Estratégias de terceirização nos serviços de limpeza, conservação e segurança: Um estudo de caso na rede bancária

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estratégias de terceirização nos serviços de limpeza, conservação e segurança: Um estudo de caso na rede bancária"

Transcrição

1 Estratégias de terceirização nos serviços de limpeza, conservação e segurança: Um estudo de caso na rede bancária Nivaldo Pereira da Silva (UTFPR) Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) Marcos Surian Thomaz (UTFPR) Resumo: O presente artigo aborda as estratégias de terceirização nos serviços de limpeza, conservação e segurança. Desta forma efetuou-se a seguinte problematização: Quais as vantagens que as agencias bancarias obtém com os serviços terceirizados? No desenvolvimento deste trabalho foi aplicada uma pesquisa quantitativa com questionário fechado para a coleta de dados junto a rede bancária na Cidade de Ponta Grossa Paraná. A intenção deste trabalho é obter uma visão mais ampla sobre os conceitos que emergem sobre terceirização, com a implantação de sistemas estratégicos de parcerias com outras empresas, nos diversos setores e as devidas repercussões das mesmas no âmbito da organização. Destacam-se as exigências por parte das empresas para terceirizar os serviços, pois os terceirizados serão agentes responsáveis diretos pela execução dos serviços. Palavras chaves: Terceirização, fornecedor, cliente, qualidades dos serviços e atendimento 1. Introdução Atualmente, as empresas buscam novas formas de gestão e organização da produção, a terceirização. É uma estratégia de baixo custo, fato que invoca sua competitividade e produtividade. Neste aspecto, observa-se uma tendência crescente dos baixos níveis de integração vertical nas empresas, permitindo à empresa atuar com maior dedicação nas atividades de maior importância. Neste contexto, para Porter (1999) uma vantagem competitiva é implementada se houver estratégia de diferenciação, (inovação e desenvolvimento de novos de produtos e serviços) com baixo custo. Na última década, o conceito de terceirização vem passando por uma reviravolta, evoluindo de terceirização tradicional que visava apenas cortar custos relativos aos processos periféricos da empresa aplicados a serviços de limpeza, alimentação, segurança (exceto quando esta é a atividade fim da organização), que não exigem habilidades complexas do fornecedor, passando por um aprimoramento para uma definição de terceirização estratégia transformadora com o objetivo de dotar a empresa com atributos de rapidez, flexibilidade e eficiência, na prestação e elaboração de produtos e serviços, otimizando custos (LINDERS, COLE E JACOBSON, 24). Vivemos em um cenário em que não mais existem espaços para improvisos e arranjos. Competência, criatividade, flexibilidade, velocidade, cultura de mudança e trabalho em equipe são as características básicas das empresas e das organizações que têm a competitividade vencida como razão de ser de sua sobrevivência (KARDEC; NASCIF, 22). Existe forte competição neste novo cenário onde as exigências do cliente mudaram, forçando as empresas a agregar em seus produtos e serviços a qualidade, redução de custos, criatividade, produtividade, envolvimento de funcionários e soluções práticas e rápidas. Novas exigências exigem novos processos de produção e assim conceitos como a qualidade

