Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1 Curso Seletivo Articuladores da Atenção Básica A Gestão de RH Piracicaba fev 2009

2 Seminários da Atenção Básica Dificuldades d na gestão de RH Contratação LRF Carga horária Salário, mercado, rotatividade Plano de Cargos e Carreiras Baixa valorização da AB Exigência de contratação por concurso público Falta um projeto estruturado de EP p/ab Capacitação da gestão Interesse e conhecimento dos profissionais

3 A Questão da Gestão do Trabalho O que pensam os gestores e trabalhadores a respeito previsões de tendencias

4

5

6

7 Questionamento: Proporção de trabalhadores do SUS em condições de informalidade, nos próximos 10 anos.

8 Questionamento: Terceirização através de entidades sem fins lucrativos no futuro.

9 Questionamento: Via principal de acesso para entrada de novos trabalhadores no SUS.

10 Questionamento: Desenvolvimento no SUS de uma política de RH que destaque a estruturação de carreiras na administração central e na rede oficial de prestação direta de serviços?

11 Questionamento: Avaliação de desempenho será amplamente adotada nos próximos anos no SUS.

12 Questionamento: O compromisso das universidades com a formação e qualificação de pessoal para o SUS tenderão a crescer substancialmente nos próximos 10anos?

13 Forma que as necessidades de profissionais médicos no SUS deveriam ser atendidas, nos hospitais e serviços especializados.

14 Forma que as necessidades de profissionais médicos no SUS deveriam ser atendidas, no Programa Saúde da Família.

15 Questionamento: Estímulos a ser usados para aumentar a produtividade do trabalho e o compromisso do pessoal na gestão do SUS, em ordem de menor para maior importância.

16 Questionamento: Forma mais adequada de resolver o problema da vinculação institucional do Agente Comunitário de Saúde

17 Conclusões Gestores Pragmatismo como for possível Concurso Público e Terceirização

18 Recursos Humanos no SUS: análise das despesas e vínculos trabalhistas e institucionais praticados municípios do Estado de São Paulo

19 Introdução Contexto proposto pelas Legislações Lei Complementar Nº 101/2000 Lei de Responsabilidade Fiscal, principalmente pelo Limite de Despesa de Pessoal Emenda Constitucional 29

20 Introdução Formas de Vínculo Trabalhista Internos: estatutários, celetistas e comissionados, i temporários Externos: celetistas tempo determinado e indeterminado, autônomos, cooperativados, pessoa jurídica e informais

21 Introdução Modalidades d de Vínculos Institucionais i i (Parcerias) com a Administração Pública Concessão e permissão de serviços públicos (disciplinada pela Lei nº 8.987/95); Concessão de obra pública regulada (disciplinada pela Lei nº 8.987/95); Concessão patrocinada e concessão administrativa (englobadas pelo título de parcerias público-privadas privadas na Lei /2004); Contrato de Gestão, como instrumento de parceria com as organizações sociais (Lei 9.737/98);

22 Introdução Modalidades de Vínculos Institucionais (Parcerias) com a Administração Pública (continuação) Termo de parceria com as organizações da sociedade civil de interesse público (regida pela Lei 9790/99); Convênios, consórcios e outros ajustes (referidos no artigo 166 da Lei 8.666/93); Contratos de empreitada (de obra e de serviços, disciplinados pela Lei 8.666/93) e Contratos de fornecimento de mão-de-obra (sem fundamento legal).

23 Objetivos Geral Analisar as despesas com Recursos Humanos em Saúde nos municípios do Estado de São Paulo.

24 Objetivos Específicos Verificar a despesas com recursos humanos em saúde, considerando o total de despesas com recursos humanos da administração municipal; Estudar as formas de vínculos institucionais existentes no Setor Saúde; Determinar a porcentagem de despesas com recursos humanos no Setor Saúde com funcionários municipais, considerando as despesas totais em saúde; Analisar as despesas decorrentes de terceirização, considerando as despesas totais em saúde municipais; Formular e validar instrumento de pesquisa junto aos municípios.

25 Metodologia Fase I A) Estudo a partir da análise de dados secundários em série histórica (2002, 2003 e 2004). Principais fontes dos dados utilizados: SIOPS, TCE/SP, TCM/SP Os dados secundários foram armazenados e analisados em Software SPSS.

26 Metodologia As variáveis estudadas foram: Despesa com Pessoal Total Despesa com Pessoal - Saúde Despesas com Terceirização Pessoa Jurídica Saúde Despesas Totais - Saúde Despesas Próprias Municipais Saúde

27 Metodologia Com o intento de responder aos objetivos da pesquisa, foram criados alguns indicadores. Sendo estes: Despesa de pessoal em saúde/ Despesa pessoal total municipal- % Despesa de pessoal em saúde/ Despesa total em saúde -% Despesa de terceirização pessoa jurídica em Saúde / Despesa total em saúde -%

28 Metodologia Universo da Pesquisa Estado de São Paulo Órgãos Reguladores: Tribunal de Contas do Estado: 644 municípios Tribunal de Contas do Município : capital

29 Cenário orçamentário dos municípios do Estado TCESP Execução Orçamentária

30 Cenário orçamentário dos municípios do Estado Situação da Execução Orçamentária Situação da Execução - Exercício 2004 Quantidade de Municípios Situação superavitária ou equilibrada 366 Déficit entre 0 a 3% 147 Déficit superior a 3% 129 Total 642

31 Cenário orçamentário dos municípios do Estado Despesas com Pessoal- Municípios com situação irregular Exercícios Quantidade de Municípios Fonte: TCESP,2006

32 Cenário orçamentário dos municípios do Estado de São Paulo Fonte: TCESP,2006 RCL- Receita Corrente líquida DP- Despesa de Pessoal

33 Emenda 29 Cumprimento do Limite Proposto Pela EC 29 A grande maioria dos municípios do estado de São Paulo cumpre os patamares mínimos da EC 29. Em 2004, 599 municípios (92,9%) cumpriram a EC 29, 42 municípios (6,5%) não atingiram o patamar necessário e 4 (0,6%) municípios não enviaram os dados para cálculo. (SIOPS, 2006)

34 Metodologia Grupos por porte populacional l Foi proposta uma análise dos dados agrupados por porte populacional: 405 municípios com menos de 20 mil habitantes (6) 120 municípios entre 20 e 50 mil habitantes (5) 49 municípios entre 50 a 100 mil habitantes (4) 62 municípios entre 100 e 500 mil habitantes (3) 8 municípios com mais de 500 mil habitantes (2) São Paulo (1)

35 Média da proporção de Desp RH Saúde em relação às Desp Totais Saúde. Municípios de SP por grupo e São Paulo, 2002 a ,00% 60,00% ,00% 40,00% 00% 30,00% 20,00% 10,00% 0,00% São Paulo Grupo 2 Grupo 3 Grupo 4 Grupo 5 Grupo 6 Grupos de municípios: (1) São Paulo; (2) 8 municípios com mais de 500 mil habitantes; (3) 62 municípios entre 100 e 500 mil habitantes; (4) 49 municípios entre 50 a 100 mil habitantes; (5) 120 municípios entre 20 e 50 mil habitantes; (6) 405 municípios com menos de 20 mil habitantes. Fonte: Relatório de Pesquisa ObservaRHSP/FGV

36 Resultados Despesas com Pessoal saúde/ Despesas totais em Saúde Redução em quase todos os grupos, com exceção São Paulo e Grupo 5 (20 á 50 mil hab) Nos grupos (2, 3, 4, 5 e 6) a média de gastos com Recursos Humanos foi de 52,08% no ano de Podemos dizer que, em média, 52,08% das despesas totais com saúde referem-se a gastos com funcionários municipais do setor saúde

37 Resultados Média da proporção de Desp RH Saúde em relação às Desp RH Total. Municípios de São Paulo por grupo a ,00% 25,00% ,00% 15,00% 10,00% 5,00% 0,00% São Paulo Grupo 2 Grupo 3 Grupo 4 Grupo 5 Grupo 6 Média da proporção de Desp RH Saúde em relação às Desp RH Total. Municípios de SP por grupo e São Paulo, 2002 a São Paulo Grupo 2 Grupo 3 Grupo 4 Grupo 5 Grupo ,77% 26,13% 24,19% 22,51% 20,55% 22,95% ,44% 26,38% 23,69% 23,88% 20,21% 22,56% ,72% 26,50% 24,73% 23,06% 20,61% 22,95%

38 Resultados Desp. Pessoal Saúde/ Desp. Pessoal Total Observa-se que as médias das proporções mantiveram-se constantes entre as faixas 22-28% 28% nos grupos (4, 5, 6 e 2) em todos os anos analisados

39 Média da proporção de Desp Terceiros PJ em relação às Desp Totais Saúde. Municípios de SP por grupo e São Paulo, 2002 a ,00% 35,00% ,00% 25,00% 20,00% 15,00% 10,00% 5,00% 0,00% São Paulo Grupo 2 Grupo 3 Grupo 4 Grupo 5 Grupo 6 Grupos de municípios: (1) São Paulo; (2) 8 municípios com mais de 500 mil habitantes; (3) 62 municípios entre 100 e 500 mil habitantes; (4) 49 municípios entre 50 a 100 mil habitantes; (5) 120 municípios entre 20 e 50 mil habitantes; (6) 405 municípios com menos de 20 mil habitantes. Fonte: Relatório de Pesquisa ObservaRHSP/FGV

40 Resultado Incremento no % gasto com pessoa jurídica em relação ao total de despesa com saúde, à exceção dos municípios menores

41 Considerações Finais Diminuição i na proporção dos gastos com recursos humanos em saúde Aumento na proporção de gastos com terceiros pessoa jurídica Formas de parceria identificadas no piloto revelam despesas com terceiros não contabilizadas como Despesas de Pessoal Necessidade de confirmação de hipóteses em amostra representativa dos municípios Investigação de municípios com comportamento atípico (capital)

42 FASE II

43 Objetivo Geral O presente estudo visa estudar detalhadamente as formas de vínculos institucionais e trabalhistas praticados pelos municípios em amostra representativa dos municípios do Estado de São Paulo.

44 Objetivos Específicos Caracterizar os vínculos trabalhistas t praticados pela administração direta municipal no setor saúde; Estudar as formas de vínculos institucionais entre a gestão municipal com as instituições prestadoras de serviços de saúde (contratos, t convênios e contrato de gestão); Investigar as principais motivações dos gestores municipais para a adoção dos vínculos trabalhistas com os serviços da administração direta no setor saúde (cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal, EC 29 e mais recentemente EC 51);

45 Objetivos Específicos Investigar a existência i de mecanismos de monitoramento e supervisão formais nos serviços contratados e/ou conveniados, principalmente pa no que tange aos vínculos trabalhistas. Caracterizar em amostra intencional os principais vínculos trabalhistas t praticados pelas organizações prestadoras de serviços de saúde na rede pública municipal; Identificar (por meio da percepção dos gestores) as vantagens e desvantagens da adoção de diferentes vínculos institucionais. i i

46 Hipóteses Há uma tendência de redução de novas contratações pela administração direta, em consonância com os limites propostos pela Lei de Responsabilidade Fiscal, Em conseqüência, há um aumento de contratações de serviços (contratos, termos de convênio e contrato de gestão)

47 Metodologia Planejamento amostral Análise dos dados secundários do ano 2005 (análise comparativa com a série ) Seleção de amostra representativa dos municípios do Estado de São Paulo Critérios: porte populacional e análise dos dados d secundários (estudo anterior)

48 Metodologia Variáveis selecionadas para o planejamento amostral: 1. Despesa de Rh em saúde per capita 2. Despesa com terceiros (PJ) per capita Para a amostra foram consideradas as médias dos anos 2002/2003/2004 Justificativa: variações dos anos, estabelecimento t de padrão de comportamento das despesas

49 Plano Amostral Metodologia Formados 4 estratos, de acordo com o comportamento das variáveis selecionadas, além do porte (G, MG, GG,MM,P, PP), além do grupo de municípios com mais de 500 mil habitantes. Amostra calculada: 78 municípios Análise específica dos municípios com comportamento anômalo dos indicadores selecionados ( grupo de 8 municípios).

50 Questões A Lei de Responsabilidade d Fiscal é um forte direcionador das práticas de gestão do trabalho terceirização inclusive cus na asaúde Como conviver com o conflito indução à terceirização/ novos modelos de gestão/ gestão própria Na gestão própria como criar mecanismos internos de maior agilidade para a gestão de pessoal reposição automática, temporários, mecanismos de flexibilidade de remuneração, diferenciação i em função do desempenho avaliação de desempenho

51 Questões PCCS fundamental especificidade, perspectiva desempenho x estagnação A implantação do PCCS só faz sentido se estiver associada a um dimensionamento adequado da força de trabalho a ser incorporada - planejamento; se for competitiva no mercado; se estiver associada a uma política de avaliação de desempenho bem construída

52 Seminário Nacional Gestão de Recursos Humanos na Atenção Primária à Saúde Desafios e perspectivas Paulo Henrique D`Ângelo Seixas ObservaRHSP

53 Questões Norteadoras Vínculo e Formas de Contratação t Agentes contratantes Alternativas Categorias Permanência dos Profissionais Estímulo á permanência Carreira Fatores que influenciam Remuneração Diferenças regionais i Capacidade de pagamento municipal Incentivos variáveis

54 Estudos Contratação e Qualidade do Emprego no PSF no Brasil Nescon/2001 Delphi Avaliação de Tendências e Perspectivas sobre recursos Humanos em Saúde Rede de Observatório de Recursos Humanos 2002 Perfil dos Médicos MS/CFM/Fiocruz- 1995; Qualis/ Fapesp município de São Paulo 1999/2000; Unesco município de São Paulo 2004; Observatório de RH de SP 2006 ObservaRHSP GV- Saúde gastos municipais com RH em saúde 2006 Em andamento RH na atenção primária em São Paulo ObservaRHSP-CEALAG/CNPQ; Escolhas Gerenciais na gestão de RH em São Paulo ObservaRHSP GV- Saúde

55 Número de agentes contratantes por profissões, segundo natureza agregada g dos agentes contratantes de profissionais para o PSF Agente Contratante Prefeituras Outros públicos Entidades Filantrópicas Médico Enferm. Téc./ Aux. Enf. Ag. Com. Saúde Dentista t n % n % n % n % N % públicos 17 2,4 13 1,8 18 2,5 58 8,2 11 2,9 Filantrópicas , , , , ,6 Cooperativas 24 3,4 24 3,4 18 2,5 23 3,2 10 2,6 Outro Terceiro Setor 42 5,9 33 4,7 35 4,9 62 8,8 14 3,6 Empresas 5 0,7 1 0,1 1 0,1 1 0,1 1 0,3 Fonte: Girardi, SN e Carvalho, CL. Contratação t e qualidade d do emprego Outros 2 0,3 2 0,3 2 0,3 3 0,4 0 0 no PSF no Brasil. Estação de Pesquisa de Sinais de Mercado do NESCON-FMUFMG, Total

56 Distribuição percentual das formas de contratação utilizadas por categoria segundo tipo de agente contratante Agente Contratante Prefeitura Médico Enf. Téc./Aux. Enf. ACS Temporário / Prestação de Serviços 74,8 69,7 50,1 54,9 CLT 9,4 10,1 12,5 16,2 Estatutário 11,2 15,9 35,2 14,8 Servidor Público não efetivo 3,1 2,9 1,5 3,6 Outros 1,5 1,4 0,7 10,5 Total Filantrópica Temporário / Prestação de Serviços 24,3 18,8 8 17,2 18,9 CLT 64,9 68,7 68,9 64,9 Outros 10,8 12,5 10,3 16,2 Total ,4 100 Ad t d d Gi di SN C lh CL C t t ã lid d d Adaptado de: Girardi, SN e Carvalho, CL. Contratação e qualidade do emprego no PSF no Brasil. Estação de Pesquisa de Sinais de Mercado do NESCON-FMUFMG, 2001

57 Razões para contratação precária Flexibilidade Instabilidade de financiamento Lei de Responsabilidade Fiscal

58 PSF- características Trabalho em Tempo Integral Trabalho em Equipe áreas cinzentas Adscrição radical de clientela territorialização /cadastro familiar Sistema de informação próprio Continuidade/tempo Moradores da região na equipe Planejamento / proximidade

59 Saúde da Família é uma especialidade? Generalista x Médico da Família Competências requeridas Resolutividade id d no atendimento t primário i para diferentes grupos populacionais, incluindo atuação em Pronto Atendimento/ Urgência Emergência Abordagem familiar integrada dinâmica e interação familiar como campo de intervenção Capacidade de planejamento, organização do trabalho e identificação de prioridades Trabalho em equipe Interação e articulação com a comunidade comunidade como campo de intervenção educação em saúde

60 Faixa Etária dos Médicos do Qualis 1997 x PSF 2004 x Capital % 50% 40% 30% 20% 10% 0% Até 29 anos 30 a a a 59 Acima de 59 Ignorada % Qualis % PSF 2004 % Capital Fonte: Pesquisa FAPESP-1999 Fonte: Pesquisa FAPESP 1999 Relatório Consultoria UNESCO/PMS Estratégia de Saúde da Família, 2005 Pesquisa Perfil dos Médicos no Brasil MS/CFM/FIOCRUZ, 1995

61 Tempo de Formado dos Médicos do Qualis 1997 x PSF 2004 x Capital % 45% 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% até 4 anos de 5 a a 24 Acima de 25 % QUALIS % PSF 2004 % CAPITAL 1995 Fonte: Pesquisa FAPESP-1999 Relatório Consultoria UNESCO/PMS Estratégia de Saúde da Família, 2005 Pesquisa Perfil dos Médicos no Brasil MS/CFM/FIOCRUZ, 1995

62 Especialização dos Médicos do Qualis 1997 x PSF 2004 x Capital % 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Curso de Especialização Residência Médica Mestrado Doutorado % Qualis 1997 % PSF 2004 % Capital 1995 Fonte: Pesquisa FAPESP-1999 Relatório Consultoria UNESCO/PMS Estratégia de Saúde da Família, 2005 Pesquisa Perfil dos Médicos no Brasil MS/CFM/FIOCRUZ, 1995

63 % de Médicos segundo capacitação - PSF/ % 84,60% 80% 70% 59,00% 60% 50% 40% 30,70% 37,10% 30% 20% 5,90% 10% 0% Momento I - Introdutório Momento II - Ciclos de Vida Outros 2 ou mais cursos Nenhum Fonte: Relatório Consultoria UNESCO/PMS Estratégia de Saúde da Família, 2005

64 Diferentes perfis Oportunistas Insatisfeitos Altruístas Vocacionados

65 Parceiros Faixa Etária/ Tempo de Formado Especialização Cursos Realizados

66 Diferentes parceiros Formadores Profissionais jovens Alto investimento t na formação/ especialização Requalificadores Profissionais i i mais experientes Investimento na qualificação Empregadores Contratação no mercado Complexos Perfis mixtos

67 Rotatividade e satisfação Alta satisfação geral relacional/equipe stress (Band of Brothers) Grande insatisfação demanda e falta de referência Fonte: PMS/Unesco Tensão entre projeto e realidade Alta rotatividade Capacitação Distância Disponibilidade de material Baixa Rotatividade Reconhecimento da instituição i parceira Cláudia Campos mestrado FGV porque o médico não fica?

68 Médicos da AB na ZN AB Mais feminino 56% Mais velho 90% > 40 a 60% > 50 a Casado 73,4% 1 a 2 filhos 55%; sem filhos 26% Paulistanos 58%; ;p paulistas 19%; o. e. 19%

69 Medicos da AB na ZN PSF 50 % mulheres Mais jovens 18,2% 21 a 29; 25% 30 a 39; 30% 40 a 49 Casados 54% S/filhos 48%, 1 a 2 40% Paulistanos 50%; paulistas 18%; o.e. 27%

70 Médicos da AB na ZN Especialização AB 92% cursaram especialização; 97% tem RM; 55% tem título de especialista PSF 80% cursaram especialização; 52% tem RM; 30% tem título de especialização Tempo na AB AB 70% > 10 anos; 48%> 20 anos 67,2% já trabalharam em outras unidades d (2 a 3) PSF 13%< 1 a; 20% 1 a 2 a; 25% 3 a 4 a; 32% 5 a 6 anos 50% já trabalharam em outras unidades

71 Médicos da AB na ZN Vínculos AB estatutário 94% PSF CLT 84%; Estatutário t tá 9% (?); DV 7% Locais de Trabalho AB 17%- 1; 38% - 2; 35%- 3 PSF 52% - 1; 34% - 2; 11,5% - 3 Cursos para trabalhar AB 55% PSF 80% Qualis 89%

72 Médicos da AB na ZN Mudou nos últimos três anos? AB 12,5% PSF 48% Quantos unidades d AB 1 unid.-87,5% PSF 1 unid.-76% Distancia, tipo de trabalho

73 Satisfação Médicos da AB na ZN Ajudar AB 16%; PSF 10% Melhoria da saúde, qualidade, resolutividade 34%; 35% Reconhecimento 20%, 22% Fazer o que gosta 10% Elo com a comunidade - - ; 10% Insatisfação Estrutura, salário, carencias AB 32%; PSF 30% Insuficiencia de suporte, referencia - 28%; 28% Desvalorização, falta de incentivo, falta de oportunidade 12,5%; 16%

74 Médicos da AB na ZN Por veio trabalhar? AB atribuições da proposta; gosta; passou no concurso, experiências anteriores na área PSF identificação com a proposta; atribuições da proposta; gosta; indicação, convite; experiência anterior Quais sugestões? Ampliação/ expansão mais profissionais, equipes, especialistas Apoio do sistema referencia, hospitais, especialistas Qualificação Condições de trabalho/remuneração Organização do trabalho (AB)

75 Perspectivas É necessário e superar as relações precarizadas Manual de parceria O que deve ser assumido pelo parceiro, o que é responsabilidade conjunta Compromisso com a qualificação - PITS Incentivos - desempenho Perspectivas profissionais i i para onde vai o Médico de Família Plantão, Gestão do cuidado de média complexidade, Equipes Educadoras Capacidade de abordar as diferentes expectativas Flexibilidade na gestão Pactos regionais de remuneração

76 Perspectivas Estratégias tégi educacionais i Pólos cerca de 40% das atividades relacionadas com atenção básica Aproximadamente entre 60 a 70% dos profissionais Cursos de especialização x módulos adequados d ás necessidades do profissional e do serviço Trabalho em equipe/ atuação em comunidade / abordagem familiar Equipes formadoras / discussão de caso - assessorias/ construção do conhecimento a partir da discussão compartilhada na realidade local Telemedicina e educação a distância Integração efetiva no sistema referência e contra-referênciareferência

77 EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NO ESTADO DE SÃO PAULO Portaria 1996 / MS / Agosto 2007 Deliberação CIB Plano Estadual de Educação Permanente n em saúde Comissões Permanentes de Integração Ensino Serviço - CIES

78 RECORDANDO... Portaria 198 MS / SGTES em 13/02/2004, orientou a implantação da Política Nacional de Educação Permanente em saúde em todo país. No Estado SP a SES e COSEMS/SP pactuam a implantação daquela Portaria constituída a Comissão Bipartite de Implantação e Acompanhamento dos Pólos.

79 São implantados oito Pólos no Estado de São Paulo - Grande São Paulo (município e região metropolitana). - Leste (Campinas; Piracicaba; SJB Vista) - Oeste (P Prudente; Assis; Marília). - Sudoeste (Bauru; Botucatu; Registro; Sorocaba). - Noroeste (SJ R Preto; Barretos; Araçatuba). - Nordeste (Ribeirão; Araraquara e Franca) - Baixada ada Santista a - Vale do Paraíba e litoral norte

80 Distribuição de Recursos Total ano de 2004 R$ ,00 Total ano de R$ ,00 Segundo semestre de 2005 R$...???

81 RESULTADOS ALCANÇADOS - COMISSÃO COM REUNIÕES MENSAIS JUNTO A COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO CES. - ESTADO DE SÃO PAULO CONSIDERADO O ESTADO DO BRASIL QUE MELHOR ORGANIZOU SEUS POLOS. - POLO DA GRANDE SÃO PAULO ESCOLHIDO PELO M S PARA REALIZAÇÃO DE ESTUDO DE CASO Pesquisa USP.

82 A partir de 2007 M Saúde, CONASS, CONASEMS iniciaram discussão da Portaria 198: - definir i novas diretrizes iz e estratégias para a implementação da Política Nacional de E P em Saúde, adequando-a a às diretrizes operacionais e ao regulamento do Pacto pela Saúde. Processo de discussão ampliada - diferentes instâncias e protagonistas a Portaria 198 foi republicada pelo D Oficial da União, em 22/08/2007, sob número 1996.

83 Principais mudanças: Alteração da política no sentido de adequação ao Pacto pela saúde, com maior protagonismo do Colegiado de Gestão Regional (CGR). A descentralização dos recursos financeiros que antes ficava sob gestão do MS. A vinculação das ações da Educação Permanente aos planos de saúde, seja nos âmbitos municipal, regional ou estadual.

84 PACTO PELA SAUDE E POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO PERMANENTE -Especificidades iii Regionais i - Necessidade de Formação - Superando as desigualdades regionais - Capacidade já instalada de ações de educação (ofertado). - Desenvolvimento para o trabalho

85 PACTO PELA SAUDE E POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO PERMANENTE A condução regional se dará através do Colegiado de Gestão Regional com o APOIO das Comissões Permanentes de Integração de Ensino- Serviço (CIES) Plano de Ação Regional de Educação Permanente em Saúde em Consonância nân com os Planos de Saúde Municipais e Estadual

86 ...Como aconteceu quando da Portaria 198, com a publicação da nova Portaria 1996 a Comissão Bipartite i (COSEMS-SP e SES) consensuaram e pactuaram critérios conjuntos para orientar a implantação das novas diretrizes recomendadas na Portaria 1996 em todo o Estado de São Paulo.

87 Publicação da Portaria a 1996 MSaúde Realização de reuniões SES e COSEMS-SP para definição das diretrizes do Plano Estadual de EP em saúde condição para ser acessado recurso no MS. Aprovação do Plano Estadual de EP em saúde 2007 na Comissão Bipartite (setembro) e na Tripartite (outubro) acessado R$ Recursos distribuídos entre as oito Comissões de Integração Ensino / Serviço critérios M Saúde.

88 Recursos CIES 2007 Plano Estadual de EP SESSP e COSEMS/SP Recursos CIES 2008 Plano Estadual de EP SESSP SS e COSEMS/SP S S Planos Macro Regionais de EP (CIES) Colegiados Regionais de Saúde Planos Regionais de EP: CGR / DRS / Câmara técnica / I. Ensino / ETSUS)

89 - CIES R M GRANDE SP - CIES SUDOESTE PAULISTA -CIES NORDESTE PAULISTA - CIES LESTE PAULISTA - CIES OESTE PAULISTA - CIES NOROESTE PAULISTA - CIES BAIXADA SANTISTA - CIES VALE DO PARAÍBA

90 Distribuição dos Recursos CRITÉRIOS: 1. IDH-M IDHM 2. População 3. Quantitativo de trabalhadores da Atenção Básica

91 Distribuição ibuiçã dos Recursos s 2007 Prioridades: - ATENÇÃO BÁSICA 60% - GESTÃO DO SUS 30% - ORGANIZAÇÃO E ESTRUTURAÇÃO DA NOVA PROPOSTA - 10% Seminários regionais, sendo um em cada macro região que caracterize um CIES e vários regionais.

92 Recursos CIES ano 2007 Estado S Paulo Acessados Plano Estadual de EP SESSP e COSEMS/SP Ministério Saúde ,61 (Ações transversais) ,80 R$ ,81 R$ hora aula ,00 Total final ,81

93 Os processos baseados na E Permanente em Saúde: Destinam-se se a públicos multiprofissionais. Possuem enfoque nos problemas cotidianos das práticas das equipes de saúde. Inserem-se de forma institucionalizada a a no processo de trabalho, gerando compromissos entre os trabalhadores, os gestores, as instituições de ensino e os usuários para o desenvolvimento institucional e individual.

94 CIES 2005 % 2005 R$ 2007 % 2007 R$ Grande S Paulo 40,40% ,73 34,44% R$ ,76 Noroeste 08,57% ,35 09,42% R$ , Paulista Nordeste Paulista Leste Paulista Oeste Paulista 06,80% ,38 07,48% R$ ,15 16,33% ,03 17,96% R$ ,62 07,54% ,42 08,29% R$ ,12 Sudoeste 10,67% , ,73% R$ ,27 Paulista Baixada Santista V do Paraíba 03,78% ,61 04,15% R$ ,96 05,94% ,70 06,53% R$ ,79 TOTAL 100% ,00 100% ,81

95 CIES População Total (IBGE 2007) (Comissão de Integração Ensino/ Serviço) CIES Grande São Paulo CIES Sudoeste Paulista CIES Nordeste Paulista CIES Leste Paulista CIES Oeste Paulista CIES Noroeste Paulista CIES Baixada Santista CIES Vale do Paraíba TOTAL

96 CIES REGIÃO METROPOLITANA GRANDE SÃO PAULO - R$ ,76 Colegiados de Gestão Regional População (IBGE-2007) % R$ Alto do Tiete (10 municípios) ,64% ,20 Franco da Rocha (5 municípios) Guarulhos (1 municípios) ,74% , ,59% ,63 Mananciais ,03% 03% ,93 ( 8 municípios) Rota dos Bandeirantes (7 municípios) ABC Paulista (7 municípios) ,24% , , 10% ,13 São Paulo (1 município) ,66% ,66 Total % ,76

97 PAPEL DA COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENSINO SERVIÇO - CIES Formular Conduzir Desenvolver Apoiar

98 PAPEL DO COLEGIADO DE GESTÃO REGIONAL (Instância de pactuação e co-gestão) Instituir i o processo de planejamento regional Definir as prioridades idades e as responsabilidades

99 ORGANIZAÇÃO E FLUXO DAS PROPOSTAS / PROJETOS Liberação R$ Visão Regional CIES Bipa ampliada Cosems / SES / CES C G R Pactuação Prioridades Realidade local Referencia técnica EP

100 MOVIMENTOS REALIZADOS PELO GRUPO DE DESENVOLVMETO / CRH NA INTEGRAÇÃO ENSINO SERVIÇO Curso de especialização em gestão pública em saúde Projeto de apoio institucional ás regiões de saúde Recurso Estadual na EPS hora aula

101 Desafios... Manter / consolidar / motivar estratégias de trabalho conjunto para continuidade da Política de Educação Permanente em saúde no Estado. Ampliar integração / mobilização já alcançada nos processos de trabalho.

102 Desafios... Execução dos Planos Regionais de EP com recursos de 2008/2009. Potencializar o trabalho dos CGR (prioridades, responsabilidades, parcerias). Construção da visão macro regional - CIES

Evidências para a gestão de recursos humanos no sistema de saúde brasileiro

Evidências para a gestão de recursos humanos no sistema de saúde brasileiro Evidências para a gestão de recursos humanos no sistema de saúde brasileiro Coordenação Geral Dra. Celia Regina Pierantoni, MD, DSc Professora Associada do Instituto de Medicina Social UERJ Procientista

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO NA SAÚDE 1- Introdução: contextualização a iniciativa O curso

Leia mais

Política Nacional de Educação Permanente em Saúde

Política Nacional de Educação Permanente em Saúde Política Nacional de Educação Permanente em Saúde Portaria GM/MS nº 1.996, de 20 de agosto de 2007 substitui a Portaria GM/MS nº 198, de 13 de fevereiro de 2004 e Proposta de Alteração Pesquisa de Avaliação

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

ID:1858 MAIS MÉDICOS E MAIS COBERTURA? EFEITOS INICIAS DO PROJETO MAIS MÉDICOS NA COBERTURA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL.

ID:1858 MAIS MÉDICOS E MAIS COBERTURA? EFEITOS INICIAS DO PROJETO MAIS MÉDICOS NA COBERTURA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL. ID:1858 MAIS MÉDICOS E MAIS COBERTURA? EFEITOS INICIAS DO PROJETO MAIS MÉDICOS NA COBERTURA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL. Araújo Leônidas, Florentino Júnio; Iturri de La Mata, José Antonio; Queiroga de

Leia mais

I. APRESENTAÇÃO... i II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES)... 1

I. APRESENTAÇÃO... i II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES)... 1 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO... i EQUIPE... iii METODOLOGIA... v II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES)... 1 1. CARACTERÍSTICAS GEOGRÁFICAS E DEMOGRÁFICAS... 1 2. CARACTERÍSTICAS ECONÔMICAS... 1 3.

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL -Principais serviços que a Assistência Social possui para atendimento de idosos: - Proteção Social Básica (atendimento preventivo) - Centro de Convivência do Idoso - atualmente

Leia mais

Plano de Empregos, Carreiras e Salários da Fundação Estatal Saúde da Família

Plano de Empregos, Carreiras e Salários da Fundação Estatal Saúde da Família Seminário de Inovação da Gestão do Trabalho em Saúde Plano de Empregos, Carreiras e Salários da Fundação Estatal Saúde da Família Estevão Toffoli Rodrigues Diretor de Gestão de Serviços OPAS, Brasília

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano SNHIS / FNHIS - Lei nº 11.124/05 REQUISITOS PARA ADESÃO DOS MUNICÍPIOS AO

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta o Decreto nº 7.385, de 8 de dezembro de 2010, que instituiu o Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS). Os MINISTROS

Leia mais

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

Estado: ESPIRITO SANTO RESPONSABILIDADES GERAIS DA GESTAO DO SUS

Estado: ESPIRITO SANTO RESPONSABILIDADES GERAIS DA GESTAO DO SUS PLANILHA DE PACTUAÇÃO DAS - TCG Data da Validação: 31/03/2010 Data da Homologação: 12/04/2010 Revisão Nº:001 Pedido de Revisão: 30/03/2010 Portaria: 2.846 Data da Publicação: 25/11/2008 Estado: ESPIRITO

Leia mais

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos RELATÓRIO OFICINA FNEPAS ESTADUAL MINAS GERAIS INTEGRALIDADE E QUALIDADE NA FORMAÇÃO E NAS PRÁTICAS EM SAÚDE: Integrando Formação, Serviços, Gestores e Usuários Local: COBEM Uberlândia Data: 22 de outubro

Leia mais

O QUE SÃO AS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS DE SAÚDE? O que é uma Organização Social?

O QUE SÃO AS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS DE SAÚDE? O que é uma Organização Social? O que é uma Organização Social? É uma entidade sem fins lucrativos ou seja, é uma sociedade civil sem fins lucrativos ou uma fundação - que atende às exigências da Lei Estadual nº 2.675/2011, sendo regulamentada

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

O PACTO PELA SAÚDE E A GESTÃO REGIONAL EM SÃO PAULO: fatores intervenientes e reorientação da política da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo

O PACTO PELA SAÚDE E A GESTÃO REGIONAL EM SÃO PAULO: fatores intervenientes e reorientação da política da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo O PACTO PELA SAÚDE E A GESTÃO REGIONAL EM SÃO PAULO: fatores intervenientes e reorientação da política da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo Departamento de Medicina Social da Faculdade de Ciências

Leia mais

A Importância do Planejamento na construção do SUS. Carmen Teixeira

A Importância do Planejamento na construção do SUS. Carmen Teixeira A Importância do Planejamento na construção do SUS Carmen Teixeira A importância do planejamento O planejamento está voltando à moda, depois de mais de uma década de predomínio do ideologismo neoliberal

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LOURDES DIVISÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DRS II ARAÇATUBA SP

PREFEITURA MUNICIPAL DE LOURDES DIVISÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DRS II ARAÇATUBA SP DRS II ARAÇATUBA SP DRS II ARAÇATUBA SP DESAFIOS DA DESCENTRALIZAÇÃO NA GESTÃO DO TRABALHO NA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE LOURDES SP Nancy Ferreira S. Cunha Secretária Municipal de Saúde Lourdes SP

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto TÍTULO DO PROJETO: Fortalecimento da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento Carta de Joinville Os Secretários e Secretárias Municipais de Saúde, reunidos no XXIII Congresso Nacional das Secretarias Municipais de Saúde e IV Congresso Brasileiro de Saúde, Cultura de Paz e Não-Violência,

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Contexto Histórico da Implantação. dos Consórcios de Saúde

Contexto Histórico da Implantação. dos Consórcios de Saúde Contexto Histórico da Implantação dos Consórcios de Saúde Os Consórcios de Saúde O que são? Iniciativa autônoma de municípios circunvizinhos, associados para gerir e prover, conjuntamente, serviços de

Leia mais

Aplicabilidade do Tele Eletrocardiograma nos serviços públicos de saúde

Aplicabilidade do Tele Eletrocardiograma nos serviços públicos de saúde Aplicabilidade do Tele Eletrocardiograma nos serviços públicos de saúde Franco, SOB - Sidnei Otávio Vicente Franco SMSDC RJ Rendeiro, MMP Márcia Maria Pereira Rendeiro SMSDC RJ / UERJ Maia ER - Eduardo

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

XXVI Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo

XXVI Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo XXVI Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo Marília Março 2012 A Cidade de Guarulhos A cidade de Guarulhos Brasil -190 milhões de habitantes Região Metropolitana de São Paulo

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato

O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato Salvador, da Delegacia Regional de P. Prudente do Conselho

Leia mais

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D 4.5 Sistema de Planejamento Federal (32h) (Caso 1: Plano de Monitoramento Global - Programa - Educação Profissional e Tecnológica) 12

Leia mais

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada 25/11/2015 HISTÓRICO: Período anterior a CF de 1988 INAMPS População e procedimentos restritos Movimento

Leia mais

Programa Saúde da Família - PSF

Programa Saúde da Família - PSF COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS À FEDERAÇÃO - CCONF GERÊNCIA DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE GESTÃO FISCAL - GENOP Programa Saúde da Família - PSF REUNIÃO DO GRUPOS TÉCNICOS DE PADRONIZAÇÃO

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

1- Apoiar a construção coletiva e a implementação do Plano Municipal de Educação. 2 - Educação Inclusiva

1- Apoiar a construção coletiva e a implementação do Plano Municipal de Educação. 2 - Educação Inclusiva Projeto do Plano Conferência Projeto realizado Conferência realizada Elaborar o Plano com ampla participação dos setores da sociedade Realizar a Conferência com a participação de todos os setores da sociedade

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Ampliação da cobertura e qualidade dos serviços de saúde, com o aprimoramento

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

Seminário de Doenças Crônicas

Seminário de Doenças Crônicas Seminário de Doenças Crônicas LINHA DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gabinete SMS Diadema Linha de cuidado de HAS e DM Experiência

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE REGULAÇÃO Portaria GM 1.559 01/08/08

POLÍTICA NACIONAL DE REGULAÇÃO Portaria GM 1.559 01/08/08 Secretaria de Estado da Saúde Coordenadoria das Regiões de Saúde SIMPÓSIO FAEPA Conquistas e Desafios na Atenção à Saúde Pública em Ribeirão Preto A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO DE FLUXO DE PACIENTES PARA

Leia mais

CONGRESSO NACIONAL DE AUDITORIA EM SAÚDE E QUALIDADE DA GESTÃO E DA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

CONGRESSO NACIONAL DE AUDITORIA EM SAÚDE E QUALIDADE DA GESTÃO E DA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR CONGRESSO NACIONAL DE AUDITORIA EM SAÚDE E QUALIDADE DA GESTÃO E DA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR 1 PERSPECTIVAS DE UM DIA A DIA MELHOR PARA GESTORES E PRESTADORES DE SAÚDE MARIA DO CARMO CABRAL CARPINTÉRO SECRETÁRIA

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH

O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina da USP - FMUSP Núcleo de Pesquisa em Direito

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

O que é o PEIEX? Projeto Extensão Industrial Exportadora

O que é o PEIEX? Projeto Extensão Industrial Exportadora Escola Politécnica O que é o PEIEX? Convênio entre a Apex-Brasil e instituições de consultoria/pesquisa/ensino/tecnologia. Oferecimento de projetos gratuitos de capacitação/consultoria para empresas. O

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

NOTA TÉCNICA 16 2013. Política Nacional de Educação Popular em Saúde

NOTA TÉCNICA 16 2013. Política Nacional de Educação Popular em Saúde NOTA TÉCNICA 16 2013 Política Nacional de Educação Popular em Saúde Brasília, 20 de maio de 2013 INTRODUÇÃO A Política Nacional de Educação Popular em Saúde PNEP-SUS foi apresentada e aprovada no Conselho

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello Coordenador: Liliane Espinosa de Mello SAÚDE Visão: Que Santa Maria seja o principal Polo na Área de Saúde do interior do Rio Grande do Sul, contribuindo para a melhor qualidade de vida da população da

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas que realmente

Leia mais

Uma fonte inédita de informação

Uma fonte inédita de informação Mensagem do Presidente Uma fonte inédita de informação Este trabalho, patrocinado pelo Sincor-SP, corresponde a uma expectativa do setor quanto aos dados relativos às corretoras de seguros, em um momento

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas. Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br

O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas. Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br ORGANIZAÇÃO SOCIAL Modelo: Pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

PL 8035/2010 UMA POLÍTICA DE ESTADO. Plano Nacional de Educação 2011/2020. Maria de Fátima Bezerra. Deputada Federal PT/RN

PL 8035/2010 UMA POLÍTICA DE ESTADO. Plano Nacional de Educação 2011/2020. Maria de Fátima Bezerra. Deputada Federal PT/RN PL 8035/2010 Plano Nacional de Educação 2011/2020 UMA POLÍTICA DE ESTADO Maria de Fátima Bezerra Deputada Federal PT/RN Presidente da Comissão de Educação e Cultura da Câmara Federal O PNE foi construído

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO BÁSICA: EDUCAÇÃO BÁSICA: 1. Definir os padrões mínimos de qualidade estabelecidos pela LDB, considerando as especificidades

Leia mais

CONTRATUALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE:

CONTRATUALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE: CONTRATUALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE: INSTRUMENTO DE CONTROLE E AVALIAÇÃO DOS CONTRATOS DE GESTÃO XXVI Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo 06/03/2012 Secretaria de Saúde

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006

PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006 PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006 (do deputado Zezéu Ribeiro - PT/BA) Assegura às famílias de baixa renda assistência técnica pública e gratuita para o projeto e a construção de habitação de interesse social.

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ANÁLISE DOS RESULTADOS ESPERADOS DE UM CURSO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE: EFEITO MULTIPLICADOR E MUDANÇAS NO PROCESSO DE TRABALHO Márcia Käfer Mendonça 1 Leda Aparecida Vanelli Nabuco de Gouvêa INTRODUÇÃO:

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

Auditoria SUS/BA Organograma proposto DIRETORIA GERAL Assessoria Técnica Colegiado Diretoria de Auditorias de Sistemas e Serviços Diretoria de Gestão e Desenvolvimento Coordenação I Coordenação II

Leia mais

ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL.

ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. 1- Apresentação A Constituição de 1988, denominada pelo saudoso Deputado

Leia mais

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A partir dos esforços para melhorar a saúde materno-infantil, tais como: Programa de Humanização do Parto e Nascimento

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento 1 Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento I Congresso Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público Oficina II Informação de Custo para

Leia mais

Convênio Fapesp CNPq SUS

Convênio Fapesp CNPq SUS Indicadores de mortalidade por doenças cardiovasculares e diabetes mellitus: o papel da regionalização do Sistema de Saúde no Estado de São Paulo, Brasil Tereza Etsuko da Costa ROSA, Ana Aparecida BERSUSA,

Leia mais

Contratos Organizativos de Ação Pública Ensino-Saúde. Contratos Organizativos de Ação Pública Ensino-Saúde (COAPES).

Contratos Organizativos de Ação Pública Ensino-Saúde. Contratos Organizativos de Ação Pública Ensino-Saúde (COAPES). Contratos Organizativos de Ação Pública Ensino-Saúde Contratos Organizativos de Ação Pública Ensino-Saúde (COAPES). Eixo Formação PMM Mudanças na formação médica: Autorização de abertura baseada nas necessidades

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida empresas e consultores

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA. Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes

AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA. Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes AVALIAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA PROJETO AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes Outubro de 2005 Justificativa A grande expansão da estratégia

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

IBGE revela pela 1ª vez a situação do esporte promovido pelos municípios

IBGE revela pela 1ª vez a situação do esporte promovido pelos municípios IBGE revela pela 1ª vez a situação do esporte promovido pelos municípios O Suplemento de Esporte da Pesquisa de Informações Básicas Municipais do IBGE (Munic) mostra que, apesar de 93,6% das cidades brasileiras

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

Cooperativismo de Trabalho e o SUS. Carlos Japhet M. Albuquerque Presidente Coopecárdio

Cooperativismo de Trabalho e o SUS. Carlos Japhet M. Albuquerque Presidente Coopecárdio Cooperativismo de Trabalho e o SUS Carlos Japhet M. Albuquerque Presidente Coopecárdio Cooperativas - Definição É uma associação autônoma de pessoas, unidas voluntariamente para atender suas necessidades

Leia mais

Balanço do Plano Plurianual 2006/2009. Perspectivas para o Próximo PPA. Maurício Faria Conselheiro do Tribunal de Contas do Município de São Paulo

Balanço do Plano Plurianual 2006/2009. Perspectivas para o Próximo PPA. Maurício Faria Conselheiro do Tribunal de Contas do Município de São Paulo Balanço do Plano Plurianual 2006/2009 Perspectivas para o Próximo PPA Maurício Faria Conselheiro do Tribunal de Contas do Município de São Paulo 1 PPA PREVISÃO CONSTITUCIONAL Art. 165. Leis de iniciativa

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA 4 A DESCENTRALIZAÇÃO DO SISTEMA DE SAÚDE BRASILEIRO

SAÚDE PÚBLICA 4 A DESCENTRALIZAÇÃO DO SISTEMA DE SAÚDE BRASILEIRO SAÚDE PÚBLICA 4 A DESCENTRALIZAÇÃO DO SISTEMA DE SAÚDE BRASILEIRO OBJETIVOS DAS NOBs a)promover integração entre as esferas de governo definindo responsabilidades na consolidação do SUS; b)operacionalizar

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE DIRETORIA GERAL DE REGULAÇÃO DO SISTEMA GERÊNCIA DE ATENÇÃO BÁSICA Recife em Defesa da Vida Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE GESTÃO PÚBLICA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que em 2020 Santa Maria seja um município que preste Serviços de Qualidade a seus cidadãos, com base

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE

FORMAÇÃO INICIAL DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE FORMAÇÃO INICIAL DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE Núcleo de Educação e Formação em Saúde NUEFS Integra a Rede de Escolas Técnicas do SUS (RETSUS) UMA POLÍTICA NACIONAL Gestão do Trabalho em Saúde Mesa

Leia mais