A TERCEIRIZAÇÃO NA PRODUÇÃO AGRÍCOLA. A dissociação entre a propriedade e o uso dos instrumentos de trabalho na moderna produção agrícola

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A TERCEIRIZAÇÃO NA PRODUÇÃO AGRÍCOLA. A dissociação entre a propriedade e o uso dos instrumentos de trabalho na moderna produção agrícola"

Transcrição

1

2

3 A TERCEIRIZAÇÃO NA PRODUÇÃO AGRÍCOLA A dissociação entre a propriedade e o uso dos instrumentos de trabalho na moderna produção agrícola

4 Antonio Carlos Laurenti

5 Pesquisador da Área Técnica de Socioeconomia do INSTITUTO AGRONÔMICO DO PARANÁ-IAPAR A TERCEIRIZAÇÃO NA PRODUÇÃO AGRÍCOLA A dissociação entre a propriedade e o uso dos instrumentos de trabalho na moderna produção agrícola

6

7 À minha mãe Lourdes e às minhas filhas Carolina, Camila e Elisa

8

9 SUMÁRIO ÍNDICE DE FIGURAS ÍNDICE DE TABELAS APRESENTAÇÃO D D I INTRODUÇÃO 1 I A terceirização dos trabalhos agrários diretos no Brasil Índice de terceirização A dispersão geográfica e evolução recente da terceirização dos trabalhos agrários diretos no território brasileiro A terceirização através da empreita de máquinas e equipamentos A empreita de serviços por grupo de área total do estabelecimento A empreita de serviços nos principais trabalhos agrários diretos A terceirização via aluguel de força de tração A terceirização via aluguel de fonte de tração por grupo de área total do estabelecimento A terceirização dos trabalhos agrários no Estado do Paraná A associação espacial entre a produção agrícola plenamente modernizada e a terceirização parcial 49 II A unidade de produção agrícola nas principais interpretações da economia política relativas a transformação da agricultura As unidades agrícolas nas interpretações fundadas no caráter exógeno dos fatores determinantes da transformação da agricultura A unidade estruturada como tipo básico da organização da produção agrícola 64

10 2.1.2 A unidade agrícola sem estoque de instrumentos de trabalho como o tipo básico da agricultura de gestão A unidade agrícola nas interpretações de conteúdo kautskysta A unidade agrícola estruturada como unidade típica do PSM A unidade agrícola semi-equipada como tipo básico da agricultura em tempo parcial A modernização da agricultura e a reconstituição modificada de prévias características das unidades de produção agrícolas A manutenção da disparidade entre o tempo de trabalho e o de produção pelo progresso técnico e a sua transposição via terceirização O duplo caráter do processo de terceirização: a diferenciação econômica e a decomposição social do produtor simples de mercadoria 86 III Aspectos microeconômicos da terceirização da execução dos trabalhos agrários diretos A agricultura de gestão como etapa da mudança organizacional da produção agrícola A terceirização e a potencialização da taxa de rentabilidade O risco de frustração de safras como fator relevante na decisão de imobilizar capital em maquinaria agrícola A terceirização como condição da modernização plena das unidades agrícolas de pequena escala de produção A terceirização e a especialização flexível das unidades agrícolas A produção simples de mercadoria como anteparo à generalização da plena terceirização ou da agricultura de gestão A diferenciação da base técnica do processo de formas da produção agrícola A natureza eco-regulatória do trabalho agrícola e o uso supraempresarial dos modernos instrumentos de trabalho agrícolas A polivalência dos instrumentos de trabalho motomecanizados A especialização flexível e a terceirização parcial A não-aleatoriedade da terceirização parcial na agricultura plenamente modernizada As inovações tecnológicas e a decomposição da categoria PSM132 IV 134

11 4. A instabilidade das condições externas e a transitoriedade da terceirização parcial A retração na produção de trigo como reafirmação da suspeita de não consolidação do padrão de crescimento intensivo da agricultura A terceirização da execução dos trabalhos agrários diretos como indicativo da maturidade do padrão intensivo na produção agrícola A contemporaneidade do ajuste do setor agrícola frente algumas inovações organizacionais na produção e na gestão do trabalho 143 V As condições externas e a diferenciação do produtor simples de mercadoria na moderna agricultura paranaense A mudança na base técnica e inversão das posições ocupadas pelos titulares das unidades agrícolas na organização da produção Um breve relato sobre a evolução da produção da soja e trigo no Estado do Paraná Os anos setenta: a modernização plena, a terceirização parcial e o êxodo rural A década de oitenta: o padrão intensivo na produção de soja e trigo A intervenção pública, as etapas e fases da evolução da produção de soja e trigo no Paraná A etapa do crescimento extensivo semi-modernizado A etapa do crescimento intensivo A fase da Revolução Verde A fase de fordização da produção agrícola 173 VI RESUMO E CONCLUSÕES 179 BIBLIOGRAFIA 203

12 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1- Região de modernização intensiva do Estado do Paraná, Figura 2 - Custo da colheita mecânica de soja. 109 ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1. Í ndice de Terceirização (IT), segundo as Grandes Regiões e Unidades da Federação do Brasil, Tabela 2. Variação do total de estabelecimentos com serviços de empreitada, segundo as Grandes Regiões e Unidades da Federação, Brasil 1980 e Tabela 3. Total de estabelecimentos com serviços de empreitada e participação percentual, segundo as Grandes Regiões e Unidades da Federação, Brasil 1980 e Tabela 4. Distribuição e variação do total de estabelecimentos e do total de estabelecimentos com serviços de empreitada, por grupos de área total, Brasil 1980 e Tabela 5. Distribuição do total de estabelecimentos e dos estabelecimentos com serviço de empreitada, por grupo de área total, Brasil Tabela 6. Variação do total de estabelecimentos com serviços de empreitada, por tipo de serviço, segundo as Grandes Regiões e Unidades da Federação, Brasil 1980 e Tabela 7. Participação percentual dos estabelecimentos com serviços de empreitada, por tipo de serviço e segundo as Grandes Regiões e Unidades da Federação, Brasil 1980 e Tabela 8. Variação do total de estabelecimentos com serviço de empreitada, por tipo de serviço e grupos de área total, Brasil Tabela 9. Índice de terceirização por tipo de serviço empreitado (IT e ) e grupos de área total, Brasil 1980 e Tabela 10. Participação relativa e variação do total de estabelecimentos com uso de força de tração nos trabalhos agrários, segundo a procedência da força utilizada, por Grandes Regiões e Unidades da Federação, Brasil 1980 e

13 Tabela 11. Distribuição e variação do total de estabelecimentos com uso de força de tração, segundo a procedência da força utilizada e IT, por estrato de área total, Brasil 1980 e Tabela 12. Índice de terceirização relativo ao uso de força de tração nos trabalhos agrários, segundo as Grandes Regiões e Unidades da Federação, Brasil 1980 e Tabela 13. Distribuição do total de informantes, produção e área colhida de soja e trigo, por grupo de área de colheita, Brasil Tabela 14. Distribuição do total de informantes, produção e área colhida de soja e trigo, por grupo de área de colheita, Brasil Tabela 15. Distribuição do total de informantes, produção e área colhida de soja e trigo, por grupo de área de colheita, Brasil Tabela16. Distribuição do total de informantes, produção e área colhida de soja e trigo, por grupo de área de colheita, Paraná Tabela 17. Distribuição dos produtores de soja do Estado do Paraná, segundo o tipo e procedência da força utilizada nos trabalhos agrários e por estrato de área total Tabela 18. Distribuição dos triticultores do Estado do Paraná por estrato de área total, tipo e procedência da força de tração utilizada nos trabalhos agrários, Tabela 19. Relação das variáveis utilizadas na descrição da estrutura agrária do Estado do Paraná a partir das informações do Censo Agropecuário de Tabela 20. Pesos dos fatores após rotação ortogonal na análise fatorial da agricultura do Estado do Paraná com trinta e seis (36) variáveis descritivas calculadas para o ano de Tabela 21. Principais meses da colheita e quantidade colhida de soja e trigo no Estado do Paraná, Tabela 22. Distribuição do total de municípios, estabelecimentos e de estabelecimentos com uso de serviços de empreitada, 57 Tabela 23. Distribuição do total de estabelecimentos com empreita conjunta de equipamentos e mão-de-obra das regiões homogenêas 06 e 12, Paraná Tabela 24. Estimativa dos montantes de juro e de depreciação, anual e por hora máquina, relativos a uma colheitadeira automotriz de grãos SLC 122 CV MODELO 6200, e da área colhida para três períodos hipotéticos de depreciação do capital. 104 Tabela 25. Estimativa dos custos unitários máximo e mínimo da colheita mecânica de soja e da área de equivalência entre os custos de execução autônoma e a empreita de serviços, relativa a safra 1994/

14 Tabela 26. Disponibilidade de colheitadeiras em relação ao estrato de área anual da lavoura de soja, em 370 propriedades rurais amostradas no Estado do Paraná, na safra 1987/88. EMBRAPA - CNPSo. Londrina, PR Tabela 27. Variação do total de estabelecimentos, da área total ocupada e explorada e das áreas das lavouras de café e soja, na região de maior intensidade de modernização da base técnica no Estado do Paraná, período Tabela 28. Médias qüinqüenais da área plantada, produção e produtividade das lavouras de soja e trigo do Estado do Paraná, Tabela 29. Comparativo da receita bruta por hectare da lavoura do trigo, segundo os qüinqüênios da década de oitenta no Paraná. 175

15 APRESENTAÇÃO Nos países desenvolvidos um novo paradigma pós industrial está emergindo, fazendo com que o mundo rural volte a ser maior que a agricultura. Esse novo rural, como o temos denominado, compõe-se basicamente de três grandes subsetores de atividades: a) uma agropecuária moderna, baseada em commodities e intimamente ligadas às agroindústrias; b) um conjunto de atividades não-agrícolas, ligadas à moradia, ao lazer e a várias atividades industriais e de prestação de serviços; c) um conjunto de novas atividades agropecuárias, localizadas em nichos específicos de mercados. O termo novas foi colocado entre aspas porque muitas dessas atividades, na verdade, são seculares no país, mas não tinham, até recentemente, importância como atividades econômicas. Eram atividades de fundo de quintal, hobbies pessoais ou pequenos negócios agropecuários intensivos (piscicultura, horticultura, floricultura, fruticultura de mesa, criação de pequenos animais etc.), que foram transformados em importantes alternativas de emprego e renda no meio rural nos anos mais recentes. Muitas destas atividades, antes pouco valorizadas e dispersas, passaram a integrar verdadeiras cadeias produtivas, envolvendo, na maioria dos casos, não apenas transformações agroindustriais, mas também serviços pessoais e produtivos relativamente complexos e sofisticados nos ramos da distribuição, comunicações e embalagens. Tal valorização também ocorre com as atividades rurais não-agrícolas derivadas da crescente urbanização do meio rural (moradia, turismo, lazer e prestação de serviços) e com as atividades decorrentes da preservação do meio ambiente, além de um outro conjunto que busca nichos de mercado muito específicos para sua inserção econômica.

16 ii A conclusão é que o meio rural dos países desenvolvidos já não podia mais ser analisado apenas como o conjunto das atividades agropecuárias e agroindustriais, pois ganhou novas funções. O aparecimento (e a expansão) dessas novas atividades rurais agrícolas e não-agrícolas, altamente intensivas e de pequena escala tem propiciado novas oportunidades para um conjunto de pequenos produtores que não podem ser chamados de agricultores ou pecuaristas e que, muitas vezes, não são nem mesmo produtores familiares, uma vez que a maioria dos membros da família está ocupada em outras atividades não-agrícolas e/ou urbanas. Ou seja, o mundo rural dos países desenvolvidos tem um novo ator social já consolidado: as famílias pluriativas que combinam atividades agrícolas e nãoagrícolas na ocupação de seus membros ativos. A característica fundamental é que atualmente não são exclusivamente agricultores ou pecuaristas: combinam atividades dentro e fora de seu estabelecimento, tanto nos ramos tradicionais urbanoindustriais, como nas novas atividades que vem se desenvolvendo no meio rural, como lazer, turismo, conservação da natureza, moradia e prestação de serviços pessoais. Em resumo, deixam de ser trabalhadores agrícolas especializados para se converter em trabalhadores (empregados ou por conta própria) que combinam diversas formas de ocupação (assalariadas ou não, agrícolas e não-agrícolas). Na verdade, a novidade em relação aquilo que, na visão dos clássicos marxistas, seria considerado camponeses em processo de proletarização é a combinação de atividades não-agrícolas fora do estabelecimento, o que não ocorria anteriormente. E mais: os clássicos consideravam a existência de membros da família camponesa trabalhando fora de sua unidade produtiva como um indicador do processo de proletarização e, consequentemente, de desagregação familiar, empobrecimento e piora das condições de sua reprodução social. É preciso recordar que os camponeses não eram produtores agrícolas especializados dado que, usualmente, combinavam atividades não-agrícolas de bases artesanais dentro do estabelecimento, envolvendo praticamente todos os membros

17 iii da família na produção de doces e conservas, fabricação de tecidos rústicos, móveis e utensílios diversos, reparos e ampliação das construções e benfeitorias etc. O sinal visível de que não podiam mais garantir a sua reprodução era o assalariamento temporário fora, que ocorria fundamentalmente em unidades de produção vizinhas por ocasião da colheita. Com a urbanização do meio rural que ocorreu em paralelo à queda dos preços dos produtos agropecuários decorrente da modernização agrícola, o aparecimento de ocupações não-agrícolas passou a ser, na verdade, a salvação da lavoura, como se diz por aqui. Ou seja, foi a possibilidade de obter ocupações e rendas não-agrícolas que, muitas vezes, impediu o abandono total das propriedades, especialmente pelos membros mais jovens das famílias rurais. A possibilidade de combinar atividades agrícolas com atividades nãoagrícolas e alheias ao estabelecimento familiar, remete a um processo de "desdiferenciação" ou desespecialização da divisão social do trabalho, que tem na sua origem a modificação do próprio processo de trabalho, tanto na agricultura moderna como na indústria de base fordista. Vários fatores vêm contribuindo para impulsionar essa nova tendência no mundo rural dos países desenvolvidos, dentre os quais se deve destacar a crescente semelhança das formas de organização e contratação de trabalho na indústria com aquelas secularmente existentes na agricultura (flexibilidade de tarefas e da jornada, contratação por tarefa e/ou por tempos determinados etc.), a volta da indústria para os campos 1, a melhoria nos sistemas de comunicação e transporte e o aparecimento de novas formas de trabalho a domicílio. 1 Vale lembrar que as primeiras indústrias inglesas tinham que se localizar no campo, dada a necessidade de estarem próximas das fontes de energia hidráulica. Com o advento da máquina a vapor, elas se mudam para as cidades, onde havia maior disponibilidade de força de trabalho. É por isso que a máquina a vapor é consi-derada a mãe das cidades inglesas por Marx (O Capital, vol I, cap.13 : Maquinaria e Indústria Moderna).

18 iv Como assinalam Mingione e Pugliese 2, a pluriatividade, na maioria das vezes, se associa também a um outro fator complexo, que é a combinação, cada vez mais freqüente, numa mesma pessoa, do estatuto de empregado com o de trabalhador por conta própria. O resultado dessa associação é o aparecimento de tipos que, tanto do ponto de vista social como profissional, são difíceis de classificar. E citam o exemplo do alugador de máquinas que trabalha com seu próprio trator em várias unidades agrícolas e que, muitas vezes, recebe um salário diário em função das horas trabalhadas. Além disso tudo, concluem que assemelha-se mais a um mecânico do que a um camponês, do mesmo modo que hoje em dia o agricultor tende a preocupar-se mais com questões comerciais do que com o crescimento das culturas em si. Em resumo, a pluriatividade das famílias rurais nos países desenvolvidos tende a se configurar de duas formas básicas: a) através de um mercado de trabalho relativamente indiferenciado, que combina desde a prestação de serviços manuais até o emprego temporário nas indústrias tradicionais (agroalimentares, têxtil, vidro, bebidas etc.); e b) através da combinação de atividades tipicamente urbanas do setor terciário com o management das atividades agropecuárias a tempo parcial. É por essa segunda forma que, de um lado, milhares de profissionais liberais urbanos, atraídos pelas facilidades decorrentes dos novos serviços disponíveis para apoio das atividades agropecuárias, passaram a olhar os campos como uma oportunidade também para novos negócios. E que, de outro lado, milhões de agricultores por conta própria e até mesmo trabalhadores rurais assalariados não especializados buscam formas de prestação de serviços tipicamente urbanas. A generalização da atividade agropecuária em tempo parcial nos países avançados decorre fundamentalmente de uma redução do tempo de trabalho necessário dos produtores familiares e por conta própria. Isso se tornou possível com: 2 MINGIONE, E. & PUGLIESE, E. A Difícil Delimitação do Urbano e do Rural. Revista Crítica de Ciências Sociais, Lisboa, 22:83-89 (abril), 1987, p

19 a) o crescimento da mecanização das atividades agrícolas e da automação nas atividades criatórias; e b) os programas de redução das áreas cultivadas (set-aside) e/ou extensificação da produção agropecuária. Em função dessas mudanças, duas grandes transformações ocorreram nas atividades agropecuárias do mundo desenvolvido: a) as unidades familiares se individualizaram no que diz respeito à gestão produtiva, liberando os membros da família para buscarem fora outras atividades; b) os membros da família que já trabalhavam individualmente ou por conta própria reduziram o tempo dedicado às atividades agropecuárias, em busca de outras atividades rurais ou urbanas que lhes assegurassem maior nível de renda 3. Há um outro elemento que viria a se somar ao crescimento da atividade a- gropecuária em tempo parcial para garantir a pluriatividade no meio rural dos países desenvolvidos, que é a dinâmica de crescimento das atividades rurais nãoagrícolas. E aqui novamente é preciso chamar a atenção do que é novo no processo de transferência de atividades urbanas - em particular das atividades industriais - para os campos. É sabido que muitas indústrias tradicionais (que muitos preferem chamar de sujas ou decadentes ) há muito já vem procurando refúgio no espaço agrário por razões de custos internos (maior proximidade das matérias primas, busca de mão-de-obra barata e não sindicalizada etc.) e custos externos (dificuldades de transporte de cargas, menor rigor no controle de poluição etc.). Todavia, mais recentemente, estimuladas pelo desenvolvimento das telecomunicações - particularmente da telemática - novas indústrias e serviços auxiliares da produção, de alto nível tecnológico, também têm se transferido para os campos em busca de melhores condições de produção e de trabalho. Tomando-se a pluriatividade como a marca fundamental desse novo agricultor, podemos assinalar aqui vários outros fenômenos relacionados que podem ser observados no novo mundo rural dos países desenvolvidos: v 3 BAPTISTA, F. Famílias e Explorações Agrícolas. IV Congresso Latino-Americano de Sociologia Rural, Concepcion, Chile, 1994, 10 p.

20 vi a) o desmonte das unidades produtivas, em função da possibilidade de externalização de várias atividades que antes tinham que ser realizadas na fazenda, através de contratação de serviços externos (aluguel de máquinas, assistência técnica etc.) 4 ; b) a especialização produtiva crescente, permitindo o aparecimento de novos produtos e de mercados secundários, como, por exemplo, de animais jovens, mudas e insumos 5 ; c) a formação de redes vinculando fornecedores de insumos, prestadores de serviços, agricultores, agroindústrias e empresas de distribuição comercial 6 ; d) o crescimento do emprego qualificado no meio rural, especialmente de profissões técnicas e administrativas de conteúdo tipicamente urbano, como motoristas, mecânicos, digitadores e profissionais liberais vinculados a atividades rurais não-agrícolas; e e) a melhoria da infra-estrutura social e de lazer, além de maiores facilidades de transporte e meios de comunicação, possibilitando maiores chances de acesso aos bens públicos, como previdência, saneamento básico, assistência médica e educação, além de uma melhora substancial na qualidade de vida para os que moram nas zonas rurais 7. É evidente que esse novo mundo rural dos países desenvolvidos não é nenhum paraíso: os índices de pobreza e miséria, bem como o isolamento das populações de menores rendas, apesar de terem se reduzido, ainda continuam altos vis-à-vis os das regiões urbanas. Mas também já é evidente que, para uma dada renda monetária, os padrões de vida dos trabalhadores rurais são iguais ou superiores aos dos pobres urbanos. Talvez seja esse o ponto fundamental de interesse na nova relação de trabalho representada pela pluriatividade nos países desenvolvidos: os custos monetários de reprodução são mais baixos no contexto rural, espe- 4 ARNALTE, A, E. Estrutura de las explotaciones agrárias y externalización del proceso productivo. Revista de Economia, Madrid. 666: (feb.), GOODMAN, D. & SORJ, B. & WILKINSON, J. Da lavoura às biotecnologias. RJ, Ed. Campus, GREEN, R. H. & SANTOS, R. R. Economia de red y reestruturación del sector agroalimentario. Paris, INRA, BARLETT, P. Part-time Farming: Saving the Farm or Saving the Lyfestyle? Rural Sociology, EUA. 51(3): (fall), 1986.

21 vii cialmente quando, através da atividade agrícola a tempo parcial, também há interligação via mercado de trabalho 8. Nos países subdesenvolvidos também já se percebe com clareza o fenômeno da pluriatividade e da agricultura em tempo parcial 9, embora sem a mesma magnitude que assume nos países desenvolvidos. É notório que há diferenças substanciais, ainda que se possa observar, em graus diferentes de importância relativa conforme as diferentes regiões do país, os mesmos fenômenos apontados anteriormente: especialização das unidades produtivas, o crescimento da prestação de serviços, a formação de redes dentro dos distintos complexos agroindustriais, o crescimento do emprego rural não-agrícola e a melhoria das condições de vida e lazer no meio rural. São essas transformações que estamos estudando no âmbito do Projeto Rurbano 10, onde se propõe investigar a relevância dos cortes urbano/rural e agrícola/não-agrícola no desenvolvimento brasileiro recente. O trabalho de Laurenti, que agora é apresentado ao público na forma deste livro, é um dos precursores do projeto Rurbano. Ele aborda exatamente aquilo que é a razão última do desmonte das explorações agropecuárias em todo o mundo, qual seja, a dissociação entre a propriedade da terra e o uso dos instrumentos de trabalho. Não é apenas um estudo de caso da moderna produção agrícola, como se poderia depreender do subtítulo do livro: é uma tentativa de explicar teoricamente quem é esse novo personagem, esse novo ator social que denominamos de pluriativo. 8 MINGIONE, E. & PUGLIESE, E. op. cit., p Ver a respeito: GRAZIANO DA SILVA, J. Resistir, resistir, resistir: Considerações acerca do Futuro do Campesinato no Brasil, 1995; SCHNEIDER, S. As Transformações Recentes da Agricultura Familiar no RS: O Caso da Agricultura em Tempo Parcial. Ensaios FEE, Porto Alegre 16(1): , 1995 e também ANJOS, F, S. Agricultura Familiar em Transformação: O Caso dos Colonos-Operários de Massaranduba, SC, Pelotas, Ed. Universitária, 1995, 169 p. 10 É um Projeto Temático denominado Caracterização do Novo Rural Brasileiro, 1981/95 que conta com financiamento parcial da FAPESP e que pretende analisar as transformações no emprego rural em onze Uni-dades da Federação (PI,RN,AL,BA,MG,RJ,SP,PR,SC,RS e DF). Mais informações na nossa homepage

22 viii A sua importância é evidente: cada vez menos o que se faz da porteira pra dentro, revela a complexidade das relações sociais e econômicas envolvidas nas atividades agropecuárias modernas. As suas implicações também: até mesmo do ponto de vista da coleta das informações estatísticas, os estabelecimentos agropecuários não poderão mais ser definidos apenas do âmbito das suas relações internas. Laurenti já teve o seu mérito reconhecido: primeiro com a aprovação da tese por unanimidade da banca constituída pelos professores Rodolfo Hoffmann, Guilherme Costa Delgado, Shigeo Shiki, Walter Bélik e por mim, que tive ainda a honra de ser o seu orientador. Depois com o prêmio Edson Potch Magalhães, de melhor tese de doutorado na área de Economia Rural, obtido no XXXV Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural da Sociedade Brasileira de Economia e Sociologia Rural-SOBER, realizado em Natal(RN) de 04 a 08 de agosto de Foi a primeira vez que o Programa de Doutoramento em Economia do Instituto de Economia da UNICAMP teve uma de suas teses de doutorado da área de Economia Rural premiada na SOBER. Acho que não preciso dizer mais nada para os nossos leitores. José Graziano da Silva Campinas, abril de 1998.

23 INTRODUÇÃO A agricultura brasileira experimentou, na primeira metade dos anos oitenta, uma desaceleração do ritmo da concentração do acesso à terra e uma retração nos mercados dos insumos e instrumentos de trabalho agrícolas industrialmente produzidos 1. Tal arrefecimento 2 na modernização agrícola não evitou, porém, a suplantação do predomínio que a expansão da área cultivada e do pessoal ocupado preexerciam sobre os ganhos de produtividade na composição da taxa de crescimento do produto agrícola, a qual se efetivou ao longo da década de oitenta 3. O crescimento de forma intensiva, porém, não dissipou completamente as dúvidas que pairavam acerca da efetiva consolidação 4 do novo padrão de agricul- 1 Os índices relativos à desaceleração dos movimentos de concentração fundiária, de aumento do número de estabelecimentos com tratores e de expansão da área cultivada em ritmo superior ao de crescimento da pro-dutividade, que vigoravam de forma intensa no período , na agricultura brasileira, foram avaliados por Charles C. MUELLER (A evolução recente da agropecuária brasileira segundo os dados dos Censos Agropecuários) e por George MARTINE. (A evolução recente da estrutura da produção Agropecuária: Al-gumas notas preliminares). Ambos artigos estão contidos In: IPEA: Dados Conjunturais da Agropecuá-ria. ed. esp. Coordenadoria de Agricultura. Brasília, julho de 1987, p e p Entendido como diminuição do ritmo de crescimento do consumo de meios de produção e de instrumentos de trabalho agrícolas industrialmente produzidos, conforme José GRAZIANO DA SILVA. Uma Década Perversa: As Políticas Agrícola e Agrária dos anos 80. IE/UNICAMP, 1992, p A análise da taxa de crescimento do PIB agropecuário nacional, efetuada por Guilherme Silva DIAS - O Papel da Agricultura no Processo de Ajustamento - Nota Adicional. In: Anais do Congresso da SOBER, 27, 1989, p , evidenciou a inversão no sentido da variação das taxas geométricas anuais de in-cremento do produto por área, que de -0,58 no período , passou para 2,36 no período , en-quanto que, a taxa de crescimento do pessoal ocupado, neste último qüinqüênio, foi mais que o dobro daque-la observada para a segunda metade da década de setenta. Isto denota que a agricultura nacional retrocedeu, ao menos parcialmente, às formas de expansão da produção que prevaleciam nos anos cinqüenta. Por sua vez, José G. GASQUEZ & Carlos M. VILLAVERDE evidenciaram, no artigo Crescimento da agri-cultura brasileira e política agrícola nos anos 80. Texto para Discussão, IPEA 204, 1990, p. 8-11, a inci-dência diferenciada, nas grandes regiões, da taxa de crescimento do produto bruto da agricultura, da contri-buição da expansão área cultivada, do pessoal ocupado e da produtividade. 4 José GRAZIANO DA SILVA, no texto Condicionantes para um Novo Modelo Agrário e Agrícola. In: Crise Brasileira. Anos Oitenta e Governo Collor, Inst. CAJAMAR, 1993, p , avalia os limites, internos e externos, à consolidação do novo padrão da agricultura brasileira e comenta que: não se pode dizer que esse novo modelo esteja consolidado, no sentido de que possa caminhar com seus próprios pés, prescindindo de uma regulação estatal efetiva.

24 2 Antonio Carlos Laurenti tura, viabilizado pelas políticas públicas voltadas a complementar 5 agroindustrial iniciada em meados da década de sessenta. a estrutura A permanência da suspeita está associada ao fato de que a modernização da agricultura brasileira avançou, principalmente, pela redução da relação custo/benefício propiciada pelos financiamentos operacionalizados com subsídios pela não cobrança, parcial ou total, dos juros devidos e pela correção monetária dos débitos a taxas inferiores àquela sinalizada pelo índice de desvalorização da moeda, notadamente na segunda metade dos anos setenta 6. A contenção do crédito, iniciada em 1979, que prenunciava o colapso do padrão de financiamento da economia brasileira que se efetivou com a crise da dívida externa em 1982, resultou na suspensão dos incentivos à agricultura, particularmente na rubrica investimentos, e na retração do comércio dos modernos instrumentos de trabalho agrícola 7. Essa retração, aliada ao fato de que as perspectivas de saneamento da dívida pública (interna e externa) exigiria um esforço de longo prazo, reforçavam as dúvidas acerca da retomada do ritmo do processo de 5 Complementar no sentido de forjar uma agroindustrialização autônoma. Isto é, como sinônimo da endoge-neização da capacidade de modernizar a agricultura nacional por meio da internalização, a partir de meados da década de sessenta, da produção industrial de insumos e máquinas para a agricultura e, conseqüente-mente, reduzir a dependência externa quanto a esses produtos, conforme Ângela KAGEYAMA et alii. O Novo Padrão Agrícola Brasileiro: Do complexo Rural aos Complexos Agroindustriais. In: Guilherme C. DELGADO et alii. Agricultura e Políticas Públicas. IPEA, 1988, p A primazia da política de subsídio à agricultura, nos anos setenta, é mostrada por Ariel C. Garces PARES no texto Estado e Modernização: A Função do Crédito Agrícola e a Política de Preços Mínimos. In: Vilma FIGUEIREDO (Coord.). Estado, Sociedade e Tecnologia Agropecuária. Brasília, PAX, 1989, p Para uma apreciação, mais detalhada, das relações entre as vendas internas de tratores, a capacidade ociosa das fábricas de colheitadeiras automotrizes e o crédito rural para investimento, consultar o relatório preli-minar elaborado por Maria da Graça D. FONSECA intitulado O sub-setor de máquinas agrícolas. A política contracionista de crédito agrícola, notadamente quanto ao investimento, vigente nos anos oitenta, revelou-se efetiva ao menos pela retração do comércio de tratores no mercado interno. A drástica redução do volume de vendas, de unidades, em 1980, para cerca de em 1989, teria sido ainda maior ca-so muitos agricultores não tivessem optado pela imobilização de capital em máquinas e equipamentos, como forma de se proteger contra a desvalorização inflacionária. Esta argumentação é de Walter BELIK, no artigo A agricultura brasileira em um período de ruptura. In: OLIVEIRA, F.A. &

PLURIATIVIDADE AGRÍCOLA E AGRICULTURA FAMILIAR I. META Mostrar o processo de inserção da agricultura familiar na economia brasileira.

PLURIATIVIDADE AGRÍCOLA E AGRICULTURA FAMILIAR I. META Mostrar o processo de inserção da agricultura familiar na economia brasileira. Aula PLURIATIVIDADE AGRÍCOLA E AGRICULTURA FAMILIAR I META Mostrar o processo de inserção da agricultura familiar na economia brasileira. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: entender o conceito

Leia mais

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996.

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996. Acesso a Tecnologias, Capital e Mercados, quanto à Agricultura Familiar x Agricultura Patronal (Texto auxiliar preparado para discussão no Primeiro Curso Centralizado da ENFOC) I No Brasil, a agricultura

Leia mais

A TERCEIRIZAÇAO DA EXECUÇÃO DOS TRABALHOS DIRETOS NA AGRICULTURA. Resumo

A TERCEIRIZAÇAO DA EXECUÇÃO DOS TRABALHOS DIRETOS NA AGRICULTURA. Resumo A TERCEIRIZAÇAO DA EXECUÇÃO DOS TRABALHOS DIRETOS NA AGRICULTURA Antonio Carlos Laurenti Resumo O objetivo deste artigo é o de apresentar algumas evidências empíricas acerca da terceirização da execução

Leia mais

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Segmentos dentro da porteira: Produção agrícola Produção pecuária Segmentos depois da porteira: Agroindústria Canais

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista A atividade agrícola e o espaço agrário Prof. Bruno Batista A agropecuária É uma atividade primária; É obtida de forma muito heterogênea no mundo países desenvolvidos com agricultura moderna, e países

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

Conceito de Contabilidade

Conceito de Contabilidade !" $%&!" #$ "!%!!&$$!!' %$ $(%& )* &%""$!+,%!%!& $+,&$ $(%'!%!-'"&!%%.+,&(+&$ /&$/+0!!$ & "!%!!&$$!!' % $ $(% &!)#$ %1$%, $! "# # #$ &&$ &$ 0&$ 01% & $ #$ % & #$&&$&$&* % %"!+,$%2 %"!31$%"%1%%+3!' #$ "

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba Sebastião Teixeira Gomes Viçosa Novembro 1996 1 Índice Especificação Página 1. Introdução... 2 2. Notas Metodológicas... 2 3. Recursos Disponíveis... 3 4. Raça

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS AGROPECUÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO

IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS AGROPECUÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO Excelentíssimo Senhor GILBERTO JOSÉ SPIER VARGAS MINISTRO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA Esplanada dos Ministérios Bloco A, 8º Andar Brasília - DF Assunto: Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel

Leia mais

Questão 1. Resposta A. Resposta B

Questão 1. Resposta A. Resposta B Questão 1 Ao longo do século XX, as cidades norte-americanas se organizaram espacialmente de um modo original: a partir do Central Business District (CBD), elas se estruturaram em circunferências concêntricas

Leia mais

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE EXTENSÃO: CENTRO DE DESENVOLVIMENTO EM FINANÇAS PROJETO: CENTRO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

AS INTERFACES DO PLANEJAMENTO URBANO COM A MOBILIDADE

AS INTERFACES DO PLANEJAMENTO URBANO COM A MOBILIDADE AS INTERFACES DO PLANEJAMENTO URBANO COM A MOBILIDADE Quando focalizamos a condição de sermos moradores de um aglomerado, isso nos remete a uma posição dentro de um espaço físico, um território. Esse fato,

Leia mais

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO 5 Amanda dos Santos Galeti Acadêmica de Geografia - UNESPAR/Paranavaí amanda_galeti@hotmail.com Kamily Alanis Montina Acadêmica

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Contribuições do Sistema Cooperativista - Consulta Pública MDA

Contribuições do Sistema Cooperativista - Consulta Pública MDA Contribuições do Sistema Cooperativista - Consulta Pública MDA Critérios e procedimentos de concessão, manutenção e uso do Selo Combustível Social As políticas de apoio à agricultura familiar desempenham

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária Índice Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesa

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol A Origem do conceito Cada dia mais, as propriedades rurais... Perdem sua auto-suficiência Passam a depender mais de insumos e

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08)

Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08) Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08) Aprova a Orientação OCPC - 01 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata de Entidades de Incorporação Imobiliária. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ECONOMIA

FUNDAMENTOS DA ECONOMIA Aula 4 FUNDAMENTOS DA ECONOMIA 1.2.3 Noção de custo de oportunidade e de análise marginal A escassez de recursos leva os produtores a efetuar escolhas para produção de bens. Em um mundo de recursos limitados,

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS. IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade

ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS. IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS Uma proposta de trabalho para apresentação ao SESC Serviço Social do Comércio Preparada pelo IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade Maurício Blanco

Leia mais

LEASING. Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras).

LEASING. Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras). LEASING Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras). Leasing financeiro mais comum, funciona como um financiamento.

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11 Céleres Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 199/97 a 2010/11 O CASO DO ALGODÃO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DO MILHO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DA SOJA TOLERANTE A HERBICIDA

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA

PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA (Coordenação de Agropecuária) E DA GEPAD (Gerência de Planejamento,

Leia mais

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 09 Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 1 Carlos DirceuPitol Luiz2 Broch1 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso2 9.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez requerem

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR E POLITICAS PÚBLICAS: um desafio para o desenvolvimento.

AGRICULTURA FAMILIAR E POLITICAS PÚBLICAS: um desafio para o desenvolvimento. 284 AGRICULTURA FAMILIAR E POLITICAS PÚBLICAS: um desafio para o desenvolvimento. Diogo Giacomo Eleutério (UNI - FACEF) Maria Zita Figueiredo Gera (UNI FACEF) INTRODUÇÃO Este artigo diz respeito ao Projeto

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 O RISCO DOS DISTRATOS O impacto dos distratos no atual panorama do mercado imobiliário José Eduardo Rodrigues Varandas Júnior

Leia mais

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos,

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos, O Acordo de Madrid relativo ao Registro Internacional de Marcas e o Protocolo referente a este Acordo: Objetivos, Principais Características, Vantagens Publicação OMPI N 418 (P) ISBN 92-805-1313-7 2 Índice

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG Área Temática: Meio Ambiente Responsável pelo trabalho: Artur Leonardo Andrade Universidade

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE.

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. Cláudia De Mori 1 ; Gilberto Omar Tomm 1 ; Paulo Ernani Peres Ferreira 1 ; Vladirene MacedoVieira

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

I Seminário Internacional de Propriedade Intelectual em Países de Língua Portuguesa. Tema:

I Seminário Internacional de Propriedade Intelectual em Países de Língua Portuguesa. Tema: I Seminário Internacional de Propriedade Intelectual em Países de Língua Portuguesa Tema: Propriedade Intelectual em Agricultura e Conhecimentos Correlatos A RECENTE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO AGRÍCOLA

Leia mais

1RWDV7pFQLFDV GR %DQFR&HQWUDOGR%UDVLO

1RWDV7pFQLFDV GR %DQFR&HQWUDOGR%UDVLO ,661Ã 1RWDV7pFQLFDV GR %DQFR&HQWUDOGR%UDVLO 1~PHUR 1RYHPEURGH O sistema financeiro e o crédito rural Moyses Kessel ISSN 1519-7212 CGC 00 038 166/0001-05 Notas Técnicas do Brasília n 6 nov 2001 P 1-10 Banco

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

CRIAÇÃO E EVOLUÇÃO, FUNCIONAMIENTO E RESULTADOS DA REAF

CRIAÇÃO E EVOLUÇÃO, FUNCIONAMIENTO E RESULTADOS DA REAF CRIAÇÃO E EVOLUÇÃO, FUNCIONAMIENTO E RESULTADOS DA REAF CRIAÇÃO E EVOLUÇÃO DA REAF A REAF é um órgão assessor especializado do Grupo Mercado Comum (GMC), principal órgão executivo do MERCOSUL e do Conselho

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 3 DE OUTUBRO DE 1975 ABERTURA DO

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 Ementa: Realização de estudo socioeconômico para a concessão de benefícios eventuais e outros benefícios sociais. A presente Orientação Técnica tem por objetivo responder

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

REVISÃO AMÉRICA ANGLO SAXÔNICA E MÉXICO

REVISÃO AMÉRICA ANGLO SAXÔNICA E MÉXICO REVISÃO AMÉRICA ANGLO SAXÔNICA E MÉXICO DIVISÃO DO CONTINENTE AMERICANO Os países que pertencem a América do Norte são: EUA, Canadá e México. Os países que pertencem a América Anglo Saxônica são: EUA

Leia mais

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 O Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007 é um instrumento chave para a cooperação internacional em matéria de café, e participar dele

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 TEMAS SOCIAIS Diferentes histórias, diferentes cidades A evolução social brasileira entre 1996 e 1999 não comporta apenas uma mas muitas histórias. O enredo de

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Palavras-chave: Compra direta. Agricultura Familiar. Modelo de checagem

Palavras-chave: Compra direta. Agricultura Familiar. Modelo de checagem Avaliação de desempenho de processos de Compra Direta da Agricultura familiar: proposta metodológica baseada em modelo de checagem Magalhães A. M. Cruz, G. V. O mercado institucional pode ser um excelente

Leia mais

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 METANOR S.A. Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 Senhores Acionistas, Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a administração da METANOR S.A. submete à apreciação

Leia mais

Agricultura Presente, um Projecto com Futuro

Agricultura Presente, um Projecto com Futuro Direcção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo Agricultura Presente, Agricultura Presente, um Projecto com Futuro um Projecto com Futuro (LVT) 4.878 projetos aprovados Investimento

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL IV SIMBRAS I CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção Prof. José Horta Valadares,

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO E SOJA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA

MERCADO DE TRABALHO NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO E SOJA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA MERCADO DE TRABALHO NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO E SOJA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA Alexandre Nunes de Almeida 1 ; Augusto Hauber Gameiro 2. (1) Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, CEPEA/ESALQ/USP,

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia PRGRA Pró-Reitoria de Graduação DIRPS Diretoria de Processos Seletivos

Universidade Federal de Uberlândia PRGRA Pró-Reitoria de Graduação DIRPS Diretoria de Processos Seletivos GEOGRAFIA Gabarito Final - Questão 1 A) Dentre os fatores que justificam a expansão da cana-de-açúcar no Brasil, destacam-se: Aumento da importância do álcool ou etanol na matriz energética brasileira;

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação O processo de desindustrialização pelo qual passa o país deve-se a inúmeros motivos, desde os mais comentados, como a sobrevalorização

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009 Desafios do Programa Habitacional Minha Casa Minha Vida Profa. Dra. Sílvia Maria Schor O déficit habitacional brasileiro é

Leia mais

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE Elaborado em: 22/09/2010 Autora: Walleska Vila Nova Maranhão

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO Índice 1. O Sistema Tributário Brasileiro...3 1.1. Breve histórico do sistema tributário brasileiro... 3 1.1.1. A reforma dos

Leia mais

Profissionais Portugueses no Brasil. Empresas Familiares

Profissionais Portugueses no Brasil. Empresas Familiares Profissionais Portugueses no Brasil Empresas Familiares Tópicos Abordados As Gerações e o Mercado de Trabalho Empresas Familiares no Brasil Cenário Brasileiro e Estatísticas de Emprego no Brasil Características

Leia mais

Excelência operacional

Excelência operacional Excelência operacional o pilar para obter um crescimento lucrativo na Colômbia POR: DAVID MONROY E ROBERTO PALACIOS, SINTEC Siga-nos: @Perspectiva Sintec @Sintec_ @PerspectivaSintec Introdução Toda empresa

Leia mais

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo.

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo. Classificação das Sociedades - Existem 2 categorias : Conglomerados financeiros Concentram se em público-alvo, que são os clientes do próprio conglomerado, pertence a uma sociedade participativa liderada

Leia mais

Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres

Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres Judith Kaspersma - RUAF Foto: Kranjac-Berisavljevic - dreno principal na cidade de Tamale, Gana Entre 24

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Ação 3.3 INVESTIMENTO NA TRANSFORMAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS AGRÍCOLAS Enquadramento Regulamentar

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Toda reforma implica um processo de readaptação da estrutura acadêmica vigente, composta principalmente

Leia mais

Fluxos de capitais, informações e turistas

Fluxos de capitais, informações e turistas Fluxos de capitais, informações e turistas Fluxo de capitais especulativos e produtivos ESPECULATIVO Capital alocado nos mercados de títulos financeiros, ações, moedas ou mesmo de mercadorias, com o objetivo

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 1 CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 O Censo da Educação Superior, realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), constitui se em importante instrumento

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais