PREVDORT - Projeto de Prevenção de DORTs

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREVDORT - Projeto de Prevenção de DORTs"

Transcrição

1 1 PREVDORT - Projeto de Prevenção de DORTs 1. RESUMO Sara Cristina Freitas de Oliveira O PREVDORT - Projeto de Prevenção de DORTs é um projeto vinculado à Diretoria de Programas Comunitários da Pró- Reitoria de Extensão, que atua na promoção da Saúde Laboral dos funcionários da própria Universidade, buscando a qualidade de vida no trabalho, através de medidas que visam eliminar ou minimizar os fatores de risco nos ambientes de trabalho da comunidade interna da Universidade, que levam ou contribuem para o aparecimento de DORTs (Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho) e dores na coluna vertebral. Busca também estimular a participação e o envolvimento de alunos, desenvolver o espírito científico ao fomentar a pesquisa na área de Saúde do Trabalhador, e, através de atividades práticas, o aprimoramento e o desenvolvimento de um futuro profissional voltado para a atenção primária em saúde. 2. INTRODUÇÃO No Brasil, as empresas estão gastando R$ 12,5 bilhões por ano apenas com os acidentes de trabalho e doenças profissionais que poderiam ser evitados. Além do seguro pago à Previdência, as empresas perdem R$ 10 bilhões por ano com o tempo perdido, primeiros socorros, destruição de equipamentos e materiais, interrupção da produção, substituição de trabalhadores, perda da experiência do trabalhador afastado, treinamento de outros trabalhadores para substituir o lesionado, horas extras, recuperação de empregados, salários pagos a trabalhadores afastados, despesas administrativas, gastos com medicina etc. Assim, como afetam o custo de produção, os acidentes e doenças do trabalho elevam os preços dos produtos e serviços e acabam por diminuírem a capacidade das empresas de competir. O custo para o Brasil é ainda maior, uma vez que as pessoas atingidas e suas famílias também enfrentam despesas pelo menos iguais ao custo segurado,além da dor, das frustrações, da perda de dignidade e do trabalho. De forma que, a conta para a sociedade, como um todo, sobe para R$ 15 bilhões ( PASTORE, 2005) A Norma Técnica do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), Ordem de Serviço 606, de 05/08/1998 (Brasil/Diretoria do Seguro Social, 1998), conceitua DORT (Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho), que substitui o termo para LER (Lesões por Esforços Repetitivos),como uma síndrome clínica caracterizada por dor crônica, acompanhada ou não por alterações objetivas e que se manifesta principalmente no pescoço, cintura escapular e/ou membros superiores em decorrência do trabalho, podendo afetar tendões, músculos e nervos periféricos. No Brasil estes distúrbios já constituem atualmente, a segunda maior causa de afastamento de trabalhadores, segundo dados oficiais do Instituto Nacional de Seguridade Social (O NEILL, 2000). Os sinais e sintomas característicos são muitos: dor espontânea ou à movimentação, sensação de fraqueza, cansaço, peso, dormência, formigamentos, alteração de sensibilidade, agulhadas, choques, vermelhidão, calor e edema locais, presença de tumefações, áreas de hipotrofia ou atrofia muscular, entre outros. Diversos fatores podem contribuir para tal variedade de sinais e sintomas: o grande número de afecções incluídas no universo dos DORT ( tenossinovites, Síndrome do Túnel Carpal, tendinites, etc.). Em muitos casos, os problemas serão esclarecidas após um estudo ergonômico da situação de trabalho. A multiplicidade de sintomas e sinais pode ser explicada através de uma análise detalhada da atividade de trabalho, das exigências da tarefa (biomecânicas,cognitivas,organizacionais e ambientais) e das funções que o trabalhador solicita para executá-la (ASSUNÇÃO & ALMEIDA, 2003).

2 Os DORT têm caráter multifatorial e estes fatores que levam ao seu aparecimento são amplamente discutidos pela literatura. O desenvolvimento é multicausal, de forma que é importante analisar os fatores de risco que direta ou indiretamente intervém neste processo (CARDIA & MÁSCULO, 2002). Deliberato (2000) enumera os principais fatores de risco ligados aos DORT: - Fatores Biomecânicos :Posturas estáticas por tempo prolongado; força excessiva na execução da tarefa; compressão mecânica dos tecidos moles; alta repetitividade dos movimentos, mobiliário inadequado. - Fatores Organizacionais: Monotonia excessiva; pressão por produtividade; competição exacerbada; ausência de pausas; ritmo intenso de trabalho - Fatores ambientais : frio, vibração. - Fatores psicoemocionais: desmotivação; afastamento da família; estresse; etc. Além dos DORT s, os distúrbios dolorosos da coluna vertebral, genericamente conhecidos como dorsalgias e lombalgias, são grande fonte de preocupação, pois, segundo Couto (2002) constituem atualmente a maior causa isolada de transtornos à saúde e de absenteísmo relacionado ao trabalho. O MTE (Ministério do Trabalho e Emprego), através da Norma Regulamentadora nº 17 dada pela Portaria nº 3.751, de 23 novembro de 1990, trata do tema Ergonomia e estabelece os parâmetros de adaptação das condições de trabalho às características dos trabalhadores promovendo a segurança, desempenho e satisfação. A Ergonomia, ciência da configuração do trabalho, busca a adequação das condições de trabalho às capacidades e realidades da pessoa que trabalha e tem como principais objetivos : o melhoramento e a conservação da saúde, a satisfação e o bem-estar dos trabalhadores dos trabalhadores na sua relação com os sistemas produtivos, vindo a eficiência como conseqüência (GRANDJEAN, 1997). A ergonomia se constitui na principal forma de prevenção de lombalgias e dorsalgias no trabalho. Estima-se que a adoção de medidas ergonômicas de baixo custo no ambiente de trabalho é capaz de reduzir cerca de 80% a incidência de dores lombares (COUTO, 2002). O prejuízo é grande para as empresas, mas afeta principalmente os funcionários,por serem patologias que em seus estágios mais avançados são altamente dolorosas e incapacitantes. Com base nestas considerações, o Projeto PREVDORT visa eliminar ou minimizar os fatores de risco presentes nos ambientes de trabalho da própria Universidade, fatores estes que levam ou contribuem para o aparecimento de DORTs e algias na coluna vertebral, uma vez que, adotar medidas preventivas significa demonstrar respeito e preocupação com a saúde do trabalhador, aumentando a identificação do funcionário com a Instituição, ao mesmo tempo em que diminui custos com absenteísmo, encargos sociais, perda de produtividade e de qualidade do serviço. 3. OBJETIVOS 3.1. OBJETIVO GERAL Promover saúde laboral e melhoria da qualidade de vida no trabalho no Campus I e Campus II da Universidade, através de medidas que visam principalmente eliminar ou minimizar os fatores de risco presentes nos ambientes de trabalho da Instituição que levam ou contribuem para o aparecimento de DORT s e dores na coluna vertebral OBJETIVOS ESPECÍFICOS: - Realizar análise ergonômica dos postos de trabalho dos setores solicitantes da universidade, visando melhorias das condições gerais de trabalho; - Emitir laudos ergonômicos a partir das análises dos posto de trabalho, com as recomendações para adequação dos postos de trabalho; - Implantar a ginástica laboral nos setores solicitantes da Universidade; 2

3 - Divulgação e distribuição de material científico/informativo nos diversos postos de trabalho; - Realizar educação em saúde do trabalhador, através de aplicação de palestras, cartazes e folhetos informativos nos diversos setores da instituição; - Triagem e acompanhamento dos funcionários com patologias músculo-esqueléticas instaladas, de origem ocupacional, para verificar a necessidade de encaminhá-los ao médico do trabalho do SESMT e ao serviço de Fisioterapia da Instituição, para diagnóstico precoce e aplicação de terapêutica apropriada. - Desenvolver e incutir entre os alunos participantes do projeto (estudantes de educação física e de fisioterapia), o conceito de Promoção da Saúde do Trabalhador, principalmente na Fisioterapia, geralmente preocupada apenas com a reabilitação, esquecendo a prevenção. - Desenvolver e estimular a elaboração de Artigos Científicos e Trabalhos de Conclusão de Curso TCC, (Monografias), envolvendo alunos participantes do projeto; 3 4. ESTRATÉGIAS PARA CONSECUÇÃO DOS OBJETIVOS 4.1. Articulação com ensino e/ou pesquisa - Proporcionar aos alunos dos diversos cursos da Instituição, que participam do Projeto, em atividades teórico-práticas que demandam conhecimentos gerais e específicos das diversas áreas de saúde, através da participação em programas e projetos de pesquisas desde o início de sua formação profissional. - Estimular a participação voluntária de estudantes no Projeto, despertando uma consciência maior para atenção primária em saúde do trabalhador, buscando a prevenção e não apenas a reabilitação das doenças; - Desenvolver e estimular a elaboração de Artigos Científicos e Trabalhos de Conclusão de Curso TCC, (Monografias), envolvendo alunos participantes do projeto; - Participação em Congressos de Ergonomia,Fisioterapia, Saúde do Trabalhador; Qualidade de Vida, Fisioterapia e áreas afins de temas livre e painéis; - Participação em atividades desenvolvidas pela Universidade, como Semana Universitária, Semana Interna de Prevenção de Acidentes (SIPAT), etc. - Integração com o curso de graduação de Fisioterapia e Educação Física, envolvendo os alunos em atividades práticas nas disciplinas afins Parcerias - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho - SESMT e Gerência Administrativa - GA O PREVDORT, mantém parcerias direta com o Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho - SESMT e Gerência Administrativa - GA, por ser um Projeto ligado à saúde do trabalhador e promoção da qualidade de vida na comunidade da Instituição. - Prefeitura do campus I: a Prefeitura do Campus I tem trabalhado em conjunto com o projeto, de forma que proporcionou uma maior abertura e liberdade para atuar junto aos setores e funcionários diretamente ligados à mesma: Higiene e Limpeza; Conservação e Limpeza Externa. - Setor de Manutenção: Da mesma forma que a Prefeitura, a Manutenção apóia amplamente as ações do projeto, junto aos setores e funcionários diretamente ligados à mesma: Marcenaria, serralharia, elétrica e hidráulica. Além disso, também tentamos trabalhar com o conceito de Ergonomia de Concepção, ao oferecer orientação à marcenaria sobre os padrões e medidas mais adequados para fabricação de mobiliário que não ofereça risco à saúde dos trabalhadores. - Mantém ainda ações em conjunto com outros projetos da universidade como o SEDESPORTE (Projeto atividades físicas e desportivas) encaminhando e estimulando os participantes do

4 PREVDORT para atividade física regular. Também com o Projeto Alimentação Saudável, com palestras integrando alunos da fisioterapia e nutrição Equipe envolvida - 01 Professor fisioterapeuta - 02 estagiários - Alunos voluntários dos cursos fisioterapia e educação física; - Apoio da equipe do SESMT Colegiado Como forma de avaliação e controle das atividades do projeto, existe um colegiado composto pela gestora do projeto, pela diretora de programas comunitários da Universidade, pela diretora do curso de Fisioterapia e por um representante do SESMT da instituição. Tal colegiado reúne-se no início e no fim de cada semestre com a finalidade de avaliar as ações, resultados e impactos do projeto, discutir as atividades desenvolvidas, detectar problemas, propor soluções e novas estratégias, planejar e definir novas diretrizes do projeto Corpo de voluntários Estimula a participação e atuação acadêmica no projeto, especialmente estudantes de fisioterapia e educação física, com atividades voltadas ao permanente aprimoramento científico e atualização das práticas profissionais relacionadas à qualidade de vida no trabalho. Capacita estagiários e voluntários na dinâmica e metodologia de aplicação da ginástica laboral. Figura 1: voluntários do projeto. 5. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS 5.1. Realiza análise ergonômica dos postos de trabalho dos setores solicitantes da Universidade, e emitir laudos ergonômicos a partir das análises dos posto de trabalho, com as recomendações para adequação dos postos de trabalho, visando melhorias das condições gerais de trabalho: A prevenção dos riscos ambiente de trabalho requer o conhecimento do ambiente físico, do arranjo físico,mobiliário, das dimensões, das características dos instrumentos e das posturas adotadas na

5 execução da tarefa. A ergonomia só existe se houver uma Análise Ergonômica do Trabalho (AET) e esta só é válida se for realizada empiricamente numa real situação de trabalho Levantamento das condiçoes de saúde (DORT) Aplicação de questionários estruturados, para identificar sinais e sintomas iniciais e tardios de DORT e dores na coluna vertebral, com a intenção de encaminhar, se necessário, ao médico do trabalho e ao tratamento fisioterapêutico precoce, evitando a progressão da doença. Também é uma forma de avaliar e controlar os resultados do projeto na população envolvida. Tais questionários são aplicados aos funcionários quando da realização das palestras, nas Análises dos Postos de Trabalho, antes da aplicação e a cada semestre após a adoção da Ginástica Laboral nos setores de trabalho Aplicação de ginástica laboral nos diversos setores de trabalho da Universidade: A ginástica laboral ou do trabalho é realizada antes, ou durante ou no fim da jornada de trabalho, em curtos períodos de pausa, num intervalo de 15 minutos, onde são executados exercícios básicos de alongamento de membros superiores e coluna cérvico-torácica, com objetivo de diminuir a tensão muscular e minimizar os efeitos traumáticos que o trabalho desempenha nas estruturas osteoarticulares e prepará-las para a carga de trabalho. Também são realizados exercícios para membros inferiores que estimulam o retorno venoso, prevenindo problemas circulatórios, e exercícios respiratórios que combatem o estresse. Três fatores devem ser considerados nesta prática, o primeiro é a instrução correta para realização de alongamentos, que se executados erroneamente, podem provocar distensões musculares, piorando quadros dolorosos e aumentando o desgaste das estruturas osteomioarticulares; o segundo fator relevante é que os exercícios devem ser feitos com consciência dos movimentos, buscando um auto conhecimento, formação da auto imagem e auto-aceitação e o terceiro fator importante é evitar que os exercícios no posto de trabalho seja encarado como mais uma tarefa imposta. Nestes casos a ginástica laboral deve ser realizada segundo as necessidades dos trabalhadores, fazendo-se necessário o estudo preliminar das tarefas executadas e do ritmo exigido para posterior introdução dos exercícios, e deve ter participação voluntária dos mesmos. Atualmente a aplicação de ginástica laboral se dá em 14 setores: CAMPUS I: 1- SIBI SISTEMA DE BIBLIOTECAS 2- Gerência de Tecnologia da Informação 3- PROEX DPE/DPC 4- GERÊNCIA ADMINISTRATIVA 5- Setor de Compras 6- Setor de Recebimento e Patrimônio 7- Almoxarifado 8- MANUTENÇÃO: Marcenaria, serralharia, hidráulica e elétrica, Central de Reuso. 9- Controladoria 10. Financeiro 11. Higiene e Limpeza/Conservação e Limpeza Externa 12. SAA/SAC: Setor de Atendimento ao Aluno e Secretaria Acadêmica 13. CAMPUS II : pessoal da limpeza; secretarias; biblioteca; telefonia. 14. HUCB: pessoal da limpeza; recepção, enfermaria. 5

6 6 Figura 1: ginástica laboral no campus II Figura 2: ginástica laboral na marcenaria. Figura 3: ginástica laboral com o pessoal da Higiene e Limpeza. Figura 4: ginástica laboral com o administrativo Educação postural e auto-cuidados na prevenção de DORT S No cotidiano do trabalhador maus hábitos posturais são automatizados pelo sistema nervoso central e para modificá-los é preciso um processo educativo de reorientação. Não basta trocar o mobiliário se o trabalhador não souber usá-los adequadamente e continuar a adotar posturas e movimentos risco, ou não dá pausas para o corpo se recuperar da carga de trabalho diária. Desta forma é recomendável que os exercícios sejam associados a Aplicação de Palestras educativas nos diversos setores de trabalho da Universidade, sobre educação postural, dor de coluna e lesões por esforços repetitivos entre outros temas como estresse, qualidade de vida entre outros. As palestras propiciam maior conhecimento sobre o corpo e seu processo de desgaste, permitindo ao trabalhador uma reflexão de suas atitudes e mudança de comportamento. São bons princípios para despertar o interesse sobre o próprio corpo e a responsabilidade individual para o auto cuidado. Reforçar e estimular a realização dos exercícios também fora do horário específico da Ginástica Laboral, ou seja, nos momentos de pausa durante o dia de trabalho. As palestras são aplicadas no próprios setores de trabalho ou em salas e auditórios reservados pata tal, com uso de DATASHOW, apresentações bem ilustrativas e de fácil entendimento do assunto.

7 Programação das Palestras: 1- O QUE SÃO DORT S? Esta palestra objetiva explicar ao trabalhador a origem, causas e consequências dos distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho, de forma que ele aprenda a identificar os primeiros sintomas, e se conscientize da necessidade de prevenção (estimular a participação na ginástica laboral). 2- ENTENDENDO SUA DOR NAS COSTAS esta palestra pretende esclarecer de forma simples, as causas de dores na coluna, as estruturas vertebrais, as curvas fisiológicas e patológicas da coluna vertebral. 3- AUTOCUIDADOS (posturas adequadas nas Atividades de Vida Diária e no Trabalho, exercícios simples de auto-alongamento) 4- APRESENTAÇÃO DO PROJETO PREVDORT: esta palestra tem a intenção de divulgar e explicar o projeto entre alunos e funcionários. - Também faz parte do processo de educação em Saúde do Trabalhador a Distribuição de folders, cartazes e de Cartilhas informativas sobre Educação Postural e autocuidados na prevenção de DORT s e dores na coluna vertebral Gerar multiplicadores de saúde laboral entre os próprios funcionários; capacitando um ou mais funcionários de cada setor atendido, na aplicação da ginástica laboral aos próprios colegas de trabalho e no cuidado com a educação postural dos mesmos Ergonomia aplicada às pessoas portadoras de deficiência; A lei obriga a contratação de pessoas Portadoras de Deficiências.Estudar as implicações da relação trabalho x Pessoa Portadora de Deficiência, por meio da avaliação ergonômica, da identificação de fatores de risco adversos a integridade físico-psico social do indivíduo que podem agravar ou comprometer as capacidades residuais deste trabalhador portador de deficiência; da comparação entre demandas da tarefa com as capacidades funcionais deste trabalhador a fim de detectar possíveis incompatibilidades e da intervenção junto ao ambiente de trabalho, promovendo uma melhor qualidade de vida do trabalhador, limitando e corrigindo os agravos à saúde do indivíduo através de uma abordagem ergonômica adequada de ao estudo da PPD Escola de posturas Back School ou Escolas de Posturas é um método que objetiva a auto educação para mudança de atitudes posturais e controle da dor, composto essencialmente por informações teóricas educativas, exercícios terapêuticos e treino de relaxamento. A escola de postura por meio de exercícios terapêuticos propicia uma maior flexibilidade, equilíbrio e harmonia corporal, através de alongamentos das musculaturas encurtadas, fortalecimento das musculaturas enfraquecidas e relaxamentos das musculaturas tensionadas, desta forma compensa as posturas viciosas e prepara o corpo para um envelhecimento saudável, minimizando os efeitos traumáticos que o trabalho desempenha nas estruturas osteoarticulares. A tensão muscular e o stress psíquico são minimizados através de treinamento de relaxamento estimulando o auto conhecimento e um melhor controle sobre o corpo e a dor. As aulas, com informações teórico-práticas sobre a estrutura e o funcionamento dos diversos órgãos e segmentos corporais, que sustentam e locomovem o ser humano, têm o objetivo também de orientar sobre os movimentos adequados do corpo, na esperança de que o indivíduo minimize a ocorrência de movimentos falhos durante as atividades de vida diária e no trabalho. A Escola de Posturas gera e proporciona a comunidade um atendimento especializado em prevenção e tratamento precoce da coluna vertebral e particulamente auxilia no tratamento reabilitador da coluna e nos casos de dor crônica. A escola de Postura ainda não foi efetivada, mas é uma meta do projeto ainda para este ano. Estaria aberta para todos os funcionários da Universidade, com distúrbios leves na coluna vertebral, com diagnóstico médico e que preferivelmente já tivessem passado anteriormente por um

8 atendimento fisioterapêutico individual. Também seriam criados grupos para os funcionários com intenção de prevenir problemas crônicos na coluna vertebral. O trabalho será realizado com grupos 5 a 10 trabalhadores, duas vezes por semana, com duração de 30 a 40 minutos, sob orientação de um facilitador. Antes ou depois da jornada de trabalho. A dinâmica em grupo cria um estímulo aos participantes, formando uma rede através da qual as pessoas se incentivam mutuamente INDICADORES DE AVALIAÇÃO - Como formas de avaliação das ações do Projeto têm-se um controle do numero de postos de trabalho envolvidos no programa de ginastica laboral, bem como numero de funcionários de cada setor; - Confrontar número de solicitação de laudos técnicos ergonômicos, motivados por queixas dos funcionários do setor e o número de laudos ergonômicos elaborados, para verificar se a demanda foi atendida; - Verificar o número de palestras realizadas; - Número de voluntários; - Produção científica desenvolvida: TCC; artigos, apresentações em congresso etc. - Aplicação de questionários entre os funcionários atendidos pelo projeto, para investigar a prevalência de dores músculo-esqueléticas, fadiga muscular, e outros sinais e sintomas que são indícios para o desenvolvimento de DORT e verificar a satisfação e participação dos funcionários em relação ao projeto; - Número de consultas e afastamentos médicos (licença médica) relacionados a DORT s; 7. RESULTADOS - Ambientes de trabalho saudáveis com melhoria do nível de satisfação dos funcionários; - Adaptação de postos para os trabalhadores portadores de deficiência; - Conscientização das chefias e dos funcionários da importância do auto-cuidado, da participação assídua na ginástica laboral, palestras e melhora das condições de trabalho; - Criação multiplicadores de saúde laboral entre o funcionários e alunos participantes do projeto; - Diminuição do número de afastamentos (licença médica) relacionados aos DORT s junto ao SESMT; - Geração de Trabalhos de Conclusão de Curso - Participação em Eventos e Congressos regionais e nacionais.

9 9 Laudos ergonômicos solicitados e realizados Trabalhadores beneficiados com laudos ergonômicos Palestras para funcionários Não se contava voluntários Setores beneficiados com a ginástica laboral Trabalhadores beneficiados com a ginástica laboral N de diagnósticos de DORTs nos setores atendidos pelo projeto Percentual de diagnósticos de DORTs nos setores atendidos pelo projeto Não se contava X 47,33 % 37,05 % 9. CONCLUSÃO As palestras de conscientização dos trabalhadores, ao mesmo tempo em que tentam promover o auto-cuidado em relação a posturas adequadas e estimular a participação na ginástica laboral, também trazem um maior conhecimento sobre as patologias, de forma que, se antes, àquele trabalhador que mesmo apresentando sintomatologia de DORT, não reconhecia a doença, agora pode procurar o médico para realizar diagnóstico precoce e evitar a evolução da mesma. Com isto poderíamos esperar até um número maior de diagnósticos pelo SESMT, mesmo assim observamos uma queda de 10% nos mesmos em relação a Atualmente a Universidade conta com 829 docentes, 1170 funcionários administrativos. Podemos afirmar que o projeto atende atualmente cerca 40,6 % dos administrativos no que se refere à aplicação da ginástica laboral e palestras. Em relação aos docentes, são mais beneficiados pelos laudos ergonômicos.

10 BIBLIOGRAFIA ASSUNÇÃO, A.A; ALMEIDA, ILDEBERTO, M. Doenças osteomusculares relacionadas com o trabalho: membros superiores e pescoço. In: Patologia do Trabalho. 2ª ed. São Paulo: Editora Atheneu, BRASIL. INSS. Diretoria do Seguro Social. Ordem de Serviço nº 606, de 05/08/98. Brasília. Diário Oficial da União. 20 de agosto de CARDIA, M.C. G.; MÁSCULO, F. S. Back School: um modelo de educação postural para as empresas. In: XII Congresso Brasileiro de Ergonomia, 2002, Recife. CD ROM. COUTO, H.A. Ergonomia aplicada ao trabalho em 18 lições. Belo Horizonte: Ergo, DELIBERATO, P. Fisioterapia Preventiva: fundamentos e aplicações. São Paulo: Manole, GRANDJEAN, Etienne. Manual de Ergonomia: adaptando o trabalho ao homem. 4ª ed., Porto Alegre: Editora Bookman, 1998.

Palavras Chave: Fisioterapia preventiva do trabalho; LER/DORT; acidente de trabalho, turnover.

Palavras Chave: Fisioterapia preventiva do trabalho; LER/DORT; acidente de trabalho, turnover. A eficácia da fisioterapia preventiva do trabalho na redução do número de colaboradores em acompanhamento no ambulatório de fisioterapia de uma indústria de fios têxteis Rodrigo Mendes Wiczick (UTFPR)rodrigo_2006@pg.cefetpr.br

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL Alessandra Prado de Souza, Ana Eliza Gonçalves Santos, Jaciara Nazareth Campos Palma, Karine Aparecida Silvério, Leonardo Ferreira, Matheus

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL: UM ESTUDO PILOTO REALIZADO JUNTO A COLABORADORES DE UM HOSPITAL PRIVADO

IMPLANTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL: UM ESTUDO PILOTO REALIZADO JUNTO A COLABORADORES DE UM HOSPITAL PRIVADO IMPLANTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL: UM ESTUDO PILOTO REALIZADO JUNTO A COLABORADORES DE UM HOSPITAL PRIVADO Maria Cecilia Rezek Juliano 1 Silvia Renata Rezek Juliano 1 Maria Clara

Leia mais

LER/DORT. Lesões por Esforços Repetitivos (LER) Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort)

LER/DORT. Lesões por Esforços Repetitivos (LER) Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort) LER/DORT Lesões por Esforços Repetitivos (LER) Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort) Introdução: O que é LER/Dort? São danos decorrentes da utilização excessiva imposta ao sistema

Leia mais

GINÁSTICA LABORAL OUTRAS DENOMINAÇÕES

GINÁSTICA LABORAL OUTRAS DENOMINAÇÕES GINÁSTICA LABORAL GYMNASTIKÉ = Arte de exercitar o corpo LABOR = Trabalho OUTRAS DENOMINAÇÕES - Ginástica Ocupacional - Cinesioterapia Laboral - Ginástica do trabalho Sua prática é responsável pela redução

Leia mais

Curso de Ginástica Laboral. Ft. Milena Carrijo Dutra

Curso de Ginástica Laboral. Ft. Milena Carrijo Dutra Curso de Ginástica Laboral Ft. Milena Carrijo Dutra I. Introdução Objetivos Curso de capacitação Aprofundar Conhecimentos Networking Conhecer Profissionais capacitados para futura efetivação Definições

Leia mais

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL Junior, A. C. de J. Sebastião, J. S. Pimentel, E. S. Moreira, R. S. T.. RESUMO A área da ginástica laboral vem crescendo bastante

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES

A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES Alexandre Crespo Coelho da Silva Pinto Fisioterapeuta Mestrando em Engenharia de Produção UFSC

Leia mais

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade 13 Epidemiologia e Flexibilidade: Aptidão Física Relacionada à Promoção da Saúde Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física na Unicamp Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R O QUE SÃO AS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS LER são doenças do trabalho provocadas pelo uso inadequado e excessivo do

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S 1 TEL: (21) 2514-5580 FAX: (21) 2514-5229 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS N 2/2008 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS 2 ÍNDICE I - OBJETO...3

Leia mais

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES C1 OBJETIVOS DA CIPA Prevenção de Doenças e Acidentes de Trabalho, mediante o controle dos Riscos presentes: no ambiente nas condições e na organização do

Leia mais

EXMO. Sr. JUIZ DA ª VARA DO TRABALHO DE TRT 13a Região. Ref.: Ação nº (ex.: RT 0025-2007-035-13-00-0)

EXMO. Sr. JUIZ DA ª VARA DO TRABALHO DE TRT 13a Região. Ref.: Ação nº (ex.: RT 0025-2007-035-13-00-0) EXMO. Sr. JUIZ DA ª VARA DO TRABALHO DE TRT 13a Região Ref.: Ação nº (ex.: RT 0025-2007-035-13-00-0), Médico(a) (especialidade, ex: Médico do Trabalho), inscrito(a) no Conselho Regional de Medicina nº

Leia mais

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte LER/DORT Dr. Rodrigo Rodarte Há dois lados em todas as questões (Pitágoras, 410 445 a.c.) Definição: As L.E.R. são Lesões por Esforços Repetitivos (definição mais antiga) A D.O.R.T. (conhecidas como doenças

Leia mais

INSTRUÇÕES BÁSICAS P ARA A ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS. Dilaine RS Schneider SESMT/UNICAMP. Maurício Gervanutti SESMT/UNICAMP

INSTRUÇÕES BÁSICAS P ARA A ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS. Dilaine RS Schneider SESMT/UNICAMP. Maurício Gervanutti SESMT/UNICAMP INSTRUÇÕES BÁSICAS P ARA A ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS Dilaine RS Schneider SESMT/UNICAMP Maurício Gervanutti SESMT/UNICAMP 2014 1. INTRODUÇÃO Com o decorrer do tempo e os avanços tecnológicos tornando

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Conjunto de medidas educacionais, técnicas, médicas e psicológicas adotadas com o objetivo de prevenir acidentes. As causas de um acidente: a) condição insegura: Tal condição

Leia mais

7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010

7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010 7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010 A IMPORTÂNCIA DA GINÁSTICA LABORAL NA PREVENÇÃO DE DOENÇAS OCUPACIOANAIS Naiane Carvalho

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 6 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO AMBIENTAL INEAA MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO José Roberto Teixeira NOVEMBRO/2002 MEIO AMBIENTE, SAÚDE E

Leia mais

PPRDOC PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO DE DOENÇAS OCUPACIONAIS E CRÔNICAS

PPRDOC PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO DE DOENÇAS OCUPACIONAIS E CRÔNICAS PPRDOC PROGRAMA DE E DE DOENÇAS OCUPACIONAIS E CRÔNICAS APRESENTAÇÃO Prezados, A MCA Saúde e Bem-Estar é uma empresa especializada em planejar, implantar, aperfeiçoar e coordenar programas, projetos e

Leia mais

INCIDÊNCIA DE LER/DORT EM FISIOTERAPEUTAS DOCENTES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR EM TERESINA (PI)

INCIDÊNCIA DE LER/DORT EM FISIOTERAPEUTAS DOCENTES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR EM TERESINA (PI) INCIDÊNCIA DE LER/DORT EM FISIOTERAPEUTAS DOCENTES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR EM TERESINA (PI) Nayana Pinheiro Machado 1,2,3, Relândia Cristina Machado Reinaldo Ratts 4, Veruska Cronemberger

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS Alunos: Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR 7 PCMSO - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Esta Norma Regulamentadora - NR

Leia mais

Gestão de Instalações Desportivas

Gestão de Instalações Desportivas Gestão de Instalações Desportivas Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Módulo 10 sessão 7 ÍNDICE 5. Ferramentas informáticas de apoio à segurança 6. Proteção coletiva e individual no âmbito

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

Palestras. Manuseio de Cargas - Levantamento Correto de Peso - Posicionamento - Orientações posturais no ambiente de trabalho.

Palestras. Manuseio de Cargas - Levantamento Correto de Peso - Posicionamento - Orientações posturais no ambiente de trabalho. Palestras Comitê de Ergonomia Dicas de Ergonomia e Bem-Estar - Saúde Ocupacional áreas de atuação - Ergonomia (definição) - Comitê de ergonomia (definição) - Criação do comitê - Missões - Intervenção ergonômica

Leia mais

DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA

DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA ROSEMARA SANTOS DENIZ AMARILLA (1), BRUNO BORSATTO (2), RODRIGO EDUARDO CATAI (3) (1) Mestrado em Engenharia Civil / UTFPR

Leia mais

5. Conceituação da L.E.R../D.O.R.T.

5. Conceituação da L.E.R../D.O.R.T. Programa de Prevenção e Acompanhamento de L.E.R./D.O.R.T. 1. Objetivo Informar e orientar a estrutura hierárquica (chefias, gerências, diretorias) e os empregados dos bancos para a identificação dos fatores

Leia mais

TRABALHADOR NA ORDENHA MANUAL

TRABALHADOR NA ORDENHA MANUAL TRABALHADOR NA ORDENHA MANUAL CONSELHO DELIBERATIVO DO SENAR Presidente do Conselho Deliberativo João Martins da Silva Júnior Secretário Executivo Daniel Klüppel Carrara Chefe do Departamento de Educação

Leia mais

Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental - PCSEA

Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental - PCSEA Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental - PCSEA LICENÇA AMBIENTAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO LAI E LAO 71.80.00 - Recuperação de Áreas Degradadas Empreendimento: Rua Bertolina May Kechelle, s/n

Leia mais

Adaptação do trabalho ao trabalhador!

Adaptação do trabalho ao trabalhador! Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e seu trabalho, equipamento e ambiente e, particularmente, a aplicação dos conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas

Leia mais

POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES

POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 54 60 POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES BARBOSA, Bruno Ferreira do Serrado 1 SILVA,

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

ENCONTRO DE GESTORES DA SAÚDE: Absenteísmo - Implicações Econômicas e Produtivas para os Prestadores de Serviços de Saúde

ENCONTRO DE GESTORES DA SAÚDE: Absenteísmo - Implicações Econômicas e Produtivas para os Prestadores de Serviços de Saúde ENCONTRO DE GESTORES DA SAÚDE: Absenteísmo - Implicações Econômicas e Produtivas para os Prestadores de Serviços de Saúde ICT - Índice de Capacidade como ferramenta de gestão em saúde do trabalhador: Alternativas

Leia mais

Alfredo Rosas de Lima Júnior ¹; Kátia Ramalho Bento Souza¹; Siomara Esther Vieira de Lucena¹; Ana Carolina Bezerra ¹; Wescley Alisson Gomes Farias²

Alfredo Rosas de Lima Júnior ¹; Kátia Ramalho Bento Souza¹; Siomara Esther Vieira de Lucena¹; Ana Carolina Bezerra ¹; Wescley Alisson Gomes Farias² A ATIVIDADE FÍSICA HABITUAL COM A APLICABILIDADE METODOLÓGICA DA GINÁSTICA LABORAL: COMO ELEMENTO DE CONTRIBUIÇÕES PARA A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA DOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE ABERTA A MATURIDADE UAMA LAGOA

Leia mais

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva.

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: Entender os benefícios

Leia mais

AURICULOTERAPIA NO TRATAMENTO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO (DORT): UMA AVALIAÇÃO RETROSPECTIVA

AURICULOTERAPIA NO TRATAMENTO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO (DORT): UMA AVALIAÇÃO RETROSPECTIVA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 AURICULOTERAPIA NO TRATAMENTO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO (DORT):

Leia mais

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 PROERGO julho/2010 Pág. 1/7. I N D I C E 1. - APRESENTAÇÃO 2. - OBJETIVO 3. - INTRODUÇÃO 4. - EMPRESA BENEFICIADA 5. - CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005 LONDRINA PR 2005 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Nedson Luiz Micheleti - Prefeito AUTARQUIA

Leia mais

PROJETO BÁSICO 01/2013 - NUBEN PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE GINÁSTICA LABORAL

PROJETO BÁSICO 01/2013 - NUBEN PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE GINÁSTICA LABORAL PROJETO BÁSICO 01/2013 - NUBEN PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE GINÁSTICA LABORAL I OBJETO Contratação de empresa prestadora de serviços de ginástica laboral para executar serviço de assessoria, implementação

Leia mais

FISIOTERAPIA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES POR MEIO DE ATIVIDADES DE PROMOÇÃO, PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DA SAÚDE

FISIOTERAPIA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES POR MEIO DE ATIVIDADES DE PROMOÇÃO, PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DA SAÚDE FISIOTERAPIA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES POR MEIO DE ATIVIDADES DE PROMOÇÃO, PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DA SAÚDE GERMANO¹, Cristina de Fátima Martins; LEMOS², Moema Teixeira Maia; LIMA 3, Vânia Cristina Lucena;

Leia mais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE TRABALHADORES DO SETOR ADMINISTRATIVO DA EMPRESA FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A., UNIDADE DE PORTO COLÔMBIA, PLANURA,

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

Avaliação ergonômica dos postos de trabalho dos funcionários de uma lavanderia industrial área industrial

Avaliação ergonômica dos postos de trabalho dos funcionários de uma lavanderia industrial área industrial Avaliação ergonômica dos postos de trabalho dos funcionários de uma lavanderia industrial área industrial Paolo Cinque Pequini (Faculdade Área 1) ppeqhini@cpunet.com.br Carlos Brasileiro (Faculdade Área

Leia mais

ESTRESSE OCUPACIONAL SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

ESTRESSE OCUPACIONAL SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO ESTRESSE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Página 1 de 9 1. OBJETIVO... 3 2. ESCOPO... 3 3. DEFINIÇÕES... 4 4. ESTRESSE OCUPACIONAL: CARACTERIZAÇÃO... 4 4.1. Conceitos fundamentais... 4 4.2. Conseqüências

Leia mais

CONCEITO DIVISÃO LABORAIS RISCOS CARACTERÍSTICA COR TIPOLOGIA DE RISCOS 16/03/2012. Riscos Operacionais. Riscos Ambientais

CONCEITO DIVISÃO LABORAIS RISCOS CARACTERÍSTICA COR TIPOLOGIA DE RISCOS 16/03/2012. Riscos Operacionais. Riscos Ambientais RISCOS LABORAIS São agentes presentes nos ambientes de trabalho, decorrentes de precárias condições que, se não forem detectados e eliminados a tempo, provocam os Acidentes de Trabalho e as Doenças Ocupacionais.

Leia mais

A relação trabalho, fábricas, máquinas, homens e(m) movimento há alguns

A relação trabalho, fábricas, máquinas, homens e(m) movimento há alguns TÍTULO:PROMOVENDO E RECUPERANDO A SAÚDE DO TRABALHADOR NA EMPRESA: GINÁSTICA LABORAL E CORREÇÃO FUNCIONAL NA ELECTROLUX DO BRASIL. AUTORES: DUARTE, A. C. G. O.; OLIVEIRA, S. B.; ARRUDA, E. A. B.; VENÂNCIO,

Leia mais

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Transcrito pela Nutri Safety * O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO o disposto nos artigos 155

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015) ANATOMIA HUMANA C/H 102 Estudo da estrutura e função dos órgãos em seus respectivos sistemas no corpo humano,

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

ATENDIMENTO DOMICILIAR FISIOTERAPEUTICO PARA PORTADOR DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL NO ESTÁGIO AGUDO

ATENDIMENTO DOMICILIAR FISIOTERAPEUTICO PARA PORTADOR DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL NO ESTÁGIO AGUDO ATENDIMENTO DOMICILIAR FISIOTERAPEUTICO PARA PORTADOR DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL NO ESTÁGIO AGUDO Ana Coely Araujo Vieira¹; Fernanda Naiene Rodrigues Valadares²; Rebecca Pessoa de Almeida Lima³; Joventina

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

O acelerado ritmo de envelhecimento no Brasil cria novos desafios para a sociedade brasileira contemporânea. O envelhecimento ocorre num cenário de

O acelerado ritmo de envelhecimento no Brasil cria novos desafios para a sociedade brasileira contemporânea. O envelhecimento ocorre num cenário de Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Programa de Melhoria da Qualidade de Vida dos Idosos Institucionalizados Área Temática de Saúde Resumo

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

MELHORA DAS DORES CORPORAIS RELACIONADA Á PRÁTICA REGULAR DE HIDROGINÁSTICA

MELHORA DAS DORES CORPORAIS RELACIONADA Á PRÁTICA REGULAR DE HIDROGINÁSTICA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA MELHORA DAS

Leia mais

PROGRAMA DE EXTENSÃO PROEX

PROGRAMA DE EXTENSÃO PROEX PROGRAMA DE EXTENSÃO PROEX INTRODUÇÃO A extensão universitária é, na realidade, uma forma de interação que deve existir permanentemente entre a universidade e os diversos setores da sociedade. Assim, a

Leia mais

Ginástica da Integração: melhoria da qualidade de vida dos trabalhadores da saúde de Ingaí/MG

Ginástica da Integração: melhoria da qualidade de vida dos trabalhadores da saúde de Ingaí/MG CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Ginástica da Integração: melhoria da qualidade de vida dos trabalhadores da saúde de Ingaí/MG João Paulo Leite Ingaí

Leia mais

ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS).

ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS). ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS). Daniel Donida Schlottfeldt Graduando de Engenharia de Produção e Tecnologia de Segurança no Trabalho UNISA

Leia mais

Laudo Técnico de condições Ambientais do Trabalho LTCAT MOBRA SERVIÇOS DE VIGILNCIA LTDA

Laudo Técnico de condições Ambientais do Trabalho LTCAT MOBRA SERVIÇOS DE VIGILNCIA LTDA Laudo Técnico de condições Ambientais do Trabalho LTCAT MOBRA SERVIÇOS DE VIGILNCIA LTDA JANEIRO / 2014 DADOS DA EMPRESA Razão Social: MOBRA SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA LTDA. CGC: 87.134.086/0001-23, Endereço:

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DA GINÁSTICA LABORAL NA PREVENÇÃO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO 1

OS BENEFÍCIOS DA GINÁSTICA LABORAL NA PREVENÇÃO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO 1 OS BENEFÍCIOS DA GINÁSTICA LABORAL NA PREVENÇÃO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO 1 Thiago Augusto Galliza 2 Alex Sandro Goetten 3 RESUMO: Este estudo traz como a Ginástica Laboral

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06 ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06 Ergonomia dos Sistemas de Produção FADIGA Mario S. Ferreira Abril, 2012 Caráter Multidisciplinar da Abordagem: produtividade, condições de saúde, segurança e

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO PREVINA-SE

ACIDENTES DE TRABALHO PREVINA-SE ACIDENTES DE TRABALHO PREVINA-SE NÚMEROS ALARMANTES São 160 milhões de trabalhadores no mundo. Não essa não é uma estatística sobre um mega evento comemorativo ou o número de vagas disponíveis no Mercado

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO 1) História da Terapia Ocupacional (30 hs) EMENTA: Marcos históricos que antecederam o surgimento formal da profissão de

Leia mais

AÇÕES SOCIAIS CATEGORIA SAÚDE

AÇÕES SOCIAIS CATEGORIA SAÚDE VOLTADO À COMUNIDADE MAMAMÓVEL VOLTADOS AOS COLABORADORES FITNESS VIVENDO COM SAÚDE GINÁSTICA LABORAL(GL) PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE PROBLEMAS RELACIONADOS AO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS

Leia mais

2 Parte ELABORAÇÃO DE PROJETOS; IMPLANTAÇÃO; GESTÃO DOS PROGRAMAS DE GINÁSTICA LABORAL.

2 Parte ELABORAÇÃO DE PROJETOS; IMPLANTAÇÃO; GESTÃO DOS PROGRAMAS DE GINÁSTICA LABORAL. 2 Parte ELABORAÇÃO DE PROJETOS; IMPLANTAÇÃO; GESTÃO DOS PROGRAMAS DE GINÁSTICA LABORAL. Projeto é um plano para a realização de um ato e também pode significar desígnio, intenção, esboço. O que é um projeto?

Leia mais

A inclusão de pessoas portadoras de deficiências nas organizações como oportunidade para o desenvolvimento local

A inclusão de pessoas portadoras de deficiências nas organizações como oportunidade para o desenvolvimento local A inclusão de pessoas portadoras de deficiências nas organizações como oportunidade para o desenvolvimento local RESUMO Com a criação da Lei que estabelece cotas para a inclusão do profissional portador

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

Experiência: PROGRAMA DE REABILITAÇÃO PROFISSIONAL - GESTÃO DE PESSOAS BUSCANDO RESULTADOS E O DESENVOLVIMENTO DA CIDADANIA

Experiência: PROGRAMA DE REABILITAÇÃO PROFISSIONAL - GESTÃO DE PESSOAS BUSCANDO RESULTADOS E O DESENVOLVIMENTO DA CIDADANIA Experiência: PROGRAMA DE REABILITAÇÃO PROFISSIONAL - GESTÃO DE PESSOAS BUSCANDO RESULTADOS E O DESENVOLVIMENTO DA CIDADANIA Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio

Leia mais

Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente".

Uma Definição: Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente. ERGONOMIA: palavra de origem grega. ERGO = que significa trabalho NOMOS = que significa regras Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente". Tríade básica da Ergonomia:

Leia mais

Filmes. Filmes. Gestão de RH. Medicina e segurança no trabalho. Prof. Rafael Marcus Chiuzi

Filmes. Filmes. Gestão de RH. Medicina e segurança no trabalho. Prof. Rafael Marcus Chiuzi Gestão de RH Prof. Rafael Marcus Chiuzi Medicina e segurança no trabalho Filmes Vídeo humorístico sobre segurança no trabalho. Duração: 3 20 Filmes Sequência de vídeos de acidente de trabalho. Duração:

Leia mais

Análise de fatores ergonômicos em um salão de beleza da cidade de Horizontina.

Análise de fatores ergonômicos em um salão de beleza da cidade de Horizontina. Análise de fatores ergonômicos em um salão de beleza da cidade de Horizontina. Diana Michele Pilz (FAHOR) dp000682@fahor.com.br Ricardo Muller (FAHOR) rm000820@fahor.com.br Luciéli Della Flora (FAHOR)

Leia mais

AVALIAÇÃO ERGONÔMICA: APLICAÇÃO DO MÉTODO OWAS EM UMA LOJA DE CALÇADOS

AVALIAÇÃO ERGONÔMICA: APLICAÇÃO DO MÉTODO OWAS EM UMA LOJA DE CALÇADOS AVALIAÇÃO ERGONÔMICA: APLICAÇÃO DO MÉTODO OWAS EM UMA LOJA DE CALÇADOS Mariana de Barros Cruz Pereira Mota (UCAM) marianamota01@hotmail.com Mayara Ribeiro Castilho (UCAM) mayararc2005@hotmail.com Leandro

Leia mais

ÍNDICE DE SINTOMAS DE LER/DORT EM PROFISSIONAIS CABELEIREIROS DE CATALÃO-GO: pesquisa de campo

ÍNDICE DE SINTOMAS DE LER/DORT EM PROFISSIONAIS CABELEIREIROS DE CATALÃO-GO: pesquisa de campo ÍNDICE DE SINTOMAS DE LER/DORT EM PROFISSIONAIS CABELEIREIROS DE CATALÃO-GO: pesquisa de campo Ana Paula Cardoso Correia 1 Humberto de Sousa Fontoura 2 Resumo A grande exposição a posturas inadequadas

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

VAMOS MANTER A POSTURA CORPORAL EM DIA!

VAMOS MANTER A POSTURA CORPORAL EM DIA! VAMOS MANTER A POSTURA CORPORAL EM DIA! ELICA MARIA FRACASSI 1 IGOR SULINO DOS SANTOS 1 MARCELO EUGÊNIO VIEIRA 2 1 Aluna regular do 1º ano do E.M da ETEC Gustavo Teixeira São Pedro (SP) (Igor_sulino@live.com)

Leia mais

PREVENÇÃO ÀS LER/DORT

PREVENÇÃO ÀS LER/DORT PREVENÇÃO ÀS LER/DORT Introdução Durante os dias 19, 20 e 23 de julho o Datafolha ouviu os trabalhadores paulistanos sobre sua vida no trabalho (atividades desempenhadas, carga horária, realização de horas

Leia mais

PROJETO DE IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE SECCIONAIS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO: UM MODELO PROPOSTO

PROJETO DE IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE SECCIONAIS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO: UM MODELO PROPOSTO PROJETO DE IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE SECCIONAIS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO: UM MODELO PROPOSTO Maria do Socorro Mendes Gomes Rosylane Nascimento das Mercês Rocha Painel 50/176 Política Integrada

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA NÚCLEO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NAI É preciso avaliar para aprimorar CONSIDERAÇÕES INICIAIS A UNISANTA desenvolveu,

Leia mais

1. Documento: 20026-2015-3

1. Documento: 20026-2015-3 1. Documento: 20026-2015-3 1.1. Dados do Protocolo Número: 20026/2015 Situação: Ativo Tipo Documento: Comunicação Interna - CI Assunto: Planejamento estratégico - Metas Unidade Protocoladora: SES - Secretaria

Leia mais

CARTILHA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE DOS PROFISSIONAIS DA VOZ E DA AUDIÇÃO

CARTILHA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE DOS PROFISSIONAIS DA VOZ E DA AUDIÇÃO Superintendência de Saúde Segurança e Ambiente do Trabalho CARTILHA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE DOS PROFISSIONAIS DA VOZ E DA AUDIÇÃO - Saúde Vocal - Ginástica Compensatória - Saúde Auditiva SINTTEL-Rio CARTILHA

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2015

PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2015 ASSOCIAÇÃO NACIONAL DA ESPONDILITE ANQUILOSANTE PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2015 I INTRODUÇÃO Nos termos da alínea b) do Artigo 35.º dos Estatutos da ANEA, a Direcção desta associação apresenta

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde - SES/GO SESMT

Secretaria de Estado da Saúde - SES/GO SESMT Secretaria de Estado da Saúde - SES/GO SESMT Juliana A. Nepomuceno Eng. de Seg. do Trabalho Cood. SESMT/SES SESMT O que é? Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho EQUIPES

Leia mais

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Ms. João Eduardo de Azevedo Vieira Fisioterapeuta (PUC-PR / 2000) Esp. Fisiologia do Exercício e do Desporto (IBPEX / 2001) Esp. Fisioterapia do Trabalho

Leia mais

Fisioterapia: de sua origem aos dias atuais

Fisioterapia: de sua origem aos dias atuais 11 Fisioterapia: de sua origem aos dias atuais Solange Maria Bertol Copetti 1 HISTÓRICO A fisioterapia é uma ciência que utiliza os meios físicos e naturais na promoção da saúde, prevenção de doenças e

Leia mais

LEI Nº 7.410, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1985

LEI Nº 7.410, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1985 LEI Nº 7.410, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1985 Dispõe sobre a especialização de Engenheiros e Arquitetos em Engenharia de Segurança do Trabalho, a profissão Técnico de Segurança do Trabalho e dá outras providências.

Leia mais

Qualidade de vida no trabalho o papel da ginástica laboral

Qualidade de vida no trabalho o papel da ginástica laboral Qualidade de vida no trabalho o papel da ginástica laboral Márcia de Ávila e Lara Estudante do curso de Educação Física - (UFV) - avilaelara@yahoo.com.br Felipe Alves Soares Estudante do curso de Educação

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR.

A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR. A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR. Márcia Maria Maia Advogada, pós-graduada em Direito Público e pós-graduanda em Direito e

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 01, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. Publicado no D.O.U de 12 de março de 2010.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 01, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. Publicado no D.O.U de 12 de março de 2010. INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 01, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. Publicado no D.O.U de 12 de março de 2010. Institui o Projeto Qualidade de Vida dos Profissionais de Segurança Pública e Agentes Penitenciários.

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DO LITORAL DO PARANÁ ISULPAR. MBA Master Public Administration MÁRCIO ROBERTO FARET

INSTITUTO SUPERIOR DO LITORAL DO PARANÁ ISULPAR. MBA Master Public Administration MÁRCIO ROBERTO FARET INSTITUTO SUPERIOR DO LITORAL DO PARANÁ ISULPAR MBA Master Public Administration MÁRCIO ROBERTO FARET O SISTEMA DE GESTÃO DA SAÚDE OCUPACIONAL DA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA Curitiba 2010 317 O SISTEMA

Leia mais

ANÁLISE DESCRITIVA DO NÍVEL DE STRESS EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO E REEQUILÍBRIO POSTURAL EM GRUPO

ANÁLISE DESCRITIVA DO NÍVEL DE STRESS EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO E REEQUILÍBRIO POSTURAL EM GRUPO 90 ANÁLISE DESCRITIVA DO NÍVEL DE STRESS EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO E REEQUILÍBRIO POSTURAL EM GRUPO Débora Fernandes dos Santos, Jessica Jessica Ribeiro, Letícia Endsfeldz Teixeira,

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Gestão Aplicada a SST Segurança e Saúde do Trabalho AULA 7

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Gestão Aplicada a SST Segurança e Saúde do Trabalho AULA 7 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Gestão Aplicada a SST Segurança e Saúde do Trabalho AULA 7 COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Compreender a importância do PCMSO como instrumento

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA. Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais

MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA. Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais 1ª edição 2006 2ª edição, autor 2006 3ª edição 2011 4ª edição 2013 5ª edição janeiro, 2014 6ª edição outubro, 2014

Leia mais

Que tal dar um up em seu visual e melhorar sua auto-estima? Promover sua saúde sem o cigarro aproveitando os sabores da vida e recuperar seu fôlego?

Que tal dar um up em seu visual e melhorar sua auto-estima? Promover sua saúde sem o cigarro aproveitando os sabores da vida e recuperar seu fôlego? Você que está tentando largar o vício do cigarro e não consegue encontrar forças para se livrar desse mal. Anda sentindo dores nas costas, cansaço e/ou inchaço nas pernas, problemas com acnes ou querendo

Leia mais

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA TÉCNICAS

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente instrumento regulamenta as atividades

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais