Crescimento com Sustentabilidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Crescimento com Sustentabilidade"

Transcrição

1 Crescimento com Sustentabilidade Luiz Fernando Rolla Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações 1

2 Termo de Renúncia Algumas declarações constantes nesta apresentação são projeções contidas no conceito da Lei de Valores Mobiliários Americanos e estão sujeitas a riscos e incertezas. Projeções são previsões que podem diferir dos números definitivos e não estão sob nosso controle. Para uma discussão dos riscos e incertezas tal como eles se relacionam a nós, favor recorrer ao nosso formulário 20F de 2008 e, em particular, ao item 3 onde estão contidas Informações Básicas Fatores de Risco. Todos os valores estão de acordo com o BRGAAP. 2

3 Agenda Grupo Cemig Sustentabilidade Atuação da Cemig 3

4 Agenda Grupo Cemig Sustentabilidade Atuação da Cemig 4

5 Maior elétrica integrada do Brasil Maior empresa integrada do setor elétrico brasileiro Crescimento do LAJIDA Valor de mercado R$ 16B (1) Posição no setor #1 +90% #3 Consolidador (2) No setor de energia elétrica desde (1) Dados de 16 de junho de 2010 (2) No setor de energia 5

6 Cemig: Solidez nos números Número de usinas 67 Capacidade instalada MW Localidades em Minas Gerais Tamanho da área de concessão vs. França Linhas de distribuição Linhas de transmissão Maior km km 6

7 Cemig em perspectiva Baseada no Estado de Minas Gerais, acionista controlador Crescimento no Brasil e no Chile Sólidos resultados financeiros em 2009 Receita líquida: R$ 11,7 B LAJIDA: R$ 4 B Maior liquidez no setor elétrico Listada em 3 bolsas de valores: Nova Iorque, São Paulo, Madri > acionistas em mais de 40 países Média diária no volume negociado: R$ 47 M na Bovespa US$ 33 M na NYSE Sólida política de dividendos 50% do lucro é distribuído em dividendos Forte perspectiva de crescimento Reprecificação dos contratos de energia Aquisições 7

8 Presença nacional e no exterior (Chile) #1 Distribuidora de energia* + #3 Maior grupo de transmissão + #3 Maior grupo de geração #1 Maior empresa integrada do setor elétrico Geração RR AP Geração (em construção) Transmissão Transmissão (em construção) Distribuição Clientes livres da Cemig Compra de energia AC AM RO PA MT TO DF GO MA CE PI BA MG RN PB PE AL SE Geração Eólica Geração Eólica (em construção) Distribuição Gás MS SP PR SC RJ ES * Em números de consumidores e extensão de linhas de distribuição RS 8

9 Líder em energia renovável Geração por fonte 2,3% 0,4% 16,0% 14,8% 73,5% 98% 66,9% 1,9% 24,2% 2% Mundo 06 Brasil 08 Cemig 09 Fontes Fósseis Nuclear Hidro Outras 9

10 E opção global de investimento América do Norte Canadá Estados Unidos México Europa Luxemburgo Reino Unido Espanha Suíça Irlanda Guernsey Jersey Romênia Holanda França Noruega Dinamarca Itália Suécia Alemanha Bélgica Áustria Portugal Polônia Ásia Brunei China Cingapura Coreia do Sul Japão Malásia América do Sul Argentina Bolívia Brasil Chile Uruguai América Central Bermudas Bahamas Ilhas Cayman Ilhas Turks e Caicos Ilhas Virgens Oriente Médio Arábia Saudita Emirados Árabes Unidos Kuwait Líbano Omã Síria Oceania Austrália Negociação média diária (2009) Bovespa: R$ 47 milhões NYSE: US$ 33 milhões Ações negociadas em 3 bolsas de valores > acionistas 10

11 Agenda Grupo Cemig Sustentabilidade Atuação da Cemig 11

12 O que é desenvolvimento sustentável? É o desenvolvimento que atende às necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras de atender suas próprias necessidades. Comissão Brundtland Nosso Futuro Comum

13 Liderança em Sustentabilidade Valor permanente e inserido na cultura da Cemig Responsabilidade social e ambiental Compromisso com visão de longo prazo Objetivo é garantir a continuidade de nossas atividades Através de uma relação equilibrada com o meio ambiente e a comunidade prevenimos custos exagerados que seriam repassados à sociedade 13

14 Sustentabilidade Econômica SUSTENTABILIDADE Ambiental Social Governança Corporativa Responsabilidade Social Desenvolvimento Sustentável 14

15 Sustentabilidade Econômica SUSTENTABILIDADE Ambiental Social Governança Corporativa Responsabilidade Social Desenvolvimento Sustentável 15

16 Governança Corporativa Comissão de Valores Mobiliários Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) Lei Sarbanes-Oxley transparência (disclosure); eqüidade (fairness); prestação de Contas (accountability); cumprimento das Leis (compliance); ética. 16

17 Sustentabilidade Econômica SUSTENTABILIDADE Ambiental Social Governança Corporativa Responsabilidade Social Desenvolvimento Sustentável 17

18 Responsabilidade Ambiental Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável - CEBDS legislação ambiental órgãos ambientais ONGs riscos e oportunidades associados ao aquecimento global atendimento a legislação, restrições a financiamentos e contratos, fornecedores, ISO

19 Sustentabilidade Econômica SUSTENTABILIDADE Ambiental Social Governança Corporativa Responsabilidade Social Desenvolvimento Sustentável 19

20 Responsabilidade Social Instituto Ethos Papel social da empresa: Valores e Transparência; Meio Ambiente; Público Interno, Fornecedores, Consumidores, Comunidade, Governo e Sociedade. Normas de certificação em responsabilidade social 20

21 Responsabilidade Social e Geração de Valor Investimentos Socialmente Responsáveis Nos últimos 10 anos, o volume em investimentos socialmente responsáveis nos EUA teve forte elevação. Nos EUA os ativos alocados em investimento socialmente responsáveis (SRI): U$639 bilhões (1995) e U$2,71 tri (2007) crescimento de 324% atualmente representam 11% dos ativos totais (Fonte: Social Investment Forum). Os ativos referenciados ao DJSI já representam US$ 8,3 trilhões. Fonte: Dow Jones SAM Group 21

22 Sustentabilidade e o Valor para o Acionista % FTSE 250 Capitalização de Mercado Intangíveis Tangíveis Fonte: Interbrand: Brand Value Management (2006) A participação dos intangíveis no valor das empresas aumentou muito nos últimos 30 anos. 22

23 Sustentabilidade e o Valor para o Acionista Gestão de marcas Vendas Capital Humano Aprendizagem organizacional Custos Valor da Taxa FCFF Impacto da Sustentabilidade Gestão do risco de Carbono Investimento WACC Governança Coorporativa Gestão de risco e crise... Estrutura de Financiamento Prêmio de Risco FCFF: Fluxo de caixa livre para a empresa WACC: Custo médio ponderado de capital Relações com investidores Fonte: SAM Research AG 23

24 Sustentabilidade: Agentes interessados Dow Jones Sustainability Index World Índice de Sustentabilidade Empresarial ISE BOVESPA Conselho Empresarial Brasileiro de Desenvolvimento Sustentável CEBDS Instituto Ethos de Responsabilidade Social Fundo Ethical Santander (Real ABN Amro Bank) Oekom Research (Alemanha) Carbon Disclosure Project CDP Storebrand Scudder Environmental Value Fund (Noruega) Fundos socialmente responsáveis e análise de risco de crédito Bradesco, Itaú, BDMG, Banco do Brasil Fundos de Pensão: respostas a questionários 24

25 Sustentabilidade e a Crise... as empresas estrategicamente sustentáveis poderão emergir mais fortes do que nunca da atual crise, reconhecidas por investidores que sabem apreciar o verdadeiro valor de longo prazo da sustentabilidade. Relatório Green Winners A.T. Kearney 25

26 TENDÊNCIAS -Conclusões Imagem de empresa limpa é competitiva. Haverá necessidade cada vez maior de se avaliar as empresas em relação ao seu desempenho econômico, ambiental e social. Responsabilidade social e meio ambiente passam a fazer parte das estratégias de negócio. 26

27 Agenda Grupo Cemig Sustentabilidade Atuação da Cemig 27

28 Estratégia da Cemig: Avaliar a empresa e valorizar sua imagem através da participação em fundos de investimento socialmente responsáveis: responder aos questionários dos Fundos Socialmente Responsáveis; avaliar a empresa através da nossa classificação nesses Fundos; orientar iniciativas internas com base nestas avaliações; responsabilidade social e meio ambiente passam a fazer parte das estratégias de negócio. 28

29 A Visão da Cemig evoluiu Em junho 2009, a Cemig atualizou sua Visão: Visão anterior: A Cemig será a melhor empresa de energia do Brasil. Nova Visão: Estar, em 2020, entre os dois maiores grupos de energia do Brasil em valor de mercado, com presença relevante nas Américas e líder mundial em sustentabilidade do setor. 29

30 Uma estratégia bem sucedida - Resultados Cemig classificada no Índice Dow Jones de Sustentabilidade DJSI World nos últimos 10 anos, sendo que pela 2ª vez como líder mundial entre as utilities. Cemig classificada no Índice de Sustentabilidade Empresarial da Bovespa pelo 4º ano consecutivo. Cemig considerada Prime pela Oekom Research. 30

31 Por que a Cemig é Sustentável? 1. Solidez Financeira 2. Gestão Estratégica 3. Compromisso com Clientes 4. Investimentos Rentáveis 5. Inovação Tecnológica 6. Compromisso com as Partes Interessadas 7. Dedicação em Relação ao Meio Ambiente 8. Foco em Energia Renovável 9. Preocupação pelo Capital Humano 10.Responsabilidade Social 31

32 Relações com Investidores Telefone: (55 31) Fax: (55 31)

A atuação da Cemig em Sustentabilidade Empresarial

A atuação da Cemig em Sustentabilidade Empresarial A atuação da Cemig em Sustentabilidade Empresarial Companhia Energética de Minas Gerais - Cemig Superintendência de Sustentabilidade Empresarial Adiéliton Galvão de Freitas Presença em 19 estados brasileiros

Leia mais

A Cemig e a Sustentabilidade Empresarial

A Cemig e a Sustentabilidade Empresarial A Cemig e a Sustentabilidade Empresarial Luiz Fernando Rolla Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações O que é desenvolvimento sustentável? Éo desenvolvimento que atende

Leia mais

Sustentabilidade como estratégia empresarial

Sustentabilidade como estratégia empresarial Palestra IETEC Outubro de 2012 Sustentabilidade como estratégia empresarial Luiz Augusto Barcellos Almeida Superintendente de Sustentabilidade Empresarial 1/XX Sustentabilidade Fatos que marcaram a trajetória

Leia mais

Crescer agregando valor

Crescer agregando valor Crescer agregando valor Marcio Araujo de Lacerda Presidente do Conselho de Administração Maio de 2008 1/XX Orientações do Governo Mineiro Para Minas Gerais: Um Estado para Resultados Visão: Tornar Minas

Leia mais

Luiz Fernando Rolla. Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações

Luiz Fernando Rolla. Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações Luiz Fernando Rolla Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações Nossa base de acionistas assegura liquidez América do Norte Canadá Estados Unidos México Europa Luxemburgo

Leia mais

MEIO AMBIENTE Política e Ações

MEIO AMBIENTE Política e Ações MEIO AMBIENTE Política e Ações Luiz Augusto Barcellos Almeida Superintendência de Coordenação Ambiental e da Qualidade Belo Horizonte, 29 de maio de 2006 1 BREVE HISTÓRICO DO AMBIENTALISMO RECENTE Primeiros

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

Fatores para a mudança em direção à sustentabilidade

Fatores para a mudança em direção à sustentabilidade Mudanças Climáticas - Caminhos e Soluções Fatores para a mudança em direção à sustentabilidade ECOLATINA - 2007 Breve histórico: 1972: Conferência sobre Meio Ambiente ONU / Estocolmo 1980: Superfund -

Leia mais

Os desafios da implementação da Lei 11.638/07

Os desafios da implementação da Lei 11.638/07 Os desafios da implementação da Lei 11.638/07 Nossos principais negócios: 40 empresas e 7 consórcios Corporação Cemig Áreas de Atuação: Geração, transmissão, comercialização e distribuição de energia elétrica

Leia mais

Estratégia de Sucesso Resultados refletem portfólio de negócios equilibrado. Agosto, 2010

Estratégia de Sucesso Resultados refletem portfólio de negócios equilibrado. Agosto, 2010 Estratégia de Sucesso Resultados refletem portfólio de negócios equilibrado Agosto, 2010 Termo de Renúncia Algumas declarações constantes nesta apresentação são projeções contidas no conceito da Lei de

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Estratégia de Sucesso Resultados refletem portfólio de negócios equilibrado

Estratégia de Sucesso Resultados refletem portfólio de negócios equilibrado Estratégia de Sucesso Resultados refletem portfólio de negócios equilibrado Termo de Renúncia Algumas declarações e estimativas contidas neste material podem representar expectativas sobre eventos ou resultados

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Diagnóstico da realidade médica no país

Diagnóstico da realidade médica no país Diagnóstico da realidade médica no país Médicos por mil habitantes Peru 0,9 Chile 1,0 Paraguai 1,1* Bolívia 1,2* Colômbia 1,4* Equador 1,7 Brasil 1,8 Venezuela 1,9* México 2,0 Canadá 2,0 Estados Unidos

Leia mais

Gestão da. Simpósio Internacional sobre Mudança de Clima & Oportunidades de Negócios com Crédito de Carbono. Gestão da. Sustentabilidade Empresarial

Gestão da. Simpósio Internacional sobre Mudança de Clima & Oportunidades de Negócios com Crédito de Carbono. Gestão da. Sustentabilidade Empresarial Simpósio Internacional sobre Mudança de Clima & Oportunidades de Negócios com Crédito de Carbono Gestão da Ricardo Prata Camargos Superintendência de Gerência de Responsabilidade Ambiental e Social Florianópolis,

Leia mais

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015

Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015 Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015 PRESIDENTE: Marciano Gianerini Freire EQUIPE TÉCNICA: Coordenação: Mariana Nery Pesquisadores: Heike Duske César Melo

Leia mais

MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO JANEIRO / ABRIL -2011

MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO JANEIRO / ABRIL -2011 MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO JANEIRO / ABRIL -2011 1 MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO: O Mercado de títulos de capitalização vem mantendo crescimentos fortes e retornos robustos. Nesse período o volume de vendas atingiu

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

Políticas de garantia de acesso aos recursos naturais: como evoluir?

Políticas de garantia de acesso aos recursos naturais: como evoluir? EXPOSIBRAM 2011 14º Congresso Brasileiro de Mineração Painel 5 Políticas de garantia de acesso aos recursos naturais: como evoluir? Márcio Pereira Meio Ambiente e Sustentabilidade Belo Horizonte, 28.9.2011

Leia mais

4º Trimestre de 2007 e 2007 Teleconferência de Resultados. 13 de Fevereiro de 2008

4º Trimestre de 2007 e 2007 Teleconferência de Resultados. 13 de Fevereiro de 2008 4º Trimestre de 2007 e 2007 Teleconferência de Resultados 13 de Fevereiro de 2008 Aviso Informações e Projeções Algumas das afirmações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração

Leia mais

O Investimento Direto Estrangeiro (IDE) e o Brasil. Daniela Freddo

O Investimento Direto Estrangeiro (IDE) e o Brasil. Daniela Freddo O Investimento Direto Estrangeiro (IDE) e o Brasil Daniela Freddo 1. O que é o IDE? Investimento de Portfólio X Investimento Direto Investimento de Portfólio: É baseado na percepção do ganho financeiro

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF UF Tecnologia Velocidade Quantidade de Acessos AC ATM 12 Mbps a 34Mbps 3 AC ATM 34 Mbps

Leia mais

Mapa de Riscos Jurídicos Ambientais

Mapa de Riscos Jurídicos Ambientais Mapa de Riscos Jurídicos Ambientais Atividades Minerárias Seminário Internacional de Direito Ambiental Empresarial Rio de Janeiro 31/05/2012 1 Grupo Votorantim 94 ANOS de historia Multinacional brasileira

Leia mais

A agenda que está na mesa: A agenda do ICMS e do PIS-Cofins

A agenda que está na mesa: A agenda do ICMS e do PIS-Cofins A agenda que está na mesa: A agenda do ICMS e do PIS-Cofins Fórum Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy outubro de 2012 Relevância da agenda PIS e Cofins ICMS Relevância da agenda PIS e Cofins ICMS Relevância

Leia mais

Mortos e Acidentes por Unidade Federativa

Mortos e Acidentes por Unidade Federativa e Acidentes por Unidade Federativa - 2016 Data: 23/05/2017 FILTROS: Veículos: Todos, Caminhões, Ônibus Valores: Absolutos Estado: Todos BR: Todas Estados com maior número de mortes e acidentes - 2016 Este

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR EM CARGOS DE E DE NÍVEL INTERMEDIÁRIO Administrador AC 1 14 14.00 Administrador AL 1 53 53.00 Administrador AP 1 18 18.00 Administrador BA 1 75 75.00 Administrador DF 17 990 58.24 Administrador MT 1 55

Leia mais

Injetoras Sopradoras. Máquinas para. plástico Romi

Injetoras Sopradoras. Máquinas para. plástico Romi Máquinas para plástico Romi Unidades fabris da ROMI em Santa Bárbara d Oeste - SP INOVAÇÃO + QUALIDADE ROMI: Desde 1930 produzindo tecnologia. Desde a sua fundação, a companhia é reconhecida pelo foco

Leia mais

SEGURO RISCOS RURAIS 2002 / JAN A SET - 2012

SEGURO RISCOS RURAIS 2002 / JAN A SET - 2012 SEGURO RISCOS RURAIS 2002 / JAN A SET - 2012 1 SEGURO RISCOS RURAIS Esse estudo tomou por base dados oficiais gerados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, IBGE e pela SUSEP (Superintendência

Leia mais

Apresentação da Companhia. Setembro de 2010

Apresentação da Companhia. Setembro de 2010 Apresentação da Companhia Setembro de 2010 Comprovada capacidade de execução Visão geral da Inpar Empreendimentos por segmento (1) Modelo de negócios integrado (incorporação, construção e venda) Comercial

Leia mais

O papel anticíclico dos investimentos públicos e as perspectivas econômicas

O papel anticíclico dos investimentos públicos e as perspectivas econômicas O papel anticíclico dos investimentos públicos e as perspectivas econômicas Luciano Coutinho Rio de Janeiro, 14 de julho de 2009 Limitação da política monetária após crises financeiras Processos de desalavancagem

Leia mais

6º Censo da Reciclagem de PET no Brasil 2009/2010

6º Censo da Reciclagem de PET no Brasil 2009/2010 6º Censo da Reciclagem de PET no Brasil 2009/2010 Reciclagem de PET no Brasil 2009 Censo Por quê? O Censo é a metodologia mais indicada quando a população é pequena e a variabilidade dentro da população

Leia mais

AGENDA DE SEMINÁRIOS CALENDÁRIO 2016/1

AGENDA DE SEMINÁRIOS CALENDÁRIO 2016/1 AGENDA DE SEMINÁRIOS CALENDÁRIO 2016/1 AGENDA DE SEMINÁRIOS CALENDÁRIO 2016/1 >> INFORMAÇÕES GERAIS Os treinamentos são realizados no Centro de Treinamento, nas instalações da Ciber Equipamentos Rodoviários

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2004 RESULTADOS DE RIO BRANCO - ACRE

SONDAGEM INDUSTRIAL PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2004 RESULTADOS DE RIO BRANCO - ACRE O QUE É A SONDAGEM INDUSTRIAL A Sondagem é uma pesquisa qualitativa realizada trimestralmente pela CNI e pelas Federações das s de 19 estados do país (AC, AL, AM, BA, CE, ES, GO, MG, MS, MT, PA, PB, PE,

Leia mais

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 1 2 8 1» Centro de Artes e Esportes Unificados Rio Branco AC 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 Recanto das Emas DF 3» Creche Ipê Rosa Samambaia DF 4» Quadra escolar Maria Nascimento

Leia mais

Índice Dow Jones de Sustentabilidade Uma Reflexão. alencar@cemig.com.br

Índice Dow Jones de Sustentabilidade Uma Reflexão. alencar@cemig.com.br Índice Dow Jones de Sustentabilidade Uma Reflexão Anderson de Alencar Pinto alencar@cemig.com.br Responsabilidade Social e Geração de Valor para Acionista 2 Investimentos Socialmente Responsáveis Investimentos

Leia mais

Racional da modelagem considera 5 dimensões

Racional da modelagem considera 5 dimensões Tutorial Simulador Fonte: Instituto Ethos; SITAWI Finanças do Bem Racional da modelagem considera 5 dimensões ANÁLISE DE MERCADO MODELO OPERACIONAL MODELAGEM FINANCEIRA MODELO DE CONTRATAÇÃO TECNOLOGIAS

Leia mais

Perfil Municipal de Fortaleza Tema V: Aspectos Educacionais. 23 de Agosto/2012 Fortaleza - Ceará

Perfil Municipal de Fortaleza Tema V: Aspectos Educacionais. 23 de Agosto/2012 Fortaleza - Ceará IPECE Informe nº 38 Perfil Municipal de Fortaleza Tema V: Aspectos Educacionais 23 de Agosto/2012 Fortaleza - Ceará 1. INTRODUÇÃO O Neste documento serão analisados os aspectos educacionais da capital

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável no Banco do Brasil

Desenvolvimento Sustentável no Banco do Brasil Painel XI Desenvolvimento sustentável: A responsabilidade da administração na viabilização de uma eficiência econômica, social e ambiental Desenvolvimento Sustentável no Banco do Brasil Vice Presidência

Leia mais

AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF

AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF Crédito Fundiário no combate a pobreza rural: Sustentabilidade e qualidade de vida 2011 PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO

Leia mais

(MLRV) SEGURO EMPRESARIAL JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1

(MLRV) SEGURO EMPRESARIAL JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 SEGURO JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: O Seguro Empresarial vem sofrendo baixas expressivas em função da situação econômica do País. Baixo

Leia mais

Panorama do setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos

Panorama do setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos Panorama do setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos Página 1 Evolução A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto

Leia mais

Marco Regulatório e Planos de Governo

Marco Regulatório e Planos de Governo Marco Regulatório e Planos de Governo 1999: Criação dos Fundos setoriais 2004: Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (PITCE) 2004: Lei da Inovação Nova Lei de Informática Lei de criação

Leia mais

Gestão da Inovação - CEMIG. Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011

Gestão da Inovação - CEMIG. Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011 Gestão da Inovação - CEMIG Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011 Sustentabilidade Mineirão Solar Cemig classificada no Índice Dow Jones de Sustentabilidade DJSI World nos últimos

Leia mais

Apresentação para Investidores 1S10

Apresentação para Investidores 1S10 Apresentação para Investidores 1S10 1 Agenda 1. Visão Geral e Desempenho Consolidado 2. Livraria Saraiva 3. Editora Saraiva 2 Governança Corporativa Nível 2 de Governança Corporativa da Bovespa Primeira

Leia mais

ANÁLISE MERCADO DE SEGUROS TRANSPORTES NACIONAIS JAN A JULHO 2014 NÚMEROS SUSEP SES

ANÁLISE MERCADO DE SEGUROS TRANSPORTES NACIONAIS JAN A JULHO 2014 NÚMEROS SUSEP SES ANÁLISE MERCADO DE SEGUROS TRANSPORTES NACIONAIS JAN A JULHO NÚMEROS SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: Como sabemos a SUSEP, no intuito de aperfeiçoar as avaliações

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

A incerteza da renovação das concessões e os investimentos em infraestrutura

A incerteza da renovação das concessões e os investimentos em infraestrutura A incerteza da renovação das concessões e os investimentos em infraestrutura Corporação Cemig Áreas de Atuação: Geração, transmissão, comercialização e distribuição de energia elétrica Exploração e Distribuição

Leia mais

ANÁLISE MERCADO DE SEGUROS RISCOS NOMEADOS E OPERACIONAIS JAN A MAIO 2014 NÚMEROS SUSEP SES

ANÁLISE MERCADO DE SEGUROS RISCOS NOMEADOS E OPERACIONAIS JAN A MAIO 2014 NÚMEROS SUSEP SES ANÁLISE MERCADO DE SEGUROS RISCOS NOMEADOS E OPERACIONAIS JAN A MAIO 2014 NÚMEROS SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: Como sabemos a SUSEP, no intuito de aperfeiçoar

Leia mais

Aplicar na Bolsa, visando à formação de. envolve normalmente um horizonte de longo prazo. socialmente responsáveis e sustentabilidade

Aplicar na Bolsa, visando à formação de. envolve normalmente um horizonte de longo prazo. socialmente responsáveis e sustentabilidade OQUEABOLSATEMA A VER COM SUSTENTABILIDADE? Aplicar na Bolsa, visando à formação de patrimônio ou reservas para a utilização futura, envolve normalmente um horizonte de longo prazo. Selecionar empresas

Leia mais

NOVA VISÃO DO GESTÃO SUSTENTÁVEL DE RECURSOS HÍDRICOS

NOVA VISÃO DO GESTÃO SUSTENTÁVEL DE RECURSOS HÍDRICOS NOVA VISÃO DO SANEAMENTO NA GESTÃO SUSTENTÁVEL DE RECURSOS HÍDRICOS IMPORTÂNCIA DO REUSO NA GESTÃO Alan Graham Macdiarmid (Prêmio Nobel de Química 2000) Energia Democracia Água Educação 10 maiores problemas

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS PRESTAMISTA RESULTADOS E INDICADORES JAN A MAIO 2010 09-07-2010 1 MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS PRESTAMISTA Esse conjunto encerrou o período com um volume de vendas de R$

Leia mais

O valor de ser sustentável

O valor de ser sustentável Visão Sustentável O valor de ser sustentável Os investimentos socialmente responsáveis vêm ganhando espaço mundialmente. No Brasil, há fundos de ações com foco em sustentabilidade, além do ISE Criselli

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE Santa Catarina - 20 de Novembro de 2010 IMPORTÂNCIA DA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS As MPEs correspondem à 98,81%* (CNE/IBGE 2009) das empresas

Leia mais

Objetivos. 1. Fazer o diagnóstico das condições de saúde bucal da população brasileira em 2010. 2. Traçar comparativo com a pesquisa SB Brasil 2003

Objetivos. 1. Fazer o diagnóstico das condições de saúde bucal da população brasileira em 2010. 2. Traçar comparativo com a pesquisa SB Brasil 2003 Objetivos 1. Fazer o diagnóstico das condições de saúde bucal da população brasileira em 2010 2. Traçar comparativo com a pesquisa SB Brasil 2003 3. Avaliar o impacto do Programa Brasil Sorridente 4. Planejar

Leia mais

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Quem ganha com a Guerra Fiscal? O país perde Porque grande parte dos incentivos é concedido a importações

Leia mais

Gestão da Qualidade da Banda Larga

Gestão da Qualidade da Banda Larga Gestão da Qualidade da Banda Larga Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 17 de maio de 2013 METODOLOGIA DE MEDIÇÃO INDICADORES DE BANDA LARGA FIXA Avaliações realizadas através de medidores instalados

Leia mais

24º Fórum de Debates Brasilianas.org

24º Fórum de Debates Brasilianas.org Transportes 24º Fórum de Debates Brasilianas.org Os desafios da logística e infraestrutura Marcos regulatórios e entraves burocráticos Reginaldo Cardoso São Paulo, 30 de Maio de 2012 Deutsche Post - DHL

Leia mais

CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA O HPV - 2016

CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA O HPV - 2016 CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA O HPV - 2016 Sobre o HPV Vírus muito disseminado, transmitido pelo contato direto com pele ou mucosas infectadas Mais de 200 tipos de HPV sendo 13 oncogênicos Os HPV tipos

Leia mais

RISCOS NOMEADOS E OPERACIONAIS JAN A MAIO DE 2012

RISCOS NOMEADOS E OPERACIONAIS JAN A MAIO DE 2012 RISCOS NOMEADOS E OPERACIONAIS JAN A MAIO DE 2012 1 ANÁLISE RISCOS NOMEADOS E OPERACIONAIS: Essa análise está calcada nos números divulgados pela SUSEP referente ao período de jan a maio de 2012 através

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento C o m p an h i a N ac io n a l d e Abastecimento D i r e t o r i a d e Opercações e A b a stecimento S u p erintedência de O p erações Comerciais G e r ên c i a d e Formação e Controle de Estoques P o

Leia mais

ÍNDICE RELATÓRIO SIOR 2012. Pág. 02 NOTÍCIAS 2011/2012. Pág. 03 ANÁLISE DAS DEMANDAS. Pág. 04 GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO. Pág.

ÍNDICE RELATÓRIO SIOR 2012. Pág. 02 NOTÍCIAS 2011/2012. Pág. 03 ANÁLISE DAS DEMANDAS. Pág. 04 GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO. Pág. RELATÓRIO SIOR 2012 ÍNDICE NOTÍCIAS 2011/2012 ANÁLISE DAS DEMANDAS GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO TEMPO DE ATENDIMENTO DEMANDAS CONSIDERADAS PROCEDENTES MAPA DAS PRINCIPAIS DEMANDAS CONSIDERADAS PROCEDENTES

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E PESQUISA COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE INVESTIMENTOS. DNIT www.dnit.gov.br

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E PESQUISA COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE INVESTIMENTOS. DNIT www.dnit.gov.br DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E PESQUISA COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE INVESTIMENTOS BREVE HISTÓRICO SISTEMA DE GERÊNCIA DE PAVIMENTOS O SISTEMA DE GERÊNCIA DE PAVIMENTOS (SGP) É UM CONJUNTO

Leia mais

PANORAMA DO SETOR. Evolução do setor 2. Crescimento do setor x crescimento da economia 3. Comparativo de índices de preços 4. Comércio Exterior 5

PANORAMA DO SETOR. Evolução do setor 2. Crescimento do setor x crescimento da economia 3. Comparativo de índices de preços 4. Comércio Exterior 5 PANORAMA DO SETOR Evolução do setor 2 Crescimento do setor x crescimento da economia 3 Comparativo de índices de preços 4 Comércio Exterior 5 Perfil Empresarial 8 Mercado Brasileiro 11 Canais de distribuição

Leia mais

Desvio de Finalidade Papel Imune

Desvio de Finalidade Papel Imune Desvio de Finalidade Papel Imune Compliance com as Leis de Defesa da Concorrência ALERTA: Evitar quaisquer discussões ou conversações sobre temas sensíveis à livre competição entre as empresas associadas,

Leia mais

Cemig - líder mundial do Setor de Utilities em 2007 no Dow Jones Sustainability World Index

Cemig - líder mundial do Setor de Utilities em 2007 no Dow Jones Sustainability World Index Cemig - líder mundial do Setor de Utilities em 2007 no Dow Jones Sustainability World Index Luiz Augusto Barcelos de Almeida Superintendência de Sustentabilidade Empresarial Maio de 2008 1/XX 2007 - Líder

Leia mais

Associação Nacional de Entidades de Produtores de Agregados para Construção Civil. Agregados para a Construção Civil no Brasil

Associação Nacional de Entidades de Produtores de Agregados para Construção Civil. Agregados para a Construção Civil no Brasil Associação Nacional de Entidades de Produtores de Agregados para Construção Civil Agregados para a Construção Civil no Brasil Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal Fernando M. Valverde

Leia mais

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011 Geração de Emprego Formal no RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 211 1 211 O crescimento da economia fluminense nos últimos

Leia mais

Avanços e encaminhamentos sobre a Pesquisa de Turismo Internacional:

Avanços e encaminhamentos sobre a Pesquisa de Turismo Internacional: Avanços e encaminhamentos sobre a Pesquisa de Turismo Internacional: Avaliações para o desenho amostral em rodovias segundo a metodologia proposta para a PTI Palestrante: Alfredo García Ramos (Consultor

Leia mais

profissional: desafios e integração

profissional: desafios e integração O papel das IES na formação profissional: desafios e integração da equipe de saúde Clarice A. Ferraz Coordenadora d Geral das Ações Técnicas em Educação na Saúde e Formação de Profissionais de Nível Médio

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS TRANSPORTES INTERNACIONAIS

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS TRANSPORTES INTERNACIONAIS MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS TRANSPORTES INTERNACIONAIS I BIMESTRE -2013 1 O segmento de Transportes Internacionais encerrou o mês de janeiro com um volume de produção de R$ 85 milhões contra R$ 84 milhões

Leia mais

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007.

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. VA PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO DE 4/10/2007, SEÇÃO 3, PÁG.. EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. Divulgar a distribuição de vagas do Concurso Público para provimento de cargos e formação

Leia mais

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE?

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? Instrumento que permite o financiamento, por meio de incentivos fiscais, de projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte. BASE LEGAL: Lei 11.438/06 -

Leia mais

ANÁLISE MERCADO DE SEGUROS RISCOS DE ENGENHARIA JAN A MAIO 2014 NÚMEROS SUSEP SES

ANÁLISE MERCADO DE SEGUROS RISCOS DE ENGENHARIA JAN A MAIO 2014 NÚMEROS SUSEP SES ANÁLISE MERCADO DE SEGUROS RISCOS DE ENGENHARIA JAN A MAIO 2014 NÚMEROS SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: Como sabemos a SUSEP, no intuito de aperfeiçoar as avaliações

Leia mais

Chile um sócio a longo prazo. Pedro Asenjo Comitê de Investimentos Estrangeiros

Chile um sócio a longo prazo. Pedro Asenjo Comitê de Investimentos Estrangeiros Chile um sócio a longo prazo Pedro Asenjo Comitê de Investimentos Estrangeiros Um sócio a longo prazo Nova política de atração de IED Temas Um ambiente de negócios maduro País de oportunidades Investimento

Leia mais

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO EVOLUÇÃO A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto de 10% nos últimos 16 anos, tendo passado de um faturamento "ExFactory",

Leia mais

Brasil Economia e Educação. Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação

Brasil Economia e Educação. Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Brasil Economia e Educação Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Gini e PIB Per Capita 380 Gini e Pib Per Capita (1960 - base =100) 120 PIB Per Capita 330 280 230 180 1995 111,42 108,07 1992

Leia mais

Espírito Santo Governador Renato Casagrande

Espírito Santo Governador Renato Casagrande Espírito Santo Governador Renato Casagrande Parte I O Comércio Internacional no Espírito Santo Parte II Ranking Federativo Parte III Propostas Comércio Internacional no Espírito Santo Ranking Nacional

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS RC GERAL

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS RC GERAL MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS RC GERAL I BIMESTRE -2013 1 O segmento de RC Geral encerrou o I Bimestre com um volume de produção de R$ 130 milhões contra R$ 124 milhões de 2012, um crescimento nominal

Leia mais

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Agricultura Familiar no Mundo São 500 milhões de estabelecimentos da agricultura familiar

Leia mais

Aplicar na Bolsa, visando à formação de. envolve normalmente um horizonte de longo prazo. socialmente responsáveis e sustentabilidade

Aplicar na Bolsa, visando à formação de. envolve normalmente um horizonte de longo prazo. socialmente responsáveis e sustentabilidade OQUEABOLSATEMA A VER COM SUSTENTABILIDADE? Aplicar na Bolsa, visando à formação de patrimônio ou reservas para a utilização futura, envolve normalmente um horizonte de longo prazo. Selecionar empresas

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro ASSUNTO: CLASSIFICAÇÃO DE PAÍSES, BANCOS MULTILATERAIS DE DESENVOLVIMENTO E ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS Havendo necessidade de se estabelecerem critérios de classificação

Leia mais

Movimentação das Empresas do Segmento Junho 2010

Movimentação das Empresas do Segmento Junho 2010 Movimentação das Empresas do Segmento Junho 2010 Índice 1. Consolidado Brasil... 03 2. Acumulado Brasil... 05 3. Consolidado por Região... 06 4. Consolidado por Estado... 09 5. Consolidado Brasil Comparativo

Leia mais

Renova Energia. Investimento da Light na Renova Energia

Renova Energia. Investimento da Light na Renova Energia Renova Energia Investimento da Light na Renova Energia Descrição da Operação Acordo estratégico resultará em investimento na Renova para transformá-la no veículo de crescimento da Light no segmento de

Leia mais

Movimentação das Empresas do Segmento Julho 2011

Movimentação das Empresas do Segmento Julho 2011 Movimentação das Empresas do Segmento Julho 2011 Índice 1. Consolidado Brasil... 03 2. Acumulado Brasil... 06 3. Consolidado por Região... 08 4. Consolidado por Estado... 14 5. Consolidado Brasil Comparativo

Leia mais

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 Situação da microcefalia no Brasil Até 21 de novembro, foram notificados 739 casos suspeitos de microcefalia, identificados em 160 municípios de nove

Leia mais

Os Desafios do Estado na implementação dos Parques Tecnológicos

Os Desafios do Estado na implementação dos Parques Tecnológicos Os Desafios do Estado na implementação dos Parques Tecnológicos Marcos Cintra Subsecretário de Ciência e Tecnologia Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia Outubro/2013 Brasil 7ª

Leia mais

Crescimento com Sustentabilidade

Crescimento com Sustentabilidade Crescimento com Sustentabilidade Djalma Bastos de Morais Diretor Presidente Maio de 2008 1/XX Investimentos asseguram agregação de valor Nossa política de investimentos garante crescimento sustentável:

Leia mais

MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO GARANTIA - TOTAL R$ 2010 % 2011 % %11/10. Prêmios Líquidos Emitidos R$ 260.843.284 100,0% R$ 313.271.

MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO GARANTIA - TOTAL R$ 2010 % 2011 % %11/10. Prêmios Líquidos Emitidos R$ 260.843.284 100,0% R$ 313.271. MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS GARANTIA JAN A MAIO 2011 Esse foi um dos conjuntos que sofreram alterações em classificação de produtos. Pelo relatório da SUSEP passamos a ter somente dois ramos: Garantia

Leia mais

Resultados da atuação do Bradesco em APL s

Resultados da atuação do Bradesco em APL s Resultados da atuação do Bradesco em APL s Atuação do Bradesco em APL s Por Região NORDESTE 97 APL`S NORTE 48 APL`S CENTRO-OESTE 41 APL`S SUDESTE 102 APL`S SUL 40 APL`S Posição Setembro/2013 Atuação com

Leia mais

Movimentação das Empresas do Segmento Abril 2011

Movimentação das Empresas do Segmento Abril 2011 Movimentação das Empresas do Segmento Abril 2011 Índice 1. Consolidado Brasil... 03 2. Acumulado Brasil... 06 3. Consolidado por Região... 08 4. Consolidado por Estado... 14 5. Consolidado Brasil Comparativo

Leia mais

A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO

A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO COM BASE NA LEI Nº 11738 DO PISO NACIONAL NA SUA FORMA ORIGINAL

Leia mais

População residente, por situação do domicílio Brasil, 2000 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Resultados do Universo

População residente, por situação do domicílio Brasil, 2000 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Resultados do Universo Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3o Bimestre 5o ano Geografia Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia os dados e o gráfico do censo do

Leia mais

HIV/AIDS no Norte e Nordeste

HIV/AIDS no Norte e Nordeste HIV/AIDS no Norte e Nordeste Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde www.aids.gov.br 04 de dezembro de 2014 Foco em populações chave 12% 10% 10,5%

Leia mais

Impacto dos projetos de sustentabilidade

Impacto dos projetos de sustentabilidade Impacto dos projetos de sustentabilidade Angelica Blanco 24 de Maio, 2010 0 CONTEÚDO Parte 1: Sustentabilidade Direcionando investimentos Parte 2: Retornos em Sustentabilidade 1 QUEM SOMOS Estudos e rankings

Leia mais

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS: Repartição das responsabilidades entre União, Estados e Municípios; Vinculação de impostos; Definição de Manutenção e Desenvolvimento do

Leia mais

PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO

PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO UF / Ação de Governo Valor a ser Fiscalizado AC R$ 99.891.435,79 Apoio à Alimentação Escolar na Educação Básica (PNAE) R$

Leia mais

ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil

ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil Wadson Ribeiro Secretário Nacional de Esporte Educacional Ministério do Esporte A DÉCADA DO ESPORTE BRASILEIRO Criação do Ministério

Leia mais