CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RÉGIS ARAÚJO DE ALMEIDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RÉGIS ARAÚJO DE ALMEIDA"

Transcrição

1 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RÉGIS ARAÚJO DE ALMEIDA ANÁLISE DA LOGÍSTICA DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO EM UMA EMPRESA DE AGRONEGÓCIO, SITUADA NO MUNICÍPIO DE EUSÉBIO (CE). FORTALEZA 2014

2 2 RÉGIS ARAÚJO DE ALMEIDA ANÁLISE DA LOGÍSTICA DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO, EM UMA EMPRESA DE AGRONEGÓCIO, SITUADA NO MUNICÍPIO DE EUSÉBIO (CE). Monografia submetida à aprovação da Coordenação do Curso de Administração de Empresas, como requisito parcial para obtenção do grau de graduação. Orientadora: Ma. Rosangela Soares de Oliveira. FORTALEZA 2014

3 3 RÉGIS ARAÚJO DE ALMEIDA Trabalho de conclusão de Curso como pré-requisito para obtenção do titulo de Bacharelado em Administração, outorgado pela Faculdade Cearense (FaC), Tendo sido aprovado pela banca examinadora composta pelos professores. Data de aprovação: / / Conceito: ROSANGELA SOARES DE OLIVEIRA, Ms. Orientador Membro Membro

4 4 Dedico este trabalho a todos que de forma direta ou indireta contribuíram para a realização de um sonho.

5 5 Não se acostume com o que não o faz feliz, revolte-se quando julgar necessário. Alague seu coração de esperança, mas não deixe que ele se afogue nela. Se achar que precisa voltar volte! Se perceber que precisa seguir siga! Se estiver tudo errado, comece novamente. Se estiver tudo certo, continue. Se sentir saudades, mate-a. Se perder um amor, não se perca! Se o achar, segure-o! Fernando Pessoa

6 6 AGRADECIMENTOS A Deus, que me mostrou o caminho a seguir, que foi criativo. Que me fez ser perseverante, que me deu coragem para questionar realidades e propor sempre um novo mundo de possibilidades. À minha família, por acreditar em meu potencial. Mãe e meus avós, seus cuidados e dedicação foram o que me deu, em alguns momentos, a força para seguir; a presença de vocês significou segurança e certeza de que não estou sozinho nessa caminhada. Aos meus amigos, pelas alegrias, tristezas e dores compartilhas. Com vocês, as pausas entre um parágrafo e outro na construção deste trabalho contribuiu para a melhoria de tudo o que tenho produzido na vida. Ao curso de administração da FAC e aos professores ao longo de todo o curso. Posso dizer que a minha formação e as pessoas com quem convivi nesses espaços ao longo dos anos foram muito enriquecedores. As experiências de uma produção compartilhada com amigos foram a melhor etapa da minha formação acadêmica. À professora Rosangela Soares, por seus ensinamentos, paciência e confiança ao longo das supervisões e orientações. A todos aqueles que de alguma forma estiveram e estão próximos de mim, fazendo esta vida valer cada vez mais a pena.

7 7 RESUMO A presente pesquisa teve como objetivo investigar se a logística de uma empresa de agronegócio é eficiente, se a eficiência na logística de transporte aumenta a competitividade da empresa frente a seus concorrentes e constatar se realmente os estudos sobre a eficiência logística estão certos ao afirmar que ela oferece vantagem competitiva para as organizações. Para atingir os objetivos da pesquisa, primeiramente foi realizada uma pesquisa bibliográfica e, na busca da confirmação da teoria na prática, realizou-se um estudo de caso. Quanto ao propósito, optou-se por um estudo exploratório-descritivo e de abordagem ou natureza quantitativa. Na segunda etapa, a técnica utilizada para obtenção dos dados primários foi a aplicação de um questionário. Ele foi aplicado com dez colaboradores em uma abordagem não probabilística, utilizando-se o critério de amostragem intencional. Desta forma, podese dizer que o objetivo geral e os objetivos específicos da pesquisa foram atingidos, pois verificou que, se a empresa trabalhar a logística de transporte de maneira eficaz e eficiente, terá uma vantagem competitiva frente a seus concorrentes. Palavras-chave: logística, transporte rodoviário e eficiência.

8 8 ABSTRACT The present study aimed to investigate the logistics of an agribusiness company is efficient, the efficiency in transportation logistics increases the competitiveness of the company compared to its competitors and really see if the studies on logistics efficiency are right to say that it offers a competitive advantage for organizations. To achieve the research objectives, primarily a literature search was performed and in the pursuit of confirmation of the theory in practice, performed a case study. As to purpose, we chose an exploratory-descriptive and quantitative approach or study. In the second stage, the technique used to obtain the primary data was a questionnaire. It was applied with ten employees in a non-probabilistic approach, using the criterion of purposive sampling. Thus, can say that the general objectives and specific research objectives were achieved, they found that, if the company working transportation logistics effectively and efficiently, will have a competitive advantage over your competitors. Keywords: logistics, road transport and efficiency.

9 9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Frota utilizada para transferência dos CDs para a fabrica Gráfico 2 Frota utilizada para distribuição da fabrica até o cliente final Gráfico 3 Modais de transporte utilizado pela empresa Gráfico 4 Logística como diferencial competitivo Gráfico 5 Empresa trabalha logística de maneira eficaz e eficiente Gráfico 6 Empresa recebe Feedback dos clientes relacionado ao nível de satisfação Gráfico 7 Empresa busca saber nível de satisfação de clientes em relação a prazo de entrega e condições de recebimento Gráfico 8 Estrutura e ferramentas adequada para obter resultados positivos na logística de transporte Gráfico 9 Indicadores de medição de eficiência logística de transporte... 41

10 10 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABIC BRTUV CD IBGE ISO PIB TI Associação Brasileira da Indústria do Café Organismo certificador credenciado pelo IMETRO Centro de distribuição Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Organização Internacional para Padronização Produto Interno Bruto Tecnologia da Informação

11 11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO LOGÍSTICA E TRANSPORTE Conceituando logística Histórico e evolução da logística Logística como agregador de valor Estrutura de transporte Modais de transporte LOGÍSTICA DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO Transporte rodoviário Eficiência logística dos transportes rodoviários Gargalos logísticos do transporte rodoviário ESTUDO DE CASO Área geográfica e histórico do município de Eusébio (CE) Caso: empresa de agronegócio Segmento e atuação no mercado Portfólio de produtos Clientes ASPECTOS METODOLÓGICOS DA PESQUISA Natureza da pesquisa Tipologia da pesquisa Universo, população e amostra Procedimentos e instrumentos de coleta de dados ANÁLISE E INTERPRETAÇAO DOS RESULTADOS Perfil dos respondentes Análise dos resultados CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICE... 47

