AVALIAÇÃO DA RELAÇÃO SECA/PRODUTIVIDADE AGRÍCOLA EM CENÁRIO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DA RELAÇÃO SECA/PRODUTIVIDADE AGRÍCOLA EM CENÁRIO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS"

Transcrição

1 Revista Brasileira de Meteorologia, v.26,.2, 33-32, 20 AVALIAÇÃO DA RELAÇÃO SECA/PRODUTIVIDADE AGRÍCOLA EM CENÁRIO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS ROZIANE SOBREIRA DOS SANTOS, 2, LUIZ CLÁUDIO COSTA 2, GILBERTO CHOHAKU SEDIYAMA 2, BRAULIRO GONÇALVES LEAL 3, ROBSON ALVES DE OLIVEIRA 2 E FLÁVIO BARBOSA JUSTINO 2 Uiversidade Federal de Rodôia (UNIR), Departameto de Matemática e Estatística, Ji-Paraá, MG, Brasil 2 Uiversidade Federal de Viçosa (UFV), Departameto de Egeharia Agrícola, Viçosa, MG, Brasil 3 Uiversidade Federal do Vale do São Fracisco (UNIVASF), Juazeiro, BA, Brasil Recebido Juho 2009 Aceito Agosto 200 RESUMO As mudaças climáticas alertam para um possível aumeto de evetos meteorológicos extremos em todo o mudo, sedo crescete a preocupação de como o clima pode mudar o ambiete e afetar a produção das culturas agrícolas. Este estudo ivestiga a relação etre a produtividade agrícola e a seca em algumas mesorregiões do estado de Mias Gerais, em ceários de mudaças climáticas. Foram utilizados dados meteorológicos diários projetados pelo modelo ECHAM5/MPI-OM, para o período de 2008 a 2020 para o ceário AB. Utilizou-se a metodologia da zoa agroecológica (AEZ) para estimar a produtividade futura do milho. Empregou-se o ídice de seca Z de Palmer em um modelo de regressão liear com a produtividade do milho estimada pela metodologia da AEZ. O desempeho dos modelos foi verificado por meio das estatísticas: coeficiete de determiação (r 2 ), raiz do erro quadrático médio (RMSE), erro absoluto médio (MAE) e ídice de cocordâcia de Willmott (d). Os resultados do ídice de cocordâcia de Willmott variaram etre 0,48 e 0,90, e os valores de r 2 foram pouco expressivos. Cotudo, a produtividade estimada pela metodologia AEZ projetou maiores perdas a produtividade do milho devido a limitações por água para os aos agrícolas de 2008/2009, 2009/200, 204/205, 208/209 para as mesorregiões Triâgulo/Alto Paraaíba, Cetral Mieira e Jequitihoha. Palavras-chave: Ceário AB, Seca agrícola, Zoa agroecológica ABSTRACT: EVALUATION OF AN AGRICULTURAL DROUGHT/YIELD RELATIONSHIP IN A SCENARIO OF CLIMATE CHANGE This study ivestigates the relatioship betwee crop yields ad drought i the state of Mias Gerais for of climate chage scearios. Climate chages have wared due to possible icreases i meteorological extremes worldwide ad the ucertaities o how the climatic evets might chage the eviromet ad affect world agricultural productio i the future. The ECHAM5/MPI-OM model daily weather data projected for the 2008 to 2020 period, based o the AB sceario, was used. The methodology of the agroecological zoe (AEZ) to estimate the future maize yield was used. The idex of the Z Palmer drought ad the estimated productivity by AEZ methodology were compared by a liear correlatio model. The performace of the models was verified by the statistic parameters: coefficiet of determiatio (r 2 ), the root mea square error (RMSE), mea absolute error (MAE) ad Willmott agreemet idex (d). The results of the Willmott agreemet idex raged from 0.48 to 0.90 ad r 2 preseted low values. However, the productivity estimated by AEZ methodology projected greater maize yield losses due to water supplies limitatios for the agricultural years of 2008/2009, 2009/200, 204/205 ad 208/209 for the mesoregios of Triâgulo/Alto Paraaíba, Cetral Mieira ad Jequitihoha. Keywords: AB Sceario, agricultural drought, agro-ecological zoes.

2 34 Satos et al. Volume 26(2). INTRODUÇÃO Aalisar os impactos das mudaças climáticas com a fialidade de compreeder o que pode ser feito para fis de mitigação e, ou, adaptação a essas mudaças as diversas atividades humaas, tem sido uma grade preocupação de pesquisadores e goveros em todo o mudo. Com isso, muitos estudos estão direcioados para essa questão. Em destaque vêm os relatórios do Paiel Itergoverametal de Mudaças Climáticas (IPCC), base de pesquisa para muitos dos grupos de pesquisadores pelo mudo. Em seus últimos relatórios, o IPCC (2007) destaca que as causas do aquecimeto global são, pricipalmete, devido às emissões atropogêicas de gases de efeito estufa (IPCC, 2007). Quado se aalisa os possíveis impactos das mudaças climáticas, os relatórios do IPCC idicam que os países em desevolvimeto são, de modo geral, os mais vuleráveis. No Brasil, há muitos exemplos de impactos adversos da variabilidade atural do clima causadores de eormes prejuízos ecoômicos e sociais, causadas pricipalmete pelas secas, iudações e geadas. A questão do possível aumeto dos extremos climáticos, automaticamete, remete ao problema da fragilidade das populações e dos ecossistemas a estas mudaças. Sedo assim, espera-se que, matidas as codições atuais de desevolvimeto, a vulerabilidade do Brasil às mudaças climáticas seja muito alta. De modo geral, todos os setores são vuleráveis às mudaças climáticas. Etretato, o setor agrícola, devido a sua forte depedêcia ao clima e a ecessidade cada vez maior da produção de alimetos, tem sido objeto de muitos estudos em todo o mudo. Muitos deles vêm mostrado que as codições climáticas futuras poderão ter impactos substaciais a produtividade das culturas (Luo et al., 2005; Richter e Semeov, 2005; Zhag e Liu, 2005; Challior et al., 2007; Lobell, 2007; Barrios et al., 2008). Oliveira (2007) projetou quedas a produtividade potecial das culturas de milho e feijão para as mesorregiões de Mias Gerais, para os aos de 2050 e 2080, quado comparada à produtividade potecial simulada para o ao base de 2000, usado o ceário A2 do modelo HadCM3, sem avaliar o efeito do CO 2. Essa queda foi devida, pricipalmete, às temperaturas mais altas, que dimiuem a assimilação de carboo pela cultura, decorrete do ecurtameto das fases feológicas e aumeto da taxa de respiração de mauteção. Silva Júior (2007), simulado a produtividade do milho para os aos de 2020, 2050 e 2080 e utilizado o modelo CERES-MAIZE para os ceários de mudaças climáticas A2 e B2, verificou uma dimiuição da produtividade devido ao aumeto de temperatura e uma redução o ciclo vegetativo, em ambos ceários, sedo mais sigificativo para o ceário A2. No etato, aida existe uma série de icertezas sobre tais impactos, uma vez que a produtividade das culturas depede de uma série de fatores biofísicos e socioecoômicos, que são difíceis de quatificar (Ewert et al., 2005). Com o aquecimeto global, em um futuro próximo, espera-se um ceário de clima extremo com secas, iudações e odas de calor mais itesas (Pito et al., 2003). Burke et al. (2006) projetam uma previsão de aumeto de evetos extremos de seca para a seguda metade do século XXI. Hughes e Diaz (2008) verificaram com modelos de clima forçado, que os próximos 50 aos, as secas poderão ser mais itesas e extesas a América do Norte. Para um país ode a agricultura tem eorme expressão a ecoomia, há uma deficiêcia em estudos prospectivos sobre os possíveis impactos das mudaças climáticas a produção agrícola. No Brasil, aida há poucos estudos realizados sobre o reflexo das mudaças climáticas e seus impactos a agricultura. A aálise dos possíveis impactos das mudaças climáticas a agricultura permite o plaejameto de ações e a obteção de tecologias ecessárias para efretar tais mudaças. Nesse cotexto, é de extrema relevâcia aalisar como as mudaças climáticas poderão afetar as safras agrícolas. Sedo assim, objetivou-se com este trabalho aalisar, em ceários futuros, a ifluêcia da seca a produtividade do milho Tabela - Referêcias geográficas do poto cetral das Mesorregiões e período de estudado Mesorregião (IBGE) Coordeadas Geográficas: Poto Período Cetral Estudado Latitude Logitude Altitude (m) Sul/Sudoeste 9º48 (S) 43º48 (W) a 2020 Jequitihoha 6º42 (S) 43º54 (W) a 2020 Vale do Rio Doce 2º06 (S) 44º8(W) a 2020 Campos das Vertetes 9º2 (S) 47º47 (W) a 2020 Cetral Mieira 8º54 (S) 42º00 (W) a 2020 Metropolitaa de Belo Horizote 20º30 (S) 45º36 (W) a 2020 Triâgulo Mieiro/A. Paraaíba 7º54 (S) 4º30 (W) a 2020 Zoa Mata Mieira 20º48 (S) 42º54 (W) a 2020 Poto cetral da célula, poto em que foi gerada a série de dados do modelo ECMWF que coicide geograficamete com a mesorregião.

3 Juho 20 Revista Brasileira de Meteorologia 35 o Estado de Mias Gerais. O foco pricipal são as projeções de aquecimeto global atropogêico propostas os relatórios do IPCC. 2. DADOS E METODOLOGIA O estudo foi realizado para Estado de Mias Gerais localizado a região Sudeste do país, etre os paralelos 4º 3 57 e 22º de latitude Sul, e os meridiaos de 39º 5 23 e 5º a oeste de Greewich. Cosiderou-se a divisão do Estado de Mias Gerais em mesorregiões geográficas, coforme critério do Istituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A Tabela apreseta a localização geográfica e a altitude dos potos cetrais das mesorregiões estudadas e o período de aálises. Foram utilizadas as codições climáticas projetadas pelo modelo de circulação geral da atmosfera ECHAM5/MPI- OM, desevolvido o Max-Plack-Istitute for Meteorology em Hamburgo, Alemaha, o período de 2008 a 2020 para o ceário AB. O modelo ECHAM5/MPI-OM é composto de duas compoetes: ECHAM5 para a atmosfera e MPI-OM para o oceao. Detalhes técicos do desevolvimeto dessas compoetes são descritos por Roecker et al. (2003) para o compoete atmosférico e por Marslad et al. (2003) para o modelo oceâico. Esse modelo apreseta resolução aproximadamete de,8 de latitude e de logitude, o que represeta uma resolução espacial de aproximadamete 80 x 80 Km, a faixa equatorial, com 3 íveis verticais. Os dados foram simulados cosiderado os potos cetrais das mesorregiões estudadas (Tabela ). Para as projeções futuras, foi calculado o ídice de aomalia de umidade, ídice Z, desevolvido por Palmer (965). Este ídice cosidera que o total de precipitação exigida, para mater uma área sob codições ecoômicas estáveis, depede da média histórica dos elemetos meteorológicos e das codições hídricas dos meses precedetes e do mês cosiderado, baseado os pricípios do balaço etre o suprimeto e a demada de água o solo. O solo é dividido em duas camadas, uma superior (Ss) com capacidade de armazeameto de 25,4 mm e outra sub-superficial (Su). O ídice Z represeta um termo itermediário o cálculo do ídice de severidade de seca de Palmer PDSI (Palmer, 965). Ele é uma medida das aomalias de umidade mesal e reflete o desvio das codições de umidade, em um determiado mês das codições ormais de umidade (Heim Juior, 2002; Keyatash e Dracup, 2002). Coforme Karl (986) e Quirig e Papakryiakou (2003), o ídice Z reflete as codições hídricas do mês em questão, sem a ifluêcia de meses precedetes, podedo idicar um mês úmido em meio a uma seca prologada. Sedo assim, é mais idicado aos iteresses agrícolas do que o próprio PDSI. Valores egativos do ídice Z deotam períodos secos, equato valores positivos,períodos úmidos: em que, d ' é a aomalia hídrica que cotabiliza o excesso ou deficiêcia da precipitação observada (P) em relação à precipitação Climaticamete Apropriada às Codições Existetes ( P ). A aomalia hídrica é dada por: Os parâmetros α, β, γ e δ são defiidos por Palmer (965) para calcular os valores climaticamete apropriados às codições existetes de evapotraspiração P = ( ET), + Rde + recarga RO L ( R), de escoameto P = ET+ R+ ( RO ), de L perda ( L ) e de precipitação ( P ). A caracterização climática (K) é dada por: em que, Z=d' K () d' = P P P = ET+ R+ RO L ET = xeto R = xpr RO = L = xpl K = 7,67 K' 2 DK' x PRO ETo + R + RO + 2,80 P + L K' =,5 x log 0 + 0,50 D ode D = Média mesal dos valores absolutos de d. Para estimar a produtividade potecial do milho, limitada por água para as projeções climáticas futuras, foi utilizada a metodologia da zoa agroecológica AEZ (FAO, 978; Fischer et al., 2000). Essa metodologia assume um armazeameto ão difereciado de água o solo de uma camada e calcula o coteúdo (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9)

4 36 Satos et al. Volume 26(2) mesal de umidade com relação à evapotraspiração da plata, a precipitação e resíduo de umidade do mês precedete. A produtividade potecial da cultura, calculada pela metodologia AEZ, reflete o regime da temperatura e da radiação solar do local em estudo. A metodologia é basicamete ecofisiológica (Kassam, 977; Fischer et al., 2002) e a aplicação é feita por meio de parâmetros, que depedem da cultura, duração do ciclo de crescimeto, ídice de área foliar, ídice de colheita, produção bruta de matéria seca e do clima (temperatura e radiação). Diversos autores têm utilizado a metodologia AEZ para estimar a produtividade potecial de várias culturas (Deg et al., 2006). A produtividade potecial (Ymp) da cultura represeta o ível de referêcia de produtividade atigível com alto padrão de maejo da cultura e água, em que ão há limitações de clima, água e utrietes e sem ataque de pragas e doeças (Doorebos e Kassam, 979): yo=3,653+0,5477 Rso yc=04,66+0,906 Rso ( ) ( (0) )( ) Ymp=cL cn ch G F a+b ym yo+ -F c+d ym yc F= ( Rso-0,5 Rs) ( 0,8 Rso) () (2) (3) ode Ymp = produtividade potecial (kg ha - ), cl= correção em fução do desevolvimeto da cultura e área foliar (adimesioal), cn= correção para a produção de matéria seca (adimesioal), ch= ídice de colheita (adimesioal), G = duração do ciclo de crescimeto (dias), F= fração do dia em que o sol fica ecoberto por uves (adimesioal), Rso = radiação solar a superfície para dias claros (MJ m -2 d - ), Rs = radiação global à superfície (MJ m -2 d - ), yo = taxa de produção bruta de matéria seca da cultura-padrão em dias completamete ublado (kg ha - d - ), yc = taxa de produção bruta de matéria seca da cultura-padrão em dias sem uves (kg ha - d - ) e ym = taxa de produção bruta de matéria seca (kg ha - d - ). Os valores de a, b, c e d são iguais a 0,8, 0,0, 0,5 e 0,025, respectivamete, para ym 20 kg ha - d -, e iguais a 0,5, 0,025, 0 e 0,05, respectivamete, para ym < 20 kg ha - d -. Os dados de Rso e Rs foram covertidos de MJ m -2 d - para cal cm -2 d -, para serem utilizados como modelo de produtividade da zoa agroecológica (Doorebos e Kassam, 979). As Equações 2 e 3 foram desevolvidas por Leal (2000), para regiões selecioadas de Mias Gerais. A produtividade limitada por água é calculada aplicado fatores de redução relacioados ao estádio de crescimeto da cultura. Os fatores relacioam a redução relativa a produtividade, expressa como ( Ya/Ymp) para o déficit de evapotraspiração ( ETr/ETm). Nessa formulação, Ya e Ymp deotam a produtividade limitada por água e potecial, respectivamete. A sigla ETr refere-se a evapotraspiração real da cultura e a sigla ETm a evapotraspiração máxima da cultura. Essa relação é expressa por: c Ya ETr - =k y - Ymp ETm Logo, Ya é dada por: c ETr Ya= -k y - Ymp ETm (4) (5) em que, ky é o coeficiete que expressa a sesibilidade da cultura ao déficit hídrico. O valor de Ya refere-se a matéria seca, portato, corrigida para 3% de umidade, isto é, para umidade de grãos comercializados. As simulações de produtividade cosideram as práticas de maejo e que as cultivares serão, o futuro, as mesmas adotadas atualmete. Para a data de platio, cosiderou-se o iício do período chuvoso. O iício do período chuvoso foi determiado como a data depois do dia primeiro de outubro, quado a precipitação acumulada em um ou dois dias cosecutivos alcaça, o míimo, 20 mm, desde que ão haja a ocorrêcia de um período seco, os 30 dias seguites, que exceda dez dias cosecutivos. Foi cosiderado um período seco, os dias com precipitação iferior a 0,5 mm. Os valores dos parâmetros e coeficietes foram baseados em Doorebos e Kassam (979) e Fischer et al. (2002). Os valores de produtividade limitada por água (Ya) foram ajustados em um modelo de regressão, que cosidera o ídice de seca (Z) como variável idepedete e Ya como variável depedete. As aálises são feitas cosiderado o ídice acumulado durate o ciclo (outubro a jaeiro) e o ídice de cada mês do ciclo. O desempeho dos modelos foi verificado por meio das seguites medidas estatísticas: coeficiete de determiação (r 2 ), raiz do erro quadrático médio (RMSE, siga em iglês), o erro absoluto médio (MAE, siga em iglês) e o ídice de cocordâcia (d) de Willmott (982). As medidas estatísticas são dadas pelas seguites equações: r ( P O ) i i 2 = (6) ( ) 2 O O i i 2

5 Juho 20 Revista Brasileira de Meteorologia 37 O coeficiete de determiação (r 2 ) mede a proporção da variabilidade da produtividade estimada pela metodologia AEZ, que é explicada pela produtividade estimada pelo ídice Z. O RMSE e MAE são medidas de erros usados para represetar as difereças médias etre os valores estimados pelo ídice Z (P) e os valores estimados pela metodologia da zoa agroecológica (O). O RMSE forece uma iformação em relação à dispersão dos dados, ou seja, o grau de espalhameto obtido a comparação com os valores estimados. O MAE é meos sesível a valores extremos. O RMSE e o MAE são calculados, respectivamete, por: Pi Oi MAE = (8) O ídice de cocordâcia de Willmott (d) mede o grau em que os dados estimados pelo ídice Z (P) se aproximam dos dados estimados pela metodologia AEZ (O). Este ídice varia de zero a um, sedo zero, ehuma cocordâcia e um, cocordâcia perfeita. O ídice de cocordâcia de Willmott é dado por: ( Pi Oi ) d = (9) 2 ( Pi Oi + Oi Oi ) ( Pi Oi ) RMSE = (7) RESULTADOS As estimativas da produtividade potecial (Ymp) e da produtividade limitada por água (Ya), para a cultura do milho, em resposta às codições climáticas futuras simuladas pela metodologia AEZ, com os dados diários do ceário AB do modelo ECHAM5/MPI-OM são apresetadas a Figura (a, b) para cada uma das mesorregiões estudadas. As estimativas de produtividade potecial apresetam um comportameto muito similar etre as mesorregiões. As exceções se dão para as mesorregiões Jequitihoha, Triâgulo/Alto Paraaíba e Cetral Mieira, que os aos agrícolas de 2007/2008 e 2008/2009 projetam produtividade potecial superior às demais (Figura a). As variações a produtividade potecial estimada em uma mesma mesorregião são devidas, pricipalmete, ao aumeto e ao decréscimo a temperatura média do ciclo ao logo dos aos e alterações os valores médios do ciclo da fração do dia em que o sol fica ecoberto por uves. Ao adicioar a limitação por água a produtividade potecial (Ya), observa-se um comportameto semelhate etre as mesorregiões Triâgulo/Alto Paraaíba e Cetral Mieira, com estimativas de quedas sigificates os aos agrícolas de 2008/2009, 2009/200 e 208/209. Na mesorregião Zoa da Mata, a maior limitação por água é estimada para o ao agrícola de 200/20. As demais mesorregiões apresetam um comportameto muito similar etre si, em relação aos aos agrícolas que apresetam alguma deficiêcia hídrica (Figura b). As estimativas apotam que a mesorregião Campo das Vertetes será pouco afetada pelo déficit hídrico. A Figura 2 apreseta as estimativas de perdas a produtividade estimada pela metodologia da zoa agroecológica devido a limitações por água para as mesorregiões. Em todas as localidades, as estimativas apotam para perdas os aos Figura - (a) Variação das estimativas da produtividade potecial (Ymp); (b) Variação das estimativas de produtividade limitada por água (Ya) do milho simuladas a partir dos dados diários para o ceário AB do modelo ECHAM5/MPI-OM o período de 2008 a 2020, para as mesorregiões apresetadas a legeda

6 38 Satos et al. Volume 26(2) agrícolas de 2008/2009, 20/202 e 205/206, devido à deficiêcia hídrica. As maiores perdas são estimadas para as mesorregiões Triâgulo/Alto Paraaíba, Cetral Mieira e Jequitihoha a safra de 204/205. Essas também são as mesorregiões mais afetadas pela deficiêcia hídrica. Para a mesorregião Zoa da Mata estima-se uma perda sigificate para o ao agrícola de 200/20. Regiões como Jequitihoha, que atualmete sofrem perdas agrícolas devido aos baixos ídices de precipitação, tedem a cotiuar com problemas de déficit hídrico a próxima década (Figura 2). Aida, cosiderado o ceário AB do modelo ECHAM5/MPI-OM, é projetada uma tedêcia de déficit hídrico para a mesorregião Triâgulo/Alto Paraaíba, umas das maiores produtoras de milho o mometo e também, para a mesorregião Cetral Mieira. Na mesorregião Zoa da Mata, apeas em dois aos agrícolas são estimadas as perdas a produtividade do milho devido ao déficit hídrico (Figura 2). Etretato, como as demais localidades apresetam uma tedêcia, que de certa forma se matém ao logo da década, essa queda de precipitação os aos agrícolas de 200/20 e 205/206 pode ser atribuída a alguma deficiêcia do modelo. Demostrado, que esta região, ão há estimativas de perdas expressivas. Para as demais regiões estudadas, cosiderado o ceário AB do modelo ECHAM5/MPI-OM, ão se projetam perdas devido à deficiêcia hídrica (Figura 2). Portato, caso as projeções do ceário AB do modelo ECHAM5/MPI-OM se cofirmem, serão ecessários ivestimetos em implatação e, ou, aprimorameto de sistemas de irrigação as mesorregiões Jequitihoha, Triâgulo/Alto Paraaíba e Cetral Mieira. Os resultados do desempeho do ídice Z comparado com a metodologia da zoa agroecológica para as mesorregiões estudadas em Mias Gerais são apresetados a Tabela 2 e Figura 3. A Figura 3 apreseta a variação a produtividade estimada pelo ídice Z para os meses em que se obteve o melhor Figura 2 - Estimativas de perdas por limitação hídrica a produtividade do milho simulada a partir de dados diários para o ceário AB do modelo ECHAM5/MPI-OM o o período de 2008 a 2020, para as mesorregiões apresetadas a legeda ajuste com a produtividade estimada pela zoa agroecológica. O ídice Z, calculado com os dados do ceário AB do modelo ECHAM5/MPI-OM para o mês de dezembro, apresetou os melhores ajustes para as estimativas de produtividade, exceto para a mesorregião Sul e Sudoeste (Tabela 2), para a qual se destacou o ajuste para todo o ciclo (ídice Z acumulado os meses de outubro a jaeiro), e a mesorregião Vale do Rio Doce (Tabela 2), com o melhor ajuste em ovembro (Figura 3). As piores estimativas do modelo, que cosidera o ídice Z como variável idepedete, são para as mesorregiões Triâgulo/ Alto Paraaíba e Cetral Mieira, exatamete as que tiveram as maiores quedas a produtividade em fução da limitação por água (Figura 3). Em quase todas as localidades estudadas, o modelo do ídice Z tede a superestimar a produtividade estimada pela metodologia AEZ os aos agrícolas com deficiêcia hídrica, ou as safras com meor produtividade, e subestimar os aos agrícolas com maior produtividade (Figura 3). Os melhores ajustes etre a produtividade estimada pelo ídice Z e a produtividade estimada pela metodologia AEZ foram obtidos as mesorregiões Vale do Rio Doce, Sul e Sudoeste, com valores de RMSE e MAE iguais a 48,46 e 594,88 kg/ha e 336,43 e 444,49 kg/ha, respectivamete (Tabela 2). Nessas mesorregiões, também se obteve bos valores de coeficiete de determiação (r 2 ) e ídice de cocordâcia de Willmott (d), com valores de r 2 iguais a 0, 69 e 0,49 e valores de d iguais a 0,90 e 0,80, respectivamete. As mesorregiões Jequitihoha e Zoa da Mata apresetaram os valores mais baixos de r 2 (0,2 e 0,6) e dw ídice de cocordâcia de Willmott (0,48 e 0,52, respectivamete). Cotudo, os resultados ecotrados esse estudo estão de acordo com a literatura, como Quirig e Papakryiakou (2003), que ecotraram baixos valores para o coeficiete de determiação (variado de 0,5 a 0,47); e os ídices de cocordâcia etre 0,4 e 0,76, a avaliação do desempeho do ídice de seca mais apropriado ao moitorameto da seca agrícola o cultivo do trigo as pradarias caadeses; e como Gois (2005), que avaliado o desempeho do método dos Decis para produção de milho as em Mias Gerais obteve valores de r 2 de 0,08; 0,03 e 0,00, para as mesorregiões Zoa da Mata, Triâgulo/Alto Paraaíba e Metropolitaa de Belo Horizote, respectivamete, e ídice de cocordâcia de 0,2228 para a mesorregião Triâgulo/Alto Paraaíba e de 0,0443 para a mesorregião Metropolitaa de Belo Horizote. O desempeho do ídice Z, para estimar as variações a produtividade estimada pela metodologia AEZ, foi satisfatório, divergido apeas as variações da produtividade estimada pela metodologia AEZ os aos agrícolas de 2008 e 2009 (Figura 4). Cotudo, essa divergêcia ão ecessariamete implica em restrições do ídice Z, pois, cosiderado que os valores de produtividade estimados pela metodologia AEZ foram limitados somete por água, de maeira geral, a produtividade

7 Juho 20 Revista Brasileira de Meteorologia 39 Distribu ição da Produtividade Estimada loa da Mata DistribJ ição da Produtividade Estimada Su l e Sudoeste ~ _ _ AoAgricola Ya -r-z-dezemb<o 7~OO ~ _ AoAgricola Ya -'-Z-Cido Distribu ição da Produtividade Estimada Tri âgu lo/alto Paraaíba ~ 9~O Distribu ição da Produtividade Esti"",da Metropolitaa BH ~ _-- -- ' _ AoAgricola Ya -r-z-dezemb<o ~ _ _ B A o Agricola Ya -r-z- Dezembro DistribJ ição da Produtividade Est imada Campo das Vertetes Distribu ição da Pro dut iv idade Est imada Cetral Mie ira ~ _-- -- ' _ AoAgricola Ya -r-z-dezemb<o ~ _ '' _ AoAgricola Ya -r-z-dezemb<o ~ 9500 " 7500 Distribução da Produtividade Estimada Vale do Rio Doce ~ _ _ Ao Agricola... Ya -'- Z-Novemb<o ~ _-_-_-_-_-_- :'li 7500 " t 5500 Distribu ição da Produt ividade Estirrur:Ja Jequitihoha B AoAgrico la Ya -Ir- Z-Dezemb<o Figura 3 - Distribuição da produtividade estimada pela metodologia da zoa agroecológica (AEZ) e pelo ídice Z para as mesorregiões de Mias Gerais, cosiderado o ceário AB do modelo ECHAM5/MPI-OM, o período de 2008 a 2020

8 320 Satos et al. Volume 26(2) Tabela 2 - Desempeho do ídice Z para as mesorregiões de Mias Gerais Mesorregiões RMSE MAE d r 2 Período Zoa da Mata 674,68 529,87 0,52 0,6 Dezembro Sul Sudoeste 594,88 444,49 0,80 0,49 Ciclo* Triâgulo/Alto Paraaíba 38,86 902,5 0,72 0,36 Dezembro Metropolitaa Belo Horizote 64,26 55,63 0,67 0,32 Dezembro Campo das Vertetes 643,54 548,60 0,7 0,37 Dezembro Cetral Mieira 54,77 94,50 0,7 0,35 Dezembro Jequitihoha 934,3 788,8 0,48 0,2 Dezembro Vale do Rio Doce 48,46 336,43 0,90 0,69 Novembro *Ciclo = Outubro, Novembro, Dezembro e Jaeiro. gerada pelo modelo do ídice Z apresetou boa cocordâcia com a produtividade calculada pela metodologia AEZ (Tabela 2, Figura 3). 4. CONCLUSÕES Este estudo mostrou que, se as cultivares, práticas de maejo, e as tecologias atuais forem matidas, e caso as codições futuras do clima tederem ao ceário de emissões AB, a mudaça projetada do clima terá um efeito egativo a produtividade de milho as mesorregiões aalisadas, quado se aalisa apeas a água como fator de limitação para a produtividade. Porém, sabe-se que existe uma grade icerteza em relação aos valores de precipitação modelados para o clima futuro. Além disso, a ifluêcia do clima as culturas se dá por meio de uma combiação dos diferetes elemetos climáticos. Portato, é ecessário um estudo elaborado, que aalise todas essas iterações climáticas, bem como, práticas de maejo, ifluêcias do solo, etre outras. O ídice Z foi satisfatório para estimar as variações a produtividade estimada pela metodologia AEZ, podedo ser utilizado com uma ferrameta de aálise para a relação seca/ produtividade. Porém, cabe ressaltar que todo o estudo foi realizado com projeções de dados climáticos futuros. Sedo assim, a aplicação desse estudo pode coter tedêcias do modelo e do ceário utilizado. 5. AGRADECIMENTOS Ao Coselho Nacioal de Desevolvimeto Cietífico e Tecológico (CNPq) pelo apoio fiaceiro. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARRIOS, S.; OUATTARA, B.; STROBL, E. The impact of climatic chage o agricultural productio: Is it differet for Africa? Food Policy, v. 33, p , BURKE, E. J.; BROWN, S. J.; CHRISTIDIS, N. Modelig the recet evolutio of global drought ad projectios for the twety-first cetury with the Hadley Cetre Climate Model. Joural of Hidrometeorology, v.7, p.3-25, CALLINOR, A. J.; WHEELER, T. R.; CRAUFURD, P. Q., FERRO, C. A. T.; STEPHENSON, D. B. Adaptatio of crops to climate chage through geotypic resposes to mea ad extreme temperatures. Agriculture Ecosystems & Eviromet, v.9, p , DENG, X.; HUANG, J.; ROZELLE, S.; UCHIDA, E. Cultivated lad coversio ad potetial agricultural productivity i Chia. Lad Use Policy, v.23, p , DOORENBOS, J.; KASSAM, A. H. Yield respose to water. FAO: Irrigatio ad Draiage Paper, 33, Rome, FAO, 72 p EWERT, F.; ROUNSEVELL, M. D. A.; REGINSTER, I.; METZGER, M. J.; LEEMANS, R. Future scearios of Europea agricultural lad use. I. Estimatig chages i crop productivity. Agriculture, Ecosystems ad Eviromet, v.07, p.0-6, FAO, Report o the agro-ecological zoes project. World Soil Resources Report 48, FAO, Rome, 978. FISCHER, G.; VELTHUIZEN, H. V.; NACHTERGAELE, F. O. Global agroecological zoes assessmet: methodology ad results. Iterim report. IIASA, Laxeburg, Austria, FISCHER, G.; VELTHUIZEN, H. V.; SHAH, M.; NACHTERGAELE, F. O. Global agro-ecological assessmet for agriculture i the 2st cetury: Methodology ad results. IIASA RR-02-02, IIASA, Laxeburg, GOIS, G. de. Caracterização da seca e seus efeitos a produção da cultura do milho para diferetes regiões do Estado de Mias Gerais f. Dissertação (Mestrado em Meteorologia Agrícola) Programa de Pós-Graduação em Meteorologia Agrícola Uiversidade Federal de Viçosa, Viçosa, HEIM JUNIOR, R. R. A review of twetieth - cetury drought idices used i the Uited States. Bulleti of the America Meteorological Society, v.83, p.49-65, 2002.

9 Juho 20 Revista Brasileira de Meteorologia 32 HUGHES, M. K.; DIAZ, H. F. Climate variability ad chage i the drylads of Wester North America. Global ad Plaetary Chag, v.68, p.-8, IPCC Itergovermetal Pael o Climate Chage: Climate Chage 2007: The physical sciece basis. Cambridge, 8 p KARL, T. The sesitivity of the Palmer drought severity idex ad Palmer s Z-idex to their calibratio coefficiets icludig potetial evapotraspiratio. Joural of Climate ad Applied Meteorology, v.25, p.77-86, 986. KASSAM, A. H. Net biomass productio ad yield of crops, FAO, Rome, 977. KEYANTASH, J.; DRACUP, J. A. The quatificatio of drought: A evaluatio of drought idices. Bulleti of the America Meteorological Society, v.83, p.67-80, LEAL, B. G. Sistema computacioal para a avaliação e estimativa das produtividades potecial e real de culturas agrícolas p. Tese (Doutorado em Egeharia Agrícola) Programa de Pós-Graduação em Egeharia Agrícola Uiversidade Federal de Viçosa, Viçosa, LOBELL, D. B. Chage i diural temperature rage ad atioal cereal yields. Agricultural ad Forest Meteorology, v.45, p , LUO, Q.; BELLOTI, W.; WILLIAMS, M.; BRYAN, B. Potetial impact of climate chage o wheat yield i South Australia. Agricultural ad Forest Meteorology, v.32, p , MARSLAND, S.J.; HAAK, H.; JUNGCLAUS, J. H.; LATIF, M.; RÖSKE, F. The Max Plack Istitute global ocea/seaice model with orthogoal curviliear coordiates. Ocea Modell, v.5, p.9-27, OLIVEIRA, L. J. C. Mudaças climáticas e seus impactos as produtividades das culturas do feijão e do milho o Estado de Mias Gerais f. Dissertação (Mestrado em Meteorologia Agrícola) Programa de Pós-Graduação em Meteorologia Agrícola Uiversidade Federal de Viçosa, Viçosa, PALMER, W. C. Meteorological drought. Research Paper. 45, Weather Bureau, Washigto, 58 p., 965. PINTO, H. S.; ASSAD, E. D.; ZULLO JR, J.; AVILA, A. M. H. de. Variabilidade Climática. I: Água, Agricultura e Meio Ambiete Avaços e Desafios. Jaguariua, SP. Embrapa Meio Ambiete, v.. p. -3, QUIRING, S. M.; PAPAKRYAIKOU, T. N. A evaluatio of agricultural drought idices for the Caadia prairies. Agricultural ad Forest Meteorology, v.8, p.49-62, RICHTER, G. M.; SEMENOV, M. A. Modellig impacts of climate chage o wheat yields i Eglad ad Wales: assessig drought risks. Agricultural Systems, v.84, p.77-97, ROECKNER, E.; BÄUML, G.; BONAVENTURA, L.; BROKOPF, R.; ESCH, M.; GIORGETTA, M.; HAGEMANN, S.; KIRCHNER, I.; KORNBLUEH, L.; MANZINI, E.; RHODIN, A.; SCHLESE, U.; SCHULZWEIDA, U.; TOMPKINSAND, A. The atmospheric geeral circulatio model ECHAM5, Part I: Model descriptio. Max-Plack- Istitut for Meteorology, Rep. 349, 27 p., SILVA JUNIOR, J. L. C. Simulação da produtividade das culturas do milho e do feijão, baseada os ceários de mudaças climáticas globais, do estado de Mias Gerais Dissertação (Doutorado em Meteorologia Agrícola) Programa de Pós-Graduação em Meteorologia Agrícola Uiversidade Federal de Viçosa, Viçosa, ZHANG, X. C.; LIU, W. Z. Simulatig potetial respose of hydrology, soil erosio, ad crop productivity to climate chage i Chagwu tablelad regio o the Loess Plateau of Chia. Agricultural ad Forest Meteorology, Amsterdam, v. 3, p.27-42, WILLMOTT, C. J. Some commets o the evaluatio of model performace. Bulleti of the America Meteorological Society, Lacaster, v.63,., p , 982.

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SEUS IMPACTOS NAS PRODUTIVIDADES DAS CULTURAS DO FEIJÃO E DO MILHO NO ESTADO DE MINAS GERAIS

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SEUS IMPACTOS NAS PRODUTIVIDADES DAS CULTURAS DO FEIJÃO E DO MILHO NO ESTADO DE MINAS GERAIS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SEUS IMPACTOS NAS PRODUTIVIDADES DAS CULTURAS DO FEIJÃO E DO MILHO NO ESTADO DE MINAS GERAIS LEYDIMERE J. C. OLIVEIRA (1), LUIZ C. COSTA (2), GILBERTO C. SEDIYAMA (3), WILLIAMS P.

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

ESTIMATIVA DA EMISSIVIDADE ATMOSFÉRICA E DO BALANÇO DE ONDAS LONGAS EM PIRACICABA, SP

ESTIMATIVA DA EMISSIVIDADE ATMOSFÉRICA E DO BALANÇO DE ONDAS LONGAS EM PIRACICABA, SP ESTIMATIVA DA EMISSIVIDADE ATMOSFÉRICA E DO BALAÇO DE ODAS LOGAS EM PIRACICABA, SP Kare Maria da Costa MATTOS (1) ; Marcius Gracco Marcoi GOÇALVES (1) e Valter BARBIERI () (1) Aluos de Pós-graduação em

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO III SEMEAD ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO José Roberto Securato (*) Alexadre Noboru Chára (**) Maria Carlota Moradi Seger (**) RESUMO O artigo trata da dificuldade de

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Árvore ISSN: 000-6762 r.arvore@ufv.br Uiversidade Federal de Viçosa Brasil Noce, Rommel; Carvalho Mirada Armod, Rosa Maria; Soares, Thelma Shirle; Silva Lopes da, Márcio Desempeho do Brasil as

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL ESTIMADA A PARTIR DA INSOLAÇÃO PARA MACAPÁ (AP) Recebido Setembro de 2013 - Aceito Junho de 2014

RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL ESTIMADA A PARTIR DA INSOLAÇÃO PARA MACAPÁ (AP) Recebido Setembro de 2013 - Aceito Junho de 2014 Revista Brasileira de Meteorologia, v.29,.4, 494-504, 204 http://dx.doi.org/0.590/002-77862030079 RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL ESTIMADA A PARTIR DA INSOLAÇÃO PARA MACAPÁ (AP) LIANA PEREIRA BELÚCIO, ANA PAULA

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Alexadre Stamford da Silva Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção PPGEP / UFPE Uiversidade Federal

Leia mais

Avaliação de desempenho do modelo SWAT para estimativa da evapotranspiração potencial para a região de Petrolina, Estado de Pernambuco

Avaliação de desempenho do modelo SWAT para estimativa da evapotranspiração potencial para a região de Petrolina, Estado de Pernambuco Avaliação de desempeho do modelo SWAT para estimativa da evapotraspiração potecial para a região de Petrolia, Estado de Perambuco Teôia Casado da Silva 1 Madso Tavares da Silva 1 Daielle Teixeira Alves

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

A Elasticidade preço-demanda e a concentração do mercado de cimento no Brasil.

A Elasticidade preço-demanda e a concentração do mercado de cimento no Brasil. A Elasticidade preço-demada e a cocetração do mercado de cimeto o Brasil. Thiago do Bomfim Dorelas * Área de Submissão para o III Ecotro Perambucao de Ecoomia: 3. Teoria Aplicada Edereço: Rua Desembargador

Leia mais

Análise de Pobreza com Indicadores Multidimensionais: Uma Aplicação para Brasil e Minas Gerais *

Análise de Pobreza com Indicadores Multidimensionais: Uma Aplicação para Brasil e Minas Gerais * Aálise de Pobreza com Idicadores Multidimesioais: Uma Aplicação para Brasil e Mias Gerais * Helger Marra Lopes Paulo Brígido Rocha Macedo Aa Flávia Machado ' Palavras-chave: idicador de pobreza; pobreza

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

USO DE MÉTODO HIDROMETEOROLÓGICO E ESTATÍSTICO PARA ESTIMAR PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DIÁRIA NA PARTE PERNAMBUCANA DO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO

USO DE MÉTODO HIDROMETEOROLÓGICO E ESTATÍSTICO PARA ESTIMAR PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DIÁRIA NA PARTE PERNAMBUCANA DO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO USO DE MÉTODO HIDROMETEOROLÓGICO E ESTATÍSTICO PARA ESTIMAR PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DIÁRIA NA PARTE PERNAMBUCANA DO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO Josiclêda Domiciao Galvicio 1 Maga Soelma Beserra de Moura 2 Jaes

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE ROTÓTIO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE Marcel Muk E/COE/UFRJ - Cetro de Tecologia, sala F-18, Ilha Uiversitária Rio de Jaeiro, RJ - 21945-97 - Telefax: (21) 59-4144 Roberto Citra Martis, D. Sc.

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum Otimização e complexidade de algoritmos: problematizado o cálculo do míimo múltiplo comum Custódio Gastão da Silva Júior 1 1 Faculdade de Iformática PUCRS 90619-900 Porto Alegre RS Brasil gastaojuior@gmail.com

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS O coteúdo programático das provas objetivas, apresetado o Aexo I do edital de abertura do referido cocurso público, iclui etre os tópicos de

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

Rentabilidade e risco de RENTABILIDADE investimento na produção... E RISCO DE INVESTIMENTO NA PRODUÇÃO DE PALMITO DE PUPUNHA (Bactris gasipaes Kunth.

Rentabilidade e risco de RENTABILIDADE investimento na produção... E RISCO DE INVESTIMENTO NA PRODUÇÃO DE PALMITO DE PUPUNHA (Bactris gasipaes Kunth. Retabilidade e risco de RENTABILIDADE ivestimeto a produção... E RISCO DE INVESTIMENTO NA PRODUÇÃO DE PALMITO DE PUPUNHA (Bactris gasipaes Kuth.) 53 Sidey Arauo Cordeiro, Márcio Lopes da Silva 2 (recebido:

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos Guia do Professor Matemática e Saúde Experimetos Coordeação Geral Elizabete dos Satos Autores Bárbara N. Palharii Alvim Sousa Karia Pessoa da Silva Lourdes Maria Werle de Almeida Luciaa Gastaldi S. Souza

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA Paulo César de Resede ANDRADE Lucas Moteiro CHAVES 2 Devail Jaques de SOUZA 2 RESUMO: Este trabalho apreseta a teoria do teste de Galto

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS C E N T R O D E C I Ê N C I A S E X A T A S E D E T E C N O L O G I A D E P A R T A M E N T O D E E S T A T Í S T I C A INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO E ANÁLISE ESTATÍSTICA

Leia mais

Planejamento da Irrigação com Uso de Técnicas de Otimização

Planejamento da Irrigação com Uso de Técnicas de Otimização 4 Revista Brasileira de Agricultura Irrigada v.,., p.4 49, 007 Fortaleza, CE, INOVAGRI http://.iovagri.org.br Protocolo 00.07 9//007 Aprovado em 09//007 Plaejameto da Irrigação com Uso de Técicas de Otimização

Leia mais

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002 AVALIAÇÃO DAS PREVISÕES DO MODELO ETA DE ALTA RESOLUÇÃO RODADO EM UMA PLATAFORMA DE TRABALHO (WORKSTATION) José R. Rozate e S.C. Chou Cetro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC/INPE) Cachoeira

Leia mais

LEILLIMAR DOS REIS FREITAS COMPARAÇÃO DAS FUNÇÕES DE LIGAÇÃO LOGIT E PROBIT EM REGRESSÃO BINÁRIA CONSIDERANDO DIFERENTES TAMANHOS AMOSTRAIS

LEILLIMAR DOS REIS FREITAS COMPARAÇÃO DAS FUNÇÕES DE LIGAÇÃO LOGIT E PROBIT EM REGRESSÃO BINÁRIA CONSIDERANDO DIFERENTES TAMANHOS AMOSTRAIS LEILLIMAR DOS REIS FREITAS COMPARAÇÃO DAS FUNÇÕES DE LIGAÇÃO LOGIT E PROBIT EM REGRESSÃO BINÁRIA CONSIDERANDO DIFERENTES TAMANHOS AMOSTRAIS Dissertação apresetada à Uiversidade Federal de Viçosa, como

Leia mais

ATIVIDADE DE CÁLCULO, FÍSICA E QUÍMICA ZERO

ATIVIDADE DE CÁLCULO, FÍSICA E QUÍMICA ZERO ATIVIDADE DE CÁLCULO, FÍSICA E QUÍMICA ZERO Rita Moura Fortes proeg.upm@mackezie.com.br Uiversidade Presbiteriaa Mackezie, Escola de Egeharia, Departameto de Propedêutica de Egeharia Rua da Cosolação,

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO Kelle Roberta de Souza (1) Egeheira Química pela UNIMEP, Especialista em Gestão Ambietal pela UFSCar, Mestre em Egeharia e Tecologia Ambietal pela Uiversidad

Leia mais

Construção de um modelo para o preço de venda de casas residenciais na cidade de Sorocaba-SP

Construção de um modelo para o preço de venda de casas residenciais na cidade de Sorocaba-SP Costrução de um modelo para o preço de veda de casas resideciais a cidade de Sorocaba-SP Recebido: 0/03/01 Aprovado: 5/09/01 Júlio César Pereira (UFSCar-SP/Brasil) - julio.pereira.ufscar@gmail.com, Rodovia

Leia mais

I - FUNDAMENTOS DO CONCRETO ARMADO 1- INTRODUÇÃO GERAL. 1.1- Definição

I - FUNDAMENTOS DO CONCRETO ARMADO 1- INTRODUÇÃO GERAL. 1.1- Definição I - FUNDAMENTOS DO CONCRETO ARMADO - INTRODUÇÃO GERAL.- Defiição O cocreto armado é um material composto, costituído por cocreto simples e barras ou fios de aço. Os dois materiais costituites (cocreto

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO CAPÍTULO 08 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO Simplificação Admiistrativa Plaejameto da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Admiistrativa Elaboração do Plao de Trabalho Mapeameto do Processo Mapeameto

Leia mais

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS Viícius Atoio Motgomery de Mirada e-mail: vmotgomery@hotmail.com Edso Oliveira Pamploa e-mail: pamploa@iem.efei.rmg.br

Leia mais

REGRESSÃO MÚLTIPLA: FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO NAS PESQUISAS MARKETING INSTITUCIONAL

REGRESSÃO MÚLTIPLA: FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO NAS PESQUISAS MARKETING INSTITUCIONAL REGRESSÃO MÚLTIPLA: FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO NAS PESQUISAS MARKETING INSTITUCIONAL CHARLES THIBES SARMENTO RESUMO Tecioa-se aalisar a regressão múltipla como auxílio às políticas istitucioais as pesquisas

Leia mais

CONTROLE DA QUALIDADE DE PADRÕES ESCALONADOS UTILIZADOS NA VERIFICAÇÃO DE MÁQUINAS DE MEDIR POR COORDENADAS

CONTROLE DA QUALIDADE DE PADRÕES ESCALONADOS UTILIZADOS NA VERIFICAÇÃO DE MÁQUINAS DE MEDIR POR COORDENADAS CONTROLE DA QUALIDADE DE PADRÕES ESCALONADOS UTILIZADOS NA VERIFICAÇÃO DE MÁQUINAS DE MEDIR POR COORDENADAS José Carlos Valete de Oliveira Aluo do mestrado profissioal em Sistemas de Gestão da Uiversidade

Leia mais

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO Capítulo Previsão de Echetes. GENERALIDADES Até agora vimos quais as etapas do ciclo hidrológico e como quatificá-las. O problema que surge agora é como usar estes cohecimetos para prever, a partir de

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA RESUMO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ Deis C. L. Costa² Edso C. Cruz Guilherme D. Silva Diogo Souza Robhyso Deys O presete artigo forece o ecadeameto

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

Dois Exemplos da Aplicação da Técnica TOPSIS para Tomada de Decisão

Dois Exemplos da Aplicação da Técnica TOPSIS para Tomada de Decisão Revista de Sistemas de Iformação da FSM. 8 (20) pp. 3-35 http://www.fsma.edu.br/si/sistemas.html Dois Exemplos da plicação da Técica TOPSIS para Tomada de Decisão Reato. Krohlig, & Talles T.M. de Souza

Leia mais

Desenvolvimento e validação de equação para determinação do coeficiente de dispersão longitudinal em rios de médio porte

Desenvolvimento e validação de equação para determinação do coeficiente de dispersão longitudinal em rios de médio porte Desevolvimeto e validação de equação para determiação do coeficiete de dispersão logitudial em rios de médio porte Developmet ad validatio of a equatio to estimate logitudial dispersio coefficiet i medium-sized

Leia mais

O oscilador harmônico

O oscilador harmônico O oscilador harmôico A U L A 5 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial de um oscilador harmôico simples, V( x) kx. objetivos obter a solução da equação de Schrödiger para um oscilador

Leia mais

FLUXO DE CARGA CONTINUADO CONSIDERANDO O CONTROLE DE INTERCÂMBIO ENTRE ÁREAS

FLUXO DE CARGA CONTINUADO CONSIDERANDO O CONTROLE DE INTERCÂMBIO ENTRE ÁREAS Aais do XIX Cogresso Brasileiro de Automática, CBA 2012. FLUXO DE CARA CONTINUADO CONSIDERANDO O CONTROLE DE INTERCÂMBIO ENTRE ÁREAS HEBERT AILA CARHUALLANQUI, DILSON AMANCIO ALES LASEP, DEE, UNESP Av.

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Física

Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Física Uiversidade Federal do Marahão Cetro de Ciêcias Exatas e Tecologia Coordeação do Programa de Pós-Graduação em Física Exame de Seleção para Igresso o 1º. Semestre de 2011 Disciplia: Mecâica Clássica 1.

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 4 e 5 de outubro de 03 Campo Grade-MS Uiversidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO COMPARAÇÃO ENTRE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS E REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE HORTALIÇAS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA RESERVA LEGAL NA GERAÇÃO DE RENDA DOS PEQUENOS PRODUTORES RURAIS: ESTUDO DE CASO NO ESTADO DO ACRE, AMAZÔNIA

A IMPORTÂNCIA DA RESERVA LEGAL NA GERAÇÃO DE RENDA DOS PEQUENOS PRODUTORES RURAIS: ESTUDO DE CASO NO ESTADO DO ACRE, AMAZÔNIA A IMPORTÂNCIA DA RESERVA LEGAL NA GERAÇÃO DE RENDA DOS PEQUENOS PRODUTORES RURAIS: ESTUDO DE CASO NO ESTADO DO ACRE, AMAZÔNIA Roei Sat Aa de Meezes*, Aadalvo Juazeiro dos Satos**, Ricardo Berger** * Eg.

Leia mais

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER X Ecotro Nacioal de Educação Matemática UM NOVO OLHA PAA O TEOEMA DE EULE Iácio Atôio Athayde Oliveira Secretária de Educação do Distrito Federal professoriacio@gmail.com Aa Maria edolfi Gadulfo Uiversidade

Leia mais

COLÉGIO ANCHIETA-BA. ELABORAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. RESOLUÇÃO: PROFA, MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

COLÉGIO ANCHIETA-BA. ELABORAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. RESOLUÇÃO: PROFA, MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Questão 0. (UDESC) A AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA DA UNIDADE I-0 COLÉGIO ANCHIETA-BA ELABORAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. PROFA, MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um professor de matemática, após corrigir

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2007 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão 1 (Costrução de modelo ER - Peso 3) Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee

Leia mais

Convergência em renda implica em convergência em desigualdade e pobreza? Um estudo para Minas Gerais

Convergência em renda implica em convergência em desigualdade e pobreza? Um estudo para Minas Gerais Covergêcia em reda implica em covergêcia em desigualdade e pobreza? Um estudo para Mias Gerais Joatha de Souza Matias Resumo: Vários são os estudos teóricos e empíricos que aalisam a relação etre crescimeto,

Leia mais

P R O V A D E B I O L O G I A I. O desenho representa origem e ação de organela celular presente em muitos seres vivos. Digestão. Fagocitose Lisossoma

P R O V A D E B I O L O G I A I. O desenho representa origem e ação de organela celular presente em muitos seres vivos. Digestão. Fagocitose Lisossoma 10 P R O V A D E B I O L O G I A I QUESTÃO 31 O deseho represeta origem e ação de orgaela celular presete em muitos seres vivos. Digestão Membraa Plasmática Fagossoma Fagocitose Lisossoma Complexo de Golgi

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples.

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples. FACULDADES NTEGRADAS ENSTEN DE LMERA Curso de Graduação em Egeharia Civil Resistêcia dos Materiais - 0 Prof. José Atoio Schiavo, MSc. NOTAS DE AULA Aula : Flexão Pura e Flexão Simples. Objetivo: determiar

Leia mais

DESEMPENHO DE TRES INDICES DE SECA EM FUNÇÃO DA VARIAÇÃO ANUAL DA PRODUTIVIDADE DE ARROZ E TRIGO PARA O MUNICIPIO DE JATAÍ-GO

DESEMPENHO DE TRES INDICES DE SECA EM FUNÇÃO DA VARIAÇÃO ANUAL DA PRODUTIVIDADE DE ARROZ E TRIGO PARA O MUNICIPIO DE JATAÍ-GO FARIA 1, Simone Marques e ASSUNÇÃO 2, Hildeu Ferreira da 1 Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Goiás/Campus Jataí, simoneufg@yahoo.com.br/ 2 Prof. Dr., Universidade Federal de Goiás/Campus

Leia mais

Capitulo 10 Resolução de Exercícios

Capitulo 10 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com pricipal e juros simples corrigidos S C i I Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com apeas o pricipal corrigido e juros simples.

Leia mais

Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w

Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w Ifluêcia do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimetos a determiação de,w iogo M. R. Mateus CONTRAruído Acústica e Cotrolo de Ruído, Al. If.. Pedro, Nº 74-1º C, 3030 396 Coimbra Tel.: 239 403 666;

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002 PRECIPITAÇÃO MÁXIMA PROVÁVEL COM DURAÇÃO DE UM DIA NO ESTADO DA PARÁIBA

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002 PRECIPITAÇÃO MÁXIMA PROVÁVEL COM DURAÇÃO DE UM DIA NO ESTADO DA PARÁIBA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA PROVÁVEL COM DURAÇÃO DE UM DIA NO ESTADO DA PARÁIBA Josiclêda Domiciao Galvício e Fracisco de Assis Salviao de Sousa Uiversidade Federal da Paraíba - CCT/DCA, Av. Aprígio Veloso, 882,

Leia mais

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE CHILLERS POR ABSORÇÃO EM PLANTAS REAIS.

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE CHILLERS POR ABSORÇÃO EM PLANTAS REAIS. 16º POSMEC Uiversidade Federal de Uberlâdia Faculdade de Egeharia Mecâica METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE CHILLERS POR ABSORÇÃO EM PLANTAS REAIS. Gustavo Soares de Almeida Uiversidade

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem VII Equações Difereciais Ordiárias de Primeira Ordem Itrodução As equações difereciais ordiárias são istrumetos esseciais para a modelação de muitos feómeos proveietes de várias áreas como a física, química,

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é:

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é: Resolução das atividades complemetares Matemática M0 Progressões p. 46 (UFBA) A soma dos o e 4 o termos da seqüêcia abaio é: a 8 * a 8 ( )? a, IN a) 6 c) 0 e) 6 b) 8 d) 8 a 8 * a 8 ( )? a, IN a 8 ()? a

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

CPV seu Pé Direito no INSPER

CPV seu Pé Direito no INSPER CPV seu Pé Direito o INSPE INSPE esolvida /ovembro/0 Prova A (Marrom) MATEMÁTICA 7. Cosidere o quadrilátero coveo ABCD mostrado a figura, em que AB = cm, AD = cm e m(^a) = 90º. 8. No plao cartesiao da

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

O impacto da incorporação da inflação na análise de projetos de investimentos

O impacto da incorporação da inflação na análise de projetos de investimentos Produção, v. 22,. 4, p. 709-717, set./dez. 2012 http://dx.doi.org/10.1590/s0103-65132012005000073 O impacto da icorporação da iflação a aálise de projetos de ivestimetos Joaa Siqueira de Souza a *, Fracisco

Leia mais

Matemática Alexander dos Santos Dutra Ingrid Regina Pellini Valenço

Matemática Alexander dos Santos Dutra Ingrid Regina Pellini Valenço 4 Matemática Alexader dos Satos Dutra Igrid Regia Pellii Valeço Professor SUMÁRIO Reprodução proibida. Art. 84 do Código Peal e Lei 9.60 de 9 de fevereiro de 998. Módulo 0 Progressão aritmérica.................................

Leia mais

Analisando o Risco de uma Carteira de Crédito via Simulações de Monte Carlo Resumo

Analisando o Risco de uma Carteira de Crédito via Simulações de Monte Carlo Resumo Aalisado o Risco de uma Carteira de Crédito via Simulações de Mote Carlo Resumo Neste trabalho, aalisamos a utiliação da metodologia CreditRis+ do Credit Suisse e sua adequação ao mercado brasileiro, com

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante .5 Aritmética de Poto Flutuate A represetação em aritmética de poto flutuate é muito utilizada a computação digital. Um exemplo é a caso das calculadoras cietíficas. Exemplo:,597 03. 3 Este úmero represeta:,597.

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS Profª. Drª. Vailde Bisogi UNIFRA vailde@uifra.br Prof. Rodrigo Fioravati Pereira UNIFRA prof.rodrigopereira@gmail.com

Leia mais

Estudo das Energias e Funções de Onda em um Ponto Quântico Cilíndrico Study of Energies and Wave Functions in a Cylindrical Quantum Dot

Estudo das Energias e Funções de Onda em um Ponto Quântico Cilíndrico Study of Energies and Wave Functions in a Cylindrical Quantum Dot 4 Estudo das Eergias e Fuções de Oda em um Poto Quâtico Cilídrico Study of Eergies ad Wave Fuctios i a Cylidrical Quatum Dot Sílvio José Prado Faculdade de Ciêcias Itegradas do Potal FACIP UFU, Uberlâdia,

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

[Type the document subtitle] Análise Técnica Principais conceitos, indicadores e formações gráficas

[Type the document subtitle] Análise Técnica Principais conceitos, indicadores e formações gráficas Aálise Técica Coceitos [Type the documet subtitle] Aálise Técica Pricipais coceitos, idicadores e formações gráficas A Aálise Técica (AT) tem por objetivo forecer idicações dos movimetos ou formação de

Leia mais

Modelo de Nuvens: Modelo de Parcela e unidimensional de tempestades

Modelo de Nuvens: Modelo de Parcela e unidimensional de tempestades Modelo de Nuves: Modelo de Parcela e uidimesioal de tempestades Descrição geral da modelagem umérica Equações básicas que descrevem a parcela de ar: equação movimeto primeira lei termodiâmica equação da

Leia mais

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades:

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades: CURTOSE O que sigifica aalisar um cojuto quato à Curtose? Sigifica apeas verificar o grau de achatameto da curva. Ou seja, saber se a Curva de Freqüêcia que represeta o cojuto é mais afilada ou mais achatada

Leia mais

A = Amplitude (altura máxima da onda) c = velocidade da luz = 2,998 x 10 8 m.s -1 3,00 x 10 8 m.s -1. 10 14 Hz. Verde: λ = = Amarela: λ =

A = Amplitude (altura máxima da onda) c = velocidade da luz = 2,998 x 10 8 m.s -1 3,00 x 10 8 m.s -1. 10 14 Hz. Verde: λ = = Amarela: λ = RADIAÇÃO ELETROMAGNÉ QUÍMICA BÁSICAB ESTRUTURA ATÔMICA II PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DAQBI Prof. Luiz Alberto RADIAÇÃO ELETROMAGNÉ RADIAÇÃO ELETROMAGNÉ λ comprimeto de oda Uidade: metro

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais