com uma trajetória regular do estudante, isto é, acesso das crianças e jovens a

Leia mais

Novas Formas de Aprender e Empreender

Novas Formas de Aprender e Empreender Novas Formas de Aprender e Empreender DÚVIDAS FREQUENTES 1. Sobre o Prêmio Instituto Claro, Novas Formas de Aprender e Empreender 1.1. O que é o Prêmio? O Prêmio Instituto Claro Novas Formas de Aprender

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família ENAP, 1 de abril de 2005 Criação do Bolsa Família Medida Provisória nº 132 de 20 de

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE INDÚSTRIAS

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE INDÚSTRIAS LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE INDÚSTRIAS 5 dicas essenciais sobre o licenciamento ambiental de indústrias Copyright Ecovalor Consultoria e Assessoria em Sustentabilidade Ltda, 2014. Todos os direitos reservados.

Leia mais

EIXO V 348. Gestão Democrática, Participação Popular e Controle Social 349. A articulação e mobilização da sociedade civil e de setores do Estado

EIXO V 348. Gestão Democrática, Participação Popular e Controle Social 349. A articulação e mobilização da sociedade civil e de setores do Estado EIXO V 348. Gestão Democrática, Participação Popular e Controle Social 349. A articulação e mobilização da sociedade civil e de setores do Estado assumiram grande importância, especialmente a partir do

Leia mais

Plano de Carreira e Desenvolvimento

Plano de Carreira e Desenvolvimento Plano de Carreira e Desenvolvimento CNPEM ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONCEITOS... 4 3. MANUAL DE AVALIAÇÃO DOS CARGOS... 5 3.1. As Carreiras... 5 3.2. As carreiras e seus estágios... 6 3.3. Fatores utilizados

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA 1 MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de um consultor especializado no desenvolvimento de programas voltados à promoção da saúde e da qualidade de vida

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES CEPED/RS CAPACITAÇÃO

Leia mais

4 Proposta de método de avaliação de desempenho em programas

4 Proposta de método de avaliação de desempenho em programas 4 Proposta de método de avaliação de desempenho em programas O método de avaliação foi proposto especialmente para esta pesquisa, mas poderá ser utilizado em outros casos relacionados à avaliação de desempenho

Leia mais

O que é Programa Rio: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher? Quais suas estratégias e ações? Quantas instituições participam da iniciativa?

O que é Programa Rio: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher? Quais suas estratégias e ações? Quantas instituições participam da iniciativa? Destaque: Somos, nós mulheres, tradicionalmente responsáveis pelas ações de reprodução da vida no espaço doméstico e a partir da última metade do século passado estamos cada vez mais inseridas diretamente

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA. Desde a criação do primeiro Programa de NA PÓS-GRADUAÇÃO

FORMAÇÃO PLENA. Desde a criação do primeiro Programa de NA PÓS-GRADUAÇÃO FORMAÇÃO PLENA NA PÓS-GRADUAÇÃO Desde a criação do primeiro Programa de Pós- Sricto Sensu, em Fitotecnia, em 1975, a UFLA ocupou-se de pautar as suas ações em fundamentos morais sólidos e em valores que

Leia mais

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY Instrumental e modular, o Ferramentas de Gestão é uma oportunidade de aperfeiçoamento para quem busca conteúdo de qualidade ao gerenciar ações sociais de empresas

Leia mais

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE GEOGRAFIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE GEOGRAFIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE GEOGRAFIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 03 de Abril de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: GEOGRAFIA PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RESOLUÇÃO N o 1010/05

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RESOLUÇÃO N o 1010/05 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RESOLUÇÃO N o 1010/05 As perguntas abaixo foram compiladas após a série de treinamentos sobre a Resolução nº 1.010, de 2005, ministrados pelo Confea aos Creas durante o primeiro

Leia mais

www.grancursosonline.com.br

www.grancursosonline.com.br ARGUMENTAÇÃO PARA RECURSO PROFESSOR MARCELO ARAGÃO PROVA DE AUDITORIA AFT 2013 COMENTADA PROF. MARCELO ARAGÃO Prezados (as) alunos (s), Após examinar a prova de auditoria do concurso de Auditor Fiscal

Leia mais

Planejamento e financiamento para a qualificação das ações de alimentação e nutrição na Atenção Básica à Saúde

