Campanha Anti-bullying. JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Campanha Anti-bullying. JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada"

Transcrição

1 Campanha Anti-bullying JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada Se o mal é contagioso o bem também é. Deixemos-no contagiar pelo bem. Papa Francisco

2 Caro jovem, família e educadores, Este material foi elaborado com o intuito de prevenir e combater o Bullying dentro do ambiente escolar, apresentar a legislação vigente como também orientar a todos a cerca deste assunto que vem trazendo sofrimento para muitas crianças, adolescentes e suas famílias. Pesquisa realizada pelo IBGE apontou Brasília como a capital do Bullying e qual será nossa posição frente a essa realidade? É importante entender esse fenômeno e buscar estratégias para que o Bullying seja combatido. Assim voltamos à fala do Papa Francisco para iniciarmos nossa reflexão Se o mal é contagioso o bem também é. Deixemos-no contagiar pelo bem. Vivemos em uma sociedade onde valores como respeito, solidariedade, cordialidade e gentileza muitas vezes passam longe do nosso dia a dia. Esse tem sido um dos desafios que a sociedade vem enfrentando. Se faz necessário nesse momento discutir princípios e valores morais com nossas crianças, nossos jovens e adultos, para que sejam mais respeitosos e mais humanos uns com os outros. O excesso da falta de compromisso e brincadeiras entre colegas na escola, muitas vezes são vistas como situações típicas da idade, porém para aqueles que recebem essas ações têm se mostrado uma face cruel de tantas ofensas. Na verdade, lidamos com crianças e jovens que estão sempre preparados para ganhar e ser supervalorizados naquilo que fazem, muitos estão voltados ao consumismo, a competição, ao poder de compra e ao estereótipo de beleza imposto pela sociedade e acabam esquecendo que nada disso tem valor, se não formos pessoas que sabem contribuir para uma sociedade mais humana, então acabamos por criar uma sociedade que se torna cada vez menos preocupada com o bem comum. Eis o desafio de estarmos em uma escola cristã que valoriza o respeito, as relações humanas, a diversidade, o caráter e a cooperação. Parte daí, a necessidade de estabelecer e construir vínculos, onde o diálogo passa ser a porta de entrada para uma mudança na sociedade. Como bem colocado pelo Papa Francisco Apenas os que dialogam podem construir pontes e vínculos. Por esse motivo cabe aqui fazer uma reflexão sobre essas dificuldades vividas por nossa sociedade, dentre elas o Bullying que tem causado tanta inquietação. Algumas perguntas ficam sem resposta. Será que a pessoa ao meu lado tem problemas em casa? Será que tem problemas de saúde? Será que está passando por alguma dificuldade? Esquecemos de tudo isso e simplesmente brincamos, brincamos e brincamos e acabamos nos divertindo com o sofrimento do outro. E o que de fato significa a palavra brincar? Brincar refere-se ao ato de divertir-se, contar piada e não de causar sofrimento a alguém. Por isso, o bullying

3 não é brincadeira. Só existe brincadeira quando todos os envolvidos na brincadeira se divertem. E quando uns se divertem e o outro vira o motivo da brincadeira isso não é brincadeira e sim violência. Muitas vezes, tememos que nossos filhos sejam alvo de alguém, porém o que estamos fazendo para que nossos filhos não sejam os causadores desse tipo de sofrimento? Precisamos enfrentar isso com seriedade. Difícil é encontrar quem não tenha presenciado ou escutado alguém falar sobre o bullying. Aqui neste manual, vamos buscar explicar como ele acontece, quais são os deveres de nossos adolescentes para que possamos juntos combater tal ação. É importante lembrarmos que quando presenciamos as situações e não buscamos fazer nada para ajudar, acabamos sendo coniventes e tão culpados quanto aqueles que o praticam. Esse é um grande problema social e que deve ser combatido pela nossa sociedade e cada um de nós temos um papel fundamental nessa missão.

4 E o que é então o Bullying? 1. CONCEITO DE BULLYING Compreende todas as formas e atitudes agressivas, realizadas de forma voluntária e repetitiva, que ocorre sem motivação evidente, adotadas por um ou mais estudantes contra outro(s), causando dor e angústia e realizada dentro de uma relação desigual de poder. Associação Brasileira Multiprofissional de Proteção à infância e à Adolescência Abrapia. 2. O QUE É BULLYING? O bullying é um termo de origem inglesa e sem tradução ainda no Brasil, é utilizado para qualificar comportamentos agressivos no âmbito escolar, praticados tanto por meninos quanto por meninas. Os atos de violência (física ou não) ocorrem de forma intencional e repetitiva contra um ou mais alunos que se encontram impossibilitados de fazer algo frente às agressões sofridas. Tais comportamentos não apresentam motivações específicas ou justificáveis. Em última instância, significa dizer que, de forma natural, os mais fortes utilizam os mais frágeis como meros objetos de diversão, prazer e poder, com o intuito de maltratar, intimidar, humilhar e amedrontar suas vítimas. 3. QUAIS SÃO AS FORMAS DE BULLYING? A legislação vigente aponta com clareza em diversos documentos o que é considerado Bullying e quais são as formas que ele pode acontecer. Vejamos: No que se diz a lei Nº DE 6 DE NOVEMBRO DE 2015 O bullying pode ser: Art. 1 o Fica instituído o Programa de Combate à Intimidação Sistemática (Bullying) em todo o território nacional. 1 o No contexto e para os fins desta Lei, considera-se intimidação sistemática (bullying) todo ato de violência física ou psicológica, intencional e repetitivo que ocorre sem motivação evidente, praticado por indivíduo ou grupo, contra uma ou mais pessoas, com o objetivo de intimidá-la ou agredi-la, causando dor e angústia à vítima, em uma relação de desequilíbrio de poder entre as partes envolvidas.

5 A legislação tem por objetivo, prevenir e combater o Bullying, capacitar e orientar a sociedade como um todo, implementar e disseminar campanhas de educação, conscientização e informação, instituir práticas de conduta e orientação de pais, familiares e responsáveis diante da identificação de vítimas e agressores, promover a cidadania, a capacidade empática e o respeito a terceiros, nos marcos de uma cultura de paz e tolerância mútua, mudança do comportamento hostil. Art. 2 o Caracteriza-se a intimidação sistemática (bullying) quando há violência física ou psicológica em atos de intimidação, humilhação ou discriminação e, ainda: I - ataques físicos; II - insultos pessoais; III - comentários sistemáticos e apelidos pejorativos; IV - ameaças por quaisquer meios; V - grafites depreciativos; VI - expressões preconceituosas; VII - isolamento social consciente e premeditado; VIII - pilhérias. Parágrafo único. Há intimidação sistemática na rede mundial de computadores (cyberbullying), quando se usarem os instrumentos que lhe são próprios para depreciar, incitar a violência, adulterar fotos e dados pessoais com o intuito de criar meios de constrangimento psicossocial. Art. 3 o A intimidação sistemática (bullying) pode ser classificada, conforme as ações praticadas, como: I - verbal: insultar, xingar e apelidar pejorativamente; II - moral: difamar, caluniar, disseminar rumores; III - sexual: assediar, induzir e/ou abusar; IV - social: ignorar, isolar e excluir; V - psicológica: perseguir, amedrontar, aterrorizar, intimidar, dominar, manipular, chantagear e infernizar; VI - físico: socar, chutar, bater;

6 VII - material: furtar, roubar, destruir pertences de outrem; VIII - virtual: depreciar, enviar mensagens intrusivas da intimidade, enviar ou adulterar fotos e dados pessoais que resultem em sofrimento ou com o intuito de criar meios de constrangimento psicológico e social. Art. 6 o Serão produzidos e publicados relatórios bimestrais das ocorrências de intimidação sistemática (bullying) nos Estados e Municípios para planejamento das ações. ARTIGO 146 DO CÓDIGO PENAL Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, ou depois de lhe haver reduzido, por qualquer outro meio, a capacidade de resistência, é crime de constrangimento ilegal. ARTIGO 147 DO CÓDIGO PENAL Ameaçar alguém, por palavra, escrita ou gesto, ou qualquer outro meio simbólico, também é crime e o autor deverá responder na justiça. ARTIGO 5º - LEI 8069/90 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão, aos seus direitos fundamentais. ARTIGO 17 - LEI 8069/90 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE O direito ao respeito consiste na inviolabilidade da integridade física, psíquica e moral da criança e do adolescente, abrangendo a preservação da imagem, da identidade, da autonomia, dos valores, ideias e crenças, dos espaços e objetos pessoais. 4. QUEM SÃO OS ENVOLVIDOS? Os que sofrem o bullying, os que praticam e os expectadores sejam eles passivos, ativos ou neutros e que convivem num ambiente onde isso acontece e acabam sendo coniventes com a situação ou até mesmo com seu comportamento reforçam para que a violência permaneça acontecendo. 5. SOBRE AS CONSEQUÊNCIAS DO BULLYING? O bullying pode provocar danos morais e/ou físicos nas vítimas. Levar a depressão, ao isolamento social entre outros. Isso depende da história de vida de cada indivíduo e como supera suas dificuldades, por isso o respeito é a base de qualquer relacionamento.

7 É importante refletirmos sobre algumas ações que podem contribuir para que esse comportamento seja extinguido. É fundamental que cada uma faça sua parte e juntos faremos a mudança que a sociedade necessita. PENSE NISSO A base de qualquer relacionamento é o respeito, trate as pessoas como você gostaria de ser tratado. Não seja conivente com o bullying DENUNCIE, seja você a pessoa quem sofre a ação ou aquele que presencia. Tenha sua consciência tranquila. Você tem seus direitos assegurados. Procure o Serviço de Orientação Educacional, Disciplinar, Coordenação e a Direção estamos prontos para ajudá-los. Temos também os s que podem auxiliar nesse processo de denúncia: Lembre-se de que a escola não será conivente com situações como essa! É importante que todos saibam que hoje nossa legislação tem punições para aqueles que praticam qualquer forma de Bullying. Mantenha-se sempre informado sobre o assunto, assim te ajuda a buscar ajuda mais rapidamente. Para evitar que o Bullying aconteça cuide de suas ações. Não ponha apelido nas pessoas. Não faça piadas de mau gosto. Respeite sempre as pessoas independente de qualquer coisa. Não julgue as pessoas sem antes conhecê-la. Mantenha sempre a harmonia do ambiente escolar. Colabore com a disciplina na escola.

8 DENUNCIE. EXIJA QUE ALGO SEJA FEITO. EXPLIQUE O QUE ACONTECE. LUTE CONTRA. INFORME-SE. TENHA LIMITES. BUSQUE AJUDA. DEFENDA. TENHA CORAGEM. FAÇA SUA PARTE. Bibliografia JUNTOS SOMOS MAIS FORTES! BARROS, Nazaré. Violência na escola Bullying. Equipe Educadora Jesus Maria José MIDDELTON e LEE, Jane e Mary. Bullying estratégia de sobrevivência. SILVA, Ana Beatriz Barbosa. Bullying mentes perigosas nas escolas.

LEI Nº 2.619, DE 19 DE MARÇO DE 2010.

LEI Nº 2.619, DE 19 DE MARÇO DE 2010. LEI Nº 2.619, DE 19 DE MARÇO DE 2010. CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / Dispõe sobre o programa de combate ao bullyng nas escolas públicas e privadas

Leia mais

Bullying e Violência: O que temos e o que queremos 13 DE FEVEREIRO DE 2015

Bullying e Violência: O que temos e o que queremos 13 DE FEVEREIRO DE 2015 Bullying e Violência: O que temos e o que queremos 13 DE FEVEREIRO DE 2015 Bullying = Violência?? 2 Violência versus Bullying 3 São duas realidades que costumam andar lado a lado mas que não são sinónimos,

Leia mais

Bullying e Cyberbullying

Bullying e Cyberbullying Conhecendo para prevenir Bullying e Cyberbullying uma cartilha conhecendo para prevenir Este material, desenvolvido com muito carinho e responsabilidade, contempla informações úteis e objetivas sobre o

Leia mais

PROJETO APE E PROGRAMA ESCOLA DA FAMILIA

PROJETO APE E PROGRAMA ESCOLA DA FAMILIA PROJETO APE E PROGRAMA ESCOLA DA FAMILIA O enfrentamento do BULLYING, além de ser uma medida disciplinar, também é um gesto cidadão tremendamente educativo, pois prepara os alunos para a aceitação, o respeito

Leia mais

Bullying não é brincadeira!

Bullying não é brincadeira! Bullying não é brincadeira! Nunca se discutiu tanto, nos meios de comunicação, nas escolas e universidades, a violência física e verbal que ocorre nas escolas. O bullying, popular inclusive entre os alunos,

Leia mais

Atenção: Revista em desenvolvimento

Atenção: Revista em desenvolvimento Editorial Atenção: Revista em desenvolvimento Estamos iniciando nossa primeira edição, de um produto até agora novo, não na tecnologia empregada que já é sucesso na Europa, e sim em seu conteúdo. As revistas

Leia mais

ANO XIII N. 168 09/11/2015

ANO XIII N. 168 09/11/2015 ANO XIII N. 168 09/11/2015 1) LEI N. 13.185, DE 6 DE NOVEMBRO DE 2015 - Institui o Programa de Combate à Intimidação Sistemática (Bullying). 2) SÚMULA N. 552 DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSITÇA A Corte Especial

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.369, DE 2009 Institui o Programa de Combate à Intimidação Sistemática (Bullying). Autor: Deputado VIEIRA DA CUNHA Relator: Deputado

Leia mais

Entidades atuam para combater o bullying, dentre elas o Ministério Público do Paraná

Entidades atuam para combater o bullying, dentre elas o Ministério Público do Paraná Entidades atuam para combater o bullying, dentre elas o Ministério Público do Paraná O Ministério Público do Paraná (MP-PR) tem desenvolvido ações para divulgar a Lei Federal 13.185, editada no ano passado,

Leia mais

O FENÔMENO BULLYING NA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

O FENÔMENO BULLYING NA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES O FENÔMENO BULLYING NA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Cristian Ericksson Colovini 1 Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O presente trabalho apresenta um estudo sobre a relação entre o Fenômeno Bullying e

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO E O BULLYING NO AMBIENTE ESCOLAR

ESTÁGIO SUPERVISIONADO E O BULLYING NO AMBIENTE ESCOLAR 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO E O BULLYING NO AMBIENTE ESCOLAR Eixo temático: Educação escolar e diversidade Juliana Farias de Araújo Universidade Federal de Alagoas - UFAL julianafariasdearaujo@hotmail.com

Leia mais

BULLYING O QUE É E QUAIS AS SUAS CONSEQUÊNCIAS?

BULLYING O QUE É E QUAIS AS SUAS CONSEQUÊNCIAS? BULLYING O QUE É E QUAIS AS SUAS CONSEQUÊNCIAS? Pesquisador: Leonan Carvalho da Silva Universidade Nove de Julho Departamento de Pós-graduação Lato Sensu em Psicopedagogia Eixo Temático: Teologia Prática:

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 228, DE 2010

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 228, DE 2010 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 228, DE 2010 Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (Lei de Diretrizes e Bases da educação nacional), para incluir entre as incumbências dos estabelecimentos

Leia mais

CYBERBULYING O PREÇO DA VERGONHA

CYBERBULYING O PREÇO DA VERGONHA CYBERBULYING O PREÇO DA VERGONHA Por Frank Ned Santa Cruz* INTRODUÇÃO Por maior vergonha que tenhamos merecido, está quase sempre em nosso poder o restabelecimento da nossa reputação. (François La Rochefoucauld)

Leia mais

ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO

ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO Conceito: É toda e qualquer conduta abusiva (gesto, palavra, escritos, comportamento, atitude, etc.) que, intencional e freqüentemente, fira a dignidade e a integridade física

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI N o 6.504, DE 2013 Institui e estabelece a criação da campanha anti-bullying nas escolas públicas e privadas de todo país, com validade em todo Território Nacional.

Leia mais

Câmara Legislativa do Distrito Federal Gabinete do Deputado Cristiano Araújo

Câmara Legislativa do Distrito Federal Gabinete do Deputado Cristiano Araújo Câmara Legislativa do Distrito Federal Gabinete do Deputado Cristiano Araújo Cristiano Araújo iniciou sua trajetória política ao participar do movimento estudantil, na busca por melhorias nas condições

Leia mais

BULLYING: UM PROBLEMA A SER ENFRENTADO, COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA

BULLYING: UM PROBLEMA A SER ENFRENTADO, COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA BULLYING: UM PROBLEMA A SER ENFRENTADO, COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA Agressões físicas, morais ou assédios de todo tipo são situações enfrentadas por muita gente todos os dias e em todos os lugares. E quando

Leia mais

BULLYING ESCOLAR: aproximações de uma realidade de alunos de 5º e 6º anos RESUMO

BULLYING ESCOLAR: aproximações de uma realidade de alunos de 5º e 6º anos RESUMO Revista Eventos Pedagógicos v.4, n.1, p. 72-79, mar. jul. 2013 BULLYING ESCOLAR: aproximações de uma realidade de alunos de 5º e 6º anos Edilaine Aparecida da Silva Isabela Augusta Andrade Souza RESUMO

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICIPIO DE SUMARÉ

O PREFEITO DO MUNICIPIO DE SUMARÉ PROJETO DE LEI Nº, de 03 de Agosto de 2010 "Dispõe sobre a implementação de medidas de conscientização, prevenção e combate ao bullying escolar no projeto pedagógico elaborado pelas escolas públicas de

Leia mais

O PAPEL DO PEDAGOGO EM RELAÇÃO AO BULLYING NO INTERIOR DA ESCOLA RESUMO

O PAPEL DO PEDAGOGO EM RELAÇÃO AO BULLYING NO INTERIOR DA ESCOLA RESUMO O PAPEL DO PEDAGOGO EM RELAÇÃO AO BULLYING NO INTERIOR DA ESCOLA IVANOSKI, Nicolle. KASTELIC, Eloá Soares Dutra. TONTINI, Lidiane. 1 RESUMO Este artigo pretende expressar uma preocupação que esta posta

Leia mais

BULLYING: UMA QUESTÃO DE DIREITOS HUMANOS

BULLYING: UMA QUESTÃO DE DIREITOS HUMANOS BULLYING: UMA QUESTÃO DE DIREITOS HUMANOS Luiz Gustavo Fabris Ferreira 1 1. Introdução. 2. Conceito e caracterização do bullying. 3. Tipos de bullying e perfil dos agressores e vítimas. 4. O bullying e

Leia mais

Seja amigo! SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO. Iniciativa: Apoio:

Seja amigo! SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO. Iniciativa: Apoio: Bullying, Seja amigo! Iniciativa: Apoio: SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO O que é Bullying? É uma prática que compreende todas as atitudes agressivas, intencionais e repetitivas, adotadas, na escola, por

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO AMBIENTE DE TRABALHO

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO AMBIENTE DE TRABALHO POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO AMBIENTE DE TRABALHO Versão 1.0 RES nº 101/2014, 09/12/2014 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Aplicação... 3 3. Conceitos... 3 4. Referências... 4

Leia mais

Prevenção do bullying. Quando o seu filho é a vítima, o agressor (bully) ou o espectador

Prevenção do bullying. Quando o seu filho é a vítima, o agressor (bully) ou o espectador Prevenção do bullying Quando o seu filho é a vítima, o agressor (bully) ou o espectador O que é bullying? Bullying não é um conflito nem uma briga. O bullying é o abuso físico, verbal ou emocional deliberado,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 7.457, DE 2010

PROJETO DE LEI N.º 7.457, DE 2010 CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 7.457, DE 2010 (Da Sra. Sueli Vidigal) Dispõe sobre o desenvolvimento de política "antibullying" por instituições de ensino e de educação infantil, públicas ou privadas,

Leia mais

Indice. Bullying O acaso... 11

Indice. Bullying O acaso... 11 Indice Bullying O acaso... 11 Brincadeira de mau gosto. Chega! A história... 21 O dia seguinte... 47 A paixão... 53 O reencontro... 61 O bullying... 69 9 Agosto/2010 O acaso Terça-feira. O sol fazia um

Leia mais

Bullying Que respostas?

Bullying Que respostas? 1 Bullying Que respostas? Maria Adelaide Morais Ventura (*) Educai as crianças para que não seja necessário punir os adultos Pitágoras Nos últimos tempos, mormente através das notícias veiculadas pela

Leia mais

BULLYING: Como identificar, prevenir e administrar.

BULLYING: Como identificar, prevenir e administrar. edição nº 1 2015 2ª reimpressão BULLYING: Como identificar, prevenir e administrar. coletâneas do centro de psicologia BULLYiNG NA ESCOLA Annelise H. Hilling Maisa P. Pannuti Vera Regina Miranda Volume

Leia mais

Cássio Taniguch Secretário de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente

Cássio Taniguch Secretário de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente Cartilha Assédio Moral, Sexual e Discriminação José Roberto Arruda Governador Paulo Octávio Vice-Governador Cássio Taniguch Secretário de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente Antônio Gomes Presidente

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual EDITAL Nº 21/2012/SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Conhecimentos Gerais 01) A Política

Leia mais

COORDIGUALDADE Coordenadoria Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidade e Eliminação da Discriminação no Trabalho

COORDIGUALDADE Coordenadoria Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidade e Eliminação da Discriminação no Trabalho MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO COORDIGUALDADE Coordenadoria Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidade e Eliminação da Discriminação no Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da 1ª Região Av.

Leia mais

Monografía Formación en Neurosicoeducación

Monografía Formación en Neurosicoeducación Monografía Formación en Neurosicoeducación Alumna: Ruth Medeiros de Oliveira www.asociacioneducar.com Mail: informacion@asociacioneducar.com Facebook: www.facebook.com/neurocienciasasociacioneducar BULLYING

Leia mais

ORIENTAÇÕES DE COMUNICAÇÃO SOBRE VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

ORIENTAÇÕES DE COMUNICAÇÃO SOBRE VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES A proteção e a promoção dos direitos da infância e adolescência também devem ser contempladas na forma como falamos e comunicamos este assunto. Alguns cuidados com a comunicação são fundamentais para proteger

Leia mais

SOE Serviço de Orientação Educacional

SOE Serviço de Orientação Educacional SOE Serviço de Orientação Educacional Projeto: Aprendendo a Ser para Aprender a Conviver Tema: Bullying não é brincadeira Turma: 2º AT Marise Miranda Gomes - Orientadora Educacional - Psicopedagoga Clínica

Leia mais

Rua do Atendimento Protetivo. Municipalino:

Rua do Atendimento Protetivo. Municipalino: Rua do Atendimento Protetivo Municipalino: Esta é a Rua do Atendimento Protetivo. Esta rua tem como missão fundamental resgatar os direitos das crianças e dos adolescentes que foram violados ou ameaçados

Leia mais

~ 10 ~ PREVENÇÃO DO BULLYING NO ESPAÇO ESCOLAR: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

~ 10 ~ PREVENÇÃO DO BULLYING NO ESPAÇO ESCOLAR: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA ~ 10 ~ PREVENÇÃO DO BULLYING NO ESPAÇO ESCOLAR: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Andréa Araujo Bostelmam 1 Roberta Aparecida Varaschin 2 Recebido em: 20.10.2013 Aceito em: 20.11.2013 Resumo: Este trabalho foi

Leia mais

COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E MINORIAS

COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E MINORIAS COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E MINORIAS PROJETO DE LEI N o 6.418, DE 2005 (Apensados os Projetos de Lei n os : 715/1995; 1.026/1995; 1.477/2003; 5.452/2001; 6.840/2002; 2.252/1996 e 6.573/2006) Define

Leia mais

Centro de Combate à Violência Infantil. O amor por princípio, a defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes por vocação

Centro de Combate à Violência Infantil. O amor por princípio, a defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes por vocação Centro de Combate à Violência Infantil O amor por princípio, a defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes por vocação Quem Somos O Centro de Combate à Violência Infantil - CECOVI é uma organização

Leia mais

BULLYNG NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: A HOMOSSEXUALIDADE EM FOCO

BULLYNG NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: A HOMOSSEXUALIDADE EM FOCO BULLYNG NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: A HOMOSSEXUALIDADE EM FOCO Ana Patrícia da Silva 1 José Guilherme de Oliveira Freitas 2 Michele Pereira de Souza da Fonseca 3 Que espécie de valores sociais interiorizará

Leia mais

Ficha técnica. COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu

Ficha técnica. COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu Ficha técnica COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA: Luiz Câmara Maria de Fátima B. Barbosa REALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO: Professores: Maria

Leia mais

"PENSANDO NA PRÁTICA: IDENTIFICANDO OS SINAIS DE VIOLÊNCIA, AS CONSEQUÊNCIAS E OS MARCOS LEGAIS QUE RESPALDAM AS INTERVENÇÕES E GARANTEM DIREITOS"

PENSANDO NA PRÁTICA: IDENTIFICANDO OS SINAIS DE VIOLÊNCIA, AS CONSEQUÊNCIAS E OS MARCOS LEGAIS QUE RESPALDAM AS INTERVENÇÕES E GARANTEM DIREITOS "PENSANDO NA PRÁTICA: IDENTIFICANDO OS SINAIS DE VIOLÊNCIA, AS CONSEQUÊNCIAS E OS MARCOS LEGAIS QUE RESPALDAM AS INTERVENÇÕES E GARANTEM DIREITOS" SINAIS DE VIOLÊNCIA FÍSICA deve-se suspeitar dos casos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Junji Abe) Dispõe sobre o crime de intimidação vexatória. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei tipifica o crime de intimidação vexatória. Art. 2º O Decreto-Lei

Leia mais

USO RESPONSÁVEL DA INTERNET ELABORADO PELOS ALUNOS DO 6º ANO

USO RESPONSÁVEL DA INTERNET ELABORADO PELOS ALUNOS DO 6º ANO USO RESPONSÁVEL DA INTERNET ELABORADO PELOS ALUNOS DO 6º ANO USO RESPONSÁVEL DA INTERNET ELABORADO PELOS ALUNOS DO 6º ANO 2 Fique atento! Não acredite em tudo o que lê A internet é segura? Você não deve

Leia mais

Assédio Sexual. No Local de Trabalho. Série Trabalho e Cidadania - ANO I - N O 03

Assédio Sexual. No Local de Trabalho. Série Trabalho e Cidadania - ANO I - N O 03 Assédio Sexual No Local de Trabalho Série Trabalho e Cidadania - ANO I - N O 03 No início de tudo está a questão de Gênero Desde que nascemos, recebemos uma grande carga cultural que destaca - e distancia

Leia mais

BULLYING É COISA SÉRIA! Margarete Barreto Floriano Pesaro

BULLYING É COISA SÉRIA! Margarete Barreto Floriano Pesaro BULLYING É COISA SÉRIA! Margarete Barreto Floriano Pesaro O QUE É BULLYING Bullying é um termo da língua inglesa (bully = valentão ) que se refere a todas as formas de atitudes agressivas, verbais ou físicas,

Leia mais

BULLYING PROFISSIONAL E O CONSTRANGIMENTO ILEGAL HIERÁRQUICO NO DIREITO ADMINISTRATIVO MILITAR

BULLYING PROFISSIONAL E O CONSTRANGIMENTO ILEGAL HIERÁRQUICO NO DIREITO ADMINISTRATIVO MILITAR BULLYING PROFISSIONAL E O CONSTRANGIMENTO ILEGAL HIERÁRQUICO NO DIREITO ADMINISTRATIVO MILITAR Eder Machado Silva * Resumo: O presente artigo tem por objetivo abrir uma discussão sobre essa visão de violência

Leia mais

# internauta. Leg@ l. Aprenda mais sobre a utilizacao ~ Segura da internet

# internauta. Leg@ l. Aprenda mais sobre a utilizacao ~ Segura da internet # internauta Leg@ l Aprenda mais sobre a utilizacao ~ Segura da internet ~ 1 CONHEÇA seus novos amigos ÎÎ Neninha - sou a representante do Instituto Martinelli Solidariedade (IMS), uma entidade sem fins

Leia mais

BULLYING NAS ORGANIZAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS FEMININAS E SEUS IMPACTOS PSICOLÓGICOS

BULLYING NAS ORGANIZAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS FEMININAS E SEUS IMPACTOS PSICOLÓGICOS UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ GISELE APARECIDA DE ARAÚJO METER BULLYING NAS ORGANIZAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS FEMININAS E SEUS IMPACTOS PSICOLÓGICOS CURITIBA 2104 GISELE APARECIDA DE ARAÚJO METER

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 6.504-A, DE 2013 (Do Sr. Dimas Fabiano)

PROJETO DE LEI N.º 6.504-A, DE 2013 (Do Sr. Dimas Fabiano) *C0049758A* C0049758A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 6.504-A, DE 2013 (Do Sr. Dimas Fabiano) Institui e estabelece a criação da campanha anti- bullying nas escolas públicas e privadas de todo

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA BULLYING NAS ESCOLAS DO RIO DE JANEIRO Por: Vagner Rodrigues Mendes Orientador Prof. Fernanda Canavez Rio de Janeiro 2012 2

Leia mais

BULLYING, ISTO NÃO É BRINCADEIRA`

BULLYING, ISTO NÃO É BRINCADEIRA` BULLYING, ISTO NÃO É BRINCADEIRA` NOVAES, Valcemia Gonçalves de Sousa 1 ; SANTOS, Michael Douglas 2 ; OLIVEIRA, Wesley Batista 3 ; RIBEIRO, Larisse Pereira 4 ; SOUZA, Marcela Maria 5 ; SARAIVA, Anna Karolliny

Leia mais

EDUCAR NO PRESENTE PARA PAZ NO FUTURO

EDUCAR NO PRESENTE PARA PAZ NO FUTURO EDUCAR NO PRESENTE PARA PAZ NO FUTURO CARTILHA 1 A Fundação Museu do Futuro é uma organização sem fins lucrativos comprometida com o desenvolvimento humano sustentável, a redução da pobreza e da injustiça

Leia mais

Bullying - A Agressividade Entre Pares. A Agressividade Entre Pares

Bullying - A Agressividade Entre Pares. A Agressividade Entre Pares Bullying - A Agressividade Entre Pares A Agressividade Entre Pares Conceito de Bullying Dan Olweus (1991), definiu o conceito de Bullying afirmando que um aluno está a ser provocado/vitimado quando ele

Leia mais

TÍTULO: A INTERVENÇÃO DO PROFESSOR FRENTE AO BULLYING EM SALA DE AULA ORIENTADOR(ES): JOÃO ANGELO SEGANTIN, JOSLAINE APARECIDA REGIOLI DE ANGELIS

TÍTULO: A INTERVENÇÃO DO PROFESSOR FRENTE AO BULLYING EM SALA DE AULA ORIENTADOR(ES): JOÃO ANGELO SEGANTIN, JOSLAINE APARECIDA REGIOLI DE ANGELIS TÍTULO: A INTERVENÇÃO DO PROFESSOR FRENTE AO BULLYING EM SALA DE AULA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): LÚCIO FLÁVIO

Leia mais

Cartilha para orientação sobre o atendimento aos alunos pela equipe de saúde do CEFET-MG

Cartilha para orientação sobre o atendimento aos alunos pela equipe de saúde do CEFET-MG Cartilha para orientação sobre o atendimento aos alunos pela equipe de saúde do CEFET-MG Cartilha para orientação sobre o atendimento aos alunos pela equipe de saúde do CEFET-MG Quando a família participa

Leia mais

UNIDADE 5 PPP, CLIMA DE ESCOLA, NORMAS DE CONVIVÊNCIA E DIREITOS HUMANOS

UNIDADE 5 PPP, CLIMA DE ESCOLA, NORMAS DE CONVIVÊNCIA E DIREITOS HUMANOS UNIDADE 5 PPP, CLIMA DE ESCOLA, NORMAS DE CONVIVÊNCIA E DIREITOS HUMANOS Módulo 3 - Direitos Humanos e o Projeto Político Pedagógico da escola Objetivos: Nesta Unidade veremos como os Direitos Humanos

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA SOMMA INVESTIMENTOS

CÓDIGO DE ÉTICA DA SOMMA INVESTIMENTOS 1. O CÓDIGO Este Código de Ética (Código) determina as práticas e padrões éticos a serem seguidos por todos os colaboradores da SOMMA INVESTIMENTOS. 2. APLICABILIDADE Esta política é aplicável: 2.1. A

Leia mais

Bom dia, Formar cidadãos éticos, com

Bom dia, Formar cidadãos éticos, com Gestão Pedagógica capa Por Carolina Mainardes carolina@humanaeditorial.com.br Bom dia, Escolas assumem o desafio de ensinar valores e formar cidadãos completos, em cenário que contempla famílias compenetradas

Leia mais

Ética e Segurança Digital RODRIGO JORGE CONSELHO TÉCNICO

Ética e Segurança Digital RODRIGO JORGE CONSELHO TÉCNICO 1 Ética e Segurança Digital RODRIGO JORGE CONSELHO TÉCNICO 2 O que é o Movimento? O Movimento é uma ação de Responsabilidade Social Digital que tem a missão de educar, capacitar e conscientizar os alunos,

Leia mais

PIBID: EXPERIÊNCIAS DE ATIVIDADES RELACIONADAS AO BULLYING

PIBID: EXPERIÊNCIAS DE ATIVIDADES RELACIONADAS AO BULLYING PIBID: EXPERIÊNCIAS DE ATIVIDADES RELACIONADAS AO BULLYING Felipe do Nascimento Melo Bolsista do PIBID/Pedagogia e Graduando em Pedagogia URCA Maria Gizane Gonçalves de Sousa Bolsista do PIBID/Pedagogia

Leia mais

A APROVAÇÃO DA LEI 13.185/2015 E A NECESSÁRIA ATUAÇÃO PRÓATIVA DAS ESCOLAS

A APROVAÇÃO DA LEI 13.185/2015 E A NECESSÁRIA ATUAÇÃO PRÓATIVA DAS ESCOLAS 1 A APROVAÇÃO DA LEI 13.185/2015 E A NECESSÁRIA ATUAÇÃO PRÓATIVA DAS ESCOLAS Celso Palma 1 Gabriela Menna Barreto Gomes 2 SUMÁRIO: INTRODUÇÃO; 1 EVOLUÇÃO DE UM PROBLEMA: DO BULLYING AO CYBERBULLYING; 2

Leia mais

convicções religiosas...

convicções religiosas... apresenta Cartilha O termo DISCRIMINAR significa separar; diferenciar; estabelecer diferença; distinguir; não se misturar; formar grupo à parte por alguma característica étnica, cultural, religiosa etc;

Leia mais

Módulo 02 Professor Paulo Afonso Garrido de Paula 1

Módulo 02 Professor Paulo Afonso Garrido de Paula 1 Módulo 02 Professor Paulo Afonso Garrido de Paula 1 Vídeo Aula 1 2 O Direito da Criança e do Adolescente Vamos tratar do direito da criança e do adolescente. Uma primeira observação: quando se afirma a

Leia mais

VIOLÊNCIA NA ESCOLA RESUMO

VIOLÊNCIA NA ESCOLA RESUMO Revista Eventos Pedagógicos v.4, n.2, p. 21-30, ago. dez. 2013 VIOLÊNCIA NA ESCOLA Antonia Fernandes de Almeida * José Luiz Müller ** RESUMO O objetivo deste artigo é compreender como ocorre o Bullying

Leia mais

[CÓDIGO DE ÉTICA] Interinvest

[CÓDIGO DE ÉTICA] Interinvest [CÓDIGO DE ÉTICA] Este documento determina as práticas, padrões éticos e regras a serem seguidos pelos colaboradores, fornecedores e a todos aqueles que, direta ou indiretamente, se relacionem com a Interinvest.

Leia mais

CARTILHA SOBRE RACISMO E INVIOLABILIDADE DE DOMICÍLIO DAS POPULAÇÕES CIGANAS, NÔMADES E DE RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA

CARTILHA SOBRE RACISMO E INVIOLABILIDADE DE DOMICÍLIO DAS POPULAÇÕES CIGANAS, NÔMADES E DE RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA Escola Superior Dom Helder Câmara CARTILHA SOBRE RACISMO E INVIOLABILIDADE DE DOMICÍLIO DAS POPULAÇÕES CIGANAS, NÔMADES E DE RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA Introdução A Constituição da República Federativa

Leia mais

Brasília, outubro de 2011

Brasília, outubro de 2011 Brasília, outubro o de 2011 1 Sumário Apresentação... 3 O que é assédio moral... 4 Como identificar o assédio moral... 4 Quem é o agressor?... 4 Danos ao agredido... 5 Exemplos de assédio moral... 5 Como

Leia mais

ASSÉDIO MORAL NO AMBIENTE DE TRABALHO

ASSÉDIO MORAL NO AMBIENTE DE TRABALHO ASSÉDIO MORAL NO AMBIENTE DE TRABALHO 1 CONCEITO Dano Moral Assédio Moral 2 Assédio Moral no Trabalho Conduta sem conotação sexual, ligada ao abuso de poder e caracterizada por práticas de humilhação e

Leia mais

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996)

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) Promulga a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher, concluída em Belém do Pará,

Leia mais

OLÁ! USINA SANTA TEREZINHA

OLÁ! USINA SANTA TEREZINHA OLÁ! É bem provável que você já tenha acessado, ou até mesmo, ouvido falar sobre o Facebook, Youtube, Twitter e Linkedin. As redes sociais já fazem parte de nossas vidas, direta ou indiretamente, e todos

Leia mais

Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet

Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet Público: Sextos anos Data: 25/5/2012 Após a realização do Provão, nossos alunos do

Leia mais

Aula 28.2 Conteúdos: A estrutura de construção de um texto argumentativo Características do gênero Artigo de opinião LÍNGUA PORTUGUESA

Aula 28.2 Conteúdos: A estrutura de construção de um texto argumentativo Características do gênero Artigo de opinião LÍNGUA PORTUGUESA 2 Aula 28.2 Conteúdos: A estrutura de construção de um texto argumentativo Características do gênero Artigo de opinião 3 Habilidades: Apreender a estruturação de um Artigo de opinião 4 Artigo de opinião

Leia mais

Concurso Público. 011. Prova de Redação. www.estrategiaconcursos.com.br

Concurso Público. 011. Prova de Redação. www.estrategiaconcursos.com.br Concurso Público 011. Prova de Redação Orientador Pedagógico Assinatura do Candidato Instruções Você recebeu seu caderno de redação contendo um tema a ser desenvolvido. Confira seu nome e número de inscrição

Leia mais

CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL

CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL Março de 2015 1ª edição MENSAGEM DO PRESIDENTE O Código de Conduta da RIP ( Código ) é a declaração formal das expectativas que servem

Leia mais

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo Você Sabia Que o sexo de uma pessoa é dado pela natureza e por isso nascemos macho ou fêmea? Que o gênero é construído pelas regras da sociedade para definir, a

Leia mais

Pequeno Histórico do Bullying

Pequeno Histórico do Bullying Pequeno Histórico do Bullying A definição universal de bullying é compreendida como um subconjunto de comportamentos agressivos, intencionais e repetitivos que ocorrem sem motivação evidente, adotado por

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ - ESP MARCOS ANTONIO SEHN BULLYING NO AMBIENTE MILITAR

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ - ESP MARCOS ANTONIO SEHN BULLYING NO AMBIENTE MILITAR 1 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ - ESP MARCOS ANTONIO SEHN BULLYING NO AMBIENTE MILITAR CASCAVEL 2014 2 MARCOS ANTONIO SEHN BULLYING NO AMBIENTE MILITAR Artigo científico apresentado à disciplina de Metodologia

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens

Leia mais

Curso de Capacitação em Bullying

Curso de Capacitação em Bullying Curso de Capacitação em Bullying Segundo pesquisa do Instituto Cidadania e da Fundação Perseu Abramo, a violência é o tema que mais preocupa os brasileiros entre 15 e 24 anos (55% do total), à frente de

Leia mais

Carta de recomendações para o enfrentamento às violências na primeira infância

Carta de recomendações para o enfrentamento às violências na primeira infância Carta de recomendações para o enfrentamento às violências na primeira infância Rio de Janeiro, 2 de abril de 2015 A todas as pessoas que atuam na promoção e defesa dos direitos das crianças A Rede Nacional

Leia mais

Zoação e violência não são brincadeiras.

Zoação e violência não são brincadeiras. Zoação e violência não são brincadeiras. Ministério Público do Estado de Minas Gerais Expediente Ministério Público do Estado de Minas Gerais Procurador-Geral de Justiça Corregedor-Geral do Ministério

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DR. JÚLIO CARDOSO

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DR. JÚLIO CARDOSO ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DR. JÚLIO CARDOSO FRANCA 2014 FORMAÇÃO PROFISSIONAL E CIDADÃ A escola deve representar um espaço social idealizado para o abrigo de educandos de diferentes idades, níveis de desenvolvimento

Leia mais

ASSÉDIO MORAL: Uma Realidade no Local de Trabalho

ASSÉDIO MORAL: Uma Realidade no Local de Trabalho ASSÉDIO MORAL: Uma Realidade no Local de Trabalho Conferência sobre Assédio Moral: Uma Realidade no Local de Trabalho? Ana Paula Viseu UGT 7 de Março de 2009 1 TIPOLOGIA DO ASSÉDIO Assédio sexual Assédio

Leia mais

O DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E OS RISCOS DO CYBERBULLYING E DO SEXTING NO AMBIENTE DIGITAL: REALIDADE OU EXAGERO?

O DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E OS RISCOS DO CYBERBULLYING E DO SEXTING NO AMBIENTE DIGITAL: REALIDADE OU EXAGERO? O DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E OS RISCOS DO CYBERBULLYING E DO SEXTING NO AMBIENTE DIGITAL: REALIDADE OU EXAGERO? Andrio Albiere Porto 1 Daniela Richter 2 1 INTRODUÇÃO Atualmente as relações sociais

Leia mais

Projeto Gráfico e Editoração Coordenadoria de Comunicação Social. Revisão gramatical Lucia Anilda Miguel

Projeto Gráfico e Editoração Coordenadoria de Comunicação Social. Revisão gramatical Lucia Anilda Miguel Elaboração Centro de Apoio Operacional da Infância e Juventude e Coordenadoria de Comunicação Social do Ministério Público do Estado de Santa Catarina. Contato Rua Bocaiúva, 1.750, 4º andar - Centro -

Leia mais

coleção Conversas #6 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #6 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. coleção Conversas #6 Eu Posso com a s fazer próprias justiça mãos? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Previna-se Denuncie. Sinttel-DF. Assédio. é crime. Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações do Distrito Federal

Previna-se Denuncie. Sinttel-DF. Assédio. é crime. Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações do Distrito Federal Previna-se Denuncie Sinttel-DF Assédio Moral é crime Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações do Distrito Federal 2 Sua dignidade é o seu maior patrimonio O Sinttel-DF está muito preocupado com

Leia mais

O julgamento docente acerca do bullying escolar

O julgamento docente acerca do bullying escolar O julgamento docente acerca do bullying escolar Mestranda: Catarina Gonçalves PPGE/UFPB Orientador: Dr. Fernando Andrade PPGE/UFPB Linha de Pesquisa: Estudos Culturais da Educação Agência Financiadora:

Leia mais

Módulo 1: Consciencialização do fenómeno de bullying Atividades

Módulo 1: Consciencialização do fenómeno de bullying Atividades Módulo 1: Consciencialização do fenómeno de bullying Atividades Sub-módulo 1.1 Bullying no local de trabalho Atividade 1.1.1 Discussão de vídeo Breve descrição: Introdução ao bullying no local de trabalho

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº. 098/2011 A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA:

PROJETO DE LEI Nº. 098/2011 A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: PROJETO DE LEI Nº. 098/2011 Dispõe sobre a inclusão de medidas de conscientização, prevenção e combate ao bullying escolar no projeto pedagógico elaborado pelas escolas públicas estaduais e dá outras providências.

Leia mais

Fenômeno Bullying: a prevenção começa pelo conhecimento. Cleo Fante. Educadora

Fenômeno Bullying: a prevenção começa pelo conhecimento. Cleo Fante. Educadora Fenômeno Bullying: a prevenção começa pelo conhecimento Cleo Fante Educadora 1 A Escola Escola é... o lugar onde se faz amigos não se trata só de prédios, salas, quadros, programas, horários, conceitos...

Leia mais

O Caracol Curioso. Escola a Tempo Inteiro - 1ºciclo. Projeto PedagógicoCAF/CATL - Bullying

O Caracol Curioso. Escola a Tempo Inteiro - 1ºciclo. Projeto PedagógicoCAF/CATL - Bullying O Caracol Curioso Escola a Tempo Inteiro - 1ºciclo Projeto PedagógicoCAF/CATL - Bullying 1. Enquadramento O projeto pedagógico definido para este ano letivo pretende abordar um tema actual, que tem tanto

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS

Universidade Federal de São Paulo PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS CÓDIGO DE CONDUTA DOS ESTUDANTES DA UNIFESP PREÂMBULO É papel da Universidade agir em defesa e a favor da promoção dos direitos da humanidade, aí incluídos os direitos individuais e liberdades públicas,

Leia mais

A violência moral no trabalho não é um fenômeno novo. Atualmente vem aumentando, em virtude de:

A violência moral no trabalho não é um fenômeno novo. Atualmente vem aumentando, em virtude de: A violência moral no trabalho não é um fenômeno novo. Atualmente vem aumentando, em virtude de: Novas relações de trabalho/precarização Pressões por produtividade Desumanização do ambiente de trabalho

Leia mais