Trabalho na contemporaneidade questão social e Serviço Social Classes sociais, crise estrutural, Estado de bem-estar social

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trabalho na contemporaneidade questão social e Serviço Social Classes sociais, crise estrutural, Estado de bem-estar social"

Transcrição

1 Uma análise crítica do Estado de bem-estar social Albani de Barros 1 Modalidade de trabalho: Eixo temático: Palavras chave: Pesquisa bibliográfica Trabalho na contemporaneidade questão social e Serviço Social Classes sociais, crise estrutural, Estado de bem-estar social Este artigo busca analisar quais razões que determinaram a combinação do modelo de produção fordista com o Estado de bem-estar social na conjuntura estabelecida no período do pós-guerra. A partir desta avaliação, procuramos expor a impossibilidade de um restabelecimento desse formato de Estado em razão do estreitamento das balizas de ação da reprodução capitalista a partir de sua crise estrutural. Trata-se de uma pesquisa teórica que aborda a atuação do Estado, analisando como este permanece atrelado de forma inexorável às diretrizes das classes hegemônicas. No auxílio da apreciação histórica em que se instaurou o Estado de bemestar social, utilizamos os estudos de Lessa, Harvey e Mészáros. Para defesa da tese burguesa que argumentava uma alteração no Estado e nas classes, Keynes, principal causídico e idealizador, defendia que o Estado de bem-estar social se expandiria por toda planeta e modificaria consubstancialmente a sociedade capitalista, eliminando as diferenças entre as classes em tal magnitude, que já não caberia mais situá-las como antagônicas. A nova configuração da sociedade nos países centrais teria elevado o padrão econômico dos trabalhadores de tal forma que a classe trabalhadora estaria se fundindo com a burguesa e o principal instrumento que possibilitaria tal situação, seria a suposta nova atuação do Estado. O exame histórico da acumulação capitalista das últimas décadas e as perversas repercussões que a reestruturação produtiva trouxe para a classe trabalhadora demonstrou que o Welfare State não somente não se expandiu, como ruiu onde nos poucos países centrais onde se instalou. 1 Graduado em Comunicação Social (UFAL), Especialista em Planejamento e Gestão de Projetos Sociais (FITS), mestrando em Serviço Social (UFAL), com estudos direcionados para questão do trabalho e crise estrutural do capital. Brasil. 30 de Junho de Ponencia presentada en el XIX Seminario Latinoamericano de Escuelas de Trabajo Social. El Trabajo Social en la coyuntura latinoamericana: desafíos para su formación, articulación y acción profesional. Universidad Católica Santiago de Guayaquil. Guayaquil, Ecuador. 4-8 de octubre

2 Welfare State, estratégia do capital ou pacto social? É a partir da nova conjuntura estabelecida no período do pós-guerra, com a combinação do modelo de produção fordista com as ideias de Keynes do Welfare State que surge às primeiras teorias de repercussão que aludiam a perda da centralidade do trabalho. A base de argumentação surgiu em razão fundamentalmente do aparente novo papel que o Estado estaria a exercendo. As classes estariam se transformado de tal forma que já não caberiam mais situá-las como antagônicas, a nova configuração da sociedade capitalista nos países centrais teria elevado o padrão econômico dos trabalhadores de tal forma que: a classe operária efetivamente deixou de viver à parte (MALLET, apud LESSA, 2007, p. 41). Aquele mesmo velho Estado de caráter coercitivo, que não titubeava em colocar seu aparato policial para reprimir 2 o movimento dos trabalhadores, se mostrava naquele momento com outra aparência; passou a investir em uma série de áreas sociais, propiciava educação, saúde, moradia e ainda participava na organização de um novo tipo de sindicato, que lutava por melhores salários. Dessa forma, não caberia mais identificá-lo como sendo um Estado despótico a serviço da burguesia, ele teria se transformado substancialmente. Estaria cancelada a função apenas coercitiva do Estado, sendo este capaz de obter um pacto entre as classes, que até então pareciam terem objetivos inconciliáveis. O antagonismo entre a classe produtora da riqueza social e a que se apoderava dessa riqueza parecia está com seus dias contados. A ampliação daquele formato keynesiano para todo o planeta representaria o fim do conflito entre trabalhadores e burgueses, o crescimento da riqueza produzida propiciaria através desse pacto que uma maior parte da riqueza fosse distribuída com os trabalhadores. O futuro do capitalismo parecia algo promissor para toda sociedade. Contrariamente a essa utopia defendida por aqueles a quem Mészáros denominam de apologistas do capital, a história recente demonstrou que este sonho keynesiano se transformou num pesadelo décadas depois. A suposta lua de mel entre fordismo e welfare state foi uma estratégia do capital para crescimento acelerado da produção num cenário de retração de consumo no pósguerra, entretanto, contrariamente as previsões 3 de seus defensores, sua duração não foi 2 Cabe salientar que a repressão aos trabalhadores nesse período não foi abandonada, formas aperfeiçoadas de coerção são instauradas e até o retorno de antigos métodos repressivos ocorreram no Estado de Bem-Estar Social, é o caso da tortura. Cf. Lessa (2007). 3 Keynes chegou a decretar confiantemente em 1926 que a humanidade teria seus problemas econômicos completamente solucionados em cem anos. (KEYNES, apud, MÉSZÁROS, 2004, p ). Há menos de duas décadas de terminar o prazo indicado por Keynes, tal previsão parece ter tomado um rumo rigorosamente contrário. 2

3 longa. Do ponto de vista das contradições econômicas do próprio sistema capitalista, tal prolongamento seria impossível de sustentar-se. Considerando as esferas da produção e da circulação, se o aumento da produtividade é uma força autodeterminante da qual o capital necessita para prosseguir seu incessante processo de acumulação, em sentido contrário a esta necessidade, numa determinada altura desse desenvolvimento, o mesmo motivo que impulsionou a desenvolvimento, também acaba provocando taxa de lucros decrescentes (TAVARES, 2004). Este é exatamente o quadro econômico verificado entre o período do pós-guerra até a instalação da crise estrutural. Portanto, se pela configuração do sistema produtivo do capital a expansão da produção não significava um nivelamento de interesses em comum entre capital e trabalho, a própria manutenção desse desenvolvimento acelerado era impossível de prolongar-se duradouramente. Se o modelo do Estado de Bem-Estar Social foi instaurado com a intenção de elevar a lucratividade, com sua diminuição da taxa de lucros ocorrendo através do mesmo mecanismo, tal padrão produtivo passou a ser desinteressante para o capital. Se existe uma lei da qual o capital não ousa descumprir, é a sua insaciável sede por lucros. De acordo com Mandel: A partir de um certo momento da retomada ou da conjuntura de crescimento, há um aumento inevitável da composição orgânica do capital, em decorrência de um progresso técnico que, no regime capitalista, não é jamais neutro mas essencialmente poupador de trabalho (substituindo a mão-de-obra por máquinas) e da ampliação dos investimentos que se desenvolvem em uma conjuntura favorável. Esse aumento da composição orgânica do capital pode, durante um certo período, deixar intacta a taxa de lucros (é a fase lua de mel do boom), logo que é acompanhado de uma grande elevação da taxa da mais-valia, de uma baixa relativa dos preços de matérias-primas e / ou de um investimento crescente de capitais nos setores ou nos países cuja a composição orgânica do capital é mais débil. Entretanto, a lógica da expansão mina as condições dessa lua-de-mel. (1990, p ). Não é a questão central dessa pesquisa a análise econômica do período do Estado de Bem-Estar Social, contudo, compreendemos que esse mínimo cenário apresentado é imprescindível para entender, sob o ponto de vista das contradições que regem o capital, que a continuidade prolongada do crescimento econômico seria rigorosamente uma impossibilidade. Nesse caso, a história demonstrou cabalmente que radicalmente ao contrario do que os apologistas do capital imaginavam; a combinação entre Welfare State e fordismo apenas contribuiu para o estabelecimento da crise estrutural do capital descrita por Mészáros (2002). 3

4 O mesmo Estado e as novas necessidades. Para iniciarmos uma reflexão rigorosa sustentada em Marx sobre a impossibilidade de pacto entre as classes e da inexistência de interesses em comum entre trabalhadores e burguesia, entendemos que esta miragem é formulada no território da política. Nas palavras de Lessa & Tonet: Essa ilusão de que capitalistas e trabalhadores compartilham de um destino comum, sempre segundo Marx e Lukács, tem forte influencia nas lutas políticas, pois é o fundamento da ilusão de que o Estado e o Direito são instituições sociais que representam os interesses de toda sociedade. (2008, p. 101). A aparente atuação do Estado no período posterior à segunda guerra parecia desautorizar a concepção de Marx. A aparência do Estado naquela quadra histórica contradizia com a tradição marxista que descrevia o Estado como um organismo auxiliar necessário a manutenção da dominação da classe parasitária sobre a classe trabalhadora. Sobre os limites e a essência da ação do Estado, Marx escreve que: O Estado não pode eliminar a contradição entre a função e a boa vontade da administração, de um lado, e os meios e possibilidades, de outro, sem se eliminar a si mesmo, uma vez que repousa sobre essa contradição [...] Por isso, a administração deve limitar-se a uma atividade formal e negativa, uma vez que exatamente lá onde começa a vida civil e o seu trabalho, cessa o seu poder. (1995, p. 80). Vejamos que, existia uma contradição na exterioridade imediata do Welfare State com o conceito de Marx sobre a essência do Estado. Na concepção de Marx, o Estado não pode alterar radicalmente a realidade da sociedade, independente do interesse administrativo de quem esteja a sua frente. Não se trata de um determinismo de caráter subjetivo, trata-se de uma constatação da função histórica 4 desempenhada por este complexo social, não sendo outra senão auxiliar a classe hegemônica no controle da classe trabalhadora. A questão é que o exame superficial do Estado de Bem-Estar Social negava essa teoria de Marx, ao menos aparentemente era isso que se apresentava. 4 Apoiando-se em Marx e Engles, Lessa esclarece que: Com a divisão das sociedades em classes após a Revolução Neolítica, as classes dominantes muito cedo tiveram que resolver um problema para elas decisivo: como os trabalhadores eram em número muito maior que os seus senhores, apenas seria possível mantê-los trabalhando para produzir a riqueza da classe dominante se esta contasse com um mecanismo especial de repressão dos trabalhadores. Esse mecanismo é o Estado. Ele é composto pela burocracia, exerce o monopólio da violência e conta com um conjunto de regras escritas que regulam a propriedade privada (LESSA, 2007b, p. 53). 4

5 Uma análise mais aprofundada, com o auxilio da história, demonstra que essa aparência do Estado de Bem-Estar Social esconde uma bem elaborada estratégia que possibilitou o enfraquecimento da combatividade da classe trabalhadora naquele momento histórico, o que somente reforça a teoria de Marx sobre o caráter coercitivo do Estado. A história também demonstrou que as graves consequências para classe trabalhadora dessa ilusão não foram poucas e se tornaram graves e urgentes com a chegada da crise estrutural. A concepção que indica ser o Estado de Bem-Estar Social fundamentalmente uma estratégia do capital não parece ser hegemônica entre os pensadores contemporâneos. Vasapollo (2007), convicto marxista, ao tratar do Welfare state argumenta que: O Estado de bem-estar social não é outra coisa senão uma conseqüência, uma forma ou modo de apresentar as relações e as formas de ser do capitalismo, em um momento em que as relações de força entre capital e trabalho eram majoritariamente, em relação a hoje, favoráveis ao movimento dos trabalhadores. (VASAPOLLO, 2007, p. 19) A despeito da questão se hoje o movimento dos trabalhadores é menos intenso que no período pós-guerra, o que é possível concordar com Vasapollo. O que é relevante para nossa pesquisa, é que, no entender desse autor, o Welfare State foi o resultado da luta política entre trabalhadores e a burguesia; que através da força do movimento operário foi possível instaurar políticas sociais em benefício da classe trabalhadora. O capital teria se tornado menos perverso por pressão da classe trabalhadora. A ideia de que a pressão política dos trabalhadores propiciou a concessão por parte do capital de diversos benefícios sociais e de uma série de garantias trabalhistas parece desconhecer a própria lógica de acumulação capitalista. Ignora que a forma que o capital consegue reproduzir-se é explorando a mais- valia, é sugando força viva do trabalho. A maior acumulação obtida pela classe parasitária não significa que esta num ato de generosidade repartirá seu tesouro com os reais produtores (MARX, 2008). Riqueza para poucos e miséria para muitos é a dura realidade que o capital tem construído na relação com a classe trabalhadora. De forma diferente a esta perspectiva que afirma que o Welfare State teria sido o resultado de um embate entre trabalhadores e capitalistas, estando os primeiros em situação mais privilegiada, o período do pós-guerra é marcado por profundas derrotas do movimento operário (LESSA, 2007, p. 279). Harvey reforça, ao indicar que logo após o conflito mundial encerrado em 1945, o momento foi de derrota dos movimentos operários 5

6 radicais que ressurgiam no período pós-guerra imediato (2002, p. 125). Sendo um momento marcado por uma série 5 de importantes derrotas dos trabalhadores, qual então teria sido o poder de barganha desses sobre a burguesia para forçar essa a construir um pacto? O movimento operário não se encontrava forte o suficiente para impor ao capital que esse acionasse o Estado para realizar ações sociais daquela ordem. Da mesma forma, considerando a lógica pela busca da acumulação permanente que rege o capital, é inconcebível imaginar que repentinamente a burguesia incorporou um espírito altruísta que a levou a criar o Welfare State. É na busca da lucratividade e no receio de uma nova crise nos padrões da que ocorrera em 1929 que o Estado de Bem-Estar Social é motivado. Três questões conjunturais dificultavam o aumento da produção e a manutenção da taxa de lucros. A primeira era a retração do consumo existente em razão do esforço de guerra; dito de outra forma, o consumidor tinha se acostumado durante os anos em que o conflito perdurou a não comprar frugalidades, nada que fosse desnecessário (LESSA, 2007), isso ocorria como meio de economizar em casa para disponibilizar mais recursos aos pracinhas no campo de combate (Ibidem, p. 280, grifos do autor). O segundo aspecto era o grande desemprego, o que significava ausência de consumidores com dinheiro disponível para comprar. Uma gigantesca legião de soldados voltava para casa e estavam sem emprego (Ibidem). Terceiro aspecto: a produção destrutiva voltada para alimentar a máquina guerra não tinha mais a mesma escala de demanda com o fim do conflito mundial, tanques, aviões, navios, armamentos, fardas, remédios, rações alimentícias, combustíveis, etc., eram produtos que, do dia pra noite, tiveram suas demandas reduzidas (Ibidem, p. 280). Diante dessa situação, com a necessidade urgente de ampliação do consumo, o objetivo do capital estava voltado para construção de uma massa de consumidores com maior poder de compra, bem como, com maior tempo fora do trabalho para que pudesse consumir em nichos de mercado até então pouco explorados pelo capital, como, por exemplo, serviços de lazer (HARVEY, 2002). Era preciso, portanto, salários maiores e 5 Sobre a seqüência de derrotas do movimento operário nessa quadra histórica, especialmente na Europa, Cf. Lessa, (2007, p. 279). No Japão, conforme Gounet (1999), as grandes derrotas dos trabalhadores nesse período ocorrem em 1950, quando a Toyota decidiu demitir 2 mil operários, tendo como resposta dos trabalhadores uma greve, entretanto, graças ao apoio dos bancos a empresa venceu o confronto e as demissões mantiveram-se. Mais grave ainda para os trabalhadores foi a o choque entre o sindicato e a montadora Nissan em 1953, esta promoveu um locaute e com apoio de 2 bancos conseguiu o dinheiro equivalente a um ano de negócios. Em seguida os líderes do movimento grevistas foram presos e foi criado um novo sindicato ligado a empresa. Esfaimados, desmobilizados, chantageados, os trabalhadores voltam a empresa. A Nissan criou o sindicato-casa, aquele que hoje é o típico sindicado japonês, rapidamente imitado em todo o arquipélago (GOUNET, 1999, p. 31). 6

7 diminuição da jornada de trabalho. As concessões oferecidas pelo capital nada mais foram do que estratégias para estabilizar e dinamizar sua própria autoreprodução. É imprescindível mencionar de que essas supostas conquistas dos trabalhadores não foram frutos da luta da classe operária. No âmbito sindical, as centrais dos trabalhadores encontravam-se sob o domínio do capital, conforme Lessa: domesticados, os sindicatos no pós-guerra incorporaram muitas das tarefas que, no passado, eram típicas dos inspetores do Estado que Marx descreve em o Capital (Ibidem. P.282). O Estado de Bem-Estar Social pode ser compreendido, de forma abreviada, como um movimento realizado por menos de uma dúzia de países centrais que teceram uma malha de exploração pelo mundo 6 através de empresas transnacionais. Com isto, possibilitou trazer para estas nações imperialistas uma enorme quantidade de riqueza expropriada dos países periféricos (Ibidem). O problema é que, esta superprodução necessitava ser consumida e o cenário do pós-guerra, conforme já descrito anteriormente, era desfavorável para essa finalidade. O papel do Estado de Bem-Estar Social foi fundamentalmente assegurar um elevado nível de consumo; de forma a evitar uma crise de superprodução de consequências desastrosas para o capital. O próprio Estado passou a ser um dos grandes consumidores, investindo no complexo industrial militar apesar do fim do conflito mundial (MÉSZÁROS, 2004), construindo escolas, hospitais e comprando insumos para essas áreas. Além disto, o Estado tratou de criar uma enorme estrutura que propiciou a ampliação acelerada dos novos meios de comunicação, que por sua vez, colaboraram com a disseminação de novos padrões de consumo e com um intensivo processo ideológico de rejeição ao socialismo (KUMAR, 2006). Este complexo de mídia por um lado, auxiliou através da publicidade o consumo de novos produtos e, por outro, a propaganda política tratou de difundir a idéia anticomunista pelo mundo afora. (Ibidem, LESSA, 2007). O outro aspecto, que tem muito a ver com o modelo de produção fordista, é relativo à grande aglomeração de trabalhadores nas unidades industriais, o que facilitava a articulação da classe operária. Nesse sentido, era necessário que o capital desarticularse os movimentos mais radicais (HARVEY, 2002). A ofensiva do capital sobre o trabalho tinha razões especificas. Era imprescindível um tipo de sindicato dócil, que não se 6 Harvey reforça essa perspectiva ao mencionar que: O fordismo do pós-guerra também teve muito de questão internacional. O longo período de expansão do pós-guerra dependia de modo crucial de uma maciça ampliação dos fluxos de comércio mundial e de investimento internacional (2002, p. 131). Tal expansão comercial ocorreu tanto por políticas de ocupação, ou indiretamente por meio do plano Marshall. Tudo isso se abrigava sob o guarda-chuva hegemônico do poder econômico dos Estados Unidos, baseado no domínio militar (Ibidem). 7

8 opusesse a lógica de acumulação capitalista; que em última instância colabora-se com os interesses burgueses e, que no máximo ousa-se reivindicar aumento de salários. No entanto, os trabalhadores estavam aglutinados em grandes plantas industriais e isso sempre gerava um risco a mais, como observa Harvey: O acúmulo de trabalhadores em fábricas de larga escala sempre trazia, no entanto, a ameaça de uma organização trabalhista mais forte e do aumento do poder da classe trabalhadora daí a importância do ataque político a elementos radicais do movimento operário depois de 1945 (Ibidem, p. 129). As alterações no sindicalismo ocorridas no Welfare State, gravitando de opositores do capitalismo para movimentos integrados a reprodução do capital, teve repercussões desastrosas para a classe trabalhadora. Se durante a chamada época gloriosa do capitalismo foi possível devolver aos trabalhadores, na forma de benefícios sociais promovidos pelo Estado, uma parcela um pouco maior da riqueza que estes últimos efetivamente produziam. Com a chegada da crise estrutural, o que fica para a classe trabalhadora é essencialmente apenas miséria, desemprego e o completo agravamento das condições de subsistência material (MÉSZÁROS, 2002). Do ponto de vista do imperioso conflito de interesses que norteia a classe que produz e a que a controla. O projeto estratégico do Welfare State ao tempo que, possibilitou uma acumulação fabulosa para os países centrais durante sua vigência, também permitiu um processo de domesticação dos sindicatos, de conformação dos trabalhadores em aliados a acumulação capitalista. O retorno para classe trabalhadora neste período foi alguns ganhos sociais e a expansão de empregos gerada pelo aumento da produção em massa. Em contrapartida, esta fase, para a desgraça da classe trabalhadora, também possibilitou a formatação de um novo tipo de sindicalismo, mais dócil ao capital, o que facilitou profundamente a instalação do neoliberalismo décadas depois. Conforme Lessa: O Estado de Bem-Estar foi uma etapa preparatória para o neoliberalismo que estava por vir; a dívida externa dos países periféricos e a maior presença dos capitais imperialistas em suas economias, aliadas à quase inexistência da reação dos trabalhadores ao neoliberalismo nascente, fez com que a transição do Estado de Bem-Estar para o Estado neoliberal fosse surpreendentemente tranquila, levando-se em consideração o que os assalariados perderam (2007, p. 290). 8

9 A ilusão criada pelo Welfare State está em considerar como possível o alinhamento de interesses entre a classe que produz a riqueza social, com aquela que dela se apropria. Da mesma forma, seria considerar que a exploração legitimada pelo Estado receberia também a chancela dos trabalhadores, em última instancia, representa considerar natural o aviltamento que o ser humano sofre ao ser transformado em uma mercadoria. Tal impossibilidade decorre do fato de que os interesses que movem cada uma das classes fundamentais são antagônicos, estruturados em bases econômicas inconciliáveis. A lógica do capital impõe que as necessidades a serem atendidas sejam reduzidas primordialmente à garantia do lucro do capitalista (LESSA e TONET, 2008). Qualquer outra possibilidade que obstrua esse objetivo é eliminada, se preciso for, com uso da força e da violência. A história é uma testemunha tão franca disso, que os exemplos são desnecessários. Não é que a luta pela ampliação de direitos sociais e garantias trabalhistas, bem como a reivindicação por melhores salários seja desnecessária, muito pelo contrário, tampouco desconsideramos a importância dessas conquistas. O problema se encontra na restrição da luta dos trabalhadores a esta esfera, onde o horizonte revolucionário é ignorado. Não é apenas algumas frações das desumanidades produzidas pelo capital que devem ser superadas. A exigência de melhores condições de trabalho por parte dos sindicatos, a cobrança endereçada ao Estado por melhores condições de saúde, educação e moradia e a requisição por maiores salários não superam a desumanidade da exploração do homem sobre o homem, tais reivindicações estão nos limites da cidadania, não da emancipação humana. Desta forma: para Marx e Lukács, a desumanidade a alienação da relação entre as personificações do capital que se expressam no burguês e no operário não está nos baixos salários, está no próprio fato de existir salário (LESSA e TONET, 2008, p. 100). Dos delírios de quem acreditava na possibilidade do Estado de Bem-Estar Social se expandir pelo mundo afora e de forma duradoura, restou apenas a resposta do capital com as perversas repercussões para a classe trabalhadora oriundas da reestruturação produtiva e do neoliberalismo. A crise estrutural consubstanciada a partir do início da década de 1970 ativou os limites absolutos do capital (MÉSZÁROS, 2002) e as concessões estratégicas possibilitadas no pós-guerra seguem um contínuo processo de regressão, mesmo nos países centrais. A grande lição que se tira das políticas sociais instauradas durante a vigência do Estado de bem-estar social nos países imperialistas, é que apesar de serem necessárias; pela sua absoluta incapacidade de transformar 9

10 radicalmente as desigualdades produzidas pelo capitalismo, são igualmente ineficazes para o projeto de emancipação do gênero humano. Considerações finais Na concepção de Marx, o Estado não pode alterar radicalmente a realidade da sociedade, independente da boa vontade administrativa de quem esteja a sua frente. O exame superficial do Estado de Bem-Estar Social negava essa teoria de Marx, ao menos aparentemente, era isso que se apresentava. Aquele mesmo velho Estado de caráter coercitivo, que não titubeava em reprimir o movimento dos trabalhadores, se mostrava nesse momento com outra aparência, agora investia em uma série de áreas sociais, propiciava educação, saúde, moradia e ainda participava na organização de um novo tipo de sindicato, que lutava por melhores salários. Partindo da teoria marxiana, Lessa compreende que a lua de mel entre fordismo e Estado de bem-estar social consubstanciou em uma estratégia do capital para crescimento acelerado da produção num cenário de retração de consumo no pós-guerra e contrariamente as previsões de seus defensores, sua duração não foi longa. O projeto estratégico do welfare state ao tempo que, permitiu uma acumulação fabulosa para os países centrais durante sua vigência, também instrumentalizou um processo de domesticação dos sindicatos, facilitando profundamente a instalação do neoliberalismo décadas depois. Com a chegada da crise estrutural do capital, o Estado sequer consegue contribuir decisivamente para resolver de forma profunda os problemas da acumulação capitalistas gerados a partir do agravamento dessa crise, atuando apenas na atenuação dos efeitos, assim sendo, as possibilidades de auxílio ao conjunto da sociedade encontram-se cada vez mais limitados. 10

11 Referências GOUNET, Thomas, Fordismo e Toyotismo na civilização do automóvel. São Paulo: Boitempo, HARVEY, David. Condição pós-moderna. São Paulo: Edições Loyola, KUMAR, Krisham. Da sociedade pós-industrial à pós-moderna novas teorias sobre o mundo contemporâneo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, LESSA, Sérgio. Trabalho e proletariado no capitalismo contemporâneo. São Paulo: Cortez, LESSA, Sergio; TONET, Ivo. Introdução à filosofia de Marx. São Paulo: Expressão Popular, MANDEL, E. A crise do capital: os fatos e sua interpretação marxista. São Paulo; Campinas, UNICAMP, MARX, Karl. Glosas críticas marginais ao artigo O rei da Prússia e a reforma social de um prussiano. In: Praxis nº. 5. Belo Horizonte: Projeto Joaquim de Oliveira, Trabalho assalariado e capital & salário, preço e lucro. São Paulo: Expressão Popular, MÉSZÁROS, István. Para além do capital. São Paulo: Boitempo, O poder da ideologia. São Paulo: Boitempo, TAVARES, Maria Augusta. Os fios (in)visíveis da produção capitalista. Informalidade e precarização do trabalho. São Paulo: Cortez, VASAPOLLO, Luciano Por uma política de classe: Uma interpretação marxista do mundo globalizado. São Paulo, Expressão Popular,

Subsunção formal e real do trabalho ao capital e suas implicações nas relações sociais Bárbara Cristhinny G.Zeferino 1 barbara_formacaoal@yahoo.com.

Subsunção formal e real do trabalho ao capital e suas implicações nas relações sociais Bárbara Cristhinny G.Zeferino 1 barbara_formacaoal@yahoo.com. Subsunção formal e real do trabalho ao capital e suas implicações nas relações sociais Bárbara Cristhinny G.Zeferino 1 barbara_formacaoal@yahoo.com.br Modalidad de trabajo: Eje temático: Palabras claves:

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

Resenha. Mestrando em Política Científica e Tecnológica no Instituto de Geociências da UNICAMP. E-mail: renandoliveira@yahoo.com.br.

Resenha. Mestrando em Política Científica e Tecnológica no Instituto de Geociências da UNICAMP. E-mail: renandoliveira@yahoo.com.br. Resenha NOVAES, Henrique Tahan (Org.). O Retorno do Caracol à Sua Concha: alienação e desalienação em associações de trabalhadores. São Paulo: Expressão Popular, 2011. Renan Dias Oliveira O livro de Henrique

Leia mais

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Segundo diferentes autores, como ANTUNES (1999), HARVEY (2001), GOUNET (1999), KURZ (1996) entre outros, vivemos, atualmente, o chamado desemprego

Leia mais

DESIGUALDADE SOCIAL E CAPITALISMO: os limites da igualdade sob a ordem burguesa

DESIGUALDADE SOCIAL E CAPITALISMO: os limites da igualdade sob a ordem burguesa DESIGUALDADE SOCIAL E CAPITALISMO: os limites da igualdade sob a ordem burguesa Joseane Gomes Figueiredo 1 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo discutir as raízes materiais da desigualdade social

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE

A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE II Semana de Economia Política GT 3 Trabalho e produção no capitalismo contemporâneo A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE Resumo Inaê Soares Oliveira 1 Lohana Lemos

Leia mais

Organizações de defesa do cidadão

Organizações de defesa do cidadão Organizações de defesa do cidadão Denise Catarina Silva Mangue Ser cidadão na sociedade da informação Em 1976, o inglês T. H. Marshall um dos principais pensadores contemporâneos envolvidos na discussão

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB,

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, 2009. p. 24-29. CAPITALISMO Sistema econômico e social

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL OU CRESCIMENTO INSUSTENTÁVEL: UMA DISCUSSÃO SOBRE A VIGENTE FORMA DE SOCIABILIDADE SOB O VIÉS SOCIAL E ECOLÓGICO.

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL OU CRESCIMENTO INSUSTENTÁVEL: UMA DISCUSSÃO SOBRE A VIGENTE FORMA DE SOCIABILIDADE SOB O VIÉS SOCIAL E ECOLÓGICO. Eixo temático: Ciências Sociais DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL OU CRESCIMENTO INSUSTENTÁVEL: UMA DISCUSSÃO SOBRE A VIGENTE FORMA DE SOCIABILIDADE SOB O VIÉS SOCIAL E ECOLÓGICO. Matheus Sousa Ribeiro 1 RESUMO:

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012 CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012 ESTAMOS CONDENADOS A SER DESIGUAIS? No mundo em que vivemos, percebemos que os indivíduos são diferentes

Leia mais

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883)

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) O pensamento de Marx: Proposta: entender o sistema capitalista e modificá-lo [...] (COSTA, 2008, p.100). Obra sobre o capitalismo: O capital.

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL (SENAI): CRIAÇÃO E PROPOSTAS EDUCATIVAS / CONTRIBUIÇÕES À FORMAÇÃO SOCIAL

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

A armadilha dos juros

A armadilha dos juros A armadilha dos juros Luiz Carlos Bresser-Pereira e Yoshiaki Nakano Folha de S.Paulo, 20.02.02 A função principal da taxa de juros alta no Brasil é manter artificialmente sobrevalorizado o câmbio flutuante.

Leia mais

Desafíos para la formación profesional en América Latina y Caribe

Desafíos para la formación profesional en América Latina y Caribe Fórum de supervisores e formação profissional: relato de uma experiência político-acadêmica e pedagógica na Faculdade de Mauá - SP 1 Maria Liduína de Oliveira e Silva 2 liduoliveira@ig.com.br Rodrigo José

Leia mais

Socialismo ou capitalismo, eis a questão!

Socialismo ou capitalismo, eis a questão! Socialismo ou capitalismo, eis a questão! O presidente de honra do PT e candidato à presidência da Re-pública, Luiz Inácio Lula da Silva, falando na abertura do Seminário Socialismo e Democracia, promovido

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

What Are the Questions?

What Are the Questions? PET-Economia UnB 06 de abril de 2015 Joan Robinson Mrs. Robinson Formou-se em Economia na Universidade de Cambridge em 1925 Em 1965, obteve a cadeira de professora titular em Cambridge Economista pós-keynesiana

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

PACTO SOCIAL AMEAÇADO

PACTO SOCIAL AMEAÇADO PACTO SOCIAL AMEAÇADO Luiz Carlos Bresser-Pereira Folha de S. Paulo, 26.03.1981 A elevação decisiva das taxas de inflação e a configuração clara de uma recessão econômica nos dois primeiros meses de 1981

Leia mais

AS ATUAIS POLÍTICAS DA REDE OFICIAL DE ENSINO BÁSICO DE SÃO PAULO: Membros de uma realidade perversa

AS ATUAIS POLÍTICAS DA REDE OFICIAL DE ENSINO BÁSICO DE SÃO PAULO: Membros de uma realidade perversa AS ATUAIS POLÍTICAS DA REDE OFICIAL DE ENSINO BÁSICO DE SÃO PAULO: Membros de uma realidade perversa Luís Fernando de Freitas Camargo Professor do Curso de Geografia e Especialização em PROEJA Centro Federal

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO DE KARL MARX

A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO DE KARL MARX A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO DE KARL MARX ROSA, Aline Azevedo 1 DELGADO, Valéria 2 MARTINS, Eduardo 3 RESUMO Este artigo abordará a temática acerca da disciplina sociologia da educação. Esta disciplina

Leia mais

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Gustavo Henrique Lopes Machado Vimos nos dois artigos iniciais desta série o conceito preciso de mercadoria, assim como dos ditos serviços. Sendo que,

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL: TERCEIRO SETOR OU APARELHO DE HEGEMONIA? Edilson José Graciolli

RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL: TERCEIRO SETOR OU APARELHO DE HEGEMONIA? Edilson José Graciolli RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL: TERCEIRO SETOR OU APARELHO DE HEGEMONIA? Edilson José Graciolli Professor de Sociologia e Ciência Política do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal

Leia mais

Aula anterior... Revisão Geral de Conteúdo

Aula anterior... Revisão Geral de Conteúdo Aula anterior... Revisão Geral de Conteúdo Reveja esta aula em: http://www.joseferreira.com.br/blogs/sociologia/ Professor: Danilo Borges - Sociologia Aula de hoje... Aprofundamento do problema do trabalho

Leia mais

O advento das tecnologias da era pósindustrial

O advento das tecnologias da era pósindustrial 3.2 AS CRISES DO CENÁRIO O advento das tecnologias da era pósindustrial As tecnologias que ordenaram a era industrial foram ultrapassadas pelas novas tecnologias surgidas a partir do século XX, especialmente

Leia mais

A crítica à razão especulativa

A crítica à razão especulativa O PENSAMENTO DE MARX A crítica à razão especulativa Crítica a todas as formas de idealismo Filósofo, economista, homem de ação, foi o criador do socialismo científico e o inspirador da ideologia comunista,

Leia mais

Estudos do Trabalho Ano III Número 6-2010 Revista da RET Rede de Estudos do Trabalho www.estudosdotrabalho.org

Estudos do Trabalho Ano III Número 6-2010 Revista da RET Rede de Estudos do Trabalho www.estudosdotrabalho.org CRISE CAPITALISTA E QUESTÃO SOCIAL NA CONTEMPORANEIDADE Gilmaísa Macedo da Costa Doutora em Serviço Social Professora do Curso de Serviço Social (UFAL) Resumo O texto discute a questão social entendida

Leia mais

Economia popular solidária: Uma perspectiva anticapitalista

Economia popular solidária: Uma perspectiva anticapitalista Economia popular solidária: Uma perspectiva anticapitalista Sérgio Kapron A Economia Popular Solidária, e todo universo ainda não muito preciso que ela envolva, tem ocupado um espaço crescente entre militantes

Leia mais

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais.

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais. 1 Origem do termo O trabalho é o conjunto de atividades por meio das quais o ser humano cria as condições para sua sobrevivência. Por esta característica, sempre foi indispensável na vida dos indivíduos.

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST TÍTULO: Elementos para um debate histórico e conceitual da cooperação no contexto das relações de produção capitalistas e a concepção do MST. NOME DO AUTOR: Michelly Ferreira Monteiro Elias. CONDIÇÃO:

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

RESENHA O trabalho docente voluntário: a experiência da UFSC

RESENHA O trabalho docente voluntário: a experiência da UFSC RESENHA O trabalho docente voluntário: a experiência da UFSC, de Maria Izabel da Silva. Florianópolis, Editora da UFSC, 2010, 152 p., ISBN 978-85-328-0372-6. Numa época de profundas transformações no mundo

Leia mais

Reestruturação Produtiva em Saúde

Reestruturação Produtiva em Saúde Trabalho em Saúde O trabalho Toda atividade humana é um ato produtivo, modifica alguma coisa e produz algo novo. Os homens e mulheres, durante toda a sua história, através dos tempos, estiveram ligados,

Leia mais

Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri

Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri Marx, Durkheim e Weber Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri Problemas sociais no século XIX Problemas sociais injustiças do capitalismo; O capitalismo nasceu da decadência

Leia mais

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS Maria Teresa Buonomo de Pinho * O objetivo deste artigo é examinar o caráter de ideologia da práxis educativa e o papel relativo que

Leia mais

EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE

EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE 1 EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE Ivo Tonet Introdução É lugar-comum afirmar que a humanidade está vivenciando, atualmente, uma crise de gravíssimas proporções. Crise que não afeta apenas algumas, mas todas as

Leia mais

ação do primeiro setor, representado pelo Estado, que gradativamente exime-se de suas funções básicas, delegando-as a outras esferas da sociedade.

ação do primeiro setor, representado pelo Estado, que gradativamente exime-se de suas funções básicas, delegando-as a outras esferas da sociedade. O TRABALHO VOLUNTÁRIO NO ÂMBITO DO SETOR PRODUTIVO PRIVADO: REFLEXÕES SOBRE OS NOVOS DISPOSITIVOS DA REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA MIRANDA, Aline Barbosa UFU alinebarbosas@yahoo.com.br SILVA, Maria Vieira UFU

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

Da era fordista ao desemprego estrutural da força de trabalho: mudanças na organização da produção e do trabalho e seus reflexos 1

Da era fordista ao desemprego estrutural da força de trabalho: mudanças na organização da produção e do trabalho e seus reflexos 1 Da era fordista ao desemprego estrutural da força de trabalho: mudanças na organização da produção e do trabalho e seus reflexos 1 Vinicius Correia Santos 2 Introdução Como conseqüência da reestruturação

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

As determinações do trabalho no modo de produção capitalista

As determinações do trabalho no modo de produção capitalista As determinações do trabalho no modo de produção capitalista Amanda Larissa Magalhães Ferreira 1 Luciene de Barros correia Teotonio 2 Sanney Karoliny Calixto Barbosa 3 Resumo: O presente artigo tem como

Leia mais

Revolução Industrial e Socialismo. A Revolução Industrial.

Revolução Industrial e Socialismo. A Revolução Industrial. Aula 11 Revolução Industrial e Socialismo Nesta aula, iremos tratar da Revolução Industrial e de suas conseqüências para o mundo contemporâneo. Entre as conseqüências, destaque para o desenvolvimento de

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo O Consulado: Economia, Educação

Leia mais

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO Maria Cristina de Souza ¹ Possui graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas -PUCCAMP(1988),

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho:

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho: Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 38 DIREITO COLETIVO DO TRABALHO Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições

Leia mais

FEDERAÇÃO ÚNICA DOS PETROLEIROS

FEDERAÇÃO ÚNICA DOS PETROLEIROS A FUP defende Mudanças Imediatas no Marco Regulatório da Indústria de Exploração, Produção e Comercialização de Petróleo e Gás Natural no Brasil Documento final aprovado pela primeira reunião do Conselho

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR

TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Refere-se ao conjunto de atividades desenvolvidas pelo professor/pesquisador no âmbito das relações estabelecidas com a instituição de ensino, considerando seus fins

Leia mais

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves Estamos vivendo um período extremamente difícil, onde as relações sociais encontram em plena estagnação.

Leia mais

PLANEJAMENTO E GESTÃO. Renato De Marchi

PLANEJAMENTO E GESTÃO. Renato De Marchi PLANEJAMENTO E GESTÃO Renato De Marchi Processo de Trabalho e Eficiência Produtiva Com o avanço da divisão do trabalho, a ocupação da maior parte daqueles que vivem do trabalho, isto é, da maioria da população,

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br ASSOCIAÇÃO DOS CONSULTORES LEGISLATIVOS E DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Cadernos ASLEGIS ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br http://bd.camara.leg.br Glohalização das finanças:

Leia mais

ENTREVISTA - Precarização no trabalho virtual do call center e da TI

ENTREVISTA - Precarização no trabalho virtual do call center e da TI ENTREVISTA - Precarização no trabalho virtual do call center e da TI O que os trabalhadores do call center e de programação e produção de software têm em comum? Esta é uma das questões que o sociólogo

Leia mais

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin Francisco Alambert 1 Resumen: A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer formulou-se uma chave dialética

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano 1. Apresente as ideias de Tese, antítese e síntese idealizados por Hegel. 2. Uma das faculdades mais importantes do ser humano é pensar. Nenhum homem conseguiria

Leia mais

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Stênio Eduardo de Sousa Alves Universidade Federal de Uberlândia stenioche@yahoo.com.br Resumo Nos marcos de uma sociedade capitalista globalizada em que

Leia mais

O PROCESSO DE PRODUÇÃO/REPRODUÇÃO SOCIAL; TRABALHO E SOCIABILIDADE 1

O PROCESSO DE PRODUÇÃO/REPRODUÇÃO SOCIAL; TRABALHO E SOCIABILIDADE 1 Texto ABESS 23/06/06 18:35 1 O PROCESSO DE PRODUÇÃO/REPRODUÇÃO SOCIAL; TRABALHO E SOCIABILIDADE 1 Qual a relação entre os homens e a natureza? O que torna o ser social distinto da natureza? Por que o trabalho

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

PLATAFORMA OPERÁRIA E CAMPONESA DE ENERGIA

PLATAFORMA OPERÁRIA E CAMPONESA DE ENERGIA PLATAFORMA OPERÁRIA E CAMPONESA DE ENERGIA Brasília, 24 de Agosto de 2010. PLATAFORMA OPERÁRIA E CAMPONESA DE ENERGIA Ao Povo Brasileiro e às organizações do campo e da cidade A questão energética, na

Leia mais

Algumas considerações sobre o trabalho informal no capitalismo contemporâneo

Algumas considerações sobre o trabalho informal no capitalismo contemporâneo Algumas considerações sobre o trabalho informal no capitalismo contemporâneo Thiago Leibante * Introdução O trabalho informal é um fenômeno social que se encontra em praticamente todo o mundo capitalista.

Leia mais

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo Prof. Dr. Elydio dos Santos Neto AS CONTRIBUIÇÕES DE ANTONIO GRAMSCI PARA COMPREENDER A ESCOLA E O PROFESSOR NA ESTRUTURA DA SOCIEDADE CAPITALISTA 1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo No

Leia mais

Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é:

Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é: Atividade extra Fascículo 3 Sociologia Unidade 5 Questão 1 Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é: a. Isolamento virtual b. Isolamento físico c.

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

Desenvolvimento Social em Comunidades Costeiras: revisitando a pesquisaação

Desenvolvimento Social em Comunidades Costeiras: revisitando a pesquisaação Desenvolvimento Social em Comunidades Costeiras: revisitando a pesquisaação 1 Modalidade: Eixo: Maria das Graças e Silva 2 graça_pe@yahoo.com.br Nailsa Maria Souza Araújo 3 nayaraujo5@yahoo.com.br Apresentação

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino-

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino- Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 28, 2012, 229-233 Resenha O Continente do Labor, de Ricardo Antunes (São Paulo, Boitempo, 2011) Graça Druck A iniciativa de Ricardo Antunes de

Leia mais

Sergio Lessa/ Prof. Departamento de Filosofia da Universidade Federal de Alagoas e membro

Sergio Lessa/ Prof. Departamento de Filosofia da Universidade Federal de Alagoas e membro 1 Marx, Lukács, trabalhadores e proletariado 1 Sergio Lessa/ Prof. Departamento de Filosofia da Universidade Federal de Alagoas e membro do comitê editorial da Revista Crítica Marxista Em vastas áreas

Leia mais

T e r c e i r i z a ç ã o

T e r c e i r i z a ç ã o T e r c e i r i z a ç ã o O que é...o que é? O Direito considera a TERCEIRIZAÇÃO uma das formas de relação do trabalho... Por isto, é passível de Lei... O DIEESE conceitua a TERCEIRIZAÇÃO, como sendo:

Leia mais

Unic Sorriso Economia

Unic Sorriso Economia Professor FÁBIO TAVARES LOBATO Economista(UFRGS) MBA Gestão em Agribusiness(FGV) MBA Gestão Empresarial(UFRJ) MBA Finanças Empresariais (UNIC) MBA Liderança e Coaching (UNIC) 3. Evolução do Pensamento

Leia mais

Acumulação integral e Mais-violência na contemporaneidade

Acumulação integral e Mais-violência na contemporaneidade Acumulação integral e Mais-violência na contemporaneidade No presente artigo pretende-se discutir os regimes de acumulação, especificamente o integral (Viana, 2009), as mudanças na organização do trabalho

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

Trabalho na contemporaneidade, questão social e Serviço Social. Reestruturação produtiva; precarização do trabalho; trabalho em domicílio.

Trabalho na contemporaneidade, questão social e Serviço Social. Reestruturação produtiva; precarização do trabalho; trabalho em domicílio. As transformações contemporâneas no mundo do trabalho e seu rebatimento na pequena produção familiar em Toritama- Brasil 1 Amanda Roberta Souza da Silva 2 amanda_roberta84@yahoo.com.br Modalidade de trabalho:

Leia mais

A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL

A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL 1 A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL JÉSSICA OLIVEIRA MUNIZ 1 NATÁLIA AYRES DA SILVA 2 Resumo: O presente trabalho trata-se de um estudo teórico-bibliográfico

Leia mais

PELA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL DE DIREITO. Confederação dos Servidores Públicos do Brasil

PELA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL DE DIREITO. Confederação dos Servidores Públicos do Brasil PELA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL DE DIREITO Confederação dos Servidores Públicos do Brasil A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES NCST, defende um Estado democrático política, social e economicamente,

Leia mais

Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data:

Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data: Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data: REVISÃO FINAL PARA O SIMULADO 1ª Avaliação: Imperialismo na Ásia e na África 01. Podemos sempre

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica 6.1. Os Socialistas O pensamento socialista surge em meio à revolução industrial, com suas grandes fábricas. Os trabalhadores possuíam condições precárias de trabalho

Leia mais

Relação do Serviço Social com os movimentos sociais. movimento sindical, voluntariado, Responsabilidade Social das empresas, trabalhadores.

Relação do Serviço Social com os movimentos sociais. movimento sindical, voluntariado, Responsabilidade Social das empresas, trabalhadores. Da militância ao voluntariado: o engajamento dos trabalhadores nos programas de Responsabilidade Social Marcela Soares Silva 1 marcelasoares_s@yahoo.com.br Modalidade de trabalho: Eixo temático: Palavras

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2008 Programa: Pós-Graduação stricto sensu em Educação/PPGE Área de Concentração: Sociedade,

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996.

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996. Acesso a Tecnologias, Capital e Mercados, quanto à Agricultura Familiar x Agricultura Patronal (Texto auxiliar preparado para discussão no Primeiro Curso Centralizado da ENFOC) I No Brasil, a agricultura

Leia mais