UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ DANUBIA SANTANA NATALIA TEIXEIRA GUIMARÃES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ DANUBIA SANTANA NATALIA TEIXEIRA GUIMARÃES"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ DANUBIA SANTANA NATALIA TEIXEIRA GUIMARÃES INSTRUMENTO DE PESQUISA PARA SALÕES DE BELEZA: uma perspectiva teórica Balneário Camboriú 2008.

2 DANUBIA SANTANA NATALIA TEIXEIRA GUIMARÃES INSTRUMENTO DE PESQUISA PARA SALÕES DE BELEZA: uma perspectiva teórica Trabalho realizado como requisito final da disciplina de Trabalho de Conclusão de Curso, do curso superior de Tecnologia em Cosmetologia e Estética da Universidade do Vale do Itajaí. Orientadora: Simone MSc. Batista Tomasulo. Balneário Camboriú 2008.

3 ARTIGO CIENTÍFICO Instrumento de pesquisa para salões de beleza: uma perspectiva teórica. Natália Teixeira Guimarães¹ -Acadêmica do curso de Tecnologia em Cosmetologia e Estética da Universidade do vale do Itajaí, Balneário Camboriú, Santa Catarina (UNIVALI). Danúbia Santana²- Acadêmica do curso de Tecnologia em Cosmetologia e Estética da Universidade do vale do Itajaí, Balneário Camboriú, Santa Catarina (UNIVALI). Msc. Simone Batista Tomasulo³- Bacharel em Turismo, Mestre em Turismo e Hotelaria, Professora do Curso Superior em Tecnologia em Cosmetologia e Estética, da Universidade do Vale do Itajaí, Balneário Camboriú, Santa Catarina UNIVALI. Contatos RESUMO Hoje de um modo geral, os produtos são semelhantes em preço e qualidade. O diferencial passa a ser os serviços oferecidos ao cliente, e inovar serviços é também inovar o atendimento. Por isso, apostar em qualidade, preço, produto, mas, sobretudo no atendimento. A realização deste trabalho representa uma proposta de um instrumento que avalia a satisfação de clientes em salão de beleza, elaborado a partir de pesquisa bibliográfica e documental, utilizando-se da análise de algumas questões presentes em instrumentos de pesquisa de quatro prestadores de serviços diferenciados, o estudo buscou a partir dessa análise, construir um questionário com base nas teorias existentes e contribuir para uma melhor gestão dos salões de beleza, tendo em vista que o uso de um instrumento de pesquisa é uma possibilidade de ampliar o negócio, superando as expectativas através da opinião do cliente. De um modo geral, a proposta foi elaborar um trabalho prático, para quem deseja executar ou mesmo se informar sobre a importância de um bom atendimento que gera a satisfação do consumidor. Palavras-chave: gestão; satisfação do cliente; salão de beleza.

4 INTRODUÇÃO Na gestão de qualquer empreendimento a boa administração é necessária para que suas atividades desenvolvam de forma eficiente e com qualidade. Para que isso aconteça, o bom relacionamento entre a empresa e o cliente, é um fator indispensável, pois a satisfação do cliente está ligada à qualidade do serviço oferecido. De acordo com Mullins (2004, p. 33), [...] a organização só sobreviverá se for ao encontro das necessidades do cliente. O comprometimento das empresas, juntamente com suas metas e objetivos, deve manter sempre o foco no cliente. Desde os primórdios o cliente é colocado em primeiro lugar, mas hoje a necessidade de manter o cliente fiel à empresa é essencial, por isso há necessidade de oferecer o serviço com qualidade para garantir a satisfação e a fidelidade do cliente. Segundo Carvalho (2006), a excelência em serviços é um valor percebido pelo cliente, isso comparado à concorrência, e a adoção de estratégias que contemplem esse valor permite a empresa obter as vantagens competitivas necessárias para obtenção de relações estáveis e duradouras. Empresas prestadoras de serviços com o objetivo de avaliar a satisfação do consumidor, aplicam comumente questionários que visam perceber os diversos fatores que podem interferir em seu crescimento. Assim, pode-se afirmar que este procedimento também é importante ser adotado pelos salões de beleza, pois [...] são as demandas do cliente que exercerão maior influência nas várias atividades envolvidas no processo de transformação (MULLINS, 2004, p. 35) Para tanto, este estudo complexa a satisfação do cliente dentro de salões de beleza, considerando aspectos como o atendimento ao cliente, gestão em salões de beleza, qualidade na prestação de serviços, pesquisa de satisfação, enfim, fatores que envolvem a importância de manter o cliente satisfeito dentro da empresa, além de desenvolver um instrumento para medir a satisfação do cliente, tornando possível obter informações críticas do ponto de vista do cliente, auxiliando na melhora da qualidade dos serviços, e a partir deste contexto, sugeriuse a construção de um questionário de satisfação para salões de beleza, que estará apresentado em anexo ao estudo.

5 METODOLOGIA O estudo em questão caracteriza-se por uma pesquisa exploratória, que segundo Gil (1996, p.45), tem como objetivo proporcionar maior familiaridade com o problema, com intenção de torná-lo mais explícito ou a construir hipóteses. Tendo esse trabalho como finalidade a elaboração de um questionário de satisfação do cliente, o estudo necessita de informações complementares que foram buscadas a partir de pesquisa bibliográfica, ou seja a busca por material já elaborado, constituído principalmente por livros e artigos. (GIL, 1996). Assuntos relacionados à importância da satisfação do cliente dentro dos salões de beleza, um bom gerenciamento e como construir um questionário, foram questões fundamentais para dar estrutura a esse trabalho. Como parte importante deste estudo, buscou também a pesquisa documental que se diferencia da pesquisa bibliográfica por [...] utilizar material que ainda não recebeu tratamento analítico ou que pode ser reelaborado. As fontes documentais podem ser documentos de primeira mão conservados em arquivos de instituições públicas e privadas [...] (DENCKER, 1998, p. 125). Neste trabalho, dez questionários de satisfação do cliente buscados em empresas distintas, passaram por um processo de análise para servir de base na a construção de um questionário para salão de beleza, por fim apenas quatro contribuíram com informações importantes na construção do questionário e apenas estes serão evidenciados no decorrer do trabalho. GESTÃO DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS A simpatia, gentileza e o interesse pelo bom atendimento, são atitudes básicas que um atendente deve ter naturalmente quando o cliente entra no salão de beleza. Mas isso nem sempre ocorre e por vários motivos. Um deles é a falta de qualificação do profissional para atender bem as pessoas que buscam por um determinado serviço. Existem pessoas que tem uma habilidade natural para desempenhar atividades comerciais, enquanto outras precisam ser preparadas. Flores (2008, p.22), complementa dizendo que o treinamento dos profissionais, não significa adestrar pessoas, o que as leva a fazer coisas por repetição, sem entender sua essência. Treinamento eficaz toca o coração das pessoas e enseja modificação de atitudes, tornando-as mais produtivas e consequentemente oferecendo serviço com qualidade.

6 É preciso envolver os profissionais com uma cultura da qualidade, o que eleva a responsabilidade dos funcionários com relação às tarefas desenvolvidas permitindo que certos problemas sejam resolvidos no próprio local de prestação de serviços. Deve-se criar uma política de aproveitamento das reclamações dos consumidores, de forma a melhorar cada vez mais o padrão de desempenho dos serviços prestados (OTÁVIO. 2004). Uma vez que estas reclamações são bem administradas, a qualidade se torna visível sendo definida pelo cliente, onde ele avalia o serviço que recebeu comparando-o com sua expectativa a cerca deste serviço. Se o desempenho é igual ou superior ao esperado, o cliente fica satisfeito. Friedrich et al (2003) enfatizam que a expectativa é o resultado da vivência do indivíduo, bem como de recomendações das pessoas de seu convívio social, e também da própria propaganda da empresa. Para Karl Albrecht (1992, p.254) qualidade em serviços é a capacidade que uma experiência ou qualquer outro fator tenha para satisfazer uma necessidade, resolver problema ou fornecer benefícios a alguém. Las Casas (1994) destaca que o produto final de um serviço é sempre um sentimento. Os clientes ficam satisfeitos ou não conforme suas expectativas são atendidas. Portanto, a qualidade do serviço é variável de acordo com o tipo de pessoa. Hoje não basta agradar os consumidores, é necessário encantá-los, superando as expectativas (FLORES, 2008). Dessa forma, a empresa atinge a excelência em serviços quando as expectativas do cliente é superada. PESQUISA DE SATISFAÇÃO NOS SALÕES DE BELEZA Um dos primeiros objetivos de qualquer pesquisa deve ser identificar as necessidades dos clientes dentro do salão de beleza. Além disso, quando a pesquisa de satisfação é aplicada torna-se possível descobrir as causas de insatisfações na prestação de serviços. Algumas empresas procuram identificar as razões pelas quais um cliente deixou de comprar. Quando se nota uma menor freqüência do cliente dentro da empresa, é sinal de que algo não está bem. Outro fato, é quando um cliente se mantém calado, sem reações aos estímulos da empresa, deve-se ficar alerta, afinal poucos clientes reclamam. Por este motivo também, é que se vê a necessidade de aplicar novas estratégias para obter respostas, pois muitos clientes preferem não falar sobre o assunto.

7 Las Casas (1994, p.61) reforça dizendo quando você pergunta para um cliente se existe alguma reclamação, ele quer ser bonzinho e por isso não diz nada. Há necessidade, portanto, de usar uma estratégia para obter a opinião do consumidor. Investir em reclamações de clientes é a melhor tática. Empresas que não querem ouvilos, gastam muito em divulgação apenas para substituir o cliente que está perdendo, e mesmo assim continuam sem saber o porque que seu negócio está em perigo (MIRSHAWKA, 1993). Não é de se admirar que ninguém goste de receber reclamações, mas são através delas que os clientes irão auxiliar no entendimento das empresas e organizações. Barlow e Moller (1996, p.13), dizem que ouvir reclamações não é algo agradável, mas significativamente importante para obter as informações vitais para qualquer empresa, por isso, torna-se relevante usá-las como uma ferramenta estratégica. Afinal, sem clientes os negócios simplesmente não existiriam. Empresas que são voltadas para o cliente, devem priorizar as pesquisas dos consumidores. Assim é possível conhecer atuais necessidades e desejos, ou então identificar os níveis de satisfação do consumidor com a empresa. Berry (1992 apud FRIEDRICH et al., 2003, p.34) comenta que, as empresas precisam criar um sistema de informações sobre qualidade em serviços, e não apenas realizar um estudo. O uso múltiplo de pesquisas favorece a empresa, pois cada método possui vantagens e desvantagens. Um sistema eficaz de informações sobre qualidade em serviços traz uma série de benefícios à empresa. Las Casas (1994, p.62) confirma dizendo que para as empresas que desejam implantar qualidade, a pesquisa torna-se uma necessidade. E pesquisar constantemente, sugere que questionários sejam aplicados, e por mais simples que eles sejam, podem fornecer dados valiosos para as empresas. É muito fácil fazer com que clientes se afastem. Há muitas maneiras de fazê-lo, e algumas empresas tentaram todas elas. Dois dos métodos mais comuns são ignorar as reclamações ou administrá-las de forma deficiente. Porém, reclamações bem administradas podem criar laços fortes entre os clientes e as empresas. (BARLOW ; MOLLER, 199, p.31). Por esse motivo, se torna evidente a importância em saber ministrar a opinião do cliente, de forma a favorecê-lo e, consequentemente, a empresa.

8 CONSTRUINDO UM INSTRUMENTO DE PESQUISA A criação de um sistema de informações sobre qualidade em serviços é um passo fundamental no fornecimento de serviços com excelência. Um sistema de informações sobre a qualidade em serviços deve ser mais que apenas um sistema de captação de dados, deve ser também um sistema de comunicação (BERRY, 1992 apud FRIEDERICH, 2003, p.46), ou seja : as informações obtidas devem ser compartilhadas na empresa. Deve-se definir quem recebe quais informações e quando, pois as necessidades de informação variam conforme o cargo na empresa. Essa distribuição de informações deve sempre buscar favorecer a capacidade de ação, deixando claro o que deve ser feito e por quem, constantemente motivando a melhoria dos serviços (FRIEDRICH. 2003). Assim a pesquisa de satisfação é um instrumento importante para evolução da visão mercadológica, pois atende as necessidades de informação da empresa e desejos dos consumidores. Além disso, é um método que obtém informações do cliente através da performance da empresa, tendo um caráter estratégico quando bem administrado, gerando conhecimento essencial para a vantagem competitiva das empresas. Portanto, a Pesquisa de Satisfação não deve ser vista apenas como um simples questionário, e deve ser aplicado permanentemente para manter o sistema de informação dentro da empresa correto e atualizado. O Layout do questionário Um layout claro e atraente aumenta a probabilidade de obter cooperação dos respondentes. Segundo Hill (2008), a primeira atitude que um respondente toma é dar uma olhada pelo questionário e pensar em preenchê-lo ou não. O que define essa decisão, é principalmente o tamanho do questionário e o Layout. Ou seja, se o questionário é esteticamente atraente e curto, as chances de se conquistar um respondente é bem maior. Um questionário que tenha uma aparência esteticamente atraente, aumenta a probabilidade de que o potencial respondente compre o questionário e o preencha. A elaboração do questionário, será baseado de forma adaptada para salão de beleza seguindo a sugestão de Hill (2008). Para construir um questionário é preciso elaborar um plano que indique os principais componentes e os passos a serem seguidos.

