Derivativos FIDC - Diagnóstico e Perspectivas. Mercados IBEF PAULO LAMOSA BERGER. Instrumentos do Mercado Financeiro. Mercados.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Derivativos FIDC - Diagnóstico e Perspectivas. Mercados IBEF PAULO LAMOSA BERGER. Instrumentos do Mercado Financeiro. Mercados."

Transcrição

1 Mercados Derivativos IBEF PAULO LAMOSA BERGER 1 Instrumentos do Mercado Financeiro Emissão Os ativos de renda fixa são emitidos de forma escritural e registrados em Sistemas de Custódia. Existem no Brasil dois grandes sistemas, o SELIC e a CETIP. Os ativos de renda variável e derivativos são também emitidos de forma escritural e registrados em Sistemas de Custódia das Bolsas de Valores e de Futuros - (Ex. CBLC e BM&F) 2 Mercados 4Mercado de Balcão Organizado ambiente de negociação acessível as instituições integrantes do sistema de intermediação. i Negociação de títulos, valores mobiliários e derivativos. i Administrado por instituição auto reguladora. i Supervisionado pelas Autoridades Reguladoras (CMN, Bacen, CVM) i Sistemas de negociação e de registro eletrônicos ou não. 4Mercado de Balcão Não Organizado - over the counter - mercado de títulos e valores mobiliários, sem local físico definido para realização das negociações. i Operações realizadas por telefone entre as instituições. i Não é supervisionado por Autoridades Reguladoras i Não apresenta transparências quanto aos volumes e preços negociados 4Bolsas - ambientes de negociação operado por sociedades corretoras. i Sistema de negociação eletrônica ou viva-voz. 3 1

2 Instrumentos do Mercado Financeiro Renda Fixa Nesse tipo de instrumento o investidor sabe que irá receber um rendimento determinado, que pode ser pré ou pósfixado. As cadernetas de poupança, os CDBs, FIFs e outros títulos são exemplos de aplicações de renda fixa. 4 Instrumentos do Mercado Financeiro Tipos de Ativos de Renda Fixa: Títulos da Dívida Interna: Federal, Estadual e Municipal Cédula de Debênture (CD) Certificado de Depósito Bancário (CDB) Depósito Interfinanceiro (DI) Recibo de Depósito Bancário (RDB) Cédula de Crédito Bancário (CCB) Debênture Export Note 5 Instrumentos do Mercado Financeiro Tipos de Ativos de Renda Fixa: Nota Promissória (Commercial Paper) Certificado de Privatização (CP) Certificado Financeiro do Tesouro (CFT) Certificado do Tesouro Nacional (CTN) Cota do Fundo de Desenvolvimento Social (FDS) Crédito Securitizado Letra Financeira do Tesouro de Estados e Municípios (LFTE-M) Título da Dívida Agrária (TDA) 6 2

3 Instrumentos do Mercado Financeiro Renda Variável Nos instrumentos de renda variável, o seu rendimento é incerto, pois o investidor está aplicando em títulos que não têm uma remuneração fixa. Os rendimentos variam de acordo com seu potencial de valorização. As ações e os fundos de renda variável são os investimentos desse tipo mais conhecidos. 7 Instrumentos do Mercado Financeiro Derivativos 4Mercados nos quais são negociados contratos referenciados em um ativo real (mercadorias) ou em ativos financeiros (índices, taxas, moedas) com vencimento e liquidação, financeira e física, para uma data futura, por um preço determinado. 4Viabilizam aos agentes produtivos realizarem operações de hedge que permitem proteger do risco de preço as posições detidas no mercado à vista, ou mesmo futuras posições físicas. 4Objetivam a transferência dos riscos de preços inerentes à atividade econômica, entre os seus participantes. c v c v hoje v c c v futuro 4São ativos financeiros cujo valor resulta (deriva), total ou parcialmente, do valor de mercadorias ou de outros ativos financeiros, negociados no mercado à vista 8 Derivativos Podem ser definidos como contratos cujos valores dependem de outras variáveis mais básicas. Quatro modalidades de instrumentos: TERMO R. CRÉDITO R. LIQUIDEZ BALCÃO FUTURO R. CRÉDITO R. LIQUIDEZ PREGÃO Ex.: Termo de soja Futuro de dólar Swap cambial OPÇÕES R. CRÉDITO R. LIQUIDEZ PREGÃO SWAPS R. CRÉDITO R. LIQUIDEZ BALCÃO Opções de juros 9 3

4 10 TERMO 4 CARACTERÍSTICAS 4 AS partes assumem compromissos de compra e venda, de ativos reais, em quantidade, qualidade e preço. 4 O preço a termo é fixado adicionando-se, ao preço à vista, uma taxa de juros livremente pactuada. 4 Liquidação física e financeira diferidas no tempo. 4 Entrega efetiva do produto, contra recebimento total do preço. 4 Vinculação entre comprador e vendedor. 4 Risco de crédito mútuo - coberto ou não. 4 Risco de perda - variação de preço. 4 Baixa liquidez. 4 Mercados de Balcão, Organizados ou não. 11 FUTURO 4 CARACTERÍSTICAS 4 As partes assumem compromissos de compra e venda, em quantidades e qualidades pré determinadas, de ativos financeiros ou ativos reais (mercadorias), representadas por contratos padronizados. 4 Padronização total dos ativos negociados 4 Liquidação física ou financeira por diferença ou entrega física. 4 Desvinculação entre comprador e vendedor. 4 Elevada liquidez 4 Risco de crédito homogêneo - gerenciado pelo sistema 4 Depósito de Margens / Ajustes Diários / Marcação a Mercado 4 Limites de oscilação diários 4 Negociação transparente em bolsas, mediante sistema de pregão 4 Preços formados pelo mercado 4 Alta alavacagem a baixo custo 12 4

5 CONTRATOS FUTUROS 4Padronização 4 Agiliza a negociação dos contratos 4 Fungibilidade dos contratos 4 Facilidade de zerar posições 4 Liquidez 4 Variações diárias nos preços 4 Preços de conhecimento público 4 Ativo Objeto 4 Quantidade / Qualidade 4 Vencimento 4 Forma de Liquidação 4 Garantias 4 Preço é o único item flexível

6 MARGEM de GARANTIA 4 Margem Inicial 4 Calculada em função da volatilidade do ativo 4 Representa um valor percentual do contrato 4 Alterável a qualquer tempo, a critério da bolsa 4 Para um mesmo ativo, aumentam com o prazo 4 Exigida de ambos ao participantes 4 Hedgers podem ter 20 % desconto na margem inicial 4 Diversos ativos aceitos como garantias 16 Margem/Ajuste Exemplo MARGEM AJUSTE 13/ago jan/11 475,07 459, ,00-0, ,77 12/ago 481,05 464, ,00-3, ,78 11/ago 487,16 470, ,00 6, ,79 10/ago 10,76 17 MARGEM de GARANTIA 4 Ativos Aceitos 4Dinheiro 4Ouro 4Títulos Públicos Federais 4Títulos Privados * 4Cartas de Fiança * 4Apólices de Seguro * 4Ações e Cotas de fundos de investimento em ações * * a critério da BM&F 18 6

7 AJUSTES DIÁRIOS 4 O ajuste diário representa a antecipação de lucros e perdas, geradas pela variação dos preços diários. 4 Testa a capacidade financeira do participante em suportar perdas proporcionais a sua posição. 4 A falta de pagamento de um ajuste diário caracteriza a inadimplência do participante e aciona o mecanismo de execução das garantias da margem inicial. 4 A despersonalização do contrato protege o risco da contraparte, transferindo-o para a clearing da bolsa. 19 AJUSTES DIÁRIOS 4 Bolsa debita perdedores 4 Bolsa credita ganhadores 4 Débitos / Créditos em cash D+1 4 Recursos pagos pelos perdedores são repassados os ganhadores - (Soma Zero) 20 INADIMPLÊNCIA 4Ajuste Diário / Margem de Garantia 4 A bolsa liquida as posições inadimplentes na abertura do pregão seguinte. 4 Os prejuízos serão cobertos pelo depósito inicial de margem. 4 Como os ajustes diários são liquidados em D+1 a margem deve cobrir 2 dias de oscilação dos preços. 21 7

8 GARANTIAS 4 O sistema de ajuste diário permite que as margens de garantias sejam menores para cobrir a exposição total dos participantes. 4 Muda o perfil do risco das posições : 4 de longo prazo (vencimento do contrato) 4 para curto prazo (dois dias) 22 CALLS de FECHAMENTO 4 Determina o preço para efeito do ajuste diário 4 Regras claras e definidas 4 Preços devem representar a realidade 4 Transparência 4 O sistema à prova de manipulação 23 CÁLCULO DO AJUSTE DIÁRIO Ajuste Diário - Exemplo Compra de 10 contratos - US$ ,00 /contrato Dia Preço Compra/Venda Preço Ajuste Ajuste Diário D0 R$ 2,361 R$ 2,363 + R$ 1.000,00 D1 R$ 2,360 - R$ 1.500,00 D2 R$ 2,360 R$ 0,00 D3 R$ 2,362 + R$ 1.000,00 D4 R$ 2,364 + R$ 1.000,00 Total + R$ 1.500,00 [10 x 50,000 x (2,364-2,361)] = + R$ 1.500,00 A posição oposta (vendida) terá idêntica movimentação, mas com sinal trocado. Cotação = US$ * 1000 => Ajuste = R$ 50,00/ponto 24 8

9 TERMO X FUTURO Objetivo Mercado Futuro Proteção contra variações nos preços. Liquidação por fechamento de posição. Mercado a Termo Proteção contra variações nos preços. Visa o recebimento / entrega do produto contratado. Negociabilidade Podem ser negociados antes do vencimento Não são negociados Responsabilidade Quantidade Local Negociação Garantias Vencimentos Participantes Ajustes Var. de Preços Câmara de Compensação Estabelecida pela Bolsa Bolsa de Futuros Garantias pré-definidas Estabelecidos pela Bolsa de Futuros Qualquer pessoa física ou jurídica Diários Diárias Partes Contratantes Estabelecida pelas partes Balcão - Over the Counter Facultativo Negociado pelas partes Produtores e consumidores No vencimento Não muda o valor do contrato 25 Tipos de Operações 4 Hedge:(Risco = 0 e Lucro = 0) iconsiste em realizar uma ou mais operações que reduzam a exposição ao risco do implementador dessa(s) operação(ões) - Hedger. Exemplo: 4 Importadores correm risco cambial. 4 Perdem com a desvalorização da moeda. 26 Tipos de Operações 4 Especulação: :(Risco > 0 e Lucro # 0) io objetivo é a aposta na variação de preços ou de taxas. Ao contrário dos hedgers, os especuladores aceitam correr riscos e ficar expostos a variações indesejáveis de preços 4 Apostam na tendência: ialta compra iqueda venda 27 9

10 Tipos de Operações 4 Manipulação: iconsiste em alterar artificialmente o preço de um ativo com objetivo de tirar proveito dessa variação de preço. Só é possível quando um participante (ou grupo de participantes) do mercado tem força suficiente para tal. 28 Tipos de Operações 4 Arbitragem: iconsiste em obter um lucro sem risco, através da realização de transações simultâneas em dois ou mais mercados. iprocurar um conjunto de operações no mercado financeiro envolvendo os contratos de futuros que permitam um retorno livre de risco. 4 Taxa Implícita: 4 Taxa de Juros projetada pelo mercado futuro para um determinado período de tempo. 29 Fluxo implícito no merc. futuro Hoje 1 ano Venc. Pç. à vista = 2,70 Pç. Futuro = 3,20 3,20 2,70 Tx. Implícita = [(3,20/2,70) 1]*100 = 18,50% 30 10

11 Mercado Futuro Op. Caixa - Taxa Implícita < Taxa de aplicação 4 Vender à vista 4 Aplicar no mercado prefixado 4 Comprar contratos futuros Op. Financiamento - Taxa Implícita > Taxa de aplicação 4 Tomar empréstimo 4 Comprar à vista 4 Vender contratos futuros 31 FORMAÇÃO DE PREÇO FUTURO Preço Justo de um Derivativo F = S x (1+i) n/m 4 F = Valor do Contrato Futuro 4 S = Valor do spot 4 i = Taxa de juros 4 n = Dias úteis até o vencimento 4 m = Dias da base (252 du) 32 EXERCÍCIOS 4Exemplo: Seja o mercado de futuro de ouro: 4Vencimento: 30 dias 4Taxa de juros: 10% a.m. 4taxa para captação = taxa de aplicação 4Operação: 1 kg do metal 4Cotação futuro: R115,00/g 4Cotação spot: R100,00/g 4Qual a melhor estratégia nestas condições de mercado. 4Monte uma tabela com o fluxo financeiro da operação

12 EXERCÍCIOS - Solução Mercado Futuro caro em relação ao mercado à vista: 4 Operação Financiamento => taxa mercado = 10% < taxa implícita = 15% Estratégia: 4 Hoje i toma R$ emprestados a 10% a.m. i compra o ouro a vista i vende simultaneamente contratos a termo / futuro de ouro por R$ 115,00 4 Em 30 dias: i realiza a venda futura do ouro por R$ i paga o empréstimo por R$ , realizando um lucro de R$ na operação, sem risco. Dia Operação Financiamento Movimentação financeira Saldo $$ D+0 toma R$ emprestado D+0 compra ouro a vista por R$ D+0 vende contrato futuro por R$ D+30 liquida a posição futura D+30 paga o empréstimo Formação de Taxas O valor de mercado de um títulopérepresentado como o valor presente dos fluxos de caixa futuros: onde: T C P = t t = ( + y ) t 1 1 Ct = o pagamento do principal ou do cupom, ou de ambos, no período t ; t = a quantidade de períodos (anual, semestral ou outro) para cada pagamento; T = a quantidade de períodos até o último vencimento; e y = a taxa de retorno do título até o vencimento (yield to maturity). 35 Mercado Futuro 36 12

13 Contrato Futuro DI de 1 dia 4 Este instrumento financeiro tem por principal função econômica reduzir a volatilidade de fluxos de caixa associados a variação das taxas de juros, através de operações de hedge. 4 Os contratos nos vencimentos valem pontos, ou R$ ,00 já que o ponto vale R$ 1,00. 4 É como se tratasse de um título de renda fixa com este valor de face. 37 Contrato Futuro DI de 1 dia Ponta Pré hoje i PU PU * var CDI Ponta Pós PU Resultado = PU * var CDI 38 DI -FUTURO DI - Futuro e Formação de Taxas de Juros Contrato Dias úteis a decorrer DI-Futuro Mês t % Mês t % Mês t % Mês t % PU i% DU

14 DI -FUTURO DI - Futuro e Formação de Taxas de Juros Fluxos equivalentes PU i1% DU i mg% DU2 DU i2% PU DU2 i1 * img = i2 40 DI -FUTURO DI - Futuro e Formação de Taxas de Juros Fluxos equivalentes PU 20.05% i mg% % PU ^(40/252)=1.2005^(17/252)*(1+img/100)^(23/252) 41 DI -FUTURO DI - Futuro e Formação de Taxas de Juros Fluxos equivalentes PU 20.05% % % PU 40 img = {[1.2050^(40/252) / ^(17/252)]^(252/23) 1}*

15 DI FUTURO 12/03/07 Venc Ult Cpra Vda Neg Abto DU abr ,660 1,478, mai , jun , jul ,660 1,346, out , , jan ,866 1,305, abr , , jul , , out , jan , , abr , jul , out , jan , , abr , jul , out , jan , DI FUTURO 12/03/07 12/03/ Selic 0 Selic 1 Selic 2 Selic 3 BM&F /04 18/04 01/05 01/06 06/06 01/07 18/07 01/ T1 T2 T3 T DI FUTURO 12/03/

16 Estrutura a termo Um problema comum aos praticantes do mercado de renda fixa é o de obter taxas de juros para todos os prazos possíveis e não apenas os mais negociados. Ao conjunto de taxas dá-se o nome de estrutura a termo da taxa de juros, ou simplesmente ET. A ET representa a relação, em determinados instantes, entre prazo para o vencimento e taxa de retorno de títulos de renda fixa, oriundos de uma mesma classe de risco. 46 Estrutura à Termo de Taxa de Juros BM&F ETTJ Ativo Polinômio (BM&F) , ,97 25, , ,04 23, ,25 21,85 21 Dias 20 20, y = -2,2043E-10x 4 + 2,3938E-07x 3-1,2134E-04x 2 + 4,2903E-02x + 1,9917E+01 R 2 = 9,9406E Taxa (%) 48 16

17 MERCADO de OPÇÕES Opção É um direito a comprar ou vender, em uma data específica, um determinado ativo por um preço pré-estabelecido. A negociação de uma opção envolve, para uma das partes um direito (exercível ou não); e para a outra parte uma obrigação que poderá vir a ser exigida ou não. 49 MERCADO de OPÇÕES Titular da Opção É quem comprou o direito, e poderá vir a exercê-lo ou não, segundo sua conveniência. Lançador da Opção É o vendedor da opção. Terá a obrigação, irrefutável, de vender ou comprar o ativo objeto, quando solicitado pelo titular. 50 MERCADO de OPÇÕES Opção de Compra - CALL Outorga ao comprador da opção (Titular) o direito de vir a comprar do Lançador, o ativo objeto a qualquer tempo, até a data de exercício. Opção de Venda - PUT Dá direito ao comprador da opção (Titular) de vender ao Lançador o ativo objeto na data de exercício

18 MERCADO de OPÇÕES Opção Européia O titular da opção só poderá exercer o seu direito na data de vencimento da opção. Opção Americana O titular da opção poderá exercer o seu direito a qualquer momento, até a data de vencimento da opção. Opções sobre Ações na BOVESPA: CALL - geralmente tipo americana. Algumas séries tipo européia. Exp. PETR PUT - todas são do tipo Européias. 52 MERCADO de OPÇÕES Prêmio da Opção É o preço da opção. É pago, à vista, pelo comprador ao vendedor da opção. Não integra o preço de exercício. Não é passível de devolução. 53 MERCADO de OPÇÕES Preço de Exercício - Strike Preço pré-fixado, pelo qual o ativo objeto poderá ser comprado ou vendido. Data de Exercício Data limite de validade para o exercício da opção. Após a data (dia e hora) cessam tanto a obrigação do lançador como o direito do titular

19 MERCADO de OPÇÕES Séries de Opções As Bolsas lançam várias séries de opções de compra (Call s) e de venda (Put s) para uma mesma data de exercício, com diferentes preços de exercício. Haverá sempre preços de exercício idênticos para Call s e Put s. Possibilitam montar diversas estratégias de captação ou aplicação de dinheiro ou operações especulativas em face a expectativas de alta ou baixa nos preços dos ativos objeto. 55 MERCADO de OPÇÕES Opção in the Money Opção de compra cujo preço de exercício é menor do que o preço de mercado a vista. Opção de venda cujo preço de exercício é maior do que o do mercado à vista Opção Out of the Money Opção de compra cujo preço de exercício é maior do que o preço de mercado a vista. Opção de venda cujo preço de exercício é menor do que o do mercado à vista Opção at the money Opção de compra ou de venda cujo preço de exercício oscila muito próximo ao preço à vista da ação. 56 Exercícios de OPÇÕES TITULAR FAZ O QUE A OPÇÃO DIZ Se for opção de compra (Call) - COMPRARÁ Se for opção de venda (Put) - VENDERÁ LANÇADOR FAZ O CONTRÁRIO DA OPÇÃO Se for opção de compra (Call) - VENDERÁ Se for opção de venda (Put) - COMPRARÁ 57 19

20 Resumo CLASSIFICAÇÃO CALL PUT "In the Money" Dentro do Dinheiro "At the Money" No Dinheiro "Out of the Money" Fora do Dinheiro Preço do ativo é maior que o preço de exercício Preço do ativo é igual ao preço de exercício Preço do ativo é menor que o preço de exercício Preço do ativo é menor que o preço de exercício Preço do ativo é igual ao preço de exercício Preço do objeto é maior que o preço de exercício 58 Variáveis que influenciam os preço das opções VARIÁVEIS EFEITO na CALL EFEITO na PUT Ativo-Objeto Aumenta Volatilidade Aumenta Taxa de Juros Aumenta Evolução no tempo Aumenta Preço Exercício Aumenta Aumenta Aumenta Diminui Aumenta Diminui Diminui Aumenta Diminui Aumenta Aumenta 59 Operações com Opções Compra de Opção de Compra 4 Perda limitada / Ganho Ilimitado Venda de Opção de Compra 4 Ganho limitado / Perda Ilimitada Compra de Opção de Venda 4 Perda e Ganho Limitados Venda de Opção de Venda 4 Perda e Ganho Limitados 60 20

21 Gráfico Opção de Compra Compra de Opção Venda de Opção Gráfico Opção de Venda Compra de Opção Venda de Opção Estratégias com Opções Tx. Implic. = VE / (PV - PRÊMIO) Operação Caixa - Taxa Implícita < Taxa de aplicação 4 Vender à vista 4 Comprar opções 4 Aplicar no mercado prefixado i (aluguel de ações) Operação Financiamento - Taxa Implícita > Taxa de aplicação 4 Tomar emprésimo 4 Comprar à vista 4 Vender opções 63 21

22 Estratégias com Opções Trava de Alta - Compra uma Opção e Vende outra com preço de Exercício superior Trava de Baixa - Vende Opção e Compra outra com preço de Exercício superior Spread Butterfly - Compra de duas opções de compra com preços de exercício diferentes (n1 e n3 contratos) e venda de n2 contratos de uma série com preço de exercício entre os da operação de compra. 64 Estratégias com Opções Trava de Alta Trava de Baixa Butterfly

23 SWAPS 4Swaps isão contratos particulares entre duas partes para a troca futura de fluxos de caixa. iobedece uma fórmula de cálculo preestabelecida no contrato. iesses contratos visam a troca de rentabilidade e/ou de indexadores entre as partes. ias partes acordam entre si o prazo, o valor e a forma de correção. 67 SWAPS 4 Operação livremente arbitrada onde as partes trocam os riscos de oscilações de indexadores, preços ou taxas de juros. 4 Objetivo de hedge, casar posições ativas e passivas, equalizar preços, gerar gap s, arbitrar mercados ou alavancar exposições ao risco. 4 Valor (nocional), prazos, indexadores e taxas fixados pelas partes. 4 Contrato particular (over the counter). 4 Não envolve movimentação financeira na contratação. 4 Não implica em assunção de ativos ou passivos. 4 Liquidação por diferença - Valores apurados na data de vencimento. 68 SWAPS 4Contabilização nas contas de compensação. 4Registro obrigatório no Cetip ou BM&F (se uma das partes IF) 4CETIP somente registro da operação. Aponta valores de liquidação. 4BM&F Dois sistemas: 4 Sem Garantias 4Somente registro da operação. 4 Com Garantias : 4Bilateral - Garante duas partes depósito de margens para ambos. 4Unilateral Garante uma das partes apenas, que deposita margem

24 SWAPS 4Imposto de Renda na Fonte Tabela Regressiva. 4Riscos - As duas partes estão expostas a risco. 4Não quantificável quando da contratação, só na liquidação. 4Equivale a um percentual do descolamento entre os indexadores, calculado sobre o valor do nocional. 70 SWAPS 4Taxa de Juros Pré-fixada 4Variação Cambial - Dólar Comercial 4Taxa de Certificado de Depósito Interfinanceiro CDI 4Taxa Referencial - TR 4Índice Geral de Preços Mercado - IGPM 4IBOVESPA 4Ouro BM&F - Contrato de 250 Gramas 4Taxa Selic 4Taxa Básica Financeira TBF 4Taxa de Juros de Longo Prazo TJLP 4Taxa ANDIB 4Índice FGV SWAPS Paga Variação CDI Paga Taxa Pré-fixada Banco Taxa Ativo P L B - Variação CDI Taxa Ativo BANCO - 15 % a.a. Valor do Contrato - R$ ,00 Data Início - 30 / 05 / 2006 Prazo dias (132) Vencimento - 30 / 11 / 2006 No vencimento Valor atualizado pela taxa pré-fixada Variação do CDI = 7, % = R$ ,00 Valor atualizado pela variação do CDI = R$ ,00 Diferencial (bruto) a favor do Cliente = R$ 3.433,00 Valor líquido a favor da PLB (IR 20%) = R$ 2.746,

Mercado de Renda Fixa Títulos Públicos Módulo II

Mercado de Renda Fixa Títulos Públicos Módulo II Mercado de Renda Fixa Títulos Públicos Módulo II Professor: Paulo Lamosa Berger Agenda O valor do dinheiro referese ao fato de que $1 hoje vale mais que $1 em uma data futura. O entendimento desta afirmação

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL...

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL... SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO..................................1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 2.1 Introdução...........................................5 2.2 Posições.............................................6

Leia mais

Mercados Futuros (BM&F)

Mercados Futuros (BM&F) Neste segmento de mercado se negociam contratos e minicontratos futuros de ativos financeiros ou commodities. Ou seja, é a negociação de um produto que ainda não existe no mercado, por um preço predeterminado

Leia mais

Mercado de Renda Fixa Títulos Públicos

Mercado de Renda Fixa Títulos Públicos Mercado de Renda Fixa Títulos Públicos Professor: Paulo Lamosa Berger Agenda O valor do dinheiro referese ao fato de que $1 hoje vale mais que $1 em uma data futura. O entendimento desta afirmação é o

Leia mais

Renda Fixa - Precificação

Renda Fixa - Precificação Renda Fixa - Precificação Prof. Paulo Lamosa Berger Introdução Renda Fixa - Precificação 2 O valor do dinheiro refere-se ao fato de que $1 hoje vale mais que $1 em uma data futura. O entendimento desta

Leia mais

Diretoria de Agronegócios

Diretoria de Agronegócios Proteção de Preços no Mercado Agropecuário Renato Barreto Riscos da atividade agropecuária Climáticos e/ou intempéries Preço Crédito... Mitigadores de Risco de Preço Risco: Oscilação nos preços das mercadorias

Leia mais

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada 1. O direito de compra de um ativo, a qualquer tempo, pelo respectivo preço preestabelecido, caracteriza uma opção? a) Européia de venda b) Européia de compra c) Americana de venda d) Americana de compra

Leia mais

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte XI Os Derivativos

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte XI Os Derivativos Apostila Mercado de Capitais Uninove Parte XI Os Derivativos 1 Fundamentos dos Derivativos 2 O que são Derivativos? Os Instrumentos financeiros: Um instrumento financeiro é qualquer contrato que dá origem

Leia mais

Assunto: Derivativos Prof. Ms Keilla Lopes

Assunto: Derivativos Prof. Ms Keilla Lopes Assunto: Derivativos Prof. Ms Keilla Lopes Graduada em Administração pela UEFS Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Mestre em Administração pela UFBA Assunto: DERIVATIVOS Objetivos da aula: Conceito

Leia mais

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Derivativos Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho 1 Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Currículo Economista com pós-graduação em Finanças pela FGV-SP, mestrado em Administração pela PUC-SP

Leia mais

Mercado de Renda Fixa

Mercado de Renda Fixa Mercado de Renda Fixa Paulo Lamosa Berger Instrumentos do Mercado Financeiro Renda Fixa Nesse tipo de instrumento o investidor sabe que irá receber um rendimento determinado, que pode ser pré ou pós-fixado.

Leia mais

Tesouraria e Derivativos. Prof. Cleber Rentroia

Tesouraria e Derivativos. Prof. Cleber Rentroia Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia Agosto 2014 Bibliografia 2 Funções e atividades de tesouraria A finalidade básica da Tesouraria é assegurar os recursos e instrumentos financeiros necessários

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Cupom de IGP-M

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Cupom de IGP-M CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de Cupom de IGP-M Futuro de Cupom de IGP-M Um instrumento de proteção contra variações na taxa de juro real brasileira O produto O Contrato Futuro de Cupom de IGP-M oferece

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO.

MERCADO DE CAPITAIS. 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. MERCADO DE CAPITAIS 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS PARA OS ALUNOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. PROFESSOR FIGUEIREDO SÃO PAULO 2007 Mercado de Capitais

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Spread. Operações passivas. Operações ativas. Operações acessórias. Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro

Prof. Cid Roberto. Spread. Operações passivas. Operações ativas. Operações acessórias. Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7

Leia mais

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1. O que é contrato futuro? É um acordo entre duas partes, que obriga uma a vender e outra, a comprar a quantidade e o tipo estipulados de determinada commodity, pelo preço acordado, com liquidação do

Leia mais

Operações com derivativos (item 7 do edital BB)

Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Prof.Nelson Guerra set / 2012 INTRODUÇÃO Os preços gerais das mercadorias agrícolas, das taxas de juros e do câmbio têm-se mostrado altamente instável no

Leia mais

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012):

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): O mercado monetário Prof. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br Blog: www.marcoarbex.wordpress.com Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): Mercado Atuação

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte:

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos: São condomínios, que reúnem aplicações de vários indivíduos para investimento

Leia mais

captação de recursos empréstimos financiamento.

captação de recursos empréstimos financiamento. Instrumentos utilizados pelas instituições financeiras para captação de recursos (funding) que serão utilizados nas operações de empréstimos e financiamento. 1 O cliente entrega os recursos ao banco, sendo

Leia mais

SCI- 12. Nome do Documento. Código de Acesso. Manual de Marcação a Mercado - MaM CONTEÚDO DO DOCUMENTO

SCI- 12. Nome do Documento. Código de Acesso. Manual de Marcação a Mercado - MaM CONTEÚDO DO DOCUMENTO Nome do Documento Manual de Marcação a Mercado - MaM Código de Acesso SCI- 12 CONTEÚDO DO DOCUMENTO O presente documento fornece instruções obrigatórias para a execução dos processos de marcação a mercado

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FIC DE FI REFERENCIADO DI CNPJ 19.312.112/0001-06 DEZEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FIC DE FI REFERENCIADO DI CNPJ 19.312.112/0001-06 DEZEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli FIC de FI Referenciado DI. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo, disponíveis

Leia mais

Derivativos de Balcão. Opções Flexíveis

Derivativos de Balcão. Opções Flexíveis Derivativos de Balcão Opções Flexíveis Opções Flexíveis Proteção contra a volatilidade de preços O produto Opção flexível é um contrato em que o titular tem direito, mas não obrigação, de comprar (ou vender)

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO - FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS EM MERCADOS DERIVATIVOS (MODALIDADE SEMIPRESENCIAL)

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO - FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS EM MERCADOS DERIVATIVOS (MODALIDADE SEMIPRESENCIAL) CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO - FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS EM MERCADOS DERIVATIVOS (MODALIDADE SEMIPRESENCIAL) 1º Encontro Presencial 01 hora - Presencial - Apresentação do Curso e Ferramentas do E-Learning

Leia mais

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: 02.269.

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: 02.269. Lâmina de Informações Essenciais do Informações referentes à Dezembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o TÍTULO FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO - LONGO PRAZO (Título

Leia mais

INDEXADORES econômicos

INDEXADORES econômicos INDEXADORES econômicos Fontes: Jornal do Commercio Confederação Nacional do Comércio IPC-RJ / FGV IPC NO IGP-M / FGV Jul./08 331,178 0,22 4,20 5,92 Ago. 331,726 0,17 4,37 5,76 Set. 331,010-0,22 4,14 5,04

Leia mais

CETIP. Segundo o BACEN - CETIP

CETIP. Segundo o BACEN - CETIP Professor Luiz Antonio de Carvalho Central de Liquidação Financeira e de Custódia de Títulos - lac.consultoria@gmail.com 1 2 A Cetip é a integradora do mercado financeiro. É uma companhia de capital aberto

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic III Mercado Financeiro e de Capitais Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado A taxa Selic efetiva totalizou 8,2% em 213 e a taxa Selic real acumulada no ano, deflacionada pelo IPCA, atingiu 2,2%.

Leia mais

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas Derivativos Prática Igor Forte Pedro Jonas Jul/2013 Mini-case 1 Hedge com DOL Dólar Usado para transferência de risco cambial em US$. Empresas importadoras exportadoras e/ou com ativos e passivos indexados

Leia mais

Simulado CPA 20 Gratis

Simulado CPA 20 Gratis 1 Simulado CPA 20 Gratis Question 1. O risco de crédito está associado a capacidade do emissor de um título em não honrar os pagamentos: ( ) Somente dos Juros ( ) Dos juros e do principal da dívida ( )

Leia mais

ABC DO INVESTIDOR. Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos.

ABC DO INVESTIDOR. Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos. ABC DO INVESTIDOR Ação Título negociável, que representa a parcela do capital de uma companhia. Ação Cheia (com) Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos.

Leia mais

Índice. 1. Ações. 2. Termo. 3. Aluguel de Ações. 4. Opções. Quantidade de Ações. Subscrição de Direito de Subscrição. Custos.

Índice. 1. Ações. 2. Termo. 3. Aluguel de Ações. 4. Opções. Quantidade de Ações. Subscrição de Direito de Subscrição. Custos. Índice 1. Ações Quantidade de Ações Subscrição de Direito de Subscrição Custos Tributação Fatores de Risco Liquidação Leilão 2. Termo Mais sobre Termo Ordens Margens e Garantias Liquidação Fatores de Risco

Leia mais

PROGRAMA DETALHADO Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10)

PROGRAMA DETALHADO Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10) PROGRAMA DETALHADO Programa da Certificação Detalhado Profissional da Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10) ANBID Série 10 Controle: D.04.08.07 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão:

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Cotistas e à Administradora do BRB Fundo de Investimento em Renda Fixa BRB Mais Brasília - DF Examinamos as demonstrações financeiras

Leia mais

DOS DERIVATIVOS E SEUS MERCADOS

DOS DERIVATIVOS E SEUS MERCADOS XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Tesouro Direto. Brasília, Setembro de 2011

Tesouro Direto. Brasília, Setembro de 2011 Tesouro Direto Brasília, Setembro de 2011 Princípios da Gestão da Dívida Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Simulador do Tesouro Direto Perfil do Investidor

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

Manual de Precificação de Ativos. Fundos de Investimento. e Carteiras Administradas

Manual de Precificação de Ativos. Fundos de Investimento. e Carteiras Administradas Manual de Precificação de Ativos Fundos de Investimento e Carteiras Administradas Janeiro de 2009 ÍNDICE Introdução 03 Títulos Públicos Federais 05 Pós fixados LFT 06 Pré fixados LTN 07 NTN-B Indexador

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DOS MERCADOS 239 questões com gabarito

CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DOS MERCADOS 239 questões com gabarito 239 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F BOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS : 239 questões com gabarito. São

Leia mais

INVESTIMENTOS EM AÇÕES, TÍTULOS PRIVADOS e TÍTULOS PÚBLICOS

INVESTIMENTOS EM AÇÕES, TÍTULOS PRIVADOS e TÍTULOS PÚBLICOS INVESTIMENTOS EM AÇÕES, TÍTULOS PRIVADOS e TÍTULOS PÚBLICOS Formas de investir em ações. Individualmente Coletivamente Clubes de Investimentos Fundos de Investimentos Ações Ação é a menor fração do capital

Leia mais

TOP O BACEN atualmente pode emitir títulos? Sistema Especial de Liquidação e Custódia - Selic. Professor Luiz Antonio de Carvalho

TOP O BACEN atualmente pode emitir títulos? Sistema Especial de Liquidação e Custódia - Selic. Professor Luiz Antonio de Carvalho Professor Luiz Antonio de Carvalho Sistema Especial de Liquidação e Custódia - Selic lac.consultoria@gmail.com 1 2 CONCEITO O Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic), do Banco Central do Brasil,

Leia mais

Caixa Econômica Federal

Caixa Econômica Federal Turma Exercícios 01) Em relação ao Sistema Financeiro Nacional, analise as afirmativas a seguir: I - Compete ao Conselho Monetário Nacional Regular o valor externo da moeda e o equilíbrio do balanço de

Leia mais

PRINCIPAIS TÍTULOS NEGOCIADOS NO MERCADO FINANCEIRO

PRINCIPAIS TÍTULOS NEGOCIADOS NO MERCADO FINANCEIRO PRINCIPAIS TÍTULOS NEGOCIADOS NO MERCADO FINANCEIRO 1. Classificação dos Títulos 1.1. Títulos públicos e privados 1.2. Títulos de crédito e de propriedade 1.3. Títulos de renda fixa e de renda variável

Leia mais

Análise da Necessidade e Periodicidade de Resgates para Aportes Periódicos Mensais em Cdb

Análise da Necessidade e Periodicidade de Resgates para Aportes Periódicos Mensais em Cdb Análise da Necessidade e Periodicidade de Resgates para Aportes Periódicos Mensais em Cdb Fabiana de Jesus Peixoto fabi.contato@hotmail.com FATEC-BP Priscila Gandolfi Dell Orti priscilagandolfi@hotmail.com

Leia mais

Renda Fixa Debêntures. Renda Fixa. Debênture

Renda Fixa Debêntures. Renda Fixa. Debênture Renda Fixa Debênture O produto A debênture é um investimento em renda fixa. Trata-se de um título de dívida que gera um direito de crédito ao investidor. Ou seja, o mesmo terá direito a receber uma remuneração

Leia mais

Taxa básica de juros e a poupança

Taxa básica de juros e a poupança UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, SECRETARIADO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Análise de Investimentos Prof. Isidro LEITURA COMPLEMENTAR # 2 Taxa

Leia mais

INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS PQO ROTEIRO DE ESTUDOS ÁREA DE RISCO

INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS PQO ROTEIRO DE ESTUDOS ÁREA DE RISCO INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS PQO ROTEIRO DE ESTUDOS ÁREA DE RISCO 1. Tributação no mercado financeiro 1.1. Tributação de cotistas de fundo de investimento 1.2. Tributação

Leia mais

Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio

Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio Quais alternativas um produtor rural tem para diminuir os riscos de preços na hora de vender sua safra? Modelo tradicional: contato direto com o

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic III Mercado Financeiro e de Capitais Taxas de juros reais e expectativas de mercado O ciclo de flexibilização monetária iniciado em janeiro, quando a meta para a taxa básica de juros foi reduzida em p.b.,

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Poupança, CDB ou Tesouro Direto? Veja vantagens de cada investimento

Poupança, CDB ou Tesouro Direto? Veja vantagens de cada investimento Poupança, CDB ou Tesouro Direto? Veja vantagens de cada investimento A poupança é mais popular, mas rendimento perde da inflação. Saiba como funciona cada uma dos três formas de guardar seu dinheiro. Karina

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 E 3. Noções de Economia e Finanças pg 26 5 a 7 questões 3.1 Conceitos Básicos de Economia 3.2 Conceitos Básicos de

Leia mais

Cap. V Produtos Financeiros

Cap. V Produtos Financeiros 5.1 CDB/RDB Cap. V Produtos Financeiros Prof. Uérito Cruz Um banco anuncia pagar 22,6% a.a. para aplicação em CDB de sua emissão. É projetada uma inflação de 7,2% a.a. e o mercado trabalha como taxa referencial

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil MERCADO DE CAPITAIS Prof. Msc. Adm. José Carlos de Jesus Lopes Bolsas de Valores ou de Mercadorias São centros de negociação onde reúnem-se compradores e vendedores de ativos padronizados (ações, títulos

Leia mais

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Tema Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Apresentação JOCELI DA SILVA SILVA Analista Administrativo/Gestão Pública Lotado na Assessoria de Coordenação 3ª CCR Especialização UNB Clube

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

Unidade IV. Mercado Financeiro e de Capitais. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade IV. Mercado Financeiro e de Capitais. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade IV Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros - Resumo encontro anterior Sistema Financeiro Nacional Órgãos, entidades e operadoras Estrutura do Sistema

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Consulta Pública de Lâmina de Fundo Boa noite, Eduardo

Consulta Pública de Lâmina de Fundo Boa noite, Eduardo Page 1 of 8 Consulta Pública de Lâmina de Fundo Boa noite, Eduardo Atenção: Estas informações tem por base os documentos enviados à CVM pelas Instituições Administradoras dos Fundos de Investimento e são

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.3- CDB / RDB

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.3- CDB / RDB Conhecimentos Bancários Item 2.1.3- CDB / RDB Conhecimentos Bancários Item 2.1.3- CDB / RDB CDB Certificado de Depósito Bancário São títulos nominativos emitidos pelos bancos e vendidos ao público como

Leia mais

Renda fixa e Tesouro Direto

Renda fixa e Tesouro Direto Renda fixa e Tesouro Direto Classificação de investimentos Collor CDB Renda fixa Caderneta de poupança Fundos DI Imóveis Renda variável Ações Liquidez Liquidez Liquidez Segurança Segurança Segurança Rentabilidade

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

Investtop www.investtop.com.br

Investtop www.investtop.com.br 1 Conteúdo Introdução... 4 CDB... 6 O que é CDB?...6 Liquidez...6 Tributação...6 Riscos...7 Dicas...7 Vantagens...7 Letra de Crédito do Imobiliário (LCI)... 9 O que é LCI?...9 Liquidez...9 Tributação...9

Leia mais

Mercado de Derivativos $

Mercado de Derivativos $ Mercado de Derivativos SWAPS Prof. Bertolo O que são SWAPS? São acordos estabelecidos entre duas partes visando a uma troca de fluxos de caixa futuros (sem trocar o principal) por um certo período de tempo.

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

3.1 - Estrutura do SFN

3.1 - Estrutura do SFN 1 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Estrutura do SFN 3.2 Subsistema normativo 3.3 Subsistema de intermediação 3.4 Títulos públicos negociados no MF 3.5 Principais papéis privados negociados no MF 3/4/2012

Leia mais

DERIVATIVOS. Por Abraão Maia. Ulisses Malveira

DERIVATIVOS. Por Abraão Maia. Ulisses Malveira DERIVATIVOS Por Abraão Maia Ulisses Malveira REVISÃO DE DERIVATIVOS Contratos a Termo O que é? Um contrato que lhe dá o direito de receber uma quantidade X de um produto Y. Quem? Duas pessoas, um comprador

Leia mais

Ministério da Fazenda

Ministério da Fazenda Ministério da Fazenda Belo Horizonte, outubro de 2006 Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Calculadora do Tesouro Direto O que é Tesouro Direto? Em 07 de

Leia mais

Letra Financeira - LF

Letra Financeira - LF Renda Fixa Letra Financeira - LF Letra Financeira O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições financeiras com a finalidade de captar recursos de longo prazo. Tem

Leia mais

MANUAL DO INVESTIDOR DO TESOURO DIRETO

MANUAL DO INVESTIDOR DO TESOURO DIRETO MANUAL DO INVESTIDOR DO TESOURO DIRETO INTRODUÇÃO... 3 1. REQUISITOS BÁSICOS... 5 2. CADASTRAMENTO PARA COMPRA DE TÍTULOS PÚBLICOS NO TESOURO DIRETO... 5 3. HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO... 7 4. TÍTULOS PÚBLICOS

Leia mais

Aplicação (1 + idi) t/n F = S(1 + idi) t=0 1 2 n-1 n. Risco cambial

Aplicação (1 + idi) t/n F = S(1 + idi) t=0 1 2 n-1 n. Risco cambial Comércio e Finanças Internacionais Prof. José Alfredo A. Leite 8c. MERCADO DE CUPÕES CAMBIAIS (Dólar doméstico) 1 Cupões Cambiais São aplicações financeiras em dólares teóricos, chamados de dólares domésticos.

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.1.3 Formação da Taxa de Juros Parte 2

Conhecimentos Bancários. Item 3.1.3 Formação da Taxa de Juros Parte 2 Conhecimentos Bancários Item 3.1.3 Formação da Taxa de Juros Parte 2 Item 3.1.3 Formação da Taxa de Juros Alguns conceitos importantes: 1. PIB PRODUTO INTERNO BRUTO; 2. Índices de Inflação; 3. Títulos

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE DERIVATIVOS: MERCADOS, ESTRATÉGIAS E GESTÃO DE RISCOS Por: Paulo Fernando Garrido da Costa Rodrigues Orientador Prof. Luciano

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 30/09/2011 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - ARROJADA MIX 40

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - ARROJADA MIX 40 BENCHMARK RF:60.00% ( 100.00%CDI ) + RV:40.00% ( 100.00%IBRX 100 ) Relatório Gerencial Consolidado - Período de 03/11/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/11/2015 pg. 1 Posição Sintética

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Agronegócio. Derivativos. Mercado Futuro. Mercado de Opções. ABSTRACT

RESUMO. Palavras-chave: Agronegócio. Derivativos. Mercado Futuro. Mercado de Opções. ABSTRACT MERCADO FUTURO E DE OPÇÕES FUTURE AND OPTIONS MARKET Aline Cristina Leal - lininhacl@hotmail.com Luciléia Mary Santos de Matos - lu.msmatos@hotmail.com Márcia Cristina Carvalho - marcynha_01@yahoo.com.br

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012 Prof. Cid Roberto Concurso 2012 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 É um órgão colegiado, de segundo grau, integrante

Leia mais

2) Responsável por estabelecer medidas de prevenção ou correção de desequilíbrios econômicos: a) CMN b) Bacen c) CVM d) Anbima

2) Responsável por estabelecer medidas de prevenção ou correção de desequilíbrios econômicos: a) CMN b) Bacen c) CVM d) Anbima Caderno de Exercícios CPA-10 Módulo I 1) Responsável pela fiscalização dos Fundos de Investimento: a) Anbima b) CVM c) CMN d) Bacen 2) Responsável por estabelecer medidas de prevenção ou correção de desequilíbrios

Leia mais

Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício findo em 30 de Setembro de 2015 e Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício findo em 30 de Setembro de 2015 e Relatório dos Auditores Independentes MB Fundo de Investimento em Ações CNPJ nº 18.799.585/0001-17 (Administrado pela Mercantil do Brasil Distribuidora S.A. - TVM - CNPJ nº 17.364.795/0001-10) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício

Leia mais

Valcedir Vicente Rosa. Sistema Financeiro Nacional

Valcedir Vicente Rosa. Sistema Financeiro Nacional 1 Sistema Financeiro Nacional Tópicos a serem abordados Visão geral do sistema financeiro nacional. Atuação dos participantes Mercado monetário e política monetária. Sistemas CETIP e SELIC Principais títulos

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Cotistas e à Administradora do BRB Fundo de Investimento em Cotas de Fundo de Investimento em Renda Fixa DI Longo Prazo 1 Milhão

Leia mais

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI MASTER PLUS FI REF DI CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI MASTER PLUS FI REF DI CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI MASTER PLUS FI REF DI CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO Informações referentes a novembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Definir as metodologias de apreçamento de ativos e derivativos constantes das carteiras de fundos e carteiras administrados pela BRB-DTVM.

Definir as metodologias de apreçamento de ativos e derivativos constantes das carteiras de fundos e carteiras administrados pela BRB-DTVM. Página 1/35 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: FINALIDADE: ELABORADOR: APROVAÇÃO: NORMA EXECUTIVA Definir as metodologias de apreçamento de ativos e derivativos constantes das carteiras de fundos e carteiras administrados

Leia mais

Economia e mercado financeiro

Economia e mercado financeiro Economia Jonas Barbosa Leite Filho* * Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas pela Faculdade Bagozzi. Graduado em Administração pelo Centro Universitário Campos de Andrade. Trabalhou no Banco do

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96)

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36 Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História Antes do dólar a moeda de referência internacional era a Libra Esterlina, pois a Inglaterra era a grande economia mundial. Somente após a segunda

Leia mais

Sicredi Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Renda Fixa Prime Longo Prazo (CNPJ n 08.252.576/0001-58) (Administrado pelo Banco

Sicredi Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Renda Fixa Prime Longo Prazo (CNPJ n 08.252.576/0001-58) (Administrado pelo Banco Sicredi Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Renda Fixa Prime (CNPJ n 08.252.576/0001-58) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes

Leia mais

Material complementar à série de videoaulas de Opções.

Material complementar à série de videoaulas de Opções. Apostila de Opções Contatos Bradesco Corretora E-mail: faq@bradescobbi.com.br Cliente Varejo: 11 2178-5757 Cliente Prime: 11 2178-5722 www.bradescocorretora.com.br APOSTILA DE OPÇÕES Material complementar

Leia mais

Tesouro Direto LEANDRO GONÇALVES DE BRITO

Tesouro Direto LEANDRO GONÇALVES DE BRITO Tesouro Direto LEANDRO GONÇALVES DE BRITO Visão Geral do Programa Vantagens do Programa Tesouro Direto Tributação Comprando e Vendendo Títulos Perfil do Investidor 2 O que são Títulos Públicos? Os títulos

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O MB HORIZONTE FIC FIA

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O MB HORIZONTE FIC FIA LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Janeiro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem ser

Leia mais

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008 Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção 17 de setembro de 2008 Presença Global do Unibanco O Unibanco é um dos maiores conglomerados financeiros do Brasil, presente nos principais centros

Leia mais

Mercado de Derivativos

Mercado de Derivativos Mercado de Derivativos Contratos de Opções Prof. Bertolo OBJETIVOS Conceituar opções, Titular e Lançador, prêmio, valor intrínseco e extrínseco. Tipologia, modalidades e classificação de opções identificar

Leia mais