ISSO É COISA DE MENINO/A.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ISSO É COISA DE MENINO/A."

Transcrição

1

2 ISSO É COISA DE MENINO/A. Ou, como se constroem desigualdades de gênero e de sexualidade. As desigualdades podem começar e serem naturalizadas com os estereótipos expressos nos jargões Isso é coisa de menino e Isso é coisa de menina. Refletindo na perspectiva dos Estudos Culturais, os binarismos são disjunções que expressam oposição e hierarquia. Assim, disjunções como masculino feminino, homem mulher, heterossexual homossexual, branco preto, adulto criança expressam uma relação de MAIOR menor, de SUPERIOR inferior. Gênero e sexualidade são conceitos construídos em processos histórico-sociais. A construção dos sentidos e dos significados de masculinidade e feminilidade decorre da compreensão e das práticas de mundo vivido. Inicialmente, é preciso esclarecer os conceitos de gênero e sexualidade considerados neste estudo. Conforme Scott (1995), gênero é uma categoria de análise histórica que engloba símbolos culturais (representações), conceitos normativos (interpretações dos símbolos), noção de política (instituições e organizações sociais) e identidade subjetiva (relações objetivas). Para De Lauretis (1994), gênero é um produto de tecnologias sociais, discursos, epistemologias e práticas, constituindose de representações e processos de construção-desconstrução. Carloto (2001) conceitua gênero como [...] instrumento teórico que permite uma abordagem empírica e analítica das relações sociais. (p. 201). Ou seja, a noção de gênero funciona como categoria descritiva da realidade social e, ao mesmo tempo, como categoria analítica, como um outro olhar sobre os fenômenos sociais. Com base na visão psicanalítica freudiana da sexualidade humana, Bearzoti (1994) conclui: Sexualidade é a energia vital instintiva direcionada para o prazer, passível de variações quantitativas e qualitativas, vinculada à homeostase, à afetividade, às relações sociais, às fases do desenvolvimento da libido infantil, ao erotismo, à genitalidade, à relação sexual, à procriação e à sublimação (p. 117). Portanto, sexualidade extrapola a noção de ato ou relação sexual, situando-se na dimensão de psicossexualidade, isto é, entendida como energia vital. Ao mesmo tempo, constitui-se em um fenômeno social e histórico. Daí a necessidade de interpretar o corpo num contexto cultural e de relações de poder, pois a construção da sexualidade aproxima-se das especificidades contidas nas relações de gênero, carregadas de tensões e contradições. Sintetizando, gênero e sexualidade devem ser compreendidos como construções e relações histórico-sociais, pois apresentam variações de um contexto para outro, de uma cultura para outra. Ninguém nasce pronto como homem ou mulher. Cada ser humano constrói-se ao longo de toda a vida no seio da cultura. Para Louro (2008), Gênero e sexualidade são construídos através de inúmeras aprendizagens e práticas, empreendidas por um conjunto inesgotável de instâncias sociais e culturais, de modo explícito ou dissimulado, num processo sempre inacabado. (p. 17). É por meio da cultura que se pode compreender as diferenças e/ou semelhanças entre os sexos, as desigualdades sociais, as relações de dominação e de poder, bem como as formas de padronização de comportamentos. Para Foucault (2014), os corpos não são uma dádiva da natureza, são construídos em contextos histórico-sociais. A sexualidade, entendida como uma forma de poder, integra os mecanismos de dominação dos sujeitos e dos grupos pelas relações de saber-poder. A construção dos gêneros e das sexualidades, em cada cultura, ocorre por meio de aprendizagens e práticas desenvolvidas nas e pelas instituições sócio-culturais, como a família, a escola, o Estado e a igreja. Normas de conduta são impostas, explícita ou dissimuladamente, pelas sociedades de todos os lugares e tempos. Formas de regulação, de vigilância e de controle dos sujeitos pelas instâncias de poder caracterizam essas sociedades. Conceitos normativos legitimam as diferenças de gênero e de sexualidade em todas as instâncias e dimensões, produzindo desigualdades. No mundo ocidental, em especial, produziu-se a desigualdade de gênero com base na supremacia do homem, caracterizado como branco, heterossexual, culto, com alto status social, cristão e europeu. A regulação, o controle dos indivíduos por parte das instituições sociais, tem servido mais à padronização e à sua naturalização do que ao simples regramento da vida social. Pedagogias culturais, no entendimento de Louro (2008), reproduzem conceitos, crenças, certezas, forjando sujeitos segundo modelos hegemônicos e naturalizando desigualdades. Essa naturalização das desigualdades fundamenta-se nas crenças, estrutura-se no imaginário social a partir de construções hegemônicas e materializa-se nas relações, nas atitudes e no poder. Historicamente, as sociedades, em diferentes mundos culturais, produzem a subjetivação dos estereótipos de gênero por meio de processos sociais, culturais e linguísticos. Tais estereótipos decorrem de crenças estruturadas sobre supostos atributos naturais de homens e mulheres, condicionando condutas, forjando comportamentos e estilos, interiorizando valores e papéis marcados, perpetuando desigualdades e estigmatizando diferenças e/ou diversidades. Para Louro (2008), a norma é onipresente, sendo capaz de naturalizar, padronizar. Assim, a diferença tende a ser normalizada, naturalizada e ensinada, pois é tomada a partir de uma identidade referência, uma posição considerada normal. [...] a diferença não é natural, mas sim naturalizada. A diferença é produzida através de processos discursivos e culturais. A diferença é ensinada. (LOURO, 2008, p. 22). Na mesma perspectiva posiciona-se a pesquisadora Quaresma da Silva (2014), enfatizando que através dos discursos pedagógicos meninos e meninas aprendem sobre como devem agir e se comportar. Esse enquadramento [...] confirma que as masculinidades e as feminilidades são construídas e produzidas nas relações de poder de uma sociedade e estão marcadas pelas particularidades do contexto histórico cultural onde elas emergem. (QUARESMA DA SILVA, 2014, p. 46). Os estereótipos de gênero podem ser identificados sob as mais diferentes representações. É o caso, por exemplo, das cores. O azul representa infinitude (céu e mar) e identifica o masculino. A cor rosa representa fragilidade, delicadeza, identificando o feminino. Na instância escolar, a chamada pedagogia do privilégio rotula os meninos como independentes, seguros, travessos, criativos e naturais, preparando-os para a vida pública (o trabalho e a sociedade). Já as meninas são consideradas dependentes, inseguras, responsáveis, tranquilas, detalhistas e sensíveis, sendo preparadas para a vida privada (a casa). Portanto, naturalizam-se os jargões do tipo Isso é coisa de menino e Isso é coisa de menina. Gênero não pode ser pensado como uma construção social de papéis masculinos e femininos. Papéis são padrões definidos por uma sociedade, que podem produzir desigualdades de gênero e sexualidade. Gênero deve ser pensado como constituinte da identidade dos sujeitos (LOURO, 2014). A sociedade atual, especialmente a ocidental, passa por transformações significativas, desconstruindo verdades até então naturalizadas quanto às relações de gênero e sexualidade. Louro (2013) traz: Novas identidades culturais obrigam a reconhecer que a cultura, longe de ser hegemônica e monolítica, é, de fato, complexa, múltipla, desarmoniosa, descontínua. (p. 44). Considerações reflexivas Meninos e meninas são diferentes porque são construções histórico-sociais. Na sociedade, em sentido amplo, a família e a escola, por meio de múltiplos mecanismos, separam, ordenam, classificam e hierarquizam os sujeitos. Isso é coisa de menino. Isso é coisa de menina. Para Connel (1995), Se o gênero é um produto histórico, então ele está aberto à mudança histórica. (p. 189). Portanto, mudar é possível. É preciso desestabilizar e desconstruir a naturalidade, a unidade e a estabilidade do centro. É preciso desconstruir as verdades da lógica hegemônica. As reflexões apontam para as seguintes considerações (ainda reflexivas): a) é essencial pensar mecanismos (sociais, curriculares e pedagógicos) de desconstrução da oposição binária; b) é preciso, e possível, romper a lógica dicotômica, que naturaliza desigualdades; c) é preciso problematizar as oposições binárias; d) é preciso adotar um pensamento plural que questione as representações sociais e o pensamento hegemônico; e) é preciso adotar novos paradigmas e mudanças epistemológicas em relação às identidades de gênero e sexualidade; f) a pedagogia e o currículo precisam tratar a identidade e a diferença como questões políticas; g) os currículos escolares devem incluir as contribuições de culturas diferentes (subordinadas); h) a educação sexual precisa discutir como as marcas identitárias produzem binarismos; i) a educação sexual deve desestabilizar as verdades únicas e os modelos hegemônicos de normalidade sexual; j) a educação sexual precisa problematizar o modo como a sexualidade é significada e como interfere na existência das pessoas. Referências BEARZOTI, Paulo. Sexualidade: um conceito psicanalítico freudiano. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, São Paulo, v. 52, n. 1, p , mar Disponível em: Acesso em: 28 nov. de CARLOTO, Cássia Maria. O conceito de gênero e sua importância para a análise das relações sociais. Serviço Social em Revista, Londrina, v. 3, n. 2, p , jan./jun CONNEL, Robert. Políticas da masculinidade. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 2, n. 20, p , jul./dez DE LAURETIS, Teresa. A tecnologia do gênero. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 1: a vontade de saber. 1. ed. São Paulo: Paz e Terra, LOURO, Guacira Lopes. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pro-Posições, Campinas, v. 19, n. 2 (56), p , maio/ago Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 16. ed. Petrópolis: Vozes, LOURO, Guacira Lopes. Currículo, gênero e sexualidade: o normal, o diferente e o excêntrico. In: LOURO, Guacira Lopes; FELIPE, Jane; GOELLNER, Silvana Vilodre. (Orgs.). 9. ed. Petrópolis: Vozes, QUARESMA DA SILVA, Denise Regina. Gênero, psicologia e educação: notas sobre subjetivação/construção da sexualidade normal/anormal. In: CALVETTI, Prisla Ücker; QUARESMA DA SILVA, Denise Regina (Orgs.). Psicologia, educação e saúde: temas contemporâneos. Canoas: Ed. Unilasalle, SCOTT, Joan Wallace. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p , jul./dez EDIÇÃO: ANO 25 - Nº 65 - DEZEMBRO/2014 DISTRIBUIÇÃO GRATUITA Diretor Operacional: Paulo Henrique Pinto de Jesus - Diretor Editorial: João Alberto Steffen Munsberg Diretor de Comercialização: Ademir Balestro - Redator-chefe: Maria Helena Corso Reg Editoração Gráfi ca: Alessandro Graff ENGENHO Editora, Publicidade e Propaganda Ltda. - Rua Brasil, 839 CEP: Centro São Leopoldo RS. Fones: (51) * *

3 A prova de Língua Portuguesa costuma seguir sempre o mesmo padrão estrutural: são apresentados três textos, que mesclam questões de interpretação, preenchimento de lacunas, ortografia, léxico (troca vocabular) e gramática. São frequentes questões que exijam do aluno a substituição de expressões presentes nos textos por outras, perguntando se há ou não alteração de significado. É de praxe, também, exigir do candidato que faça a transcrição de trechos do texto para outro discurso (do discurso direto para o indireto, ou o contrário). É, ainda, comum perguntarem quantas palavras seriam alteradas, se o sujeito de uma frase passasse do singular para o plural, ou processo inverso. Veja exemplos: UFRGS 2014 Instrução: As questões de 01 a 11 estão relacionadas ao texto abaixo. 1. O que havia de tão revolucionário na 2. Revolução Francesa? Soberania popular, 3. liberdade civil, igualdade perante a lei as 4. palavras hoje são ditas com tanta facilidade 5. que somos incapazes de imaginar seu caráter 6. explosivo em Para os franceses do 7. Antigo Regime, os homens eram desiguais, e a 8. desigualdade era uma boa coisa, adequada à 9. ordem hierárquica que fora posta na natureza 10. pela própria obra de Deus. A liberdade 11. significava privilégio isto é, literalmente, lei 12. privada, uma prerrogativa especial para fazer 13. algo negado a outras pessoas. O rei, como 14. fonte de toda a lei, distribuía privilégios, pois 15. havia sido ungido como o agente de Deus na 16. terra. 17. Durante todo o século XVIII, os filósofos 18. do Iluminismo questionaram esses 19. pressupostos, e os panfletistas profissionais 20. conseguiram empanar a aura sagrada da coroa. 21. Contudo, a desmontagem do quadro mental 22. do Antigo Regime demandou violência 23. iconoclasta, destruidora do mundo, 24. revolucionária. 25. Seria ótimo se pudéssemos associar a 26. Revolução exclusivamente à Declaração dos 27. Direitos do Homem e do Cidadão, mas ela 28. nasceu na violência e imprimiu seus princípios 29. em um mundo violento. Os conquistadores da 30. Bastilha não se limitaram a destruir um 31. símbolo do despotismo real. Entre eles, foram mortos ou feridos no assalto à prisão e, 33. quando os sobreviventes apanharam o 34. diretor, cortaram sua cabeça e desfilaram-na 35. por Paris na ponta de uma lança. 36. Como podemos captar esses momentos de 37. loucura, quando tudo parecia possível e o 38. mundo se afigurava como uma tábula rasa, 39. apagada por uma onda de comoção popular e 40. pronta para ser redesenhada? Parece incrível 41. que um povo inteiro fosse capaz de se 42. levantar e transformar as condições da vida 43. cotidiana. Duzentos anos de experiências com 44. admiráveis mundos novos tornaram-nos 45. céticos quanto ao planejamento social. 46. Retrospectivamente, a Revolução pode 47. parecer um prelúdio ao totalitarismo. 48. Pode ser. Mas um excesso de visão 49. histórica retrospectiva pode distorcer o 50. panorama de Os revolucionários 51. franceses não eram nossos contemporâneos. 52. E eram um conjunto de pessoas não 53. excepcionais em circunstâncias excepcionais. 54. Quando as coisas se desintegraram, eles 55. reagiram a uma necessidade imperiosa de 56. dar-lhes sentido, ordenando a sociedade 57. segundo novos princípios. Esses princípios 58. ainda permanecem como uma denúncia da 59. tirania e da injustiça. Afinal, em que estava 60. empenhada a Revolução Francesa? Liberdade, 61. igualdade, fraternidade. Questão 07. Assinale a alternativa que apresenta sinônimos para as palavras especial (l. 12), empanar (l. 20) e céticos (l. 45), no contexto em que ocorrem. (A) notável anular descrentes (B) maravilhosa embaçar desfavoráveis (C) exclusiva obscurecer descrentes (D) exclusiva anular incrédulos (E) notável obscurecer desfavoráveis Analisando-se a questão que exigia conhecimento vocabular, percebe-se que, ao se compreender o sentido de exclusividade da expressão especial, fica-se apenas com duas possibilidades: C e D. O sentido de empanar não pode ser anular, considerando-se que algo que foi empanado não desapareceu, apenas está encoberto, obscuro. Ainda na letra C, descrentes é sinônimo de céticos. Logo, o gabarito é a letra C. UFRGS 2014 Instrução: As questões de 20 a 25 estão relacionadas ao texto abaixo. 1. Entre as situações linguísticas que o 2. português já viveu em seu contato com outras 3. línguas, cabe considerar uma situação que se 4. realiza em nossos dias: aquela em que ele é 5. uma língua de emigrantes. Para o leitor 6. brasileiro, soará talvez estranho que falemos 7. aqui do português como uma língua de 8. EMIGRANTES, pois o Brasil foi antes de mais 9. nada um país para o qual se dirigiam em 10. massa, durante mais de dois séculos, pessoas 11. nascidas em vários países europeus e 12. asiáticos; assim, para a maioria dos 13. brasileiros, a representação mais natural é a 14. da convivência no Brasil com IMIGRANTES 15. vindos de outros países. Sabemos, entretanto, 16. que, nos últimos cem anos, muitos falantes 17. do português foram buscar melhores 18. condições de vida, partindo não só de 19. Portugal para o Brasil, mas também desses 20. dois países para a América do Norte e para 21. vários países da Europa: em certo momento, 22. na década de 1970, viviam na região 23. parisiense mais de um milhão de portugueses 24. uma população superior à que tinha então a 25. cidade de Lisboa. Do Brasil, têm... nas 26. últimas décadas muitos jovens e 27. trabalhadores, dirigindo-se aos quatro cantos 28. do mundo. 29. A existência de comunidades de imigrantes 30. é sempre uma situação delicada para os 31. próprios imigrantes e para o país que os 32. recebeu: normalmente, os imigrantes vão a 33. países que têm interesse em usar sua força 34. de trabalho, mas qualquer oscilação na 35. economia faz com que os nativos... sua 36. presença como indesejável; as diferenças na 37. cultura e na fala podem alimentar 38. preconceitos e desencadear problemas reais 39. de diferentes ordens. 40. Em geral, proteger a cultura e a língua do 41. imigrante não é um objetivo prioritário dos 42. países hospedeiros, mas no caso do 43. português tem havido.... Em certo 44. momento, o português foi uma das línguas 45. estrangeiras mais estudadas na França; e, em 46. algumas cidades do Canadá e dos Estados 47. Unidos, um mínimo de vida associativa tem 48. garantido a sobrevivência de jornais editados 49. em português, mantidos pelas próprias 50. comunidades de origem portuguesa e 51. brasileira. Adaptado de: ILARI, Rodolfo; BASSO, Renato. O português como língua de emigrantes. In:. O português da gente: a língua que estudamos a língua que falamos. São Paulo: Contexto, p Questão 20. Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas das linhas 25, 35 e 43, nesta ordem. (A) imigrado incarem exceções (B) emigrado incarem exceções (C) emigrado encarem exceções (D) imigrado encarem excessões (E) emigrado encarem exceções Nesta questão, que exigia conhecimento ortográfico, inicialmente trabalhou-se a diferença entre imigrar e emigrar (Imigrar quer dizer entrar em um país estranho, a fim de morar nele. Ao contrário de emigrar que significa sair de um país e ir morar em outro.). Como o texto trata da saída do Brasil para outros países, o correto é empregar a expressão emigrar. As outras expressões são corretamente escritas nas formas: encarem e exceções, portanto, letra C. Fique de olho: Conjunções; Pronomes; Artigos; Tempos verbais; Voz passiva; Pontuação; Regência. Passada a prova do Enem, partimos agora ao encontro de novos desafios: os vestibulares de verão. Cada universidade apresenta características específicas que norteiam a elaboração da prova de Redação, regra seguida pela UFRGS. Para entendermos um pouco mais sobre como é corrigido o texto e o que será exigido nessa instituição, segue um modelo de Redação nota 10, do ano de O tema exigia que o aluno explorasse incivilidades e infrações cometidas cotidianamente e abordasse a forma como elas afetam a sociedade. Um mundo de cegos Já afirmava Claude Levi-Strauss que o mundo começou sem o homem e poderá acabar sem ele. Nessa perspectiva, a sociedade atual demonstra um paradoxo, visto que, apesar de a tecnologia corroborar a capacidade técnica e intelectual do homem, continuamos cometendo infrações e incivilidades diariamente. Lamentavelmente, muitas pessoas praticam incivilidades no cotidiano, as quais atestam o caráter egocêntrico do homem: ocupar assentos especiais em transportes coletivos, poluir o meio ambiente e não coletar as fezes de nosso animal de estimação são algumas das atitudes inconsequentes que manifestamos no dia a dia, as quais contribuem para uma realidade hostil e desagradável. Nesse sentido, a construção de uma sociedade sadia consiste em ter discernimento de que o espaço de nosso próximo começa onde termina o nosso espaço. Assim, quando prejudicamos o nosso entorno, estamos impedindo que a cooperação minimize as mazelas latentes da sociedade moderna. As infrações que cometemos também prejudicam muito a construção de uma sociedade sadia: a sonegação de impostos é uma atitude tão condenável quanto o ato do político se valer das finanças públicas; a compra de produtos piratas engendra um tráfico que se conecta a tantos outros, como o tráfico de drogas e de armas, os quais aliciam desassistidos e vitimam inocentes; a ultrapassagem do sinal vermelho é uma infração grave, uma vez que recrudesce o trânsito violento que verificamos atualmente. Além disso, é imprescindível que mudemos o nosso mundo particular, porque tal mudança se reflete no mundo coletivo, do qual todos nós fazemos parte. Caso contrário, só confirmaremos o que Manuel Bandeira escreveu a existência humana é uma aventura, de tal modo inconsequente. O escritor português José Saramago, em seu livro Ensaio sobre a Cegueira, descreve uma sociedade que, paulatinamente, se torna cega. Metáforas à parte, é exatamente isso o que acontece com nossa sociedade, já que ignoramos que, não só infrações, mas também incivilidades prejudicam a construção de uma sociedade sadia, pois abdicamos de atitudes abnegadas para sermos completamente egoístas, cegos. Portanto, o mundo só atenuará suas mazelas quando percebermos que tudo depende de esforços coletivos, ou, como Saramago registrou, se podes olhar, vê; se podes ver, repara. (Fonte: caderno Vestibular de Zero Hora) Autora do texto: Clarissa Both Pinto Alguns comentários: Assim como em outros vestibulares que nos cercam, a UFRGS também exige que seja seguida a ordem estrutural de um texto dissertativo: Introdução apresenta-se, com clareza e objetividade, o tema que será abordado (...apesar de a tecnologia corroborar a capacidade técnica e intelectual do homem, continuamos cometendo infrações e incivilidades diariamente.); Desenvolvimento exploram-se argumentos consistentes e bem embasados, que sejam capazes de defender a tese apresentada pelo autor do texto. Faz-se importante a presença de exemplos que comprovem as ideias defendidas (...As infrações que cometemos também prejudicam muito a construção de uma sociedade sadia: a sonegação de impostos é uma atitude tão condenável quanto o ato do político se valer das finanças públicas; a compra de produtos piratas engendra um tráfico que se conecta a tantos outros, como o tráfico de drogas e de armas, os quais aliciam desassistidos e vitimam inocentes; a ultrapassagem do sinal vermelho é uma infração grave, uma vez que recrudesce o trânsito violento que verificamos atualmente.) Conclusão ratifica-se o tema abordado, bem como deve ser feito o fechamento do texto, reafirmando a tese anteriormente comprovada (...já que ignoramos que, não só infrações, mas também incivilidades prejudicam a construção de uma sociedade sadia, pois abdicamos de atitudes abnegadas para sermos completamente egoístas, cegos.); Observe que a linguagem utilizada apresenta um equilíbrio entre leveza, clareza e rebuscamento: o uso da 1ª pessoa do plural (continuamos, cometemos...) torna o texto mais leve e inclui o autor nas ideias abordadas; a utilização de conjunções e pronomes, todos corretamente empregados (além disso, já que, nesse sentido...), torna os enunciados coesos, por isso claros e coerentes; a seleção lexical bem elaborada tornou a escrita rebuscada, sem prejuízo à clareza (paradoxo, corroborar, realidade hostil, engendra...). Além do mais, tem-se nessa produção textual um exemplo de correta abordagem de tema, respeitando todos os limites da proposta. O desenvolvimento carrega argumentos suficientemente exemplificados, tornando comprobatória a defesa da tese. Para que o texto se tornasse mais atrativo, foram empregadas, corretamente, citações que realmente contribuíam com a argumentação pretendida.

4 I - QUINHENTISMO: SÉCULO XVI Grandes navegações; Pré-Capitalismo Comercial; Reforma Protestante; Contrarreforma Católica. 2 CARACTERÍSTICAS: A) LITERATURA DE VIAGEM (IN- FORMATIVA) Expansão comercial = Descritivismo. B) LITERATURA DE CATEQUESES (JESUÍTICA) Expansão religiosa: Autos de conversão. 3 AUTORES: A) LITERATURA DE VIAGEM Pero Vaz de Caminha Carta a El-Rei D. Manuel: Descrição da paisagem humana e natural; metalismo. Hans Staden Duas viagens ao Brasil: Etnocentrização sobre os costumes indígenas; prisioneiro dos tupinambás. Jean de Lery Viagem a terra do Brasil: Relativização dos costumes indígenas; conviveu harmoniosamente com os tupinambás. B) LITERATURA DE CATEQUESE Padre José de Anchieta Autos de conversão: Plasticidade estética; simplicidade formal; maniqueísmo e cromatismo. II - BARROCO: SÉCULO XVII Contrarreforma Católica; Ciclo do Ouro na Bahia. 2 CARACTERÍSTICAS: Bifrontismo histórico; dualidade humana; fugacidades da vida; formas tortuosas; emoção X razão. 3 AUTORES: A) LITERATURA CULTISTA: Linguagem exagerada. Gregório de Matos Poesia religiosa: Pecado Pecador Penitência Poesia lírica: Mulher branca = anjo e flor X Mulher negra = Misoginia e inversão de poder. Poesia política: Linguagem licenciosa, vocabulário abrasileirado e tipificações sociais. B) LITERATURA CONCEPTISTA: Linguagem enxuta. Padre Antônio Vieira Forma: Alegorias por meio de passagens bíblicas, método dialético de exposição de ideias. Conteúdo: Defesa da moral católica; defesa de tratamento mais humano aos escravos negros; contra a escravidão indígena; absorção dos novos cristãos; nacionalismo português. III - ARCADISMO: SÉCULO XVIII Iluminismo; Revolução Francesa; Inconfidência Mineira. 2 CARACTERÍSTICAS: Mímesis; Locus amoenus; Fugere urbem; Carpe diem; Aurea mediocritas; Inutilia truncat. 3 AUTORES: A) POESIA AMOROSA Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio e Nise) Obras poéticas: Transição entre barroco (conteúdo) e Arcadismo (forma). Tomás Antônio Gonzaga (Dirceu e Marília) Marília de Dirceu: Parte I = Galanteio; Parte II = Confessional; Parte III = Autoria questionada. Silva Alvarenga (Alcindo Palmireno e Glaura) Glaura: Forma = Rondós e madrigais. Conteúdo = Amor galante. B) POESIA SATÍRICA (POLÍTICA) Tomás Antônio Gonzaga Cartas chilenas: C) POESIA ÉPICA Basílio da Gama (Termindo Sipílio) O Uraguai: Banimento dos jesuítas pelas tropas lusoespanholas. Frei Santa Rita Durão Caramuru: Intervenção civilizatória e religiosa. IV - ROMANTISMO: SÉCULO XIX Era Napoleônica; Vinda da Família Real; Independência do Brasil; Segundo Reinado. 2 CARACTERÍSTICAS: Individualidade; subjetivismo; culto à natureza; evasão constante; liberdade formal. 3 ROMANTISMO NO BRASIL: Indianismo; sertanismo; natureza brasileira (cor local); construção da identidade da nação. 4 AUTORES (POESIA): A) PRIMEIRA GERAÇÃO (NACIO- NALISTA) Poetas: Gonçalves de Magalhães e Gonçalves Dias. Temas: Índio, natureza, saudades de pátria, religiosidade, amor impossível. B) SEGUNDA GERAÇÃO (ULTRAR- ROMÂNICA, EGÓICA, MAL DO SÉCULO) Autores: Álvares de Azevedo; Casimiro de Abreu; Fagundes Varela e Junqueira Freire. Temas: Tédio existencial, orgia, morte, infância, medo do amor, sofrimento. C) TERCEIRA GERAÇÃO (CONDO- REIRA) Autor: Castro Alves. Temas: Abolicionismo e amor erótico. D) CASO À PARTE: Autor: Sousândrade. Forma: Poeta experimental; Conteúdo: Filosofia existencial. 5 AUTORES (PROSA): Joaquim Manuel de Macedo A moreninha. José de Alencar Lucíola; O guarani. Bernardo de Guimarães A escrava Isaura; O seminarista. Visconde Taunay Inocência. Franklin Távora O cabeleira. Manuel Antônio de Almeida Memórias de um sargento de milícias. 6 AUTORES (TEATRO): Martins Pena: Linguagem coloquial; Comédias de costumes; Dilemas urbanos da época; Humor burlesco no universo rural. V - REALISMO: SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX II Revolução Industrial; Revolução Científica. 2 CARACTERÍSTICAS DO REALIS- MO: Impessoalidade ; objetividade; racionalismo; verossimilhança; contemporaneidade; pessimismo; análise psicológica; objetividade linguística. 3 CARACTERÍSTICAS DO REALIS- MO NO BRASIL: Antimonarquismo; anticlericalismo; antirromantismo. 4 AUTORES: Manuel de Oliveira Paiva Dona Guidinha do Poço. Domingos Olímpio Luzia-homem. Machado de Assis Memórias póstumas de Brás Cubas. Forma: Personagens esféricas, microrrealismo, quebra da objetividade e da estrutura linear, fina ironia, extremo refinamento linguístico. Conteúdo: hipocrisia, egoísmo, vaidade, interesse, investigação da loucura, poder absoluto, parasitismo social total relativização de verdades absolutas, intenso pessimismo (niilismo), universalismo. VI - NATURALISMO: SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX II Revolução Industrial; Revolução Científica. 2 CARACTERÍSTICAS DO NATURA- LISMO: NATURALISMO = Características do Realismo Análise psicológica e Objetividade linguística + Determinismo e Descritivismo científico A) LEIS SOCIOLÓGICAS Determinismo histórico Determinismo do meio B) LEIS BIOLÓGICAS Determinismo biológico Determinismo dos instintos 3 CARACTERÍSTICAS DO NATURA- LISMO NO BRASIL: Antimonarquismo; anticlericalismo; antirromantismo. 4 AUTORES: Aluísio Azevedo Casa de pensão (1884); O cortiço (1889). Inglês de Souza O missionário (1888). Júlio Ribeiro A carne (1888). Adolfo Caminha A normalista (1893). VII - PARNASIANISMO: SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX II Revolução Industrial; Revolução Científica. 2 CARACTERÍSTICAS: Torre de marfim; objetivismo; impessoalidade; arte pela arte:temática greco-romana;culto à forma: metrificação rigorosa; rimas ricas; predileção por sonetos; descritivismo de quadros plásticos e/ou estáticos. 3 AUTORES: Olavo Bilac: Antiguidade clássica, perfeição formal, lirismo existencial, ufanismo. Alberto de Oliveira: Pragmatismo parnasiano. Raimundo Correa: Niilismo, plasticidade, hipocrisia e falsidade da sociedade. VIII - SIMBOLISMO: SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX II Revolução Industrial; Revolução Científica. 2 CARACTERÍSTICAS: Torre de marfim; rompimento entre artista e sociedade; subconsciente e inconsciente; irracional, ilógico, sonho, loucura. 3 AUTORES: Cruz e Sousa: Musicalidade, sinestesia, culto à brancura, filosofia meditativa, resistência racial, vida terra X vida supraterrena.

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário Habilidades: Conhecer o trabalho missionário jesuítico na figura de seu principal mentor: Padre José de Anchieta Revisão 1º Período

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

Língua Portuguesa. 1º ano. Unidade 1

Língua Portuguesa. 1º ano. Unidade 1 Língua Portuguesa 1º ano Unidade 1 Linguagem Linguagem, língua, fala Unidade 4 - capítulo 12 Linguagem verbal e não verbal Unidade 4 - capítulo 12 e 13 Signo linguístico Unidade 4 - capítulo 12 Denotação

Leia mais

3º trimestre de 2014 Literatura

3º trimestre de 2014 Literatura LEITURAS INDICADAS 3º trimestre de 2014 Literatura 1ª Leitura: TOMÁS, Antônio Gonzaga. Cartas Chilenas. Sinopse: O livro Cartas Chilenas (1788-1789), de autoria do inconfidente Tomás Antônio Gonzaga, é

Leia mais

LITERATURA BRASILEIRA - ALGUNS ELEMENTOS INFLUENCIADORES

LITERATURA BRASILEIRA - ALGUNS ELEMENTOS INFLUENCIADORES 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES DLA LICENCIATURA EM LETRAS COM A LÍNGUA INGLESA LITERATURA BRASILEIRA I Professor: Manoel Anchieta Nery JOÃO BOSCO DA SILVA (prof.bosco.uefs@gmail.com)

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

1. A TRADIÇÃO REALISTA

1. A TRADIÇÃO REALISTA 1. A TRADIÇÃO REALISTA Se você alguma vez passou os olhos por um livro chamado Raízes do Brasil (1936)*, talvez tenha lido uma passagem famosa, que refere uma característica portuguesa que Sérgio Buarque

Leia mais

Content Area: Literatura Brasileira Grade 11ª. Quarter 1ª. Serie Serie Unidade

Content Area: Literatura Brasileira Grade 11ª. Quarter 1ª. Serie Serie Unidade Content Area: Literatura Brasileira Grade 11ª. Quarter 1ª. / Objetivos de Aprendizado O projeto literário da poesia simbolista. Os momentos de incerteza, indefinição e pessimismo que marcaram a transição

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

*Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século

*Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século *Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século XX; * É quando surge uma literatura social, através de

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

DAVI, O REI (PARTE 1)

DAVI, O REI (PARTE 1) Bíblia para crianças apresenta DAVI, O REI (PARTE 1) Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos:

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I 3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: Elaboração de cenas e improvisação teatral de textos jornalísticos.

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Linguística Aplicada ao ensino de Língua Portuguesa: a oralidade em sala de aula (Juliana Carvalho) A Linguística Aplicada (LA) nasceu há mais ou menos 60 anos, como uma disciplina voltada para o ensino

Leia mais

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS Usos e Costumes Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS [ 2 ] Prefácio Nos dias atuais temos visto muitas mudanças de paradigmas nos regulamentos internos de nossas instituições. Isso tem ocorrido pela demanda de

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA Nenhuma questão com problema no gabarito. Nenhuma falha mais clamorosa. Logo, podemos considerar excelente

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL

REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL AULA 13 LITERATURA PROFª Edna Prado REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL Na aula de hoje falaremos sobre o Realismo português. Mas para começarmos é importante que você saiba o que é realismo. Veja: REAL+ISMO

Leia mais

53. 54. 55. 56. 57. 58. 59. 60. 61.

53. 54. 55. 56. 57. 58. 59. 60. 61. LÍNGUA PORTUGUESA Instrução: As questões de 01 a 11 estão relacionadas ao texto abaixo. 01. 02. 03. 04. 05. 06. 07. 08. 09. 10. 11. 12. 13. 14. 15. 16. 17. 18. 19. 20. 21. 22. 23. 24. 25. 26. 27. 28. 29.

Leia mais

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO Vanessa Petró* 1 Introdução O presente artigo tem o intuito de desenvolver algumas idéias acerca de comportamentos desviantes

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas

Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas Atividade extra Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas Questão 1 O canto das três raças, de Clara Nunes Ninguém ouviu Um soluçar de dor No canto do Brasil Um lamento

Leia mais

MODERNISMO SEGUNDA GERAÇÃO (1930-1945)

MODERNISMO SEGUNDA GERAÇÃO (1930-1945) MODERNISMO SEGUNDA GERAÇÃO (1930-1945) Tarsila do Amaral, cartão-postal, 1929 1. Que elementos da natureza estão representados nessa obra? 2. Que aspectos da natureza brasileira Tarsila do Amaral escolheu

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE

PLANO DE TRABALHO DOCENTE COLÉGIO ESTADUAL CRISTO REI ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua das Ameixeiras, 119 Núcleo Cristo Rei Fone/Fax: 0xx42 3624 3095 CEP 85060-160 Guarapuava Paraná grpcristorei@seed.pr.gov.br PLANO DE TRABALHO

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

Emília Amaral. Ricardo Silva Leite

Emília Amaral. Ricardo Silva Leite coleção Nov s P l vr s N O V A E D I Ç Ã O Nov s P l vr s Nov e ıç o 2 Ricardo Silva Leite Emília Amaral Mestre em Teoria Literária e doutora em Educação pela Unicamp, professora do Ensino Médio e Superior

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

CADERNO DE PROVA 2.ª FASE. Nome do candidato. Coordenação de Exames Vestibulares

CADERNO DE PROVA 2.ª FASE. Nome do candidato. Coordenação de Exames Vestibulares CADERNO DE PROVA 2.ª FASE Nome do candidato Nome do curso / Turno Local de oferta do curso N.º de inscrição Assinatura do candidato Coordenação de Exames Vestibulares I N S T R U Ç Õ E S LEIA COM ATENÇÃO

Leia mais

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL AULA 10 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL I - CONTEXTO HISTÓRICO Na aula passada nós estudamos as principais características do Romantismo e vimos que a liberdade era a mola

Leia mais

PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO

PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO. Atividade 1 Antes de você iniciar a leitura

Leia mais

Lógica Indutiva. Aula 4. Prof. André Martins

Lógica Indutiva. Aula 4. Prof. André Martins Lógica Indutiva Aula 4 Prof. André Martins É uma bruxa? Lógica Clássica (Dedutiva) Na Lógica Clássica, determinamos a veracidade de proposições a partir de outras proposições que julgamos verdadeiras.

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG T exto dissertativo: ponto de vista acerca de um tema Profa. Ketiuce Ferreira Silva ketiuce@yahoo.com.br www.ketiuce.com.br Algumas perguntas O quê? Por quê? Para quê?

Leia mais

O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo

O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo 1 O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo poeta e psiquiatra francês André Breton em 1924. Inserido

Leia mais

AUTO DE NATAL OUTRO NATAL

AUTO DE NATAL OUTRO NATAL AUTO DE NATAL OUTRO NATAL Escrito em conjunto com Cristina Papa para montagem pelo curso Técnico Ator 2007/2008 do SENAC Araraquara-SP, sob supervisão do professor Carlos Fonseca. PERSONAGENS: CORO / NARRADORES

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL Ederson da Paixão (Especialista em Educação Especial: Atendimento às Necessidades Especiais Integrante do Projeto de Pesquisa Os Primeiros Dramas

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com TRECHO: A VOLTA POR CIMA Após me formar aos vinte e seis anos de idade em engenharia civil, e já com uma

Leia mais

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Habilidades: - Conhecer e distinguir diferentes momentos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

MODERNISMO. História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012)

MODERNISMO. História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012) MODERNISMO História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012) O século XX inicia-se no Brasil com muitos fatos que vão moldando a nova fisionomia do país. - progresso técnico - novas fábricas surgidas

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: Prof. Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente Curricular: Língua

Leia mais

O que fazer em meio às turbulências

O que fazer em meio às turbulências O que fazer em meio às turbulências VERSÍCULO BÍBLICO Façam todo o possível para viver em paz com todos. Romanos 12:18 OBJETIVOS O QUÊ? (GG): As crianças assistirão a um programa de auditório chamado Geração

Leia mais

O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética

O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética Ibrantina Guedes Lopes Licenciada em Letras e Música. Pós-graduanda do Curso de Especialização em Cultura Pernambucana da FAFIRE Membro da Associação Brasileira

Leia mais

As 120 grandes obras da Literatura Brasileira, segundo o professor Alfredo Bosi Para você usufruir e construir sua cultura literária

As 120 grandes obras da Literatura Brasileira, segundo o professor Alfredo Bosi Para você usufruir e construir sua cultura literária As 120 grandes obras da Literatura Brasileira, segundo o professor Alfredo Bosi Para você usufruir e construir sua cultura literária OU: não morra antes de ler estes livros! Que tal uma lista com as 120

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Leone Alves. O fim da cegueira intelectual. 1ª Edição. São Paulo - Brasil

Leone Alves. O fim da cegueira intelectual. 1ª Edição. São Paulo - Brasil Leone Alves O fim da cegueira intelectual 1ª Edição São Paulo - Brasil 2015 1 Apresentação O fim da cegueira intelectual é um livro filosófico que tem como objetivo despertar na sociedade a capacidade

Leia mais

BRINCADEIRA É COISA SÉRIA

BRINCADEIRA É COISA SÉRIA BRINCADEIRA É COISA SÉRIA Márcia Maria Almeida Figueiredo Mestre em Educação e professora do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Agora eu era o rei Era o bedel e era também juiz E pela minha

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Período: 77.1 79.2 OBJETIVOS: Levar o aluno a conhecer e sistematizar o processo das técnicas e das formas, das técnicas e das principais concepções poéticas e ideológicas dos movimentos de vanguarda européia

Leia mais

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D]

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D] Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA Resposta da questão 1: Somente a proposição está correta. Com a expansão napoleônica na Europa e a invasão do exército Francês em Portugal ocorreu a vinda da corte portuguesa

Leia mais

ÉTICA APLICADA Ética e Moral

ÉTICA APLICADA Ética e Moral ÉTICA APLICADA Ética e Moral ÉTICA é o ramo da filosofia dedicado aos assuntos morais, é ciência que se ocupa do estudo do comportamento humano e investiga o sentido que o homem confere às suas ações.

Leia mais

Leia o texto abaixo, no mínimo duas vezes; isso facilitará a sua interpretação.

Leia o texto abaixo, no mínimo duas vezes; isso facilitará a sua interpretação. 4ºano 1.4 LÍNGUA PORTUGUESA 2º período 15 de maio de 2014 Cuide da organização da sua avaliação, escreva de forma legível, fique atento à ortografia e elabore respostas claras. Tudo isso será considerado

Leia mais

ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA

ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA AULA 12 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA Na aula passada nós estudamos as principais características da poesia romântica no Brasil.Vimos o fenômeno das três gerações românticas:

Leia mais

Trabalho e educação. Vamos aos fatos

Trabalho e educação. Vamos aos fatos Trabalho e educação Vamos aos fatos O maior problema da educação brasileira é o povo brasileiro. Sinto muito, mas esta é a conclusão a que muitos de nossos educadores chegaram. Somos uma nação materialista,

Leia mais

A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era?

A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era? A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Era Colonial Era Nacional Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era? Evolução Política Evolução Econômica Essas eras apresentam

Leia mais

DEDICATÓRIA. Dedico esta obra a todos os leitores de Uma. Incrível História Euro-Americana no período em

DEDICATÓRIA. Dedico esta obra a todos os leitores de Uma. Incrível História Euro-Americana no período em DEDICATÓRIA Dedico esta obra a todos os leitores de Uma Incrível História Euro-Americana no período em que esta foi postada no blog Dexaketo, tornando-a o folhetim mais lido na história do blog até meados

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI PROGRAMA DE ACESSO SERIADO (PAS) Programa de Provas Módulo II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI PROGRAMA DE ACESSO SERIADO (PAS) Programa de Provas Módulo II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI PROGRAMA DE ACESSO SERIADO (PAS) Programa de Provas Módulo II O programa das matérias do 2º módulo do PAS relaciona-se aos conteúdos curriculares indicados pelos

Leia mais

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): FELIPE

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros.

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. A Torá é o texto mais importante para o Judaísmo. Nele se encontram os Mandamentos, dados diretamente

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Blog http://conquistadores.com.br. + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis)

Blog http://conquistadores.com.br. + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis) Blog http://conquistadores.com.br CONQUISTADORES + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis) Blog http://conquistadores.com.br CONQUISTADORES + dinheiro + mulheres + sucesso social (Este

Leia mais

A invisibilidade do trabalho infanto-juvenil doméstico

A invisibilidade do trabalho infanto-juvenil doméstico PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PIBIC A invisibilidade do trabalho infanto-juvenil doméstico NOME DA BOLSISTA: Clarice de Sousa Silva ORIENTADOR (A) DO PROJETO: Ana Cristina

Leia mais

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Aline Trindade A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Introdução Existem várias maneiras e formas de se dizer sobre a felicidade. De quando você nasce até cerca dos dois anos de idade, essa

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

LITERATURA BRASILEIRA

LITERATURA BRASILEIRA LITERATURA BRASILEIRA 01 Leia o poema Pintura admirável de uma beleza, de Gregório de Matos. Vês esse sol de luzes coroado? Em pérolas a aurora convertida? Vês a lua de estrelas guarnecida? Vês o céu de

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

Colégio Nomelini Ensino Fundamental II LISTA Nº 04 9º ANO

Colégio Nomelini Ensino Fundamental II LISTA Nº 04 9º ANO Trazer a tarefa resolvida no dia: 22/03/2013 (Sexta-feira) Prof. Vanessa Matos Interpretação de textos LISTA Nº 04 9º ANO DESCRIÇÃO: A seleção de atividades é para a leitura e interpretação. Responda os

Leia mais

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 9 ano Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE Análise de textos poéticos Texto 1 Um homem também chora Um homem também

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Prezado(a) candidato(a): 1 Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE LÍNGUA

Leia mais

chuva forte suas filhas não estavam em casa, decidiram chamar moradores vizinhos a ajudar a encontrá-las. Procuraram em cada casa, loja e beco que

chuva forte suas filhas não estavam em casa, decidiram chamar moradores vizinhos a ajudar a encontrá-las. Procuraram em cada casa, loja e beco que As Três Amigas Em 1970, em uma cidade pequena e calma, havia três amigas muito felizes, jovens e bonitas. O povo da cidade as conhecia como um trio de meninas que não se desgrudavam, na escola só tiravam

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais