Escola Plural: rupturas e continuidade1 Juarez Melgaço Valadares Alberto Villani INTRODUÇÃO Escola Plural Escola Plural Escola Plural

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escola Plural: rupturas e continuidade1 Juarez Melgaço Valadares Alberto Villani INTRODUÇÃO Escola Plural Escola Plural Escola Plural"

Transcrição

1 Escola Plural: rupturas e continuidade 1 Juarez Melgaço Valadares 2 (Doutorando em Educação / USP Brasil) Alberto Villani 3 (Instituto de Física / USP Brasil) INTRODUÇÃO A adoção de ciclos de formação tem feito parte de diversas reformas educacionais no Brasil, ancorada em um discurso sobre a necessidade de se construir uma escola de direitos. Porém, em muitas cidades, encontramos reestruturações que têm gerado controvérsias, hostilidades e desconfianças, e, por muitas vezes, com diferentes argumentos, são interrompidas abruptamente. A Proposta Escola Plural, implantada em 1995 na cidade de Belo Horizonte, Brasil, encontra-se neste enquadramento, porém se mantendo até os dias atuais. O eixo desse trabalho pressupõe que a Escola Plural aborda questões essenciais da prática educacional, pois traz inovações que necessitam de novos conhecimentos a serem produzidos, como também uma nova visão de educação pública, um novo papel de escola e alunos como sujeitos de direitos. No final de 1994, a Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte (SMED- BH), apoiada por uma parcela significativa dos professores da Rede Municipal de Ensino (RME-BH), apresentava ao Município a proposta político-pedagógica Escola Plural. A SMED-BH assumia, como proposta de Governo, a pluralidade de práticas pedagógicas em curso em diversas escolas da cidade, cujos eixos recusavam o papel de agentes de uma exclusão escolar e social (Belo Horizonte, 1994). Práticas que buscavam, desde o movimento de renovação pedagógica da década de 80, rever os princípios, metodologias e critérios de avaliação que justificavam os processos de exclusão escolar e, dessa forma, pensar os direitos de inclusão e proteção social a serem exercidos em todos os espaços estruturais do cotidiano (Santos, 2001). A SMED-BH buscava uma sintonia, por um lado, entre essas práticas consideradas emancipatórias e uma proposta de Governo formulada numa perspectiva democrática, e, por outro, entre as instituições educativas e os movimentos sociais. O Caderno de apresentação, conhecido como Caderno Zero (Belo Horizonte, 1994), apontava os principais eixos vertebradores da Proposta: primeiro, propunha uma concepção mais plural do direito à 1 Projeto CAPES-GRICES: A Ciência como Cultura: Implicações para a Comunidade Científica 2 Com auxílio da CAPES / 3 Com auxílio parcial do CNPq e da CAPES/

2 2 educação, isto é, uma sensibilidade com a totalidade da formação humana e a construção de uma escola como tempo de vivência cultural. Em segundo, apontava uma redefinição das estruturas do sistema escolar, com a implantação dos ciclos de formação e na construção de uma estrutura mais democrática, que respeitasse tanto as diferenças e ritmos dos alunos quanto a participação da comunidade nas decisões. Nessa perspectiva, a proposta curricular da Escola Plural retomava as questões pertinentes à pesquisa acadêmica, que salienta a importância dos processos interativos cognitivos, sociais e afetivos, e sugeria novos vínculos entre os conhecimentos disciplinares, a sala de aula e os problemas contemporâneos e sociais. Uma condição essencial nesse processo era o protagonismo de professores e alunos na construção de novas modalidade de trabalho, e capazes de enfrentarem as dificuldades que surgissem no cotidiano escolar Para a instalação dessa mudança na RME-BH foram feitos investimentos em recursos físicos e materiais entre 1993 e 1996 que, apesar de extensos, vale a pena serem citados 4 : introdução do horário para reuniões nas escolas; o fator 1.5 para o cálculo do número de professores, isto é, cada escola possui, em média, 50% a mais de professores para a organização do trabalho escolar; realização da I Conferência Municipal de Educação para apresentação da Proposta; publicação de 6 Cadernos da Escola Plural; capacitação dos profissionais pelo Centro de Aperfeiçoamento dos Profissionais da Educação (CAPE) com a realização de 167 cursos e seminários; construção de novas escolas, ampliação das matrículas (23%), salários (100%), quadro de pessoal (10%), dentre outros. A SMED-BH, ao assumir uma proposta inovadora, reconhecia a tensão entre a escola aceita internalizada como ideal e a escola emergente transgressora do ordenamento institucional vigente, principalmente no que se referia ao fracasso escolar dos setores populares. Assim, do ponto de vista da comunidade escolar, surgiam questões relacionadas às novas modalidades de trabalho, isto é, a possibilidade de adesão ou recusa em relação ao papel ofertado pela política institucional; do ponto de vista da SMED-BH, constituía-se em uma medida que carregava uma potencialidade capaz de modificar a organização do trabalho escolar, mas respeitando a multiplicidade de práticas que seriam construídas pelas escolas a partir da especificidade de seus profissionais e do público atendido. Nessa ruptura, indagamos: Como os professores metabolizaram os mecanismos de passagem que foram proporcionados pelos órgãos gestores? Como os gestores geraram novos mecanismos a partir da forma como a Proposta foi recebida pela comunidade? 4 A eleição direta para escolha dos diretores de escola pela comunidade escolar, e a existência dos Colegiados escolares como órgãos de decisão são conquistas anteriores à implantação da Proposta. 2