12 12 1 INTRODUÇÃO A presente pesquisa consiste em um estudo de caso realizado em uma empresa do segmento de agronegócio, localizada no município de Eusébio (CE); uma organização privada, de capital fechado, atuando no mercado brasileiro, com uma equipe de vendas própria. Possui atuação nacional, produzindo e distribuindo marcas fortes e consagradas de produtos alimentícios, líderes de mercado em suas categorias. A empresa conta com unidades de exportação, unidades de compra e beneficiamento de café verde e exporta seus produtos para mais de 30 países. A escolha da empresa para a realização deste estudo, referente à análise na logística de transporte rodoviário, partiu de um desejo particular do pesquisador em analisar se a eficiência da logística de transporte rodoviário oferece vantagem competitiva. A opção pelo tema se deu também pelo fato de que as empresas hoje em dia devem estar preparadas para a competição logística em nível mundial, prontas para fazer entregas do outro lado do mundo em menos de 24 horas. A logística de transporte rodoviário hoje está sendo muito utilizada nas empresas devido à redução de custos e otimização de tempo. No Brasil, por exemplo, a logística ainda não é utilizada como diferencial de estratégia competitiva; as empresas que não utilizam a logística de forma eficiente e estratégica têm sofrido com várias consequências geradas pela ineficiência da logística de transporte e isto influencia diretamente sobre os custos de transporte. Devido à grande concorrência e a busca de uma fatia maior do mercado as empresas estão inovando suas estratégias, mas se deparam com grandes problemas estruturais que impactam diretamente na logística de transporte rodoviário, que são: grande volume de empresas no setor, o que provoca o acirramento da competição e a perda de poder de barganha junto aos clientes; comoditização do produto transporte; rodovias em péssimas condições de uso; roubo de cargas; idade da frota de caminhões; carga tributária elevada; pouca carga retorno; tempo de carga e descarga elevado e alto custo com pedágios. Por este motivo, foi criado o Plano Nacional de Logística e Transporte (PNLT), com o intuito de orientar as ações nacionais publicas ou privadas em infraestrutura de transporte e logística. Atualmente as organizações encontram-se em um cenário cada vez mais

13 13 competitivo e desta maneira se deparam com a necessidade de ter uma logística mais eficiente. Diante desse cenário, as empresas buscam uma maior participação no mercado, inovando suas estratégias e visando a redução de custos e otimização do tempo, tornando-se um diferencial frente a seus concorrentes e gerando um alto nível de satisfação pelo serviço prestado aos clientes. A partir daí, propõe-se o seguinte questionamento: A logística de transporte rodoviário, de uma empresa especificamente do setor de agronegócio no município de Eusébio (CE) é eficiente ou não? Com vista a dar resposta à problemática de partida, foi traçado como objetivo geral: Analisar a logística de transporte rodoviário de uma empresa do segmento de agronegócio, situada no município de Eusébio (CE). Para atingir o objetivo geral, foi necessário delinear os seguintes objetivos específicos: conceituar logística, logística de transporte rodoviário e transporte rodoviário destacando a importância dessas atividades para uma empresa especificamente do setor de agronegócio no município de Eusébio-CE. averiguar a logística de transporte rodoviário nas empresas do estado do Ceará e verificar a eficiência da logística de transporte rodoviário especificamente do setor de agronegócio da empresa em questão. A metodologia a ser utilizada foi de caráter bibliográfico e análise quantitativa; de tipologia exploratória descritiva quanto aos fins e meios e estudo de caso por meio de um estudo de campo, através da análise das principais atividades logísticas de transportes rodoviários, realizada através de atividades do dia a dia a eficiência na logística de transporte da empresa pesquisada. A pesquisa teve fundamentação teórica baseada na bibliografia de autores como Ballou (2006) e Bowersox; Closs; Cooper (2007) Pereira (2006), Choopra (2003), dentre outros. O presente trabalho foi estruturado da seguinte forma: o primeiro capitulo apresenta a introdução; o segundo contém a fundamentação teórica voltada para os conceitos e histórico e evolução da logística, sua definição e importância nas organizações, bem como os conceitos e estrutura de transporte e a classificação de

14 14 modais de transporte; o terceiro capitulo apresenta uma contextualização sobre a logística de transporte rodoviário e são abordados também os principais gargalos da logística de transporte, definições de eficiência logística e a logística como forma de agregar valor e aumentar a competitividade das organizações; o quarto capitulo apresenta um panorama da empresa pesquisada, bem como sua localização, histórico, segmento e atuação de mercado, portfólio de produtos e principais clientes; o quinto capítulo mostra a abordagem metodológica utilizada para o desenvolvimento da pesquisa. Para atingir o objetivo da pesquisa, primeiramente fez-se uma pesquisa bibliográfica, na busca da confirmação da teoria na prática e realizou-se um estudo de caso. Quanto ao propósito, optou-se por um estudo de caso exploratóriodescritivo. Quanto à abordagem ou natureza da pesquisa, optou-se por uma pesquisa quantitativa. Na segunda etapa da pesquisa as técnicas utilizadas para obtenção dos dados primários foram: coleta documental e aplicação de questionário. O questionário foi aplicado em dez colaboradores aptos a respondê-los, em uma amostragem não probabilística, utilizando-se o critério de amostragem intencional. O sexto capítulo refere-se à análise e interpretação dos resultados, em que são expostos e comentados os dados coletados na pesquisa aplicada na empresa de agronegócio; tais dados são apresentados por meio de percentuais e gráficos. Por fim, nas considerações finais, são apresentados os principais resultados obtidos na pesquisa e sugestões de melhoria, tendo como base o referencial teórico. São expostas também sugestões para continuidade desta pesquisa.

15 2 LOGÍSTICA E TRANSPORTE O objetivo deste capítulo é apresentar a base teórica que deverá sustentar a pesquisa do trabalho, em que serão abordados o histórico e a evolução da logística, definição e a importância da logística como um diferencial competitivo, conceito de transporte e classificação de modais e atualidades. 2.1 Conceituando logística Conforme Christopher (2007), a logistica é o processo de gerenciar de forma estratégica a aquisição de materiais, do transporte e da armazenagem de matérias-primas, elementos e produtos acabados (acrescidos dos fluxos de informação relacionados) tanto por partes das empresas e de seus canais de marketing, de forma que sua lucratividade atual e futura seja maximizada mediante a entrega de encomendas acompanhadas pelo menor custo. Segundo Bowersox, Closs e Cooper (2007), a logística é um processo de planejamento, implementação e controle do fluxo eficiente e eficaz de mercadorias, serviços e das informações, indo desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o objetivo de atender às exigências dos clientes. Reafirma ainda que a logística é a adaptação do gerenciamento de pedidos, do estoque, da armazenagem, do manuseio de materiais e da embalagem de uma empresa interligados por uma rede de instalações. Para Christopher (2007), a logística é o processo de gestão estratégica que vai desde a compra, passando pela armazenagem e transporte de matériasprimas e produtos acabados por parte da organização e de seus fornecedores com menor custo associado, de maneira que a lucratividade da organização seja maximizada diante do atendimento ao cliente, objetivando apoiar as necessidades operacionais de compra, produção e atendimento às expectativas do cliente. Para Ballou (2006), a logística tem um papel de fundamental importância na geração de valor de um produto; isto ocorre desde fornecedores da empresa até o cliente. A logística deve atender às necessidades do cliente, por meio de uma boa comunicação e administração logística, a fim de prover bons níveis de serviço ou produto que se adequem às necessidades destes a um preço justo.

16 16 Para Carvalho (2002, p. 31), logística atual deve abranger desde os fluxos físicos, a gestão da produção (materiais, insumos e produtos acabados) e toda a indução da informação, tanto no sentido direto como no reverso. O referido autor ainda ressalta que a logística, na atualidade, desempenha um papel fundamental e de suma importância nas decisões das organizações públicas e privadas. No novo conceito de fazer logística verifica-se que pelo ambiente globalizado em que vivemos a logística é mais global e mais abrangente e isto pode ser observado com o passar dos anos através do histórico e evolução desta. 2.2 Histórico e evolução da logística Segundo Ballou (2006), a logistica teve início em atividades militares e existe desde a década de Estava relacionada à movimentação e coordenação de tropas militares, armamentos e munições para os locais em que fossem necessária a sua movimentação. A sua principal finalidade consistia em fazer o planejamento militar, que compunha o estudo dos pontos fortes e fracos dos adversários de guerra, a fim de utilizar a melhor estratégia. Segundo Novaes (2007), a logística está classificada em quatro fases, sendo que a primeira ocorreu após a Segunda Guerra Mundial, no momento em que a indústria procurava preencher espaços existentes e ainda não tinha um sistema de comunicação e informática e todos os processos eram feitos manualmente. O estoque era considerado o principal elemento da cadeia de suprimento (NOVAES, 2007). A segunda fase da logística foi marcada pela diversificação dos produtos, tendo em vista que as organizações começaram a focar os segmentos do mercado e também analisar a real importância e a sinergia da cadeia de suprimento (PIRES, 2007). De acordo com Novaes (2007), foi nesta etapa que surgiu a multimodalidade no transporte das mercadorias e também a inserção da informática nas operações na década de 1960, caracterizando a otimização de atividades e o planejamento como elementos-chave nesta nova fase. A terceira fase da logística teve o início da integração entre os agentes da cadeia de suprimento. Como a TI (tecnologia da informação) já estava sendo instalada de forma avançada nas organizações, os processos transcorriam de

17 17 maneira mais rápida, já que tecnologias novas, como a introdução do código de barras, tinham sido instaladas. O pensamento era voltado para a redução de custos em nível de estoque, uma vez que estoque parado é sinônimo de dinheiro perdido (NOVAES, 2007). A quarta fase da logística, que é considerada como fase atual da logística, iniciou-se na década de 1990 e foi marcada pela globalização, ou seja, as indústrias se tornaram mais competitivas, baseadas em valores de desempenho globais, tendo em vista que fatores como custos, qualidade, desempenho na entrega e flexibilidade se tornaram fatores de distinção competitiva (PIRES, 2007). A integração entre os processos ao longo da cadeia de suprimento foi descrita por Novaes (2007) como o principal acontecimento desta fase. Segundo Ballou (2006), é necessário refletir e gerenciar as funções logísticas de forma coletiva, acrescentando a logística a um fator econômico, no qual o consumo e a produção também tenham o menor custo possível. A compreensão da logística em agregar as atividades relacionadas ao fluxo de produtos e serviços para gerir de forma coletiva tem sido uma evolução natural do pensamento administrativo. As atividades de transporte de material, além das demais atividades decorrentes da logística, tiveram início antes mesmo da existência de um comércio ativo entre regiões vizinhas (BALLOU, 2006). Conforme Bowersox, Closs e Cooper (2007, p. 3), O que começou na ultima década do século XX e continuará a se expandir no século XXI é o que os historiadores chamaram de despertar da era da informação ou era digital. Desta maneira, a logística deve apresentar-se desde o pedido do produto até a entrega. Isto faz com que a logística agregue valor ao produto ou serviço prestado pela organização (BOWERSOX, CLOSS & COOPER, 2007). 2.3 Logística como agregador de valor Segundo Faria (2007), de acordo com os termos logísticos, gerar valor ao cliente significa envolver, conhecer de forma detalhada e mais aprofundada as suas atividades e necessidades, sua estrutura de custos, necessidades e dinâmica de mercado e visualizar se o benefício proposto agrega valor para ele e a organização. Para Ballou (2006), é de fundamental importância que a logística da empresa

18 18 possua uma estrutura de transporte que atenda às necessidades de seus clientes, disponibilizando o produto certo, no local certo. Desta maneira, cria-se ao cliente um valor único pelo nível de satisfação gerado por meio do produto ou serviço adquirido. 2.4 Estrutura de transporte Para Chopra e Meindl (2003), transporte significa o movimento do produto de um local a outro, partindo do início da cadeia de suprimento e chegando até o cliente e o modal rodoviário é uma atividade fundamental na logística porque movimenta os produtos através dos diversos estágios de produção e, por fim, até os consumidores. Segundo Bowersox, Closs e Cooper (2007), o transporte é um elemento de extrema importância na logística, pois através do aparecimento do serviço de transporte a economia muda por meio da sua capacidade de locomoção, podendo contribuir na competitividade do mercado. A concorrência do transporte de cargas advém do direito preferencial de passagem, veículos e transportadores que operam dentro de cinco modais de operação: ferroviário, aeroviário, dutoviário, rodoviário e aquaviário; um modal identifica um método ou forma básica de transporte em que cada um tem suas características específicas que os tornam a opção mais adequada para cada tipo de carga (BOWERSOX, CLOSS & COOPER, 2007). Segundo Ballou (2006), os modais podem ser classificados pelo tempo médio de entrega. A ferroviária tem a maior variação no tempo de entrega, já o modal aéreo tem a menor variação de tempo e o modal rodoviário fica entre o ferroviário e o aéreo. Se dentre as variáveis de escolha o fator determinante para a escolha do transporte for determinada em relação ao tempo médio de entrega, o transporte aéreo é o menos confiável e o rodoviário o mais confiável. 2.5 Modais de transporte Atualmente existem cinco modais básicos de transporte comprovados cientificamente através de estudos; são eles: rodoviário, ferroviário, dutoviário, aeroviário, aquaviário e um novo modal ainda não muito divulgado que é o infoviário.

19 19 O primeiro modal e mais utilizado no Brasil é o rodoviário, temática que será abordada em um capitulo específico por ser o foco desta pesquisa. O segundo modal mais utilizado no Brasil é o ferroviário. Para o Ministério dos Transportes (2013), o transporte ferroviário no Brasil é aquele que é utilizado através de linhas férreas, a fim de transportar pessoas e cargas com grandes volumes de produtos homogêneos, em percursos longos. Dentre os produtos transportados pelo modal ferroviário pode-se dar como exemplo os minérios de ferro e manganês, carvões minerais, derivados de petróleo e cereais em grão, todos transportados a granel. Ressalte-se que o tipo de mercadoria transportada através deste modal não possui alto valor agregado. Segundo Novaes (2007), suas principais vantagens são: transportar grandes quantidades de carga com um menor custo e ser adequado para longas distâncias. E como desvantagens por ter um alto custo para ser implantado e menor flexibilidade em suas rotas, pois opera em pontos fixos; baixa integração entre os estados e ser um meio de transporte lento, enquanto o transporte rodoviário é o modal que apresenta uma menor capacidade de transporte de carga entre todos os modais. O terceiro modal mais utilizado no Brasil é o aquaviário. Segundo o Ministério dos Transportes (2013), é aquele realizado por meio de embarcações para deslocamentos de passageiros e mercadorias. Este modal utiliza como via o mar aberto. Segundo Ballou (2007), o serviço de transporte aquaviário apresenta como vantagens; grande capacidade para transportar cargas; menor custo e alta competitividade quando utilizado para grandes distâncias. Desvantagens; tem necessidade de transbordo nos portos e fica distante dos centros de distribuição e enfrenta frequentes congestionamentos nos portos. O quarto modal mais utilizado no Brasil é o modo dutoviário. Este tipo de transporte é eficiente na movimentação de produtos líquidos ou gasosos (geralmente petróleo e derivados, gases em grande volume e produtos suspensos em líquidos ou fluidos) em grandes distâncias; os dutos de gás natural não conseguem competir com outras formas de transporte, devido à limitação de produtos que abarcam (BOWERSOX, CLOSS & COOPER, 2007). Segundo Ballou (2007), suas principais vantagens são: as dutovias são subterrâneas ou submarinas, minimizando os riscos; desta forma, possuem um índice muito baixo contra percas e roubos. Desvantagens: em caso de acidente

