TRANSFORMAÇÕES E PERMANÊNCIAS DA PAISAGEM DE BELO HORIZONTE Ana Maria Nagem Frade GEEDA-PBH

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRANSFORMAÇÕES E PERMANÊNCIAS DA PAISAGEM DE BELO HORIZONTE Ana Maria Nagem Frade GEEDA-PBH"

Transcrição

1 TRANSFORMAÇÕES E PERMANÊNCIAS DA PAISAGEM DE BELO HORIZONTE Ana Maria Nagem Frade GEEDA-PBH Desde os primórdios do seu aparecimento na Terra o ser humano inquieta-se na investigação e na exploração do desconhecido. Nômades primitivos valiam-se da coleta, da caça e da pesca, sugavam tudo o que o lugar lhes oferecesse até esgotarem-se os recursos. A descoberta da agricultura fez com que o homem se fixasse terra que passa a ser fornecedora de alimento, como local para moradia e como paisagem para fruição. MINAS GERAIS OURO, PECUÁRIA E PODER Da Vila de São Vicente (São Paulo), em meados do século XVII, partiram os primeiros bandeirantes em busca das riquezas do interior de Minas. Nas rotas seguidas pelos bandeirantes foram surgindo núcleos de ocupação e a fim de ligá-los e comercializar os produtos, unindo pólos de importância econômica, surge a Estrada Real.

2 À medida que novas descobertas de jazidas iam se confirmando, a Coroa se empenhava em tomar medidas relativas à exploração, controle e exportação de seu potencial. As condições geográficas e a localização da capital do Estado de Minas Gerais à época, fazem de Vila Rica um local suscetível a fraude, contrabando e inadequado às novas aspirações da República e aos ideais positivistas tornando-se necessária a construção de uma nova capital, em sítio que propiciasse expansão. Iniciando-se a busca de um sítio adequado, num grande movimento político que mobiliza o país. Para que a nova capital pudesse progredir, a escolha do sítio adequado seria fundamental. Vista Panorâmica de Villa Rica, capital de Minas Gerais, em 1890.

3 Mapa da Estrada Real No mapa ao lado, o Caminho Velho conectava Ouro preto ao Porto de Parati, o Caminho Novo- conexão entre Ouro preto e o Porto do Rio de Janeiro e a Rota dos Diamantes conexão da capital de Minas Gerais ao sertão e à capital do país. Esses caminhos surgiram a partir das rotas dos bandeirantes e das descobertas de minas. A Estrada Real, assim chamada por ser o acesso da Coroa para controlar sua produção, era a rota de ligação, acesso e escoamento das riquezas das Minas Gerais. Esta figura mostra a ligação do interior do estado aos portos e aos centros econômicos, políticos e culturais mais importantes do país à época Salvador, Rio de Janeiro e São Paulo. Observa-se a localização da Estrada Real no contexto de Minas Gerais e sua privilegiada localização em relação aos outros estados. No coração do estado, Belo Horizonte, antigo Curral del Rei, arraial que sucedeu Ouro Preto (antiga Villa Rica) na capital do Estado.

4 O local escolhido para a nova capital, o arraial de Bello-Horizonte, reunia as condições favoráveis à implantação de um grande centro urbano modernista localização geográfica estratégica entre a mata e o sertão, topografia favorável, abundância e excelência de suas águas, fertilidade do solo, abundância de pedras e outros materiais para sua construção e, unindo-se a tudo isso, uma paisagem natural exuberante, o que motivou a troca do nome de Curral Del Rei para Belo Horizonte, em 1889, durante as comemorações da proclamação da República. A denominação de Belo Horizonte deveu-se à beleza natural do sítio. De acordo com Mestre Daniel Cornélio de Cerqueira, (citado em BARRETO, 1995, v.1, página 230),...exprimia naturalmente o espetáculo que a localidade apresentava sempre aos olhos de todos e era o mais justo motivo dos constantes elogios que lhe faziam os seus visitantes. Vista Panorâmica do Arraial do Curral del Rei, abaixo a chácara, atual Parque Municipal, em 1893

5 Planta cadastral do Arraial de Bello-Horizonte da Comissão Construtora, 1894 O Curral Del Rei deveu sua localização à convergência de três estradas (...). Uma estrada desce a garganta do Arrudas e sobe o vale do Rio das Velhas até Sabará; a segunda penetra a Serra do Curral para o sul e a terceira se embrenha pelo sertão na direção norte. Na junção dessas três estradas havia uma praça, no centro da qual se erguia uma igreja. Este era o núcleo histórico da colônia, seu ponto de fixação à terra. A instalação da sede do Governo no centro geográfico não seria suficiente para determinar um centro econômico, nem promover mudanças estruturais numa região. Entretanto, a facilidade de conexões com outros centros mais desenvolvidos e o sistema de transporte e comunicações fazia da região de Belo Horizonte, a mais atrativa, o que fez com que o Congresso optasse por esta região (no vale do Rio das Velhas) conectando a Mata ao Sertão, e por apresentar disponibilidade de água, solos adequados para a lavoura e terrenos de fácil instalação de arruamentos.

6

7 A planta Cadastral do extinto Arraial de Belo Horizonte, antigo Curral Del Rei, comparada com a planta da nova capital no espaço abrangido por aquele arraial é uma sobreposição de dois documentos cartográficos que permite a visualização da localização do antigo arraial no contexto da nova cidade. Presume-se que esse seja um dos exemplares elaborados na Inspetora Técnica da Prefeitura nos primeiros anos da década de 1940, enquanto a planta do arraial seria embasada na planta produzida pela Comissão Construtora em 1894.

8 Fotografia da Praça Sete em 1905, onde se vê o plantio dos fícus benjamina ao longo da praça e da Avenida Afonso Pena Os espaços livres de edificação, planejados para serem de uso público, são frequentemente arborizados e têm uma função relevante, não somente na regulação do clima urbano, como também na paisagem, na referência e na identificação que um povo tem com sua cidade. Este trabalho trata das transformações e permanências na paisagem de Belo Horizonte, vista sob a ótica das mudanças ocorridas em seus espaços livres Parques e Praças, por entendermos serem estes responsáveis pela fruição paisagem urbana. A planta abaixo mostra os espaços públicos planejados que foram implantados, em número muito menor que aqueles que não chegaram a sê-lo. Percebe-se que apenas seis, dos dezessete projetados, foram implantados.

9 CONCEITOS DE AMBIÊNCIA 1- O espaço que visa à confortabilidade focada na privacidade e individualidade dos sujeitos envolvidos, valorizando elementos do ambiente que interagem com as pessoas cor, cheiro, som, iluminação, morfologia, arborização...- e garantindo conforto aos trabalhadores e usuários. 2- O espaço que possibilita a produção de subjetividades, encontro de sujeitos, por meio da ação e reflexão sobre os processos de trabalho. 3- O espaço usado como ferramenta facilitadora do processo de trabalho, favorecendo a otimização de recursos, o atendimento humanizado, acolhedor e resolutivo.

10 Paisagem urbana e Ambiência Cada dia mais os espaçoslivres de uso público vão perdendo lugar no ambiente urbano. Casas com quintais em ruas tranquilas cedem lugar aos edifícios que, além de atraírem grande fluxo de veículos, vão mudando a paisagem da cidade e sua relação com o homem. A conservação dessa paisagem, a convivência de seus habitantes e a qualidade de vida passam a depender de um planejamento. A paisagem urbana e a percepção de sua ambiência envolvem questões afetivas, sociais e políticas. Essa percepção instala as bases de uma identidade coletiva, gerando frustrações ou bem estar, abrindo espaço para uma interação mais estreita e saudável do homem com o meio ambiente urbano. A Avenida Afonso Pena, em Belo Horizonte mostra como o desequilíbrio gerado por atividades urbanas em relação à arborização pode estabelecer uma relação de conflito entre a população e seu meio. Por outro lado, se as intervenções da administração pública são equilibradas, planejadas, compartilhadas com a comunidade, estabelece-se uma relação de harmonia, de paz cuja vivência gera bem estar. A arborização de Belo Horizonte foi pensada desde sua concepção, mas ao longo de sua história, as constantes mudanças na arborização, sobretudo da Avenida Afonso Pena tem alterado, ora positiva ora negativamente sua paisagem, sua ambiência, comprometendo o conceito de cidade-jardim que a capital ostentava. A arborização é um componentes de grande importância na paisagem urbana e sua utilização sem bons critérios causa danos ecológicos de porte considerável ao meio ambiente urbano. Além da função paisagística, proporciona outros benefícios à população como absorção de parte dos raios solares diminuindo a temperatura, melhora da saúde física e mental da população. A vegetação pode ainda, estabilizar o solo, proteger mananciais e rios e renovar a água do subsolo.

11 Por outro lado um bom planejamento da arborização pode mudar esse quadro de desconforto estético e físico, minimizando gastos de manutenção que tanto oneram os cofres públicos, melhorando a qualidade de vida da população, saneando os centros urbanos, garantindo maior taxa de permeabilidade do solo e alterando a relação do usuário com a paisagem. As árvores bem adaptadas às condições de clima e solo, que não conflitam com outros elementos como iluminação pública, redes de energia elétrica e de abastecimento de água, fruto de análise criteriosa da vegetação do local e de seu entorno, apresentam desenvolvimento satisfatório influenciando positivamente na saúde da população e em sua satisfação com a ambiência local.

12 O planejamento e organização do espaço de Belo Horizonte, primeira capital da República a ser projetada, planejada e organizada a partir de um conhecimento técnico, foi norteado pela topografia do sítio e do núcleo urbano existente Curral del Rei. A arborização foi planejada juntamente com o traçado de ruas e avenidas, destacando-se a da Avenida Afonso Pena eixo norte-sul da cidade, no canteiro central, nos passeios e nas praças localizadas no cruzamento das avenidas. A preocupação com a arborização e com a paisagem urbana, conferiu à Belo Horizonte o status de Cidade Jardim, dada à exuberância de seus espaços verdes. As fotografias mostram as transformações ocorridas na arborização da Avenida Afonso Pena de 1905 a 2010 e os impactos que estas criaram na população e em sua identificação com o espaço público.

13 Alfredo Riancho, escreve no Minas Gerais sob o título de Por montes e vales sua percepção ao seguir ruas, travessas e praças, colhendo proveitosos ensinamentos ao acaso. Fazia pinturas registrando os locais por onde passava e escrevia sobre o clima, o solo e a saúde da população. Camarate deixa claras suas impressões sobre a ambiência e a percepção da paisagem local, não só as suas, mas de todos os que com ele estavam, e também as impressões que colhia das conversas com a população.... a temperatura é amena, temperada havendo freqüentes virações que, enquanto a civilização não povoar com milhares de habitantes este verdejante jardim, nos chegam embalsamadas dos perfumes resinosos das florestas... Se no Brasil há paisagens que se assemelhem às da Europa, é com certeza em Belo Horizonte, cujo firmamento não é tão atrevidamente azul como Nápoles...Quando contemplamos um ponto de vista desta localidade, recebemos, no seu conjunto, uma impressão de que a vegetação de Belo Horizonte tem verdes mais profundos e limpos... (REVISTA DO ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO, 1985, p.35,36,82).

14 A Arborização se transforma contado a história Como um livro que conta a história de uma cidade, a paisagem urbana espelha as diversas cristalizações da estrutura espacial. Por isso, a paisagem só se limita ao visível no primeiro contato. Depois de desvendada, ela traduz os processos naturais, políticos, econômicos, sociais, culturais e pessoais dos quais a cidade foi cenário. Ao longo das décadas, o vai e vem dos pedestres construiu uma grande diversidade de faces da Afonso Pena. A arborização da Afonso Pena recebeu um cuidado especial. Ali foram plantadas centenas de mudas de fícus benjamina em toda a sua extensão. Essa espécie, de origem asiática é muito utilizada na arborização urbana no início do século XX em muitas cidades brasileiras, caracteriza-se por raízes fortes, seus troncos espessos, copas enormes e pela altura de até 20 metros. (FREYRE, 1989, p. 76, 77) Cidade vergel - os escritores decantavam Belo Horizonte com sua paisagem peculiar. Em 1920, João do Rio descrevia a capital como um miradouro nos céus arborizada como só o paraíso deveria ser. Em 1922, para comemorar os 100 anos da Independência Brasileira, a Praça 12 de Outubro passou a se chamar Praça Sete de setembro e ganhou o famoso pirulito.

15 Fotografias da Avenida Afonso Pena em Em 1940 Abílio Barreto elogia sua arborização magnífica. Em entrevistas com 17 belorizontinos nascidos entre 1920 e 1930 todos citam que a cidade dos anos 30, 40 e 50 tinha encantos especiais, mencionando a arborização da Av. Afonso Pena como principal fator de ambiência agradável, local aprazível, bonito, fresco, tranqüilo e acolhedor. Belo Horizonte era uma beleza, uma cidade inigualável. Passear pela Avenida à sombra dos Fícus... Nunca mais a Avenida foi a mesma desabafa Duquinha.

16

17 Cine-Teatro Brasil foi construído na esquina da Avenida Amazonas com a Rua Carijós. Fonte: cinebrasil3.jpg

18 2ps01y54f/images/12-31c202357b/000.jpg Fonte:http://belohorizonte.f otoblog.uol.com.br/images/ photo jpg 2ps01y54f/images/11-2ec5c2b926/000.jpg

19 Fonte:http://3.bp.blogspot.com/_q2egPs7AOR8/S7UPAbvCg2I/AAAAAAAAA Go/01aBdCuYoBY/s1600/pracasetedcada40.jpg Fonte:http://belohorizonte.fotoblog.uol.com.br/images/ photo jpg

20 Debaixo de cada árvore faço minha cama, em cada ramo penduro meu paletó. Carlos Drummond de Andrade, ao percorrer a avenida árvores repetidas, na década de 40. Avenida Afonso Pena em 1949, onde o grande corredor verde destacava-se até o pé da Serra do Curral e o progresso convivia em harmonia verde e cinza com a natureza.

21

22 1962- a imagem de um fotógrafo anônimo mostra o povo em torno de um dos troncos do monumento verde. A cidade parou para ver o corte dos fícus da Praça Sete, realizado ainda na administração do prefeito Amintas de Barros. A paisagem é de absoluta ruína. Com toda a sua copa podada até os tocos dos galhos, o tronco mostra a precariedade do tratamento dado à árvore em vida, pois, ao seu redor, vários cartazes de propaganda política haviam sido colados.

23 1962-O obelisco sai da Praça 7 asconcelos, na Savassi, em Fonte: Acervo do Jornal Estado de Minas Fonte:

24 Obelisco é retirado da Praça Sete, fica no quintal do Museu Abílio Barreto para ser remontado na Praça Diogo de Vasconcelos, na Savassi, em 1962.

25 1963- Novembro e Dezembro A cada manhã, uma nova feição Em novembro de 1963, após o movimento do dia e sem qualquer consulta à população, sem anúncio na imprensa, a Prefeitura inicia o corte dos fícus da alameda central da Avenida. O evento dos fícus apareceu como um desalento para muitos. A cada manhã a Avenida Afonso Pena exibia uma feição irreconhecível, pois os cortes sempre eram realizados à noite, já na administração de Jorge Carone.

26 Fícus a Identidade da cidade Em nome do progresso e do desenvolvimento da cidade, esta perde o que aparecia como um bem comum, um lugar de memória coletiva (DUARTE,2007). O verde (os fícus) nesta época, criavam uma ambiência tal que representavam a identidade da cidade. Funcionavam como o pulmão, órgão vital desse grande organismo urbano. O belorizontino experimentou um calor de 36 graus centígrados à sombra, seguido de um estio interminável, nesses mesmos dias. Segundo Duarte (2007) os reservatórios de água de Minas Gerais atingiram níveis baixíssimos, comprometendo o abastecimento em várias regiões, dentre as quais a cidade de Belo Horizonte.

27 1964 Carlos Drummond de Andrade protesta contra o cenário desolador recusando-se a escrever no aniversário da cidade. Em meu repertório de imagens queridas, a Avenida Afonso Pena continuará sendo aquela massa de verdura que, do alto, separava a cidade em duas partes e, cá em baixo, era um túnel sem angústia do túnel.(...). Ora, fabricação de ruínas não sugere festas. E como isso de acabar com árvore na capital mineira parece uma constante das administrações, pois não é de hoje que ouço falar na guerra de prefeitos contra o patrimônio vegetal legado pelos que fizeram do Curral Del Rey uma cidade com cara própria e gentil, com jeito pessoal de cidade (um jeito tão chamativo e repousante ao mesmo tempo), eu lhe pergunto: que aniversário vamos comemorar, o da antiga Belo Horizonte, doçura dos olhos, com suas figueiras amáveis, ou da árida pista de trânsito, igual a milhares de outras neste vasto Nordeste que é o Brasil de Norte a Sul? Nenhum.

28 A cidade se tornava gradativamente menos verde, continuavam as derrubadas das árvores das ruas para a ampliação das vias. Os jardins de várias igrejas foram vendidos para a abertura de estabelecimentos comerciais, as atividades mineradoras depauperaram a Serra do Curral, alterando a moldura e a referência do belo horizonte que se podia vislumbrar emoldurando a Afonso Pena. A essa cidade, o poeta se recusaria a retornar, pois, despida de seus túneis verdes e de seus canteiros, transformara-se em um "triste horizonte" (ANDRADE, 1977). Nas décadas seguintes, a Afonso Pena manteria seu papel de corredor político abrigando as manifestações mais importantes da cidade, mas já não gozava da reputação de corredor verde. As mudanças ocorridas em sua arborização, nessas décadas alteraram consideravelmente a qualidade de vida do belorizontino e com ela sua identidade. Como uma cidade jardim não poderia permanecer sem os devidos cuidados, pouco a pouco outros projetos urbanísticos foram desenhando um largo canteiro central na Afonso Pena, repleto de quaresmeiras, sibipirunas, paus-ferro, dentre outras. Olhar a Avenida do alto voltou a ser um prazer ao observador.

29 Década de 70 O milagre econômico acelera o crescimento da cidade que perde suas feições provincianas o colonial convivendo com o moderno numa profusão de cores e estilos. Esse crescimento, sem um planejamento mais aprofundado de suas conseqüências, acaba por deixar a cidade num verdadeiro caos urbano. O número de obras se multiplica, o de veículos também e a administração pública precisa tomar uma providência para restaurar a ordem urbana e não perder o controle desse crescimento. Mudanças rápidas interferem na percepção que a população tem do espaço urbano, na sua vivência e no seu cotidiano. Como conseqüência observa-se uma visível alteração de valores, de identidade. Não se pode prever a direção dessas mudanças, mas sabe-se que a população responde prontamente a qualquer inovação no meio urbano, ainda que essas inovações tenham sido geradas pelo progresso e sejam em nome do desenvolvimento de toda uma sociedade. Posteriormente esse abalo é refletido na paisagem.

30 Em 1979 PLAMBEL elabora o Projeto PACE Projeto da Área Central de Belo Horizonte PACE visando melhorar o tráfego no centro da cidade e a circulação de pedestres. Praça Milton Campos depois da reforma do Projeto PACE

31 1981- Reforma da Praça Rio Branco implantado o novo sistema de transporte Devido às alterações no tráfego do centro da cidade, enorme fluxo de pedestres na região em função das mudanças no sistema viário a Praça Rio Branco, início da Afonso Pena, sofreu uma reforma geral, recebendo pavimento em toda a sua área e um monumento da artista plástica Mary Vieira, chamado Monumento à Liberdade inaugurado o Metrô de Superfície.

32 Lei Ambiental do Município 1984 Cresce a economia, grande aumento na área comercial. A Lei nº 4034/85 adota parâmetros importantes para as áreas livres de uso público de Belo Horizonte. Mas ainda aqui, não se pode precisar qual a parcela de área é destinada aos espaços verdes de uso público. A Lei Ambiental do Município Lei nº 4253/85 que define uma política de proteção e da conservação do meio ambiente e da melhoria da qualidade de vida no Município de Belo Horizonte. Através dessa Lei a SMMA passa a fiscalizar, planejar e administrar as posturas ambientais da cidade e a fornecer diretrizes técnicas para os outros órgãos da administração pública, em assuntos pertinentes ao meio ambiente e qualidade de vida. Esse é um marco importante no resgate da identidade da população com o verde, e no berço dessa nova aliança, surge uma nova ambiência. Os espaços verdes dos canteiros da Afonso Pena recebem proteção, manutenção adequada e agradecem florescendo em todas as épocas do ano.

33 Em 1994, a Prefeitura de Belo Horizonte implanta o Programa Verde Vivo O Programa visa melhorar estética e ambientalmente a cidade. Esse projeto realizou inúmeras intervenções na cidade com relação à arborização de ruas, praças, avenidas e áreas verdes. No ano seguinte já se podiam ver os frutos desse programa, considerado um sucesso. Melhorou a paisagem urbana, esse programa foi importante não só pelas intervenções feitas nas praças, áreas verdes e canteiros centrais, listando o número de árvores e as espécies plantadas como também por documentar essas intervenções. Essa documentação deu à administração pública um controle maior de informações a nível quantitativo e espacial e mostrouse importantíssima para a manutenção do programa.

34 Os espaços livres de uso público da Regional Centro-Sul de Belo Horizonte na conservação e preservação da Paisagem Cultural PRAÇA SETE jpg 40.jpg 18.jpg 25.jpg

35 Investigando a relação Homem/Paisagem através de entrevistas Depoimento de um transeunte ao ser entrevistado sobre sua vivência em relação à arborização da Avenida Afonso Pena, em 17 de julho de O paisagismo muda nesse trecho, mas continua mais bonito. Muitas árvores frondosas ao invés das palmeiras lá de baixo, e umas belas plantas roxas. Reparem que também não há nenhum fio ou outdoor atrapalhando a vista, e isso é lindo.

36 CONCLUSÃO Traçada à régua, Belo Horizonte é uma capital que projeta-se no futuro e traz consigo uma história bastante interessante. A documentação é importante para resgatar e manter a memória da percepção de seus espaços urbanos e a arborização cria uma relação estreita entre o homem e seu meio contando a história de uma época. Nas primeiras décadas do século passado, havia fícus plantados em ambos os lados da via e trilhos pelos quais passavam os bondes. A população, especialmente as pessoas de classes mais altas e famílias tradicionais, se encontrava na avenida durante o footing no final das tardes. A foto da década de 90, mostra que, apesar dos novos hábitos, dos novos tempos e de uma arborização completamente diferente daquela concebida para o Curral Del Rey, a Avenida Afonso Pena ostenta a mesma glória dos anos 50, mais moderna, mais colorida, causando, em quase toda a sua extensão, uma ambiência equilibrada, harmoniosa, no que tange à arborização e a população que interage com ela. Os homens constroem seus ambientes nas práticas cotidianas, políticas, no convívio social e nas decisões que toma ao intervir no meio ambiente. E, ao discutirem sobre arborização de suas ruas, ou sobre os jardins de suas cidades, expõem seus conceitos de sociedade, convivência e ambiência, deixando transparecer seus valores mais arraigados, expressos em ambiências variadas. Muitas vezes a administração pública toma, sozinha, decisões em relação ao meio ambiente urbano e ainda assim a população está construindo sua história através de suas manifestações, de participação ou omissão, e de suas vivências desses espaços.

37 REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS ABBUD, Benedito. Criando paisagens: guia de trabalho em Arquitetura Paisagística. São Paulo: Editora Senac São Paulo, ANDRADE, C. D. Alguma Poesia. Belo Horizonte: Pindorama, ANDRADE, C. D. Amigos do Verde. Minas Gerais, Belo Horizonte, 07 maio 1930, p. 8. BARRETO, ABÍLIO. BELLO HORIZONTE: MEMÓRIA HISTÓRICA E DESCRITIVA: HISTÓRIA ANTIGA. BELO HORIZONTE, BARRETO, ABÍLIO. BELLO HORIZONTE: MEMÓRIA HISTÓRICA E DESCRITIVA: HISTÓRIA MÉDIA. 2ª EDIÇÃO. BELO HORIZONTE, BARRETO, ABÍLIO. RESUMO LITERÁRIO DE BELO HORIZONTE. BELO HORIZONTE, IMPRENSA OFICIAL, CASTRO, E. V. Prefácio. In: Arnt, R. Um artifício orgânico. Rio de Janeiro: Rocco, 1992, p BELO HORIZONTE. Lei n.º 7.165, de 27 de agosto de DOM: Diário Oficial do Município, Belo Horizonte, v.2, n.º 224, ago Institui o Plano Diretor do Município de Belo Horizonte. (Título II Do Desenvolvimento Urbano, com as alterações introduzidas pela Lei de 21 de dezembro de 2000 publicada no DOM, v.6, nº 1279). BELO HORIZONTE. Lei n.º 7.166, de 27 de agosto de DOM: Diário Oficial do Município, Belo Horizonte, v.2, n.º 224, ago (Cap. II, III e IV, com as alterações introduzidas pela Lei de 21 de dezembro de 2000 publicada no DOM, v.6, n.º 1279). BELO HORIZONTE. Lei n.º 8.616, de 14 de julho de 2003 e decretos n , de 09 de janeiro de 2007 e , de 30 de abril de Código de posturas do Município. BUSTOS, Marta Adriana Romero. A arquitetura bioclimática do espaço público. Brasília: Editora Universidade de Brasília, CARVALHO, J. M. A formação das almas. São Paulo: Companhia das Letras, CARVALHO, V. Bate papo com o Pirolito. Anuário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p , CASTRIOTA,Leonardo Barci;PASSOS, Luis Mauro do Carmo. O Estilo Moderno : arquitetura em Belo Horizonte nos anos 30 e 40. In: CASTRIOTA, Leonardo Barci (Org.). Arquitetura da modernidade. Belo Horizonte: Ed. UFMG; IAB/MG,1998.

38 ENCONTRO NACIONAL SOBRE ARBORIZAÇÃO URBANA. CEMIG. Editado por Antônio J.de Araújo. Belo Horizonte:1997. FERREIRA, M.G; AMORIM FILHO, Oswaldo Bueno. O sítio e a formação da paisagem urbana f. Dissertação (Mestrado) BH: IGC/UFMG, FONSECA, Lygia Prota. Áreas verdes públicas de Belo Horizonte Monografia apresentada ao Curso de Especialização em Urbanismo da Escola de Arquitetura da UFMG - Belo Horizonte: Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais, FREYRE, G. Nordeste. 6. ed. Rio de Janeiro: Record, MACEDO, Sílvio Soares. Parques Urbanos no Brasil. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, MACEDO, Sílvio Soares. Quadro do paisagismo no Brasil. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, MACIEL, Marieta Cardoso; GUEDES SOBRINHO, Joaquim M. O Projeto em arquitetura paisagística: praças e parques públicos de Belo Horizonte f. Dissertação (Mestrado). FAUUSP, São Paulo, MASCARÓ, J. L. Vegetação Urbana. Porto Alegre: Editora Masquatro, PREFEITURA de Belo Horizonte. Cenas de um Belo Horizonte. Belo Horizonte: Prefeitura de BH, SEGAWA, Hugo. Ao amor do público: Jardins no Brasil. São Paulo: Studio Nobel: FAPESP, 1996-Cidade Aberta. SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, Academia 21. SEGAWA, Hugo. Prelúdio da Metrópole: Arquitetura e Urbanismo em São Paulo na passagem do século XIX ao XX. São Paulo: Editora Ateliê Editorial, SILVEIRA, Álvaro. A arborização de Belo Horizonte. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, VASCONCELOS, S. Belo Horizonte no seu tempo de calça curta. Revista Minas Gerais, Belo Horizonte, n. 34, p , Jornais consultados A CIDADE. Folha de Minas, Belo Horizonte, 21 set Caderno Principal, p. 3. CARONE promove administração revolucionária (matéria paga). ESTADO DE MINAS. Belo Horizonte Diário. (EM) MINAS GERAIS. Belo Horizonte (MG) O Diário, Belo Horizonte, 12 dez. 1963, p. 7. Outras fontes ACERVOS Fotográficos do Museu Histórico Abílio Barreto. RELATÓRIOS anuais apresentados pelos prefeitos, Relatório. Belo Horizonte: Imprensa Oficial do Estado de Minas Gerais, REVISTA DO ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO, 1985, p.35,36,82. Acesso em jul

ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL

ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL O patrimônio cultural de uma comunidade é o conjunto de referências que compõem o seu dia-a-dia e fazem com que ela tenha uma memória e uma história

Leia mais

Arborização no contexto do planejamento urbano

Arborização no contexto do planejamento urbano Arborização no contexto do planejamento urbano Eng. Florestal Edinilson dos Santos Prefeitura de Belo Horizonte Dr. Edinilson dos Santos Araçuaí - MG, 20 de maio de 2015 Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável

DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável O que é DOTS? Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável: modelo de planejamento e desenho urbano Critérios de desenho para bairros compactos,

Leia mais

Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho. Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital

Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho. Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital Assessor Executivo Luis Roberto Wanderley de Siqueira Diretor Presidente da Empresa de Manutenção

Leia mais

INICIATIVAS INSPIRADORAS ESPAÇOS PÚBLICOS REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA SAVASSI BELO HORIZONTE MG

INICIATIVAS INSPIRADORAS ESPAÇOS PÚBLICOS REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA SAVASSI BELO HORIZONTE MG ESPAÇOS PÚBLICOS INICIATIVAS INSPIRADORAS REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA SAVASSI BELO HORIZONTE MG ÍNDICE INTRODUÇÃO PERFIL DA CIDADE OS PASSOS PARA A REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA DA SAVASSI DIRETRIZES DO PROJETO

Leia mais

A imprensa de Belo Horizonte sob o olhar de Maria Ceres Pimenta Spínola. SILVA, Sandra Mara. JARDIM, Simonia Dias (UNIPAC MG).

A imprensa de Belo Horizonte sob o olhar de Maria Ceres Pimenta Spínola. SILVA, Sandra Mara. JARDIM, Simonia Dias (UNIPAC MG). A imprensa de Belo Horizonte sob o olhar de Maria Ceres Pimenta Spínola Castro SILVA, Sandra Mara. JARDIM, Simonia Dias (UNIPAC MG). Resumo O Presente artigo trata da autora Maria Ceres Pimenta Spínola

Leia mais

PAISAGISMO PARQUES E JARDINS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

PAISAGISMO PARQUES E JARDINS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto PAISAGISMO PARQUES E JARDINS Prof. Eliseu Figueiredo Neto 1 CONCEITOS PAISAGEM Refere-se ao espaço de terreno abrangido em um lance de vista, ou extensão territorial a partir de um ponto determinado. 2

Leia mais

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA AS ÁGUAS DE SUPERFÍCIE Os rios são cursos naturais de água doce. Eles podem se originar a partir do derretimento de neve e de geleiras, de um lago ou das águas das

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP 361 MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP Andressa Mastroldi Ferrarezi, Arlete Maria Francisco Curso de Arquitetura e Urbanismo; Departamento de Planejamento,

Leia mais

E.M.E.F. ANTONIO DUARTE DE ALMEIDA O PARQUE DO CARMO

E.M.E.F. ANTONIO DUARTE DE ALMEIDA O PARQUE DO CARMO E.M.E.F. ANTONIO DUARTE DE ALMEIDA O PARQUE DO CARMO Trabalho Apresentado para a conclusão do ciclo autoral. Igor José Santos Matias Adriano Santos Daniel Santos William 9 ANO C Este trabalho é dedicado

Leia mais

Grupo WTB Experiência e solidez

Grupo WTB Experiência e solidez Grupo WTB Experiência e solidez Fundado em 1999, o Grupo WTB teve um crescimento sustentado e prosperou ao longo dos anos. Hoje, sua marca está presente em vários empreendimentos de sucesso, contando com

Leia mais

3.1. Prolongamento da Avenida Jornalista Roberto Marinho via túnel

3.1. Prolongamento da Avenida Jornalista Roberto Marinho via túnel 3. CARACTERIZAÇÃO DOS EMPREENDIMENTOS Este capítulo apresenta as principais características das obras propostas para o prolongamento da Avenida Roberto Marinho via túnel e o Parque Linear com vias locais,

Leia mais

Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa

Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 14 HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 15 FOTOS: Miguel Serradas Duarte FOTOS: Miguel Serradas Duarte Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa HORTO

Leia mais

Manual de Loteamentos e Urbanização

Manual de Loteamentos e Urbanização Manual de Loteamentos e Urbanização Juan Luis Mascaró ARQ 1206 - Urbanização de Encostas - Análise Prof Sônia Afonso segundo trimestre 2003 Adriana Fabre Dias 1. Retículas Urbanas e Custos 1.1. Aspectos

Leia mais

A ARTE DIZ O INDIZÍVEL; EXPRIME O INEXPRIMÍVEL, TRADUZ O INTRADUZÍVEL. LEONARDO DA VINCI

A ARTE DIZ O INDIZÍVEL; EXPRIME O INEXPRIMÍVEL, TRADUZ O INTRADUZÍVEL. LEONARDO DA VINCI A ARTE DIZ O INDIZÍVEL; EXPRIME O INEXPRIMÍVEL, TRADUZ O INTRADUZÍVEL. LEONARDO DA VINCI A INSPIRAÇÃO As linhas, os contornos, os tons, a vista. O encanto de uma das regiões mais bonitas de Fortaleza,

Leia mais

4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS

4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS 4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS 4.1. Revitalização do Rio Cheonggyecheon Seul Coréia do Sul Ficha Técnica Localização: Seul, Coréia do Sul Autor do Projeto: KeeYeonHwang Área de Intervenção: 400 hectares, 8

Leia mais

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver!

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver! APRESENTAÇÃO Planejar uma cidade também significa cuidar da circulação das pessoas, garantido segurança e igualdade. Muitas pessoas caminham somente a pé, ultrapassando 30% de todos os deslocamentos de

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE CORUMBÁ/MS RESUMO

DIAGNÓSTICO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE CORUMBÁ/MS RESUMO DIAGNÓSTICO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE CORUMBÁ/MS Elinalva Silva de Lira 1 ; Joelson Gonçalves Pereira 2 ; Ana Paula Vieira da Silva 1 1 Bolsistas do Programa de Extensão Oficinas comunitárias

Leia mais

Levantamento Histórico

Levantamento Histórico Praça Roosevelt Levantamento Histórico Até o final do século XIX, o local onde se encontra a Praça Roosevelt era a chácara de Dona Veridiana Prado. Este local teve diversos usos durante este período, desde

Leia mais

P O R T O M A R A V I L H A

P O R T O M A R A V I L H A P O R T O M A R A V I L H A P O R T O M A R A V I L H A Porto do Rio Zona Portuária Hoje Da fundação aos dias de hoje Oficialmente, o Porto do Rio de Janeiro foi inaugurado em 1910, o que impulsionou o

Leia mais

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas LEI Nº 15.525, DE 9 DE JANEIRO DE 2012 (Projeto de Lei nº 470/11, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Institui o Projeto Estratégico

Leia mais

Metodologia. Etapas do Projeto de Paisagismo

Metodologia. Etapas do Projeto de Paisagismo Metodologia Etapas do Projeto de Paisagismo Etapa de Levantamentos, Análise e Diagnóstico Aspectos históricos Morfologia do sítio Relações urbanas Aspectos climáticos Caracterização demográfica Elementos

Leia mais

Colégio Visconde de Porto Seguro

Colégio Visconde de Porto Seguro Colégio Visconde de Porto Seguro Unidade I 2011 AULA 1 Ensino Fundamental e Ensino Médio Atividade de Recuperação Contínua Nome do (a) Aluno (a): Atividade de Recuperação Contínua de Ciências Nível I Classe:

Leia mais

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU)

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) As dinâmicas aqui apresentadas podem e devem ser adaptadas de acordo com os objetivos

Leia mais

Alexandre Brasil André Prado. Carlos A. Maciel Danilo Matoso. Revitalização do Centro de Goiânia Goiânia, GO projeto: 2000 concurso 1o lugar

Alexandre Brasil André Prado. Carlos A. Maciel Danilo Matoso. Revitalização do Centro de Goiânia Goiânia, GO projeto: 2000 concurso 1o lugar Alexandre Brasil André Prado Carlos A. Maciel Danilo Matoso projeto: 2000 concurso 1o lugar O conjunto objeto desta proposta se constitui de três partes de caráter notadamente diferenciadas: a primeira,

Leia mais

Todo mundo vai passar aqui. EMARKI CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

Todo mundo vai passar aqui. EMARKI CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. Todo mundo vai passar aqui. 3 Todo mundo vai te ver aqui. Mais de 150 lojas. A maior vitrine de Brasília. 4 5 No coração de Águas Claras O Vitrinni Shopping está localizado na única quadra inteira ainda

Leia mais

João Pessoa Tão grandiosa, tão rica, tão diversa, que é até difícil descrever uma capital de tantos sinônimos. Uma cidade que transmite sossego ao atravessar longos caminhos de verdes abundantes, inspira

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

INOVAÇÕES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Oportunidades para o desenvolvimento urbano sustentável GESTÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA

INOVAÇÕES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Oportunidades para o desenvolvimento urbano sustentável GESTÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA INOVAÇÕES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Oportunidades para o desenvolvimento urbano sustentável GESTÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Premissas para lidar com a iluminação urbana 1. Aspirações da

Leia mais

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos Medidas para a Humanização do Tráfego A Cidade que Queremos Objetivo Publicação com o objetivo de divulgar, junto aos municípios, soluções técnicas para a humanização do trânsito. Estrutura Introdução

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

Prefeitura Municipal de Registro

Prefeitura Municipal de Registro Prefeitura Municipal de Registro Departamento Municipal de Administração Rua José Antônio de Campos, nº 250 Centro CEP: 11.900-000 Registro SP Fone: (13) 3828-1000 Fax: (13) 3821-2565 e-mail prefeitura@registro.sp.gov.br

Leia mais

BAIRRO PLANEJADO BASE I N V E S T I M E N T O S

BAIRRO PLANEJADO BASE I N V E S T I M E N T O S BAIRRO PLANEJADO BASE I N V E S T I M E N T O S Sua vida em transformação Do sonho à realidade. Do projeto à execução. Da necessidade dos clientes à superação das expectativas. Com essas idéias em mente,

Leia mais

(GIANSANTI, Roberto. O desafio do desenvolvimento sustentável. São Paulo: Atual, 1998. p. 13.)

(GIANSANTI, Roberto. O desafio do desenvolvimento sustentável. São Paulo: Atual, 1998. p. 13.) PROCESSO SELETIVO/2006 1 O DIA GAB. 1 25 GEOGRAFIA QUESTÕES DE 41 A 50 41. Leia o trecho abaixo: Considera-se, em economia, o desenvolvimento sustentável como a capacidade de as sociedades sustentarem-se

Leia mais

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes:

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes: Instituto Defenda Sorocaba aponta contradição no Plano Diretor 2014: meta de projeção de uma cidade sustentável e a ampliação do parcelamento de lotes são incompatíveis O Instituto Defenda Sorocaba (entidade

Leia mais

BELO HORIZONTE Uma história contada pelos nomes de seus edifícios e por sua arquitetura

BELO HORIZONTE Uma história contada pelos nomes de seus edifícios e por sua arquitetura BELO HORIZONTE Uma história contada pelos nomes de seus edifícios e por sua arquitetura Realização p r o j e t o s O Projeto O projeto pretende editar um livro e realizar uma exposição multimídia sobre

Leia mais

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo O Mercado Municipal de São Paulo é uma construção histórica localizada na região central da capital. Obra projetada pelo arquiteto Franscisco de Paula Ramos de

Leia mais

Plano de gestão dos espaços verdes

Plano de gestão dos espaços verdes Construção do lago (parque verde) Plano de gestão dos espaços verdes Numa época em que a nossa sociedade atravessa crises a vários níveis, os espaços verdes não são uma excepção e também a sua gestão implica

Leia mais

Concurso Planear Estarreja (orientações para a implementação)

Concurso Planear Estarreja (orientações para a implementação) (orientações para a implementação) Escolas Programa de Regeneração Urbana da Cidade de Estarreja Fases do Fase 1. Diagnóstico Fase 2. Estratégia e Plano de Ação 2 Exercícios para preparação de diagnóstico

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 051/2012

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 051/2012 PROJETO DE LEI Nº 051/2012 Torna obrigatória a adoção de pavimentação ecológica nas áreas que menciona e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Artigo 1º

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 2.º ANO/EF - 2015

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 2.º ANO/EF - 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC Minas E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 2.º ANO/EF - 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. 10 a 15 de junho de 2011 UFG Goiânia, Goiás.

63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. 10 a 15 de junho de 2011 UFG Goiânia, Goiás. 63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência 10 a 15 de junho de 2011 UFG Goiânia, Goiás. Comunicação, Ciência e Conservação do Cerrado: Mídia e Jornalismo na conscientização e

Leia mais

Prezados Senhores, Itacir e Marlene Feltrin e filhos. Farroupilha - RS

Prezados Senhores, Itacir e Marlene Feltrin e filhos. Farroupilha - RS Prezados Senhores, Itacir e Marlene Feltrin e filhos. Farroupilha - RS Registramos com carinho a aproximação com a família Feltrin, iniciada em 1982. Foram mais de três décadas de respeito recíproco e

Leia mais

DECRETO Nº 17.108, DE 8 DE AGOSTO DE 2014.

DECRETO Nº 17.108, DE 8 DE AGOSTO DE 2014. DECRETO Nº 17.108, DE 8 DE AGOSTO DE 2014. Estabelece normas e procedimentos para cooperação entre o e a sociedade, no que concerne à adoção de áreas verdes públicas, institui o Programa Floresça Caxias,

Leia mais

GALERIA METRÓPOLE E CENTRO METROPOLITANO DE COMPRAS

GALERIA METRÓPOLE E CENTRO METROPOLITANO DE COMPRAS 1960 01 GALERIA METRÓPOLE E CENTRO METROPOLITANO DE COMPRAS HISTÓRIA 02 O edifício Metrópole e Centro Metropolitano de Compras, projetado pelos arquitetos Salvador Candia e Gian Carlo Gasperini, é um importante

Leia mais

A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL

A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL 1 A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL Colégio Londrinense Alunos(as): Natalia Bergamini da Silva Lucas Tsuchya Hubacek Nasser Nasser Orientadora

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

OPÇÕES DO PLANO 2015:2018 datas 2015 2016 2017 2018. conclusão. Respons. início 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196.

OPÇÕES DO PLANO 2015:2018 datas 2015 2016 2017 2018. conclusão. Respons. início 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196. 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196.916,00 1 ENSINO PRÉ-ESCOLAR E DO 1º CICLO 116.500,00 93.625,00 100.574,00 103.487,00 1 Apoios e subsídios CM 13 18 5 05-06-02-03-99 1.000,00 1.030,00 2.122,00

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL JOAQUIM GONÇALVES LEDO

ESCOLA ESTADUAL JOAQUIM GONÇALVES LEDO 1 ESCOLA ESTADUAL JOAQUIM GONÇALVES LEDO PROJETO INTERDISCIPLINAR HORTA EM GARRAFA PET: UMA ALTERNATIVA PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE IVINHEMA/MS - DISTRITO DE AMANDINA 2013 2 ESCOLA ESTADUAL

Leia mais

Ronan entrega a Praça Silva Júnior

Ronan entrega a Praça Silva Júnior NIQUELÂNDIA Ronan entrega a Praça Silva Júnior Euclides Oliveira Foi uma grande festa, bem à altura do importante acontecimento: na noite da sexta-feira (18), o prefeito Ronan Batista (PTB) entregou à

Leia mais

Mude seu ponto de vista sobre como morar

Mude seu ponto de vista sobre como morar Mude seu ponto de vista sobre como morar De tempos em tempos a humanidade descobre uma nova perspectiva de vida. A mente cria desejos. Desejos que abrem espaços. Espaços que se transformam em novos enfoques.

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 2CTDAMT06.P METODOLOGIAS DE INVENTÁRIO PARA RESTAURO DE EDIFICAÇÕES DE VALOR PATRIMONIAL Carolina Marques Chaves (2) ; Maria Berthilde Moura Filha (3) Centro de Tecnologia/Departamento de Arquitetura e

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca SOLENIDADE DE LANÇAMENTO DO SISTEMA

Leia mais

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009.

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O Condomínio Ilhas do Sul abrange uma área total de 30.178m² e tem 118.000m² de área construída. O acesso se faz

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

PLANOS DIRETORES REGIONAIS

PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANOS DIRETORES REGIONAIS ORIGEM DOS PLANOS DIRETORES REGIONAIS CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTABELECE O PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO E A GESTÃO DEMOCRÁTICA II CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE POLÍTICA URBANA PLANO DIRETOR

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Definição de Paisagem Natural / Cultural 1. Consideramos Paisagem todo o espaço que se abrange num lance de vista, e que é delimitado pela linha

Leia mais

IMPORTÂNCIA E IMPACTO DO PROGRAMA PASSEIO LIVRE PARA A CIDADE DE SÃO PAULO. JOSÉ RENATO SOIBELMANN MELHEM Arquiteto e Urbanista

IMPORTÂNCIA E IMPACTO DO PROGRAMA PASSEIO LIVRE PARA A CIDADE DE SÃO PAULO. JOSÉ RENATO SOIBELMANN MELHEM Arquiteto e Urbanista IMPORTÂNCIA E IMPACTO DO PROGRAMA PASSEIO LIVRE PARA A CIDADE DE SÃO PAULO JOSÉ RENATO SOIBELMANN MELHEM Arquiteto e Urbanista Mobilidade social Envolve a integração de todos sistemas de circulação: 1.

Leia mais

Obras de Mobilidade Urbana em Belo Horizonte COPA 2014

Obras de Mobilidade Urbana em Belo Horizonte COPA 2014 INFRAESTRUTURA PARA A COPA 2014 Obras de Mobilidade Urbana em Belo Horizonte COPA 2014 Novembro/12 Agosto/2011 Empreendimentos de Mobilidade Urbana BRT Antônio Carlos/Pedro I Meta 1: Interseção com Av.

Leia mais

Palavras-chave: Semiárido. Arborização Urbana. Sertânia

Palavras-chave: Semiárido. Arborização Urbana. Sertânia Considerações Sobre a Gestão de Áreas Verdes Com Foco na Arborização de Sertânia - PE Edmaylson Jóia Leandro 1 Maria Betânia Moreira Amador 2 RESUMO Face a necessidade de implantação de espécies vegetais

Leia mais

Relatório de atividades Socioambientais

Relatório de atividades Socioambientais Relatório de atividades Socioambientais Ação 1: Apresentação da programação da Feira do Empreendedor 2014 às instituições da comunidade do entorno do SESI. Realização: Amazônia Socioambiental Equipe Técnica

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA PALMEIRA CNPJ n 0 08.739.930/0001-73 Gabinete do Prefeito Lei n. 0187/2013, de 03 de Outubro de 2013.

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA PALMEIRA CNPJ n 0 08.739.930/0001-73 Gabinete do Prefeito Lei n. 0187/2013, de 03 de Outubro de 2013. Lei n. 0187/2013, de 03 de Outubro de 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO BRASÃO, DA BANDEIRA E DO HINO OFICIAL DO MUNICÍPIO DE NOVA PALMEIRA ESTADO DA PARAÍBA E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

José Elias, 141. Conceito:

José Elias, 141. Conceito: Conceito: menu No meio do jardim tem um escritório. Na beira da janela, uma floreira. Na alma,inspiração. Nasce no ponto mais valorizado do Alto da Lapa o único projeto comercial que leva o verde para

Leia mais

P&E Estilos do Brasil. Por: Tatiana Izquierdo ÁREAS. Externas. 34 CASA Projeto&Estilo

P&E Estilos do Brasil. Por: Tatiana Izquierdo ÁREAS. Externas. 34 CASA Projeto&Estilo P&E Estilos do Brasil Por: Tatiana Izquierdo ÁREAS Externas 34 CASA Projeto&Estilo pe_17.indb 34 09/12/11 15:55 Local apropriado para quem pretende unir bem-estar e natureza, as áreas externas estão se

Leia mais

Reconhecer as diferenças

Reconhecer as diferenças A U A UL LA Reconhecer as diferenças Nesta aula, vamos aprender que os solos são o resultado mais imediato da integração dos processos físicos e biológicos na superfície da Terra. A formação e o desenvolvimento

Leia mais

GERAL. Porto Olímpico

GERAL. Porto Olímpico Porto Olímpico projeto O Porto Maravilha e o Porto Olímpico N Porto Olímpico aprox. 145.000m2 de área Porto Maravilha aprox. 5.000.000m2 de área aprox. 100.000m2 aprox. 45.000m2 Porquê o Porto? Porquê

Leia mais

Ecovias dos Imigrantes Concessionária Ecovias dos Imigrantes Ecovias

Ecovias dos Imigrantes Concessionária Ecovias dos Imigrantes Ecovias Em operação desde 1998, a Ecovias dos Imigrantes é a Concessionária que opera o Sistema Anchieta-Imigrantes, ligação entre a região metropolitana de São Paulo e o Porto de Santos, o Pólo Petroquímico de

Leia mais

EMPRESAS, GOVERNO E SOCIEDADE CIVIL TRABALHANDO JUNTOS PARA O BEM COMUM

EMPRESAS, GOVERNO E SOCIEDADE CIVIL TRABALHANDO JUNTOS PARA O BEM COMUM EMPRESAS, GOVERNO E SOCIEDADE CIVIL TRABALHANDO JUNTOS PARA O BEM COMUM XXV CONGRESSO MUNDIAL UNIAPAC 10º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE SUSTENTABILIDADE 30 DE SETEMBRO 1º E 2 DE OUTUBRO BEM COMUM Conjunto

Leia mais

Preservar é Bonito. Preservar é Bonito

Preservar é Bonito. Preservar é Bonito Deus disse: Vou ajeitar a você um dom Vou pertencer você para uma árvore. E pertenceu-me... Patrimônio As Grutas do Lago Azul e de Nossa Senhora Aparecida, em Bonito-MS, por sua beleza e características

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste Urban View Urban Reports Fielzão e seu impacto na zona Leste Programa Falando em dinheiro, coluna Minha cidade, meu jeito de morar e investir Rádio Estadão ESPN Itaquera acordou com caminhões e tratores

Leia mais

HABILIDADES. Compreender que cada pessoa é única e especial. Valorizar a identidade de cada um. Descobrir e conhecer a sua história de vida.

HABILIDADES. Compreender que cada pessoa é única e especial. Valorizar a identidade de cada um. Descobrir e conhecer a sua história de vida. Disciplina: História Trimestre: 1º PLANEJAMENTO ANUAL - 2012 Série: 2º ano Turma: 21, 22, 23 e 24 CONTEÚDOS HABILIDADES AVALIAÇÕES Unidade 1 Cada um tem um jeito de ser. Descobrindo a minha história. Eu

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

Monumento à Cidade Universitária

Monumento à Cidade Universitária Monumento à Cidade Universitária Gestalt Há algo que transcende a um exclusivo gosto pessoal ou a um gosto na dependência de um momento histórico. Só em função de alguma constante pode-se explicar que

Leia mais

OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA

OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA NOME OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA ESTABELEÇO RELAÇÕES DE PARENTESCO : avós, pais, irmãos, tios, sobrinhos Quem pertence à nossa família? Observa as seguintes imagens. Como podes observar, nas imagens estão

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 49 Discurso no encontro com grupo

Leia mais

Nesta oportunidade, confirmo que estes projetos estão fundamentados em Estudos, Estatísticas e Opiniões de Cidadãos domiciliados no bairro.

Nesta oportunidade, confirmo que estes projetos estão fundamentados em Estudos, Estatísticas e Opiniões de Cidadãos domiciliados no bairro. Barueri, 21 de Setembro de 2009. Ilustríssimo Senhor Rubens Furlan PREFEITO DE BARUERI Ref: Projetos do 1 Conselho Gestor de Segurança da Aldeia de Barueri Venho à presença de Vossa Excelência apresentar

Leia mais

Eixo Temático ET-02-001 - Gestão de Áreas Protegidas A FOTOGRAFIA NA GESTÃO DOS IMÓVEIS DE PROTEÇÃO DE ÁREA VERDE DO RECIFE-PE

Eixo Temático ET-02-001 - Gestão de Áreas Protegidas A FOTOGRAFIA NA GESTÃO DOS IMÓVEIS DE PROTEÇÃO DE ÁREA VERDE DO RECIFE-PE 141 Eixo Temático ET-02-001 - Gestão de Áreas Protegidas A FOTOGRAFIA NA GESTÃO DOS IMÓVEIS DE PROTEÇÃO DE ÁREA VERDE DO RECIFE-PE Yasodhara Silva Lacerda; Mônica de Moraes Barbosa; Adriana Carla Pontes

Leia mais

Prefeitura faz obras na região do Riacho PREFEITURA ESPECIAL REGIÃO RIACHO

Prefeitura faz obras na região do Riacho PREFEITURA ESPECIAL REGIÃO RIACHO PREFEITURA FAZ INFORMATIVO DA PREFEITURA DE CONTAGEM Nº 1 - Janeiro de 2008 ESPECIAL REGIÃO RIACHO Prefeitura faz obras na região do Riacho A Prefeitura de Contagem prioriza investimentos na região do

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM A PARTIR DA IMPLANTAÇÃO DO LAGO DE FURNAS NO MUNICÍPIO DE FAMA-MG

AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM A PARTIR DA IMPLANTAÇÃO DO LAGO DE FURNAS NO MUNICÍPIO DE FAMA-MG AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM A PARTIR DA IMPLANTAÇÃO DO LAGO DE FURNAS NO MUNICÍPIO DE FAMA-MG Tamiris Batista Diniz tamirisbdiniz@hotmail.com Discente Geografia UNIFAL-MG 349 Ana Rute do Vale ana.vale@unifal-mg.edu.br

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

CONTEÚDO - TEMAS ABORDADOS NO MANUAL

CONTEÚDO - TEMAS ABORDADOS NO MANUAL O manual inclui um detalhado plano de ação, estruturado para garantir a melhor eficácia das atividades pedagógicas de extensão (ver página 5) realizadas no Núcleo Histórico de Sabará e no Parque Ecopedagógico

Leia mais

ESTRADA REAL. Melhor época

ESTRADA REAL. Melhor época ESTRADA REAL Bem-vindo(a) ao Brasil do século XVIII. Era ao longo destes caminhos que as coisas aconteciam durante os 100 anos em que este foi o eixo produtivo mais rico do jovem país que se moldava e

Leia mais

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade)

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) IDEIA FORÇA Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) DETALHAMENTO: Mobilidade humana (trabalhador precisa respeito); Melhorar a qualidade e quantidade de transporte coletivo (Lei da oferta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. 1 de 5 Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas Natalino Salgado Filho A Universidade Federal do Maranhão teve o privilégio de abrigar nesta semana o I Seminário Patrimônio Cultural & Cidades

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

SENAC - RS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

SENAC - RS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAC - RS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PROJETO DE PESQUISA Plantar é preservar! Plante hoje, respire amanhã. Alegrete, de Janeiro de 2011 Plantar é preservar a vida. Plante hoje, respire amanhã. Professor

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL INTEGRADO PDMI Instrumentos de Gestão Ambiental Anexo 12 - Arborização Urbana e Passeio Público (GAPP) A arborização deve ser sempre realizada respeitando os preceitos

Leia mais

PRO INFANTIL PROGRAMA DE FORMAÇÃO INICIAL PARA PROFESSORES EM EXERCÍCIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRO INFANTIL PROGRAMA DE FORMAÇÃO INICIAL PARA PROFESSORES EM EXERCÍCIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRO INFANTIL PROGRAMA DE FORMAÇÃO INICIAL PARA PROFESSORES EM EXERCÍCIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO PARA CONSERVAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL CASOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL NA BAHIA

Leia mais

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956).

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956). 1. INTRODUÇÃO 1.1. MINHA RELAÇÃO COM A FOTOGRAFIA Meu pai tinha uma câmara fotográfica. Ele não era fotógrafo profissional, apenas gostava de fotografar a família e os amigos (vide Foto 1). Nunca estudou

Leia mais

MOBILIDADE URBANA: INTERVENÇÃO E REESTRUTURAÇÃO DE CICLOVIAS NA AVENIDA MANDACARU

MOBILIDADE URBANA: INTERVENÇÃO E REESTRUTURAÇÃO DE CICLOVIAS NA AVENIDA MANDACARU MOBILIDADE URBANA: INTERVENÇÃO E REESTRUTURAÇÃO DE CICLOVIAS NA AVENIDA MANDACARU Adriele Borges da Silva¹; Tatiana Romani Moura²; RESUMO: O presente trabalho tem por finalidade apresentar um estudo e

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA ATENÇÃO: Este trabalho deverá ser realizado em casa, trazendo as dúvidas para serem sanadas durante as aulas de plantão. Aluno (a): 5º ano Turma: Professora:

Leia mais

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP)

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Mariana Ferreira Cisotto maricisotto@yahoo.com.br IG/UNICAMP Antonio Carlos Vitte IG/UNICAMP Palavras-chave:

Leia mais

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências.

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. LEI COMPLENTAR Nº 136, DE 15 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito Municipal de Nova Mutum, Estado

Leia mais

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária.

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Histórico e Justificativa No ano de 2012, ao participar de uma quadrilha temática, em homenagem ao

Leia mais

ALMARES A história como exemplo, o mar como inspiração

ALMARES A história como exemplo, o mar como inspiração Edif cio ALMARES A história como exemplo, o mar como inspiração Edif cio ALMARES O RESPEITO E A PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, DE POSSUIR O MAIOR PORTO DA AMÉRICA LATINA E, CLARO, O MAR, FAZEM COM QUE SANTOS

Leia mais