Urupês - Monteiro Lobato

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Urupês - Monteiro Lobato"

Transcrição

1 Urupês - Monteiro Lobato No livro Urupês, estão publicados dois artigos importantes de ML. O primeiro, 'Velha Praga', teria sido a gênese da carreira de escritor de Monteiro Lobato. Sendo ele fazendeiro no interior de SP e sentindo-se prejudicado pelo excesso de queimadas provocadas pelos caboclos, escreve um texto indignado e o envia à seção de reclamações do jornal 'O Estado de São Paulo' que, percebendo o valor do escrito, publica-o, com destaque, fora das 'Queixas e Reclamações'. E, assim, ML começou a abrir seu espaço como 'homem de letras'. Em 'Velha Praga', o então fazendeiro ML chama o caboclo ignorante da roça de 'piolho da terra' e descreve-o como um ser seminômade que se instala em qualquer pedaço de terra, faz o seu rancho de sapé [que brota da terra como um 'urupê', de um dia para o outro], queima e destrói o máximo em troca de uma pequeníssima roça para subsistência mínima e, geralmente 'tocado' pelo proprietário da terra, parte, com a família miserável, para um novo sítio e novas devastações. No artigo 'Urupês', ML define e caracteriza, com precisão de detalhes o nosso caboclo, que ele chama de Jeca Tatu, como uma criatura ignorante, preguiçosa, inútil, sem nenhuma ambição, nenhum senso de arte, nenhum desejo de permanência e de realização. Entre outras coisas, o artigo diz: 'Todo o inconsciente filosofar do caboclo grulha nesta palavra atravessada de fatalismo e modorra: nada para a pena. Nem cultura, nem comodidades. De qualquer jeito se vive'. E mais adiante: '...o caboclo é o sombrio urupê de pau podre a modorrar silencioso no recesso das grotas'. Urupê, segundo o dicionário de Aurélio Buarque de Holanda, é uma espécie de fungo da família das poliporáceas; orelha-de-pau, pironga. Eis alguns contos: 1. O Faroleiro O narrador - Eduardo - conta uma tragédia que presencia enquanto permanece por alguns dias, como curioso, em visita ao Farol dos Albatrozes. O Faroleiro Gerebita fala a Eduardo de seu auxiliar - Cabrea - tachando-o de louco e dizendo ser Cabrea a única pessoa no mundo que não poderia estar lá com seu ajudante. Insinua também que ele estaria correndo o risco de sofrer uma agressão daquele louco. Certa noite, Eduardo acorda com ruídos de luta corporal, que culmina com a morte de Cabrea. Gerebita conta, depois que fora agredido pelo doido e, por isso, tivera de matá-lo. E pede a Eduardo que confirme a explicação que ele dará sobre a morte do ajudante que ele caíra na água. Quando deixa o farol, Eduardo fica sabendo que o morto havia roubado, tempos atrás, a mulher de Gerebita. Conclui, então, que a briga fora provocada pelo próprio faroleiro e que, matando Cabrea, Gerebita executara um ato de vingança. 2. O Engraçado Arrependido O Pontes, sujeito engraçadíssimo, aos 32 anos resolve mudar de vida, deixando de viver apenas de suas pilhérias. Porém ninguém o leva a sério quando ele procura trabalho entre os conhecidos de sua cidadezinha. Planeja, então, conseguir um cargo público [coletor federal], com auxílio de um parente da capital, que tinha influências políticas. Esse parente combinou que, logo que morresse o velho coletor - major Bentes - o Pontes deveria avisá-lo para que

2 sua nomeação fosse conseguida imediatamente. Era preciso, pois, pensou Pontes, 'providenciar' na morte do major Antônio Pereira da Silva. Tratava-se de um velho cardíaco [portador de um aneurisma], e Pontes planeja matá-lo num estouro de riso. Acaba conseguindo isso durante um jantar, na própria casa da vítima. Depois de contar a piada fatal, o 'assassino', tomado de profundo remorso e pavor, esconde-se em casa por vários dias, até receber do parente importante a notícia de que o cargo fora dado a outro, por não ter ele [Pontes] se manifestado logo após a morte do Major Bentes, conforme o combinado. Pouco depois de receber essa notícia, Pontes se suicida, enforcando-se numa perna de ceroula. Todos riram dessa última 'piada' do engraçado arrependido. 3. A Colcha de Retalhos O narrador vai visitar um conhecido, José Alvorada, morador da roça, para propor-lhe um trabalho. Durante a visita, fica conhecendo a única filha do José, Maria das Dores, apelidada Pingo D'Água, bela mocinha tímida de 14 anos. A avó, nhá Joaquina, mostra ao visitante a colcha de retalhos que fazia para a neta, aproveitando sobras de todos os vestidinhos da menina. Seria seu presente de noivado, e o último retalho seria o do vestido de casamento. Dois anos depois, o narrador volta ao sítio, que se encontrava em ruínas, para rever José Alvorada. Morrera-lhe a esposa [Sinh'Ana], e Pingo D'Água fugira, para ser 'moça' na cidade, levada por um rapazote da vizinhança. A velha avó, acabada pelos desgostos, abandonara a confecção da colcha. Lamentando a perda da neta como se esta houvesse morrido, dizia apenas aguardar a própria morte para levar a colcha inacabada feito mortalha. O narrador diz que a velha morre logo depois e não lhe satisfazem a última vontade. 4. A Vingança da Peroba João Nunes e Pedro Porunga são vizinhos. Moram em sítios próprios, separados pelo espigão do Nhéco. Porunga é monjoleiro afamado, próspero e só tem filhos homens. Nunes é cachaceiro e briguento; tem oito filhas e apenas um menino, de 7 anos, apelidado Pernambi. Os dois vizinhos viviam em desavença, e João Nunes tinha inveja da prosperidade de Pedro. Para tentar igualar-se ao Porunga, Nunes constrói um monjolo, com o auxílio do compadre Teixeirinha Maneta, também cachaceiro e pouco competente. Para fazer o monjolo, Nunes derruba uma velha peroba [árvore de madeira nobre] q eu ficava exatamente na divisa das duas terras. O Porunga enfurece e roga praga ao Nunes. Mais tarde, pronto o monjolo, verifica-se que tinha defeito e funcionava muito mal. Toda a vizinhança troçava da engenhoca, que foi apelidada de Ronqueira. Certo dia, após uma grande bebedeira de Nunes, que fazia o filho embriagar-se também, este desaparece, enquanto o pai dorme pesadamente. Pouco depois, ouve-se um grito terrível. A mãe e as irmãs correm. A cabeça do menino estava sendo esmigalhada pelo monjolo. O bêbado, quando depara com a cena dantesca, endoidecido, despedaça o monjolo a golpes de machado e cai abraçado ao corpo do filho [separado da cabeça]. O acidente teria acontecido porque a peroba derrubada, que fornecera a madeira ao monjolo, estaria cumprindo seu papel de 'pau de feitiço'*. *Segundo crença popular, cada mato teria uma árvore destinada a vingar-se por todas as que são derrubadas. Ninguém saberia que árvore seria essa, mas 'o desgraçado que acerta meter o

3 machado no cerne desse pau pode encomendar a alma para o diabo, que está perdido'. É o pau de feitiço. 5. Um Suplício Moderno Depois de quase cinco páginas, satíricas e irônicas, sobre as terríveis inconveniências do ofício de estafeta [antigo mensageiro dos Correios, que se deslocava a cavalo], o narrador começa a história propriamente dita. Esta conta as desventuras de Izê Biriba, um humilde cabo eleitoral da cidadezinha de Itaoca. Nomeado estafeta, logo após a eleição de um chefete local, seu correligionário, Biriba passa por todos os suplícios do cargo, sem conseguir livrar-se dele. Alguns dos suplícios: andar muitas léguas no lombo do cavalo magro; transitar por péssimos caminhos; suportar todas as intempéries; procurar e carregar as encomendas mais absurdas; ouvir xingamentos dos insatisfeitos com as encomendas; pagar os juros pela compra do cavalo que fora obrigado a comprar e era obrigado a continuar sustentando, etc. Biriba bem que tentava pedir demissão do cargo, mas o chefe, espertalhão e inconsciente, aproveitando-se do excesso de subserviência e humildade de Biriba, 'convence-o' de que ele conseguira um ótimo emprego e que Biriba não poderia mostrar-se ingrato. E o infeliz estafeta, que tinha o péssimo hábito de replicar a tudo com um submisso 'sim senhor', continua sofrendo por um bom tempo ainda. Quando se aproximam as próximas eleições, Biriba decide evitar, a qualquer custo, que seu partido vencesse de novo. Só assim ele terá chances de livrar-se do maldito emprego. Às vésperas da eleição, seu chefe político encarrega-o de importantíssima missão, e ele deixa de cumpri-la, desaparecendo inexplicavelmente de Itaoca, por dez dias. Graças a esta deslealdade política de Biriba, seu partido é derrotado. Porém, quando Biriba volta à cidade, certo de que seria demitido, o novo chefe político [Evandro], que já pusera no olho-da-rua todos os partidários de Fidêncio [o vencido], comunica a Biriba que, como ele era o único sujeito bom 'da quadrilha do Fidêncio', seria mantido no cargo de estafeta. Desesperado, Biriba [o 'sim senhor'] desaparece para sempre. 6. Meu Conto de Maupassant* Um ex-delegado de polícia, viajando de trem, conta a um amigo um fato em que ele tivera certa participação profissional. E diz ao amigo que se lembrou de lhe narrar o seu 'conto de Maupassant' porque estavam passando por uma velha árvore, um saguaragi, que teria sido 'comparsa' dos acontecimentos. Sucedera que, junto daquela árvore, quando o narrador era delegado naquela região, aparecera o 'corpo morto' de uma velha picada a foice. O principal suspeito do bárbaro crime, um certo italiano de má fama, dona de uma venda, fora preso, mas solto, logo depois, por falta de provas. Muito tempo depois, preso por outros delitos, o suspeito, recambiado à cidade, donde se afastara logo após o crime, suicida-se em circunstâncias estranhas: joga-se pela janela do trem, justamente no memento em que ele cruza com o saguaragi onde aparecera o corpo da velha assassinada. Isso leva a pensar que ele realmente havia cometido aquele crime e que se suicidara pelos remorsos que deveria sentir. Logo depois, porém, é preso um filho da velha assassinada: havia matado um companheiro a foiçadas. E, para espanto de todos, confessa Ter sido também o assassino da própria mãe. *Guy de Maupassant: grande contista francês do século XIX, que explorava, principalmente,

4 temas sobre amores trágicos e mortes violentas. 7. Pollice Verso Obs.: Este título é uma expressão latina que significa polegar para baixo, gesto usado pelos antigos romanos quando desejavam que, nos combates de gladiadores, fosse morto o gladiador vencido. Nesse conto, ML faz uma sátira mordaz à incompetência e desonestidade no exercício da medicina. Trata-se da história do filho mais moço do Cel. Inácio da Gama, o Inacinho, que sai de Itaoca para estudar medicina no Rio. Formado, volta a Itaoca. Incompetente, mau caráter, sem nenhuma vocação pra o trabalho médico, importa-se apenas em descobrir um meio rápido de ganhar dinheiro. Seu maior objetivo era uma viagem a Paris, onde poderia reencontrar a amante francesa que conhecera no RJ. Assim, ao tratar o primeiro paciente rico em Itaoca, Inacinho calcula, friamente, que, estendendo o 'tratamento' até deixá-lo morrer, poderia cobrar muito mais caro. E assim faz. Os herdeiros, inconformados com os absurdos honorários cobrados, recorrem à justiça. Esta decide favoravelmente ao médico inconseqüente, apoiada na opinião, também desonesta e interesseira, dos outros médicos da cidadezinha. Conseqüentemente, o doutor Inacinho recebe a sua bolada e vai encontrar-se com Yvonne em Paris, dizendo ao ingênuo pai [orgulhosíssimo do filho importante] que iria aperfeiçoar estudos na Sorbonne. 8. Bucólica Depois de fazer divagações sobre a beleza e harmonia da natureza campestre [bucólica] e de relatar dois rápidos encontros com caboclos humildes, o narrador conta o acontecimento principal, que pode ser assim resumido: Entrando no sítio de Maria Veva, o narrador encontra o marido dela, Pedro Suã, que diz estar indo providenciar no enterro da própria filha, a menina Anica. O narrador vai, então, até a casa de Nhá Veva, mulher feia, papuda e mal-encarada. Esta, secamente, evita dar detalhes sobre a morte da filha, uma pobre aleijadinha, de 7 anos. Retirando-se irritado, o narrador, pouco adiante, cruza com Inácia, a preta agregada aos Suãs. Esta, muito chorosa, de trouxa na cabeça, diz que está indo embora, porque não suporta mais viver junto da malvada Maria Veva. E relata que ela [Inácia] era quem cuidava da aleijadinha. Na noite anterior, porém, não estando Inácia em casa e tendo a menina ficado com febre, a maldosa mãe não atendera às suplicas da doentinha, que pedia água. A pobre Anica, no desespero da febre e da sede, chegara a arrastar-se até junto do pote d'água, mas não conseguira beber. A diabólica Nhá Veva não fizera um gesto [há muito que parecia querer livrar-se da aleijadinha], e o infeliz Pedro Suã, bêbado, não vira nada. A menina, portanto, morrera de sede, segundo repetia, desesperada, a boa Inácia. Tudo isso a preta ficara sabendo pelo Zico, um negrinho que também vivia junto aos Suãs e que dissera não ter socorrido a menina por medo de ser castigado pela terrível Nhá Veva. 9. O Mata-Pau*

5 Elesbão do Queixo d'anta casa com Rosinha Póca, de família onde 'as saias nunca valeram nada'. Honesto e trabalhador, Elesbão prospera. Não tinham filhos, até que lhes aparece uma criança enjeitada. Criam-na e à medida que cresce, o menino revela-se de má índole. Chamase Manoel Aparecido e ganha apelido de Ruço, por causa da pele e cabelo claros. Com dezoito anos, preguiçoso, trapaceiro, mau-caráter, Ruço torna-se amante da mãe adotiva, que só então confirma a má casta donde proviera. Elesbão, alertado pelo velho pai antes de morrer, passa a vigiar a esposa. Ruço, com medo de ser descoberto, mata o 'pai' numa emboscada. Logo depois, começa a maltratar Rosa, até obrigá-la a vender tudo o que ainda restava da propriedade deixada pelo marido. Combinam viajar para o oeste. Na véspera da partida, pela noite, Rosa acorda com a casa em chamas e a porta trancada por fora. Ela consegue safar-se com as roupas em fogo, atira-se ao tanque, é socorrida mais tarde, cura-se das feridas, mas enlouquece. *Mata-pau: árvore parasita, originária de pequenos filamentos, que 'engole' aquela que a sustentou. 10. Bocatorta As terras do Atoleiro, pertencentes ao Major Zé Lucas, abrigavam um profundíssimo pântano, que já engolira muitos animais e um homem, pelo menos. Nas matas da fazenda, habitava o Bocatorta, criatura monstruosa, de corpo e rosto totalmente deformados, que era filho de antiga escrava dos pais do Major. Certa vez, visitando a fazenda, o bacharel Eduardo, noivo de Cristina, única filha do Major, estimulado pelas histórias macabras que se contavam sobre o Bocatorta, pede para ir conhecer o monstro. Apesar dos protestos de Cristina, que sempre temera o Bocatorta, ela e os pais acompanham Eduardo à 'toca' do negro maldelazento. Todos voltam em estado de grande mal-estar, num fim de tarde em que se arma uma tempestade. Cristina não passa bem à noite, amanhece febril e logo está atacada de pneumonia, doença que mata dez dias depois. Na noite do dia em que a bela Cristina fora enterrada, seu noivo Eduardo resolve visitar o túmulo para lhe dar um último adeus. Chegando ao cemitério, descobre, horrorizado, que a sepultura estava sendo violada pelo repulsivo Bocatorta. Chamados o Major e o capataz da fazenda, perseguem o horrendo monstro necrófilo, lutam com ele já dentro do mato e, finalmente, em vez de matá-lo com um tiro, acabam por arrastá-lo para dentro do pântano, sumidouro implacável, de cujo lodo ninguém saía vivo. Foi a punição imposta ao hediondo ser que desenterrara a infeliz Cristina e 'babujara em seus lábios o beijo único de sua vida'. 11. O Comprador de Fazendas Espigão era o nome de uma fazenda improdutiva, de má terra e muitos azares. O dono, David Moreira de Souza, quer vendê-la, mas não arranja comprador. Pedro Trancoso, o Trancosinho, era um jovem espertalhão, que se fingia, às vezes, de comprador de fazendas, para tirar proveito de alguns dias de bela hospedagem na casa dos fazendeiros. Certa vez, simula interesse em comprar a fazenda arruinada do Moreira, que forjara certas 'arrumações' e benfeitorias para enganar o provável comprador.

6 Trancoso, brindado com excelente hospedagem enquanto examina o negócio, leva de presente o rosilho do Moreira e promete voltar logo, para efetivar o negócio. Como demora o seu retorno, Moreira acaba descobrindo que ele era um trapaceiro. A família enche-se de revolta contra o impostor. Acontece, porém, que Trancoso acerta na loteria e decide comprar mesmo a fazenda do Moreira, pretendendo, inclusive, casar-se com Zilda, a filha do fazendeiro arruinado. Quando volta, seguro de que tudo daria certo, Moreira, que não sabia do prêmio lotérico, vinga-se do espertalhão, expulsando-o com uma grande surra de rabo de tatu. E perde a única oportunidade que teria de vender a fazenda do Espigão e, de quebra, descarta-se da filha solteira. 12. O Estigma Bruno, o narrador, encontra Fausto, antigo companheiro de escola, em circunstâncias casuais, na fazenda do próprio Fausto. Bruno dica sabendo, então, que o ex-colega, logo depois de formado, casara-se, por interesse, com uma mulher rica, que logo se revela uma pessoa má. Fausto vivia seis meses na fazenda e seis meses na capital. Além dos filhos, tinha, na fazenda, uma prima órfã, a quem resolvera proteger após a morte dos pais. Laura [ou Laurita], a órfã, aos 15 anos, tinha viço e beleza irresistível e desperta uma profunda paixão em Fausto, que padecia as agruras de um casamento errado. Bruno parte da fazenda, lamentando a sorte do amigo, e só volta a encontrá-lo vinte anos depois, quando Fausto lhe narra a continuação de seu drama. Apesar de manter o seu amor secreto em segredo, a mulher ciumenta e perversa, 'leu tudo dentro de mim, como se o coração me pulsasse, num peito de cristal'. A partir daí, a vida de Fausto torna-se cada vez mais infernal, a mulher acusando de amásios a ele e a Laura, que, na verdade, jamais tivera qualquer tipo de relacionamento amoroso. Certo dia, voltando de uma caçada e cientificado de que Laurita desaparecera desde cedo, Fausto organiza uma batida no bosque próximo à fazenda e descobre morta a menina, com um tiro no peito e o revólver dele junto de sua mão direita. Tudo indicava um suicídio inexplicável. Fausto, além do grande sofrimento pela perda do seu amor secreto, vive angustiado pelo estigma daquela morte trágica. Ficara sabendo que, pouco depois do desaparecimento de Laura, na tarde da tragédia, sua mulher estivera fora de casa por algum tempo. E, durante velório e enterro, ela se recusara a ver a morta, trancando-se no quarto e alegando indisposição pelo estado de gravidez em que se encontrava. Dias depois, a mulher volta à vida normal, demonstrando mudança de gênio e falando quase nada. Quando, meses depois, nasce-lhe o filho, Fausto constata, espantado, que o menino trazia uma marca no peito, um estigma, que reproduzia com exatidão o ferimento que ele vira no peito de Laurita; 'um núcleo negro, imitante furo de bala, e a 'cobrinha', uma estria enviesada pelas costelas abaixo'. A 'cobrinha', vermelha, representava o sangue escorrido. Fausto compreende que aquele estigma era a denúncia do crime pelo único ser que o testemunhara: o feto em formação no ventre da criminosa. Quando o marido lhe mostra o peito do menino e a acusa, a mulher desfalece. Logo depois, é atacada de uma febre puerperal gravíssima e vem a morrer.

7 O filho marcado era um rapazinho imberbe, único dos filhos que ainda vivia com Fausto, quando Bruno reencontra o amigo numa rua do Rio de Janeiro, vinte anos depois do primeiro encontro, na fazenda. A narrativa é feita em primeira pessoa, por Bruno.

Urupês Monteiro Lobato. 2ª série Prof. Ana Santa Felicidade

Urupês Monteiro Lobato. 2ª série Prof. Ana Santa Felicidade Urupês Monteiro Lobato 2ª série Prof. Ana Santa Felicidade Os negros da África, caçados a tiro e trazidos à força para a escravidão, vingaram-se do português de maneira mais terrível amulatando-o e liquefazendo-o,

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

Argumento para Série Não Conte a Ninguém

Argumento para Série Não Conte a Ninguém UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Curso: 1069/432 - Curso Superior De Tecnologia Em Produção Audiovisual Disciplina: Roteiro para Televisão Professor: Ricardo J. Sekula Turma: Período: 2 Ano/Semestre

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

José de Alencar. Por Carlos Daniel S. Vieira

José de Alencar. Por Carlos Daniel S. Vieira José de Alencar Por Carlos Daniel S. Vieira Obras Romances urbanos Senhora Romances indianistas Iracema Romances regionalistas Til Teatro de costumes O Demônio Familiar Características do autor Idealização

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

O comerciante francês havia sido um homem talentoso e amável. Tinha uma mulher encantadora e uma família numerosa. Contrastado com o pétreo Mr.

O comerciante francês havia sido um homem talentoso e amável. Tinha uma mulher encantadora e uma família numerosa. Contrastado com o pétreo Mr. I. MR. CLAY Na década de sessenta do século passado, vivia em Cantão um negociante de chá, imensamente rico, de nome Mr. Clay. Era um velho alto, seco e insociável. Tinha uma casa magnífica e uma esplêndida

Leia mais

UNIFORMES E ASPIRINAS

UNIFORMES E ASPIRINAS SER OU NÃO SER Sujeito desconfiava que estava sendo traído, mas não queria acreditar que pudesse ser verdade. Contratou um detetive para seguir a esposa suspeita. Dias depois, se encontrou com o profissional

Leia mais

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa FIM DE SEMANA Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa CENA 1 EXTERIOR / REUNIÃO FAMILIAR (VÍDEOS) LOCUTOR Depois de uma longa semana de serviço, cansaço, demoradas viagens de ônibus lotados...

Leia mais

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG Um cacique kaingang, meu amigo, me escreveu pedindo sugestões para desenvolver, no Dia do Índio, o seguinte tema em uma palestra: "Os Valores Culturais da Etnia Kaingáng".

Leia mais

Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório. Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11.

Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório. Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11. Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11.11 Introdução Negar princípios parece ser uma coisa comum em nossos

Leia mais

Mensagem: Fé provada. Por David Keeling.

Mensagem: Fé provada. Por David Keeling. Mensagem: Fé provada. Por David Keeling. Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renunciese a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me; Porque aquele que quiser salvar

Leia mais

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a Lei Maria da Penha Pelo fim da violência ulher contra a Ligação gratuita, 24 horas, para informações sobre a Lei Maria da Penha e os serviços para o atendimento às mulheres em situação de violência. Lei

Leia mais

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012.

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. MALDITO de Kelly Furlanetto Soares Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. 1 Em uma praça ao lado de uma universidade está sentado um pai a

Leia mais

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora Maria e José Esta é a história de Jesus e de seu irmão Cristo, de como nasceram, de como viveram e de como um deles morreu. A morte do outro não entra na história. Como é de conhecimento geral, sua mãe

Leia mais

Tirado do website: www.spiritlessons.com

Tirado do website: www.spiritlessons.com Tirado do website: www.spiritlessons.com A artista foi levada para o inferno pelo proprio senhor Jesus. Essa artista vinha atendendo as reuniões de oração desde Abril de 2009 e continua a faze-lo. Nisso

Leia mais

"JOSÉ LEÃO, UM MITO SANTO E O CLAMOR DE UM POVO POR JUSTIÇA".

JOSÉ LEÃO, UM MITO SANTO E O CLAMOR DE UM POVO POR JUSTIÇA. "JOSÉ LEÃO, UM MITO SANTO E O CLAMOR DE UM POVO POR JUSTIÇA". Capela de José Leão. Erguida em honra ao jovem assassinado no ano de 1877. Fonte: Foto do Portal Cabuginet. A História de José Leão é cercada

Leia mais

MARK CARVALHO. Capítulo 1

MARK CARVALHO. Capítulo 1 MARK CARVALHO Capítulo 1 Mark era um menino com altura média, pele clara, pequenos olhos verdes, cabelos com a cor de avelãs. Um dia estava em casa vendo televisão, até que ouviu: Filho, venha aqui na

Leia mais

PRIMEIRO ATO ARGUMENTO

PRIMEIRO ATO ARGUMENTO PRIMEIRO ATO ARGUMENTO Entrando numa horta, procurando um falcão de sua propriedade, Calisto encontra Melibéia. Empolgado de amor por ela, põe-se a falar. Rechaçado por ela volta para casa angustiado.

Leia mais

DOCE BALANÇO Novela de Antonio Figueira

DOCE BALANÇO Novela de Antonio Figueira DOCE BALANÇO Novela de Antonio Figueira Escrita por Antonio Figueira Personagens deste capítulo: DETETIVE AMADEU ALFREDINHO DELEGADO NOGUEIRA VALÉRIA MONTEIRO PRADO MALU CARMEN HUGO MATIAS MARCELÃO ISADORA

Leia mais

A Praga do Poço do Abismo

A Praga do Poço do Abismo A Praga do Poço do Abismo Apocalipse 9:1-21 O quinto anjo tocou a trombeta, e vi uma estrela caída do céu na terra. E foi-lhe dada a chave do poço do abismo. Ela abriu o poço do abismo, e subiu fumaça

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus.

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. JÓ Lição 05 1 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. 2. Lição Bíblica: Jô 1 a 42 (Base bíblica para a história e o professor)

Leia mais

NO ABRIR DA MINHA BOCA (EFÉSIOS 6:19) modelo da mensagem

NO ABRIR DA MINHA BOCA (EFÉSIOS 6:19) modelo da mensagem NO ABRIR DA MINHA BOCA (EFÉSIOS 6:19) modelo da mensagem Tudo bem. Eu vou para casa! Foi o que uma moça disse a seu namorado, na República Central-Africana. Tudo começou porque ele ia fazer uma viagem

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Leandro Gomes de Barros

Leandro Gomes de Barros Leandro Gomes de Barros As Proezas de um Namorado Mofino Sempre adotei a doutrina Ditada pelo rifão, De ver-se a cara do homem Mas não ver-se o coração, Entre a palavra e a obra Há enorme distinção. Zé-pitada

Leia mais

Nicholas Sparks. Tradução: Marsely De Marco Martins Dantas

Nicholas Sparks. Tradução: Marsely De Marco Martins Dantas Nicholas Sparks Tradução: Marsely De Marco Martins Dantas A ÚLTIMA MÚSICA 1 Ronnie Seis meses antes Ronnie estava sentada no banco da frente do carro sem entender por que seus pais a odiavam tanto. Era

Leia mais

O ANO-NOVO ALGUNS ANOS ANTES

O ANO-NOVO ALGUNS ANOS ANTES O ANO-NOVO ALGUNS ANOS ANTES Victoria Saramago 1 1 É mestranda em Literatura Brasileira pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ, com bolsa da FAPERJ. Contos e etc. Ela me repetia aquela história,

Leia mais

Unidade 9 Expressões idiomáticas

Unidade 9 Expressões idiomáticas UNIDADE 9 Expressões idiomáticas Uma lista de Expressões idiomáticas, será que você pode acrescentar mais alumas? Perder a cabeça - descontrolar-se Viver no mundo da lua - ser distraído Bater papo - conversar

Leia mais

A Perdição de Deepvalley

A Perdição de Deepvalley A Perdição de Deepvalley Resumo da Aventura: Uma cidade é amaldiçoada por um necromante que trouxe ao mundo diversas criaturas dos mortos. Gancho da Aventura: O grupo deve estar viajando e em seu caminho

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki Page 1 of 7 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia Cultural Educador: João Nascimento Borges Filho Poética & Filosofia

Leia mais

Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 17/03/2013 A QUEDA. Versículos para Decorar (Estamos usando a Bíblia na Nova Versão Internacional NVI)

Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 17/03/2013 A QUEDA. Versículos para Decorar (Estamos usando a Bíblia na Nova Versão Internacional NVI) Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 17/03/2013 A QUEDA Versículos para Decorar (Estamos usando a Bíblia na Nova Versão Internacional NVI) 1 - Sei que sou pecador desde que nasci, sim, desde

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 O MENINO MAU Hans Christian Andersen 3 Contos de Hans Christian Andersen Hans Christian Andersen nasceu em Odensae, em 2 de abril de 1805, e faleceu em Conpenhague em

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

Flavia Mariano. Equilíbrio. a vida não faz acordos. 1ª Edição POD

Flavia Mariano. Equilíbrio. a vida não faz acordos. 1ª Edição POD Flavia Mariano Equilíbrio a vida não faz acordos 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2011 Edição e revisão KBR Editoração APED Capa KBR Imagem da capa fotomontagem sobre arquivo Google Copyright 2011 Flavia Mariano

Leia mais

sobre pressão alta Dr. Decio Mion

sobre pressão alta Dr. Decio Mion sobre pressão alta Dr. Decio Mion 1 2 Saiba tudo sobre pressão alta Dr. Decio Mion Chefe da Unidade de Hipertensão do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP)

Leia mais

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva SARAMAU Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva CENA 1 Saramau entra no palco leve e com um ar de alegria e paz. ela acaba de compreender que ama de verdade José o seu marido. Ela entra chamando pelo

Leia mais

MEMÓRIAS DOS APOSENTADOS CARLOS EDSON MARTINS PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO NA ENTRÂNCIA ESPECIAL

MEMÓRIAS DOS APOSENTADOS CARLOS EDSON MARTINS PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO NA ENTRÂNCIA ESPECIAL MEMÓRIAS DOS APOSENTADOS CARLOS EDSON MARTINS PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO NA ENTRÂNCIA ESPECIAL Início na carreira A bem da verdade nunca havia sonhado em ser promotor. Foi na faculdade, sob a influência

Leia mais

AUTO DE NATAL OUTRO NATAL

AUTO DE NATAL OUTRO NATAL AUTO DE NATAL OUTRO NATAL Escrito em conjunto com Cristina Papa para montagem pelo curso Técnico Ator 2007/2008 do SENAC Araraquara-SP, sob supervisão do professor Carlos Fonseca. PERSONAGENS: CORO / NARRADORES

Leia mais

Criança com deficiência

Criança com deficiência Criança com deficiência Não espero pelos outros. Começo eu mesmo. Como toda criança, a criança com deficiência precisa de muito amor, atenção, cuidados e proteção. Precisa também brincar com outras crianças

Leia mais

Um domingo além da razão

Um domingo além da razão Um domingo além da razão Leon Tolstói Confissão Minha pergunta - aquela que aos 50 anos quase me levou ao suicídio - era a mais simples das perguntas que habitam a alma de qualquer ser humano... uma pergunta

Leia mais

Edição: Rodrigo Amorim DESENHOS: Lavínya Vieira CORDEL: 1º ANO A 02

Edição: Rodrigo Amorim DESENHOS: Lavínya Vieira CORDEL: 1º ANO A 02 O Cordel, Paixão e Poesia: Castro Alves o poeta da Bahia foi feito pelos alunos do 1º ano A (IF Baiano campus Itapetinga). O cordel é uma grande homenagem ao grande poeta baiano Castro Alves, conhecido

Leia mais

CASOS COM TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE E PROCESSO COM HOMÍCIDIOS DOLOSOS

CASOS COM TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE E PROCESSO COM HOMÍCIDIOS DOLOSOS ANDRESSA FRANCIELLI ROCHA CASOS COM TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE E PROCESSO COM HOMÍCIDIOS DOLOSOS IVAIPORÃ PR 2012 INTRODUÇÃO Como se há de verificar, por meio desse trabalho será apresentado modelos

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Estatuto em Cordel. Verônica Azevedo

Estatuto em Cordel. Verônica Azevedo Estatuto em Cordel Verônica Azevedo OLIVEIRA DAS PANELAS SABIAMENTE JÁ DIZIA: ADMIRO A JUVENTUDE NÃO QUERER ENVELHECER. VELHO, NINGUÉM QUER FICAR, NOVO, NINGUÉM QUER MORRER. SÓ É VELHO QUEM BEM VIVE, BOM

Leia mais

Tema: Quatro Pecados Contaminantes

Tema: Quatro Pecados Contaminantes Tema: Quatro Pecados Contaminantes Data: 01.11.14 Culto: Sábado Pr. Leandro Hoje o mundo está à mercê do vírus ebola que é um vírus extremamente contaminante, porém há algo mais contaminante que este vírus

Leia mais

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador.

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. Algumas quedas servem para que nos levantemos mais felizes. A gratidão é o único tesouro dos humildes. A beleza atrai os

Leia mais

O Tempo do Cativeiro

O Tempo do Cativeiro O Tempo do Cativeiro As narrativas sobre o tempo do cativeiro se constróem a partir da rememoração de casos e histórias que os depoentes ouviram contar dos pais e avós. Nem sempre estas histórias dizem

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA PROVA 3º BIMESTRE 6 ANO

LÍNGUA PORTUGUESA PROVA 3º BIMESTRE 6 ANO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA PROVA 3º BIMESTRE 6 ANO 2010 QUESTÃO 1 Folheto Publicitário No

Leia mais

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46 A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46 1 1. Objetivos: Mostrar que o Senhor Jesus morreu na cruz e foi sepultado. Ensinar que o Senhor Jesus era perfeito; não havia nada que o condenasse. Ensinar que depois

Leia mais

Ato Único (peça em um ato)

Ato Único (peça em um ato) A to Ú nico Gil V icente Tavares 1 Ato Único (peça em um ato) de Gil Vicente Tavares Salvador, 18 de agosto de 1997 A to Ú nico Gil V icente Tavares 2 Personagens: Mulher A Mulher B Minha loucura, outros

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

Páscoa do Senhor de 2015 Missa do Dia.

Páscoa do Senhor de 2015 Missa do Dia. Páscoa do Senhor de 2015 Missa do Dia. Caríssimos Irmãos e Irmãs: Assim que Maria Madalena vira o túmulo vazio, correu à Jerusalém atrás de Pedro e João. Tiraram o Senhor do sepulcro, e não sabemos onde

Leia mais

QUESTÃO 1 Texto para as questões 1, 2 e 3.

QUESTÃO 1 Texto para as questões 1, 2 e 3. Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSARÁ O 7º ANO EM 2012 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: QUESTÃO 1 Texto para as questões 1, 2 e 3. Considere as afirmações I.

Leia mais

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano O Menino do Futuro Dhiogo José Caetano 1 Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno inventor que

Leia mais

A VERDADEIRA HISTÓRIA DOS TRÊS PORQUINHOS

A VERDADEIRA HISTÓRIA DOS TRÊS PORQUINHOS COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION Troca do Livro Lições de Português e de História 3º ano 3º A e B 3º C 3º D Semana de 7 a 11 de outubro quarta-feira segunda-feira terça-feira Leia o texto abaixo para realizar

Leia mais

De volta para casa. Game Design Document. Versão: 2.0. Alessandra RA 1385789. Aline RA 1382286. Allan RA 1385006. Fabio RA 1385806.

De volta para casa. Game Design Document. Versão: 2.0. Alessandra RA 1385789. Aline RA 1382286. Allan RA 1385006. Fabio RA 1385806. De volta para casa Game Design Document Versão: 2.0 Professor Orientador: Esp. Marcelo Henrique dos Santos Autores: Alessandra RA 1385789 Aline RA 1382286 Allan RA 1385006 Fabio RA 1385806 Iris RA 1383599

Leia mais

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Três anos depois, lei Maria da Penha diversifica perfil de mulheres que procuram ajuda contra violência doméstica. Quais são os resultados trazidos pela lei Maria da Penha?

Leia mais

A DOMÉSTICA (FILME CURTA) Final 2

A DOMÉSTICA (FILME CURTA) Final 2 A DOMÉSTICA (FILME CURTA) Final 2 Roteiro de Alcir Nicolau Pereira Versão de NOVEMBRO DE 2012. 1 A DOMÉSTICA (FILME-CURTA) --------------------------------------------------------------- PERSONAGENS Empregada

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

Carlos Melo de Andrade Página 1

Carlos Melo de Andrade Página 1 Copyright 2012-Todos os direitos reservados a: Carlos Melo de Andrade Publicado sob autorização do escritor. Nenhuma parte desta obra pode ser reproduzida por qualquer processo eletrônico ou mecânico,

Leia mais

Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2 Exercícios Semana 1 Parte 2 Revisão Verbos irregulares no pretérito perfeito do indicativo:

Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2 Exercícios Semana 1 Parte 2 Revisão Verbos irregulares no pretérito perfeito do indicativo: Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2 Exercícios Semana 1 Parte 2 Revisão Verbos irregulares no pretérito perfeito do indicativo: 1) Complete as frases abaixo com o pretérito perfeito dos seguintes

Leia mais

TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA

TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA letreiro 1: Sem o modernismo dos tempos atuais, o samba sertanejo era uma espécie de baile rústico, que ia noite à dentro até o raiar do dia, com seus matutos dançando e entoando

Leia mais

As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria (092-236-5568 e 092-985-5420)

As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria (092-236-5568 e 092-985-5420) Fica autorizada a reprodução do texto e ilustrações, no todo ou em parte, desde que se não altere o sentido, bem como seja citada a fonte. As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO.

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. TEXTO: 1 Entrando em Jericó, atravessava Jesus a cidade. 2 Eis que um homem, chamado Zaqueu, maioral dos publicanos e rico, 3 procurava ver

Leia mais

19º Plano de Aula. 1-Citação as Semana: 2-Meditação da Semana: 3-História da Semana: 4-Música da Semana: 5-Atividade Integrada da

19º Plano de Aula. 1-Citação as Semana: 2-Meditação da Semana: 3-História da Semana: 4-Música da Semana: 5-Atividade Integrada da 19º Plano de Aula 1-Citação as Semana: Pequena é a abelha, mas produz o que de mais doce existe. 2-Meditação da Semana: Ajudar o próximo 5 47 3-História da Semana: Uma lição a aprender 4-Música da Semana:

Leia mais

Batalha Espiritual O Princípio de Autoridade

Batalha Espiritual O Princípio de Autoridade Batalha Espiritual O Princípio de Autoridade Efésios 6:10-12... tornem-se cada vez mais fortes, vivendo unidos com o Senhor e recebendo a força do seu grande poder. Vistam-se com toda a armadura que Deus

Leia mais

LIMITES NA ADOLESCÊNCIA. Como impor limites a um adolescente, se o meio influencia justamente o contrário?

LIMITES NA ADOLESCÊNCIA. Como impor limites a um adolescente, se o meio influencia justamente o contrário? LIMITES NA ADOLESCÊNCIA Como impor limites a um adolescente, se o meio influencia justamente o contrário? Limitar é ensinar a tolerar frustrações. É prevenir para que, no futuro, uma dificuldade qualquer

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa; Excelentíssimos Senhores Deputados; Excelentíssimos Senhores Membros do Governo;

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa; Excelentíssimos Senhores Deputados; Excelentíssimos Senhores Membros do Governo; PAULO GUSMÃO Deputado Independente Sim à Vida! Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa; Excelentíssimos Senhores Deputados; Excelentíssimos Senhores Membros do Governo; Partamos do princípio.

Leia mais

ROTEIRO- Hoje é festa de São João

ROTEIRO- Hoje é festa de São João ROTEIRO- Hoje é festa de São João INT. CASA DE MARIA - QUARTO - NOITE A cidade de Campina Grande estar em festa, é noite de São João. Da janela do quarto, MARIA uma mulher sonhadora, humilde, recém-chegada

Leia mais

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena OSUTERBOS DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. JANEIRO escrito por: Antפnio Carlos Calixto Filho Personagens: Dana de Oliveira uma moça simples ingênua morena olhos pretos como jabuticaba,1.70a,sarad a cabelos

Leia mais

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia O livro Vanderney Lopes da Gama 1 Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia enfurnado em seu apartamento moderno na zona sul do Rio de Janeiro em busca de criar ou

Leia mais

O primeiro texto em II Rs 6:1 7 (versão RA), onde um servo perdeu um machado e o profeta Eliseu faz um ato profético e o machado flutua.

O primeiro texto em II Rs 6:1 7 (versão RA), onde um servo perdeu um machado e o profeta Eliseu faz um ato profético e o machado flutua. Vigie com os Valores e Ferramentas espirituais. Veremos dois textos que falam sobre perda, e tiraremos a lição para nossas vidas, para Não perdermos o que Deus já nos deu, e para que isso não aconteça,

Leia mais

OS SETE DIAS DA NARRAÇÃO

OS SETE DIAS DA NARRAÇÃO OS SETE DIAS DA NARRAÇÃO Antonio Rodrigues BELON (UFMS) Meu tio Roseno, a cavalo, i de Wilson Bueno, elabora de modo inusitado o artesanato de sua linguagem. Um andamento próximo do coloquial e do regional,

Leia mais

Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille. Água

Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille. Água Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille Água Tu és um milagre que Deus criou, e o povo todo glorificou. Obra divina do criador Recurso

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón www.sisac.org.br "No capítulo 7 da epístola aos Romanos, encontramos o grito desesperado de um homem que não conseguia viver à altura dos princípios que conhecia.

Leia mais

A jornada do herói. A Jornada do Herói

A jornada do herói. A Jornada do Herói A Jornada do Herói Artigo de Albert Paul Dahoui Joseph Campbell lançou um livro chamado O herói de mil faces. A primeira publicação foi em 1949, sendo o resultado de um longo e minucioso trabalho que Campbell

Leia mais

PENSAMENTOS DE IRMÃ DULCE

PENSAMENTOS DE IRMÃ DULCE PENSAMENTOS DE IRMÃ DULCE 1. "O amor supera todos os obstáculos, todos os sacrifícios. Por mais que fizermos tudo é pouco diante do que Deus faz por nós." 2. "Sempre que puder, fale de amor e com amor

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com Antônio, Sara, Vânia e César. Sala da casa de Antônio e Sara. 1 Um longo silêncio. ANTÔNIO. Vai me deixar falando sozinho? Sara o fita e fica

Leia mais

CABOCLO D AGUA. Por. Andre Rohling.

CABOCLO D AGUA. Por. Andre Rohling. CABOCLO D AGUA. Por Andre Rohling. (47)8818-2914. andrerohling@hotmail.com www.facebook/andre.rohling 1 CENA-EXT-CAMPO-NOITE-19H10MIN. Noite de lua cheia, era bastante claro devido à luz da lua, faróis

Leia mais

A Vida de Jacó. 1- Gálatas 6:7 Não se enganem: ninguém zomba de Deus. O que uma pessoa plantar, é isso mesmo que colherá.

A Vida de Jacó. 1- Gálatas 6:7 Não se enganem: ninguém zomba de Deus. O que uma pessoa plantar, é isso mesmo que colherá. A Vida de Jacó 1- Gálatas 6:7 Não se enganem: ninguém zomba de Deus. O que uma pessoa plantar, é isso mesmo que colherá. 2- Gênesis 25:19-26 Esta é a história de Isaac, filho de Abraão. Isaac tinha quarenta

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

CENTRO DE APRENDIZAGEM LICEU SAPIENTIA. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre Os livros serão indicados pelas professoras de Inglês e Espanhol

CENTRO DE APRENDIZAGEM LICEU SAPIENTIA. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre Os livros serão indicados pelas professoras de Inglês e Espanhol RELAÇÃO DOS LIVROS DE LITERATURA 8º ANO PROF. Josias/ Eliane/Iara Data: 05/02/2014 As Aventuras de Tom Sawyer Tom Sawyer é um menino travesso e muito aventureiro. Ao mesmo tempo em que apronta poucas e

Leia mais

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo:

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo: Honestidade Honestidade Esta é a qualidade de honesto. Ser digno de confiança, justo, decente, consciencioso, sério. Ser honesto significa ser honrado, ter um comportamento moralmente irrepreensível. Quando

Leia mais

GUARDAS DE BELO HORIZONTE USAM TAPA-OUVIDOS

GUARDAS DE BELO HORIZONTE USAM TAPA-OUVIDOS CLUBE EDUCACIONAL GESTAR NA ESCOLA TRAJETÓRIA II Atividades da I Unidade 7º ano / 6ª série António Manuel Couto Viana (poeta português). Versos de palmo e meio (1994). (Fragmento). Questão 1 - A expressão

Leia mais

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 E, virando- se o Senhor, olhou para Pedro, e Pedro lembrou- se da palavra do Senhor, como lhe havia

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril Descobrimento do Brasil. Pintura de Aurélio de Figueiredo. Em 1500, há mais de 500 anos, Pedro Álvares Cabral e cerca de 1.500 outros portugueses chegaram

Leia mais

A HISTÓRIA DO DOUTRINADOR

A HISTÓRIA DO DOUTRINADOR A HISTÓRIA DO DOUTRINADOR Por Trino Maralto Mestre Gilfran Há muitos anos, em um jantar na casa da Vó Sinharinha, mãe de Tia Neiva, escutei pela primeira vez, a história de um espírito que foi trazido

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE PSICOLOGIA CONSELHO DO DA UnB SE POSICIONA CONTRA A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL O Conselho do (CIP/UnB) da, instância máxima do Curso de Psicologia (graduação e pós-graduação), em Reunião Ordinária de 23 de junho

Leia mais