Planejamento e financiamento para a qualificação das ações de alimentação e nutrição na Atenção Básica à Saúde Planejamento e financiamento para a qualificação das ações de alimentação e nutrição na Atenção Básica à Saúde Introdução O Município Y tem uma população de aproximadamente 3 milhões de habitantes. A Secretaria

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

Art. 1º Fica modificada a redação da Seção V do Título IV da Lei Complementar nº 49, de 1º de outubro de 1998, que passa ter a seguinte redação:

Art. 1º Fica modificada a redação da Seção V do Título IV da Lei Complementar nº 49, de 1º de outubro de 1998, que passa ter a seguinte redação: Art. 1º Fica modificada a redação da Seção V do Título IV da Lei Complementar nº 49, de 1º de outubro de 1998, que passa ter a seguinte redação: Art. 32 O Conselho Estadual de Educação é órgão colegiado

Leia mais

CHAMADA DE INSCRIÇÕES E PREMIAÇÃO DE RELATOS: EXPERIÊNCIA DO TRABALHADOR NO COMBATE AO AEDES

CHAMADA DE INSCRIÇÕES E PREMIAÇÃO DE RELATOS: EXPERIÊNCIA DO TRABALHADOR NO COMBATE AO AEDES CHAMADA DE INSCRIÇÕES E PREMIAÇÃO DE RELATOS: EXPERIÊNCIA DO TRABALHADOR NO COMBATE AO AEDES CONTEXTUALIZAÇÃO O Ministério da Saúde e diversos parceiros têm apresentado esforços para envolver toda a população

Leia mais

A importância do diagnóstico municipal e do planejamento para a atuação dos Conselhos dos Direitos do Idoso. Fabio Ribas Recife, março de 2012

A importância do diagnóstico municipal e do planejamento para a atuação dos Conselhos dos Direitos do Idoso. Fabio Ribas Recife, março de 2012 A importância do diagnóstico municipal e do planejamento para a atuação dos Conselhos dos Direitos do Idoso Fabio Ribas Recife, março de 2012 Uma pauta para nosso diálogo: 1)Desafios para o fortalecimento

Leia mais

Infra-estrutura para inovação e desenvolvimento

Infra-estrutura para inovação e desenvolvimento Infra-estrutura para inovação e desenvolvimento Painel: Telecomunicações, acessibilidade, TICs e inovação As telecomunicações constituem um setor de infra-estrutura de importante impacto no crescimento

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental 1.0 PROPÓSITO A Política de Responsabilidade Socioambiental ( PRSA ) do Banco CNH Industrial Capital S.A. tem, como finalidade, estabelecer princípios e diretrizes que norteiem as ações da Instituição

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico

Leia mais

Três exemplos de sistematização de experiências

Três exemplos de sistematização de experiências Três exemplos de sistematização de experiências Neste anexo, apresentamos alguns exemplos de propostas de sistematização. Estes exemplos não são reais; foram criados com propósitos puramente didáticos.

Leia mais

Associação Beneficente Salvare ANEXO I FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS

Associação Beneficente Salvare ANEXO I FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Associação Beneficente Salvare ANEXO I FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS DADOS DA ORGANIZAÇÃO PROPONENTE Razão Social CNPJ Endereço Completo Inscrição Telefone Email Representante Legal

Leia mais

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ?

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ? Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO 1- Como aderir à proposta AMQ? A adesão é realizada através do preenchimento e envio do Formulário de Cadastramento Municipal no site do projeto. O gestor municipal da saúde

Leia mais

1 O Problema 1.1 Introdução

1 O Problema 1.1 Introdução 1 O Problema 1.1 Introdução As teorias de adoção e de difusão de novos produtos em tecnologia sustentam que, no lançamento, os produtos ainda são acessíveis a apenas poucos consumidores que estão dispostos

Leia mais

Perguntas e Respostas

Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Versão de 04/05/2016 Este documento foi construído com a compilação dos principais e mais recorrentes questionamentos das Unimeds referente ao Selo Unimed de Governança e Sustentabilidade

Leia mais

FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2014 REFERENTE A 2013

FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2014 REFERENTE A 2013 FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2014 REFERENTE A 2013 ELABORADO DE ACORDO COM O MODELO DO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - COMISSÃO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CONAES/INSTITUTO NACIONAL

Leia mais