No emaranhado das redes: do "individualismo conectado" à interacionalidade transversal pelo celular

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "No emaranhado das redes: do "individualismo conectado" à interacionalidade transversal pelo celular"

Transcrição

1 No emaranhado das redes: do "individualismo conectado" à interacionalidade transversal pelo celular In the tangle of networks: from "networked individualism" to transverse interationality by mobile phone Marcos Nicolau 1 Resumo: Na sociedade globalizada, a comunicação tornou-nos "hiperconectados" pelas numerosas formas de interação proporcionada por uma crescente rede de telefonia, gadgets e sistemas de compartilhamentos disponíveis no ciberespaço. Nos enredamos nas malhas das redes que o mercado global vai construindo pari passu com as nossas necessidades prementes. Mas, por entre essas redes, conseguimos ampliar nossas interligações pelo entrecruzamento de interações via celular, para além de estruturas controladas e pré-direcionadas. A essa prática demos o nome de interacionalidade transversal, que nos permite utilizar modos de comunicação próprios, servindo a propósitos pessoais e coletivos. Considerando o conceito de "individualismo conectado", de Barry Wellman (2002) e analisando a interacionalidade transversal pelo celular em experiências cotidianas, viagens, movimentos sociais e protestos urbanos dentro e fora do Brasil, chegamos às potencialidades e às ameaças a essa interacionalidade na prática. Palavra chave: "Individualismo conectado". Interacionalidade transversal. Celular. Abstract: In the globalized society, communication has made us "hyper-connected" over the numerous interaction opportunities provided by a growing network of mobile technologies, gadgets and sharing programs available in the cyberspace. We are tangled in the meshes of communication networks that the market builds pari passu with our pressing needs. Nevertheless, through these networks, we are able to expand our interconnections by the crossing of interactions via mobile, beyond pre controlled and predetermined structures. To this practice, we named transverse interationality, which allows us to use our own communication modes, serving the personal and collective purposes. Taking into account Barry Wellman's (2002) concept of networked individualism and analyzing the transverse interationality through mobile into everyday experiences, trips, social movements and urban protests inside and outside Brazil, we came to potentialities and threats to this interationality in practice. Keywords: "Networked individualism". Transverse interationality. Mobile phone. Introdução A previsão de alcançar o número de 7 bilhões de unidades em todo o mundo, até o final de 2014 [1], mostra a consolidação do celular como um poderoso sistema interacional de comunicação jamais desenvolvido pela humanidade. Presente nas mãos dos usuários, indistintamente, está permitindo que estes governem ou desgovernem as suas vidas, enredados no emaranhado das redes Page 1

2 eletrônicas e digitais de comunicação que cobre o planeta. Como artefato cultural de tecnologia computacional pervasiva, o celular envolve-nos cada vez mais, a partir de programas ou aplicativos intuitivos, de fácil manipulação e uso. Seu poder de interação vai ao encontro do desejo primordial do ser humano de estar interligado e fazer parte do mundo: a antiga necessidade de comunicação que nos move desde os primórdios pela prática da oralidade, desta vez, em pleno século XXI, numa proporção globalizada. A potencialidade interacional do celular, entretanto, vai além dos aspectos comunicacionais mais imediatos, uma vez que se instaura nas sociedades contemporâneas, não mais de lugar para lugar, mas de pessoa a pessoa, ora mobilizando campanhas solidárias, ora servindo à disrupção social e revoltas; em tarefas corriqueiras ou organizando atividades complexas, influenciando consideravelmente nosso modus vivendis. O celular já incorpora todas as propriedades comunicacionais do computador e mostra-se mais versátil do que o tablet em sua capacidade interacional, integrando-se de forma intrínseca aos fatores determinantes da midiatização no contexto da cibercultura, como o processo social de mediação tecnológica das relações humanas. Nesse caso, serve-nos de base a percepção de Sodré (2006), referente à midiatização e sobre o que este chamou de tecnomediações: trata-se de um tipo particular de interação que se mostra como uma espécie de prótese tecnológica e mercadológica da nossa realidade sensível. Nascido como desdobramento do telefone que Graham Bell criou em 1876, o celular surgiu no período de desenvolvimento inicial da internet, no começo dos anos de 1970, mas se consolidou comercialmente na década de Sua origem na forma digital como o conhecemos deu-se no início dos anos de 1990, chegando a ser tornar um smartphone [2] em Com tela touchscreen, múltiplas funções e computadorizado digitalmente passou a categoria de artefato interacional de amplo espectro em diferentes contextos culturais. Isso porque sua interacionalidade, como principal característica de comunicação, mostra-se transversal. Ou seja, não se limita ao trânsito por apenas um sistema comunicacional, mas entrecruza-se por entre sistemas diversos e de múltiplas conexões, discernidos e articulados pelos usuários: interliga-se via rede telefônica com outros celulares, integra programas e aplicativos para conversação na internet, e consegue transitar informações de interesses pessoais por entre sistemas Page 2

3 de comunicação oficiais, tornando-se, por conseguinte, um "dispositivo híbrido móvel de conexão multirredes", como o definiu André Lemos (2007). E como dispositivo eletrônico portátil, com funções utilitárias específicas, o celular é reconhecidamente um dos gadgets mais reconfigurados pela indústria, no sentido de tornar sua tecnologia digital de comunicação imprescindível às nossas necessidades interacionais. Para Lanier (2011), a coisa mais importante sobre uma tecnologia é como esta muda as pessoas e até mesmo pequenas inovações são capazes de provocar imprevisíveis alterações no padrão de comportamento delas. A partir desses aspectos sobre a capacidade interacional do celular e perceber sua relação com as redes sociais, foi oportuno verificar a construção do conceito de "individualismo conectado", em Barry Wellman (2002), referente à conectividade direta entre indivíduos que se relacionam por redes e grupos, sem precisar estabelecer vínculos mais fortes com os demais. Cada um desses indivíduos tem suas próprias necessidades, mas procuram atendê-las nesse processo coletivo de interações, mesmo que efêmeras. Em uma definição posterior, Rainie e Wellman (2014) afirmam que a expressão "individualismo conectado" surgiu da percepção de que as novas tecnologias comunicacionais têm diversos potenciais, mas, que é o modo como as pessoas as utilizam que permite compreender a sua dimensão. O "sistema operacional social" do "individualismo conectado" representa a libertação das restrições de grupos coesos, obrigando as pessoas a desenvolverem habilidades de relacionamentos e estratégias, como parte do esforço para manter laços que se articulam em várias redes sobrepostas. Levando em conta a ideia de "individualismo conectado" e aplicando a análise prática da interacionalidade transversal do celular a eventos cotidianos simples, como viagens internacionais a países globalizados e, principalmente, importantes movimentos sociais e de protestos ocorridos na última década, na Espanha, em países árabes e no Brasil, foi possível verificar os recursos interacionais desse artefato digital e estabelecer os objetivos do presente artigo: demonstrar a liberdade e a autonomia das pessoas, nas práticas interacionais operacionalizáveis pelo celular, projetadas por entre os sistemas oficiais de mercado, regimes políticos e imprensa, mantenedores e dominantes das redes de comunicação consolidadas. Até que ponto somos capazes de construir Page 3

4 uma interacionalidade transversal contínua, que vai do pessoal ao coletivo, embora cerceados por esses poderosos sistemas comunicacionais? A consolidação interacional do celular Ao longo da história da humanidade, os artefatos culturais revelam o esforço do ser humano em ampliar sua capacidade pessoal de comunicação e expressão à distância, dos tambores ao telefone. Esses artefatos apresentam dois importantes aspectos intrínsecos: a função do instrumento em si e a repercussão social que proporcionam. Os artefatos da eletrônica podem não ser mais importantes que os anteriores, entretanto, sempre causaram maior repercussão, dadas as implicações e mudanças capazes de provocar. O celular representa bem esse imbricamento entre função e repercussão social: tornou-se o mais versátil artefato comunicacional da nossa cultura e mais especificamente da cibercultura, espalhando-se por todo o planeta a partir dos constantes avanços tecnológicos, baseados em características próprias como, a dinâmica da mobilidade e a peculiaridade do áudio para uso simultâneo da voz. Do simples aparelho que recebia e enviava voz humana, o telefone criado por Graham Bell no final do século XIX, manteve-se assim até o ano de 1973, quando foi criado o primeiro celular. Mas, tido aparentemente como um meio apenas de interligar duas pessoas em ambientes distantes, o telefone participou efetivamente do desenvolvimento das mídias ao estabelecer um sistema de rede fundamental para a interligação de outros sistemas. É o que confirma Parry (2012, p. 203): Em seus primórdios, outras mídias, como os jornais, viam-no como uma singela conveniência comercial para seus funcionários; a nova invenção nada tinha de importante. A partir do seu desenvolvimento, porém, o telefone nos proporcionou a estrutura de rede e a tecnologia com base nas quais se estruturariam as redes de rádio e televisão. E, sem a rede de telefonia, não haveria internet. Page 4

5 Por sua vez, segundo Thomas Friedman (apud KEEN, 2015), colunista do New York Times, a tendência mais importante do mundo na atualidade é o fato da globalização e da revolução da tecnologia da informação terem nos levado a um patamar inteiramente novo; diversas inovações, entre elas o smartphone, habilitados para uma internet barata, está levando o mundo, de conectado à "hiper-conectado". E essa tendência é reforçada pela oportuna informação de Keen (2015, p. 13): "The number of active cellular machine-to-machine devices will grow 3 to 4 times between 2014 and 2019" [3]. O surgimento do celular em 1973, criado por Martin Cooper, para a Motorola, até a sua comercialização em 1984 [4], foi um período que coincidiu com o desenvolvimento da internet e das novas linguagens computacionais, por isso, a estrutura de funcionamento desse aparelho é mais dinâmica do que as analógicas redes tradicionais [5]. Da condição de celular ao conceito de smartphone, passou-se mais uma década. Em 1993 surgia o celular com a tela touchscreen, no qual os usuários podiam usar os dedos para digitar diretamente na tela; o sistema de SMS (Short Message Service), para troca de mensagem de texto com até 160 caracteres. O nome smartphone [6] foi designado pela Ericsson em 1997, mas foi a Nokia, nessa época, quem lançou o smartphone com acesso aos textos da Web. A partir daí houve um desenvolvimento substancial do celular que o transformou em uma mídia móvel com sistemas operacionais que ampliaram a sua capacidade interacional. Nessa trajetória ao longo da década de 2000, Lemos (2007) demonstrou que o celular tornou-se mais que um telefone, uma vez que integrou funções de conversação, convergência, portabilidade, personalização, conexão através de múltiplas redes, produção de informação com textos, imagens e sons, localização e novas formas de produção imagética, incluindo fotos e vídeos. E na tentativa de melhor defini-lo, chamou-o de "Dispositivo Híbrido Móvel de Conexão Multirredes - DHMCM": O que chamamos de telefone celular é um Dispositivo (um artefato, uma tecnologia de comunicação); Híbrido, já que congrega funções de telefone, computador, máquina fotográfica, câmera de vídeo, processador de texto, GPS, entre outras; Móvel, isto é, portátil e conectado em mobilidade funcionando por redes sem fio digitais, ou seja, de Conexão; e Multirredes, já que pode empregar diversas redes, como: Bluetooth e infravermelho, para conexões de curto alcance entre outros dispositivos; celular, para as diversas possibilidades de troca de informações; internet (Wi-Fi ou Wi-Max) e redes de satélites para uso como dispositivo GPS. (LEMOS, 2007, p. 25) Page 5

6 Hoje, o celular parece exemplificar de forma evidente os estudos de Dominique Carré, publicado em 1997 [7] e devidamente mencionado por Weissberg (2013), sobre as tecnologias móveis que se sustentam em uma característica básica, a mobilidade, desdobrada em duas principais qualidades: a ubiquidade e a onipresença: Enquanto a ubiquidade destaca a coincidência entre deslocamento e comunicação (o usuário comunica-se durante seu deslocamento, precisão adicionada), a onipresença, ao contrário, oculta o deslocamento e permite ao telecomunicador continuar suas atividades de comunicação quando está em outros lugares que não seu trabalho habitual. (CARRÉ apud WEISSBERG, 2013, p. 121) Podemos inferir a dinâmica do uso do celular no atual contexto das sociedades globalizadas, pelas considerações feitas por Santaella (2010) [8], que, à luz das importantes figuras da conectividade, mobilidade e onipresença, consideradas por Weissberg (2013), situou as práticas e os processos comunicacionais em espaços ubíquos, assim designados: Estes são espaços hiperconectados, espaços de hiperlugares, múltiplos espaços em um mesmo espaço, que desafiam os sentidos de localização, permanência e duração. São espaços povoados por mentes multiconectadas e, por conseqüência, coletivas, compondo inteligências fluídas. (SANTAELLA, 2010, p. 18) Portanto, a particularidade e característica fundamental do celular, a interacionalidade, está associada à capacidade de realizar todas as atividades dos demais dispositivos tecnológicos fixos e móveis (PCs e tablets), participando ativamente da vida cotidiana de bilhões de pessoas no mundo inteiro, quer seja em seus redutos de comunidades ou perímetros urbanos, quer seja de maneira globalizada, mas, cada vez mais, de forma ubíqua e onipresente. O "individualismo conectado" de Wellman Na concepção de Wellman (2002), a passagem para uma realidade de conexão sem fio e personalizada permitiu o individualismo conectado. O indivíduo não se enraíza nos lugares como a casa ou o trabalho, mantendo-se interligado com outros e operando separadamente suas redes sociais para obter colaboração, apoio e sociabilidade. Na mais recente pesquisa, publicada conjuntamente, Rainie e Wellman (2014) demonstraram que as pessoas usam o individualismo conectado para ampliar seus relacionamentos a partir de suas necessidades pessoais. São tais necessidades que impulsionam as pessoas a procurarem contatos além dos familiares e dos amigos em casos, por exemplo, de não encontrarem apoio e orientação médica próximos de si, como foi o foco de suas pesquisas. Através de conhecidos dos conhecidos, elas chegam às pessoas que podem, de fato, ajudar, dentro de uma Page 6

7 estrutura em rede de grande proporção: "Society is not the sum of individuals or of two-person ties. Rather, everyone is embedded in structures of relationships that provide opportunities, constraints, coalitions, and work-arounds" [9]. (RAINIE E WELLMAN, 2014, p. 21) O conceito de "individualismo conectado" apresentado por Weillman, no qual o indivíduo tem de ser um centro em sua própria rede, sem necessariamente passar pela mediação de um grupo, foi devidamente explicada pelo acompanhamento do caso de um casal norte-americano que sofreu um revés na vida (RAINIE e WELLMAN, 2014). A esposa sofreu um traumatismo craniano que a colocou em coma e algum tempo depois o marido sofreu um derrame que o deixou também convalescente. Iniciando com uma simples divulgação, pelo celular, da foto da esposa com a cabeça enfaixada e tubos de respiração artificial, junto a alguns amigos, o marido, inesperadamente e em um dia e meio, recebeu retorno de cerca de 150 pessoas, em sua maioria, desconhecidos de várias partes da América do Norte, com uma intensa mobilização de conforto e apoio. A rede de ajuda logo se ampliou, tornando-se efetiva e presencial. Após a hospitalização do marido, mais tarde, esses relacionamentos criados em redes aparentemente instáveis, tanto por celulares, quanto por e- mails, redes sociais e sites, contribuíram novamente para resolver os novos problemas do casal. O "individualismo conectado" parece contrariar os arranjos sociais antigos, criados em torno de burocracias hierárquicas e pequenos grupos, como famílias, comunidades e grupos de trabalho - essa é uma das observações retiradas da pesquisa, por Rainie e Wellman (2014), cujos desdobramentos envolvem vários aspectos. Entre eles está o fato de que as pessoas, ao incorporarem a internet, bem como os celulares em suas rotinas, transformam o modo de interagir uns com os outros, aprendendo novas habilidades sociais e atuando na rede, primeiramente, como indivíduos. De acordo com as observações de Martino (2014, p. 140), "A possibilidade que cada indivíduo tem de ser um centro em sua própria rede, sem necessariamente passar pela mediação de um grupo, é uma das bases da teoria do individualismo conectado de Wellman". Isso porque, com o acesso à internet sendo feito de modo pessoal, os indivíduos tornam-se, potencialmente, nós dentro de suas próprias redes, como pontos de intersecção e acesso de informações. Para Martino (2014), isso significa um crescente isolamento acompanhado, "paradoxalmente, de um grande Page 7

8 número de conexões com outras pessoas, cujas ligações resultam na formação de outros pequenos grupos, que trabalham pela manutenção dos seus laços, mesmo que frágeis. As bases da interacionalidade transversal na prática O celular, na condição atual de produto mercadológico, caracteriza-se comercialmente, como um aparelho cuja principal qualidade é proporcionar acesso ao mundo digital e compartilhado da internet. Através de sistemas operacionais cada vez mais eficientes, permite ligação e interação com blogs, s, sites, aplicativos e redes sociais os mais diversos, realizando contatos, também com outros celulares, por mensagens textuais, imagens estáticas e de voz com vídeo. E já não se percebe a sua elementar peculiaridade: ligar diretamente para outro celular via rede telefônica. Esse modelo operacional mais simples pode ser visualizado no Gráfico 1, abaixo. GRÁFICO 1 - Modelo da interacionalidade transversal pelo celular FONTE: O autor Como o celular tem a possibilidade de conexão que independe da internet, seu sistema interacional é mais direto, sem as intermediações dos hubs [10] que loteiam a Web. Mas, um modelo visual sempre é um recorte delimitado da realidade, cujos padrões interacionais que se entrecruzam no ciberespaço, são mais dinâmicos na prática. A pesquisa de Rainie e Wellman (2014) contemplou essa dinâmica em uma situação na qual estavam envolvidos aspectos de solidariedade e comoção, diante de fatalidades que Page 8

9 acometeram um casal norte-americano. Entretanto, a potencialidade do "sistema operacional em rede" envolve também diversas outras situações de necessidades e estratégias interacionais diferentes. Para estabelecer parâmetros metodológicos passíveis de comprovação, abrangemos importantes eventos sociais cotidianos, nos quais foi possível verificar, para além do "individualismo conectado", a interacionalidade transversal pelo uso do celular: 1) uma viagem ao exterior, realizada por cinco pessoas, atravessando diferentes países, sobre a qual fazemos apanhados como pesquisador participante, mas apoiados em depoimentos de outros grupos, que complementaram e confirmaram o estudo - nesse caso, interessa-nos menos as peculiaridades turísticas visitadas e mais precisamente, os processos interacionais realizados pelo celular; 2) os movimentos sociais e protestos urbanos em vários lugares como, Espanha, países árabes e Brasil, cuja cobertura midiática e análise de pesquisadores forneceram as informações necessárias. As situações escolhidas têm peculiaridades e motivações diferenciadas uma de caráter turístico e outra, político/ideológica. As viagens internacionais envolveram pessoas de classe média que comumente mapeiam a internet o ano inteiro em busca de promoções de passagens; procuram os passeios fora dos caros circuitos turísticos das agências; pesquisam estadias, eventos e alimentação que sejam acessíveis e seguras entre outras alternativas. Os movimentos e protestos sociais, por sua vez, contaram com o envolvimento de cidadãos, estudantes ou trabalhadores, que se utilizaram de recursos interacionais transversais para criarem redes de divulgação e mobilização que sobrepujaram as redes oficiais de informação e evitaram de ser impedidos ou rastreados pelos órgãos governamentais de controle e policiamento. Relato de viagens e das práticas interacionais via celular Apesar das viagens turísticas, individuais ou em grupos, não terem a repercussão midiática de um evento social como os protestos, tornaram-se, na atualidade, uma das atividades de grande crescimento com o advento das sociedades globalizadas, responsáveis pela incrementação financeira em países de todos os continentes. Segundo a Organização Mundial do Turismo [11], em 2014 registrou-se cerca de 1,38 milhões de viajantes, correspondente a um acrescimo de 4,7% a mais de turistas em viagens ao exterior. A viagem internacional, realizada por turistas é, portanto, uma atividade relevante e requer Page 9

10 um processo interacional cada vez mais dinâmico, uma vez que exige muitos procedimentos operacionais que vão, desde o reconhecimento da cultura e das peculiaridades do destino, passando pela compra de passagens, escolha de hotéis apropriados, alimentação, transporte, segurança, até passeios e visitas a locais pitorescos. Não apenas participando de uma dessas viagens a países da Oceania (Austrália e Nova Zelândia), com um grupo de cinco pessoas, durante 20 dias, mas também, consultando pessoas que entre 2013 e 2015 participaram de viagens para outros países dos territórios norte-americano, europeu e asiático, conseguimos alguns detalhes dos processos interacionais realizados via celular, para atendimento de necessidades e soluções de problemas diversos. Estratégias que vão além daquelas proporcionadas pelos sistemas do mercado devidamente instalados na internet, manipulativo e restrito ao modelo de negócios turísticos que impulsiona as sociedades globalizadas. Em princípio, existe toda uma estrutura de rede interacional em sites e aplicativos comerciais, a partir da qual podemos realizar as operações necessárias a uma viagem internacional, inclusive pelo celular: fazemos consultas sobre promoção de passagens, verificamos hotéis e passeios ofertados, utilizamos mapas e GPS para geolocalização, sites de busca e enciclopédias, para saber sobre lugares, comidas e fatos históricos, bem como, encontramos, em sites compartilhados como o TripAdvisor, as opiniões e críticas de pessoas que estiveram pernoitando e visitando os lugares. Em muitos países, inclusive, existem aplicativos locais que ajudam o viajante a localizar e mapear ambientes das cidades por onde passa. Mas, um aspecto importante foram as dicas de conhecidos, a partir de redes sociais, sobre como ter acesso fácil à internet em países diferentes: aquisição de chips para celulares, de operadoras locais, com créditos somente para o período da estadia; utilização de redes Wi-fi gratuitas nos hotéis, restaurantes e espaços públicos dos centros das cidades. O relato de viajantes que estiveram no Japão foi o de que, lá é possível alugar um roteador portátil de Wi-fi, que serve para o grupo, a partir de uma senha: as pessoas têm acesso constante à internet e em todos os lugares por onde transitam. Por outro lado, as necessidades turísticas dos viajantes sempre vão além desse traçado convencional quando se trata de ter melhores opções fora do circuito comercial, informações sobre segurança e sobre atividades, de custos mais justos e apropriados à condição financeira. E, nesse Page 10

11 caso, o celular é fundamental, porque permite fazer ligações diretamente para os atendentes dos locais que oferecem serviços e passeios, conseguindo obter dicas e informações sobre dias e horários promocionais, que não poderiam constar nos folhetos impressos ou nos sites oficiais. Nessas consultas, a partir de um domínio básico de conversação em inglês - a língua da globalização - sempre se consegue ter conhecimento sobre rotas e atividades alternativas, serviços de transportes públicos gratuitos e sistemas de apoio a turistas. A partir dos próprios sistemas de s e através de redes sociais diversas, nas quais o celular permite acesso à rede de amigos e conhecidos, compartilha-se um vasto ambiente de painéis de fotos, vídeos e textos de dupla utilidade: tanto os viajantes têm uma ideia de lugares visitados pelas pessoas, cujas fotos e vídeos mostram ângulos pessoais e inusitados - diferente das imagens do tipo "cartão postal" dos folhetos - quanto, passam a alimentar esses painéis também com novas imagens captadas e disponibilizadas quase que simultaneamente. Em alguns trajetos de um lugar para outro é possível fazer ligações via Facetime e mostrar aos interlocutores, as paisagens e os eventos em tempo real, ao mesmo tempo em que se explica com viva voz os detalhes dos ambientes e dos fatos. São situações captadas por pessoas comuns, que alimentam uma nova rede transversal de compartilhamentos com outros viajantes. Movimentos sociais no mundo e protestos urbanos de junho de 2013 no Brasil O massivo uso das redes sociais na internet foi devidamente documentado em protestos realizados em várias partes do mundo, pela cobertura da imprensa internacional, antes das passeatas de junho de 2013 em nosso país. Percebemos, pelos relatos, que o celular foi peça fundamental para troca de mensagens através das quais as pessoas se conclamavam para a mobilização nas ruas. Cardoso (2010) faz menção a um artigo publicado na imprensa italiana (L Expresso), por Umberto Eco, falando sobre a mobilização popular ocorrida na Espanha, no qual retrata as apropriações individualizadas das mídias socialmente compartilhadas. Para Eco, os ataques terroristas de 2004 à estação de trens de Atocha, em Madri, aconteceram num momento em que não era apenas a televisão e o rádio que dominavam, mas outras mídias das quais a população se apropriava, através do celular e da internet. As táticas de guerrilha semiótica contemporânea (Eco, 2004), exemplificadas pela apropriação social das mídias nos dias que se seguiram ao 11 de março de 2004 em toda a Espanha, foram desenvolvidas num processo em rede, um processo de criação Page 11

12 de nós espontâneos que ecoavam em mensagens originadas através da comunicação interpessoal. O celular, sobretudo através do uso do SMS, foi usado com o fim de divulgar a mensagem de que o governo estava mentindo sobre o envolvimento do ETA, porque tratava-se da Al-Qaeda, e convidar pessoas a reunirem-se nas sedes do partido do governo, o Partido Popular, ou edifícios públicos em protesto (CARDOSO, 2010, p. 37) Por seu turno, nas revoluções da chamada Primavera Árabe, ocorrida a partir de dezembro de 2010 na Tunísia, espalhando-se pela Líbia, Síria e Egito, mesmo com a censura e a opressão dos regimes autoritários contra a imprensa e contra o uso da internet, os celulares permitiram que as ações de violência contra a população fossem compartilhadas pelo mundo inteiro. Conforme matéria publicada pelo jornal Estadão, em 17 de dezembro de 2011 [12], de autoria de João Coscelli: Na Síria, a imprensa estrangeira não tem liberdade de atuação. Na Líbia, havia repórteres, mas o regime de Kadafi mantinha a atividade sob estrito controle. As imagens dos confrontos nesses países chegaram ao resto do mundo graças aos próprios opositores, que usaram dispositivos móveis, como câmeras e celulares. Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação No Egito, em 2011, o massivo movimento, que recebeu nomes como "Dias de Fúria" e "Revolução do Nilo", foi analisado por Castells (2013), que constatou que as convocações para as manifestações de 25 de janeiro em diante foram realizadas por jovens, para quem as redes sociais e os telefones celulares passaram a ser parte importante de seus modos de vida. Os manifestantes registravam os acontecimentos com seus telefones celulares, compartilhando os vídeos, quase sempre ao vivo, pelo Youtube e pelo Facebook, com pessoas do país e do restante do mundo, apesar das tentativas do governo egípcio em bloquear a internet e o sistema de telefonia. Baseado em pesquisa do Instituto Ovum [13], Castells (2013) diz que, em fins de 2010, pouco antes dos protestos, cerca de 80 por cento da população do Egito já tinha telefone celular e esclarece que, embora a tecnologia não seja determinante para a deflagração de tais movimentos - uma vez que são motivados por conjunturas sociais -, as redes da internet e de telefonia celular, mais do que ferramentas, tornaram-se formas organizacionais, assim como, expressões culturais e, ainda, plataformas específicas para a autonomia política. No Brasil, os protestos puderam ser acompanhados de perto, dado o acesso direto às redes sociais utilizadas para divulgação dos fatos ocorridos. Apesar da constante divulgação nas várias redes sociais disponíveis na internet, foi possível perceber que, para além do uso dos computadores e tablets, havia uma utilização muito mais recorrente de aparelhos celulares. Page 12

13 Em uma mobilização nacional que, em um dia, como a quinta-feira de 20 de junho de 2013, reuniu mais de 1 milhão de pessoas, com passeatas em 388 cidades brasileiras, incluídas, 22 capitais [14], o celular foi um instrumento fundamental para mobilizar os participantes, registrar os fatos e divulgá-los para além do que a mídia tradicional era capaz de fazer. Os integrantes dos movimentos urbanos constituíram sua rede interacional a partir da organização de grupos via conversas telefônicas, em redes sociais diversas, por s entre outros caminhos. De acordo com Peruzzo (2013, p. 82), o uso da internet, mídias, redes sociais virtuais e celulares constituiu-se em importante diferencial do movimento que sacudiu o país: "Os manifestantes usaram meios próprios para se comunicar: simples celulares ou smartphones, redes virtuais e o audiovisual alternativo municiaram a sociedade com a informação em tempo real do que ocorria nas ruas pelo ângulo de novas fontes". Isso porque, cada pessoa que tinha um celular conectado à internet pode gravar, interpretar e difundir em tempo real, o que acontecia nas praças públicas. Estas se tornaram, inclusive, fontes para a grande mídia que se viu atônita e perdida, sem saber bem o que fazer, pois os acontecimentos fugiam ao seu tradicional esquema de pautas e coberturas. Estes favoreceram o exercício da liberdade de expressão, sem gatekeepers, e numa proporção imensurável devido ao efeito de replicação das redes virtuais. Tanto que o contraste se evidenciou entre as transmissões autônomas de pessoas e de grupos ativistas por celulares conectados à internet e câmeras de fácil manuseio em meio às multidões. (PERUZZO, 2013, p. 82) A repercussão dessa rede interacional, portanto, acabou por atravessar os sistemas tradicionais usados pela imprensa, que até então se considerava a legítima retransmissora dos eventos, de acordo com seus filtros de coleta e tratamento das notícias, bem como seu modelo de informação e negócio já consolidado. As pessoas passaram a buscar informações junto às fontes das redes sociais, blogs e sites pessoais, que conseguiam entrecruzar-se pela rede de notícias. A veracidade das informações podia ser conferida, não mais pela emissora, empresa jornalística ou sites oficiais, mas pela quantidade de fontes que permitiam confirmar ou desmentir os fatos e boatos divulgados, mostrar fotos e vídeos, apresentar depoimentos e avaliações dos próprios participantes, em grande quantidade. Havia uma necessidade flagrante de brasileiros e estrangeiros, não só em compreender o que de fato acontecia, mas também de divulgar e compartilhar, de todas as formas, o que a própria imprensa não publicava ou não conseguia entender. Para tanto, eram usados os sistemas de hashtags Page 13

INTERACIONALIDADES MIDIÁTICAS: DAS TECNOLOGIAS DE COMPARTILHAMENTO À SUPREMACIA DOS FÃS

INTERACIONALIDADES MIDIÁTICAS: DAS TECNOLOGIAS DE COMPARTILHAMENTO À SUPREMACIA DOS FÃS INTERACIONALIDADES MIDIÁTICAS: DAS TECNOLOGIAS DE COMPARTILHAMENTO À SUPREMACIA DOS FÃS Marcos Nicolau (organizador) Ideia João Pessoa 2015 LIVRO PRODUZIDO PELO PROJETO Para Ler o Digital: reconfiguração

Leia mais

Programa do Curso. Cultura da mobilidade e Educação: desvendando possibilidades pedagógicas

Programa do Curso. Cultura da mobilidade e Educação: desvendando possibilidades pedagógicas UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS I MESTRADO EM EDUCAÇÃO E CONTEMPORANEIDADE LINHA DE PESQUISA: JOGOS ELETRÔNICOS E APRENDIZAGEM GRUPO DE PESQUISA: COMUNIDADES VIRTUAIS

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO INTRODUÇÃO: As mídias sociais estão cada vez mais presentes no dia-a-dia das pessoas, oferecendo soluções e transformando as relações pessoais e comerciais.

Leia mais

Aula 8 Conversação e rede social na web

Aula 8 Conversação e rede social na web Aula 8 Conversação e rede social na web Aula 8 Conversação e rede social na web Meta Apresentar um programa de voz sobre IP (VoIP), o Skype, e fazer uma breve introdução ao mundo das redes sociais online,

Leia mais

A ERA DO BIG DATA NO CONTEÚDO DIGITAL: OS DADOS ESTRUTURADOS E NÃO ESTRUTURADOS

A ERA DO BIG DATA NO CONTEÚDO DIGITAL: OS DADOS ESTRUTURADOS E NÃO ESTRUTURADOS A ERA DO BIG DATA NO CONTEÚDO DIGITAL: OS DADOS ESTRUTURADOS E NÃO ESTRUTURADOS Pedro Henrique Tessarolo¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pedrotessarolo@gmail.com,

Leia mais

tendências MOBILIDADE CORPORATIVA Setembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 03 Introdução Cenário atual Tendências Vantagens Riscos

tendências MOBILIDADE CORPORATIVA Setembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 03 Introdução Cenário atual Tendências Vantagens Riscos tendências EDIÇÃO 03 Setembro/2012 MOBILIDADE CORPORATIVA Introdução Cenário atual Tendências Vantagens Riscos Recomendações para adoção de estratégia de mobilidade 02 03 04 06 07 08 A mobilidade corporativa

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

Ameaças e Segurança da Informação para dispositivos Móveis. gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br

Ameaças e Segurança da Informação para dispositivos Móveis. gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br Ameaças e Segurança da Informação para dispositivos Móveis gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br Ameaças e Vulnerabilidades em Dispositivos Móveis gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br

Leia mais

Um Site Sobre Viagens...

Um Site Sobre Viagens... Um Site Sobre Viagens... www.cidadaodoplaneta.com.br contato@cidadaodoplaneta.com.br @caiofochetto 2 HISTÓRICO...03 CURRÍCULO...04 MÍDIAS DO SITE...05 PUBLICIDADE...06 ESTATÍSTICAS DE ACESSO...07 DADOS

Leia mais

Especialização em Marketing Digital - NOVO

Especialização em Marketing Digital - NOVO Especialização em Marketing Digital - NOVO Apresentação Previsão de Início Agosto/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O ambiente de negócios tem sido modificado pelas Novas Tecnologias da

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

Tablet Educacional Possibilidades Pedagógicas

Tablet Educacional Possibilidades Pedagógicas Tablet Educacional Possibilidades Pedagógicas O Tablet 3 3 O Tablet Aplicativos do MEC MEC Mobilidade, TV Escola, Revista TV Escola, E-Proinfo e Portal do Professor (todos necessitam de conexão de internet);

Leia mais

VixBus: informação em tempo-real sobre horários de ônibus em Vitória

VixBus: informação em tempo-real sobre horários de ônibus em Vitória VixBus: informação em tempo-real sobre horários de ônibus em Vitória VixBus: realtime information about bus timetables in Vitória Schmidt, Marianna; Graduanda; Universidade Federal do Espírito Santo mariannaschmidt@gmail.com

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

3 Apresentação do caso

3 Apresentação do caso 3 Apresentação do caso Neste capítulo será contextualizado o mercado de telefonia móvel no Brasil, com a descrição dos principais concorrentes e a participação de mercado de cada um deles, a apresentação

Leia mais

Fundamentos da Computação Móvel

Fundamentos da Computação Móvel Fundamentos da Computação Móvel (O Mercado Mobile no Brasil) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

REDES SOCIAIS PARA PEQUENAS EMPRESAS

REDES SOCIAIS PARA PEQUENAS EMPRESAS REDES SOCIAIS PARA PEQUENAS EMPRESAS Entenda a importância da utilização das Redes Sociais para a sua pequena empresa e conheça os fundamentos necessários para obter resultados positivos com a sociabilidade.

Leia mais

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel BGAN Transmissão global de voz e dados em banda larga Banda larga para um planeta móvel Broadband Global Area Network (BGAN) O firm das distâncias O serviço da Rede Global de Banda Larga da Inmarsat (BGAN)

Leia mais

LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS METODOLOGIAS PARA O DESIGN DE INTERFACES DIGITAIS E PRODUTOS MIDIÁTICOS 1

LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS METODOLOGIAS PARA O DESIGN DE INTERFACES DIGITAIS E PRODUTOS MIDIÁTICOS 1 LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS METODOLOGIAS PARA O DESIGN DE INTERFACES DIGITAIS E PRODUTOS MIDIÁTICOS 1 Patrícia Marques da Silva 2 ; Aline Cardoso Militão 3 ; Sônia Cristina Soares Dias Vermelho

Leia mais

Introdução a Computação Móvel

Introdução a Computação Móvel Introdução a Computação Móvel Computação Móvel Prof. Me. Adauto Mendes adauto.inatel@gmail.com Histórico Em 1947 alguns engenheiros resolveram mudar o rumo da história da telefonia. Pensando em uma maneira

Leia mais

Web site Espia Amazonas 1

Web site Espia Amazonas 1 1 Web site Espia Amazonas 1 Lidiane CUNHA 2 Adália CORDEIRO 3 Breno CABRAL 4 Iara RODRIGUES 5 Marcela MORAES 7 Gabrielle NASCIMENTO 8 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM RESUMO O web site Espia Amazonas foi

Leia mais

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero (*) Nos últimos anos, assistimos a um crescimento espantoso das chamadas tecnologias de comunicação. Essas tecnologias tornaram-se mais rápidas,

Leia mais

MOBILE MARKETING. Prof. Fabiano Lobo

MOBILE MARKETING. Prof. Fabiano Lobo MOBILE MARKETING Prof. Fabiano Lobo - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

Uma nova fase de sucesso em seu negócio pode começar agora

Uma nova fase de sucesso em seu negócio pode começar agora Uma nova fase de sucesso em seu negócio pode começar agora Afinal, tudo começa em sua maneira de pensar. E marketing é isto, uma questão de posicionamento. PROPOSTA DE SERVIÇOS Logotipos Web Sites Lojas

Leia mais

Introdução do Jornalismo Móvel

Introdução do Jornalismo Móvel Introdução do Jornalismo Móvel Semana 1: Visão geral das plataformas móveis, tendências e futuro Instrutor Técnico Móvel: Will Sullivan Instrutora Brasileira: Lorena Tárcia http://visual.ly/reaching-50-million-users

Leia mais

Cartilha de Boas práticas em Segurança da Informação

Cartilha de Boas práticas em Segurança da Informação Cartilha de Boas práticas em Segurança da Informação Classificação: Pública Versão: 1.0 Julho/2012 A Cartilha DS tem como objetivo fornecer dicas de segurança da informação para os usuários da internet,

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Você conectado ao mundo com liberdade APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL > ÍNDICE Sobre a TESA 3 Telefonia IP com a TESA 5 Portfólio de produtos/serviços 6 Outsourcing 6 Telefonia 7 Web

Leia mais

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda.

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo Copyright 2015 Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Todos os direitos reservados. Pode ser compartilhado com conteúdo,

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

CELULAR X COMPUTADOR APLICATIVO PARA CELULAR DICAS DO SEBRAE

CELULAR X COMPUTADOR APLICATIVO PARA CELULAR DICAS DO SEBRAE CELULAR X COMPUTADOR Atualmente, o Celular roubou a cena dos computadores caseiros e estão muito mais presentes na vida dos Brasileiros. APLICATIVO PARA CELULAR O nosso aplicativo para celular funciona

Leia mais

Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades

Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades João Batista Bottentuit Junior Universidade Federal do Maranhão UFMA jbbj@terra.com.br 29 de Outubro de 2013 Contexto

Leia mais

7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL

7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL DICAS PARA DIVULGAR SUA EMPRESA E AUMENTAR AS VENDAS NO FIM DE ANO 7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL Sumário Apresentação Capítulo 1 - Crie conteúdo de alta

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Melhores práticas para tratar dilemas de qualidade no desenvolvimento de aplicativos móveis

Melhores práticas para tratar dilemas de qualidade no desenvolvimento de aplicativos móveis CBSoft 2013 Trilha Indústria Melhores práticas para tratar dilemas de qualidade no desenvolvimento de aplicativos móveis Andreia Matos dos Santos Igor de Borborema Correia 21 de outubro de 2012 Palestrantes

Leia mais

Cultura Digital e Educação: desafios contemporâneos para a aprendizagem escolar em tempos de dispositivos móveis

Cultura Digital e Educação: desafios contemporâneos para a aprendizagem escolar em tempos de dispositivos móveis Fórum de Informática Educativa- CEPIC NTM Cultura Digital e Educação: desafios contemporâneos para a aprendizagem escolar em tempos de dispositivos móveis Profª Drª Cíntia Inês Boll / Faced/UFRGS Rafaela

Leia mais

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE Mayara Teles Viveiros de Lira (UFAL) Maria Helena de Melo Aragão (UFAL) Luis Paulo Leopoldo Mercado (UFAL) Resumo Este estudo analisa

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS CHAVE: jornalismo audiovisual, mobilidade, cobertura de eventos. 1. INTRODUÇÃO

RESUMO. PALAVRAS CHAVE: jornalismo audiovisual, mobilidade, cobertura de eventos. 1. INTRODUÇÃO Mobilidade e Cobertura de Eventos: O Lançamento da Nona Bienal do Mercosul Produzido Por Um Tablet 1. Rafael SILVA 2 Natalia Silveira RECH 3 Paula PUHL 4 RESUMO O objetivo deste artigo é destacar o jornalismo

Leia mais

Contextualização. *http://www.sophiamind.com/noticias/acesso-a-internet-movel-entre-as-mulherescresce-575-em-dois-anos/

Contextualização. *http://www.sophiamind.com/noticias/acesso-a-internet-movel-entre-as-mulherescresce-575-em-dois-anos/ Mobile Marketing Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem por cento

Leia mais

GfK Audience Measurements & Insights MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIA DE TV E VÍDEO

GfK Audience Measurements & Insights MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIA DE TV E VÍDEO MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIA DE TV E VÍDEO Em nenhum momento de toda a história dos meios de comunicação modernos houve tantas mudanças fundamentais na distribuição e mensuração da mídia. Com o surgimento da transmissão

Leia mais

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Abertos Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Caracterização de Sistemas Distribuídos Coulouris, Dollimore and Kindberg. Distributed Systems: Concepts and

Leia mais

Tipos de Rede. Maria João Bastos MegaExpansão 16-03-2010

Tipos de Rede. Maria João Bastos MegaExpansão 16-03-2010 2010 Tipos de Rede Maria João Bastos MegaExpansão 16-03-2010 REDES Em computação, rede de área local (ou LAN, acrónimo de local área network) é uma rede de computador utilizada na interconexão de equipamentos

Leia mais

Computação nas nuvens (Vantagens)

Computação nas nuvens (Vantagens) Computação em Nuvem Computação em nuvem O conceito de computação em nuvem (em inglês, cloud computing) refere-se à possibilidade de utilizarmos computadores menos potentes que podem se conectar à Web e

Leia mais

4G no Brasil: Demanda dos Usuários e Exemplos de Aplicações. Alexandre Jann FIESP. Marketing & Strategy General Manager NEC Latin America

4G no Brasil: Demanda dos Usuários e Exemplos de Aplicações. Alexandre Jann FIESP. Marketing & Strategy General Manager NEC Latin America 5º Encontro de Telecomunicações Respeito ao Consumidor 4G no Brasil: FIESP Demanda dos Usuários e Exemplos de Aplicações Alexandre Jann Marketing & Strategy General Manager NEC Latin America Tópicos Perfil

Leia mais

Ser a primeira opção para empresas que buscam soluções que combinem mobilidade, entretenimento e interatividade.

Ser a primeira opção para empresas que buscam soluções que combinem mobilidade, entretenimento e interatividade. MISSÃO Fornecer todas as ferramentas necessárias que possibilitem levar entretenimento e interatividade a todos os usuários de telefones móveis e fixo. OBJETIVO Ser a primeira opção para empresas que buscam

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

Estudo Hábitos. Hábitos de uso e comportamento dos internautas nas mídias sociais e como as empresas podem melhorar sua atuação nas redes

Estudo Hábitos. Hábitos de uso e comportamento dos internautas nas mídias sociais e como as empresas podem melhorar sua atuação nas redes Estudo Hábitos 2012 Hábitos de uso e comportamento dos internautas nas mídias sociais e como as empresas podem melhorar sua atuação nas redes O estudo O Estudo Hábitos é realizado anualmente pela E.life

Leia mais

Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet

Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet Oferecemos ao mercado nossa experiência e metodologia amplamente desenvolvidas ao longo de 15 anos de experiência

Leia mais

Soluções de Marke/ng Digital + Mobilidade

Soluções de Marke/ng Digital + Mobilidade Soluções de Marke/ng Digital + Mobilidade Março 2011 Por que inves/r em Mobile? Telefone celular é a única mídia que está 24 horas por dia com o usuário; Mercado brasileiro de web mobile equivale, em número

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

AMCO APRENDIZAGEM MÓVEL NO CANTEIRO DE OBRAS

AMCO APRENDIZAGEM MÓVEL NO CANTEIRO DE OBRAS AMCO APRENDIZAGEM MÓVEL NO CANTEIRO DE OBRAS LIMA, Luciana 1 DIAS, Daniele 2 IRELAND, Timothy 3 Centro de Educação /Departamento de Metodologia da Educação/ PROBEX RESUMO Este trabalho tem a finalidade

Leia mais

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO Sistema de rádio bidirecional digital profissional A solução de comunicação em rádios bidirecionais de próxima geração está aqui, com melhor desempenho, produtividade e preço e mais oportunidades para

Leia mais

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores ATIVIDADE 1 Definição de redes de computadores As redes de computadores são criadas para permitir a troca de dados entre diversos dispositivos estações de trabalho, impressoras, redes externas etc. dentro

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Campus: Campo Mourão Professor: Feitosa dos Santos E-mail: luiz_arthur@fornet.com.br Sumário: Introdução; Classificação. 2 É Praticamente impossível hoje

Leia mais

Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão

Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão SET 2014 A SET (Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão) é a principal associação de profissionais que trabalham com tecnologias e sistemas operacionais

Leia mais

O conceito de colaboração

O conceito de colaboração O conceito de colaboração O conceito de colaboração está ligado às técnicas que possibilitam que pessoas dispersas geograficamente possam trabalhar de maneira integrada, como se estivessem fisicamente

Leia mais

Prezado Futuro Cliente

Prezado Futuro Cliente Prezado Futuro Cliente É com grade satisfação que encaminhamos nossa apresentação institucional e certos de estabelecermos uma parceria de sucesso e duradoura. Ela foi desenvolvida com objetivo de mostrar

Leia mais

Mídias Sociais. Fatos e Dicas para 2013. Esteja preparado para um ano digital, social e interativo

Mídias Sociais. Fatos e Dicas para 2013. Esteja preparado para um ano digital, social e interativo Mídias Sociais Fatos e Dicas para 2013 Esteja preparado para um ano digital, social e interativo NESTE E-BOOK VOCÊ VAI ENCONTRAR: 1 - Porque as mídias sociais crescem em tamanho e em importância para o

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes FLORIANÓPOLIS 2014 2 RESUMO: O projeto apresentado é resultado

Leia mais

Marketing digital NARCISO SANTAELLA

Marketing digital NARCISO SANTAELLA Marketing digital 1 Introdução As agências de publicidade recorrem ao marketing digital para conquistar o público que hoje tem na web uma das principais fontes de informação. Utilizar todos os recursos

Leia mais

Tendências e mudanças no ambiente informacional Relatório de Tendências da IFLA

Tendências e mudanças no ambiente informacional Relatório de Tendências da IFLA Tendências e mudanças no ambiente informacional Relatório de Tendências da IFLA Sueli Mara Ferreira Webinar para América Latina e Caribe IFLA LAC e USP 18 de novembro de 2014 Surfando as ondas ou sendo

Leia mais

AMÉRICA LATINA E CARIBE ERICSSON MOBILITY REPORT - APÊNDICE NOVEMBRO

AMÉRICA LATINA E CARIBE ERICSSON MOBILITY REPORT - APÊNDICE NOVEMBRO AMÉRICA LATINA E CARIBE ERICSSON MOBILITY REPORT - APÊNDICE NOVEMBRO VISÃO GERAL DO MERCADO Principais dados: América Latina e Caribe M Assinaturas móveis (milhões) Assinaturas de smartphones (milhões)

Leia mais

Marcele Bastos Consultora de comunicação mbastos.sa@gmail.com MÍDIAS SOCIAIS

Marcele Bastos Consultora de comunicação mbastos.sa@gmail.com MÍDIAS SOCIAIS Marcele Bastos Consultora de comunicação mbastos.sa@gmail.com MÍDIAS SOCIAIS TEMAS o O que são mídias sociais (conceito, apresentação dos diversos canais das redes sociais, gestão dos canais) o Moda ou

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

O IMPACTO SOCIAL DA INTERNET

O IMPACTO SOCIAL DA INTERNET O IMPACTO SOCIAL DA Miguel Gomes da Costa Junior Rede de milhões de computadores de todo o mundo interligados por linhas telefônicas, fibra ótica e satélites. Poderosa fonte de informação e comunicação

Leia mais

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR CONTEÚDO 1 2 3 4 5 6 Por que as empresas precisam estar conectadas ao mundo mobile Como os aplicativos mobile podem atrair mais clientes. Como os aplicativos

Leia mais

INTRODUÇÃO. Desde que a imprensa surgiu, a comunicação se baseia na tecnologia:

INTRODUÇÃO. Desde que a imprensa surgiu, a comunicação se baseia na tecnologia: INTRODUÇÃO Desde que a imprensa surgiu, a comunicação se baseia na tecnologia: 1450 Imprensa de Gutemberg 1940 Primeiras transmissões na TV 1960 Internet começa a ser desenvolvida 1973 Primeira ligação

Leia mais

InfoReggae - Edição 32 Inclusão Digital 11 de abril de 2014. Coordenador Executivo José Júnior

InfoReggae - Edição 32 Inclusão Digital 11 de abril de 2014. Coordenador Executivo José Júnior O Grupo Cultural AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens das camadas populares.

Leia mais

Uma revolução para o e-call Center

Uma revolução para o e-call Center 1 Uma revolução para o e-call Center O canal de voz como principal ou única forma de comunicação dos contact e call centers é coisa do passado. Claro, seu uso não vai morrer tão cedo, mas a presença dos

Leia mais

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões Nosso entrevistado é o Prof. Dr. Rogério da Costa, da PUC-SP. A partir de um consistente referencial teórico-filosófico, mas em uma linguagem simples,

Leia mais

PASTORAL DIGITAL. na ótica do Diretório de Comunicação

PASTORAL DIGITAL. na ótica do Diretório de Comunicação PASTORAL DIGITAL na ótica do Diretório de Comunicação Para a Igreja, o novo mundo do espaço cibernético é uma exortação à grande aventura do uso do seu potencial para proclamar a mensagem evangélica. Mensagem

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO Por Leonardo Mussi da Silva Evolução do sistema telefônico como tudo começou 1875 Alexander Graham Bell e Thomas Watson, em projeto dedicado a telegrafia, se depararam com

Leia mais

Jornalismo móvel espaço de lugares e não-lugares e de novas práticas profissionais 1

Jornalismo móvel espaço de lugares e não-lugares e de novas práticas profissionais 1 Jornalismo móvel espaço de lugares e não-lugares e de novas práticas profissionais 1 Beatriz de Araújo Cavenaghi 2 Maria José Baldessar 3 Universidade Federal de Santa Catarina Resumo A partir da popularização

Leia mais

Segurança em Dispositivos Móveis.

Segurança em Dispositivos Móveis. <Nome> <Instituição> <e-mail> Segurança em Dispositivos Móveis Agenda Dispositivos móveis Riscos principais Cuidados a serem tomados Créditos Dispositivos móveis (1/2) Tablets, smartphones, celulares,

Leia mais

21º Congresso Quantificar o Futuro. Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL

21º Congresso Quantificar o Futuro. Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL 21º Congresso Quantificar o Futuro Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL Programa Data Hora Actividade 23/Nov. 11:30 Inauguração Oficial Innovation Lounge Visita efectuada ao Venture Lounge por Sua

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net APRESENTAÇÃO COMERCIAL www.docpix.net QUEM SOMOS Somos uma agência digital full service, especializada em desenvolvimento web, de softwares e marketing online. A Docpix existe desde 2010 e foi criada com

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Jornalismo Alternativo e a Internet: Uma Possibilidade Cidadã para a Notícia

Jornalismo Alternativo e a Internet: Uma Possibilidade Cidadã para a Notícia Jornalismo Alternativo e a Internet: Uma Possibilidade Cidadã para a Notícia GARRIDO, Bibiana 1 MAGNONI, Antônio Francisco 2 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO Neste breve relato de experiência

Leia mais

Você não consegue ver tudo que se passa com sua equipe? Nós podemos de ajudar.

Você não consegue ver tudo que se passa com sua equipe? Nós podemos de ajudar. Você não consegue ver tudo que se passa com sua equipe? Nós podemos de ajudar. Vídeo Monitoramento através do celular, smartphone agora é sinônimo de câmera IP. Plataforma de Vídeo Monitoramento Avançado

Leia mais

MOBILE APPS. Principais características. Permitir que o cliente compre produtos e serviços diretamente via app

MOBILE APPS. Principais características. Permitir que o cliente compre produtos e serviços diretamente via app MOBILE APPS Aplicativo para relacionamento e marketing digital, pronto para todos os dispositivos móveis, nas plataformas ios, Android (aplicativos nativos) e mobile web, para plataformas como BlackBerry

Leia mais

I - O que é o Mobilize-se

I - O que é o Mobilize-se Índice O que é o Mobilize-se...03 A campanha de lançamento...12 Divulgação da campanha...14 Como irá funcionar o sistema para o ouvinte da rádio...20 O que a rádio deve fazer para se inscrever no Mobilize-se...36

Leia mais

A INFLUÊNCIA DAS REDES SOCIAIS E SEU PAPEL NA SOCIEDADE

A INFLUÊNCIA DAS REDES SOCIAIS E SEU PAPEL NA SOCIEDADE A INFLUÊNCIA DAS REDES SOCIAIS E SEU PAPEL NA SOCIEDADE Arthur de Alvarenga Barros 1 Michelle Fernanda Alves do Carmo 2 Rafaela Luiza da Silva 3 RESUMO Com base nos textos disponibilizados pela disciplina

Leia mais

INFORME PORQUE TELEFÓNIA EM NUVEM?

INFORME PORQUE TELEFÓNIA EM NUVEM? INFORME PORQUE TELEFÓNIA EM NUVEM? Porque a Voz na Nuvem? 2 Índice Introdução... 3 Baixo Custo... 4 REQUISITOS MÍNIMOS DE CAPITAL... 4 EQUIPAMENTOS GENÉRICOS... 4 UTILIZAÇÃO DE MAIORES RECURSOS... 4 DESPESAS

Leia mais

EM PARCERIA COM APRESENTA: APLICATIVOS. Para sua empresa

EM PARCERIA COM APRESENTA: APLICATIVOS. Para sua empresa EM PARCERIA COM APRESENTA: APLICATIVOS Para sua empresa Panorama Geral Tudo converge o usuário para o ambiente mobile: - Tempo: toque ao invés de digitação - Conveniência: conexão a qualquer hora e em

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS Trabalho final da disciplina Computadores, Redes, IP e Internet Professor: Walter Freire Aluno:

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS. Carlos Jerônimo da Silva Gueiros

A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS. Carlos Jerônimo da Silva Gueiros A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS Carlos Jerônimo da Silva Gueiros Um mundo em transformação 1998 / 1999 Mutirão Digital apoiar as escolas públicas no acesso à Internet 2010-12 anos depois...

Leia mais

TELEFONIA CELULAR. Roteiro: História Como funciona WAP

TELEFONIA CELULAR. Roteiro: História Como funciona WAP TELEFONIA CELULAR Roteiro: História Como funciona WAP Milhões de pessoas em todo o planeta utilizam a telefonia celular, tecnologia que, atualmente, se tornou popular e barata. Muitas são as coisas que

Leia mais

http://cartilha.cert.br/ Publicação

http://cartilha.cert.br/ Publicação http://cartilha.cert.br/ Publicação O uso de tablets, smartphones e celulares está cada vez mais comum e inserido em nosso cotidiano Caso tenha um dispositivo móvel (tablet, smartphone, celular, etc.)

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Tecnologias; Tablet.

Palavras-chave: Educação Matemática; Tecnologias; Tablet. TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA: EXPLORANDO AS POSSIBILIDADES DO TABLET NA EDUCAÇÃO Nilton Silveira Domingues Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho niltonsdomingues@gmail.com Felipe Pereira

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Aprecie as apresentações a seguir. Boa leitura!

APRESENTAÇÃO. Aprecie as apresentações a seguir. Boa leitura! APRESENTAÇÃO A Informatiza Soluções Empresariais está no mercado desde 2006 com atuação e especialização na criação de sites e lojas virtuais. A empresa conta com um sistema completo de administração de

Leia mais

MANUAL DO PROFESSOR MODERNO: 15 FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS PARA MELHORAR A SUA PRODUTIVIDADE

MANUAL DO PROFESSOR MODERNO: 15 FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS PARA MELHORAR A SUA PRODUTIVIDADE MANUAL DO PROFESSOR MODERNO: 15 FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS PARA MELHORAR A SUA PRODUTIVIDADE SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> Não confie em sua memória: agendas e calendários online estão a seu favor... 5 >>

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais