LEVANTAMENTO PARCIAL DAS ADEQUAÇÕES DA REDE HOTELEIRA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ NA HOSPEDAGEM DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEVANTAMENTO PARCIAL DAS ADEQUAÇÕES DA REDE HOTELEIRA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ NA HOSPEDAGEM DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA."

Transcrição

1 LEVANTAMENTO PARCIAL DAS ADEQUAÇÕES DA REDE HOTELEIRA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ NA HOSPEDAGEM DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA. Luana Jung de Araujo 1 ; Priscila Karvat Geremias 1 ; Isadora Balsini Lucio 2 ; Larissa Regis Fernandes 2 1. Alunas do Curso Técnico em Hospedagem do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense Campus Camboriú. 2. Professores orientadores, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense Campus Camboriú. 1 INTRODUÇÃO As pessoas que apresentam algum tipo de deficiência auditiva podem ser também consideradas surdas, pois esta deficiência é vista como uma incapacidade parcial ou total da audição do portador desta deficiência. Antigamente, as pessoas que apresentavam algum tipo de necessidade especial, no caso, auditiva eram discriminadas perante a sociedade, pois as pessoas achavam que os cidadãos que apresentavam algum tipo de deficiência não possuíam a capacidade que as pessoas ditas como normais tinham. De acordo com Gordon (1974) apud Buscaglia (2006): quem cria os incapazes é a sociedade. Enquanto a maior parte das deficiências é produto do nascimento e de acidentes, o impacto debilitante da vida das pessoas frequentemente não é resultado tanto da deficiência quanto da forma como os outros definem ou tratam o indivíduo (...). As pessoas que apresentam algum tipo de necessidade especial podem ter nascido com essa anomalia ou até mesmo podem ter adquirido ao longo de sua vida. Hodiernamente, já se sabe que essas pessoas também têm capacidade tanto para estudar quanto para praticar determinados esportes, e também apresentam condições de ter uma vida normal, como qualquer outra pessoa, mas claro, que com algumas delimitações, variando conforme a deficiência que a pessoa apresenta, mas mesmo assim elas ainda sofrem muito preconceito perante a sociedade. A deficiência auditiva foi identificada no Brasil pelo Decreto de número de 2004, conforme os seguintes parâmetros: perda bilateral, parcial ou total, de quarenta e um decibéis (DB) ou mais; aferida por audiograma nas frequências de 500 HZ; HZ; HZ e HZ, (BRASIL, 2004). Conforme alguns dados analisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no ano de 2000, no Brasil foram diagnosticado que 14,5% da população apresentava algum tipo de necessidade especial, sendo assim mais de 5,7 milhões de pessoas eram portadoras de deficiência auditiva. Já no senso de 2010 foram identificados que mais de 6,7% da população brasileira é possuidora de algum tipo de necessidade especial, sendo que mais de 1,1% da população apresenta deficiência auditiva severa, (IBGE, 2010). O turismo para pessoas com necessidades especiais, no caso auditiva, pode ser considerado um meio de inserir essas pessoas na sociedade. Entretanto são poucos os destinos turísticos e os meios de hospedagem, que no caso seria os hotéis, que estão aptos para receber este tipo de turista. Conforme um hóspede que apresenta algum tipo de necessidade especial chega à um determinado hotel, e logo na sua recepção ele não é bem recepcionado, pelo fato de não haver profissionais atuando como intérpretes da Língua Brasileira dos Sinais (LIBRAS), este hóspede fará um marketing negativo para o destino turístico e também para o hotel.

2 Conforme Barreto (2006): a atividade turística é um importante meio de inclusão. E para tornar possível esta inclusão foram criadas leis que garantem direito à acessibilidade, estas são impostas todo e qualquer estabelecimento, seja ele voltado para o turismo ou não, seguir a essas normas estabelecidas pela lei nº de 19/12/2000. Com a realização deste projeto de pesquisa, dando-se ênfase ao turismo para pessoas que possuem algum tipo de necessidade especial, que no caso é auditiva, procura-se por meio deste identificar se os hotéis do município de Balneário Camboriú apresentam uma estrutura compatível para receber este tipo de turista. O projeto de pesquisa é beneficiado com a Bolsa Interna de Iniciação Científica, concebida pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense Campus Camboriú. 2 OBJETIVOS 2.1 Objetivo Geral: Identificar o preparo dos meios de hospedagem de Balneário Camboriú para receber pessoas que apresentam algum tipo de deficiência auditiva. 2.2 Objetivos Específicos: a) Identificar a legislação para pessoas com necessidades especiais auditivas, bem como sua aplicação em meios de hospedagem; b) investigar o percentual de pessoas com necessidades especiais auditivas que procuram por hospedagem no município de Balneário Camboriú; c) identificar o percentual de hotéis que possuem pessoas que dominam a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS); d) diagnosticar adaptações físicas nas unidades habitacionais e áreas comuns do hotel para deficiente auditivos, bem como o cumprimento na legislação neste aspecto; e) verificar se há interesse dos donos de hotéis em ter um profissional proficiente em LIBRAS atuando na área; f) diagnosticar se há empresas que oferecem curso para intérpretes de LIBRAS e se o mesmo se torna viável para os donos e funcionários dos hotéis. 3 MATERIAL E METÓDOS Este projeto de pesquisa foi desenvolvido por meio da pesquisa exploratória, pois os estudos em cima do tema foram realizados através de uma pesquisa mais aprofundada, pelo fato do tema ainda ser pouco explorado pelos pesquisadores. Gil (1999) define a pesquisa exploratória: "é desenvolvida no sentido de proporcionar uma visão geral acerca de determinado fato. Portanto, esse tipo de pesquisa é realizado, sobretudo, quando o tema escolhido é pouco explorado e torna-se difícil formular hipóteses precisas e operacionalizáveis". Como há muitos hotéis em Balneário Camboriú, optamos escolher os hotéis que são conveniados com a ABIH (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis), aplicando em cada um deles um questionário e, além disto, fizemos algumas anotações a respeito da estrutura física do hotel, verificando se o mesmo está de acordo com as leis e se há ou não avisos e adaptações para deficientes auditivos. Tivemos como população amostra os meios de hospedagem, especificamente os hotéis do município de Balneário Camboriú que são conveniados com a ABIH (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis), onde entrevistamos os gerentes e recepcionistas destes hotéis. Foram identificados por meio de entrevistas e questionários abertos e fechados alguns problemas que o projeto abrange, tais como: o percentual da demanda de pessoas com

3 deficiência auditiva; a aplicação e cumprimento da legislação referente ao tema e a disponibilidade de cursos profissionalizantes na área de LIBRAS. Após a análise destes dados, pode-se verificar se realmente há uma necessidade de implantar o profissional capacitado em LIBRAS para atender a demanda de pessoas com deficiência auditiva. Segundo Bruyne, Herman e Schoutheete (1977) "O estudo de caso justifica sua importância por reunir informações numerosas e detalhadas com vista em apreender a totalidade de uma situação. A riqueza das informações detalhadas auxilia num maior conhecimento e numa possível resolução de problemas relacionados ao assunto estudado". Também foram feitas algumas coletas de dados por meio de pesquisas bibliográficas, sendo que foi bastante difícil conseguir materiais para o desenvolvimento desse projeto, pelo fato do tema ainda ser pouco explorado e de não ter nenhum projeto como este que envolvem o município de Balneário Camboriú. O município de Balneário Camboriú possui cerca de 118 meios de hospedagem, dentre eles estão as diversas categorias de hotéis, pousadas, motéis, etc. que são cadastrados na Secretaria do Turismo do município. Balneário Camboriú apresenta 18 hotéis associados à Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH), sendo que 11 desses hotéis foram entrevistados e responderam aos questionários. Os hotéis entrevistados foram: Barra Sul Hotel; Hotel Bella Camboriú; Hotel Bhally; Hotel Candeias II; Hotel Genova; Infinity Blue Resort Spa; Marambaia Cassino Hotel; Hotel Pires; Hotel Rieger; Hotel Sanfelice; Hotel San Remo. 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO Não existe nenhuma lei ainda em vigor no Brasil que obrigue os hotéis e os meios de hospedagem no geral para que tenham um profissional qualificado atuando como intérprete da Língua Brasileira dos Sinais. Foi identificado que 90,9% dos hotéis entrevistados não possuem nenhum profissional qualificado em Língua Brasileira dos Sinais (LIBRAS), mas 9,09% dos hotéis possuem profissionais qualificados nessa área. Cerca de 72,2% dos hotéis talvez tenham o interesse de contratar um profissional que atue como intérprete de LIBRAS, pois a demanda de pessoas que procuram por esses serviços ainda é muito baixa, sendo que 18,1% dos hotéis não têm interesse nenhum de contratar esse tipo de profissional e apenas 9,09% dos hotéis têm interesse em ter um profissional desses atuando em seu hotel. Apenas 9,09% dos hotéis entrevistados disseram que seu hotel apresenta uma demanda significativa de pessoas com deficiência auditiva para que o hotel tenha um profissional atuando como intérprete de LIBRAS e 90,9% disseram que não têm demanda para que esse serviço se torne viável, consequentemente 90,9% dos hotéis não possuem registro do número de pessoas com deficiência auditiva que foram atendidas no próprio hotel, apenas 9,09% apresenta esse registro solicitado, mas o número é muito baixo, pelo fato de ser bastante difícil de identificar se a pessoas que está se hospedando é realmente surda, pois geralmente essas pessoas estão acompanhadas por pessoas que são ouvintes. Um gerente de um hotel da região informou que em nove anos que o mesmo atua nessa área ele só recebeu um hóspede que apresentava deficiência auditiva. Em relação à sinalização luminosa do tipo estroboscópio presente dentro da unidade habitacional (quarto/apartamento) que pisca para a chamada dos surdos, nenhum dos hotéis entrevistados possuem esse equipamento, pelo fato da demanda ser baixa e porque esse equipamento se torna inviável para o hotel, pelo seu alto custo. Para pessoas que apresentam deficiência auditiva o ideal é que nas unidades habitacionais tenha televisores com legendas para melhor entendimento do hóspede, mas como foi identificado somente 18,1% dos hotéis possuem esse equipamento com essa função de legenda ou Close Caption, e 81,8% não possuem esses televisores diferenciados. Outro requisito que em quase todos os lugares seja públicos ou não já têm são os símbolos internacionais de sanitários, que conforme dados levantados somente 36,3% dos hotéis têm

4 esses símbolos diferenciados, que é uma imagem colorida de bonequinhos (vermelha se for feminino, azul se for masculino) e em baixo poderá estar escrito também masculino/feminino ou poderá estar escrito só as iniciais M/F, como também não é obrigatório que tenha escrito, mas tendo o desenho já está correto, sendo que 63,6% dos hotéis não possuem o desenho como explicado acima, e alguns não têm nada escrito/ilustrado. Os surdos não têm como se comunicar por telefones normais, e então existe um telefone diferenciado para essas pessoas, que é com teclado e com um visor ao qual a pessoa que está do outro lado da linha fala normalmente e o sistema do próprio telefone traduz tudo o que foi dito e realiza os sinais (Língua Brasileira dos Sinais) conforme o que foi oralizado pela pessoa. Nenhum dos hotéis entrevistados do município possuem esse equipamento pelo fato de ser caro e acaba se tornando inviável para os hotéis. A sinalização em casos de emergência é algo que já é exigido por lei e conforme a norma da ABNT NBR Sinalização de segurança contra incêndio e pânico, (ABNT NBR Norma Brasileira, 2004), e é obrigatório todos os empreendimentos e estabelecimentos públicos apresentarem sinalização em casos de emergência, sendo que os hotéis também deveriam cumprir, mas foi identificado que somente 63,6% dos hotéis têm sinalização em casos de emergência e 36,3% não têm avisos nem sinalização em casos de emergência. Em relação aos avisos presentes dentro dos hotéis, deveriam ser de uma maneira diferenciada, ou seja, deveriam apresentar mais ilustrações e se fosse algo escrito deveria ser escrito conforme as regras da Língua Brasileia dos Sinais para que as pessoas que apresentam deficiência auditiva também conseguissem compreender, sendo assim, foi identificado que somente 18,1% dos hotéis possuem essa diferenciação nos avisos e 81,8% não apresentam nenhuma diferenciação na escrita dos avisos presentes dentro do empreendimento. Os dados identificados através do questionário foram analisados separadamente, e os resultados coletados foram colocados em gráficos e tabelas juntamente com o percentual de cada pergunta fechada, para melhor a visualização e para melhorar o entendimento. 5 CONCLUSÃO Com a execução deste projeto de pesquisa, concluímos diversos fatores contemplando desde como são as dificuldades dos deficientes auditivos até o que os meios de hospedagem, no caso os hotéis disponibilizam para este tipo de hóspede. Foi identificado que a deficiência só foi reconhecida no Brasil a partir de alguns decretos, e somente depois disso tornou-se possível a implementação de novas leis contribuindo para uma vida igual à todas pessoas, não importando suas delimitações. A demanda de pessoas com deficiência auditiva que procuram por hospedagem no município de Balneário Camboriú, ainda é muito baixa, tanto pelo fato de não ter pessoas qualificadas trabalhando como intérpretes da Língua Brasileira dos Sinais (LIBRAS), como também pelo fato da maioria dos meios de hospedagem, que no caso são os hotéis de Balneário Camboriú, sendo que 90,9% dos hotéis não possuírem uma estrutura e nem profissionais adequados para receber esse tipo de turista. Os deficientes auditivos utilizam a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) para poder se comunicar com as pessoas, para tanto é necessário que hotéis tenham um profissional atuando na área como intérprete de LIBRAS, mas com a coleta de dados realizada em onze hotéis de Balneário Camboriú, associados à Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH), foram diagnosticado que apenas um hotel do município possui um profissional atuando como intérprete de LIBRAS além de que a maioria dos hotéis não possuem equipamentos necessários para segurança e bem estar de pessoas com deficiência auditiva.

5 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABNT NBR Norma Brasileira, Disponível em: <http://ricardocasarino.files.wordpress.com/2008/06/nbr simbolos-desinalizacao-de-seguranca-contra-incendio-e-panico.pdf>. Acesso em: 27 maio ASSOCIAÇÃO Brasileira da Indústria de Hotéis de Santa Catarina, Disponível em: <http://www.abih-sc.com.br/>. Acesso em: 23 maio BARRETO, Luiz, Apud. BRASIL, Presidência da República do. Casa Civil: Subchefia para Assuntos Jurídicos, Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l10098.htm>. Acesso em: 15 maio BRASIL, Presidência da República do, Casa Civil: Subchefia para Assuntos Jurídicos, Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2004/decreto/d5296.htm>. Acesso em: 15 maio BRUYNE; HERMAN; SCHOUTHEETE. Apud. Metodologia da Pesquisa Aplicável às Ciências Sociais, Disponível em: <http://www.geocities.ws/cienciascontabeisfecea/estagio/cap_3_como_elaborar.pdf>. Acesso em: 17 maio GIL. Apud. Metodologia da Pesquisa Aplicável às Ciências Sociais, Disponível em: <http://www.geocities.ws/cienciascontabeisfecea/estagio/cap_3_como_elaborar.pdf>. Acesso em: 16 maio GORDON, Dr. Sol (1974), apud BUSCAGLIA(2006), SILVA (1986). Portadores de Necessidades Especiais ( PNE s) e o Mercado de Trabalho Brasileira,[200?]. Disponível em: <http://monografias.brasilescola.com/administracao-financas/portadores-necessidadesespeciais-pnes-mercado-trabalho.htm>. Acesso em: 17 maio IBGE-INSTITUTO Brasileiro de Geografia e Estatística, Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=438&id _pagina=1>. Acesso em: 17 maio 2012.

TURISMO E INCLUSÃO SOCIAL: um estudo da acessibilidade nos meios de hospedagem em Balneário Camboriú 1

TURISMO E INCLUSÃO SOCIAL: um estudo da acessibilidade nos meios de hospedagem em Balneário Camboriú 1 TURISMO E INCLUSÃO SOCIAL: um estudo da acessibilidade nos meios de hospedagem em Balneário Camboriú 1 Amanda Fantatto de Melo 2 ; Priscilla Gomes Welter 3 ; Sônia R. de S. Fernandes 4 INTRODUÇÃO O turismo

Leia mais

ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU

ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU Andriélle Pereira de Oliveira 1 RESUMO As normas de acessibilidade nos meios de hospedagens de Foz do Iguaçu são constituídas

Leia mais

Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos

Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos No Brasil há necessidade de conscientização e cumprimento de Decretos e Leis para a promover acessibilidade e inclusão social

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

Com base nesses pressupostos, o objetivo deste estudo foi conhecer como vem se dando a inserção e a empregabilidade, nas empresas do Pólo Industrial

Com base nesses pressupostos, o objetivo deste estudo foi conhecer como vem se dando a inserção e a empregabilidade, nas empresas do Pólo Industrial Introdução Esta proposta de estudo insere-se na linha de pesquisa Trabalho, Gênero e Políticas Sociais do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da PUCRJ e buscou conhecer questões referentes à inserção

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

3-5 TURISMO. Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria.

3-5 TURISMO. Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria. Anuário Estatístico do Município de Belém-2012 3-5 TURISMO 1 3-5 TURISMO Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria.

Leia mais

ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGEM EM SANTA VITÓRIA DO PALMAR

ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGEM EM SANTA VITÓRIA DO PALMAR ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGEM EM SANTA VITÓRIA DO PALMAR Bruna Leston Letícia Indart Franzen Mônica Favaretto Watanabe RESUMO: O setor de turismo é um dos que mais crescem no mundo, com isso o

Leia mais

Website desenvolvido como peça de apoio para uma proposta de campanha acessível para redes de restaurantes do segmento fast-food 1

Website desenvolvido como peça de apoio para uma proposta de campanha acessível para redes de restaurantes do segmento fast-food 1 Website desenvolvido como peça de apoio para uma proposta de campanha acessível para redes de restaurantes do segmento fast-food 1 Bianca Said SALIM 2 Lorran Coelho Ribeiro de FARIA 3 Pedro Martins GODOY

Leia mais

EXPEDIENTE CONSULTA Nº 006.350/2013 ASSUNTO: Possibilidade de um deficiente auditivo cursar medicina. RELATORA: Consa.ª Lícia Maria Cavalcanti Silva

EXPEDIENTE CONSULTA Nº 006.350/2013 ASSUNTO: Possibilidade de um deficiente auditivo cursar medicina. RELATORA: Consa.ª Lícia Maria Cavalcanti Silva PARECER CREMEB Nº 30/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 02/08/2013) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 006.350/2013 ASSUNTO: Possibilidade de um deficiente auditivo cursar medicina. RELATORA: Consa.ª Lícia Maria Cavalcanti

Leia mais

A PESSOA COM DEFICIENCIA E O TRABALHO APAMT 25-10 - 2014

A PESSOA COM DEFICIENCIA E O TRABALHO APAMT 25-10 - 2014 A PESSOA COM DEFICIENCIA E O TRABALHO APAMT 25-10 - 2014 PERIODIZAÇÃO DA HISTÓRIA IDADE ANTIGA 4000AC A 476 DC (Queda do Império Romano do Ocidente) IDADE MÉDIA 476 DC A 1453 (Queda do Império Romano do

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Carlos Gomes) Assegura às pessoas com deficiência auditiva o direito a atendimento por tradutor ou interprete de LIBRAS nos órgãos e entidades da administração pública,

Leia mais

Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010

Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010 Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010 As Instituições de Ensino Superior se vêem, cada vez mais, diante do desafio de criar estratégias eficazes que promovam a inclusão,

Leia mais

ANEXO II Modelo para submissão de trabalhos ao IV Seminário de Pesquisa em Turismo do Mercosul

ANEXO II Modelo para submissão de trabalhos ao IV Seminário de Pesquisa em Turismo do Mercosul ANEXO II Modelo para submissão de trabalhos ao IV Seminário de Pesquisa em Turismo do Mercosul A Acessibilidade no Turismo de Belo Horizonte Um estudo de caso da hotelaria Ricardo Dias da Costa Universidade

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA ACESSIBILIDADE NA ESCOLA ESPECIAL HELEN KELLER CAXIAS DO SUL

PROJETO DE PESQUISA ACESSIBILIDADE NA ESCOLA ESPECIAL HELEN KELLER CAXIAS DO SUL UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL ELENISE PEREIRA PROJETO DE PESQUISA ACESSIBILIDADE

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE BARRETOS DR. PAULO PRATA

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE BARRETOS DR. PAULO PRATA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE BARRETOS DR. PAULO PRATA Avenida Loja Maçônica Renovadora 68, nº 100 - Aeroporto - Barretos - São Paulo Telefone: (17) 3321-3060 www.facisb.edu.br CURSO DE MEDICINA Atividades

Leia mais

PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO UFC em Jaraguá do Sul

PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO UFC em Jaraguá do Sul Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO UFC em Jaraguá do Sul Introdução O Ultimate Fighting Championship (UFC) é a maior organização de artes marciais mistas (MMA)

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado do Turismo

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado do Turismo ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado do Turismo MEIOS DE HOSPEDAGEM DO PARANÁ 2000 2007 HOTELARIA O segmento hoteleiro provoca no turismo um efeito multiplicador na geração de empregos (diretos e indiretos)

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER PESQUISA DA OFERTA DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM NO MUNICÍPIO DE ITAPEMA Janeiro UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ

Leia mais

Acessibilidade à pessoa com deficiência

Acessibilidade à pessoa com deficiência Acessibilidade à pessoa com deficiência V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-EQI-01 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição de

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

Notas técnicas. Âmbito da pesquisa

Notas técnicas. Âmbito da pesquisa Notas técnicas Âmbito da pesquisa O âmbito da PEH incluiu os estabelecimentos que atenderam aos seguintes requisitos: ter exercido no ano de 2001 a atividade de alojamento, como atividade principal ou

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA Viviane Santos Salazar 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 O mercado Crescimento da demanda por hospedagem Copa do Mundo Olimpíadas Qual a representatividade

Leia mais

IX CONGRESSO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS

IX CONGRESSO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS IX CONGRESSO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS Acessibilidade e a Pessoa com Deficiência M.Sc. Eng.º GILMAR BORGES RABELO - Assessor de Mobilidade Urbana da Superintendência da Pessoa com Deficiência e Mobilidade

Leia mais

HOTELARIA DE CURITIBA: UM GOL DE PLACA NA COPA 2014

HOTELARIA DE CURITIBA: UM GOL DE PLACA NA COPA 2014 HOTELARIA DE CURITIBA: UM GOL DE PLACA NA COPA 2014 INDUSTRIA HOTELEIRA EM CURITIBA Curitiba e região possui atualmente 18 mil leitos, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH).

Leia mais

Diagnóstico e proposta de avanços para construção do Diretório de Meios de Hospedagem e Ocupação Hoteleira

Diagnóstico e proposta de avanços para construção do Diretório de Meios de Hospedagem e Ocupação Hoteleira Diagnóstico e proposta de avanços para construção do Diretório de Meios de Hospedagem e Ocupação Hoteleira Palestrante: Pedro Aranzabal (Consultor Consórcio FGV/FIPE) Apresentação Objetivos: Diagnosticar

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro

O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro Geraldo José Lombardi de Souza, Paulo César Ribeiro Quintairos, Jorge

Leia mais

Condições de vida das pessoas com deficiência no Brasil. Pesquisa de opinião pública nacional

Condições de vida das pessoas com deficiência no Brasil. Pesquisa de opinião pública nacional Condições de vida das pessoas com deficiência no Brasil Pesquisa de opinião pública nacional P01*. Gostaria de saber se em sua cidade, os prédios públicos estão adaptados à suas necessidades como pessoa

Leia mais

Condições de vida das pessoas com deficiência no Brasil. Pesquisa de opinião pública nacional

Condições de vida das pessoas com deficiência no Brasil. Pesquisa de opinião pública nacional Condições de vida das pessoas com deficiência no Brasil Pesquisa de opinião pública nacional Metodologia A população considerada é a população de pessoas com deficiência, com 16 anos, cadastradas no Instituto

Leia mais

ACESSIBILIDADE DO DEFICIENTE FÍSICO: ANÁLISE NA HOTELARIA FRANCANA

ACESSIBILIDADE DO DEFICIENTE FÍSICO: ANÁLISE NA HOTELARIA FRANCANA ACESSIBILIDADE DO DEFICIENTE FÍSICO: ANÁLISE NA HOTELARIA FRANCANA Lígia Andrian Leal Bolsista de Iniciação Científica PIBIC / CNPq. Analúcia Bueno dos Reis Giometti - Uni-FACEF. INTRODUÇÃO A deficiência

Leia mais

ACESSIBILIDADE AOS CADEIRANTES NOS HOTÉIS DA ORLA MARÍTIMA DO CABO BRANCO - JOÃO PESSOA-PB

ACESSIBILIDADE AOS CADEIRANTES NOS HOTÉIS DA ORLA MARÍTIMA DO CABO BRANCO - JOÃO PESSOA-PB ACESSIBILIDADE AOS CADEIRANTES NOS HOTÉIS DA ORLA MARÍTIMA DO CABO BRANCO - JOÃO PESSOA-PB Franciellu Sales Jussara de Farias Silva Patrícia Fernandes Vieira Yakey Santos Silva RESUMO: O setor hoteleiro

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital)

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) 1 Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Demanda Turística de Curitiba Estudo do perfil, comportamento e opinião dos turistas que visitam a capital paranaense, inclusive em eventos geradores

Leia mais

PESQUISA MERCADOLÓGICA ESTUDO DA DEMANDA TURÍSTICA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS. SINOPSE COMPARATIVA 2006, 2007 e 2008 janeiro/fevereiro

PESQUISA MERCADOLÓGICA ESTUDO DA DEMANDA TURÍSTICA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS. SINOPSE COMPARATIVA 2006, 2007 e 2008 janeiro/fevereiro PESQUISA MERCADOLÓGICA ESTUDO DA DEMANDA TURÍSTICA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS SINOPSE COMPARATIVA 2006, 2007 e 2008 janeiro/fevereiro Convênio: Santur/Prefeitura Municipal Execução: Gerência de Planejamento/Santur

Leia mais

Aprendizagem Eficiente em Supermercados

Aprendizagem Eficiente em Supermercados Aprendizagem Eficiente em Supermercados 100.590.209-70 106.477.209-90 077.499.829-65 Orientador 022.191.888-41 Joinville 2014 RESUMO O projeto tem como objetivo treinar a equipe de aprendizes que realiza

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

GRUPO 5 - COMUNICAÇÃO

GRUPO 5 - COMUNICAÇÃO GRUPO 5 - COMUNICAÇÃO Nº PROPOSTA UF e Nº Original da Proposta 01 Garantir que todo material produzido pelo poder público e privado seja produzido e veiculado em sistema de braile, texto digital, caracteres

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

TÍTULO: KOUPHÓS IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA AUXÍLIO/TRADUÇÃO DE LIBRAS-ASL

TÍTULO: KOUPHÓS IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA AUXÍLIO/TRADUÇÃO DE LIBRAS-ASL TÍTULO: KOUPHÓS IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA AUXÍLIO/TRADUÇÃO DE LIBRAS-ASL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA

Leia mais

JOVEM COM DEFICIÊNCIA

JOVEM COM DEFICIÊNCIA JOVEM COM DEFICIÊNCIA 1. Promover cursos de educação profissional de nível básico (técnico e tecnológico nos termos da Lei 9.394/96) e superior em espaços públicos e privados, respeitando a inclusão de

Leia mais

REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os estágios curriculares do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo do Instituto

Leia mais

Decreto Lei de LIBRAS

Decreto Lei de LIBRAS Decreto Lei de LIBRAS Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe

Leia mais

Acessibilidade: cidadania para todos

Acessibilidade: cidadania para todos Acessibilidade: cidadania para todos No meio do caminho tinha uma pedra... (Carlos Drummond de Andrade) Acessibilidade Condição para utilização, com segurança e autonomia, total ou assistida, dos espaços,

Leia mais

Não se consideraram como deficiência mental as perturbações ou doenças mentais como autismo, neurose, esquizofrenia e psicose.

Não se consideraram como deficiência mental as perturbações ou doenças mentais como autismo, neurose, esquizofrenia e psicose. Pessoas com deficiência Informações pessoas com deficiência em Porto Alegre, por região de Orçamento participativo e por tipo de deficiência Adriana Furtado O Observatório da Cidade apresenta informações

Leia mais

Ministério do Turismo. ONLINE Manual do Gerente. SNRHos

Ministério do Turismo. ONLINE Manual do Gerente. SNRHos Ministério do Turismo ONLINE ÍNDICE 1) OBJETIVOS... 3 2) APLICAÇÃO... 3 3) GLOSSÁRIO... 3 4) DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES... 3 4.1 NAVEGABILIDADE... 3 4.2 BOTÕES... 4 5) DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES... 6 5.1 LOGIN...

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS.

A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS. A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS. Rosane Batista Miranda¹ Eliane Vasconcelos Soares² Introdução O presente artigo visa á

Leia mais

Programa de Promoção da Acessibilidade PPA

Programa de Promoção da Acessibilidade PPA Programa de Promoção da Acessibilidade PPA O que é o Programa de Promoção da Acessibilidade? É um programa institucional que tem como objetivo criar condições de acesso ao conhecimento as pessoas com deficiência

Leia mais

3 Legislação federal e legislação municipal, de Manaus/AM, a respeito de pessoas com deficiência, dentre elas os surdos

3 Legislação federal e legislação municipal, de Manaus/AM, a respeito de pessoas com deficiência, dentre elas os surdos 56 3 Legislação federal e legislação municipal, de Manaus/AM, a respeito de pessoas com deficiência, dentre elas os surdos Na Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, há vários artigos que

Leia mais

TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA

TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA Alexandro Ferreira Reis Carlos Eduardo Brasil Campos Rossana Souza Almeida, Esp. (Orientadora) Este estudo tem como objetivo

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM, no uso de suas atribuições legais; CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM, no uso de suas atribuições legais; CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS DECRETO nº 474, de 24 de março de 2015 Institui a Central de LIBRAS no Município e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM, no uso de suas atribuições legais; DECRETA: CAPÍTULO I DAS

Leia mais

PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo

PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo Pergunta 01 Quais termos você usa para identificar uma pessoa surda? A Deficiente auditivo B Surdo-Mudo C Surdo D Mudinho

Leia mais

EMPRESÁRIO. Impacto econômico. São Joaquim

EMPRESÁRIO. Impacto econômico. São Joaquim Um dos roteiros turísticos de Santa Catarina é sua região serrana. Composta por uma série de pequenos municípios, os atrativos da Serra Catarinense vão além do inverno de frio intenso e belezas naturais,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER PESQUISA DA OFERTA DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM NO MUNICÍPIO DE LUIS ALVES Janeiro 2013 UNIVERSIDADE DO VALE

Leia mais

Pesquisa ISO 9001 Percepção dos compradores em relação aos seus fornecedores. - 2012 - Dplad/Dgcor

Pesquisa ISO 9001 Percepção dos compradores em relação aos seus fornecedores. - 2012 - Dplad/Dgcor Percepção dos compradores em relação - 2012 - Dplad/Dgcor OBJETIVO Conhecer a percepção das pessoas que atuam na área de compra de uma empresa quanto ao desempenho de seus fornecedores. TIPO DE PESQUISA

Leia mais

SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE

SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE Divisão de Informações e Estudos Estratégicos do Turismo Secretaria do Turismo Governo do Estado do Rio Grande do Sul Agosto 2013 EQUIPE TÉCNICA Governador

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE HOTELARIA E HOSPITALIDADE TURÍSTICA ESTUDO DE CASO DOS HOTÉIS DE PONTA GROSSA PARANÁ.

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE HOTELARIA E HOSPITALIDADE TURÍSTICA ESTUDO DE CASO DOS HOTÉIS DE PONTA GROSSA PARANÁ. FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE HOTELARIA E HOSPITALIDADE TURÍSTICA ESTUDO DE CASO DOS HOTÉIS DE PONTA GROSSA PARANÁ. SILVA, Isiele Mello - Faculdade Santa Amélia 1 SILVA, Nivaldo Pereira

Leia mais

Matemática em Libras

Matemática em Libras Matemática em Libras Por ZANÚBIA DADA Este artigo é um registro de minha experiência como professora surda, que atua com estudantes surdos das escolas estaduais e municipais - pólos de Campo Grande MS,

Leia mais

DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Maria Izabel do Amaral Sampaio Castro 8.ª Promotora de Justiça de São Caetano do Sul miasc@mp.sp.gov.br (11) 4238-8757 1 TERMINOLOGIA 1) Pessoa PORTADORA de Deficiência:

Leia mais

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

Condições de vida das pessoas com deficiência no Brasil

Condições de vida das pessoas com deficiência no Brasil Condições de vida das pessoas com deficiência no Brasil Relatório de Pesquisa de Opinião Pública Nacional Metodologia Pesquisa de opinião pública tipo quantitativa Universo: Cadastro de pessoas do IBDD

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PENA, Fernanda Santos, UFU 1 SAMPAIO, Adriany de Ávila Melo, UFU 2 Resumo: O presente trabalho apresenta o projeto de pesquisa

Leia mais

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45%

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45% 1 2 A FECOMÉRCIO SC, com o intuito de mapear o perfil do turista e do empresário do turismo de carnaval em Santa Catarina, realizou uma pesquisa com esses públicos nas quatro cidades de maior movimento

Leia mais

* Respectivamente, gerente, administradora e engenheiro da Gerência Setorial 4 do BNDES.

* Respectivamente, gerente, administradora e engenheiro da Gerência Setorial 4 do BNDES. HOTEL DE NEGÓCIOS Mary Lessa Alvim Ayres Ilka Gonçalves Daemon Paulo Cesar Siruffo Fernandes* Resumo Muito têm-se falado de hotéis de negócios: oportunidades de investimentos, grupos estrangeiros alardeando

Leia mais

IMPACTO DOS MEGA EVENTOS NA INDuSTrIA hoteleira brasileira JUNHO 2013

IMPACTO DOS MEGA EVENTOS NA INDuSTrIA hoteleira brasileira JUNHO 2013 IMPACTO DOS MEGA EVENTOS NA Industria hoteleira brasileira JUNHO 2013 ENTIDADE ABIH NACIONAL Fundada em 09/11/1936 3.500 associados 35 escritórios 26 capitais + DF 08 regionais ENTIDADE 25.500 meios de

Leia mais

CATEGORIA A7 OUTROS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS DE APOIO IDENTIFICAÇÃO

CATEGORIA A7 OUTROS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS DE APOIO IDENTIFICAÇÃO Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

Diretrizes do Programa SENAI de Ações Inclusivas. Departamento Regional de Goiás

Diretrizes do Programa SENAI de Ações Inclusivas. Departamento Regional de Goiás Diretrizes do Programa SENAI de Ações Inclusivas Departamento Regional de Goiás 2008, SENAI - Departamento Regional de Goiás DIRETRIZES DO PROGRAMA SENAI DE AÇÕES INCLUSIVAS Presidente do Conselho Regional

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA

TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO MAUÁ DE

Leia mais

Segurança nos Meios de Hospedagem de Foz do Iguaçu / PR 1. Claudio Alexandre de Souza 2

Segurança nos Meios de Hospedagem de Foz do Iguaçu / PR 1. Claudio Alexandre de Souza 2 Segurança nos Meios de Hospedagem de Foz do Iguaçu / PR 1 Claudio Alexandre de Souza 2 Professor do Curso de Hotelaria, Pesquisador do Grupo de Pesquisa GEOS, do CCSA do Campus de Foz do Iguaçu da Universidade

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

ANEXO II PROGRAMA 2063 - PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

ANEXO II PROGRAMA 2063 - PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA ANEXO II PROGRAMA 2063 - PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1 ÁREA DE INTERESSE FORMAÇÃO/CAPACITAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita M. Coutinho 2 RESUMO Este artigo científico tem

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A ACESSIBILIDADE EM ETAPAS DA 2 CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE

RECOMENDAÇÕES PARA A ACESSIBILIDADE EM ETAPAS DA 2 CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE RECOMENDAÇÕES PARA A ACESSIBILIDADE EM ETAPAS DA 2 CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE Este documento foi organizado pela Comissão Organizadora Nacional (CON) da 2 Conferência Nacional de Políticas Públicas

Leia mais

Lei nº 8.120, de 09 de dezembro de 2009.

Lei nº 8.120, de 09 de dezembro de 2009. Lei nº 8.120, de 09 de dezembro de 2009. Dispõe sobre a Política Municipal de Acessibilidade de Pessoas com deficiência e mobilidade reduzida no Município de Campos dos Goytacazes e dá outras providências.

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

SENADO FEDERAL. PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 387, de 2009

SENADO FEDERAL. PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 387, de 2009 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 387, de 2009 Altera a Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000, para determinar a reserva de assentos para pessoas com deficiência em locais de espetáculo, conferências,

Leia mais

A Inclusão do Profissional Portador de Deficiência e a lei 8213 de 24/07/91

A Inclusão do Profissional Portador de Deficiência e a lei 8213 de 24/07/91 A Inclusão do Profissional Portador de Deficiência e a lei 8213 de 24/07/91 Luiz Carlos Rodrigues Resumo: Com a criação da Lei que estabelece cotas para a inclusão do profissional portador de deficiências

Leia mais

CATEGORIA C5 EVENTOS PROGRAMADOS IDENTIFICAÇÃO. Subtipos:

CATEGORIA C5 EVENTOS PROGRAMADOS IDENTIFICAÇÃO. Subtipos: Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) definiu a classificação do porte, com base no número de empregados de cada estabelecimento.

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) definiu a classificação do porte, com base no número de empregados de cada estabelecimento. QUEM SÃO AS EMPRESAS DE MICRO, PEQUENO E MÉDIO PORTES? Critérios de Classificação: São dois os principais critérios para classificação da empresa por porte. Um é baseado na receita operacional bruta anual,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Controle Contábil e Financeiro, Desenvolvimento Empresarial, Associação Paraibana da Beleza.

PALAVRAS-CHAVE: Controle Contábil e Financeiro, Desenvolvimento Empresarial, Associação Paraibana da Beleza. 7CCSADFCOUT1 CONTROLE FINANCEIRO: UMA FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL DOS SALÕES DA ASSOCIAÇÃO PARAIBANA DA BELEZA Jannielly Krystianne Laurentino dos Santos (1) ; Luzivalda Guedes Damascena

Leia mais

ANÁLISE DOS DADOS - SERVIDORES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS SEMA.

ANÁLISE DOS DADOS - SERVIDORES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS SEMA. ANÁLISE DOS DADOS - SERVIDORES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS SEMA. Responsável pela Analise: Karina Beatriz Pereira Lopes Nildenes Lages Tabulação: Vinicius Queiroz da Silva.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE.

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. Autor: ANTÔNIO CARLOS DE SOUZA E SÁ FILHO Introdução O Turismo de Eventos está em plena ascensão

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RECUPERAÇÃO TURÍSTICA E HOTELEIRA NOS DISTRITOS SEDE E ITAIPAVA NO MUNICÍPIO DE PETRÓPOLIS PÓS-CATÁSTROFE DE JANEIRO DE 2011

AVALIAÇÃO DA RECUPERAÇÃO TURÍSTICA E HOTELEIRA NOS DISTRITOS SEDE E ITAIPAVA NO MUNICÍPIO DE PETRÓPOLIS PÓS-CATÁSTROFE DE JANEIRO DE 2011 AVALIAÇÃO DA RECUPERAÇÃO TURÍSTICA E HOTELEIRA NOS DISTRITOS SEDE E ITAIPAVA NO MUNICÍPIO DE PETRÓPOLIS PÓS-CATÁSTROFE DE JANEIRO DE 2011 Leandro de Araújo Dias Lélio Galdino Rosa Sharon Fanny Nogueira

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA JULHO DE 2015

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA JULHO DE 2015 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA JULHO DE 2015 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC) Diretoria de Estatística e Indicadores A partir da análise da movimentação

Leia mais

Acessibilidade dos Hosteis na Cidade de Foz do Iguaçu

Acessibilidade dos Hosteis na Cidade de Foz do Iguaçu Acessibilidade dos Hosteis na Cidade de Foz do Iguaçu ARIANE DOS SANTOS¹ RAQUEL DOS SANTOS VIEIRA² Resumo: Foz do Iguaçu está ganhando cada vez mais espaço no mercado de turismo. Assim como a cidade de

Leia mais

A ambientação profissional e projeto integrador: vivências e aprendizagens na formação profissional no curso Técnico de Hospedagem do IF-SC.

A ambientação profissional e projeto integrador: vivências e aprendizagens na formação profissional no curso Técnico de Hospedagem do IF-SC. A ambientação profissional e projeto integrador: vivências e aprendizagens na formação profissional no curso Técnico de Hospedagem do IF-SC. Fabíola Martins dos Santos 1 Instituto Federal de Santa Catarina

Leia mais

3 Metodologia e Objeto de estudo

3 Metodologia e Objeto de estudo Metodologia e Objeto de estudo 36 3 Metodologia e Objeto de estudo Neste capítulo, através da explanação da metodologia de pesquisa e do objeto de estudo, serão definidas as questões centrais de estudo,

Leia mais

Quem são os turistas que visitam as vinícolas do Planalto Catarinense?

Quem são os turistas que visitam as vinícolas do Planalto Catarinense? Coordenador: Professor Wilton Carlos Cordeiro Bolsistas: José Luiz Monteiro Mattos Newton Kramer dos Santos Neto Colaboradora: Professora Flávia Baratieri Losso OBJETIVO: conhecer o perfil dos turistas

Leia mais

O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS?

O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS? O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS? Apresentação Histórico Estratégia de comunicação e políticas para promoção do municipalismo forte e atuante A atuação da Confederação Nacional de Municípios na comunicação pública

Leia mais

DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR - 2013

DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR - 2013 Superintendencia de Investimentos em Pólos Turisticos SUINVEST Diretoria de Planejamento e Estudos Econômicos DPEE DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR - 2013 Pesquisa SETUR Maio, 2014 1 DESEMPENHO DA HOTELARIA

Leia mais

Escrita de Sinais em Libras Sistema Signwriting.

Escrita de Sinais em Libras Sistema Signwriting. Escrita de Sinais em Libras Sistema Signwriting. M A R I A S A L O M É S O A R E S D A L L A N E S P E C I A L I S T A E M E D U C A Ç Ã O E S U R D E Z C E P R E / F C M / U N I C A M P M E S T R A N

Leia mais

Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança e ao Adolescente Surdo (SACAS).

Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança e ao Adolescente Surdo (SACAS). Temática(s): Acessibilidade em Biblioteca Tipo de Trabalho: Trabalho Técnico-Científico Título do trabalho: Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança

Leia mais

Pesquisa de Percepção de Qualidade dos Serviços e Perfil do Hóspede na Hotelaria de Porto Alegre

Pesquisa de Percepção de Qualidade dos Serviços e Perfil do Hóspede na Hotelaria de Porto Alegre Pesquisa de Percepção de Qualidade dos Serviços e Perfil do Hóspede na Hotelaria de Porto Alegre Apresentação da Pesquisa Realizada através da parceria entre a UFRGS, SINDPOA E SETUR Objetivos: Identificar

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ SECRETARIA DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ SECRETARIA DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ SECRETARIA DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO nº 028, de 17 de dezembro de 2014. Estabelece as diretrizes para a realização de Processo Seletivo Especial

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

Nova Legislação Específica Sobre Estágio LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008.

Nova Legislação Específica Sobre Estágio LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Nova Legislação Específica Sobre Estágio LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes; altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho CLT, aprovada

Leia mais

CATEGORIA B6 SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS DE LAZER IDENTIFICAÇÃO. Subtipos:

CATEGORIA B6 SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS DE LAZER IDENTIFICAÇÃO. Subtipos: Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

Estimativa do Número de Visitantes no Município de Ouro Preto

Estimativa do Número de Visitantes no Município de Ouro Preto Estimativa do Número de Visitantes no Município de Ouro Preto Sumário 1. Apresentação e Justificativa... 3 2. Método de Monitoramento nas Entradas da Cidade... 3 3. Método Misto de Ocupação Hoteleira e

Leia mais