ANÁLISE BAYESIANA DA TAXA DE CRIMINALIDADE NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE USANDO O MODELO PARTIÇÃO PRODUTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE BAYESIANA DA TAXA DE CRIMINALIDADE NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE USANDO O MODELO PARTIÇÃO PRODUTO"

Transcrição

1 A esqusa Oeracoa e os Recursos Reováves 4 a 7 de ovemro de 23, Nata-RN ANÁLISE BAYESIANA DA TAA DE CRIMINALIDADE NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE USANDO O MODELO PARTIÇÃO PRODUTO Fávo B. Goçaves, Rosagea H. Losch e Frederco R. B. da Cruz Deartameto de Estatístca ICEx - Uversdade Federa de Mas Geras Av. Presdete Atôo Caros, 6627, Camus Pamuha, Beo Horzote, Mas Geras, CEP: 327- Ema: { osch, fcruz Resumo: Neste traaho acaremos o Modeo Partção Produto (MPP ara aasar dados de crmes voetos a cdade de Beo Horzote o eríodo comreeddo etre aero de 998 e setemro de 2. Nosso oetvo é estudar o comortameto, ao ogo do temo, das taxas de crmadade em três regões da cdade - a regão cetra, uma regão comerca róxma do cetro (Sato Agostho, Barro Preto e uma regão afastada do cetro de casse méda-ata (Magaeras, Cruzero, etc.- e comará-as. Aém da taxa de crmadade em cada mês, tamém exremos as dstruções a osteror do úmero de mudaças esta taxa, dos states ode as mudaças ocorreram e da roadade de ocorrer uma mudaça em um state quaquer. Paavras Chaves: amostrador de Gs, dstrução de Posso, dstrução Gama. Astract: The am of ths aer s to ay the roduct artto mode to ota the roduct estmates of the rate of voet crmes three eghourhoods of Beo Horzote cty - the dowtow, a commerca area ear dowtow (Sato Agostho, Barro Preto ad a rch area far from the cetra eghourhood (Magaeras, Cruzero, etc.. Besdes the crmaty rate each moth, we w rovde the osteror dstruto of the umer of chages ths rate, the osteror dstruto of the stats whch the chages occurred ad the osteror dstruto of the roaty that a chage occurs at ay stat the sequece. A comaratve aayss of the three areas w e reseted. Keywords: Gamma dstruto, Gs samg, Posso dstruto.. Itrodução Neste traaho acaremos o Modeo Partção Produto (MPP ara aasar agumas séres formadas eo úmero de crmes voetos regstrados mês a mês em agus arros de Beo Horzote-MG. Nosso oetvo rca é avaar se a taxa de crmadade estas regões sofreram mudaças ao ogo do temo. Aém da estmatva ara a taxa de crmadade em cada mês, tamém exremos as dstruções a osteror do úmero de mudaças esta taxa, dos states ode as mudaças ocorreram e da roadade de ocorrer uma mudaça em um state quaquer.

2 O MPP troduz mas fexdade a aáse do roema de otos de mudaça or cosderar como aeatóro o úmero de otos de mudaça a sére. Aesar dsto as dstruções a osteror são fortemete fuecadas eas dstruções a ror (Losch e Cruz, 22. Outras referêcas sore aáse de otos de mudaça usado o MPP são Barry e Hartga (993, Crowey (997, Qutaa e Igesas (23, Losch, Cruz, Igesas e Areao Vae (23 etre outras. Este artgo está assm orgazado: Na Seção 2 aresetamos o MPP assumdo as coesões de Yao (984; a Seção 3 aresetamos o MPP ara dados que dadas as taxas, são dstruídos segudo uma dstrução de Posso; a Seção 4 descrevemos agus métodos comutacoas roostos a teratura ara estmar as dstruções a osteror evovdas o MPP. Famete, a Seção 5 aresetamos uma aáse comaratva das séres de crmes voetos ara a regão cetra, uma regão comerca róxma do cetro (Sato Agostho, Barro Preto e uma regão afastada do cetro de casse méda-ata (Magaeras, Cruzero, etc. da cdade de Beo Horzote MG o eríodo de aero de 998 a setemro de Modeo Partção Produto ara Coesões de Yao Sea,..., uma seqüêca de dados seqüecamete oservados e cosdere o couto de ídces I{,..., }. Cosdere uma artção aeatóra ρ {,..., } do couto de ídce I ta que,,<.<...<, e uma varáve aeatóra B que deota o úmero de ocos em ρ. Cosdere que cada artção dvde a seqüêca,..., em B suseqüêcas ' cotíguas, as quas serão deotadas aqu or [ ] ( +,...,. Sea C a coesão a ror assocada com o oco [ ] {+,..., }, ara, I { },e >, que rereseta o grau de smardade etre as oservações em [] e ode ser terretada aqu como a roadades de trasção a cadea de Markov defda or otos de mudaça (( Barry e Hartga, 992. Cosdere, ara, a roadade de que uma mudaça ocorra em um state quaquer. A coesão a ror ara o oco [ ] roosta or Yao (984 e dada or: C ( ( ; ; < [2.] ara todo, I, <. Essas coesões a ror mcam que a seqüêca de otos de mudaça estaeece um rocesso de reovação, com temos de ocorrêca dêtca e geometrcamete dstruídos. Sea θ,...,θ uma seqüêca de arâmetros descohecdos, de forma que codcoamete em θ,...,θ a seqüêca de varáves aeatóras,..., têm desdades codcoas margas f( θ,..., f ( θ resectvamete. A dstrução a ror de θ,...,θ é costruída como segue. Dado uma artção ρ {,..., }, ara I, temos que θ θ[ r r ], ara todo r < r, r,...,, e que θ [ ],..., θ[ ] são deedetes etre s e de, com θ [] tedo dstrução a ror π [ ] ( θ, θ Θ[ ], ode Θ [] é o esaço aramétrco corresodete ao arâmetro comum, ou sea, θ [ ] θ +... θ, que dexa a desdade codcoa de []. Etão, segudo Barry e Hartga ( 992 ós defmos o modeo artção roduto ara coesões a ror de Yao como segue: 76

3 dado, a dstrução a ror de ρ é a segute dstrução roduto: P ( ρ {,,..., } ( [2.2] ara toda artção,..., }, satsfazedo < <... < f ( P [2.5] {, 2,..., ρ {,..., } f ( ( ( [ ] ( [ ] f[ ] ( [ ] θ π [ ] ( θ dθ é chamada de fator dado. Θ α + β α β. codcoamete em ρ {,..., } e, a seqüêca,..., são deedetes de e tem a desdade couta dada or: ode f [ ] Barry e Hartga (992 tamém mostram que a eseraça a osteror ( ou estmatva roduto ara θ k, k,...,, é dada or: s,..., r *[ ] E( θ ' s [ ], s,...,, α + + β + β + α ( ρ {,..., },...,. f ( ( ( [2.3] E( θ [2.4] k ode r P([ ] ρ,..., deota a reevâca a osteror ara o oco []. *[ ] Vamos assumr que tem dstrução a osteror Beta com arâmetros α e β. Como coseqüêca dessa cosderação, segue que as dstruções a osteror de ρ e B, são resectvamete dadas or: P [2.6] ( B,..., α + β α + + β. α β + β + α ( ( f ( A dstrução a osteror ara é dada or: [2.7] π + α 2 + β (,..., f ( ( ode a soma é sore todas as artções de {,..., } em ocos com otos fas em,,..., satsfazedo a codção < <... <. 3. Estmatvas roduto ara a taxa de crmadade θ 77

4 Assuma que, dados a taxa de crmadade em cada mês, θ,...,θ, o úmero de crmes em cada mês,,...,, são deedetes e tas que k θ k, ~ Posso(θ k, ara k,...,. Assuma tamém que, a ror, o arâmetro comum θ [] que dexa a dstrução das oservações do oco [], tem dstrução gama com arâmetros α> e β>, deotada or θ [] ~ Gama(α,β, com fução desdade dada or: α β α f(θ [] α,β.( θ[ ] ex( βθ[ ]. α Como coseqüêca temos que a dstrução redtva a ror de [] é a segute: f( [] k +! k α k Γ + ( α* β α β * k β* ode β* β + α* α +, k k + ara todo,...,- e +,...,, e que, dado [], a dstrução codcoa de θ [] é a dstrução gama com arâmetro β* e α*, sto é, θ [] [] ~ Gama(α*,β*. Coseqüetemete, as estmatvas a osteror ou estmatvas roduto ara a taxa de crmadade o mês k, θ k, ara todo k,..., são dadas or : ˆ θ k k α * E( θ k,..., r *([ ]. β * [3.] k 4. Métodos Comutacoas Como descrto em Losch (998 e Losch e Cruz (23 a dstrução a osteror de ρ e, cosequetemete, a dstrução a osteror de, B e θ são facmete otdas evado em cota a segute trasformação sugerda or Barry e Hartga (993. Cosdere a quatdade aeatóra auxar U, de forma que U, se θ θ + e U, se θ θ + ara,..., -. Note que a artção aeatóra ρ é medatamete detfcada ao cosderarmos vetores U ( U,..., U dessas quatdades aeatóras. s s Cada artção ( U,..., U, s, é gerada usado o amostrador de Gs como segue. s Icado do vaor ca ( U,..., U, o r-ésmo eemeto o asso s, U r, é gerado cosderado a segute razão: 2 + f[ xy] ( [ xy] ( dπ ( Rr, f[ xr] ( [ xr] f[ ry] ( [ ry] ( dπ ( [4.] 78

5 ara r,..., -, e x e y como defdo em Losch, Cruz, Igesas e Areao Vae (23. Etão, cada amostra da dstrução a osteror de é gerada da dstrução segute: s s,..., ~ ( π (, s ara s, ode s é o úmero de ocos o s-ésmo vetor U e é otdo otado-se que o úmero de ocos em ρ é dado or: B + ( U Cosequetemete, a dstrução a osteror de B ( ou da úmero de otos de mudaça B- é estmada or: P ( B,..., T s s { B T }, ode T é umero tota de vetores U cosderados ara a aáse, { B } deota a fução dcadora de B. O somatóro resete o umerador rereseta o tota de vetores U que estão dcado a formação de ocos. Losch, Cruz, Igesas e Areao-Vae (23 otém as estmatvas roduto comutado a reevâca a osteror do oco [ ],,,...,, <, como segue: [4.2] M r * [ ] T, ode M é o úmero de vetores U ara os quas é oservado que U, U... U, e U Acação Acaremos o MPP aos dados referetes ao úmero de crmes voetos otfcados mês a mês o eríodo de aero de 998 a setemro de 2 as 5ª, 6ª e 27ª Ca s da Poíca Mtar da cdade de Beo Horzote. A 5ª Ca é resosáve eo regstro dos crmes cometdos os Barros Sato Agostho e Barro Preto regão comerca róxma ao cetro da cdade, o cetro da cdade tem os crmes regstrados ea 6ª Ca, a 27ª Ca é resosáve eo regstro dos crmes cometdos em agus dos arros ores da cdade (Magaeras, Cruzero, etc.. Para estmar as reevâcas a osteror r* [], as dstruções a osteror de ρ, B e, foram geradas 46 amostras de vaores - com a dmesão da sére (45, começado de uma seqüêca de zeros. As rmeras terações foram descartadas ara ur- e um ag de um fo seecoado. Assummos que a dstrução a ror ara (roadade de ocorrer uma mudaça em um state quaquer é uma dstrução Beta com arâmetros α,5 e β28,5. Essa dstrução refete que, a ror, achamos que a roadade de ocorrer uma mudaça em um state quaquer é equea ( méda,5 e moda,78 e temos uma grade certeza sore sso 79

6 (varâca,5. Coseqüetemete, estamos assumdo que, a ror, o úmero eserado de ocos é 3,2 e a varâca é 4,989. Isso sgfca dzer que, a ror, se cosderarmos a fução de erda quadrátca, estmamos que o úmero de ocos é equeo (em toro de 3 e coseqüetemete o úmero de otos de mudaça eserado a sére é dos. Tamém estamos assumdo que é mas rováve que ehuma mudaça sea oservada (moda de B é. Assumremos que, dado a taxa de crmadade θ, o úmero de crmes cometdos estas regões ossuem uma dstrução de Posso e que θ ossu uma dstrução Gama com arâmetros α, e β,. Pode-se otar da Taea 5. e da Fgura 5. que esta dstrução é ouco formatva a reseto da taxa de crmadade em cada regão, uma vez que a varâca da dstrução é muto grade. Cosderado a fução de erda quadrátca (Berardo e Smth, 994, a estmatva a ror ara a taxa de crmadade em cada regão é crmes or mês. Taea 5. Dstrução a ror da taxa de crmadade e suas resectvas estatístcas descrtvas. Dstrução de θ E(θ Var(θ Moda(θ Gama(, ;, Fgura 5. Fução de desdade da dstrução a ror da taxa de crmadade 72

7 28 crmes or mês, o eríodo de março a agosto de 99 esta taxa é de aroxmadamete 35 crmes or mês e o eríodo de ovemro de 99 a uho de 2 a taxa é de aroxmadamete 45 crmes or mês. Mudaças mortates a taxa odem ser oservadas em feverero e agosto de 99, uho, outuro e dezemro de 2 e março e ar de 2. A artr de dezemro de 2 a taxa de crmadade começa a dmur. Aós dezemro de 2 a maor taxa é oservada em ar de 2. Para os dados da 6ª Ca, as estmatvas roduto ara a taxa de crmadade aresetam comortameto crescete o eríodo de aero de 998 a setemro de 2, atgdo seu máxmo em uho de 2. Pode-se erceer que a taxa de crmadade areseta mutas mudaças em seu comortameto ao ogo do temo e ão areseta ehum eríodo com taxa costate. Mudaças mortates a taxa odem ser oservadas em feverero, uho, agosto e setemro de 99, aero, março, agosto e setemro de 2 e aero, mao, uho e uho de 2. As estmatvas roduto ara θ a 27ª Ca aresetam comortameto crescete o eríodo de ovemro de 999 a setemro de 2, atgdo seu máxmo este útmo mês. Nos eríodos de aero a ar de 98 e uho a ovemro de 99, a taxa de crmadade areseta crescmeto meos acetuado, sedo que, o eríodo de aero a ar de 98 a taxa é de aroxmadamete 35 crmes or mês, o eríodo de uho a ovemro de 99 esta taxa é de aroxmadamete 33 crmes or mês. Mudaças mortates a taxa odem ser oservadas em outuro e dezemro de 98, ovemro de 99, ovemro de 2 e ar e agosto de 2. De aero de 98 a ovemro de 99 a taxa de crmadade tem um co em ovemro e dezemro de 98 com vaores em toro de 55 crmes or mês. Fgura 5.2 Estmatvas roduto ara a taxa de crmadade em cada regão 5ª Ca 6ª Ca Gama(, ;, Gama(, ;, 7 dados estmatvas dados estmatvas Taxa 4 3 Taxa 5 2 Temo out/98 ago/99 u/ ar/ Date/Tme out/98 ago/99 u/ ar/ 27ª Ca Gama(, ;, Comaração etre as três regões 9 8 dados estmatvas 2 5ª Ca 6ª Ca 27ª Ca 7 Taxa Temo out/98 ago/99 u/ ar/ out/98 a g o / 9 9 u / a r / 72

8 Note tamém da Fgura 5.2 que, ao comararmos o comortameto das estmatvas da taxa de crmadade as três regões, erceemos que a regão com maor taxa de crmadade fo o cetro (6ª Ca, segudo ea regão ore (27ª Ca e famete a regão comerca (5ª Ca. Fgura 5.3 Dstruções a osteror ara o úmero de Bocos,5 5ª Ca 6ª Ca,,4 roadade,3,2 roadade,5,,, º de ocos º de ocos 45 27ª Ca roadade,7,6,5,4,3,2,, º de ocos Percea da Fgura 5.3 que as dstruções a osteror ara o úmero de ocos (ou úmero de otos de mudaça B- as três regões são umodas e tedem a serem assmétrcas. Para a 5ª Ca oserva-se que esta dstrução cocetra maor massa etre 4 e 7 ocos, sedo que a moda é 6 ocos e ocorre com roadade 45,8%. Para a 6ª Ca ercee-se que a dstrução de B cocetra ratcamete toda sua massa 45 ocos, o que ocorre com roadade 99,98%. A dstrução a osteror de B ara dados da 27ª Ca cocetra maor massa etre 2 e 23 ocos, sedo que o vaor moda é 22 ocos e ocorre com roadade 64,2%. Comarado as dstruções a osteror de B as três regões, cofrmamos o que fo dto a aáse das estmatvas de θ, ou sea, o cetro da cdade é a regão que areseta maor mudaças a taxa, segudo ea regão ore e deos da regão comerca. Reare que o cetro da cdade areseta 45 ocos com roadade ratcamete, ou sea a taxa sofreu mudaças em todos os meses da sére. Isto tamém ode ser oservado da Taea 5.2 a segur. Note que cosderado a fução de erda quadrátca, a ror, eserávamos que exstssem 2,2 otos de mudaça. A osteror as estmatvas ara o úmero de mudaças foram em maores as três regões - 4,59, 43,99 e 2,5 ara as 5ª, 6ª e 27ª Cas, resectvamete. 722

9 Taea 5.2 Estatístcas descrtvas das dstruções a ror e a osteror de B. Regão Dstrução a ror de B Dstrução a osteror de B Méda Moda Var Méda Moda Var Med Q Q3 5ª Ca 3,2 4,989 5,59 6, ª Ca 3,2 4,989 44, ª Ca 3,2 4,989 22,5 22, A Taea 5.3 areseta a artção mas rováve a osteror com a sua roadade de ocorrêca a ror e a osteror ara cada uma das regões. Taea 5.3 Proadades a ror e a osteror de ρ. Regão Partção ro. ror ro. osteror 5ª Ca {,4,9,4,8,22,25,28,3,33,35,36,39,42,45} ª Ca {,,2,3,4,5,6,7,8,9,,,2,3,4,5, 6,7,8,9,2,2,22,23,24,25,26,27, 28,29,3,3,32,33,34,35,36,37,38,39, 3. -2, ,4,42,43,44,45} 27ª Ca {,4,7,,2,5,7,2,23,25,26,28, 3,33,35,36,37,38,4,4,43,44,45} 2. -8,333 Percee-se que as roadade a ror são em equeas, os a dstrução a ror de ρ deede aeas do tamaho da sére e do úmero de ocos a artção e a dstrução a ror de B õe maor massa em vaores axos de, dcado que artções com mutos ocos são ouco rováves. A roadade a osteror da artção mas rováve ara a 5 a Ca é tamém equea, mas ão tato quato a roadade a ror. Já as roadades a osteror das outras duas artções são em maores. A artção mas rováve a osteror revea que a taxa de crmadade a regão comerca (5ª Ca sofreu mudaças em ar e setemro de 98, feverero, uho e outuro de 99, aero, ar, uho, setemro, ovemro e dezemro de 2, março e uho de 2 com roadade 2%; que a taxa de crmadade o cetro da cdade (6ª Ca sofreu mudaças em todos os meses da sére com roadade 99%; e que a taxa de crmadade a regão ore (27ª Ca sofre mudaças em ar, uho, outuro e dezemro de 98, março, mao, setemro e ovemro de 99, aero, feverero, ar, uho, setemro, ovemro e dezemro de 2, aero, feverero, ar, mao, uho e agosto de 2 com roadade %. Percea da Fgura 5.4 que tato a dstrução a ror como as dstrução a osteror de das três regões são umodas e assmétrcas. No etato, a dstrução a ror cocetra maor massa em vaores meores que as dstruções a osteror. Da Taea.3, ota-se que, cosderado a fução de erda quadrátca, a estmatva a ror ara é,5. A osteror este vaor é,2 ara a regão comerca (5ª Ca;,6 ara o cetro (6ª Ca; e,3 ara a regão ore (27ª Ca. Ou sea, roadade de ocorrer uma mudaça em um state quaquer é maor do que eserávamos as três regões e, aém dsso, essa roadade é maor o cetro, segudo da regão ore e deos ea regão comerca. Aém dsso, oservamos que há maor certeza sore a osteror as três regões os as varâca das dstruções a osteror são,2,3 e,3 ara a regão comerca, o cetro e a regão ore, resectvamete. Taea 5.4 Estatístcas descrtvas das dstruções a ror e a osteror de 723

10 Regão Dstrução a ror de Dstrução a osteror de Méda Moda Var Méda Moda Var Med Q Q3 5ª Ca,5,7,,2,24,2,2,8,24 6ª Ca,5,7,,6,6,3,6,57,65 27ª Ca,5,7,,3,28,3,3,26,34 Fgura 5.4 Dstruções a ror e a osteror ara 5ª Ca 6ª Ca Gama(, ;, Gama(, ;, 5 5 ror ror desdade 5 osteror desdade 5 osteror,,,2,3,4,5,6 27ª Ca,,,2,3,4,5,6,7,8 Gama(, ;, 5 ror desdade 5 osteror,,,2,3,4,5,6 Cocusões O modeo artção roduto (Barry e Hartga, 992 ara coesões de Yao fo defdo a acado ara a detfcação de mútos otos de mudaça a taxa de crmadade de agumas regões de Beo Horzote-MG. Extesões do modeo artção roduto (Losch e Cruz, 23 e agus métodos comutacoas (Losch et a., 999, Losch, Cruz, Igesas ad Areao-Vae, 23 roostos a teratura foram cosderados. Vmos que a taxa de crmadade as regões aasadas areseta, em gera, tedêca ao crescmeto. Como era revsto, a regão cetra areseta maor taxa de crmadade. Tamém oservamos que, ara todas as regões, a taxa de crmadade areseta mudaças ao ogo do temo e vmos que esta taxa areseta meos mudaças a regão comerca róxma ao ceto. Cocuímos que o modeo artção roduto aresetou om desemeho ara a aáse de otos de mudaça em dados de crmadade. 724

11 Agradecmetos: R.H.Losch recee aoo facero da PRPq-UFMG (fudos UFMG/RTR/PRPq/FUNDO/98 e 48-UFMG/ RTR/ FUNDO/ PRPq/ RECEM- DOUTORES/.F.R.B. da Cruz, agradece à FAPEMIG, CNPq e PRPq-UFMG eo aoo facero à sua esqusa. Os dados foram ceddos ea Poíca Mtar do Estado de Mas Geras através do CRISP UFMG. Referêcas Bográfcas BARRY, D., AND HARTIGAN, J. A. Product artto modes for chage ot roems. The Aas of Statstcs 2, (992, BARRY, D., AND HARTIGAN, J. A. A Bayesa aayss for chage ot roem. Joura of the Amerca Statstca Assocato 88, 42 (993, BERNARDO, J.M. AND SMITH, A. F. M. Bayesa Theory. Joh Wey e Sos, New York, U.S.A CROWLEY, E. M. Product artto modes for orma meas. Joura of the Amerca Satstca Assocato ( GAMERMAN, D. Markov Cha Mote Caro: Sthocastc Smuato for Bayesa Iferece. Chama & Ha, Lodo, U.K., 997. LOSCHI, R. H. Imrevstos e suas Coseqüêcas. Tese de Doutorado, Deartameto de Estatístca, Isttuto de Matemátca e Estatístca, Uversdade de São Pauo, São Pauo, Braz, 998. LOSCHI, R. H., AND CRUZ, F. R. B. A aayss of the fuece of some ror secfcatos the detfcato of chage ots va roduct artto mode. Comutatoa Statstcs & Data Aayss 39, 4 ( 22, LOSCHI, R. H., CRUZ, F.R.B., IGLESIAS, P. L., AND ARELLANO VALLE, R. B. A Gs samg scheme to the roduct artto mode: A acato to chage ot roems. Comuters ad Oeratos Research 3, 3 (23, LOSCHI, R. H., AND CRUZ, F. R. B. Exteso to the roduct artto mode: Comutg the roaty of a chage.(23 (sumetdo ara ucação. O HAGAN, A. Bayesa Iferece. Keda's Advaced Theory of Statstcs 2A. Joh Wey esos, New York, USA, 994. QUINTANA, F. A. AND IGLESIAS, P.L. Noaametrc Bayesa custerg ad roduct artto mode. Joura of the Roya Statstca Socety B. 23. (a ser ucado. YAO, Y. estmato of a osy dscrete-tme ste fucto:bayes ad emrca Bayes aroaches. The Aas of Statstcs 2, 4(984,

AVALIAÇÃO DA MEDIDA DE EVIDÊNCIA DE UMA MUDANÇA EM SÉRIES DE DADOS COM DISTRIBUIÇÃO POISSON

AVALIAÇÃO DA MEDIDA DE EVIDÊNCIA DE UMA MUDANÇA EM SÉRIES DE DADOS COM DISTRIBUIÇÃO POISSON AVALIAÇÃO DA MEDIDA DE EVIDÊNCIA DE UMA MUDANÇA EM SÉRIES DE DADOS COM DISTRIBUIÇÃO POISSON Flávio Bambirra Goçalves, e Frederico R. B. da Cruz Deartameto de Estatística ICEx - Uiversidade Federal de Mias

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UMA MEDIDA DE EVIDÊNCIA DE UM PONTO DE MUDANÇA E SUA UTILIZAÇÃO NA IDENTIFICAÇÃO DE MUDANÇAS NA TAXA DE CRIMINALIDADE EM BELO HORIZONTE

AVALIAÇÃO DE UMA MEDIDA DE EVIDÊNCIA DE UM PONTO DE MUDANÇA E SUA UTILIZAÇÃO NA IDENTIFICAÇÃO DE MUDANÇAS NA TAXA DE CRIMINALIDADE EM BELO HORIZONTE versão imressa ISSN -7438 / versão online ISSN 678-542 AVALIAÇÃO DE UMA MEDIDA DE EVIDÊNCIA DE UM PONTO DE MUDANÇA E SUA UTILIZAÇÃO NA IDENTIFICAÇÃO DE MUDANÇAS NA TAXA DE CRIMINALIDADE EM BELO HORIZONTE

Leia mais

Econometria: 4 - Regressão Múltipla em Notação Matricial

Econometria: 4 - Regressão Múltipla em Notação Matricial Ecoometra: 4 - Regressão últpla em Notação atrcal Prof. arcelo C. ederos mcm@eco.puc-ro.br Prof. arco A.F.H. Cavalcat cavalcat@pea.gov.br Potfíca Uversdade Católca do Ro de Jaero PUC-Ro Sumáro O modelo

Leia mais

Determinação dos fatores associados à sobrevida de mulheres com câncer de mama via modelos de longa duração Weibull Modificado

Determinação dos fatores associados à sobrevida de mulheres com câncer de mama via modelos de longa duração Weibull Modificado Determação dos fatores assoados à sobrevda de muheres om âer de mama va modeos de oga duração Webu Modfado. Itrodução Ceyto Zaardo de Overa CER, DEs, UFCar 3 Gerso Hrosh Yoshar Júor FMRP/UP 2 4 Ge da va

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M18 Noções de Estatística

Matemática. Resolução das atividades complementares. M18 Noções de Estatística Resolução das atvdades complemetares Matemátca M8 Noções de Estatístca p. 3 (UFRJ) Dos estados do país, um certo ao, produzem os mesmos tpos de grãos. Os grácos de setores lustram a relação etre a produção

Leia mais

Estudo das relações entre peso e altura de estudantes de estatística através da análise de regressão simples.

Estudo das relações entre peso e altura de estudantes de estatística através da análise de regressão simples. Estudo das relações etre peso e altura de estudates de estatístca através da aálse de regressão smples. Waessa Luaa de Brto COSTA 1, Adraa de Souza COSTA 1. Tago Almeda de OLIVEIRA 1 1 Departameto de Estatístca,

Leia mais

ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO ASSINTÓTICA DOS ESTIMADORES DOS PARÂMETROS DA DISTRIBUIÇÃO WEIBULL NA PRESENÇA DE DADOS SUJEITOS A CENSURA ALEATÓRIA

ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO ASSINTÓTICA DOS ESTIMADORES DOS PARÂMETROS DA DISTRIBUIÇÃO WEIBULL NA PRESENÇA DE DADOS SUJEITOS A CENSURA ALEATÓRIA ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO ASSINTÓTICA DOS ESTIMADORES DOS PARÂMETROS DA DISTRIBUIÇÃO WEIBULL NA PRESENÇA DE DADOS SUJEITOS A CENSURA ALEATÓRIA Almir MANTOVANI Maria Aarecida de Paiva FRANCO 2 RESUMO: O objetivo

Leia mais

MÉTODO DUAL SIMPLEX COM A REGRA STEEPEST-EDGE PARA RESOLVER PROBLEMAS LINEARES CANALIZADOS

MÉTODO DUAL SIMPLEX COM A REGRA STEEPEST-EDGE PARA RESOLVER PROBLEMAS LINEARES CANALIZADOS A esusa Oeracoal e os Recursos Reováves 4 a 7 de ovembro de 3, atal-r MÉODO DUAL SIMPLEX COM A REGRA SEEPES-EDGE PARA RESOLVER PROLEMAS LIEARES CAALIZADOS Rcardo Slvera Sousa Marcos ereu Areales Deartameto

Leia mais

MAE116 Noções de Estatística

MAE116 Noções de Estatística Grupo C - º semestre de 004 Exercíco 0 (3,5 potos) Uma pesqusa com usuáros de trasporte coletvo a cdade de São Paulo dagou sobre os dferetes tpos usados as suas locomoções dáras. Detre ôbus, metrô e trem,

Leia mais

Cálculo de média a posteriori através de métodos de integração numérica e simulação monte carlo: estudo comparativo

Cálculo de média a posteriori através de métodos de integração numérica e simulação monte carlo: estudo comparativo INGEPRO Iovação, Gestão e Produção Jaero de 010, vol. 0, o. 01 www.gepro.com.br Cálculo de méda a posteror através de métodos de tegração umérca e smulação mote carlo: estudo comparatvo Helto Adre Lopes

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA 003 Iformações: relembra-se os aluos teressados que a realzação de acções presecas só é possível medate solctação vossa, por escrto, à assstete da cadera. A realzação

Leia mais

IND 1115 Inferência Estatística Aula 9

IND 1115 Inferência Estatística Aula 9 Coteúdo IND 5 Iferêca Estatístca Aula 9 Outubro 2004 Môca Barros Dfereça etre Probabldade e Estatístca Amostra Aleatóra Objetvos da Estatístca Dstrbução Amostral Estmação Potual Estmação Bayesaa Clássca

Leia mais

Perguntas Freqüentes - Bandeiras

Perguntas Freqüentes - Bandeiras Pergutas Freqüetes - Baderas Como devo proceder para prestar as formações de quatdade e valor das trasações com cartões de pagameto, os casos em que o portador opte por lqudar a obrgação de forma parcelada

Leia mais

Ana Clara P. Campos 1 Denise Nunes Viola 1 Moacyr Cunha Filho 2 Guilherme Vilar 2 Vanessa Van Der Linden 3

Ana Clara P. Campos 1 Denise Nunes Viola 1 Moacyr Cunha Filho 2 Guilherme Vilar 2 Vanessa Van Der Linden 3 Idetfcação da exstêca de padrão espacal aleatóro a dstrbução dos pacetes portadores de doeça geétca rara com defcêca físca da Assocação de Assstêca à Craça Defcete (AACD) de Perambuco Aa Clara P. Campos

Leia mais

Curso Online Sistema Financeiro do Mercado de Capitais Banco de Desenvolvimento do Estado de Minas Gerais Teoria e Exercícios Prof.

Curso Online Sistema Financeiro do Mercado de Capitais Banco de Desenvolvimento do Estado de Minas Gerais Teoria e Exercícios Prof. Baco de Desevolvmeto do stado de Mas Geras Olá essoal! Prmeramete re fazer uma breve aresetação. Meu ome é César de Olvera Frade, sou fucoáro de carrera do Baco Cetral do Brasl arovado o cocurso de 997.

Leia mais

Sistemas de Filas Simples

Sistemas de Filas Simples Sistemas de Filas Simles Teoria de Filas Processo de chegada: se os usuários de uma fila chegam os istates t, t, t 3,..., t, as variáveis aleatórias τ t - t - são chamadas de itervalos etre chegadas. As

Leia mais

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04 MA1 - Udade 4 Somatóros e Bômo de Newto Semaa de 11/04 a 17/04 Nesta udade troduzremos a otação de somatóro, mostrado como a sua mapulação pode sstematzar e facltar o cálculo de somas Dada a mportâca de

Leia mais

Relatório Final da Comparação Interlaboratorial para Análise de. Comparação Interlaboratorial para Análise de Tensões Residuais

Relatório Final da Comparação Interlaboratorial para Análise de. Comparação Interlaboratorial para Análise de Tensões Residuais Relatóro Fal da Comaração Iterlaboratoral ara Aálse de Relatóro Tesões Prelmar Resduas da Comaração Iterlaboratoral ara Aálse de Tesões Resduas COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PARA ANÁLISE DE TENSÕES RESIDUAIS

Leia mais

SUMÁRIO GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Cid Ferreira Gomes Governador. 1. Introdução... 2. Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

SUMÁRIO GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Cid Ferreira Gomes Governador. 1. Introdução... 2. Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cd Ferrera Gomes Goverador Domgos Gomes de Aguar Flho Vce Goverador SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GES- TÃO (SEPLAG)

Leia mais

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes Mostra Nacoal de Icação Cetífca e Tecológca Iterdscplar VI MICTI Isttuto Federal Catarese Câmpus Camború 30 a 3 de outubro de 03 A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: echetes Ester Hasse

Leia mais

Análise de Regressão

Análise de Regressão Aálse de Regressão Prof. Paulo Rcardo B. Gumarães. Itrodução Os modelos de regressão são largamete utlzados em dversas áreas do cohecmeto, tas como: computação, admstração, egeharas, bologa, agrooma, saúde,

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS EXTAS E DA TERRA-CCET PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA APLICADA E ESTATÍSTICA - PPGMAE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO CARACTERIZAÇÃO ESTATÍSTICA

Leia mais

2.1 Calibração. 2.2 Identificação e Rastreamento

2.1 Calibração. 2.2 Identificação e Rastreamento CONSTRUINDO ROBÔS AUTÔNOMOS PARA PARTIDAS DE FUTEBOL: O TIME GUARANÁ Aa Helea Real Costa LTI-PCS-EPUSP Av. Prof. Lucao Gualerto, 158 Travessa3 CEP 05508-900 São Paulo SP Reê Pegoraro DCo-UNESP Rua Luz

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

Avaliação da Confiabilidade de Itens com Testes Destrutivos - Aplicação da Estimação da Proporção em uma População Finita Amostrada sem Reposição

Avaliação da Confiabilidade de Itens com Testes Destrutivos - Aplicação da Estimação da Proporção em uma População Finita Amostrada sem Reposição Avaliação da Cofiabilidade de Ites com Testes Destrutivos - Alicação da Estimação da roorção em uma oulação Fiita Amostrada sem Reosição F. A. A. Coelho e Y.. Tavares Diretoria de Sistemas de Armas da

Leia mais

FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL

FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL rofessores Ealdo Vergasta, Glóra Márca e Jodála Arlego ENCONTRO RM 0 FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL INTRODUÇÃO Numa operação de empréstmo, é comum o pagameto ser efetuado em parcelas peródcas, as quas

Leia mais

Capitulo 8 Resolução de Exercícios

Capitulo 8 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Audades Peródcas, Crescetes e Postecpadas, com Termos em P. A. G 1 1 1 1 G SPAC R R s s 1 1 1 1 1 G G C R a R a 1 1 PAC Audades Gradetes Postecpadas S GP G 1 1 ; C GP G 1 1 1 Audades Gradetes

Leia mais

Projeção Populacional 2013-2020 para a Cidade do Rio de Janeiro: uma aplicação do método AiBi

Projeção Populacional 2013-2020 para a Cidade do Rio de Janeiro: uma aplicação do método AiBi ISSN 1984-7203 Projeção Populacoal 2013-2020 para a Cdade do Ro de Jaero: uma aplcação do método AB Nº 20130102 Jaero - 2013 Iva Braga Ls 1, Marcelo Pessoa da Slva, Atoo Carlos Carero da Slva, Sérgo Gumarães

Leia mais

EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA UTILIZANDO MÉTODOS DE TANQUE CLASSE A PROPOSTOS PELA FAO, NA REGIÃO DE MOSSORÓ, RN

EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA UTILIZANDO MÉTODOS DE TANQUE CLASSE A PROPOSTOS PELA FAO, NA REGIÃO DE MOSSORÓ, RN EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA UTILIZANDO MÉTODOS DE TANQUE CLASSE A PROPOSTOS PELA FAO, NA REGIÃO DE MOSSORÓ, RN Tayd Dayvso Custódo Pexoto ; Sérgo Luz Agular Leve ; Adre Herma Frere Bezerra 3 ; José

Leia mais

2 Avaliação da segurança dinâmica de sistemas de energia elétrica: Teoria

2 Avaliação da segurança dinâmica de sistemas de energia elétrica: Teoria Avalação da seguraça dâmca de sstemas de eerga elétrca: Teora. Itrodução A avalação da seguraça dâmca é realzada através de estudos de establdade trastóra. Nesses estudos, aalsa-se o comportameto dos geradores

Leia mais

Teoria da Amostragem

Teoria da Amostragem Teora da Amostragem I- oções fudametas sobre amostragem. Amostragem é todo o processo de recolha de uma parte, geralmete pequea, dos elemetos que costtuem um dado couto. Da aálse dessa parte pretede obter-se

Leia mais

UERJ CTC IME Departamento de Informática e Ciência da Computação 2 Cálculo Numérico Professora Mariluci Ferreira Portes

UERJ CTC IME Departamento de Informática e Ciência da Computação 2 Cálculo Numérico Professora Mariluci Ferreira Portes UERJ CTC IE Departameto de Iormátca e Cêca da Computação Udade I - Erros as apromações umércas. I. - Cosderações geras. Há váras stuações em dversos campos da cêca em que operações umércas são utlzadas

Leia mais

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações Algortmos de Iterseções de Curvas de Bézer com Uma Aplcação à Localzação de Raízes de Equações Rodrgo L.R. Madurera Programa de Pós-Graduação em Iformátca, PPGI, UFRJ 21941-59, Cdade Uverstára, Ilha do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA NÚMEROS ÍNDICES

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA NÚMEROS ÍNDICES UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA NÚMEROS ÍNDICES Aa Mara Lma de Faras Luz da Costa Laurecel Com a colaboração dos motores Maracajaro

Leia mais

APOSTILA DA DISCIPLINA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA I

APOSTILA DA DISCIPLINA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA I UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA APOSTILA DA DISCIPLINA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA I CURSO DE ESTATÍSTICA Prof. Paulo Rcardo Bttecourt Gumarães O SEMETRE

Leia mais

Os números índices simples podem ser chamados (como também os compostos) de relativos de base fixa ou relativos de ligação. q q

Os números índices simples podem ser chamados (como também os compostos) de relativos de base fixa ou relativos de ligação. q q INE 7001 - Números Ídces 1 5 - NÚMEROS ÍNDICES Números ídces são usados ara dcar varações relatvas em uatdades, reços ou valores de um artgo (ou artgos) durate certo eríodo de temo. Eles stetzam as modfcações

Leia mais

Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil

Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Educação e Pesqusa ISS: 1517-972 revedu@usp.br Uversdade de São Paulo Brasl Helee, Otavao Evolução da escolardade esperada o Brasl ao logo do século XX Educação e Pesqusa, vol. 38, úm. 1, marzo, 212, pp.

Leia mais

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Faculdade de Ecooma, Admstração e Cotabldade de Rberão Preto Ecooma Moetára Curso de Ecooma / º. Semestre de 014 Profa. Dra. Rosel da Slva Nota de aula CAPM Itrodução Há dos modelos bastate utlzados para

Leia mais

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA SÉRGIO KATO

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA SÉRGIO KATO PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA SÉRGIO KATO A expressão dados, será ctada dversas vezes esta dscpla, em lguagem ormal, dados são ormações (úmeros ou ão) sobre um dvíduo (pessoa,

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTATÍSTICA. Jaime Fonseca. Daniel Torres. Vol. 2. 2ª Edição Revista e Corrigida EDIÇÕES SÍLABO

EXERCÍCIOS DE ESTATÍSTICA. Jaime Fonseca. Daniel Torres. Vol. 2. 2ª Edição Revista e Corrigida EDIÇÕES SÍLABO RCÍCIOS D STATÍSTICA Jame Foseca Dael Torres Vol. ª ção Revsta e Corrga DIÇÕS SÍABO RCÍCIOS D STATÍSTICA JAIM FONSCA DANI TORRS DIÇÕS SÍABO É eressamete robo rerouzr, o too ou em arte, sob qualquer forma

Leia mais

Monitoramento ou Inventário Florestal Contínuo

Monitoramento ou Inventário Florestal Contínuo C:\Documets ad Settgs\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_EF_44\ef44_PDF\CAP XIV_IFCOTIUO.doc 6 Motorameto ou Ivetáro Florestal Cotíuo Agosto Lopes de Souza. ITRODUÇÃO Parcelas permaetes de vetáro florestal cotíuo

Leia mais

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil!

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil! Matemátca Facera ICMS-RJ/008, com gabarto cometado Prof. Wager Carvalho Olá, amgos cocursados de todo o Brasl! Veremos, hoje, a prova do ICMS-RJ/008, com o gabarto cometado. - O artgo º da Le.948 de 8

Leia mais

É o grau de associação entre duas ou mais variáveis. Pode ser: correlacional ou experimental.

É o grau de associação entre duas ou mais variáveis. Pode ser: correlacional ou experimental. É o grau de assocação etre duas ou mas varáves. Pode ser: Prof. Lorí Val, Dr. val@pucrs.br http://www.pucrs.br/famat/val www.pucrs.br/famat/val/ correlacoal ou expermetal. Numa relação expermetal os valores

Leia mais

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva INF 6 Prof. Luz Alexadre Peterell CAPÍTULO - Estatístca Descrtva Podemos dvdr a Estatístca em duas áreas: estatístca dutva (ferêca estatístca) e estatístca descrtva. Estatístca Idutva: (Iferêca Estatístca)

Leia mais

INTERVALOS DE CONFIANÇA ESTATISTICA AVANÇADA

INTERVALOS DE CONFIANÇA ESTATISTICA AVANÇADA INTERVALOS DE CONFIANÇA ESTATISTICA AVANÇADA Resumo Itervalos de Cofiaça ara médias e roorções com alicações a Egeharia. Ferado Mori Prof.fmori@gmail.com Itervallos de Cofiiaça ara Médiias e Proorções

Leia mais

Em atendimento à solicitação de V.Sa., apresentamos, na seqüência, os resultados do estudo referenciado.

Em atendimento à solicitação de V.Sa., apresentamos, na seqüência, os resultados do estudo referenciado. 1 Belo Horzote, 14 de abrl de 2007. À UNAFISCO SAÚDE AT.: Glso Bezerra REF: AVALIAÇÃO ATUARIAL Prezado Sehor, Em atedmeto à solctação de V.Sa., apresetamos, a seqüêca, os resultados do estudo referecado.

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO Euldes Pedrozo Jr. ESTIMAÇÃO DAS ELASTICIDADES DA DEMANDA POR ENERGIA ELÉTRICA E ALIMENTOS NO BRASIL: Uma aálse a artr do Modelo

Leia mais

Contabilometria. Números-Índices

Contabilometria. Números-Índices Coablomera Números-Ídces Foes: Seveso (1981) Esaísca Alcada à Admsração Ca. 15 Foseca, Mars e Toledo (1991) Esaísca Alcada Ca. 5 Números-Ídces Sezam modfcações em varáves ecoômcas durae um eríodo de emo

Leia mais

MATERIAL DE ESTATÍSTICA II PROF. MÁRIO ROBERTO

MATERIAL DE ESTATÍSTICA II PROF. MÁRIO ROBERTO 1 VARIÁVEIS ALEATÓRIAS O que se etede por varável aleatóra? Até agora ossos estudos estavam pratcamete voltados mas para defrmos osso Espaço Amostral U, sem assocarmos suas respectvas probabldades aos

Leia mais

Contributos para uma Boa Apresentação

Contributos para uma Boa Apresentação Cotributos ara uma Boa Aresetação Luis M. Correia Istituto de Telecomuicações / Istituto Suerior Técico Uiversidade Técica de Lisboa, Portugal (00/06/, revisto em 00/0/6) Sumário Pricíios básicos. Estrutura.

Leia mais

Requisitos metrológicos de instrumentos de pesagem de funcionamento não automático

Requisitos metrológicos de instrumentos de pesagem de funcionamento não automático Requstos metrológcos de strumetos de pesagem de fucoameto ão automátco 1. Geeraldades As balaças estão assocadas de uma forma drecta à produção do betão e ao cotrolo da qualdade do mesmo. Se são as balaças

Leia mais

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística ESTATÍSTICA MULTIVARIADA º SEMESTRE 010 / 11 EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revsões de Estatístca -0-11 1.1 1.1. (Varáves aleatóras: função de densdade e de dstrbução; Méda e Varânca enquanto expectatvas

Leia mais

LEASING UMA OBSERVAÇÃO Economista Antonio Pereira da Silva

LEASING UMA OBSERVAÇÃO Economista Antonio Pereira da Silva LEASING UMA OBSERVAÇÃO Ecoomsta Atoo Perera da Slva AMOR POR DINHEIRO TITÃS Composção: Sérgo Brtto e To Bellotto Acma dos homes, a le E acma da le dos homes A le de Deus Acma dos homes, o céu E acma do

Leia mais

Modelos estatísticos para previsão de partidas de futebol

Modelos estatísticos para previsão de partidas de futebol Modelos estatístcos para prevsão de partdas de futebol Dan Gamerman Insttuto de Matemátca, UFRJ dan@m.ufrj.br X Semana da Matemátca e II Semana da Estatístca da UFOP Ouro Preto, MG 03/11/2010 Algumas perguntas

Leia mais

CAPÍTULO 9 - Regressão linear e correlação

CAPÍTULO 9 - Regressão linear e correlação INF 6 Prof. Luz Alexadre Peterell CAPÍTULO 9 - Regressão lear e correlação Veremos esse capítulo os segutes assutos essa ordem: Correlação amostral Regressão Lear Smples Regressão Lear Múltpla Correlação

Leia mais

4- Método de Diferenças Finitas Aplicado às Equações Diferenciais Parciais.

4- Método de Diferenças Finitas Aplicado às Equações Diferenciais Parciais. MÉTODOS NM ÉRICOS PARA E QAÇÕES DIFEREN CIAIS PARCIAIS 4- Método de Dfereças Ftas Aplcado às Eqações Dferecas Parcas. 4.- Apromação de Fções. 4..- Apromação por Polômos. 4..- Aste de Dados: M ímos Qadrados.

Leia mais

Unidade II ESTATÍSTICA

Unidade II ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA Udade II 3 MEDIDAS OU PARÂMETROS ESTATÍSTICOS 1 O estudo que fzemos aterormete dz respeto ao agrupameto de dados coletados e à represetação gráfca de algus deles. Cumpre agora estudarmos as

Leia mais

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Ministério da Educação MEC. Índice Geral de Cursos (IGC)

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Ministério da Educação MEC. Índice Geral de Cursos (IGC) Isttuto Nacoal de Estudos e Pesqusas Educacoas Aíso exera INEP stéro da Educação EC Ídce Geral de Cursos (IGC) O Ídce Geral de Cursos (IGC) é ua éda poderada dos cocetos dos cursos de graduação e pós-graduação

Leia mais

Variância estatística associada a métodos semi-empíricos para estimativa da capacidade de carga de estacas

Variância estatística associada a métodos semi-empíricos para estimativa da capacidade de carga de estacas Teora e Prátca a Egehara vl,.0, p.6-67, ovemro, 0 arâca estatístca assocada a métodos sem-empírcos para estmatva da capacdade de carga de estacas Statstcal varace assocated wth sem-emprcal methods for

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

Perguntas freqüentes Credenciadores

Perguntas freqüentes Credenciadores Pergutas freqüetes Credecadores Como devo proceder para prestar as formações de quatdade e valor das trasações com cartões de pagameto, os casos em que o portador opte pelo facameto da compra pelo emssor?

Leia mais

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO scpla de Matemátca Facera 212/1 Curso de Admstração em Gestão Públca Professora Ms. Valéra Espídola Lessa EMPRÉSTIMOS Um empréstmo ou facameto pode ser feto a curto, médo ou logo prazo. zemos que um empréstmo

Leia mais

Uma Calculadora Financeira usando métodos numéricos e software livre

Uma Calculadora Financeira usando métodos numéricos e software livre Uma Calculadora Facera usado métos umércos e software lvre Jorge edraza Arpas, Julao Sott, Depto de Cêcas e Egeharas, Uversdade Regoal ItegradaI, URI 98400-000-, Frederco Westphale, RS Resumo.- Neste trabalho

Leia mais

Capítulo 2 Circuitos Resistivos

Capítulo 2 Circuitos Resistivos EA53 Crcutos Elétrcos I DECOMFEECUICAMP Caítulo Crcutos esstos EA53 Crcutos Elétrcos I DECOMFEECUICAMP. Le de Ohm esstor: qualquer dsosto que exbe somete uma resstêca. a resstêca está assocada ao úmero

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UFRJ EMPREGANDO UMA VARIANTE DESENVOLVIDA DO MÉTODO UTA

AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UFRJ EMPREGANDO UMA VARIANTE DESENVOLVIDA DO MÉTODO UTA versão mpressa ISSN 00-7438 / versão ole ISSN 678-542 AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UFRJ EMPREGANDO UMA VARIANTE DESENVOLVIDA DO MÉTODO UTA Luís Alberto Duca Ragel UFF-COPPE/PEP/UFRJ

Leia mais

Teste de Hipóteses VÍCTOR HUGO LACHOS DÁVILAD

Teste de Hipóteses VÍCTOR HUGO LACHOS DÁVILAD Teste de ióteses VÍCTOR UGO LACOS DÁVILAD Teste De ióteses. Exemlo. Cosidere que uma idustria comra de um certo fabricate, ios cuja resistêcia média à rutura é esecificada em 6 kgf (valor omial da esecificação).

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Aulas de Estatística / Prof. Jones Garcia da Mata / www.professorjones.hpg.com.br

Aulas de Estatística / Prof. Jones Garcia da Mata / www.professorjones.hpg.com.br # Variável aleatória Quado uma variável tem resultados ou valores que tedem a variar de uma observação ara outra em razão de fatores relacioados com a chace, ós chamamos de variável aleatória Defiimos

Leia mais

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros.

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros. JUROS MONTANTE JUROS SIMPLES J = C 0 * * t 00 M = C * + * t 00 TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplcada ao mesmo captal, o mesmo prazo, produze o mesmo juros. * = * JUROS COMPOSTOS MONTANTE M = C * + 00

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Cocetos Báscos de Matemátca Facera Uversdade do Porto Faculdade de Egehara Mestrado Itegrado em Egehara Electrotécca e de Computadores Ecooma e Gestão Na prátca As decsões faceras evolvem frequetemete

Leia mais

AULA: Inferência Estatística

AULA: Inferência Estatística AULA: Iferêcia Estatística stica Prof. Víctor Hugo Lachos Dávila Iferêcia Estatística Iferêcia Estatística é um cojuto de técicas que objetiva estudar uma oulação através de evidêcias forecidas or uma

Leia mais

Capítulo 6 - Centro de Gravidade de Superfícies Planas

Capítulo 6 - Centro de Gravidade de Superfícies Planas Capítulo 6 - Cetro de ravdade de Superfíces Plaas 6. Itrodução O Cetro de ravdade (C) de um sóldo é um poto localzado o própro sóldo, ou fora dele, pelo qual passa a resultate das forças de gravdade que

Leia mais

ANAIS O JOGO DA LOGÍSTICA E SUAS VARIANTES NO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES

ANAIS O JOGO DA LOGÍSTICA E SUAS VARIANTES NO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES O JOGO DA LOGÍSTICA E SUAS VARIANTES NO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES MARCOS RICARDO ROSA GEORGES ( marcos.georges@puc-campas.edu.br, marcos_georges@yahoo.com.br ) PUC-CAMPINAS Resumo Este artgo

Leia mais

Professor Mauricio Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA

Professor Mauricio Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA Proessor Maurco Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA. Coceto Exstem mutas deções propostas por autores, objetvado estabelecer com clareza o que é estatístca, como por exemplo: Þ A Estatístca é um cojuto de métodos

Leia mais

MODELOS DE RESPOSTA ALEATORIZADA PARA VARIÁVEIS QUANTITATIVAS: MODELO DE GREENBERG

MODELOS DE RESPOSTA ALEATORIZADA PARA VARIÁVEIS QUANTITATIVAS: MODELO DE GREENBERG MODELOS DE RESPOSTA ALEATORIADA PARA VARIÁVEIS QUANTITATIVAS: MODELO DE GREENBERG Olga Lda Solao DÁVILA RESUMO: Neste trabalho estudamos algus modelos de resposta aleatorzada (MRA), comumete usados em

Leia mais

SEQÜÊNCIAS E SÉRIES 1. CÁLCULO SOMATÓRIO. variando de 0 a 50. Esta soma pode ser representada abreviadamente por:

SEQÜÊNCIAS E SÉRIES 1. CÁLCULO SOMATÓRIO. variando de 0 a 50. Esta soma pode ser representada abreviadamente por: SEQÜÊNCIAS E SÉRIES. CÁCUO SOMATÓRIO Cosderemos segute som dcd : 6 8.... Podemos oservr que cd rcel é um úmero r e ortto ode ser reresetd el form, este cso, com vrdo de. Est som ode ser reresetd revdmete

Leia mais

Exercícios de Cálculo Numérico Interpolação Polinomial e Método dos Mínimos Quadrados

Exercícios de Cálculo Numérico Interpolação Polinomial e Método dos Mínimos Quadrados Eercícos e Cálculo Numérco Iterpolação Polomal e Métoo os Mímos Quaraos Para a ução aa, seja,, 6 e, 9 Costrua polômos e grau, para apromar, 5, e ecotre o valor o erro veraero a cos b c l Use o Teorema

Leia mais

ANÁLISE DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL UTILIZANDO ESTATÍSTICA ESPACIAL

ANÁLISE DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL UTILIZANDO ESTATÍSTICA ESPACIAL ANÁLISE DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL UTILIZANDO ESTATÍSTICA ESPACIAL Dese de Mrada e Slva Correa Vâa Barcellos Gouvêa Campos Isttuto Mltar de Egehara Resumo Neste trabalho apreseta-se uma aálse espacal

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 CAPES INTERPOLAÇÃO

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 CAPES INTERPOLAÇÃO Uversdade Federal do Ro Grade FURG Isttuto de Matemátca, Estatístca e Físca IMEF Edtal CAPES INTERPOLAÇÃO Pro. Atôo Mauríco Mederos Alves Proª Dese Mara Varella Martez Matemátca Básca ara Cêcas Socas II

Leia mais

Análise do jogo de barganha no setor de contratação de uma empresa de transporte

Análise do jogo de barganha no setor de contratação de uma empresa de transporte XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasl, 9 out a 0 de nov de 005 Análse do jogo de barganha no setor de contratação de uma emresa de transorte Paulo Fernando do Rêgo Barros Júnor

Leia mais

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL IT 90 Prncípos em Agrcultura de Precsão IT Departamento de Engenhara ÁREA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL Carlos Alberto Alves Varella Para o mapeamento da varabldade espacal

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA ESTIMAÇÃO DE RIGIDEZES DE MANCAIS DE ROTORES POR ANÁLISE DE SENSIBILIDADE. Leonardo Caldiron

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA ESTIMAÇÃO DE RIGIDEZES DE MANCAIS DE ROTORES POR ANÁLISE DE SENSIBILIDADE. Leonardo Caldiron uesp UNIVERIDADE ETADUA PAUITA FACUDADE DE ENGENHARIA DE IHA OTEIRA PROGRAA DE PÓ-GRADUAÇÃO E ENGENHARIA ECÂNICA ETIAÇÃO DE RIGIDEZE DE ANCAI DE ROTORE POR ANÁIE DE ENIBIIDADE eoardo Cadro Dssertação apresetada

Leia mais

Apostla Básca de Estatístca Slvo Alves de Souza ÍNDICE Itrodução... 3 Software R... 4 Software SPSS... 5 Dstrbução ormal de probabldade... 6 Testes de Hpótese paramêtrco... Testes Não-Paramétrco...5 Dstrbução

Leia mais

2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros

2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros Estrutura a Termo de Taxa de Juros 20 2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros A Estrutura a termo de taxa de juros (também cohecda como Yeld Curve ou Curva de Retabldade) é a relação, em dado mometo, etre

Leia mais

A Medição e o Erro de Medição

A Medição e o Erro de Medição A Medção e o Erro de Medção Sumáro 1.1 Itrodução 1.2 Defções 1.3 Caracterzação da qualdade de medção 1.4 O erro da medção 1.4.1 Os erros aleatóros 1.4.2 Os erros sstemátcos 1.5 O verdadero valor, o erro

Leia mais

Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Projeção de Cenários Aplicados ao Orçamento Empresarial Com revisão das Ferramentas de Estatística

Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Projeção de Cenários Aplicados ao Orçamento Empresarial Com revisão das Ferramentas de Estatística Projeção de Ceáros Aplcados ao Orçameto Empresaral Com revsão das Ferrametas de Estatístca Prof. Dr. Marco Atoo Leoel Caetao TÓPICO Tratameto, Quatfcação e Vsualzação de Dados Faceros. Itrodução Na dvulgação

Leia mais

Projeto de rede na cadeia de suprimentos

Projeto de rede na cadeia de suprimentos Projeto de rede a cadea de suprmetos Prof. Ph.D. Cláudo F. Rosso Egehara Logístca II Esboço O papel do projeto de rede a cadea de suprmetos Fatores que fluecam decsões de projeto de rede Modelo para decsões

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A PROA DE FÍSCA º ANO - ª MENSAL - º RMESRE PO A ) Cosidere as seguites roosições referetes a u gás erfeito.. O gás é costituído de u úero uito elevado de éculas que tê diesões desrezíveis e coaração co

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

Vitamina A Vitamina B Vitamina C Alimento 1 50 30 20 Alimento 2 100 40 10 Alimento 3 40 20 30

Vitamina A Vitamina B Vitamina C Alimento 1 50 30 20 Alimento 2 100 40 10 Alimento 3 40 20 30 Motvção: O prole d det Itrodução os Sstes Leres U pesso e det ecesst dgerr drete s segutes qutddes de vts: g de vt A 6 g de vt B 4 g de vt C El deve suprr sus ecessddes prtr do cosuo de três letos dferetes

Leia mais

3 Precificação de resseguro

3 Precificação de resseguro Precfcação de Resseguro 35 3 Precfcação de resseguro Este capítulo traz prmeramete uma oção ampla das aplcações das metodologas de precfcação de resseguro para melhor compreesão do mesmo Da seção 3 até

Leia mais

ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS GMI/001 21 a 26 de Outubro de 2001 Campas - São Paulo - Brasl GRUPO XII ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDICADORES DE DESEMPENHO DA TRANSMISSÃO: METODOLOGIA DE CÁLCULO

Leia mais

RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA. Juro Bom Investimento C valor aplicado M saldo ao fim da aplicação J rendimento (= M C)

RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA. Juro Bom Investimento C valor aplicado M saldo ao fim da aplicação J rendimento (= M C) RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA I. JUROS SIMPLES ) Elemetos de uma operação de Juros Smples: Captal (C); Motate (M); Juros (J); Taxa (); Tempo (). ) Relação etre Juros, Motate e Captal: J = M C ) Defção

Leia mais

Colégio Politécnico da UFSM DPADP0024 : Processamento Digital de Imagens (Prof. Dr. Elódio Sebem)

Colégio Politécnico da UFSM DPADP0024 : Processamento Digital de Imagens (Prof. Dr. Elódio Sebem) Para melhor aroveitamento das informações roduzidas or diferentes sensores, alguns métodos de rocessamento de imagens têm sido roostos. Estes métodos combinam imagens de diferentes características esectrais

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM GERADOR AUTOMÁTICO DE MALHAS PARA O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS

IMPLEMENTAÇÃO DE UM GERADOR AUTOMÁTICO DE MALHAS PARA O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS IMPLEMETAÇÃO DE UM GERADOR AUTOMÁTICO DE MALHAS PARA O MÉTODO DOS ELEMETOS FIITOS IMPLEMETATIO OF A AUTOMATIC MESH GEERATOR FOR FIITE ELEMET METHOD Prscla Lgabó Mraroll * Resmo O objetvo deste trabalho

Leia mais

Curso de An lise de Fluxo de Caixa

Curso de An lise de Fluxo de Caixa Curso de A lse de Fluxo de Caxa SUMÁRIO PROGRESSÕES... 0. FÓRMULAS BÁSICAS... 0.. Progressões artmétcas... 0..2 Progressões geométrcas... 02.2 EXERCÍCIOS SUGERIDOS... 02 2 CONCEITOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA...

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

5945851-1 Psicologia Conexionista Antonio Roque Aula 6. A Adaline

5945851-1 Psicologia Conexionista Antonio Roque Aula 6. A Adaline 594585- Pscologa Conexonsta Antono Roque Aula 6 A Adalne Poucos meses aós a ublcação do teorema da convergênca do Percetron or Rosenblatt, os engenheros da Unversdade de Stanford Bernard Wdrow (99 ) e

Leia mais