Belo Horizonte irá sediar o 28º Congresso Brasileiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Belo Horizonte irá sediar o 28º Congresso Brasileiro"

Transcrição

1 Destaque - Pág. 6 Naldi Joviano dos Santos assina o termo de posse como Diretor de Seguridade da DERMINAS, na presença do Diretor Geral do DER/MG, José Elcio Santos Monteze (ao centro), e do Vice- Diretor, Fernando Antônio Costa Jannotti. Belo Horizonte irá sediar o 28º Congresso Brasileiro dos Fundos de Pensão Pág. 2 Conheça o Setor de Empréstimos Investindo em Renda Variável Pág. 3 Pág. 4

2 Editorial Mudanças na Diretoria Executiva Por força da legislação, que proíbe a acumulação de cargos na Entidade e no Patrocinador, a DERMINAS se despede de Delson Chaves Campos e Luiz Gonzaga Chaves Campos, que ocupavam os cargos de Diretor Financeiro- Administrativo e Diretor de Seguridade, respectivamente. A forma positiva que marcou o trabalho dos nossos colegas pode ser confirmada pelos resultados obtidos pela DERMINAS, tanto nos aspectos financeiros, quanto nos sociais, sendo a transparência das ações uma das características principais desse legado. Para substituí-los, a direção do DER/ MG, Patrocinador da DERMINAS, aprovou a indicação de Naldi Joviano dos Santos para o cargo de Diretor de Seguridade, feita pelo Conselho Deliberativo da Entidade. Já o cargo de Diretor Financeiro-Administrativo será acumulado pelo atual Diretor Superintendente Daniel José Magalhães de Melo. Conheça um pouco mais do novo Diretor de Seguridade na seção Destaques da página 6. Notícias Congresso em Belo Horizonte Com muita honra para nós mineiros, Belo Horizonte irá sediar o 28º Congresso Brasileiro dos Fundos de Pensão, que terá lugar no EXPO- MINAS entre os dias 7 e 9 de novembro deste ano. Uma das metas do Congresso é divulgar os avanços já obtidos pelo setor nos últimos anos e salientar o seu grande potencial de crescimento. A organização do evento acredita que as instituições devem concentrar seus esforços em vender essa realidade para a sociedade brasileira, de modo a estender a proteção da previdência complementar a um contingente cada vez maior de trabalhadores. É exatamente com esse pensamento que a diretoria da ABRAPP - Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar, com a participação de suas entidades associadas e de seu Conselho Deliberativo, além dos colegiados do Instituto Cultural de Seguridade Social (ICSS) e do Sindicato Nacional das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (SINDAPP), elegeram para o Congresso o seguinte tema: Capitalismo Social e Crescimento. O futuro é agora. O debate vai abranger o papel socioeconômico dos fundos de pensão como indutor do crescimento, a confiança dos trabalhadores na previdência complementar, a previdência social e o mercado de trabalho, entre outros assuntos que serão abordados por profissionais do Brasil e do exterior. O Diretor Superintendente da DERMINAS, Daniel José Magalhães de Melo, que também é Diretor Operacional da ABRAPP, terá um papel fundamental na organização do Congresso, ao lado do Vice-Presidente da ABRAPP, Reginaldo José Camilo, bem como do Diretor Regional da ABRAPP, José Ribeiro Pena Neto, da FORLUZ, pois serão os coordenadores gerais do evento. EXPEDIENTE Conselho Deliberativo Adalberto Bahia (Presidente) Carlos Roberto de Oliveira César Pomárico José Alberto Coutinho Márcio José dos Reis Santos Ronaldo de Assis Carvalho Conselho Fiscal Dalva Maria Ferreira de Souza (Presidente) Geralda Borges da Silva Roberto Dias Alves Sebastião Vieira dos Santos Diretoria Executiva Diretor Superintendente Daniel José Magalhães de Melo Diretor de Seguridade Naldi Joviano dos Santos Patrocinador Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de Minas Gerais - DER/MG Conselho Editorial Daniel José Magalhães de Melo Adilson Andrade Soares Jornalista Responsável Mário Chrispim - MTb Fotografia Arquivo PREVIMINAS e DERMINAS Projeto Gráfico e Diagramação Kamayurá Propaganda Impressão: Gráfica e Editora O Lutador Tiragem: exemplares Periodicidade: Trimestral Obs.: As matérias publicadas neste jornal são de caráter exclusivamente informativo, não gerando qualquer espécie de direito ou obrigação por parte da DERMINAS. 2

3 Conhecendo a DERMINAS Setor de Empréstimos Assim como no Setor de Benefícios, no de Empréstimos o telefone não pára de tocar, existindo sempre uma dúvida a ser esclarecida aos associados e beneficiários. Praticando em seu empréstimo uma das menores taxas de juros do mercado, a DERMINAS oferece para muitos a solução para quitar dívidas, realizar a compra de um bem, fazer uma viagem ou atender situações de emergência. Os empréstimos da DERMINAS são realizados sem avalista, o que é uma tranqüilidade para o associado, principalmente o aposentado, que, ao perder o contato com seus colegas de trabalho, sente-se constrangido em solicitar o aval de outros servidores. Além disso, no caso de falecimento, outra tranqüilidade para o associado é a quitação de seu empréstimo por um fundo, ficando os beneficiários isentos de qualquer obrigação. Também pensando na comodidade e na rapidez do atendimento aos associados, a DERMINAS disponibiliza em seu site (www.derminas.org.br) todos os procedimentos para a contratação do empréstimo, as formas de repactuação e até um mecanismo para fazer simulações. Assim, o associado poderá sempre solicitar o seu empréstimo de acordo com o orçamento doméstico. Dicas para agilizar a liberação do seu empréstimo Preencha os campos obrigatórios da proposta em letra de forma ou bem legível; Utilize o endereço residencial próprio; Informe o valor solicitado e o número de parcelas; Envie cópia do último contracheque; Assine as duas vias do contrato; Observe as datas semanais de liberação dos empréstimos, que obedece ao cronograma de rotinas divulgado mensalmente pela Entidade. Antonio Eustáquio Generoso (à esquerda) e Elvis Aloisio de Souza são os responsáveis pelo Setor de Empréstimos da DERMINAS. Novas regras - Recentemente a DER- MINAS promoveu uma revisão do Regulamento de Empréstimos, adaptando-o às mudanças implementadas pela Secretaria de Planejamento e Gestão- SEPLAG, a saber: Conheça os funcionários da DERMINAS que trabalham no Setor de Empréstimos, sempre dispostos a encontrar a melhor forma de ajudar os associados e beneficiários. ANTONIO EUSTÁQUIO GENEROSO Aposentado do DER/MG, onde ingressou como contínuo em Formado em Engenharia Elétrica, fez carreira no Órgão, tendo ali passado por diversas unidades. Em 1995, após se aposentar, foi contratado pela DERMINAS, sempre exercendo suas atividades no Setor de Empréstimos. Em 2006, dentro do programa de qualificação da Entidade, formou-se no curso MBA em Previdência Complementar, promovido pela PUC Minas. ELVIS ALOISIO DE SOUZA Ingressou na DERMINAS em 1994 e sempre atuou no Setor de Empréstimos. Atualmente, cursa Administração de Empresas na Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas - FACISABH. 1. O cálculo do valor da prestação, baseado no contracheque do servidor, dependerá de confirmação da margem consignável pela SEPLAG; 2. Já no caso de pensionistas, o valor da prestação será definido pelo Setor de Benefícios da DERMINAS; 3. O associado inadimplente não poderá contrair empréstimo até que seja regularizada a sua situação com a DER- MINAS; 4. A taxa de permanência por dia de atraso foi reduzida de 0,15% para 0,10% do valor devido. 3

4 Dicas de Investimentos Investindo em Renda Variável Para aqueles que já têm alguma aplicação em renda fixa, pergunta-se: o que vocês têm achado da rentabilidade atual desses investimentos? Com certeza a resposta esperada será: estão caindo, mas o pior nesse caso é que a rentabilidade futura desses investimentos tende a cair ainda mais, pois deve acompanhar a redução gradual da taxa Selic (taxa básica de juros interna) prevista para as próximas reuniões do COPOM (Comitê de Política Monetária). Para os insatisfeitos com a baixa remuneração obtida, a saída é transferir parte de suas aplicações para a renda variável, o que está se tornando comum entre boa parte dos poupadores. O percentual a ser transferido deverá variar com a disposição do investidor em correr riscos, mas no geral costuma oscilar entre 5% e 50% dos recursos totais disponíveis para as aplicações financeiras. No início deve-se agir com cautela, investindo somente os recursos que não farão falta no médio prazo. A renda variável é assim chamada porque a sua rentabilidade não é determinada previamente na data de realização do investimento, podendo ficar até negativa, ou seja, o valor resgatado poderá ser inferior ao valor aplicado. Entretanto, o normal é obter no médio prazo uma rentabilidade muito superior à da renda fixa naquele mesmo período, premiando esse risco do investidor. Ações de empresas listadas na Bolsa de Valores são um bom exemplo de investimento em renda variável. Por meio das corretoras de valores, essas ações podem ser compradas e vendidas no pregão eletrônico da Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo), a única autorizada a comercializar essas ações no Brasil. Como o investimento numa carteira própria de ações requer conhecimento do mercado por parte do investidor, os leigos preferem aplicar em fundos de ações ou clubes de investimentos. Os Fundos de Investimentos em Ações (denominados FIAs) são encontrados em bancos e outras instituições financeiras independentes. São formados por milhares de cotistas que investem numa carteira de ações, estabelecida e administrada por um gestor especializado. O valor investido individualmente é transformado em um número fixo de cotas do fundo. O valor da cota varia diariamente, de acordo com a rentabilidade obtida pelo gestor nessa carteira de ações. O montante a ser resgatado corresponderá ao resultado da multiplicação da quantidade de cotas possuídas pelo valor dessa cota na data seguinte ao do pedido de resgate, sendo daí liberado em 3 dias úteis. Esses fundos cobram taxa de administração, que variam geralmente de 2% a 4% ao ano, apropriada diariamente, ficando a rentabilidade obtida livre desse encargo. Os fundos de ações também costumam cobrar taxas de performance. Esta é apropriada toda vez que a rentabilidade obtida conseguir superar um determinado patamar previamente estabelecido, como por exemplo o índice Bovespa (Ibovespa), que representa a rentabilidade média de uma carteira teórica composta pelas 56 ações mais negociadas na Bolsa 4 Divulgação Bovespa Sala de pregão na Bolsa de Valores de São Paulo de Valores. O fundo de ação a ser escolhido pelo investidor deverá cobrar preferencialmente taxas de administração mais baixas e possuir um histórico de rentabilidade próximo ou superior ao do Ibovespa, sempre lembrando que a rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura. Os clubes de investimentos, muito difundidos atualmente, são praticamente uma cópia fiel dos fundos de ações, com a diferença que seus cotistas são limitados a 150 investidores, geralmente ligados entre si por laços de parentesco, amizade, coleguismo ou mesmo por serem clientes de uma determinada corretora de valores. Para aprofundar um pouco mais nesse tema, ainda pouco difundido, o Jornal da DERMINAS abordará outras formas de investimento em renda variável no próximo número. Até lá.

5 Top Institucional DERMINAS entre as melhores do país A edição nº 180 da Revista Investidor Institucional traz o resultado da pesquisa realizada com 88 fundações em todo o Brasil (que aceitaram participar da pesquisa) e aponta a DERMINAS como a segunda de melhor rentabilidade geral do Os fundos de pensão têm uma participação importante na economia do país, visto que as estratégias de alocação de seus investimentos influenciam no comportamento do mercado financeiro. Quando se espera uma redução na taxa de juros, é preciso empreender uma gestão mais ativa nas aplicações financeiras. A DERMINAS busca rentabilidade, segurança e liquidez através da diversificação em fundos multimercados e principalmente em Bolsa de Valores. Nesse cenário, a DERMINAS procura antecipar-se ao mercado, de modo a investir nos melhores ativos a um Evolução do Patrimônio Como estamos em 2007 preço mais atrativo. Essa diversificação citada anteriormente é uma estratégia adotada há algum tempo e que vem trazendo bons resultados para os investimentos da Entidade. Em 2007 a DERMINAS tem mantido a estratégia de seus investimentos, diante das oportunidades surgidas no mercado. Na renda fixa, reduziu a posição em Certificados de Depósito Bancário, direcionando os recursos para os Fundos de Direitos Creditórios e também para os Multimercados. Na renda variável, o valor aplicado vem crescendo em função da própria valorização das ações, sendo Trocando em Miúdos segmento, que foi de 35,02% no ano de Patrocinada pelo Departamento de Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DER/MG), a DERMINAS tinha investimentos de R$199 milhões de ativos ao final do ano passado. Desses, 37,03% estavam aplicados em renda variável, segmento no qual a fundação obteve uma rentabilidade de 47,13%. Na renda fixa, que representava 51,71% dos investimentos da fundação, a rentabilidade ficou em 20,27%. que o percentual alocado pela Entidade nesse segmento é muito superior à média das outras fundações, estando atualmente próximo dos 40%. Recentemente houve mudança na legislação que regula os investimentos das entidades fechadas de previdência complementar, que permitiu uma maior relação risco x retorno e maior flexibilização na gestão dos recursos. Cabe agora à DERMINAS adaptar-se a essas alterações, monitorando seus investimentos e buscando manter a rentabilidade esperada, podendo assim assegurar o cumprimento de seus compromissos futuros com todos os associados. Mercado de Capitais: Segmento do mercado financeiro onde são realizadas as operações de compra e venda de ações, títulos e valores mobiliários efetuadas entre empresas, investidores e/ou poupadores, com intermediação obrigatória de instituições financeiras do Sistema de Distribuição de Títulos e Valores Mobiliários. Taxa de Administração: Taxa cobrada pelas instituições financeiras para realizar a administração de um fundo de investimento. Como se trata da remuneração pelo serviço prestado, cada instituição estabelece livremente o valor percentual dessa taxa, que deve constar no regulamento do fundo. Os fundos em geral têm taxas diferenciadas. 5 Taxa de Performance: Remuneração cobrada pelo administrador de carteira ou de fundo de investimento em função da performance obtida com a aplicação dos recursos sob sua gestão. Normalmente, ela é cobrada sobre o montante que exceder a um determinado parâmetro, denominado benchmark, fixado no contrato de administração ou regulamento do próprio fundo. Volatilidade: Grau médio de variação das cotações de um título ou fundo de investimento em um determinado período de tempo. Alta volatilidade significa que o valor da cota apresenta forte variação, para mais ou para menos.

6 Destaques Conheça o novo Diretor de Seguridade da DERMINAS Desde o dia 21 de junho a DERMI- NAS conta com a colaboração de Naldi Joviano dos Santos como Diretor de Seguridade. O novo dirigente foi indicado pelo patrocinador da DERMINAS, o Departamento de Estradas de Rodagem, para dar prosseguimento ao trabalho que vem sendo desenvolvido na Entidade, visto que fez parte de seu Conselho Deliberativo no período de 2001 a Naldi, como é conhecido pelos colegas de DER/MG, tem ampla formação acadêmica, pois é bacharel em Direito, Letras e Administração de Empresas. Grande parte da sua vida profissional transcorreu no DER/MG, onde entrou por meio de Concurso Público em 1966, no cargo de contínuo. Ocupou ainda as funções de auxiliar de escritório, assistente e assessor administrativo, a chefia do Serviço de Cargos e Salários e da Assessoria de Orientação e Controle da Diretoria de Gestão de Pessoas, tendo se aposentado em Evento da ABRAPP em Belo Horizonte No último mês de abril, no auditório da Previminas, teve lugar mais um evento promovido pela Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar - ABRAPP, com o tema a Gestão do Risco Operacional nos Fundos de Pensão. O objetivo foi discutir o conceito de controle interno, arquitetura da informação no processo de decisão, valor e níveis hierárquicos da informação e monitoramento de risco operacional, entre outros tópicos. O instrutor Paulo César Chagas, mestre em Ciências Contábeis, ex-controller da Fundação do Banco Central e consultor em Previdência Complementar, falou sobre a Resolução CGPC 13/ 2004, que trata dos controles internos nas entidades fechadas de previdência complementar (EFPC). Também abordou itens como falha operacional, informação contábil, produção de informações, administração de riscos e matriz de risco operacional. Como ocorre com qualquer outro tipo de empresa, a estrutura organizacional, o planejamento, a delegação de poderes, os procedimentos e os processos são relevantes na gestão de uma EPPC. O estudo do risco operacional busca minimizar as perdas resultantes de falhas ou inadequação de processos internos e vem demonstrando uma forte correlação entre eficiência e bons controles. Os participantes do seminário tiveram a oportunidade de conhecer conceitos relacionados ao controle interno e à administração do risco operacional, identificando possíveis situações adversas, de modo a implementar ações que possam eliminar possíveis falhas ou minimizar eventuais riscos. Identificar, avaliar, controlar e monitorar riscos é responsabilidade de todos os funcionários da DERMINAS, que devem priorizar os de maior probabilidade de ocorrência, mas principalmente os que podem causar um maior impacto na Entidade. Momento de relaxamento durante o seminário Equipe da DERMINAS e o instrutor (segundo à esquerda) 6

Conheça o Conselho Fiscal. Dicas de Investimento: Por que investir? 2ª Parte. Boas FEstas e um Próspero 2007! Pág. 3 Pág. 4

Conheça o Conselho Fiscal. Dicas de Investimento: Por que investir? 2ª Parte. Boas FEstas e um Próspero 2007! Pág. 3 Pág. 4 Praça da Liberdade - Belo Horizonte/MG Tudo o que um sonho precisa para tornar-se realidade é Alguém acreditar que ele possa ser realizado. Boas FEstas e um Próspero 2007! Conheça o Conselho Fiscal Dicas

Leia mais

A DERMINAS continua a ter o menor custo final para a contratação de empréstimo no mercado. Pág. 2

A DERMINAS continua a ter o menor custo final para a contratação de empréstimo no mercado. Pág. 2 Destaque - Pág. 6 O Diretor Superintendente da DERMINAS, Daniel José Magalhães de Melo, como diretor da ABRAPP, presidindo o Workshop Transparência na Gestão de Fundos de Pensão, no 27º Congresso Brasileiro

Leia mais

Capital mineira sedia o 28º Congresso Brasileiro

Capital mineira sedia o 28º Congresso Brasileiro Capital mineira sedia o 28º Congresso Brasileiro dos Fundos de Pensão Destaque - Pág. 6 Ampliação do espaço de atendimento a participantes Redução significativa dos juros de empréstimos Novos conselheiros

Leia mais

Superávit permite nova redução de contribuição Pág. 5

Superávit permite nova redução de contribuição Pág. 5 Superávit permite nova redução de contribuição Pág. 5 Comemorados os 25 anos da DERMINAS Conheça o Conselho Deliberativo Pág. 6 Dicas de Investimento: Por que investir? Pág. 3 Pág. 4 Editorial A contribuição

Leia mais

Principais Destaques

Principais Destaques Aumento do Patrimônio Atingimento da Meta Atuarial Principais Destaques 1. Perfil Institucional A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313, de 30 de

Leia mais

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV INVESTIMENTOS Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV Uma questão de suma importância para a consolidação e perenidade de um Fundo de Pensão é a sua saúde financeira, que garante

Leia mais

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Valia Fix, Valia Mix 20, Valia Mix 35 e Valia Ativo Mix 40 Quatro perfis de investimento. Um futuro cheio de escolhas. Para que seu plano de

Leia mais

Versão atualizada em março de 2011

Versão atualizada em março de 2011 Versão atualizada em março de 2011 Apresentação Ativo, rentabilidade, renda fixa, perfil de investimento... Se você tem o hábito de se informar sobre como anda o dinheiro investido no seu plano previdenciário,

Leia mais

Perfis de Investimento

Perfis de Investimento Perfis de Investimento Manual Perfis de Investimento Manual Perfis de Investimento Índice Objetivo... 3 Introdução... 3 Falando sobre sua escolha e seu plano... 3 Perfis de Investimento... 5 Principais

Leia mais

PSS - Seguridade Social

PSS - Seguridade Social POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2012 PLANO C 1. Objetivos Esta versão da Política de Investimentos, que estará em vigor durante o ano de 2012, tem como objetivo definir as diretrizes dos investimentos do

Leia mais

Retorno dos Investimentos 1º semestre 2011

Retorno dos Investimentos 1º semestre 2011 Retorno dos Investimentos 1º semestre 2011 Cesar Soares Barbosa Diretor de Previdência É responsável também pela gestão dos recursos garantidores dos planos de benefícios administrados pela Sabesprev,

Leia mais

Conheça as novas instalações da DERMINAS

Conheça as novas instalações da DERMINAS Sala de Reuniões Auditório Área privativa Recepção do 1º andar Conheça as novas instalações da DERMINAS Críticas e sugestões no Espaço do Associado Atenção: informações importantes para os participantes

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

plano Taesaprev Editada em fevereiro de 2012

plano Taesaprev Editada em fevereiro de 2012 plano Taesaprev Editada em fevereiro de 2012 Apresentação Ativo, rentabilidade, renda fixa, perfil de investimento... Se você tem o hábito de se informar sobre como anda o dinheiro investido no seu plano

Leia mais

DERMINAS participa de plenária sobre Tecnologia da Informação no 29º Congresso Brasileiro dos Fundos de Pensão

DERMINAS participa de plenária sobre Tecnologia da Informação no 29º Congresso Brasileiro dos Fundos de Pensão DERMINAS participa de plenária sobre Tecnologia da Informação no 29º Congresso Brasileiro dos Fundos de Pensão Editorial: 2008, um ano de desafios 2009 é ano de eleição de conselheiros da DERMINAS Política

Leia mais

12. Como é o caso de pensão por morte de quem ainda está contribuindo para a previdência?

12. Como é o caso de pensão por morte de quem ainda está contribuindo para a previdência? Tel: 0800 941 7738 1 Educação Financeira Esta Cartilha tem como abjetivo mostrar a importância da educação financeira e previdenciária aos advogados participantes da OABPrev-RJ para que possam organizar

Leia mais

CLUBE DE INVESTIMENTO. Mais uma maneira de investir no mercado de ações

CLUBE DE INVESTIMENTO. Mais uma maneira de investir no mercado de ações CLUBE DE INVESTIMENTO Mais uma maneira de investir no mercado de ações Clube de Investimento Clube de Investimento É uma associação de pessoas físicas, mínimo de 3 e máximo de 150, com objetivo em comum

Leia mais

DEMONSTRATIVO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

DEMONSTRATIVO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DEMONSTRATIVO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 1. ENTE Endereço: Bairro: Prefeitura Municipal de Itanhaém / SP AVENIDA WASHINGTON LUIS - 75 CENTRO (013) 3421-1600 Fax: (013) 3421-1600 CNPJ: Complemento: CEP:

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Politica de Investimentos tem como objetivo

Leia mais

Rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV no 1º Trimestre de 2014

Rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV no 1º Trimestre de 2014 Investimentos Rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV no 1º Trimestre de 2014 Como forma de manter os Participantes informados sobre a evolução do seu Plano no que diz respeito à rentabilidade dos

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

Manual Perfis de Investimentos

Manual Perfis de Investimentos Manual Perfis de Investimentos 2015 Manual de Perfis de Investimentos Índice Perfi s de Investimentos Avonprev... 4 Por que existem os Perfi s de Investimentos... 5 O que são Perfi s de Investimentos...

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

RAÏSSA LUMACK, Vice-Presidente de RH da Coca-Cola Brasil.

RAÏSSA LUMACK, Vice-Presidente de RH da Coca-Cola Brasil. 1 RAÏSSA LUMACK, Vice-Presidente de RH da Coca-Cola Brasil. O Informativo Previcoke (Fundo de Pensão da Coca-Cola Brasil) é feito para quem já pensa no amanhã e para quem quer começar a pensar. Aqui, você

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa. Cássia Menatto Mebius

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa. Cássia Menatto Mebius Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Certificate in Financial Administration CFM Cássia Menatto Mebius ESTUDO DE CASO: Aspectos da Análise fundamentalista versus análise gráfica para uma corretora São

Leia mais

LW REPORT INVESTINDO COM OS FUNDOS DE PENSÃO BRASILEIROS. As regras do jogo. 01 Abril 2013. Principais áreas de atuação:

LW REPORT INVESTINDO COM OS FUNDOS DE PENSÃO BRASILEIROS. As regras do jogo. 01 Abril 2013. Principais áreas de atuação: LW REPORT 01 Abril 2013 Principais áreas de atuação: Societário e mercado de capitais Restructuring and Finance Real Estate M&A Executive Compensation and Benefits Direito Empresarial Externo INVESTINDO

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008 INTRODUÇÃO Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do PERUIBEPREV, através da designação

Leia mais

$ $ Guia de Empréstimos. Fachesf

$ $ Guia de Empréstimos. Fachesf Guia de Empréstimos Fachesf Sobre os empréstimos da Fachesf Quais as modalidades de empréstimos que a Fachesf oferece? Empréstimo Pós-Fixado (sem comprovação) Empréstimo Educação (com comprovação) Empréstimo

Leia mais

Perfis de Investimento. GEBSA Prev

Perfis de Investimento. GEBSA Prev Perfis de Investimento GEBSA Prev 2 GEBSA-PREV INTRODUÇÃO Esta cartilha reúne as principais informações relacionadas aos Perfis de Investimento da GEBSA PREV e vai lhe ajudar a identificar alguns aspectos

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2014 IPRESI SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 OBJETIVO GERAL... 3 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 3 VIGÊNCIA... 4 4 MODELO DE GESTÃO... 4 5

Leia mais

Princípios de Investimento

Princípios de Investimento Princípios de Investimento Rentabilidade Rentabilidade é o grau de rendimento proporcionado por um investimento pela valorização do capital ao longo do tempo. Liquidez Liquidez é a rapidez com que se consegue

Leia mais

Fundação de Previdência dos Empregados da CEB

Fundação de Previdência dos Empregados da CEB Prezado(a) participante, Seguem informações referentes à Política de Investimento para o Plano Complementar de Benefícios da FACEB, Plano de Benefícios CEBPREV e Plano Administrativo PGA para o ano de

Leia mais

Educação Financeira e Previdenciária Case - Fundação CEEE. Magdarlise Dal Fiume Germany Gerente Relações Institucionais

Educação Financeira e Previdenciária Case - Fundação CEEE. Magdarlise Dal Fiume Germany Gerente Relações Institucionais Educação Financeira e Previdenciária Case - Fundação CEEE Magdarlise Dal Fiume Germany Gerente Relações Institucionais Programa de Educação Financeira e Previdenciária - Criação Aprovado pela PREVIC em

Leia mais

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer os critérios e procedimentos a serem adotados para concessão e liberação de empréstimos aos participantes. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO As operações de empréstimos

Leia mais

Curso Preparatório CPA20

Curso Preparatório CPA20 Página 1 de 9 Você acessou como Flávio Pereira Lemos - (Sair) Curso Preparatório CPA20 Início Ambiente ) CPA20_130111_1_1 ) Questionários ) Passo 2: Simulado Módulo II ) Revisão da tentativa 1 Iniciado

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTO VALIA FAÇA A SUA ESCOLHA. VALIA FIX VALIA MIX 20 VALIA MIX 35

CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTO VALIA FAÇA A SUA ESCOLHA. VALIA FIX VALIA MIX 20 VALIA MIX 35 CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTO VALIA VALIA FIX VALIA MIX 20 VALIA MIX 35 O melhor perfi l de investimento é o que mais se parece com você. FAÇA A SUA ESCOLHA. A Valia está disponibilizando três perfis

Leia mais

INFORME FINACAP DTVM

INFORME FINACAP DTVM INFORME FINACAP DTVM Histórico de crescimento até a criação da Finacap DTVM Março/97 - A Finacap nasce como empresa de consultoria financeira, a Finacap - Consultoria Financeira e Mercado de Capitais.

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII Crédito lastreado em imóveis, alta rentabilidade e fluxo de caixa constante, com a solidez do concreto.

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1/9 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes,

Leia mais

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados;

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados; Guia de Fundos de Investimento A CMA desenvolveu o Guia de Fundos de Investimento para você que quer se familiarizar com os princípios básicos do mercado financeiro, ou que tem interesse em aprofundar

Leia mais

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social As Entidades Fechadas de participantes desta pesquisa, conhecidas como Fundos de Pensão, fazem parte do Sistema de. Os Fundos de Pensão desenvolveram-se e modernizaram-se ao longo dos últimos anos graças

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 1. INTRODUÇÃO Atendendo à legislação pertinente aos investimentos dos Regimes Próprios de Previdência Social RPPS, em especial à Resolução n 3.922 de 25 de novembro de 2010 do Conselho Monetário Nacional

Leia mais

EXTRATO DA ATA DA 263ª REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS DA FUNDAÇÃO FORLUMINAS DE SEGURIDADE SOCIAL FORLUZ

EXTRATO DA ATA DA 263ª REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS DA FUNDAÇÃO FORLUMINAS DE SEGURIDADE SOCIAL FORLUZ EXTRATO DA ATA DA 263ª REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS Data: 17 de agosto de 2010 Horário: 15:10 as 16:20 horas Sumário dos Fatos Ocorridos 1. Apresentação Rio Bravo: A equipe da Rio Bravo apresentou

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

Política Anual de Investimentos Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas PREVPEL (RPPS) Exercício 2014

Política Anual de Investimentos Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas PREVPEL (RPPS) Exercício 2014 Política Anual de Investimentos Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas PREVPEL (RPPS) Exercício 2014 Política de Investimentos do RPPS do Município de Pelotas / RS aprovada

Leia mais

HSBC Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo Tripla Vantagem CNPJ nº 09.522.596/0001-64

HSBC Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo Tripla Vantagem CNPJ nº 09.522.596/0001-64 HSBC Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo Tripla Vantagem CNPJ nº 09.522.596/0001-64 (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo CNPJ nº 01.701.201/0001-89) Demonstrações financeiras

Leia mais

Santos, 30 de setembro de 2009

Santos, 30 de setembro de 2009 Santos, 30 de setembro de 2009 Estas são nossas primeiras impressões, comentário e observações quanto a Resolução 3790/09 que regula as aplicações financeiras dos RPPS: Valorização da elaboração da política

Leia mais

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 Controle: D.04.10.04 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão: 30/09/2013 Elaborado por: Certificação ANBIMA Aprovado por:

Leia mais

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA Plano de Gestão Administrativa - PGA Ano de Vigência - 2015 1/13 Introdução Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do, através da designação dos segmentos

Leia mais

Cartilha de Empréstimo 1

Cartilha de Empréstimo 1 Cartilha de Empréstimo 1 Empréstimo Economus: Como é? Quem tem direito? Que tipo de empréstimos o Economus oferece? O Economus oferece apenas a modalidade de empréstimo pessoal. Quem poderá solicitar empréstimos?

Leia mais

CARTILHA PLANO CELPOS CD

CARTILHA PLANO CELPOS CD CARTILHA PLANO CELPOS CD ORIGINAL PLUS O QUE É O PLANO CELPOS CD? O Plano Misto I de Benefícios CELPOS CD é um plano de previdência complementar cujo benefício de aposentadoria programada é calculado de

Leia mais

AS EMPRESAS SEGURADORAS E RESSEGURADORAS COMO INVESTIDORAS DO MERCADO DE CAPITAIS

AS EMPRESAS SEGURADORAS E RESSEGURADORAS COMO INVESTIDORAS DO MERCADO DE CAPITAIS AS EMPRESAS SEGURADORAS E RESSEGURADORAS COMO INVESTIDORAS DO MERCADO DE CAPITAIS HSM EXPO MANAGEMENT 2014 4 de novembro de 2014 Alexandre H. Leal Neto Superintendente de Regulação CNseg Agenda Representação

Leia mais

Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos

Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos Conforme aprovado pelo Conselho Deliberativo em reunião realizada em 4 de abril de 2011 a São Bernardo implementará em 1º de julho de 2011

Leia mais

RO Roteiro Operacional Prefeitura Municipal de São Paulo - SP Área responsável: Gerência de Produtos Consignados

RO Roteiro Operacional Prefeitura Municipal de São Paulo - SP Área responsável: Gerência de Produtos Consignados Pref. São Paulo - SP RO.05.29 Versão: 31 Uso Externo RO Roteiro Operacional Prefeitura Municipal de São Paulo - SP Área responsável: Gerência de Produtos Consignados 1. PÚBLICO ALVO E REGRAS BÁSICAS 1.1.

Leia mais

DESAFIOS PARA OS FUNDOS DE PENSÃO

DESAFIOS PARA OS FUNDOS DE PENSÃO DESAFIOS PARA OS FUNDOS DE PENSÃO Marcelo Rabbat e Tais Campos Importante: Este documento não constitui uma opinião ou recomendação, legal ou de qualquer outra natureza, por parte da Vinci Partners, e

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Bolsa de Valores As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 8ª aula Início da

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC MULT LP MASTER TRADING 13.902.141/0001-41 Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC MULT LP MASTER TRADING 13.902.141/0001-41 Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FICFI MULTIMERCADO LONGO PRAZO. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

E-book de Fundos de Investimento

E-book de Fundos de Investimento E-book de Fundos de Investimento O QUE SÃO FUNDOS DE INVESTIMENTO? Fundo de investimento é uma aplicação financeira que funciona como se fosse um condomínio, onde as pessoas somam recursos para investir

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [02.884.385/0001-22] ELETRA FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2000.0069-65] PLANO CELGPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Resultados dos estudos sobre a redução de taxas de juros praticadas por bancos públicos e privados. Orientações aos consumidores. Face aos diversos anúncios de redução de juros veiculados na mídia a partir

Leia mais

Política Anual de Investimentos (PAI)

Política Anual de Investimentos (PAI) Política Anual de Investimentos (PAI) 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 OBJETIVO GERAL... 3 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 3 VIGÊNCIA... 3 4 MODELO DE GESTÃO... 4 5 PROCESSO DE SELEÇÃO

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo - 30 de setembro de 2012 e 2011 com Relatório dos auditores

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2013

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2013 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE ALMIRANTE TAMANDARÉ, pessoa jurídica de direito público interno, inscrito no CNPJ 05093137/000151 sediado à Rua Trav. Paulo Bini,27,

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS DA INDÚSTRIA EXODUS INSTITUCIONAL. 1 - Nome do Cotista 2 - Identificação do Cotista

FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS DA INDÚSTRIA EXODUS INSTITUCIONAL. 1 - Nome do Cotista 2 - Identificação do Cotista TERMO DE ADESÃO AO REGULAMENTO E CIÊNCIA DE RISCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS DA INDÚSTRIA EXODUS INSTITUCIONAL 1 - Nome do Cotista 2 - Identificação do Cotista 3 - Agência N 4 - Conta

Leia mais

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 Controle: D.04.10.05 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão: 14/05/2015 Elaborado por: Certificação ANBIMA Aprovado por:

Leia mais

ACEPREV Acesita Previdência Privada. Em todos os momentos, em cada oscilação da vida, a SOLIDEZ sustenta a tranquilidade.

ACEPREV Acesita Previdência Privada. Em todos os momentos, em cada oscilação da vida, a SOLIDEZ sustenta a tranquilidade. ACEPREV Acesita Previdência Privada Em todos os momentos, em cada oscilação da vida, a SOLIDEZ sustenta a tranquilidade. RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2008 M ENSAGEM DA DIRETORIA A Diretoria Executiva

Leia mais

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A ANBID A ANBID Associação Nacional dos Bancos de Investimentos Criada em 1967, é a maior representante das

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2010 Tibagi Tibagiprev. - 1 - Índice pág. 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Diretrizes de Alocação dos Recursos 6 4 Diretrizes para Gestão dos Segmentos 8 Tibagi Tibagiprev. - 2

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 (Publicado no DOU nº 164, de 25 de agosto de 2011, Seção 1, página 86)

GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 (Publicado no DOU nº 164, de 25 de agosto de 2011, Seção 1, página 86) GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 (Publicado no DOU nº 164, de 25 de agosto de 2011, Seção 1, página 86) Dispõe sobre as aplicações dos recursos financeiros dos Regimes Próprios

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JAGUARÃO-RS PARA O EXERCÍCIO DE 2014

POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JAGUARÃO-RS PARA O EXERCÍCIO DE 2014 POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JAGUARÃO-RS PARA O EXERCÍCIO DE 2014 1. Apresentação A presente Política de Investimentos visa atender as Portarias

Leia mais

Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2008

Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2008 Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2008 Institui a Política de Investimento para o exercício de 2008/2009. O Presidente do Instituto

Leia mais

BRB FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS PETROBRÁS (Administrado pela BRB Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.)

BRB FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS PETROBRÁS (Administrado pela BRB Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.) BRB FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS PETROBRÁS (Administrado pela BRB Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.) Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de março de

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº 10.446.951/0001-42

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº 10.446.951/0001-42 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº Informações referentes à Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o

Leia mais

GESTOR DA CARTEIRA DE INVESTIMENTO

GESTOR DA CARTEIRA DE INVESTIMENTO O QUE É? No Brasil um fundo de investimento possui a sua organização jurídica na forma de um condomínio de investidores, portanto o fundo de investimento possui um registro na Receita Federal (CNPJ) pois

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas entidades fechadas de previdência complementar na divulgação de informações aos participantes e assistidos

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL. Política de Investimentos Exercício de 2013

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL. Política de Investimentos Exercício de 2013 Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL Política de Investimentos Exercício de 2013 Política de Investimentos do RPPS do Município de Pelotas RS, aprovada pelo

Leia mais

Curso Preparatório CPA20

Curso Preparatório CPA20 Página 1 de 8 Você acessou como Flávio Pereira Lemos - (Sair) Curso Preparatório CPA20 Início Ambiente ) CPA20_130111_1_1 ) Questionários ) Passo 2: Simulado Módulo IV ) Revisão da tentativa 3 Iniciado

Leia mais

RO Roteiro Operacional Corpo de Bombeiros MG

RO Roteiro Operacional Corpo de Bombeiros MG Corpo de Bombeiros Militar - MG RO.04.03 Versão: 14 RO Roteiro Operacional Corpo de Bombeiros MG Área responsável: Gerência de Produtos Consignados Vers I - CONDIÇÕES GERAIS 1. PÚBLICO A SER ATENDIDO E

Leia mais

INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL NR Nº 001/2013 NORMA PARA CONCESSÃO E COBRANÇA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL SIMPLES

INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL NR Nº 001/2013 NORMA PARA CONCESSÃO E COBRANÇA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL SIMPLES NR Nº 001/2013 NORMA PARA CONCESSÃO E COBRANÇA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL SIMPLES 1. DO OBJETIVO 1.1. Esta norma dispõe sobre procedimentos a serem adotados no segmento da carteira de empréstimo pessoal na

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2009 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 OBJETIVOS... 2 2.1 OBJETIVO GERAL... 2 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 2 3 VIGÊNCIA... 3 3.1 MODELO DE GESTÃO... 3 3.2 PROCESSO

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

Como funcionam os fundos de investimentos

Como funcionam os fundos de investimentos Como funcionam os fundos de investimentos Fundos de Investimentos: são como condomínios, que reúnem recursos financeiros de um grupo de investidores, chamados de cotistas, e realizam operações no mercado

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO CAPITAL SEGURO ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição,

Leia mais

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: 02.269.

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: 02.269. Lâmina de Informações Essenciais do Informações referentes à Dezembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o TÍTULO FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO - LONGO PRAZO (Título

Leia mais

Política Anual de Investimentos. Período : 01/2010 a 12/2010

Política Anual de Investimentos. Período : 01/2010 a 12/2010 Regime Próprio de Previdência Social de Varginha(MG) Política Anual de Investimentos Período : 01/2010 a 12/2010 Política de Investimentos do RPPS do Município de Varginha(MG), aprovada em30/12/2009. 1.

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 As Diretrizes de Investimento Adotadas pelo Fundo de Previdência Social do Município de Goianésia 1. Introdução Atendendo à Resolução CMN nº. 3922, de 25 de novembro de 2010

Leia mais

POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO

POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO SERVIÇO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL Rua Monsenhor Soares nº. 65 Centro Itapetininga SP Fones (015)3271-0728 e 3271-7389(telefax) E-mail: seprem@uol.com.br POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ Aprovado pelo Comitê de Investimentos da Forluz na 330ª reunião de 14/09/2011 e na 331ª reunião de 23/09/2011. Válido para empréstimos solicitados a partir de 01/10/2011. REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ

Leia mais

PROPOSTA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - 2010

PROPOSTA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - 2010 Secretaria da Administração do Estado da Bahia Superintendência de Previdência Diretoria de Gestão Financeira Previdenciária e Investimentos PROPOSTA DE POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - 2010 REGIME PRÓPRIO

Leia mais