3 3 REFERENCIAL TEÓRICO Queremos destacar, nesse trabalho, os lugares ofertados, desejados e aqueles impedidos, e os conflitos advindos desse interjogo de papéis, que foram estabelecidos entre professores, escolas, e órgãos gestores após a implantação da Escola Plural. Na esperança de compreender as relações entre sujeitos, grupo e instituição, utilizaremos conceitos extraídos de Boaventura Santos (2001) e do referencial psicanalítico de René Kaës (1997). Utilizaremos a polaridade entre global e local, conceitos retirados de Sousa Santos, pela importância concedida pelo autor nas contradições existentes entre, por um lado, o fortalecimento das monoculturas e, por outro, uma razão que denomina cosmopolitamulticultural. Assim, encontramos formas de perceber os sistemas educativos sob perspectivas muito diferenciadas. Uma delas, preocupada com a eficiência e produtividade, dentro de uma lógica de mercado; a segunda, próxima de uma educação cosmopolita. Decorre desses conceitos a tensão entre regulação e emancipação, compreendidos como pólos dialéticos de processos e espaços estratégicos. Tal visão implica que encontramos tanto organizadores sociais com aspectos emancipatórios quanto o fato de que nem sempre propostas formuladas sobre base emancipatórias garantem uma mudança na educação. Segundo Kaës (1997), a instituição, para dar conta de toda heterogeneidade social, política, psíquica realiza um investimento considerável destinado a fazer coincidir, em uma unidade imaginária, esses âmbitos e lógicas diferentes, de forma a reduzir ao máximo seus aspectos conflitantes e criar uma relação isomórfica entre sujeito, grupo e instituição. Por outro lado, a capacidade das instituições de tolerar o funcionamento de lógicas e ordens relativamente distintas constitui a capacidade de ampliação do seu espaço simbólico, isto é, a sustentação de uma relação homomórfica. Nesse movimento, encontramos rupturas, caracterizadas por criações originais ou paralisia das ações institucionais. Para compreensão da ruptura assumida como necessária à mudança, trabalharemos com o conceito de área intermediária, do referencial de Kaës. A ruptura delimita regiões fronteiriças, onde são produzidos efeitos conflitivos ou de redução de distância entre as representações antigas e novas em jogo: o que é formar, quem educa, quem pode ser educado. Segundo o autor, a noção de intermediário é particularmente adequada para a compreensão das relações entre diferentes níveis de organização, já que trata de articular as relações entre os sujeitos e o meio, de intervir em situações conflitivas, de compreender as passagens de uma estrutura a outra, ou de captar as relações estabelecidas entre os diferentes elementos que 3

4 4 constituem uma estrutura. Para Kaës, a desordem provocada pela articulação dos elementos de um conjunto ou pela relação entre conjuntos é geradora de uma crise. O conceito permite, além de vislumbrar as relações dos professores entre si, e destes com a Proposta, compreender os processos de vinculação daqueles com a Instituição. O que é interpretado como resistência, nesse campo teórico, pode ser uma tentativa do sujeito em encontrar uma espécie de intimidade na qual possa dar a sua contribuição, assinalar o seu lugar após a mudança institucional. O caráter desequilibrador da Escola Plural advém em mexer nas velhas e arraigadas estruturas escolares, isto é, sugere alterações nas lógicas de organização que estruturam os espaços e tempos escolares, com ampla flexibilidade e descentralização em cada escola. O nosso objetivo é compreender a instituição (SMED-BH) e os processos de construção de seus intermediários, especificando sua adequação ou não. Procuraremos compreender tanto os processos que ocorreram durante a implantação da Escola Plural quanto os que caracterizaram sua implementação de 1995 até 1998, cabendo então, nesse contexto, a questão: Quais intermediários a SMED-BH criou de forma a sustentar a Proposta? CONTEXTO GERAL DA PESQUISA: A REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO A RME-BH possuía, na época na pesquisa, 182 escolas que atendiam a 180 mil alunos, com um quadro de 10 mil professores. A administração desse trabalho é descentralizada, sendo realizada por nove administrações regionais de educação (GERED s). Cada GERED possui uma equipe pedagógica, coordenada por um Gerente de Educação. Além das GERED s, a SMED-BH possuia uma Gerência de Coordenação de Política Pedagógica (GCPP) composta por professores da própria rede e responsável, até 2002, pela coordenação e implementação das diretrizes político-pedagógicas da Escola Plural. A SMED- BH mantêm um centro de formação, o Centro de Aperfeiçoamento dos Profissionais da Educação (CAPE). Criado em 1991, o CAPE destacou-se na sistematização e produção de textos da Escola Plural, bem como assumiu a liderança na formação dos profissionais para a sua implementação. Seus membros são professores selecionados via entrevistas, podendo permanecer na função por um tempo máximo de quatro anos. METODOLOGIA DE COLETA E ANÁLISE DOS DADOS 4

5 5 Toda instituição pode ser considerada um campo com múltiplas inscrições e agenciamentos (histórico-sociais, político-jurídicos, socioculturais e técnico-assistenciais), repleto de conflitos entre e dentro dos âmbitos que o atravessam. Esses âmbitos estão aqui assinalados para indicar tanto as fontes quanto os limites das questões levantadas. Buscamos os dados em 23 entrevistas realizadas com gestores (GCPP, CAPE e GERED s) e membros da escola (diretores e professores), com o objetivo de resgatar as suas representações sobre as transformações operadas na vida institucional. Essa memória individual se expressa apoiada em tempos e espaços institucionais, que se traduzem em dados histórico-afetivos de cada um. Uma conseqüência da escuta desses processos é perceber os enunciados do conjunto sobre ele próprio, sobre os lugares de cada um, os papéis assinalados, as proibições e desejos, e em percebê-los como geradores de sentido e organizadores da cadeia discursiva, e que fazem o encadeamento de fatos aparentemente desconectados. Permite confrontar essas lembranças pessoais entre si, e as nossas próprias como professor e pesquisador, e perceber o cruzamento dessas histórias e recordações com as cronologias das principais atividades (Congressos e Conferências) e leitura dos documentos oficiais (Minutas, Portarias, e Cadernos da Escola Plural), mediatizados pelo referencial teórico. Procuramos identificar a queixa e demanda de cada plano, bem como o conflito entre os papéis desejados, aqueles ofertados e os papéis impedidos no processo de implementação. Essa resultante configura o foco no qual se busca os intermediários. ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS a) Os processos de fundação da Escola Plural: 1993 a 1996 Ao pesquisarmos as origens da Escola Plural, não restam dúvidas do seu caráter inovador, e um dos principais argumentos é seu nascimento a partir de um olhar sobre as práticas emergentes que se construíam nas escolas. A fala abaixo expressa a representação de um dos entrevistados, gestor naquele período: S: As práticas emergentes... foram a base teórica e a referência na escrita do primeiro caderno da Escola Plural. E isto é fato porque foi feito um levantamento, tem um documento... com relato destas principais experiências. Existiam, nas escolas, profissionais que tomavam como ideal a defender a promoção de uma prática escolar mais próxima da cultura dos alunos. Percebemos que eram práticas consideradas transgressoras tanto no sentido de que criavam um espaço escolar de formação 5

6 6 quanto de participação efetivamente diferente, além de mostrarem pontos de vista alternativos aos discursos oficiais da época: S: O foco de inovação estava na avaliação mais processual, mais contínua, e portanto numa não reprovação, e nessas experiências isoladas, que eram muitas... de profissionais geniais que tiravam não se sabe de onde, possivelmente de sua própria vivência, uma nova postura, uma nova metodologia, uma nova abordagem dos conteúdos, e baseada, a meu ver, na interação, na criatividade, na curiosidade do aluno. Essas práticas emergentes foram o ponto de partida, mas elas não se constituíam em práticas estabelecidas e muitas vezes valorizadas pela escola. A partir do levantamento dessas práticas, os gestores formularam os eixos norteadores da Escola Plural. Este grupo carregava em si marcas que o tornava sensível para ouvir, codificar as necessidades e desejos dos professores e gestores. E esses projetos não surgem sem o apoio explícito de lideranças com alto poder institucional e com grande capacidade de negociação. Nesse caso, do secretário adjunto Miguel Arroyo, pela sua capacidade de projetar um futuro utópico, simultaneamente à proposição de uma estrutura administrativa mais coletiva, tanto na formulação quanto na execução dos caminhos a serem trilhados: S: No início da discussão do que seria um Projeto chamado Escola Plural, quando Miguel veio e propôs unificar o CAPE, chamar as pessoas que estavam em qualquer âmbito da Secretaria de Educação que trabalhavam com o pedagógico, constituir um grupo, nesse momento o ponto de partida foi a discussão dessas experiências emergentes. Ele foi o ponto de partida. O que as escolas estavam fazendo?, junto com um desejo muito grande mudança porque nós chegamos ao governo, então agora temos a possibilidade de fazer a mudança que queremos, também uma pressão das escolas que na época tinham autorizações especiais para ter projetos. E esse trabalho coletivo servia de referência para todos os gestores que acompanhavam as escolas, pois CAPE e CPP eram coisas que decidiam juntas e eram bem afinados (M. membro da GERED). Além disso, a atuação do secretário foi marcada pela mediação teórica que fez das práticas emergentes, conforme sugere RV, membro do CAPE: RV: Quando a gente começa a pensar esse projeto para a Rede você começa a ter as tarefas a serem desenvolvidas para pensar Que eixos são esses? e que não dá para negar... quem puxam esse eixo e dão essa direção é o Miguel Arroyo... que estava vindo com uma experiência de pensar um pouco sobre as experiências e mudanças que estavam acontecendo na Espanha. Também girava em torno de Arroyo a possibilidade de conter as incertezas e inseguranças de vários gestores. Tal fato foi assim narrado por T, membro da GERED: T: A gente sentia muita necessidade de estar aprofundando. E muitas vezes, eu vou para a escola, e a gente se preparava antes, às vezes até no final de semana, para ler livros, textos, 6

7 7 consultava e perguntava para o Miguel Este texto está bom para a gente discutir? porque a gente se sentia muito inseguro na época. Pesava o fato dele não ser um secretário de gabinete, mas que compartilhava com os demais gestores as dificuldades que surgiam nos debates com as escolas. A transcrição a seguir nos mostra a representação de um gestor, também de uma GERED: M: A participação também do Secretário Adjunto era algo muito efetivo, ele sempre estava junto, ia para as escolas junto com a gente. Em outros relatos, percebemos um estilo próprio do secretário, em função de sua oratória, na sua capacidade de provocar extrema fascinação naqueles que o escutam, e que pode tornar-se atraente ou não, mas jamais omitida: RV: Miguel teve essa coisa, para fora, de fazer essa Rede se posicionar, e era muito interessante porque essa Rede tinha com a própria figura do Miguel uma relação muito maluca, ao mesmo tempo que era o mentor desgraçado desse projeto maluco, quando ele falava era impressionante a reação das escolas... Porque veja, você fala a mesma coisa para a escola, a mesma coisa, e vai o Miguel e o tempo muda, aquela paz. A partir da convocatória e liderança do secretário adjunto, mediador das relações entre os gestores, deparamos com um contrato narcísico (Kaës, 1997): um grupo militante, o desejo de estar junto, o medo de não corresponder, a própria imagem de pessoas que, em seus projetos pessoais e institucionais, se propunham a demonstrar a possibilidade de uma educação para todos. A transcrição a seguir reflete o caráter utópico contido nas promessas a serem levadas aos professores da Rede: RV: O que a gente fazia era uma militância pedagógica, a gente acreditava profundamente, a gente acreditava muito. E tinha uma coisa muito legal na época... as pessoas que estavam nas GERED s que também acreditavam... mas tinha uma paixão naquela época, uma coisa que você podia pegar.... a gente se arrebentava de trabalhar, mas era uma coisa muito, muito boa. Podemos ver toda a energia de juramentação do contrato que se instalava em torno da convocatória da Proposta, e que intensificava o tempo que cada um dedicava ao trabalho. E, toda essa paixão e militância, nessa altura do trabalho institucional, nos sugere perceber os acordos que dão forma e sustentação das novas modalidades de contrato dos gestores com a Instituição: os pactos denegativos (Kaës, 1997); a proposição de um caminho modelar, centrada na figura do secretário adjunto, supõem o apagamento das debilidades e das dúvidas, que seria fonte de invalidação da Proposta. Esse pacto foi explicitado na divulgação do Caderno Zero que, na representação dos gestores, seria capaz de seduzir aos professores: 7

8 8 S: eu acho que nós canalizamos todos os desejos de mudança, e nós achávamos que na hora que as pessoas lessem o projeto eles iam amar, adorar, e que ia ser assim uma maravilha. Tínhamos uma avaliação extremamente positiva. Nós achávamos que era soltar o caderninho, discutir estrutura, e em 95, que era o primeiro ano de implantação, elaborar uma proposta curricular que estava tudo certo. b) Os papéis ofertados, desejados e impedidos A partir desse momento, surgem as condições críticas em que deve inserir a mudança e os efeitos que esta vai provocar, sobretudo quando se estabelece transformações em componentes instituições. Admitida a sintonia entre os gestores, a SMED-BH propõe cursos como mecanismo de sedução e formação dos demais profissionais. Ta, membro do CAPE em 1995, mencionou sobre os cursos criados de forma a inserir o professor na Proposta: Ta: A estratégia foi de implantar nos 1 e 2 ciclos no início do ano, e houve um curso, um grande curso de umas 20 horas, foi uma semana inteira, e durante o ano houve, para ganhar os professores de 3 ciclo, cursos pensando que como o professor de 3 ciclo é mais conteudista em ganhá-los para a proposta pensando que com a realização de cursos como Projetos de Trabalho, que para alguns era novidade e outros que já estavam tentando fazer. Além disso, mencionou outros cursos, com grande variedade e diversidade temática, sempre voltados para as aspirações e necessidades de cada escola: Ta: teve muitas oficinas que foram a todas as escolas, tentando atingir naturalmente aquilo que as escolas pediam, e também houve a partir daquele ano mesmo um curso mais intensivo que abrangia o curso de 360 horas... mas sempre que a escola pedia e decidia que precisava de uma assistência maior, ela teve disponibilidade da Secretaria, tanto junto ao CAPE para um acompanhamento quanto para fazer uma proposta de formação até com professores contratados pela própria escola... Cursos de Alfabetização, cursos de Projetos de Trabalho aproveitando até experiência da própria escola, isso foi largamente disseminado.... Naquela época existia o que a gente chamava de CAPE ITINERANTE que eram aquelas oficinas dentro das escolas. Do ponto de vista dos gestores, a tarefa nuclear foi centralizada na concretização do modelo fundacional. Desejava-se atingir um sintonia entre professores e a Proposta, de forma semelhante aquela alcançada entre os gestores. De fato, tal isomorfismo foi alcançado entre vários grupos de professores, que receberam com extrema satisfação a Proposta (Prof. H), que seria uma maravilha se de fato a escola conseguisse fazer tudo aquilo (Prof. M). Em outra escola, é relatado a expectativa de um grupo da área de História, que enfrentava sérias dificuldades em construir ações coletivas com outras áreas, de abrir espaço para a gente avançar em nossas propostas sem tanta resistência (Prof. Ma). Uma excelente síntese foi 8

9 9 realizada pelo professor A, ao mencionar sobre a difração da utopia, mantida pelos gestores, aos professores: A: Foram os professores... nessa perspectiva de se reconhecerem como sujeitos, muitos também se sentiram como portadores da utopia, Olha, é possível construir alguma coisa para além disso, é possível reconhecer nesses alunos aqui sujeitos de direitos e sujeitos de conhecimento e é possível construir coletivamente. Fontes de resistência foram marcantes. De acordo com o professor L, existiu também uma resistência feroz: L: Então, quando eu entrei na escola, havia uma ferocidade, uma resistência muito grande ao Projeto Escola Plural. Isso era notório na escola, principalmente no ensino médio do noturno, e no diurno também. O excerto anterior evidenciava os impasses vividos frente à uma nova proposição de organização do trabalho escolar, e se ligam às debilidades que podem acarretar aos componentes ilusórios que faziam acreditar num âmbito homogêneo, na aceitação da Proposta de forma quase incondicional. Algumas perguntas relacionadas à consecução do trabalho foram sistematicamente feitas, e representavam bem a tensão provocada pela mudança: Como organizar as turmas? Como distribuir o tempo dos professores no trabalho junto às turmas? Como articular o trabalho com projetos e os conteúdos disciplinares?que referenciais deverão se pautar os objetivos curriculares para o desenvolvimento da Escola Plural? Como trabalhar sem retenção dentro dos ciclos de formação? (Belo Horizonte, 1995). Indagações sobre o sentido do novo enfoque proposto, qual era a formação necessária, enfim, a experiência de não-saber começou a fazer parte do cotidiano escolar. O gestor R. mencionou sobre essa quebra de sintonia: R: A gente achava que realmente cada um ia lá e construía seu currículo, seu conteúdo, não era uma utopia? A gente acreditava que cada um iria dar conta.... as professoras das séries iniciais elas davam mais conta disso... Onde foi o foco maior de resistência? Era onde tinha o Ensino Médio. Encontramos várias reações após a implantação da Escola Plural: de um lado, professores resistentes à mudança, cujos argumentos se explicitavam na impossibilidade de reprovar os alunos e na ausência de um currículo mínimo (Prof. L). De outro, professores que se expressavam favoráveis, porém sem saberem como trilhar esse caminho. Seus questionamentos diferenciavam do grupo anterior, pois exprimiam uma possibilidade de experimentação e transicionalidade da Escola Plural (Prof. Ta). 9

10 10 Percebemos, nesses dois primeiros anos, a ampliação do espaço simbólico a abertura para o diálogo e diversidade de opiniões e a sustentação dessa capacidade homomórfica pela SMED-BH. O gestor S sintentizou esses processos: S: Foi o procedimento do convencimento, a gente ouvia, ah, e se a gente não quiser fazer? Se vocês não quiserem fazer vocês dizem para nós o que querem fazer, se vocês não querem fazer isso querem fazer o quê? Se vocês tem vinte, trinta por cento de reprovação na sua escola, e isso junto a uma evasão muito grande, nós estamos propondo a implantar os ciclos, dar mais tempo, se não é isso, O que vocês propõem? O diálogo nosso com a escola era todo esse. Então, a decisão de não implantar por adesão mas implantar de maneira generalizada veio com essa concepção da construção coletiva. c) A inscrição da Negatividade. A partir da representação da quebra de sintonia diante da resistência inesperada dos professores, a SMED-BH encontrava-se frente à possibilidade de uma dupla ruptura que poderia curto-circuitar tanto a relação pedagógica, frente a experiência do não saber fazer, quanto as relações dos sujeitos entre si e destes com a Instituição, isto é, não serem reconhecidos. Começava a inscrição da negatividade. Vejamos como a SMED lidou com ela. Em 1997, com a mudança da Secretaria após as eleições municipais, ocorre o primeiro conflito: a nova secretária de educação diz que iria fazer uma correção nos rumos da Proposta. Mencionar estes ajustes colocava em cena uma nova dramática: quem tem privilégios para fazer isso? MS, membro do CAPE nessa época, disse: MS: tinha uma busca de legitimidade para falar da Escola Plural, então essa era uma tensão do Governo no período, inclusive porque a Secretaria Municipal de Educação assumiu dizendo que precisava fazer uma correção de rumos, e sai algumas pessoas, que são pessoas chave da proposta. Então eu acho que uma disputa ou um conflito que atravessa a gestão... era esse, da legitimidade para falar sobre a Escola Plural, e qual era a Escola Plural legítima, quem tinha a verdade sobre esse caminho. Para Lídia Fernandez (1998), em todos esses projetos existe um saber privilegiado, relacionado ao próprio projeto em suas idéias originais; o núcleo dramático da autoridade se liga a esse saber, e se faz acompanhar de um conflito que acompanha todo o processo posterior: o uso das idéias originais e a busca de novos conhecimentos e mediadores. Segundo a autora, esse núcleo leva a uma dinâmica conflitiva de duplo fundo: as tensões da ruptura provocada entre as práticas tradicionais e a Escola Plural e, dentro desta, luta-se entre uma tradição da originalidade da Proposta em sua fundação e uma mudança representada pelos possíveis desvios. Sob esse ângulo, coloca-se uma situação diferente: deve-se marcar as duas tensões, e isso acarreta novas complicações. Deparamos com uma nova gestão para a SMED- BH, com a participação de componentes do grupo inicial, que se propunham intérpretes, 10

11 11 porém restringidos pela saída de pessoas chave da proposta. Na representação dos gestores, corria-se o risco e o temor de errar e se perder novamente, daí a importância de um discurso sobre a necessidade de consolidar a Proposta: RR: Era muito forte esse termo da consolidação mas nunca se discutiu mais claramente o que era consolidar. Mas essa fala era muito presente, todas as ações eram para uma consolidação, todas as escolas utilizassem na prática os princípios da Escola Plural. Inferimos que a SMED-BH encontrava-se diante de um impasse relacionado à forma de consolidação: ou aceitava que os ritmos de formação eram mais lentos do que se esperava inicialmente ou conduziriam por meio de ações inicialmente não contempladas pela gestão anterior (Gestor D). Não obstante, o CAPE continuava apostando na criação de novas metodologias de formação a partir de um acompanhamento mais direto e específico com cada escola, ancorado nas idéias originais da Escola Plural: MS: No CAPE tinha uma outra questão que foi, para mim foi a mais importante deste período, que era a discussão da questão da formação, o que significava formação docente para a Escola Plural ou não...de que a formação não tinha que estar necessariamente colada com uma proposta político-pedagógica, e no caso da Escola Plural havia uma coincidência do que se propunha como política de formação, do que era concepção mesmo de formação docente, mas a gente achava que não devia ter essa cola imediata. Simultaneamente surgia, em parte dos gestores, a idéia de produzir regulações normativas que garantissem um maior rigor e controle das escolas quanto à aplicação dos eixos da Escola Plural. Dessa forma, a crítica ao CAPE e seus processos de formação começava a ganhar centralidade nas equipes administrativas. Essas críticas foram relatadas por um membro do CAPE, ao recordar de uma reunião conjunta entre CAPE, CPP e GERED s: J: a fala de um membro da CPP colocando que a divergência entre o CAPE e a CPP tem inviabilizado o trabalho. Aí as GERED s vêm em seguida e eu anoto, as avaliações das GERED s detonam o CAPE, com a questão da formação. Essa gestora ainda mencionou sobre esses conflitos em outras partes de sua entrevista, desde a crítica feita de que o CAPE não falou a que veio até situações extremas, que mostravam que as hostilidades mútuas chegaram a ser manifestadas pela separação e demarcação de espaços no corredor do prédio da SMED que era ocupado pelos dois órgãos, criando uma paralisia no trabalhos institucionais (J). Se anteriormente uma marca era de que a Proposta seria construída em processos conjuntos e dialogados com todas as escolas, o contato com o não saber fazer dos professores 11

12 12 gerava a necessidade de se mostrar como fazer, isto é, como gestar tempos, espaços, e um currículo para a Escola Plural. Seguindo esse caminho, todos aprenderão a ser plurais: MS: Uma noção que pairava era: a escola não faz certo a Escola Plural porque a escola não tem o desenho da Escola Plural, então a gente tem que explicar para a escola como é que é isso, eu escutei tantas vezes isso lá, é porque a escola ainda não entendeu ainda a Escola Plural, e eu acho que era muito uma oposição a essa noção que a gente tentava pensar a formação docente em uma outra perspectiva. Sobressaía, entre estes gestores, a intenção de promover mecanismos reguladores do cotidiano escolar de forma a enquadrar, num envelope rígido e bem demarcado, a pluralidade de práticas da RME-BH. Na representação deste grupo, assinalava-se à GCPP esse papel, isto é, o lugar das normas, da decisão, fornecer as diretrizes do ser plural, isto é, ir à escola dar o veredicto final (RR). Formulou-se minutas e portarias para consolidação da Proposta (por exemplo, a minuta de 1998, que estabelecia o direito dos alunos a uma escolarização ininterrupta, junto com seus pares de idade, ao longo de todo o Ensino Fundamental), gestada pelo bater do martelo pela CPP, com apoio das GERED s, e com ressalvas do CAPE (Gestor RR). Na visão destes gestores, uma decisão ousada e necessária. Além de suprir lacunas na Proposta inicial, ancorava-se nos avanços das pesquisas educacionais: D: Porque eu acho que quando se tomou de forma ousada... aquela discussão da não interrupção, do direito à formação contínua e ininterrupta, eu acho que ela veio reparar uma contradição conceitual de toda aquela discussão de ciclo de formação, de processo de aprendizagem, dos Vigostky s... Se tudo isso aqui está correto, eu não consigo ver sentido na retenção no final do ciclo. Buscava-se, por meio de portarias e minutas, um isomorfismo forçado entre professores resistentes e a Escola Plural. Boaventura Santos (2001) aponta o fato de que nem sempre regulações inovadoras garantem práticas emancipatórias. Nesse caso, a minuta serviu tanto para reforçar a divisão e inscrever a negatividade entre os órgãos gestores quanto para reduzir o espaço de discussão no cotidiano escolar, ao silenciar as vozes de professores contrários à Proposta; esses professores perderam seus compromissos com a aprendizagem e atacaram a Proposta, e trouxe um novo caos para a RME-BH (gestor J). Encontramos, de maneira mais acentuada do que na época da implantação, questões relacionadas à modalidade de inserção institucional, ou seja, uma recusa desses professores à oferta institucional; abandonaram as diretrizes da Proposta e os instrumentos de sua concretização que tentavam compreender, e questionaram os eixos norteadores da mesma, uma desvalorização da proposta institucional. Esses professores vivenciavam sentimentos de impotência e onipotência simultaneamente, como forma de conter as ansiedades decorrentes 12

13 13 da mudança. Essas atitudes foram compreendidas, por muitos gestores, como passividade e falta de responsabilidade e compromisso. Como resultado, os professores atacavam a política pública, e os gestores sentiam necessário controlar o cotidiano escolar, revelando um quadro de violência instituída de ambos os lados. Em nossa compreensão, os conflitos e hostilidades entre os gestores ocorreu em função de um pacto denegativo insuficiente, e consequente propagação para as escolas. Nessa crise, surgiu entre os administradores a idéia de um novo intermediário: a Constituinte Escolar. Tinha como objetivo buscar legitimidade para a Escola Plural e reduzir os efeitos conflitivos entre os órgãos gestores, destes com as escolas, e dos professores com a Escola Plural (professor J). Não iremos analisar esse intermediário. Queremos ressaltar apenas que, para colocá-lo em cena, os conflitos anteriores teriam que ser resolvidos, de forma a se ter novamente um contrato e um pacto suficientemente adequado entre os gestores. Tais intermediários foram atingidos pela saída da direção e de vários membros do CAPE(Gestor RR). Em nosso entendimento, a construção de um pacto forçado, porém necessário à formulação de novos intermediários. CONCLUSÕES PRELIMINARES Esse trabalho é uma maneira de trazer indicativos de que as regulações normativas que incorporam um novo discurso e novas formas de ação em educação não garantem a extinção de representações anteriores; permite tanto perceber as estratégias gerenciadas para a inserção dos sujeitos na instituição pública quanto desvendar as fendas por meios dos quais os discursos antigos continuam a se insinuarem. A reflexão sobre os processos desenvolvidos desde a implantação da Escola Plural, entre 1995 a 1998, ocorreu no sentido de revelar conflitos, ambigüidades e desilusões que se expressaram nas relações mantidas entre professores, escolas e órgãos gestores. Percebemos vários intermediários, e seus processos de construção, que sustentaram a implementação da Proposta: a) Não se pode concluir que a Escola Plural seja uma Proposta inesperada, uma vez que apoiada nas práticas emergentes, trazendo a idéia de conservação e mudança simultaneamente. Quando se apresentou um quadro político-jurídico capaz de estabelecer condições de sua emergência, foi colocada em cena para toda a RME-BH, tornando possível a construção de um quadro institucional com teorias emancipatórias e transgressoras (Santos, 2001). 13

14 14 b) A Escola Plural começou com um ideal muito forte, e apoiada em um grupo de ação; parece ser fundamental, numa proposta dessa natureza, a ilusão inicial contrato narcísico mantida pela Instituição e seus agentes gestores. Para Kaës (1997), a re-fundação de uma instituição não pode dispensar a ilusão de ser inovadora e ao mesmo tempo conquistadora, com a difração da utopia para outros grupos e espaços. Para um amplo grupo de professores, a utopia inicial que a Proposta trazia em seu bojo é possível construir uma escola de direitos foi capaz de sustentar a realização do projeto institucional, dispor a identificação narcísica e o sentimento de filiação e pertencimento a um conjunto amplo e suficientemente idealizado para enfrentar as dificuldades e críticas formuladas em diversos âmbitos e espaços sociais. c) O estabelecimento de um pacto denegativo (Kaës, 1997), entre os gestores que participaram da implantação, foi fundamental, como já salientamos em trabalhos sobre construção de projetos inovadores (Valadares & Villani, 2004). O recalcamento das debilidades do projeto, em seu início, auxiliou na manutenção das ilusões que garantiu o investimento de cada membro. O secretário adjunto de educação auxiliou na manutenção do contrato e do pacto: a convocatória e mediação teórica, sua disponibilidade, a segurança ao longo do trabalho e na sustentação do trabalho coletivo entre as equipes (GERED s, CAPE e CPP). Encontramos, na sua figura, um elo de ligação de cada um dos gestores entre si e destes com a Proposta. d) O CAPE, principalmente pelo acompanhamento das escolas e pela metodologia de formação por meio de uma escuta flutuante (Villani et al, 2006) das dificuldades enfrentadas pelas escolas, e as possibilidades de trabalhar a formação com linhas de atuação mais ou menos definidas. Ressaltamos ainda a inscrição da negatividade pelo impacto da mudança, tanto pela resistência quanto pela a experiência do não saber dos profissionais. A tentativa de recalcar a negatividade (novo pacto denegativo) foi debilitada pela sua inserção entre os gestores. As desilusões geradas no contacto dos professores com a Proposta criaram um clima de violência em 97 e 98, principalmente entre o CAPE e a GCPP, que se degladiaram entre a manutenção dos processos de formação e outros mais burocráticos, minutas e portarias, dificultando o surgimento de novos intermediários que permitissem consolidar a Proposta. Inferimos na existência de um pacto denegativo e um contrato narcísico que não mais sustentavam suficientemente as equipes de trabalho, provocando certa paralisia nas açôes da SMED. Dessa forma, apesar de manter o núcleo central da Proposta educação como bem público enquanto a negatividade não foi recalcada (saída de membros do CAPE) não se conseguiu gerar um intermediário que fosse satisfatório para os gestores a Constituinte Escolar. 14

15 15 Normalmente, diante da inscrição da negatividade decorrente das reformas curriculares resistências e o contato com o não saber dos profissionais os governantes recuam na política educacional, mais preocupados em resolver um desconforto imediato do que criar novos mecanismos de passagem capazes de gerar novas modalidades de trabalho escolar em função dos avanços teóricos e da dimensão social dos sujeitos. Mais do que uma avaliação das políticas públicas em torno de avanços na construção de uma postura compreensiva dos alunos e na elaboração de uma escola mais inclusiva, o que se tem percebido é um debate estéril entre ensino seriado e ensino ciclado, e uma associação improdutiva entre ensino tradicional ao primeiro, e ensino inovador aos ciclos, sem a percepção efetiva dos entraves que atualmente se colocam para as representações criadas na comunidade escolar diante da presença cada vez mais freqüente de alunos com diversidades cognitiva e cultural no cotidiano escolar. Vivemos, assim, processos de descontinuidades constantes. E, nesse ponto, nos parece que a Escola Plural traz um novo olhar para essas descontinuidades. BIBLIOGRAFIA BELO HORIZONTE. Prefeitura (1994): Escola Plural: Proposta Política Pedagógica (Caderno 0) Belo Horizonte: PBH. BELO HORIZONTE. Prefeitura (1995): Construindo uma referência curricular para a Escola Plural Belo Horizonte: PBH. FERNANDEZ, Lídia (1998): Crise e Dramática da Mudança: Avanços de Pesquisa sobre Projetos de Inovação Pedagógica. In: Bulteman, Ida: Pensando as Instituições. Porto Alegre: ArtMed. KAËS, René (1997): O grupo e o sujeito do grupo. Tradução José de Souza e Mello Werneck - SP: Casa do Psicológo SANTOS, Boaventura de Sousa (2001): Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade 8 Ed São Paulo: Cortez. VALADARES, Juarez M. & VILLANI, Alberto (2004): Grupo, trabalho coletivo e currículo. In: Atas do VI Colóquio sobre Questões Curriculares (III Colóquio Luso-Brasileiro sobre Questões Curriculares) Rio de Janeiro: UERJ. VILLANI, Alberto (2006): Contribuições da Psicanálise para uma Metodologia de Pesquisa em Educação em Ciências (no prelo). 15

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992.

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992. PAULO FREIRE: A GESTÃO COLEGIADA NA PRÁXIS PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVA Maria Nilda de Almeida Teixeira Leite, Maria Filomena de Freitas Silva 143 e Antonio Fernando Gouvêa da Silva 144 Neste momento em que

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Concepção Marcelo Garcia João Cruz Rodrigo Salgueiro Naira de Araújo. Revisão Ludmila Schmaltz Pereira

FICHA TÉCNICA. Concepção Marcelo Garcia João Cruz Rodrigo Salgueiro Naira de Araújo. Revisão Ludmila Schmaltz Pereira SENAR INSTITUTO FICHA TÉCNICA Presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Senadora Kátia Abreu Secretário Executivo do SENAR Daniel Carrara Presidente do Instituto CNA Moisés Pinto

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com ISSN 2177-9139 PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com 000 Alegrete, RS, Brasil. Ana Carla Ferreira Nicola Gomes

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Ana Paula Martins Costa Graduanda de Pedagogia- UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia- UEPB

Leia mais

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Departamento de Educação 1 ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Aluna: Ana Carolina de Souza e Paula Gomes Orientadora: Maria Inês G.F. Marcondes de Souza Introdução Esse texto é resultado

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE FORMADORES DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE FORMADORES DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE FORMADORES DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA MENDONÇA, Ida Regina Moro Milléo SMECuritiba imendonca@sme.curitiba.pr.gov.br

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Maikon dos Santos Silva 1 Mirian Pacheco Silva 2 RESUMO: Muitos alunos da Educação de Jovens e Adultos não relacionam

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO SEGUNDO ALUNOS DE PEDAGOGIA: UM ESTUDO EM REPRESENTAÇÕES SOCIAIS RESUMO

MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO SEGUNDO ALUNOS DE PEDAGOGIA: UM ESTUDO EM REPRESENTAÇÕES SOCIAIS RESUMO MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO SEGUNDO ALUNOS DE PEDAGOGIA: UM ESTUDO EM REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SILVA, Bruna UFMT brunaluise@gmail.com RESUMO O presente estudo surgiu a partir de discussões do Grupo de Pesquisa

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES Antônio Cabral Neto Universidade Federal do Rio Grande do Norte Brasil cabranl@ufrnet.br Maria Doninha de Almeida Universidade

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

O processo de planejamento participativo da unidade escolar

O processo de planejamento participativo da unidade escolar O processo de planejamento participativo da unidade escolar Pedro GANZELI 1 Resumo: Nos últimos anos, com o avanço das políticas educacionais que postulam a descentralização, a gestão da unidade escolar

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1245 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Maria Luiza de Sousa Pinha, José Camilo dos

Leia mais

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade.

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade. Um olhar sobre a diversidade dos educativos da Fundaj 1 Maria Clara Martins Rocha Unesco / MG Maria José Gonçalves Fundaj / PE RESUMO Os programas educativos nos diferentes equipamentos culturais da Fundação

Leia mais

Palavras-chaves: Programa de Educação de Jovens e Adultos (PEJA); Ensino de Jovens e Adultos; Permanência de jovens na escola.

Palavras-chaves: Programa de Educação de Jovens e Adultos (PEJA); Ensino de Jovens e Adultos; Permanência de jovens na escola. TECENDO ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO Rafaela dos Santos Alves Oliveira Este trabalho apresenta observações e reflexões construídas acerca

Leia mais

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE Cleide Aparecida Carvalho Rodrigues 1 Resumo A proposta para a realização do SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE surgiu durante uma das atividades do Grupo de Estudos de Novas Tecnologias

Leia mais

Gestão Democrática na Escola

Gestão Democrática na Escola Gestão Democrática na Escola INTRODUÇÃO Porque é importante estudar o processo de gestão da educação? Quando falamos em gestão da educação, não estamos falando em qualquer forma de gestão. Estamos falando

Leia mais

A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS

A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS Adelaide Alves Dias * * Psicóloga. Mestre em Psicologia Social e Doutora em Educação. Professora do Centro de Educação e pesquisadora

Leia mais

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA Carlos Silva 1 Objetivo: Favorecer o desenvolvimento de ações pedagógicas em saúde a partir da inserção das questões de saúde no Projeto Político

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

mhtml:file://c:\a\espaço PEDAGÓGICO online\smec\avaliação Formativa.mht

mhtml:file://c:\a\espaço PEDAGÓGICO online\smec\avaliação Formativa.mht Page 1 of 5 e seu sentido de melhoria do processo de ensino-aprendizagem Para que Avaliar? Para conhecer melhor o aluno/a Para julgar a aprendizagem durante o processo de ensino Para julgar globalmente

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco.

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. Autora: Maria José de Souza Marcelino. Orientador: Professor Dr. Washington Luiz Martins (UFPE). Instituto

Leia mais

Maristela Aparecida Fagherazzi UDESC Ana Maria Ribeiro Universidade de Santiago de Compostela/Espanha

Maristela Aparecida Fagherazzi UDESC Ana Maria Ribeiro Universidade de Santiago de Compostela/Espanha TRAJETÓRIA DA PRODUÇÃO E APLICAÇÃO DO MATERIAL IMPRESSO E AUDIOVISUAL DE DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA À DISTÂNCIA DA UDESC Maristela Aparecida Fagherazzi UDESC Ana Maria Ribeiro

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Rosana Maria Gessinger Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS rosana.gessinger@pucrs.br Valderez Marina

Leia mais

INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO INTERIOR DA ESCOLA: AS REPRESENTAÇÕES EM FOCO NOVAIS, Gercina Santana UFU CICILLINI, Graça Aparecida UFU GT-12: Currículo

INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO INTERIOR DA ESCOLA: AS REPRESENTAÇÕES EM FOCO NOVAIS, Gercina Santana UFU CICILLINI, Graça Aparecida UFU GT-12: Currículo INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO INTERIOR DA ESCOLA: AS REPRESENTAÇÕES EM FOCO NOVAIS, Gercina Santana UFU CICILLINI, Graça Aparecida UFU GT-12: Currículo Este trabalho é parte de uma pesquisa de natureza qualitativa

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

Gestão escolar: revendo conceitos

Gestão escolar: revendo conceitos Gestão escolar: revendo conceitos Myrtes Alonso É um equívoco pensar que o desempenho da escola se expressa apenas nos resultados da aprendizagem obtidos nas disciplinas e que é fruto exclusivo do trabalho

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores AS DIFICULDADES DE LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS DOS ALUNOS DE PEDAGOGIA NOS PRIMEIROS

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE EDUCADORES NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: AS CONTRIBUIÇÕES NA ÁREA DE MATEMÁTICA

FORMAÇÃO CONTINUADA DE EDUCADORES NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: AS CONTRIBUIÇÕES NA ÁREA DE MATEMÁTICA FORMAÇÃO CONTINUADA DE EDUCADORES NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: AS CONTRIBUIÇÕES NA ÁREA DE MATEMÁTICA Emma Gnoatto AMOP emmagnoatto2009@hotmail.com Heliane Mariza Grzybowski Ripplinger SEED liaripp@hotmail.com

Leia mais

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA Módulo 3 - Direitos Humanos e o Projeto Político Pedagógico da escola Objetivos: Nesta unidade vamos discutir

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO DA ESCOLA 2012 A 2014

PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO DA ESCOLA 2012 A 2014 PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO DA ESCOLA 2012 A 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR COLÉGIO ESTADUAL CHATEAUBRIANDENSE ENSINO MÉDIO, NORMAL E PROFISSIONAL R. ESTADOS UNIDOS, 170 - JD. AMÉRICA ASSIS CHATEAUBRIAND

Leia mais

A REFORMULAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

A REFORMULAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA A REFORMULAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA Marilene Cesário 1 Ângela Pereira Teixeira Victoria Palma 2 José Augusto Victoria Palma 3 RESUMO

Leia mais

Quem tem um Zé na sala de aula?

Quem tem um Zé na sala de aula? Quem tem um Zé na sala de aula? Adalgisa Aparecida Alves Lacerda * Recentemente, eu e minhas colegas em assessoria escolar, tivemos a oportunidade de trabalhar com um pequeno grupo de educadores (professores

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil.

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. RADIOBRÁS Empresa Brasileira de Comunicação S. A. Diretoria de Gestão de Pessoas e Administração

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS

REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS FORTES, Gilse Helena Magalhães PUCRS GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora: não contou com financiamento A escola por ciclos,

Leia mais

Ensinando por projetos transdisciplinares

Ensinando por projetos transdisciplinares Ensinando por projetos transdisciplinares Romildo Nogueira (UFRPE) ran.pe@terra.com.br Maria Cilene Freire de Menezes (UFRPE) pgensino@ufrpe.br Ana Maria dos Anjos Carneiro Leão (UFRPE) amanjos2001@yahoo.com.br

Leia mais

Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa, a mediação pedagógica na educação a distância no acompanhamento virtual dos tutores

Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa, a mediação pedagógica na educação a distância no acompanhamento virtual dos tutores Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa, a mediação pedagógica na educação a distância no acompanhamento virtual dos tutores Caracterização do problema: No ano de 2006, o Ministério da Saúde e as Secretarias

Leia mais

Gestão de Redes Sociais

Gestão de Redes Sociais Gestão de Redes Sociais Célia Schlithler Introdução Gerir é administrar, dirigir, governar. Então seria este o termo mais apropriado para as redes sociais? Do mesmo modo que governança, este termo está

Leia mais

Arquitetura da participação no Brasil: avanços e desafios da democracia participativa. Renovando Utopias

Arquitetura da participação no Brasil: avanços e desafios da democracia participativa. Renovando Utopias Arquitetura da participação no Brasil: avanços e desafios da democracia participativa. Renovando Utopias IPEA: Governança Democrática no Brasil Contemporâneo: Estado e Sociedade na Construção de Políticas

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Itaberaí 2012 Sebastião Alonso Júnior Diretor da Unidade

Leia mais

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Pesquisa Ibope Pesquisa Qualitativa Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Metodologia Estudo do tipo qualitativo, envolvendo duas técnicas complementares: 1) Entrevistas

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE Lilian Kemmer Chimentão Resumo O presente estudo tem como objetivo a compreensão do significado e da importância da formação continuada docente para o exercício

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

O PROJETO DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: PERSPECTIVAS E PRINCÍPIOS DE IMPLEMENTAÇÃO

O PROJETO DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: PERSPECTIVAS E PRINCÍPIOS DE IMPLEMENTAÇÃO O PROJETO DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: PERSPECTIVAS E PRINCÍPIOS DE IMPLEMENTAÇÃO Hugo Otto Beyer (UFRGS) Tatiane Alves dos Santos (UFRGS) Resumo O projeto pedagógico da inclusão escolar está consagrado no Brasil

Leia mais

De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho

De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho 1 de 5 29/6/2010 00:34 www.ibmeconline.com.br De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho Autora: Patrícia Carla de Souza Della

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica.

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica. A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO LICEU ESCOLA DE ARTES E OFÍCIOS MESTRE RAIMUNDO CARDOSO: UM ESTUDO AVALIATIVO JUNTO A PROFESSORES E ALUNOS *Alcemir Pantoja Rodrigues ** Arlete Marinho Gonçalves Universidade do

Leia mais

Grupo de pesquisa JOVEDUC. Jovens, violência e educação

Grupo de pesquisa JOVEDUC. Jovens, violência e educação Grupo de pesquisa JOVEDUC Jovens, violência e educação Projetos de Pesquisa Financiamento FAPESP Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Linha de pesquisa : Programas Especiais - Ensino Público

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: PAPEIS E ATORES

FORMAÇÃO CONTINUADA: PAPEIS E ATORES FORMAÇÃO CONTINUADA: PAPEIS E ATORES Shuellen Cristina Pereira da Silva (Pedagogia/UFPI/Parnaíba/shuellencristina@gmail.com) Marcos Junio Lira Silva (Pedagogia/UFPI/Parnaíba/marcos-junio100@hotmail.com)

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

PLANO DE ENSINO. TURMA: Formação mista, envolvendo acadêmicos da Católica de SC que cumprem os requisitos dispostos no Regulamento

PLANO DE ENSINO. TURMA: Formação mista, envolvendo acadêmicos da Católica de SC que cumprem os requisitos dispostos no Regulamento CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA SETOR DE EXTENSÃO COMUNITÁRIA PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: PROJETO COMUNITÁRIO PROFESSORES(AS): FASE: Constituída a partir da conclusão de 30% da PAULO

Leia mais

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS IX Encontro Internacional do Fórum Paulo Freire Tema Geral: Caminhos de emancipação para além da crise: Resgatando temas geradores do pensamento educativo e social de Paulo Freire Eixo 2 - Educação - O

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA?

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? Elisane Scapin Cargnin 1 Simone Arenhardt 2 Márcia Lenir Gerhardt 3 Eliandra S. C. Pegoraro 4 Edileine S. Cargnin 5 Resumo: Diante das inúmeras modificações

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização OS MECANISMOS DE ATUALIZAÇÃO DAS EXPLICAÇÕES BIOLÓGICAS PARA JUSTIFICAR AS DIFICULDADES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO: ANÁLISE DO PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO LETRA E VIDA Cristiane Monteiro da Silva 1 ; Aline

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

OFICINAS DE APOIO À EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONSTRUINDO A INCLUSÃO SOCIAL. PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DE EDUCADORES EM SERVIÇO

OFICINAS DE APOIO À EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONSTRUINDO A INCLUSÃO SOCIAL. PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DE EDUCADORES EM SERVIÇO OFICINAS DE APOIO À EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONSTRUINDO A INCLUSÃO SOCIAL. PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DE EDUCADORES EM SERVIÇO GLEIDIS ROBERTA GUERRA (CEMEI CLEBERSON DA SILVA - PMM), DEIGLES GIACOMELLI

Leia mais

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017)

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Setembro de 2014 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 5 3. OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PEDROTTI, Ana Paula Floss²; GRASSI, Marília Guedes²; FERREIRA, Marilise²; MOREIRA, Nathana Coelho²; NOAL,

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ministro da Educação Fernando Haddad. Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ministro da Educação Fernando Haddad. Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes Secretária de Educação Especial Claudia Pereira Dutra MINISTÉRIO

Leia mais

Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria

Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria Autora: Ana Cristina Fonseca Instituição: PUC-Campinas Fonseca.cris@uol.com.br Co -autor 1: Maria Auxiliadora Bueno Andrade

Leia mais