SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS: UM ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA PETROLEIRA. Renata de Albuquerque Figueiredo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS: UM ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA PETROLEIRA. Renata de Albuquerque Figueiredo"

Transcrição

1 SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS: UM ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA PETROLEIRA Renata de Albuquerque Figueiredo Instituto COPPEAD de Administração Mestrado em Administração Orientador: Paulo Fernando Fleury COPPEAD/UFRJ Rio de Janeiro 2003

2 ii FOLHA DE APROVAÇÃO SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS: UM ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA PETROLEIRA Renata de Albuquerque Figueiredo Dissertação submetida ao corpo docente do Instituto de Pós-Graduação em Administração COPPEAD da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, como parte dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre. Aprovada por: Prof. - Orientador Paulo Fernando Fleury da Silva e Souza COPPEAD/UFRJ Prof. Cesar Gonçalves Neto COPPEAD/UFRJ Prof. Ronaldo Soares de Andrade COPPE/UFRJ Rio de Janeiro 2003

3 iii FICHA CATALOGRÁFICA Figueiredo, Renata de Albuquerque. Seleção e Contratação de Prestadores de Serviços Logísticos: um estudo de caso na Indústria Petroleira / Renata de Albuquerque Figueiredo. - Rio de Janeiro, ix, 143 f..: il. Dissertação (Mestrado em Administração) Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ, Instituto COPPEAD de Administração, Orientador: Paulo Fernando Fleury da Silva e Souza. 1. Operadores Logísticos. 2. E&P Offshore - Teses. I. Silva e Souza, Paulo Fernando Fleury (Orient.). II. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Instituto COPPEAD de Administração III. Título

4 iv Aos meus pais.

5 v AGRADECIMENTOS Aos meus pais, mestres tão queridos e respeitados, de quem tive o privilégio de receber atenção especial e exclusiva. Muita sorte minha ter o amor, a orientação e a paciência dos dois melhores educadores que já encontrei. Ao meu pai, especificamente, pela inspiração da área escolhida, pelos conselhos, pela paciência e pela co-orientação ágil e pertinente. À minha mãezinha, por respeitar meus horários de estudo, pelo incentivo permanente, pela ternura e pelos eventuais colos de mãe, que todo mestrando precisa. A ambos, pelo amor incondicional, pelo apoio constante em tudo que faço e pela ajuda financeira (que em breve, espero não ser mais necessária). À Tia Sandra, por aliviar a minha barra de vez em quando, pela visão menos cartesiana da vida e pelo carinho maternal extra que tenho recebido todos estes anos. Ao Bruno, pela compreensão, companheirismo e inesgotável carinho, sem os quais este período teria sido muito mais difícil. Obrigada por respeitar minha vontade de fazer o mestrado bem como o intercâmbio. Aos meus amigos e família por compreenderem meu sumiço e nunca me cobrarem nada, pelo contrário: o incentivo e a torcida pareciam maiores com o passar do tempo. Ao professor Fleury, pela orientação proveitosa e oportuna e pela disponibilidade de seu tempo sempre quando precisei. Aos professores César e Ronaldo, por aceitarem participar da banca e pelas certeiras contribuições. A todos do COPPEAD, por fazerem desta instituição um lugar tão especial e agradável para se estudar. Especialmente ao pessoal da Secretaria Acadêmica e Biblioteca, não tenho dúvida de que parte do mérito desta escola é de vocês. Por fim, à Petrobrás e à BSM Engenharia, mais especificamente ao Ricardo Lima, ao Plínio e ao Ariel, pelo tempo e pela disposição em compartilhar seu conhecimento e experiência. Este estudo não seria possível sem a colaboração de vocês.

6 vi RESUMO FIGUEIREDO, Renata de Albuquerque. Seleção e Contratação de Prestadores de Serviços Logísticos: um estudo de caso na Indústria Petroleira. Orientador: Paulo Fernando Fleury da Silva e Souza. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPEAD, Dissertação (Mestrado em Administração). Esta dissertação relata um estudo exploratório realizado na maior empresa petrolífera nacional, a Petrobrás, sobre a prática de seleção e contratação de prestadores de serviços logísticos. O foco é a atividade de exploração e produção de petróleo, setor recentemente desregulamentado, prestes a se tornar bastante competitivo. Através da metodologia do estudo de caso, são abordadas questões relativas à política de terceirização logística da empresa, enfatizando elementos como os motivadores existentes, as vantagens e desvantagens percebidas e os principais fatores de seleção. O detalhamento de um recente caso de terceirização logística é apresentado, onde são examinados pontos relevantes do contrato e suas especificações, bem como o nível de relacionamento que está sendo estabelecido. As conclusões indicam que as alterações que estão sendo promovidas na prática de terceirização logística da Petrobrás, assim como seus motivadores, são os mesmos apontados pela literatura pesquisada: no intuito de se obter maiores ganhos de eficiência nas atividades logísticas, bem como serviços de melhor qualidade, a empresa está realizando modificações na forma de remuneração, no escopo e no prazo dos contratos, nas responsabilidades atribuídas, na forma de relacionamento entre as partes e no processo de seleção.

7 vii ABSTRACT FIGUEIREDO, Renata de Albuquerque. Seleção e Contratação de Prestadores de Serviços Logísticos: um estudo de caso na Indústria Petroleira. Orientador: Paulo Fernando Fleury da Silva e Souza. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPEAD, Dissertação (Mestrado em Administração). This dissertation reports an exploratory study on the biggest petroleum company in Brazil, Petrobrás, and the transitional stage of its process of logistics outsourcing. The focus will be the upstream activity, sector that has been recently deregulated and it s expected to become very competitive in a short time. With the case study methodology, several variables are considered regarding Petrobrás selection and contract practices: motivational factors, perceived advantages and disadvantages, and the selection criteria. Additionally, a recent example of logistics outsourcing is presented in detail, where relevant aspects of the contract and its specifications are analyzed, as well as the kind of relationship that is being developed between Petrobrás and the logistics provider The study enabled us to identify that the changes that are being implemented by Petrobrás on its process of logistics outsourcing, as well as its motivations are the same found on the surveyed literature: with the target of obtaining higher operational efficiency and better services, the company is changing its compensation system, the contracts scope and length, the level of responsibilities that are being delegated, the kind of relationship that are being established and the selection process.

8 viii SUMARIO 1. Definição do Problema Objetivo Relevância do Estudo Delimitações do Estudo Organização do Estudo Apresentação do Setor Petrolífero e da Atividade de E&P Offshore 8 2. Revisão Bibliográfica Introdução A Terceirização de Serviços Logísticos Histórico e Motivadores Aspectos de Contratação A Indústria de Operadores Logísticos Surgimento e Conceituação Relacionamento com clientes Serviços oferecidos Atributos e Competências desejados pelos clientes Dimensões de segmentação de Operadores Logísticos A classificação de Sheffi (1990) A proposta de Aertsen (1992) O modelo de Africk (1994) A segmentação de Berglund (1999) A pesquisa de Costa et al (2001) O modelo de Persson (2001) Selecionando um Prestador de Serviços Logísticos Fontes de Informação sobre Potencias Provedores Request for Information e Request for Proposal Resumo e Esquema conceitual para análise do Caso Metodologia Perguntas da Pesquisa Tipo de Pesquisa Método de Coleta e Análise de Dados 68

9 ix 3.4. Limitações do Estudo Descrição do Caso Introdução Serviços para E&P Planejamento de Recursos Logísticos Evolução das contratações Motivadores, Vantagens e Desvantagens da Terceirização Terceirização X Realização das atividades logísticas Atributos e competências dos fornecedores Posse e especificidade de ativos O primeiro contrato no novo modelo O processo de seleção e a empresa ganhadora BSM Engenharia Prestador de Serviços Logísticos Selecionado Análise do Caso A Evolução e Motivadores da Terceirização Fatores de Seleção Atributos, Competências e Facilitadores Serviços Desejados Dimensões de Segmentação Fontes de Informação, RFI e RFP Aspectos da Contratação Definição de Expectativas Remuneração e Incentivos Estilo do contrato Acompanhamento da Contratação Medidas de Avaliação e Desempenho Comunicação e Fluxo de Informações Relacionamento Análise da BSM Engenharia Conclusões e Sugestões para pesquisas futuras 126 Referência Bibliográfica 131

10 x Anexo I 136 INDICE DE FIGURAS FIGURA 1: EVOLUÇÃO DA RECEITA MÉDIA ANUAL DE OPERADORES LOGÍSTICOS... 4 FIGURA 2: RESERVAS MUNDIAIS DE PETRÓLEO... 9 FIGURA 3: MODELO DE PARCERIAS FIGURA 4: ATIVIDADES LOGÍSTICAS AO LONGO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS FIGURA 5: COMPETÊNCIAS LOGÍSTICAS DE MELHOR DESEMPENHO FIGURA 6: PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE TI ADOTADAS POR OPERADORES LOGÍSTICOS FIGURA 7: MATRIZ DE SERVIÇOS FÍSICOS X SERVIÇOS DE GERENCIAMENTO FIGURA 8: MATRIZ DE PROPRIEDADE DOS ATIVOS FIGURA 9: SEGMENTAÇÃO DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS FIGURA 10: DIMENSÕES DE SEGMENTAÇÃO FIGURA 11: GRUPOS DE PROVEDORES DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS FIGURA 12: POSSÍVEIS RELACIONAMENTOS DE OPERADORES LOGÍSTICOS FIGURA 13: POSICIONAMENTO DE PROVEDORES DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS FIGURA 14: CLASSIFICAÇÃO POR ATIVOS E SERVIÇOS FIGURA 15: EVOLUÇÃO DAS FONTES DE INFORMAÇÃO SOBRE OPERADORES LOGÍSTICOS FIGURA 16: ESTRUTURA DA ÁREA DE TRANSPORTE E ARMAZENAGEM DE E&P DA PETROBRÁS FIGURA 17: PORTO DE IMBETIBA FIGURA 18: CATEGORIAS DA CARGA MOVIMENTADA EM IMBETIBA FIGURA 19: FLUXO DE MERCADORIAS MOVIMENTADAS PELA BSM ENGENHARIA INDICE DE QUADROS QUADRO 1: MAIORES CONSUMIDORES DE PETRÓLEO QUADRO 2: SEGMENTOS DE PROVEDORES DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS QUADRO 3: DIFERENÇAS ENTRE OS GRUPOS ENCONTRADOS QUADRO 4: ESQUEMA CONCEITUAL QUADRO 5: MOTIVADORES DE TERCEIRIZAÇÃO LOGÍSTICA QUADRO 6: VANTAGENS E DESVANTAGENS DA TERCEIRIZAÇÃO LOGÍSTICA QUADRO 7: ATIVIDADES LOGÍSTICAS TERCEIRIZADAS QUADRO 8: ATIVIDADES LOGÍSTICAS REALIZADAS INTERNAMENTE QUADRO 9: ATRIBUTOS E COMPETÊNCIAS VALORIZADOS... 86

11 1. Definição do Problema 1.1. Objetivo O objetivo principal desta dissertação é analisar o processo de transição da prática de seleção e contratação de prestadores de serviços logísticos por parte da maior empresa petrolífera nacional, a Petrobrás, companhia estatal atuante na Indústria em todas as suas etapas. O estudo se concentrará na atividade de exploração e produção de petróleo, atividade esta que está passando por grandes mudanças no Brasil, devido à sua desregulamentação e à conseqüente entrada de novas empresas no mercado. Dessa forma, espera-se, em breve, que este setor se torne altamente competitivo e dinâmico, demandando das empresas envolvidas uma administração rigorosa e eficiente. Em decorrência disto, as operações logísticas já começaram a atrair as atenções, tanto de companhias já estabelecidas, como dos novos entrantes. O estudo aborda, principalmente, questões relativas à política de terceirização logística da empresa e a sua atual fase de transformação, através de elementos como os motivadores existentes, as vantagens e desvantagens percebidas e os fatores de seleção dos prestadores de serviços logísticos. Pretende-se verificar se a Petrobrás está consciente de suas necessidades, e se estas estão refletidas nas competências e nos atributos valorizados e exigidos dos provedores logísticos. Complementando esta análise, o detalhamento de um recente caso de terceirização logística é utilizado para ilustrar a nova filosofia de contratação que a Petrobrás vem tentando implementar. São examinados pontos relevantes do contrato e suas especificações, bem como o nível de relacionamento que está sendo estabelecido entre contratante e contratado. A empresa contratada neste exemplo, também é apresentada, no intuito de avaliar suas percepções e suas atitudes em relação ao novo desafio.

12 Relevância do Estudo A terceirização de atividades logísticas está sendo, cada vez mais, considerada como uma alternativa estratégica para as empresas que desejam reduzir seus ativos, otimizar seus custos, melhorar seus processos, ou ainda atender seus consumidores com melhores níveis de serviços. Para se ter uma idéia da magnitude do setor, segundo Boyson et al 1999) a contratação de provedores de serviços logísticos é uma realidade para 60% das 500 maiores empresas listadas pela revista Fortune. Além disso, muitas empresas estão se vendo obrigadas a concentrarem esforços nos seus negócios principais, ou core business, terceirizando assim, atividades de suporte e reavaliando seus processos logísticos. Esta prática, conseqüentemente, acaba por gerar enormes oportunidades para os provedores de serviços logísticos. De fato, Sink, (1997) observa que, apesar da compreensível relutância com a qual empresas abdicam de sua responsabilidade sob alguns produtos ou serviços promovedores de diferenciação e/ou geradores de vantagem competitiva, elas estão cada vez mais incentivando as capacitações de seus fornecedores externos para maximizar o poder e os benefícios destes mesmos produtos e serviços. O resultado é a crescente preferência pela terceirização de atividades e processos logísticos específicos, incluindo alguns que produzem vantagens competitivas. Sheffi (1990) acrescenta que ao atrair profissionais mais especializados e ao investir no desenvolvimento de softwares sofisticados, em comunicações, em procedimentos de controle e monitoramento, em projetos de roteirização, e em muitos outros aspectos do gerenciamento logístico, os fornecedores de serviços logísticos reforçam e solidificam sua capacitação e especialização. Esta situação é claramente percebida pelas firmas usuárias. A seguinte declaração de um executivo contratante é encontrada em Aersten (1992): A Logística é a competência central dos provedores logísticos. Assim, na contratação de uma dessas empresas, atividades que são importantes para você, são, na verdade, a especialidade delas.

13 3 As relações de terceirização, no entanto, vêm passando por grandes transformações nos últimos anos, evoluindo de negociações de funções de rotina, para atividades logísticas que requerem mais conhecimento e expertise estratégicos. Com estas mudanças, surgiu no mercado a classe dos Prestadores de Serviços Logísticos, caracterizados, principalmente, pela variedade do seu escopo de serviços, pelo grau de comprometimento com as necessidades de seus clientes e pela grande transferência de responsabilidades que ocorre entre contratado e contratante. Lieb (2000a) é um dos pesquisadores que sistematicamente vem colhendo dados sobre o setor. Com informações coletadas desde 1991, seus relatórios se constituem em um dos melhores históricos da evolução da Indústria, abordando tanto o ponto de vista dos usuários como das empresas provedoras. Em sua mais recente pesquisa com as empresas contratantes, 77% dos respondentes (oriundos da lista das 500 maiores empresas manufatureiras da revista Fortune) afirmaram serem usuários dos serviços de operadores logísticos. É interessante ressaltar que este percentual vem crescendo visivelmente, ao registrar 37% em 1991, 60% em 1995 e 69% em A abrangência das terceirizações também tende a crescer, na medida em que 75% dos usuários manifestaram a intenção de aumentar moderadamente ou substancialmente a contratação de serviços logísticos. Das pesquisas realizadas com os CEO s dos maiores operadores logísticos norteamericanos (Lieb, 2000b), pode-se acompanhar pela Figura 1, o evolutivo das receitas médias anuais dos operadores entrevistados.

14 4 FIGURA 1: EVOLUÇÃO DA RECEITA MÉDIA ANUAL DE OPERADORES LOGÍSTICOS Receita Média Anual - Operadores Logísticos Pesquisados Fonte: Lieb (2000b) É importante ressaltar que em 1999, as receitas variaram de US$ 147 milhões a US$ 5,5 bilhões (LIEB, 2000b). Estes números mostram o crescimento e a representatividade dos negócios geridos por estas empresas. No mundo, o segmento movimenta US$ 2,1 trilhões por ano, ou 16% do Produto Bruto Global, e no Brasil, apesar da falta de dados confiáveis, calcula-se que o segmento todo movimente até 16% do PIB, ou R$ 160 bilhões (Tecnologística, maio/2001). Devido à tardia preocupação com a logística e com todas as suas dimensões, essas mudanças ocorreram mais recentemente no País, com a estabilização econômica, a abertura do mercado e as privatizações da infra-estrutura, sendo ainda enorme o potencial para o aprimoramento das atividades logísticas. De acordo com dados da Tecnologística (maio/2001), a magnitude e a crescente importância desse setor fazem com que o número de operadores logísticos no país aumente na razão de aproximadamente 5% ao mês. Os investimentos do setor têm sido expressivos, principalmente em infra-estrutura de armazenagem, que tem crescido 20% ao ano, segundo estimativas dos próprios operadores logísticos (Tecnologística, maio/2001).

15 5 Uma das Indústrias que vem recebendo mais investimentos e se tornando alvo de grande interesse por parte dos prestadores de serviços logísticos é a atividade de extração de petróleo. Desde a desregulamentação do setor e a concessão de exploração das reservas brasileiras às empresas privadas, a cadeia de fornecimento de bens e serviços da atividade voltou sua carga para novos investimentos (Gazeta Mercantil, p.3, julho/2001). De fato, os dados são promissores. Hoje, a exploração é uma tarefa entregue a 35 novas empresas, sendo 29 estrangeiras e 6 brasileiras Os investimentos previstos nesta atividade para os próximos 10 anos, são da ordem de U$100 bilhões, e há uma expectativa de crescimento da produção nacional de aproximadamente 60% (Revista Exame, janeiro/2001). Outro indicador relevante, foi a duplicação da participação da indústria petrolífera no PIB nacional, que passou de 2,7% em 1997, para 5,4% em 2000, o que, em valores, representa a movimentação de R$ 52,6 bilhões (O GLOBO, 24/03/2002). No centro deste notável desenvolvimento, está o segmento offshore, ou seja, operações de exploração e produção (E&P) realizadas em regiões marítimas. Esta atividade cresceu 38,4% entre os anos de 1997 e 2000, e receberá a maioria dos investimentos das novas entrantes no mercado (O GLOBO, 24/03/2002). Segundo Zamith (1999), a peculiaridade da exploração de reservas offshore, exige condições de operação especialmente difíceis e constante desenvolvimento tecnológico, tanto para a redução de custos, como para responder aos novos desafios. Ao mesmo tempo, Zamith (1999) observa que a maior parte do que é realizado hoje na indústria do Petróleo depende da participação das empresas fornecedoras de bens e serviços, como, por exemplo, os levantamentos geofísicos, a construção e pré-operação de unidades de produção, os serviços de transporte e logística, entre outros.

16 6 Sendo assim, aproveitando-se deste crescimento, as empresas brasileiras fornecedoras de bens e serviços estão se preparando para garantirem para si uma fatia dos negócios que estão nascendo e crescendo à sombra da intensa atividade petrolífera. É o caso, por exemplo, da empresa Vitória Offshore Logistic (VOL), localizada em Vilha Velha (ES), que investiu US$ 3 milhões na sua base, para as operações de apoio logístico às atividades offshore de prospecção, exploração e produção das companhias petrolíferas (www.vollogistics.com.br). Na cidade do Rio de Janeiro, por sua vez, foi inaugurada uma base logística também voltada para as cargas que terão que ser transportadas para os campos de petróleo da Bacia de Campos. O terminal Porto Novo recebeu investimentos da ordem de R$ 3 milhões (Portos e Navios, março/2002). Em reportagem intitulada Cresce a concorrência pela prestação de serviços às petroleiras, a Gazeta Mercantil (01/07/2002) noticia a criação de outra nova empresa voltada para este setor, a Brasil Supply, fruto da associação da Cotia Trading e da BR Distribuidora e constituída com capital inicial de R$ 4 milhões. Além de investimentos em infra-estrutura portuária, o estado do Rio de Janeiro comportará o primeiro aeroporto cargueiro do país voltado para o mercado de petróleo e gás, na cidade de Cabo Frio. (Gazeta Mercantil, p.3, maio/2002). Neste estado, também será inaugurada a rodovia do petróleo, facilitando o acesso à cidade petrolífera de Macaé (Revista Power, p.19, nº 13). Pode-se perceber, portanto, que a busca pela otimização e eficiência desta atividade no Brasil, através de serviços logísticos especializados, começa a despertar interesse, pelo seu grande potencial, à medida que o País está sendo considerado a mais nova fronteira de petróleo disponível no mundo (Revista Exame, janeiro/2001).

17 Delimitações do Estudo O presente trabalho se limita a estudar o momento atual tanto do setor de E&P como do setor de prestadores de serviços logísticos, não podendo ser utilizado como indicação para o futuro. É importante ressaltar que o dinamismo de ambos os setores, no país e no mundo, bem como as políticas governamentais para com o petróleo e a Petrobrás podem modificar radicalmente o quadro atual. Em relação à prática de seleção e contratação de prestadores de serviços logísticos da Petrobrás, não é intenção deste estudo avaliar a qualidade das decisões tomadas, mas sim os critérios utilizados, bem como o processo decisório Organização do Estudo Este trabalho está dividido em 6 capítulos. Após este capítulo inicial que será finalizado com uma breve introdução à indústria do petróleo e das atividades de E&P, será apresentada uma revisão da literatura internacional e nacional existente sobre os principais temas em questão. O resultado é um conjunto de referências teóricas, que agrupadas de acordo com os objetivos deste estudo, irão fornecer o arcabouço conceitual para a análise dos dados coletados. O terceiro capítulo versa sobre a escolha da metodologia. É apresentado o método de pesquisa selecionado para a realização do trabalho, o estudo de caso, discutindo-se suas vantagens e desvantagens. Em seguida, é feita referência aos métodos de coleta de dados, bem como as limitações do estudo. No quarto capítulo serão descritos os resultados da pesquisa, provenientes tanto de fontes secundárias, como das entrevistas com as empresas selecionadas. A análise desses dados é feita no quinto capítulo, à luz do referencial teórico exposto anteriormente e das perguntas da pesquisa.

18 8 O sexto e último capítulo, contém as conclusões e as recomendações para futuras pesquisas no campo da seleção e da contratação de prestadores de serviços logísticos no Brasil Apresentação do Setor Petrolífero e da Atividade de E&P Offshore O objetivo desta seção é apresentar uma visão geral da Indústria do Petróleo, das reservas mundiais, bem como das recentes mudanças do mercado nacional. Além disso, as principais características da atividade de E&P offshore e de seus prestadores de serviços serão apontadas para que suas peculiaridades sejam explicitadas e compreendidas. Panorama Mundial da Indústria Petrolífera Atualmente, o petróleo representa 63% de toda a energia primária consumida e sua importância em termos mundiais pode ser avaliada pelo volume de recursos que movimenta anualmente. Somente a receita operacional líquida dos 31 maiores grupos petrolíferos somou em 1996 quase um trilhão de dólares. (BNDES, Informe Infra- Estrutura, nº 21) Os choques de 1973 e 1979 foram demonstrações claras do conteúdo estratégico que o petróleo adquiriu e seu principal efeito foi o de quebrar a trajetória de estabilidade de preços do produto. Seu alto preço, no entanto, tornou possível a abertura de novas fronteiras de exploração, em especial no mar e em regiões de custos de produção mais elevados, como por exemplo os campos do Mar do Norte, do Alasca e de outras áreas nos países em desenvolvimento. No mundo, as reservas provadas de óleo estão concentradas em poucos países, uma vez que 90% são encontradas em 12 países. Regionalmente, as reservas mundiais apresentam a seguinte distribuição:

19 9 FIGURA 2: RESERVAS MUNDIAIS DE PETRÓLEO 100% Reservas Mundiais por Região 80% 60% 65,3% 40% 20% 11,7% 7,1% 6,4% 4,2% 3,4% 1,9% 0% Oriente M édio América Latina Africa Ex-URSS Asia e Pacífico América Norte (s/ México) Europa Fonte: BP Statistical Review of World Energy 2000 Da análise da distribuição regional das reservas conclui-se que os países industrializados possuem poucas reservas, relativamente aos respectivos níveis de consumo. De fato, os EUA, a Europa Ocidental e o Japão são responsáveis por 72% das importações mundiais, sendo que os EUA importam 60,6% de seu consumo de óleo, a Europa Ocidental importa cerca de 56% e o Japão 100%. Sendo assim, o suprimento destes países depende enormemente do aproveitamento das reservas localizadas nas regiões menos desenvolvidas - Oriente Médio e América Latina - que juntas possuem 77% das reservas mundiais provadas. Na América Latina, as principais reservas encontram-se no México e Venezuela. Neste contexto, o Brasil possui reservas provadas de 1,1 bilhão de toneladas de óleo, representando 0,8% das reservas mundiais. Este volume garantiria para o País cerca de 13 anos de suprimento. Apesar de suas reservas modestas, o país possui uma matriz energética diversificada e não tão dependente do petróleo, encontrando-se, portanto, em posição menos vulnerável do que aqueles cujas economias têm no petróleo sua principal fonte. O ranking dos países produtores não se diferencia muito da classificação por reservas provadas, à exceção dos EUA, que apesar do constante declínio de suas reservas

20 10 (equivalente a somente 4 anos de consumo), detém o segundo lugar, com 9,8% da produção, sendo a Arábia Saudita o primeiro (12,3%). O Brasil produz anualmente cerca de 63,5 milhões de toneladas, cerca de 1,8% da produção mundial. Já sob o ponto de vista do volume consumido, a classificação dos países se modifica radicalmente, e constata-se que treze países são responsáveis por quase 70% de todo o volume consumido no mundo, dentre eles o Brasil: Quadro 1: Maiores Consumidores de Petróleo MAIORES CONSUMIDORES País Consumo (milhões de toneladas) % Consumo Mundial 1 USA 897,4 25,6 2 Japão 253,5 7,2 3 China 226,9 6,9 4 Ex-URSS 173,1 5,0 5 Alemanha 129,5 3,7 6 Coréia do Sul 101,8 2,9 7 India 97,6 2,8 8 França 95,1 2,7 9 Itália 93 2,7 10 Brasil 84,4 2,4 11 México 84,3 2,4 12 Canadá 82,9 2,4 13 Reino Unido 77,6 2,2 Subtotal 2.397,1 69,0% Total 3.503,6 100,0% Fonte: BP Statistical Review of World Energy 2000 O Setor Petrolífero Brasileiro A baixa participação do Brasil nas reservas mundiais é compensada pelo fato de que enquanto as reservas provadas mundiais, nos últimos dez anos, permaneceram estáveis ao redor de 140 bilhões de toneladas ou 1 trilhão de barris, o Brasil, no mesmo período, triplicou suas reservas comprovadas, passando de 3 bilhões de barris para 9 bilhões ao final de Além disso, com todos os investimentos esperados para os próximos 5 anos, a expectativa é de que as reservas medidas cresçam para 13 bilhões de barris (Revista Exame, janeiro/2001).

21 11 Este notório crescimento foi resultado dos pesados investimentos em E&P, realizados pela estatal Petrobrás, que atingiram a média de US$ 2 bilhões anuais de 1980 a O esforço para diminuir o grau de dependência de importações, após os choques de 1973 e 1979, produziu resultados com as descobertas, pela Petrobrás, de petróleo no mar e com o desenvolvimento tecnológico nacional para a exploração em águas profundas, que transformou definitivamente o panorama da produção de petróleo no País. Já nos últimos anos, a média de investimentos em E&P tem sido ampliada, passando de R$ 3,7 bilhões em 1997 para R$ 5,3 bilhões em 2000, atingindo a admirável quantia de R$ 7,2 bilhões em A produção também apresenta índices de crescimento consideráveis, passando de 669 mil barris diários em 1997, para 1,3 milhão em 2000 (O GLOBO, 24/03/2002, p.37). Mas talvez a maior transformação já ocorrida no setor tenha sido a sua desregulamentação, que, após 45 anos de monopólio estatal nas áreas de exploração e refino, abriu o mercado para a participação de outras empresas. A Petrobrás então, deixou de ter a incumbência de explorar sozinha as 29 bacias sedimentares conhecidas, em uma manobra realizada para atrair grandes injeções de capital, necessárias para viabilizar o incremento da produção e o desenvolvimento da Indústria. Após um ano da Lei do Petróleo ter sido editada, em agosto de 1997, a recém criada ANP - Agência Nacional de Petróleo, anunciou as áreas que seriam mantidas como concessão da Petrobrás e aquelas que ficariam com o Poder Concedente para futuras licitações. A ANP permaneceu com 92,9% da área total das bacias sedimentares, e já promoveu, desde 1999, três leilões que totalizaram a assinatura de 67 contratos de concessão. O ágio médio registrado de aproximadamente % em cada um dos leilões, e a apressada inscrição de 27 empresas já em março de 2002, para o quarto leilão, previsto para junho do mesmo ano, demonstram o clima de entusiasmo criado com a abertura do território brasileiro. O potencial das reservas é o principal chamariz, uma vez que estas

22 12 permanecem praticamente inexploradas, com apenas 9% das bacias tendo sido licitadas. (O GLOBO, 24/03/2002, p.37). Do total de investimentos previstos para os próximos 10 anos neste setor, 85% serão destinados à atividade de Exploração e Produção (E&P) de petróleo. Características da Atividade de E&P Marítima (Offshore) A indústria petrolífera é considerada como de capital-intensivo, caracterizando-se por riscos geológicos e de mercado muito elevados. Indústrias desse tipo necessitam de perfeita coordenação entre os ritmos de produção e de consumo, para que os riscos sejam reduzidos e as reservas do subsolo valorizadas (FIGUEIREDO, 1998). A sua competitividade é garantida pela integração vertical e pelo volume dos negócios. A participação de uma empresa nas diversas atividades da cadeia produtiva tem por objetivo aumentar o seu grau de controle sobre o processo, de forma a reduzir o risco associado à queda do faturamento e à vulnerabilidade de suprimento de matéria-prima. Na indústria do petróleo, a verticalização significa a presença tanto nas atividades upstream (Exploração e Produção E&P) como downstream (Refino e Distribuição), permitindo garantia de suprimento de petróleo, economias de escala pelo aumento do porte da empresa, maior valor agregado pelas atividades e diversificação de investimentos (FIGUEIREDO, 1998). A atividade de exploração e produção da indústria de petróleo, denominada segmento upstream, abrange as áreas de prospecção de jazidas, desenvolvimento de reservas e produção de petróleo e gás natural. Cada campo, ou grupo de campos de petróleo se constitui em uma unidade de extração, cuja vida útil e volume produzido dependem das características do reservatório. As atividades de pesquisa e desenvolvimento de reservas caracterizam-se pelo uso intensivo de capital e elevado risco de insucesso econômico. Essas características refletem-se na busca da maximização da eficiência operacional na pesquisa exploratória, na perfuração e também na fase de produção, por meio da

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

OPERADORES LOGÍSTICOS. Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil!

OPERADORES LOGÍSTICOS. Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil! OPERADORES LOGÍSTICOS Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil! OPERADOR LOGÍSTICO PROVEDOR DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS TERCEIRIZADOS QUE, COM BASE EM CONTRATO, ATENDE A VÁRIAS OU TODAS AS NECESSIDADES

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS 2009 Introdução Resumo Executivo Apesar das turbulências que marcaram o ano de 2008, com grandes variações nos indicadores econômicos internacionais,

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Brasil não pode emperrar pré-sal, diz presidente do World Petroleum Council Qua, 19 de Setembro de 2012 08:08

Brasil não pode emperrar pré-sal, diz presidente do World Petroleum Council Qua, 19 de Setembro de 2012 08:08 Dirigindo uma das principais entidades de petróleo do mundo, o World Petroleum Council, mas também presidente da brasileira Barra Energia, Renato Bertani acha que o Brasil não pode se dar ao luxo, como

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

NAGI PG. As Oportunidades do Pré-sal: Como minha indústria pode participar deste mercado. Eng. Virgilio Calças Filho Sorocaba 27/02/2014

NAGI PG. As Oportunidades do Pré-sal: Como minha indústria pode participar deste mercado. Eng. Virgilio Calças Filho Sorocaba 27/02/2014 NAGI PG NÚCLEO DE APOIO À GESTÃO DA INOVAÇÃO NA CADEIA DE PETRÓLEO E GÁS As Oportunidades do Pré-sal: Como minha indústria pode participar deste mercado Eng. Virgilio Calças Filho Sorocaba 27/02/2014 Em

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

ÇÕES SOBRE MODELOS CONTRATUAIS PARA EXPLORAÇÃ ÇÃO O E PRODUÇÃ

ÇÕES SOBRE MODELOS CONTRATUAIS PARA EXPLORAÇÃ ÇÃO O E PRODUÇÃ CONSIDERAÇÕ ÇÕES SOBRE MODELOS CONTRATUAIS PARA EXPLORAÇÃ ÇÃO O E PRODUÇÃ ÇÃO O DE PETRÓLEO E GÁS G S NATURAL Ivan Simões Filho Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás G s e Biocombustíveis - IBP Seminário

Leia mais

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 A Petrobras comunica que seu Conselho de Administração aprovou o Plano Estratégico Petrobras 2030 (PE 2030) e o Plano de Negócios

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012 +Gás Brasil A energia que pode revolucionar a economia brasileira São Paulo, 17 de Outubro de 2012 A hora do gás na agenda nacional Mudanças tecnológicas, econômicas e políticas globais e locais impõem

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho Press release Data Contato EMBARGO 00h01min (horário Brasília) Terça-feira, 7 de outubro de 2014 Márcia Avruch Tel: +55 11 3674 3760 Email: marcia.avruch@br.pwc.com Pages 4 Receita do Network PwC cresce

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia 20 de agosto de 2013 Xisto muda geopolítica da energia A "revolução do xisto" em curso nos Estados Unidos, que já despertou investimento de US$ 100 bilhões na indústria americana, vai resultar em uma nova

Leia mais

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo;

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo; Fleury Pissaia * Entre 2011 e 2015, investimento previsto no setor industrial é de R$ 600 bilhões. Desse montante, indústria do petróleo representa 62%. No mesmo período, R$ 750 bilhões serão alocados

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES 31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX PALESTRA EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Rio de Janeiro, 27 de Setembro de 2012 2 DEFINIÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras P. Fernando Fleury Um dos principais efeitos do processo de globalização que vem afetando a grande maioria das nações, é o aumento

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

1 SKU - Stock Keeping Unit: refere-se à unidade na qual o produto é estocado e comercializado.

1 SKU - Stock Keeping Unit: refere-se à unidade na qual o produto é estocado e comercializado. Introdução A grande competitividade entre as indústrias de bens de consumo gera a necessidade de se estar sempre pronto para atender a demanda com o menor custo, não importando o quão sazonal ela possa

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Índice Introdução Capítulo 1 - Por que terceirizar a montagem de placas? Capítulo 2 - Como escolher a

Leia mais

Cadeia logística segura aplicada a portos e petróleo (mobilidade e rastreabilidade) Prof. Dr. Paulo Roberto Schroeder de Souza

Cadeia logística segura aplicada a portos e petróleo (mobilidade e rastreabilidade) Prof. Dr. Paulo Roberto Schroeder de Souza Cadeia logística segura aplicada a portos e petróleo (mobilidade e rastreabilidade) Prof. Dr. Paulo Roberto Schroeder de Souza Petrobras fará verdadeira revolução na Logística da Indústria do Petróleo

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO Destaques do Estudo As organizações mais bem-sucedidas serão aquelas que encontrarão formas de se diferenciar. As organizações estão

Leia mais

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios.

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Autor: Douglas Marcos da Silva 7 Sumário Executivo Nas últimas décadas, a evolução tecnológica, a interdependência dos mercados e a intensificação

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015 O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil Mario Lima Maio 2015 1 A Matriz Energética no Brasil A base da matriz energética brasileira foi formada por recursos

Leia mais

Workshop Sistema Indústria Núcleos de Petróleo e Gás nos Estados

Workshop Sistema Indústria Núcleos de Petróleo e Gás nos Estados Workshop Sistema Indústria Núcleos de Petróleo e Gás nos Estados Maurício Reis Santos AIB/DECAPEG Área de Insumos Básicos Departamento da Cadeia Produtiva de Petróleo e Gás DEMANDA POR PETRÓLEO: aumento

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore

Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore Condições de Financiamento Luiz Marcelo Martins (luizmarcelo@bndes.gov.br) Março 2011 Crescimento Brasileiro e Investimentos Crescimento

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

A INDÚSTRIA DE PETRÓLEO & GÁS NO ESTADO DO RJ. CAMPUS 2014 Brésil Internacional

A INDÚSTRIA DE PETRÓLEO & GÁS NO ESTADO DO RJ. CAMPUS 2014 Brésil Internacional A INDÚSTRIA DE PETRÓLEO & GÁS NO ESTADO DO RJ CAMPUS 2014 Brésil Internacional Agenda PetróleoeGásNaturalnoBrasileRiodeJaneiro Situação da Indústria Naval Sistema FIRJAN: Soluções para Indústria de P&G

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos São José dos Campos, 7 de novembro de 2008 A Embraer (BOVESPA:

Leia mais

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel.

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. Press Release Date 1º de outubro de 2013 Contato Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508 Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. (11) 3674-3760 Pages

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PROFESSOR: HAMIFRANCY MENESES 1 TÓPICOS ABORDADOS DEFINIÇÃO DE CANAL

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES ORGANIZACIONAIS Prof. Me. Léo Noronha Objetivos Informação estratégica Sistema de informações como fonte de vantagem competitiva (VC) Conceito de informação estratégica

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

Isaias Quaresma Masetti. Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br

Isaias Quaresma Masetti. Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br Inovação Tecnológica Frente aos Desafios da Indústria Naval Brasileira Isaias Quaresma Masetti Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br ... O maior obstáculo à indústria

Leia mais

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Maximize o desempenho das suas instalações Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Sua empresa oferece um ambiente de trabalho com instalações eficientes e de qualidade? Como você consegue otimizar

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

Novos Negócios Farma

Novos Negócios Farma Novos Negócios Farma *Estudos Pré-Clínicos no Brasil: atual cenário e oportunidades *P&D de Novas Moléculas no Brasil *Parcerias ICTs & Empresas: barreiras e oportunidades *Oportunidades e desafios do

Leia mais

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso Secretário-Executivo do Conselho de Infraestrutura da Confederação Nacional da Indústria CNI Brasília, 4 de maio de 2011 1 Qualidade

Leia mais

Logistica e Distribuição. Conceito. Nomenclatura dos Operadores Logísticos

Logistica e Distribuição. Conceito. Nomenclatura dos Operadores Logísticos A terceirização de serviços logísticos se constitui uma das Logística e Distribuição novas tendências da prática empresarial moderna, principalmente dentro dos conceitos da Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

1. Informações Institucionais

1. Informações Institucionais 1. Informações Institucionais Nossa Empresa Líder mundial em eventos de negócios e consumo, a Reed Exhibitions atua na criação de contatos, conteúdo e comunidades com o poder de transformar negócios Números

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç ã o p a r a s u p o r t a r a p l i c a ç õ e s c r í t i c a s

W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç ã o p a r a s u p o r t a r a p l i c a ç õ e s c r í t i c a s Av Eng. Luiz Carlos Berrini 1645, 8 andar, 04571-000 Brooklin Novo, São Paulo SP Brazil. Tel: 55 11 5508-3400 Fax: 55 11 5508 3444 W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Um futuro híbrido: A combinação transformadora entre consumo e prestação de serviços de TI. Sponsored by

Um futuro híbrido: A combinação transformadora entre consumo e prestação de serviços de TI. Sponsored by Um futuro híbrido: A combinação transformadora entre consumo e prestação de serviços de TI Sponsored by Um futuro híbrido: a combinação transformadora entre consumo e prestação de serviços de TI Uma nova

Leia mais

Agentes Governamentais. Indústria Nacional. Operadoras de P&G

Agentes Governamentais. Indústria Nacional. Operadoras de P&G Agentes Governamentais Indústria Nacional Operadoras de P&G Missão Promover a maximização dos benefícios decorrentes da expansão da indústria petrolífera para toda a sociedade brasileira Estimular novos

Leia mais

Otimizada para Crescimento:

Otimizada para Crescimento: Quinta Pesquisa Anual de Mudança na Cadeia de Suprimentos RESUMO REGIONAL: AMÉRICA LATINA Otimizada para Crescimento: Executivos de alta tecnologia se adaptam para se adequar às demandas mundiais INTRODUÇÃO

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Introdução. A Internet de Todas as Coisas está pronta para gerar pelo menos US$ 613 bilhões em lucros empresariais mundiais no. ano de 2013.

Introdução. A Internet de Todas as Coisas está pronta para gerar pelo menos US$ 613 bilhões em lucros empresariais mundiais no. ano de 2013. Internet de Todas as Coisas (IoE). 10 principais descobertas da Pesquisa Índice de valor da IoE da Cisco com 7.500 responsáveis pela tomada de decisão em 12 países Joseph Bradley Jeff Loucks Andy Noronha

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

MARCA BRADESCO RECURSOS HUMANOS

MARCA BRADESCO RECURSOS HUMANOS ATIVOS INTANGÍVEIS Embora a Organização não registre seus ativos intangíveis, há evidências da percepção de sua magnitude pelos investidores e que pode ser encontrada na expressiva diferença entre o Valor

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

MANUAL DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE INVESTIMENTOS IPEA - INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA MANUAL DE INVESTIMENTOS PROPOSTA DE COLETA E CADRASTRAMENTO DE INFORMAÇÕES SOBRE INTENÇÕES DE INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS (Segunda Versão) Luciana Acioly

Leia mais

panorama do mercado brasileiro de Cloud Comput

panorama do mercado brasileiro de Cloud Comput panorama do mercado brasileiro de Cloud Comput Cloud Conf 2012 Agosto de 2012 Sobre a Frost & Sullivan - Consultoria Global com presença nos 4 continentes, em mais de 25 países, totalizando 40 escritórios.

Leia mais

COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA

COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA 1 OBJETIVOS 1. Como nossa empresa pode medir os benefícios de nossos sistemas de informação? Quais modelos deveríamos usar para

Leia mais