NORMAS LEGAIS DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO EM BELO HORIZONTE:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMAS LEGAIS DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO EM BELO HORIZONTE:"

Transcrição

1 NORMAS LEGAIS DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO EM BELO HORIZONTE: mudanças na ação fiscalizadora do Estado 1 Prof. Dr. Allan Kardec Carlos Dias 2 Prof. Gisela do Couto Bemfica 3 RESUMO O trabalho apresenta uma análise da legislação relativa à proteção e combate a incêndio nas etapas de projeto, construção e ocupação das edificações de uso coletivo no estado de Minas Gerais e, especificamente, em Belo Horizonte. Palavras-chaves: AVCB. Fiscalização de sistemas de prevenção a incêndio. Legislação de segurança contra incêndio. Proteção e combate a incêndio. Abstract This paper presents an analysis of legislation about fire prevention and combat related with the stages of design, construction and occupation of buildings for collective use in Minas Gerais, Brasil, specifically in Belo Horizonte. Keywords: Fire Prevention and Combat. AVCB. Systems of Fire Prevention. Legislation of Fire Prevention and Combat. 1 INTRODUÇÃO As maiores concentrações humanas que caracterizam o espaço urbano e a vida contemporânea, são condições que aumentam os riscos de incêndio e os seus impactos. Assim sendo, as edificações urbanas, em especial, aquelas nas quais há maior concentração de pessoas, não podem prescindir de um sistema de proteção e combate a incêndio, aí incluída a capacitação de usuários dessas edificações para que saibam como atuar na eventualidade de um incêndio. 1 Artigo elaborado a partir da monografia homônima apresentada à Faculdade de Engenharia e Arquitetura da Universidade FUMEC, como requisito para a conclusão do Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho e realizada sob a orientação do prof. Rildo Marcelo Alves. 2 Doutor em Ciência dos Alimentos. Mestre em Agroquímica e Agrobioquimica. Especialista em Ciências Ambientais. Graduado em Ciências, Biologia, Química. 3 Especialista em Engenharia de Materiais e Segurança do Trabalho. Professora da Escola de Engenharia Kennedy.

2 Não se pode negar que, em praticamente todas as edificações coletivas habitacionais, industriais e comerciais dos centros urbanos são encontrados extintores e hidrantes. O que é bastante mais raro é que estas edificações disponham de documentação legal que ateste a eficácia dos equipamentos existentes, em caso de necessidade. Os sistemas de certificação, e mais especificamente a Certificação OHSAS , podem ser um trunfo importante na promoção da conscientização sobre a necessidade dessa documentação. Este estudo foi orientado pela questão acerca de qual a legislação relacionada à prevenção e ao combate a incêndio a ser considerada na atuação do Engenheiro de Segurança, no estado de Minas Gerais. O objetivo foi o de identificar e sistematizar - a partir de um histórico - as legislações relacionadas ao assunto no estado de Minas Gerais e, em especial, no município de Belo Horizonte. Para isso, realizou-se uma pesquisa qualitativa, de caráter descritivo e que não requer o uso de técnicas e métodos estatísticos (GIL, 1991). O trabalho, que se enquadra no estudo das legislações, consistiu de pesquisa bibliográfica sobre as legislações pertinentes, da Carta Magna de 1988 às legislações estadual e municipal, tendo por foco os procedimentos de aprovação e fiscalização dos sistemas de proteção e combate a incêndio em edificações. Além da presente introdução, o artigo está estruturado em quatro tópicos. No primeiro aborda-se o tema de incêndio em edificações e medidas preventivas. No tópico seguinte faz-se um breve histórico do corpo de bombeiros, situando-o nas constituições federal e do estado de Minas Gerais. São também tratadas as legislações de Minas Gerais e de Belo Horizonte relacionadas ao foco do trabalho. No terceiro tópico apresenta-se uma análise da legislação estudada e, por fim, os achados do estudo são sintetizados no último tópico, que trata das considerações finais. 2 INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES E MEDIDAS PREVENTIVAS Os componentes de uma edificação devem satisfazer os requisitos mínimos de utilização e segurança, dentre os quais a resistência ao fogo. Conforme 4 OHSAS 18001, Occupational Health and Safety Assessment Series, é uma especificação que fornece às organizações os elementos de um Sistema de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho (SST).

3 exposto por Berto (1991), uma edificação segura contra incêndio pode ser definida como aquela em que há baixa probabilidade de início de incêndio e na qual, em caso de incêndio, há alta probabilidade de todos os seus ocupantes sobreviverem. Em termos estruturais e de compartimentação do edifício, a norma brasileira NBR (ABNT, 2001) estabelece as condições a serem atendidas para que, em situação de incêndio, se evite o colapso estrutural. Os edifícios devem ser projetados de forma que, na ocorrência de incêndio, seus ocupantes possam permanecer onde estejam, ir para outra parte do edifício (lugar de segurança relativa), ou sair do edifício sem estarem sujeitos a condições insalubres, perigosas ou insustentáveis. A exigência de segurança à vida se aplica para dentro e fora do edifício (CIB W014, 2001, apud BONITESE, 2007). A probabilidade de maior ocorrência de um incêndio em edificações, assim como sua intensidade, duração e risco de conflagração estão associados a (SILVA, 2001): atividade desenvolvida no edifício, propriedades térmicas dos materiais e quantidade de material combustível, o que é tecnicamente denominado de carga de incêndio ; número de pavimentos, área, compartimentação e condições de ventilação, ou seja, a tipologia do edifício ; e sistemas de segurança contra incêndio, denominados de proteção ativa. Assim, para cada tipo de edificação é necessário um plano de segurança de incêndio compatível com as necessidades que lhes são específicas. Segundo a NBR (ABNT,1993), de acordo como o material combustível, o fogo divide-se em quatro classes: classe A: quando ele ocorre em materiais de fácil combustão com a propriedade de queimarem em sua superfície e profundidade, e que deixam resíduos, como: tecidos, madeira, papel, fibras, etc.; classe B: quando o fogo ocorre em produtos inflamáveis que queimem somente em sua superfície, não deixando resíduos, como óleo, graxas, vernizes, tintas, gasolina, etc.; classe C: quando o fogo ocorre em equipamentos elétricos energizados como motores, transformadores, quadros de distribuição, fios, etc;

4 classe D: quando o fogo ocorre em elementos pirofóricos como magnésio, zircônio, titânio, entre outros, que inflamam-se em contato com o ar ou produzem centelhas - e até explosões - quando pulverizados e atritados. Por sua vez, os materiais construtivos podem ser divididos em cinco grupos, conforme seu desempenho a altas temperaturas (SFPE, 2002, apud BONITESE, 2007): materiais estruturais (Grupo L): capazes de resistir a grandes esforços, principalmente tração e compressão; materiais estruturais e isolamento (Grupo L/I): capazes de resistir moderadamente a esforços e, em situação de incêndio, constituem como materiais de resistência ao grupo L; materiais de isolamento (Grupo I): que não são destinados a resistir a esforços. Sua função é apresentar resistência à transmissão de calor a outros elementos da edificação, ou promover o isolamento dos materiais pertencentes aos Grupo L ou Grupo M/I; materiais estruturais/isolamento/combustível (Grupo L/I/F): que podem se tornar combustíveis em um incêndio; materiais isolamento/combustível (Grupo I/F): que podem se tornar combustíveis em um incêndio. A fumaça dos materiais apresenta alto teor de toxidades. Inúmeras pesquisas demonstram que as principais causas de mortes por toxidade são por monóxido de carbono (CO) ou cloreto de hidrogênio (HCL), conhecido como ácido clorídrico, ou por misturas da decomposição térmica de materiais individuais (SFPE, 2002, apud BONITESE, 2007). Os efeitos fisiológicos da exposição à toxicidade da fumaça e ao calor podem ocasionar a morte ou efeitos permanentes, tais como: prejuízos à visão; dores, dificuldade ou danos de trato respiratório causados pela inalação de gases irritantes e por temperaturas elevadas; asfixia por inalação de gases tóxicos, resultando em convulsão e perda de consciência;

5 dores de queimadura na pele e trato respiratório superior, seguidas de queimaduras, ou hipertermia devido aos efeitos do calor. 2.1 Medidas de segurança contra incêndio As medidas de segurança contra incêndio podem ser de prevenção ou de proteção. As medidas de prevenção são aquelas associadas ao elemento precaução contra o início do incêndio e se destinam, exclusivamente, a prevenir a ocorrência do início do incêndio. As medidas de proteção - que dividem-se em proteção passiva e proteção ativa - são destinadas a proteger a vida humana e os bens materiais dos efeitos nocivos do incêndio já em curso em um edifício. Visam a extinção inicial do incêndio; a limitação do seu crescimento e propagação no e entre edifícios; a precaução contra o colapso estrutural; a evacuação segura do edifício; e a rapidez, eficiência e segurança das operações de combate e resgate (BERTO, 1991). As medidas de proteção passivas incluem projetos elaborados corretamente e com utilização de materiais cujas características de ignição sejam perfeitamente conhecidas. A arquitetura de segurança contra incêndio enquadra-se nesse tipo de proteção, da mesma forma que o estudo, no projeto de um edifício, da estrutura, dos elementos constitutivos e dos compartimentos da edificação, quanto ao seu potencial de limitar ou conter o crescimento do incêndio e de dar proteção aos seus ocupantes. A análise e o controle das características e quantidade de materiais combustíveis reunidos tanto no acabamento interno quanto no conteúdo da edificação também fazem parte das medidas de proteção passiva (BERTO,1991). A proteção ativa contra incêndio é constituída por meios (equipamentos e sistemas) que precisam ser acionados, manual ou automaticamente, para funcionarem em situação de incêndio, visando à rápida detecção do incêndio, ao alerta dos usuários do edifício e às ações de combate com segurança. Destacam-se como os principais sistemas de proteção ativa, segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT): NBR 9441: sistema de detecção e alarme automáticos de incêndio; NBR 10898: sistema de iluminação de emergência; NBR 13434: sinalização de segurança contra incêndio e pânico; NBR 9441: sistema de alarme manual de incêndio (botoeiras);

6 NBR 10897: sistemas de extinção automática de incêndio (chuveiros automáticos sprinklers, e outros sistemas especiais de água ou gases); NBR 5667: sistema de hidrantes; NBR 12693: sistemas de proteção por extintores de incêndio; NBR 11742: portas corta-fogo para saída de emergência; NBR 9077: rotas de fuga; NBR 5419: sistema de proteção contra descargas atmosféricas (pára raios.); NBR 11715: extintores de incêndio com carga de água; NBR 11861: mangueira de incêndio - Requisitos e métodos de ensaio; NBR 12779: mangueira de incêndio - Inspeção, manutenção e cuidados; NBR 13714: Sistemas de hidrantes e de mangotinhos para combate a incêndio; NBR 14276: Brigada de incêndio. O atendimento a essas normas, juntamente com as instruções técnicas dos corpos de bombeiros estaduais, são os recursos indicados para assegurar que, inicialmente, a concepção projetual da edificação apresente potencial preventivo. Essas regulamentações tem caráter prescritivo e foram definidas por parâmetros rígidos e requisitos específicos não permitindo soluções alternativas (ONO, 2007). Conhecê-las é hoje um requisito obrigatório na concepção e elaboração de projetos de edificações residenciais ou não residenciais. 3 NORMAS LEGAIS DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO Além dos requisitos a serem considerados na concepção e projeto das edificações, a segurança quanto ao risco de incêndio dos usuários de edificações depende do atendimento a requisitos e dispositivos legais. Para isso é imperioso conhecer os requisitos que precisam ser atendidos após a construção e ocupação da edificação, tanto quanto à verificação e preservação dos equipamentos de proteção e combate a incêndio, como quanto às obrigações junto ao Corpo de Bombeiros, que é o órgão responsável pela aprovação de projetos, vistoria e fiscalização de edificações no que se refere à proteção e combate a incêndios.

7 A seguir são sistematizadas as prescrições legais pertinentes, com ênfase na identificação dos procedimentos, competências e instrumentos relacionados com a garantia das condições de proteção e combate a incêndio nas edificações urbanas de Belo Horizonte. 3.1 Um panorama do Corpo de Bombeiros no Brasil A extinção de incêndios na cidade do Rio de Janeiro esteve a cargo dos trabalhadores do Arsenal da Marinha. Em fins do século XVIII um Alvará Régio de 12/08/1797 determinou a organização de um Sistema de Combate envolvendo esses trabalhadores, quando o Arsenal da Marinha tornou-se, então, o primeiro órgão público responsável pela extinção de incêndio. Mais de meio século depois o Decreto Imperial nº 1.775, assinado pelo Imperador Dom Pedro II em 02/07/1856, criou e organizou o Corpo Provisório de Bombeiros da Corte e, em 1860, o Decreto nº 2.587, de 30/04/1860, tornou definitivo esse corpo provisório. Com o Decreto nº 8.837, de 17/12/1881, o Corpo de Bombeiros tornou-se uma organização efetivamente militar, tendo sido também aprovado o seu regulamento. 3.2 O Corpo de Bombeiros de Minas Gerais Em Minas Gerais, a Lei nº 557, de 31/08/1911, constituiu o Corpo de Bombeiros a partir do contingente de pessoal que integrava a Guarda-Civil. Sua constituição autônoma deu-se a partir do Decreto Lei , de 04/01/1934, que desvinculou seu quadro de pessoal daquela força pública, situação que perdurou até 1966, quando os oficiais do Corpo de Bombeiros foram integrandos à Polícia Militar de Minas Gerais pela Lei 4.254, de 25/08/1966. Com a Emenda Constitucional nº 39, em 02/07/1999, o Art. 98 da Constituição do Estado de Minas Gerais foi modificado e a corporação foi desvinculada da Polícia Militar e desmilitarizada. A ela foram atribuídas as competências de coordenar e executar ações de defesa civil, atividades de prevenção e combate a incêndios, busca e salvamento, perícias de incêndio, e o estabelecimento das normas relativas à segurança contra incêndios e outras catástrofes. Em termos de atribuições, competências, constituição e subordinação do Corpo de Bombeiros, importa mencionar que ora se esteve diante de uma legislação de âmbito nacional, ora essa legislação foi estadual. Portanto, o levantamento

8 relativo ao papel do Poder Público quanto à proteção e combate a incêndios que se apresenta a seguir abrange as esferas federal, estadual e municipal. 3.3 Legislação no âmbito Federal Constituição de 1988 Ao estabelecer competências privativas da União, a Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 inclui os corpos de bombeiros militares como entidades a serem regulamentadas pela União e subordinadas aos governadores. O Título III - Da Organização do Estado, o inciso XXI do Artigo 22 reconhece, como competência privativa da União, o estabelecimento de normas gerais de organização, efetivos, material bélico, garantias, convocação e mobilização das polícias militares e corpos de bombeiros militares. Ao tratar da defesa do Estado e das instituições democráticas, o Título V, o 5º do Artigo 144 estabelece que aos corpos de bombeiros militares, além das atribuições definidas em lei, incumbe a execução de atividades de defesa civil e o 6º do mesmo artigo subordina polícias militares e corpos de bombeiros militares (...) aos Governadores dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios. 3.4 Legislação no âmbito Estadual Constituição do Estado de Minas Gerais de 1989 Uma vez que, constitucionalmente, os corpos de bombeiros subordinamse aos governadores, os estados, norteados pelas normas gerais privativas da União, podem definir, suplementarmente, as competências da corporação. Dessa forma, o Artigo 142 da Constituição do Estado de Minas Gerais de 1989 estabelece as atividades do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais e o Artigo 143 determina que a sua organização seja definida em Lei Complementar. O primeiro dos artigos constitucionais mencionados reconhece a Polícia Militar e o Corpo e Bombeiros Militar como forças públicas estaduais dotadas de órgãos permanentes, organizados com base na hierarquia e disciplina militares, competindo aos últimos a prevenção e combate a incêndio, busca e salvamento Emenda Constitucional No 39

9 Posteriormente, a Emenda Constitucional N o 39 de 2/6/1999 atribui ao Corpo de Bombeiros a competência para estabelecer normas relativas à segurança contra incêndios, a prevenção e combate a incêndios e a realização de perícias em caso de sinistro. Essa emenda dá nova redação ao Art. 142 e acrescenta um parágrafo único ao Art.143. A nova redação do Art. 142 atribui ao Corpo de Bombeiros Militar a competência para estabelecer normas de proteção e combate a incêndio, o que resulta em significativo impacto sobre o papel e as condições de atuação da corporação. Por sua vez, o parágrafo único acrescentado à redação do Art. 143 reconhece a necessidade de revisão periódica, pelo Poder Executivo, dos regulamentos disciplinares, com vistas ao seu aprimoramento e atualização Lei Complementar nº 54 de 13/12/1999 A organização do Corpo de Bombeiros a que os Art. 143 do texto constitucional mineiro e Art. 10 da Emenda Constitucional nº 39 se referem, foi objeto da Lei Complementar nº 54, de 13/12/1999. Essa lei dispõe sobre a organização básica do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais CBMMG e seu Art. 3º estabelece como atribuições da corporação: I- coordenar e executar as ações de (...) prevenção e combate a incêndio, perícias de incêndio e explosão em locais de sinistro, (...); [...] III- coordenar a elaboração de normas relativas à segurança das pessoas e dos seus bens contra incêndios e pânico e outras previstas em lei, no Estado; As leis complementares relacionadas à regulamentação das atribuições relativas à prevenção e combate a incêndio são examinadas a seguir. 3.5 Legislação relativa à prevenção e combate a incêndio em Minas Gerais Para identificar de que forma as competências e atribuições relativas à prevenção e combate a incêndio são realizadas examinam-se as leis estaduais nº , de 19/12/2001, os decretos nº , de 17/05/2004, nº , de 01/04/2006, e nº , de 29/02/2008. A Lei Estadual nº , no seu Art. 1º, dispõe sobre a prevenção contra incêndio e pânico no estado de Minas Gerais e estabelece a edificação destinada a

10 uso coletivo como o tipo de edificação a ser visada/verificada. O Art. 2º define os procedimentos de análise, aprovação e vistoria, bem como as normas técnicas a serem atendidas e o Art. 5º torna obrigatória a afixação, em parte externa da edificação - e portanto acessível -, do Auto de Vistoria e Liberação emitido pelo Corpo de Bombeiros (AVCB). Entre 2001 e 2008 esta lei foi sucessivamente especificada por diferentes decretos estaduais, os quais são analisados a seguir. O primeiro deles, Decreto nº , entre outras coisas, delimita mais claramente as competências do Corpo de Bombeiros quanto às suas atribuições de proteção contra incêndio; estabelece as responsabilidades da corporação quanto ao serviço de segurança; e define termos relacionados com o sistema de prevenção e combate a incêndio, com destaque para o AVCB - Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiro. De conformidade com esse decreto, o sistema de prevenção e combate a incêndio das edificações coletivas é acompanhado pelo Corpo de Bombeiros desde a fase de projetação, quando o projeto desse sistema deve ser submetido à aprovação, passando pela etapa de vistoria, quando não só é verificada a correspondência entre projeto e construção, como também é testado in loco o efetivo funcionamento do sistema; para, ao final, o sistema implantado ser aprovado, o que se formaliza com a emissão do AVCB - Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiro. Em 2006 esse decreto é substituído pelo de nº que, tal como o anterior, delimita competências, estabelece responsabilidades e define termos relacionados com o sistema de prevenção e combate a incêndio, em especial, o AVCB - Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiro. Cumpre destacar duas alterações resultantes desse decreto: 1- das competências do Corpo de Bombeiro, que passa então a ter a atribuição de periciar e fiscalizar as edificações 5 ; e 2- da validade do AVCB, que passa a ser de dois anos 6. Com igual objetivo de regulamentar a Lei nº , em 2008 é editado o Decreto Estadual nº que amplia o escopo das atribuições do Corpo de Bombeiro 7, reduz de quinze para dez dias úteis o prazo de elaboração da vistoria 5 De conformidade com o Art. 4 o. 6 Conforme Art. 9º. 7 Conforme o Art. 4º.

11 para emissão do AVCB 8 e aumenta a validade deste documento de dois para três anos, em locais de reunião de público, e para cinco anos, nas demais ocupações Compartilhamento de atribuições com o município de Belo Horizonte Os instrumentos legais acerca do compartilhamento, entre o estado de Minas Gerais e o município de Belo Horizonte, das atribuições e responsabilidades relacionadas com o combate a incêndio são anteriores a Entretanto, como não foram afetados pela Constituição Estadual de 1989, eles permanecem vigorando. São eles, a Lei Estadual nº 5.497, de 13/07/1970, e a Resolução Estadual nº 310, de 05/03/1975. A Lei Estadual nº dispõe sobre as atividades das unidades de Bombeiros da Polícia Militar e autoriza o poder executivo a celebrar convênios com as prefeituras municipais para a execução dos serviços de bombeiros. Conforme o seu Art. 4º, no Município da Capital, a execução dos serviços previstos no Artigo 1º desta lei, far-se-á pelas Unidades de Bombeiros sediadas na Capital, cabendo à Prefeitura providenciar legislação própria de prevenção contra incêndios e explosões, podendo contar com a cooperação do órgão técnico da Polícia Militar. O Art.11 estabelece que o município organizará legislação própria de prevenção contra fogo, desabamentos, inundações, atualizando-se se for o caso, sua legislação específica e seu código de obras, tendo em vista as cláusulas do convênio. O parágrafo único desse artigo estabelece que o Município assegurará, no seu âmbito, a fiscalização das condições dos prédios, construções e instalações, podendo o órgão técnico da Polícia Militar interditar, se for o caso, as construções e os prédios sem condições de segurança. Como capital do estado, é competência do município de Belo Horizonte elaborar a legislação de prevenção a incêndio e explosões, contando com a cooperação do órgão técnico da Polícia Militar. 10 Cabe também ao poder público municipal assegurar a fiscalização das condições dos prédios, construções e instalações, 11 ficando a fiscalização da obediência às normas e a fiscalização dos 8 Conforme 1º do Art. 8º. 9 Conforme 4º do Art. 8º. 10 Conforme os artigos 4º e Conforme o Art. 11.

12 estadual. 12 O desdobramento da Lei Estadual nº no âmbito de Belo Horizonte município. 13 Conforme essa resolução, cabe à organização de Bombeiros da PMMG a estabelecimentos com vistas à prevenção de incêndio, a cargo do poder público foi o convênio firmado entre o governo do estado e a prefeitura do município, conforme a Resolução Estadual nº 310, que estabelece os termos do convênio e fixa as condições para execução dos serviços de prevenção contra incêndios e explosões, combate ao fogo, salvamento e socorros em geral, no âmbito do execução dos serviços de prevenção contra incêndios e explosões, combate ao fogo, salvamento e socorros em geral, sendo portanto da alçada estadual. Esses serviços envolvem a fiscalização da aplicação das normas preventivas de incêndio, o assessoramento e a assistência à Prefeitura nesse sentido e a vistoria das instalações de prevenção e combate a incêndio nas edificações. A aprovação e divulgação das normas técnicas propostas pela PMMG para a prevenção contra incêndios e explosões é da alçada municipal, assim como a exigência de cumprimento dos requisitos legais para isso; e o condicionamento da concessão do habite-se à aprovação, pela PMMG, da execução de projeto preventivo previamente aprovado, consubstanciada pela emissão do certificado de vistoria da edificação. Com a desvinculação entre Corpo de Bombeiros e Policia Militar, em 1999, as atribuições dos primeiros tornaram-se específicas, tendo sido definidas em normas estaduais posteriores. Em termos do foco deste trabalho, cumpre registrar que, à exceção do município de Belo Horizonte, no estado de Minas Gerais, as prefeituras somente liberam a edificação e o respectivo habite-se, depois de aprovado o projeto de prevenção e combate a incêndio e emitido o AVCB. No caso de Belo Horizonte, a legislação municipal atribui ao responsável técnico (RT) pela execução da edificação, a responsabilidade de que sejam atendidas as condições mínimas de segurança contra incêndio (hidrante e extintor), e de que a edificação atenda às normas vigentes pelo período de 5 anos. 12 Conforme os incisos IV e VIII do Art. 8º. 13 A Lei Municipal nº 2060 de 27/04/1972, do município de BH, tratada mais adiante, estabelece, em termos municipais, as condições para o convênio.

13 Conforme a legislação estadual, o RT tem a responsabilidade de que o projeto executado esteja dentro das normas legais, cabendo ao(s) proprietário(s) e/ou ao responsável pelo uso da edificação a responsabilidade pela manutenção das condições previstas em projeto ao longo da vida da edificação. 3.7 Legislação no âmbito do município de Belo Horizonte Como já mencionado, a Lei Estadual nº deixa a cargo da prefeitura da capital do estado a legislação própria de prevenção contra incêndios e explosões. Para isso, a lei municipal 2.060, de 27/04/ regulamentada pelos decretos nº 2.912, de 03/08/1976, e nº 6.942, de 22/08/ estabelece as normas de prevenção e combate a incêndios, condiciona a aprovação de construção de uso coletivo ao seu atendimento e autoriza a celebração de convênio com o Governo do Estado de Minas Gerais. Em 1995, a lei municipal nº 6.824, de 6 de janeiro, define normas adicionais de prevenção e combate a incêndios em estabelecimentos de uso coletivo e, posteriormente, ambas são modificadas pela lei municipal 9.064, de 17/01/2005 e o decreto nº , de 21/03/2005, estabelece as condições a serem seguidas para assegurar responsabilidades pelo atendimento das normas de prevenção e combate a incêndio. Da lei nº cumpre destacar o Art. 2º que condiciona a concessão do habite-se à vistoria da edificação pelo Corpo de Bombeiros, devidamente comprovada por certificado expedido por essa corporação. Em 1976 esta lei foi regulamentada pelo Decreto Municipal nº 2.912, que estabelece que, antes da instalação do sistema prevenção de incêndio, o seu projeto deve ser apresentado ao setor próprio do Corpo de Bombeiro, para atestar sua aprovação 14. Em decorrência desta condição, a Prefeitura de Belo Horizonte só aprova um projeto arquitetônico após a emissão do atestado, que precisa ser anexado ao projeto arquitetônico da edificação. 15 Embora norma legal tenha sido alterada em 1991 pelo decreto nº 6.942, suas alterações não dizem respeito aos aspectos tratados neste trabalho. No que se refere ao foco deste trabalho, das normas adicionais estabelecidas pela lei municipal nº 6.824, destacam-se o condicionamento da 14 Conforme os artigos 31 e Conforme Art. 33.

14 aprovação do projeto arquitetônico e concessão de alvará de construção à aprovação, pelo Corpo de Bombeiros, do projeto de prevenção e combate a incêndio e a exigência da plena execução do mesmo, para concessão de habite-se. A lei municipal nº 9.064, de 2005, introduz modificações tanto na lei nº como na lei nº O parágrafo único do Art. 1º da lei conceitua a edificação destinada a uso coletivo como a edificação, cujo fim seja comercial, de serviço, industrial ou residencial multifamiliar, que se preste à ocupação por pessoas, em caráter permanente ou temporário 16 e o Art. 2º estabelece que a certidão de baixa e habite-se, parcial ou total, somente poderá ser concedida após apresentação de laudo técnico, emitido por profissional legalmente habilitado e com anotação de responsabilidade técnica, que ateste a eficiência do sistema de prevenção e combate a incêndio implantado e a sua adequação às normas técnicas e à legislação vigente. 17 Com isso, a partir de 2005 tanto a aprovação de projetos de arquitetura e concessão de alvarás de construção, como a concessão de habite-se e baixa de construção deixaram de estar explicitamente condicionados à vistoria pelo Corpo de Bombeiros. Em seu lugar, o poder público municipal passou a exigir, expressamente, um laudo técnico elaborado por profissional legalmente habilitado e com a devida anotação da responsabilidade técnica, para atestar a eficiência do sistema de prevenção e combate a incêndio das edificações. 18 Ao estabelecer tais condições, o decreto nº deixa de exigir a manifestação explícita do Corpo de Bombeiros e transfere a agentes da sociedade a responsabilidade técnica pela eficiência do sistema de prevenção e combate a incêndio. A responsabilização de agentes da sociedade se amplia na medida que inclui a obrigação de renovação periódica do laudo afim de garantir a manutenção da eficiência do sistema de prevenção e combate a incêndios e pânico e exige que o responsável pela edificação mantenha atualizado o documento comprobatório dessa eficiência. 16 Nova redação, porém sem alteração de conteúdo. 17 Alteradas as condições de concessão de certidão de habite-se e baixa de construção. 18 Como consta respectivamente, do parágrafo único do Art. 3o. da lei e do Art. 2o. da lei modificados pela lei

15 É importante notar que não é responsabilidade do profissional que atestou inicial ou anteriormente tal eficiência a obrigação de fiscalizar o sistema ou de mantê-lo em perfeitas condições. A manutenção da eficiência do sistema e as providências para renovação periódica do laudo são atribuições dos proprietários da edificação, diretamente ou por meio daquele que indicarem como responsável pela mesma. 4 ANÁLISE O foco do percurso proposto neste trabalho foi a identificação das responsabilidades relativas à segurança e prevenção contra incêndios em edificações de uso coletivo. Partiu-se do reconhecimento, na Carta Magna, da subordinação da organização dos bombeiros aos governos estaduais e passou-se a examinar a legislação no âmbito do estado de Minas Gerais. A análise desta legislação evidencia que até 2006 o AVCB 19 da edificação era emitido uma única vez e tinha validade permanente, desde que mantidas as condições iniciais da edificação. 20 No entanto, essa certificação não assegurava a efetiva eficiência do sistema de prevenção e combate a incêndio, já que constituía uma iniciativa voluntária por parte dos síndicos/proprietários da edificação manter em condições os equipamentos de segurança, uma necessidade pouco reconhecida, certamente ainda hoje. Com o decreto estadual , em 2006 o auto de vistoria passa a ter validade limitada, o que torna obrigatória a atualização da sua validade, responsabilidade esta atribuída ao responsável pela edificação, sob pena de aplicação de sanções pelo Corpo de Bombeiros. No que se refere à legislação municipal de Belo Horizonte, observa-se uma significativa modificação no ano de 2005, ano de publicação da Lei 9.064, relativamente às exigências do município para aprovação de projetos e concessão de habite-se, complementarmente à ação fiscalizadora do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais. 19 AVCB- Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros. 20 Com o estabelecimento de um prazo de validade, tanto para o AVCB como para os laudos técnicos mencionados na legislação municipal, é possível garantir que os equipamentos instalados permaneçam eficientes, já que é obrigatória a vistoria local sempre que se for proceder à renovação de ambos documentos. No entanto, em termos de divulgação da obrigatoriedade de renovação, é pouco provável que os responsáveis pelas edificações coletivas do município tenham ciência disso.

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO firesafetybrasil@gmail.com RELAÇÃO ENTRE OS FATORES CONDICIONANTES DE RISCO E AS DISTINTAS CATEGORIAS DE RISCO RELAÇÃO DE INTERDEPENDÊNCIA ENTRE AS CINCO CATEGORIAS

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 - Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 - Risco de incêndio 3 - Símbolos 9 - Fatores de segurança

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO ANEXO XI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO 1. OBJETIVOS Esta Norma Técnica estabelece princípios gerais para: a) o levantamento de riscos

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO de acordo com o projeto de norma nº 24:203.002-004 da ABNT ( setembro 2000 ) 1 Objetivo 1.1 Estabelecer

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06 Extintores de Incêndio Portáteis. Revisão: 00 Folha: 1 de 7 1. Objetivo Assegurar que todos os canteiros de obras atendam as exigências para utilização dos extintores de incêndio portáteis de acordo com

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI N o 6.125, DE 2013 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI N o 6.125, DE 2013 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI N o 6.125, DE 2013 Dispõe sobre a obrigatoriedade de conservação e manutenção de elevadores elétricos, esteiras e escadas rolantes instalados em edifícios

Leia mais

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES 1 OBJETIVOS DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A proteção da vida humana A proteção do patrimônio A continuidade do processo produtivo 2 O CÍRCULO DE PROTEÇÃO

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 Risco de incêndio 3 Símbolos 9 - Fatores de segurança 4 - Considerações

Leia mais

Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios. Marcos Velletri

Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios. Marcos Velletri Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios Marcos Velletri Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios É de extrema importância a conscientização de proprietários e síndicos quanto à responsabilidade

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 Altera o art. 250-A do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Dispõe sobre normas de segurança essenciais ao funcionamento de boates, casas de show e similares,

Leia mais

ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO

ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO 108 LAUDO TÉCNICO PREVISTO NO DECRETO Nº 6.795 DE 16 DE MARÇO DE 2009 LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTÁDIO 1.1. Nome do

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 Dispõe sobre normas de segurança essenciais ao funcionamento de boates, casas de show e similares, e define requisitos a serem observados para concessão de alvará a

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL Resolução nº 002 de 09 de maio de 2011. O Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98)

DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98) 1 de 7 05/02/2013 11:03 DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98) Aprova as Normas Técnicas de Prevenção de Incêndios e determina

Leia mais

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS SUMÁRIO APÊNDICES 1 - Objetivo A - Solicitação de Cadastro de Pessoa Jurídica 2 - Referências normativas B - Solicitação de Cadastro de Pessoa

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 16, de 05/03/07 Plano de Intervenção

Leia mais

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio INTRODUÇÃO Ambos a experiência e o bom senso nos dizem que as ações tomadas durante uma emergência são mais eficazes

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO Cria e regulamenta a Brigada de Incêndio e Emergência do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

Encontro Secovi PQE "AVCB: o que é, obrigatoriedade e revalidação"

Encontro Secovi PQE AVCB: o que é, obrigatoriedade e revalidação Encontro Secovi PQE "AVCB: o que é, obrigatoriedade e revalidação" Mercado Imobiliário Contextualização do negócio imobiliário que implica na formação do condomínio Incorporação Imobiliária Atividade

Leia mais

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA NICOBELO&ART FINAL Nicobelo@hotmail.com BRIGADAS DE EMERGÊNCIA GRUPO INCÊNDIO DE SOROCABA 1 OBJETIVO É estabelecer Programa de Prevenção e levar a cabo medidas que se implementem para evitar ou mitigar

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

Regulamento de segurança contra incêndio das edificações e áreas de risco do Estado de São Paulo

Regulamento de segurança contra incêndio das edificações e áreas de risco do Estado de São Paulo Decreto Estadual nº 56.819, de 10 de março de 2011 I GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO CORPO DE BOMBEIROS Regulamento

Leia mais

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012.

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. *Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. O Prefeito Municipal de Chapecó, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987

LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987 LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987 Dispõe sobre instalação e funcionamento de elevadores e outros aparelhos de transporte, e dá outras providências. Jânio da Silva Quadros, Prefeito do Município de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

RESOLUÇÃO CGSIM Nº 29, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012.

RESOLUÇÃO CGSIM Nº 29, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012. RESOLUÇÃO CGSIM Nº 29, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012. Dispõe sobre recomendação da adoção de diretrizes para integração do processo de licenciamento pelos Corpos de Bombeiros Militares pertinente à prevenção

Leia mais

Súmula: Regulamenta a Instituição do Programa Brigadas Escolares Defesa Civil na Escola.

Súmula: Regulamenta a Instituição do Programa Brigadas Escolares Defesa Civil na Escola. DECRETO QUE REGULAMENTA A LEI 18.424/2015 Súmula: Regulamenta a Instituição do Programa Brigadas Escolares Defesa Civil na Escola. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO PORTARIA ANP Nº 29, DE 9 DE FEVEREIRO DE 1999 Estabelece a regulamentação da atividade de distribuição de combustíveis líquidos derivados de petróleo, álcool combustível, mistura

Leia mais

Prof.Dr. Wyser José Yamakami

Prof.Dr. Wyser José Yamakami Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho - Campus Ilha Solteira-SP SP Prof.Dr. Wyser José Yamakami Introdução a Engenharia de Segurança: Capítulo 8 Prevenção de Incêndios 8.1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO DE OPERAÇÕES DE DEFESA CIVIL Departamento de Proteção Contra Incêndio, Explosão e Pânico NORMA TÉCNICA n. 39/2009 Credenciamento

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011 1. Do fato Solicitado parecer sobre atuação do profissional Enfermeiro no treinamento ministrado aos componentes de brigadas de incêndio, atendendo a Instrução Técnica

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e

DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta a aplicação da Lei Complementar nº 126/13 e da Lei nº 6400/13, que instituem, por AUTOVISTORIA, a obrigatoriedade de realização de vistorias técnicas

Leia mais

Revisão da legislação de Segurança Contra Incêndio na visão das Universidades

Revisão da legislação de Segurança Contra Incêndio na visão das Universidades Comissão Especial de Revisão e Atualização das Leis de Segurança, Prevenção e Proteção contra Incêndios Revisão da legislação de Segurança Contra Incêndio na visão das Universidades Contribuições das universidades

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS PORTARIA Nº 118, DE 11.7.2000 - DOU 12.7.2000 Regulamenta as atividades de distribuição de gás natural liqüefeito (GNL) a granel e de construção,

Leia mais

Instrução Normativa 001/2014

Instrução Normativa 001/2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Porto Alegre, RS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA Em 03 de Jan de 2014 BM COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO 1 Instrução Normativa 001/2014

Leia mais

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP Aprova a Norma Técnica nº 010/2005-CBMAP, sobre atividades eventuais no Estado do Amapá,

Leia mais

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR- PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS A proteção contra incêndios é uma das Normas Regulamentadoras que disciplina sobre as regras complementares de segurança e saúde no trabalho

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 038 /2012 INSTITUI OBRIGAÇÕES RELATIVAS À AUTOVISITA E AS INFORMAÇÕES ACERCA DE OBRAS E REFORMAS REALIZADAS NOS PRÉDIOS.

PROJETO DE LEI Nº 038 /2012 INSTITUI OBRIGAÇÕES RELATIVAS À AUTOVISITA E AS INFORMAÇÕES ACERCA DE OBRAS E REFORMAS REALIZADAS NOS PRÉDIOS. PROJETO DE LEI Nº 038 /2012 INSTITUI OBRIGAÇÕES RELATIVAS À AUTOVISITA E AS INFORMAÇÕES ACERCA DE OBRAS E REFORMAS REALIZADAS NOS PRÉDIOS. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA:

Leia mais

Rio de Janeiro: Decreto Regulamentador de Autovistoria

Rio de Janeiro: Decreto Regulamentador de Autovistoria Rio de Janeiro: Decreto Regulamentador de Autovistoria Regulamenta a aplicação da Lei Complementar 126 de 26 de março de 2013 e da Lei 6400 de 05 de março de 2013, que instituem a obrigatoriedade de realização

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando Comando do Corpo de Bombeiros Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio Maj. QOBM Fernando Plano de Emergência Requisitos para Elaboração e Aspectos a serem Observados; Implementação

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 032/DAT/CBMSC) CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 032/DAT/CBMSC) CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 032/DAT/CBMSC)

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 006/DAT/CBMSC) SISTEMA PREVENTIVO POR EXTINTORES

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 006/DAT/CBMSC) SISTEMA PREVENTIVO POR EXTINTORES ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 006/DAT/CBMSC)

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 51/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 51/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 51/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 006/2000-CBMDF, sobre a Emissão do Certificado

Leia mais

ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO

ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO Praça Nove de Abril, 170. 4200 422 Porto Tel. +351 22 508 94 01/02 www.jct.pt SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO JCT - Consultores de Engenharia, Lda tem como

Leia mais

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO BRIGADA DE INCÊNDIO Brigada de Incêndio: É um grupo organizado de pessoas voluntárias ou não, treinadas e capacitadas para atuarem dentro de uma área previamente estabelecida na prevenção, abandono e combate

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS ANEXO XVIII AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica visa a adequar o texto da norma NBR 10897, que dispõe sobre

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Segurança Pública, no entendimento do professor Orlando Soares (in Comentários à Constituição da República Federativa do Brasil), traduz o estado

Leia mais

1 de 5 03/12/2012 14:32

1 de 5 03/12/2012 14:32 1 de 5 03/12/2012 14:32 Este documento foi gerado em 29/11/2012 às 18h:32min. DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. Institui o Programa de Gestão do Patrimônio do Estado do Rio Grande do Sul - Otimizar,

Leia mais

CBMMG - 1o BBM 5a Cia P.V.

CBMMG - 1o BBM 5a Cia P.V. CBMMG - 1o BBM 5a Cia P.V..Data: JÍ-jMjjã- 4 I ENTRADAZ)i P^W^ I Kl SAÍDA yfíf^l^f^x^^ LAUDO TÉCNICO PREVISTO NO DECRETO N 6.795 DE 16 DE MARÇO DE 2009 LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO ^ 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Aula 1 - Introdução

Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Aula 1 - Introdução Comando do Corpo de Bombeiros Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Aula 1 - Introdução Cap. QOBM Amarildo Prevenção de Incêndios Introdução SUMÁRIO História e evolução da prevenção Código de Prevenção Conceitos

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM. Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A.

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM. Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A. REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A. O Decreto-Lei n.º 167/97, de 4 de Julho, no seu artigo 79.º estipula que é da competência

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 04 PROJETOS DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCENDIOS (PCI)

INSTRUÇÃO TÉCNICA 04 PROJETOS DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCENDIOS (PCI) INSTRUÇÃO TÉCNICA 04 PROJETOS DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCENDIOS (PCI) 1 OBJETIVO 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE DO VEREADOR ISAAC TAYAH

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE DO VEREADOR ISAAC TAYAH PROJETO DE LEI Nº. 138/2015 CRIA LAUDO TÉCNICO DE VISTORIA PREDIAL (LTVP) NO MUNICIPIO DE MANAUS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Art. 1º Fica instituída, no Município de Manaus, a obrigatoriedade de autovistoria,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.020-D DE 2007

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.020-D DE 2007 REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.020-D DE 2007 Estabelece diretrizes gerais sobre medidas de prevenção e combate a incêndio e a desastres em estabelecimentos, edificações e áreas de reunião de público;

Leia mais

INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio

INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio GESTÃO DA CONTINUADE DOS NEGÓCIOS E DE PGI 002 Incêndio INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio As informações existentes neste documento e em seus anexos são para uso exclusivo

Leia mais

RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições

RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições Dispõe sobre o exercício profissional dos Tecnólogos das áreas submetidas à regulamentação e fiscalização instituídas pela Lei nº 5.194, de 24 DEZ 1966, e dá outras providências.

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL 1 OBJETIVO: Estabelecer requisitos e exigências para o Credenciamento de Empresas Revendedoras, Instaladoras e Conservadoras de Sistemas de Proteção Contra Incêndio e Pânico, complementando o Art. 9º do

Leia mais

Instalações Prediais. Manutenção

Instalações Prediais. Manutenção Instalações Prediais Manutenção Legislação Leis nº 10.199/86 e 8382/76 Certificado de manutenção dos sistemas de segurança contra incêndio Lei nº 13.214, de 22 de novembro de 2001. Obrigatoriedade de instalação

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Washington Reis) Dispõe sobre limpeza e inspeção de ar condicionado central, na forma que menciona. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º É obrigatória a realização anual

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos Eng. Valdemir Romero Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Segurança

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. (publicado no DOE n.º 137, de 17 de julho de 2012) Institui o Programa

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 491, DE 2011

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 491, DE 2011 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 491, DE 2011 Determina a realização periódica de inspeções em edificações e cria o Laudo de Inspeção Técnica de Edificação (LITE). O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES A Câmara Técnica de Arquitetura de Interiores do CAU/PR Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Paraná, terá como

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 333 DISPOSIÇÕES GERAIS

LEI COMPLEMENTAR Nº 333 DISPOSIÇÕES GERAIS DISPÕE SOBRE A INSTALAÇÃO, CONSERVAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE ELEVADORES E APARELHOS DE TRANSPORTE AFINS, REGULAMENTA A HABITAÇÃO DAS EMPRESAS PRESTADORAS DESSES SERVIÇOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI COMPLEMENTAR

Leia mais

ISEP INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA

ISEP INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA ISEP INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA Projecto de Licenciamento de Segurança Contra Incêndio António Gomes aag@isep.ipp.pt 1 3 Enquadramento As implementação dos sistemas de segurança contra incêndios

Leia mais

PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978

PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978 Aprova as Normas Regulamentadoras - NR - do Capítulo V, Título II, da Consolidação das Leis do

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA 17/2013 SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS E BIBLIOGRÁFICAS

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 025/DAT/CBMSC) REDE PÚBLICA DE HIDRANTES

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 025/DAT/CBMSC) REDE PÚBLICA DE HIDRANTES ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 025/DAT/CBMSC)

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 408, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 408, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 408, DE 2012 Altera a Lei nº 6.766, de 19 de dezembro de 1979, que dispõe sobre o parcelamento do solo urbano e dá outras providências, para alargar a faixa não

Leia mais

Ficha informativa LEI COMPLEMENTAR Nº 1.257, DE 06 DE JANEIRO DE 2015

Ficha informativa LEI COMPLEMENTAR Nº 1.257, DE 06 DE JANEIRO DE 2015 Assem 27/04/2015 Lei Complementar nº 1.257, de 06 de janeiro de 2015 Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo Ficha informativa LEI COMPLEMENTAR Nº 1.257, DE 06 DE JANEIRO DE 2015 Institui o Código

Leia mais

CORPO DE BOMBEIROS RJ DIRETORIA DE DIVERSÕES PÚBLICAS

CORPO DE BOMBEIROS RJ DIRETORIA DE DIVERSÕES PÚBLICAS CORPO DE BOMBEIROS RJ DIRETORIA DE DIVERSÕES PÚBLICAS Segurança em Parques de Diversão: Papel da Defesa Civil Estadual Palestrante: Major BM Leonardo TUPAN FILME ILUSTRATIVO INTRODUÇÃO Índice: Histórico

Leia mais

PR 29/07/2013. Instrução Normativa Nº 24/2013

PR 29/07/2013. Instrução Normativa Nº 24/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PR 29/07/2013 Instrução Normativa Nº 24/2013 Assunto: Institui a Política

Leia mais

Prezado colega, você sabia:

Prezado colega, você sabia: Prezado colega, você sabia: 1) Que, de maneira geral, as Normas Regulamentadoras (NRs), do MTE - Ministério do Trabalho e Emprego, estabelecem requisitos mínimos legais e condições com objetivo de implementar

Leia mais

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

Associação Matogrossense dos Municípios

Associação Matogrossense dos Municípios PORTARIA Nº 019/2010 O Presidente da Associação Matogrossense dos Municípios AMM, no uso de suas atribuições legais que lhe são conferidas pelo Estatuto Social e Resolução 002/2010, RESOLVE: Art. 1º -

Leia mais

COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS. Departamento de Segurança Contra Incêndio DSCI

COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS. Departamento de Segurança Contra Incêndio DSCI COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS Departamento de Segurança Contra Incêndio DSCI SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO CORPO DE BOMBEIROS Análise e Vistoria

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 017/02 PREPARAÇÃO E ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Página 2 de 5

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 017/02 PREPARAÇÃO E ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Página 2 de 5 Página 2 de 5 1 OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo o estabelecimento das diretrizes para elaboração de procedimentos técnicos e administrativos a serem adotados em situações emergenciais, tais

Leia mais

Autores: Deputado SAMUEL MALAFAIA, Deputado LUIZ PAULO A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLVE:

Autores: Deputado SAMUEL MALAFAIA, Deputado LUIZ PAULO A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLVE: PROJETO DE LEI Nº 2584/2013 EMENTA: DETERMINA QUE SEGUROS IMOBILIÁRIOS DE CONDOMÍNIOS, PRÉDIOS RESIDENCIAIS, COMERCIAIS E PÚBLICOS SOMENTE SEJAM EMITIDOS MEDIANTE O CUMPRIMENTO DA LEI Nº6400, DE 05 DE

Leia mais

Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio

Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio Apresentação do módulo Os sistemas de proteção contra incêndio e pânico são classificados em duas categorias distintas: proteção passiva

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Meios de Fuga As rotas de fuga devem atender, entre outras, às seguintes condições básicas: Número de saídas O número

Leia mais

CORPO DE BOMBEIROS RJ DIRETORIA DE DIVERSÕES PÚBLICAS

CORPO DE BOMBEIROS RJ DIRETORIA DE DIVERSÕES PÚBLICAS CORPO DE BOMBEIROS RJ DIRETORIA DE DIVERSÕES PÚBLICAS CREA 01/03/2012 Segurança em Parques de Diversões: Legalização junto ao CBMERJ Palestrante: Ten Cel BM Leonardo TUPAN Introdução Índice: Histórico

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana. Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian

Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana. Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian Planos Municipais de Mobilidade Urbana e Acessibilidade e o papel do TCE-RS na sua implementação Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian SUPORTE

Leia mais

Associação Nacional de Engenharia de Segurança do Trabalho. SINDUSCON - São Paulo 25 de julho de 2011

Associação Nacional de Engenharia de Segurança do Trabalho. SINDUSCON - São Paulo 25 de julho de 2011 SINDUSCON - São Paulo 25 de julho de 2011 Ciclo de Debates ATUALIZAÇÃO DO CAPITULO V DA CLT Eng. Seg. Trab. Celso Atienza Eng. Seg. Trab. Elizabeth Spengler Cox de Moura Leite CLT CAPÍTULO V Das Condições

Leia mais

FIRE PROTECTION Escritório Central São Paulo, SP:

FIRE PROTECTION Escritório Central São Paulo, SP: FIRE PROTECTION Escritório Central São Paulo, SP: Rua das Rosas, 300 Mirandópolis São Paulo, SP CEP:04048-000 Tel: +55 11 5584-6380 Site: www.ckc.com.br ckc@ckc.com.br A CKC no Brasil Somos há 15 anos,

Leia mais

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE Elaborado em: 22/09/2010 Autora: Walleska Vila Nova Maranhão

Leia mais

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança.

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança. OBJETIVO De acordo com o Artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 220/2008 (Regime Jurídico de SCIE), descrever e detalhar como devem ser instruídos e apresentados os Projetos de SCIE (com o conteúdo descrito no

Leia mais