Rastreamento e Telemetria de Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rastreamento e Telemetria de Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas."

Transcrição

1 Rastreamento e Telemetria e Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas. Douglas Soares os Santos, Wagner Chiepa Cunha e Cairo L. Nascimento Jr. Instituto Tecnológico e Aeronáutica - Praça Marechal Euaro Gomes, São Jose os Campos - SP - Brazil Resumo Este trabalho apresenta uma solução para o controle geográfico e um veículo ou embarcação sobre uma trajetória planejaa. Os sistemas bási que constituem a solução, para o rastreamento e a telemetria, integram um sistema e posicionamento global (GPS), um computaor o tipo embarcao e um sistema e comunicação para transmissão e recepção e aos. No computaor e boro está esenhaa a solução computacional que verifica o ponto geográfico o objeto e calcula usano o plano e coorenaas esféricas se ele está entro a região elimitaa e pré-configuraa na missão enominaa e cerca eletrônica. O computaor e boro, caso ocorra a saía a cerca eletrônica, poerá interferir com aviso local, ativação e algum sub-sistema veicular e o envio os aos e posição irregular via transceptor. Palavras-Chave rastreamento, posicionamento global, cerca eletrônica. I. INTRODUÇÃO São muitas as soluções especializaas em segurança que oferecem um sistema e rastreamento veicular. Esta faciliae está baseaa na recepção e tratamento os sinais provenientes a constelação e satélites para o posicionamento global, e na transmissão os sinais processaos conteno informações pertinentes ao posicionamento o veículo. A telemática oferecia para o rastreamento está baseaa em um receptor e GPS, em uma eletrônica embarcaa e um sistema e transcepção e aos [1]. Contuo, estas são soluções comerciais e aplicação especifica e que não permitem ao usuário intervir, moificar ou implementar uma faciliae particular. Este trabalho apresenta uma solução completa e rastreamento e telemetria com maior atenção na verificação se o objeto, referencianose ao veículo ou embarcação, está entro ou fora e uma trajetória. A trajetória será escrita como seno uma seqüência e pontos geográfi, previamente informaa, que associaos a uma istancia máxima e afastamento perpenicular, à linha que une estes pontos, escrevem um polígono que chamaremos e cerca eletrônica. O ponto importante este trabalho está na autonomia o objeto em eciir sobre a ação que everá ser tomaa na ocorrência e uma navegação para fora a cerca eletrônica. Esta ação poerá ser ese uma interferência local nos subsistemas o objeto ou até uma telemetria para uma estação e controle remoto. A solução a cerca eletrônica foi realizaa usano a geometria esférica, com o objetivo e cobrir istâncias maiores que 200 milhas náuticas, e consierano a superfície a terra perfeitamente esférica [1]-[2]. Para atener a solução proposta neste trabalho será apresentaa na seção 2 a arquitetura o sistema, ou seja, o harware necessário para suportar os requisitos e o software e controle. Na seção 3 apresentaremos o GPS e, com ênfase, a geometria implementaa na solução proposta para a cerca eletrônica. A seção 4 trata sobre a solução computacional apresentano três aplicativos, um para colecionar a seqüência e pontos geográfi a trajetória, um para o sistema e controle local (SCL) e outro para o sistema controle remoto (SCR). Com a implementação o projeto apresentaremos na seção 5 o resultao e um teste e algumas observações. Finalizano na seção 6 com a conclusão este trabalho. II. ARQUITETURA DO SISTEMA Para suportar os requisitos e o software e controle, a arquitetura o harware é composta por um móulo e recepção e sinais GPS, um computaor e boro e um transceptor o tipo raiomoem. O receptor GPS mostrao na Figura 1 é o tipo comum, e baixo custo, alimentao eletricamente com 5Volts e com uma interface serial, no parão elétrico RS232 com taxa e transferência e aos e 9,6 kbps. Fig. 1. Moulo GPS O computaor e boro, mostrao na Figura 2, é o tipo PC e possui alimentação simples que poerá variar entre 12 e 25 Volts. O computaor além e suportar um sistema operacional compatível com os aplicativos, possui também as interfaces necessárias para os ispositivos GPS e raiomoem. Douglas S. Santos, Wagner Chiepa C., Cairo L. Nascimento Jr., +, Tel , Fax

2 Fig. 2. Computaor e Boro A Figura 3 mostra o ispositivo raiomoem com uma interface serial no parão elétrico RS232 com taxa e transferência e aos até 57 kbps. Para a transmissão e recepção e aos, este móulo opera na freqüência em torno e 900MHz e é alimentao eletricamente com 12 Volts. Fig. 3. Raiomoem A Figura 4 apresenta o iagrama e blo para too o sistema incluío a estação remota (SCR). Estação Remota SCR Com 1 Raio Moem Interface p/ os subsistemas veículares I/O Raio Moem SCL Com 2 Computaor e Boro Fig. 4. Diagrama e blo o sistema III. SOLUÇÃO DO POSICIONAMENTO Receptor GPS Com 1 acelerômetros e girômetros e também pelo fato a portabiliae e moulariae necessária neste trabalho, utilizaremos o moulo receptor GPS. O GPS é constituío por uma constelação e satélites e foi esenvolvio para resolver a necessiae e navegação para usuários militares e civis [3]. Possui uma cobertura global e está isponível por too o tempo. Para que o usuário possa capturar os sinais é necessário um móulo receptor, que com base nos sinais fornecios possa calcular e oferecer os vetores e posição e velociae em um sistema e coorenaas conhecias [1]. O moulo GPS isponibiliza as informações através o canal serial. Estas informações são constituías por sentenças e formataas e acoro com um parão enominao National Marine Electronics Association (NMEA 0180) [4]. A origem este parão vem a necessiae e se esenvolver uma linguagem comum para os equipamentos náuti militares. O parão NMEA 0183, recompilao o NMEA 0180, é um protocolo e comunicação e aos formao por pacotes enominaos sentenças. A seguir apresentamos um exemplo e sentença: $GPGLL, ,N, ,W Nesta sentença o caractere $ marca o início o pacote e aos. Logo a seguir aparece o cóigo GP, que ientifica como seno uma mensagem vina a constelação e satélites o GPS. As próximas letras, GLL, caracterizam a mensagem e os próximos campos, separaos por virgulas, se referem a informação e latitue; a ireção N, para Norte, ou S para Sul; a longitue; e a ireção W, para Oeste, ou E para Leste. Caa tipo e sentença, e existem vários tipos, apresenta uma característica e informação particular [3]. 2) A Cerca Eletrônica: Dao um objeto em movimento, e com sua posição geográfica monitoraa, o problema o cercao consiste em eterminar se o objeto está ou não entro o polígono eterminao. Na prática a posição o objeto e a solução o problema são obtias eletronicamente, por isso a enominação e cerca eletrônica utilizaa freqüentemente. Através a cerca eletrônica é possível então monitorar a situação o objeto, e se em algum lugar o trajeto o objeto sair o polígono, estará fora a cerca, portanto irregular ao afastamento máximo permitio. Neste caso a ação e irregulariae é apontaa. A solução a cerca eletrônica poerá estar tanto no sistema embarcao, quanto na central e monitoração. A vantagem e estar no sistema embarcao está na estratégia a conexão, pois somente no caso e uma ocorrência para fora a cerca o link e comunicação será ativao e a informação será enviaa para a central e monitoração. No outro caso, o sistema everia estar permanentemente conectao enviano os pacotes e informação, e conseqüentemente haveria a epenência o link ativo para a tomaa e ecisões. Neste trabalho a solução a cerca eletrônica está no computaor e boro e para resolver a cerca eletrônica aplicaremos os conceitos a geometria esférica. Tomano-se como base o triângulo esférico ABC, mostrao na Fig. 4, apresentaremos as equações para o esenvolvimento a solução a cerca eletrônica. 1) O GPS: Para permitir a implementação com baixo custo em relação a um sistema inercial constituío por

3 AC b (7) BC (arc(si nltb sinltc LgC LgB LtB LtC)) (8) BC a (9) Fig. 4. Projeção o Triangulo Esférico ABC Supono o segmento AB como um trecho e geoésica e o ponto C como o ponto e meição. O cálculo o ângulo h eterminará a istância e afastamento perpenicular à linha que une ois pontos subseqüentes e uma trajetória prevista. Inicialmente esta istância poerá ser usaa para verificar a valiae a cerca eletrônica. h arcsin sin bsin  (1) A istância investigaa neste esenvolvimento, é aquela calculaa em função o ângulo h, pois entro o conceito e cerca eletrônica anteriormente iscutio, esta é uma as meias que eve ser comparaa com a istância máxima e afastamento permitia, e é utilizaa também para testar se o objeto está entro ou fora a cerca. Lembrano-se que a istância máxima e afastamento é um parâmetro e entraa efinio como uma constante entro a rotina o programa que resolve a cerca eletrônica. Para certificar que o objeto está entro e um segmento efinio por A e B, algumas relações everão ser observaas: A istância AC ( AC ) poerá ser encontraa conhecenose a latitue e longitue os pontos, e para encontrar esta istância utilizaremos Haversine [5]. Trata-se e uma equação funamental na navegação, que resolve a istância entre ois pontos na superfície esférica A lei funamental e Haversine (2) relaciona os laos a ângulos e uma esfera. [7] um Haversine ( ) sin (2) 2 One θ é o ângulo, em raianos, subentenio em qualquer lao o triangulo esférico. Aplicano a formula e Haversine [7], em uma forma mais aequaa ao nosso problema, temos em (3) o cálculo a istância entre ois pontos e coorenaas conhecias. 2 LtA, LgA, LtB, LgB (arc(si nlta sinltb LgB LgA LtA LtB)) (3) entro a cerca significa estar entro o círculo em volta o ponto A ou B e raio igual a istância máxima e afastamento permitia, Fig. 6. Fig. 6. Representação e pontos entro e fora a cerca. entro a cerca significa estar a uma istância, perpenicular à trajetória, menor ou igual a istância máxima e afastamento permitia, Fig. 7. One: LtA = latitue o ponto A; LgA = longitue o ponto A; LtB = latitue o ponto B; LgB = longitue o ponto B; = Raio a terra. Conheceno ois pontos subseqüentes o trajeto assim como o ponto corrente o objeto, ao pelo GPS, é possível calcular as istâncias AB (4), AC (6), BC (8) e os ângulos c (5), b (7) e a (9) respectivamente. AB AC (arc(si nlta sinltb LgB LgA LtA LtB)) (4) AB c (5) (arc(si nlta sinltc LgC LgA LtA LtC)) One; LtC = latitue o ponto C e LgC = longitue o ponto C meias no GPS. (6) Fig. 7. Trajetória entre A e B mostrano pontos entro e fora a cerca. O fato e observarmos o comportamento o ponto e teste entro e um segmento AB, mostrará a partir esta solução particular, o equacionamento geral, ou seja, poeremos testar entro e uma seqüência e pontos geograficamente efinios, se o veículo está ou não entro o polígono que representa a cerca eletrônica.para efinirmos a região vália a cerca entre os pontos A e B, uniremos três partes: a) a região em volta os pontos; b) a região ao longo e A e B; c)

4 a istância limite entre A e B possível e conter o ponto e teste. executao e as ocorrências provocaas para que o veículo estivesse fora a cerca eletrônica. A Fig. 8 mostra toas as regiões consieraas. Fig. 8. Regiões e istâncias consieraas. A istância limite (10), mostraa na Fig. 8 representa a istância limite e afastamento, que o veículo poerá ter a partir o ponto A ou o ponto B entro o trecho AB. Lim arc h c (10) A operação lógica que verifica a valiae a cerca eletrônica retornano veraeiro ou falso, ou seja, entro (veraeiro) ou fora (falso) a cerca é aa por: [ h máx AND AC lim AND OR OR ] CERCA CB lim AC máx CB máx (11) As equações efinias até o momento são para um trecho a trajetória elimitao pelos pontos e coorenaas geográficas conhecias. Portanto, lembrano-se que a trajetória é escrita por uma seqüência e pontos, ou uma seqüência e trechos, a valiae a cerca everá ser verificaa para toos os trechos a trajetória, se em algum eles o retorno for veraeiro, o veículo estará entro a cerca, caso contrário o veículo estará fora a cerca eletrônica. IV. SOLUÇÃO COMPUTACIONAL A solução Computacional foi integraa por três aplicativos. O primeiro aplicativo foi esenhao para registrar os pontos a trajetória a ser experimentaa. Este aplicativo apresentou como resultao final, um arquivo e configuração para alimentar o seguno aplicativo (SCL), embarcao no objeto, que cuiou e toa a solução a cerca eletrônica. O SCL foi escrito baseao nas conclusões e equacionamentos apresentaos na seção 3. Foi possível então implementar (11) como uma função lógica este programa que inicialmente calcula toas as istâncias e os ângulos (1)...(9) e, aí então verificar a valiae a cerca eletrônica. A função lógica (11) everá retornar as conições e veraeiro ou falso para que com base nesta informação possa atuar sobre o objeto localmente e usano o link e comunicação possa enviar para o central e monitoração, ona está instalao o terceiro aplicativo (SCR), o status o objeto [1]. V. TESTES Para verificar a consistência os aos e exercitar os programas e controle realizamos um teste em uma região a ciae e São Paulo. A Fig. 9 mostra a região, o trajeto Fig. 9. Região o experimento No programa e verificação a cerca, o parâmetro ajustao para o afastamento máximo foi e 20 metros e a seqüência e pontos, apresentaa na Tabela I, foi previamente aquiria usano o programa e registro e trajetória. Este programa gerou um arquivo e configuração para que o programa o SCL puesse testar a valiação a cerca eletrônica. TABELA I SEQUÊNCIA DE PONTOS ponto latitue ireção longitue ireção 1 23, S 46, W 2 23, S 46, W 3 23, S 46, W 4 23, S 46, W 5 23, S 46, W 6 23, S 46, W 7 23, S 46, W 8 23, S 46, W 9 23, S 46, W 10 23, S 46, W 11 23, S 46, W 12 23, S 46, W 13 23, S 46, W 14 23, S 46, W 15 23, S 46, W 16 23, S 46, W 17 23, S 46, W 18 23, S 46, W 19 23, S 46, W 20 23, S 46, W 21 23, S 46, W Para experimentar o programa o SCL foi usao um microcomputaor o tipo notebook e com os ispositivos GPS e raiomoem conectaos. As faciliaes o uso este equipamento possibilitaram a implementação e um aplicativo mais elaborao. Para que o aviso e valiae a cerca puesse ser reprouzio através e mensagens e voz, possibilitano conforto e segurança para o conutor o veículo. A monitoração e toos os parâmetros como o link

5 e comunicação, os pontos coletaos pelo GPS e a istância e afastamento, também foram registraos pelo aplicativo. Como observao, temos 21 pontos registraos para a trajetória e teste. Se olharmos novamente o mapa que representa a trajetória, as situações e teste para a valiae a cerca eletrônica one o sistema sinalizou fora a cerca eletrônica estão representaas em vermelho. Nestes trechos o sistema apontou o objeto em situação irregular. O aplicativo SCL instalao no notebook para efetuar este teste tem o aspecto apresentao na Fig 10. Fig. 10. Aplicativo o SCL e sistemas inerciais baseaos em acelerômetros e girômetros em conjunto com o receptor GPS everá ser implementaa. Com relação ao transceptor, o moelo utilizao possui uma potência e RF configurável e até 1,5 Watts. Isto nos á um alcance máximo e aproximaamente 25 Km. Contuo, para esta istância a geometria retangular nos serve muito bem. Assim, para a nossa proposta e istâncias maiores que 200 milhas náuticas certamente a comunicação baseaa em satélites seria a mais apropriaa. VII. REFERÊNCIAS [1] Douglas,S.S., 2004, Rastreamento e Telemetria e Veículos usano a Comunicação e Daos e Alta velociae Disponível na Telefonia Celular et al São José os Campos: CTA/ITA. Único 94p. [2] FRANK A.JR., Plane an Spherical trigonometry, MCGraw-Hill Co., [3] REILLY, J.P., GPS Basics for Future Applications, Las Cruces, New Mexico State University, 1992 [4] NMEA PUBLICATIONS AND STANDARDS, NMEA Disponível em: < Acesso em 26 out [5] SINNOTT R. W., Virtues of the Haversine, Sky an Telescope, [6] LEITE, N. P. O., Sistema e Trajetografia GPS Diferencial/Inercial, São José os Campos, Instituto Tecnológico e Aeronáutica, [7] ei_os_haversines. Acesso em 30 jun Os campos e Latitue atual e Longitue atual estão próximos o ponto 12 a trajetória, perto o bastante para inicar que o veículo está entro a cerca eletrônica, já que, a istância máxima permitia representaa pelo campo Raio a Cerca Eletrônica é e 20 metros. Observe também, o campo Link o SCR informano como está a comunicação entre o SCL e o SCR. Esta será uma conição lógica e teste caso haja a necessiae e comunicação e uma situação irregular. VI. CONCLUSÕES Utilizano o programa e registro e trajetória foram colecionaas em outros locais, novas seqüências e pontos e novos testes foram implementaos, os resultaos se mostraram coerentes e com a inicação correta os pontos entro e fora o polígono. Concluímos então que em uma missão one se conhece a trajetória o projeto emonstrou-se eficiente. Contuo, se os pontos são absolutos ou extraíos e um mapa everemos aumentar a tolerância e afastamento. Neste caso, se for necessária uma maior precisão incentivamos o uso a tecnologia GPS iferencial (DGPS) [6]-[1] para a compatibilização os pontos. Mas se a trajetória foi registraa anteriormente, com uma meição relativa, será possível confiar em uma precisão e 5 a 10 metros. No caso e veículos poerá acontecer, por conta a região, uma interferência provocano uma eficiência na recepção mínima e satélites para a eterminação os pontos geográfi. Neste caso uma solução com a implementação

Aula 1- Distâncias Astronômicas

Aula 1- Distâncias Astronômicas Aula - Distâncias Astronômicas Área 2, Aula Alexei Machao Müller, Maria e Fátima Oliveira Saraiva & Kepler e Souza Oliveira Filho Ilustração e uma meição e istância a Terra (à ireita) à Lua (à esquera),

Leia mais

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2.

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2. Interação Gravitacional Vimos que a mola é esticaa quano um corpo é suspenso na sua extremiae livre. A força que estica a mola é e origem eletromagnética e tem móulo igual ao móulo o peso o corpo. O peso

Leia mais

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA EETROMAGNETSMO 105 1 SOENÓDE E NDUTÂNCA 1.1 - O SOENÓDE Campos magnéticos prouzios por simples conutores ou por uma única espira são bastante fracos para efeitos práticos. Assim, uma forma e se conseguir

Leia mais

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO Capítulo 4 EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO 4.1 OBJETIVOS Meir a constante e ree e ifração utilizano um comprimento e ona conhecio. Meir os comprimentos e

Leia mais

Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br www.cerne-tec.com.br. Tutorial Gps

Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br www.cerne-tec.com.br. Tutorial Gps Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br www.cerne-tec.com.br Tutorial Gps Tutorial de GPS Veremos hoje como funciona um receptor de GPS. No curso da Cerne Tecnologia (www.cerne-tec.com.br) Módulo Advanced

Leia mais

APLICAÇÕES DA TRIGONOMETRIA ESFÉRICA NA CARTOGRAFIA E NA ASTRONOMIA

APLICAÇÕES DA TRIGONOMETRIA ESFÉRICA NA CARTOGRAFIA E NA ASTRONOMIA APLICAÇÕES DA TRIGONOMETRIA ESFÉRICA NA CARTOGRAFIA E NA ASTRONOMIA Aplica-se a trigonometria esférica na resolução e muitos problemas e cartografia, principalmente naqueles em que a forma a Terra é consieraa

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE SENSORES DE POSCIONAMENTO GLOBAL E RÁDIO FAROL PARA UMA PLATAFORMA NÁUTICA DE TESTES

IMPLEMENTAÇÃO DE SENSORES DE POSCIONAMENTO GLOBAL E RÁDIO FAROL PARA UMA PLATAFORMA NÁUTICA DE TESTES Anais do XVI Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XVI ENCITA / 2010 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil 20 de outubro de 2010 IMPLEMENTAÇÃO DE SENSORES

Leia mais

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL Física Prof. Rawlinson SOLUÇÃO AE. 1 Através a figura, observa-se que a relação entre os períoos as coras A, B e C: TC TB T A = = E a relação entre as frequências: f =. f =

Leia mais

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 07 e 08/10 Prof. Pero Souza UMA PARCERIA Visite o Portal os Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistaeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

2 a. Apostila de Gravitação A Gravitação Universal

2 a. Apostila de Gravitação A Gravitação Universal a. Apostila e Gravitação A Gravitação Universal Da época e Kepler até Newton houve um grane avanço no pensamento científico. As inagações os cientistas ingleses giravam em torno a questão: Que espécie

Leia mais

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR 1. Um os granes problemas ambientais ecorrentes o aumento a proução inustrial munial é o aumento a poluição atmosférica. A fumaça, resultante a queima e combustíveis fósseis como carvão ou óleo, carrega

Leia mais

Mecanismos básicos de Propagação

Mecanismos básicos de Propagação Mecanismos básicos e Propagação Reflexão: Ocorre quano a ona propagaa se encontra com objetos muito granes quano comparaos com o comprimento e ona; Difração: Ocorre quano o caminho entre o transmissor

Leia mais

ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES

ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES 1. (FELA - 96) Uma ona é estaelecia numa cora, fazeno-se o ponto A oscilar com uma freqüência igual a 1 x 103 Hertz, conforme a figur Consiere as afirmativas:

Leia mais

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas > REVISTA DE INTELIGÊNCIA COMPUTACIONAL APLICADA (ISSN: XXXXXXX), Vol. X, No. Y, pp. 1-10 1 Alocação Ótima e Banco e Capacitores em Rees e Distribuição Raiais para Minimização as Peras Elétricas A. C.

Leia mais

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia Capítulo Leis e Newton. Sistemas e inércia Supomos a existência e sistemas e referência, os sistemas e inércia, nos quais as leis e Newton são válias. Um sistema e inércia é um sistema em relação ao qual

Leia mais

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo)

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo) Força Elétrica 1. (Ueg 01) Duas partículas e massas m 1 e m estăo presas a uma haste retilínea que, por sua vez, está presa, a partir e seu ponto méio, a um fio inextensível, formano uma balança em equilíbrio.

Leia mais

5 Medição de distâncias e áreas na planta topográfica

5 Medição de distâncias e áreas na planta topográfica António Pestana Elementos e Topografia v1.0 Junho e 006 5 Meição e istâncias e áreas na planta topográfica 5.1 Meição e istâncias na planta topográfica Como as plantas topográficas são projecções horizontais,

Leia mais

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 Seu Pé Direito nas Melhores Faculaes FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 física 01. A energia que um atleta gasta poe ser eterminaa pelo volume e oxigênio por ele consumio na respiração. Abaixo está apresentao

Leia mais

FÍSICA. a) 0,77 s b) 1,3 s c) 13 s d) 77 s e) 1300 s Resolução V = t = 3,9. 10 8 3,0. 10 8. t = t = 1,3 s

FÍSICA. a) 0,77 s b) 1,3 s c) 13 s d) 77 s e) 1300 s Resolução V = t = 3,9. 10 8 3,0. 10 8. t = t = 1,3 s 46 b FÍSICA A istância méia a Terra à Lua é 3,9.10 8 m. Seno a velociae a luz no vácuo igual a 3,0.10 5 km/s, o tempo méio gasto por ela para percorrer essa istância é e: a) 0,77 s b) 1,3 s c) 13 s ) 77

Leia mais

Exercícios Segunda Lei OHM

Exercícios Segunda Lei OHM Prof. Fernano Buglia Exercícios Seguna Lei OHM. (Ufpr) Um engenheiro eletricista, ao projetar a instalação elétrica e uma eificação, eve levar em conta vários fatores, e moo a garantir principalmente a

Leia mais

O comportamento do mercado brasileiro de ensino superior

O comportamento do mercado brasileiro de ensino superior O comportamento o mercao brasileiro e ensino superior Fernano Luiz Anrae Bahiense (UNIVILLE e FAMEG) ferbah@brturbo.com Milton Procópio e Borba (UDESC) Milton_borba@terra.com.br Resumo Estuo escritivo

Leia mais

O desafio: Criar um sistema para alimentar um módulo de GPS, adquirir e processar dados, além de exibir a latitude e longitude no Google Earth.

O desafio: Criar um sistema para alimentar um módulo de GPS, adquirir e processar dados, além de exibir a latitude e longitude no Google Earth. Usando LabVIEW para adquirir dados de GPS "Usando o LabVIEW, nós desenvolvemos com sucesso um sistema de aquisição de dados de GPS, com o objetivo de utilizá-lo como plataforma de aprendizagem para entender

Leia mais

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10.1 INTRODUÇÃO A armaura posicionaa na região comprimia e uma viga poe ser imensionaa a fim e se reuzir a altura e uma viga, caso seja necessário.

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvios e Física Básica Jason Alfreo Carlson Gallas, professor titular e física teórica, Doutor em Física pela Universiae Luwig Maximilian e Munique, Alemanha Universiae Feeral a Paraíba (João

Leia mais

Na sala e computaores Preparação Divia os alunos em uplas e se achar pertinente, peça para levar lápis e papel para anotações. Requerimentos técnicos

Na sala e computaores Preparação Divia os alunos em uplas e se achar pertinente, peça para levar lápis e papel para anotações. Requerimentos técnicos Guia o Professor Móulo IV Ativiae - Fazeno um Plano e Vôo Apresentação: Nesta ativiae será proposto que o aluno faça um plano e vôo observano certas regras. Para isso, será preciso calcular a istância

Leia mais

RECEPTOR GPS ME-1513R TUTORIAL PARA PROGRAMAÇÃO DO ARM7LPC2138. 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda

RECEPTOR GPS ME-1513R TUTORIAL PARA PROGRAMAÇÃO DO ARM7LPC2138. 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda RECEPTOR GPS ME-1513R TUTORIAL PARA PROGRAMAÇÃO DO ARM7LPC2138 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda Prefácio Obrigado por escolher o Receptor GPS ME-1513R. Este manual mostra o código fonte

Leia mais

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL 78 PARTE V ANÁISE DIMENSIONA Parte V ANÁISE DIMENSIONA [R] [p] [V] [n] [τ] l 3 θ [R] θ Resposta: [R] θ Uma as principais equações a Mecânica quântica permite calcular a energia E associaa a um fóton e

Leia mais

Mapeamento Automático de Redes WiFi com base em Assinaturas Rádio

Mapeamento Automático de Redes WiFi com base em Assinaturas Rádio Mapeamento Automático e Rees WiFi com base em Assinaturas Ráio Rui N. Gonçalves Monteiro Engenharia e Comunicações Universiae o Minho Guimarães, Portugal ruimonteiro84@gmail.com Ariano Moreira Centro Algoritmi

Leia mais

Capacitores. Figura 7.1

Capacitores. Figura 7.1 Capítulo 7 Capacitores 7.1 Introução Capacitor é um ispositivo que armazena energia potencial. Capacitores variam em forma e tamanho, mas a configuração básica consiste e ois conutores e cargas opostas.

Leia mais

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo Controlaor PID 154 8- Controlaor PID PID = Proporcional + Integral + Derivativo É interessante assinalar que mais a metae os controlaores inustriais em uso nos ias atuais utiliza estratégias e controle

Leia mais

FÍSICA. Resposta: 80. Justificativa: As equações horárias são: x A = ½ a A t 2 e x B = ½ a B t 2. No encontro x A = x B.

FÍSICA. Resposta: 80. Justificativa: As equações horárias são: x A = ½ a A t 2 e x B = ½ a B t 2. No encontro x A = x B. FÍSICA Daos: Aceleração a graviae: 1 m/s Densiae o mercúrio: 13,6 g/cm 3 Pressão atmosférica: 1,x1 5 N/m Constante eletrostática: k = 1/4 = 9,x1 9 N.m /C 1. Dois veículos partem simultaneamente o repouso

Leia mais

DIFERENÇA DE POTENCIAL. d figura 1

DIFERENÇA DE POTENCIAL. d figura 1 DIFERENÇ DE POTENCIL 1. Trabalho realizao por uma força. Consieremos uma força ue atua sobre um objeto em repouso sobre uma superfície horizontal como mostrao na figura 1. kx Esta força esloca o objeto

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 14 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 14 (montgomery) Controle Estatístico e Qualiae Capítulo 4 (montgomery) Amostragem e Aceitação Lote a Lote para Atributos Introução A Amostragem poe ser efinia como a técnica estatística usaa para o cálculo e estimativas

Leia mais

EXERCÍCIOS GRAVITAÇÃO

EXERCÍCIOS GRAVITAÇÃO EXERCÍCIOS GRAVITAÇÃO TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: Em setembro e 010, Júpiter atingiu a menor istância a Terra em muitos anos. As figuras abaixo ilustram a situação e maior afastamento e a e maior aproximação

Leia mais

Específica de Férias Prof. Walfredo

Específica de Férias Prof. Walfredo Específica e Férias Prof. Walfreo 01 Aluno(a): /07/01 1. (Unicamp 01) Em 01 foi comemorao o centenário a escoberta os raios cósmicos, que são partículas provenientes o espaço. a) Os neutrinos são partículas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPUTADOR DE VAZÃO COMPENSADA DE GÁS NATURAL EMPREGANDO ARQUITETURA ABERTA

DESENVOLVIMENTO DE COMPUTADOR DE VAZÃO COMPENSADA DE GÁS NATURAL EMPREGANDO ARQUITETURA ABERTA ESENVOLVIMENTO E COMPUTAOR E VAZÃO COMPENSAA E GÁS NATURAL EMPREGANO ARQUITETURA ABERTA *CLAUIO GARCIA *OSMEL REYES VAILLANT *ESCOLA POLITÉCNICA A UNIVERSIAE E SÃO PAULO EPARTAMENTO E ENGENHARIA E TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico Móulo III Clauia Regina Campos e Carvalho Móulo III Carga létrica, orça e Campo létrico Carga létrica: Denomina-se carga elétrica a proprieae inerente a eterminaas partículas elementares, que proporciona

Leia mais

= Resposta: 3,6 m/s 2. 4 No instante t 0. Resolução: + α t v = 20 2t (SI) b) 0 = 20 2t t = 10 s. Resposta: a) v = 20 2t (SI); b) 10 s

= Resposta: 3,6 m/s 2. 4 No instante t 0. Resolução: + α t v = 20 2t (SI) b) 0 = 20 2t t = 10 s. Resposta: a) v = 20 2t (SI); b) 10 s UFRJ Equipe UFRJ Olimpíaa Brasileira e Física Lista Aula 3C Física Jorão 1 É aa a seguinte função horária a velociae escalar e uma partícula em movimento uniformemente variao: v = 15 + t (SI) Determine:

Leia mais

A) tecido nervoso substância cinzenta. B) tecido nervoso substância branca. C) hemácias. D) tecido conjuntivo. E) tecido adiposo.

A) tecido nervoso substância cinzenta. B) tecido nervoso substância branca. C) hemácias. D) tecido conjuntivo. E) tecido adiposo. 1. No gráfico abaixo, mostra-se como variou o valor o ólar, em relação ao real, entre o final e 2001 e o início e 2005. Por exemplo, em janeiro e 2002, um ólar valia cerca e R$2,40. Durante esse períoo,

Leia mais

RESUMO 02: SEÇÃO TÊ FALSA E VERDADEIRA ARMADURA SIMPLES

RESUMO 02: SEÇÃO TÊ FALSA E VERDADEIRA ARMADURA SIMPLES 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II PROF. IBERÊ 1 / 5 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II RESUO 0: SEÇÃO TÊ FLS E VERDDEIR RDUR SIPLES ES COLBORNTE ação conjunta e lajes e vigas poe ser consieraa meiante

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE SISTEMAS DE CONTROLE VIA REDES BASEADOS NO PROTOCOLO CAN CONTROLLER AREA NETWORK

IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE SISTEMAS DE CONTROLE VIA REDES BASEADOS NO PROTOCOLO CAN CONTROLLER AREA NETWORK IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE SISTEMAS DE CONTROLE VIA REDES BASEADOS NO PROTOCOLO CAN CONTROLLER AREA NETWORK Euaro Paciência Gooy, Bruno N Bragato, Luciano C Lulio, Arthur Jose Vieira Porto, Ricaro Y

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

Efeito Radioativo das Emissões de Gases de Efeito Estufa por Parte de Automóveis no Brasil

Efeito Radioativo das Emissões de Gases de Efeito Estufa por Parte de Automóveis no Brasil Efeito Raioativo as Emissões e Gases e Efeito Estufa por Parte e Automóveis no Brasil Revista Brasileira e Energia Resumo Luiz Aalberto Barbosa Uria 1 Roberto Schaeffer 2 Este trabalho examina o impacto

Leia mais

Projeto 3. 8 de abril de y max y min. Figura 1: Diagrama de um cabo suspenso.

Projeto 3. 8 de abril de y max y min. Figura 1: Diagrama de um cabo suspenso. Cabos suspensos Projeto 3 8 e abril e 009 A curva escrita por um cabo suspenso pelas suas etremiaes é enominaa curva catenária. y ma y min 0 Figura 1: Diagrama e um cabo suspenso. A equação que escreve

Leia mais

LISTA de ELETROSTÁTICA PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de ELETROSTÁTICA PROFESSOR ANDRÉ LISTA e ELETROSTÁTICA PROFESSOR ANDRÉ 1. (Unicamp 013)Em 01 foi comemorao o centenário a escoberta os raios cósmicos, que são partículas provenientes o espaço. a) Os neutrinos são partículas que atingem

Leia mais

DÚVIDAS E PERGUNTAS FREQUENTES - RASTREADOR

DÚVIDAS E PERGUNTAS FREQUENTES - RASTREADOR DÚVIDAS E PERGUNTAS FREQUENTES - RASTREADOR 1. COMO É FEITA A COMUNICAÇÃO COM O VEÍCULO QUE FOI INSTALADO O RASTREADOR? Resposta: Através de mensagens SMS (torpedos), estas mensagens são formadas por *

Leia mais

Média tensão Uso Geral

Média tensão Uso Geral Dimensionamento Os valores e capaciae e conução e correntes constantes as tabelas a seguir foram retiraos a NBR 14039/2003. No caso e cabos iretamente enterraos foi aotao uma resistiviae térmica o terreno

Leia mais

Caracterização da propagaçã o de redes de sensores sem fio em ambientes industriais utilizando a RSSI como parâmetro de avaliação.

Caracterização da propagaçã o de redes de sensores sem fio em ambientes industriais utilizando a RSSI como parâmetro de avaliação. Caracterização a propagaçã o e rees e sensores sem fio em ambientes inustriais utilizano a RSSI como parâmetro e avaliação. erson Roberto Luqueta Centro e Ciências Exatas, Ambientais e e Tecnologias. ontifícia

Leia mais

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios Redes Sem Fios As recomendações do IEEE (Institute of Electrical and Eletronics Engineers), particularmente as recomendações da série IEEE 802.11, são os exemplos mais conhecidos para os padrões de redes

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS

ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS Bernaro Jeunon e Alencar Instituto e Informática Programa e Pós Grauação em Geografia Tratamento

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP SIMULADOR

Leia mais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Monitores Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Embora os semáforos sejam uma boa solução para o problema da exclusão mútua, sua utilização não é trivial. O programador é obrigado a

Leia mais

Herança. Herança. Especialização. Especialização

Herança. Herança. Especialização. Especialização Herança Herança Em muitos casos, um tipo e entiae tem vários subconjuntos e entiaes que são significativos para a aplicação. Exemplo: as entiaes e um tipo e entiae Empregao poem ser agrupaas em Secretária,

Leia mais

ANÁLISE CINEMÁTICA TRIDIMENSIONAL DO LANÇAMENTO DO MARTELO EM TREINAMENTO E COMPETIÇÃO

ANÁLISE CINEMÁTICA TRIDIMENSIONAL DO LANÇAMENTO DO MARTELO EM TREINAMENTO E COMPETIÇÃO ANÁLISE CINEMÁTICA TRIDIMENSIONAL DO LANÇAMENTO DO MARTELO EM TREINAMENTO E COMPETIÇÃO Luciano Allegretti Mercaante 1, Rafael Pombo Menezes 1, Thomaz Persinotti Martini 1, Jorge Luiz Alves Trabanco 2,

Leia mais

Análise das Probabilidades Neutras a Risco da Taxa de Câmbio do Dólar Comercial, Implícitas nos Preços das Opções de Compra Negociadas na BM&F

Análise das Probabilidades Neutras a Risco da Taxa de Câmbio do Dólar Comercial, Implícitas nos Preços das Opções de Compra Negociadas na BM&F UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS INSTITUTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO - COPPEAD Análise as Probabiliaes Neutras a Risco a Taxa e Câmbio

Leia mais

Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos

Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos Eudisley G. dos Anjos eudisley@les.ufpb.br Francisco A. Belo belo@les.ufpb.br Manuella D. C. Silva manuella@les.ufpb.br

Leia mais

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS APLICAÇÃO DO MÉTODO FOTOGRÁFICO NA OBTENÇÃO DE CAMPOS DE VELOCIDADE E SUA PROVÁVEL APLICAÇÃO EM MÉTODOS PARA DETERMINAR PARÂMETROS DE QUALIDADE DE ÁGUA Maria

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento 2015 Fis Lei Coulomb

Exercícios de Aprofundamento 2015 Fis Lei Coulomb Exercícios e Aprofunamento 015 Fis Lei Coulomb 1. (Unesp 015) Em um experimento e eletrostática, um estuante ispunha e três esferas metálicas iênticas, A, B e C, eletrizaas, no ar, com cargas elétricas

Leia mais

Observa-se ainda que, para pequenos giros, os pontos de uma seção transversal não sofrem deslocamento na direção longitudinal.

Observa-se ainda que, para pequenos giros, os pontos de uma seção transversal não sofrem deslocamento na direção longitudinal. Universiae Feeral e Alagoas Centro e ecnologia Curso e Engenharia Civil Disciplina: Mecânica os Sólios Cóigo: ECIV030 Professor: Euaro Nobre ages orção em Barras e Seção ransversal Circular Cheia ou Vazaa

Leia mais

III Corpos rígidos e sistemas equivalentes de forças

III Corpos rígidos e sistemas equivalentes de forças III Corpos rígios e sistemas equivalentes e forças Nem sempre é possível consierar toos os corpos como partículas. Em muitos casos, as imensões os corpos influenciam os resultaos e everão ser tias em conta.

Leia mais

Medidor Powersave V2 USB

Medidor Powersave V2 USB Medidor Powersave V2 USB O medidor é formado por uma caixa plástica contendo uma placa eletrônica, uma tomada macho, uma tomada fêmea, um conector H, um barramento lateral, um conector USB e leds indicativos.

Leia mais

DQuest. Determinação da posição e velocidade por Satélite (GPS) Localização e disponibilização de informações de veículos por tecnologia wireless

DQuest. Determinação da posição e velocidade por Satélite (GPS) Localização e disponibilização de informações de veículos por tecnologia wireless DQuest Localização Localização, controle e gerenciamento de frotas Determinação da posição e velocidade por Satélite (GPS) Localização e disponibilização de informações de veículos por tecnologia wireless

Leia mais

Palavras-Chave: Sistema de Posicionamento Global. Sistemas de Localização Espacial. Equação de Superfícies Esféricas.

Palavras-Chave: Sistema de Posicionamento Global. Sistemas de Localização Espacial. Equação de Superfícies Esféricas. METODOS MATEMÁTICOS PARA DEFINIÇÃO DE POSICIONAMENTO Alberto Moi 1 Rodrigo Couto Moreira¹ Resumo Marina Geremia¹ O GPS é uma tecnologia cada vez mais presente em nossas vidas, sendo que são inúmeras as

Leia mais

Força elétrica e campo elétrico Prof. Caio

Força elétrica e campo elétrico Prof. Caio 1. (Fuvest) Os centros e quatro esferas iênticas, I, II, III e IV, com istribuições uniformes e carga, formam um quarao. Um feixe e elétrons penetra na região elimitaa por esse quarao, pelo ponto equiistante

Leia mais

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus e Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento e Engenharia Civil Disciplina: 117 - ESTRUTURAS DE CONCRETO I NOTAS DE AULA FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS Prof.

Leia mais

RECEPTOR GPS ME1513 ARM7 LPC2138. 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda

RECEPTOR GPS ME1513 ARM7 LPC2138. 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda RECEPTOR GPS ME1513 ARM7 LPC2138 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda Prefácio Obrigado por escolher o Receptor GPS ME-1513. Este manual mostra o esquema eletrônico, da conexão do microcontrolador

Leia mais

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 Projetos I Resumo de TCC Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 MAD RSSF: Uma Infra estrutura de Monitoração Integrando Redes de Sensores Ad Hoc e uma Configuração de Cluster Computacional (Denise

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

MATEMÁTICA MÓDULO 12 COORDENADAS NO PLANO E DISTÂNCIA ENTRE PONTOS INTRODUÇÃO 1. O PONTO NO PLANO 1.1. COORDENADAS CARTESIANAS

MATEMÁTICA MÓDULO 12 COORDENADAS NO PLANO E DISTÂNCIA ENTRE PONTOS INTRODUÇÃO 1. O PONTO NO PLANO 1.1. COORDENADAS CARTESIANAS PROF. HAROLDO FILHO COORDENADAS NO PLANO E DISTÂNCIA ENTRE PONTOS INTRODUÇÃO Algumas as utiliaes são: atribuir um significao geométrico a fatos e natureza numérica, como o comportamento e uma função real

Leia mais

muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas pilotos possa

muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas pilotos possa Carta Aeronáutica é a mapa projetou ajudar dentro navegação de avião, muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas

Leia mais

Metanálise MTC: o uso combinado de evidência direta e indireta

Metanálise MTC: o uso combinado de evidência direta e indireta Metanálise MTC: o uso combinao e eviência ireta e inireta na comparação e múltiplos tratamentos Patrícia Klarmann Ziegelmann Universiae Feeral o Rio Grane o Sul Em estuos e avaliação tecnológica em saúe

Leia mais

MÓDULO 5 FÍSICA. Algarismos Significativos. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. 1. Introdução. 2. Algarismos Corretos e Duvidosos

MÓDULO 5 FÍSICA. Algarismos Significativos. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. 1. Introdução. 2. Algarismos Corretos e Duvidosos Ciências a Natureza, Matemática e suas Tecnologias FÍSICA 1. Introução MÓDULO 5 Algarismos Significativos Na tentativa e explicar os fenômenos observaos na natureza, a Física utiliza moelos e teorias que,

Leia mais

Caixas SB, SAI e STM. www.fcm.ind.br VE-001-SB. Copyright FCM 2001

Caixas SB, SAI e STM. www.fcm.ind.br VE-001-SB. Copyright FCM 2001 Catálogo Eletrônico VE-001-SB www.fcm.in.br Caixas SB, SI e STM Copyright FCM 2001 O conteúo este catálogo é e proprieae a empresa FCM - Fábrica e Mancais Curitiba Lta., seno proibia a reproução parcial

Leia mais

Rastreabilidade de requisitos através da web

Rastreabilidade de requisitos através da web Rastreabilidade de requisitos através da web Fernando dos Santos (FURB) fds@inf.furb.br Karly Schubert Vargas (FURB) karly@inf.furb.br Christian Rogério Câmara de Abreu (FURB) crca@inf.furb.br Resumo.

Leia mais

Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP

Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP Paulo Fernando da Silva psilva@senior.com.br Sérgio Stringari stringari@furbbr Resumo. Este artigo apresenta a especificação

Leia mais

manual de instalação VTR300 rev02

manual de instalação VTR300 rev02 manual de instalação VTR300 rev02 Vermelho - 12/24 volts Preto - negativo (-) Verde - saída negativa para rele de bloqueio. ( fig 1) Azul - saída positiva para acionamento de sirene até 0,5A ( fig 2) Branco

Leia mais

Monitor de Rastreamento de Frota para Segurança de Transporte Planejamento de Projetos Iterativos Aplicando o RUP Projeto Blue Moon

Monitor de Rastreamento de Frota para Segurança de Transporte Planejamento de Projetos Iterativos Aplicando o RUP Projeto Blue Moon Monitor de Rastreamento de Frota para Segurança de Transporte Planejamento de Projetos Iterativos Aplicando o RUP Projeto Blue Moon Exercício Estudar a descrição do sistema, examinar os planos de projetos

Leia mais

PORTARIA Nº 47 DE 20 DE AGOSTO DE 2007

PORTARIA Nº 47 DE 20 DE AGOSTO DE 2007 PORTARIA Nº 47 DE 20 DE AGOSTO DE 2007 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo art. 19, inciso I, da Lei nº 9.503, de 23 de setembro

Leia mais

RECEPTOR GPS ME1513 TUTORIAL DA FONTE DE ALIMENTAÇÃO. 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda

RECEPTOR GPS ME1513 TUTORIAL DA FONTE DE ALIMENTAÇÃO. 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda RECEPTOR GPS ME1513 TUTORIAL DA FONTE DE ALIMENTAÇÃO 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda Prefácio Obrigado por escolher o Receptor GPS ME-1513. Este manual mostra o esquema eletrônico, da

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa B. alternativa E. c) 18 m/s. a) 16 m/s d) 20 m/s. b) 17 m/s e) 40 m/s

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa B. alternativa E. c) 18 m/s. a) 16 m/s d) 20 m/s. b) 17 m/s e) 40 m/s Questão 46 a) 16 m/s ) 0 m/s b) 17 m/s e) 40 m/s c) 18 m/s Num trecho e 500 m, um ciclista percorreu 00 m com velociae constante e 7 km/h e o restante com velociae constante e 10 m/s. A velociae escalar

Leia mais

INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES. Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão.

INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES. Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão. INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES O que é uma Rede? Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão. Uma Rede de Computadores é constituída por vários computadores conectados

Leia mais

Controle Adaptativo para Atendimento a Requisitos de Aplicações em MPSoCs

Controle Adaptativo para Atendimento a Requisitos de Aplicações em MPSoCs PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORÁTICA PROGRAA DE PÓS-GRADUAÇÃO E CIÊNCIA DA COPUTAÇÃO Controle Aaptativo para Atenimento a Requisitos e Aplicações em PSoCs GUILHERE

Leia mais

GT PERSONAL GPS RASTREAMENTO PESSOAL

GT PERSONAL GPS RASTREAMENTO PESSOAL GT PERSONAL GPS RASTREAMENTO PESSOAL Baseados em nossa experiência em aplicações de GPS e Telemetria, e devido às pequenas dimensões (70x40x20 mm) do GT PERSONAL GPS este dispositivo portátil executa o

Leia mais

Sistema GNSS. (Global Navigation Satellite System)

Sistema GNSS. (Global Navigation Satellite System) Sistema GNSS (Global Navigation Satellite System) POSICIONAR UM OBJETO NADA MAIS É DO QUE LHE ATRIBUIR COORDENADAS O Sol, os planetas e as estrelas foram excelentes fontes de orientação, por muito tempo.

Leia mais

A primeira gama de rolamentos para uso extremo disponível como padrão. SNR - Industry

A primeira gama de rolamentos para uso extremo disponível como padrão. SNR - Industry A primeira gama e rolamentos para uso extremo isponível como parão. SNR - Inustry I N U S T R Y TN21Ra:TN21Fc 2/04/08 16:04 Page 2 Uma gama aaptaa para as aplicações mais exigentes. Uma gama técnica testaa

Leia mais

Desenvolvimento de Estratégia para Programação do Futebol de Robôs da Mauá

Desenvolvimento de Estratégia para Programação do Futebol de Robôs da Mauá Desenvolvimento de Estratégia para Programação do Futebol de Robôs da Mauá Wânderson O. Assis, Alessandra D. Coelho, Marcelo M. Gomes, Cláudio G. Labate, Daniel F. Calasso, João Carlos G. C. Filho Escola

Leia mais

DCC011 Introdução a Banco de Dados -20. Revisão: Modelagem de Dados. Revisão: Processo de Projeto de BD. Revisão: Projeto de Bancos de Dados

DCC011 Introdução a Banco de Dados -20. Revisão: Modelagem de Dados. Revisão: Processo de Projeto de BD. Revisão: Projeto de Bancos de Dados DCC011 Introução a Banco e Daos -20 Revisão: Moelagem e Daos Mirella M. Moro Departamento e Ciência a Computação Universiae Feeral e Minas Gerais mirella@cc.ufmg.br Revisão: Projeto e Bancos e Daos Inepenente

Leia mais

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'.

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'. ". GUINDASTE, -'. Versati iae o equipamento o torna ieal para,. vartos setores Por Fábio lauonio Altos e imponentes, os guinastes têm um papel funamental na elevação e movimentação e cargas e materiais

Leia mais

I e II assemelham-se porque cada um explora com exclusividade a forma de linguagem que o caracteriza, a visual e a verbal, respectivamente.

I e II assemelham-se porque cada um explora com exclusividade a forma de linguagem que o caracteriza, a visual e a verbal, respectivamente. LÍNGUA PORTUGUESA. Leia atentamente a história em quarinhos e o poema abaixo transcritos. TEXTO I.. ranquia. Os Passageiros aultos poerão transportar sem o pagamento e qualquer taxa aicional até vinte

Leia mais

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Prof. Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br http://www.brunovilela.webnode.com.br Aulas 2-3-4-5-6-7-8 Lógica Algoritmos Portugol

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS DE MECÂNICA

QUESTÕES COMENTADAS DE MECÂNICA QUESTÕES COMENTDS DE MECÂNIC Prof. Inácio Benvegnú Morsch CEMCOM Depto. Eng. Civil UFGS ) Calcule as reações em para a viga isostática representaa na figura () kn/m,5 m Solução: Este cálculo fica simplificao

Leia mais

EFEITO ESTABILIZANTE DE ELO DE CORRENTE CONTÍNUA NA OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE TRANSMISSÃO EM CORRENTE ALTERNADA. Waldenir Alexandre da Silva Cruz

EFEITO ESTABILIZANTE DE ELO DE CORRENTE CONTÍNUA NA OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE TRANSMISSÃO EM CORRENTE ALTERNADA. Waldenir Alexandre da Silva Cruz EFEIO ESABILIZANE DE ELO DE CORRENE CONÍNUA NA OPERAÇÃO DE SISEMAS DE RANSMISSÃO EM CORRENE ALERNADA Walenir Alexanre a Silva Cruz ESE SUBMEIDA AO CORPO DOCENE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 14.12.14

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 14.12.14 FGV Administração - 1.1.1 VESTIBULAR FGV 015 1/1/01 RESOLUÇÃO DAS 10 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA TARDE MÓDULO DISCURSIVO QUESTÃO 1 Um mapa de um pequeno parque é uma região em forma de quadrilátero,

Leia mais

INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA ROGERIO MOREIRA LIMA SILVA

INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA ROGERIO MOREIRA LIMA SILVA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA ROGERIO MOREIRA LIMA SILVA CARACTERÍSTICAS DA PROPAGAÇÃO PONTO-ÁREA NA FAIXA DE A 5GHz COM APLICAÇÃO EM COMUNICAÇÕES MÓVEIS Dissertação e Mestrao apresentaa ao Curso e Mestrao

Leia mais

Curso Técnico em Informática. Rafael Barros Sales Tecnico em Informática CREAC/AC Teclogo em Redes de Computadores

Curso Técnico em Informática. Rafael Barros Sales Tecnico em Informática CREAC/AC Teclogo em Redes de Computadores Curso Técnico em Informática Rafael Barros Sales Tecnico em Informática CREAC/AC Teclogo em Redes de Computadores Visão Geral Para entender o papel que os computadores exercem em um sistema de redes, considere

Leia mais

Manual de Operação do Century BR2014 Slim. O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio.

Manual de Operação do Century BR2014 Slim. O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio. Manual de Operação do Century BR2014 Slim O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio. Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores analógicos de sinais de TV via satélite.

Leia mais

1. Explicando Roteamento um exemplo prático. Através da análise de uns exemplos simples será possível compreender como o roteamento funciona.

1. Explicando Roteamento um exemplo prático. Através da análise de uns exemplos simples será possível compreender como o roteamento funciona. Aula 14 Redes de Computadores 24/10/07 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber ROTEAMENTO EM UMA REDE DE COMPUTADORES A máscara de sub-rede é utilizada para determinar

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNIÇÕES LOCALIZADOR REAL TIME

TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNIÇÕES LOCALIZADOR REAL TIME Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Etec JORGE STREET TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNIÇÕES LOCALIZADOR REAL TIME Tainã Gramignani Rufino

Leia mais

Trabalho de uma carga elétrica 2017

Trabalho de uma carga elétrica 2017 Trabalho e uma carga elétrica 017 1. (Uem 016) Uma molécula é formaa por ois íons, um positivo e outro negativo, separaos 10 por uma istância e 3,00 10 m. Os móulos a carga elétrica o íon positivo e o

Leia mais