O BNDES como instrumento de fomento do mercado automotivo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O BNDES como instrumento de fomento do mercado automotivo"

Transcrição

1 O BNDES como instrumento de fomento do mercado automotivo XXI CONGRESSO FENABRAVE São Paulo, 25 de novembro de 2011 Luciano Coutinho Presidente

2 Conjuntura econômica recente 2

3 Persiste a deterioração do cenário externo Incertezas nas economias avançadas levam àdesaceleração do crescimento mundial. A projeção para o crescimento das economias avançadas em 2012 vem caindo de forma marcante. Zona do Euro: risco soberano e seus impactos no sistema bancário. EUA: Decisões importantes a reboque do momento político (ex: negociação do teto da dívida). Emergentes: nenhuma indicação de crise mas de desaceleração influenciada pelo cenário externo. China: Desaceleração moderada (soft landing). Brasil: Cenário mundial acentuou a desaceleração programada da atividade. 3

4 Curto prazo: emergentes afetados pela crise Longo prazo: trajetória firme de crescimento 9,0 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 Emergentes Avançadas Fonte: FMI/WEO set/2011. *A partir de 2011, projeções. Variação real do PIB (média móvel m 4 anos)* Economias Avançadas adas x Economias Emergentes Projeção 4

5 As implicações do cenário externo A concorrência serácada vez mais acirrada, em todos os mercados As commoditiescontinuarão relevantes porém em um patamar de preços menor. Cenário melhor para as commodities agrícolas frente às minerais Fluxos de capitais de longo prazo: Investimento direto deve continuar pela atratividade brasileira. Possível retração dos investimentos em carteira, em 2012, pela necessidade européia de fortalecer seu sistema financeiro Fluxo de capitais de curto prazo: exceto no caso de crise, as linhas tendem a se manter Alerta! Não está descartada a possibilidade de forte estresse 5

6 O cenário brasileiro. Desaceleração no curto prazo não altera a trajetória de crescimento de longo prazo Desaceleração corrente da atividade econômica e do investimento reflete as incertezas do mercado internacional. Porém, as expectativas quanto ao longo prazo se mantém otimistas. Com efeito, as perspectivas para o investimento apontam para crescimento elevado nos próximos anos, o que mostra a robustez da economia brasileira. 6

7 Desaceleração do investimento no curto prazo DecomposiçãodaVariaçãodo ConsumoAparentede bens de capital (Variação% mês contra mesmo mês do ano anterior) Fonte: FGV, Secex, Funcex. Elaboração APE/BNDES Previsão de crescimento do investimento de 5%, em

8 A firme trajetória do investimento no longo prazo Perspectiva dos investimentos(versão preliminar) (R$ bilhões de 2010) Crescimento Crescimento Realizado Perspectivas Setores Total anual % #DIV/0! % a.a. Indústria ,6 7,8 Infraestrutura ,7 7,3 Total ,1 7,6 Fonte: APE/BNDES Petróleo e Gás e o Mercado Interno comandam os Investimentos na Indústria Energia Elétrica comanda os investimentos na Infraestrutura 8

9 Panorama do setor automotivo 9

10 Como a crise financeira mundial afetou o setor automobilístico (mundo) Crise financeira mundialdeflagrada no último trimestre de 2008 afetou profundamente o setor automotivo mundial Produção global de veículos, que ultrapassou 73,2 milhões de unidades em 2007, caiu para 61,7 milhões em Mercado se recuperou em 2010, com uma produção recorde de 77, 6 milhões de unidades. Estados Unidos:setor automotivo registrou forte redução de vendas em um contexto de contração do créditoe aumento do preço do barril de petróleo. Chryslere General Motorsdecretam falênciaem abril e junho de 2009; Redução de 34,1% na produçãode automóveis em 2009 em comparação com o ano anterior. 10

11 Como a crise financeira mundial afetou o setor automobilístico (mundo) Europa:crise ocorreu em um contexto de estagnação econômica. Quedas expressivas na produção e vendas de veículos. Perdas nas cadeias de fornecedores também foram relevantes. Quedas da produção de veículosem 2009 ante 2008 foram de 13,8% na Alemanha, 20,3% na França, 17,6% na Itália, 33,9% no Reino Unido e 14,6% na Espanha. Governos dos países recorreram a diversas medidas de estímulo para montadoras e consumidores. Japão: afetado duplamente pela crise desaquecimento do mercado interno e retração das exportações. Produção declinou 31,5%em 2009, em relação a

12 Como a crise financeira mundial afetou o setor automobilístico (Brasil) Brasilvem obtendo crescimento acelerado das vendas de veículos desde 2003, devido a três fatores principais: 1) Crescimento da renda média dos brasileiros; 2) Redução do desemprego; 3) Redução dos juros e alongamento dos prazos de financiamentos. Impacto da crise financeirafoi observado a partir de outubro de 2008, e se reforçou nos últimos meses do ano. Mas ainda assim a produção de veículos no país obteve resultados recordes no ano. Em 2009, o setor teve uma leve retraçãode 1,0% em relação ao ano anterior em termos de produção. Em 2010, a produção de veículos no país voltou a crescer. Papel importante para medidas de apoioao setor, como a redução do IPI. 12

13 Evolução recente da produção de Veículos no mundo Produção de autoveículos Para 2011, espera-se algum impacto na produção devido ao terremoto japonês. Ainda é cedo para avaliar possíveis conseqüências da crise européia na produção mundial. Elaboração: Anfavea. Fonte: Oica. * Estimativa. 13

14 Evolução recente da produção de autoveículosno Brasil Em 12 meses até out/11, a produção de veículos cresceu 2,9% e as vendas internas, 9,7%** mil unidades * Produção Variação anual 14,1% 7,9% -1,0% 14,6% Vendas internas Variação anual 27,7% 14,5% 11,4% 11,9% Exportação Variação anual -6,4% -7,0% -35,3% 61,5% Importação Variação anual 95,1% 35,4% 30,1% 35,2% Produção de autoveículos (Participação) Fonte: Anfavea (2011) *Os dados de 2010 são estimativas sujeitas a revisão ** Essas variações consideram apenas os veículos montados 14

15 Evolução recente da Indústria automotiva brasileira Participação da indústria automobilística no PIB industrial saltou de 12,9%, em 2002, para 19,5%, em 2010 Elaboração: Anfavea (2011) 15

16 Evolução do investimento na indústria automotiva brasileira Investimento em US$ milhões Elaboração: Anfavea (2011) 16

17 O BNDES e o Setor Automotivo Apoio do setor automotivo por Área do BNDES AI: Área Industrial Apoio à ampliação da capacidade produtiva, à modernização e expansão de Centros de Tecnologia, ao aprimoramento da engenharia automotiva e a investimentos socioambientais destinados a montadoras de veículos e fabricantes de autopeças. AEX: Área de Comércio Exterior Apoio à exportação de veículos e autopeças. AOI: Área de Operações Indiretas Apoio à comercialização de caminhões, ônibus, comerciais leves e autopeças. Desembolso para o setor automotivo por Área do BNDES 2007 a 2011* Área AI AEX AOI Produtos / Programas FINEM / BNDES PROENGENHARIA BNDES EXIM FINAME Desembolso R$ 6,0 bilhões** US$ 10,0 bilhões** R$ 93,0 bilhões** (*) Até out/2011 (**) Até ago/

18 A Área Industrial e o Setor Automotivo Desembolsos para o setor automotivo pela AI a 2011 BNDES FINEM Ano Total Capacidade Produtiva (1) Capital de Giro (2) Engenharia (3) Socioambiental (4) Em R$ milhões Total Geral Linhas e Programas Considerados (1) Linha de Capacidade Produtiva - Demais Indústrias e Agropecuária; BNDES PSI - Aquisição de Bens de Capital. (2) Programa BNDES Procomp; Programa BNDES PEC. (3) Programa Engenharia Automotiva; BNDES Proengenharia. (4) Linhas de Investimento Social no Âmbito da Empresa e da Comunidade; Linhas de Apoio ao Meio Ambiente. 18

19 Projetos de Destaque da Área Industrial Fiat (2011) Valor: R$ ,00 Objetivo: Modernização e ampliação da capacidade, visando o lançamento de novos motores e veículos (novo Uno, novo Palio, novo Punto e Bravo), desenvolvimento de um veículo híbrido flex e investimentos sociais. Mercedes-Benz (2010) Valor: R$ ,00 Objetivo: Expansão da capacidade, desenvolvimento de motores em conformidade com a nova legislação ambiental (Proconve 7) e de novos modelos de caminhões leves e médios e investimentos socioambientais. MAN (2010) Valor: R$ ,00 Objetivo: Investimentos de engenharia para adequar a motorização da linha de ônibus e caminhões às exigências da nova legislação ambiental (Proconve 7). Mahle (2010) Valor: R$ ,00 Objetivo: Desenvolvimento de novos produtos e processos no segmento de autopeças, incluindo 73 projetos de engenharia. 19

20 A AEXe o Setor Automotivo Desembolsos para o setor automotivo pela AEX a 2011 BNDES FINEM Em US$ milhões Ano Total AEX US$ milhões Desembolsos da AEX para o setor automotivo 2007 a 2011* Produto Considerado BNDES EXIM (*) Até ago/

21 A AOIe o Setor Automotivo Desembolsos para o setor automotivo pela AOI a 2011 Ano Total BNDES FINEM Caminhões Ônibus Linhas e Programas Considerados Em R$ milhões Total BNDES Finame Comercialização de Ônibus e Caminhões, BNDES Procaminhoneiro, BNDES Caminho da Escola. R$ m ilhões (*) Até out/2011. Desembolsos da AOI para o setor automotivo 2007 a 2011* * 21

22 A AOIe o Setor Automotivo Relevância dos financiamentos do BNDES Finame para a aquisição de comerciais pesados 22

23 Produtos disponíveis para o setor automotivo Principais Linhas e Programas do BNDES para o setor automotivo: Apoio ao Investimento Fixo - Linha de Capacidade Produtiva; - BNDES Revitaliza (apenas para fabricantes de autopeças); - Internacionalização de empresas; - Concorrência Internacional. Apoio à Inovação - BNDES Proengenharia; - Linha Capital Inovador; - Linha Inovação Tecnológica; - Linha Inovação Produção; - BNDES PSI Inovação. 23

24 Produtos disponíveis para o setor automotivo Apoio à Comercialização de Autopeças - Cartão BNDES. Apoio à Comercialização de Ônibus e Caminhões - Finame Aquisição de Ônibus e Caminhões; - BNDES Procaminhoneiro; - Programa Caminho da Escola. Apoio à Capitalização de componentes e autopeças - BNDES Procap BK, Componentes e Autopeças. Capital de Giro - BNDES Progeren (apenas para fabricantes de autopeças). Apoio à Exportação - Produto BNDES Exim. 24

25 Investimentos Previstos 25

26 Ampliação de Capacidade: Fábricas Existentes Montadora País de Origem Localização Produto Capacidade (em 1000 veículos) 1. VOLKSWAGEN Alemanha Taubaté (SP) e S. J. Pinhais (PR) automóvel FIAT Itália Betim (MG) automóvel GENERAL MOTORS EUA Gravataí (RS) automóvel FORD EUA Camaçari (BA) automóvel PEUGEOT-CITRÖEN França Porto Real (RJ) automóvel RENAULT França S. J. Pinhais (PR) automóvel HONDA Japão Sumaré (SP) automóvel MITSUBISHI Japão Catalão (GO) SUV MERCEDES Alemanha S. B. Campo (SP) e Juiz de Fora (MG) caminhão MAN Alemanha Resende (RJ) caminhão SCANIA Alemanha S. B. Campo (SP) caminhão 7 TOTAL

27 Ampliação de Capacidade: Novas Fábricas Montadora País de Origem Localização Produto Capacidade (em 1000 unidades) 1. FIAT Itália Goiana (PE) automóvel VOLKSWAGEN Alemanha Suape (PE)* automóvel PACCAR / DAF EUA/Holanda Ponta Grossa (PR) caminhão TOYOTA Japão Sorocaba (SP) automóvel SUZUKI Japão Itumbiara (GO) mini jeep 7 6. NISSAN Japão Resende (RJ) automóvel HYUNDAI Coréia do Sul Piracicaba (SP) automóvel CHERY China Jacareí (SP) automóvel JAC MOTORS China Camaçari (BA)* automóvel LIFAN China RJ* automóvel CHANGAN China ES* minivan BRILLIANCE China nd automóvel SINOTRUCK China Campina Grande do Sul (PR)* caminhão nd TOTAL (*) Confirmação do site pendente 27

28 Investimentos em Novas Fábricas: Automóveis TOYOTA: Nova fábrica em Sorocaba (SP) Fabricação de uma família de compactos (Toyota Etios: R$ 30 mil/unidade) 3,7 milhões de m² de área construída 1,5 mil empregos diretos Capacidade: 75 a 150 mil veículos/ano Entra em operação em novembro/2012 Valor do Investimento: R$ 1 bilhão SUZUKI: Nova fábrica em Itumbiara (GO) Fabricação do Jimmy (compacto 4x4 R$ 56 mil/unidade) 600 empregos diretos Capacidade: 7 mil veículos/ano Entra em operação em 2012 Valor do Investimento: R$ 100 milhões 28

29 Investimentos em Novas Fábricas: Automóveis CHERY: Nova fábrica em Jacareí (SP) Primeira fábrica do Grupo fora da China Fabricação do S18 (compacto com tamanho entre o QQ e o Face) 1,5 milhão de m² de área construída Capacidade: 60 mil veículos/ano (2013) Capacidade: 150 mil veículos/ano (2015) Entra em operação em 2013 Valor do Investimento: US$ 400 a 700 milhões JAC MOTORS: Nova fábrica em Camaçari (BA) Provável 3,5 mil empregos diretos Capacidade: 100 mil veículos/ano Entra em operação em 2014 Valor do Investimento: R$ 900 milhões 29

30 Investimentos em Novas Fábricas: Automóveis LIFAN / EFFA: Nova fábrica no RJ Fabricação/CKD do Hatch 320 (R$ 30 mil/unidade) Capacidade: 10 mil veículos/ano Valor do Investimento: US$ 100 milhões CHANGAN / CHANA: Nova fábrica no Espírito Santo Fabricação de minivan Capacidade: 30 mil veículos/ano Valor do Investimento: US$ 200 milhões 30

31 Conclusões O setor automotivo mundial, apesar da queda verificada em 2009 devido a crise financeira, retomou o crescimento em 2010; Em 2011, o terremoto japonês impactoua produção de automóveis tanto naquele país, quanto em outros que possuem montadoras japonesas; Ainda não épossível estimar possíveis efeitos da crise da Zona do Euro no mercado automobilístico; No Brasil, o mercado automobilístico passa por um bom momento, com diversos investimento previstos. Destaque para a instalação de fábricas das montadoras chinesas; Énecessário apoiar as cadeias produtivas e a inovação para agregar valor na indústria automobilística nacional; O BNDES possui instrumentos fortes para apoiar o crescimento do setor na economia brasileira. 31

32 32

Brasil: Qual o tamanho do desafio da capacidade instalada automotiva nas OEM s? Julian G. Semple, Consultor Sênior CARCON Automotive

Brasil: Qual o tamanho do desafio da capacidade instalada automotiva nas OEM s? Julian G. Semple, Consultor Sênior CARCON Automotive Brasil: Qual o tamanho do desafio da capacidade instalada automotiva nas OEM s? Julian G. Semple, Consultor Sênior CARCON Automotive E a capacidade produtiva instalada? O Brasil enfrenta novamente o desafio

Leia mais

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial 4o. Congresso Internacional de Inovação FIERGS Política Industrial em Mercados Emergentes Porto Alegre, 17 de novembro de 2011 Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial João Carlos

Leia mais

AUTOMOTIVE LOGISTICS 2013 GUSTAVO BONINI

AUTOMOTIVE LOGISTICS 2013 GUSTAVO BONINI AUTOMOTIVE LOGISTICS 2013 GUSTAVO BONINI AGENDA 1. Logistica Integrada e Competitiva 2. Comissão de Logística ANFAVEA 2.1. Lei dos Portos 2.2. Investe SP AGENDA 1. Logistica Integrada e Competitiva 2.

Leia mais

O BNDES e o desenvolvimento brasileiro

O BNDES e o desenvolvimento brasileiro O BNDES e o desenvolvimento brasileiro Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil São Paulo, 28 de novembro de 2011 João Carlos Ferraz Vice Presidente 1 Mundo 2 Tendências e incertezas críticas Crise de longa

Leia mais

indústria automobilística

indústria automobilística Investimentos Os ventos da internacionalização da economia e a necessidade de modernizar estruturas e reduzir custos levaram à reordenação da indústria. 30 indústria automobilística no Brasil elegeu o

Leia mais

Economia em Perspectiva 2012-2013

Economia em Perspectiva 2012-2013 Economia em Perspectiva 2012-2013 Porto Alegre, 28 Nov 2012 Igor Morais igor@vokin.com.br Porto Alegre, 13 de março de 2012 Economia Internacional EUA Recuperação Lenta Evolução da Produção Industrial

Leia mais

Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza & Papel dos Bancos como Alavancadores do Crescimento do Setor

Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza & Papel dos Bancos como Alavancadores do Crescimento do Setor MB ASSOCIADOS XVIII Congresso Fenabrave Federação Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores Curitiba, 22 de agosto de 2008 1 Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza

Leia mais

A nova onda de inovação Novas projetos e tecnologias para o Brasil

A nova onda de inovação Novas projetos e tecnologias para o Brasil A nova onda de inovação Novas projetos e tecnologias para o Brasil Stephan Keese, Sócio São Paulo, 22 de agosto de 2011 1 O Brasil Brasil oferece oferece forte forte perspectiva perspectiva de de crescimento

Leia mais

O PREÇO DOS VEÍCULOS NO BRASIL UM OLHAR DOS METALÚRGICOS DA CUT

O PREÇO DOS VEÍCULOS NO BRASIL UM OLHAR DOS METALÚRGICOS DA CUT O PREÇO DOS VEÍCULOS NO BRASIL UM OLHAR DOS METALÚRGICOS DA CUT 1 O PREÇO DOS VEÍCULOS NO BRASIL QUESTÕES EM DEBATE NO SENSO COMUM O AUTOMÓVEL É MUITO MAIS CARO NO BRASIL? É CARO POR CAUSA DOS CUSTOS NO

Leia mais

SETOR AUTOMOTIVO E OPORTUNIDADES PARA O NORDESTE

SETOR AUTOMOTIVO E OPORTUNIDADES PARA O NORDESTE Ano V N 0 02 Janeiro de 2011 INFORME ETENE Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste - ETENE Célula de Estudos Macroeconômicos, Industriais e de Serviços - CEIS SETOR AUTOMOTIVO E OPORTUNIDADES

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato de máquinas têxteis; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O setor representado pela ABIMAQ gera mais

Leia mais

Automotive Logistics 2014. Making the Connections. Gustavo Bonini Coordenador da Comissão de Logística ANFAVEA

Automotive Logistics 2014. Making the Connections. Gustavo Bonini Coordenador da Comissão de Logística ANFAVEA Automotive Logistics 2014 Making the Connections Gustavo Bonini Coordenador da Comissão de Logística ANFAVEA Novembro/ 2014 Mapa da Indústria Catalão / Anápolis - GO Manaus - AM Horizonte - CE (Ford) Goiana

Leia mais

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIO GLOBAL Crescimento global de 3,4 % em 2013 O mundo retoma a média histórica de crescimento (3,4% a.a) Zona do Euro sai da recessão Os EEUU

Leia mais

Assim como o salário mínimo, que passou a ser R$ 788,00 em 2015, todos os mercados tiveram adequações ao longo de 10 anos.

Assim como o salário mínimo, que passou a ser R$ 788,00 em 2015, todos os mercados tiveram adequações ao longo de 10 anos. Curiosidade automotiva Preços de automóveis x salário mínimo A JATO Dynamics do Brasil, líder em fornecimento de informações automotivas, desenvolveu uma análise que apurou o valor do salário mínimo e

Leia mais

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12

Leia mais

AUTOMÓVEIS E COMERCIAIS LEVES

AUTOMÓVEIS E COMERCIAIS LEVES DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AUTOMÓVEIS E COMERCIAIS LEVES OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS 74% Automóveis 10% exportação 90% mercado interno 18% importação COMPLEXO AUTOMOTIVO 21% Comerciais

Leia mais

2 A Indústria Automobilística Nacional 2.1. Breve histórico

2 A Indústria Automobilística Nacional 2.1. Breve histórico 2 A Indústria Automobilística Nacional 2.1. Breve histórico A indústria automobilística nacional nasceu com a instalação da Ford Brasil em 1919. Ela iniciou a montagem dos famosos modelos T por meio de

Leia mais

CONGRESSO NACIONAL COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS PÚBLICOS E FISCALIZAÇÃO.

CONGRESSO NACIONAL COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS PÚBLICOS E FISCALIZAÇÃO. PARECER Nº, DE 2013 CN Da COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS PÚBLICOS E FISCALIZAÇÃO, sobre o Ofício nº 54, de 2012 - CN, Encaminha, nos termos do art. 1º, 6º, da Lei nº 11.948, de 16 de junho de 2000,

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z luminação de alta performance lfa romeo io 75 85> 4 4 3 4 21 3 5 21 21 21 5 - - 90 85-87 4 4 2 5 21 3 5 21 21 21 5 - - 145 146 94-97 4 4 3 5 21 5 21/5 21/5 21/5 21 5 - - 145 146 97-99 1 1 1 5 21 5 21/5

Leia mais

O papel anticíclico dos investimentos públicos e as perspectivas econômicas

O papel anticíclico dos investimentos públicos e as perspectivas econômicas O papel anticíclico dos investimentos públicos e as perspectivas econômicas Luciano Coutinho Rio de Janeiro, 14 de julho de 2009 Limitação da política monetária após crises financeiras Processos de desalavancagem

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos Fevereiro/2014 Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Retrospectiva 2013 Frustração das Expectativas 2 Deterioração das expectativas

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011 PwC 1 PwC 2 2.7 2.5 Setor automotivo Fumo Multiplicador 2.3 Couros Borracha e Plástico 1.9 Metalurgia e Siderurgia

Leia mais

XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015

XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015 XVIIIª Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015 Recife, 18 de dezembro de 2014 Temas que serão discutidos na XVIII Análise Ceplan: 1. A economia em 2014: Mundo Brasil Nordeste, com ênfase em Pernambuco

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO 7 ECONOMIA MUNDIAL SUMÁRIO A situação econômica mundial evoluiu de maneira favorável no final de 2013, consolidando sinais de recuperação do crescimento nos países desenvolvidos. Mesmo que o desempenho

Leia mais

Indicadores de Desempenho Junho de 2014

Indicadores de Desempenho Junho de 2014 Junho de 2014 PANORAMA CONJUNTURAL FIEA Lenta recuperação da economia global Os dados do último relatório World Economic Outlook do FMI, como podem ser observado nos gráficos nº 1 e 2, deixam claro que

Leia mais

Empresas associadas à ANFAVEA ANFAVEA member companies

Empresas associadas à ANFAVEA ANFAVEA member companies AGCO do Brasil Comércio e Indústria Ltda. Agrale S.A. Caterpillar Brasil Ltda. CNH Latin America Ltda. Fiat Automóveis S.A. Ford Motor Company Brasil Ltda. General Motors do Brasil Ltda. Honda Automóveis

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Cenário macroeconômico e perspectivas para 2014/2018 maio de 2014 Perspectivas para a economia mundial Perspectivas para a economia brasileira Perspectivas para os Pequenos

Leia mais

BOLETIM SETOR METALÚRGICO / número nº 2 / novembro 2015

BOLETIM SETOR METALÚRGICO / número nº 2 / novembro 2015 A economia brasileira encontra-se em dificuldade, com a maioria dos indicadores apresentando trajetória de queda, principalmente os dados relacionados à atividade industrial. O PIB (Produto Interno Bruto)

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Atratividade do Brasil: avanços e desafios Fórum de Atratividade BRAiN Brasil São Paulo, 03 de junho de 2011 Luciano Coutinho Presidente O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia

Leia mais

Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento Setorial, Panorama da Indústria e Análise da Política Industrial

Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento Setorial, Panorama da Indústria e Análise da Política Industrial Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial Universidade Estadual de Campinas Instituto de Economia Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária 1 Comentário Semanal A semana começa ainda sob impacto do debate acerca da evolução do quadro fiscal e seus possíveis efeitos sobre o crescimento da economia e, conseqüentemente, sobre os juros em 2010.

Leia mais

Reunião Pública APIMEC SP. Iochpe-Maxion S.A.

Reunião Pública APIMEC SP. Iochpe-Maxion S.A. Reunião Pública APIMEC SP Iochpe-Maxion S.A. Novembro de 2015 Visão Geral da Companhia Segmento Automotivo Segmento Ferroviário (JV) 100% 100% 50% Produção de rodas para veículos leves, comerciais e máquinas

Leia mais

NOVO CICLO DE EXPANSÃO DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA NO BRASIL

NOVO CICLO DE EXPANSÃO DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA NO BRASIL NOVO CICLO DE EXPANSÃO DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA NO BRASIL Fernando Raphael Ferro de Lima* O Brasil encerrou 2010 como o sexto maior produtor de veículos do mundo, com cerca de 3,64 milhões de automóveis

Leia mais

Release de Resultados 3T13. 23 de outubro de 2013

Release de Resultados 3T13. 23 de outubro de 2013 Release de Resultados 3T13 23 de outubro de 2013 Ressalvas As informações e declarações sobre eventos futuros estão sujeitas a riscos e incertezas, as quais têm como base estimativas e suposições da Administração

Leia mais

Palavras de Saudação

Palavras de Saudação ESTUDOS E PESQUISAS Nº 327 Palavras de Saudação Luciano Coutinho* Fórum Especial 2009 - Na Crise Esperança e Oportunidade, Desenvolvimento como Sonho Brasileiro, Oportunidade para as Favelas 17 e 18 de

Leia mais

Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal

Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal INFORMATIVO n.º 35 AGOSTO de 2015 Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal Depreciação do yuan traz incertezas adicionais à economia chinesa neste ano

Leia mais

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Senhor acionista e demais interessados: Apresentamos o Relatório da Administração e as informações

Leia mais

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Encontro Econômico Brasil-Alemanha Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Jackson Schneider Presidente Anfavea Blumenau, 19 de novembro de 2007 1 Conteúdo 2 1. Representatividade

Leia mais

qualidade - tecnologia - performance

qualidade - tecnologia - performance qualidade - tecnologia - performance Fone - (11) 5068-2268 1 A ESPECIALISTA EM ROLAMENTOS DE RODA Empresa Experiência de vários anos no mercado de reposição e em constante sintonia com o setor automotivo,

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO IMPORTAÇÕES DE AUTOMÓVEIS NO BRASIL

RESUMO EXECUTIVO IMPORTAÇÕES DE AUTOMÓVEIS NO BRASIL RESUMO EXECUTIVO IMPORTAÇÕES DE AUTOMÓVEIS NO BRASIL 1. Em 2010 o Brasil importou 634,8 mil veículos. 2. Hyundai e Kia, juntas, significam 23% desse total. 3. As 4 maiores montadoras instaladas no país

Leia mais

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA. Henrique Meirelles

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA. Henrique Meirelles PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA Henrique Meirelles 28 de agosto, 2015 AGENDA CURTO PRAZO (2015/2016): AJUSTES MACROECONÔMICOS PROJEÇÕES LONGO PRAZO: OBSTÁCULOS AO CRESCIMENTO PROPOSTAS DE POLÍTICA

Leia mais

Referencias Paint and Assembly Systems

Referencias Paint and Assembly Systems Referencias Paint and Assembly Systems Linha Primer Completa - São Bernardo do Campo SP 2010 PEUGEOT Expansão de Capacidade - Reforma de Secadores- Porto Real RJ 2010 PEUGEOT Expansão de Capacidade Reforma

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com. ORIENTADOR: CRISTIANO MORINI Estágio Supervisionado em ADM-GNI - UNIMEP cmorini@unimep.br

THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com. ORIENTADOR: CRISTIANO MORINI Estágio Supervisionado em ADM-GNI - UNIMEP cmorini@unimep.br Panorama Recente do Comércio Exterior Brasileiro: Um Estudo Comparativo (2003 2006) Entre as Cinco Principais Cidades Exportadoras do Estado de São Paulo. THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com ORIENTADOR:

Leia mais

Financiamento para o desenvolvimento. Novembro/2012

Financiamento para o desenvolvimento. Novembro/2012 Financiamento para o desenvolvimento Novembro/2012 Agenda Contexto dos investimentos em infraestrutura no Brasil Desafios para a realização de investimentos em infraestrutura 1 Brasil Média Global Países

Leia mais

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL Uma análise do período 2000 2011 Abril de 2012 A competitividade da ind. de transformação e de BK A evolução do período 2000 2011, do:

Leia mais

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento Volume 11, Number 4 Fourth Quarter 2009 Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento As economias pelo mundo estão emergindo da recessão, embora em diferentes velocidades. As economias em desenvolvimento

Leia mais

FIDC para cadeia automotiva

FIDC para cadeia automotiva FIDC para cadeia automotiva Seminário BID e ABDE O Papel das Instituições Financeiras de Desenvolvimento no Desenvolvimento Regional e o Fomento ao Investimento Privado de Longo Prazo 5-6 de Junho 2013

Leia mais

Conjuntura Dezembro. Boletim de

Conjuntura Dezembro. Boletim de Dezembro de 2014 PIB de serviços avança em 2014, mas crise industrial derruba taxa de crescimento econômico Mais um ano de crescimento fraco O crescimento do PIB brasileiro nos primeiros nove meses do

Leia mais

Iveco para montagem de pesados e blindados

Iveco para montagem de pesados e blindados Iveco para montagem de pesados e blindados Por Eduardo Laguna A Iveco se juntou ao grupo de montadoras que estão dando férias coletivas neste mês devido à forte queda das vendas de veículos. A partir de

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Automotivo. setores de negócios

Automotivo. setores de negócios setores de negócios Automotivo Mais de 40% das fábricas do complexo automotivo do Brasil encontram-se em São Paulo, berço da indústria automobilística nacional. As principais empresas instaladas no Estado

Leia mais

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO - Diante do cenário de crise financeira internacional, o estudo mostra as expectativas de mercado

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES. ABIMAQ fevereiro de 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES. ABIMAQ fevereiro de 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ fevereiro de 2014 Principais Linhas para o setor de BK FINAME: produção e comercialização de máquinas, equipamentos, bens de informática

Leia mais

O setor metalúrgico de junho a setembro de 2015

O setor metalúrgico de junho a setembro de 2015 Número 02 novembro de 2015 O setor metalúrgico de junho a setembro de 2015 A economia brasileira encontra-se em dificuldade, com a maioria dos indicadores apresentando trajetória de queda, principalmente

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Departamento da Cana-de-açúcar e Agroenergia MARÇO 2007 www.agricultura.gov.br daa@agricultura.gov.br

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 01 de Setembro de 2015 Prezado(a) FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 03/08/2015 a 31/08/2015 Panorama Mensal Agosto 2015 O mês de agosto novamente foi marcado por grande volatilidade nos mercados

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 05 Maio 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal maio 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços.

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. Construção Civil Construção Civil Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. edificações residenciais; edificações

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO REGIONAL INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS

DISTRIBUIÇÃO REGIONAL INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DO COMPLEXO AUTOMOTIVO Data: Setembro/99 N o 26 DISTRIBUIÇÃO REGIONAL INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS Com o recente ciclo de investimentos

Leia mais

MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS: estudo sobre as dificuldades de obter financiamentos no Brasil

MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS: estudo sobre as dificuldades de obter financiamentos no Brasil MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS: estudo sobre as dificuldades de obter financiamentos no Brasil Sheila Pereira da Silva, Paulo César Ribeiro Quintairos, Edson Aparecida

Leia mais

Medidas Econômicas 29/08/2012. Ministério da Fazenda

Medidas Econômicas 29/08/2012. Ministério da Fazenda Medidas Econômicas 29/08/2012 Ministério da Fazenda Medidas de Financiamento PSI: Medidas PSI BENS DE CAPITAL Prorrogação e Novas condições excepcionais para o PSI 4 para até 31.12.12 Evolução das taxas

Leia mais

Autos. Análise Setorial de Automóveis. Desafios e tendências. Análise Setorial. Montadoras no Brasil. Uma visão geral do mercado automotivo brasileiro

Autos. Análise Setorial de Automóveis. Desafios e tendências. Análise Setorial. Montadoras no Brasil. Uma visão geral do mercado automotivo brasileiro Desafios e tendências Uma visão geral do mercado automotivo brasileiro Análise Setorial Um aprofundamento no lado digial do setor, seus principais desafios e oportunidades Montadoras no Brasil Análise

Leia mais

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário Boletim Econômico e do Setor Portuário Junho de 2014 Sumário Indicadores da Economia Nacional... 2 O Produto Interno Bruto PIB no primeiro trimestre de 2014... 2 Os Índices de Inflação... 3 O Mercado de

Leia mais

China: novos rumos, mais oportunidades

China: novos rumos, mais oportunidades China: novos rumos, mais oportunidades Brasil pode investir em diversas áreas, como tecnologia, exploração espacial e infraestrutura 10 KPMG Business Magazine A China continua a ter na Europa o principal

Leia mais

Relatório TÊXTIL E CONFECÇÃO VOLUME III. Julho de 2009

Relatório TÊXTIL E CONFECÇÃO VOLUME III. Julho de 2009 Relatório de Acompanhamento Setorial TÊXTIL E CONFECÇÃO VOLUME III Julho de 2009 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO SETORIAL TÊXTIL E CONFECÇÃO Volume III Equipe: Célio Hiratuka Samantha Cunha Pesquisadores e

Leia mais

ABINFER. Programa para a cadeia produtiva de FERRAMENTARIA

ABINFER. Programa para a cadeia produtiva de FERRAMENTARIA ABINFER Programa para a cadeia produtiva de FERRAMENTARIA O Plano de Metas foi um importante programa de industrialização e modernização levado a cabo na presidência de Juscelino Kubitschek 1956-1961.

Leia mais

Cenários Macroeconômicos para 2014. Wellington Santos Damasceno ETENE

Cenários Macroeconômicos para 2014. Wellington Santos Damasceno ETENE Cenários Macroeconômicos para 2014 Wellington Santos Damasceno ETENE Fortaleza CE 28/11/2013 Cenário Internacional Regiões e Países Selecionados Variação do PIB real (%) Fonte: World Economic Outlook Database,

Leia mais

Indústrias Romi S.A. Junho de 2013

Indústrias Romi S.A. Junho de 2013 Indústrias Romi S.A. Junho de 2013 Ressalvas As informações e declarações sobre eventos futuros estão sujeitas a riscos e incertezas, as quais têm como base estimativas e suposições da Administração e

Leia mais

O investimento vem a reboque

O investimento vem a reboque O investimento vem a reboque IstoÉ Dinheiro - São Paulo/SP - ECONOMIA - 07/06/2012-20:00:00 Luís Artur NOGUEIRA e Guilherme QUEIROZ O aumento do consumo é essencial para que os empresários voltem a investir,

Leia mais

A Trajetória do Investimento Agregado ao Longo da Crise

A Trajetória do Investimento Agregado ao Longo da Crise A Trajetória do Investimento Agregado ao Longo da Crise Os gastos com investimentos no Brasil, após registrarem expansão gradual no quinquênio encerrado em 2008, experimentaram retração acentuada em resposta

Leia mais

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda Câmara dos Deputados Brasília, 23 de novembro de 2011 1 Economia mundial deteriorou-se nos últimos meses

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles As mudanças estruturais da economia brasileira Henrique de Campos Meirelles Julho de 20 Inflação 18 16 14 12 8 6 4 2 IPCA (acumulado em doze meses) projeção de mercado 0 03 06 11 Fontes: IBGE e Banco Central

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest SUMÁRIO PANORAMA 3 ATUAL CONTEXTO NACIONAL 3 ATUAL CONTEXTO INTERNACIONAL 6 CENÁRIO 2015 7 CONTEXTO INTERNACIONAL 7 CONTEXTO BRASIL 8 PROJEÇÕES 9 CÂMBIO 10

Leia mais

Questões Específicas. Geografia Professor: Cláudio Hansen 03/12/2014. #VaiTerEspecífica

Questões Específicas. Geografia Professor: Cláudio Hansen 03/12/2014. #VaiTerEspecífica Questões Específicas 1. Considerando os Blocos Econômicos, a União Europeia (27 países em 2011) permanece como relevante importador de mercadorias brasileiras. Considerando os países individualmente, a

Leia mais

Previsões para a Indústria Automobilística América do Sul. 18 de Agosto de 2014

Previsões para a Indústria Automobilística América do Sul. 18 de Agosto de 2014 Previsões para a Indústria Automobilística América do Sul 18 de Agosto de 2014 Agenda Indicadores Econômicos Relevantes Maiores problemas que afetam a produção no Brasil Exportações para a Argentina Declínio

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP 1 fevereiro de 2009 Evolução da Crise Fase 1 2001-2006: Bolha Imobiliária. Intensa liquidez. Abundância de crédito Inovações financeiras Elevação

Leia mais

Contexto económico internacional

Contexto económico internacional 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO Contexto económico internacional O ano de 21 ficou marcado pela crise do risco soberano na Zona Euro e pela necessidade de ajuda externa à

Leia mais

Cinqüentenário. Indústria Automobilística Brasiliera - 50 anos

Cinqüentenário. Indústria Automobilística Brasiliera - 50 anos Cinqüentenário 8 Indústria Automobilística Brasiliera - 50 anos A base está formada. Levou cinqüenta anos para ser construída. Mas resultou sólida, competente e de reconhecida qualidade. O momento, agora,

Leia mais

Workshop Financiamento da Economia Brasileira. INVESTIMENTOS Cenário e Simulações

Workshop Financiamento da Economia Brasileira. INVESTIMENTOS Cenário e Simulações Workshop Financiamento da Economia Brasileira III - FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS Cenário e Simulações Brasília 15/Setembro/2010 - Objetivo CENTRO DE ESTUDOS DE Utilizar a visão consolidada do sistema

Leia mais

MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006

MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006 MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006 A Diretoria do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul BRDE, em cumprimento às determinações legais e regimentais, apresenta as Demonstrações Financeiras relativas

Leia mais

Feira Internacional da Amazônia Manaus - AM

Feira Internacional da Amazônia Manaus - AM O BNDES Mais Perto de Você Feira Internacional da Amazônia Manaus - AM 25 de novembro de 2009 Como apoiamos Operações Diretas Contratadas t diretamente t com o BNDES Operações Indiretas Instituições i

Leia mais

Relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo

Relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo 1 27 de Abril de 2015 Relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo Foi divulgado o quarto relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) em 2015, com destaque para

Leia mais

Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal

Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda São Paulo, 07 de Outubro de 2015 1 2 3 4 5 O quadro internacional A

Leia mais

Recuperação Econômica e Geração de Empregos no Brasil Pós-Crise

Recuperação Econômica e Geração de Empregos no Brasil Pós-Crise Recuperação Econômica e Geração de Empregos no Brasil Pós-Crise Henrique de Campos Meirelles Outubro de 20 1 Brasil entrou na crise forte, com fundamentos macroeconômicos sólidos 2 US$ bilhões Reservas

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Julho de 2014. pro

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Julho de 2014. pro Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social RELATÓRIO GERENCIAL TRIMESTRAL DOS RECURSOS DO TESOURO NACIONAL INCLUÍDOS OS RECURSOS DAS LEIS: nº 11.948/09 (alterada pela Lei nº12.249/10); nº 12.096/09

Leia mais

INFORME SETORIAL 1. INTRODUÇÃO 1 2. O CONTEXTO INTERNACIONAL DESDOBRAMENTOS DA CRISE NO SETOR AUTOMOTIVO 1

INFORME SETORIAL 1. INTRODUÇÃO 1 2. O CONTEXTO INTERNACIONAL DESDOBRAMENTOS DA CRISE NO SETOR AUTOMOTIVO 1 INFORME SETORIAL DESDOBRAMENTOS DA CRISE NO SETOR AUTOMOTIVO 1 ÁREA INDUSTRIAL MARÇO/2009 Nº 10 1. INTRODUÇÃO 1 O ano em que a economia global enfrentou uma grave crise financeira foi também o melhor da

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Setor de construção surpreende positivamente nos EUA. Cenário de atividade fraca no Brasil impacta o mercado de trabalho. Nos EUA, os indicadores do setor de construção registraram

Leia mais

1. Objeto do Fundo. 2. Conjuntura Econômica e Perspectivas

1. Objeto do Fundo. 2. Conjuntura Econômica e Perspectivas Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2014 JS Real Estate Renda Imobiliária Fundo de Investimento Imobiliário C.N.P.J. nº 13.842.733/0001-15 1. Objeto do Fundo O Fundo JS Real Estate

Leia mais

Comitê Estratégico de Economia - AMCHAM São Paulo, 2 de setembro de 2010

Comitê Estratégico de Economia - AMCHAM São Paulo, 2 de setembro de 2010 Desafiosdo BNDES no ciclode investimentos em curso na economia brasileira Comitê Estratégico de Economia - AMCHAM São Paulo, 2 de setembro de 2010 Luciano Coutinho A trajetória recente da economia brasileira

Leia mais