INVESTIMENTOS EM AÇÕES, TÍTULOS PRIVADOS e TÍTULOS PÚBLICOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INVESTIMENTOS EM AÇÕES, TÍTULOS PRIVADOS e TÍTULOS PÚBLICOS"

Transcrição

1 INVESTIMENTOS EM AÇÕES, TÍTULOS PRIVADOS e TÍTULOS PÚBLICOS

2 Formas de investir em ações. Individualmente Coletivamente Clubes de Investimentos Fundos de Investimentos

3 Ações Ação é a menor fração do capital social de uma empresa As Sociedades Anônimas têm seu capital dividido em ações. Dessa forma, o acionista de uma S.A. é proprietário de uma parte dessa companhia, ou seja, ao adquirir ações o acionista passa a ser sócio da empresa. A emissão de ações é uma das formas que as empresas têm de captar recursos no mercado para serem utilizados na expansão da companhia.

4 TIPOS DE AÇÕES As Ações Ordinárias são aquelas que conferem ao acionista o direito de receber dividendos e o direito de voto em assembléia, na proporção de um voto por ação. Dessa forma os acionistas que detêm ações ordinárias são aqueles que podem decidir os rumos da empres As Ações Preferenciais são aquelas que atribuem ao seu titular uma vantagem na preferência de recebimento de dividendos. O preferencialista pode ter seu direito de voto limitado ou suprimido pelo estatuto da sociedade.

5 Vantagens das ações PN direito de participar do dividendo a ser distribuído, corresponde a, pelo menos, 25% do lucro líquido do exercício de acordo com o seguinte critério: prioridade no recebimento dos dividendos no mínimo, 3% PL da ação; direito de participar dos lucros distribuídos em igualdade de condições dividendo pelo menos 10% maior do que a cada ação ordinária; ou direito de serem incluídas na oferta pública de alienação de controle

6 Compromissos Adicionais nos Níveis do Novo Mercado. Adicionalmente, assumir compromissos societários Adicionalmente, ter apenas ações ordinárias Novo Mercado Adicionalmente, assumir compromissos de transparência Nível 2 Atender a Regulamentação Nível 1 Mercado Tradicional

7 ANÁLISE DOS VALORES DAS AÇÕES ESCOLAS DE ANÁLISE ANÁLISES HIPÓTESES BÁSICAS Técnica Gráfica Os preços das ações se movimentam em tendências e que existe uma dependência significativa entre as oscilações dos preços que se sucedem. Fundamentalista Econômico - finaceira É a existência de um valor natural ou intrínseco para cada ação, valor este correlacionado diretamente com o desempenho da empresa

8 Escolha Através Da Liquidez. BLUE CHIPS ou 1ª LINHA 2ª LINHA Mais negociadas De maior peso no Ibovespa Tradicionais Empresas de médio /grande porte 3ª LINHA Empresas pequenas e médias Baixa liquidez

9 BMF&BOVESPA -30/06/09 último dia do pregão viva-voz -Atualmente somente ao pregão eletrônico, rodadas de negociação do pregão viva-voz da BM&F BOVESPA.

10 Operadores testam o sistema eletrônico com o qual são feitos todos os negócios na BM&F BOVESPA a partir de 01/07/09.

11 Canais de Distribuição - Tipos e Principais Características - CTVM, DTVM, Agências Bancárias e Internet (Home Broker

12 COMO COMPRAR AÇÕES? ordem NEGOCIAÇÃO???? CORRETORA CADASTRO CBLC GUARDA DAS AÇÕES

13 Corretoras de Valores No ambiente das Bolsas de Valores as CTVM Corretoras de Títulos e Valores Mobiliários, podem intermediar a compra e venda das ações Caso o cliente se dirija a uma agência bancária para negociar ações em Bolsa de Valores, o banco deverá encaminhá-lo a uma Corretora

14 Home Broker Trata-se de um serviço semelhante aos de Home Banking oferecidos pelos bancos, É um canal de relacionamento, entre os investidores e as sociedades corretoras da BOVESPA, permitindo que sejam enviadas, por meio da Internet, ordens de compra e de venda de ações São ligados diretamente ao sistema de negociação da Bolsa

15 Horários de Negociação havendo contraparte, ordens transmitidas das 10h00 às 17h00 serão cumpridas durante o pregão do dia. Para ordens recebidas após às 17h00 haverá opção de agendamento para o próximo pregão ou para o After Market do dia. Valores: o valor mínimo para compra de ações é de R$ 200,00. Para venda não há valores mínimos. Podem ser negociados até R$ ,00 por dia durante o pregão e no After Market.

16 DTVMs As DTVM Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários têm faixa operacional mais restrita que as corretoras, Suas atividades básicas compreendem a intermediação de colocação de emissões de capital no mercado.

17 I P O O processo de lançamento de ações junto ao mercado é conhecido por IPO Initial Public Offering, termo em inglês que significa oferta pública inicial de ações É o mecanismo pelo qual uma empresa realiza a primeira colocação pública de ações para negociação no mercado. - Esse processo ocorre por colocação primária ou colocação secundária (block-trade).

18 I P O 0bedece ao fluxo indicado a seguir: EMPRESA EMITENTE NOVAS AÇÕES I.F. INTERME- DIADORA MERCADO PRIMÁRIO Empresa emitente: atratividade econômica Intermediário financeiro: elo de ligação entre a empresa tomadora dos recursos e os agentes poupadores identificados no mercado primário. Subscrição tipo puro ou firme Subscrição tipo residual (stand by) Subscrição tipo melhor esforço (best( effort) MERCADO SECUNDÁRIO

19 TIPOS DE COLOCAÇÃO Colocação Primária: são emitidas novas ações da companhia, portanto ocorre a captação de recursos pela empresa emissora. Colocação Secundária (block Trade): ocorre quando um grande acionista ou grupo se desfaz de sua posição de ações. Neste caso, por não haver a emissão de novas ações, não haverá entrada de recursos para a empresa emissora, pois os recursos são canalizados para o acionista vendedor

20 TIPOS DE ORDEM Ordem limitada: fixa um preço mínimo para a venda e um preço máximo para a compra. Ordem a mercado: não há limitação quanto ao preço de negociação, procurando o operador de bolsa executar a ordem recebida pelo melhor preço possível identificado no momento de realização do negócio. execução rápida Ordem casada que envolve a realização obrigatória de uma operação de compra e outra de venda.

21 DEFINIÇÕES GANHO DE CAPITAL: corresponde à diferença positiva entre o preço de venda e o preço de aquisição da ação e reflete a valorização ocorrida no período pelo qual o acionista deteve a ação Dividendos: representa a parte do lucro da empresa que é distribuída aos acionistas em dinheiro a cada exercício social Juros Sobre Capital Próprio: pagamento de juros a título de remuneração do capital próprio é similar a uma distribuição de dividendos, mas ele é calculado sobre as contas do Patrimônio Líquido (e não sobre o lucro)

22 DEFINIÇÕES Desdobramento ( split ): é a divisão de uma ação em partes iguais. Essa operação não altera o valor da empresa e nem o valor do investimento de cada acionista. Grupamento ( inplit ): é a operação contraria ao desdobramento, explicado anteriormente. Por meio do inplit, a empresa agrupa algumas ações em uma única ação Direito de Subscrição:Os acionistas têm o direito de preferência na subscrição (aquisição) do aumento de capital (emissão de novas ações) Este direito pode ser negociado em bolsa

23 DEFINIÇÕES Bonificação É a distribuição gratuita de novas ações para os atuais acionistas, emitidas em função do aumento de capital proveniente de incorporação de reservas, o patrimônio líquido da empresa não se altera, o acionista continua com o mesmo valor investido na empresa, apenas dividido em partes diferentes, Na bonificação houve um ajuste contábil que aumentou o capital social da companhia, e por isso o acionista recebeu novas ações, No split o capital social continuou o mesmo, apenas as ações foram divididas.

24 Riscos inerentes ao produto A rentabilidade das ações é composta de dividendos ou participação nos resultados e benefícios concedidos pela empresa emissora, além do eventual ganho de capital auferido na venda da ação no mercado secundário (Bolsa de Valores). O retorno do investimento dependerá de uma série de fatores, tais como desempenho da empresa, comportamento da economia brasileira e internacional etc

25 Risco da Empresa Ações são valores mobiliários emitidos por empresas. Assim, o risco desses títulos reflete o risco da empresa que os emitiu. Quando adquire ações, o investidor passa a ser proprietário de uma parcela do capital da empresa emitente dos títulos

26 RISCO DE MERCADO Está diretamente relacionado às flutuações de preços e taxas, Ou seja, às oscilações de bolsas de valores, mercados de taxas de juros e mercado de câmbio dentro e fora do país, que trazem reflexos nos preços dos ativos.

27 RISCO DE LIQUIDEZ O Risco de Liquidez decorre da eventual falta de recursos imediatamente disponíveis para honrar compromissos assumidos ou da falta de contrapartes PARA NEGOCIAÇÃO

28 Despesas Incorridas na negociação

29 Despesas na operação Corretagem: é a taxa de remuneração de um intermediário financeiro na compra ou venda de títulos. Para operações registradas na BOVESPA será livremente pactuada entre a Sociedade Corretora e seus clientes. Custódia: significa guarda de títulos. No mercado de ações, os acionistas por intermédio de uma sociedade corretora, podem utilizar-se do sistema de custódia fungível da BOVESPA, oferecido pela CBLC Câmara Brasileira de Liquidação e Custódia

30 Despesas nas Operações Emolumentos: incidem, no mercado à vista, sobre o valor da operação de compra ou de venda.(0,035% para a BOVESPA) sobre o valor da operação.

31 TRIBUTAÇÃO 0,005% retido na fonte, calculado sobre o valor da venda, a título de antecipação, desde que esse percentual não represente valor igual ou inferior a R$ 1,00 (um real) no acumulado do mês. Para o valor retido na fonte a título de antecipação, o contribuinte poderá realizar uma das seguintes premissas: Deduzir do imposto de renda sobre os ganhos líquidos apurados no mês; Deduzir do imposto de renda sobre os ganhos líquidos apurados em meses subseqüentes; Compensar na declaração de ajuste anual se, após a dedução de que tratam os itens acima, houver saldo de imposto retido;

32 TRIBUTAÇÃO Compensar com o imposto sobre ganho de capital na alienação de ações. Alíquota de 15% sobre os ganhos líquidos auferidos em cada mês. No mercado à vista de ações, considera-se ganho líquido, o resultado positivo auferido nas operações de venda, realizadas em cada mês, deduzindo também, custos e despesas incorridos na realização das operações. Do valor a ser pago de imposto de renda, deverá ser deduzido o valor retido na fonte correspondente ao 0,005%. Recolhimento do imposto de renda deverá ser efetuado até o último dia útil do mês subseqüente ao da apuração, sendo responsável pelo seu recolhimento o próprio contribuinte, o qual deve efetuar o recolhimento do tributo via DARF.

33 TRIBUTAÇÃO - OBS - São isentas do imposto de renda as operações de venda de ações efetuadas no mercado à vista de bolsas de valores, realizadas num mesmo mês por pessoa física, até o valor de R$ ,00. As perdas incorridas nas operações de renda variável, poderão ser compensadas com os ganhos líquidos futuros. Não há limite temporal para o direito de compensação.

34 CLUBE DE INVESTIMENTOS Trata-se de uma aplicação financeira criada por um grupo de pessoas que desejam investir TVM (exemplo, ações). - Características Operacionais: Pessoas físicas, máximo de 150, porém no caso de um clube que reúne funcionários, empregados ou contratados de uma mesma entidade, empresa ou qualquer grupo de sociedade, o número poderá ser maior. Entretanto, um único participante não pode ter mais de 40% do total das cotas. Deve ter um administrador que pode ser uma Sociedade Corretora, Sociedade Distribuidora, Banco de Investimentos ou Banco Múltiplo com carteira de investimento.

35 LETRA HIPOTECÁRIA -LH -São títulos emitidos por instituições financeiras autorizadas a conceder créditos hipotecários. Somente quando o volume de financiamentos concedido, dentro das regras do SFH, for superior ao volume de captação em caderneta de poupança é que se pode recorrer às Letras Hipotecárias, como forma de captação. As LHs emitidas com base em índice de preços terão prazo mínimo de 60 meses e as com base na TR têm prazo mínimo de 180 dias.

36 LETRA HIPOTECÁRIA -LH Letra Hipotecária com Swap conjuga duas transações distintas: 1) A aquisição de uma Letra Hipotecária com sua remuneração específica, por exemplo TR + 8 %aa. 2) A aquisição, simultaneamente, de um contrato de SWAP (contrato de derivativo em que há troca de fluxo financeiro sem trocar o capital) no qual o investidor troca, a taxa da LH de TR + 8 % ao ano por um percentual do CDI ou uma taxa prefixada. Letra Hipotecária sem Swap O investimento terá a remuneração contratada para o título, por exemplo: TR + 8 % ao ano de juros.

37 FGC - Fundo Garantidor de Créditos - Tem por objetivos prestar garantia de créditos contra instituições dele associadas, nas hipóteses de: decretação da intervenção, liquidação extrajudicial ou falência da associada; reconhecimento, pelo Banco Central do Brasil, do estado de insolvência da associada. - Objetos de Garantia (R$ ,00) Depósitos à vista ou sacáveis mediante aviso prévio Depósitos de poupança Depósitos a prazo, com ou sem emissão de certificado Depósitos mantidos em contas não movimentáveis por cheques destinadas à prestação de serviços de pagamento de salários, vencimentos, aposentadorias, pensões. LC, LI, LH, LCI

38 TRIBUTAÇÃO IR e IOF

39 TRIBUTAÇÃO DA LH E DEMAIS TVM I O F (IMPOSTO SOBRE OPERAÇÕES FINANCEIRAS) : Incide sobre o valor do rendimento auferido quando ocorrem resgates antes que a aplicação complete 30 dias, hipótese muito improvável, pois as debêntures são títulos de médio a longo prazos.

40 TRIBUTAÇÃO DA LH E DEMAIS TVM Modalidade Prazo de Alíquotas Permanência Até 180 dias 22,50% Aplicação de De 181 a 360 dias 20,00% Renda Fixa De 361 a 720 dias 17,50% Acima de 720 dias 15,00% Retenção Imposto de Renda Retido na Fonte

41 Tabela Regressiva IOF Número % Limite do de dias Rendimento

42 CDB - CER.DE DEPÓSITO BANCÁRIO O CDB é um título emitido por Bancos Comerciais, de Investimento ou Múltiplos que representa um depósito a prazo efetuado pelo cliente. É transferível (resgatado a critério da instituição financeira, antes do vencimento), por endosso nominativo (endosso em preto) desde que respeitados os prazos mínimos. A remuneração desses títulos pode ser prefixada ou pós-fixada.

43 REMUNERAÇÃO DO CDB Taxa prefixada: Essa taxa é fixada considerandose o custo do dinheiro no momento da captação e o prazo pelo qual o recurso está sendo captado. - CDB pós-fixado pela TR: a remuneração do título é constituída por uma taxa de juros prefixada acrescida da variação da TR. - CDB pós-fixado pelo CDI: a remuneração do papel consiste de uma fração da taxa CDI (95%, por exemplo). Lembre-se de que o nosso CDB Fácil é um CDB pós-fixado que utiliza o CDI como base de remuneração. - CDB pós-fixado pela SELIC: a remuneração consiste de uma fração da taxa SELIC, sendo, portanto, semelhante ao CDB pós-fixado pelo CDI

44 Debêntures Títulos de longo prazo emitidos por empresas de capital aberto e destinados a financiar capital fixo e capital de giro. Assembléia de Acionistas - AGE Escritura Emissão Registro na CVM e CETIP/SND Agente Fiduciário Coordenação da Emissão Colocação das Debêntures no Mercado

45 DEBÊNTURES São valores mobiliários representativos de dívida de médio e longo prazo que asseguram a seus detentores (debenturistas) direito de crédito contra a companhia emissora. As companhias podem se utilizar da emissão de debêntures para captar recursos no mercado. No entanto, a captação por meio de debêntures só pode ser feita por Sociedades Anônimas abertas ou fechadas Porém, somente as companhias de capital aberto com registro na CVM podem efetuar emissões públicas de debêntures.

46 Tipos: conversíveis, não-conversíveis Conversíveis: são aquelas que podem ser trocadas por ações da companhia emissora. As condições de conversibilidade devem estar explícitas na escritura de emissão das debêntures, a qual conterá as bases da conversão, a espécie e classe das ações em que a debênture poderá ser convertida e o prazo ou época para o exercício do direito à conversão. Simples ou não-conversíveis: são as debêntures que se caracterizam por representarem unicamente um direito de crédito junto a emissora.

47 Taxas e Formas de Remuneração As debêntures poderão assegurar ao seu titular juros, fixos ou variáveis, participação no lucro da companhia e prêmio de reembolso. I - taxa de juros prefixada; II - uma das seguintes remunerações básicas, ajustada, para mais ou para menos, por taxa fixa: a) Taxa Referencial - TR ou Taxa de Juros de Longo Prazo - TJLP, observado o prazo mínimo de um mês para vencimento ou período de repactuação; b) Taxa Básica Financeira - TBF, observado o prazo mínimo de dois meses para vencimento ou período de repactuação; c) taxas flutuantes

48 Taxas e Formas de Remuneração Apenas as sociedades de arrendamento mercantil e as companhias hipotecárias podem emitir debêntures remuneradas pela TBF. Na emissão de debêntures com cláusula de correção monetária com base em índice de preços, deve ser atendido o prazo mínimo de um ano para vencimento ou repactuação.

49 Debêntures Admitamos uma debênture emitida por 3 anos a uma taxa de 10% a.a. com capitalização semestral. O título é vendido com deságio de 3,75% sobre seu valor valor de fase de $ cada um. Determinar o rendimento efetivo do título. Fluxo de caixa: $ $ 50 $ 50 $ 50 $ 50 $ 50 $ Semestres $ ,75% = = $ 962,50 Taxa Efetiva do Período: 5,7567%as ou 11,845%aa

50 NOTAS PROMISSÓRIAS - A Nota Promissória Comercial, também chamada de Commercial Paper é um título de crédito de curto prazo emitido por sociedades anônimas com o objetivo de captar recursos para financiar seu capital de giro. Prazos: Emissor S.A. de capital fechado: de 30 dias a 180 dias. Emissor S.A. de capital aberto: de 30 dias a 360 dias. As Notas Promissórias são emitidas com um valor de face (valor nominal) sendo negociados no mercado com um deságio. É comum haver um indexador: a taxa CDI, por exemplo. A legislação não permite que instituições financeiras emitam Notas Promissórias.

51 IOF - Obs A emissão de Commercial Papers, diferente de um empréstimo bancário, não está sujeita ao recolhimento do IOF, no entanto apresenta alguns custos de registro junto a CVM e de publicação de início e término da distribuição pública. O credor dos títulos também não está sujeito a incidência do IOF, uma vez que o prazo mínimo dos papéis é de 30 dias.

52 TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS

53 Títulos PÚBLICOS Principais Títulos

54 TÍTULOS PÚBLICOS - O Tesouro Nacional utiliza a emissão de títulos públicos como uma das formas de captação de recursos para financiar atividades do governo federal, tais como educação, saúde e infra-estrutura. - Os títulos públicos são uma opção de investimento para a sociedade e representam a dívida mobiliária da União.

55 TÍTULOS PÚBLICOS - Emissões de títulos são utilizadas para: antecipação de receita fiscal financiamento do déficit orçamentário Os títulos públicos são resgatados em data predeterminada por um valor específico, atualizado ou não, por indicadores de mercado, como, por exemplo, índices de preços

56 TÍTULOS PÚBLICOS - A venda de títulos públicos no Brasil pode ser realizada por meio de três modalidades: Oferta pública com a realização de leilão; Oferta pública sem a realização de leilão (Tesouro Direto); Emissões diretas para atender a necessidades específicas determinadas em lei.

57 Título Indexados ao IPCA Vencimento Taxa(a.a.) Preço Unitário Dia Compra Venda Compra Venda NTNB /08/2012 6,49% - R$ 1.864,71 - NTNB /05/2015 6,77% - R$ 1.797,71 - NTNB Principal /05/2015 6,82% - R$ 1.294,71 - NTNB /08/2020 6,65% - R$ 1.799,39 - NTNB Principal /08/2024 6,52% - R$ 734,65 - NTNB /08/2024 6,56% - R$ 1.794,68 - NTNB /05/2035 6,55% - R$ 1.740,63 - NTNB /05/2045 6,55% - R$ 1.726,63 -

58 Títulos Públicos no mercado TÍTULO VALOR EM MERCADO PARTICIPAÇÃO LFT ,69 38,93% LTN ,78 18,53% NTN-B ,39 24,61% NTN-C ,38 3,11% NTN-F ,99 14,82% TOTAL ,22 100%

59 PRINCIPAIS TÍTULOS PÚBLICOS - LFT - Letra Financeira do Tesouro Título com rentabilidade diária vinculada à taxa SELIC. Forma de pagamento: no vencimento. - características: I. prazo: definido pelo Ministro de Estado da Fazenda, quando da emissão do título; II. modalidade: nominativa, escritural e negociável; III. valor nominal (de emissão): R$ 1.000,00; IV. rendimento: taxa média ajustada dos financiamentos diários apurados no Sistema Especial de Liquidação e de Custódia SELIC. V. resgate pelo valor nominal, acrescido Da taxa SELIC, desde a data-base do título.

60 Cálculo LFT (pós-fixado sem cupom) Qual é o PU de uma LFT emitida em 01/03/2007 com vencimento em 01/03/2009 (505 dias úteis), sabendo-se que a taxa negociada na BM&F para o DI Futuro é de 18,87% e que a rentabilidade desejada para o investidor é de 19,00%? Valor Nominal Atualizado (VN) = R$ 1.000,00 x SELIC Preço Unitário (PU) PU dias úteis ,87% ( DI futuro ) ( ) VNA = = = = 997,81 LFT dias úteis dias úteis 505 ( 1+ i ) 252 ( 1 ) 252 ( 1 19, 00% ) 252 investidor + iinvestidor

61 Títulos públicos LTN - Letra do Tesouro Nacional Título com rentabilidade definida (taxa prefixada) no momento da compra. Forma de pagamento: no vencimento. As Letras do Tesouro Nacional - LTN terão as seguintes características: I. prazo: definido pelo Ministro de Estado da Fazenda, quando da emissão do título; II. modalidade: nominativa, escritural e negociável; III. valor de face (resgate): R$ 1.000,00 (mil reais); IV. rendimento: definido pelo deságio sobre o valor nominal; V. resgate: pelo valor nominal, na data de vencimento.

62 Cálculo LTN (prefixado sem cupom) Qual é o PU de uma LTN emitida em 14/02/2009 com vencimento em 01/04/2009 (após 31 dias úteis), sabendo-se que a taxa negociada na BM&F para o DI Futuro (taxa de mercado) é de 18,87% a.a.? Valor Nominal (VN) = R$ 1.000,00 Preço Unitário (PU) PU LTN = = = 978,96 dias úteis ( ) ( 1 18,87% ) DI + futuro

63 Títulos públicos NTN - B Nota do Tesouro Nacional - Série B Título com rentabilidade vinculada à variação do IPCA, acrescida de juros definidos no momento da compra. Forma de Pagamento: semestralmente (juros) e no venct. (principal). As NTN-B terão as seguintes características: I. prazo: definido pelo Ministro de Estado da Fazenda, quando da emissão do título; II. taxa de juros: definida pelo Ministro de Estado da Fazenda, quando da emissão, em % ao ano, calculada sobre o vr nominal atualizado; III. modalidade: nominativa e negociável. IV. valor nominal na data-base (emissão): múltiplo de R$ 1.000,00; V. atualização do valor nominal: pela variação do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), desde a data-base do título; VI. pagamento de juros: semestralmente, com ajuste do prazo no primeiro período de fluência, quando couber. O primeiro cupom de juros a ser pago contemplará a taxa integral definida para seis meses, independentemente da data de emissão do título; VII. resgate do principal: em parcela única, na data do seu vencimento.

64 Cálculo NTN-B, C, D e H (pós-fixado com cupom) Qual é o PU de uma NTN-B emitida em 01/03/2007 com vencimento em 01/03/2009 (505 dias úteis), sabendo-se que são pagos cupons de 6% ao ano em 01/09/2007 (127 d.u.), 01/03/2008 (254 d.u.), 01/09/2008 (379 d.u.) e 01/03/2009 (505 d.u.) e que a rentabilidade desejada para o investidor é de IPCA/IBGE + 12% ao ano? Valor Nominal Atualizado (VNA) = R$ 1.000,00 * índice + último cupom Cupons intermediários Preço Unitário (PU)

65 Cálculo PU NTN-B, C, D e H (pós-fixado com cupom) cupom VNA = + = N i NTN B dias úteisi dias úteis i= 1 ( 1+ i ) 252 ( 1 ) 252 investidor + iinvestidor ( 1 6% ) ( 1 6% ) ( 1 6% ) = % % % 252 ( ) ( 1 6% ) % ( ) ( ) = 899, % ( ) ( )

66 Títulos públicos NTN - C Nota do Tesouro Nacional - Série C Título com rentabilidade vinculada à variação do IGP-M, acrescida de juros definidos no momento da compra. Forma de Pagamento: semestralmente (juros) e no vencto (principal). As NTN-C terão as seguintes características: I. prazo: definido pelo Ministro da Fazenda, quando da emissão do título; II. taxa de juros: definida na emissão, em porcentagem ao ano, calculada sobre o valor nominal atualizado; III. modalidade: nominativa, escritural e negociável. IV. valor nominal na data-base (emissão): R$ 1.000,00 (mil reais); V. atualização do valor nominal: pela variação do Índice Geral de Preços Mercado - IGP-M do mês anterior, divulgado pela Fundação Getúlio Vargas, desde a database do título; VI. pagamento de juros: semestralmente, com ajuste do prazo no primeiro período de fluência, quando couber. O primeiro cupom de juros a ser pago contemplará a taxa integral definida para seis meses, independentemente da data de emissão do título; VII. resgate do principal: em parcela única, na data do seu vencimento.

67 Títulos públicos NTN - F Nota do Tesouro Nacional - Série F Título com rentabilidade definida (taxa prefixada) no momento da compra. Forma de Pagamento: semestralmente (juros) e no vencto (principal). As NTN-F terão as seguintes características: I. prazo: definido pelo Ministro de Estado da Fazenda, na emissão do título; II. taxa de juros: definida na emissão, em porcentagem ao ano, calculada sobre o valor nominal atualizado; III. modalidade: nominativa e negociável. IV. valor nominal na data-base (emissão): R$ 1.000,00 (mil reais). V. rendimento: definido pelo deságio sobre o valor nominal; VI. pagamento de juros: semestralmente, com ajuste do prazo no primeiro período de fluência, quando couber. O primeiro cupom de juros a ser pago contemplará a taxa integral definida para seis meses, independentemente da data de emissão do título; VII. resgate: valor nominal, na data do seu vencimento.

68 Marcação a Mercado NTN-F (prefixado com cupom) Qual é o PU de uma NTN-F emitida em 01/03/2007 com vencimento em 01/03/2009 ( 505 dias úteis), sabendo-se que são pagos cupons de 6% ao ano em 01/09/20072 (127 d.u.), 01/03/2008 (254 d.u.), 01/09/2008 (379 d.u.) e 01/03/2009 (505 d.u.), e que as taxas negociadas na BM&F para o DI futuro são 18,94%, 19,51%, 20,13% e 20,22% para 127, 254, 379 e 505 dias úteis, respectivamente. Valor Nominal (VN) = R$ 1.000,00 + último cupom Cupons intermediários Preço Unitário (PU)

69 Cálculo PU NTN-F (prefixado com cupom) cupom VNA = + = N i NTN F dias úteisi dias úteis i= ( ) ( ) ( ) DI 1+ DI futuro futuro i ( 1 6% ) ( 1 6% ) ( 1 6% ) = ,94% ,51% ,13% 252 ( ) ( 1 6% ) = 786, ,22% ,22% 252 ( ) ( ) ( )

70 Títulos públicos NTN - D - Nota do Tesouro Nacional - Série D Título com rentabilidade vinculada à variação do dólar americano acrescida de juros definidos no momento da compra. Forma de Pagamento: semestralmente (juros) e no vencimento (principal). As NTN-D terão as seguintes características: I. prazo: definido pelo Ministro de Estado da Fazenda, quando da emissão do título; II. taxa de juros: definida pelo Ministro de Estado da Fazenda, quando da emissão, em porcentagem ao ano, calculada sobre o valor nominal atualizado; III. modalidade: nominativa, escritural e negociável. IV. valor nominal na data-base (emissão): R$ 1.000,00 (mil reais); V. atualização do valor nominal: pela variação da cotação de venda do dólar dos Estados Unidos da América no mercado de câmbio de taxas livres, divulgada pelo Banco Central do Brasil, sendo consideradas as taxas médias do dia útil imediatamente anterior à data-base e à data do vencimento do título; VI. pagamento de juros: semestralmente, com ajuste do prazo no primeiro período de fluência, quando couber. O primeiro cupom de juros a ser pago contemplará a taxa integral definida para seis meses, independentemente da data de emissão do título; VII. resgate do principal: em parcela única, na data do seu vencimento.

71 TESOURO DIRETO O Tesouro Direto é um programa de venda de títulos públicos federais a pessoas físicas residentes no Brasil desenvolvido pelo Tesouro Nacional, em parceria com a Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia - CBLC. É uma opção de investimento que pode proporcionar boa rentabilidade, se comparada com outras modalidades de aplicações em renda fixa, e liquidez quase imediata.

72 TESOURO DIRETO Forma de negociação: O investidor ao ser habilitado (cadastro validado) pelo seu agente de Custódia, receberá da CBLC a senha para realizar as transações, pois são feitas pela Internet em área exclusiva do site Tesouro Direto. O pagamento da aquisição dos títulos é realizado por boleto bancário. Limite Mínimo de compra é de 20% de um título (múltiplos de 0,2 do valor do título) o que equivale a aproximadamente R$ 100,00. Limite Máximo: R$ ,00 por mês.

73 TESOURO DIRETO No Tesouro Direto, o próprio investidor gerencia seus investimentos, que podem ser de: curto, médio ou longo prazo. Os títulos poderão ser resgatados antes do vencimento pelo seu valor de mercado, uma vez que o Tesouro Nacional garante a recompra do título todas as quartas-feiras. Caso o investidor não queira gerenciar seus investimentos, ele poderá autorizar uma das instituições financeiras habilitadas a operar no Tesouro Direto (Agentes de Custódia) para efetuar compras e vendas dos títulos públicos.

74 TESOURO DIRETO Prazos de liquidação: Compra: os títulos adquiridos no Tesouro Direto estarão disponíveis na conta de custódia do investidor, dois dias úteis após o pagamento, Venda: os recursos financeiros, referentes ao pagamento de resgate, recompra ou juros serão repassados pelo Tesouro Nacional, pelo valor bruto, ao Agente de Custódia um dia útil após a ocorrência de um destes eventos. O Agente de Custódia deverá proceder às deduções de IR e IOF, se houver, e creditar, posteriormente, o valor líquido ao investidor. Sobre essas operações, incidem taxa de administração e de custódia. O imposto de renda é cobrado no momento de resgate, de acordo com as regras de renda fixa.

75 Obrigado!!! Gualter Guilherme (31)

MANUAL DO INVESTIDOR DO TESOURO DIRETO

MANUAL DO INVESTIDOR DO TESOURO DIRETO MANUAL DO INVESTIDOR DO TESOURO DIRETO INTRODUÇÃO... 3 1. REQUISITOS BÁSICOS... 5 2. CADASTRAMENTO PARA COMPRA DE TÍTULOS PÚBLICOS NO TESOURO DIRETO... 5 3. HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO... 7 4. TÍTULOS PÚBLICOS

Leia mais

Renda Fixa Debêntures. Renda Fixa. Debênture

Renda Fixa Debêntures. Renda Fixa. Debênture Renda Fixa Debênture O produto A debênture é um investimento em renda fixa. Trata-se de um título de dívida que gera um direito de crédito ao investidor. Ou seja, o mesmo terá direito a receber uma remuneração

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS TÍTULOS PÚBLICOS OFERTADOS NO TESOURO DIRETO

METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS TÍTULOS PÚBLICOS OFERTADOS NO TESOURO DIRETO METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS TÍTULOS PÚBLICOS OFERTADOS NO TESOURO DIRETO Letras do Tesouro Nacional LTN Características Gerais: Juros: Não há, estão implícitos no deságio do título. Modalidade: Escritural,

Leia mais

TÍTULOS PÚBLICOS. Tesouro Direto

TÍTULOS PÚBLICOS. Tesouro Direto TÍTULOS PÚBLICOS Tesouro Direto Tesouro Direto Conheça esta alternativa de investimento em renda fixa. O produto O Tesouro Direto é uma alternativa de investimento em que o investidor sabe, no momento

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Módulo VI CPA10 Demais produtos de Investimentos Pg 70 De 8 a 13 Questões na prova (15% a 25%) Demais produtos de

Leia mais

PROGRAMA DETALHADO Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10)

PROGRAMA DETALHADO Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10) PROGRAMA DETALHADO Programa da Certificação Detalhado Profissional da Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10) ANBID Série 10 Controle: D.04.08.07 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão:

Leia mais

Investtop www.investtop.com.br

Investtop www.investtop.com.br 1 Conteúdo Introdução... 4 CDB... 6 O que é CDB?...6 Liquidez...6 Tributação...6 Riscos...7 Dicas...7 Vantagens...7 Letra de Crédito do Imobiliário (LCI)... 9 O que é LCI?...9 Liquidez...9 Tributação...9

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento Pág: 1/45 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento Pág: 2/45 Módulo 6 - Demais Produtos de Investimento Este módulo apresenta as principais características de algumas das

Leia mais

Tesouro Direto. Brasília, Setembro de 2011

Tesouro Direto. Brasília, Setembro de 2011 Tesouro Direto Brasília, Setembro de 2011 Princípios da Gestão da Dívida Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Simulador do Tesouro Direto Perfil do Investidor

Leia mais

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012):

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): O mercado monetário Prof. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br Blog: www.marcoarbex.wordpress.com Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): Mercado Atuação

Leia mais

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes grupos: as ações ordinárias e as ações preferenciais. As

Leia mais

Renda fixa e Tesouro Direto

Renda fixa e Tesouro Direto Renda fixa e Tesouro Direto Classificação de investimentos Collor CDB Renda fixa Caderneta de poupança Fundos DI Imóveis Renda variável Ações Liquidez Liquidez Liquidez Segurança Segurança Segurança Rentabilidade

Leia mais

Conceitos básicos; Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco

Conceitos básicos; Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco QUEM SOMOS 2 Conceitos básicos; 3 Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco Liquidez: Capacidade de transformar um ativo em dinheiro. Ex. Se você tem um carro ou uma casa e precisa vendê-lo, quanto tempo

Leia mais

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Tema Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Apresentação JOCELI DA SILVA SILVA Analista Administrativo/Gestão Pública Lotado na Assessoria de Coordenação 3ª CCR Especialização UNB Clube

Leia mais

Tesouro Direto LEANDRO GONÇALVES DE BRITO

Tesouro Direto LEANDRO GONÇALVES DE BRITO Tesouro Direto LEANDRO GONÇALVES DE BRITO Visão Geral do Programa Vantagens do Programa Tesouro Direto Tributação Comprando e Vendendo Títulos Perfil do Investidor 2 O que são Títulos Públicos? Os títulos

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.3- CDB / RDB

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.3- CDB / RDB Conhecimentos Bancários Item 2.1.3- CDB / RDB Conhecimentos Bancários Item 2.1.3- CDB / RDB CDB Certificado de Depósito Bancário São títulos nominativos emitidos pelos bancos e vendidos ao público como

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS) ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO (EA) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS (DCA)

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS) ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO (EA) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS (DCA) UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS) ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO (EA) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS (DCA) Bruno Etchepare Dornelles TÍTULOS PÚBLICOS NEGOCIADOS NO TESOURO DIRETO: alternativa

Leia mais

Módulo V Produtos de Investimento

Módulo V Produtos de Investimento Certificação Profissional ANBIMA CPA-10 Módulo V Copyright 2011 2012 BMI Brazilian Management Institute 1 Índice 15% a 25% da prova 1. Títulos Públicos 6 1.1. Conceito e Finalidade 6 1.2. Características

Leia mais

Tesouro Direto. Florianópolis. Renato Andrade

Tesouro Direto. Florianópolis. Renato Andrade Tesouro Direto Florianópolis Renato Andrade Visão Geral Vantagens Comprando Tributação e Vendendo Títulos Comprando e Vendendo Títulos Entendendo o que altera o preço Simulador do Tesouro Direto Perfil

Leia mais

ABC DO INVESTIDOR. Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos.

ABC DO INVESTIDOR. Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos. ABC DO INVESTIDOR Ação Título negociável, que representa a parcela do capital de uma companhia. Ação Cheia (com) Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos.

Leia mais

Simulado CPA 20 Gratis

Simulado CPA 20 Gratis 1 Simulado CPA 20 Gratis Question 1. O risco de crédito está associado a capacidade do emissor de um título em não honrar os pagamentos: ( ) Somente dos Juros ( ) Dos juros e do principal da dívida ( )

Leia mais

PRINCIPAIS TÍTULOS NEGOCIADOS NO MERCADO FINANCEIRO

PRINCIPAIS TÍTULOS NEGOCIADOS NO MERCADO FINANCEIRO PRINCIPAIS TÍTULOS NEGOCIADOS NO MERCADO FINANCEIRO 1. Classificação dos Títulos 1.1. Títulos públicos e privados 1.2. Títulos de crédito e de propriedade 1.3. Títulos de renda fixa e de renda variável

Leia mais

Letra Financeira - LF

Letra Financeira - LF Renda Fixa Letra Financeira - LF Letra Financeira O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições financeiras com a finalidade de captar recursos de longo prazo. Tem

Leia mais

Ministério da Fazenda

Ministério da Fazenda Ministério da Fazenda Belo Horizonte, outubro de 2006 Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Calculadora do Tesouro Direto O que é Tesouro Direto? Em 07 de

Leia mais

Tesouro Direto. Rentabilidade Segurança Comodidade Diversidade Baixo risco

Tesouro Direto. Rentabilidade Segurança Comodidade Diversidade Baixo risco Tesouro Direto Rentabilidade Segurança Comodidade Diversidade Baixo risco TesouroDireto.indd 1 2/21/11 3:30 PM 1Conheça o Tesouro Direto Criado pelo Tesouro Nacional em 2002, em parceria com a BM&FBOVESPA,

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

PERFIL DO INVESTIDOR. Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor

PERFIL DO INVESTIDOR. Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor PERFIL DO INVESTIDOR Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor montar sua carteira de acordo com os seus objetivos, adequando prazos de vencimento e indexadores às

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

Mercados Futuros (BM&F)

Mercados Futuros (BM&F) Neste segmento de mercado se negociam contratos e minicontratos futuros de ativos financeiros ou commodities. Ou seja, é a negociação de um produto que ainda não existe no mercado, por um preço predeterminado

Leia mais

Material Explicativo sobre Títulos Públicos

Material Explicativo sobre Títulos Públicos Material Explicativo sobre 1. Definições Gerais Os são emitidos pelo Tesouro Nacional, servindo como um instrumento de captação do Governo Federal para execução e financiamento de suas dívidas internas,

Leia mais

TOP O BACEN atualmente pode emitir títulos? Sistema Especial de Liquidação e Custódia - Selic. Professor Luiz Antonio de Carvalho

TOP O BACEN atualmente pode emitir títulos? Sistema Especial de Liquidação e Custódia - Selic. Professor Luiz Antonio de Carvalho Professor Luiz Antonio de Carvalho Sistema Especial de Liquidação e Custódia - Selic lac.consultoria@gmail.com 1 2 CONCEITO O Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic), do Banco Central do Brasil,

Leia mais

Caixa Econômica Federal

Caixa Econômica Federal Turma Exercícios 01) Em relação ao Sistema Financeiro Nacional, analise as afirmativas a seguir: I - Compete ao Conselho Monetário Nacional Regular o valor externo da moeda e o equilíbrio do balanço de

Leia mais

André Proite. Novembro de 2012

André Proite. Novembro de 2012 Tesouro Direto André Proite Rio de Janeiro, Novembro de 2012 Princípios da Gestão da Dívida Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Simulador do Tesouro Direto

Leia mais

Ação Título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima.

Ação Título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação Título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação ao portador Desde 1990 este tipo de ação não existe mais. Esse tipo de ação não trazia o

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

1. CONTEXTO OPERACIONAL

1. CONTEXTO OPERACIONAL BANCO TRIÂNGULO S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 30 DE JUNHO DE 2002 E 2001 (Em milhares de reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Banco Triângulo S.A. é uma sociedade privada que opera

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o objetivo de proporcionar liquidez

Leia mais

Estudo sobre Investimentos World One Julho 2014

Estudo sobre Investimentos World One Julho 2014 Introdução, perguntas e respostas que vão te ajudar a conseguir dialogar com clientes que tenham dúvidas sobre os investimentos que estão fazendo, ou alguma outra pessoa que realmente entenda do mercado

Leia mais

Serviços Financeiros para Melhor Conduzir as Remessas ao Brasil Tesouro Direto. Paulo Valle Rio de Janeiro, 31 de maio de 2004

Serviços Financeiros para Melhor Conduzir as Remessas ao Brasil Tesouro Direto. Paulo Valle Rio de Janeiro, 31 de maio de 2004 Ministério da Fazenda Tesouro Nacional Serviços Financeiros para Melhor Conduzir as Remessas ao Brasil Tesouro Direto Paulo Valle Rio de Janeiro, 31 de maio de 2004 Remessas de Divisas Por que seria importante

Leia mais

Demonstrativo da Composição e Diversificação da Carteira

Demonstrativo da Composição e Diversificação da Carteira Demonstrativo da Composição e Diversificação da Carteira Mês/Ano: 31 de março de 2016 Nome do Fundo: Alfa I - Fundo Mútuo de CNPJ: 03.919.892/0001-17 Administrador: Banco Alfa de Investimento S.A. CNPJ:

Leia mais

Módulo V Fundos de Investimentos. De 13 a 15 Questões na prova (26% a 40%)

Módulo V Fundos de Investimentos. De 13 a 15 Questões na prova (26% a 40%) Módulo V Fundos de Investimentos De 13 a 15 Questões na prova (26% a 40%) 5 - Fundos de Investimentos Definições legais Tipos de Fundo Administração Documentos dos fundos Dinâmica de Aplicação e resgate

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A OLIVEIRA FRANCO SOCIEDADE CORRETORA DE VALORES E CÂMBIO LTDA, em atenção ao quanto disposto na Instrução CVM n. 505, de 27/09/2011, define por este documento, suas regras e parâmetros relativos ao recebimento,

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Cupom de IGP-M

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Cupom de IGP-M CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de Cupom de IGP-M Futuro de Cupom de IGP-M Um instrumento de proteção contra variações na taxa de juro real brasileira O produto O Contrato Futuro de Cupom de IGP-M oferece

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais

Renda Fixa Privada Notas Promissórias NP. Notas Promissórias - NP

Renda Fixa Privada Notas Promissórias NP. Notas Promissórias - NP Renda Fixa Privada Notas Promissórias - NP Uma alternativa para o financiamento do capital de giro das empresas O produto A Nota Promissória (NP), também conhecida como nota comercial ou commercial paper,

Leia mais

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa.

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa. MERCADO À VISTA OPERAÇÃO À VISTA É a compra ou venda de uma determinada quantidade de ações. Quando há a realização do negócio, o comprador realiza o pagamento e o vendedor entrega as ações objeto da transação,

Leia mais

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros DELIBERAÇÃO Nº 03 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros, no exercício

Leia mais

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: 02.269.

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: 02.269. Lâmina de Informações Essenciais do Informações referentes à Dezembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o TÍTULO FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO - LONGO PRAZO (Título

Leia mais

INVESTIMENTOS 1ª aula

INVESTIMENTOS 1ª aula INVESTIMENTOS 1ª aula Regis Klock - Graduação em Ciências Econômicas Pontifícia Universidade Católica - Pós-Graduação em Didática e Metodologia do Ensino Superior UMC - Universidade Mogi das Cruzes Experiência

Leia mais

Unidade IV. Mercado Financeiro e de Capitais. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade IV. Mercado Financeiro e de Capitais. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade IV Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros - Resumo encontro anterior Sistema Financeiro Nacional Órgãos, entidades e operadoras Estrutura do Sistema

Leia mais

ITAÚ PERSONNALITÉ RENDA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO

ITAÚ PERSONNALITÉ RENDA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO ITAÚ PERSONNALITÉ RENDA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CNPJ 00.832.424/0001-12 MENSAGEM DO ADMINISTRADOR Prezado Cotista, Este FUNDO, constituído sob a forma de condomínio

Leia mais

VALID SOLUÇÕES E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM MEIOS DE PAGAMENTO E IDENTIFICAÇÃO S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures

VALID SOLUÇÕES E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM MEIOS DE PAGAMENTO E IDENTIFICAÇÃO S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures VALID SOLUÇÕES E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM MEIOS DE PAGAMENTO E IDENTIFICAÇÃO S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2011 VALID SOLUÇÕES E SERVIÇOS DE SEGURANÇA

Leia mais

Renda Fixa. Letra Financeira

Renda Fixa. Letra Financeira Renda Fixa Letra Financeira Captação de recursos no longo prazo com as melhores rentabilidades O produto A (LF) é um título de renda fixa, emitido por instituições financeiras com a finalidade de captar

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

Guia Personnalité IR 2011

Guia Personnalité IR 2011 Guia Personnalité IR 2011 Índice Imposto de Renda 2011... 03 Obrigatoriedade de entrega da declaração... 04 Orientações gerais... 04 Formas de entrega... 05 Multa pelo atraso na entrega... 05 Imposto a

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS INTRODUÇÃO

MERCADO DE CAPITAIS INTRODUÇÃO MERCADO DE CAPITAIS INTRODUÇÃO ATENÇÃO ESTE FOLHETO FAZ REFERÊNCIA AO PREGÃO À VIVA VOZ, FORMA DE NEGOCIAÇÃO UTILIZADA ATÉ 30/9/2005. A PARTIR DESSA DATA, TODAS AS OPERAÇÕES FORAM CENTRALIZADAS NO SISTEMA

Leia mais

Manual de Precificação de Ativos. Fundos de Investimento. e Carteiras Administradas

Manual de Precificação de Ativos. Fundos de Investimento. e Carteiras Administradas Manual de Precificação de Ativos Fundos de Investimento e Carteiras Administradas Janeiro de 2009 ÍNDICE Introdução 03 Títulos Públicos Federais 05 Pós fixados LFT 06 Pré fixados LTN 07 NTN-B Indexador

Leia mais

PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE TESOURO DIRETO 4ª EDIÇÃO

PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE TESOURO DIRETO 4ª EDIÇÃO AS 10 PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE TESOURO DIRETO 4ª EDIÇÃO Olá, Investidor. Esse projeto foi criado por Bruno Lacerda e Rafael Cabral para te ajudar a alcançar mais rapidamente seus objetivos financeiros.

Leia mais

3.1 - Estrutura do SFN

3.1 - Estrutura do SFN 1 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Estrutura do SFN 3.2 Subsistema normativo 3.3 Subsistema de intermediação 3.4 Títulos públicos negociados no MF 3.5 Principais papéis privados negociados no MF 3/4/2012

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO MULHER & NEGOCIOS ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição,

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383 Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10 www.eadempresarial.net.br SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Uma conceituação bastante abrangente de sistema financeiro poderia ser a de um conjunto de

Leia mais

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características Guia de Renda Fixa Os títulos de renda fixa se caracterizam por possuírem regras definidas de remuneração. Isto é, são aqueles títulos cujo rendimento é conhecido previamente (juro prefixado) ou que depende

Leia mais

ONDE ESTAMOS? Mais de 40 mil clientes. 110 escritórios pelas principais cidades do Brasil. Mais de 600 Agentes Autônomos de Investimentos.

ONDE ESTAMOS? Mais de 40 mil clientes. 110 escritórios pelas principais cidades do Brasil. Mais de 600 Agentes Autônomos de Investimentos. ONDE ESTAMOS? Mais de 40 mil clientes. 110 escritórios pelas principais cidades do Brasil. Mais de 600 Agentes Autônomos de Investimentos. RENDA FIXA? Fuja do seu banco! Novembro 2013 COMO FUNCIONA A RENDA

Leia mais

Consulta Pública de Lâmina de Fundo Boa noite, Eduardo

Consulta Pública de Lâmina de Fundo Boa noite, Eduardo Page 1 of 8 Consulta Pública de Lâmina de Fundo Boa noite, Eduardo Atenção: Estas informações tem por base os documentos enviados à CVM pelas Instituições Administradoras dos Fundos de Investimento e são

Leia mais

Fator Veritá Fundo de Investimento Imobiliário (Administrado pelo Banco Fator S.A.)

Fator Veritá Fundo de Investimento Imobiliário (Administrado pelo Banco Fator S.A.) Fator Veritá Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes CNPJ 11.664.201/0001-00 Deloitte

Leia mais

ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS PARA PESSOA FÍSICA: MERCADO FINANCEIRO BRASILEIRO

ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS PARA PESSOA FÍSICA: MERCADO FINANCEIRO BRASILEIRO ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS PARA PESSOA FÍSICA: MERCADO FINANCEIRO BRASILEIRO Resumo Anna Paula Andratta 1 Denise Pigosso 2 Maurício Badia 3 Professor Eliandro Schvirck 4 Este trabalho teve por objetivo,

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA CM CAPITAL MARKETS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA CM CAPITAL MARKETS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA CM CAPITAL MARKETS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA A CM Capital Markets Corretora de Títulos e Valores Mobiliários LTDA, em atenção ao disposto no art.

Leia mais

e$tratégia acionária p a r a v e n c e r n a bolsa de valores Rivadavila S. Malheiros Novatec

e$tratégia acionária p a r a v e n c e r n a bolsa de valores Rivadavila S. Malheiros Novatec e$tratégia acionária p a r a v e n c e r n a bolsa de valores Rivadavila S. Malheiros Novatec capítulo 1 Mercado de ações na bovespa 1.1 Mercado de ações Tudo começa com uma grande idéia que se transforma

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Petrobrás (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Petrobrás (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Petrobrás Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36 Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br MERCADO DE CAPITAIS É um sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o propósito

Leia mais

FI BB Votorantim JHSF Cidade Jardim Continental Tower (Administrado pela Citibank Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.

FI BB Votorantim JHSF Cidade Jardim Continental Tower (Administrado pela Citibank Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. FI BB Votorantim JHSF Cidade Jardim (Administrado pela Citibank Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Em milhares de reais ATIVO 2014

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Cotistas e à Administradora do Lotus Fundo de Investimento em Renda Fixa Brasília - DF Examinamos as demonstrações financeiras

Leia mais

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Renda Fixa Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Cédula de Crédito Imobiliário Instrumento que facilita a negociabilidade e a portabilidade do crédito imobiliário

Leia mais

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar:

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar: EDITAL 2012 1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: Conselho Monetário Nacional; Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; bancos

Leia mais

ADM020 Matemática Financeira

ADM020 Matemática Financeira Sumário 1. Objetivo da Aula 13 ADM020 Matemática Financeira 2. CDB e RDB 3. Debêntures 4. Obrigações Produtos do mercado financeiro ADM020 Matemática Financeira Aula 13 29/11/2009 2 2. Objetivo da Aula

Leia mais

Mensagem da Administradora

Mensagem da Administradora Mensagem da Administradora Prezados Cotistas: Submetemos à apreciação de V.S.as. a demonstração da composição e diversificação das aplicações da CSN Invest Fundo de Investimento em Ações, em 31 de dezembro

Leia mais

Banrisul Previdência Municipal Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo

Banrisul Previdência Municipal Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo Banrisul Previdência Municipal Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo CNPJ 08.960.975/0001-73 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ 92.702.067/0001-96) Demonstrações

Leia mais

OBJETIVO DO FLIP BOOK

OBJETIVO DO FLIP BOOK 1 OBJETIVO DO FLIP BOOK Sucesso é sinônimo de fazer diferente, ter iniciativa, contribuir com ideias. Entendemos que ações pequenas, somadas, proporcionam crescimento com sustentabilidade. Uma empresa

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Spread. Operações passivas. Operações ativas. Operações acessórias. Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro

Prof. Cid Roberto. Spread. Operações passivas. Operações ativas. Operações acessórias. Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7

Leia mais

Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2

Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2 Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2 OBJETIVOS DA ATUALIZAÇÃO DA CPA-10 A Atualização dos profissionais certificados CPA-10 é parte do Código de Regulação

Leia mais

DISCIPLINA: MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS PROFESSOR: GILBERTO DE CASTRO TIMOTHEO APOSTILA: 6 ASSUNTO PRINCIPAL: Administração da dívida Pública

DISCIPLINA: MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS PROFESSOR: GILBERTO DE CASTRO TIMOTHEO APOSTILA: 6 ASSUNTO PRINCIPAL: Administração da dívida Pública 1 Mercado Secundário de Open Market 2 Operações de Overnight 3 Tesouro Direto 1 Mercado Secundário de Open market É um mercado secundário onde são negociados os títulos federais emitidos anteriormente

Leia mais

MÓDULO III PLANO DE AULAS

MÓDULO III PLANO DE AULAS MÓDULO III PLANO DE AULAS APOSTILA 11. MERCADO DE CAPITAIS APOSTILA 12. MERCADO DE CÂMBIO APOSTILA 13. OPERAÇÕES COM DERIVATIVOS 1 BANCO DO BRASIL 2012 APOSTILA 11 MERCADO DE CAPITAIS Léo França Porto

Leia mais

Jonatam Cesar Gebing. Tesouro Direto. Passo a passo do Investimento. Versão 1.0

Jonatam Cesar Gebing. Tesouro Direto. Passo a passo do Investimento. Versão 1.0 Jonatam Cesar Gebing Tesouro Direto Passo a passo do Investimento Versão 1.0 Índice Índice 2 Sobre o autor 3 O Tesouro Direto 4 1.1 O que é? 4 1.2 O que são Títulos Públicos? 5 1.3 O que é o grau de investimento?

Leia mais

Análise da Necessidade e Periodicidade de Resgates para Aportes Periódicos Mensais em Cdb

Análise da Necessidade e Periodicidade de Resgates para Aportes Periódicos Mensais em Cdb Análise da Necessidade e Periodicidade de Resgates para Aportes Periódicos Mensais em Cdb Fabiana de Jesus Peixoto fabi.contato@hotmail.com FATEC-BP Priscila Gandolfi Dell Orti priscilagandolfi@hotmail.com

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Banco do Nordeste Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento DI Institucional Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20)

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

ITAÚ MAXI RENDA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CNPJ 04.222.433/0001-42

ITAÚ MAXI RENDA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CNPJ 04.222.433/0001-42 ITAÚ MAXI RENDA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CNPJ 04.222.433/0001-42 MENSAGEM DO ADMINISTRADOR Prezado Cotista, Este FUNDO, constituído sob a forma de condomínio aberto,

Leia mais

Cap. V Produtos Financeiros

Cap. V Produtos Financeiros 5.1 CDB/RDB Cap. V Produtos Financeiros Prof. Uérito Cruz Um banco anuncia pagar 22,6% a.a. para aplicação em CDB de sua emissão. É projetada uma inflação de 7,2% a.a. e o mercado trabalha como taxa referencial

Leia mais

Banco do Brasil - Cartilha de CDB CDB

Banco do Brasil - Cartilha de CDB CDB CDB O que é?... 2 Pré ou pós-fixado... 2 CDI... 3 Indicação... 3 Taxa de administração... 3 Segurança... 3 Modalidades de CDB... 4 Valor mínimo... 5 Rentabilidade... 4 Prazos... 5 Vencimento... 6 Final

Leia mais

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI MASTER PLUS FI REF DI CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI MASTER PLUS FI REF DI CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI MASTER PLUS FI REF DI CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO Informações referentes a novembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Cotistas e à Administradora do BRB Fundo de Investimento em Renda Fixa BRB Mais Brasília - DF Examinamos as demonstrações financeiras

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários Instrumento de captação de recursos e de investimentos no mercado imobiliário O produto O Certificado

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO PALO ALTO ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

Índice. 1. Ações. 2. Termo. 3. Aluguel de Ações. 4. Opções. Quantidade de Ações. Subscrição de Direito de Subscrição. Custos.

Índice. 1. Ações. 2. Termo. 3. Aluguel de Ações. 4. Opções. Quantidade de Ações. Subscrição de Direito de Subscrição. Custos. Índice 1. Ações Quantidade de Ações Subscrição de Direito de Subscrição Custos Tributação Fatores de Risco Liquidação Leilão 2. Termo Mais sobre Termo Ordens Margens e Garantias Liquidação Fatores de Risco

Leia mais