Governança urbana, Estratégia 2020 e Crescimento Inteligente: Da retórica das cidades criativas à facilitação das dinâmicas criativas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Governança urbana, Estratégia 2020 e Crescimento Inteligente: Da retórica das cidades criativas à facilitação das dinâmicas criativas"

Transcrição

1 Governança urbana, Estratégia 2020 e Crescimento Inteligente: Da retórica das cidades criativas à facilitação das dinâmicas criativas Pedro Costa Instituto Universitário de Lisboa ISCTE-IUL (Dep. Economia Política) DINÂMIA CET Centro de Estudos sobre a Mudança Socioeconómica e o Território) Fórum 2012: Governança e Gestão das Cidades à luz da Estratégia UE de Março, Castelo Santiago da Barra, Viana do Castelo

2 Estrutura 1. A estratégia 2020 e os objectivos para o crescimento inteligente 2. Os desafios ao desenvolvimento urbano e a retórica da criatividade 3. Da retórica do criativo à facilitação da criatividade urbana: alguns exemplos 4. Alguns princípios-chave para a intervenção pública

3 1) A estratégia 2020 e os objectivos para o crescimento inteligente 3 Prioridades 5 objectivos para 2020 Crescimento inteligente Crescimento sustentável Crescimento inclusivo 1. Emprego - aumentar para 75% a taxa de emprego na faixa etária dos anos 2. I&D - aumentar para 3% do PIB o investimento da UE na I&D 3. Alterações climáticas e energia - reduzir as emissões de gases com efeito de estufa em 20% (ou em 30%, se possível) relativamente aos níveis registados em obter 20% da energia a partir de fontes renováveis - aumentar em 20% a eficiência energética 4. Educação - reduzir as taxas de abandono escolar para níveis abaixo dos 10% - aumentar para, pelo menos, 40% a percentagem da população na faixa etária dos anos que possui um diploma do ensino superior 5. Pobreza e exclusão social - reduzir, pelo menos, em 20 milhões o número de pessoas em risco ou em situação de pobreza ou de exclusão social

4 A estratégia 2020 e os objectivos para o crescimento inteligente As iniciativas emblemáticas Crescimento inteligente Crescimento sustentável Crescimento inclusivo - Agenda Digital para a Europa - União da Inovação - Juventude em movimento - Uma Europa eficiente em termos de recursos - Uma política industrial para a era da globalização - Agenda para Novas Competências e Empregos - Plataforma europeia contra a pobreza - Transversalidade - Desafios à governação e governança territorial - Pressuposto do crescimento

5 A estratégia 2020 e os objectivos para o crescimento inteligente Crescimento inteligente: Pressupõe melhores resultados a nível da UE em matéria de: - educação (encorajar as pessoas a aprender, estudar e actualizar as suas competências); - investigação e inovação (criação de novos produtos e serviços que fomentem o crescimento e o emprego e contribuam para dar resposta aos desafios sociais); - sociedade digital (utilização das tecnologias da informação e da comunicação).

6 Alguns dos objectivos da UE para promover o crescimento inteligente: 1. Aumentar para 3% do PIB da UE o nível conjunto do investimento público e privado na investigação e desenvolvimento (I&D) e na inovação e melhorar as condições de crescimento do sector. 2. Aumentar para 75% até 2020 a taxa de emprego na faixa etária dos 20 aos 64 anos, inserindo mais pessoas no mercado de trabalho, especialmente as mulheres, os jovens, os trabalhadores mais idosos ou pouco qualificados e os migrantes legais. 3. Aumentar os níveis de sucesso escolar, nomeadamente através: da redução das taxas de abandono escolar para níveis abaixo dos 10%; do aumento da percentagem da população na faixa etária dos 30 aos 34 anos que conclui o ensino superior (ou equivalente) para, pelo menos, 40%. Mas -E o contexto actual? -E para além destas metas? Riscos de trabalhar para os indicadores

7 2) Os desafios ao desenvolvimento urbano e a retórica da criatividade A globalização e as reestruturações actuais e o espaço urbano e as atractivas retóricas da criatividade (e suas múltiplas origens) - Atrair classes criativas - Promover instrumentos de actuação e planeamento criativos - Desenvolver as actividades culturas e criativas Os sinais: -Bairros culturais e criativos -Equipamentos emblemáticos ou mobilizadores -A reconversão de frentes portuárias e zonas industriais -Os eventos -As instituições -A incubação de actividades -Os contextos multiculturais e interculturais -

8 Os desafios ao desenvolvimento urbano e a retórica da criatividade - Mas - Criatividade como transversal e presente em toda a economia - Criatividade como relativa e contextual - Criatividade como algo que se promove de forma institucionalizada? E depois das retóricas? -As dinâmicas criativas -As políticas transversais?

9 3) Da retórica do criativo à facilitação da criatividade urbana: alguns exemplos Dinâmicas criativas < > motivações / conflitos <-> governança - Os bairros criativos -As zonas industriais em reconversão -Os eventos -Equipamentos e instituições

10 Os bairros criativos

11 As zonas industriais em reconversão

12 Equipamentos / instituições

13 Os eventos

14 O exemplo do projecto CreatCity (http://creatcity.dinamia.iscte.pt/): (os 10 estudos de caso): Lisboa Barcelona São Paulo - Bairro Alto - Gracia - Vila Madalena - Alcântara - - SP Fashion Week - Martim Moniz - Palo Alto - SESC - Almada Diversidade de situações: - territórios vs projectos/experiencias - bottom-up vs top-down - iniciativas de origem pública / privada / mista - centrais / periféricas - actividades alternativas / mainstream - Estudo de cada caso à luz de um quadro conceptual específico - MEIOS CRIATIVOS - GOVERNANÇA

15 Principais mecanismos de governança e actuação pública Que mecanismos de governança estão subjacentes a estes casos de sucesso? Experiencias muito diversas: (I) Iniciativa Privada Iniciativa Pública Nucleares (liderados por grandes instituições) SP Fashion Week SESC Relacionais / Hierarquicos, baseados em agentes centrais) Alcântara Palo Alto Extensivos - coerentes (tendendo à autoorganização) Bairro Alto Vila Madalena B. Gracia Extensivos difusos M. Moniz Almada

16 Principais mecanismos de governança e actuação pública Que mecanismos de governança estão subjacentes a estes casos de sucesso? Experiencias muito diversas: (II) Territórios Projectos específicos: Bairros Culturais, com muitos agentes diversificados em colaboração regular Áreas ex-industriais em reconversão / reabilitação Espalhados em diversas partes da cidade Bairros específicos, com muitos agentes diversificados, mas sem ccoperarem muito a este nível usualmente B. Gracia Bairro Alto Vila Madalena Almada M. Moniz Alcântara Palo Alto SP Fashion Week SESC

17 Factores cruciais para a sustentabilidade (uma gestão permanente das tensões (in)visíveis) Evolução das condições estruturais da experiência / território (dinâmicas endógenas) (p.e. densidade, dimensão, heterogeneidade, reputação simbólica, ) Produção do valor simbólico (imagem, papel dos processos de mediação, mas também auto-representações e identidades comuns Evolução das condições do contexo urbano (morfologia urbana, sociais, económicas, ) Sustentabilidade da experiência Factores individuais Liderança, poliítica,... Evolução do contexto externo (p.e., condições competitivas, ) Gestão dos conflitos de uso internos - REINVENÇÃO PERMANENTE - IMPORTÂNCIA DA INTERVENÇÃO PÚBLICA (DIRECTA / INDIRECTA)

18 Uma proposta de tipologia: Meios criativos e governança urbana Tipos de experiências A) Descentralizada, cooperativa e potencialmente auto-suficiente (mecanismos auto-regulatórios vs riscos) B) Centralizada, muito dependente do apoio público ou da regulação (directa ou indirecta) C) Baseada na iniciativa privada / associativa, com objectivos em evolução (e evolução no apoio público) D) Baseada no mercado, mas com uma estratégia de longo prazo e um foco bem definido na sustentabilidade E) Dinâmicas mais incertas e casuais, com uma mais fraca (auto) identidade (e dependência do apoio público?) Exemplos B. Gracia Bairro Alto Vila Madalena SESC Alcântara Palo Alto SP Fashion Week Almada M. Moniz Campos para intervenção pública - regulação dos conflitos de uso - condições do contexto - - apoio financeiro directo ou indirecto - regulação, marketing, exemplo - - regulação - apoio a (o quadro da) actividade? - - incipiente (apoio desnecessário) - parcerias para outros objectivos de política - - apoio a diversas instituições/projectos - importante para a auto-capacitação -

19 4. Alguns princípios-chave para a intervenção pública - 3 ideias principais, resultantes dos debates da criatividade e das retóricas em torno da cidade criativa : a) O potencial da dimensão da criatividade urbana para o desenvolvimento urbano (e humano) Novos paradigmas de análise/ intervenção sobre a cidade > mais transversais e menos hierarquizados b) Mas riscos: políticas e conceitos baseados em fundações (ainda) frágeis Que políticas e prioridades face à criatividade / impactos para o urbanismo / papel para o planeamento urbano / Articulação entre acções baseadas em noções e processos convencionais, e abordagens associadas a novas noções e processos c) Como construir actuações políticas consistentes? -> relação política / administração / governança Que objectivos de política e que consensos urbanos? / espaços para novas emancipações urbanas? / políticas alternativas? / necessidade de adaptar as racionalidades políticas e técnicas? /...

20 Princípios-chave para a intervenção 1) Necessidade de entendimento das dinâmicas e das formas de governança formais e informais existentes no território (compreender que actuação pode ser prejudicial) (combinar o entendimento destas dinâmicas com o desenho e a forma institucional da actuação) 2) Especificidade Actuação necessariamente diversa e adequada à variedade de situações específicas (em termos de recursos, lógicas institucionais e dinâmicas existentes)

21 Princípios-chave para a intervenção 3) Cooperação e articulação Políticas multi-escala (ou poli-escala), em termos dos níveis de intervenção (comunitário, local, metropolitano, regional, nacional, transnacional); Formas de governança diversificadas, exigindo múltiplas plataformas de intervenção cruzando agentes públicos, privados e do 3º sector Combinação das perspectivas bottom-up e top-down Assunção de práticas efectivas de planeamento estratégico, envolvimento, cidadania

22 Princípios-chave para a intervenção 4) Transversalidade Cruzar políticas e instrumentos de actuação sectoriais (cultura, educação, social, economia, inovação, ambiente,..) Ligar as estratégias culturais às políticas urbanas (competitividade, processos de regeneração ou revitalização urbana, inclusão social, ) desenhando e aproveitando formas de governança específicas a nível local, municipal, inter-municipal e regional

23 Princípios-chave para a intervenção 5) Ampliar, cruzar e deshierarquizar conceitos (p.e., artes e património, indústrias culturais ou indústrias criativas, ), não esquecendo a manutenção da actuação tradicional na cultura - Não substituir a política cultural core (nem nenhuma das outras políticas) com a retórica do criativo - Cultura como fim do desenvolvimento e não como mero meio 6) Não institucionalizar em demasia Não esquecer a própria natureza do processo criativo e da actividade artística

24 Governança urbana, Estratégia 2020 e Crescimento Inteligente: Da retórica das cidades criativas à facilitação das dinâmicas criativas Fórum 2012: Governança e Gestão das Cidades à luz da Estratégia UE de Março, Castelo Santiago da Barra, Viana do Castelo

PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. Plano da sessão

PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. Plano da sessão plano estratégico del desenvolvimento económico local PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL ECONÓMICO LOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA Equipa técnica: Assessor: João Pedro Guimarães Colaboradores:

Leia mais

AGENDA. Da Globalização à formulação de uma estratégia de Crescimento e Emprego para a União Europeia.

AGENDA. Da Globalização à formulação de uma estratégia de Crescimento e Emprego para a União Europeia. PORTUGAL A INOVAR O Desafio do Desenvolvimento Regional AGENDA Da Globalização à formulação de uma estratégia de Crescimento e Emprego para a União Europeia. Objectivos Plano Tecnológico, a resposta portuguesa

Leia mais

1.º MÉRITO DO PROJECTO

1.º MÉRITO DO PROJECTO SISTEMA DE APOIO A ENTIDADES DO SISTEMA CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL CRITÉRIOS DE SELECÇÃO O Regulamento do Sistema de Apoio a Entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional definiu as regras

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

As regiões Portuguesas: Lisboa: Competitividade e Emprego; Madeira: Phasing-in; Algarve: Phasing-out; Norte, Centro, Alentejo, Açores: Convergência

As regiões Portuguesas: Lisboa: Competitividade e Emprego; Madeira: Phasing-in; Algarve: Phasing-out; Norte, Centro, Alentejo, Açores: Convergência A Nova Agenda da Política de Coesão no Espaço Europeu Nuno Teixeira CCDR-LVT 26.Novembro.2010 A Nova Agenda da Política de Coesão no Espaço Europeu 1 ÍNDICE I. A coesão no espaço europeu II. O Tratado

Leia mais

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores CONTRIBUTO DA ASSOCIAÇÃO REGIONAL PARLAMENTO EUROPEU DOS JOVENS NÚCLEO AÇORES PARA O LIVRO BRANCO DO COMITÉ DAS REGIÕES SOBRE GOVERNAÇÃO A VÁRIOS NÍVEIS A (PEJ-A) responde ao desafio do Comité das Regiões

Leia mais

Introdução aos três subtemas da Trienal

Introdução aos três subtemas da Trienal Introdução aos três subtemas da Trienal 2/9 Introdução aos três subtemas da Trienal A Trienal 2012 : rumo a sistemas de ensino e de formação em prol do desenvolvimento sustentável em África A Trienal de

Leia mais

Prazos para a Apresentação de Candidaturas Entre o dia 23 de Dezembro de 2011 e o dia 11 de Abril de 2012 (24 horas).

Prazos para a Apresentação de Candidaturas Entre o dia 23 de Dezembro de 2011 e o dia 11 de Abril de 2012 (24 horas). SI INOVAÇÃO [Projectos PROVERE] Aviso para Apresentação de Candidaturas n.º 15/SI/2011 Aberto concurso para a implementação dos PROVERE Programas de Valorização Económica de Recursos Endógenos que pretendem

Leia mais

Balanço da Implementação do Plano de Qualificação dos Recursos Humanos para Reforma do Estado e da Administração Pública. Março de 2011 14-06-2012 1

Balanço da Implementação do Plano de Qualificação dos Recursos Humanos para Reforma do Estado e da Administração Pública. Março de 2011 14-06-2012 1 Balanço da Implementação do Plano de Qualificação dos Recursos Humanos para Reforma do Estado e da Administração Pública Março de 2011 14-06-2012 1 Modelo de Gestão em Rede. A Acção Pública deve combinar

Leia mais

INFRAESTRUTURAS DE TRANSPORTE E MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL OPORTUNIDADES DO QUADRO ESTRATÉGICO COMUM 2014 2020 16 DE DEZEMBRO DE 2015 PONTE DE LIMA

INFRAESTRUTURAS DE TRANSPORTE E MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL OPORTUNIDADES DO QUADRO ESTRATÉGICO COMUM 2014 2020 16 DE DEZEMBRO DE 2015 PONTE DE LIMA INFRAESTRUTURAS DE TRANSPORTE E MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL OPORTUNIDADES DO QUADRO ESTRATÉGICO COMUM 2014 2020 16 DE DEZEMBRO DE 2015 PONTE DE LIMA ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1 - ESTRATÉGIA EUROPA 2020

Leia mais

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66 OTA de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações n.º doc. ant.: 14061/1/11 REV 1 SOC 759

Leia mais

Como é que os locais e os territórios podem contribuir para o estímulo à Inovação Social? Pedro Saraiva - TAGUS - Ribatejo Interior

Como é que os locais e os territórios podem contribuir para o estímulo à Inovação Social? Pedro Saraiva - TAGUS - Ribatejo Interior Como é que os locais e os territórios podem contribuir para o estímulo à Inovação Social? O que é inovação social? Podemos referir que é o desenvolvimento e implementação de novas ideias (produtos, serviços

Leia mais

Técnicas de recolha e análise de informação para caracterização e diagnóstico do contexto de intervenção

Técnicas de recolha e análise de informação para caracterização e diagnóstico do contexto de intervenção 6º CURSO DE MESTRADO EM REABILITAÇÃO DA ARQUITECTURA E DOS NÚCLEOS URBANOS 1º SEMESTRE Disciplina Economia, Sociedade e Território Aula de 12/1/2007 Manuela Mendes Técnicas de recolha e análise de informação

Leia mais

URBAN II Em apoio do comércio e do turismo

URBAN II Em apoio do comércio e do turismo [Página 1 capa] Utilizar da melhor forma os fundos estruturais URBAN II Em apoio do comércio e do turismo O que é e sugestões para candidaturas a projectos bem sucedidas Com esta publicação, a DG Empresa

Leia mais

O Papel da Engenharia no Crescimento

O Papel da Engenharia no Crescimento O Papel da Engenharia no Crescimento Visão e Objectivos Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação Iniciativa António Manzoni e Vilar Filipe 11 de Abril de 2013 Projecto Engenharia 2020 Plataforma

Leia mais

ÐЏٸ Я [Я Carlos Martins

ÐЏٸ Я [Я Carlos Martins ك Я] ك Я ٸÐЏ Carlos Martins Estudo Macroeconómico Desenvolvimento de um Cluster de Indústrias Criativas da Região do Norte QUESTÕES CHAVE Qual o perfil actual do sector criativo e cultural? Qual o seu

Leia mais

AS IPSS s e a ECONOMIA SOCIAL

AS IPSS s e a ECONOMIA SOCIAL AS IPSS s e a ECONOMIA SOCIAL Numa altura em que tanto se fala de Estado social, de desenvolvimento económico, de solidariedade, de coesão social, de crise, estas jornadas sobre Economia Social podem ser

Leia mais

Competências essenciais para um mundo em evolução: aplicação do Programa de Trabalho «Educação e Formação para 2010»

Competências essenciais para um mundo em evolução: aplicação do Programa de Trabalho «Educação e Formação para 2010» C 161 E/8 Jornal Oficial da União Europeia 31.5.2011 Competências essenciais para um mundo em evolução: aplicação do Programa de Trabalho «Educação e Formação para 2010» P7_TA(2010)0164 Resolução do Parlamento

Leia mais

Educação e Formação Europa 2020 e Cooperação Europeia

Educação e Formação Europa 2020 e Cooperação Europeia Educação e Formação Europa 2020 e Cooperação Europeia Parlamento Europeu Bruxelas, 21 de Março 2011 Margarida Gameiro Chefe de Unidade Igualdade de oportunidades e Equidade Europa 2020: 3 prioridades interligadas

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA Um Projecto de Internacionalização do Sector

PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA Um Projecto de Internacionalização do Sector Em colaboração com: PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA Um Projecto de Internacionalização do Sector Lisboa, 18 de Fevereiro de 2011 Francisco Nunes Correia Portugal tem um tecido diversificado e maduro de

Leia mais

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

Portugal 2020: O foco na Competitividade e Internacionalização

Portugal 2020: O foco na Competitividade e Internacionalização Portugal 2020: O foco na Competitividade e Internacionalização Duarte Rodrigues Vogal da Agência para o Desenvolvimento e Coesão AIP, 5 de março de 2015 Prioridades Europa 2020 Objetivos Europa 2020/ PNR

Leia mais

Portugal e a Política de Coesão 2007-2013

Portugal e a Política de Coesão 2007-2013 MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Portugal e a Política de Coesão 2007-2013 2013 Rui Nuno Baleiras Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional Centro

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Página Web 1 de 1. Ana Oliveira

Página Web 1 de 1. Ana Oliveira Página Web 1 de 1 Ana Oliveira De: GEOTA [geota@mail.telepac.pt] Enviado: quarta-feira, 11 de Abril de 2001 20:53 Para: erse@erse.pt Assunto: Comentários do GEOTA à proposta de Revisão dos Regulamentos

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

O planeamento como factor de sustentabilidade e competitividade de um destino turístico. José Sancho Silva

O planeamento como factor de sustentabilidade e competitividade de um destino turístico. José Sancho Silva O planeamento como factor de sustentabilidade e José Sancho Silva Resumo da intervenção: Macro tendências do turismo O turismo como factor de desenvolvimento nacional, regional e local A competitividade

Leia mais

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 A política energética europeia para a promoção da competitividade, sustentabilidade e segurança de abastecimento Jorge de Sousa Professor

Leia mais

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Gabinete do Ministro CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Breve apresentação da proposta de Orçamento de Estado para 2008 23 de Outubro de 2007 Texto

Leia mais

4. PRINCÍPIOS DE PLANEAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS

4. PRINCÍPIOS DE PLANEAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS 4. PRINCÍPIOS DE PLANEAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS A abordagem estratégica que se pretende implementar com o Plano Regional da Água deverá ser baseada num conjunto de princípios nucleares que, sendo unanimemente

Leia mais

Câmara Municipal. Habitação Social. no Município de LAGOS. Programa Global de Realojamento de 56 Famílias. 27 de Janeiro de 2006

Câmara Municipal. Habitação Social. no Município de LAGOS. Programa Global de Realojamento de 56 Famílias. 27 de Janeiro de 2006 Câmara Municipal Habitação Social no Município de LAGOS Programa Global de Realojamento de 56 Famílias 27 de Janeiro de 2006 I. Programa Global de Realojamento de 56 Famílias Breve Enquadramento Metodológico

Leia mais

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas de Programas de Acção PRU/2/2008 Grandes Centros Política de Cidades - Parcerias

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2011 2016 Visão, modelo conceptual e estratégia de elaboração

Plano Nacional de Saúde 2011 2016 Visão, modelo conceptual e estratégia de elaboração 2011 2016 Visão, modelo conceptual e estratégia de elaboração 1/25 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 Objectivos de um Plano Nacional de Saúde... 3 O Plano Nacional de Saúde 2004 2010... 3 Alto Comissariado

Leia mais

Caracterização Diagnóstica da Região Norte. Nós Críticos: sinalização e consequências

Caracterização Diagnóstica da Região Norte. Nós Críticos: sinalização e consequências Seminário NORTE 2015 O Desenvolvimento Regional no Novo Horizonte Europeu: O caso do Norte de Portugal 25.Maio.2005 INCLUSÃO SOCIAL FERNANDA RODRIGUES Estrutura da Apresentação Inclusão Social vs Exclusão

Leia mais

INVESTIR EM I&D - PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS

INVESTIR EM I&D - PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS 1 ENQUADRAMENTO - I - Os objectivos delineados na Estratégia de Lisboa e as conclusões do Conselho de Barcelona,

Leia mais

Síntese da Conferência

Síntese da Conferência Síntese da Conferência Sob o lema Saneamento para Todos, Responsabilidade de Todos realizou-se de 14 a 16 de Maio de 2014, a Conferência Nacional de Saneamento, no Centro de Conferências Joaquim Chissano,

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar Agrupamento de Escolas de Arronches Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar João Garrinhas Agrupamento de Escolas de Arronches I. PRINCIPIOS, VALORES E MISSÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

1. Garantir a educação de qualidade

1. Garantir a educação de qualidade 1 Histórico O Pacto pela Juventude é uma proposição das organizações da sociedade civil, que compõem o Conselho Nacional de Juventude, para que os governos federal, estaduais e municipais se comprometam

Leia mais

INOVAÇÃO e I&DT Lisboa

INOVAÇÃO e I&DT Lisboa INOVAÇÃO e I&DT Lisboa Prioridades, Impactos, Próximo Quadro MIGUEL CRUZ Aumentar a capacidade competitiva no mercado internacional Reforçar as competências estratégicas Apoiar as PME no reforço das suas

Leia mais

Portugal 2020 Lançados Programas Operacionais

Portugal 2020 Lançados Programas Operacionais Portugal 2020 Lançados Programas Operacionais Novos PO detêm um valor global de quase 12,2 mil M de financiamento comunitário Alerta de Cliente Dezembro de 2014 Temas/Assuntos: Numa cerimónia realizada

Leia mais

Atelier Inclusão Social

Atelier Inclusão Social Atelier Inclusão Social Porto, 3 de setembro de 2013 ccdr-n.pt/norte2020 Atelier Inclusão Social: Estrutura de apresentação Sumário 1. Enquadramento Europeu: Próximo ciclo da Politica de Coesão 2. Investimentos

Leia mais

CONCLUSÕES DO CONSELHO. de 27 de Novembro de 2003. sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02)

CONCLUSÕES DO CONSELHO. de 27 de Novembro de 2003. sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02) CONCLUSÕES DO CONSELHO de 27 de Novembro de 2003 sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA I. EM RELAÇÃO A QUESTÕES HORIZONTAIS:

Leia mais

ACESSIBILIDADES E LOGÍSTICA NA REGIÃO DO NORTE 3 DE SETEMBRO DE 2013 PORTO

ACESSIBILIDADES E LOGÍSTICA NA REGIÃO DO NORTE 3 DE SETEMBRO DE 2013 PORTO ACESSIBILIDADES E LOGÍSTICA NA REGIÃO DO NORTE 3 DE SETEMBRO DE 2013 PORTO Estratégia Europa 2020: Prioridades, Iniciativas e Metas Prioridades Crescimento inteligente: Desenvolver uma economia baseada

Leia mais

Plano Nacional de Saúde e as. Estratégias Locais de Saúde

Plano Nacional de Saúde e as. Estratégias Locais de Saúde Plano Nacional de Saúde e as Estratégias Locais de Saúde (versão resumida) Autores Constantino Sakellarides Celeste Gonçalves Ana Isabel Santos Escola Nacional de Saúde Pública/ UNL Lisboa, Agosto de 2010

Leia mais

Carta de Leipzig sobre as Cidades Europeias Sustentáveis

Carta de Leipzig sobre as Cidades Europeias Sustentáveis Carta de Leipzig sobre as Cidades Europeias Sustentáveis Adoptada na reunião informal dos Ministros responsáveis pelo Desenvolvimento Urbano e Coesão Territorial, em 24 e 25 de Maio de 2007, em Leipzig

Leia mais

Abordagens comuns do empreendedorismo:

Abordagens comuns do empreendedorismo: Abordagens comuns do empreendedorismo: principalmente do ponto de vista económico, administrativo, organizacional, sociológico, observando as partes da realidade, em detrimento do ponto de vista psicológico,

Leia mais

FÓRUM CIDADE GRUPO 8

FÓRUM CIDADE GRUPO 8 FÓRUM CIDADE GRUPO 8 UMA NOVA POLÍTICA URBANA Durante os doze anos (1990/2001) que esteve à frente dos destinos de Lisboa, a coligação liderada pelo Partido Socialista demonstrou uma vitalidade e uma capacidade

Leia mais

A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011

A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011 A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011 O presente documento tem por objectivo dar um contributo

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 468/XI/2ª CRIA A REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS

PROJECTO DE LEI N.º 468/XI/2ª CRIA A REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 468/XI/2ª CRIA A REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS Exposição de motivos A importância das Bibliotecas Públicas As Bibliotecas Públicas são um serviço público essencial

Leia mais

Desenvolvimento sustentável

Desenvolvimento sustentável Desenvolvimento sustentável Sustentabilidade Até à década de 90: Desenvolvimento = Crescimento económico = PIB obscureceu o facto de o objectivo do desenvolvimento ser, em última instância, beneficiar

Leia mais

UNIDADE CURRICULAR: SOCIEDADE, INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO

UNIDADE CURRICULAR: SOCIEDADE, INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO UNIDADE CURRICULAR: SOCIEDADE, INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO DESCRIÇÃO E AUTO-AVALIAÇÃO DO PRODUTO 1 1 Documento elaborado a partir do Memorando do Produto e da Grelha de Análise da Qualidade dos Produtos

Leia mais

SEMINÁRIO RUCI - MARKETING E BRANDING REGIONAL

SEMINÁRIO RUCI - MARKETING E BRANDING REGIONAL A ADAE E AS DINAMICAS DE DESENVOLVIMENTO LOCAL - IDENTIDADE, TURISMO, ANIMAÇÃO, ECONOMIA, SOCIAL, CULTURAL, FORMAÇÃO.. SEMINÁRIO RUCI - MARKETING E BRANDING REGIONAL Antonio Lucas Presidente da ADAE ADAE

Leia mais

QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL

QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL O Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), que define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos

Leia mais

Contributo do CENTRO 2020 para a COMPETITIVIDADE e INTERNACIONALIZAÇÃO das PME. Ana Abrunhosa - Presidente CCDRC

Contributo do CENTRO 2020 para a COMPETITIVIDADE e INTERNACIONALIZAÇÃO das PME. Ana Abrunhosa - Presidente CCDRC Contributo do CENTRO 2020 para a COMPETITIVIDADE e INTERNACIONALIZAÇÃO das PME Ana Abrunhosa - Presidente CCDRC O PO Regional Centro 2014-2020 por EIXOS 9,79% 2,48% Eixo 9 Reforçar a rede urbana Eixo 8

Leia mais

MEMORANDUM 2014 ELEIÇÕES EUROPEIAS

MEMORANDUM 2014 ELEIÇÕES EUROPEIAS MEMORANDUM 2014 ELEIÇÕES EUROPEIAS A Importância da Economia Social Economia social é uma realidade muito importante na Europa, proporcionando emprego remunerado a mais de 14,5 milhões de europeus que

Leia mais

Fundos Europeus e o Desenvolvimento Económico do País

Fundos Europeus e o Desenvolvimento Económico do País Fundos Europeus e o Desenvolvimento Económico do País CARLOS NEVES VICE-PRESIDENTE DA CCDR-N 12.MARÇO.2015 norte2020.pt Estrutura da apresentação 1. O Acordo de Parceria - Portugal 2020 2. NORTE 2020 Programa

Leia mais

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira PG 02 NOTA JUSTIFICATIVA O presente regulamento promove a qualificação das

Leia mais

CADERNO APFN Apostar na Família Construir o Futuro

CADERNO APFN Apostar na Família Construir o Futuro CADERNO APFN 5 Apostar na Família Construir o Futuro Fevereiro 2002-1 - DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA APFN Acreditamos que: 1. A vida humana deve ser respeitada, reconhecida e protegida desde o momento da

Leia mais

Implementação de JESSICA: os Fundos de Desenvolvimento Urbano e o papel do BEI

Implementação de JESSICA: os Fundos de Desenvolvimento Urbano e o papel do BEI JESSICA KICK-OFF MEETING PORTUGAL Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008 Implementação de JESSICA: os Fundos de Desenvolvimento Urbano e o papel do BEI Mateu Turró, Director Associado Assessor especial JESSICA

Leia mais

ABERTIS LOGÍSTICA INICIA A CONSTRUÇÃO DO ABERTIS LOGISTICSPARK LISBOA

ABERTIS LOGÍSTICA INICIA A CONSTRUÇÃO DO ABERTIS LOGISTICSPARK LISBOA Dossier de imprensa Comunicação Tel. +34 93 230 50 94 / +34 93 230 51 85 Tel. +34 91 563 66 26 comunicacion@abertislogistica.com ABERTIS LOGÍSTICA INICIA A CONSTRUÇÃO DO ABERTIS LOGISTICSPARK LISBOA O

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

O papel das Instituições de Ensino Superior e a necessidade de modernização

O papel das Instituições de Ensino Superior e a necessidade de modernização Boa tarde Senhoras e Senhores Para aqueles que não me conhecem. Sou membro do Parlamento Europeu nas Comissões ITRE e dos Orçamentos. Sou neste momento a relatora do Programa Específico de Execução Horizonte

Leia mais

Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR)

Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR) Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR) Em consulta pública O Projecto de Plano Nacional de Gestão de Resíduos (PNGR 2011-2020), bem como o Relatório Ambiental e o Resumo Não Técnico da Avaliação

Leia mais

Compromisso para o Crescimento Verde e Perspetivas do Alentejo 2020

Compromisso para o Crescimento Verde e Perspetivas do Alentejo 2020 Compromisso para o Crescimento Verde e Perspetivas do Alentejo 2020 Financiamentos Comunitários na Área do Ambiente e da Eficiência Energética Auditório António Chainho Santiago do Cacém 22/07/2015 Programa

Leia mais

EDITAL Nº6/2015 MEDIDA III - INCENTIVOÀ CRIAÇÃO DE MICRO E PEQUENOS PROJECTOS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

EDITAL Nº6/2015 MEDIDA III - INCENTIVOÀ CRIAÇÃO DE MICRO E PEQUENOS PROJECTOS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EDITAL Nº6/2015 MEDIDA III - INCENTIVOÀ CRIAÇÃO DE MICRO E PEQUENOS PROJECTOS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Para os efeitos convenientes torna-se público que se encontra aberto, a partir do

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Manual de Políticas da CERCI Elaborado por/data Departamento de Gestão da Qualidade/Março 2013 Aprovado por/data Direção/18.03.2013 Revisto por/data Índice 1. Política e Objetivos

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS NA DGOTDU

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS NA DGOTDU Direcção Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano Gabinete do Director-Geral Índice 1. Introdução 2. Perfil da DGOTDU como organização 3. Identificação das vulnerabilidades 4. Programa

Leia mais

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Decreto-Lei n.º 1/09 de 28 de Abril Tendo em conta a nova orgânica do Governo que de entre outros órgãos institui a Secretaria de Estado para o Desenvolvimento

Leia mais

O FOCO NOS RESULTADOS

O FOCO NOS RESULTADOS O FOCO NOS RESULTADOS Uma análise aplicada ao Programa Operacional Regional do 2014- O FOCO NOS RESULTADOS Uma análise aplicada ao Programa Operacional Regional do 2014- Os programas operacionais para

Leia mais

24/05/2015. Índice. Portugal 2020 : Objectivos e Prioridades. Estrutura Operacional. ISQ e Portugal 2020. Oportunidades

24/05/2015. Índice. Portugal 2020 : Objectivos e Prioridades. Estrutura Operacional. ISQ e Portugal 2020. Oportunidades 24/05/2015 Índice Portugal 2020 : Objectivos e Prioridades Estrutura Operacional ISQ e Portugal 2020 Oportunidades 1 ( ) Portugal 2020 é o conjunto de políticas, estratégias de desenvolvimento, domínios

Leia mais

A DIMENSÃO CULTURAL DA UNIÃO EUROPEIA NO MUNDO FUNDOS E PROGRAMAS. Lisboa, 16 de Maio de 2006

A DIMENSÃO CULTURAL DA UNIÃO EUROPEIA NO MUNDO FUNDOS E PROGRAMAS. Lisboa, 16 de Maio de 2006 APGC Associação Portuguesa de Gestão Cultural CIEJD - Centro de Informação Europeia Jacques Delors CNC - Centro Nacional de Cultura CultDigest - Gestão Cultural A Política Cultural da União Europeia, a

Leia mais

RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. de 18 de Dezembro de 2006. sobre as competências essenciais para a aprendizagem ao longo da vida

RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. de 18 de Dezembro de 2006. sobre as competências essenciais para a aprendizagem ao longo da vida L 394/10 PT Jornal Oficial da União Europeia 30.12.2006 RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 18 de Dezembro de 2006 sobre as competências essenciais para a aprendizagem ao longo da vida

Leia mais

Uma estratégiacom o objectivoúnicode contribuirpara fixar população no interior do seu território.

Uma estratégiacom o objectivoúnicode contribuirpara fixar população no interior do seu território. TAGUS, 20 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégiacom o objectivoúnicode contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e abandono da activiade agro- Combater o exodo

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL A Rede Social pretende constituir um novo tipo de parceria entre entidades públicas e privadas

Leia mais

O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal. (Resumo)

O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal. (Resumo) O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal (Resumo) O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal Um novo domínio estratégico e um factor de afirmação A economia portuguesa está a sofrer uma descontinuidade

Leia mais

Eng.ª Ana Paula Vitorino. por ocasião da

Eng.ª Ana Paula Vitorino. por ocasião da INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA A SECRETÁRIA DE ESTADO DOS TRANSPORTES Eng.ª Ana Paula Vitorino por ocasião da Sessão de Encerramento do Colóquio PORTO DE AVEIRO: ESTRATÉGIA E FUTURO, Ílhavo Museu Marítimo

Leia mais

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Abril/2012 Apresentação O Planejamento Estratégico (PLANES) da UNICAMP é um processo acadêmico/administrativo dinâmico cujo objetivo central é de ampliar

Leia mais

O Comité Nacional de Coordenação (CNC) espera que o Programa ART PAPDEL alcance os seguintes resultados:

O Comité Nacional de Coordenação (CNC) espera que o Programa ART PAPDEL alcance os seguintes resultados: Introdução A iniciativa ART (Articulação de Redes Territoriais e Temáticas para o Desenvolvimento Humano) surge, no âmbito da cooperação internacional e visa articular programas e actividades de diversos

Leia mais

Planos de Mobilidade e Transportes (PMT) e Planos de Mobilidade Urbana Sustentável (SUMP / PMUS): Diferenças e Semelhanças

Planos de Mobilidade e Transportes (PMT) e Planos de Mobilidade Urbana Sustentável (SUMP / PMUS): Diferenças e Semelhanças Planos de Mobilidade e Transportes (PMT) e Planos de Mobilidade Urbana Sustentável (SUMP / PMUS): Diferenças e Semelhanças Faustino Gomes TIS.pt Planeamento da Mobilidade Urbana Sustentável 1º Workshop

Leia mais

Gestão Estratégica da Inovação e da Tecnologia

Gestão Estratégica da Inovação e da Tecnologia Gestão Estratégica da Inovação e da Tecnologia Por: Luis Todo Bom Professor Associado Convidado do ISCTE Presidente do Conselho de Gerência da Multitel Conferência apresentada no Workshop Tecnológico da

Leia mais

O Turismo e a Cultura na estratégia de desenvolvimento do Médio Tejo. Vice-Presidente da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo

O Turismo e a Cultura na estratégia de desenvolvimento do Médio Tejo. Vice-Presidente da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo O Turismo e a Cultura na estratégia de desenvolvimento do Médio Tejo Dra. Júlia Amorim Vice-Presidente da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo Abrantes, Alcanena, Constância, Entroncamento, Ferreira

Leia mais

Marketing Pessoal. aumentem de valor.

Marketing Pessoal. aumentem de valor. P U B L I C A Ç Ã O N º 3 2 3 D E Z E M B R O 2 0 0 9 Marketing Pessoal PONTOS DE INTERESSE: Conceito Na Prática Definir Objectivos Marca Pessoal Marketing Pessoal pode ser definido como o processo de

Leia mais

A Mulher portuguesa e o Desporto O TÉNIS DE MESA PORTUGUÊS NO FEMININO 21/05/2014

A Mulher portuguesa e o Desporto O TÉNIS DE MESA PORTUGUÊS NO FEMININO 21/05/2014 O TÉNIS DE MESA PORTUGUÊS NO FEMININO 2 A Mulher portuguesa e o Desporto 1º FÓRUM NACIONAL DE TÉNIS DE MESA 24 maio 2014 Propostas para discussão e reflexão Manuela Simões O Ténis de Mesa não é, a este

Leia mais

D SCUR CU S R O O DE D SUA U A EXCE

D SCUR CU S R O O DE D SUA U A EXCE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, DR. RUI MARIA DE ARAÚJO, POR OCASIÃO DA ATRIBUIÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL DA CPLP A

Leia mais

PE2020.TI Projeto Engenharia 2020 Tecnologia e Inovação

PE2020.TI Projeto Engenharia 2020 Tecnologia e Inovação Fevereiro 2014 PE2020.TI Projeto Engenharia 2020 Tecnologia e Inovação Programa para valorizar a engenharia 2014-2020 Iniciativa Agenda 1. O papel estratégico da Engenharia 2. A Proforum e o Projeto 2020

Leia mais

Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT

Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT Luís Jorge Bruno Soares António Perez Babo Robert Stussi Maria Rosário Partidário Bruno Lamas brunosoares@brunosoaresarquitectos.pt

Leia mais

plano do capítulo A abordagem ascendente NÍVEL I CAPÍTULO IV = Apropriação do projecto Nível II IV.1

plano do capítulo A abordagem ascendente NÍVEL I CAPÍTULO IV = Apropriação do projecto Nível II IV.1 CAPÍTULO IV A abordagem ascendente NÍVEL I plano do capítulo Diapositivo 1 A abordagem ascendente Nível I Diapositivo 2 Definição Nível I Diapositivo 3 Quatro níveis de "participação" Nível II Diapositivo

Leia mais

PROJECTO REDE EM PRÁTICA

PROJECTO REDE EM PRÁTICA PROJECTO REDE EM PRÁTICA O Programa Rede Social no Contexto Europeu e o Futuro da Política de Coesão Janeiro 2012 O Programa Rede Social no Contexto Europeu e o Futuro da Política de Coesão 1. O Programa

Leia mais

Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Prioridades da presidência portuguesa da União Europeia na área de Ciência e Tecnologia Construir o futuro da Ciência e da

Leia mais

Isabel Beja. Gestão Estratégica

Isabel Beja. Gestão Estratégica Isabel Beja Gestão Estratégica Financiamento: Entidade Coordenadora Local Entidade Promotora Objectivos Objectivo Geral A importância de uma correta definição de missão, visão e dos valores da instituição;

Leia mais

ANEXO I QUADRO 1: CÓDIGOS DA DIMENSÃO «DOMÍNIO DE INTERVENÇÃO» Investimento produtivo genérico em pequenas e médias empresas («PME»)

ANEXO I QUADRO 1: CÓDIGOS DA DIMENSÃO «DOMÍNIO DE INTERVENÇÃO» Investimento produtivo genérico em pequenas e médias empresas («PME») PT 8.3.2014 Jornal Oficial da União Europeia L 69/71 ANEXO I Dimensões e códigos para as categorias de intervenção dos Fundos (1) no âmbito do objetivo de Investimento no Crescimento e no Emprego e da

Leia mais

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade O Futuro da Política Europeia de Coesão Inovação, Coesão e Competitividade 20 de Abril de 2009 António Bob Santos Gabinete do Coordenador Nacional da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico Desafios

Leia mais

Estado de direito democrático...2. Tarefas fundamentais do Estado...2. Liberdade de associação...2. Direitos dos trabalhadores...3

Estado de direito democrático...2. Tarefas fundamentais do Estado...2. Liberdade de associação...2. Direitos dos trabalhadores...3 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA (Texto nos termos da última revisão constitucional (sexta revisão constitucional) operada pela Lei Constitucional n.º 1/2004, de 24 de Julho) Estado de direito democrático...2

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Geografia A * Análise de Notícias Natureza das notícias: socio-económica Localização temporal: actualidade Localização espacial: Europa Jornal: Expresso Data de edição:

Leia mais

O papel da Fundação. Calouste Gulbenkian. na promoção da inovação e da criatividade

O papel da Fundação. Calouste Gulbenkian. na promoção da inovação e da criatividade Rui Vilar Administrador da Fundação Calouste Gulbenkian O papel da Fundação Calouste Gulbenkian na promoção da inovação e da criatividade 129 As Fundações, pela sua independência, flexibilidade, capacidade

Leia mais

Com uma visão inovadora a CÉSAR FREITAS ARQUITECTOS aposta no Desenvolvimento Sustentável

Com uma visão inovadora a CÉSAR FREITAS ARQUITECTOS aposta no Desenvolvimento Sustentável O seu parceiro de confiança! Com uma visão inovadora a CÉSAR FREITAS ARQUITECTOS aposta no Desenvolvimento Sustentável A NOSSA EMPRESA 2 A CÉSAR FREITAS ARQUITECTOS é uma empresa pluridisciplinar focalizada

Leia mais

III Congresso de Direito Fiscal

III Congresso de Direito Fiscal III Congresso de Direito Fiscal A REFORMA DO SISTEMA FISCAL ANGOLANO Rui Dinis Nascimento Advogado / Consultor Fiscal 25 e 26 de Outubro de 2012 A origem da Reforma Fiscal em Angola resulta de vários factores

Leia mais