9 PASSO COMPONENTES 1 Área geral da investigação 2 Objetivos da investigação 3 Hipóteses da investigação e métodos para analisar dados 4 Seções do questionário 5 Perguntas do questionário Fonte: Hill (2008) 1º Passo. Área geral da investigação A área geral de investigação, refere-se a uma breve apresentação do objetivo do questionário, apresentando-o ao cliente de forma escrita, contendo um pedido de cooperação no preenchimento do mesmo, o que ajuda a ter maior cooperação do cliente ao responder, o nome da instituição que deseja atribuir as respectivas informações e uma declaração formal da natureza anônima do questionário. 2º Passo: Objetivos da investigação Objetivos da investigação, indica as variáveis principais da investigação. Neste caso a satisfação do cliente em relação aos serviços oferecidos, o que o levaria a freqüentar outro estabelecimento (sendo esses os pontos críticos negativos existentes dentro do salão de beleza) e se as características físicas do salão de beleza são atraentes para o cliente, enfim, são os aspectos que envolvem o interesse pela colocação do questionário. 3º Passo: Hipóteses da investigação e métodos para analisar dados Neste passo, alguns aspectos têm que ser analisados: *As escalas de resposta das perguntas do questionário. *Os métodos para analisar os dados. Existem duas maneiras possíveis para medir as características dos casos em um questionário, os valores exatos e categoria:

10 Valor exato: quantos anos tem? (escreve)...anos. Categoria: quantos anos tem? (indicar com x a categoria) As duas maneiras podem ser apresentadas em questionários, assim como foi analisado em vários modelos de questionários de satisfação. Porém o valor exato, dá informações mais detalhadas e flexível. 4º Passo: Seções do questionário É preciso estabelecer um plano de seqüência das perguntas do questionário, que pode se desenvolver a partir de uma seguinte hipótese: A satisfação do cliente está relacionada com a qualidade do serviço oferecido. A partir dessa idéia é possível destacar tópicos para a seqüência de perguntas que devem estar relacionadas com essa temática. perfil do cliente estrutura geral do salão de beleza serviços oferecidos atendimento profissional recepção visão do cliente 5º Passo: Perguntas do questionário Para construir um questionário, deve manter o foco estratégico da empresa, saber o porquê está fazendo e usar os resultados. Aaker (2001, apud FRIEFRICH, et al. 2003,p.50) sugere que as perguntas iniciais sejam abrangentes e genéricas. Que as seguintes sejam simples e direcionadas, passando para as mais específicas cada vez mais complexas e por último, as perguntas mais delicadas como o perfil do cliente, ele acredita que até o final da pesquisa o cliente se sentirá mais à vontade em se identificar ou não.

11 Perguntas gerais e perguntas específicas As perguntas sobre atitude, opinião, satisfação e preferências não devem ser apresentadas de modo geral, deve ser apresentada em forma de pergunta específica, sendo claro e objetivo, facilitando também na análise de dados. Perguntas abertas e perguntas fechadas A diferença entre perguntas abertas e perguntas fechadas, encontra-se essencialmente na forma como a resposta é dada. Perguntas abertas: permitem a quem está respondendo fazê-lo em suas próprias palavras, sendo bastante úteis em pesquisa exploratória, em que busca saber como as pessoas pensam, e não mensurar quantas pessoas pensa de tal modo (KOTLER, 2000). Perguntas fechadas: especificam previamente todas as possíveis respostas, gerando respostas fáceis de serem interpretadas e tabuladas. (KOTLER, 2000). Friedrich et al (2003), diz que existem questões consideradas problemáticas em questionários, pois a forma como uma pergunta é feita pode influenciar a resposta correspondente. De acordo com a análise feita em um dos questionários (Fig 1), pôde-se observar a atribuição de opções de respostas indutivas que fizeram do resultado final, um bom resultado na visão da empresa. É possível observar em uma das perguntas retiradas do questionário: Água, café e chá ( ) ótimo, ( ) bom, ( ) regular, ( ) ruim Atendimento em geral ( ) ótimo, ( ) bom, ( ) regular, ( ) ruim Local de espera ( ) ótimo, ( ) bom, ( ) regular, ( ) ruim Revistas ( ) ótimo, ( ) bom, ( ) regular, ( )ruim Figura 1 Exemplo de uma das questões de um questionário de satisfação aplicado em salão de beleza. Fonte: Empresa X (2008).

12 De acordo com Friedrich et al. (2003), o exemplo acima mostra uma escala tendenciosa, pois apresenta mais opções boas que ruins. Isso pode dificultar a identificação de problemas, pois, dependendo da formulação da pergunta, poderá ocorrer uma distorção na resposta. Conforme esta escala de classificação, o regular é ponto neutro, então existem duas opções para respostas positivas e apenas uma para negativa. Em uma pesquisa de marketing as escalas de avaliação são uma das mais utilizadas, pois visam medir o componente afetivo da atitude. Na figura 2, é destacado uma escala de avaliação gráfica, na qual se apresenta opções de respostas, desde o extremo mais favorável até mais desfavorável. (MATTAR, 1996). Figura 2 Exemplo de escala gráfica em um dos instrumentos pesquisados Fonte: Empresa Y (2008) De acordo com Mattar (1996) outro tipo de escala utilizado é a de avaliação verbal, na qual se apresenta as opões de respostas às pessoas, podendo ter de três até sete opções, procurando oferecer escalas balanceadas, ou seja, possuir um mesmo número de categorias pró e contra. As perguntas dicotômicas apresentam duas respostas possíveis, por exemplo, perguntas que acompanham como opção de resposta: ( ) sim ( )não. Podem também apresentar uma alternativa não sei. (MATTAR, 1996). Exemplo ilustrativo Figura 3:

13 Fig 3. Exemplo de questões dicotômicas Fonte: Pesquisa Alacar. ( Outro exemplo é a multiplicidade de escalas utilizadas nas perguntas. Um questionário com perguntas que apresentam como opção de escolha, uma classificação variável de 1 a 10 e as questões abertas. Deve-se, no entanto, cuidar com a construção do instrumento, pois a diversidade de escalas utilizadas em um mesmo questionário poderá confundir o cliente com tantos tipos de perguntas e respostas (FRIEDRICH et al., 2003, p.50). Assim, a construção requer que se conheça as diferentes possibilidades no que se refere a seu conteúdo, sua redação, formato e a melhor seqüência na apresentação das perguntas. Fig 4 Exemplo de escala de classificação simples de resposta Fonte: Empresa Z e W (2008)

14 A realização do Pré-teste do questionário Após a construção e revisão do instrumento, deve-se aplicar o pré-teste, que está centrado na avaliação dos questionários, visando garantir que meça exatamente o que se quer medir. De acordo com Gil (1996, p.96), na análise pretende-se verificar se todas as perguntas foram respondidas adequadamente, se as respostas dadas não denotam dificuldade no entendimento das questões, se as respostas correspondentes às perguntas abertas são passíveis de categorização e de análise, enfim, tudo aquilo que puder implicar a inadequação do questionário enquanto instrumento de coleta de dados. A entrevista serve para saber quais as dificuldades que a pessoa teve em respondê-lo, que perguntas poderiam provocar constrangimento e quais termos parecem confusos. Para um resultado melhor, o pré-teste deve ser aplicado duas vezes (AAKER, 2001). As pessoas escolhidas para respondê-lo foram cinco clientes de salões de beleza no primeiro pré teste e no segundo pré teste 5 clientes, somando um total de dez contribuintes. Após a aplicação do primeiro pré teste várias modificações foram feitas desde o Layout à forma de colocação das perguntas e opções de respostas. Feitas as modificações, o segundo pré teste foi aplicado para garantia de um bom questionário. Aspectos como clareza e precisão dos termos, quantidade de perguntas, forma em que as perguntas estão sendo apresentadas, ordem e introdução são importantes a serem considerados no pré-teste. A forma de apresentação das perguntas propostas por este trabalho segue em ordem de importância. O fato de não haver necessidade de identificação, o cliente se sente mais a vontade ao responder as perguntas; em seguida, aspectos como facilidade de acesso ao local, serviços oferecidos pelo salão, atendimento, ambiente (sendo estes apresentados em questões fechadas) e finalizando com espaço para colocação do ponto de vista do cliente (apresentado em perguntas abertas). A escala de classificação das respostas é apresentada da seguinte forma: Excelente, bom, regular, ruim e péssimo. Sendo duas opções positivas, uma neutra e duas negativas para que não haja qualquer resultado tendencioso. Nem sempre é possível evitar termos técnicos, mas sempre que possível, as perguntas devem ser colocadas de forma curta e simples.

15 Análise dos dados Através da tabulação de dados é possível medir cada pergunta por si mesma nos questionários. Segundo Aaker (2001), a tabulação consiste simplesmente em contar o número de casos que caem em cada uma das várias categorias. Além de ajudar no processo de limpeza dos dados, como identificar o grau de omissões, ambigüidades e erros nas respostas. Através de respostas dadas no pré-teste foi possível demonstrar a tabulação de dados de uma das questões apresentadas no instrumento Localização Preço Atendimento Serviços oferecidos Excelente Bom Regular Ruim Péssimo Depois de aplicado o questionário e com informações necessárias em mãos, tem-se clara visão do ponto de partida para conhecer o cliente e corrigir os problemas de qualidade. Las Casas (1994) evidencia o fato de que quando o administrador tem conhecimento das atividades exercidas por concorrentes, necessidades dos clientes, pontos fortes e fracos de sua empresa, terá então, condições de elaborar uma estratégia para melhorar o desempenho e obter melhores resultados adaptando-se às necessidades de seu público alvo. Sugere reuniões para discussão dos resultados, que serão disseminados nos principais níveis da organização. Mas antes de transformar estas informações em estratégias, outras atividades são necessárias. Por exemplo, para que se obtenha visão clara do que está faltando na empresa para alcançar excelência, os dados coletados sobre os pontos fracos devem ser identificados e eliminados.

16 CONSIDERAÇÕES FINAIS O verdadeiro poder da empresa está na habilidade de criar excelência, de se diferenciar e, consequentemente, solidificar a lealdade do cliente. Através do questionário de satisfação, a gerência do salão de beleza tem uma maior proximidade com o cliente. Fazer uma pesquisa com os profissionais é necessário, afinal eles tem o direito de dar opiniões a fim de tornar o ambiente mais agradável para desenvolver seu trabalho com mais satisfação e atender melhor o cliente. Com a aplicação do questionário, é possível reconhecer os pontos positivos e negativos atribuídos, assim como identificar os pequenos detalhes que fazem o diferencial dentro da empresa. Após realizar a pesquisa, atitudes devem ser tomadas a fim de que pontos negativos sejam eliminados, e melhoras sejam evidenciadas. Retornar ao cliente quanto as modificações feitas para melhor atendê-lo levando em consideração o marketing de relacionamento, e que o retorno ao cliente conclui a aplicação do instrumento de pesquisa. A qualidade na prestação de serviços é o principal fator que leva a satisfação, por isso, há necessidade em conhecer os clientes, suas necessidades e nível de satisfação, bem como, compreender como os serviços podem ser usados para criar uma vantagem competitiva, capacidade de criar promoções, observando o desejo do cliente e o comprometimento total com a qualidade e com os serviços oferecidos. Essa é uma nova maneira de conceituar poder e força nas empresas, e requer um modo diferente de liderar e motivar pessoas a fim de gerar escolhas diárias que visem a excelência e superação das expectativas do cliente.

17 REFERÊNCIAS AAKER, D. KUMAR, V. E DAY. G. Pesquisas de marketing. São Paulo: Atlas, ALBRECHT, K. Revolução nos serviços. São Paulo: Pioneira, 1992 BARLOE, J. MOLLER, C. Reclamação de cliente?: não tem melhor presente... São Paulo:Futura, BERRY, L. Serviços da satisfação máxima. guia prático de ação. Campus. Rio de Janeiro, CARVALHO, R. Excelência em serviços: o valor percebido pelos clientes. Artigo Científico. Disponível em: < df > Acesso: 29 mar CIERCO, A. A. ROCHA, V. A. MOTA, E. B. Gestão da qualidade total. Rio de Janeiro: editora FGV gestão empresarial, DENCKER, A. de F. M. Métodos e técnicas de pesquisa em turismo. São Paulo: Futura, FLORES, M. F. Surpreenda o cliente. Revista da ABLAC. Cotia, n.8, p , jan FRIEDRICH, A. QUADROS, F.S. VIEGAS, N. Medindo a satisfação do consumidor nos hotéis de Porto Alegre: o consumidor forma o cidadão. Revista da ESPM. São Paulo, v. 10, ano 9, ed. 3, p , maio/ jun HILL, M.M. HILL, A. A construção de um questionário DINÂMIA - Centro de Estudos sobre a Mudança Socioeconômica. Disponível em: < Acesso em: 23 abr KOTLER, P. Administração de marketing. 10 ed. São Paulo: Prentice Hall LAS CASAS, A. L. Qualidade total em serviços. conceitos, exercícios casos práticos. São Paulo: Atlas MATTAR, F.N. Pesquisa de marketing. Ed. completa. São Paulo: Atlas, MIRSHAWKA, V. Criando o valor para o cliente: a vez do Brasil. São Paulo: McGraw- Hill MULLINS, L. J. Gestão da hospitalidade e comportamento organizacional. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, OTAVIO, J. OLIVEIRA. Gestão da qualidade: tópicos avançados. São Paulo: Thomson Learning

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

SATISFAÇÃO DO CLIENTE: Um estudo de caso em uma loja de roupa de Castilho/SP.

SATISFAÇÃO DO CLIENTE: Um estudo de caso em uma loja de roupa de Castilho/SP. SATISFAÇÃO DO CLIENTE: Um estudo de caso em uma loja de roupa de Castilho/SP. Andressa Caroline Pereira Rufino Discente do 2º ano do curso de Administração FITL/AEMS Patrícia de Oliveira Docente das Faculdades

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. BARBOSA, Roger Eduardo 1 Resumo Neste artigo analisaremos como o planejamento estratégico na gestão de pessoas nas

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG

Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG Ana Clara Rosado Silva (1) ; Daiane Oliveira Borges (2) ; Tatiana Morais Leite (3) ; Vanessa Oliveira Couto (4) ; Patrícia Carvalho

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA 1 TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA Alan Nogueira de Carvalho 1 Sônia Sousa Almeida Rodrigues 2 Resumo Diversas entidades possuem necessidades e interesses de negociações em vendas, e através desses

Leia mais

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS RECIFE DEZ/2014 ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS Artigo científico apresentado em

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE CENECISTA DE SETE LAGOAS

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

Padrão exclusivo para sua empresa. nsanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar

Padrão exclusivo para sua empresa. nsanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar especial gestão Padrão exclusivo para sua empresa nsanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes. A frase consagrada de Albert Einstein não poderia ser mais clara: quer

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir.

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir. Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador 1. Leia as afirmativas a seguir. I. O comportamento organizacional refere-se ao estudo de indivíduos e grupos

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios Orientações para elaborar um Plano de Negócios Maio de 2010 www.nascente.cefetmg.br Página 1 Apresentação Este documento contém um roteiro básico de Plano de Negócios. O objetivo é permitir que o futuro

Leia mais

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem como objetivo abordar o tema voltado para a avaliação do desempenho humano com os seguintes modelos: escalas gráficas, escolha forçada, pesquisa de campo, métodos

Leia mais

A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS

A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS 1 A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS Maria Lúcia Ribeiro Da COSTA 1 João Cezario Giglio MARQUES 2 RESUMO: O estudo e a pesquisa de mercado

Leia mais

TÍTULO: TREINAMENTO PROFISSIONAL: FERRAMENTA EMPRESARIAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: TREINAMENTO PROFISSIONAL: FERRAMENTA EMPRESARIAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: TREINAMENTO PROFISSIONAL: FERRAMENTA EMPRESARIAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

ÍNDICE. Eficiência no atendimento em clínicas e hospitais -EBOOK- 3 - Introdução. 4 - O que os clientes esperam de um bom atendimento

ÍNDICE. Eficiência no atendimento em clínicas e hospitais -EBOOK- 3 - Introdução. 4 - O que os clientes esperam de um bom atendimento Eficiência no em clínicas e hospitais ÍNDICE 3 - Introdução 4 - O que os clientes esperam de um bom 6-5 dicas para gerar eficiência no -EBOOK- Produzido por CM Tecnologia 11 - Conclusão 12 - Sobre a CM

Leia mais

Atendimento Virtual Ampla

Atendimento Virtual Ampla 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Atendimento Virtual Ampla Carlos Felipe de Moura Moysés Ampla Energia e Serviços S.A cmoyses@ampla.com André Theobald Ampla Energia e Serviços S.A theobald@ampla.com

Leia mais

São Paulo, 17 de Junho de 2009.

São Paulo, 17 de Junho de 2009. São Paulo, 17 de Junho de 2009. Questionário: Orientação para marketing Sua empresa é orientada para marketing? Análise das respostas turma T4 Berrini Pós Adm FGV Número de respondentes: 17 Introdução

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

Judgment Você toma milhares de decisões todos os dias, das mais simples às mais importantes. Quais serão as certas?

Judgment Você toma milhares de decisões todos os dias, das mais simples às mais importantes. Quais serão as certas? Judgment Você toma milhares de decisões todos os dias, das mais simples às mais importantes. Quais serão as certas? hoganjudgement.com www.hoganbrasil.com.br/hoganjudgement 2014 Hogan Assessment Systems

Leia mais

Opportunity. Resultado. Agosto de 2012

Opportunity. Resultado. Agosto de 2012 Opportunity Equity Hedge FIC FIM Agosto de 2012 Resultado Ao longo do segundo trimestre de 2012, o Opportunity Equity Hedge alcançou uma rentabilidade de 5% depois de taxas, o que representa 239,6% do

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

O presente capítulo descreve a metodologia utilizada pela pesquisa e aborda os seguintes pontos:

O presente capítulo descreve a metodologia utilizada pela pesquisa e aborda os seguintes pontos: 3 Metodologia O presente capítulo descreve a metodologia utilizada pela pesquisa e aborda os seguintes pontos: A questão da pesquisa O tipo da pesquisa e metodologia utilizada A coleta dos dados e tratamento

Leia mais

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES OBJETIVO Assegurar a satisfação do cliente no pós-venda, desenvolvendo um relacionamento duradouro entre o vendedor e o cliente, além de conseguir indicações através de um sistema de follow-up (acompanhamento).

Leia mais

A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE

A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE Augusto César de Aguiar CUÉLLAR 1 Victor Dutra MARTINS 2 Roberta Gomes CAVALCANTE 3 RESUMO: As empresas atualmente têm sofrido

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO José Roberto Santana Alexandre Ripamonti Resumo: Com a globalização da economia, as empresas, enfrentam

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS YARA DE MATOS MENDES 1, WEMERTON LUÍS EVANGELISTA 2, MYRIAM ANGÉLICA DORNELAS 3, RITA DE CÁSSIA DA SILVA COSTA 4 RESUMO

Leia mais

O guia do profissional de Recursos Humanos. Como melhorar o desenvolvimento da equipe

O guia do profissional de Recursos Humanos. Como melhorar o desenvolvimento da equipe O guia do profissional de Recursos Humanos Como melhorar o desenvolvimento da equipe 1 Introdução 03 Conhecendo as dores do seu time 05 Investir nos colaboradores! 08 Estabelecendo metas 11 A meditação

Leia mais

As Organizações e a Teoria Organizacional

As Organizações e a Teoria Organizacional Página 1 de 6 As Organizações e a Teoria Organizacional Autora: Sara Fichman Raskin Este texto é totalmente baseado no primeiro capítulo do livro Organizational theory: text and cases, do autor Jones Gareth,

Leia mais

Você gostaria de atingir os objetivos que traçou para sua vida de maneira mais consistente e sustentável? Gostaria de melhorar o seu aproveitamento, trabalhar menos pressionado ou estressado, e ainda aumentar

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

Modelo de Gestão Estratégica para Resultados da SEFAZ

Modelo de Gestão Estratégica para Resultados da SEFAZ Modelo Estratégica para Resultados da SEFAZ Treinamento Gestores Conhecendo nosso Modelo Maio 2015 Modelo Estratégico para Resultados Assuntos previstos para esta oficina... Aprofundar no conceito de Gestão

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI CE

ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI CE ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI

Leia mais

Desenvolvimento de Marcas Fortes. Criação de Brand Equity

Desenvolvimento de Marcas Fortes. Criação de Brand Equity Desenvolvimento de Marcas Fortes Criação de Brand Equity 1. O que é brand equity? Equity significa valor/patrimônio. Brand equity = valor da marca/patrimônio de marca. A American Marketing Association

Leia mais

10º ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA

10º ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA 10º ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA JOINVILLE/SC - BRASIL - 4 a 7 de outubro de 2005 Local: Centreventos Cau Hansen PADRÕES INTERNACIONAIS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS APLICADOS À CONSERVAÇÃO

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

HOTELARIA ADAPTADA PARA ANIMAIS: UMA NOVA TENDÊNCIA NO MERCADO TURÍSTICO HOTELEIRO

HOTELARIA ADAPTADA PARA ANIMAIS: UMA NOVA TENDÊNCIA NO MERCADO TURÍSTICO HOTELEIRO HOTELARIA ADAPTADA PARA ANIMAIS: UMA NOVA TENDÊNCIA NO MERCADO TURÍSTICO HOTELEIRO Karla Cristinni Canteri 1 Larissa Mongruel Martins De Lara 2 RESUMO O presente resumo visa apresentar as novas tendências

Leia mais

Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas

Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas Eunice Zucchi (CESCAGE) eunicezucchi@gmail.com Balduir Carletto (CESCAGE) bcarletto@uol.com.br Camila Lopes

Leia mais

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE A ESTRUTURA DA GESTÃO DE PROJETOS Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br SUMÁRIO Importância do Gerenciamento de Projetos. Benefícios do Gerenciamento de Projetos Gerenciamento

Leia mais

Indicadores de Desempenho Conteúdo

Indicadores de Desempenho Conteúdo Indicadores de Desempenho Conteúdo Importância da avaliação para a sobrevivência e sustentabilidade da organização O uso de indicadores como ferramentas básicas para a gestão da organização Indicadores

Leia mais

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Por Allan J. Albrecht Proc. Joint SHARE/GUIDE/IBM Application Development Symposium (October, 1979), 83-92 IBM Corporation, White Plains, New York

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO MANUAL DO AVALIADOR Avaliar é fazer análise e ter a oportunidade de rever, aperfeiçoar, fazer de forma diferente, sempre em busca de eficácia e resultados. Gartner & Sánchez As

Leia mais

MAXIMIZAÇAO DE LUCRO: ATRAVÉS DA REDUÇAO DE CUSTOS

MAXIMIZAÇAO DE LUCRO: ATRAVÉS DA REDUÇAO DE CUSTOS MAXIMIZAÇAO DE LUCRO: ATRAVÉS DA REDUÇAO DE CUSTOS SIMONE DA SILVA GARCIA Discente do Curso de Tecnologia em Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS. EDNA MARIA DA SILVA COGGO Docente

Leia mais

Gustavo Malavota Administrador Vendedor Palestrante Professor de Marketing

Gustavo Malavota Administrador Vendedor Palestrante Professor de Marketing Gustavo Malavota Administrador Vendedor Palestrante Professor de Marketing Gustavo Malavota Módulo Consultoria Diretor de Planejamento Experiência Profissional: SENAC-Rio em 2007 como especialista e coordenador

Leia mais

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria Agentes Financiadores Notícias e atualidades sobre Agentes Financiadores nacionais e internacionais página inicial A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores

Leia mais

Rubricas e guias de pontuação

Rubricas e guias de pontuação Avaliação de Projetos O ensino a partir de projetos exibe meios mais avançados de avaliação, nos quais os alunos podem ver a aprendizagem como um processo e usam estratégias de resolução de problemas para

Leia mais

XVII Semana do Administrador do Sudoeste da BahiaISSN: 2358-6397 O Administrador da Contemporaneidade: desafios e perspectivas

XVII Semana do Administrador do Sudoeste da BahiaISSN: 2358-6397 O Administrador da Contemporaneidade: desafios e perspectivas A influência do endomarketing para a melhoria do ambiente organizacional: case faculdade Guanambi. Autoria: Fabrício Lopes Rodrigues 1 e Rogério Santos Marques 2 1 UNEB, E-mail: fabriciolopesr@hotmail.com

Leia mais

AULA 11 Marketing de Serviços

AULA 11 Marketing de Serviços AULA 11 Marketing de Serviços Pessoal de serviço da linha de frente: fonte de fidelidade de clientes e vantagem competitiva A linha de frente é uma fonte importante de diferenciação e vantagem competitiva.

Leia mais

$ $ $ $ CRECHE DE CÃES: ANÁLISE ESTRATÉGICA PARA IMPLEMENTAÇÃO DE NEGOCIO Monica Alejandra Noemi Romero Claudia Francis Vieira Ana Maria Ferreira

$ $ $ $ CRECHE DE CÃES: ANÁLISE ESTRATÉGICA PARA IMPLEMENTAÇÃO DE NEGOCIO Monica Alejandra Noemi Romero Claudia Francis Vieira Ana Maria Ferreira XXVIENANGRAD CRECHE DE CÃES: ANÁLISE ESTRATÉGICA PARA IMPLEMENTAÇÃO DE NEGOCIO Monica Alejandra Noemi Romero Claudia Francis Vieira Ana Maria Ferreira FOZDOIGUAÇU,2015 TGA%TeoriaGeraldaAdministração CRECHEDECÃES:

Leia mais

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS?

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? Ana Carolina Gimenes Figueiredo Graduanda em Administração - Universidade

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Gestão de pessoas: revisão de conceitos

Gestão de pessoas: revisão de conceitos Glaucia Falcone Fonseca Chegamos ao final de nosso curso e vale a pena fazer uma retrospectiva sobre os principais aspectos da gestão de pessoas, algo tão importante no atual mundo do trabalho, caracterizado

Leia mais

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 Evelyn Nascimento Bastos 2 Palavras-chaves: Meios de Comunicação; Imagem Empresarial;

Leia mais

TÍTULO: RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS ESTUDO DE CASO NO RAMO VAREJISTA DE SUPERMERCADOS NA CIDADE DE SANTA ALBERTINA/SP

TÍTULO: RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS ESTUDO DE CASO NO RAMO VAREJISTA DE SUPERMERCADOS NA CIDADE DE SANTA ALBERTINA/SP TÍTULO: RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS ESTUDO DE CASO NO RAMO VAREJISTA DE SUPERMERCADOS NA CIDADE DE SANTA ALBERTINA/SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

"BUSSINES PLAN"- PLANO DE NEGÓCIOS

BUSSINES PLAN- PLANO DE NEGÓCIOS "BUSSINES PLAN"- PLANO DE! Os componentes do Business Plan.! Quem precisa fazer um Business Plan! Colocando o Business Plan em ação Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas

Leia mais

Como o Manual de Planejamento e Avaliação de Projetos Sociais (FDC/POS) pode se integrar com o Guia do PMD-PRO 1?

Como o Manual de Planejamento e Avaliação de Projetos Sociais (FDC/POS) pode se integrar com o Guia do PMD-PRO 1? Como o Manual de Planejamento e Avaliação de Projetos Sociais (FDC/POS) pode se integrar com o Guia do PMD-PRO 1? Esse artigo corresponde ao Anexo 5 do Manual de Planejamento e Avaliação de Projetos Sociais

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Este material resulta da reunião de fragmentos do módulo I do Curso Gestão Estratégica com uso do Balanced Scorecard (BSC) realizado pelo CNJ. 1. Conceitos de Planejamento Estratégico

Leia mais

FILOSOFIA DO SERVIÇO DE PÓS-VENDA TOYOTA

FILOSOFIA DO SERVIÇO DE PÓS-VENDA TOYOTA FILOSOFIA DO SERVIÇO DE PÓS-VENDA TOYOTA Toyota do Brasil Pós-venda Capítulo 1 - O que o Cliente espera do Serviço de Pós-Venda Capítulo 2 - A Filosofia do Serviço de Pós-Venda Toyota Definindo a Filosofia

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE MANUTENÇÃO APLICADO NO IFRN CAMPUS MOSSORÓ

SISTEMA DE GESTÃO DE MANUTENÇÃO APLICADO NO IFRN CAMPUS MOSSORÓ SISTEMA DE GESTÃO DE MANUTENÇÃO APLICADO NO IFRN CAMPUS MOSSORÓ Dayse Duarte Tenorio Diretoria Acadêmica de Eletrotécnica IFRN Campus Mossoró E-mail: dayse_tenoro_d@hotmail.com Lucas Duarte Almeida Departamento

Leia mais

Planejamento e Gestão Estratégica

Planejamento e Gestão Estratégica Planejamento e Gestão Estratégica O Governo de Minas estabeleceu como um dos eixos norteadores da suas políticas públicas a eficiência na utilização dos recursos e a oferta de serviços com qualidade cada

Leia mais

A BUSCA DA QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE SAÚDE

A BUSCA DA QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE SAÚDE A BUSCA DA QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE SAÚDE Heliton E. M. Damasceno 1, Aline R. Gomes Damasceno 2, Antônio Pascoal Del arco Júnior 3, Francisco Cristovão de Melo 4 1 Graduação,Rua Visconde do Rio Branco,210,Centro,122000-000,Taubaté,SP,helitondamasceno@ig.com.br

Leia mais

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT - CRM: SUA EFICÁCIA NOS PROCESSOS DE TOMADA DE DECISÕES EMPRESARIAIS Érika de Souza CAMALIONTE 1 Marcelo LAMPKOWSKI 2

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT - CRM: SUA EFICÁCIA NOS PROCESSOS DE TOMADA DE DECISÕES EMPRESARIAIS Érika de Souza CAMALIONTE 1 Marcelo LAMPKOWSKI 2 CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT - CRM: SUA EFICÁCIA NOS PROCESSOS DE TOMADA DE DECISÕES EMPRESARIAIS Érika de Souza CAMALIONTE 1 Marcelo LAMPKOWSKI 2 RESUMO: O Customer Relashionship Management CRM ou

Leia mais

FINOM- FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS WOLTER FRANCISCO NEVES LIBERATO DE MATOS JUNIOR

FINOM- FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS WOLTER FRANCISCO NEVES LIBERATO DE MATOS JUNIOR FINOM- FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS WOLTER FRANCISCO NEVES LIBERATO DE MATOS JUNIOR QUALIDADE DO ATENDIMENTO NO SISTEMA BANCÁRIO BRASILEIRO Wolter Francisco Neves Liberato de Matos Júnior ESPERA FELIZ

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE UM PRODUTO NO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Cleidiane Silva e Silva¹; Tassyane Lara Souza²; Patrícia Caroline Verissimo³; Antônio Luiz Ferreira Junior 4 1234 Universidade

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF.

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline

Leia mais

Anais da Jornada Científica Integração: Educação, Sociedade e Tecnologia

Anais da Jornada Científica Integração: Educação, Sociedade e Tecnologia MARKETING DE RELACIONAMENTO UTILIZADO COMO FERRAMENTA PARA APRIMORAR A RELAÇÃO ENTRE O PÚBLICO INTERNO: ESTUDO DE CASO REALIZADO NA EMPRESA DALCAR NA CIDADE DE BACABAL MA MOURA, Íthalo Bruno Grigório de

Leia mais

INFORMAÇÃO ORGÂNICA COMO INSUMO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL

INFORMAÇÃO ORGÂNICA COMO INSUMO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL INFORMAÇÃO ORGÂNICA COMO INSUMO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL 1 LOUSADA, Mariana marianalousada@hotmail.com 2 VALENTIM, Marta Lígia Pomim valentim@marilia.unesp.br Resumo: O foco desta pesquisa

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Organizações Nenhuma organização existe

Leia mais

Qualidade no Atendimento ao Cliente uma ferramenta de Fidelização. Gilson de Souza Lima

Qualidade no Atendimento ao Cliente uma ferramenta de Fidelização. Gilson de Souza Lima Qualidade no Atendimento ao Cliente uma ferramenta de Fidelização Gilson de Souza Lima USUÁRIOS X CONSUMIDORES X CLIENTES USUÁRIOS Tratam-se das pessoas cujo contato com o produto é acidental. CONSUMIDORES

Leia mais

A QUALIDADE DOS SERVIÇOS BANCÁRIOS NO BRASIL

A QUALIDADE DOS SERVIÇOS BANCÁRIOS NO BRASIL A QUALIDADE DOS SERVIÇOS BANCÁRIOS NO BRASIL RESUMO O setor bancário sofre crescente modificação no que tange aos seus canais de vendas e comunicação com os clientes. O atendimento, que era feito através

Leia mais

UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009)

UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009) GESTÃO DE PROCESSOS UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009) 1. O QUE É PROCESSO? Processos têm sido considerados uma importante ferramenta de gestão, um instrumento capaz de aproximar

Leia mais

PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UNIJUÍ NO MERCADO DE TRABALHO 1

PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UNIJUÍ NO MERCADO DE TRABALHO 1 PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UNIJUÍ NO MERCADO DE TRABALHO 1 Ana Cláudia Bueno Grando 2, Eliana Ribas Maciel 3. 1 Trabalho de Conclusão de curso apresentado a banca

Leia mais

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades UNIDADE 3 Identificação de oportunidades Provavelmente seja um dos maiores mitos sobre as novas idéias para negócios: a idéia deve ser única. Na realidade pouco importa se a idéia é única ou não, o que

Leia mais

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 1. INTRODUÇÃO Gilson da Silva Cardoso Antonio Carlos Francisco Luciano Scandelari O mundo está experimentando

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO. Quem nunca ouviu aquela velha frase O maior capital de nossa empresa é o capital

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO. Quem nunca ouviu aquela velha frase O maior capital de nossa empresa é o capital A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO humano. Quem nunca ouviu aquela velha frase O maior capital de nossa empresa é o capital Uma pesquisa realizada em 1997 nos Estados Unidos comprovou estatisticamente que essa

Leia mais

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS Hugo Bianchi BOSSOLANI 1 RESUMO: Sistema de Informações Gerenciais (S.I.G.) é o processo de transformação de

Leia mais

P-06. Revendo o Treinamento Comportamental. Bernardo Leite - bernardo@rhestrategia.com.br www.bernardoleite.com.br

P-06. Revendo o Treinamento Comportamental. Bernardo Leite - bernardo@rhestrategia.com.br www.bernardoleite.com.br P-06 Revendo o Treinamento Comportamental Bernardo Leite - bernardo@rhestrategia.com.br www.bernardoleite.com.br Proposta Refletir e analisar a metodologia de treinamentos comportamentais. O que acontece

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

CONSUMO ALIENADO Desafios para os Profissionais do Século XXI

CONSUMO ALIENADO Desafios para os Profissionais do Século XXI CONSUMO ALIENADO Desafios para os Profissionais do Século XXI RESUMO Consumo é o ato de a sociedade adquirir algo para atender as suas necessidades e seus desejos. Quando a pessoa compra de uma forma para

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): ESTUDO DE CASO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOS EM JALES-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO

TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): ESTUDO DE CASO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOS EM JALES-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): ESTUDO DE CASO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOS EM JALES-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

MOTIVAÇÃO PARA VENDAS

MOTIVAÇÃO PARA VENDAS MOTIVAÇÃO PARA VENDAS Nicolas de Oliveira Day 1 Fernando E. Cardoso 2 Rosângela Apel 3 Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Gestão Comercial (GCO0052) Prática do Módulo V 09/12/2013 RESUMO

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL Aline Aparecida de Oliveira, Ana Carolina da Silva, Christian Roberto de Godoy, Natália Sayuri Suzuki, Thais Rubia Ferreira

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS ATENÇÃO! UTILIZE OS SLIDES APENAS COMO MATERIAL ACADÊMICO. NÃO O PASSE A TERCEIROS. OBRIGADA.

GESTÃO DE PESSOAS ATENÇÃO! UTILIZE OS SLIDES APENAS COMO MATERIAL ACADÊMICO. NÃO O PASSE A TERCEIROS. OBRIGADA. GESTÃO DE PESSOAS ATENÇÃO! UTILIZE OS SLIDES APENAS COMO MATERIAL ACADÊMICO. NÃO O PASSE A TERCEIROS. OBRIGADA. René Descartes Dualismo: Corpo e mente Cogito ergo sun O trabalho deu origem as organizações

Leia mais

Introdução. Módulo 1: Necessidade de Informação, introdução

Introdução. Módulo 1: Necessidade de Informação, introdução 1 Introdução Objetivo Este módulo ajudará os gerentes a identificarem as necessidades de informação, a definirem prioridades, e a determinarem que módulos do PAG APS serão mais úteis para eles. A planilha

Leia mais

Como planejar a sua carreira profissional

Como planejar a sua carreira profissional 1 Como planejar a sua carreira profissional Normalmente, as crises e os momentos difíceis pelos quais todos nós vivenciamos, são excelentes momentos para repensarmos as nossas decisões e ações. Talvez

Leia mais

UNITERMOS: Marketing esportivo, futebol, administração esportiva.

UNITERMOS: Marketing esportivo, futebol, administração esportiva. ARTIGO Paulo Lanes Lobato * RESUMO Considerando que o marketing é hoje integrante de grande parte das conversas relacionadas ao esporte e, principalmente, que se transformou na esperança do esporte em

Leia mais

Como IDENTIFICAr AS oportunidades E CoNqUISTAr o ClIENTE

Como IDENTIFICAr AS oportunidades E CoNqUISTAr o ClIENTE Como IDENTIFICAr AS oportunidades E CoNqUISTAr o ClIENTE A abertura de empresas tem uma grande importância na sociedade em que vivemos, pois gera diversos benefícios, como empregos e riquezas para o país.

Leia mais

QUALIDADE NO ATENDIMENTO E GRAU DE SATISFAÇÃO ATRIBUÍDO PELO CONSUMIDOR AO COMÉRCIO VAREJISTA DE TRÊS LAGOAS/MS

QUALIDADE NO ATENDIMENTO E GRAU DE SATISFAÇÃO ATRIBUÍDO PELO CONSUMIDOR AO COMÉRCIO VAREJISTA DE TRÊS LAGOAS/MS 1 QUALIDADE NO ATENDIMENTO E GRAU DE SATISFAÇÃO ATRIBUÍDO PELO CONSUMIDOR AO COMÉRCIO VAREJISTA DE TRÊS LAGOAS/MS Elisângela de Aguiar Alcalde (Docente MSc. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS)

Leia mais

Belém PA, Maio 2012. Categoria: Pesquisa e Avaliação. Setor Educacional: Educação Universitária. Macro: Sistemas e Instituições de EAD

Belém PA, Maio 2012. Categoria: Pesquisa e Avaliação. Setor Educacional: Educação Universitária. Macro: Sistemas e Instituições de EAD 1 A QUALIDADE DOS CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA: CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS E BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UAB Belém PA, Maio 2012 Categoria: Pesquisa e Avaliação

Leia mais