20 20 pode gerar um alto impacto ao meio ambiente em caso de rompimento das tubulações. O quinto modal mais utilizado no Brasil é o transporte aéreo, considerado o mais novo modal e historicamente, segundo Novaes (2007), apresenta aumento em sua demanda como serviço regular, ainda que o valor de seu frete seja duas vezes maior que o transporte rodoviário e 16 vezes mais caro que as do transporte ferroviário. Segundo Ballou (2007), suas principais vantagens são: agilidade e rapidez no transporte, o que dispensa o uso de embalagens especiais, devido ao cuidado com o manuseio por parte das operadoras de transporte aéreo e ao fato de os aeroportos se localizarem próximo aos grandes centros de produção. Suas desvantagens são: valor elevado do frete, se comparado ao modal aquaviário, que tem alta capacidade para transportar cargas e menor custo de transporte. O sexto modal mais utilizado é o modal infoviário. Para Tapajós (2007), a infovia é um modal virtual, um sistema de entrega de produtos intangíveis, entregue ao cliente ou consumidor via Internet ou por transmissão eletrônica de dados. Na infovia, trafegam enormes quantidades de dados para facilitar e dar agilidade aos processos no transporte de informação. Segundo Tapajós (2007), o modal virtual é um fato inevitável e irreversível e suas principais vantagens são: redução de custos com estoques, custos de embalagens e transportes e convergência de diversas tecnologias. Desvantagens: está sujeito à ação de hackers. No Brasil, segundo Novaes (2007), fica difícil utilizar todos os modais, por múltiplos motivos: as ferrovias não formam uma rede com boa cobertura no território nacional; o transporte aquaviário também possui pouca amplitude; o transporte aéreo presta-se mais para transporte de passageiros, apesar de estar sendo procurado para transporte de carga internacional, com tendência ao crescimento, devido à globalização. Com toda a problemática acima esplanada e segundo o Ministerio dos Transportes (2013), o Brasil utiliza como modal mais expressivo em seu território o modal rodoviário, que será abordado de forma mais detalhada no proximo capitulo.

21 21 3 LOGÍSTICA DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO Neste capitulo serão abordados conceitos e principais características do transporte rodoviário, focando-se os principais gargalos logísticos e a eficiência logística nas empresas brasileiras, com o objetivo de compreender os termos relacionados aos processos do presente estudo de caso. 3.1 Transporte rodoviário Para o Ministério dos Transportes (2013), transporte rodoviário é o que utiliza vias de rodagem terrestres pavimentadas ou não e é utilizado para o transporte de pessoas e mercadorias. Neste tipo de transporte são utilizados na sua grande maioria veículos automotores como ônibus, caminhões, veículos de passeio, motocicletas etc. O transporte rodoviário apresenta um custo superior quando utilizado para grandes distâncias e na maioria dos casos o custo de frete chega a ser superior ao hidroviário e ferroviário. Este modal de transporte é indicado para o transporte de mercadorias que possuem alto valor agregado, produtos perecíveis, produtos acabados ou semiacabados. Ainda segundo o Ministério dos Transportes (2013), o transporte rodoviário é o principal meio de transporte realizado no Brasil. Suas principais vantagens são: adequado para curtas e médias distâncias, agilidade no acesso às cargas, flexibilidade operacional, permitindo acesso a pontos isolados; o desembarque no recinto alfandegado pode ser realizado pela própria empresa transportadora. Desvantagens: menor capacidade de carga entre todos os modais, menor competitividade a longas distâncias, frota antiga e sujeita a roubos; elevado grau de poluição ao meio ambiente. No entanto, devido às suas desvantagens em relação a outros modais, houve uma mudança com o passar dos anos de pensamento e ações que devem influenciar a sua participação na matriz modal. Historicamente, o transporte por rodovias se expandiu de forma expressiva, após o fim da segunda Guerra Mundial. Bowersox, Closs e Cooper (2007) assegura que isto foi consequência da velocidade e capacidade de operar sistemas porta a porta.

22 22 Conforme Ballou (2006, p. 155): As vantagens inerentes do transporte rodoviário são o serviço porta-a-porta, sem necessidade de carga ou descarga entre origem e destino, transbordo esse inevitável nos modais ferroviários e aéreos; a frequência de disponibilidade do serviço, e a velocidade e comodidade inerentes ao serviço porta-a-porta. Ainda conforme Ballou (2006) pode-se verificar que o modal de transporte rodoviário para entrega de porta a porta é o mais recomendado, tendo em vista que oferece a facilidade de entrega do produto ou serviço de maneira rápida e acessível, portanto, tem maior flexibilidade do que as outras modalidades anteriormente apresentadas. Porém, podem-se observar algumas desvantagens como menor competitividade em longas distâncias, frota antiga sujeita a roubos e alto nível de poluição ao meio ambiente. Bowersox, Closs e Cooper (2007) também apontam vantagens, tais como: flexibilidade, pois os transportes rodoviários são capazes de atuar em várias rodovias e sua capacidade beneficia os negócios relacionados à indústria e à distribuição. Chopra e Meindl (2003, p. 266) ressalva a seguinte comparação O transporte rodoviário é mais caro que o ferroviário, mas oferece vantagens do envio porta-a-porta, além de um tempo mais curto. Os referidos autores continuam ressaltando que o transporte rodoviário apresenta custos fixos baixos e para começar um negocio não requer um investimento elevado. Nesse sentido, Ballou (2006) assegura que em contraste com a ferrovia, o modal rodoviário é o transporte de produtos semiacabados ou acabados com linha de alcance médio de 717 milhas para carga fracionada e têm sempre o menor porte que as ferrovias. O referido autor afirma ainda que o modal de transporte rodoviário apresenta outra diferença do ferroviário. Nesta modalidade os caminhões são capazes de transportar menor variedade de cargas, em decorrência das restrições de segurança rodoviária, que limitam tamanhos e pesos de carregamento, portanto, podem transportar todo tipo de carga e em qualquer quantidade. A maioria das cargas não pode ter comprimento igual ao do caminhão padrão, que fica entre 40 e 45 pés (12,20 e 16,15 metros). O modo de transporte rodoviário oferece ainda como benefício a celeridade de suas entregas, que são razoavelmente mais ágeis e confiáveis de

23 23 cargas fracionadas. O carreteiro rodoviário precisa preencher apenas um veiculo antes de despachar a carga, enquanto a ferrovia deve lotar um trem de 50 ou mais vagões (BALLOU, 2006). 3.2 Eficiência logística dos transportes rodoviários Segundo Fleury (2009), a logística no Brasil está por fazer uma revolução, em termos de práticas empresariais de eficiência, qualidade e infraestrutura de transporte rodoviário e comunicação, que são elementos imprescindíveis para a logística atual. Diante desses cenários, as empresas brasileiras estão expostas a riscos advindos dessas mudanças, que precisam ser implementadas devido à ausência de experiência, porém, existem oportunidades que são as melhorias dos serviços e a produção e o aumento de produtividade, criando uma vantagem competitiva junto a seus concorrentes. Para Martel (2010), existem três variáveis de fundamental importância para se atingir a eficiência logística: 1ª, a natureza dos produtos vendidos; 2ª; a amplitude dos custos e tempo de resposta associados às atividades primárias e a 3ª, economia alcançada por meio do transporte, levando em consideração o tamanho do território que deverá ser atendido. Para que o sistema logístico de transporte de uma empresa seja considerado eficiente, as atividades logísticas devem criar a necessidade e gerar valor, melhorando o seu desempenho e minimizando o uso dos custos. Dessa maneira, é preciso que os gestores das organizações sejam conscientes de que a eficiência logística impacta diretamente nos resultados financeiros, já que o resultado financeiro é fruto de ações adotadas nos processos empresariais. Novaes (2007) ressalta que a eficiência logística é medida comparando-se as produtividades da empresa de maneira individualmente com a máxima produtividade observada. Segundo Ballou (2007), a logística de transporte rodoviário pode ser considerada eficiente, quando consegue assegurar que o serviço de transporte seja realizado de modo eficiente e eficaz, atendendo às necessidades dos clientes e gerando satisfação pelo nível de serviço. Para o autor, estas considerações sobre eficiência no transporte podem ser visualizadas em qualquer tipo de transporte.

24 Gargalos logísticos de transporte rodoviário Para Pereira (2006), no Brasil o modal rodoviário enfrenta múltiplos problemas estruturais e se pode destacar: o grande número de empresas de transporte que oferecem o serviço provocando uma alta competitividade no setor, acarretando na perda do poder de barganha junto aos clientes; a comoditização do transporte; insegurança nas estradas; roubo de carga; péssimas condições da malha viária; frota antiga; carga tributária elevada; pouca carga de retorno e tempo elevado para carga e descarga, todos estes fatores com impacto direto no custo final do transporte rodoviário. Ainda segundo Pereira (2006), o sistema logístico brasileiro no transporte rodoviário encontra-se numa encruzilhada: por um lado, verifica-se um forte empenho de modernização por parte do setor produtivo, com o intuito de reduzir custos e melhorar o nível de serviço para seus clientes. Por outro, existe um conjunto de dificuldades conjunturais, que alteram nossa matriz de transporte e cooperam para o comprometimento não só da qualidade da infraestrutura e dos serviços, mas, também, e especialmente, do desenvolvimento econômico e social do país. (PEREIRA, 2006). Para Christopher (2007), gargalos logísticos de transporte rodoviário são a parte mais lenta da atividade logística numa cadeia e ainda que ele possa, na maioria das vezes, ser uma máquina, pode ser também uma parte do fluxo de informações, como o processamento de um pedido. Ainda segundo Christopher (2007), seja qual for o tipo de estratégia adotada para distribuir, é possível observar que todas as atividades da cadeia logística podem ser categorizadas como gargalos ou não gargalos. De acordo com Bueno (2007), o termo gargalo ou bottleneck tem sido empregado na área de logística para indicar uma instalação, função, departamento ou recurso que impede a produção, devido sua capacidade ser inferior ou igual à demanda. Em decorrência de um gargalo incidem grandes filas na frente do centro de trabalho, travando a fluidez da cadeia logística do produto, o que dificulta o processo produtivo. Segundo Vivaldine e Souza (2006), as áreas em que as atividades logísticas estavam tornando-se grandes demais, complexas, caras e com muitos

25 25 gargalos, passaram a merecer atenção especial, além da necessidade de investimentos operacionais e tecnológicos. Conforme Munoz e Palmeira (2006), os gargalos logísticos do transporte rodoviário encontram-se em nossas estradas e caminhões, na baixa representatividade do transporte ferroviário e hidroviário, na falta de infraestrutura dos pátios dos portos, na falta de investimento para se criar rotas fluviais e de cabotagem, o que praticamente inexiste em nossos rios e lagos. Estes são problemas que, adicionados a vários outros fatores, acabam por gerar mais custos ao transporte. Segundo Pereira (2006), enquanto os Estados Unidos escoa 60% da safra por suas hidrovias a um valor de US$ 9 dólares a tonelada, grande parte da safra brasileira escoa via rodoviária a um custo médio de US$ 70 dólares a tonelada, o que resulta em um custo de transportes oito vezes maior. De acordo com Paduan (2005), as empresas brasileiras perdem dez bilhões por ano por causa dos gargalos logísticos do país. Esta perda significa menos produtividade e consequentemente menos atividades econômicas. Segundo Chernij (2005), os custos logísticos no Brasil ficam em torno de 17% do PIB. O transporte, apesar de ser apresentado por último, é, provavelmente, o componente que apresenta os maiores gargalos logísticos para o escoamento da produção e de maior importância para o custo logístico na maior parte das empresas, chegando a absorver dois terços do gasto logístico (BALLOU, 2007). De acordo com Pereira (2006), as oportunidades de melhoria de desempenho da infraestrutura logística brasileira são enormes, principalmente se comparadas às melhores práticas nacionais. Os ganhos econômicos e sociais podem ser grandiosos, mas para que seja possível alcança-los, torna-se imprescindível um processo de conscientização, vontade politica e uma boa estrutura de planejamento. Ainda segundo Pereira (2006), investir em infraestrutura rodoviária sugere comprometimento de longos prazos; o investimento em infraestrutura logística abre oportunidades para deslanchar o desenvolvimento regional, abafado pela incapacidade de deslocar sua produção e suas riquezas do ponto da produção para o ponto de consumo.

26 26 O referido autor ressalta que para resolver os graves problemas estruturais do transporte rodoviário de cargas no Brasil, um conjunto de mudanças nas politicas públicas precisa ser implantado.

27 4 ESTUDO DE CASO O presente capítulo apresenta a empresa analisada neste trabalho, bem como sua localização, área de atuação e um breve histórico sobre a organização. Aborda, ainda, a visão a missão e os valores da empresa de agronegócio e café. 4.1 Área geográfica e histórica do município de Eusébio (CE) Conforme o site oficial do município de Eusébio (CE) (2013), este tem seu nome oriundo do topônimo: homenagem ao abolicionista Eusébio de Queiroz Matoso Câmara. Possui uma população: mil habitantes, área de 79 Km², com os seguintes limites: ao norte, Fortaleza; leste e sul Aquiraz e oeste Fortaleza e Itaitinga. Ainda segundo o site oficial do município (2013), as suas terras são localizadas entre Aquiraz e Messejana ou entre os rios Pacoti e Coaçu. Eram habitadas pelos índios potyguara e outras tribos pertencentes ao tronco tupi, como os jenipapo-kanyndé, junto a religiosos e militares portugueses que vieram habitar a região visando catequizar os nativos e impedí-los de comercializar com outros povos europeus. Conforme dados do IBGE (2009), Eusébio-CE é a cidade de maior produto interno bruto (PIB) per capita do Ceará. Segundo dados do IBGE, o PIB per capita da cidade é de R$ ,98. Em 2008, o mesmo indicador, no Eusébio, era de R$ ,78, um crescimento de 12% em um ano. A economia local é baseada principalmente no turismo, setor imobiliário, prestação de serviços e indústrias. 4.2 Caso: empresa de agronegócio A pesquisa de campo foi realizada em uma empresa de agronegócio localizada no município de Eusébio, situada na Região Metropolitana de Fortaleza e distante 28,6 quilômetros da capital. A organização em estudo é uma empresa vendedora e distribuidora de café, que optou por não divulgar seus dados e manterse no anonimato.

28 28 Conforme informações disponibilizadas no próprio site da organização, a empresa iniciou suas atividades na década de 1950, quando seu fundador, com espirito empreendedor, começou com a venda de café no estado do Rio Grande do Norte, na década seguinte de Além de vender café passou a torrar e moer grãos do produto e lançou seu primeiro produto. A partir da década de 1970 passou a comprar a matéria-prima em grãos de café verde das regiões cafeeiras do país, dos estados de Minas Gerais, São Paulo e Paraná e fundou a ABIC (Associação Brasileira da indústria de Café). Depois de vários anos no comando da empresa, seu proprietário, na década de 1980, entregou o comando da operação da empresa para seus filhos. A partir deste momento começa o processo de modernização tecnológica e a ampliação de mercado. Nessa nova etapa da empresa, onde passava por um processo de modernização tecnológica, foram feitas alterações na embalagem do produto: houve uma nova roupagem nas embalagens e o nome da marca inicial foi alterado. Após a mudança no nome, foram inauguradas novas filiais, de venda e distribuição em Mossoró-RN, consolidando a penetração da marca na região. No final da década de 1980, foi inaugurada a fábrica na cidade de Eusébio, Região Metropolitana de Fortaleza, com a denominação de Indústria e Comércio de Alimentos Ltda. Com a participação acionária dos três irmãos, nesse momento começou a expansão da marca pelo Norte e Nordeste. Já no início da década de 1990 a empresa inaugurou os armazéns gerais em Manhuaçu-MG e, seguindo o processo de expansão da empresa, foi inaugurada a planta industrial do moinho em Mossoró-RN, para desenvolver produtos ligados à culinária nordestina, quando nasceu um novo produto. Foi então formalizada a prática de governança cooperativa, consolidando a identidade organizacional e estratégica do grupo. Nessa mesma década foram criados novos produtos, mais um passo para alcançar a liderança no setor de agronegócio; no final da década de 1990 o grupo criou a plataforma de logística do grupo, mas ainda faltava a certificação de qualidade. Desta forma, a empresa foi certificada como a primeira unidade industrial com o sistema de gestão de qualidade ISO 9000, organização Internacional para padronização (certificadora BRTUV).

29 29 No ano 2000 foi implementado o Sistema Integrado de Informações da SAP, através do qual a marca torna-se a Nº 1 no segmento de agronegócio no Norte e Nordeste do Brasil. A empresa expandiu seus negócios para o Sudeste, com a incorporação de uma nova marca com forte atuação de mercado. Nesta mesma década, o grupo automatizou todas as unidades industriais do grupo, até a sua fusão com uma empresa israelense. Com a fusão, o grupo incorpora ao seu portfólio de produtos uma nova marca. Continuando com o processo de modernização, a empresa inaugurou em Minas Gerais os mais modernos armazéns gerais e aumentou seu portfólio de produtos com a aquisição de marcas com forte atuação no norte de Minas. E, no final dos anos 2000, a empresa inaugurou a nova fábrica de refrescos em Mossoró (RN). Na década seguinte foi incorporado aos seus produtos uma de café, a Fino Grão, uma das maiores marcas de café de Minas Gerais Segmento e atuação de mercado Trata-se de uma empresa do segmento de agronegócio atuando no mercado brasileiro com uma equipe de vendas própria. Também possui atuação nacional, produzindo e distribuindo marcas fortes e consagradas de produtos alimentícios líderes de mercado em suas categorias. De acordo com o sitio da empresa, pela Associação Brasileira da Indústria do Café (ABIC) (2013), a empresa é considerada líder de mercado em seu segmento Portfólio de produtos A empresa tem em seu portfólio marcas diferenciadas no segmento de agronegócio, tanto com café tradicional e de grãos finos, achocolatados e refrescos Clientes Atualmente, a sua carteira de clientes é voltada para grandes magazines,

30 30 distribuidores, cafeterias e atacadistas especializados no mercado de food service, produtos da mais alta qualidade e o melhor serviço em soluções na medida certa para cada cliente, aplicados e orientados por profissionais que se dedicam a fortalecer o perfil de seus clientes. Para realizar a distribuição de seus produtos, a empresa conta com uma frota própria de 400 caminhões que atende a toda a região Nordeste e parte do Norte e nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Espirito Santo, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul. Utiliza-se de 100% de terceirização de veículos para a distribuição dos produtos. A empresa atua em todo o país, mas em alguns estados não é realizada a distribuição pela própria empresa e sim por meio de parcerias com grandes distribuidoras de determinadas regiões que comercializam as marcas do grupo.

31 5 ASPECTOS METODOLÓGICOS DA PESQUISA O presente capítulo apresenta os métodos e as técnicas utilizadas neste trabalho. Deste modo, seguem as informações teóricas sobre o tipo de pesquisa, a classificação quanto ao propósito e abordagem, as fontes e instrumentos de coleta de dados, bem como o método para análise dos resultados. De acordo com Lakatos e Marconi (2007), os trabalhos para serem científicos devem proporcionar para outro pesquisador a reprodução de experiências, de maneira que se tornem capazes de alcançar os resultados descritos, repetir as ressalvas e avaliar as conclusões do autor. 5.1 Natureza da pesquisa A natureza da pesquisa é caracterizada por uma ela ser quantitativa. Almeida (2011) afirma que este tipo de pesquisa utiliza-se do emprego de técnicas estatísticas no colhimento de informações e tratamento de dados. Segundo Silva e Menezes (2001, p. 20), a pesquisa quantitativa considera tudo pode ser quantificável, o que significa traduzir em números, opiniões e informações para classificá-las e organizá-las. Através da pesquisa de natureza quantitativa, os dados obtidos foram analisados, descritos e interpretados, permitindo assim a análise dos seus efeitos no ambiente estudado. Desta maneira, foi realizada uma pesquisa de natureza quantitativa e por meio dela foi criado um instrumento com o objetivo de coletar os dados necessários para chegar ao objetivo da investigação. Com a finalidade de atender a pergunta de partida do presente estudo, Vergara (2009) afirma que toda discussão cientifica deve ter como base um problema no qual se deve apresentar uma solução provisória a que se deve criticar, para que o erro seja eliminado. 5.2 Tipologia da pesquisa Segundo Vergara (2009), a pesquisa pode ser caracterizada em dois

32 32 aspectos: quanto aos fins e quanto aos meios. A presente pesquisa foi de tipologia exploratório-descritiva, quanto aos fins, pois se encaixa entre as pesquisas que expõem particularidades de uma determinada população ou de um fenômeno, sem a obrigação de explicar os fenômenos que delineia, ainda que sirva de base para explicação. Quanto aos meios de investigação, pode se caracterizar como uma pesquisa bibliográfica e o método utilizado foi o estudo de caso. Com o intuito de se chegar ao objetivo proposto, inicialmente foi realizada uma pesquisa bibliográfica através do material disponível na literatura. Conforme Bastos (2007), a pesquisa bibliográfica beneficia o acesso às informações já processadas por outros pesquisadores e também permite a comparação entre o conhecimento do pesquisador e as novas informações adquiridas. Conforme Lakatos e Marconi (2007), a pesquisa bibliográfica tem como objetivo colocar o pesquisador em contato direto com tudo o que foi escrito, dito ou filmado. Desta maneira ele vai vivenciar todo o conteúdo teórico na prática sobre o assunto pesquisado. Em seguida à pesquisa bibliográfica, realizou-se a pesquisa de campo. Segundo ainda Lakatos e Marconi (2007), a pesquisa de campo é aquela que procura obter informações e/ou conhecimentos referentes a um determinado problema no qual se procura obter uma resposta, ou de uma hipótese na qual busca a sua comprovação, bem descobrir novos fenômenos e suas correlações. Para Gil (2007), o estudo de caso pode envolver o levantamento bibliográfico, entrevistas com pessoas que tiveram experiências práticas com o problema e a análise de exemplos, para se chegar ao objetivo proposto. Quanto ao propósito da escolha por um estudo exploratório-descritivo, foi que este estudo teve por objetivo delinear totalmente um determinado fenômeno, como, por exemplo, o estudo de um caso no qual são realizadas avaliações empíricas e teóricas (LAKATOS & MARCONI, 2007). 5.3 Universo, população e amostra O universo refere-se ao objeto de estudo como um todo, em que a amostra faz parte de um todo. Para Vergara (2009), trata-se de definir toda a

33 33 população e a população amostral. Nesta pesquisa, o seu universo compreende os funcionários de uma empresa de agronegócio, situada no município de Eusébio. De acordo com Almeida (2011, p. 20), população da pesquisa, ou seja, aqueles a quem se refere o assunto. Para Almeida (2011), o tipo de amostra probabilística, em que se seguem as leis de probabilidade e as não probabilísticas, nas quais se procura com todo o rigor conseguir dados que reflitam a realidade estudada. Adota-se neste trabalho a amostragem não probabilística, utilizando-se o critério de amostragem intencional, em que foi possível por meio deste tipo de amostra facilitar para o pesquisador a escolha dos elementos da sua população, com o fim de ser capacitado a responder de uma forma mais adequada possível sua investigação. A presente pesquisa foi aplicada em uma amostra de dez colaboradores, funcionários capacitados para responder o instrumento de pesquisa que atuam diretamente no foco da pesquisa, de modo a manter o grau de imparcialidade necessário para realizar a análise dos resultados, distribuídos entre coordenadores, gerentes e supervisores e analistas, especificamente no setor de logística. Este setor é composto por trinta colaboradores, representando uma amostra de 33,33% do total de colaboradores do setor analisado. 5.4 Procedimentos e instrumentos de coleta de dados A coleta de dados foi realizada em duas etapas. Na primeira etapa, os dados secundários foram colhidos por meio de pesquisa bibliográfica. Na segunda etapa, foi utilizado questionário como obtenção dos dados primários, para qual o contato realizado foi com um gestor responsável pela logística da empresa. Foi aguardado o retorno da pesquisa e não houve nenhum tipo de contato com os respondentes da pesquisa e por meio de uma entrevista com e gerente de logística de transporte da empresa, e o outro por meio de uma conversa informal com o supervisor de transporte rodoviário. Para Cervo e Bervian (2002, p. 48), o questionário refere-se a um meio para obter respostas a questões por uma forma que o próprio informante preenche. Foi elaborado um único modelo de questionário, para ser aplicado aos colaboradores. Por meio da aplicação do questionário, foi possível se chegar ao

34 34 objetivo geral da pesquisa. O questionário foi composto por dez questões fechadas, aplicado no dia 9 março de 2014, em dez funcionários do setor de logística da empresa analisada, cujo setor é composto por 30 colaboradores, representando uma amostra de 33,33% do total de colaboradores do setor analisado. O instrumento de pesquisa foi aplicado pelo pesquisador no período da manhã na empresa de agronegócio e café, sem a realização do pré-teste e através de uma conversa informal com os colaboradores que ocupam a função de gerente de logística e supervisor de frota. Após responderem o questionário, foram fornecidas outras informações relativas à história da empresa e outras informações necessárias à pesquisa, pois a organização optou por não realizar gravações e manter-se no anonimato. Para analisar os dados coletados, foram elaborados tabelas e gráficos que serão apresentados no próximo capítulo.

35 6 ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS Neste capítulo são apresentados e interpretados os dados coletados na pesquisa aplicada na empresa de agronegócio e café. Os dados são expostos através de percentuais e gráficos, com a finalidade de responder à problemática proposta e atingir o objetivo geral e os objetivos específicos. 6.1 Perfil dos respondentes Os dados apresentados a seguir, são resultados da pesquisa primária, aplicada através de questionário, compostos exclusivamente por questões fechadas. Quanto à caracterização dos respondentes, 20% são supervisores e 80% ocupam outra função; 70% possuem curso superior completo, 10% são especialistas e 20% possuem ou estão cursando (superior); 70% são homens e apenas 30% mulheres; 30% trabalham na empresa no período de 00 a 5 anos, 60% de 5 a 8 anos e somente 10% de 8 a 10 anos. Dessa maneira, todos os respondentes são pessoas capacitadas e conhecedoras dos processos existentes na organização, todas aptas a responderem o instrumento de pesquisa apresentado. 6.2 Análise dos resultados O respondente da entrevista afirma que, para a transferência da mercadoria dos CDs, Centros de Distribuição para a fábrica utiliza-se 100% de transporte rodoviário terceirizado. Entre os respondentes do questionário, 60% respondeu que a frota é própria, porém, 40% respondeu que a empresa utiliza frota terceirizada na distribuição de seus produtos da fábrica até o cliente final. A empresa conta com uma frota de quatrocentos caminhões para a distribuição de seus produtos, utiliza roteirização para otimizar o tempo e maximizar o número de entregas feitas pela empresa; a distribuição dos produtos conta com frota própria e com empresas que prestam serviço de distribuição. Baseados nas informações apresentadas pelos respondentes, os gráfico 1 e 2 apresentam as seguintes informações:

36 36 Gráfico 1 Frota terceirizada 100% Frota própria 0% 0% 100% Frota utilizada para transferência dos CDs para a fabrica Fonte: dados da pesquisa (2013). O gráfico acima demonstra que a frota de utilizada para a transferência dos produtos dos CDs para a fabrica é 100% terceirizada. Gráfico 2 Frota terceirizada 60% Frota própria 40% 60% 40% Frota utilizada para distribuição da fabrica ate o cliente final Fonte: dados da pesquisa (2013). O gráfico acima demonstra que a empresa para realizar a distribuição da fabrica ate o cliente final a empresa utiliza 40% de frota própria e 60% de frota terceirizada.

37 37 Gráfico 3 4% 1% Rodoviário Ferroviário 95% Aquiaviário, Dutoviário,Aeroviário Modais de transporte utilizado pela empresa Fonte: dados da pesquisa (2013). Conforme informado pelos respondentes do questionário e o colaborador entrevistado, a empresa utiliza 95% do modal rodoviário, 4% do modal aquaviário e 1% ficam entre o modal aeroviário e ferroviário. Segundo o entrevistado, a dependência do modal rodoviário se dá devido à deficiência na infraestrutura de transporte no Brasil, pois na realidade não se trata de uma escolha e sim de uma imposição, devido à situação em que a infraestrutura brasileira de transporte se encontra, pois o Brasil não disponibiliza uma estrutura que atenda a sua demanda, pois o modal ferroviário e a cabotagem são insuficientes para que se possa suprir a necessidade de transporte no Ceará e no Brasil. Foram apresentadas ainda, aos respondentes, questões relacionadas ao processo atual da empresa e a sua visão sobre a eficiência da logística de transporte e os resultados podem ser visualizados nos gráficos seguintes.

38 38 Gráfico 4 10% 90% Sim Não Logística como diferencial competitivo Fonte: dados da pesquisa (2013). O gráfico acima demonstra que para 90% dos respondentes, a empresa em estudo tem o processo logístico como um diferencial competitivo e ferramenta indispensável para o sucesso de seu planejamento estratégico e apenas 10% afirmam que não. Gráfico 5. 40% 60% Sim Não A empresa trabalha a logística de maneira eficaz e eficiente Fonte: dados da pesquisa (2013).

39 39 O gráfico acima demonstra que 60% dos respondentes da pesquisa, afirma que a empresa trabalha a logística de transporte rodoviário de maneira eficaz e eficiente e 40% informa que existem falhas no processo. Gráfico 6. 30% 70% Sim Não A empresa recebe feedback dos clientes relacionado ao nível de satisfação Fonte: dados da pesquisa (2013). O gráfico acima demonstra que para 70% dos respondentes, a empresa recebe feedback de seus clientes, buscando medir o nível de satisfação deles e para 30% dos respondentes a empresa não recebe feedback dos seus clientes. Gráfico 7 10% 90% Sim Não Nível de satisfação de clientes em relação a prazo de entrega e condições de recebimento Fonte: dados da pesquisa (2013).

40 40 O gráfico acima apresentado demonstra o nível de satisfação dos clientes da empresa, em relação a prazos de entrega e condições de recebimento da mercadoria. Do total, 90% afirmaram que a empresa está atendendo de maneira adequada, possibilitando uma otimização de tempo e redução de custo na realização do processo logístico e apenas 10% afirmaram que não. Gráfico 8 20% 80% Sim Não Estrutura e ferramentas adequadas para obter resultados positivos na logística de transporte Fonte: dados da pesquisa (2013). O gráfico acima demonstra que para 80% dos respondentes a empresa oferece para seus colaboradores estrutura e ferramentas adequadas para se obter resultados positivos na gestão estratégica da logística de transporte rodoviário da empresa e apenas 20% afirmou que estas condições não são oferecidas. Os respondentes na sua maioria concordam que a gestão logística da empresa está atendendo à demanda, bem como os respondentes também concordam que a empresa oferece condições que atendem às necessidades de seus colaboradores que os levam a gerar resultados positivos para a organização junto a seus clientes em tempo hábil e de maneira eficiente. Conforme informando pelos respondentes, a empresa utiliza como principais indicadores para medir a eficiência da logística de transporte planejamento e tempo, conforme gráfico 9.

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 6 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Modais de Transporte Característica Comparações Utilização Instrumentalização Multimodalidade e intermodalidade

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014 Logística, Supply Chain e Infraestrutura Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura Paulo Tarso Vilela de Resende Paulo Renato de Sousa Bolsistas Fapemig Gustavo

Leia mais

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp.

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp. Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Papel dos Transportes Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

Professora Danielle Valente Duarte

Professora Danielle Valente Duarte Professora Danielle Valente Duarte TRANSPORTE significa o movimento do produto de um local a outro, partindo do início da cadeia de suprimentos chegando até o cliente Chopra e Meindl, 2006 O Transporte

Leia mais

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira CARLOS JR. GERENTE DE PLANEJAMENTO INTEGRADO Jun/2013 Jorge Carlos Dória Jr. Votorantim Siderurgia Votorantim Siderurgia O Grupo Votorantim

Leia mais

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Iniciaremos aqui mais um desenvolvimento de segmento da Indústria de Petróleo e Gás, DOWNSTREAM TRANSPORTE, no que se refere

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Isabel Marcia Rodrigues (UTFPR) imarcia.r@hotmail.com João Carlos Colmenero (UTFPR) colmenero@utfpr.edu.br Luiz Alberto

Leia mais

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 www.brazilpanels.com.br www.abcomm.com.br www.ecommerceschool.com.br Apoio: INTRODUÇÃO A Logística foi escolhida para ser o tema do primeiro estudo

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM OLHAR SOBRE AS EMPRESAS DE PALMEIRA DAS MISSÕES

Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM OLHAR SOBRE AS EMPRESAS DE PALMEIRA DAS MISSÕES Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM OLHAR SOBRE AS EMPRESAS DE PALMEIRA DAS MISSÕES RESUMO LOGISTICS BUSINESS: A LOOK AT THE BUSINESS OF PALMEIRA OF MISSÕES

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

Fundamentos do Transporte

Fundamentos do Transporte Prof.: Deibson Agnel Livro: Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial Autor: Ronald Ballou Cap. 06 1 A importância de um sistema de transporte eficaz A movimentação de cargas absorve

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Transporte Rodoviário de Cargas. Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas

Transporte Rodoviário de Cargas. Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas Transporte Rodoviário de Cargas Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas Panorama do Segmento de Transporte Rodoviário de Carga Brasileiro Panorama TRC Infraestrutura

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO Wallace Passos Malheiros wallace.malheiros@gmail.com André Lima Duarte sesplife@yahoo.com.br

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL (Estudo de Caso: Rede Eletrosom Ltda em Pires do Rio - GO) MÁRCIO FERNANDES 1, DÉBORA DE AMORIM VIEIRA 2, JOSIANE SILVÉRIA CALAÇA MATOS

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich Gestão em Logística Fundação de Estudos Sociais do Paraná Luiz Alexandre Friedrich Nosso contrato... Fornecedor : Luizão Cliente : Alunos de Adm. da FESP - Fornecer subsídios de teoria e prática de Gestão

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS c Custos Logísticos no Brasil - 2014 - Apresentação O tema custos é uma preocupação recorrente dos executivos de logística no Brasil. Por isso, de dois em dois anos, o ILOS vai

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

Modais de Transporte. Aula 1. Contextualização. Objetivos da Logística. Introdução. Custos Logísticos. Prof. Luciano José Pires.

Modais de Transporte. Aula 1. Contextualização. Objetivos da Logística. Introdução. Custos Logísticos. Prof. Luciano José Pires. Modais de Transporte Aula 1 Contextualização Prof. Luciano José Pires Introdução Objetivos da Logística A tarefa transporte é vital em uma cadeia logística, pois nenhuma empresa pode funcionar sem movimentar

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho OBJETIVO: Ao final do Curso, o aluno será capaz de: Conhecer

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Renata de Oliveira Carvalho. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Negócios da Universidade

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

REDES DE DISTRIBUIÇÃO

REDES DE DISTRIBUIÇÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO De uma maneira geral, as redes de distribuição são constituídas por: 1. Um conjunto de instalações que fazem a recepção, armazenagem e expedição de materiais; 2. Um conjunto de rotas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL ANÁLISE DE ASPECTOS LOGÍSTICOS DE UMA REVENDEDORA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS INSERIDA EM UMA CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GLEICIANE MOURA DE LIMA

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GLEICIANE MOURA DE LIMA CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GLEICIANE MOURA DE LIMA A TERCEIRIZAÇÃO DA LOGÍSTICA DE TRANSPORTE COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES: ESTUDO

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL 04/05/2011 Senado Federal - Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo O BRASIL EM NÚMEROS BASE PARA O CRESCIMENTO Os investimentos nas áreas

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas.

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Logística para aprender Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Divulgação Maria Gabriela Frata Rodrigues Liboni Analista de Importação. Especialista em

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI SUMÁRIO Apresentação... IX Prefácio... XI 1. INTRODUÇÃO À GESTÃO DE FROTAS... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Considerações sobre a Estrutura do Transporte Rodoviário no Brasil... 2 1.3. A Estrutura Organizacional

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Scania Serviços. Serviços Scania.

Scania Serviços. Serviços Scania. Serviços Scania Scania Serviços. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar Tudo bem do o que seu o Scania, você precisa em um para só lugar. cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS

Leia mais

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com Estoque é capital investido, com liquidez duvidosa e altos custos de manutenção. Por isso, quanto menor for o investimento em estoque, melhor. Para as empresas, o ideal seria efetuar as aquisições de estoques

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Logística de Coleta de Resíduos Provenientes de Varrição do Serviço de Limpeza Urbana da Região Central do Município de Belo Horizonte - MG

Logística de Coleta de Resíduos Provenientes de Varrição do Serviço de Limpeza Urbana da Região Central do Município de Belo Horizonte - MG Logística de Coleta de Resíduos Provenientes de Varrição do Serviço de Limpeza Urbana da Região Central do Município de Belo Horizonte - MG Carlos Cirilo Marcelino ( FEAMIG ) carlosmarcelino1976@yahoo.com.br

Leia mais

2. LOGÍSTICA EMPRESARIAL

2. LOGÍSTICA EMPRESARIAL 4 1. INTRODUÇÃO A logística empresarial é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos.

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect)

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect) Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Logística empresarial e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Conceitos avançados da Logística com foco na TI Disciplina: Tecnologia da Informação (TI) Aplicada à

Leia mais