Orientador: Prof. Francisco Correia de Oliveira, PhD.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Orientador: Prof. Francisco Correia de Oliveira, PhD."

Transcrição

1 FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA - UNIFOR JOSELIAS LOPES DOS SANTOS FILHO NA CORDA BAMBA DA TERCEIRIZAÇÃO: O CASO DAS ADMINISTRAÇÕES TRIBUTÁRIAS ESTADUAIS DO BRASIL FORTALEZA 2009

2 FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA - UNIFOR JOSELIAS LOPES DOS SANTOS FILHO NA CORDA BAMBA DA TERCEIRIZAÇÃO: O CASO DAS ADMINISTRAÇÕES TRIBUTÁRIAS ESTADUAIS DO BRASIL Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado em Administração de Empresas da Universidade de Fortaleza como requisito parcial para obtenção do Título de Mestre em Administração de Emprasas. Orientador: Prof. Francisco Correia de Oliveira, PhD. FORTALEZA 2009

3 S237n Santos Filho, Joselias Lopes dos. Na corda bamba da terceirização: o caso das administrações tributárias estaduais do Brasil / Joselias Lopes do Santos Filho f. Dissertação (mestrado) Universidade de Fortaleza, Orientação: Prof. Francisco Correia de Oliveira, PhD. 1. Terceirização. 2. Administração tributária. 3. Setor público. 4. Tecnologia da informação. I. Título. CDU

4 JOSELIAS LOPES DOS SANTOS FILHO NA CORDA BAMBA DA TERCEIRIZAÇÃO: O CASO DAS ADMINISTRAÇÕES TRIBUTÁRIAS ESTADUAIS DO BRASIL Dissertação julgada e aprovada para obtenção do Título de Mestre em Administração de Empresas da Universidade de Fortaleza. Área de Concentração: Estratégia e Gestão Organizacional Linha de Pesquisa: Gestão Pública, Social e Ambiental Data de Aprovação: 22/11/2005 Banca Examinadora: Prof. PhD. Francisco Correia de Oliveira (Orientador/UNIFOR) Prof. Dr. Érico Veras Marques (Membro/UNIFOR) Prof. Dr. Samuel Façanha Câmara (Membro/UECE)

5 Aos meus pais: Joselias Lopes dos Santos (in memoriam), pela sua determinação, honestidade, coragem e amor à família; e Gemima da Silva dos Santos, um exemplo de mãe, esposa e ser humano, pela sua luz, amor, força, dedicação à família, fé e alegria de viver.

6 AGRADECIMENOS Ao meu orientador, Prof. Dr. Francisco Correia de Oliveira, pelo apoio, paciência, sabedoria e habilidade demonstrados ao longo do desenvolvimento deste trabalho. Ao Prof. Dr. Sérgio Forte, Coordenador do Mestrado, pela determinação, entusiasmo e incentivo à pesquisa científica. Aos professores do Curso de Mestrado, pelos ensinamentos e contribuição para o aprendizado de todos os alunos. A todos os colegas da turma IX, pelo espírito de equipe e companheirismo, em especial aos amigos Vidal e Eduardo. Aos colegas da Secretaria do Mestrado Adriana, Socorro e Narciso, pela atenção e presteza e apoio logístico em todas as horas. Aos gestores de TI das Administrações Tributárias Estaduais do Brasil que contribuíram para esta pesquisa. A todos os que fazem a área de TI da Secretaria da Fazenda do Estado do Ceará, em especial aos meus chefes e companheiros Aguilberto Júnior e Marta Vieira, e minha amiga Lúcia Cleide pela compreensão e incentivo durante o Mestrado. trabalho. Ao Prof. Dr. Sidney Silva Dias pela solidariedade, atenção e contribuição dada a este À minha mãe, irmãos e sobrinhos, que são as pessoas que mais amo nesta vida, pelo incentivo, solidariedade, apoio e, acima de tudo, tolerância, presentes durante o Curso de Mestrado.

7 A todos os meus amigos, dos quais tive que ficar distante no decorrer desta jornada, pelo incentivo, apoio e compreensão. A Deus e a Jesus Cristo pela possibilidade de iniciar e terminar este trabalho, e nos quais busquei inspiração e fé para superar todos os obstáculos durante esses longos meses de dedicação ao Mestrado.

8 SANTOS FILHO, Joselias Lopes dos. Na Corda Bamba da Terceirização: o caso das administrações tributárias estaduais do brasil f. Dissertação (Mestrado em Administração de Empresas) Universidade de Fortaleza-UNIFOR, CMA, Fortaleza, Perfil do autor: Bacharel em Ciência da Computação pela Universidade Federal do Ceará - UFC/1990. Auditor do Tesouro Estadual da Secretaria da Fazenda do Estado do Ceará. RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) é um elemento estratégico para a modernização e aumento da eficiência dos governos, de quem a sociedade tem exigido mais transparência e melhores serviços. Nesse contexto, com o objetivo de analisar os riscos da terceirização de TI, desenvolveu-se uma pesquisa descritiva, de natureza qualitativa e quantitativa, com base no método de levantamento de dados survey, envolvendo as Administrações Tributárias Estaduais do Brasil. Os resultados desse estudo revelam que as organizações investigadas utilizam largamente a terceirização em diversas funções de TI, tanto operacionais quanto estratégicas, tendo em vista o reduzido número de servidores nas equipes técnicas internas e as dificuldades das companhias estaduais de processamento para atenderem às demandas urgentes. Mostram, ainda, que a Segurança da informação (inclusive sigilo fiscal) é o principal dentre todos os fatores de risco considerados relevantes, e que a não implementação de uma efetiva política de terceirização de TI seletiva potencializa os fatores de risco desse processo e deixa essas organizações sujeitas a resultados indesejáveis. Assim, a pesquisa revela que o modelo de terceirização de TI adotado nas Administrações Tributárias Estaduais do Brasil precisa ser revisto. Palavras-chaves: Terceirização. Tecnologia da Informação. Risco. Administrações Tributárias. Setor Público

9 ABSTRACT Information Technology (IT) is a strategic element for modernization and productivity enhancement in today's governmental affairs and service work. Besides that, IT facilitates the crucial role of transparency and accountability demanded by society. In the global context of IT outsourcing risk analysis, this paper aims to serve as a qualitative and quantitative measurement based upon a survey, conducted by the State Tax Administration in Brazil. The results show that a variety of IT services and functions, in both strategic and operational levels, are being outsourced by the regional governmental agencies. The outsourcing is primarily due to 2 factors: 1) the low number of governmental staff members, and 2) the difficulties caused by the State Data Processing Companies growing failure to meet its clients' demand. The research also reveals, among all of the other relevant factors, that the main risk (besides fiscal secrecy) is the safety of the information. In addition, when attention is not given, concerning the implementation of an IT selective outsourcing policy program, risk factors end up being potentialized as well as bringing along unexpected outcome for the organizations involved in the process. Thus, this study states that the IT outsourcing models in the field of the government tax system need to be rethought. Keywords: Outsourcing. Information Technology. Tax Collection Offices. Risk. Public Sector.

10 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Quadros Página 1 Relação de empresas estaduais de processamento de dados Definições de parceria Mudanças no ambiente empresarial, a partir da década de Fatores motivadores para a terceirização de TI Motivos para terceirização de TI Razões para terceirização de TI Funções de TI terceirizadas Fatores de risco na terceirização de TI Componentes da exposição ao risco na terceirização de TI Inserção das administrações tributárias no marco de referência Variáveis de pesquisa Categorização Fatores e características da terceirização de TI, agrupados conforme as variáveis de pesquisa e as categorias temáticas definidas, com numeração, abreviação, descrição completa dos fatores Fatores da categoria características da área de TI Fatores da categoria motivadores para a eliminação ou redução da terceirização de TI Fatores da categoria abrangência da terceirização de TI Fatores da categoria motivadores para a opção pela terceirização da área de TI Fatores da categoria características do processo licitatório e da gestão de contratos de terceirização de TI Fatores da categoria riscos da terceirização de TI Fatores da categoria estratégias para combater os fatores de risco da terceirização de TI

11 Gráficos Página 1 Evolução dos serviços potenciais disponíveis, por faixa quantitativa Características da área de TI, nas organizações fazendárias Características da área de TI, considerando as visões dos gerentes do nível estratégico e do nível tático Fatores motivadores para a eliminação ou redução da terceirização, nas organizações fazendárias Fatores motivadores para a eliminação ou redução da terceirização, considerando as visões dos gerentes do nível estratégico e do nível tático Abrangência da terceirização em atividades/funções de TI, nas organizações fazendárias Abrangência da terceirização em atividades/funções de TI, considerando as visões dos gerentes do nível estratégico e do nível tático Fatores motivadores para a opção pela terceirização de TI, nas organizações fazendárias Fatores motivadores para a opção pela terceirização de TI, considerando as visões dos gerentes do nível estratégico e do nível tático Características do processo licitatório e da gestão de contratos de terceirização de TI, nas organizações fazendárias Características do processo licitatório e da gestão de contratos de terceirização de TI, considerando as visões dos gerentes do nível estratégico e tático Criticidade dos potenciais fatores de risco da terceirização de TI, nas organizações fazendárias Criticidade dos fatores de risco da terceirização de TI, considerando as visões dos gerentes do nível estratégico e do nível tático Estratégias utilizadas para a eliminação ou minimização dos fatores de risco da terceirização de TI, nas organizações fazendárias Estratégias utilizadas para a eliminação ou minimização dos fatores de risco da terceirização de TI, considerando as visões dos gentes do nível estratégico e do nível tático

12 LISTA DE TABELAS Página 1 Evolução da quantidade de serviços disponibilizados na Internet, de acordo com o Anexo A Distribuição dos questionários, por grupo gerencial Participação dos órgãos, na pesquisa, por grupo gerencial Distribuição dos respondentes da pesquisa, por região do Brasil Tempo de experiência dos respondestes na organização onde trabalham Tempo total de experiência dos respondentes, na área de TI Predominância de características da área de TI Fatores motivadores para a eliminação ou redução da terceirização de TI Abrangência da terceirização em atividades/funções de TI Fatores motivadores para a opção pela terceirização de TI Características do processo licitatório e da gestão de contratos de terceirização de TI Criticidade dos potenciais fatores de risco da terceirização de TI Estratégias utilizadas para a eliminação ou minimização dos fatores de risco do processo de terceirização de TI Predominância de características da área de TI, considerando as visões dos gerentes do nível estratégico e do nível tático Fatores motivadores para a eliminação ou redução da terceirização TI, considerando as visões dos gerentes do nível estratégico e do nível tático Abrangência da terceirização em atividades/funções de TI, considerando as visões dos gerentes do nível estratégico e do nível tático Fatores motivadores para a opção pela terceirização de TI, considerando as visões dos gerentes do nível estratégico e do nível tático Características do processo licitatório e da gestão de contratos de terceirização de TI, considerando as visões dos gerentes do nível estratégico e do nível tático Criticidade dos potenciais fatores de risco da terceirização de TI, considerando as visões dos gerentes do nível estratégico e do nível tático

13 20 Estratégias utilizadas para a eliminação ou minimização dos fatores de risco do processo de terceirização de TI, considerando as visões dos gerentes do nível estratégico e do nível tático

14 SUMÁRIO Página INTRODUÇÃO CENÁRIO DA TERCEIRIZAÇÃO Abordagem Histórica Origens e Evolução da Terceirização A terceirização de TI no Setor Público A Escolha do Fornecedor Contratos e Relacionamentos Aspectos Legais da Terceirização Da Responsabilidade Solidária e das Questões Trabalhistas A Lei de Responsabilidade Fiscal LRF, e as Despesas com Pessoal Responsabilidade Legal do Trabalhador Terceirizado A OPÇÃO PELA TERCEIRIZAÇÃO DE TI O Papel da TI nas Organizações Por Que Terceirizar? O Que Terceirizar? Terceirização de TI e Competências Essenciais Riscos do Processo de Terceirização A Teoria da Agência A Teoria do Cliente A Teoria do Custo da Transação Fatores de Risco Associados a Resultados Indesejáveis Segurança da Informação Estratégias para o Gerenciamento dos Riscos A Terceirização de TI no Setor Público e o Neoliberalismo Algumas Lições O Caminho que Conduz à Terceirização de TI, nas Administrações Tributárias Estaduais do Brasil PERCURSO METODOLÓGICO Caracterização do Tipo de Pesquisa

15 3.2 Determinação da População-Alvo Definição das Fontes de Dados, Métodos e Técnicas de Coleta Técnicas de Análise dos Dados e Ferramentas Utilizadas Período da Pesquisa ANÁLISE DOS RESULTADOS DA PESQUISA Características dos Gerentes e das Organizações Participantes Questões de 1 a Análise das Respostas às Questões de Número 6 a Características da Área de TI Fatores Motivadores para a Eliminação ou Redução da Terceirização de TI Abrangência da Terceirização em Atividades/Funções de TI Fatores Motivadores para a Opção pela Terceirização de TI Características do Processo Licitatório e da Gestão de Contratos de Terceirização de TI Criticidade dos Potenciais Fatores de Risco da Terceirização de TI Estratégias Utilizadas para a Eliminação ou Minimização de Fatores de Risco do Processo de Terceirização de TI Análise Conjunta das Variáveis de Pesquisa CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICE A Questionário APÊNDICE B Ofício SEXEC N 261/ APÊNDICE C Tabelas com Medianas, Médias e Respostas das Organizações Participantes da Pesquisa às Questões de Número 6 a 110 (Valores Ordenados da Direita para a Esquerda) APÊNDICE D Tabelas com Medianas e Médias das Respostas às Questões de Número 6 a 110, Considerando a Visão dos Gerentes do Nível Estratégico e do Nível Tático ANEXO A PNAF - Web Sites de Administrações Tributárias Estaduais e DF. E- Fisco Serviços Disponíveis aos Contribuintes por meio de Internet. Terceiro Benchmark Setembro de

16 15 INTRODUÇÃO Este trabalho aborda peculiaridades e impactos da política de terceirização que as Administrações Tributárias Estaduais do Brasil adotam para a área de Tecnologia da Informação-TI. A opção pela terceirização é utilizada amplamente por muitas empresas, em praticamente todas as atividades e setores do mercado, como modelo de contratação de serviço na área de informática. No Brasil, esse fenômeno vem se estabelecendo de forma gradativa e tende a crescer ainda mais nos próximos anos. Por que terceirizar TI? Essa não é uma questão simples de se responder. Estudos sugerem que os principais fatores estratégicos na decisão de uma empresa para terceirizar Tecnologia da Informação-TI, concentram-se em aspectos relacionados a custos, inovação tecnológica e melhor performance. No setor público, dentre os pontos comumente levantados, como a redução de custos, melhor qualidade do serviço prestado por uma empresa especializada no assunto, direcionamento do foco da organização para suas atividades fins, podem ser citados, ainda, os seguintes motivadores para a terceirização de TI: rigidez na estrutura de cargos e salários da administração pública; e a impossibilidade de ajustar os quadros, devido à estabilidade dos servidores, que impede demissões, mesmo quando se constata uma situação onde há excedente, bem como pela forma de ingresso na carreia pública, por meio de concurso, que pode tomar muito tempo e, nem sempre, garante a seleção dos profissionais mais adequados para a área de TI (LEITE, 1995, p ). Sob a influência de idéias que emergiram do Consenso de Washington e do pensamento neoliberal, a bandeira da terceirização ganhou força durante os anos 90, encontrando condições favoráveis para seu desenvolvimento no Brasil, durante o período do governo Collor (FERRAZ, 2001). Entre os fatos marcantes daquela gestão, destaca-se a bem articulada campanha para se distorcer fortemente a imagem do servidor público no país (ALENCAR; VIEIRA, 2003).

17 16 Nos oito anos do governo FHC, que sucedeu a gestão Collor, a terceirização continuou a ser impulsionada. O fenômeno das privatizações também ganhou força com a proliferação das idéias neoliberais, não só aqui no Brasil, mas em vários outros países, e levou muitos governos a promoverem a redução e o enxugamento da máquina estatal (FERRAZ, 2001). O povo brasileiro viu o governo entregar a investidores nacionais e internacionais o controle de grandes empresas nacionais, de áreas como telecomunicação e energia tudo em nome da eficiência e da modernidade da máquina estatal. Uma análise superficial da questão implica sérios riscos, se, na hora de decidir ou não pela opção da terceirização, a organização não dispõe de todas as informações necessárias. Na prática, a obtenção dos prometidos benefícios que a terceirização de TI traz pode frustrar as expectativas dos dirigentes das organizações e revelar surpresas nada agradáveis, provenientes de algumas armadilhas escondidas nesse processo. As organizações devem dispor de instrumentos adequados que possibilitem a definição de indicadores que lhes forneçam os necessários subsídios na hora de decidir se a terceirização de uma determinada atividade é ou não vantajosa, levando-se em conta a relação custo/benefício dessa decisão. Para que seja feita uma avaliação mais precisa e profunda, devem ser considerados, além de elementos tangíveis, aspectos intangíveis relacionados ao problema que, por muitas vezes, são totalmente deixados de lado ou subestimados. A tônica do discurso que prega a incontestável redução de custos decorrente do processo de terceirização de TI ganha força entre os governantes e gestores do setor público. A proliferação dessa idéia encontrou abrigo em um cenário marcado pela instabilidade econômica e pela crise financeira que tem afetado as administrações públicas municipais, estaduais e o Governo Federal, historicamente afamadas por causa dos gastos excessivos. Ainda que sob a polêmica influência do Fundo Monetário Internacional - FMI, só a partir da década de 90 os governos passaram a receber uma maior imposição de controle nos seus gastos com a edição da Lei de Responsabilidade Fiscal-LRF (FERRAZ, 2001). A palavra de ordem é economizar - a qualquer custo. Nessa perspectiva, a tão almejada redução de custo, traduzida pela simples comparação entre os custos diretos do serviço prestado com a própria estrutura da organização e os custos advindos de um contrato de prestação de serviços com uma empresa de TI, pode não se

18 17 concretizar, ou mesmo levar a organização a perceber que a opção pela terceirização é, de alguma forma, mais onerosa. É primordial a utilização de TI para a modernização do governo e melhoria dos serviços prestados à sociedade. Entretanto, há escassez de estratégias de informatização adequadas à realidade do governo, pois a literatura que trata desse assunto aborda, essencialmente, modelos tradicionais de administração de informática construídos com base na realidade das empresas do setor privado (REINHARD; ZWICKER, 2004, p. 1). Assim, existem elementos intangíveis, mas relevantes para a tomada de decisão em relação a terceirização no setor público. Dentre os elementos intangíveis poderiam ser citados: valor de informações, sigilosas ou não, ao alcance de terceiros; imagem/credibilidade da instituição perante a sociedade; redução ou perda da autonomia do contratante sob a execução ou gestão dos serviços contratados; valor do conhecimento gerado e interiorizado pelos terceirizados. A partir do contexto acima, surge o problema que incita esta pesquisa: Quais os impactos da terceirização da Tecnologia da Informação, nas Administrações Tributárias Estaduais do Brasil? A pesquisa busca responder este problema colocando como objetivo geral analisar os riscos da terceirização da TI, nas Administrações Tributárias Estaduais do Brasil. Os objetivos específicos estão assim definidos: a) Verificar os fatores que levaram as organizações fazendárias a terceirizarem atividades/funções vinculadas à TI; b) Verificar a abrangência do uso da terceirização em atividades/funções vinculadas à TI, nessas organizações; c) Identificar os principais fatores de risco associados ao processo de terceirização de TI, considerando aspectos legais, a gestão de contratos, o controle de custos, e a preservação das competências essenciais dessas organizações; d) Verificar quais as estratégias adotadas, por essas organizações, para se combater os fatores de risco associados ao processo de terceirização de TI. Com o intuito de atingir os objetivos da pesquisa, levantam-se dois conjuntos de hipóteses. O primeiro, denominado de conjunto de hipóteses H A (H A1, H A2, H A3 ), indica que a Expectativa de redução de custos, a Necessidade de concentrar esforços no negócio principal da organização e o Desejo de garantir a atualização tecnológica foram os fatores mais

19 18 relevantes que motivaram a terceirização de atividades vinculadas à TI, nas Administrações Tributárias Estaduais do Brasil. O segundo, denominado de conjunto de hipóteses H B (H B1, H B2, H B3 ), mostra que Problemas de mensuração de custos, Proximidade entre as atividades/funções terceirizadas e as competências essenciais da organização, e Segurança da informação (inclusive sigilo fiscal) são os fatores de risco mais relevantes decorrentes da política de terceirização de atividades vinculadas à TI, nas Administrações Tributárias Estaduais do Brasil. O estudo discute aspectos relevantes das políticas de terceirização de TI adotadas pelos fiscos estaduais, analisando os fatores de risco associados à adoção indiscriminada dessa prática. Mesmo compartilhando de objetivos e metas em comum, inerentes ao papel que o fisco estadual deve desempenhar, cada órgão fazendário está inserido em uma realidade sóciopolítico-econômica e tecnológica específica, o que propicia a configuração de contextos muito particulares que não comportam tão-somente uma avaliação puramente objetiva, mas também uma análise crítica capaz de ir mais além e trazer à tona o que não está explícito. A pesquisa baseia-se no método de levantamento de dados survey. A população-alvo é composta pelos órgãos da Administração Tributária dos vinte e seis estados brasileiros e do Distrito Federal, sendo que a principal fonte de coleta de dados utilizada constitui-se de um questionário estruturado, contendo perguntas, em quase sua totalidade, fechadas, aplicado aos gerentes de TI do nível estratégico e do nível tático, que são as pessoas que vivenciam diariamente as questões relacionadas à terceirização na área de TI dessas organizações. Faz uso da pesquisa de campo, descrevendo as características do fenômeno estudado com enfoque qualitativo e quantitativo, e da observação participante, associada ao trabalho diário do pesquisador como gerente que atua na área de TI de uma Secretaria de Fazenda Estadual. A pesquisa utiliza o software SPHINK, para o tratamento dos dados, consolidação, agregação e cruzamento de informações. Utiliza, também, recursos da planilha eletrônica EXCEL, para elaboração de planilhas e geração de gráficos, além de mapas de associação de idéias, para apoiar a análise de conteúdo. A principal justificativa para a realização desta pesquisa é a relevância do tema terceirização de TI que, mesmo não sendo um assunto recente, ainda está longe de ser esgotado, especialmente em se tratando do setor público que carece de mais estudos direcionados à compreensão desse fenômeno, que envolve cifras elevadas e interesses

20 19 diversos governo, empresas públicas e privadas de tecnologia, servidores e sociedade. O desenvolvimento desse estudo contribui para um melhor entendimento acerca da realidade das Administrações Tributárias Estaduais do Brasil, estimulando o debate em torno da política de terceirização de TI, no ambiente dessas organizações que ocupam um lugar de destaque na esfera governamental, seja como instrumento fiscalizador e arrecadador de recursos necessários ao desenvolvimento do Estado e atendimento das necessidades da sociedade, seja como importante agente responsável pela prestação de serviços para contribuintes e cidadãos. A esperada redução de custos e o ganho em performance e eficiência advindos da terceirização de TI, realidade ou mito, precisam ser investigados e questionados, abrindo espaço para a discussão em torno dos fatores de risco envolvidos. Desta forma, os resultados desse estudo podem ser úteis como instrumento de apoio para a análise da política de terceirização de TI vigente nas organizações fazendárias, da origem à prática vivenciada pelos gestores envolvidos nesse processo, oferecendo a oportunidade de compartilhamento de experiências úteis, em especial para quem participa da gestão da terceirização e também para aqueles que têm o poder de decidir os rumos da área de TI, nesses órgãos e em outros das esferas do governo. O estudo proposto justifica-se, ainda, pelo fato de que os assuntos relacionados à TI estão sendo objeto de discussão dentro e fora da academia. Existe também, de forma ascendente, um maior interesse das pessoas por temas relacionados ao setor público. As sociedades modernas têm demonstrado muita preocupação e, quase inevitavelmente, uma maior cobrança em relação ao que acontece no cenário da administração pública, exigindo do governo uma gestão mais transparente, maior efetividade e qualidade na prestação de serviços, com a otimização das despesas e o uso racional dos recursos disponíveis (SILVA, 2004). A apresentação da pesquisa é constituída por dois capítulos teóricos. O primeiro descreve o cenário da terceirização, apresentando: uma abordagem histórica sobre o processo de terceirização, com sua origem e evolução, além de uma explanação sobre a terceirização de TI no setor público; em seguida, discutem-se aspectos legais da terceirização relacionados ao processo licitatório e aos contratos, à responsabilidade solidária e às questões trabalhistas, à Lei de Responsabilidade Fiscal-LRF, e à responsabilidade legal do trabalhador terceirizado. O segundo capítulo aborda a opção pela terceirização na área de TI, discutindo os motivos que

21 20 levam à terceirização, as atividades e funções que devem ou não ser terceirizadas nessa área; os riscos envolvidos nesse processo, a terceirização de TI e o neoliberalismo e, por último, o caminho que conduz à terceirização de TI nas Administrações Tributárias Estaduais no Brasil. O terceiro capítulo descreve o percurso metodológico seguido na pesquisa, apresentando os objetivos a serem alcançados, as hipóteses formuladas, as variáveis de pesquisa, os métodos e instrumentos de coleta de dados e, ainda, as técnicas de análise de dados. O quarto capítulo apresenta os resultados da análise de dados da pesquisa. A conclusão revela que a política indiscriminada de terceirização de TI, nas Administrações Tributárias Estaduais do Brasil, deixa essas organizações sujeitas aos efeitos negativos de fatores de risco associados a esse processo. As dificuldades das companhias estaduais de processamento de dados em atender as organizações dentro das expectativas desejadas, equipes próprias de técnicos reduzidas ou inexistentes, e a urgência no atendimento das demandas de TI são os principais motivadores para opção da terceirização de TI, nos órgãos fazendários. A pesquisa indica, ainda, que Segurança da informação (inclusive sigilo fiscal) é o mais importante dentre todos os fatores de risco relevantes, associados ao modelo de terceirização de TI adotado nas organizações investigadas. A abrangência do processo de terceirização de TI, envolvendo, inclusive, atividades mais próximas às competências essenciais das organizações, objeto desse estudo, potencializa os fatores de risco e propicia a ocorrência de resultados indesejáveis, que são prejudiciais a essas organizações. A idéia de que estão sendo implementadas as estratégias necessárias para combater esses fatores pode levar à conclusão equivocada de que, apesar dos riscos envolvidos no processo de terceirização de TI, os órgãos fazendários estão protegidos, quando de fato não estão. Conclui-se que um modelo de gestão de TI que combine a participação mais efetiva de funcionários de carreira e o uso da terceirização é mais adequado e menos arriscado para essas organizações do que o modelo atual. As funções mais críticas e mais próximas das competências essenciais das organizações, nesse novo modelo, devem ficar realmente sob o domínio dos servidores; e as demais podem ser terceirizadas, desde que sejam observados os cuidados discutidos nesta pesquisa.

22 21 1 CENÁRIO DA TERCERIZAÇÃO Este capítulo apresenta o cenário da terceirização. Traz, inicialmente, uma abordagem histórica sobre o processo de terceirização, sua origem e evolução, além de uma explanação sobre a terceirização de TI, no setor público. Em seguida, apresenta aspectos relacionados à escolha do fornecedor e à gestão de contratos de terceirização, discutindo aspectos contratuais e de relacionamento. Por último, discute aspectos legais da terceirização, relacionados à responsabilidade solidária e às questões trabalhistas, à Lei de Responsabilidade Fiscal, e à responsabilidade legal do trabalhador terceirizado. 1.1 Abordagem Histórica Existem muitas definições do que seria terceirização. Pinto e Pamplona Filho (2000, p. 500) conceituam a terceirização como "a transferência de segmento ou segmentos do processo de produção da empresa para outras de menor envergadura, porém de maior especialização na atividade transferida". Por sua vez, Sayão (1992 apud PAMPLONA FILHO, 2001, p. 2) dá a seguinte definição para a palavra terceirização: "vocábulo não dicionarizado, neologismo bem formado, portanto aceitável, construído a partir de terciário, forma erudita, equivalente à popular terceiro". Numa outra perspectiva, Pinto (1997 apud PAMPLONA FILHO, 2001) afirma que: [...] o neologismo, embora tenha sido aceito com foros de irreversível, não expressa, por via de nenhuma das derivações, a idéia do que pretende passar, ou porque a empresa prestadora não é terceiro e sim parceiro, no sentido de contratante direto com a tomadora, nem os empregados de cada uma são terceiros perante elas, ou porque a atividade de apoio não é obrigatoriamente terciária, podendo ser secundária ou até mesmo primária. O que se está tratando, sob essa nova denominação, é apenas de um contrato de prestação de serviço de apoio empresarial, que exprimirá, decerto, com mais eloqüência e precisão, seu conteúdo e sua finalidade com o batismo de contrato de apoio empresarial ou, igualmente, contrato de atividade de apoio. (PINTO, 1997 apud PAMPLONA FILHO, 2001, p. 2). Do ponto de vista dogmático, entretanto, a terceirização pode ser conceituada como uma forma de intermediação de mão-de-obra, de grande utilização na sociedade contemporânea, consistente na contratação por determinada empresa, de serviços de terceiros,

Outsourcing e Terceirização

Outsourcing e Terceirização ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Estratégia de Negócios em TI (Parte 4) Outsourcing e Terceirização Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr Definições Processo de gestão pelo qual se

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios

O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios 10 de Novembro de 2011 2º Congresso de Gestão do Ministério Público Informação confidencial e de propriedade da Macroplan Prospectiva

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI Seminário Metas do Plano e dos Sistemas Municipal, Estadual e Nacional de Cultura Vitória-ES 05/Dez/2011 Secretaria de Articulação Institucional SAI A Construção

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ. Curso. Disciplina. Professor. rubemboff@yahoo.com.br. Aulas: 4 e 5/5/2007

FACULDADE DE CUIABÁ. Curso. Disciplina. Professor. rubemboff@yahoo.com.br. Aulas: 4 e 5/5/2007 FACULDADE DE CUIABÁ Curso GESTÃO PÚBLICA Disciplina GESTÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Dr. RUBEM JOSÉ BOFF, Ph.D. rubemboff@yahoo.com.br Aulas: 4 e 5/5/2007 Dr. Rubem José Boff, Ph.D. Cuiabá-MT,

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF. Selene Peres Peres Nunes

Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF. Selene Peres Peres Nunes Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF Selene Peres Peres Nunes 03/8/2015 Por que avaliação de custos no setor público? possível realocação orçamentária (uso no orçamento) onde podem ser realizados

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação IFTI1402 T25 A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS Marcelo Eustáquio dos Santos

Leia mais

Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR. República Federativa do Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento

Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR. República Federativa do Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento TERMO DE REFERÊNCIA Projeto BRA/97/032 Coordenação do Programa de Modernização Fiscal dos Estados Brasileiros - PNAFE Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR entre a República Federativa do Brasil e o Banco

Leia mais

Uma Nova Agenda para a Reforma do

Uma Nova Agenda para a Reforma do Uma Nova Agenda para a Reforma do Setor Saúde: Fortalecimento das Funções Essenciais da Saúde Pública e dos Sistemas de Saúde FORO REGIONAL ANTIGUA/GUATEMALA 19-22 DE JULHO DE 2004 PERSPECTIVAS NACIONAIS

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica)

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) No decorrer da execução do Projeto, e tão logo sejam definidos os perfis dos consultores necessários para a consecução dos produtos

Leia mais

Outubro de 2012. Proposta para:

Outubro de 2012. Proposta para: Outubro de 2012 - Proposta para: Desafios da Primeira Infância: Proposta na Agenda Municipal_2 _Argumento Existe consenso entre especialistas de que os primeiros anos de vida são um período crucial nas

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV)

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV) 1 Amigos concurseiros, Tendo em visto a iminência da realização de mais um concurso para a Secretaria de Fazenda do Estado RJ (SEFAZ/RJ), vamos analisar as questões de Administração Pública que caíram

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS

IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS Elaine Toldo Pazello FEA-RP / USP epazello@usp.br Instituto Fonte 26/11/2013 Roteiro da apresentação Descrever o cálculo do IDEB, procurando

Leia mais

Experiência Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação FNDE

Experiência Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação FNDE Experiência Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação FNDE Equipe: -Secretária Executiva: Mônica Messemberg Guimarães Tel.: (61) 212-4806 / 212-4812 Fax: (61)

Leia mais

Gestão Colaborativa em Segurança Corporativa. Junho 12. Consultoria Trading Serviços. Copyright NSA Brasil

Gestão Colaborativa em Segurança Corporativa. Junho 12. Consultoria Trading Serviços. Copyright NSA Brasil Junho 12 Consultoria Trading Serviços S ã o P a u l o - B u e n o s A i r e s - M e x i c o C i t y - W a s h i n g t o n - U n i t e d K i n g d o m - C o t e D ' A z u r Research for the Future Gestão

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015 SELEÇÃO PARA ENSINO PROFISSIONAL INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO, EM REGIME INTEGRAL COM DURAÇÃO DE 3 ANOS, DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015 INFORMAÇÕES

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação.

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação. PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL PNEF 1 Antecedentes Historicamente, a relação fisco e sociedade, foram pautadas pelo conflito entre a necessidade de financiamento das atividades estatais e o retorno

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Unidade de Coordenação do PROFAZ/ES

Unidade de Coordenação do PROFAZ/ES Governo do Estado do Espírito Santo Secretaria de Estado da Fazenda do Espírito Santo Subsecretaria de Estado da Receita Subsecretária do Tesouro Estadual Subsecretário de Estado para Assuntos Administrativos

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS 1º MÓDULO: SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS Economia e Sociedade do Conhecimento: Conceitos básicos: economia da informação e conhecimento. Investimentos tangíveis e intangíveis. Gestão do Conhecimento e

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - PNEF A EDUCAÇÃO FISCAL COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA CONTEXTO Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

I Fórum Nacional Conjunto Consad Conseplan - Confaz

I Fórum Nacional Conjunto Consad Conseplan - Confaz I Fórum Nacional Conjunto Consad Conseplan - Confaz Avanços do trabalho desenvolvido no âmbito do Ciclo de Debates sobre Relações Público-Privadas e Compras Públicas Estaduais 13 de novembro de 2014 Relações

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações.

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações. PRONUNCIAMENTO DO MINISTRO EDUARDO CAMPOS NA SOLENIDADE DE INSTALAÇÃO DA III ASSEMBLÉIA GERAL DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE PARLAMENTARES PARA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (IPAIT), NA CÂMARA DOS DEPUTADOS,

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC.

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC. PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC. César Gomes de Freitas, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre, Campus Cruzeiro do Sul/Acre, Brasil

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX

Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX 1. Resumo Executivo Disponibilizar acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) da CELEPAR, baseado nas

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Carreiras do Futuro. Profa. Renata Giovinazzo Spers FEA-USP. São Paulo, 11 de junho de 2013

Carreiras do Futuro. Profa. Renata Giovinazzo Spers FEA-USP. São Paulo, 11 de junho de 2013 Carreiras do Futuro Profa. Renata Giovinazzo Spers FEA-USP São Paulo, 11 de junho de 2013 Previsão, Planejamento e Ação Estruturada para Criar o Futuro Pesquisas Abertas sobre Tendências e Futuro (desde

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

valorização profissional e pessoal dos Associados SERVIDORES EFETIVOS DAS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDERAIS

valorização profissional e pessoal dos Associados SERVIDORES EFETIVOS DAS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDERAIS valorização profissional e pessoal dos Associados SERVIDORES EFETIVOS DAS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDERAIS ANER SEDE ANER SHIS QI 23 Conjunto 13 casa 19 Lago Sul Brasília - DF Entidade sem fins lucrativos,

Leia mais

Governança de TI no Governo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto

Governança de TI no Governo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto Governança de TI no Governo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto Agenda Agenda Contexto SISP IN SLTI 04/2008 EGTI Planejamento

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis Vamos nos conhecer e definir as diretrizes de nosso curso??? www.eadistancia.com.br

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO EFMP PROF: Edson Marcos da Silva CURSO: Técnico em Administração Subsequente TURMAS: 1º Ano APOSTILA: nº 1 SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL Sistemas de Informação Campo

Leia mais

Parte A: Documentação e Legislação Básicas da Gestão Fiscal

Parte A: Documentação e Legislação Básicas da Gestão Fiscal QUESTIONÁRIO PARA AS AUTORIDADES NACIONAIS TRANSPARÊNCIA NA GESTÃO DAS RECEITA DOS RECURSOS NATURAIS O objetivo deste questionário é colher informações sobre a gestão dos recursos naturais, com ênfase

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011

Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 1 Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 2 Planejamento Estratégico Nacional do

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

Os obstáculos da aplicação de TI nas pequenas empresas

Os obstáculos da aplicação de TI nas pequenas empresas Os obstáculos da aplicação de TI nas pequenas empresas Ricardo Roberto de Lima UNIBRATEC-PB João Pessoa - PB ricardoricrob@hotmail.com RESUMO O referido artigo visa ilustrar, de forma prática e rápida,

Leia mais

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já A Sombra do Imposto Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já Expediente A Sombra do Imposto Cartilha produzida pelo Sistema Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná).

Leia mais

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT LONDRINA - PR 2015 ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT Trabalho de Conclusão

Leia mais

FRANQUIA HOME OFFICE

FRANQUIA HOME OFFICE FRANQUIA HOME OFFICE SUMÁRIO QUEM SOMOS PREMIAÇÕES ONDE ESTAMOS NOSSO NEGÓCIO MULTIMARCAS MULTISERVIÇOS PERFIL DO FRANQUEADO VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE TURISMO DESCRITIVO DO INVESTIMENTO PROCESSO DE SELEÇÃO

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES

ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES Em atendimento à Decisão Normativa TCU no. 96 de 04/03/2009, especificamente quanto ao conteúdo expresso em seu Anexo II, letra A, item 16, cabe registrar as seguintes atividades:

Leia mais

Portnet: SAP Business One prepara empresa para crescimento contínuo

Portnet: SAP Business One prepara empresa para crescimento contínuo Franklin Xavier Klabin, São Paulo, SP/Brasil. Used with permission. Portnet: SAP Business One prepara empresa para crescimento contínuo Geral Executiva Nome da Portnet Informática Equipamentos Indústria

Leia mais