PRESSTEM TERCEIRIZAÇÃO NO BRASIL É HORA DE FALAR A VERDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRESSTEM TERCEIRIZAÇÃO NO BRASIL É HORA DE FALAR A VERDADE"

Transcrição

1 prestação DE SERVIÇOS especializados ano XIV março 2012 nº44 Contra O Preconceito Em entrevista, presidente do Sindeprestem e da Fenaserhtt, Vander Morales, desvenda os mitos acerca da Prestação de Serviços Terceirizáveis e fala sobre mudanças necessárias TERCEIRIZAÇÃO NO BRASIL É HORA DE FALAR A VERDADE POR UM PAÍS MELHOR: Viviane Senna há 18 anos comanda o Instituto Ayrton Senna, que já beneficiou mais de 11 mil crianças e jovens brasileiros com programas de educação NATAL, FÉRIAS DE VERÃO E PÁSCOA: Trabalho Temporário é aliado de quem sonha conseguir ocupação no mercado PRIMEIRO EMPREGO: Chance para obter qualificação profissional e experiência

2 2

3 ÍNDICE Edição 44 Divulgação Viviane Senna: um Brasil melhor Departamento de marketing 44 Nova diretoria assume Asserttem 47 Departamento de marketing Eventos: Projetos Esportivos 26 Capa Terceirização Entenda o contexto no qual a atividade está inserida e porque o Brasil ainda não possui um marco regulatório específico para o setor. > >pág. 12 SEMINÁRIO TRABALHA RH Sindeprestem e ABRH-BA promovem no dia 13 de abril encontro em Salvador sobre Prestação de Serviços. > > pág CARTA DO PRESIDENTE Vander Morales Entrevista Capa ESPECIAL PRIMEIRO EMPREGO COPA 2014 RESPONSABILIDADE SOCIAL 26 UNIVERSO FEMININO 28 ESPECIAL TERCEIRA IDADE 30 DIRETORIAS REGIONAIS 39 TENDÊNCIAS E TECNOLOGIA 40 INDICADORES 44 NOTÍCIAS ASSERTTEM 46 EVENTOS Caro Associado, Filiado e Sindicalizado ao Sindeprestem, atualize seus dados cadastrais. Recorte na linha pontilhada e envie pelo FAX (11) ou Razão Social: CNPJ: End.: Cidade: UF: CEP: Tel./Fax: (1): Site: (2): Capital Social: Responsáveis e Sócios: Financeiro - Nome: Cargo: RH - Nome: Cargo: Jurídico - Nome: Cargo: Contabilidade - Nome: Cargo: Presidência - Nome: Cargo: Sócio - Nome: Cargo: Sócio - Nome: Cargo: Diretor - Nome: Cargo: Atividade Principal: registro MTE: 3

4 expediente Produção Editorial GT Marketing e Comunicação Tel.: (11) Editor Responsável Gaudêncio Torquato MTb SP Assessoria de Marketing Erika Barros Repórteres Camila Vasconcellos Danielle Borges MTb SP Giovanna Zanaroli MTb SP Luciana Albernaz - MTb SP Produção Gráfica L2 Propaganda Tel./Fax: (11) Direção de Arte Thais Moro Assistentes de Arte Bruno Siomi Camila Barone Gabriela Maciel Sindicato das Empresas de Prestação de Serviços a Terceiros, Colocação e Administração de Mão de Obra e de Trabalho Temporário no Estado de São Paulo Av. São Luís, andar CEP: São Paulo SP PABX: (11) Assessoria Jurídica: Diretoria Executiva Vander Morales Presidente Fernando Barbosa Calvet Vice-Presidente Daniel Simões do Viso Diretor Administrativo e Financeiro Sonia Regina de Souza Diretora de Formação e Eventos Jacob Luiz Magnus Diretor Jurídico Jismália de Oliveira Alves Diretora de Marketing e Comunicação Ademir de Souza Diretor Suplente Edson Ferreira Diretor Suplente Nilza Tavoloni Diretora de Regionais Geraldo Magela Ribeiro Diretor de Setorização Diretoria Regional Maria Olinda Maran Longuini Diretora Regional do ABC Nilza Tavoloni Diretora Regional de Americana Geraldo P. Russomano Veiga Diretor Regional de Ribeirão Preto José Renato Quaresma Diretor Regional Baixada Santista Everaldo Nogueira Diretor Regional de Bauru Rosa Carvalho dos Santos Diretora Regional de Guarulhos Walter Rosa Junior Diretor Regional de Sorocaba Sérgio Silas Gallati Diretor Regional do Vale do Paraíba Luiz Simões da Cunha Diretor Regional de Campinas Cláudio Donizeti de Almeida Diretor Regional do Alto do Tietê Reginaldo Luiz Julien Ribeiro Diretor Regional Oeste Sandra Maria Benetti Diretora Regional de Marília Conselho Consultivo Paulo Magalhães Presidente Evando Freitas de Sousa Johannes Antonius Maria Wiegerinck José Antônio Gregório Silvio Roberto Alaimo Martins Maurice Braunstein Associação Brasileira das Empresas de Serviços Terceirizáveis e de Trabalho Temporário Av. São Luís, andar Conj CEP: Centro São Paulo SP Tel.: (11) Para localidades fora do Estado de São Paulo: DIRETORIA EXECUTIVA Jismália de Oliveira Alves Presidente Márcia dos Santos Costantini Vice-Presidente Ademir de Souza Diretor Administrativo e Financeiro Silvio Roberto A. Martins Vice-Diretor Administrativo e Financeiro Evando Freitas de Souza Diretor de Comunicações e Eventos José Antonio Gregório Vice-Diretor de Comunicações e Eventos Marco Aurélio A. R. Silva Diretor de Assuntos Legais Fernando Barbosa Calvet Diretor de Assuntos Internacionais José Roberto Scalabrin Dir. de Rel. Institucionais e Governamentais DIRETORIA REGIONAL Márcia Costantini Wildhagen Diretora Rio de Janeiro José Carlos Teixeira Diretor Minas Gerais Danilo Padilha Diretor Curitiba Mara Bonafé Diretora Distrito Federal Augusto Cesar Calado Costa Diretor Pernambuco CONSELHO DELIBERATIVO José Roberto Scalabrin Presidente Silvio Roberto A. Martins Edson Ferreira José Carlos Teixeira CONSELHO FISCAL Eunice da Silva Gomes Cunha Presidente José Viana Lima Ana Maria da Silva Suélia Luz Oliveira Danilo Padilha 4 Impressão AWA GRÁFICA & EDITORA (11) Selo de FSC Conselho Fiscal Eunice da Silva Gomes Cunha Presidente Edmilson Luiz Formentini José Viana Lima Sezi Inoue Jackson Tadeu Ninno Soares Suplente Marcos Fernando Franco Teixeira Suplente Nossas entidades são filiadas a

5 CARTA DO PRESIDENTE EM FOCO Vander Morales, presidente do Sindeprestem e da Fenaserhtt A LEGISLAÇÃO E OS MONSTROS QUE NOS CERCAM Bruno Marketing Leite Sindeprestem // Temos, na verdade, muitos outros monstros disfuncionais, o principal deles, talvez, a lógica da punição, ou seja, parece que estamos o tempo todo a pagar por aquilo que empreendemos. // Mais de um empreendedor surge a cada dia no Brasil, grande parte em organizações de micro ou de pequeno e médio porte vinculadas ao setor de Serviços. Mas o tempo de vida médio da metade dessas empresas não ultrapassa 24 meses. Muitas sucumbem ao que se convencionou chamar de Custo Brasil: elevadíssima carga tributária, alto custo e baixa produtividade da mão de obra, infraestrutura precária, concorrência acirrada, desvantagem competitiva. Quem permanece vive sob a pressão permanente de um marco legal confuso, burocrático e construído a conta- -gotas, conforme demandas ou interesses pontuais. Em análise realizada há pouco tempo sobre o baixo padrão da competitividade brasileira, o ministro do Desenvolvimento Fernando Pimentel caracterizou nosso sistema tributário como um monstro disfuncional. Segundo o próprio ministro, o monstro ganhou corpo pelo atendimento a funcionalidades setoriais, principalmente a dos Estados, sendo esta a lógica que predomina sobre a tomada de decisões na área fiscal. Entretanto, vale lembrar à Sua Excelência que temos, na verdade, muitos outros monstros disfuncionais, o principal deles, talvez, a lógica da punição. Ou seja, parece que estamos o tempo todo a pagar por aquilo que empreendemos. Observem o caso do Trabalho Temporário, regido por uma legislação de 40 anos atrás, altamente restritiva e enviesada, como se desconfiasse sempre das intenções dos empregadores e dos tomadores do serviço. Mesmo que tenhamos hoje quase um milhão de trabalhadores atuando diariamente com registro em carteira, com todas as obrigações asseguradas e benefícios recolhidos, esta modalidade de contratação encontra-se tolhida pelo rigor de um prazo exíguo, dos três meses prorrogáveis por mais três, não sendo facultado ao empregador nem ao tomador um modelo de contrato que se adapte às necessidades sazonais do setor produtivo e/ou às particularidades da qualificação profissional exigida naquele momento. As disfunções na área do trabalho terceirizado são ainda mais severas, visto que esta modalidade de contrato existe legalmente somente por meio de uma brecha - o Enunciado 331 do TST, publicado em 1994, que o restringe à chamada atividade-meio do tomador. Trata-se de uma restrição que nem mais condiz com o novo perfil do arranjo produtivo, das estruturas de negócios e da especialização da mão de obra no mundo contemporâneo. Daí a necessidade urgente e premente de o País aprovar seu marco regulatório na área dos serviços terceirizados. A aprovação de uma legislação que atenda aos reais interesses da empregabilidade tem ainda como pano de fundo a grave crise que assola as economias contemporâneas, particularmente na Europa e nos Estados Unidos. Vale lembrar que os Serviços Terceirizáveis empregam no Brasil 10,5 milhões de pessoas com registro em carteira, número que equivale a quase um quarto de todos os trabalhadores formais da nação. O segmento totalizou mais de 34 mil empresas entre 2010/2011 e registrou um crescimento de 4,43% sobre 2009/2010, sobrevivendo bravamente ao estágio probatório dos dois anos que condenam metade de nossas empresas à insolvência. Outra inaceitável disfunção reside no olhar distorcido o da precarização nas relações do trabalho - pelo qual parte da sociedade organizada, de legisladores e autoridades insiste em tratar de maneira enviesada a Terceirização e o Trabalho Temporário. Os números expressos seriam suficientes para revolver este preconceito ou até mesmo má-fé, mas ganham um reforço considerável quando olhamos para a perspectiva de criação de 3,5 milhões de novas vagas de emprego formal no Brasil em até 36 meses, caso o Governo e o Congresso promovam a modernização dos instrumentos legais que regem ambas as modalidades de trabalho. Isso representaria o acréscimo de R$ 4 bilhões/ mês sobre a massa salarial brasileira e elevaria em R$ 4 bilhões a arrecadação anual do FGTS e de R$ 15 bilhões em impostos federais e ISS. Em pronunciamento recente, a presidente Dilma Rousseff atribuiu os mais baixos índices de desemprego já registrados em nossa história ao fortalecimento do mercado doméstico, com investimento, criação de emprego e distribuição de renda. Pois grande parte desta conta resulta do setor de Serviços, responsável por quase 70% do PIB brasileiro e por 32,55% dos 44 milhões de nossos trabalhadores formais. Somente os segmentos da Terceirização e do Trabalho Temporário empregam 11,5 milhões de pessoas. Portanto, para prosseguirmos nessa rota do fortalecimento do mercado doméstico, os gestores do Estado brasileiro, representantes legitimamente eleitos pela sociedade como guardiões dos interesses da coletividade, precisam espanar o ranço do atraso, o vício da protelação e a poeira das corporações para eliminar nossos monstros disfuncionais e estabelecer um novo marco legal para as relações do trabalho no Brasil. 5

6 ENTREVISTA 6 // A resistência do movimento sindical em reconhecer a atividade se deve principalmente à pulverização da arrecadação, que coincide com um menor poder de representatividade. // Marketing Sindeprestem

7 Terceirização Desmistificando o preconceito Em meio a equívocos e acusações preconceituosas, setor supera desafios e continua a ser um dos maiores empregadores de mão de obra formal do País Por Giovanna Zanaroli A Prestação de Serviços Terceirizáveis constitui recurso estratégico indispensável à modernização e ao desenvolvimento empresarial. Ampara-se no princípio da parceria, escopo que requer confiança, transparência, aparelhamento tecnológico das prestadoras e preservação de princípios éticos entre todos os integrantes da cadeia de serviços. Neste cenário, a Terceirização, que, para núcleos de pensamento retrógrado ainda provoca polêmica, constitui a alternativa mais adequada para garantir níveis positivos de empregabilidade formal. Entre 2010 e 2011, 10,5 milhões de trabalhadores foram contratados por prestadoras de serviços a terceiros. Apesar da realidade refletida pelos números, a Terceirização ainda é alvo de acusações preconceituosas e obsoletas. Para esclarecer os equívocos que rondam e difamam a Prestação de Serviços Terceirizáveis, confira a entrevista que o presidente Vander Morales concedeu à Presstem sobre os aspectos mais polêmicos acerca da atividade no Brasil. 7

8 ENTREVISTA Processos e Recursos Internos Julgados pelo TST, por Atividade Econômica Atividade Econômica Indústria Comércio Transporte Comunicação Agropecuária, Extração Vegetal e Pesca Educação, Cultura e Lazer Seguridade Social Serviços Urbanos Turismo, Hospitalidade e Alimentação Serviços Diversos Sistema Financeiro Administração Pública Empresas de Processamento de Dados Outras Total 8 Presstem - Há mais de uma década, a Terceirização vem sendo discutida, mas ainda não há consenso em defesa de uma lei específica. Por que os projetos de lei apresentados não avançam? VM Há alguns anos, as centrais sindicais não imaginaram que a Terceirização chegaria ao patamar no qual se encontra hoje, com 10,5 milhões de trabalhadores formais. A resistência do movimento sindical em reconhecer a atividade se deve principalmente à pulverização da arrecadação, que resulta num menor poder de representatividade. Por outro lado, a magistratura trabalhista brasileira não acompanhou o desenvolvimento do País. Criou-se um conceito equivocado sobre Terceirização, com constantes acusações por ignorância ou má fé, de ser precarizadora das relações de trabalho. A Terceirização não é a grande causadora dos males trabalhistas no Brasil, o que é comprovado com o número de empregabilidade formal no setor. Presstem A Prestação de Serviços Terceirizáveis ainda é vista com receio como um tipo de contratação informal e que prejudica trabalhadores. Qual é a identidade do setor? VM O setor de serviços é o maior empregador formal do País. Contrariando as constantes acusações, não é o primeiro em reclamações trabalhistas junto ao Tribunal Superior do Trabalho (TST). Segundo estudo do órgão, os setores com maior número de ações na Justiça são a indústria, os bancos e os serviços públicos. O setor de serviços aparece em quarto lugar, apesar de empregar mais. Ainda se faz uma grande confusão ao associar a Terceirização à informalidade e à precarização das relações de trabalho, caracterizada pelo excesso de horas e inexistência dos direitos trabalhistas. Terceirização não é trabalho informal. O contrato firmado entre a prestadora de serviços e o trabalhador é feito com base na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). O trabalhador, portanto, recebe

9 Variação Qtd % Qtd % Percentual , ,1-14, , ,6-13, , ,6-11, , ,6-17, , ,6-67, , ,5-10, , ,4-1, , ,0-28, , ,3-24, , ,6 2, , ,1-18, , ,8-8, , ,4-14, , ,5-35,8 // Os empresários sentem-se inseguros. Pelo desconhecimento que paira sobre nossa atividade, somos previamente condenados por quem deveria zelar com imparcialidade pela Justiça. // , ,0-16,0 Notas: 1) Não inclui os processos julgados por despacho. 2) Percentual de processos calculado considerando o total de Processos e Recursos Internos Julgados por Atividade Econômica. todas as garantias legais. Empresa séria honra seus compromissos, recolhe impostos e contribuições para o FGTS e INSS. Presstem A Terceirização emprega formalmente cerca de 11 milhões de trabalhadores. O Brasil tem capacidade para absorver todo este contingente no mercado de trabalho? VM Não. O Brasil é um país que, infelizmente, é deficiente na oferta de empregos de qualidade por conta de erros históricos na educação, que demorarão a ser corrigidos. Pesquisa recente mostra que os jovens brasileiros almejam trabalhar no Google, na Petrobrás e na Unilever. Mas infelizmente não existem Empresas dos Sonhos para todos. A falta de investimentos em formação e qualificação faz com que hoje o Brasil importe mão de obra, algo inadmissível quando ainda temos milhares de desempregados. No ano passado, segundo o Ministério da Justiça, o número de trabalhadores estrangeiros no Brasil cresceu 57%. Neste contexto, a Prestação de Serviços Terceirizáveis aumenta a empregabilidade formal. Onde estariam estes quase 11 milhões de trabalhadores e como estaria o nosso país economicamente se não existisse a Terceirização? Desempregados ou na informalidade, sem acesso a qualquer tipo de assistência trabalhista ou previdenciária. E o Brasil, certamente mergulhado numa crise semelhante a que vemos nos Estados Unidos e Europa. O setor de serviços incentiva melhor distribuição de renda e favorece o consumo interno por meio do acesso ao crédito, só possível quando o trabalhador tem registro em carteira. Presstem A principal distorção da imagem do que significa a Terceirização provém dos órgãos públicos, onde o pregão eletrônico faz valer a política do menor preço. Como lidar com isto? VM Lamentavelmente, esta á a real situação 9

10 ENTREVISTA Processos e Recursos Internos julgados pelo TST, por Atividade Econômica Atividade Econômica Indústria Comércio Transporte Comunicação Agropecuária, Extração Vegetal e Pesca Educação, Cultura e Lazer Seguridade Social Serviços Urbanos Turismo, Hospitalidade e Alimentação Serviços Diversos Sistema Financeiro Administração Pública Empresas de Processamento de Dados Outras Quantidade 10 que temos em nosso país. O alto índice de locação de mão de obra pelo qual somos injustamente acusados é patrocinado pelo próprio governo. É um equívoco desmedido apenar todo um setor pela má contratação feita por órgãos públicos. A iniciativa privada já compreendeu o verdadeiro sentido da Terceirização e por isso contrata serviços. Já o governo, contrata mão de obra. Presstem Quais são os impactos negativos da ausência de legislação específica para a Terceirização no país e para os trabalhadores? VM A Prestação de Serviços Terceirizáveis evoluiu com o passar do tempo, transformando- -se em ferramenta de gestão indispensável para as empresas que precisam cada vez mais de especialização. No entanto, as discussões acerca de uma lei específica seguem em descompasso com esta // Precisamos de mais representatividade política e lideranças compatíveis com a grandiosidade do setor. // tendência mundial. Queremos uma legislação que promova o desenvolvimento da atividade, com regras claras e simples e sem tanta burocracia. Infelizmente o que vem sendo discutido nos últimos anos só faz aumentar os conflitos nas relações de trabalho. Precisamos aproveitar que o tema Terceirização voltou à tona no governo para ampliar o diálogo, fazendo com que a Terceirização seja

11 reconhecida como legítima propulsora do emprego formal. Trabalhador com excesso de jornada ou não pagamento de salário ou benefícios não é terceirizado, está, sim, na informalidade. É preciso desfazer este boato, que se espalhou por total falta de informação ou por interesse em destruir nossa atividade. Presstem Recentemente, a Prestação de Serviços Terceirizáveis foi alvo de acusações feitas por representantes da Justiça do Trabalho. Como o empresariado enxerga este posicionamento? VM De forma partidária, e em alguns momentos até preconceituosa. Os empresários sentem-se inseguros, principalmente pelo desconhecimento que paira sobre nossa atividade e que faz com que sejamos previamente condenados por quem deveria zelar com imparcialidade pela Justiça. As empresas de serviços terceirizáveis são legalmente registradas, recolhem tributos e contribuições previdenciárias. Se nossa atividade fosse tão fraudulenta aos direitos do trabalhador como dizem, não teríamos autorização para exercer a atividade. As distorções, alimentadas por aqueles que têm interesse em acabar com a Prestação de Serviços Terceirizáveis, precisam ser corrigidas. Presstem Dentre os países da América Latina e Caribe, o Brasil é o que tem maior carga tributária. De que forma esta situação é sentida pelo setor de serviços? VM A elevada carga tributária e burocracia em demasia impedem o desenvolvimento de qualquer atividade no Brasil. Especificamente no setor de serviços, a distorção causada pelas alterações nas leis nº /2002 e nº /2003, que regulamentam a cobrança do PIS e Cofins, significou uma das maiores injustiças tributárias cometidas na história do país. Num momento em que as empresas deveriam ter recursos para investir em capacitação de pessoal, já que falta mão de obra no mercado, vimos o PIS aumentar de 0,65% para 1,65%, e a Cofins de 3% para 7,6%. Erros como este são graves e precisam de correção, caso // Terceirização não é trabalho informal. O contrato firmado entre a prestadora de serviços e o trabalhador é feito com base na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). // contrário não conseguiremos dar continuidade à expansão do setor e à criação de mais empregos formais para o país. Presstem O setor de serviços é um dos maiores empregadores do país, com mais de 920 mil contratações em 2011 segundo o Caged. Esta grandeza é reconhecida? VM O setor de serviços ganhou força recentemente, por isso ainda está em fase de organização. Dada à sua capilaridade e segmentação, ainda temos dificuldade para defender nossos interesses de maneira homogênea. Precisamos de mais representatividade política e lideranças compatíveis com a grandiosidade e força do setor. Os empresários deste segmento precisam reagir, pois nós somos os agentes da mudança. Temos que avançar rápido. 11

12 CAPA Terceirização mostra maturidade e clama por regulamentação Realidade econômica inconteste no mundo, a Prestação de Serviços Especializados já foi incorporada na dinâmica dos sistemas produtivos no Brasil. Constitui um recurso estratégico indispensável à modernização e ao desenvolvimento empresarial Por Danielle Borges 12 A Terceirização vem contribuir deci siva mente para a criação de novas etapas de aperfeiçoamento na prestação de serviços, exigindo uma reavaliação consciente de seus níveis de qualidade e excelência. No Brasil, o setor representa novas perspectivas de trabalho, pois gera empregos diretos e indiretos, e contribui para reduzir a informalidade. A regulamentação do setor no Brasil tem gerado muita discussão. Apesar de ser um assunto polêmico, sua necessidade é reconhecida por unanimidade entre empresários e trabalhadores. Há no Congresso mais de 20 projetos em tramitação e, apesar do avanço nas negociações em torno do PL 4.330/04, proposta mais recente, ainda não existe definição sobre o tema. O principal mérito da regulamentação neste momento é o de permitir uma seleção natural das empresas do setor. Quando for aprovada, a legislação não só excluirá a possibilidade das interpretações muitas vezes contraditórias de diplomas legais, como servirá de barreira para a ação de empresas inidôneas, contribuindo para depurar o mercado e impedir, assim, a burla dos direitos dos trabalhadores. ESPECIALIZAÇÃO Seja para períodos com demanda acima da média ou para superar impactos da crise, a busca das empresas por economia, rapidez e qualidade fazem com que a prestação de serviços seja uma alternativa eficaz. O vácuo legislativo serve aos oportunistas que acham

13 mais vantajoso agir nas brechas legais caso de empresas fantasmas ou falsas cooperativas de trabalho. Este não é o caso das empresas sérias e idôneas da atividade, que se mantêm rigorosamente em dia com suas obrigações fiscais, administrativas e trabalhistas, respeitando todos os direitos constitucionais dos trabalhadores. A Terceirização constitui uma importante ferramenta para que o Brasil se equipare a outros países, podendo competir em um mercado livre e concorrer com empresas nacionais e estrangeiras, sob o escudo de regras igualitárias. Combater a Terceirização é o mesmo que combater a abertura de postos formais de trabalho, a competitividade das empresas nacionais, a oportunidade de jovens encontrarem uma porta para o primeiro emprego, o desenvolvimento e o crescimento do País. NÚMEROS DA TERCEIRIZAÇÃO No Brasil, há 32,5 mil empresas atuantes nos segmentos de Prestação de Serviços Especializados abrangidos apenas pelo Sindeprestem e pela Asserttem. Juntas, estas organizações empregam ao mês, em média, 1,4 milhão de trabalhadores, chegando a 10,5 milhões ao ano. Os dados são da 5ª Pesquisa Setorial, encomendada pelas duas entidades ao Instituto de Pesquisa Manager (Ipema). Estes dados não contemplam outros setores de Serviços com mão de obra intensiva, tais como Segurança Patrimonial, Limpeza e Conservação, TI e Telemarketing, dentre outros. O faturamento anual do setor gira em torno de R$ 47,3 bilhões. As regiões Sudeste e Sul são as que concentram a maior parte deste montante. Juntas, respondem por R$ 38,78 bilhões do total. Também são essas as duas regiões que mais contratam empresas de prestação de serviços especializados. Passamos hoje por um período de transformação na economia e nas relações de trabalho. Cada vez mais o Brasil aparece no noticiário internacional como vitorioso em face das crises que têm desestruturado muitos países historicamente melhor preparados. Todo o esforço do governo para manter a geração de empregos em níveis estáveis ou crescentes foi de extrema importância para evitar um colapso. Neste contexto, a Prestação de Serviços Terceiriza- Alencar Burti, presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae-SP //A Terceirização está madura para ingressar no escopo da legalização e fazer o Brasil acertar o passo com as economias mais avançadas. É um processo irreversível no mundo e necessário para o país. A falta de legislação sobre o tema influi no aumento da informalidade. Precisamos de mecanismos para evitar os processos burocráticos e o aumento dos níveis de desemprego. // Almir Pazzianotto, advogado trabalhista, ex-ministro do Trabalho e do Tribunal Superior do Trabalho (TST) //A Terceirização é resultado de um esforço de racionalização e da busca incessante pela especialização. É uma ferramenta que, ao longo dos anos, tem conseguido enfrentar e vencer todas as resistências. O papel da lei não é complicar, e sim garantir segurança e liberdade entre as pessoas. Precisamos de uma lei. E o enunciado 331 do TST não é uma lei. // Cândido Vaccarezza, deputado federal (PT-SP) e líder do governo na Câmara //O governo vem discutindo questões referentes à Terceirização que não se resumem em aprovar uma lei ou resolver o problema dos trabalhadores e dos empresários, e sim em fazer parte de um grande projeto de desenvolvimento econômico, político e social no nosso país. O Brasil já passou da hora de viabilizar uma legislação moderna sobre as empresas de serviços. // 13

14 CAPA 14 Jorge Gerdau, presidente do Conselho de Administração da Gerdau //Vivemos um momento excepcional no país, com crescimento econômico e avanço social, o que permite discutirmos com mais tranquilidade as necessidades brasileiras. Se quisermos nos firmar como potência global, consolidando a posição que alcançamos nos últimos anos, é essencial entendermos que os métodos utilizados até agora em áreas como a tributária e a gestão pública não cabem mais. A sociedade precisa fazer com que os governos entendam isso, e realizem a mudança. // Marcos Cintra, economista, professor titular e vice-presidente da Fundação Getulio Vargas. //Há situações em que a evolução da economia faz com que a legislação acabe acompanhando o que a sociedade já pratica. O fato é que o Brasil já vem utilizando as ferramentas da Terceirização como estratégia econômica. Entendemos que haja dificuldade, mas a legislação vai acabar incorporando a Terceirização. É uma tendência inexorável. // Lívio Giosa, vice-presidente da Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil (ADVB) e autor de livros sobre Terceirização. //No contexto da globalização da economia, as empresas brasileiras buscam adequar-se às exigências do mercado mundial para se equiparar aos níveis de competitividade impostos à sua sobrevivência. A Terceirização é um instrumento precioso neste momento de transformações da economia brasileira. // dos e Temporários tem demonstrado todo seu potencial na inserção de trabalhadores formais no mercado, com destaque para jovens em situação de primeiro emprego. Números do IBGE revelam que a atividade, entre 2003 e 2010, liderou o avanço das vagas formais, com um crescimento de 36,5%. GANHANDO ESPAÇO A imagem dos serviços especializados no Brasil ainda é fortemente atrelada à redução de custos. Mas desde o seu surgimento nos Estados Unidos, no contexto da 2ª Guerra Mundial, veio na verdade atender a uma dinâmica específica da economia na época, a necessidade de especialização das empresas. No Brasil, houve um longo caminho até que os Serviços Especializados conquistassem parâmetros mínimos de regulamentação, credibilidade e organização. A homologação do Enunciado 331 pelo TST em 1994 conferiu legalidade à modalidade, desde que restrita aos serviços especializados vinculados à atividade- -meio do tomador, bem como às áreas de conservação e limpeza. Este novo modelo de contratação da mão de obra conferiu grande agilidade à gestão empresarial, que ganhou tempo para melhor focar suas estratégias de negócios. Mas a legalização ficou restrita ao Enunciado, em desarmonia com os rumos tomados pela economia brasileira, que a partir de 1994 conheceu uma nova era, com base na expansão da renda e emprego, no controle da inflação, aumento dos investimentos produtivos, desenvolvimento dos mercados e inserção na engrenagem da empresa global. REGULAMENTAÇÃO NECESSÁRIA Os Serviços Especializados surgem como realidade inequívoca que demandam regulamentação, além de políticas públicas de incentivo e qualificação. Até alguns anos atrás, muitos desconheciam algumas fun-

15 ções profissionais que hoje fazem parte da Terceirização. São especializações que ganham corpo conforme avançam as tecnologias de informação e comunicação. Neste novo cenário, antigas estruturas de cargos e funções foram substituídas por um arranjo em que predomina a agilidade, além do aprimoramento contínuo da mão de obra. Do ponto de vista social, as novas modalidades do trabalho contribuem para a redução do desemprego, conforme pôde ser observado nos Estados Unidos ao longo dos anos 90. Para o Brasil, a especialização surge mesmo com alternativa ao gargalo da mão de obra. Entretanto, entre a realidade dessas empresas e da economia contemporânea e a regulamentação do trabalho no Brasil, existe um enorme vácuo jurídico. Todas as atividades se dão sob o abrigo do Enunciado 331 baixado pelo TST em 1994, o qual não atende mais às necessidades deste mercado. No Brasil, 75% das grandes empresas mantêm vínculos de parceria com prestadoras de serviços de mão de obra especializada. EMPREGABILIDADE MAIOR Somente em 2010, foram geradas 2,8 milhões de vagas formais no Brasil, 1,2 milhão a mais que em 2007, que detinha o recorde anterior. O setor de serviços respondeu por 1,1 milhão destes postos de trabalho. Segundo o IBGE, entre 2003 e 2010, o setor de serviços especializados foi o que mais impulsionou o crescimento de vagas formais no país, com um índice de 36,5%. Como seriam esses números em um contexto institucional mais favorável ao segmento de serviços, com legislação adequada? Projeções feitas pela Asserttem e Sindeprestem indicam que a regulamentação dos serviços especializados no Brasil seria capaz de gerar 3,5 milhões de novas vagas com carteira assinada em um período de três anos, com um incremento de cerca de R$ 3,4 bilhões/mês na folha de pagamentos e apenas nos setores de serviços representados pelas entidades. Marcio Pochmann, presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) //A Terceirização não é uma realidade recente no mundo da produção e sua regulamentação ajudaria para que a insegurança apontada por empregadores e trabalhadores diminuísse e houvesse um real investimento na área. O futuro depende de definirmos o que queremos ser daqui a dez anos, e a Terceirização é uma realidade que não tem volta. // José Pastore, sociólogo, especialista em relações do trabalho e desenvolvimento institucional //A ausência de legislação para a Terceirização constitui sério entrave para uma arrancada da economia brasileira e prejuízo para os trabalhadores. Sem regulamentação, abre-se espaço para a informalidade e para a precarização do emprego em várias áreas, inclusive no setor público. Como não há regras, a qualidade do serviço também corre risco. Além disso, pela falta de fiscalização, o recolhimento de impostos em alguns casos passa a inexistir. Em suma, todos perdem: empresas, trabalhadores, governo e sociedade em geral. // Michel Temer, vice-presidente da República //Em tempos de crise como os atuais, a regulamentação da Terceirização é oportuna. Com a modernização dos processos produtivos, uma lei específica para a atividade é fundamental para a abertura de postos formais de trabalho, aumento da competitividade das empresas, além de dar aos jovens a oportunidade do primeiro emprego. // 15

16 CAPA contratos no setor... situação no setor... Os contratos são firmados com base na Consolidação das Leis de Trabalho (CLT) entre a prestadora de serviços - empresa legalmente estabelecida junto aos órgãos competentes - e o trabalhador. Portanto, o vínculo empregatício existe e garante ao funcionário todos os direitos trabalhistas previstos em lei. X PrecarizaçãO As empresas de Prestação de Serviços são constituídas legalmente, possuem Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) emitido pela Receita Federal e não prejudicam seus trabalhadores, pagando a eles além do salário, de acordo com a categoria pertencente, contribuição previdenciária, fundo de garantia, 13º salário e férias. X Informalidade supressão dos direitos trabalhistas, remuneração inferior ao determinado por lei e redução de benefícios devido à ausência de vínculo entre trabalhador e empresa contratante. Neste caso, não há sequer assinatura de contrato que assegure condições mínimas ao trabalhador, como pagamento de salários e jornada de trabalho determinada. Não há recolhimento de impostos, o que propicia a concorrência desleal no mercado. Empresas inidôneas, que se encontram na informalidade, conseguem oferecer preços baixos por não cumprirem com obrigações fiscais e trabalhistas. 16 GRANDEZA RECONHECIDA: 4 MIL INSERÇÕES No ano de 2011, o Sindeprestem e a Asserttem foram citados como fonte oficial sobre os setores de Terceirização e Trabalho Temporário por mais de 4 mil vezes na imprensa brasileira. Entre os principais veículos de comunicação estão TV Globo e afiliadas, jornais O Estado de S.Paulo, Folha de S.Paulo, O Globo e portais G1, ig e Terra.

17 17

18 ESPECIAL Os jovens e o 1 emprego Início cheio de desafios ajuda a adquirir maturidade e a planejar carreira Por Luciana Albernaz 18 Um diagnóstico feito em 2011 pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostrou que os principais fatores que inibem jovens inativos, entre 18 e 39 anos, a procurar um emprego são: o baixo salário oferecido (53,63%); o fato de não ter com quem deixar idoso, criança ou deficiente físico (50,41%); muitos afazeres domésticos (48,39%) e falta de qualificação ou experiência exigida pela vaga (46,56%). Para os que estão empregados, os desafios são outros. No início da vida profissional, a remuneração dos jovens costuma ser compatível com o pouco conhecimento que ainda se tem, e essa situação se repete no mundo todo. De acordo com o Relatório do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas (ONU), há mais de 600 milhões de trabalhadores considerados pobres no mercado mundial de trabalho ou seja, que vivem com menos de US$ 1,25 por dia. Desse total, 24% - o que representa 152 milhões de pessoas - são jovens. Longas jornadas de trabalho, instabilidade e até mesmo a informalidade (para onde vão muitos que buscam uma primeira oportunidade, mas não têm experiência), de acordo com o relatório, também são problemas enfrentados pela juventude. No entanto, por mais desafiadora que pareça a busca pelo Divulgação Lana trabalha há oito anos na empresa em que conquistou seu primeiro emprego primeiro emprego ou por mais brutas que as economias mundiais, devastadas pela crise, se apresentem em outros países, sempre vale lembrar o bom momento pelo qual passa o Brasil. Por aqui, temos conseguido bater recordes de contratação. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o avanço do emprego industrial subiu 1%, no ano passado, e 3,4% em 2010 na comparação com 2009 um recorde. Além disso, o País atingiu, em janeiro de 2012, taxa de desemprego de 5,5% em suas seis principais regiões metropolitanas (São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife e Salvador). O índice é o menor para o período em toda série histórica da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) do IBGE, iniciada em março de Terceirização e Trabalho Temporário, caminhos para o primeiro emprego Neste contexto, a Terceirização e o Trabalho Temporário têm mostrado eficiência no encaminhamento desta modalidade de mão de obra. Somente no último ano, a Terceirização empregou 1,2 milhão de jovens em situação de primeiro emprego o número representa 11,5% entre o total de 10,5 milhões de trabalhadores empregados no Brasil pelo setor de Prestação de Serviços Terceirizáveis e Temporários. Entre as vagas temporárias, a juventude abraçou, em 2011, uma média de 120 mil oportunidades por mês. O aquecimento das contratações na área de Terceirização e Trabalho Temporário revela que o setor está em evolução e se mostra uma ferramenta interessante para a formalização da mão de obra, principalmente dos jovens que estão em busca do primeiro emprego. Isso mostra que, principalmente o trabalho temporário, é a grande porta para o mercado de trabalho", explica Jismália de Oliveira Alves, presidente da Asserttem (Associação Brasileira das Empresas de Serviços Terceirizáveis e de Trabalho Temporário).

19 Divulgação Caroline começou como recepcionista e já foi promovida para o departamentode Comunicação e Marketing experiências podem ajudar no futuro Há dois anos numa empresa de recrutamento e seleção, que lhe deu a chance de iniciar no mercado de trabalho, Maressa Bernardo, 21 anos, acredita que dar o primeiro passo no mercado de trabalho, aceitando uma vaga mesmo não sendo exatamente para a função desejada, é investir no futuro. Acredito que ter foco é fundamental. Conseguir uma primeira oportunidade de emprego numa função diferente da desejada, como vendedora, garçonete ou recepcionista vale a pena, mas é preciso ter objetivos em mente para não se acomodar e continuar crescendo profissionalmente, diz Maressa. Assim como ela, suas colegas de trabalho Lana Barbosa, de 25 anos, e Caroline Neves, de 18, também estão na mesma empresa que lhes deu a primeira oportunidade. Lana, que começou como estagiária da recepção há oito anos, por sua curiosidade e disposição em aprender, foi efetivada. Eu sonhava em ser independente financeiramente. Por isso, aos 16 anos, percebi que já estava na hora de buscar uma colocação no mercado, diz a jovem que, de início, se frustrou com as dificuldades em encontrar um emprego. Era muito jovem e não tinha experiência, mas acho que isso não é motivo para as empresas deixarem de contratar. A maturidade do candidato mostra, a ele mesmo, que as responsabilidades não são as mesmas que as da escola e que o emprego não é brincadeira, afirma. Hoje, Lana, que já concluiu a faculdade de Administração de Empresas e está cursando pós-graduação em Gestão de Pessoas, tudo custeado com o próprio salário, trabalha no departamento financeiro, tendo já exercido diversas funções na empresa. Mesmo com a pouca idade, a novata Caroline Neves também compreendeu a importância do trabalho. Há dois anos na mesma empresa de Recursos Humanos, ela começou como recepcionista e já conseguiu ir para o departamento de Comunicação e Marketing por gostar de escrever e ter se destacado na função. As empresas não devem exigir tanto do candidato ao primeiro emprego, e nem o empregado deve querer receber um salário maior logo de início. É uma oportunidade para os dois lados se conhecerem melhor, explica. No entanto, entre empresas e contratados, a opinião é unânime: o primeiro emprego é fundamental para dar ao jovem a tão sonhada liberdade financeira, senso de responsabilidade e um panorama de como funciona o mercado de trabalho. Daí para a frente, seu jogo de cintura, capacidade, tomada de decisão e aprimoramento na qualificação vão determinar a trajetória rumo a uma carreira sólida e de sucesso. Maressa Bernardo: // Meus pais foram resistentes no início, mas logo perceberam que seria importante começar a trabalhar. Passei a ser mais responsável e me comprometi a ajudar em casa. Hoje, graças ao meu trabalho, me formei em Marketing e pretendo fazer outra faculdade, desta vez de Criação e Designer Gráfico. // Divulgação 19

20 copa 2014 copa 2014 Por Luciana Albernaz "Talentos do Brasil" comercializará produtos para o mundial 20 Trabalhadores são resgatados para obras da Copa Em fevereiro, 23 trabalhadores resgatados de trabalhos em condições análogas ao escravo receberam certificado profissionalizante na Arena Pantanal, em Cuiabá (MT), para atuar como pedreiros nas obras da Copa do Mundo. A ação incluiu, além da capacitação, a reinserção no mercado de trabalho e o oferecimento de condições básicas, como abrigo e alimentação dentro do canteiro de obras. Segundo a OIT, o trabalho análogo à escravidão é aquele exigido de uma pessoa sob ameaça de sanções e para o qual ela não se oferece espontaneamente. Além de estar relacionado a baixos salários e más condições de alojamento, inclui cerceamento da liberdade. Entre 1995 e 2010, 40 mil pessoas foram resgatadas dessa condição. A maior incidência está na pecuária e no setor sucroalcooleiro. Portal daa Copa Empreendimentos mantidos por agricultores rurais nas áreas de alimentação, bebidas, cosméticos, decoração e utilitários, que abrange artesanatos, irão comercializar produtos de bares, restaurantes e hotéis das cidades-sede. A coordenação do programa do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) apresentou um diagnóstico parcial e mostrou o resultado de 64 dos 82 empreendimentos cadastrados até o momento. O diagnóstico avaliou desde o ciclo da produção à administração do negócio. Com os resultados, a equipe do programa identificará, por exemplo, a capacidade de produzir em maior escala - caso a procura pelos serviços aumente -, o modo de calcular o valor de venda de cada produto e se o empreendimento atende às legislações vigentes. Aqueles que conseguirem se adequar às recomendações técnicas ainda em 2012 poderão fornecer os produtos para hotéis, bares e restaurantes das cidades que receberão os jogos já na Copa das Confederações, em Roteiros de excursões para os turistas O programa Talentos do Brasil também prevê a preparação de roteiros de excursões para os turistas que estiverem nas cidades-sedes da Copa do Mundo. Até o momento, já foram registrados 24 roteiros, localizados a menos de três horas de distância das capitais que receberão os jogos. Os roteiros terão assessoria técnica especializada para aprimorar os serviços ofertados.

Pesquisa Setorial 2007 2008

Pesquisa Setorial 2007 2008 Pesquisa Setorial 2007 2008 Pesquisa Setorial 2007 2008 REALIZAÇÃO Av. São Luís, 258-18º andar Cep: 01046-915 - São Paulo - SP PABX: (11) 3215-8250 - Fax: (11) 3215-8277 www.sindeprestem.com.br sindeprestem@sindeprestem.com.br

Leia mais

5 a PESQUISA SETORIAL

5 a PESQUISA SETORIAL 5 a PESQUISA SETORIAL 2010 2011 2 5 a PESQUISA SETORIAL 2010 20113 Expediente Projeto Gráfico e Editoração L2 Propaganda, Comunicação e Design Coordenação do Projeto Edison Belini Érika Barros Jismália

Leia mais

pesquisa setorial 2008 2009

pesquisa setorial 2008 2009 pesquisa setorial 2008 2009 Dados sobre o setor de Trabalho Temporário e Serviços Terceirizáveis Pessoas e Empresas que fazem a diferença em Serviços Dados setoriais e depoimentos de pessoas que cresceram

Leia mais

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA O papel das Micro e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Especialista em modelos de Gestão Empresarial Presidente do CENAM: Centro Nacional de Modernização

Leia mais

pesquisa setorial 2012 2013

pesquisa setorial 2012 2013 7ª pesquisa setorial 2012 2013 2 7ª pesquisa setorial 2012 2013 3 EXPEDIENTE Projeto Gráfico e Editoração L2 Propaganda, Comunicação e Design Coordenação do Projeto Edison Belini Daniel Neves Responsabilidade

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

MODERNIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO TRABALHO

MODERNIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO TRABALHO MODERNIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO TRABALHO 71 ANOS DA CLT - Cenário quando da edição Importante instrumento para reger as relações do trabalho no início da década de 40 Industrialização incipiente (Brasil Rural)

Leia mais

A competitividade das Micro e Pequenas Empresas. Bruno Quick

A competitividade das Micro e Pequenas Empresas. Bruno Quick A competitividade das Micro e Pequenas Empresas Bruno Quick Indicadores TOTAL ME e EPPs Empresas formais em operação (2005) Cenário Nacional Part.% ME e EPPs 5.134.934 5.083.585 99% Empregos formais (2005)

Leia mais

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país.

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país. Fonte: http://www.portaldaindustria.org.br 25/02/2015 PRONUNCIAMENTO DO PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL (CDN) DO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE), NA SOLENIDADE

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS PLANEJAMENTO PARA ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA 1º SEMESTRE DE 2016 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944 com o objetivo de preparar profissionais bem

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011

Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011 Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011 A oitava reunião mensal do ano da Comissão Trabalhista e de Gestão Empresarial superou as expectativas. 50 representantes

Leia mais

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf)

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf) www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/cni/iniciativas/eventos/enai/2013/06/1,2374/memoria-enai.html Memória Enai O Encontro Nacional da Indústria ENAI é realizado anualmente pela CNI desde

Leia mais

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Qualidade Gestão O tecnólogo em Gestão da Qualidade é o profissional que desenvolve avaliação sistemática dos procedimentos, práticas e rotinas internas e externas de uma entidade, conhecendo e aplicando

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil. Marcelo Weishaupt Proni Unicamp

Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil. Marcelo Weishaupt Proni Unicamp Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil Marcelo Weishaupt Proni Unicamp A discussão sobre os megaeventos ainda é feita com base em informações precárias Sem dúvida,

Leia mais

Oportunidade: efeitos socioeconômicos 2006-2014. Preparativos: sorteio final e venda de ingressos

Oportunidade: efeitos socioeconômicos 2006-2014. Preparativos: sorteio final e venda de ingressos Introdução: função do COL Oportunidade: efeitos socioeconômicos 2006-2014 Preparativos: sorteio final e venda de ingressos O legado já começou Conclusão Introdução: função do COL Oportunidade: efeitos

Leia mais

1 Informações diversas Câmara aprova ampliação de parcelamento do Refis da crise O plenário da Câmara aprovou na noite desta quarta-feira (21) a medida provisória que amplia o parcelamento de débitos tributários,

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014. O que o Brasil já ganhou com a Copa

Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014. O que o Brasil já ganhou com a Copa Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014 O que o Brasil já ganhou com a Copa 2 O que o Brasil já ganhou com a Copa Investimentos A Copa do Mundo é um grande investimento para todos brasileiros Os únicos

Leia mais

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 A potencialidade de consumo dos brasileiros deve chegar a R$ 3,730 trilhões neste ano, ao mesmo tempo em que revela significativo aumento dos

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

PODE SER CLASSIFICADA EM TRÊS GRANDES SEGMENTOS CONSTRUÇÃO PESADA MONTAGENS INDUSTRIAIS E EXTRAÇÃO MINERAL MILHÕES

PODE SER CLASSIFICADA EM TRÊS GRANDES SEGMENTOS CONSTRUÇÃO PESADA MONTAGENS INDUSTRIAIS E EXTRAÇÃO MINERAL MILHÕES A CONSTRUÇÃO CIVIL PODE SER CLASSIFICADA EM TRÊS GRANDES SEGMENTOS CONSTRUÇÃO PESADA MONTAGENS INDUSTRIAIS E EXTRAÇÃO MINERAL EDIFICAÇÕES INDUSTRIAIS, COMERCIAIS E RESIDENCIAIS CONSTRUÇÃO CIVIL É UM DOS

Leia mais

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução RH NA ÁREA Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net Resumo: Considerando a necessidade de orientação das pessoas para o aproveitamento de vagas disponíveis

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DOS TRABALHOS NO 1 SEMESTRE DE 2012.

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DOS TRABALHOS NO 1 SEMESTRE DE 2012. PROJETO: 13 - VOLUNTÁRIOS PARA A COPA DO MUNDO 2014. Objetivo: Acompanhar junto ao COL/FIFA (Comitê Organizador Local da FIFA) a seleção e recrutamento dos voluntários para atuarem na Copa do Mundo 2014.

Leia mais

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente;

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Relatório Pacto Global Princípios de Direitos Humanos Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Um dos valores que sustentam a

Leia mais

CONHEÇA A NOSSA EMPRESA >>

CONHEÇA A NOSSA EMPRESA >> CONHEÇA A NOSSA EMPRESA >> Para se candidatar a Vaga de Promotor(a) iremos dividir por etapas a apresentação e o treinamento: Primeira Etapa: 1. Apresentação da Empresa e seus Canais de Vendas 2. Apresentação

Leia mais

Tributação: entrave ou instrumento para o desenvolvimento. Roberto Abdenur Presidente-Executivo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial - ETCO

Tributação: entrave ou instrumento para o desenvolvimento. Roberto Abdenur Presidente-Executivo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial - ETCO ROBERTO ABDENUR DIPLOMATA DURANTE 44 ANOS, APOSENTADO; ATUA COMO CONSULTOR EM ASSUNTOS INTERNACIONAIS; FOI EMBAIXADOR DO BRASIL NO EQUADOR, NA CHINA, NA ALEMANHA NA ÁUSTRIA E PERANTE OS ORGANISMOS INTERNACIONAIS

Leia mais

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil.

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Indústria É assim que e Comércio a gente segue Exterior em frente. Introdução Atualmente, muitos

Leia mais

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE RIO CLARO AUTOR(ES):

Leia mais

2 O GOVERNO FEDERAL E A ERRADICAÇÃO DA POBREZA EXTREMA

2 O GOVERNO FEDERAL E A ERRADICAÇÃO DA POBREZA EXTREMA A ECONOMIA SOLIDÁRIA NA ESTRATÉGIA DE ERRADICAÇÃO DA POBREZA EXTREMA NO BRASIL: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE* Sandro Pereira Silva** 1 INTRODUÇÃO O termo economia solidária, enquanto marca política,

Leia mais

2ª Etapa 2009 a 2011. EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham!

2ª Etapa 2009 a 2011. EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham! 2ª Etapa 2009 a 2011 EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham! Benefícios para o Setor de Agenciamento de Viagens Com a Lei Complementar 128/08 - que alterou o Estatuto

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO A educação é um dos pilares da sociedade e no nosso emprego não é diferente. Um povo culto está mais preparado para criar, planejar e executar os projetos para

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

Audiência Pública Comissão Especial PL 4238/12 Piso Salarial de Vigilantes. Brasília, 10 de junho de 2014

Audiência Pública Comissão Especial PL 4238/12 Piso Salarial de Vigilantes. Brasília, 10 de junho de 2014 Audiência Pública Comissão Especial PL 4238/12 Piso Salarial de Vigilantes 1 Brasília, 10 de junho de 2014 Quem Somos? A Federação Nacional das Empresas de Segurança e Transporte de Valores- FENAVIST,

Leia mais

Perfil das mulheres empreendedoras

Perfil das mulheres empreendedoras Perfil das mulheres empreendedoras Estado de São Paulo Março/ 2013 Objetivos Conhecer quantas são as mulheres empreendedoras no estado de São Paulo; Conhecer o perfil das mulheres empreendedoras quanto

Leia mais

ConstruBusiness - Rumo a 2022

ConstruBusiness - Rumo a 2022 ConstruBusiness - Rumo a 2022 EXPRESS ANO 1/12 Nº44 DEZ/12 CONSTRUBUSINESS 2012 10º CONGRESSO BRASILEIRO DA CONSTRUÇÃO Em sua 10ª edição, o Construbusiness elaborou o programa Compete Brasil, com soluções

Leia mais

22/6/2014 - das 14h às 18h. Número de identidade Órgão expedidor Número da inscrição LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

22/6/2014 - das 14h às 18h. Número de identidade Órgão expedidor Número da inscrição LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. UNITINS CONCURSO PÚBLICO N 001/2014 NÍVEL SUPERIOR COMISSÃO DE CONCURSO E SELEÇÃO REDAÇÃO 22/6/2014 - das 14h às 18h Número de identidade Órgão expedidor Número da inscrição LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

BENEFÍCIOS DAS EMPRESAS EM IMPLANTAÇÃO DO MENOR APRENDIZ

BENEFÍCIOS DAS EMPRESAS EM IMPLANTAÇÃO DO MENOR APRENDIZ 1 BENEFÍCIOS DAS EMPRESAS EM IMPLANTAÇÃO DO MENOR APRENDIZ Ângela de Souza Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Diego Leite (Discente do 4º ano de administração AEMS) Gean

Leia mais

1 Informações diversas Projeto de Terceirização A Câmara dos Deputados concluiu dia 22/04 a votação do projeto de lei que regulamenta contratos de terceirização. O texto principal foi aprovado no último

Leia mais

Uma fonte inédita de informação

Uma fonte inédita de informação Mensagem do Presidente Uma fonte inédita de informação Este trabalho, patrocinado pelo Sincor-SP, corresponde a uma expectativa do setor quanto aos dados relativos às corretoras de seguros, em um momento

Leia mais

DESONERAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PATRONAL SOBRE A FOLHA DE PAGAMENTOS: ALGUMAS ALTERNATIVAS

DESONERAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PATRONAL SOBRE A FOLHA DE PAGAMENTOS: ALGUMAS ALTERNATIVAS DESONERAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PATRONAL SOBRE A FOLHA DE PAGAMENTOS: ALGUMAS ALTERNATIVAS Jefferson José da Conceição* Patrícia Toledo Pelatieri** Fausto Augusto Junior*** SUMÁRIO: 1. Introdução

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A MULHER NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS MARÇO 2008 Especial - Abril 2011 AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS Em homenagem ao Dia Nacional

Leia mais

Ministro apresenta programa Bem Mais Simples Brasil para deputados de comissão que discute novo Código Comercial

Ministro apresenta programa Bem Mais Simples Brasil para deputados de comissão que discute novo Código Comercial Ministro apresenta programa Bem Mais Simples Brasil para deputados de comissão que discute novo Código Comercial O ministro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa (SMPE), Guilherme Afif Domingos, apresentou

Leia mais

MANUAL DE ASPECTOS JURÍDICOS DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE

MANUAL DE ASPECTOS JURÍDICOS DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE Av. Barbacena, 472 8º andar Barro Preto CEP: 30190-130 Belo Horizonte/MG Tel.: 3253.4917 E-mail: renata.gontijo@cemigsaude.org.br Portal Corporativo: www.cemigsaude.org.br MANUAL DE ASPECTOS JURÍDICOS

Leia mais

CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL

CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Recomendações para a construção de um sistema tributário mais justo, que aumente a competitividade do

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

Fundação Seade. www.seade.gov.br

Fundação Seade. www.seade.gov.br Janeiro de 0 N o 3 PIB municipal: dos 30 maiores municípios do país, localizam-se no Estado de São Paulo Região Metropolitana de São Paulo concentra a metade do PIB do Estado, e a capital paulista responde,

Leia mais

Sede Sebrae Nacional

Sede Sebrae Nacional Sede Sebrae Nacional Somos o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresa, uma entidade privada sem fins lucrativos, e a nossa missão é promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável

Leia mais

DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO

DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO educação para o trabalho Equipe Linha Direta DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO Evento realizado na CNI apresentou as demandas da indústria brasileira aos principais candidatos à Presidência da República Historicamente

Leia mais

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de disseminar conceitos O desenvolvimento do aplicativo de coleta de informações, a manutenção e a atualização permanente do CSBD estão sob a responsabilidade da Fundação Seade. Aos órgãos e entidades da

Leia mais

Campus Cabo Frio. Projeto: Incubadora de Empresas criação de emprego e renda.

Campus Cabo Frio. Projeto: Incubadora de Empresas criação de emprego e renda. Campus Cabo Frio Trabalho de Microeconomia Prof.: Marco Antônio T 316 / ADM Grupo: Luiz Carlos Mattos de Azevedo - 032270070 Arildo Júnior - 032270186 Angélica Maurício - 032270410 Elias Sawan - 032270194

Leia mais

C L I P P I N G DATA: 26.11.2015

C L I P P I N G DATA: 26.11.2015 C L I P P I N G DATA: 26.11.2015 GFIP: PL nº 7.512/2014 é aprovado por unanimidade na Câmara O Projeto de Lei nº 7512/2014, o qual prevê a anistia de dívidas tributárias referentes à Guia de Recolhimento

Leia mais

Companheiros e companheiras,

Companheiros e companheiras, Companheiros e companheiras, Utilizada sob o falso argumento de modernizar as relações de trabalho e garantir a especialização no serviço, a terceirização representa na realidade uma forma de reduzir o

Leia mais

QUEM SABE FAZ BEM FEITO

QUEM SABE FAZ BEM FEITO prestação DE SERVIÇOS especializados ano XII setembro 2010 nº38 QUEM SABE FAZ BEM FEITO Eunice Batista, diretora de RH da Embraer, enfatiza a relevância do planejamento nas empresas e detalha como a Terceirização

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 A ATIVIDADE TURÍSTICA E O SEGMENTO DE EVENTOS. PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO GRAÇAS À COPA

Leia mais

FALANDO PARA O MUNDO. www.espm.br/centraldecases

FALANDO PARA O MUNDO. www.espm.br/centraldecases FALANDO PARA O MUNDO www.espm.br/centraldecases FALANDO PARA O MUNDO Preparado pelo Prof. Marcus S. Piaskowy. Este caso foi escrito inteiramente a partir de informações cedidas pela empresa e outras fontes

Leia mais

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00 FICHA DE ADESÃO Por esta Ficha de adesão, solicito meu ingresso como associado da ABRIMPE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INCENTIVO E MELHORIA EM PROJETOS EMPRESARIAIS, EMPREENDEDORISMO E EDUCACIONAL, comprometendo-me

Leia mais

Redução de tributos e jornada de trabalho para geração de empregos

Redução de tributos e jornada de trabalho para geração de empregos Redução de tributos e jornada de trabalho para geração de empregos Palavras Chaves: Redução de Impostos; Redução de Tributos; Geração de Empregos, Redução de Jornada de Trabalho 1. Introdução A redução

Leia mais

Indústria do Esporte. Análise de Faturamento FIFA Copa do Mundo

Indústria do Esporte. Análise de Faturamento FIFA Copa do Mundo Indústria do Esporte Análise de Faturamento FIFA Copa do Mundo Fevereiro 2013 Com a proximidade da Copa do Mundo no Brasil, a BDO RCS fez um levantamento sobre a evolução da receita da FIFA desde a sua

Leia mais

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Documento de Trabalho SESSÃO TEMÁTICA INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Indicador de importância das prioridades (Resultado

Leia mais

Código. de Conduta do Fornecedor

Código. de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor 03/2014 Índice 1. Considerações... 03 2. Decisões... 04 3. Diretrizes... 05 3.1. Quanto à Integridade nos Negócios... 05 3.2. Quanto aos Direitos Humanos Universais... 06

Leia mais

IV Congresso Latino Americano de Opinião Pública WAPOR 2011. Belo Horizonte - Brasil

IV Congresso Latino Americano de Opinião Pública WAPOR 2011. Belo Horizonte - Brasil IV Congresso Latino Americano de Opinião Pública WAPOR 2011 Belo Horizonte - Brasil Os brasileiros e a Copa de 2014: Movimentos de opinião pública e de mercado 2 Introdução Metodologia Além do levantamento

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

O surgimento de associações de agricultores ocorre em função de três movimentos sociais importante:

O surgimento de associações de agricultores ocorre em função de três movimentos sociais importante: 1. ASSOCIATIVISMO 1.1. Introdução As formas associativas de trabalho no campo já eram encontradas há muito tempo atrás entre os primitivos povos indígenas da América. As grandes culturas précolombianas

Leia mais

Filmes. Na mídia... Gestão de RH. Responsabilidade Social Empresarial. Prof. Rafael Marcus Chiuzi. Sesi responsabilidade social Duração: 2 09

Filmes. Na mídia... Gestão de RH. Responsabilidade Social Empresarial. Prof. Rafael Marcus Chiuzi. Sesi responsabilidade social Duração: 2 09 Gestão de RH Prof. Rafael Marcus Chiuzi Responsabilidade Social Empresarial Filmes Sesi responsabilidade social Duração: 2 09 Na mídia... Empresa socialmente responsável. Responsabilidade social corporativa.

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo do MDIC Rio de Janeiro, Agosto de 2011 Introdução 1 Contexto

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito A importância do crédito para as pequenas e médias empresas Condicionantes da oferta de crédito Distribuição de empresas por porte MICRO PEQUENA MÉDIA GRANDE 0,4% 0,7% 6,2% Micro e Pequenas empresas 98,9%

Leia mais

Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões. novembro 2012. apoio

Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões. novembro 2012. apoio Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões novembro 2012 apoio 2 do CEO Carta do CEO A pesquisa levanta questões interessantes relativas à sustentabilidade e à boa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

desafios e oportunidades: hora de colher resultados

desafios e oportunidades: hora de colher resultados prestação DE SERVIÇOS especializados ano XIII novembro 2011 nº43 Brasil de amanhã começa hoje Com vasta experiência acadêmica e política, Wellington Moreira Franco, ministro-chefe da Secretaria de Assuntos

Leia mais

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL -Principais serviços que a Assistência Social possui para atendimento de idosos: - Proteção Social Básica (atendimento preventivo) - Centro de Convivência do Idoso - atualmente

Leia mais

Constituído em 1990, no início das grandes discussões tributárias no país, sob a

Constituído em 1990, no início das grandes discussões tributárias no país, sob a 02 Perfil: Colângelo e Corrêa Advogados e Consultores tornou-se referência de vanguarda, seriedade e eficiência no ramo do direito tributário, prestando relevantes serviços para empresas nacionais e estrangeiras.

Leia mais

RAIO X DO CONSUMO JORNAL O GLOBO

RAIO X DO CONSUMO JORNAL O GLOBO RAIO X DO CONSUMO JORNAL O GLOBO Publicado em 12 de junho de 2009 Ficou pronta a 1 pesquisa do Simerj, Sindicato do Varejo de eletroeletrônicos do Rio, em parceria com a Fecomércio-RJ. As entidades ouviram,

Leia mais

X SEMINÁRIO DO FÓRUM NACIONAL DE GESTÃO DA ÉTICA NAS EMPRESAS ESTATAIS

X SEMINÁRIO DO FÓRUM NACIONAL DE GESTÃO DA ÉTICA NAS EMPRESAS ESTATAIS X SEMINÁRIO DO FÓRUM NACIONAL DE GESTÃO DA ÉTICA NAS EMPRESAS ESTATAIS PAINEL : FERRAMENTA PARA A GESTÃO DA ÉTICA E DOS DIREITOS HUMANOS RONI ANDERSON BARBOSA INSTITUTO OBSERVATORIO SOCIAL INSTITUCIONAL

Leia mais

INFORMAÇÕES ÚTEIS. 1 - Definição

INFORMAÇÕES ÚTEIS. 1 - Definição INFORMAÇÕES ÚTEIS Em pesquisa realizada pelo Banco Mundial o Brasil é um país que pode levar cerca de 5 meses para se legalizar uma empresa, mas o desemprego, a vontade de ter um negócio próprio, está

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO NO BRASIL:

TERCEIRIZAÇÃO NO BRASIL: TERCEIRIZAÇÃO NO BRASIL: Qual trabalho para o desenvolvimento sustentável Painel: A Evolução da Terceirização no Brasil e no Mundo Seminário Terceirização, Evolução e Marco Legal Valor Econômico Artur

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

Inovar para competir. Competir para crescer.

Inovar para competir. Competir para crescer. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 sumário Plano Brasil Maior...7 Dimensões do Plano...8 Dimensão Estruturante...11

Leia mais

ABERTURA DE CAPITAL COMO FORMA DE ALAVANCAGEM NO BRASIL. AUTOR: EVANGELISTA, Aparecida Conceição de Oliveira. ORIENTADOR: LIMA, Hyder Marcelo de.

ABERTURA DE CAPITAL COMO FORMA DE ALAVANCAGEM NO BRASIL. AUTOR: EVANGELISTA, Aparecida Conceição de Oliveira. ORIENTADOR: LIMA, Hyder Marcelo de. ABERTURA DE CAPITAL COMO FORMA DE ALAVANCAGEM NO BRASIL AUTOR: EVANGELISTA, Aparecida Conceição de Oliveira. ORIENTADOR: LIMA, Hyder Marcelo de. O presente artigo visa apresentar a abertura de capital

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO Mais segurança e benefícios para 40 milhões de brasileiros Chegou a vez do trabalhador terceirizado. Depois de nove anos de debates, negociações

Leia mais

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO Mais segurança e benefícios para 40 milhões de brasileiros Chegou a vez do trabalhador terceirizado. Depois de nove anos de debates, negociações

Leia mais

6 de novembro de 2006 - Blumenau - SC

6 de novembro de 2006 - Blumenau - SC 6 6 de novembro de 2006 - Blumenau - SC Promoção Apoio Apresentação Com a criação do Dia Municipal do Empreendedor, e também encaminhado no âmbito estadual e nacional, a ACIB Jovem consolida um esforço

Leia mais

PL 8035/2010 UMA POLÍTICA DE ESTADO. Plano Nacional de Educação 2011/2020. Maria de Fátima Bezerra. Deputada Federal PT/RN

PL 8035/2010 UMA POLÍTICA DE ESTADO. Plano Nacional de Educação 2011/2020. Maria de Fátima Bezerra. Deputada Federal PT/RN PL 8035/2010 Plano Nacional de Educação 2011/2020 UMA POLÍTICA DE ESTADO Maria de Fátima Bezerra Deputada Federal PT/RN Presidente da Comissão de Educação e Cultura da Câmara Federal O PNE foi construído

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

Apresentação. Torne-se um Empreendedor Individual e traga para o seu negócio todos os benefícios da formalização. Guia do Empreendedor Individual

Apresentação. Torne-se um Empreendedor Individual e traga para o seu negócio todos os benefícios da formalização. Guia do Empreendedor Individual Apresentação Muitos brasileiros trabalham informalmente por conta própria, ou seja, não têm nenhum tipo de registro. E por isso ficam sem acesso a diversos benefícios, como a Previdência Social, cursos

Leia mais

BOLETIM ANO III Nº 141. Rio de Janeiro, 03 de outubro de 2013 DIRIGENTES SINDICAIS PRESENTES A POSSE DO NOVO PRESIDENTE DA UMPL

BOLETIM ANO III Nº 141. Rio de Janeiro, 03 de outubro de 2013 DIRIGENTES SINDICAIS PRESENTES A POSSE DO NOVO PRESIDENTE DA UMPL BOLETIM ANO III Nº 141 Rio de Janeiro, 03 de outubro de 2013 DIRIGENTES SINDICAIS PRESENTES A POSSE DO NOVO PRESIDENTE DA UMPL Eleito e empossado ontem, dia 30/9, o sr. Éric Thiry, advogado, de nacionalidade

Leia mais

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos A taxa média anual de desemprego, na Região Metropolitana de São Paulo RMSP, diminuiu de 11,9% para 10,5%, entre 2010 e 2011, atingindo seu menor valor nos últimos 20 anos. Essa é uma das informações divulgadas

Leia mais