PREVISÃO DE OCORRÊNCIA DOS MOSQUITOS DA DENGUE EM BELO HORIZONTE, COM BASE EM DADOS METEOROLÓGICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREVISÃO DE OCORRÊNCIA DOS MOSQUITOS DA DENGUE EM BELO HORIZONTE, COM BASE EM DADOS METEOROLÓGICOS"

Transcrição

1 PREVISÃO DE OCORRÊNCIA DOS MOSQUITOS DA DENGUE EM BELO HORIZONTE, COM BASE EM DADOS METEOROLÓGICOS 1 Rubens Leite Vianello 1 José Eduardo Marques Pessanha 2 Gilberto C. Sediyama 3 RESUMO: No presente estudo, valendo-se de todas as variáveis meteorológicas, simultaneamente, pretendeu-se alcançar um modelo preditivo de surtos dos mosquitos da dengue, a partir de observações realizadas com antecedência de quatorze dias. Como os dados entomológicos disponíveis englobam os vetores Aedes Aegypti e Aedes Albopictus, indistintamente, as previsões almejadas também indicaram as infestações dos dois vetores, potenciais causadores da dengue e da febre amarela. Relações estocásticas multivariadas foram estabelecidas entre percentuais observados de ocorrência de mosquitos causadores da dengue (Aedes aegypti e Aedes albopictus) e as variáveis meteorológicas umidade relativa do ar, temperaturas médias e chuvas acumuladas, parâmetros facilmente obteníveis em rotinas de observações diárias. Foram utilizados dados de campo de ovitrampas positivas, coletados pelo Serviço de Zoonoses da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, no período de agosto de 2002 a novembro de 2005 e os correspondentes dados meteorológicos coletados na Estação Climatológica Principal 83587, pertencente ao Instituto Nacional de Meteorologia. Mediante técnicas estatísticas, ajustou-se uma equação de regressão linear múltipla com elevado coeficiente de determinação (R² = 0,83) e baixo erro padrão de estimativa (EPE = 9,3 %). A análise foi conduzida no nível de 95% de confiabilidade. Contudo, constatou-se que as variáveis temperaturas mínima e temperatura máxima não foram estatisticamente significativas, por estarem implícitas na temperatura média, efeito da multicolinearidade. Importante observar que as variáveis previsoras (umidade relativa do ar, temperatura média e chuva acumulada) são aquelas observadas com antecedência de quatorze dias, permitindo-se, assim, utilizar o modelo para prever a ocorrência de mosquitos da dengue com antecedência suficiente para a emissão de alertas junto à população e a prática de ações preventivas que evitem surtos de dengue e óbitos. 1 Instituto Nacional de Meteorologia, INMET/5ºDISME; Rua Curitiba, 1588, ap. 1602, Bairro de Lourdes, Belo Horizonte, MG, CEP: ; tel/fax: (031) ; ; 2 Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, Secr. Municipal da Saúde; Av. Afonso Pena, 2336, Funcionários, Belo Horizonte, MG, CEP: ; tel/fax: (031) ; ; 3 Universidade Federal de Viçosa, UFV, Departamento de Engenharia Agrícola, Campus Universitário, Viçosa, MG, CEP: ; tel/fax: (031) ; ;

2 2 SUMMARY: In the present study, using simultaneously some of the meteorological variables, it intended to reach a predictive outbreaks model of the dengue mosquitoes, starting from observations accomplished fourteen days in advance. As the entomological data available include the Aedes Aegypti and Aedes Albopictus vectors, altogether, the model forecasts also indicates the infestations of the two vectors, potentials causes of the dengue and yellow fever. Stochastic relationships were established among percentiles observed occurrence of mosquito s causes of the dengue (Aedes aegypti and Aedes albopictus) and the meteorological variables, relative humidity of the air, averages temperatures and accumulated rainfalls, parameters easily attainable in routines daily observations. Field data of positive ovitrampas were used, collected by the Serviço de Zoonoses da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte metropolitan area, in Minas Gerais, during August 2002 through November 2005, and the correspondents meteorological data collected in the Main Climatological Station 83587, belonging to the Instituto Nacional de Meteorologia, INMET, Brazil. By statistical techniques, a multiple lineal regression equation was adjusted with high determination coefficient (R² = 0.83) and low standard error of estimate (SEE = 9,3%). The analysis was carried out for 95% of reliability. However, it was verified that the variables "minimum temperatures and "maximum temperatures" were not statistically significant, which is one of the most difficult tasks in model development to manage the multicollinearity expressed by these correlated climate variables. It is important to observe that the independents variables (relative humidity of the air, average temperature and accumulated rainfall) are those observed fourteen days in advance, and this provides some indication of the expected performance of the models in field applications, to forecast the occurrence of dengue mosquitoes enough for alerts emission to the population for preventive actions and avoid dengue outbreaks and deaths. Palavras-chave: Dengue, Belo Horizonte, Elementos Climáticos. INTRODUÇÃO Por ocasião de sua XIV sessão, o Secretário Geral a OMM recomendou à Comissão de Climatologia que conduza estudos relacionando clima e propagação de doenças infecciosas, em particular àquelas de ocorrência recente como a gripe aviária (síndrome de deficiência respiratória aguda severa). Recomenda o trabalho em parceria com os agentes sanitários visando situações de urgência, com vistas à redução da mortalidade (OMM, 2005). Inúmeros autores têm se dedicado ao estudo das relações entre doenças transmitidas por vetores, tais como malária e dengue, e as condições climáticas. MOURA & MOURA (2001) realizaram exaustiva revisão bibliográfica sobre o impacto das trocas e das variabilidades climáticas

3 3 na ocorrência de doenças transmitidas por vetores. Outros autores têm estudado as relações entre os elementos do clima e os mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus, incluindo o desenvolvimento de modelos para previsão de surtos de dengue, com vistas à emissão de alarmes e a redução de doenças e óbitos (HOOP & FOLEY, 2001, DONALÍSIO & GLASSER, 2002, SCHREIBER, 2001). No Município de Belo Horizonte, a Secretaria Municipal de Saúde, por meio de seus Serviços de Controle de Zoonoses e de Epidemiologia, Informação e Vigilâncias, vêm atuando no monitoramento e no controle da dengue, reduzindo riscos e gerando estatísticas de distribuições espacial e temporal. Com base nos dados coletados, relatórios periódicos têm sido gerados para fins prognósticos e para a elaboração de propostas de intervenção (PMBH, 2003). Em estudo anterior, VIANELLO et al (2006,I) compararam os dados entomológicos com as temperaturas máximas, médias e mínimas, umidade relativa do ar e chuvas acumuladas em Belo Horizonte, separadamente, explorando as relações estatísticas existentes. No presente estudo, valendo-se de todas as variáveis meteorológicas simultaneamente, pretende-se alcançar um modelo preditivo de surtos dos mosquitos da dengue, a partir de observações realizadas com antecedência de quatorze dias. Como os dados entomológicos disponíveis englobam os vetores Aedes Aegypti e Aedes Albopictus, indistintamente, as previsões almejadas também indicarão as infestações dos dois vetores, potenciais causadores da dengue e da febre amarela. METODOLOGIA A coleta de dados de ovitrampas positivas foi realizada no período de agosto de 2002 a novembro de 2005, por intervalos de coleta de duas semanas epidemiológicas. Em cada intervalo de coleta, correspondendo a 14 dias, as armadilhas foram distribuídas em toda a zona urbana de Belo Horizonte. Os dados meteorológicos foram observados na Estação Climatológica Principal de Belo Horizonte, pertencente ao Instituto Nacional de Meteorologia. Como os percentuais de ovitrampas positivas são representativos de um período de 14 dias, correspondendo a duas semanas entomológicas, os dados meteorológicos foram também preparados para o mesmo período (VIANELLO et al, 2006,I). Para alcançar o objetivo proposto, optou-se pelo ajuste de uma equação de regressão linear múltipla, onde cada parâmetro meteorológico foi tratado como uma variável independente (Xi s), sendo o percentual de ovitrampas positivas a variável dependente (Yi). A análise foi conduzida no nível de 95% de confiabilidade. A relação funcional entre as variáveis Xi s e a variável Y foi assegurada com a realização da análise de variância da regressão, valendo-se do Teste F para a validação da equação final. Adicionalmente, aplicou-se o Teste t a cada variável independente para verificar sua significatividade estatística. Para verificar o desempenho do modelo, os dados observados no período de 01/08/2002 a 24/10/2004 foram usados para ajustar o modelo,

4 4 reservando-se os restantes, de 07/11/2004 a 06/11/2005, para a verificação de seu desempenho. Portanto, dos 79 períodos de coleta disponíveis, utilizaram-se 55 para ajustar o modelo e os restantes, 24, para testá-lo. Finalmente, usou-se a série completa dos dados observados, de 01/08/2002 a 06/11/2005, para ajustar um modelo mais confiável, embora sujeito a validações de campo. RESULTADOS O modelo preditivo ajustado com a série reduzida acha-se expresso pela equação 1. Ainda que os dados usados para o ajuste tenham se reduzido para apenas dois anos, este modelo apresentou alto coeficiente de determinação, R² = 0,83, erro padrão de estimativa, EPE = 9,3%, e F = 83,12, validando o mesmo. O Teste t mostrou que as variáveis temperatura máxima e mínima não foram significativas por razões de multicolinearidade, permanecendo, na equação, apenas X1, umidade relativa do ar, X2, temperatura média, e X3, chuva acumulada. A variável Yi representa o percentual previsto de ovitrampas positivas em Belo Horizonte, em função da umidade relativa do ar, temperatura média e chuvas acumuladas. Os coeficientes foram arredondados a partir da quarta casa decimal. O índice i significa que a variável dependente acha-se no mesmo nível i das variáveis independentes. Yi = -173, ,5082X1i + 4,9420X2i + 0,0242X3i (1) O ajuste do modelo e sua validação podem ser visualizados na Figura 1. Para a validação, foram reservados os dados observados no período de 07/11/2004 a 06/11/2005, não utilizados na regressão. Ovitrampas positivas (%) REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA ENTRE DADOS DE OVITRAMPAS POSITIVAS E DADOS RETARDADOS DE TEMPERATURAS MÉDIAS, UMIDADE RELATIVA E CHUVAS EM BELO HORIZONTE, DE 01/AGO/2002 A 24/OUT/2004 AGO/02 NOV/02 FEV/03 JUN/03 Valores observados AGO/03 NOV/03 FEV/04 JUN/04 AGO/04 Valores previstos NOV/04 Ovitrampas positivas (%) NOV/04 VERIFICAÇÃO DO DESEMPENHO DO MODELO DE PREVISÃO DE OVITRAMPAS POSITIVAS EM FUNÇÃO DOS DADOS RETARDADOS DE TEMPERATURAS MÉDIAS, UMIDADE RELATIVA E CHUVAS EM BELO HORIZONTE, DE 07/NOV/04 A 06/NOV/05 JAN/05 MAR/05 Valores observados MAI/05 JUL/05 SET/05 Valores previstos NOV/05 (a) (b) Figura 1 Valores observados de ovitrampas positivas e previstos: a) verificação do ajuste do modelo; b) validação para dados não incluídos no ajuste do modelo.

5 5 Finalmente, ajustou-se uma equação de regressão linear simples entre os dados previstos e observados pelo modelo, para verificar sua eficiência. O coeficiente de determinação encontrado foi R² = 0,83 e a inclinação da reta de regressão com o eixo das ordenadas foi de 0,956, mostrando, portanto, boa eficiência. Na Figura 1, observam-se os ciclos sazonal e anual bem representados, tanto nos dados observados quanto nos previstos. Também os valores percentuais extremos (máximos e mínimos) acham-se em boa concordância. Como as variáveis meteorológicas são alimentadas no modelo com 14 dias de antecedência, as previsões ocorrerão com antecedência suficiente para que sejam deflagradas campanhas preventivas de saúde pública, com o propósito de reduzir infestações e óbitos. Usando-se a série completa dos dados de ovitrampas positivas, isto é, de 01/08/2002 a 06/11/2005, e os mesmos métodos estatísticos, ajustou-se a equação 2, obtendo-se um R² = 0,84 e EPE = 8,8%, validada pelos Testes F e t. Yi = -162, ,3089X1i + 4,8921X2i + 0,0436X3i (2) Tal equação, com ajuste ligeiramente superior ao da equação 1, poderá ser utilizada em simulações de mudanças climáticas para Belo Horizonte, objeto de futuros estudos. CONCLUSÕES Relações estocásticas multivariadas foram estabelecidas entre percentuais observados de ocorrência de mosquitos causadores da dengue (Aedes aegypti e Aedes albopictus) e as variáveis meteorológicas umidade relativa do ar, temperaturas médias e chuvas acumuladas, parâmetros facilmente obteníveis em rotinas de observações diárias. Foram utilizados dados de campo de ovitrampas positivas coletados pelo Serviço de Zoonoses da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, no período de agosto de 2002 a novembro de 2005 e os correspondentes dados meteorológicos coletados na Estação Climatológica Principal pertencente ao Instituto Nacional de Meteorologia. Mediante técnicas estatísticas simples, ajustou-se uma equação de regressão linear múltipla com elevado coeficiente de determinação (R² = 0,83) e baixo erro padrão de estimativa (EPE = 9,3 %). Importante observar que as variáveis previsoras (umidade relativa do ar, temperatura mínima e chuva acumulada) são aquelas observadas com antecedência de quatorze dias, permitindo-se, assim, utilizar o modelo para prever a ocorrência de mosquitos da dengue com antecedência suficiente para a emissão de alertas junto à população e para a prática de ações preventivas, que evitem surtos de dengue e óbitos.

6 6 Para a validação do modelo, separou-se um ano de dados observados, obtendo-se bons resultados. Em estudos posteriores, pretende-se utilizar o modelo aqui desenvolvido para estimar o eventual impacto das mudanças climáticas em curso, como preconizado pela Organização Meteorológica Mundial. A continuidade das coletas de dados de campo será importante para melhor avaliar e aperfeiçoar o modelo aqui apresentado. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DONALÍSIO, M. R., GLASSER, C. M. Vigilância Entomológica e Controle de Vetores do Dengue; Revista Brasileira de Entomologia, v. 5, n.3, p , HOOP, M. J.; FOLEY, J. Global-Scale Relationships Between Climate and the Dengue Fever, Aedes Aegypti, Climatic Change. 48: , MOURA, A. S.; MOURA A. D. Impact of Climate Change and Climate Variability on Vector- Borne Diseases: a Critical Review. Boletim da Sociedade Brasileira de Meteorologia. v. 25 : 17-25, OMM - WORLD METEOROLOGICAL ORGANIZATION. Communiqué de Presse. WMO-Nº 739. Geneva, Switzerland, PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE. A dengue em Belo Horizonte, situação em julho de 2003 e propostas de intervenção. Belo Horizonte, SCHREIBER, K.V. An Investigation of Relationships Between Climate and Dengue Using a Water Budgeting Technique, Environment Health Perspective May. 109 Suppl 2: VIANELLO, R. L., PESSANHA, J. E. M., SEDIYAMA, G. C. Ciclo Anual de Ocorrência dos Vetores da Dengue em Belo Horizonte e suas Relações com as Variáveis Meteorológicas. Submetido ao XIV Congresso Brasileiro de Meteorologia, Florianópolis, 2006 (I).

Avaliação do Plano Nacional de Controle da Dengue. Evaluation of the Brazilian National Dengue Control Plan. Abstract. Introdução RESEARCH NOTE

Avaliação do Plano Nacional de Controle da Dengue. Evaluation of the Brazilian National Dengue Control Plan. Abstract. Introdução RESEARCH NOTE NOTA RESEARCH NOTE 1637 Avaliação do Plano Nacional de Controle da Dengue Evaluation of the Brazilian National Dengue Control Plan José Eduardo Marques Pessanha 1,2 Waleska Teixeira Caiaffa 2 Cibele Comini

Leia mais

INDÍCIOS DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS A PARTIR DO BALANÇO HÍDRICO EM JOÃO PESSOA PARAÍBA

INDÍCIOS DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS A PARTIR DO BALANÇO HÍDRICO EM JOÃO PESSOA PARAÍBA INDÍCIOS DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS A PARTIR DO BALANÇO HÍDRICO EM JOÃO PESSOA PARAÍBA Raimundo Mainar de Medeiros 1 ; Alexandre Magno Teodosio de Medeiros 1 ; Maria da Conceição Marcelino Patricio 2 ; Alexandra

Leia mais

ESTUDO DO PERÍODO DE ESTIAGEM EM DIAMANTINA, MINAS GERAIS FELIPE PAOLINELLI DE CARVALHO 1, MARIA JOSÉ HATEM DE SOUZA 2, JOÃO PAULO GUIMARÃES VIEIRA 3

ESTUDO DO PERÍODO DE ESTIAGEM EM DIAMANTINA, MINAS GERAIS FELIPE PAOLINELLI DE CARVALHO 1, MARIA JOSÉ HATEM DE SOUZA 2, JOÃO PAULO GUIMARÃES VIEIRA 3 ESTUDO DO PERÍODO DE ESTIAGEM EM DIAMANTINA, MINAS GERAIS FELIPE PAOLINELLI DE CARVALHO 1, MARIA JOSÉ HATEM DE SOUZA 2, JOÃO PAULO GUIMARÃES VIEIRA 3 1 Graduando de Agronomia da Universidade Federal dos

Leia mais

Análise de temperatura e precipitação em Porto Alegre-RS entre os anos de 1977 e 2006. e-mail:monicawtavares@gmail.com

Análise de temperatura e precipitação em Porto Alegre-RS entre os anos de 1977 e 2006. e-mail:monicawtavares@gmail.com Análise de temperatura e precipitação em Porto Alegre-RS entre os anos de 1977 e Mônica W. Tavares 1 ; Henderson S. Wanderley 1 ; Alex S. da Silva 1 ; Douglas da S. Lindemann 1 ; Flávio B. Justino 1. 1

Leia mais

Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue

Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue Karla Yamina Guimarães Santos 1 Diego Alves Gomes 2 Rafael Aguiar Marino 2 Eduardo Barbosa Beserra 2 Ricardo Alves de

Leia mais

VARIAÇÃO TEMPORAL DAS ONDAS DE CALOR NA CIDADE DE PELOTAS-RS

VARIAÇÃO TEMPORAL DAS ONDAS DE CALOR NA CIDADE DE PELOTAS-RS Abstract: VARIAÇÃO TEMPORAL DAS ONDAS DE CALOR NA CIDADE DE PELOTAS-RS Bruno Zanetti Ribeiro 1 André Becker Nunes² 1 Faculdade de Meteorologia, Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Campus Universitário

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS E BRONQUITES AGUDA E CRÔNICA EM MACEIÓ, AL.

RELAÇÃO ENTRE VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS E BRONQUITES AGUDA E CRÔNICA EM MACEIÓ, AL. RELAÇÃO ENTRE VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS E BRONQUITES AGUDA E CRÔNICA EM MACEIÓ, AL. Deydila Michele Bonfim SANTOS 1 Thalyta Soares dos SANTOS 2, Allan Rodrigues SILVA 3, José Clênio Ferreira de OLIVEIRA

Leia mais

MODELOS ESTATÍSTICOS DE QUANTIFICAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO ASSOCIADA AS PASSAGENS FRONTAIS NO RIO GRANDE DO SUL. por

MODELOS ESTATÍSTICOS DE QUANTIFICAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO ASSOCIADA AS PASSAGENS FRONTAIS NO RIO GRANDE DO SUL. por 503 MODELOS ESTATÍSTICOS DE QUANTIFICAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO ASSOCIADA AS PASSAGENS FRONTAIS NO RIO GRANDE DO SUL por Emma Giada Matschinski e Prakki Satyamurty CPTEC - Instituto de Pesquisas Espaciais -

Leia mais

year (January, February and March) constant precipitation and temperatures between 24 and 30ºC. These factors propitiate favorable conditions for the

year (January, February and March) constant precipitation and temperatures between 24 and 30ºC. These factors propitiate favorable conditions for the Análise da associação entre variáveis meteorológicas e a incidência de dengue na região noroeste do Rio Grande do Sul: estudo de caso da cidade de Giruá Resumo Shawana S. Mayer 1, Anderson S. Nedel 2,

Leia mais

Tendência Sazonal das Temperaturas mínimas e máximas no Rio Grande do Sul. Amazônia, Manaus, AM.

Tendência Sazonal das Temperaturas mínimas e máximas no Rio Grande do Sul. Amazônia, Manaus, AM. Tendência Sazonal das Temperaturas mínimas e máximas no Rio Grande do Sul Cláudia da Costa 1, Júlio Renato Marques 2 1 Large Scale Biosphere-Atmosphere Experiment in Amazônia/Instituto Nacional de Pesquisas

Leia mais

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ JONAS GALDINO 1, WILIAN DA S. RICCE 2, DANILO A. B. SILVA 1, PAULO H. CARAMORI 3, ROGÉRIO T. DE FARIA 4 1 Analista de Sistemas,

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

SINAIS DE LA NIÑA NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA. Alice M. Grimm (1); Paulo Zaratini; José Marengo

SINAIS DE LA NIÑA NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA. Alice M. Grimm (1); Paulo Zaratini; José Marengo SINAIS DE LA NIÑA NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA Alice M. Grimm (1); Paulo Zaratini; José Marengo (1) Grupo de Meteorologia - Universidade Federal do Paraná Depto de Física Caixa Postal 19081 CEP 81531-990

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO ESTATÍSTICA DE TENDÊNCIAS EM SÉRIES DE DADOS CLIMÁTICOS DE CHAPADINHA-MA

CARACTERIZAÇÃO ESTATÍSTICA DE TENDÊNCIAS EM SÉRIES DE DADOS CLIMÁTICOS DE CHAPADINHA-MA CARACTERIZAÇÃO ESTATÍSTICA DE TENDÊNCIAS EM SÉRIES DE DADOS CLIMÁTICOS DE CHAPADINHA-MA Virgínia de Fátima Bezerra Nogueira 1, Valner da Silva Nogueira, Magaly de Fátima Correia 3, Estefânia de Sousa Soares

Leia mais

Consumo de água na cidade de São Paulo. Cláudia Cristina dos Santos 1 Augusto José Pereira Filho 2

Consumo de água na cidade de São Paulo. Cláudia Cristina dos Santos 1 Augusto José Pereira Filho 2 Consumo de água na cidade de São Paulo Cláudia Cristina dos Santos 1 Augusto José Pereira Filho 2 1 Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE Caixa Postal 515 - CEP 12245-970 São José dos Campos SP,

Leia mais

MATERIAIS E METODOLOGIA

MATERIAIS E METODOLOGIA QUANTIFICAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO E A RELAÇÃO COM A PRESSÃO ATMOSFÉRICA EM UMA ÁREA DE CULTIVO DE MANGA NO MUNICÍPIO DE CUIARANA-PA SILVA, F. M. 1 ; TORRES, C.S.C. 2 ; SOUSA, A. M. L. 3 ; NUNES, H. G. G. C.

Leia mais

ÁNALISE DAS OCORRÊNCIAS DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DE RIO LARGO, ALAGOAS

ÁNALISE DAS OCORRÊNCIAS DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DE RIO LARGO, ALAGOAS ÁNALISE DAS OCORRÊNCIAS DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DE RIO LARGO, ALAGOAS André Luiz de Carvalho 1 José Leonaldo de Souza 2, Mônica Weber Tavares 3 1 Doutorando em Tecnologias Energéticas

Leia mais

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1 TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1 ELIAKIM M. ARAÚJO 2, JOAQUIM B. DE OLIVEIRA 3, ITALO N. SILVA 4, EDMILSON G. CAVALCANTE JÚNIOR 4, BRUNO M. DE ALMEIDA 4 1 Parte do TCC do primeiro

Leia mais

EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC

EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC Daiani Rosa 1 ; Elfride Anrain Lindner 2 ; Angelo Mendes Massignam 3 RESUMO As relações entre a intensidade, duração e freqüência de chuvas podem

Leia mais

BDC BANCO DE DADOS CLIMATOLÓGICO. José Roberto Motta Garcia *, 1 Luciana dos Santos Machado de Carvalho *, 2 Helio Camargo Junior *, 3

BDC BANCO DE DADOS CLIMATOLÓGICO. José Roberto Motta Garcia *, 1 Luciana dos Santos Machado de Carvalho *, 2 Helio Camargo Junior *, 3 BDC BANCO DE DADOS CLIMATOLÓGICO José Roberto Motta Garcia *, 1 Luciana dos Santos Machado de Carvalho *, 2 Helio Camargo Junior *, 3 RESUMO: O Banco de Dados Climatológico é um acervo idealizado para

Leia mais

MAPEAMENTO DAS DOENÇAS EPIDÊMICAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA PARA O MUNICÍPIO DE VITÓRIA - ES

MAPEAMENTO DAS DOENÇAS EPIDÊMICAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA PARA O MUNICÍPIO DE VITÓRIA - ES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Humanas e Naturais CCHN Departamento de Geografia DEFESA DE MONOGRAFIA MAPEAMENTO DAS DOENÇAS EPIDÊMICAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA PARA O MUNICÍPIO

Leia mais

PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM OURICURI-PE

PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM OURICURI-PE PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM OURICURI-PE 1 Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano - IF Sertão PE - Campus Ouricuri.-

Leia mais

USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE

USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE Emerson Mariano da Silva 1 ; Flavio José Alexandre Linard 2 1 Universidade Estadual do Ceará

Leia mais

ANÁLISE DE TENDENCIAS EM DADOS DIÁRIOS DE TEMPERATURAS MÁXIMAS E MÍNIMAS EM ESTAÇOES METEOROLÓGICAS DO ESTADO DA PARAÍBA

ANÁLISE DE TENDENCIAS EM DADOS DIÁRIOS DE TEMPERATURAS MÁXIMAS E MÍNIMAS EM ESTAÇOES METEOROLÓGICAS DO ESTADO DA PARAÍBA ANÁLISE DE TENDENCIAS EM DADOS DIÁRIOS DE TEMPERATURAS MÁXIMAS E MÍNIMAS EM ESTAÇOES METEOROLÓGICAS DO ESTADO DA PARAÍBA Fabrício D. S. Silva 1, Rafaela L. Costa 2, Naurinete Barreto 3, George U. Pedra

Leia mais

Comparação entre dados de precipitação obtidos por satélites e por pluviômetros no Vale do Paraíba

Comparação entre dados de precipitação obtidos por satélites e por pluviômetros no Vale do Paraíba Comparação entre dados de precipitação obtidos por satélites e por pluviômetros no Vale do Paraíba Patrícia Mayumi Teramoto 1 Gilberto Fisch 2 Silvio Jorge Coelho Simões 1 1 Universidade Estadual Paulista

Leia mais

Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE

Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE Diogo Francisco Borba Rodrigues¹; Abelardo Antônio de Assunção Montenegro²; Tatiana Patrícia Nascimento da Silva³ & Ana Paula

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN Carlos Magno de Souza Barbosa 1, Arthur Mattos & Antônio Marozzi Righetto 3 RESUMO - O presente trabalho teve como objetivo a determinação

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO HORÁRIA DA IRRADIÂNCIA SOLAR DIRETA, MÉDIA MENSAL, SOBRE UMA SUPERFÍCIE HORIZONTAL, EM VIÇOSA, MG 1 M. J. H. DE SOUZA 2, A. R.

DISTRIBUIÇÃO HORÁRIA DA IRRADIÂNCIA SOLAR DIRETA, MÉDIA MENSAL, SOBRE UMA SUPERFÍCIE HORIZONTAL, EM VIÇOSA, MG 1 M. J. H. DE SOUZA 2, A. R. DISTRIBUIÇÃO HORÁRIA DA IRRADIÂNCIA SOLAR DIRETA, MÉDIA MENSAL, SOBRE UMA SUPERFÍCIE HORIZONTAL, EM VIÇOSA, MG 1 M. J. H. DE SOUZA 2, A. R. ALVES 3 RESUMO: O conhecimento da distribuição horária da irradiância

Leia mais

ANÁLISE DE TENDÊNCIAS NA TEMPERATURA E PRECIPITAÇÃO EM LONDRINA, ESTADO DO PARANÁ

ANÁLISE DE TENDÊNCIAS NA TEMPERATURA E PRECIPITAÇÃO EM LONDRINA, ESTADO DO PARANÁ ANÁLISE DE TENDÊNCIAS NA TEMPERATURA E PRECIPITAÇÃO EM LONDRINA, ESTADO DO PARANÁ WILIAN DA S. RICCE 1, PAULO H. CARAMORI 2, HEVERLY MORAIS 3, DANILO A. B. SILVA 4, LETÍCIA TRINDADE ATAÍDE 5 1 Eng. Agrônomo,

Leia mais

VARIAÇÃO CLIMÁTICA EM GILBUÉS-PI, BRASIL EM ATUAÇÃO AO ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAIS

VARIAÇÃO CLIMÁTICA EM GILBUÉS-PI, BRASIL EM ATUAÇÃO AO ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAIS VARIAÇÃO CLIMÁTICA EM GILBUÉS-PI, BRASIL EM ATUAÇÃO AO ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAIS Raimundo Mainar de Medeiros 1, Paulo Roberto Megna Francisco 2, Roseane Cristina Silva Oliveira 3, Manoel Francisco

Leia mais

Jorge Luiz de Oliveira jorge11@bol.com.br. Maria Gertrudes Alvarez Justi da Silva justi@acd.ufrj.br

Jorge Luiz de Oliveira jorge11@bol.com.br. Maria Gertrudes Alvarez Justi da Silva justi@acd.ufrj.br VERIFICAÇÃO DAS PREVISÕES DE PRECIPITAÇÃO DIVULGADAS PELOS JORNAIS PARA A CIDADE DO RIO DE JANEIRO Jorge Luiz de Oliveira jorge11@bol.com.br Maria Gertrudes Alvarez Justi da Silva justi@acd.ufrj.br Universidade

Leia mais

APLICAÇÃO DA REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA A PREVISÃO MENSAL DE PRECIPITAÇÃO EM MACEIÓ-ALAGOAS

APLICAÇÃO DA REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA A PREVISÃO MENSAL DE PRECIPITAÇÃO EM MACEIÓ-ALAGOAS APLICAÇÃO DA REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA A PREVISÃO MENSAL DE PRECIPITAÇÃO EM MACEIÓ-ALAGOAS Washington L. F. Correia Filho 1, Alexandre S. dos Santos, 1, Paulo S. Lucio 2 1 Meteorologista, Doutorando

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE Alice Silva de Castilho 1 RESUMO - Este artigo apresenta uma análise comparativa entre os totais mensais

Leia mais

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS E O CLIMA EM JATAÍ-GO

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS E O CLIMA EM JATAÍ-GO DOENÇAS RESPIRATÓRIAS E O CLIMA EM JATAÍ-GO Zilda de Fátima Mariano 1 ; Clarissa Cardoso Pereira ; Daiana Rodrigues Sousa 3 ; Ivone Alves de Assis 3 ; Rangell Camillo Nunes de Oliveira 3 1 Coordenadora

Leia mais

ANALISE DA DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO MENSAL E ANUAL PARA A CIDADE DE IGUATU-CE 1

ANALISE DA DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO MENSAL E ANUAL PARA A CIDADE DE IGUATU-CE 1 ANALISE DA DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO MENSAL E ANUAL PARA A CIDADE DE IGUATU-CE 1 ÍTALO N. SILVA 2, JOAQUIM B. OLIVEIRA 3, ELIAKIM M. ARAÚJO 4, EDMILSON G. C. JUNIOR 4, BRUNO M. ALMEIDA

Leia mais

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC Autores Monica Carvalho E-mail: meinfo@ig.com.br Jorim Sousa das Virgens Filho E-mail: sousalima@almix.com.br

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL (RS) ATRAVÉS DA AMPLITUDE TÉRMICA DIÁRIA

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL (RS) ATRAVÉS DA AMPLITUDE TÉRMICA DIÁRIA ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL (RS) ATRAVÉS DA AMPLITUDE TÉRMICA DIÁRIA D. H. Nogueira 1 ; M. G. Silva 2 ; E. R. F. Ledo 2 ; E. M. Araújo 3 ; E. M. Araújo 3 RESUMO: O presente trabalho teve como objetivo

Leia mais

APLICAÇÃO DE REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA PREVISÃO MENSAL DE PRECIPITAÇÃO EM MACEIÓ

APLICAÇÃO DE REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA PREVISÃO MENSAL DE PRECIPITAÇÃO EM MACEIÓ APLICAÇÃO DE REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA PREVISÃO MENSAL DE PRECIPITAÇÃO EM MACEIÓ Washington Luiz Félix Correia Filho 1 2 ; Alexandre Silva dos Santos 1 ; José Ueliton Pinheiro 1 ; Paulo Sérgio Lucio

Leia mais

EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO

EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO GERTRUDES MACARIO DE OLIVEIRA 1, MÁRIO DE MIRANDA VILAS BOAS RAMOS LEITÃO, ANDREIA CERQUEIRA DE ALMEIDA 3, REGIANE DE CARVALHO BISPO 1 Doutora em Recursos Naturais,

Leia mais

ação das temperatur e máximas na Região Nordeste do Brasil

ação das temperatur e máximas na Região Nordeste do Brasil Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.9, n.2, p.247-255, 2005 Campina Grande, PB, DEAg/UFCG - http://www.agriambi.com.br Estimativa a e espacialização ação das temperatur aturas as do

Leia mais

ESTUDO DAS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS SOBRE A INCIDÊNCIA DE DENGUE NA CIDADE DE MARABÁ/PA, SUDESTE DO PARÁ (ESTUDO PRELIMINAR).

ESTUDO DAS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS SOBRE A INCIDÊNCIA DE DENGUE NA CIDADE DE MARABÁ/PA, SUDESTE DO PARÁ (ESTUDO PRELIMINAR). ESTUDO DAS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS SOBRE A INCIDÊNCIA DE DENGUE NA CIDADE DE MARABÁ/PA, SUDESTE DO PARÁ (ESTUDO PRELIMINAR). HELDER JOSÉ FARIAS DA SILVA 1, LEANDRO MICHELL MORAES DE ASSIS 2, FRANK BRUNO

Leia mais

ÍNDICE K: ANÁLISE COMPARATIVA DOS PERIODOS CLIMATOLÓGICOS DE 1950-1979 E 1980-2009

ÍNDICE K: ANÁLISE COMPARATIVA DOS PERIODOS CLIMATOLÓGICOS DE 1950-1979 E 1980-2009 ÍNDICE K: ANÁLISE COMPARATIVA DOS PERIODOS CLIMATOLÓGICOS DE 1950-1979 E 1980-2009 Fellipe Romão Sousa Correia, Fabricio Polifke da Silva, Maria Gertrudes Alvarez Justi da Silva Universidade Federal do

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DA DENGUE NO DISTRITO FEDERAL

ESTUDO RETROSPECTIVO DA DENGUE NO DISTRITO FEDERAL ESTUDO RETROSPECTIVO DA DENGUE NO DISTRITO FEDERAL Fabiana Marques Caixeta 1 Juliana Patrícia Ferraz de Souza Guedes 2 1 Biomédica. Aluna da Pós-Graduação em Vigilância Sanitária pelo IFAR/PUC-GO. 2 Bióloga.

Leia mais

VARIABILIDADE ESPAÇO-TEMPORAL DOS EVENTOS EXTREMOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO. Mercel José dos Santos, 12 Rita Yuri Ynoue 1

VARIABILIDADE ESPAÇO-TEMPORAL DOS EVENTOS EXTREMOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO. Mercel José dos Santos, 12 Rita Yuri Ynoue 1 VARIABILIDADE ESPAÇO-TEMPORAL DOS EVENTOS EXTREMOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO Mercel José dos Santos, 12 Rita Yuri Ynoue 1 1 IAG-USP-Brasil - São Paulo - merceljose@gmail.com 2

Leia mais

RELAÇÕES INTENSIDADE-DURAÇÃO-FREQUÊNCIA DAS CHUVAS INTENSAS DE LAGES-SC A PARTIR DA ANÁLISE DE PLUVIOGRAMAS OBSERVADOS

RELAÇÕES INTENSIDADE-DURAÇÃO-FREQUÊNCIA DAS CHUVAS INTENSAS DE LAGES-SC A PARTIR DA ANÁLISE DE PLUVIOGRAMAS OBSERVADOS RELAÇÕES INTENSIDADE-DURAÇÃO-FREQUÊNCIA DAS CHUVAS INTENSAS DE LAGES-SC A PARTIR DA ANÁLISE DE PLUVIOGRAMAS OBSERVADOS CÉLIO O. CARDOSO 1, CARLOS A. P. SAMPAIO 2, CAMILA S. PRAZERES 3, CRIZANE HACKBARTH

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ. Rodrigo Fernandes Junqueira 1

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ. Rodrigo Fernandes Junqueira 1 AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ Rodrigo Fernandes Junqueira 1 Paulo José Alves Lourenço 2 Sandro Rogério Lautenschlager 3 RESUMO Neste trabalho

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ Gisele dos Santos Alves (1); Célia Maria Paiva; Mônica Carneiro Alves Xavier (1) Aluna do curso de graduação em Meteorologia - UFRJ e-mail:

Leia mais

VARIABILIDADE DA UMIDADE RELATIVA DO AR NA BACIA DE BARRA DOS COQUEIROS - CAÇU-GO 1

VARIABILIDADE DA UMIDADE RELATIVA DO AR NA BACIA DE BARRA DOS COQUEIROS - CAÇU-GO 1 VARIABILIDADE DA UMIDADE RELATIVA DO AR NA BACIA DE BARRA DOS COQUEIROS - CAÇU-GO 1 Lázara Fernanda Moraes de Carvalho UFG-CampusJataí lazarafernanda@hotmail.com Regina Maria Lopes UFG lopesgeo@yahoo.com.br

Leia mais

ESTUDO SOBRE OCORRÊNCIAS DE NEVOEIRO NO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO/GALEÃO ANTÔNIO CARLOS JOBIM

ESTUDO SOBRE OCORRÊNCIAS DE NEVOEIRO NO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO/GALEÃO ANTÔNIO CARLOS JOBIM ESTUDO SOBRE OCORRÊNCIAS DE NEVOEIRO NO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO/GALEÃO ANTÔNIO CARLOS JOBIM Adilson Cleômenes Rocha Instituto de Controle Do Espaço Aéreo - Divisão de Ensino cleomenes@gmail.com

Leia mais

COMPORTAMENTO DA PREVISÃO DE PRECIPITAÇÃO SIMULADA PELO MODELO WEATHER RESEARCH AND FORECASTING (WRF) PARA O ESTADO DO ESPÍRITO SANTO.

COMPORTAMENTO DA PREVISÃO DE PRECIPITAÇÃO SIMULADA PELO MODELO WEATHER RESEARCH AND FORECASTING (WRF) PARA O ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. COMPORTAMENTO DA PREVISÃO DE PRECIPITAÇÃO SIMULADA PELO MODELO WEATHER RESEARCH AND FORECASTING (WRF) PARA O ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. HUGO ELY DOS ANJOS RAMOS 1,4, JOSÉ GERALDO FERREIRA DA SILVA 2,4,

Leia mais

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (INFRAERO), dbsantos@infraero.gov.br

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (INFRAERO), dbsantos@infraero.gov.br ANÁLISE ESTATÍSTICA DA PREVISIBILIDADE DOS ÍNDICES TERMODINÂMICOS NO PERÍODO CHUVOSO DE 2009, PARA AEROPORTO INTERNACIONAL DE SALVADOR/BA Deydila Michele Bonfim dos Santos 1 Carlos Alberto Ferreira Gisler

Leia mais

Análise das condições atmosféricas durante evento extremo em Porto Alegre - RS

Análise das condições atmosféricas durante evento extremo em Porto Alegre - RS Análise das condições atmosféricas durante evento extremo em Porto Alegre - RS Madson T. Silva 1, Vicente de P.R da Silva 2, Julliana L. M. Freire 3, Enilson P. Cavalcanti 4 1 Doutorando em Meteorologia,

Leia mais

Estudo Epidemiológico dos Casos de Dengue na Cidade de Vassouras no Ano de 2008

Estudo Epidemiológico dos Casos de Dengue na Cidade de Vassouras no Ano de 2008 Estudo Epidemiológico dos Casos de Dengue na Cidade de Vassouras no Ano de 2008 Wevelin S. Matos 1, Diego Santa Rosa 1, Marina Shu Fong 1, Ac. Fernanda C. da Silva Coelho 1, Ac. Mariana F. Carvalho 1,

Leia mais

ANÁLISE DA ESPACIALIZAÇÃO DA TEMPERATURA DO AR MÍNIMA PARA O ESTADO DO CEARÁ A PARTIR DE DADOS SRTM

ANÁLISE DA ESPACIALIZAÇÃO DA TEMPERATURA DO AR MÍNIMA PARA O ESTADO DO CEARÁ A PARTIR DE DADOS SRTM ANÁLISE DA ESPACIALIZAÇÃO DA TEMPERATURA DO AR MÍNIMA PARA O ESTADO DO CEARÁ A PARTIR DE DADOS SRTM P. C. Viana 1 ; J. B. Oliveira ; E. M. Araújo 3 ; F. F. Carmo ; M. M. Pereira 4 ; A. S. Alves RESUMO:

Leia mais

Normais climatológicas no contexto das mudanças climáticas: Análise dos casos de São Paulo/SP e Franca/SP

Normais climatológicas no contexto das mudanças climáticas: Análise dos casos de São Paulo/SP e Franca/SP Normais climatológicas no contexto das mudanças climáticas: Análise dos casos de São Paulo/SP e Franca/SP cos José de Oliveira 1*, Francisco Vecchia 1 1 Centro de Recursos Hídricos e Ecologia Aplicada,

Leia mais

ANÁLISE TERMOPLUVIOMÉTRICA E BALANÇO HÍDRICO CLIMATOLÓGICO DOS DADOS DA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA DO PEIXE TO

ANÁLISE TERMOPLUVIOMÉTRICA E BALANÇO HÍDRICO CLIMATOLÓGICO DOS DADOS DA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA DO PEIXE TO ANÁLISE TERMOPLUVIOMÉTRICA E BALANÇO HÍDRICO CLIMATOLÓGICO DOS DADOS DA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA DO PEIXE TO TATIANA DINIZ PRUDENTE 1 ALINE DE FREITAS ROLDÃO 2 ROBERTO ROSA 3 Resumo: O presente trabalho tem

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido

Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido Fabíola de Souza Silva 1, Magaly de Fatima Correia 2, Maria Regina da Silva Aragão 2 1 Bolsista PIBIC/CNPq/UFCG, Curso de Graduação em Meteorologia,

Leia mais

CORRELAÇÃO DE VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS COM INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

CORRELAÇÃO DE VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS COM INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO CORRELAÇÃO DE VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS COM INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO Heronides dos Santos Pereira 1, Patrícia Maria de Freitas e Silva 2 Renilson Targino Dantas 3, Roberto Alan Ferreira Araújo 4 1 Prof.

Leia mais

ANÁLISE DE TENDÊNCIAS DE TEMPERATURA MÍNIMA DO BRASIL

ANÁLISE DE TENDÊNCIAS DE TEMPERATURA MÍNIMA DO BRASIL ANÁLISE DE TENDÊNCIAS DE TEMPERATURA MÍNIMA DO BRASIL RENATA RIBEIRO DO VALLE GONÇALVES 1 e EDUARDO DELGADO ASSAD 2 1 Engenheira Cartógrafa, doutoranda da Faculdade de Engenharia Agrícola Feagri /Unicamp,

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E ÁREA COLHIDA NO RIO GRANDE DO NORTE E PARAÍBA

RELAÇÃO ENTRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E ÁREA COLHIDA NO RIO GRANDE DO NORTE E PARAÍBA RELAÇÃO ENTRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E ÁREA COLHIDA NO RIO GRANDE DO NORTE E PARAÍBA 1 Carlos Antônio Costa dos Santos; 2 José Ivaldo Barbosa de Brito RESUMO O objetivo deste trabalho é estimar e verificar

Leia mais

Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Adeli Buriol, Galileo; Estefanel, Valduino; Heldwein, Arno Bernardo; Damé Prestes, Solismar; Carlexo Horn,

Leia mais

Métodos estatísticos aplicados em saúde pública

Métodos estatísticos aplicados em saúde pública Orientador: Ricardo S. Ehlers Universidade Federal do Paraná October 23, 2007 Introdução Degradação do meio ambiente e os problemas sócio-culturais afetam o cenário epidemiológico. Epidemias de dengue,

Leia mais

Simulação de Evento de Tempo Extremo no Estado de Alagoas com o Modelo Regional BRAMS

Simulação de Evento de Tempo Extremo no Estado de Alagoas com o Modelo Regional BRAMS Simulação de Evento de Tempo Extremo no Estado de Alagoas com o Modelo Regional BRAMS Heriberto dos Anjos Amaro 1, Elisângela Gonçalves Lacerda 1, Luiz Carlos Baldicero Molion 2 1 Pontifícia Universidade

Leia mais

VARIABILIDADE E INTENSIDADE DAS CHUVAS EM BELÉM-PA

VARIABILIDADE E INTENSIDADE DAS CHUVAS EM BELÉM-PA VARIABILIDADE E INTENSIDADE DAS CHUVAS EM BELÉM-PA ALAILSON V. SANTIAGO 1, VICTOR C. RIBEIRO 2, JOSÉ F. COSTA 3, NILZA A. PACHECO 4 1 Meteorologista, Dr., Pesquisador, Embrapa Amazônia Oriental (CPATU),

Leia mais

EFEITO DAS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS NA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DO SUBMÉDIO DO VALE SÃO FRANCISCO

EFEITO DAS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS NA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DO SUBMÉDIO DO VALE SÃO FRANCISCO EFEITO DAS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS NA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DO SUBMÉDIO DO VALE SÃO FRANCISCO Thieres G. F. da SILVA 1,4, José Edson F. de MORAIS 1, Wellington J. da S. DINIZ 1, Jannaylton E.

Leia mais

ASPECTOS METEOROLÓGICOS ASSOCIADOS A EVENTOS EXTREMOS DE CHEIAS NO RIO ACRE RESUMO

ASPECTOS METEOROLÓGICOS ASSOCIADOS A EVENTOS EXTREMOS DE CHEIAS NO RIO ACRE RESUMO ASPECTOS METEOROLÓGICOS ASSOCIADOS A EVENTOS EXTREMOS DE CHEIAS NO RIO ACRE Victor Azevedo Godoi 1, André Felipe de Matos Lopes 1, Audálio Rebelo Torres Jr. 1, Caroline R. Mazzoli da Rocha 2, Mariana Palagano

Leia mais

Secretaria de Estado de Saúde Pública UHE BELO MONTE AÇÕES MITIGADORAS NA REGIÃO DE SÁUDE DO XINGU

Secretaria de Estado de Saúde Pública UHE BELO MONTE AÇÕES MITIGADORAS NA REGIÃO DE SÁUDE DO XINGU Secretaria de Estado de Saúde Pública UHE BELO MONTE AÇÕES MITIGADORAS NA REGIÃO DE SÁUDE DO XINGU PLANO BÁSICO AMBIENTAL Saúde Equipamentos de saúde Controle da malária Saúde indígena O Plano de Saúde

Leia mais

EROSIVIDADE DA CHUVA NA ÁREA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO URUÇUÍ PRETO- PI, BRASIL VISANDO O DESENVOLVIMENTO DE MANEJOS DO SOLO

EROSIVIDADE DA CHUVA NA ÁREA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO URUÇUÍ PRETO- PI, BRASIL VISANDO O DESENVOLVIMENTO DE MANEJOS DO SOLO EROSIVIDADE DA CHUVA NA ÁREA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO URUÇUÍ PRETO- PI, BRASIL VISANDO O DESENVOLVIMENTO DE MANEJOS DO SOLO Raimundo Mainar de Medeiros 1, Paulo Roberto Megna Francisco 2, Roseane Cristina

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO CLIMA DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

CARACTERIZAÇÃO DO CLIMA DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS CARACTERIZAÇÃO DO CLIMA DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Graziela Balda Scofield Instituto Tecnológico Aeronáutico - ITA Praça Mal. Eduardo Gomes, 5, Vila das Acácias, São José dos Campos-SP, 12228-9 e-mail:

Leia mais

UMA ANÀLISE COMPARATIVA DE DADOS METEOROLÓGICOS OBSERVADOS EM ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET

UMA ANÀLISE COMPARATIVA DE DADOS METEOROLÓGICOS OBSERVADOS EM ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET UMA ANÀLISE COMPARATIVA DE DADOS METEOROLÓGICOS OBSERVADOS EM ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET L. Tomás A. de Mello 1, Lauro T. G. Fortes 1, Paulo S. Lucio 1, Francisco de P. Manhaes 1, Edmundo

Leia mais

MODELAGEM PARA A ESTIMATIVA DA UMIDADE RELATIVA DO AR PARA A CIDADE DE ITUPORANGA/SC

MODELAGEM PARA A ESTIMATIVA DA UMIDADE RELATIVA DO AR PARA A CIDADE DE ITUPORANGA/SC MODELAGEM PARA A ESTIMATIVA DA UMIDADE RELATIVA DO AR PARA A CIDADE DE ITUPORANGA/SC Roberto Haveroth 1, Joabe Weber Pitz 2, Katiani Eli 2, Leonardo de O. Neves 3 Elizabete Fernandes 4 1 Graduando em Engenharia

Leia mais

CICLO ANUAL DE OCORRÊNCIA DOS VETORES DA DENGUE EM BELO HORIZONTE E SUAS RELAÇÕES COM AS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS

CICLO ANUAL DE OCORRÊNCIA DOS VETORES DA DENGUE EM BELO HORIZONTE E SUAS RELAÇÕES COM AS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS CICLO ANUAL DE OCORRÊNCIA DOS VETORES DA DENGUE EM BELO HORIZONTE E SUAS RELAÇÕES COM AS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS 1 Rubens Leite Vianello 1 José Eduardo Marques Pessanha 2 Gilberto C. Sediyama 3 RESUMO

Leia mais

MODELAGEM DE TROCA LÍQUIDA DE CARBONO NO ECOSSISTEMA PELO SOFTWARE SITE EM FLORESTA DE TRANSIÇÃO AMAZÔNIA CERRADO

MODELAGEM DE TROCA LÍQUIDA DE CARBONO NO ECOSSISTEMA PELO SOFTWARE SITE EM FLORESTA DE TRANSIÇÃO AMAZÔNIA CERRADO MODELAGEM DE TROCA LÍQUIDA DE CARBONO NO ECOSSISTEMA PELO SOFTWARE SITE EM FLORESTA DE TRANSIÇÃO AMAZÔNIA CERRADO PINHEIRO, M. 1 ; VILANI, M. T. 2 ; ALVES, L. S. 3 ; ANDRADE, N. L. R. 4 ; ALVES, M. C.

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ Mônica Carneiro Alves Xavier (1); Célia Maria Paiva; Gisele dos Santos Alves (1) Aluna do curso de graduação em Meteorologia - UFRJ e-mail:

Leia mais

As estações do ano e a incidência do dengue nas regiões brasileiras

As estações do ano e a incidência do dengue nas regiões brasileiras As estações do ano e a incidência do dengue nas regiões brasileiras Paulo Cesar de Holanda Furtado; Izabel Cristina Alcantara de Souza; Ronei Marcos de Moraes Resumo Divulga-se que o período de maior incidência

Leia mais

PERCEPÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO BÁSICA E ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES VOLTADAS À SAÚDE DO COLETIVO

PERCEPÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO BÁSICA E ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES VOLTADAS À SAÚDE DO COLETIVO PERCEPÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO BÁSICA E ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES VOLTADAS À SAÚDE DO COLETIVO Elidiane dos Santos CIRILO¹, Emilly Maria de Lima OLIVEIRA¹, Fábio José Targino

Leia mais

VARIABILIDADE CLIMÁTICA DA BAIXA UMIDADE DO AR EM ALGUMAS LOCALIDADES: Centro e Sudeste do Brasil.

VARIABILIDADE CLIMÁTICA DA BAIXA UMIDADE DO AR EM ALGUMAS LOCALIDADES: Centro e Sudeste do Brasil. VARIABILIDADE CLIMÁTICA DA BAIXA UMIDADE DO AR EM ALGUMAS LOCALIDADES: Centro e Sudeste do Brasil. Resumo Francisco de Assis Diniz adiniz@inmet.gov.br Ricardo Lauxe Reinke Estagiário Instituto Nacional

Leia mais

OCORRÊNCIA DO ORVALHO NA CIDADE DE SÃO PAULO RESUMO ABSTRACT

OCORRÊNCIA DO ORVALHO NA CIDADE DE SÃO PAULO RESUMO ABSTRACT OCORRÊNCIA DO ORVALHO NA CIDADE DE SÃO PAULO Gustavo ARMANI Frederico Luiz FUNARI Sergio Torre SALUM RESUMO O presente trabalho analisa a ocorrência de dias com orvalho na cidade de São Paulo e a relaciona

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE EXTREMOS CLIMÁTICOS UTILIZANDO O SOFTWARE RClimdex. ESTUDO DE CASO: SUDESTE DE GOIÁS.

CARACTERIZAÇÃO DE EXTREMOS CLIMÁTICOS UTILIZANDO O SOFTWARE RClimdex. ESTUDO DE CASO: SUDESTE DE GOIÁS. CARACTERIZAÇÃO DE EXTREMOS CLIMÁTICOS UTILIZANDO O SOFTWARE RClimdex. ESTUDO DE CASO: SUDESTE DE GOIÁS. Luiz A. R. dos Santos 1, Paulo S. Lucio 1, Expedito R. G. Rebello 1, Helena T. Balbino 1, Lauro T.

Leia mais

PGECLIMA_R: GERADOR ESTOCÁSTICO PARA SIMULAÇÃO DE CENÁRIOS CLIMÁTICOS BRASILEIROS. I DESENVOLVIMENTO DO GERENCIADOR DO BANCO DE DADOS CLIMÁTICOS

PGECLIMA_R: GERADOR ESTOCÁSTICO PARA SIMULAÇÃO DE CENÁRIOS CLIMÁTICOS BRASILEIROS. I DESENVOLVIMENTO DO GERENCIADOR DO BANCO DE DADOS CLIMÁTICOS PGECLIMA_R: GERADOR ESTOCÁSTICO PARA SIMULAÇÃO DE CENÁRIOS CLIMÁTICOS BRASILEIROS. I DESENVOLVIMENTO DO GERENCIADOR DO BANCO DE DADOS CLIMÁTICOS JORIM S. VIRGENS FILHO 1, RODRIGO P. FÉLIX 2, MAYSA L. LEITE

Leia mais

Climatologia das chuvas no Estado do Rio Grande do Sul

Climatologia das chuvas no Estado do Rio Grande do Sul Climatologia das chuvas no Estado do Rio Grande do Sul Daniel Souza Cardoso 1, Gilberto Barbosa Diniz 2, João Baptista da Silva 3 1 Licenciado em Física, Mestre em Meteorologia, Professor do Instituto

Leia mais

Recebido para publicação em 14/04/04 Aprovado em 23/07/05 ISSN 0104-1347 Simulação estocástica de valores médios diários de temperatura do ar e de radiação solar global para Piracicaba-SP, utilizando distribuição

Leia mais

Competências Exigidas ao essoal de eteorologia eronáutica

Competências Exigidas ao essoal de eteorologia eronáutica WMO-CGMS Virtual Laboratory For Education and Training in Satellite Meteorology Competências Exigidas ao essoal de eteorologia eronáutica a partir de 2013 Temas Abordados Primeira Parte Segunda Parte Terceira

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE DADOS DE VENTO GERADOS NO PROJETO REANALYSIS DO NCEP/NCAR E OBSERVADOS EM REGIÕES DO ESTADO DO CEARÁ.

CORRELAÇÃO ENTRE DADOS DE VENTO GERADOS NO PROJETO REANALYSIS DO NCEP/NCAR E OBSERVADOS EM REGIÕES DO ESTADO DO CEARÁ. CORRELAÇÃO ENTRE DADOS DE VENTO GERADOS NO PROJETO REANALYSIS DO NCEP/NCAR E OBSERVADOS EM REGIÕES DO ESTADO DO CEARÁ. Cícero Fernandes Almeida Vieira 1, Clodoaldo Campos dos Santos 1, Francisco José Lopes

Leia mais

Validação das observações feitas com o pluviômetro de garrafa PET na cidade de Belém-PA.

Validação das observações feitas com o pluviômetro de garrafa PET na cidade de Belém-PA. Validação das observações feitas com o pluviômetro de garrafa PET na cidade de Belém-PA. Silvia Letícia Alves Garcêz¹, Maria Aurora Santos da Mota². ¹Estudante de Graduação da Universidade Federal do Pará,

Leia mais

OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE

OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE TEIXEIRA, A.Q. (¹) ; BRITO, A.S. (²) ; ALENCAR, C.F. (2) ; SILVA, K.P. (2), FREITAS, N.M.C.

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ

DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ L. G. M. de Figueredo Júnior 1 ; A. S. Andrade Júnior 2 ; F. E. P. Mousinho 1 RESUMO: O presente trabalho teve por

Leia mais

Um modelo evolutivo para a dengue considerando incertezas de fatores ambientais

Um modelo evolutivo para a dengue considerando incertezas de fatores ambientais Um modelo evolutivo para a dengue considerando incertezas de fatores ambientais Luciana T. Gomes, Laécio C. de Barros, Depto de Matemática Aplicada, IMECC, UNICAMP 133-59, Campinas, SP E-mail: ra@ime.unicamp.br,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO NA REGIÃO SUL NA CIDADE DE GOIÂNIA GOIÁS

CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO NA REGIÃO SUL NA CIDADE DE GOIÂNIA GOIÁS CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO NA REGIÃO SUL NA CIDADE DE GOIÂNIA GOIÁS Rosidalva Lopes Feitosa da Paz 1, Andre de Oliveira Amorim 2 e Raimundo Mainar de Medeiros 3 1 Física e Coordenadora

Leia mais

Análise Temporal dos Preços da Commodity Cobre Usando o Modelo Box & Jenkins

Análise Temporal dos Preços da Commodity Cobre Usando o Modelo Box & Jenkins Bruno de Paula Baltar Análise Temporal dos Preços da Commodity Cobre Usando o Modelo Box & Jenkins Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração de Empresas

Leia mais

2 - MATERIAL E MÉTODOS

2 - MATERIAL E MÉTODOS Previsão de Curto Prazo de Eventos Extremos utilizando Redes Neurais Artificiais para o Aeroporto de Guarulhos-SP Juliana Hermsdorff Vellozo de Freitas 1,Phd. Gutemberg Borges França 1, DSc. Manoel Valdonel

Leia mais

NOTA TÉCNICA N.º 3/2014/IOC-FIOCRUZ/DIRETORIA (versão 1, 22 de maio de 2014)

NOTA TÉCNICA N.º 3/2014/IOC-FIOCRUZ/DIRETORIA (versão 1, 22 de maio de 2014) 1 NOTA TÉCNICA N.º 3/2014/IOC-FIOCRUZ/DIRETORIA (versão 1, 22 de maio de 2014) Assunto: Avaliação de armadilhas para a vigilância entomológica de Aedes aegypti com vistas à elaboração de novos índices

Leia mais

VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP

VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP Maria Cecilia Manoel Universidade de São Paulo maria.manoel@usp.br Emerson

Leia mais

EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL

EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL K. F. O. Alves 1 ; M. A. R. Carvalho 2 ; L. C. C. Carvalho 3 ; M. L. M. Sales 4 RESUMO:

Leia mais

SIMULAÇÃO DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO SERRANA DO RIO DE JANEIRO NO CLIMA PRESENTE E FUTURO UTILIZANDO O MODELO ETA-HADCM3

SIMULAÇÃO DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO SERRANA DO RIO DE JANEIRO NO CLIMA PRESENTE E FUTURO UTILIZANDO O MODELO ETA-HADCM3 SIMULAÇÃO DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO SERRANA DO RIO DE JANEIRO NO CLIMA PRESENTE E FUTURO UTILIZANDO O MODELO ETA-HADCM3 Kelen M. Andrade 1, Henri R. Pinheiro 1, 1 Centro de Previsão

Leia mais

Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014

Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014 Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014 Secretaria de Vigilância em Saúde Jarbas Barbosa 11 de novembro de 2013 Casos Prováveis e internações por dengue/fhd Brasil, 1986-2013*

Leia mais

APLICAÇÃO DE TÉCNICAS DE ESTATÍSTICA ESPACIAL NA CARACTERIZAÇÃO DOS CASOS DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP NO PERÍODO DE 1999 A 2007

APLICAÇÃO DE TÉCNICAS DE ESTATÍSTICA ESPACIAL NA CARACTERIZAÇÃO DOS CASOS DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP NO PERÍODO DE 1999 A 2007 p. 001-009 APLICAÇÃO DE TÉCNICAS DE ESTATÍSTICA ESPACIAL NA CARACTERIZAÇÃO DOS CASOS DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP NO PERÍODO DE 1999 A 007 CARLOS ALBERTO JÁCOMO 1 VILMA MAYUMI TACHIBANA

Leia mais

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE DENGUE É A MAIS IMPORTANTE ARBOVIROSE URBANA, PERIURBANA E RURAL SÓ EXISTE PELA PRESENÇA DO Aedes aegypti

Leia mais

Regressão Linear em SPSS

Regressão Linear em SPSS Regressão Linear em SPSS 1. No ficheiro Calor.sav encontram-se os valores do consumo mensal de energia, medido em milhões de unidades termais britânicas, acompanhados de valores de output, em milhões de

Leia mais