2 total no trabalho em equipe, parceria, reengenharia e terceirização passaram a fazer parte do cotidiano das empresas (SILVA, 1995). 2. Métodos de terceirizações Para LINDERS, COLE E JACOBSON (24), algumas propostas são necessárias para elaboração de um método de decisão para implantar um processo de terceirização. a) Método estruturado que empreenda uma estruturação estratégica para identificar e administrar todas as etapas que exigem decisões: as atividades que serão delegadas a escolha do fornecedor, a negociação do contrato, e a maneira de administrar o relacionamento. b) Neste ponto o contratado consegue captar valores que o contratante não percebe, neste ponto o fornecedor alcançará ganhos de escala e ganhos de habilidades. Expandindo assim a outros clientes inovações obtidas com o processo. c) Os contratantes e os contratados dividindo riscos e benefícios, com expectativa de melhora no desempenho das empresas. Um o objetivo de aumento nos valores para os acionistas. Mostrando a evolução na terceirização. d) Identificar e administrar os perigos mais estrategicamente, aumentar a complexidade do relacionamento com o fornecedor. Onde o importante é monitorar o terceirizado. Utilizando para tanto os parâmetros corretos. 3. Vantagens e desvantagens do processo de terceirização Dentre os vários motivos que levam um a empresa a terceirização, podemos destacar a racionalização dos custos e a reestruturação da produção (KARDEC; NASCIF, 22). Ao terceirizar as empresas podem concentrar seus esforços em seus negócios, em suas metas e nas diversificações de oportunidade. Neste processo deve se existir uma interface organizacional entre as contratadas e o contratante, durante o período das atividades propostas. Importante salientar que, inicialmente a terceirização foi aplicada de forma tradicional como forma estratégica de reduzir custos e otimizar as atividades da empresa, mesmo em detrimento da perda de qualidade, porém algumas empresas voltaram a primarização das atividades (nos casos em que a terceirização foi realizada sem análise de valor). Após o período inicial, as empresas passaram a utilizá-la como instrumento para transformação nos processo e negócios mais críticos das empresas, embora com certas restrições em relação a satisfação para os empregados e para clientes. Entretanto a terceirização está presente em diversas organizações, ainda que os resultados não sejam encorajadores, Destacam-se os modelos que existem de parcerias entre contratantes e contratadas, constituindo-se em terceirizações estratégicas e transformadoras. Nos últimos anos uma grande mudança no sistema tradicional de terceirizações evoluiu para um modelo estratégico, pois o modelo tradicional terceirizava apenas atividades como limpeza, alimentação e segurança, casos que não exigiam habilidades específicas dos contratados, não sendo a área de atuação fim da organização contratante. O que diferencia o modelo tradicional para o estratégico, é que o estratégico terceiriza não somente os serviços de limpeza e alimentação, mais todas as atividades que permitem a empresa possuir ganho de escala, otimizando custos e podendo concentrar-se nas atividades que podem gerar vantagens competitivas para a organização.

3 A tabela -1 apresenta as vantagens da terceirização, que podem ser vinculadas na qualidade dos serviços, transferência de tecnologias, revisão estrutural e cultural da empresa, melhores resultados no conjunto da empresa, simplificação da estrutura organizacional, maior agilização das decisões, eficiência administrativa e contribuição para o fim de uma situação deficitária. Porém, o processo de terceirização apresenta desvantagens tais como: dificuldade em encontrar o parceiro ideal, em efetivar um contrato de parceria, o baixo nível gerencial dos fornecedores, o seu pouco empreendedorismo, e a falta de formação de seus empregados. VANTAGENS Focalização dos negócios da empresa na sua área de atuação Diminuição dos desperdícios Redução dos níveis hierárquicos e do quadro direto de colaboradores Redução das atividades-meio Aumento da qualidade Ganhos de flexibilidade Aumento da especialização do serviço Aprimoramento do sistema de custeio Maior agilidade nas decisões Menor custo Maior lucratividade e crescimento Favorecimento da economia de mercado Otimização dos serviços Aumento da produtividade e competitividade Redução do quadro direto de empregados Tabela 1 Vantagens e desvantagens da terceirização DESVANTAGENS Perda de identidade cultural da empresa, a longo prazo, por parte dos funcionários Falta de parâmetros de custos internos Risco de desemprego e não absorção da mão-de-obra na mesma proporção Resistência e conservadorismo Risco de coordenação dos contratos Demissões na fase inicial Custo de demissões Dificuldade de encontrar a parceria ideal Falta de cuidado na escolha dos fornecedores Aumento do risco a ser administrado Conflito com os sindicatos Mudanças na estrutura do poder Aumento da dependência de terceiros Perda do vínculo para com o empregado Desconhecimento da legislação trabalhista Redução da ociosidade das máquinas - Maior poder de negociação - Ampliação do mercado para as pequenas e médias empresas Possibilidade de crescimento sem grandes investimentos Economia de escala - Diminuição do risco de obsolência das máquinas durante a recessão Fonte: MORETO, L. Gestão eficaz de contratos: suporte para a implantação da terceirização de serviços. Dissertação de Mestrado. UFSC, O modelo estratégico de terceirização sinaliza que a mesma pode ser efetuada na tecnologia da informação. As empresas estão terceirizando atividades relacionadas a processos administrativos como o calculo de salários, impostos; inclusive na administração de edifícios e gestão da administração de reclamações de clientes.

4 4. Modelo de gestão e implantação de processos de terceirização Neste modelo, busca-se organizar os elementos que podem causar impactos nas decisões estratégicas, como os fatores humanos, econômicos e decisões estratégicas, com a possibilidade de adoção deste modelo para outras áreas da empresa, que terá como princípios básicos: a análise do benchmarking interno e externo, as negociações dos contratos e o gerenciamento da terceirização (LINDERS, COLE E JACOBSON, 24) Análise das atividades internas Uma vez identificado o conjunto de atividades diferenciais em relação à concorrência, há necessidade de individualização do processo a ser terceirizado, avaliando e comparando a eficiência de diversas atividades, destacando possíveis desperdícios de recursos e falta de habilidades. As escolhas de terceirizações decorrem de fatores econômicos, quais sejam, custos de produção e transacionais. Os riscos de produção estão ligados diretamente à manufatura dos serviços, no que as contratadas podem oferecer preços inferiores e serviços com maior qualidade. Os custos transacionais envolvem os seguintes custos: custos com negociações; custos de monitoramento; custos contratuais circunstanciais, que decorrem das condições gerais durante as etapas preliminares; custos de mercado: neste caso está relacionado ao número de fornecedores, pois quanto maior, o custo será menor e custos relacionados à gerência: neste caso deve ser analisada a especificidade, relacionada ao nível de reutilização dos processos/mercadorias em diversas aplicações, e a complexidade, que é a dificuldade de controle e de definição dos termos e condições do contrato do processo terceirizado. Neste contexto devem ser avaliados itens como baixos ou altos, que resultam em quatro tipos possíveis de relacionamentos, conforme cita WATSON (1993): 1) Fornecedor tradicional; 2) Relacionamento temporário; 3) União estratégica; 4) Organização em rede. As atividades ordenadas serão terceirizadas de acordo com as camadas progressivas, por meio da avaliação dos seguintes critérios: a) Habilidade técnica do contrato envolvido na implementação do processo de terceirização; b) Custo total da compra: Soma da produção de fornecedor e dos custos com gerenciamento; c) Impacto sobre usuário final: Nível de interação entre o contratante e o consumidor final; d) Relação com o negocio principal: Uma atividade a ser terceirizada é considerada de maior importância, quanto mais se aproxima do negócio principal da empresa; e) Segurança, das pessoas ou equipamentos no processo de terceirização; f) Confidencialidade; Garante a segurança de informações estratégicas; g) Monitoramento: Envolve a facilidade de controle da atividade; h) Recursos humanos internos. A organização das atividades para implantação de um processo de terceirização constitui um ponto crucial. As condições capazes de influenciar a classificação das atividades são os graus

5 de importância de cada critério, e significam a intensidade do argumento necessário para validar o julgamento, segundo o qual uma atividade é mais importante do que a outra Análise dos fatores externo Compreende-se nesta etapa: avaliação do fornecedor, na escolha do fornecedor o contratante pode optar por associar a um fornecedor único, a diversos fornecedores independentes ou vários contratados coordenados por um fornecedor líder. As estratégias podem ser fornecedor único, fornecedores diversos, ou fornecedores integrados, conforme cita WATSON (1993) abaixo: a) Fornecedor único: As duas empresas atuam juntas, sendo que o fornecedor compreende as necessidades do cliente e oferece melhores serviços, em contrapartida, pode haver perda de alto nível de desempenho. b) Fornecedores diversos: São vários fornecedores gerenciados por um contratante. Essa técnica exige maior monitoramento e coordenação dos fornecedores, no entanto, permite melhores serviços e preços mais baixos. c) Fornecedores integrados: Diversos fornecedores gerenciados por um terceirizado. Esta estratégia traz a mesma vantagem das duas anteriores, melhor forma de interação, pois o contratante interage apenas com o fornecedor principal, responsável pelo desempenho dos demais. A estratégia para a escolha deste fornecedor são experiência e posicionamento no mercado, preço, qualidade, técnica e capacidade de gerenciar relacionamentos entre as empresas. Destaca-se também nesta etapa o acordo sobre o nível de serviços, onde tratar-se-ão as relações de terceirizações e seus objetivos. Define-se primeiramente o padrão de serviços desejado sem consonância com o fornecedor, ou seja, o compromisso entre os responsáveis pelo processo e suas equipes, incluído no contrato, o gerenciamento do nível de serviço completo, a tarefa com um grupo de especialistas responsáveis por monitorar, controlar e avaliar os níveis de serviços, e gerenciar as relações com o fornecedor. A negociação do contrato nada mais é do que a formalização da relação entre as partes um processo de terceirização. Não pode ter êxito se tudo não estiver transparente num contrato, é importante formalizar mo tipo de relacionamento, o tempo de duração, os critérios de avaliação e modos de atuar em casos de controvérsias Gerenciamento da terceirização: Neste processo destacam-se dois elementos a) Evolução: Nesta etapa o contratante e o fornecedor, definem os objetivos e os momentos de medição. Para gerenciar a evolução de um processo de terceirização no tempo, é necessário determinar os níveis de desempenho para os índices de compromisso entre os responsáveis. b) Banco de prova: Este método se aplica por meios de passos estruturados. Assim é concebido para melhor avaliar a situação de cada fase do processo, garantindo assim mais eficiência. Passos para avaliar as diferentes estratégias de gerenciamento do processo de terceirização, de acordo com (LINDERS, COLE E JACOBSON, 24): 1º passo: definição do processo de terceirização a ser implantado; 2º passo: coleta de todas as informações sobre o processo de terceirização; 3º passo: aplicação do método proposto e estudo de alternativas aplicáveis;

6 4º passo: análise dos resultados; 5º passo: implantação de um software com planilhas e gráficos, para auxílio no gerenciamento do processo de terceirização. Nesta fase objetiva-se apresentar um modelo geral capaz de avaliar e conduzir o processo de terceirização durante as etapas decisivas. Uma visão dinâmica do processo de terceirização, que venha a facilitar o controle e a reorganização das metas de terceirizações durante a evolução do processo. Este modelo permite o contratante dedicar mais esforços para análise dos aspectos organizacionais e definição de processos. A necessidade da teoria de benchmarking e das melhores práticas de terceirização, ajuda na inserção de intervalo entre as práticas comuns e a abordagem mais estruturada. 5. Como terceirizar para transformar Alguns aspectos da forma de implementação de terceirização visam estabelecer uma verdadeira parceria e trazer recompensas significativas. A terceirização de processo administrativo, vista como estratégica, já significa um passo além em relação às formas convencionais de terceirização. No entanto, inúmeros presidentes de empresas ao redor do mundo estão utilizando maneiras ainda mais ousadas para alcançar uma melhora rápida e sustentável no desempenho da empresa como um todo. Trata-se da terceirização voltada para transformar o negócio ou terceirização transformacional, o conceito convencional de terceirização é substituído pela idéia de parceria. Esta parceria permite que a direção concentre sua atenção nas atividades essenciais da empresa. Exemplo disto é o processo de terceirização de tecnologia de informação (TI), onde várias empresas incluindo a empresa alvo de nosso estudo vêm terceirizando estas atividades. Isso ocorre em função da percepção que o mercado possui empresas mais especializadas na atividade, de forma a auferir vantagem competitiva com a contratação de um prestador de serviços em relação ao desenvolvimento interno de tecnologia. Entretanto não é somente no setor de TI que o processo de terceirização avança para uma aliança estratégica, porque atualmente algumas empresas não possuem indústria física, mas tão somente uma marca com gerência administrativa, onde os diversos parceiros interagem fabricando partes do todo administrado pelo proprietário da marca. Com isso os benefícios da terceirização se multiplicaram, reduzindo custos, com acesso as novas capacitações, melhorando seu nível de serviço, aumentando a capacidade de responder as constantes transformações do mercado. Por derradeiro, melhoraram significativamente os processos mais cruciais para o sucesso da empresas contratantes. Sendo um programa destinado a mudar a maneira pela qual uma empresa funciona, a terceirização atua como forma rápida, sustentável e radical de alcançar melhoria no desempenho geral das empresas, as quais compartilham riscos e ganhos com um parceiro de terceirização ao colaborar para transformar o processo de negócios essenciais em armas competitivas, o que reverte em ganhos no preço das ações, na posição de mercado e retorno sobre o capital investido (LINDERS, COLE E JACOBSON, 24). 6. Metodologia e análise dos resultados Para alcançar os objetivos pretendidos no presente trabalho, foram aplicados questionários para desenvolver o tema proposto. Segundo Gil (1996, p.9), o questionário constitui o meio mais rápido e barato de obtenção de informações, além de não exigir treinamento de pessoal e garantir o anonimato.

7 Utilizam-se os métodos descritivos estatísticos, que buscam responder às questões quantitativas da pesquisa, apresentando resultados analisados e interpretados a partir de médias e percentuais das respostas obtidas. A pesquisa de cunho quantitativo foi aleatória, por acessibilidade, sendo aplicada junto a 11 (onze) gestores responsáveis pelas agências bancarias na Cidade de Ponta Grossa - Paraná, nos dias 26, 27 e 28/8/27, sob a forma de questionário, tendo como objetivo avaliar a importância da terceirização para a rede bancaria Por não ter Know how Para concentrar esforços no core business Reduzir custos e ganhar agilidade Figura 1 Motivos para terceirização dos serviços de limpeza, conservação e alimentação Constata-se que os bancos utilizam a terceirização em 45% para concentrar os esforços em seus negócios, 3% como forma de reduzir os custos e ganhar agilidade e 25% por não ter conhecimento nos serviços terceirizados, pois a terceirização é um processo que pode abranger praticamente todos os processos de retaguarda da empresa, obrigatórios e compulsórios. Na terceirização, uma empresa procura sair de determinados processos ou atividades que, para ela, não são essenciais ou prioritárias, transferindo sua realização a empresas para as quais tais processos são essenciais Preço Localização Experiência Especialização da empresa Tecnologia Figura 2 Critérios utilizados para contratação Observa-se que a 4% da terceirização está diretamente relacionada ao preço, 25% salientam que a experiência da empresa é fator determinante, 15% afirmam que a tecnologia e a especialização da empresa em determinado ramo da terceirização é um item importante.

8 EPI Ferramental Materiais Equipamentos Mão-de-obra Figura 3 Itens fornecidos pela empresa terceirizada Neste item as empresas firmam contrato com o terceirizado para o fornecimento total dos elementos que compõem os serviços, tais como: EPI, ferramental, equipamentos, mão-deobra, e algumas empresas preferem comprar o material para o terceirizado efetuar o serviço Sim Não Figura 4 Apresentação de plano de trabalho da empresa contratada De acordo com a figura 4 observa-se 9% das empresas exigem da terceirizada um plano de trabalho, conforme a figura 5 em questão, saliente-se que 9% dos processos são descritos com clareza para o devido acompanhamento pela empresa contratante Sim Não Figura 5 Descrição dos processos com clareza

9 Plano de segurança e saúde Informações técnicas Plano de contigência Instruções para execução Check list de serviços Cronograma de atividades Figura 6 - Informações apresentadas no Plano de Trabalho Observa-se que o plano de trabalho deve ser detalhado, pois as empresas contratantes exigem em % cronograma de atividades a ser desenvolvido, plano de contingência e por último um plano de segurança e saúde para os funcionários Avaliação continua Conforme reclamações e elogios Auditorias Por meio de check list Avaliação de supervisores Figura 7 Forma de acompanhamento dos serviços Conforme a figura 7, observa-se que 3% efetuam acompanhamento dos serviços por meio de avaliação continua e auditorias, 2% por meio de check list, e % das empresas acompanham os serviços terceirizados por reclamações e elogios ou por meio de avaliação de supervisores. Neste item destaca-se a importância da qualidade dos serviços efetuados pelos terceirizados, sobretudo resulta a percepção do contratante Atende totalmente Atende parcialmente Não Figura 8 - A qualidade dos serviços atendimento às necessidades

10 De acordo com a figura 8, observa-se que para 8% das empresas contratantes a qualidade dos serviços terceirizados atende as necessidades, 2% atende parcialmente as necessidades do contratante. Perceba-se que não existe um não atendimento às necessidades. Não há diferenças Desconhece as referências Flexibilidade administrativa Menor custo Maior eficiência Aumentou a produtividade Figura 9 - Ganhos que a empresa obteve terceirizando os serviços Muito Pouco Nenhum Figura Os ganhos da terceirização na produtividade Conforme a figura 9, percebe-se que para % houve uma redução considerável nos custo dos serviços, 8% das empresas contratantes obtiveram um aumento de produtividade. Da figura, em 7% dos casos, a terceirização trouxe ganhos de produtividade para a empresa, podendo a mesma concentrar-se na sua atividade fim. Outro Preços Atendimento Pessoal especializado Tecnologia Qualidade do serviço Figura 11 Vantagens dos serviços terceirizados

11 Conforme a figura 11 observa-se que para % a qualidade dos serviços e o atendimento são fatores importantes como vantagens dos serviços terceirizados, e para 8% a tecnologia e preços são vantagens dos serviços terceirizados. 7. Conclusão Percebe-se através da pesquisa que as terceirizações efetuadas pela rede bancária são realizadas através do método tradicional, sendo funções que melhoram a eficácia do processo. Qualquer empresa prestadora de serviços de qualquer lugar do país, após cumprir os prérequisitos mínimos pode ser candidata a prestar serviços nas organizações ou unidade de negócio e ganhar licitação, mesmo sem conhecer a cultura da empresa e sem compromisso com resultados, apenas com o ideal de menor preço. As empresas vinculam aos contratos a necessidade de a terceirizada possuir experiência de no mínimo dois anos antes de ganhar uma licitação e possuir em seus quadros de funcionários pessoas com habilidade para os serviços a serem desenvolvidos. Critério importante a ser destacado é o acompanhamento dos serviços efetuados pela terceirizada, pois geralmente é uma avaliação continua dos serviços que serve como base para a prorrogação do contrato. As decisões sobre a continuidade dos serviços devem ser embasadas em critérios técnicos de resultados com a qualidade dos serviços prestados, atendimento e plano de contingência no âmbito geral. As medições mensais devem atender vários itens de controles estratificados no contrato de parceria, as medições devem ser pontos de destaque nos resultados, tais como segurança, treinamento e satisfação do cliente interno e externo e outros índices que interferem para alcance de resultados financeiros da organização contratante. Referências KARDEC, Alan; NASCIF, Júlio Aquino. Manutenção: função estratégica. 2ª.ed. Rio de Janeiro: Qualitymark, 21. LINDERS, JANE; COLE, MARTIN; JACOBSON, ALVIN. Como terceirizar para transformar. HSM MANAGEMENT, jan./fev.24. MIRSHAWKA, V. & OLMEDO, N.C. Manutenção combate aos custos na não-eficácia a vez do Brasil. São Paulo: Editora McGraw-Hill Ltda., MORETO, L. Gestão eficaz de contratos: suporte para a implantação da terceirização de serviços. Dissertação de Mestrado. UFSC, 2. PINTO, A. K. Manutenção: função estratégica. Rio de Janeiro: Qualitymark 22. PORTER, M. E. Competição on competition: Estratégias competitiva essenciais. Rio de Janeiro, Editora Campus RAMOS, D. M. de O. Terceirização na administração pública. São Paulo: Letras, 21. SILVA, F. G. Terceirizações paradoxos e contradições. editora Top Publishing, São Paulo SP TAKAHASHI, Yoshikazu; OSADA, Takashi. TPM/MPT: manutenção produtiva total. São Paulo: IMAM, 1993.

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO Wallace Passos Malheiros wallace.malheiros@gmail.com André Lima Duarte sesplife@yahoo.com.br

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br

Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br abraman Congresso de Manutenção - 2001 EFEITOS DA TERCEIRIZAÇÃO SOBRE A MANUTENÇÃO Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br Terceirização é a transferência para terceiros de atividades que

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

REENGENHARIA PARTE I

REENGENHARIA PARTE I REENGENHARIA PARTE I Introdução O que é a REENGHENHARIA? De acordo com a definição original de Hammer e Champy, a reengenharia é a Implementação de mudanças radicais que, ao redesenhar os processos de

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA Profa. Ligia Vianna Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ADMINISTRAÇÃO Num passado não muito distante, a ordem sociopolítica compreendia apenas dois setores, ou seja, um público e outro privado. Esses setores

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Prof. Mércio Rosa Júnior PRODUÇÃO 02 e 03 de Fevereiro de 2011

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Prof. Mércio Rosa Júnior PRODUÇÃO 02 e 03 de Fevereiro de 2011 Workshop 2011 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Prof. Mércio Rosa Júnior PRODUÇÃO 02 e 03 de Fevereiro de 2011 Agência Nacional de Transportes Aquaviários O MAPA ESTRATÉGICO ANTAQ 2 Missão Assegurar à sociedade

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional CONSULTORIA EM SISTEMAS DE GESTÃO (11) 4351-5774 E-mail: belsconsultoria@belsconsultoria.com.br Visite Quem Somos /Atuação: Somos uma Consultoria inovadora que presta serviços

Leia mais

Contribuição do Sistema de Gestão Integrado para empresas prestadoras de serviços

Contribuição do Sistema de Gestão Integrado para empresas prestadoras de serviços 1 Contribuição do Sistema de Gestão Integrado para empresas prestadoras de serviços RESUMO O presente trabalho tem como objetivo analisar a contribuição que o Sistema de Gestão Integrado(SGI) proporciona

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE HOTELARIA E HOSPITALIDADE TURÍSTICA ESTUDO DE CASO DOS HOTÉIS DE PONTA GROSSA PARANÁ.

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE HOTELARIA E HOSPITALIDADE TURÍSTICA ESTUDO DE CASO DOS HOTÉIS DE PONTA GROSSA PARANÁ. FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE HOTELARIA E HOSPITALIDADE TURÍSTICA ESTUDO DE CASO DOS HOTÉIS DE PONTA GROSSA PARANÁ. SILVA, Isiele Mello - Faculdade Santa Amélia 1 SILVA, Nivaldo Pereira

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

BPM - Sem Processos, Sem Nada!

BPM - Sem Processos, Sem Nada! BPM - Sem Processos, Sem Nada! Márcio Teschima email: marcio@teschima.com Cientista da Informação, Pós Graduado em Qualidade, Processos e Projetos e com MBA em Gestão Empresarial, busco a oportunidade

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado:

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: Questão nº 1 Produto Para fazer frente ao problema de prazo de entrega do produto, a Megabooks poderia compensá-lo com uma agregação de valor ao produto. Poderia, por exemplo, utilizar uma sobrecapa personalizada

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS Ensinar para administrar. Administrar para ensinar. E crescermos juntos! www.chiavenato.com GESTÃO E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS Para Onde Estamos Indo? Idalberto Chiavenato Algumas empresas são movidas

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA

O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA Bambuí/MG - 2008 O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA Júlio César Benfenatti FERREIRA (1); Antônio Carlos SANTOS(2)*

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS.

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. MANUAL DO CANDIDATO Ingresso março 2011 ESPM Unidade Porto Alegre Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51) 3218-1400 Segunda a sexta-feira 9h00

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2

TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2 TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2 Alan Kardec Pinto A abordagem desta importante ferramenta estratégica será feita em cinco partes, de modo a torná-la bem abrangente e, ao mesmo tempo,

Leia mais

Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros

Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros 21 de junho de 2013 Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros Fernando Lage Sócio-Diretor KPMG Risk Advisory Services Definição A definição de Control Self Assessment (Auto

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

Contribuição do Sistema de Gestão Integrado para empresas prestadoras de serviços

Contribuição do Sistema de Gestão Integrado para empresas prestadoras de serviços 1 Aline R. Gomes Damasceno Contribuição do Sistema de Gestão Integrado para empresas prestadoras de serviços Heliton E. de Moura Damasceno Rosely Ap. Dias Mascarenhas José Glênio M. de Barros UNITAU UNITAU

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu.

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu. Determinação do momento ótimo para a realização da manutenção preventiva em equipamentos de uma indústria metalúrgica: um estudo voltado para a redução de custos Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR)

Leia mais

PROF. LÍVIO GIOSA PRESIDENTE DO CENAM CENTRO NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO EMPRESARIAL (OUTUBRO/ 2010)

PROF. LÍVIO GIOSA PRESIDENTE DO CENAM CENTRO NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO EMPRESARIAL (OUTUBRO/ 2010) PROF. LÍVIO GIOSA PRESIDENTE DO CENAM CENTRO NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO EMPRESARIAL (OUTUBRO/ 2010) METODOLOGIA DA PESQUISA PESQUISA QUANTITATIVA POR AMOSTRAGEM. PROTEÇÃO E PRESERVAÇÃO DO SIGILO Dados para

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro

Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro 1 Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro Atuamos junto a estes três grupos de empresas, ajudando-os a atender da melhor maneira às necessidades do consumidor 2 Atendemos às necessidades

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Pós-Graduação Business Intelligence

Pós-Graduação Business Intelligence Pós-Graduação Business Intelligence Tendências de Mercado de Business Intelligence Aula 01 Negócios e Tecnologia da Informação Objetivos da Aprendizagem Discutir as pressões corporativas e as reações que

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

9001:2000 - EPS - UFSC)

9001:2000 - EPS - UFSC) Implantação de um sistema de gestão da qualidade conforme a norma ISO 9001:2000 numa pequena empresa de base tecnológica, estudo de caso: Solar Instrumentação, Monitoração e Controle Ltda. Gustavo Slongo

Leia mais

MBA: Master in Project Management

MBA: Master in Project Management Desde 1968 MBA: Master in Project Management Projetos e Tecnologia da Informação FMU Professor: Marcos A.Cabral Projetos e Tecnologia da Informação Professor Marcos A. Cabral 2 Conceito É um conjunto de

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE

MENSAGEM DO PRESIDENTE Ética para viver Ética para viver MENSAGEM DO PRESIDENTE Caro colaborador, A Bandeirante possui missão, visão e valores definidos. Eles estão discriminados em um documento amplamente difundido dentro e

Leia mais

Capítulo 5 Sistemas de Informação para Vantagem Estratégica

Capítulo 5 Sistemas de Informação para Vantagem Estratégica Capítulo 5 Sistemas de Informação para Vantagem Estratégica SEÇÃO I: Fundamentos da Vantagem Estratégica Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

*Os pontos de vista expressados aqui são meus e não necessariamente representam aqueles do FDIC.

*Os pontos de vista expressados aqui são meus e não necessariamente representam aqueles do FDIC. Orientação Geral para Mandatos de Seguro de Depósito Eficazes Considerações importantes no Projeto de um Mandato Eficaz Disponibilidade de Recursos para um Sistema Eficaz de Seguro de Depósitos: Financiamentos,

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima INDICADORES DE RH E METAS ORGANIZACIONAIS JÚLIO SÉRGIO DE LIMA Blumenau SC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO E PERSPECTIVAS DE NEGOCIO, ARQUITETURA DE MEDIÇÃO DO DESEMPENHO E NIVEIS DOS

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Administração Estratégica Conceitos Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Alternativas Estratégicas É a estratégia que a alta administração formula para toda a empresa. Reestruturação Empresarial

Leia mais

APLICAÇÃO DO MODELO BUSINESS PROCESS OUTSOURCING (BPO) DE FRANCESCHINI EM UMA EMPRESA DO SETOR DE REFLORESTAMENTO

APLICAÇÃO DO MODELO BUSINESS PROCESS OUTSOURCING (BPO) DE FRANCESCHINI EM UMA EMPRESA DO SETOR DE REFLORESTAMENTO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& APLICAÇÃO DO MODELO BUSINESS PROCESS OUTSOURCING

Leia mais

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA Palestrante: Eduardo José Ribeiro de Castro, MSc. eduardo@quaddract.com.br 25/08/2009 1 Objetivo Geral APL Brasília Capital Digital Desenvolver entre as empresas

Leia mais

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam definir termos e conceitos da qualidade. Para tal, pretende-se discutir a relação que se estabelece

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização DISCIPLINA: Introdução à Administração FONTE: BATEMAN, Thomas S., SNELL, Scott A. Administração - Construindo Vantagem Competitiva. Atlas. São

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO - ATENDIMENTO A REQUISITOS E MELHORES PRÁTICAS GERENCIAIS

UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO - ATENDIMENTO A REQUISITOS E MELHORES PRÁTICAS GERENCIAIS UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO - ATENDIMENTO A REQUISITOS E MELHORES PRÁTICAS GERENCIAIS Daniel Gueiber (UTFPR) gueiber@copel.com Cezar Augusto

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

Seu dia é mais inteligente

Seu dia é mais inteligente Seu dia é mais inteligente O 2007 Microsoft Office system é uma plataforma de soluções inteligentes para tarefas operacionais, estratégicas e organizacionais. O conjunto de aplicativos e servidores e a

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart Organização e a Terceirização da área de TI Profa. Reane Franco Goulart Como surgiu? A terceirização é uma ideia consolidada logo após a Segunda Guerra Mundial, com as indústrias bélicas americanas, as

Leia mais

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir:

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir: Termo de Referência 1. Objeto Contratação de empresa especializada em gestão de saúde para execução de atividades visando a reestruturação do modelo de atenção à saúde, objetivando diagnosticar novas proposituras

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Investir em pessoal com um programa de gestão de desempenho permite que uma operação de abastecimento não só sobreviva, mas cresça

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Governabilidade = Poder de Governo

Governabilidade = Poder de Governo 6. Governabilidade, Governança e Accountability 1. Governança 2. Controle por Resultados 3. Accountability Esta tríade reflete os princípios da Nova Gestão Pública e serviu de fundamento para o desenho

Leia mais

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Abril/2014 Porto Velho/Rondônia Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais