SIAM Sistema de Informação Ambiental do Mercosul. Relatório de Apresentação do Projeto Conceitual

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SIAM Sistema de Informação Ambiental do Mercosul. Relatório de Apresentação do Projeto Conceitual"

Transcrição

1 SIAM Sistema de Informação Ambiental do Mercosul Relatório de Apresentação do Julho/2001

2 Índice 1. INTRODUÇÃO OBJETIVO APRESENTAÇÃO CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES 4 2. SOLUÇÃO PROPOSTA SIAM: UM PORTAL AMBIENTAL PARA O MERCOSUL COMPOSIÇÃO SUGERIDA PARA O WEB-SITE 7 3. ORGANIZAÇÃO NECESSÁRIA AO FUNCIONAMENTO DO SIAM 13 COMITÊ POLÍTICO 13 GRUPOS EXECUTIVOS 14 GRUPO OPERADOR DO SIAM PONTOS PARA DISCUSSÃO E DECISÃO DOMÍNIOS: LOCALIZAÇÃO DO SISTEMA: ALTERNATIVAS PARA A HOSPEDAGEM DO SISTEMA: TREINAMENTO: EM (CONCEITOS E PROGRAMAÇÃO) INTERNET MOBILIZAÇÃO DOS GRUPOS EXECUTIVOS COMO CLASSIFICAR O CONTEÚDO DO SIAM? RECOMENDAÇÕES PLANO DE TRABALHO CONCLUSÃO 24 ANEXO 1 - RELATÓRIOS DAS VISITAS 25 ANEXO 2 - SISTEMAS PARA CLASSIFICAÇÃO TEMÁTICA 33 2

3 1. Introdução 1.1. Objetivo Mais do que meramente um mercado comum, o Tratado de Assunção aponta como objetivo para o Mercosul o aprofundamento nas relações dos seus países parte nos campos da energia, C&T, mulher, transporte, infraestrutura, minério e meio ambiente. Para as questões ambientais, foi criado o Subgrupo de Trabalho nº 6 (SGT-6) que estabeleceu, dentre suas prioridades, a constituição de um Sistema de Informação Ambiental, no nível das mais altas instituições ambientais dos Estados Parte do Tratado. A viabilização deste empreendimento foi garantida com a cooperação da OEA e do PNUMA. Por seu turno, os Estados Parte do Tratado, que já criaram uma base legal e uma estrutura organizacional para a gestão ambiental, vem envidando esforços para erguer seus próprios sistemas ambientais com a finalidade de prover informação tanto a seus usuários regulares como para o enfrentamento de situações ambientais emergenciais. Neste contexto situa-se a proposta objeto deste relatório, cujo objetivo é reunir sob um mesmo foco todas as iniciativas em curso nestes temas na área do Mercosul. Esta proposta foi fruto de um levantamento preliminar, realizado durante o mês de junho de 2001 nos 4 países integrantes do Acordo do Mercosul, pelo consultor Luiz Bursztyn sob contrato da SG/OEA, assinado em 28 de maio de Este relatório corresponde à 3 a etapa dos serviços contratados Apresentação A presente proposta é fruto de decisão tomada na XVII Reunião Ordinária do Subgrupo de Trabalho 6, realizada na cidade de Assunção durante os dias 2, 3 e 4 de abril deste ano, e registrada na ata nº 02/2001. Como conseqüência desta reunião, foi emitido o Termo de Referência, anexado a este relatório, do qual destacamos alguns pontos para registro neste tópico. Segundo os Termos de Referência (TR), este trabalho de consultoria deveria se iniciar com os estudos dos antecedentes disponíveis a nível do SGT-6 sobre as iniciativas para a implementação do Sistema de Informação Ambiental do Mercosul - SIAM (a). Esta documentação foi analisada e, seus aspectos mais relevantes do ponto de vista da criação do SIAM estão assinalados no tópico seguinte a este - Considerações Preliminares. Nos seus itens (b), (c) e (d), os TR recomendam que seja feito contato com cada um dos 4 países participantes do Acordo Mercosul, através dos seus organismos voltados às atividades ambientais, com aqueles que são seus representantes no SGT-6, e também através da leitura dos relatórios e iniciativas existentes em cada um deles. Este trabalho foi desenvolvido através de uma série de visitas, ocorridas durante o mês de junho e relatadas no anexo 1 deste relatório. Estes relatos são 3

4 simples registros dos encontros ocorridos, uma memória dos temas e idéias discutidos nestes encontros. Dados e documentos eventualmente fornecidos não estão anexados ao relatório. O item (e) do TR, que se refere às áreas temáticas prioritárias a incluir no SIAM, é o próprio coração deste documento e está desenvolvido no tópico 2.2. sob o título de Composição sugerida para o web-site. Na proposta ora apresentada, a questão dos temas tem uma outra faceta: para que o SIAM tenha o formato de um portal (isso está discutido no capítulo 2), todas as referência que contiver devem estar classificadas conforme um sistema organizado de temas que, por não encontrarmos nenhum pronto e à nossa disposição, trouxemos como preocupação a ser resolvida no âmbito deste projeto. As iniciativas que encontramos junto aos pontos focais e em pesquisa à internet estão relacionadas no anexo 2 deste documento. O item (f) do TR, que trata dos mecanismos de seleção das informações a disponibilizar no SIAM, foi considerado quando da discussão do conceito do sistema e da organização humana necessária para o seu bom funcionamento, e que está descrita no capítulo 3 deste relatório. O item (g) do TR, que trata do modelo sugerido para o SIAM e das atividades necessárias para a sua realização, está considerado no capítulo 3 e nos seguintes. O item (h) do TR, que trata do financiamento necessário à garantia de sustentabilidade do SIAM, está considerado no Plano de Trabalho sob a forma de uma atividade de negociação para obtenção dos recursos necessários ao prosseguimento do projeto. E, por fim, a resposta ao item (i) do TR pode ser encontrada no Plano de Trabalho localizado no capítulo 6 deste relatório, onde estão apontados os próximos passos para o prosseguimento deste projeto Considerações preliminares A leitura da documentação disponível sobre as reuniões do SGT-6, somada às sugestões colhidas na fase de levantamento, permitem a identificação de uma série de preocupações quanto ao que se pode chamar de conceito do SIAM. Os tópicos seguintes resumem algumas das que selecionamos. O SIAM deverá: Tirar proveito das estruturas informáticas já existentes nos países membros evitando redundância de informação. Ser a consolidação de um sistema descentralizado, distribuído e compartilhado destinado a compilar, organizar e recuperar a informação ambiental dos Estados Parte do Mercosul através de um processo articulado de diálogo e consenso destinado a afiançar a rede de cooperação estabelecida entre os países nesta matéria. 4

5 Sistematizar informação ambiental que definam, de comum acordo, os organismos nacionais máximos responsáveis pela gestão do meio ambiente em cada país. Colocar estas informações à disposição de diferentes usuários: organismos governamentais e não governamentais, legisladores, pesquisadores, docentes, empresários, estudantes e ao público em geral. Fomentar o intercâmbio de informação. Dar suporte às atividades do SGT-6. Ter como ambiente a internet (todos os países vêm buscando melhorar seu acesso à internet). 2. Solução Proposta A rapidez com que a internet se expande surpreende a todos os que freqüentam suas páginas. Com este crescimento, a cada dia novos endereços se agregam aos já existentes, multiplicando os canais de informação num movimento que não encontra paralelo em nenhuma outra mídia. A queda nos preços referentes a computadores e comunicação somada às novas modalidades de conexão (televisores, telefones, pagers, separadamente ou combinados) torna cada vez mais democrático o acesso à grande rede, trazendo para o seu espaço uma audiência cada vez mais diversificada. Neste contexto, onde, de um lado, há uma enorme diversidade de sites à disposição de eventuais visitantes e, de outro, uma enorme diversidade de visitantes à procura de sites que atendam aos seus interesses, surge o conceito de portal. Um portal é um tipo de site que procura organizar referências, dentro de uma faixa de assuntos selecionados, para uma audiência com interesses comuns nestes assuntos SIAM: um portal ambiental para o Mercosul Para que incorpore todas as considerações e condições colocadas em termos preliminares, o SIAM deverá ter o formato de um portal internet: o portal ambiental para o Mercosul. Rede de nós nacionais: Nó AR SIAM Nó PY Numa primeira visão, a estrutura do portal terá a forma de uma rede com um nó central, editado e mantido sob a responsabilidade de um organismo, a ser Nó BR INTERNET Nó UY 5

6 criado e vinculado ao SGT-6, e outros nós sob a responsabilidade de cada um dos países, todos presentes no espaço da internet. O nó central deve ser um ponto de entrada no sistema e sua chamada principal deve estar disponível na home-page do Mercosul. As informações pertinentes a cada um dos países parte do acordo devem estar disponíveis no espaço da internet, em endereço próprio e em formato crescentemente padronizado segundo regras previamente combinadas no âmbito do SGT-6. Esta padronização, que implicará em alguns ajustes nos sistemas locais hoje existentes, será a garantia da integração destes dados num sistema maior, permitindo um serviço de busca aos dados cada vez mais eficiente. Conteúdo: Do ponto de vista do conteúdo (informação), o SIAM deve ter uma estrutura baseada em seções (ou pastas) organizadas com base nos assuntos de que tratam. Estas seções estarão armazenadas em um banco de dados que será atualizado pela equipe operadora do sistema. Para criar uma nova seção, basta inserir um registro numa tabela, seguindo as instruções de um formulário disponível na retaguarda do sistema (backoffice). Por este formulário, a nova seção poderá ter um texto de apresentação, um banco de dados relativo a algum assunto e um filtro capaz de selecionar registros neste banco de dados. No endereço pode ser encontrada uma ilustração do que está sendo sugerido. Com tal estrutura, ao longo do tempo, novas seções poderão ser criadas, trazendo novos assuntos ao SIAM, ou seções existentes poderão ser encerradas por motivo de algum desinteresse, sem qualquer esforço de programação. Espaço público e espaço reservado Do ponto de vista da segurança do acesso aos dados, o portal deverá distribuir seus dados em dois espaços: um público e outro reservado. No espaço público estarão todas as informações disponíveis para os usuários em geral. Qualquer pessoa com acesso à internet poderá consultá-las. No espaço qualificado como reservado, só terão acesso os portadores de senhas distribuídas 6

7 pela administração do sistema. Neste espaço poderão ocorrer interações dos membros do SGT-6 com finalidades diversas como, por exemplo, a elaboração de documentos preliminares para as reuniões do grupo, os acertos finais nos documentos já discutidos, a discussão de temas para a agenda, entre outras. Também estarão no espaço reservado todas as funções relativas ao backoffice como, por exemplo, os formulários de atualização do conteúdo das seções, as rotinas administrativas para controle de contas e senhas, o controle de toda a comunicação com os usuários, entre outras. Idiomas Finalmente, como qualquer portal internacional, o SIAM também estará segmentado em espaços por idioma. Os dados oriundos da Argentina, do Paraguai e do Uruguai serão, certamente, oferecidos em espanhol; e os do Brasil, em português. Mas os dados gerados para as seções do portal deverão estar, obrigatoriamente, em espanhol e em português. Opcionalmente em inglês ou algum outro idioma mais. A estrutura de dados do sistema deve prever a possibilidade de armazenar conteúdo nos diversos idiomas adotados pelo portal. As páginas, na internet, deverão indicar, sempre que necessário, as diversas opções de idioma em que um determinado conteúdo estará disponível Composição sugerida para o Web-site Informação Oficial Novidades A finalidade desta seção é a de atualizar um visitante costumeiro com as últimas novidades publicadas no site. É uma seção gerada automaticamente pelo sistema, com base nas datas de publicação das informações nos diversos bancos de dados, precedida de um texto de apresentação especialmente escrito para o momento. As novidades serão apresentadas de forma resumida, terão um link apontando para o texto completo e poderão ser filtradas por área de interesse do leitor. Notícias Clipping reunindo notícias e referências às suas fontes, organizado e apresentado em ordem cronológica decrescente, classificado segundo uma estrutura de temas que permita que sejam filtradas de acordo com o interesse do leitor. As notícias serão geradas em cada um dos países e por eles inseridas no sistema, seja em forma de 7

8 texto, seja em forma de imagem. Um texto, no início desta seção, deve ser usado para introduzir o leitor nas notícias. SIAM O que é o portal ambiental do Mercosul, como está organizado e como funciona. Seção na forma de texto com link para o mapa do site. Mercosul Seção em forma de texto contando a história do Mercosul, fazendo referência aos documentos fundamentais do Acordo, com links para o site oficial da SAM Secretaria Administrativa do Mercosul. Mostra, ainda, a estrutura organizacional, os grupos de trabalho e, em particular, explica o SGT-6. Faz referência à s duas seções seguintes. Todo o conteúdo já apresentado no site oficial do Mercosul será referenciado aqui. Países participantes Seção para apresentação dos países membros do Acordo contendo links para os principais sites oficiais destes países, extraídos de um banco de dados do sistema. SGT-6 Seção em forma de texto com a apresentação do subgrupo, sua história (linha do tempo), suas reuniões e seus documentos fundamentais. Faz ligação com a seção seguinte. Documentos do SGT-6 Apresentação em forma sintética e objetiva dos documentos do SGT- 6: atas e seus anexos, resoluções, etc. Para usuários préidentificados através de senhas, aqui também poderão estar os textos preparatórios para futuras reuniões do SGT-6 e assuntos ambientais dos demais subgrupos e grupos. Sala de imprensa Nesta seção, voltada para a divulgação dos trabalhos do SGT-6 à imprensa em geral, estarão relacionados, em ordem cronológica decrescente, todos os comunicados divulgados pelo subgrupo, precedidos de um texto de apresentação. Este espaço contará ainda 8

9 com uma chamada de endereçada ao editor e outra chamada para uma lista de discussão mediada pelo mesmo editor. Cláusula de Isenção de Responsabilidade A exemplo do que ocorre com todas as demais publicações veiculadas pela web, uma Cláusula de Isenção de Responsabilidade deve ser publicada para proteger o site de eventuais falhas nas fontes onde serão obtidas as informações. A União Européia tem em sua página web um texto que pode servir de sugestão Comunicação com o público Lista de discussão Pode ser implementada em duas modalidades: uma pública e outra reservada. As discussões reservadas serão destinadas aos próprios membros do SGT-6, para ensejar a antecipação de discussões que permitam a busca de convergência em temas agendados antes mesmo da realização das reuniões do grupo. Uma outra utilidade para esta ferramenta pode ser a aprovação de textos já discutidos pelo grupo mas pendentes de pequenas alterações. Fale conosco ( ) Nesta seção será apresentada uma lista de assuntos, que estarão associados a diferentes endereços eletrônicos, através dos quais o público poderá fazer contato com as diversas instâncias do Mercosul podendo optar por idioma e país. O sistema deverá ter mecanismos para controlar o atendimento destas solicitações. Livro de visitante Espaço reservado à livre manifestação dos usuários do sistema mas com possibilidade de divulgação das mensagens registradas. A divulgação só será realizada com prévia autorização do seu emitente que deverá fornecer dados para sua identificação. O Fale Conosco é uma alternativa a esta seção, se incluir uma autorização para publicação do seu conteúdo. 9

10 Enquete É um mecanismo de consulta aos usuários, com apuração instantânea, que permite colocar em votação algum tema polêmico de interesse da comunidade Informações e serviços prestados pelo site Serviço de buscas e de fornecimento de informação Através deste serviço, um usuário qualquer do SIAM poderá localizar informação no nó central do sistema ou em qualquer dos nós nacionais. As buscas serão feitas de 2 forma: a primeira, diretamente nas páginas e bancos de dados padronizados em todos os nós; a segunda, independentemente de padronizações, utilizando os serviços locais de busca, desde que existentes. Neste segundo caso, não importam nem a diversidade de formatos nem o ambiente operacional. Um metabuscador interno ao sistema acionará as buscas locais e editará os resultados para o solicitante. Como critérios para estas buscas, pode-se sugerir os seguintes: país, tema, data de inserção no sistema. Mais uma vez, vale reforçar a idéia de que o bom resultado de uma busca depende da boa classificação dos objetos a ela sujeitos. Este deve ser um tema de debate nesta etapa do projeto, mas deve continuar sendo após a implantação do sistema, no seu Comitê Político. Sistemas de classificação são sugeridos no anexo 2. Cadastro de usuários Este recurso permite que sejam cadastrados no sistema os usuários que assim o desejarem, associando seu nome aos temas de seu interesse. Como tudo que é referenciado pelo sistema também está classificado segundo a mesma estrutura de temas, o sistema poderá automaticamente advertir estes usuários, através de mensagens eletrônicas, sobre a inserção de alguma matéria nova dentro de seus interesses. Estas mensagens podem ser enviadas a cada ocorrência ou em informes periódicos (digests) conforme o desejo do usuário. Outra sugestão para esta seção é a abertura dos dados dos membros desta lista a todos os demais nela cadastrados, desde que com a concordância de cada um, para que venham a trocar mensagens entre si e, assim, constituírem uma comunidade de interesse. 10

11 Agenda de eventos Esta seção exibirá uma relação dos eventos de importância para a área ambiental no âmbito do Mercosul, destacando aqueles referentes ao SGT-6. Os dados aqui mostrados serão originados tanto nos países membros do Acordo como pela equipe gestora do SIAM. Como nas demais seções, cada evento será previamente classificado segundo a estrutura de temas adotada o que permitirá ao usuário selecionar aqueles do seu interesse. Um texto de introdução poderá ser inserido nesta seção. Feriados locais poderão constar como conteúdo desta seção. Fundos e fontes de financiamento Como esta é uma informação preciosa para os usuários deste sistema e, de uma forma geral, não se trata de uma informação dos países, aparece aqui destacada em busca de um melhor enquadramento. Esta seção apresenta os dados de um banco de dados preenchido pela equipe operadora do site, com referências comentadas e links para as entidades, bem como, sempre que possível, indicações sobre como obter o financiamento Informação dos países parte do Acordo Legislação Nesta seção estarão relacionadas as fontes de referência para consultas a matérias jurídicas disponíveis ou em vias de disponibilização nos países membros. Estas fontes devem fazer referência a normas, leis, decretos, regulamentos, procedimentos, políticas, práticas ambientais, jurisprudência, acordos, convênios e convenções e devem ser precedidas de texto com apresentação e comentários. Já existem bancos de dados desta natureza nos 4 países e devem ser realizados esforços no sentido de se obter alguma padronização nos bancos de dados locais. Promoção da gestão ambiental Esta seção mostrará uma seleção de planos, programas e projetos ambientais e de desenvolvimento sustentável, associados às instituições executantes, financiadoras, aos temas que abordam e ao tempo em que são realizados. Caso o projeto tenha uma página própria, uma referência a ela também será mostrada. 11

12 Instituições Esta seção mostrará uma seleção de instituições organizadas em bancos de dados por cada um dos países, contendo o perfil (especialidade/ responsabilidade) e a localização (weg-page, , telefones, endereços) das instituições atuantes na área ambiental no âmbito do Mercosul. Pode-se sugerir que também façam parte do banco de dados seus dirigentes, membros de comissões, consultores, pesquisadores, etc. Neste caso, deve-se discutir como será realizado o controle sobre estes dados. Informação bibliográfica e documental Esta talvez seja uma das fontes mais ricas e de maior diversidade de informação. Sob este título se abrigam dados nos mais variados formatos (estudos, projetos, teses, monografias, artigos publicados, livros, periódicos) e suportes midiáticos (papel, CD, fita, disquetes, etc.). Há, nos 4 países, importantes bases de dados voltadas aos temas ambientais. Estas bases devem ser avaliadas e referenciadas nesta seção. Dados geográficos Como tem ocorrido em todo o mundo, os países do Acordo do Mercosul estão empenhados na produção de dados geográficos. Laboratórios com equipamentos e softwares para a produção de sistemas de informação geográficos (SIG) estão sendo instalados e colocados à disposição das instituições ambientais que, com isso, tenderão a aumentar sua produção de dados geográficos. É perceptível também o surgimento de clearinghouses, uma espécie de sistema para promover o intercâmbio de informação geográfica entre instituições que atuam num mesmo espaço físico mas em diferentes especialidades. A Agência Nacional de Águas do Brasil promove um esforço neste sentido, da mesma forma que a Comissão Administradora do Rio da Prata, num projeto binacional (Argentina e Uruguai). Esta é outra rica fonte de dados sobre o território do Mercosul e, como tal, deve ter suas referências registradas nesta seção do SIAM. Comércio e Meio Ambiente Indústria e Meio Ambiente Nos 2 casos, restrições ambientais balizam a ação de empresários e investidores. Esta seção se encarregará de colecionar informação relativa ao tema de modo a servir de orientação aos que desejam investir e negociar no Mercosul. 12

13 Links de interesse Esta seção se baseará em um banco de dados, alimentado pelos países membros, contendo referências comentadas a outros websites supostamente interessantes aos usuários do SIAM. Como exemplo, podemos citar os sites de outros blocos comerciais do mundo, como acontece na página atualmente, em especial de suas áreas ambientais. O esforço de sugerir seções com matérias de interesse a um sistema como o que ora estamos planejando não se encerra nesta fase inicial do projeto. Na solução que está sendo proposta, novas seções poderão estar sendo criadas a cada momento desde que contenham informação de interesse deste coletivo. Nesta proposta, o esforço para a criação de novas seções, referentes a novos assuntos, não será constrangido por questões de ordem técnica como, por exemplo, a programação das web-pages. A criação de novas seções se realizará através do mero preenchimento de um formulário on-line. 3. Organização necessária ao funcionamento do SIAM Para que um sistema desta natureza seja sustentável, para que garanta sua existência ao longo do tempo de forma renovada, alguns requisitos são necessários: apoio humano e apoio material. O apoio humano pode ser traduzido em 3 instâncias de organizações: Um Comitê Político reunindo periodicamente representantes de todos os países; Grupos Executivos, para realizar as tarefas do dia a dia em cada um dos países; e uma Equipe Operadora, responsável pelo nó central do sistema. Comitê Político Por ser um sistema multinacional, por estar vinculado a uma entidade política e por conter uma grande variedade de assuntos, polêmicos por natureza, a orientação da editoria do seu conteúdo deve ser dada por um coletivo formado por representantes das mesmas bases que formam o Subgrupo do Meio Ambiente do Mercosul. Um elemento de cada país poderia formar este comitê que se responsabilizaria por 1 : 1 A listagem de responsabilidades funcionais está baseada na Resolução de criação do SIAN (Sistema de Informação Ambiental Nacional) e da UCASI, seu organismo coordenador, editada pela Secretaria de Recursos Naturais e de Desenvolvimento Sustentável, em Buenos Aires, junho de

14 Definir as prioridades do SIAM Elaborar suas normas de funcionamento Coordenar as atividades dos Grupos Executivos em cada país Controlar a qualidade da informação incorporada ao sistema Identificar os vazios de informação com o intuito de providenciar ações para corrigir estas deficiências Articular as atividades do SIAM de modo que se alinhem com os objetivos e compromissos do Mercosul Estabelecer orientações quanto à atualização de recursos técnicos e humanos. Providenciar financiamento para as necessidades operacionais do SIAM. Grupos Executivos Deverá haver um em cada país, com a responsabilidade de: Prover o SIAM com os dados de seu país necessários aos bancos de dados relativos aos temas definidos como prioritários pelo Comitê Político. Prover o sistema de informação ambiental relativo ao seu país das modificações necessárias à adoção dos padrões estabelecidos pelo SIAM. Grupo Operador do SIAM A proposta ora apresentada, tal como está concebida, reúne no SIAM um conteúdo temático variado e dinâmico, dirigido a um público também variado e, pelo menos nos momentos iniciais da existência do sistema, pouco conhecido. Para comunicar este conteúdo ao seu público alvo, o SIAM deve passar por um tratamento editorial permanente. Os dados que alimentam o sistema serão providos por meio dos nós nacionais. Acompanhando este movimento, os textos preparados para o nó central devem estar em permanente mudança no sentido de apresentar os novos conteúdos ao público a que se destina. Um editor de conteúdo deve assumir esta tarefa. Complementando este trabalho, a mesma pessoa terá ainda sob sua responsabilidade a interação com o público. Deverá responder - ou encaminhar para que outros respondam - s, animar listas de discussão, promover enquetes, distribuir senhas de acesso para as seções reservadas do sistema e, ainda, controlar a qualidade das novas inserções de conteúdo no sistema. Um segundo perfil profissional, mais técnico, será necessário ao bom funcionamento do sistema. A definição deste perfil, no entanto, depende da que será dada à forma de hospedagem do sistema. Como será explicado mais adiante 14

15 (ver 4.3.), há várias modalidades de hospedagem para sistemas na internet. As alternativas variam desde a hospedagem em local e máquina próprios, o que demandaria uma equipe técnica preparada para dar o necessário suporte operacional, até a hospedagem na modalidade de aluguel de espaço em máquina de terceiros (em provedores de acesso ou em Internet Data Centers), onde todo o suporte técnico é suprido pelo contratado, dispensando o proprietário do site de qualquer preocupação neste sentido. 4. Pontos para discussão e decisão 4.1. Domínios: O sistema central assumirá o domínio na versão em português ou na versão em espanhol. No momento, estes domínios principais (www.mercosul.org e estão tomados por um pirata norte-americano mas, segundo informação da SAM, uma ação está sendo movida, em foro competente, para a retomada dos mesmos. Enquanto isso não acontece, em cada um dos países parte do Acordo poderão ser criados domínios semelhantes, com a extensão local, como, por exemplo, o que hoje guarda a página principal do Mercosul (www.mercosur.org.uy) que, acompanhado do complemento /medioambiente ou /meioambiente, atenderia bem às necessidades de localização deste sistema e certamente atenderá as de outras áreas do Mercosul quando fizerem seus próprios portais. Assim, seriam os seguintes os domínios locais cujos registros devem ser providenciados com toda a urgência: O endereço relativo ao Uruguai (www.mercosur.org.uy) já está em funcionamento. O domínio argentino já está ocupado por pirata. Cada um destes novos domínios deve apontar para a página oficial do Mercosul, aquela que está sob o endereço uruguaio, onde os complementos /meioambiente ou /medioambiente levariam ao SIAM. Outros caminhos conduzirão o usuário ao SIAM. Além dos tradicionais buscadores (Yahoo, Altavista, Google, Cadê, etc...) uma boa sugestão é pedir contrapartida aos sites referenciados no sistema: cada um deles também referenciaria o SIAM através de um link na forma de um botão com o logo do Mercosul. 15

16 4.2. Localização do sistema: Durante as visitas realizadas aos países na fase de levantamento de dados para este relatório, uma questão recorrente, mencionada por todos, foi a que se refere a quem terá a hospedagem do nó central do sistema. Para efeito deste relatório, as recomendações que podem ser feitas são as seguintes: como o sistema está ambientado na internet e somente através dela se darão suas entradas e saídas de dados, o SIAM poderá estar localizado em qualquer ponto do planeta que apresente conexão de qualidade com a internet. Independentemente da localização física do sistema informático, o grupo operador do SIAM deverá ter residência fixa em algum dos endereços que hoje formam o Mercosul. Qualquer endereço é igualmente candidato. No entanto, se pensarmos que: o SGT-6 é apenas um dos subgrupos de trabalho, os demais subgrupos poderão ter também uma publicação semelhante à que ora estamos propondo para a área ambiental do Acordo, e com isso poder-se-á produzir escala para obter economia de recursos informáticos e humanos, então a SAM, com sede em Montevidéu, passa a ser uma forte candidata para a hospedagem do grupo operador do sistema Alternativas para a hospedagem do sistema: Há várias alternativas de se manter um site exposto na internet. O tipo e o tamanho de site, o tipo de consulta que faz seu visitante, o volume do seu movimento, o tipo de informação que guarda, além do orçamento disponível, são alguns dos fatores que importam na decisão quanto à forma de hospedagem. Somente como ilustração, podemos comparar, de um lado, as necessidades de um site de um grande banco comercial, com todas as contas correntes on-line, à disposição dos seus titulares, e, de outro, um folder on-line de uma instituição que deseja divulgar os seus serviços. Questões como afluência de visitantes (que implica em tempo de atendimento), segurança do acesso, continuidade de operação, entre outras, são muito mais críticas no primeiro caso. Outros fatores também entram nestas considerações. Para estar na internet, o site precisa ser instalado num servidor e este servidor deve estar conectado à rede com todas as proteções necessárias a este ambiente operacional. Estas proteções se dão em nível de hardware, de software e de pessoal. Estas 3 instâncias devem estar permanentemente sendo atualizadas para que a qualidade da hospedagem não se deteriore. Este esforço de atualização tem um custo nem sempre compatível com os orçamentos disponíveis. No caso deste estudo, como estamos 16

17 considerando um horizonte de 18 meses para o orçamento operacional do SIAM (24 meses incluindo o desenvolvimento do sistema), este custo de atualização fica oculto. Certamente, ao cabo de 24 meses de operação estas atualizações deveriam estar sendo consideradas. Por todas estas razões, o mercado tem apresentado, nestes tempos, diversas novas alternativas de hospedagem de sites, compatíveis com todas as necessidades e orçamentos. Abaixo resumimos e comentamos 4 níveis de solução que devem subsidiar as discussões esperadas no taller. Para favorecer comparações, vamos considerar os seguintes dados: Custo de um servidor para internet: Foi considerado o modelo Power Edge 1400 da Dell, com processador de 1 GB, memória de 512 MB, 2 HD de 18 GB e Windows 2000 Server US$ Software Backoffice 2000 Server, incluindo SQL-Server, quantidade de usuários ilimitada US$ Custo mensal de um técnico para suporte às operações do servidor: US$ Alternativa 1: utilização das instalações já disponíveis hoje junto à administração governamental dos países membros do Acordo. Neste caso, 2 países seriam candidatos a hospedar o SIAM: em ordem alfabética, Argentina e Brasil. O SIAM teria residência junto aos sistemas ambientais destes países e o custo desta hospedagem estaria restrito à compra do hardware e do software para o servidor. Custo estimado: Recurso Tempo (meses) Valor unitário (US$) Valor total (US$) hospedagem Apoio técnico Servidor 2 x Total Alternativa 2: construção de um local para hospedagem própria. Esta hipótese só é levada em consideração pelo fato da SAM, em Montevidéu, já ter planos para sediar o Sistema de Controle de Automóveis, um projeto financiado pela União Européia com prazo de implantação para o próximo ano, e que implica, entre outras providências, na preparação do edifício onde está instalada para ser 17

18 provedor internet. Da mesma forma que na alternativa 1, o SIAM tiraria proveito destas instalações, precisando apenas comprar hardware e software para o seu próprio servidor além de ter que contratar um técnico para apoio às operações. Custo estimado (situação mais desfavorável): Recurso Tempo (meses) Valor unitário (US$) Valor total (US$) hospedagem Apoio técnico Servidor 2 x Total Alternativa 3: usar as instalações de um provedor de acesso privado. É o que já faz hoje o Paraguai e o Uruguai com suas próprias páginas ambientais. Há 2 sub-alternativas: usando um servidor próprio ou alugando espaço no servidor do provedor escolhido. No Brasil, para hospedar um servidor próprio nesta modalidade, o custo mensal aproximado é de US$ 500,00, além do custo do servidor propriamente dito (hardware + software). Para simplesmente alugar espaço no servidor do provedor, o custo é bem menor. O técnico de apoio às operações é necessário neste caso. Custo estimado (situação mais desfavorável): Recurso Tempo (meses) Valor unitário (US$) Valor total (US$) hospedagem Apoio técnico Total Alternativa 4: utilizar os serviços de um IDC (Internet Data Center). Esta alternativa é semelhante à alternativa 3, mas com diferenças de qualidade. As empresas que prestam este tipo de serviço assumem para si responsabilidades técnicas quanto à administração e atualização do servidor e dos recursos de comunicação, liberando o cliente destas preocupações (incluindo a propriedade) e responsabilidades. Há 3 níveis de serviço nesta modalidade: com servidor próprio (e exclusivo), com servidor alugado e exclusivo e com servidor alugado e compartilhado com outros sites. Nos 2 18

19 últimos casos, o serviço de hospedagem inclui a atualização do hardware e do software do servidor. Nos 3 casos, cabe ao prestador do serviço toda a responsabilidade quanto à segurança e a manutenção do site em serviço (24 horas, 7 dias por semana). No caso do SIAM, seria prescindível a figura do técnico na equipe operadora do sistema No Brasil, este tipo de serviço custa cerca de US$ mensais no caso mais caro (aluguel de servidor exclusivo) e US$ 250 mensais no caso de aluguel de 500 MB em servidor compartilhado. Para um orçamento mais preciso, são necessários dados mais acurados sobre o sistema, que serão melhor conhecidos na etapa de Projeto Detalhado. Custo estimado (situação mais desfavorável): Recurso Tempo (meses) Valor unitário (US$) Valor total (US$) hospedagem Apoio técnico Servidor 0 0 Total Treinamento: em (conceitos e programação) internet Neste ponto do desenvolvimento do projeto, a idéia de treinamento está associada a 2 temas: operação do SIAM e desenvolvimento para internet. Quando o SIAM estiver pronto para ser utilizado, seus operadores nos nós dos países e no nó central terão que ser treinados para a correta utilização do sistema. Estimo que este treinamento possa ser realizado em 1 ou 2 dias em cada local. Mas o momento da instalação do SIAM é também uma boa oportunidade para se oferecer aos grupos executivos em cada país treinamento em desenvolvimento para internet. Neste caso, como cada país tem diferentes necessidades de treinamento, este tópico se reúne aos demais para discussão e decisão durante o taller. Apenas como consideração para elaboração de um orçamento, vamos considerar o custo de 1 semana (40 horas a US$ 50/hora) em cada local como base para as estimativas, sem considerar o custo de viagens (o instrutor será local). Custo estimado: US$ 8.000,00 19

20 4.5. Mobilização dos grupos executivos Dentro da organização proposta, os grupos executivos são formados pelo pessoal local de cada país voltado para a alimentação dos dados do sistema. Da efetiva participação destes grupos depende o sucesso do SIAM. Durante as visitas realizadas na etapa de levantamento de dados, eram evidentes as dificuldades enfrentadas em cada país com a escassez de pessoal especializado. A questão que se deve discutir neste ponto diz respeito ao nível de financiamento eventualmente necessário para que seja possível mobilizar pessoal para a execução das tarefas previstas para o grupo executivo Como classificar o conteúdo do SIAM? Como já foi mencionado anteriormente quando da apresentação da seção de buscas, um dos primeiros assuntos que deveria constar na pauta de discussão do Comitê Político diz respeito ao sistema de classificação dos objetos a serem referenciados pelo SIAM. Não encontramos, até o momento, alguma fonte que possa ser adotada sem restrições. Pelo contrário, encontramos diversas fontes, utilizadas para diferentes fins, cuja comparação merece uma abordagem mais cuidadosa. A Comunidade Européia, com a participação do Ministério do Meio Ambiente Espanhol, está preparando um tesauro em língua espanhola. O SIAN argentino utiliza um vocabulário controlado próprio. O Acordo de Florianópolis propôs uma estrutura para uso do Mercosul. O CEPIS (Centro Panamericano de Engenharia Sanitária e Ciências do Ambiente) desenvolveu e oferece uma estrutura para classificações em temas ambientais, de todas a mais completa. Uma estrutura resultante destes esforços e de um processo de discussão interno ao SGT-6 deve ser acordada para que se possa padronizar ou adotar um sistema classificatório para os objetos ambientais no âmbito do SIAM. O anexo 2 contém o material levantado. 5. Recomendações Para que um portal como o que se projeta para o SIAM seja bem sucedido, é necessário que os temas por ele cobertos estejam fartamente disponíveis em sites internet. Grande parte dos temas ambientais objeto do SIAM estão sob a forma de informação geográfica em mapas, fotos, imagens aéreas. Vários laboratórios para produção e tratamento deste tipo de informação estão instalados ou em instalação em todos os países do Mercosul. A produção destas informações é cara e seu uso pode ser compartilhado por inúmeras entidades ambientais. Para favorecer o intercâmbio destas informações entre diferentes entidades, está surgindo um novo tipo de sistema, classificado pela denominação de clearinghouse. Estes sistemas contêm referências padronizadas aos documentos e arquivos informatizados onde estão localizadas estas informações além de um serviço de buscas para que 20

TERMO DE REFERÊNCIA 1. ANTECEDENTES:

TERMO DE REFERÊNCIA 1. ANTECEDENTES: TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA OU PROFISSIONAL CONSULTOR PARA O DESENHO, HABILITAÇÃO E MANUTENÇÃO DO PORTAL NA WEB DO INSTITUTO SOCIAL DO MERCOSUL. 1. ANTECEDENTES: Atualmente o site do Instituto

Leia mais

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL A nossa meta é envolver alunos e professores num processo de capacitação no uso de ferramentas tecnológicas. Para isto, mostraremos ao professor como trabalhar as suas disciplinas (matemática, português,

Leia mais

MANUAL DE COMUNICAÇÃO DA EEFEUSP

MANUAL DE COMUNICAÇÃO DA EEFEUSP MANUAL DE COMUNICAÇÃO DA EEFEUSP 1. Introdução A Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo (EEFEUSP) é uma instituição pública de ensino superior, integrante da Universidade de São

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA SECOM-PR N o 8 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014 Disciplina a implantação e a gestão da Identidade Padrão de Comunicação Digital das

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL

CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL Considerações Gerais Para comemorar os cinco anos do Programa de Regionalização

Leia mais

PROGRAMA DE TRABALHO DA REUNIÃO ESPECIALIZADA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MERCOSUL (RECYT) JUNHO DE 2000 MAIO DE 2002

PROGRAMA DE TRABALHO DA REUNIÃO ESPECIALIZADA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MERCOSUL (RECYT) JUNHO DE 2000 MAIO DE 2002 MERCOSUL/GMC/RES Nº 34/00 PROGRAMA DE TRABALHO DA REUNIÃO ESPECIALIZADA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MERCOSUL (RECYT) JUNHO DE 2000 MAIO DE 2002 TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

Intranet Embrapa. Princípios e conceitos

Intranet Embrapa. Princípios e conceitos Intranet Embrapa Princípios e conceitos Brasília, 9 de setembro de 2014 2 1. Apresentação O projeto de uma Nova Intranet para a Embrapa teve início em julho de 2012, com o diagnóstico das Intranets das

Leia mais

PLANO OPERACIONAL ANUAL E ORÇAMENTO DETALHADO 2013

PLANO OPERACIONAL ANUAL E ORÇAMENTO DETALHADO 2013 PLANO OPERACIONAL ANUAL E ORÇAMENTO DETALHADO 2013 1 Composição Orçamentária ISAGS - 2013 (*) Natureza Valor anual (US$) Percentual Projetos 42,6% 1.001.200,00 Pessoal 37,9% 892.958,00 Gastos Operacionais

Leia mais

8º SALÃO DE TURISMO DO ESPÍRITO SANTO E 3º SALÃO DE ARTESANATO DO ESPÍRITO SANTO.

8º SALÃO DE TURISMO DO ESPÍRITO SANTO E 3º SALÃO DE ARTESANATO DO ESPÍRITO SANTO. 1 APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL 8º SALÃO DE TURISMO DO ESPÍRITO SANTO E 3º SALÃO DE ARTESANATO DO ESPÍRITO SANTO.

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) SITE - DRS

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) SITE - DRS INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) SITE - DRS 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria em serviços na área de tecnologia da informação, para o desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto Acordo de Empréstimo BIRD - Nº 7841-BR PROJETO

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 520/CDOC.SEJUD.GP, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2010.

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 520/CDOC.SEJUD.GP, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2010. TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 520/CDOC.SEJUD.GP, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2010. Dispõe sobre os procedimentos para publicação de documentos na Biblioteca Digital do Tribunal Superior do Trabalho

Leia mais

Thursday, October 18, 12

Thursday, October 18, 12 O Site Legado do IFP é uma comunidade online e global dos ex-bolsistas do programa. É um recurso e um lugar para você publicar notícias profissionais, recursos e teses para a comunidade global do IFP,

Leia mais

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 PROCEDIMENTOS COMUNS E CONTEÚDO MÍNIMO DE RELATÓRIOS DE INSPEÇÃO NOS ESTABELECIMENTOS FARMACÊUTICOS NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 16/09)

Leia mais

Edital FAPESB/SECTI/SECOMP/SEBRAE/IEL/REDE SOCIAL 001/2006 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA O PROGRAMA BAHIA INOVAÇÃO - EMPREENDEDOR SOCIAL -

Edital FAPESB/SECTI/SECOMP/SEBRAE/IEL/REDE SOCIAL 001/2006 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA O PROGRAMA BAHIA INOVAÇÃO - EMPREENDEDOR SOCIAL - Edital FAPESB/SECTI/SECOMP/SEBRAE/IEL/REDE SOCIAL 001/2006 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA O PROGRAMA BAHIA INOVAÇÃO - EMPREENDEDOR SOCIAL - A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia FAPESB e a Secretaria

Leia mais

M I N U T A REGULAMENTO DO FUNDO MERCOSUL CULTURAL

M I N U T A REGULAMENTO DO FUNDO MERCOSUL CULTURAL M I N U T A REGULAMENTO DO FUNDO MERCOSUL CULTURAL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Decisão nº 38/10 do Conselho do Mercado Comum; CONSIDERANDO: Que o CMC, pela Decisão

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 33/2012 Autoriza a criação do Comitê de Gestão e Tecnologia da Informação (CGTI), da Universidade Federal da

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

Institui, no âmbito do Programa de Pesquisa em Biodiversidade - PPBio, a Política de Dados.

Institui, no âmbito do Programa de Pesquisa em Biodiversidade - PPBio, a Política de Dados. PORTARIA Nº 693, DE 20 DE AGOSTO DE 2009 Institui, no âmbito do Programa de Pesquisa em Biodiversidade - PPBio, a Política de Dados. O MINISTRO DE ESTADO DA CIÊNCIA E TENOLOGIA, no uso de suas atribuições

Leia mais

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA Manual do Usuário Título SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA

Leia mais

Ata da Reunião. 1. Criação do Site em um servidor de uma EFS, com conexões das demais EFS através da Internet.

Ata da Reunião. 1. Criação do Site em um servidor de uma EFS, com conexões das demais EFS através da Internet. 1º Reunião Técnica entre as Entidades Fiscalizadoras Superiores do Mercosul e a Contraloría General de la República de Bolivia, sobre a criação da Intranet do Mercosul Ata da Reunião Nos dias 04 e 05 de

Leia mais

Documentos produzidos pelo Prossiga

Documentos produzidos pelo Prossiga Documentos produzidos pelo Prossiga CHASTINET, Yone. Prossiga: Programa de Trabalho para o exercício do 2º semestre de 1999 e 1º semestre de 2000. Rio de Janeiro, p.1-20, maio 1999. (MCT/CNPq/Prossiga

Leia mais

Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos

Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos Conselho Nacional de Arquivos Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos Orientação Técnica n.º 1 Abril / 2011 Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos Este documento tem por objetivo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONOMICO E EMPREGO CENTRO DE INOVAÇÃO E ACELERAÇÃO DE EMPRESAS DE PALMAS - CIAP

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONOMICO E EMPREGO CENTRO DE INOVAÇÃO E ACELERAÇÃO DE EMPRESAS DE PALMAS - CIAP PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONOMICO E EMPREGO CENTRO DE INOVAÇÃO E ACELERAÇÃO DE EMPRESAS DE PALMAS - CIAP Palmas TO Ciap CENTRO DE INOVAÇÃO E ACELERAÇÃO DE EMPRESAS

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM HOSPEDAGEM DE DOMÍNIO

UM NOVO CONCEITO EM HOSPEDAGEM DE DOMÍNIO www.origy.com.br UM NOVO CONCEITO EM HOSPEDAGEM DE DOMÍNIO CARACTERÍSTICAS: E-MAIL IMAP * Acesso simultâneo e centralizado, via aplicativo, webmail e celular/smartphone * Alta capacidade de armazenamento

Leia mais

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Aprovado por: Diretoria de Informação Institucional 1 OBJETIVO Definir e padronizar os procedimentos referentes

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 31/13, de 21/08/13. CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este regulamento dispõe especificamente do Núcleo de Informática

Leia mais

Manual do Ambiente Virtual Moodle

Manual do Ambiente Virtual Moodle Manual do Ambiente Virtual Moodle versão 0.3 Prof. Cristiano Costa Argemon Vieira Prof. Hercules da Costa Sandim Outubro de 2010 Capítulo 1 Primeiros Passos 1.1 Acessando o Ambiente Acesse o Ambiente Virtual

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário do Portal Ypadê Balaio Digital Tecnologia em Gestão Ltda ME. Manual do Usuário Portal Ypadê

Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário do Portal Ypadê Balaio Digital Tecnologia em Gestão Ltda ME. Manual do Usuário Portal Ypadê Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário Portal Ypadê Montes Claros, 16 de Julho de 2011 Revisão 3 Sumário 1. Apresentação do portal e escopo deste documento... 2 2. Acessando o Portal Ypadê...

Leia mais

Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes)

Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes) Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes) 1. Sobre o Microsoft Dynamics CRM - O Microsoft Dynamics CRM permite criar e manter facilmente uma visão clara dos clientes,

Leia mais

COMO SE ASSOCIAR 2014

COMO SE ASSOCIAR 2014 2014 QUEM SOMOS FUNDADO EM 2004, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA, QUE SE DEDICA À PROMOÇÃO

Leia mais

Portfolio de Produtos

Portfolio de Produtos Introdução O Guia de Produtos e Serviços da Assessoria de Comunicação (ASCOM) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) foi elaborado com o objetivo de apresentar os produtos e serviços prestados

Leia mais

1ª Fase: Período de Transição 1991 a 1994. Incorporação do tema Seguros: recomenda a criação de uma comissão

1ª Fase: Período de Transição 1991 a 1994. Incorporação do tema Seguros: recomenda a criação de uma comissão 1ª Fase: Período de Transição 1991 a 1994 Assunto: Seguros III ata Análise da atividade seguradora IV ata Incorporação do tema Seguros: recomenda a criação de uma comissão V ata Analise comparativa da

Leia mais

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil Após um mais de ano de trabalho e experiências adquiridas a CRIC apresenta à diretoria regional as diretrizes que regem

Leia mais

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Grupo PETRA S.A. Departamento de Tecnologia da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Início da Vigência: 01/Maio/2010 Propriedade do Grupo PETRA S.A. 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado

Leia mais

Guia para produção de conteúdo

Guia para produção de conteúdo Guia para produção de conteúdo www.pinheirospirapora.org.br Abril de 2008 Projeto Fortalecimento Institucional do Sub Comitê Pinheiros Pirapora Texto 5 Elementos Cybermind Oficina 5 Elementos Financiamento

Leia mais

4. O QUANDO QUISER não possui qualquer responsabilidade pelo CONTEÚDO existente no SITE do ANUNCIANTE;

4. O QUANDO QUISER não possui qualquer responsabilidade pelo CONTEÚDO existente no SITE do ANUNCIANTE; TERMO DE USO DO QUANDO QUISER O presente TERMO DE USO regula as condições gerais de uso dos serviços oferecidos pelo QUANDO QUISER (www.quandoquiser.com.br), da empresa N. O. S. SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

ACORDO SOBRE O PROJETO DE FOMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL E PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

ACORDO SOBRE O PROJETO DE FOMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL E PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 03/02 ACORDO SOBRE O PROJETO DE FOMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL E PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a

Leia mais

Sumário. Antecedentes legais. Atividades relevantes. O que é o SIGAP. Estrutura simplificada do SIGAP. Principais benefícios

Sumário. Antecedentes legais. Atividades relevantes. O que é o SIGAP. Estrutura simplificada do SIGAP. Principais benefícios Sumário Antecedentes legais Atividades relevantes O que é o SIGAP Relevância do SIGAP para o acompanhamento de projetos Estrutura simplificada do SIGAP Principais benefícios Atividades em desenvolvimento

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

Edital do Concurso para Preenchimento de Cargos no Instituto Social do MERCOSUL (ISM), na Cidade de Assunção, República do Paraguai.

Edital do Concurso para Preenchimento de Cargos no Instituto Social do MERCOSUL (ISM), na Cidade de Assunção, República do Paraguai. Edital do Concurso para Preenchimento de Cargos no Instituto Social do MERCOSUL (ISM), na Cidade de Assunção, República do Paraguai. O Instituto Social do MERCOSUL (ISM) é um órgão técnico de pesquisa

Leia mais

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-015-R00

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-015-R00 MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-015-R00 PLANEJAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO ORÇAMENTO DA SIA 07/2013 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 Brasília, 29 de julho de 2013. Aprovado, Fabio Faizi Rahnemay Rabbani

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

Relato da Iniciativa

Relato da Iniciativa 1 Relato da Iniciativa 5.1 Nome da iniciativa ou projeto Novo portal institucional da Prefeitura de Vitória (www.vitoria.es.gov.br) 5.2 Caracterização da situação anterior A Prefeitura de Vitória está

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

Guia de Inicialização para o Windows

Guia de Inicialização para o Windows Intralinks VIA Versão 2.0 Guia de Inicialização para o Windows Suporte 24/7/365 da Intralinks EUA: +1 212 543 7800 Reino Unido: +44 (0) 20 7623 8500 Consulte a página de logon da Intralinks para obter

Leia mais

DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008

DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008 DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008 Publicado no Jornal Correio Paranaense Em, 04.06.2008 Dispõe sobre a Estrutura Regimental da Secretaria Municipal de Governo. O Prefeito Municipal de São José dos

Leia mais

ESTRUTURA PARA PORTAIS ELETRÔNICOS MUNICIPAIS

ESTRUTURA PARA PORTAIS ELETRÔNICOS MUNICIPAIS ESTRUTURA PARA PORTAIS ELETRÔNICOS MUNICIPAIS 1. Apresentação Os sites e sistemas web desenvolvidos pela Dynamika apresentam um conjunto de critérios de desenvolvimento que visam entregar o projeto de

Leia mais

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Índice Como acessar o Moodle Editando seu PERFIL Editando o curso / disciplina no Moodle Incluindo Recursos

Leia mais

CIH01. Comunicação de Internação Hospitar. Manual de Instalação e Administração. Versão do produto: 4.0.1.1. Edição do documento: 1.

CIH01. Comunicação de Internação Hospitar. Manual de Instalação e Administração. Versão do produto: 4.0.1.1. Edição do documento: 1. CIH01 Comunicação de Internação Hospitar Manual de Instalação e Administração Versão do produto: 4.0.1.1 Edição do documento: 1.0 Agosto de 2008 MS - SE - DATASUS CIH01 Comunicação de Internação Hospitar

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE INSPETORES EM BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E CONTROLE PARA A INDÚSTRIA DE PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL, COSMÉTICOS E PERFUMES

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE INSPETORES EM BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E CONTROLE PARA A INDÚSTRIA DE PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL, COSMÉTICOS E PERFUMES MERCOSUL/GMC/RES. Nº 47/99 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE INSPETORES EM BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E CONTROLE PARA A INDÚSTRIA DE PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL, COSMÉTICOS E PERFUMES TENDO EM VISTA: O Tratado

Leia mais

[SITE FÁCIL CDL MANUAL DO USUÁRIO]

[SITE FÁCIL CDL MANUAL DO USUÁRIO] Câmara de Dirigentes Lojistas [SITE FÁCIL CDL MANUAL DO USUÁRIO] Sumário 1. Controle de versão... 3 2. Objetivo... 4 3. Site fácil... 4 4. Acessando o sistema de gestão de conteúdo (SGC)... 5 5. Páginas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS SISTEMA DE BIBLIOTECAS BIBLIOTECA CENTRAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS SISTEMA DE BIBLIOTECAS BIBLIOTECA CENTRAL PROCEDIMENTO Nº 002/89-BC ASSUNTO: UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS SISTEMA DE BIBLIOTECAS BIBLIOTECA CENTRAL Regimento interno do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal de Alagoas UNIDADE INTERESSADA:

Leia mais

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Capes

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Capes Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Capes EDITAL Nº 1/2014 Chamada para Publicação Revista Brasileira de Pós-Graduação RBPG Edição Temática: A Cooperação Internacional e a Pós-Graduação

Leia mais

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada.

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada. II Reunião de Ministros de Meio Ambiente do MERCOSUL 8 de novembro de 2004, Brasília, Brasil Ata da Reunião nº 02/04 Realizou-se na cidade de Brasília, República Federativa do Brasil, no dia 8 de novembro

Leia mais

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO GUIA DO ALUNO Prezado(a) Aluno(a), O Guia do Aluno é um instrumento normativo que descreve os padrões de qualidade dos processos acadêmicos e administrativos necessários ao desenvolvimento dos cursos de

Leia mais

NR5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (205.000-5) DO OBJETIVO 5.1 A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho,

Leia mais

REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011)

REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011) REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011) CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E FINALIDADES Art.1º- Os Laboratórios

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 31, DE 23 DE MAIO DE 2013

Leia mais

Termo de Referência TdR Coordenador Técnico Geral

Termo de Referência TdR Coordenador Técnico Geral Termo de Referência TdR Coordenador Técnico Geral x Consultoria Capacitação Serviço Técnico Especializado PRAZO PARA ENTREGA DE PROPOSTAS: 25 DE JULHO DE 2014 EMAIL: redeh@redeh.org.br; thaisc@redeh.org.br

Leia mais

Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional

Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONSULTORIA COORDENADOR/A DE CAPACITAÇÃO 1. Antecedentes Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional O Projeto Cooperação Humanitária Internacional tem por objetivo o desenvolvimento

Leia mais

Modelo de comércio eletrônico livre

Modelo de comércio eletrônico livre 1/17 Modelo de comércio eletrônico livre Anarcovirus 2005 2/17 Quando o autor escreve um livro, não o faz sozinho. Seja aquilo que é escrito ou a forma de se colocar as palavras, as gravuras que escolhe,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2014

PLANO DE TRABALHO 2014 TRADUÇÃO DE CORTESIA PLANO DE TRABALHO 2014 O presente Plano de Trabalho do CEED para o ano 2014, que se apresenta para consideração e aprovação do Conselho Diretivo, contém a descrição e objetivos das

Leia mais

Contact Center CPqD. Operação. Manual do Cliente. Versão do produto: 1.0 Edição do documento: 3.0 Março de 2011

Contact Center CPqD. Operação. Manual do Cliente. Versão do produto: 1.0 Edição do documento: 3.0 Março de 2011 Contact Center CPqD Operação Manual do Cliente Versão do produto: 1.0 Edição do documento: 3.0 Março de 2011 Contact Center CPqD Operação Manual do Cliente Versão do produto: 1.0 Edição do documento: 3.0

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30 de junho de 2011, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 16 e pelo

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR. Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva

Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR. Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva http://teleduc.cefetmt.br Edição 2006/2 Curso de Especialização em Educação

Leia mais

Serviço Público Estadual GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Agricultura e Pecuária COMISSÃO DE PREGÃO BANCO MUNDIAL - BIRD

Serviço Público Estadual GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Agricultura e Pecuária COMISSÃO DE PREGÃO BANCO MUNDIAL - BIRD BANCO MUNDIAL - BIRD PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL EM MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS RIO RURAL EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO N.º 019/2013 PROCESSO N.º E-02/001/00583/2013 ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA MUNICIPAL OFICIAL PARA APRESENTAÇÃO DE INFORMAÇÕES QUANTO À GESTÃO DE RESÍDUOS EM SUAS FONTES GERADORAS - PLANO DE

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA MUNICIPAL OFICIAL PARA APRESENTAÇÃO DE INFORMAÇÕES QUANTO À GESTÃO DE RESÍDUOS EM SUAS FONTES GERADORAS - PLANO DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA MUNICIPAL OFICIAL PARA APRESENTAÇÃO DE INFORMAÇÕES QUANTO À GESTÃO DE RESÍDUOS EM SUAS FONTES GERADORAS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS ONLINE - Novembro de 2012 - Concurso

Leia mais

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3 DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA INFORMATIZADO PARA O CONTROLE DE PROCESSOS DA QUALIDADE NA DIRETORIA DE METROLOGIA CIENTÍFICA E INDUSTRIAL DIMCI/INMETRO. Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando

Leia mais

MERCOSUR IV REUNIÃO GRUPO AD HOC SOBRE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS

MERCOSUR IV REUNIÃO GRUPO AD HOC SOBRE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS MERCOSUR IV REUNIÃO GRUPO AD HOC SOBRE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS Brasil, 28 e 29 de agosto de 2006 MERCOSUL / SGT Nº 6 / ATA N. 2/06 IV REUNIÃO ORDINÁRIA DO GRUPO AD HOC SOBRE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

Aranda INVENTORY. Benefícios Estratégicos para sua Organização. (Standard & Plus Edition) Beneficios. Características V.2.0907

Aranda INVENTORY. Benefícios Estratégicos para sua Organização. (Standard & Plus Edition) Beneficios. Características V.2.0907 Uma ferramenta de inventario que automatiza o cadastro de ativos informáticos em detalhe e reporta qualquer troca de hardware ou software mediante a geração de alarmes. Beneficios Informação atualizada

Leia mais

PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS

PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS MERCOSUL/GMC/RES Nº 25/98 PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-003-R00 RELACIONAMENTO COM A IMPRENSA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-003-R00 RELACIONAMENTO COM A IMPRENSA MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-003-R00 RELACIONAMENTO COM A IMPRENSA 09/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 30 de setembro de 2015. Aprovado, Gabriela de Souza Leal 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM

Leia mais

UNESCO - PROJETO 914BRA1121 MEC 2007 SESU Edital nº SESu 001/2007

UNESCO - PROJETO 914BRA1121 MEC 2007 SESU Edital nº SESu 001/2007 ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA - UNESCO UNESCO - PROJETO 914BRA1121 MEC 2007 SESU Edital nº SESu 001/2007 Contrata Consultor na modalidade PRODUTO : Publicação de

Leia mais

ANEXO I SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES EM ECONOMIA SOLIDÁRIA (SIES) TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES EM ECONOMIA SOLIDÁRIA (SIES) TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES EM ECONOMIA SOLIDÁRIA (SIES) TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O Ministério do Trabalho e Emprego, por meio da Secretaria Nacional de Economia Solidária tem entre

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 44/2011 - BNDES ANEXO V MODELO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO DO BNDES

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 44/2011 - BNDES ANEXO V MODELO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO DO BNDES PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 44/2011 - BNDES ANEXO V MODELO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO DO BNDES 1 OBJETIVO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO 1.1 A Central de Atendimento do BNDES deverá atender aos seguintes objetivos:

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico O GCO é um sistema de controle de clínicas odontológicas, onde dentistas terão acesso a agendas, fichas de pacientes, controle de estoque,

Leia mais

Colegiado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Veterinárias

Colegiado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Veterinárias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS Colegiado do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

PLANEJAMENTO PARA SUSTENTABILIDADE

PLANEJAMENTO PARA SUSTENTABILIDADE HYDROAID Water for Development Management Institute PROGRAMA DE FORMAÇÃO NA MODALIDADE ENSINO A DISTÂNCIA CURSO TÉCNICO: PLANEJAMENTO PARA SUSTENTABILIDADE COMUNICADO Esta edição do curso Planejamento

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

NORMA CONTROLE DO PARQUE DE INFORMÁTICA

NORMA CONTROLE DO PARQUE DE INFORMÁTICA CONTROLE DO PARQUE DE INFORMÁTICA Data: 17 de dezembro de 2009 Pág. 1 de 13 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 1. INTRODUÇÃO 3 2. FINALIDADE 3 3. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 4. PADRONIZAÇÃO DOS RECURSOS DE T.I. 4 5. AQUISIÇÃO

Leia mais

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, a República Bolivariana

Leia mais

Política de Privacidade da Golden Táxi Transportes Executivo. Sua Privacidade Na Golden Táxi Transportes Executivo. acredita que, como nosso

Política de Privacidade da Golden Táxi Transportes Executivo. Sua Privacidade Na Golden Táxi Transportes Executivo. acredita que, como nosso Política de Privacidade da Golden Táxi Transportes Executivo. Sua Privacidade Na Golden Táxi Transportes Executivo. acredita que, como nosso visitante on-line, você tem o direito de saber as práticas que

Leia mais

PMBOK 4ª Edição I. Introdução

PMBOK 4ª Edição I. Introdução PMBOK 4ª Edição I Introdução 1 PMBOK 4ª Edição Um Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos Seção I A estrutura do gerenciamento de projetos 2 O que é o PMBOK? ( Project Management Body of Knowledge

Leia mais

1. Apresentação. 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social. 1.2. Engajamento na Iniciativa

1. Apresentação. 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social. 1.2. Engajamento na Iniciativa 1. Apresentação 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social A conexão Digital para o Desenvolvimento Social é uma iniciativa que abrange uma série de atividades desenvolvidas por ONGs em colaboração

Leia mais

SUB GRUPO DE TRABALHO N 1 COMUNICAÇÕES

SUB GRUPO DE TRABALHO N 1 COMUNICAÇÕES /CTRc (SGT-1)/Ata Nº 2/2012 XLIV Reunião da Entre os dias 29 e 30 de outubro de 2012, na cidade de Brasília, Distrito Federal, Brasil, se realizou a XLIV Reunião da com a finalidade de tratar das Pautas

Leia mais

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes NR-5 Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 Atribuições iniciais Criada em 1934 e regulamentada somente em 1978 juntamente com outras

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

ANEXO II - TERMO DE REFERÊNICA EDITAL Nº 05373/2009

ANEXO II - TERMO DE REFERÊNICA EDITAL Nº 05373/2009 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNICA EDITAL Nº 05373/2009 OBJETO: Contratação de serviços de desenvolvimento de software para criar o Website da Sudam, utilizando a linguagem de programação PHP, com o Banco

Leia mais

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local -

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local - Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher - Assistente Técnico Local - No âmbito do Programa Pará - Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial de Políticas para

Leia mais