RELATÓRIO SOBRE OS IMPACTOS DA MINERAÇÃO E AS MUDANÇAS NO CONTEXTO URBANO DE CONCEIÇÃO DO MATO DENTRO-MG, BRASIL RELATÓRIO FINAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO SOBRE OS IMPACTOS DA MINERAÇÃO E AS MUDANÇAS NO CONTEXTO URBANO DE CONCEIÇÃO DO MATO DENTRO-MG, BRASIL RELATÓRIO FINAL"

Transcrição

1 1 RELATÓRIO SOBRE OS IMPACTOS DA MINERAÇÃO E AS MUDANÇAS NO CONTEXTO URBANO DE CONCEIÇÃO DO MATO DENTRO-MG, BRASIL RELATÓRIO FINAL Relatório final do Projeto Internacional de Pesquisa Cidade e Alteridade, iniciativa conjunta da UFMG, da UFV, da UI e do CES/UC, sob a Coordenação Geral da Professora Dra. Miracy Barbosa de Sousa Gustin e do Prof. Dr. Boaventura de Sousa Santos, apresentado à Coordenação de Inclusão e Mobilização Sociais do MPMG. Núcleo temático mineração na região de Conceição do Mato Dentro. Pesquisadores do Núcleo: Profa. Ana Flávia Santos e Marcos Cristiano Zucarelli. Colaboradores do GESTA: Profa. Andréa Zhouri, Clarissa Prates, Luciana Ferreira. BELO HORIZONTE, 2014

2 2 PROJETO INTERNACIONAL DE PESQUISA CIDADE E ALTERIDADE Convivência Multicultural e Justiça Urbana Coordenação Geral Profa. Dra. Miracy Barbosa de Sousa Gustin Prof. Dr. Boaventura de Sousa Santos Coordenação de gestão e planejamento Aline Rose Barbosa Pereira Fernanda de Lazari Cardoso Mundim Marisa Lacerda Equipe responsável pelo relatório: Pesquisa e redação: Núcleo impactos da mineração em Conceição do Mato Dentro Coordenadora: Profa. Dra. Ana Flávia Santos Consultora: Profa. Andréa Zhouri (GESTA) Orientador de campo: Marcos Cristiano Zucarelli Estudantes: Clarissa Prates (GESTA) Luciana Ferreira (GESTA)

3 3 SUMÁRIO 1. Introdução A Região de Conceição do Mato Dentro e o Projeto Minas-Rio O Processo de Licenciamento Impactos da Mineração nas Diversas Esferas da Sociedade Breve descrição dos impactos sobre comunidades rurais tradicionais e suas repercussões na cidade Impactos no setor habitacional Impactos no setor da saúde Impactos no setor da educação Impactos no setor da segurança Considerações Finais Referências Bibliográficas...53

4 4 1. INTRODUÇÃO Um dos maiores empreendimentos minerários em fase de implantação no Brasil, o Projeto Minas-Rio Mineração e Logística Ltda., do grupo sul-africano Anglo American, prevê a instalação de uma mina, uma planta de beneficiamento, uma fonte de captação de água em Dom Joaquim-MG, que será utilizada para o transporte do minério e uma barragem de rejeitos em Conceição do Mato Dentro-MG e Alvorada de Minas-MG, além de um mineroduto de 525 km de extensão que atravessa 33 municípios, sendo 26 mineiros e 7 fluminenses, até o Porto do Açu, em instalação no litoral norte do Rio de Janeiro. 1 Apesar de ser um projeto integrado, o empreendimento passa por um processo de licenciamento em três esferas. O mineroduto é avaliado pelo órgão federal - IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). O Porto Açu, localizado em São João da Barra-RJ, destino do minério transportado pelo mineroduto, é licenciado pelo órgão ambiental do Rio de Janeiro - INEA (Instituto Estadual do Ambiente). Já o licenciamento da mina, fonte do minério de ferro a ser explorado, é avaliado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais (Semad). 1 Para uma descrição do empreendimento e do conflito suscitado, consultar a ficha técnica do caso Resistência à mineração da Anglo Ferrous Minas-Rio S.A. em Conceição do Mato Dentro, no Mapa dos Conflitos Ambientais de Minas Gerais, do GESTA (GESTA, 2011). Link: Acesso em 20/03/2013.

5 5 Figura 1: Mapa do Complexo Minerário do Projeto Minas-Rio. Traçado do Mineroduto.

6 6 Figura 2: Mapa dos municípios cortados pelo Mineroduto do Projeto Minas-Rio. Fonte: MMX, 2006.

7 7 O projeto em questão constitui não apenas um exemplo do avanço da frente minerária no Estado de Minas Gerais, como também apresenta características que respondem à atual conjuntura global. A elevação dos preços das commodities minerais nos últimos anos se associa ao crescimento da demanda global e à redução das melhores reservas, favorecendo, segundo Malerba (2012, p. 11) e Milanez (2012, p. 30), um processo de globalização da produção. Nesse contexto, países com reservas importantes, como o Brasil, passam a se destacar como fornecedores globais; empresas ampliam e diversificam espacialmente suas atividades, em busca das melhores reservas, ganhando importância estratégica o transporte de bens minerais por longas distâncias (MILANEZ, 2012). Por outro lado, o processo de Licenciamento Ambiental do complexo minerário, iniciado em janeiro de 2006, pela empresa MMX, tem se caracterizado por inúmeras denúncias de descumprimento da legislação ambiental e violação de direitos. Uma crescente resistência por parte de famílias e comunidades atingidas, articulada a iniciativas diversas do Ministério Público e Defensoria Pública, visando seja a judicialização, seja a resolução negociada dos conflitos instaurados, tem se mostrado, não obstante, insuficiente no sentido de fazer valer os sérios questionamentos que foram levantados ainda na época da análise da viabilidade socioambiental do empreendimento. O presente relatório reflete o trabalho de acompanhamento, por parte da equipe, do processo de licenciamento, das discussões e questionamentos levantados na arena local e regional, e das entrevistas realizadas durante o trabalho de campo entre os dias 8 e 19 de Julho de 2013, com representantes de grupos locais, da Polícia Civil e Militar de Minas Gerais, além das secretarias municipais de Conceição do Mato Dentro. 2 Foram coletadas informações referentes às alterações causadas pelo empreendimento, seja por mudanças impostas às relações tradicionalmente estabelecidas pelos grupos sociais com o território, seja pelos danos ambientais provocados, ou pelo afluxo populacional à cidade e circunrregião, com efeitos diversos sobre o cotidiano dos moradores. Para tanto, buscou-se, em fontes secundárias e primárias, elementos que subsidiassem uma análise longitudinal comparativa das características socioeconômicas, em contextos anteriores e posteriores ao início do exercício da atividade minerária no município. 2 Foram entrevistados os secretários municipais das pastas de Planejamento e Desenvolvimento Econômico, Educação, Meio Ambiente e Saúde.

8 8 É necessário enfatizar ainda a dificuldade na obtenção dos dados primários, principalmente com representantes das secretarias do município de Conceição do Mato Dentro, no que tange as informações sobre as gestões anteriores. Pelo relato de todos os secretários entrevistados, não há qualquer registro histórico sobre o funcionamento das secretarias da prefeitura, porque os representantes da gestão anterior levaram até mesmo as memórias rígidas dos computadores municipais. Apesar de toda a dificuldade, típica de um trabalho de campo, consideramos o levantamento realizado de grande relevância pela perspectiva que se abre, no sentido de apreender a dinâmica de um processo que, a despeito da imbricação de fatores de escalas múltiplas, pode refletir, em seus desdobramentos locais/regionais, elementos e ações dotados de tipicidade, capazes de iluminar processos similares em outras regiões do Estado de Minas Gerais. 2. A REGIÃO DE CONCEIÇÃO DO MATO DENTRO E O PROJETO MINAS-RIO Situada na Serra do Espinhaço, a 167 quilômetros ao norte de Belo Horizonte, 3 Conceição do Mato Dentro se encontra inserida em antiga área de mineração, marcada pela extração de ouro e diamante, ao longo do século XVIII, também constituinte de uma importante rota do comércio de pedras preciosas até alcançar o Distrito Diamantino, situado alguns quilômetros mais ao norte. 4 3 Segundo a classificação do IBGE, o município de Conceição do Mato Dentro compõe a microrregião homônima, juntamente com os municípios de Alvorada de Minas, Congonhas do Norte, Dom Joaquim, Itambé do Mato Dentro, Morro do Pilar, Passabém, Rio Vermelho, Santo Antônio do Itambé, Santo Antônio do Rio Abaixo, São Sebastião do Rio Preto, Serra Azul de Minas e Serro. Em termos de planejamento administrativo do Governo Estadual, o município de Conceição do Mato Dentro se encontra na Região Central do Estado de Minas Gerais. Para os critérios adotados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o município está localizado na Mesorregião Geográfica conhecida como Região Metropolitana de Belo Horizonte. 4 Os descobertos do final do séc. XVII e séc. XVIII se orientam, de modo significativo, pela Serra do Espinhaço, formação geológica mais antiga do Brasil, marcada pela ocorrência de jazidas auríferas (PAULA, 2007, p. 282). Com a descoberta do ouro no início do séc. XVIII, foi erguida a primeira capela, em 1702, no arraial do Ribeirão Delas, que viria a se denominar Arraial do Ribeirão das Lavras Velhas, chegando à condição de vila em 1714, com o nome de Vila do Príncipe, hoje, a cidade do Serro (BARBOSA, 1995). Vestígios da ocupação humana pode ser encontrado em 1703 em Conceição (do Serro, posteriormente do Mato Dentro ). A descoberta e extração do diamante na região próxima ao Tejuco (atual Diamantina), que se fez acompanhar, entre 1734 e 1821, da conformação de um distrito administrativo especial, é pouco posterior (RENGER, 2007, p. 309).

9 9 Figura 3: Localização do município de Conceição do Mato Dentro. Fonte: IBGE, Conforme o último Censo, realizado pelo IBGE em 2010, a população de Conceição do Mato Dentro é de habitantes. É importante salientar que o Censo contabiliza para o município apenas os moradores das unidades domiciliares ocupadas ou fechadas na data de referência da coleta, portanto, a chamada população circulante ou flutuante que habita domicílios de uso ocasional não é aferida, uma vez que as pessoas nessa situação são contabilizadas em suas moradias permanentes. Isto posto, quando se analisa a figura seguinte, percebe-se que o município teve uma ligeira redução de sua população total, de 2000 para 2010.

10 10 Conceição do Mato Dentro Total Urbana Rural Total Urbana Rural Figura 4 - População rural, urbana e total e Fonte: IBGE Censo Demográfico, 2000 e A figura demonstra ainda o aumento da população urbana em contraste com uma expressiva queda no número total de habitantes da zona rural. Na figura seguinte tem-se a taxa média geométrica de crescimento anual dos habitantes do município, por situação de domicílio, considerando o período de 2000 a 2010, onde se pode verificar mais facilmente esse movimento de crescimento positivo da população urbana e negativo da população total e da zona rural. 2,00 Conceição do Mato Dentro 1,00 0,00-1,00 Total urbana rural -2,00-3,00-4,00 Figura 5 Taxa média geométrica de crescimento anual da população residente, por situação de domicílio e Fonte: IBGE Censo Demográfico, 2000 e A mudança na distribuição percentual da população de Conceição do Mato Dentro, de 2000 para 2010, tanto por faixa etária, sexo e pela situação domiciliar, pode ser averiguada pela pirâmide

11 11 etária da figura adiante. É importante salientar que a maior redução de população na zona rural, de 2000 para 2010, ocorreu entre os mais jovens (abaixo dos 20 anos de idade), que correspondem pelo maior percentual da população total municipal. No entanto, o percentual da população masculina (exposta na cor azul), da faixa etária acima dos 20 anos de idade, praticamente não sofreu alteração na zona rural neste mesmo período, pelo contrário, teve até um acréscimo a partir dos 30 anos de idade. Para a população feminina (exposta na cor rosa), o cenário é parecido ao do masculino. Percebe-se que o percentual das mais jovens (abaixo dos 20 anos de idade) diminuiu no período de 2000 para 2010, e as faixas etárias acima dos 20 anos tiveram ligeiros acréscimos, excetuando a faixa de idade entre 35 e 44 anos. Estes dados ilustram a situação pesquisada em campo, onde foi observado que as pessoas mais velhas preferem permanecer na zona rural. Algumas, que experimentaram a vida na cidade, ou regressam para se estabelecerem mais próximos aos parentes, e/ou optam pela vida rural, visando melhor qualidade de vida: com tranquilidade e maior contato com a natureza.

12 12 Conceição do Mato Dentro População urbana, 2010 Conceição do Mato Dentro População urbana, anos ou + 90 a 94 anos 85 a 89 anos 80 a 84 anos 75 a 79 anos 70 a 74 anos 65 a 69 anos 60 a 64 anos 55 a 59 anos 50 a 54 anos 45 a 49 anos 40 a 44 anos 35 a 39 anos 30 a 34 anos 25 a 29 anos 20 a 24 anos 15 a 19 anos 10 a 14 anos 5 a 9 anos 0 a 4 anos anos ou + 90 a 94 anos 85 a 89 anos 80 a 84 anos 75 a 79 anos 70 a 74 anos 65 a 69 anos 60 a 64 anos 55 a 59 anos 50 a 54 anos 45 a 49 anos 40 a 44 anos 35 a 39 anos 30 a 34 anos 25 a 29 anos 20 a 24 anos 15 a 19 anos 10 a 14 anos 5 a 9 anos 0 a 4 anos Conceição do Mato Dentro População rural, 2010 Conceição do Mato Dentro População rural, anos ou + 90 a 94 anos 85 a 89 anos 80 a 84 anos 75 a 79 anos 70 a 74 anos 65 a 69 anos 60 a 64 anos 55 a 59 anos 50 a 54 anos 45 a 49 anos 40 a 44 anos 35 a 39 anos 30 a 34 anos 25 a 29 anos 20 a 24 anos 15 a 19 anos 10 a 14 anos 5 a 9 anos 0 a 4 anos anos ou + 90 a 94 anos 85 a 89 anos 80 a 84 anos 75 a 79 anos 70 a 74 anos 65 a 69 anos 60 a 64 anos 55 a 59 anos 50 a 54 anos 45 a 49 anos 40 a 44 anos 35 a 39 anos 30 a 34 anos 25 a 29 anos 20 a 24 anos 15 a 19 anos 10 a 14 anos 5 a 9 anos 0 a 4 anos Figura 6 - Distribuição da população por faixa etária, sexo e situação de domicílio e Fonte: IBGE Censos Demográficos 2000 e A região de Conceição do Mato Dentro é marcada pela presença de dois importantes biomas: Mata Atlântica e Cerrado. Conhecida pelo seu valor paisagístico, tanto pelo patrimônio ambiental quanto pelo patrimônio histórico-cultural, a Serra do Espinhaço passou a constituir, desde a década de 1990, um dos vetores da política de desenvolvimento regional pautada pelo turismo (BECKER & PEREIRA 2011, p. 239). Essa política seria consubstanciada no Programa Estrada Real, na criação de

13 13 áreas de proteção ambiental e na conformação, na esfera municipal, de toda uma estrutura institucional. 5 Segundo Becker & Pereira, o reconhecimento pela UNESCO da Serra do Espinhaço como Reserva da Biosfera em 2005, diploma justificado em termos da biodiversidade e do significado da região enquanto referência histórica e cultural, teria gerado expectativas e propiciado um novo enquadre a esse vetor de desenvolvimento (BECKER & PEREIRA, 2011, p. 237/238). Não obstante, no ano seguinte à criação da Reserva, o Governo de Minas anunciava uma parceria com a empresa MMX Mineração e Metálicos S.A., do Grupo EBX, para implementar o Projeto Minas-Rio, com um custo inicial orçado em cerca de 3 bilhões de dólares. 6 Diante do movimento de interesses que se fazia representar nesse anúncio, logo teriam se desfeito os arranjos destinados a consolidar o ecoturismo como indutor de desenvolvimento. Assim, as forças políticas locais e regionais voltaram-se rapidamente para a expansão da frente mineral (BECKER & PEREIRA, 2011, p. 238/239). Se a chegada do Projeto Minas-Rio à região de Conceição do Mato Dentro aparece como relativamente contraditória desde uma visada local, não se pode dizer o mesmo se o abordarmos a partir de fenômenos de outra ordem de escala como o da inserção do Brasil na economia-mundo (SEVÁ FILHO, 2010, p. 113). Essa inserção, aponta Milanez, tem se dado historicamente via fornecimento de recursos naturais, que hoje se reflete na especialização em setores de produção intensiva no uso desses recursos (2012, p. 32). No que tange especificamente ao setor mineral, desde o início dos anos 2000 se verifica uma elevação geral dos preços, tendência que deve se manter, devido ao alto padrão de consumo dos países industrializados, ao crescente consumo dos países emergentes e à previsão de esgotamento, dentro de um curto prazo, das melhores jazidas 5 O Programa Estrada Real (instituído pela Lei estadual /99 e regulamentado pelo Decreto /2000) visava incentivar o turismo nos municípios situados ao longo dos caminhos coloniais surgidos no contexto do desenvolvimento da economia aurífera no século XVIII. Becker e Pereira (op. cit.) apontam, ainda, como indicadores dessa política de desenvolvimento regional: a criação dos Parques Municipais Ribeirão do Carmo (1998) e Salão de Pedras (1999), e da APA Serra do Intendente (1998); a criação dos Conselhos Municipais de Meio Ambiente (CODEMA, em 1991), de Patrimônio Cultural (1997), Turismo (1997), de Desenvolvimento da Atividade Rural (2001), e uma Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Turismo (SEMAT), em 2000; a formulação de um Plano Diretor em 2003 e de uma Política Municipal de Turismo Responsável. 6 O presidente da unidade de negócios de minério de ferro no Brasil da Anglo American, Paulo Castellari Porchia, declarou que o projeto que compreende uma mina, um mineroduto e um terminal portuário teve seu orçamento elevado para US$ 8,8 bilhões. Jornal O Globo. Caderno de Economia, 01 abr Disponível em: <http://oglobo.globo.com/economia/anglo-american-admite-falhas-que-atrasaram-projeto-minas-rio #ixzz2eaRQzQir>. Acessado em 11 set

14 14 (MILANEZ, 2012, p. 26). 7 O prognóstico, afirma Milanez (2012, p. 38), é o de uma rápida expansão da exploração mineral, o que já ocorre no Brasil, onde as operações teriam passado de um total de 20 bilhões para 85 bilhões de dólares entre 2004 e 2011, crescimento puxado pelo minério de ferro (com 70% de participação). Conforme Becker & Pereira (2011, p. 240), no período entre 1943 e 1989, o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) registrou 26 direitos minerários para Conceição do Mato Dentro. Todavia, entre 2001 e 2009 foram registrados 193 novos direitos minerários para o município. 8 Milanez aponta que a intensificação da exploração mineral em áreas em que a atividade já se consolidou demonstra ser insuficiente diante da expectativa de lucro, o que deverá provocar sua expansão para novas regiões, e assim aprofundar os impactos, gerar novos conflitos e aumentar a população atingida pelos efeitos negativos da atividade (2012, p. 39). O Projeto Minas-Rio prevê a abertura de uma mina para exploração de minério de ferro nas serras do Sapo e Ferrugem; a construção de uma planta de beneficiamento e enriquecimento desse minério, nos municípios de Conceição do Mato Dentro e Alvorada de Minas, e a implantação de três estruturas associadas: (1) um mineroduto de 525 quilômetros, integrado a um porto marítimo em implantação na Barra do Açu, litoral norte do Estado do Rio de Janeiro; (2) uma linha de transmissão de energia derivada da Subestação Companhia Energética do Estado de Minas Gerais CEMIG em Itabira; (3) uma adutora de água com captação no Rio do Peixe, no município de Dom Joaquim pertencente à bacia hidrográfica do Rio Doce, para fornecimento de água ao processo industrial, inclusive para o mineroduto (SISEMA, 2008). Tal projeto é congruente com as características do movimento de capital descrito por Milanez, obedecendo tanto ao trajeto de globalização do mercado mínero-metalúrgico, determinado pela expansão das empresas por novas áreas, na busca pelas melhores reservas disponíveis; como à dimensão estratégica que o transporte do minério de ferro por longas distâncias assume no novo contexto (2012, p. 30). A mina do Sapo/Ferrugem possui reservas de 1,5 bilhão de toneladas, com produção prevista de 56 milhões de toneladas de minério por ano (vida útil de 40 7 Essa tendência continuada de elevação dos preços não significa, entretanto, estabilidade. O autor enfatiza a forte volatilidade como característica do mercado de commodities, cujos efeitos exemplifica através da repercussão da crise de 2008 sobre os setores do ferro e do aço no Brasil (MILANEZ, 2012, p. 27; 29/30). 8 As autoras apontam a ocorrência, na região, dos seguintes minérios com interesse econômico: ferro, manganês, fosfato, ouro, granito, chumbo, quartzito, quartzo, platina, cromo, esteatita, diamante industrial, areia e cascalho. Dos registros levantados em 2010, informam que 14% pertenciam à mineradora Anglo American (2 para o cromo e 26 para minério de ferro), e 12%, à Vale (4 para fosfato e 20 para minério de ferro) (BECKER & PEREIRA, 2011, p. 240).

15 15 anos), a um teor médio de 41,22% de ferro, gerando 68,5 milhões de tonelada por ano de material lavrado (BECKER & PEREIRA, 2011, p. 240). Relativamente pobre, a atratividade do custo/benefício da exploração desse minério muito provavelmente se atrela à alternativa do mineroduto. Conquanto se acordam as melhores condições econômicas de exploração e transporte do minério, ao mesmo tempo se ampliam os impactos referentes a extensão da área a ser utilizada pela mineração, a geração de maior quantidade de estéril e de rejeitos e a utilização de um dos recursos naturais mais caros à população a água, para que seja viável a exploração e o transporte intensivos da matéria prima almejada (MILANEZ, 2012, p.39). Não se deve perder de vista as tramas que urdem o jogo global do capital, às práticas e sentidos locais. Ao se apropriar de territórios para a expansão do capital, a mineração provoca uma série de transformações socioambientais, espaciais, econômicas, culturais e políticas, em um processo que desvaloriza, quando não ignora, os bens materiais e simbólicos, as terras e as próprias vidas das populações afetadas (WANDERLEY, 2012, p. 93). Há, como afirma Sevá Filho, [...] algo que expressa a acumulação de capital, mas é outra coisa, algo que está em jogo nas relações internacionais e, ao mesmo tempo, nas relações locais: a expansão da infraestrutura produtiva pesada, a qual somente se concretiza dentro da lógica do circuito econômico global. Assim, essa expansão da infraestrutura e do capital fixo sempre se faz à custa dos recursos naturais locais e da renda dos países e das regiões onde são realizadas as instalações novas ou ampliadas. A cada implantação de uma indústria pesada, energética, mineral, metalúrgica ou petroquímica, decorre que todos os outros projetos e usos possíveis para os mesmos locais são tornados indesejáveis, inviáveis, até impossíveis (2010, p. 115). Na análise que se segue, tentaremos perceber como, no inevitável conflito entre formas de apropriação, modos de ser e visões de mundo não só diferentes, como profundamente desiguais, se constroem, no cotidiano das relações sociais, os circuitos que cimentam a inexorabilidade do progresso (SEVÁ FILHO, 2010, p. 116) e as assimetrias de poder O processo de licenciamento É preciso tomar como ponto de partida a própria fragmentação do processo de licenciamento ambiental, se considerarmos o desmembramento do que seria um único e integrado projeto em três processos isolados, que se desenrolam em três distintas instâncias burocráticas: o complexo minerário, em licenciamento no Sistema de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado

16 16 de Minas Gerais - SISEMA; o mineroduto, em licenciamento pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis IBAMA; o Porto do Açu, em licenciamento pelo Instituto Estadual do Ambiente INEA, do Estado do Rio de Janeiro. Estratégia frequente no licenciamento de grandes empreendimentos, o desmembramento costuma não só acarretar o subdimensionamento dos impactos globais de um projeto, como reforça o cenário da inexorabilidade de sua implementação, pois o sequenciamento entre os cursos dos distintos processos acaba por tornar necessária cada uma de suas parcelas ou etapas. Afinal, de que valeria um mineroduto, sem uma mina para a captação do minério? No caso do Projeto Minas-Rio (complexo minerário), o pedido de Licença Prévia foi formalizado em setembro de 2007 (SIAM, 2013). 9 Antes mesmo, ainda no decorrer de 2006, já se prefigurara, contudo, como irreversível, determinando decisões políticas e medidas administrativas na esfera municipal. Em resistência à forma autocrática com que se negociavam condições políticas locais para a efetivação do projeto em atendimento aos imperativos e urgências da então propositora, a MMX, um grupo de moradores organizou um fórum de discussão, que se manteve ativo nos primeiros anos do licenciamento (Fórum de Desenvolvimento Sustentável de Conceição do Mato Dentro Fórum CMD). Par e passo, a empresa articularia, através do Executivo Municipal, seu próprio fórum da sociedade civil. 10 Assim Becker & Pereira analisam esse processo: [...] acreditando na inevitabilidade do licenciamento do projeto Minas-Rio o secretário do Meio Ambiente de Conceição do Mato Dentro, criou uma comissão para trabalhar objetivamente nas propostas de compensação ambiental. Esse processo culminou com a criação do Comitê Conceição Sustentável pelo Executivo local, em novembro de A negociação da demora a sociedade civil era a única ameaça que a empresa tinha e a anuência do Executivo local, segundo anúncio em jornal da época, dariam a partida ao processo de licenciamento ambiental do projeto de extração de minério de ferro com R$ 6 bilhões em investimentos, com contrapartidas para a reforma do hospital local (R$ ,00), a reforma de um colégio para instalar o centro de formação de mão de obra e o programa de desenvolvimento de fornecedores locais (2011, p. 243). Os antagonistas locais consubstanciaram suas posições em documentos e manifestações na audiência pública que antecedeu a concessão da licença prévia. A questão fundamental a arguição do juízo de viabilidade socioambiental do empreendimento, situado no interior da Reserva da 9 Portanto, um mês após a concessão, pelo IBAMA, da licença prévia ao Mineroduto Minas-Rio (IBAMA, 2007). A fragmentação do licenciamento foi questionada por Ação Civil Pública interposta pela Procuradoria da República em Minas Gerais, em O pedido de suspensão do licenciamento em caráter liminar foi negado pela Justiça Federal. 10 Ver, a esse respeito, Becker & Pereira, 2011, p. 241 a 244.

17 17 Biosfera da Serra do Espinhaço e no curso da Estrada Real foi levantada pelo Fórum CMD, e corroborada posteriormente pelo Parecer Único emitido pelo SISEMA (2011, p. 244). Não obstante, a conclusão a inviabilidade do empreendimento não foi levada a efeito. Outros graves questionamentos ao empreendimento, ao processo de licenciamento, e ao EIA-RIMA foram levantados pelo Fórum CMD e pela Comissão Pastoral da Terra - CPT, entre os quais destaca-se: a raridade dos ecossistemas de canga e a ocorrência de espécies de fauna e flora raras, endêmicas e/ou ainda não descritas pela ciência; a geração de grande quantidade de estéril e rejeitos, devido ao baixo teor do minério; comprometimento, em qualidade e quantidade, dos recursos hídricos regionais; a não conclusão dos estudos apresentados no EIA/RIMA acerca da hidrogeologia; delimitação incorreta da área de influência sobre cavidades; insuficiência dos levantamentos apresentados para a caracterização de todos os locais que sofreriam a instalação de estruturas associadas ao empreendimento; não apresentação de projeto de reassentamento de comunidades tradicionais afetadas; desconsideração, no cômputo dos impactos sobre a economia das famílias e comunidades afetadas, da produção voltada para o mercado (queijo, aguardente, farinha, doces, banana, milho, feijão etc.); desconsideração do impacto da perda/diminuição da água para a viabilidade econômica dos sítios rurais; desconhecimento, pelo SISEMA, das modalidades de ressarcimento adotadas nos processos de negociação de compra e venda de áreas demandadas pelo projeto minerário, já realizados pelo empreendedor; caráter genérico da proposta de reestruturação das atividades econômicas afetadas pelo empreendimento; ausência/incompletude dos estudos relacionados ao afluxo populacional nos municípios da chamada Área de Influência Direta, entre outros (SISEMA, 2008b). Mais importante que listar todas as questões levantadas, é observar que o Fórum e a CPT cobraram expressamente que o SISEMA se mostrasse consequente com a avaliação de seus próprios técnicos, que haviam apontado muitas e graves falhas e lacunas nos estudos de impacto ambiental Afirmaram os atingidos: Merece enfatizar que a equipe técnica que elaborou o parecer apontou omissões que não podem ser admitidas. Destaca-se, literis: fls. 105 A equipe analista esclarece que os estudos de diagnóstico são próprios da fase de discussão da viabilidade do empreendimento e deveriam ter sido esgotados no EIA. Com base nesses estudos, o EIA deveria ter também apresentado as medidas ambientais a serem implementadas e as responsabilidades do empreendedor no planejamento, execução e monitoramento dessas medidas. O empreendedor deverá apresentar as informações necessárias à complementação do EIA, conforme condicionantes em anexo a este parecer (grifo acrescido). Se a concessão da Licença Prévia está, em parte sugestionada pelo Parecer Único do SISEMA, embora este mesmo parecer esclareça que o EIA foi omisso quanto a medidas ambientais a serem implementadas e as responsabilidades do empreendedor no planejamento, execução e monitoramento dessas medidas, a legitimidade desta licença depende de como o processo continuará a ser conduzido. Neste sentido, solicitamos aos senhores Conselheiros diligenciem no

18 18 O Adendo ao Parecer Único SISEMA n o. 001/2008, elaborado em resposta aos questionamentos mencionados é peça exemplar da lógica do paradigma da adequação ambiental (ZHOURI, LASCHEFSKI & PAIVA, 2005), flexibilizando, inclusive, avaliações constantes no próprio Parecer Único. 12 A Licença Prévia ao Projeto Minas-Rio seria concedida ainda em 2008, 13 trazendo a reboque um altíssimo número de condicionantes e a postergação, para a fase seguinte do licenciamento, de estudos e informações cruciais à própria formação do juízo de viabilidade ambiental do empreendimento (SISEMA, 2008b). Os efeitos da atuação da MMX e da Anglo sobre a população atingida, assim como os efeitos do avanço do próprio processo de licenciamento foram discutidos em relatório parcial do Projeto Cidade e Alteridade 14. Por ora, observa-se que a concessão da licença prévia, nos termos em que ela ocorreu, desencadeou danos irreversíveis, consubstanciando um quadro de múltiplos e complexos fatores cuja combinação ou concorrência não foi deslindada até o momento. Não por acaso, a continuidade do licenciamento se daria por uma nova fragmentação, desta feita, o desdobramento da licença de instalação em duas fases distintas, LI Fase 1 e LI Fase Da impossibilidade de cumprir (acompanhar e fiscalizar) tão numerosas e complexas condicionantes, sentido de solicitar informações complementares, baixando o processo em diligência, um direito legal da comunidade para que os aspectos não esclarecidos apontados pelo Parecer Único do SISEMA, sejam esclarecidos, de fato. Por fim, destacamos, através do documento anexo, inúmeros trechos nos quais o PARECER ÚNICO DO SISEMA considerou que os DADOS FORNECIDOS pelo empreendedor foram INSUFICIENTES ou INCORRETOS (apud SISEMA, 2008b). O documento, entregue em reunião da URC Jequitinhonha de 24/10/2008 na qual se pretendia julgar o pedido de licença prévia -, provocou a elaboração do Adendo ao Parecer Único SISEMA no. 001/2008, aqui citado. 12 Segundo os autores, nesse paradigma ambiente e sociedade se tornam externalidades a serem gerenciadas e adequadas ao projeto de desenvolvimento. Medidas condicionantes (mitigadoras e compensatórias) funcionam como dispositivos fundamentais nessa adequação, operando a flexibilização de princípios de direito e normas legais, e garantindo a continuidade dos processos de licenciamento. O licenciamento perde a sua principal função a de avaliar a viabilidade socioambiental de um empreendimento (ZHOURI, LASCHEFSKI & PAIVA, 2005, p. 99/100). 13 No mês de dezembro de 2008, apesar dos questionamentos e falhas apontadas e da recomendação contrária do Ministério Público Federal (MPF), que sustentava que o Estudo de Impacto Ambiental apresentado pelo empreendedor era frágil e lacunoso, o Conselho de Política Ambiental de Minas Gerais aprovou a Licença Prévia (LP) para a área da mina e da planta de beneficiamento (GESTA, 2011). 14 Gustin, Miracy (Coord.). Impactos da Mineração na Região de Conceição do Mato Dentro. Relatório parcial do Projeto Internacional de Pesquisa Cidade e Alteridade. Núcleo temático mineração na região de Conceição do Mato Dentro. Pesquisadores do Núcleo: Profa. Ana Flávia Santos e Humberto F. Filpi. Colaboradores do GESTA: Profa. Andréa Zhouri, Clarissa Prates, Luciana Ferreira, Poliane Janine Ribeiro, Segundo Becker & Pereira (2011, p. 245/246), a distribuição das atividades entre as duas fases seguia a seguinte organização: A) Fase 1 - Mina: resgate de flora (ficando para a fase 2 a supressão da vegetação e decapeamento do solo); pilha de estéril, Centro de Referência Cultural e Ambiental, Estação de bombas do Rio do Peixe: abertura de acessos; terraplenagem, aterros, cortes e fundações (obras com balanço de massa estimado em 6 milhões de metros cúbicos de terra); edificação do canteiro de obras, unidades operacionais, almoxarifados e alojamentos; aterro sanitário; dique de contenção de finos. B) Fase 2 Edificação da unidade de beneficiamento, construção da barragem de rejeitos e da adutora para condução da água captada no Rio do Peixe.

19 19 dentro de um cronograma delimitado pelas urgências do próprio empreendedor, surgia a necessidade de reorganizar, mais uma vez, a norma: Em 17/12/09, houve a aprovação da Licença de Instalação (LI). Segundo uma moradora da região, o processo de concessão da LI teve diversas irregularidades que foram denunciadas ao Ministério Público Estadual e Federal, mas as denúncias não tiveram efeitos de paralisação. A Licença de Instalação foi fracionada pela SEMAD, transformando-se em LI 1 e LI 2. Dessa forma, as condicionantes estabelecidas no processo de concessão da LP que foram cumpridas pelo empreendedor foram vinculadas à LI 1, ao passo que as condicionantes não cumpridas foram atreladas à LI 2. Assim a LI 1 foi julgada pelo COPAM e concedida, permitindo que a empresa iniciasse a instalação do empreendimento, mesmo sem ter cumprido todas as condicionantes da LP (GESTA, 2011). A aprovação da primeira Licença de Instalação ocorreria exatamente um ano após a concessão da Licença Prévia, em dezembro de A segunda, em dezembro de Nenhuma dessas etapas assistiu ao cumprimento do conjunto das condicionantes estabelecidas na LP; ao contrário, novos prazos e novas condicionantes foram agregados ao processo, e os anos de 2009 e 2010 se caracterizaram pelo agravamento do quadro socioambiental em Conceição do Mato Dentro, devido à indefinição da situação dos atingidos e ao aprofundamento dos impactos, provocados pelo início das obras de instalação da mina e pelo avanço das obras do mineroduto. É nesse contexto que a Secretaria Estadual de Meio Ambiente - SEMAD resolve intervir, chamando os diversos órgãos, instâncias de fiscalização e sociedade civil a um esforço de atuação, destinado a solucionar os problemas do caso Conceição. Várias medidas decorreram desse movimento, como a exigência, transformada em condicionante do licenciamento (LI Fase 1), de considerar o Termo de Ajustamento de Conduta assinado no caso da Usina Hidrelétrica de Irapé como parâmetro mínimo para o reassentamento das famílias atingidas. A apresentação de um cadastro de atingidos foi igualmente incluída no licenciamento. O modelo de Irapé também inspirou, por seu turno, o convite a uma maior presença da Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Estado de Minas Gerais FETAEMG, em Conceição do Mato Dentro, do que resultaria a formação, no ano de 2010, de uma Comissão de Atingidos. Em março de 2010, IBAMA e Superintendência Regional de Regularização Ambiental - SUPRAM Jequitinhonha foram instados a 16 A despeito, informam Becker & Pereira (2011, p. 246), de denúncias e questionamentos apresentados pelos atingidos. De acordo com levantamento do GESTA (2011), o Ministério Público Estadual chegou a ingressar com uma ação civil pública com pedido de liminar, obtendo a suspensão da licença concedida. No dia seguinte, porém, a Secretaria Estadual de Meio Ambiente teria conseguido cassar a liminar.

20 20 fazer uma vistoria conjunta das obras. Ao longo desse ano, diversas famílias, acompanhadas pelo Ministério Público do Estado de Minas Gerais e Defensoria Pública, firmariam acordos com a empreendedora, lhes sendo, em tese, assegurados os parâmetros acima mencionados. Uma ação modelar assim a Anglo American apresentaria, em 2011, o conjunto de suas realizações nesse período: Estamos atuando com total respeito às pessoas e à realidade local. Ouvindo, conversando e fazendo tudo de forma harmônica, preparando a região para conviver com a mineração. O projeto, que abrange também as cidades mineiras de Alvorada de Minas e Dom Joaquim, inaugura um novo modelo de atuação do setor de mineração, especialmente no que diz respeito ao reassentamento de famílias, tornando-se pioneiro no setor por ser inteiramente pensado e executado de maneira sustentável e socialmente responsável, antes, durante e depois de sua instalação, cuja expectativa de vida útil é de 40 anos. Um dos seus diferenciais - inspirado na bem-sucedida experiência da Usina de Irapé, da Cemig - é o Programa de Negociação Fundiária, especialmente criado pela Anglo American para cuidar de todas as atividades ligadas à aquisição de terras e reassentamento de famílias. Os primeiros acordos começaram a ser fechados em agosto do ano passado e envolvem cerca de 80 proprietários de terrenos nas comunidades de Ferrugem/Sapo, Água Santa e Mumbuca, em Conceição do Mato Dentro e Alvorada de Minas. Com todas as licenças ambientais já obtidas (a Licença de Instalação foi concedida pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, por meio da Superintendência Regional de Regularização Ambiental - Supram/Jequitinhonha - em dezembro passado, por oito votos a favor e apenas um contra), Viguetti [17] afirma que o Projeto Minas-Rio é uma realidade consolidada. A transparência na condução das negociações e reassentamentos é assegurada graças a uma rede de instituições que inclui, além da Supram, representantes do Ministério Público, da Defensoria Pública e da Pastoral da Terra. Juntas, mais que validar as negociações, elas acompanham todos os procedimentos adotados (ECOLÓGICO, 2011). A distância entre o discurso da empreendedora e a realidade vivenciada pelos atingidos ficaria registrada nos resultados da vistoria conjunta IBAMA/SEMAD realizada em 2010, bem como em diversos documentos protocolados na SUPRAM Jequitinhonha ao longo de 2010 e Conforme demonstram Becker & Pereira (2011, p. 246 a 248), enquanto os impactos se agravavam, 17 Newton Viguetti, então gerente-geral de Desenvolvimento Sustentável e Licenciamento do Projeto Minas-Rio da Anglo American. Em julho de 2011, ele receberia o título de cidadão honorário de Belo Horizonte, por iniciativa da Deputada Luzia Ferreira, da Comissão Estadual de Meio Ambiente (ECOLÓGICO, 2011b).

21 21 atingindo um contingente populacional cada vez mais amplo, a empreendedora acionava dispositivos burocráticos e técnicos para evitar o reconhecimento dos danos e dos atingidos, em sua totalidade. A inoperância das medidas protetivas que, por mediação das diversas instâncias do Estado, foram sequencialmente incorporadas ao licenciamento, sugere que sua principal eficácia consistiu na produção de efeitos de verdade (FOUCAULT, 1999, p. 29), em momentos críticos para o avanço do próprio processo. 3. IMPACTOS DA MINERAÇÃO NAS DIVERSAS ESFERAS DA SOCIEDADE Nas entrevistas realizadas durante o trabalho de campo, em julho de 2013, foram relatadas situações atípicas do cotidiano dos moradores de Conceição do Mato Dentro, devido ao efetivo de trabalhadores que começaram a chegar ao município, principalmente à partir de De maneira geral, foram descritas situações de aumento do trânsito na cidade e nas estradas vicinais; muita poeira e sujeira nas ruas; aumento da criminalidade; 18 prostituição; assédio às jovens locais; consumo de drogas; elevação no custo de vida; maior procura por atendimento em todas as áreas de saúde; produção de lixo; 19 déficit habitacional e consequente aumento nos valores dos imóveis e dos aluguéis, dentre outras demandas sobre serviços e equipamentos públicos. Apesar dos efeitos sobre o município se iniciarem ainda em fases de especulação da chegada de um empreendimento deste porte, é interessante notar que, além dos relatos coletados, os dados secundários de fontes oficiais reforçam um marco inicial das principais mudanças ocorridas em Conceição do Mato. O projeto do mineroduto Minas-Rio recebeu a licença de instalação pelo IBAMA em março de É justamente na fase em que a empresa recebe autorização para iniciar a construção dos canteiros de obras, dos pátios de tubos e acesso à área industrial inicial do empreendimento, que dá-se início o processo de chegada dos primeiros trabalhadores na região. Em dezembro 2008, a mina de exploração do minério de ferro recebeu a licença prévia, mas, a chegada mais intensa dos trabalhadores aconteceu após a concessão da primeira licença de instalação (LI1), em dezembro de A partir dessa data, a empresa Anglo American terceirizou 18 No período em que se realizava o trabalho de campo Julho de 2013 houve um assalto à mão armada ao Banco do Brasil, inclusive com sequestro de reféns. 19 Conforme relato do Secretário de Meio Ambiente de Conceição do Mato Dentro, antes o município dispunha de um aterro controlado e provisório, administrado pela Prefeitura. Com a chegada da mineração, não há mais coleta controlada, o aterro virou um lixão que quadruplicou a quantidade de lixo produzido (Entrevista em Julho de 2013).

22 22 a contratação de um grande contingente de trabalhadores, que passou a se alojar, principalmente, no município de Conceição do Mato Dentro e a transformar o cotidiano dos moradores locais. Conforme informações levantadas no trabalho de campo, esse novo contingente varia entre seis e oito mil trabalhadores, contratados por mais de 80 empresas terceirizadas que passaram a atuar junto à Anglo American somente em Conceição do Mato Dentro, sem contar nos municípios de Dom Joaquim e Alvorada de Minas (Entrevistas realizadas em Julho de 2013). Este contingente representa mais do que a própria população de homens adultos do município, pois, conforme dados do IBGE, em 2010 haviam moradores do sexo masculino com 20 anos ou mais de idade (IBGE, 2010) Breve descrição dos impactos sobre comunidades rurais tradicionais e suas repercussões na cidade É conhecida a narrativa da chegada sorrateira da mineração em Conceição do Mato Dentro, quando, por volta de 2006 e 2007, antes de qualquer publicidade acerca do projeto minerário, pessoas chegaram à região sondando e adquirindo terras, com objetivos inocentes como a montagem de um haras ou a preservação da Natureza. 20 Para uma atingida, o alerta partiu do nome da empresa que passara a negociar terras na região: Borba Gato Agropastoril S.A., homenagem ao bandeirante paulista cujo papel, relatou, era o de seguir à frente das expedições, limpando o caminho da presença indígena e de outros perigos. Em pouco tempo, toda a violência sugerida por essa infeliz metáfora iria se concretizar no agressivo processo de aquisição de terras capitaneado pelos prepostos da MMX e, posteriormente, pela Anglo American. A compreensão de seus efeitos na zona rural de Conceição do Mato Dentro, na região de implementação do empreendimento, foi objeto de análise de Santos, em Conforme descrito nestes estudos, no entorno da Serra da Ferrugem se verificava a presença de pequenos sítios familiares, territorialmente articulados entre si em vizinhanças que conformavam verdadeiras comunidades de parentesco, muitas vezes assentadas sobre terrenos de herança mantidos em comum, localmente designadas terras no bolo da família. Nestas se articulavam a apropriação privada das terras baixas utilizadas para plantio, criação e morada, ao uso comum isto é, uso 20 GESTA, 2011; Becker & Pereira, Referência aos trabalhos de campo realizados pela Profa. Ana Flávia Santos em Conceição do Mato Dentro em 2009 e 2010, como analista pericial em antropologia do Ministério Público Federal (Santos, 2009; 2009b; 2010).

23 23 familiar ou coletivamente regulado dos terrenos montanhosos e da água (SANTOS, 2009). Eram comunidades com antigo lastro na região, a ocupação remontando, não raro, a muitas gerações. Para as comunidades afrodescendentes visitadas, por exemplo -os Rodrigues de Mumbuca e Beco, a Família Pimenta, na Ferrugem-, foi possível remontar a um passado de escravidão ou a um tempo próximo à abolição (SANTOS, 2009). Os quintais, pequenas áreas no entorno das residências, constituíam espaços extremamente valorizados e cuidados pelas famílias, neles se cultivando uma grande variedade de frutíferas, além de hortas, café, mandiocais e pequenas lavouras de feijão e milho. Tal produção, voltada tanto para o consumo quanto para o mercado, se articulava à criação de pequenos animais e ao manejo de pequenos rebanhos, destinados à produção de leite ou de queijo. No mercado de Conceição, as famílias comercializavam frutas em geral, doces, fubá, quitandas, queijos, fubá de moinho d água, mandioca, farinha de mandioca dentre outros produtos (SANTOS, 2009). O impacto sobre os modos de vida dos moradores da zona rural reverbera na qualidade e na quantidade dos produtos que são comercializados na cidade. Não é só a expropriação dos terrenos utilizados, para dar lugar a mineração, que prejudica a produção, mas também a dificuldade de encontrar mão de obra para ajudar na lavoura. Os mais jovens que antes ajudavam os pais no trabalho da roça, agora procuram trabalhar no empreendimento. Não se trata de discutir a possível melhoria salarial e, às vezes, até as condições de trabalho. Entretanto, essa alteração trouxe uma dificuldade na manutenção dos modos de cultivos empregados anteriormente pelos moradores locais. Os mais velhos, portanto, já não possuem braços suficientes para manter a produção. Aqueles que insistem nesta tarefa, tem a qualidade de seus produtos questionada por conta dos riscos de contaminação do solo e da água, dada a proximidade com o projeto minerário. Essas questões foram mencionadas por moradores que vivem ao longo dos córregos Pereira e Passa Sete, durante o trabalho de campo da equipe. Todos relataram a piora na qualidade da água com o advento da mineração e aqueles que produziam hortaliças e doces para vender no mercado de Conceição do Mato Dentro, denunciaram a discriminação dos seus produtos pela desconfiança dos consumidores urbanos de uma provável contaminação pelo uso da água dos rios (Entrevistas realizadas em julho de 2013).

24 Impactos no setor habitacional A atração de novas pessoas para o município de Conceição do Mato Dentro não se resume aos contratados, mas também, àqueles que criam a expectativa da abertura de novos empregos voltados para atender as demandas da mineração. O acréscimo populacional tem provocado uma gama de impactos diferenciados sobre o cotidiano dos moradores e sobre os serviços e equipamentos públicos municipais. Apesar da construção de alojamentos para aqueles que se efetivaram em algumas empresas terceirizadas pela Anglo American, tem-se uma população contratada e atraída superior à oferta de habitações disponíveis no município. Conforme estudo da PMMG: No caso da mineradora Anglo American em Conceição do Mato Dentro foram necessárias várias aquisições de terras, remoção de famílias e reassentamentos para liberar a área do empreendimento. Com isso os valores dos imóveis rurais na área subiram de maneira absurda. O grande afluxo de pessoas para a sede do Município de Conceição do Mato Dentro também causou uma bolha imobiliária nos imóveis urbanos. O valor médio de um lote nas áreas periféricas de Conceição do Mato Dentro é de R$80.000,00. Os poucos imóveis disponíveis na sede do Município tem o valor de aluguel mensal acima de R$1.500,00, segundo a Portal (única empresa do setor no Município na área de locação, compra e venda de imóveis (PMMG, 2012, p.20). Neste contexto, a lógica mercadológica referente à oferta e demanda, ditou o acréscimo astronômico nos preços dos imóveis e de aluguéis na cidade. Conforme relatos coletados em Julho de 2013, antes da chegada da mineração, uma casa de três quartos era alugada por um salário mínimo, atualmente, a mesma casa não sai por menos de seis salários mínimos. A consequência desta alta nos preços dos imóveis já pode ser averiguada no crescimento desordenado da área urbana municipal. Segundo o representante da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Econômico, existem quatro novos loteamentos na cidade: sendo um em construção, dois estabelecidos de forma legal (Jardim Bouganville e Boa Vista) e um irregular. Em relação ao loteamento irregular, a secretaria informou que cerca de 600 famílias estão morando de forma precária, algumas em barracas de lona e de madeira, sem acesso à água e energia elétrica. Para evitar novas invasões a prefeitura autorizou e disponibilizou vigias para a permanência em tempo integral no local, no intuito de coibir a chegada de novas famílias ou a construção de novas casas.

25 25 A equipe de campo esteve neste loteamento irregular, no bairro conhecido como Barro Vermelho, no dia 10 de Julho de 2013, em uma reunião com representantes dos moradores locais. Esses representantes informaram que as famílias da ocupação são compostas, em sua maioria, por moradores de Conceição do Mato Dentro que não conseguiam mais pagar o aluguel na cidade, devido à alta dos preços no mercado imobiliário. Assim, foram forçados a buscar uma alternativa mais econômica e, talvez, esperançosamente definitiva. A ocupação também possui famílias que vieram de outros municípios (de outros Estados, inclusive) com a expectativa de encontrar em Conceição do Mato Dentro uma nova oportunidade de vida, dada a promessa da geração de empregos no setor minerário. Relatou-se nesta reunião que a ocupação tem quase 4 anos, portanto, teve seu início ainda em 2009, depois da construção de casas populares no local. As famílias começaram a ocupar lotes, aproveitando ruas que haviam sido cortadas para um projeto de loteamento da própria prefeitura de Conceição do Mato Dentro. Alguns disseram que a Prefeitura, à época, doou lotes aos moradores de Conceição, mas, ao final, constatou-se que a área era ilegal por estar dentro do Parque Municipal Salão de Pedras. Todavia, as famílias continuaram chegando e estabelecendo estratégias de ocupação e de sobrevivência no loteamento. Aqueles que conseguiram a instalação de energia e água das prestadoras desses serviços, compartilham com os vizinhos que não tiveram a mesma sorte. Conforme o relato dos moradores, a ameaça de despejo é constante, pois, a prefeitura realiza investidas contra as famílias, com processos de desocupação através da intimidação: arrancando estacas, cortando arames, derrubando as paredes de madeira de algumas casas e transportando todo o material apreendido em caminhões da prefeitura. Há ainda casos de uso da força física por parte dos agentes nestas operações, inclusive com registros em boletins de ocorrência da Polícia Militar. Além disso, a prefeitura mantém uma equipe de segurança privada que vigia e coíbe novas ocupações. Outra ameaça, que segundo os moradores, pode inviabilizar a legalização de suas residências nesta área, é a construção, nas proximidades da ocupação (Jardim Bouganville), de um condomínio residencial construído pela Anglo American para seus futuros funcionários. Sendo assim, essas famílias correm o risco de serem duplamente atingidas, em virtude das consequências trazidas pela instalação da mineração no município: uma, pela valorização imobiliária e a inviabilidade dessas

26 26 famílias pagarem o aluguel inflacionado na cidade; e a outra, através de um processo de regularização urbana que pode não ser concretizado para elas, mas, pode ser para a Anglo. Figura 7 Vista da Rodovia MG-010 para as ruas já asfaltadas do loteamento do Bairro Jardim Bouganville e, ao fundo, as casas nas ruas de terra da ocupação no Barro Vermelho. Conceição do Mato Dentro-MG. Fonte: Google Street View, A demanda desses moradores e de outras ocupações existentes no município, como as dos Bairros Baú e Córrego Pereira, é que a prefeitura regularize a área, assim como aconteceu na Vila Caetano, localizada próxima às margens da MG Impactos no setor da saúde Mesmo com o município de Conceição do Mato Dentro seguindo a tendência da maioria das cidades brasileiras de queda na taxa de natalidade, quando se detalha o número de nascimentos de crianças vivas por estado civil das mães, verifica-se que esta tendência se perpetua somente entre as mães casadas, enquanto a mesma tendência não é averiguada no percentual de crianças nascidas de mães solteiras, que, inclusive, ultrapassa o número de filhos das mães casadas a partir de Pelo o que os moradores mencionaram, a Vila Caetano também passou por um processo histórico de ocupação irregular, todavia, a prefeitura legalizou as ocupações do terreno.

27 ,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0, Mãe Solteira Mãe Casada Figura 8 Comparação entre o percentual de nascimentos de crianças vivas entre mães solteiras e casadas a Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos - SINASC, Esta nova configuração no estado civil das mães não é exclusividade de Conceição do Mato Dentro, mas também do Estado de Minas Gerais. Todavia, a porcentagem de mães solteiras do município, principalmente a partir de 2008, supera em quase 10% os índices de Minas Gerais, como ilustra a figura adiante. 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 Conceição do Mato Dentro Minas Gerais Mãe Solteira Mãe Casada Figura 9 Comparação entre o percentual de nascimentos de crianças vivas entre mães solteiras e casadas para Conceição do Mato Dentro e Minas Gerais a Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos - SINASC, 2013.

28 28 É relevante salientar que essa nova configuração tem correlação com o número de mães adolescentes. Dentre os números de nascimentos de crianças vivas, contados segundo o local de residência da mãe, observa-se uma representatividade considerável no percentual de mães na faixa dos 15 a 19 anos de idade, principalmente a partir de 2009, em comparação com outras faixas de idade mais comuns para as mulheres de Conceição do Mato Dentro se tornarem mães. 40,0 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0, a 19 anos 20 a 24 anos 25 a 29 anos Figura 10 Porcentagem de nascimentos por faixa etária da mãe. Conceição do Mato Dentro, 2000 a Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos SINASC, O acréscimo do percentual de mães adolescentes em Conceição do Mato Dentro contrasta com as tendências estaduais e nacional apontadas pelo Ministério da Saúde, que, ao contrário, apresentaram um decréscimo no percentual de mães adolescentes e um aumento no percentual de nascimentos de crianças vivas, principalmente no grupo de mulheres de maior idade, como se pode visualizar na figura adiante.

29 29 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 Idade da mãe 15 a 19 anos CMD MG Brasil 40,0 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 Idade da mãe 20 a 24 anos CMD MG Brasil 30,0 Idade da mãe 25 a 29 anos 25,0 Idade da mãe 30 a 34 anos 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0, CMD MG Brasil Figura 11 Porcentagem de nascimentos por faixa etária da mãe. Conceição do Mato Dentro, Minas Gerais e Brasil a Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos SINASC, , CMD MG Brasil Weber (2002) já indicava que para se entender a estrutura social e os processos constituintes desta estruturação é fundamental a observação e a análise do contexto de interação social. Dessa maneira, pode-se pensar o cenário de aumento crescente de adolescentes grávidas como uma situação típica de cidades de pequeno porte que recebem projetos de infraestrutura de grande escala. A população contratada para o projeto de mineração Minas-Rio, assim como é comum em outros grandes empreendimentos, proporciona uma distorção demográfica em virtude da concentração maciça de homens que chegam ao município. Força de trabalho itinerante, recrutada de todas as partes do Brasil, principalmente, nordestinos, que são alojados em pequenas vilas ou acomodados em repúblicas nas cidades próximas aos canteiros de obras (RIBEIRO, 2000). Tal como preconiza Parry Scott: Estes homens precisam ser alojados em algum local, saem para se divertir, buscam sexo e buscam parceiras, e, como forasteiros, são de famílias distantes cuja real ou imaginada existência (ou inexistência) e tipo de vínculo são enigmáticas (2012, p.7). Como averiguado no trabalho de campo em julho de 2013, os pais e parentes mais próximos reforçam a vigilância e traçam estratégias de proteção às filhas, como por exemplo acompanhá-las no trajeto para a escola ou trabalho, mas, nem sempre são bem sucedidas. Assim como ocorre em outros municípios que recebem novos empreendimentos, as jovens são seduzidas pelos trabalhadores

30 30 recém chegados e, em um ambiente de muita promessa e expectativa (SCOTT, 2012, p.12), se engravidam e são abandonadas posteriormente. Em Conceição do Mato Dentro não é diferente, como chama a atenção a reportagem do Jornal O Tempo, intitulada: Os órfãos do progresso: jovens mães embalam bebês de trabalhadores que somem após obras. 23 Dessa maneira, enquanto as mulheres de Minas Gerais e do Brasil estão engravidando mais tardiamente, o novo contexto de interação observado em Conceição do Mato Dentro proporciona uma tendência contrária. A figura seguinte ilustra o quadro evolutivo e comparativo do percentual de gestantes, abaixo dos 20 anos de idade, em Conceição do Mato Dentro e no Estado de Minas Gerais. Conceição do Mato Dentro Minas Gerais 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0, Figura 12 Relação percentual do número de gestantes menores de 20 anos de idade. Conceição do Mato Dentro e Minas Gerais, 2000 a Fonte: Ministério da Saúde - Sistema de Informação de Atenção Básica SIAB. Mesmo com a expectativa antecipada de um aumento na demanda pelos serviços nos setores da saúde, os poderes públicos municipais e estaduais não viabilizaram uma estruturação mínima de atendimento, capaz de amenizar os efeitos perversos da chegada de um contingente populacional tão expressivo. No caso de Conceição do Mato Dentro, por exemplo, o único estabelecimento de saúde que se ampliou foram os consultórios médicos particulares. 23 Jornal O Tempo. Os órfãos do progresso: jovens mães embalam bebes de trabalhadores que somem após obras. Caderno de Economia. Publicado em 28 de Julho de 2013.

31 31 Tabela 1 Quantidade de Estabelecimentos de Saúde, por tipo e ano, existente em Conceição do Mato Dentro. Dezembro de 2005 a Junho de TIPO Centro de Saúde/Unidade Básica de Saúde Clínica Especializada/Ambulatório Especializado Consultório Hospital Geral Policlínica Posto de Saúde* Secretaria de Saúde Unidade de Serviço de Apoio de Diagnose e Terapia Total * Conforme a Secretária Municipal de Saúde, Conceição do Mato Dentro possui 3 postos de saúde e outros 20 pontos de atendimento. Fonte: Ministério da Saúde - Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde do Brasil CNES. Tabela 2 Quantidade de Estabelecimentos de Saúde, por tipo de prestador, existente em Conceição do Mato Dentro, junho de Tipo de Estabelecimento Público Filantropico Privado Total Clínica Especializada/Ambulatório Especializado Consultório Hospital Geral Policlínica Posto de Saúde Secretaria de Saúde Unidade de Serviço de Apoio de Diagnose e Terapia TOTAL Fonte: Ministério da Saúde - Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde do Brasil CNES. Em entrevista com a representante da Secretaria Municipal de Saúde, ficou confirmado que a demanda por atendimento cresceu vertiginosamente. Para a Secretária Municipal, há um impacto crescente em todas as áreas da saúde: médicos, medicamentos, setor hospitalar, farmácia e imunização. Houve aumento no número de internações, nas demandas ao PSF (Programa Saúde da Família), aos medicamentos disponibilizados pela farmácia e aos procedimentos de vacinação (Entrevista realizada em julho de 2013). Ao pesquisar os dados disponíveis pelo Ministério da Saúde, percebe-se que o município realmente enfrenta a nova demanda com a mesma infraestrutura e equipes que existiam antes do licenciamento da mineração. A quantidade de leitos de internação em Conceição do Mato Dentro, por exemplo, são os mesmos 42 desde 2005.

32 32 Tabela 3 - Quantidade de leitos de internação por especialidade em Conceição do Mato Dentro, Especialidade Fonte: Ministério da Saúde - Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde do Brasil CNES. Qtd. Cirúrgicos 4 Clínicos 22 Obstétrico 9 Pediátrico 7 Total 42 Da mesma forma, a aquisição de novos equipamentos utilizados nos procedimentos da área de saúde ocorreu timidamente, com exceção dos equipamentos de diagnóstico por imagem, por métodos gráficos e de odontologia. Tabela 4 Quantidade de equipamentos existentes em Conceição do Mato Dentro, 2005 a Grupo de Equipamentos * Equipamentos de audiologia Equipamentos de diagnóstico por imagem Equipamentos de infra-estrutura Equipamentos por métodos gráficos Equipamentos de manutenção da vida Equipamentos de Odontologia Outros equipamentos Total * Até Julho de Fonte: Ministério da Saúde - Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde do Brasil CNES. Não obstante, como se pode observar na tabela 5, há um aumento na demanda por determinadas especialidades da saúde, como nos atendimentos médicos e de enfermagem para acompanhamento do pré-natal, DST, 24 AIDS, acidentes de trabalho, 25 dentre outras Em relação às doenças sexualmente transmissíveis, talvez pela vergonha em se tratando de uma cidade pequena e tradicional, conforme afirmou a Secretária Municipal de Saúde: os moradores procuram tratamento em Belo Horizonte (Entrevista realizada em Julho de 2013). 25 "Considera-se acidente de trabalho, o acidente de trabalho típico, ou seja aquele ocorrido no local de trabalho ou a serviço da empresa; o acidente de trabalho de trajeto, aquele ocorrido no trajeto entre a residência e o local de trabalho. Disponível em:< Consultado em 20 set Atendimento individual de profissional de nível superior: consulta ou atendimento individual realizada por psicólogo, terapeuta ocupacional, fisioterapeuta, assistente social, nutricionista, fonoaudiólogo e pedagoga em educação em saúde." Exclui procedimentos realizados por médicos, odontólogos e enfermeiras. Disponível em:< Consultado em 20 set

33 33 Tabela 5 Número de atendimentos e motivo do mesmo. Conceição do Mato Dentro, 2000 a Ano Pré-Natal DST/AIDS Acidente Trabalho Enfermaria Profissional Nível Superior Injeções TOTAL* * Total dos atendimentos considerados somente nesta tabela. Fonte: Ministério da Saúde - Sistema de Informação de Atenção Básica SIAB. Outros aspectos preocupantes e que refletem a desproporcionalidade entre demanda e oferta, referem-se às equipes dos Programas Saúde da Família (PSF) e Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Enquanto o cadastramento de famílias nos programas de saúde aumenta com o passar dos anos, a quantidade de integrantes por equipe de saúde permanece inalterada, conforme demonstram as figuras adiante Não foi possível encontrar informações sobre a quantidade de integrantes das equipes de saúde para o período de 2000 a Todavia, os dados disponíveis a partir de 2008, mostrou um quadro praticamente inalterado desses profissionais.

34 PACS PSF Figura 13 - Número de famílias cadastradas por ano e modelo de atenção. Conceição do Mato Dentro, 2000 a Fonte: Ministério da Saúde - Sistema de Informação de Atenção Básica SIAB. 2,5 2 1,5 1 0, /Jun SAUDE DA FAMILIA SAUDE DA FAMILIA COM SAUDE BUCAL MI AGENTES COMUNITARIOS DE SAUDE Figura 14 Quantidade de integrantes por tipo de equipe de saúde. Conceição do Mato Dentro, 2008 a Fonte: Ministério da Saúde - Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde do Brasil - CNES Impactos no setor da educação O índice de analfabetos no município de Conceição do Mato Dentro ainda é alto se comparado aos padrões brasileiro e mineiro. Enquanto no primeiro, registrou-se uma taxa de 9,6%,

35 35 no segundo tem-se 7,9% da população maior de 15 anos analfabeta. Em Conceição essa porcentagem chega a quase 18% de seus moradores maiores de 15 anos. 35,44 25,41 16,99 17,87 5 2, a 14 anos 15 anos ou mais Figura 15 Taxa de analfabetismo, por grupos de idade, em Conceição do Mato Dentro. Fonte: IBGE - Censos Demográficos, 1991, 2000 e Quando se compara a faixa etária com a taxa de analfabetismo, observa-se que as pessoas mais velhas possuem os maiores percentuais de analfabetismo. 69,6 55,5 53,5 47,2 62,4 64,2 35,1 38,5 39, ,6 23,5 18,2 6,9 4,7 15 a 24 anos 25 a 59 anos 60 a 69 anos 70 a 79 anos 80 anos e mais Figura 16 Taxa de analfabetismo, por faixa etária, Conceição do Mato Dentro. Fonte: IBGE - Censos Demográficos, 1991, 2000 e 2010.

36 36 Ao observar na figura 17 a evolução dessa taxa para a população total, verifica-se que de 2000 para 2010 houve uma redução muito tímida de analfabetismo no município. Um fato curioso é a taxa de analfabetismo entre os moradores da zona rural que, ao invés de cair, subiu de 16,4% em 2000, para 32,4% em Uma justificativa plausível para esse fenômeno pode ser a emigração dos mais jovens para a cidade, conforme demonstrado anteriormente pela pirâmide etária da figura 6, evidenciando assim, a vulnerabilidade e a falta de assistência às pessoas mais velhas que permanecem no campo. 44,8 32,5 32,4 33,7 22,2 13,5 16,4 23,3 19,5 Urbano Rural Total Figura 17 Taxa de analfabetismo em pessoas maiores de 15 anos ou mais. Conceição do Mato Dentro. Fonte: IBGE - Censos Demográficos, 1991, 2000 e Ao analisar as informações sobre o número de escolas públicas em Conceição do Mato Dentro, percebe-se que vem ocorrendo uma redução significativa, principalmente, àquelas administradas pelo poder público municipal. Conforme demonstra a tabela seguinte, de 2007 para 2012, houve o fechamento de quatro escolas municipais na área urbana e de outras 10 na área rural.

37 37 Tabela 6 Número de escolas públicas por localização e dependência administrativa. Conceição do Mato Dentro, 2007 a Estadual Municipal Estadual Municipal Urbana Rural Urbana Rural Urbana Rural Urbana Rural Estadual Municipal Estadual Municipal Urbana Rural Urbana Rural Urbana Rural Urbana Rural Estadual Municipal Estadual Municipal Urbana Rural Urbana Rural Urbana Rural Urbana Rural Fonte: Mec/Inep/Deed/Csi De acordo com a entrevista realizada com a Secretária de Educação do Município de Conceição do Mato Dentro, ainda não se observa um impacto profundo no setor educacional com a chegada da mineração. O fechamento de tantas escolas, segundo a Secretária, seria consequência da emigração da zona rural para a urbana. Todavia, admite que há uma lista de espera de crianças para novas vagas nas creches. Atualmente são duas creches na cidade e, por conta do espaço, estão matriculadas cerca de 60 crianças. O Governo Federal está construindo mais uma creche no município, através do Programa ProInfância, 28 com uma pequena contrapartida financeira do poder público municipal, que proporcionará mais 150 vagas para as crianças de Conceição (Entrevista realizada em Julho de 2013). 28 Programa Nacional de Reestruturação e Aparelhagem da Rede Escolar Pública de Educação Infantil (ProInfância). O ProInfância é um programa de assistência financeira ao Distrito Federal e aos municípios para a construção, reforma e aquisição de equipamentos e mobiliário para creches e pré-escolas públicas da educação infantil. O objetivo é garantir o acesso de crianças a creches e escolas de educação infantil públicas, especialmente em regiões metropolitanas, onde são registrados os maiores índices de população nesta faixa etária. Disponível em:<http://portal.mec.gov.br/index.php/?option=com_content&view=article&id=12317>. Consultado em 24 set

38 38 Tabela 7 Média de alunos matriculados de cada turma de escolas públicas por ensino, localização e dependência administrativa. Conceição do Mato Dentro, 2007 a Estadual Municipal Ensino Fundamental 24 23, ,4 20,8 20,6 Urbano 25 24, ,8 21,6 21,4 Rural 17 16,5 15,3 12, ,8 Médio 34 38,8 36, ,9 32,5 Urbano 34 38,8 36, ,9 32,5 Rural Creche ,5 14,7 14,7 16 Urbano 16, ,5 13,8 14,7 16 Rural Pré-Escola 15,6 13,9 12,1 13, ,9 Urbano 15,7 13,9 12,3 13,6 11,9 13,1 Rural Fundamental 16,1 16,3 16,2 16,1 15,3 15,9 Urbano 22,1 22,4 22,9 22,5 20,1 21 Rural 13,8 13,6 13,3 12,9 12,5 12,8 Fonte: Mec/Inep/Deed/Csi. Apesar da média de alunos matriculados por turma ter apresentado pouca variação, a redução no número de matrículas pode ser melhor verificado na figura seguinte Médio Fundamental Pré-Escolar Figura 18 Número de matrículas escolares por ensino em Conceição do Mato Dentro, 2005 a Fonte: IBGE, Cidades, Como se verifica na tabela 18, de 2005 para 2012 houve uma redução das matrículas no ensino fundamental, no entanto, o mesmo não ocorreu para as matrículas no ensino médio, pelo

39 39 contrário. Até mesmo na educação infantil, no caso do pré-escolar, houve um acréscimo de matrículas de 2009 para As alterações nos números de matrículas e o fechamento de escolas traz outras implicações de ordem estrutural para o atendimento do serviço educacional no município. Com a redução e concentração locacional de escolas, inevitavelmente tem-se um aumento na demanda pelo transporte escolar, o que também pode provocar um desestímulo para a continuidade dos estudos. De acordo com a Secretária de Educação, ocorreu um aumento no número de alunos que utilizam o transporte escolar. E essa nova demanda se deve também por conta de alunos de famílias que foram reassentadas pelo projeto de mineração, por exemplo, no distrito de Córregos. Ainda segundo a Secretária, há auditorias no legislativo devido a necessidade de ampliação das rotas dos ônibus escolares, já que alunos de algumas famílias reassentadas estão tendo que caminhar durante muito tempo para embarcar no transporte escolar (Entrevista realizada em Julho de 2013). Se por um lado a demanda pelo transporte escolar aumentou, por outro, a contratação de motoristas está cada vez mais difícil. A Secretária de Educação frisou que muitos motoristas da Prefeitura estão saindo dos quadros profissionais do poder público municipal para trabalharem para a empresa de mineração Anglo American, pois o salário seria mais atraente. Com isso, a Prefeitura de Conceição do Mato Dentro enfrenta uma dificuldade na contratação de mão de obra também para esse tipo de serviço (Entrevista realizada em Julho de 2013). A mesma dificuldade também por ser encontrada em outros serviços, tal como atesta o estudo da PMMG: A mão de obra em Conceição se tornou tão escassa que é difícil conseguir funcionários para cozinhas de restaurantes, atendentes de supermercado, mecânicos, pedreiros, bombeiros hidráulicos, empregadas/diaristas para imóveis urbanos e outros tantos profissionais. As fazendas da região vêm perdendo seus vaqueiros e lavradores dia após dia (PMMG, 2012, p.22). Outra situação preocupante é o caso dos alunos que moram e estudam na comunidade do Beco. O acesso para se chegar à comunidade se dá pela Rodovia MG-010, 21 km ao norte da cidade de Conceição do Mato Dentro, e mais quatro quilômetros por uma estrada vicinal que sai da MG Próximo ao encontro dessas vias, foram instalados alguns alojamentos de trabalhadores contratados por terceirizadas para a mineração. Conforme os relatos coletados, as professoras que moram na cidade de Conceição do Mato Dentro não querem mais lecionar na comunidade, devido

40 40 ao risco que o aglomerado de homens oferece, pois, o ponto do ônibus fica na Rodovia MG-010, sendo que o restante do caminho, pela estrada vicinal, deve ser percorrido à pé, entre os alojamentos. Como a quantidade de homens que transitam neste trecho é muito grande, a professora só vai à comunidade do Beco se um dos pais dos alunos puder buscá-la na Rodovia. Neste sentido, os alunos da escola estão com um regime irregular de aulas e com o risco do fechamento também desta escola. Pelos depoimentos dos moradores, os operários circulam por essas vias e, inclusive à noite, ficam pendurados sobre cada estaca de cerca que margeia a estrada vicinal de acesso ao Beco, procurando sinal para os celulares, o que intimida até mesmo os homens da comunidade que precisam passar pela estrada. Todos tem medo e não deixam suas filhas e esposas andarem sozinhas na região (Entrevistas realizadas em Julho de 2013). Figura 19 Posição dos alojamentos e da estrada vicinal de acesso à Localidade do Beco, Conceição do Mato Dentro-MG. Fonte: Google Earth, Adaptação de imagem satélite datada de Junho de 2007.

41 Impactos no setor da segurança De acordo com as entrevistas realizadas com os representantes da Polícia Civil e Militar de Minas Gerais que atuam em Conceição do Mato Dentro, o aumento significativo da criminalidade tem relação direta com a chegada das atividades de mineração no município. Essas atividades trouxeram, além dos milhares de funcionários contratados pela Anglo e pelas empresas terceirizadas, mais dinheiro para a economia local e maior circulação de outras pessoas atraídas pelas obras e pela movimentação financeira. Em dia de pagamento a cidade fica muito cheia, os bancos ficam com filas enormes (Entrevista com representante da PMMG, Julho 2013). Consequentemente, segundo o relato dos policiais, junto com esse movimento observou-se um aumento do número de crimes, principalmente, àqueles que se relacionam com o tráfico de drogas, assaltos à mão armada aos comércios e residências, violência contra a mulher e crimes de trânsito (Entrevistas realizadas em Julho de 2013). Os dados coletados junto à Polícia Civil e Militar de Minas Gerais são ilustrativos dos problemas denunciados. Na figura seguinte, tem-se o número de crimes, no geral, ocorridos em Conceição do Mato Dentro no período entre 2001 e Figura 20 Número de crimes de toda natureza ocorridos em Conceição do Mato Dentro, 2001 a Fonte: PMMG, Quando se detalha a natureza dos crimes, é possível constatar a incidência daqueles que foram indicados pelos policiais com maior crescimento no município. No caso dos crimes

42 42 relacionados aos entorpecentes, desde posse, aquisição, guarda, tráfico etc., os dados demonstram um incremento, principalmente, em Entorpecentes Figura 21 Número de crimes relacionados às drogas, ocorridos em Conceição do Mato Dentro, 2001 a Fonte: PMMG, Pelos relatos coletados, atualmente não é difícil comprar drogas no município e, pode-se dizer, que a clientela aumentou consideravelmente com a chegada da mineração. Não só pelo fato do número maior de pessoas circulando pela cidade, mas, também, pelas condições de trabalho e de habitação dos operários que acabam recorrendo ao uso de álcool e de outras drogas para amenizar o desgaste físico e mental. Para um dos policiais entrevistados: Os alojamentos dos trabalhadores estão em condições insalubres. Em um espaço pequeno, há 2 camas de beliches e a telha é de amianto. Estas condições de vida contribuem para a pessoa querer usar droga [...] Foi somente em 2012 que as empresas fizeram uma quadra para os trabalhadores (Entrevista com representante da Polícia Civil, Julho 2013). Essa correlação pode ser considerada uma vez que existem alguns estudos que abordam a relação do tipo de trabalho e o uso de álcool e de outras drogas ilícitas. Para Fonseca (2007, p.601): [...] há uma grande frequência de casos (individuais) de alcoolismo observada em ocupações [...] de trabalho monótono em que a pessoa trabalha em isolamento do convívio humano (vigias) e situações de trabalho que envolvem afastamento prolongado do lar (viagens frequentes, plataformas marítimas, zonas de mineração).

43 43 Em três de julho de 2013, um dos alojamentos utilizados por operários de uma empresa terceirizada, que presta serviços à Anglo American, foi incendiado por iniciativa dos próprios trabalhadores que reivindicavam melhorias salariais, de alimentação e de salubridade. Figura 22 Fogo no alojamento da Montcalm, em Conceição do Mato Dentro. Fonte: SILVA, Marcelo. Publicado em 03/07/2013. Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=yrdxekuc9mq>. Acesso em 27 set Para um dos policiais militares entrevistado, a razão deste incêndio foi a reivindicação dos operários por melhores condições de trabalho. Como há várias empreiteiras em Conceição, e os contratos são diferentes, os trabalhadores ficam sabendo de melhores condições de outras empreiteiras e acabam reivindicando outros direitos que não estavam no contrato (Entrevista com representante da Polícia Militar, Julho 2013), o que pode deflagrar em atos como o que aconteceu no alojamento da Montcalm. Enfim, como visualizado anteriormente na figura 21, os problemas relacionados às drogas cresceram vertiginosamente no município. Com o aumento do tráfico de entorpecentes os policiais se esforçam para tentar coibir a prática e os desdobramentos que ela proporciona. O tráfico de drogas não havia matado em 2010, este ano [2013] já morreram três. De 2009 pra cá, foram presos mais de 60 traficantes (Entrevista com representante da Polícia Civil, Julho 2013).

44 44 Assim como o tráfico, observa-se a proliferação de outras naturezas de crimes ocorridos em Conceição do Mato Dentro. A figura seguinte ilustra o aumento da taxa de crimes violentos ocorridos no município. Taxa de crimes violentos (por cem mil habitantes) 185,25 115,86 121, a a a 2010 Figura 23 Taxa de crimes violentos em Conceição do Mato Dentro. Fonte: Datagerais. Fundação João Pinheiro, Na figura 24 também é possível visualizar o maior uso de armas de fogo, seja em assaltos, tentativas ou mesmo em assassinatos, porte, latrocínio, dentre outras modalidades Figura 24 Disparo e apreensão de arma de fogo em Conceição do Mato Dentro, 2001 a Fonte: PMMG, 2013.

45 45 Outra preocupação dos moradores de Conceição do Mato Dentro é número de furtos e roubos que praticamente dobrou em 2009, se comparado aos primeiros anos do século 21. Ao se detalhar a especificidade deste tipo de crime, percebe-se que os furtos e roubos às residências respondem por quase a metade dos crimes desta natureza, conforme demonstram a figura 25. Conforme expresso pelos entrevistados, o roubo à mão armada aumentou significativamente em pequenos comércios como padarias e lojas. Os furtos às residências se daria pelo fato das pessoas agora comprarem mais materiais eletrônicos. Também foi mencionado, além dos furtos e roubos, o incremento dos latrocínios, na maioria das vezes nas residências da zona rural, devido aos boatos dos moradores estarem guardando dinheiro de indenizações da mineração debaixo de colchões (Entrevistas com moradores locais e representante da Polícia Civil, Julho 2013). 250 Furtos e Roubos Furtos e Roubos às Residências Figura 25 Quantidade de furtos e roubos no geral e às residências de Conceição do Mato Dentro, 2001 a Fonte: PMMG, 2013.

Palavras chave: Mineração; Conflitos Socioambientais; Mediação.

Palavras chave: Mineração; Conflitos Socioambientais; Mediação. Entre a negociação e a resistência: ambiguidades e limites da participação no licenciamento ambiental do complexo minerário Minas-Rio 1 Marcos Cristiano Zucarelli (GESTA/UFMG) Ana Flávia Moreira Santos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA CIDADE E ALTERIDADE: CONVIVÊNCIA MULTICULTURAL E JUSTIÇA URBANA RELATÓRIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA CIDADE E ALTERIDADE: CONVIVÊNCIA MULTICULTURAL E JUSTIÇA URBANA RELATÓRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA CIDADE E ALTERIDADE: CONVIVÊNCIA MULTICULTURAL E JUSTIÇA URBANA RELATÓRIO IMPACTOS SOCIAIS, ECONÔMICOS, AMBIENTAIS E DE TRABALHO DEGRADANTE EM CONCEIÇÃO DO

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009.

RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4 a CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO MEIO AMBIENTE E PATRIMÔNIO CULTURAL RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009. O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Subprocuradora

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

Engenharia Civil PROJETO MINAS-RIO: MINERODUTO

Engenharia Civil PROJETO MINAS-RIO: MINERODUTO Engenharia Civil PROJETO MINAS-RIO: MINERODUTO Campos dos Goytacazes, 14 de Outubro de 2014 Engenharia Civil PROJETO MINAS-RIO: MINERODUTO AUTORES: THAYS CRISTINE CORRÊA CAMINHA ARIANA ANDRADE SANTOS GISELE

Leia mais

ATA DE REUNIÃO PÚBLICA

ATA DE REUNIÃO PÚBLICA ATA DE REUNIÃO PÚBLICA Aos 17 dias do mês de maio de 2012, às 19:00 horas, na sede da Escola Estadual São José de Jassém, no distrito de São José do Jassém, Município de Alvorada de Minas-MG, Comarca do

Leia mais

Sistema Ambiental em Minas Gerais

Sistema Ambiental em Minas Gerais Sistema Ambiental em Minas Gerais José Cláudio Junqueira Ribeiro Belo Horizonte, março de 2011 Políticas Ambientais PROTEÇÃO DA BIODIVERSIDADE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS GESTÃO DE RESÍDUOS ENERGIA E MUDANÇAS

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS ITAITUBA PA Junho/2012 O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento

Leia mais

Mineração de fosfato em. desenvolvimento local

Mineração de fosfato em. desenvolvimento local Mineração de fosfato em Cajati (SP) e o desenvolvimento local Solange S. Sánchez Procam Universidade de São Paulo Luis E. Sánchez Escola Politécnica Universidade de São Paulo Seminário Recursos Minerais

Leia mais

CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição

CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição Eng. Patrícia Maria Mafra Macedo CEMIG Distribuição S.A pmafra@cemig.com.br

Leia mais

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano Nossa Realidade 57% da população brasileira não possui coleta de esgoto (SNIS 2008) O Brasil é o 9º

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG Vinícius Borges Moreira Graduando em Geografia Universidade Federal de Uberlândia vinicius_sammet@hotmail.com

Leia mais

UHE PCH. LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal. Roberto Huet de Salvo Souza

UHE PCH. LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal. Roberto Huet de Salvo Souza LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal UHE PCH Roberto Huet de Salvo Souza - I B A M A N Ú C L E O D E L I C E N C I A M E N T O A M B I E N T A L NLA/SUPES- RJ O que é licenciamento ambiental? Para que serve?

Leia mais

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral O QUE É IMPACTO AMBIENTAL Art. 1o da Resolução CONAMA n.1/86 Considera-se Impacto Ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015

CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015 Programa Áreas Protegidas da Amazônia Departamento de Áreas Protegidas Secretaria de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio Ambiente CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015 APOIO FINANCEIRO AO PROCESSO DE

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO LEI N.º 1.774, DE 24 DE ABRIL DE 2008. Dispõe sobre aprovação e instituição do Plano Municipal de Saneamento destinado à execução dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário no município

Leia mais

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 1 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte tem um longo histórico de gestão democrático-popular; Existe forte determinação política para:

Leia mais

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO O Programa de Prospecção e Resgate Arqueológico da CSP visa atender aos requisitos legais de licenciamento ambiental, identificar e preservar o patrimônio

Leia mais

BACIA DO RIO DAS VELHAS

BACIA DO RIO DAS VELHAS BACIA DO RIO DAS VELHAS A bacia hidrográfica do rio das Velhas está localizada na região central do estado de Minas Gerais, entre as coordenadas 17 o 15 e 20 o 25 S - 43 o 25 e 44 o 50 W, apresentando

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais

IV - Aeroportos, conforme definidos pelo inciso 1, artigo 48, do Decreto-Lei nº 32, de 18.11.66;

IV - Aeroportos, conforme definidos pelo inciso 1, artigo 48, do Decreto-Lei nº 32, de 18.11.66; Página 1 de 5 Resoluções RESOLUÇÃO CONAMA Nº 001, de 23 de janeiro de 1986 Publicado no D. O. U de 17 /2/86. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - IBAMA, no uso das atribuições que lhe confere o artigo

Leia mais

Roteiro de visita a campo

Roteiro de visita a campo Roteiro de visita a campo 4Fs Brasil - The Forest Dialogue (TFD) 11-14 Novembro 2012, Capão Bonito, Brasil Dia 1 Domingo, 11 de Novembro 8:00 Saída dos hotéis 8:30 Chegada ao IDEAS e informações sobre

Leia mais

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba FRENTE MOBILIZA CURITIBA 1ª Oficina Meio Ambiente e Plano Diretor APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba Incidência e Regularização Fundiária de APP s Urbanas na Lei 12.651/12 Prof. Dr. José Gustavo

Leia mais

mais do mesmo? Bruno Milanez Recursos Minerais e Sustentabilidade Territorial Brasília, 2011 Universidade Federal de Juiz de Fora

mais do mesmo? Bruno Milanez Recursos Minerais e Sustentabilidade Territorial Brasília, 2011 Universidade Federal de Juiz de Fora Grandes minas em Congonhas, mais do mesmo? Bruno Milanez Universidade Federal de Juiz de Fora Recursos Minerais e Sustentabilidade Territorial Brasília, 2011 1 Estrutura Um breve histórico Efeitos da mineração

Leia mais

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos A taxa média anual de desemprego, na Região Metropolitana de São Paulo RMSP, diminuiu de 11,9% para 10,5%, entre 2010 e 2011, atingindo seu menor valor nos últimos 20 anos. Essa é uma das informações divulgadas

Leia mais

Crianças/Adolescentes ocupados por U.F e por Faixa Etária

Crianças/Adolescentes ocupados por U.F e por Faixa Etária Erradicação do Trabalho Infantil Brasília, 2 de fevereiro de 21 Introdução Esta nota apresenta um quadro do trabalho infantil no período de 26 a 28, com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

Atividades objeto do licenciamento ambiental Código DN 74/04 Descrição Classe E-04-02-2 Distrito Industrial e zona estritamente industrial 5

Atividades objeto do licenciamento ambiental Código DN 74/04 Descrição Classe E-04-02-2 Distrito Industrial e zona estritamente industrial 5 PARECER ÚNICO SUPRAM CM Nº 488/2011 PROTOCOLO Nº 0797270/2011 ADENDO AO PARECER Nº 281/2009 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº. 06489/2008/002/2009 DEFERIMENTO Empreendimento: Distrito

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Foco: sustentabilidade com ações na área de educação.

Foco: sustentabilidade com ações na área de educação. GOVERNANÇA A Fundação Bunge é uma organização comprometida com o desenvolvimento sustentável. Foco: sustentabilidade com ações na área de educação. Missão: contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

MEIO AMBIENTE CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA

MEIO AMBIENTE CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA Documento referendado pela plenária da I Conferência Municipal de Meio Ambiente de Goiânia. O momento mais importante de qualquer reflexão sobre os problemas de uma cidade é

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total 100 Fortalecimento da Atuação Legislativa 8.475.000 8.475.000 101 Fortalecimento do Controle Externo Estadual 80.649.880 80.649.880 102 Fortalecimento do Controle Externo Municipal 3.245.000 3.245.000

Leia mais

Histórico. Os Incentivos Fiscais

Histórico. Os Incentivos Fiscais Histórico Há mais de século eram plantadas no Brasil as primeiras mudas de eucalipto, árvore originária da Austrália. Desde então se originou uma história de sucesso: nascia a silvicultura brasileira.

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

Arqueologia Preventiva e Licenciamento Ambiental de Projetos no Brasil *

Arqueologia Preventiva e Licenciamento Ambiental de Projetos no Brasil * Arqueologia Preventiva e Licenciamento Ambiental de Projetos no Brasil * Solange Bezerra Caldarelli Scientia, Consultoria Científica (Brasil) solange@scientiaconsultoria.com.br Resumo: Apresentam-se, aqui,

Leia mais

3.1. Empreendimentos e Atividades que necessitam do Licenciamento Ambiental. 3.2. EIA-RIMA como Instrumento do licenciamento Ambiental. Exercícios.

3.1. Empreendimentos e Atividades que necessitam do Licenciamento Ambiental. 3.2. EIA-RIMA como Instrumento do licenciamento Ambiental. Exercícios. Módulo 3 3.1. Empreendimentos e Atividades que necessitam do Licenciamento Ambiental. 3.2. EIA-RIMA como Instrumento do licenciamento Ambiental. Exercícios. 3.1 Empreendimentos e Atividades que necessitam

Leia mais

Programas e Ações VALOR DO PROGRAMA NO ANO 2016 2017 2018 2019 ORÇAMENTO FISCAL 131.747.455 6.000 6.000 6.000

Programas e Ações VALOR DO PROGRAMA NO ANO 2016 2017 2018 2019 ORÇAMENTO FISCAL 131.747.455 6.000 6.000 6.000 PROGRAMA : 016 - DESENVOLVIMENTO DA INFRAESTRUTURA GOVERNAMENTAL PROGRAMA : UNISSETORIAL EIXO : INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA UNIDADE RESPONSÁVEL : OBJETIVO DO PROGRAMA : 2141 - DEPARTAMENTO DE OBRAS PÚBLICAS

Leia mais

PROJETO DE DEFESA DA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO A GRANDE DEVASTAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO

PROJETO DE DEFESA DA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO A GRANDE DEVASTAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO CADERNO DE METAS 2009 PROJETO DE DEFESA DA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO A GRANDE DEVASTAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO Após longos anos de devastação e exploração, o povo e a cultura do Rio São Francisco vêem

Leia mais

Chama-se a atenção que a contagem do prazo a que se refere o n.º 1 do artigo 23.º do Decreto-Lei n.º 73/2009 de 31 de Março, só se inicia a partir da

Chama-se a atenção que a contagem do prazo a que se refere o n.º 1 do artigo 23.º do Decreto-Lei n.º 73/2009 de 31 de Março, só se inicia a partir da a) OBRAS COM FINALIDADE AGRÍCOLA, QUANDO INTEGRADAS NA GESTÃO DAS EXPLORAÇÕES LIGADAS À ATIVIDADE AGRÍCOLA, NOMEADAMENTE, OBRAS DE EDIFICAÇÃO, OBRAS HIDRÁULICAS, VIAS DE ACESSO, ATERROS E ESCAVAÇÕES, E

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.3 Programa de Compensação Ambiental

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.3 Programa de Compensação Ambiental - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.3 Programa de Compensação Ambiental Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.3 Programa de Compensação Ambiental

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO DESEJÁVEL ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES AÇÕES

AGENDA 21 COMPERJ DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO DESEJÁVEL ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES AÇÕES DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES ESTÁGIO DESEJÁVEL AÇÕES Capítulo 1: Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e 3 O Conselho está inativo Pouca participação e articulação

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81)

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81) POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE 1. LICENCIAMENTO AMBIENTAL 1.1 NATUREZA JURÍDICA: Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81) 1.2 CONCEITO: Segundo o art. 1º,

Leia mais

Licenciamento ambiental de projetos com a presença de cavidades naturais subterrâneas: a evolução com a nova legislação

Licenciamento ambiental de projetos com a presença de cavidades naturais subterrâneas: a evolução com a nova legislação Licenciamento ambiental de projetos com a presença de cavidades naturais subterrâneas: a evolução com a nova legislação 14º Congresso Brasileiro de Mineração Belo Horizonte, 26-29 setembro de 2011 Maria

Leia mais

PARECER TÉCNICO n 005/2015

PARECER TÉCNICO n 005/2015 PARECER TÉCNICO n 005/2015 Processo: 122/2015 Requerente: Mineração Mercedes Ltda. CNPJ: 05.830.499/0001-88 Atividade: Lavra a céu aberto com ou sem tratamento rochas ornamentais e de revestimento (exceto

Leia mais

GESTÃO SOCIAL ANGLO AMERICAN. Nosso processo de engajamento com a comunidade. Unidade de Negócio Níquel (Barro Alto) Novembro de 2012

GESTÃO SOCIAL ANGLO AMERICAN. Nosso processo de engajamento com a comunidade. Unidade de Negócio Níquel (Barro Alto) Novembro de 2012 GESTÃO SOCIAL ANGLO AMERICAN Nosso processo de engajamento com a comunidade Unidade de Negócio Níquel (Barro Alto) Novembro de 2012 NOSSO COMPROMISSO COM A COMUNIDADE Manter um bom relacionamento com

Leia mais

Apesar da Lei que institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, datar de janeiro de 2012, até agora, passados dois anos

Apesar da Lei que institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, datar de janeiro de 2012, até agora, passados dois anos O presente projeto de Lei que autoriza a implantação do Corredor Capão Redondo / Campo Limpo / Vila Sonia é apresentado de maneira descolada do Projeto de Lei 0017/2014, ora em 2ª votação, e que autoriza

Leia mais

Informativo do Projeto Minas-Rio destinado aos conselheiros do Copam - MAR. de 2014

Informativo do Projeto Minas-Rio destinado aos conselheiros do Copam - MAR. de 2014 MArço 2014 Diálogo Informativo do Projeto Minas-Rio destinado aos conselheiros do Copam - MAR. de 2014 ambiental Informativo do Projeto Minas-Rio destinado aos conselheiros do Copam fev/2013 Inovação e

Leia mais

FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL

FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL Fiscalização Ambiental Fiscalização A ação de fiscalizar, bem como o próprio poder de polícia, tem sua essência na necessidade de assegurar a predominância do interesse do público

Leia mais

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO 2 - Marco político, normativo e de contexto nacional 2.1 - Marco político atual para

Leia mais

ESTIMATIVA DO PREÇO DA CRIMINALIDADE NA LOCAÇÃO IMOBILIÁRIA DA CIDADE DE CANOAS RS, ATRAVÉS DO MODELO DE PREÇOS HEDÔNICOS.

ESTIMATIVA DO PREÇO DA CRIMINALIDADE NA LOCAÇÃO IMOBILIÁRIA DA CIDADE DE CANOAS RS, ATRAVÉS DO MODELO DE PREÇOS HEDÔNICOS. ESTIMATIVA DO PREÇO DA CRIMINALIDADE NA LOCAÇÃO IMOBILIÁRIA DA CIDADE DE CANOAS RS, ATRAVÉS DO MODELO DE PREÇOS HEDÔNICOS. F. Bordin, L. G. E. Colombo, L. K. Rocha e M. A. S. Gonzalez RESUMO O trabalho

Leia mais

Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1

Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1 Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1 COIMBRA, Bruno Abdala Vieira Di 2 ; ALMEIDA, Maria Geralda 3 Palavras-chave: Kalunga, Paisagem Cultural, Paisagem

Leia mais

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO.

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. Vivian Fernanda Mendes Merola vfmerola1@gmail.com Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia

Leia mais

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos 1 Fatores geradores dos conflitos fundiários urbanos Reintegração de posse de imóveis públicos e privados, em que o processo tenha ocorrido em desconformidade

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

Núcleo Regional de Minas Gerais: o desafio de se tornar um fórum de discussão sobre barragens

Núcleo Regional de Minas Gerais: o desafio de se tornar um fórum de discussão sobre barragens Núcleo Regional de Minas Gerais: o desafio de se tornar um fórum de discussão sobre barragens Reportagem: CLÁUDIA RODRIGUES BARBOSA Newsletter CBDB - O que diferencia o Núcleo Regional de Minas Gerais

Leia mais

UENF Universidade Estadual Do Norte Fluminense. Autora: Aline Viana de Souza

UENF Universidade Estadual Do Norte Fluminense. Autora: Aline Viana de Souza UENF Universidade Estadual Do Norte Fluminense Autora: Aline Viana de Souza O presente trabalho, através da pesquisa realizada com os catadores, tanto de rua como do aterro controlado do município de Campos

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL JEQUITINHONHA

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL JEQUITINHONHA Folha: 1/8 Nº. (Órgão Seccional) número/ano Indexado ao(s) Processo(s) nº.: 00125/2000/005/2005 e nº. 00125/2000/004/2005 Tipo de processo: Licenciamento Ambiental ( x ) Auto de Infração ( ) 1. Identificação:

Leia mais

DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007

DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007 2009 DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007 Institui, no âmbito da Secretaria de Estado da Habitação Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais Cidade Legal Comitê de Regularização

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

Licenciamento Ambiental

Licenciamento Ambiental Conceito Licenciamento Ambiental Procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras

Leia mais

Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos

Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos Serra da Mantiqueira: Turismo e Fruticultura Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos Objetivo Apresentar uma síntese sobre a Serra da Mantiqueira, desafios e potencialidades

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 31-03-2010 SEÇÃO I PÁG 105-106 RESOLUÇÃO SMA- 029 DE 30 DE MARÇO DE 2010 Dispõe sobre estudos técnicos para subsidiar alteração de limites e mudança de categorias

Leia mais

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável;

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável; Lei Delegada nº 125, de 25 de janeiro de 2007. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 26/01/2007) (Retificação Diário do Executivo Minas Gerais 30/01/2007) Dispõe sobre a estrutura orgânica básica

Leia mais

DESAFIO DA SUSTENTABILIDADE DA MINERAÇÃO NA AMAZÔNIA O GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE

DESAFIO DA SUSTENTABILIDADE DA MINERAÇÃO NA AMAZÔNIA O GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE DESAFIO DA SUSTENTABILIDADE DA MINERAÇÃO NA AMAZÔNIA O GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE Leandro Andrei Beser de Deus Bolsista de Inic. Científica, Geografia (Bacharelado e Licenciatura), UFRJ.

Leia mais

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde 14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde O licenciamento ambiental e o licenciamento urbanístico no Projeto de Lei nº 3.057/2000 Lei de responsabilidade

Leia mais

XXI Conferência Nacional dos Advogados

XXI Conferência Nacional dos Advogados DIFICULDADES RELACIONADAS AO E À AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS. XXI Conferência Nacional dos Advogados Eng. Florestal MSc. Dr. Joesio D. P. Siqueira Vice-Presidente da STCP Engenharia de Projetos Ltda.

Leia mais

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana PBH/SMURBE Núcleo de Planejamento Urbano da Secretaria Municipal de Políticas Urbanas de Belo Horizonte

Leia mais

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010 CONCURSO MPOG 2010 ANALISTA DE INFRA-ESTRUTURA ÁREA I Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil Aula 1 de 4 Itens constantes do edital MPOG 2010 Conhecimentos gerais

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE Considerando que esse processo é temporário e que a intenção é a continuidade dos trabalhos, para ampliar a produção e o aproveitamento dos recursos de interesse, encaminhamos o Termo de Referência para

Leia mais

DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2

DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2 DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2 Introdução Impulsionado por fatores econômicos, o processo

Leia mais

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 (Projeto de lei nº 749/2007, da Deputada Rita Passos - PV) Institui a Política Estadual de Educação Ambiental O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A N E X O V LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL REFERENTE AO MANEJO FLORESTAL 1. DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA A legislação ambiental traduz um sistema de princípios e normas jurídicas

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG Marcelo Oliveira Santos; Laércio Antônio Gonçalves Jacovine;

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco.

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. I A INTEGRAÇÃO REGIONAL NO BRASIL OBJETIVOS Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. Assunto 5: O PROJETO CISTERNAS E A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO

Leia mais

População de rua leva cartão vermelho Viviane Tavares - Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz)

População de rua leva cartão vermelho Viviane Tavares - Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz) População de rua leva cartão vermelho Viviane Tavares - Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz) População de rua aumenta nos últimos anos e a resposta da gestão pública é a violência,

Leia mais

1. Introdução... 1. 1.1. Ações já Realizadas... 2. 2. Justificativa... 3. 3. Objetivos... 5. 4. Área de Abrangência... 6. 5. Metodologia...

1. Introdução... 1. 1.1. Ações já Realizadas... 2. 2. Justificativa... 3. 3. Objetivos... 5. 4. Área de Abrangência... 6. 5. Metodologia... Fortuna II PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.10 Programa de Segurança e Alerta NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 3 3. Objetivos... 5 4. Área de Abrangência...

Leia mais

30 anos da FLONA do Jamari História e desafios

30 anos da FLONA do Jamari História e desafios 30 anos da FLONA do Jamari História e desafios Porto Velho- RO Outubro/2014 Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio Autarquia Federal vinculada ao MMA Missão: Proteger o patrimônio

Leia mais

RELATORIA NACIONAL DO DIREITO HUMANO AO MEIO AMBIENTE

RELATORIA NACIONAL DO DIREITO HUMANO AO MEIO AMBIENTE RELATORIA NACIONAL DO DIREITO HUMANO AO MEIO AMBIENTE MISSÃO XINGU - Violações de Direitos Humanos no Licenciamento da Usina Hidrelétrica de Belo Monte Relatores: Marijane Vieira Lisboa e José Guilherme

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA

UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA Autora: Cláudia V. Cesar 1 Universidade Federal de Juiz de Fora Resumo: Este artigo apresenta um breve panorama dos programas habitacionais

Leia mais

Os desafios da extração mineral na Região Norte em prol do desenvolvimento socioeconômico

Os desafios da extração mineral na Região Norte em prol do desenvolvimento socioeconômico Centro de Tecnologia Mineral Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Os desafios da extração mineral na Região Norte em prol do desenvolvimento socioeconômico Rodrigo Braga da Rocha Villa Verde Renata

Leia mais

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso Como se Tornar um Município Amigo do Idoso Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso 2 3 GERALDO ALCKMIN Governador do Estado de São Paulo ROGERIO HAMAM Secretário de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente RELAÇAO DE DOCUMENTOS PARA OBTENÇAÕ DE LICENCIAMENTO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO LICENÇA PRÉVIA 1 - Requerimento 2 - Cadastro 3 - Guia de Recolhimento 4 - Cópia da Publicação do Requerimento e da concessão

Leia mais

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Roberto Proença da Silva Carlos Alberto Moura Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Superintendência de Tecnologia da Informação - TI Gerência de

Leia mais

INSTITUTO PRÍSTINO. IP. 109.2014 Belo Horizonte, 19 de fevereiro de 2014

INSTITUTO PRÍSTINO. IP. 109.2014 Belo Horizonte, 19 de fevereiro de 2014 INSTITUTO PRÍSTINO IP. 109.2014 Belo Horizonte, 19 de fevereiro de 2014 Laudo Técnico em resposta ao Parecer Único Nº 361/2012 Descrição do fato: Análise Técnica à Licença de Operação Corretiva para lavra

Leia mais

1 Introdução. Autor: Francisco Aracildo de moura Universidade Federal do Rio Grande do Norte aracildomoura@yahoo.com.br

1 Introdução. Autor: Francisco Aracildo de moura Universidade Federal do Rio Grande do Norte aracildomoura@yahoo.com.br Autor: Francisco Aracildo de moura Universidade Federal do Rio Grande do Norte aracildomoura@yahoo.com.br Orientador: ADEMIR ARAÚJO DA COSTA Universidade Federal do Rio Grande do Norte ademir@ufrnet.br

Leia mais