TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: VALE A PENA TERCEIRIZAR?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: VALE A PENA TERCEIRIZAR?"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO VEZ DO MESTRE CURSO DE DIREITO DO TRABALHO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: VALE A PENA TERCEIRIZAR? JOSÉ PAULO JOÃO BAHIA Rio de Janeiro, 01 de fevereiro de 2005.

2 2 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO VEZ DO MESTRE CURSO DIREITO DO TRABALHO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: VALE A PENA TERCEIRIZAR? JOSÉ PAULO JOÃO BAHIA Monografia apresentada à Faculdade Candido Mendes como parte dos requisitos para a obtenção do grau de pós-graduação do Direito do Trabalho, sob a orientação da professora Denise de Almeida Guimarães.

3 3 AGRADECIMENTOS Ao corpo docente do Projeto A Vez do Mestre, que possibilitou, aos alunos, ter uma visão e um conhecimento mais profundo sobre o Direito do Trabalho e a empresa em que trabalho, pelo bene fício indireto de custear esse estudo. Rio de Janeiro, 01 de fevereiro de 2005.

4 4 DEDICATÓRIA Sem dúvida nenhuma, tenho que agradecer A Deus, pela vida, pelo Trabalho e por ter Uma família maravilhosa ao meus lado em Todo e qualquer momento. E não poderia Deixar de exaltar, minha fonte inspiradora Minha esposa Cristiane e meu filhinho Matheus de apenas 02 meses.

5 5 RESUMO O objetivo desta monografia é propor o estabelecimento de uma política de terceirização para atividade de Tecnologia da Informação - TI, no âmbito da administração pública federal, que pode ser aplicada às esferas estadual e municipal, com as devidas adaptações. Utilizou-se como metodologia a pesquisa aplicada, bibliográfica, documental e de campo, através de entrevistas com os especialistas das áreas de interesse. Como universo e amostra, procurou-se limitar o estudo à esfera federal, onde são abordadas, como exemplo, as experiências de três órgãos públicos e algumas da iniciativa privada, segmento no qual teve início a experiência de terceirização da atividade. Os resultados e conclusões do estudo apresentam as unidades de medida em cada área envolvida, para efeito de terceirização e, como complemento, são sugeridas algumas alternativas para minimizar os custos. Se propõe também a criação de um órgão regulador, a partir de experiências vivenciadas na iniciativa privada e na própria administração pública federal. Como complemento são apresentadas duas sugestões para nova agenda de pesquisa.

6 6 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO Objetivos 2 - Delimitação do Estudo 3 Relevância do Estudo 4 Definição dos Termos II METODOLOGIA Tipo de Pesquisa 2 - Universo e Amostra 3 - Seleção de Sujeitos 4 - Coleta de Dados 5 - Limitações do Método III TERCEIRIZAÇÃO Definição e Conceitos 2 - Histórico 2.1 No Mundo 2.2 No Brasil 3 Razões Básicas para Terceirizar 4 Vantagens e Desvantagens da Terceirização 5 Impactos da Terceirização 6 Os Aspectos Contratuais e Regulatórios IV A TERCEIRIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TI Os Tipos de Terceirização na Tecnologia da Informação - TI 2 Terceirização da Tecnologia da Informação TI na Iniciativa Privada 3 Terceirização da Tecnologia da Informação TI na Administração Pública 3.1 PETROBRAS

7 IBGE 3.3 DATASUS 4 Custos Operacionais de uma Organização de Tecnologia da Informação TI - O Caso DATASUS V RESULTADOS E CONCLUSÕES DO ESTUDO Unidades de Medida para Efeito de Terceirização 2 - Sugestões para Minimizar os Custos de Terceirização 3 A Criação de um Órgão Regulador 4 Nova Agenda de Pesquisa VI CONCLUSÃO VII - BIBIOGRAFIA...70 VIII - FOLHA DE AVALIAÇÃO IX EVENTOS ASSISTIDOS...73

8 8 I INTRODUÇÃO Os servidores públicos aposentam-se, transferem-se, adoecem, entram em licenças remuneradas ou não e até falecem mas as organizações às quais pertencem estão impedidas de contratar mão-de-obra para substituí-los por força de decreto presidencial 2.983, de Não existe uma política para manutenção das atividades das organizações, visando preservar suas missões. O Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde - DATASUS, órgão de Informática do Ministério da Saúde, por exemplo, possuía no Centro Tecnológico de Informática - CTI, coordenação responsável pelo desenvolvimento de sistemas, um corpo técnico de 475 (quatrocentos e setenta e cinco) servidores em novembro de 1995, conforme informação extraída do relatório final da Comissão Instituída pela Portaria n 20/1998 e alterada pela portaria n 42/1998, (1998, p. 10). Em junho de 1999, o número desses servidores estava reduzido a 346 (trezentos e quarenta e seis), conforme informação do Serviço de Planejamento e Orçamento CTI - DATASUS, significando uma perda de 27,16% de sua força de trabalho. Certamente problemas similares vêm ocorrendo nas demais organizações públicas do país. Em função do problema acima e devido às estruturas organizacionais rígidas existentes, o comum é a equipe interna (especialistas nas áreas de interesse) conhecer bem o negócio` da organização e pouco ou mal sobre TI. O Ministério de Planejamento, Orçamento e Gestão, é o órgão que normatiza a contratação de serviços a serem executados, com base no decreto n 1094/94, com objetivo de cumprir o Decreto n 2.271/97 (vide Anexo A) e a Instrução Normativa n 18/97 (vide Anexo B) e, até o presente momento, não desenvolveu estudo sobre a atividade de informática (TI).

9 9 1 Objetivos Propor o estabelecimento de uma política pública de terceirização para a atividade de TI na administração pública federal, podendo aplicá-la, com as devidas adaptações, às esferas estadual e municipal. 1.2 Objetivos Intermediários Sugerir mecanismos viáveis para terceirizar a TI na administração pública; Subsidiar a redução de custos de contratação de serviços, mediante adoção de parâmetros estabelecidos; Propor a criação de um órgão regulador, bem como o estabelecimento de suas competências. 2 Delimitação do Estudo Pelas suas próprias características, a TI, que deve ser olhada como fator estratégico e não como um meio para alcançar seus objetivos, está hoje presente em todas as organizações, negócios e segmentos da sociedade, motivada pelas parcerias estabelecidas. Para efeito desta monografia, foram consideradas todas as áreas de interesse que compõem a TI em uma organização que tem como missão (atividade fim), disponibilizar essas ferramentas, como meios facilitadores, junto aos órgãos ligados. Foram estabelecidas unidades de medidas para cada área de interesse, visando propor o estabelecimento de parâmetros para contratação de serviços. 3 Relevância do Estudo nas organizações. A terceirização, como esta própria monografia ilustra, ocorre há muito tempo

10 10 Na TI ela se expande cada vez mais, sobretudo na iniciativa privada, onde as organizações a consideram essencial para sua sobrevivência, principalmente sobre a ótica financeira e da prospeção tecnológica. Na administração pública, observam-se experiências de terceirização isoladas, em uma ou mais áreas de interesse da TI, porém pouco parametrizadas, ao contrário do que está ocorrendo com a contratação de serviços de limpeza, conservação e vigilância, onde através de regulamentação, foram estabelecidas normas e padrões utilizados em toda administração pública federal. A possibilidade de se terceirizar toda e qualquer área de interesse, partindo da premissa que tudo pode ser terceirizado, é de certa forma apresentada nesta monografia, apesar do não estabelecimento da relação custo versus benefício para cada área de interesse envolvida, o que poderá ser efetuado em um segundo momento, a partir de um estudo específico. Entende-se que este estudo está próximo de alcançar a meta dos serviços de limpeza, conservação e vigilância, considerando é claro, as suas particularidades. 4 Definição dos Termos - áreas corporativas = áreas da organização onde são produzidas as informações relativas a própria organização; - área de interesse = área inerente a uma determinada função da organização, onde são desenvolvidas determinadas atividades/tarefas; - áreas essenciais = áreas estratégicas da organização, fundamentais principalmente para viabilizar as áreas operacionais; - áreas estratégicas = áreas da organização onde são produzidas as informações que devem ser preservadas do domínio de terceiros; - áreas operacionais = áreas da organização onde são produzidas as fases iniciais do processo de informatização. Nestas áreas é possível encontrar tarefas repetitivas; - atividade fim = trata-se do negócio` da organização, que no caso desta monografia é tecnologia da informação - TI;

11 11 - atividades meios = trata-se da atividade que dá suporte a atividade fim da organização. Um exemplo típico de atividade meio em uma organização de TI é a área de interesse de recursos humanos; segurança; - back-up = trata-se de cópia de um conjunto de informações, para efeito de - bug = trata-se de um determinado erro de sistema; - bacbone = trata-se da estrutura de nível mais alto em uma rede de computadores composta por várias sub-redes; - cabos = meio físico de ligação entre equipamentos; - compact disc real only memory - CD-ROM = meio físico ótico que permite o armazenamento de grandes volumes de informação; - core business = centro de negócios; - designer em multimídia = técnico responsável pelo planejamento e execução de um novo objeto, utilizando os recursos de multimídia(audio-visuais); - diagrama de fluxo de dados DFD = técnica de desenvolvimento de sistemas que utiliza recursos de modelagem; - downsizing = trata-se da implantação de novas tecnologias que utilizam equipamentos menores e mais fáceis de operar; - enlaces = conexões entre redes de computadores; - especialistas nas áreas de interesse = técnicos especializados em determinadas áreas de interesse; - fita Digital Audio Tape - DAT = meio fisico de fita magnética para armazenamento de grande volume de informações; - firewall = trata-se de medida de segurança que pode ser implementada para limitar o acesso de terceiros a uma determinada rede ligada à Internet; - fonte de sistema = conjunto de programas de computador de um determinado sistema, onde são armazenados os códigos fontes escritos, passíveis de alteração a medida que se fizer necessário; - hardaware = trata-se do conjunto de componentes de um computador;

12 12 - homepage = página principal de uma organização ou particular. É o ponto de partida para acesso as demais páginas, em busca de determinada informação; - hubs = equipamentos que permitem a interconexão de computadores, formando uma rede; cientificas; - konow-how = trata-se do conhecimento de como produzir coisas técnicas e - maiframes = grande computador, que pode ser utilizado por muitas pessoas ao mesmo tempo e consegue executar tarefas extensas e complicadas; - nobreak = equipamento que fornece energia elétrica, mantendo os computadores em funcionamento em caso de falta de energia; - objeto de dados = um pessoa, lugar, objeto, conceito ou evento aplicável ao sistema de informação/informatizado; - online = significa estar ligado em determinado momento à rede ou a um outro computador; - organização = associação ou instituição com objetivos definidos. Para efeito desta monografia, para os textos desenvolvidos pelo autor, foi adotada a terminologia organização. Em se tratando de citações, foram respeitadas as terminologias adotadas pelos autores, como por exemplo: empresa, corporação, instituição etc; - outsourcing = consiste na compra de componentes ou partes de um produto que podem vir a ser montados em qualquer local(parte do mundo), como por exemplo, adquirir componentes estrangeiros mais baratos do que se eles fossem fabricados localmente. Em TI, a partir de processo evolutivo, trata-se de terceirização completa; - reduced instruction computer RISC = tipo de tecnologia, onde os micro-processadores tem um conjunto reduzido de operadores, permitindo obter grande capacidade de processamento; - reengenharia = técnica de gestão aplicada nas organizações, através de metodologias de restruturação, engenharia reversa, reutização, migração e engenharia de redesenvolvimento; - servidores = computadores centrais que oferecem serviços a outros computadores, em se tratando de uma rede de computador; - software = são os programas de computador; - switches = são equipamentos que permitem formar sub-redes de computadores; - unidade de medida = quantidade para efeito de comparação entre grandezas da mesma espécie;

13 - WEB = abreviatura para designar o World-Wide-Web, que por sua vez é uma grande teia de informação multimídia em hipertexto. 13

14 14 II METODOLOGIA 1 Tipo de Pesquisa Quanto aos fins, a pesquisa foi aplicada, pois a partir dos resultados e conclusões do estudo desejava-se apresentar alternativas de solução concretas. Quanto aos meios, a pesquisa foi bibliográfica, pois foram consultados livros, revistas e a Internet, documental, pois foram consultados decretos e documentos internos do DATASUS e de Campo, pois foram entrevistados os especialistas das áreas de interesse da TI. Para estruturar esta monografia, foram utilizados os livros da Bastos, Deluiz, Fernandes & Paixão (1998) e Vergara (1997). 2 Universo e Amostra Todos os Ministérios possuem seus órgãos de TI, cujas composições se apresentam das mais variadas formas, como organizações independentes ou órgãos ligados à estrutura dos Ministérios. O nosso universo e amostra no que tange à TI na administração pública, foi a Petróleo Brasileiro S.A. PETROBRAS, a Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE e o DATASUS, sendo que as duas primeiras organizações possuem grande experiência sobre terceirização da TI. Na iniciativa privada, algumas organizações, como por exemplo Royal Philips Eletronics, a Viação Aérea Riograndense VARIG e o International Business Machines

15 15 Corporation - IBM foram citadas, visando resgatar o processo inicial da terceirização da TI. 3 Seleção de Sujeitos Dentro do critério escolhido para a coleta de dados, citados na próxima seção, os sujeitos da pesquisa foram os especialistas nas áreas de interesse e, neste caso, todos são servidores do DATASUS. 4 Coleta de Dados Pesquisa bibliográfica em livros, revistas especializadas, trabalhos de final de curso e dissertação pertinentes ao assunto. Algumas dessas consultas foram realizadas na Biblioteca Nacional e na Biblioteca da Empresa de Informática da Previdência Social - DATAPREV. Na pesquisa de campo, foram realizadas entrevistas semi-estruturadas com especialistas das áreas de interesse, onde procurou-se definir cada uma delas, bem como suas atividades e estabelecer uma ou mais unidades de medida visando oferecer parâmetros para quantificação e contratação de serviços. 5 Limitações do Método Das organizações públicas consultadas com experiência em terceirização da TI, as informações de duas foram extraídas de um trabalho final de curso e de uma dissertação de mestrado, ambas desenvolvidas na mesma ocasião, com enfoques diferentes, o que dificultou o direcionamento do levantamento e conseqüentemente a sua tabulação. Isso sem levar em conta que, das três organizações, somente duas são atividades em TI (IBGE e DATASUS).

16 16 As informações das organizações privadas levantadas, foram extraídas de revistas especializadas, onde procurou-se padronizá-las e uniformizá-las; porém, tendo em vista a fonte de coleta de dados, ela se tornou fragilizada.

17 17 III TERCEIRIZAÇÃO A seguir, nas seis próximas seções, estão sendo apresentadas as definições e conceitos sobre terceirização; o histórico no mundo e no Brasil; as razões básicas para terceirizar; as vantagens e desvantagens da terceirização; os impactos provocados pela terceirização e, por último, os aspectos contratuais e regulatórios. 1 - Definição e Conceitos Desde os tempos da escravatura, os ricos e os poderosos sempre conseguiram que outras pessoas trabalhassem e fizessem os afazeres domésticos em seu lugar. Segundo o artigo Como Livrar os Funcionários dos Problemas Domésticos (1998. p. 5-7), graças às máquinas de lavar, aos supermercados e outras facilidades, quase todo mundo hoje em dia dedica menos tempo às tarefas domésticas do que seus pais ou avós dedicaram. O resultado dessa terceirização doméstica é traduzido no projeto O Uso do Tempo pelos americanos, uma pesquisa nacional dirigida pela Universidade de Maryland, onde se pode constatar que o tempo gasto em tarefas domésticas, cuidados com os filhos e compras caiu de mais de 27 horas semanais em 1965 para aproximadamente 22 horas em sobre terceirização: A partir do exposto, a seguir estão sendo apresentadas algumas definições

18 18 Processo pelo qual se repassam algumas atividades para terceiros, com os quais se estabelece uma relação de parceria, ficando a organização contratante concentrada apenas naquelas tarefas essencialmente ligadas ao negócio em que atua; 1 Processo de transferência de funções e atividades não-essenciais ou estratégicas, para serem realizadas por outras organizações; ¹ outra; ¹ Agregação de uma atividade de uma organização na atividade-meio de Benko (1993, p. 45) define terceirização como a utilização de serviços de entes externos com a finalidade de atingir às exigências de processamento de dados da corporação. Com isso, pode-se dizer que a terceirização de serviços é uma técnica de gestão que consiste na contratação de uma organização especializada a fim de realizar algumas atividades para outra organização. A terceirização favorece a flexibilização da estrutura organizacional, estimula o desenvolvimento econômico, propulsionando a criação de organizações pequenas e médias especializadas nas atividades contratadas visando não só o aumento da qualidade, como o incremento da produtividade e da competitividade. Assim, ela se encaixa tanto no movimento de globalização da economia, no qual já estamos inseridos, como nas teorias de mercado que atendem à lógica do capital. A terceirização é o caminho da modernização, pois possibilita flexibilidade administrativa, maior eficiência gerencial, melhor relação custo-benefício e concentração nas atividades estratégicas da organização. Além do mais, permite o acompanhamento das mudanças tecnológicas, econômicas, políticas e sociais que orientam para a remuneração vinculada a resultados, a contratação de mão-de-obra qualificada e o cliente como centro das atenções. O processo de terceirização modifica a administração de recursos humanos, os quais deverão ser orientados para a gerência, objetivando encontrar soluções inovadoras para gestão da tecnologia e do aumento da qualidade. A terceirização, se bem feita, implica 1 Álvaro Augusto Araújo Mello, Seminário Regional de Modernização Empresarial.

19 19 numa nova forma de organização do trabalho, onde se tornam preponderantes a integração e o trabalho em equipe, visando esses fins. Consultoria e organização contratada devem ser consideradas organizações distintas. Para que a consultoria se configure como uma organização terceira, é necessário que se dedique a tarefas bem definidas, que até então estivessem sendo executadas por funcionário ou órgão interno da contratante e que esse trabalho passe a ser executado permanentemente, daí por diante, por consultoria externa, Oliveira, (1994, p. 77). Outro conceito que vale a pena definir é a quarteirização ou terceirização gerenciada, onde a organização contratada para prestar o serviço de terceirização, não dispõe de recursos humanos (técnicos) suficientes para atender àquela demanda e, com isso, contrata outra organização especializada, passando a atuar como mediadora do processo. 2 - Histórico No Mundo As indústrias norte-americanas, durante o período da II guerra mundial, precisavam produzir armamentos, que seriam utilizados pelas forças aliadas. A alternativa encontrada na ocasião para atender à demanda, foi repassar essas atividades a outras organizações, mediante contrato de prestação de serviços. Com o fim da guerra, num período de recuperação e conseqüentemente em tempos de mudanças, esse conceito de horizontalização passou a ser estudado e aplicado por outras organizações, nas quais já se procurava concentrar o esforço na produção principal. A partir da década de 50, com a guerra fria estabelecida, o fenômeno do desenvolvimento acelerado da indústria e a conseqüente expansão das organizações norteamericanas pelo mundo afora, motivaram sua reformulação estratégica, a partir de novos métodos de trabalho, visando a conquista de novos mercados.

20 20 Castro, Lauria, Limeira & Machado, (1998, p. 6) afirmam que As grandes organizações, como não poderia deixar de ser, empreenderam esforços no sentido de disputar fatias do mercado internacional, consolidando suas presenças em diversos países do mundo, esboçando o desenho futuro das multinacionais, que ora conhecemos e que foram precursoras de várias estratégias administrativas, dentre as quais o downsizing e o outsourcing. Este último, que é o escopo deste trabalho, sofreu aprimoramentos que o tornaram mais do que uma técnica de gestão ou prática administrativa. Tornou-se uma estratégica empresarial onde, em muitos casos significava a sobrevivência da própria empresa. Este cenário de disputas e concorrência atuou como catalisador de muitos processos ainda em uso no mundo das organizações e contribuiu para a evolução do conhecimento e a intensificação de estudos de escolas voltadas para a administração de empresas. Consequentemente, inicia-se uma expansão sem tamanho ou comparação na história mundial, levando as empresas a buscarem o lucro através da racionalidade científica e não a intuitiva, que imperava até então. Na área de TI, no início da década de 90, quando os mainframes caíram em desuso, terceirizar a operação desses grandes computadores foi uma das maneiras que as organizações encontraram para baixar os custos altíssimos de seus departamentos de TI e, ao mesmo tempo, se preparar para as novidades tecnológicas, centradas nas redes de microcomputadores, Gestão Outsourcing, (1999, p ) No Brasil O processo começou com a instalação das multinacionais, através das técnicas de gestão trazidas principalmente pelas montadoras de veículos, que se mantiveram isoladas, diferenciando-as das organizações nacionais. Um outro caso, foi da Indústria de Celulose e Papel RIOCELL, organização instalada em Guaíba - RS - quarta colocada no ranking do setor de celulose no país em 1989, que tinha na ocasião (três mil e seiscentos) funcionários e (mil e cem) três anos depois. Dos (dois mil e quinhentos) postos desativados, 800 (oitocentos) foram extintos e (mil e setecentos) absorvidos pelas prestadoras de serviços.

21 21 A partir de uma política competitiva, da busca do consumidor, da exigência de aprimoramento de qualidade dos produtos e de eficiência nos serviços com preços baixos, o Brasil via como alternativa econômica, na ocasião, a questão da racionalização. Muito tempo depois, a terceirização começou a acontecer de forma muito tímida, principalmente nas atividades consideradas mais fáceis. O primeiro foco de terceirização se estabeleceu em torno de atividades extremamente periféricas como limpeza, conservação e segurança patrimonial. Posteriormente, nas atividades-meio, tais como vigilância, transportes, informática, reprografia, telecomunicações, manutenção de prédios e equipamentos, entre outras. A partir da década de 90, com a abertura do mercado nacional e atuando numa economia globalizada, o empresário brasileiro se viu diante da necessidade de uma maior racionalidade de recursos, onde a simplicidade e flexibilidade estão atreladas a qualidade, preço e competitividade. As parcerias estratégicas, como meio para o alcance desses resultados, tem sido o caminho. Neles não se leva em conta somente a questão da contenção de custos, mas uma produção com qualidade flexiva, aliada a uma maior agilidade. Em 1996, Márcio Mattos, sócio Diretor da Andersen Consulting para área de outsourcing, afirmou no artigo, Nas Empresas Terceirização, (1996, p ): "O outsourcing já responde por pouco mais de 30% do total do movimento anualmente pela consultoria no país, devendo chegar perto de 40% no próximo ano. Entre 152 (cento e cinqüenta e dois) países onde eles mantêm escritório, o Brasil foi o que mais cresceu em outsourcing. 3 - Razões Básicas para Terceirizar As relações contratuais com outras organizações que serão parceiras na realização de tarefas de terceirização e o deslocamento de pessoal, são os principais efeitos que essa técnica de gestão proporciona, mudando substancialmente a cultura organizacional. Entretanto, enquanto negócio e resultados práticos, não se podem esperar resultados a curto prazo.

22 22 A seguir foram descritas algumas razões básicas atrativas para se terceirizar: A terceirização está associada à estratégia de focalização. Portanto, a tendência chave da terceirização é um deslocamento do foco das organizações, que passa a ser na utilização e na gerência das informações, sem abandonar o seu maior passivo que é o conhecimento, onde se conclui que o que estiver fora de foco`, em princípio, pode ser terceirizado; Segundo Hanoro, Jacon & Melo, (1998, p. 8), A obtenção de produtos ou serviços intermediários de igual ou melhor qualidade, com garantias de acesso a novas tecnologias, ferramentas e técnicas as quais a organização em questão não necessariamente domina ou possui, a priori, evitando a necessidade de especialização nas áreas que não constituem o seu foco de interesse, mantendo a organização em constante acompanhamento do estado da arte em termos da evolução tecnológica ; Melhorias de atuação em termos de qualidade, serviço e velocidade de atendimento, mesmo que alguns custos fixos sejam transformados em custos variáveis, possibilitando, no todo, uma diminuição de custos; Uma mudança da cultura organizacional, que permita pensar globalmente e agir localmente. Em tempos de crise/recessão, é mais fácil cortar encomendas que se desfazer de ativos, Conceitos e Determinantes da Terceirização, (1993, p. 7); A redução do tamanho e da complexidade da organização, tornando-a mais flexível e ágil, acabando consequentemente com a subordinação. Com a terceirização, a organização se torna enxuta, realiza um número menor de processos, o que possibilita a redução de custos e melhor controle de desempenho e qualidade, elementos fundamentais para enfrentar a concorrência. Segundo Drucker (1993, p.177) A típica organização de grande porte seja ela uma grande empresa, seja um grande órgão público não terá mais do que metade dos níveis administrativos de sua equivalente hoje, e não mais de um terço do número de administradores`; vai prevalecer os grupos de trabalho, comitês, forças tarefas, círculos de qualidade, grupos semi-autônomos = organograma.

23 Vantagens e Desvantagens da Terceirização Como toda implantação de metodologia de trabalho normalmente gera expectativa e apresenta suas vantagens e desvantagens, a terceirização certamente não foge à regra. Estão sendo apresentados a seguir, as vantagens e desvantagens da terceirização, dando ênfase a quatro aspectos considerados importantes dentro de uma organização, que são os organizacionais, econômicos, culturais e trabalhistas. Quadro 1 - Vantagens da Terceirização Organizacionais Econômicas Culturais Trabalhistas Reduz o tamanho e complexidade Reduz os custos; Incrementa a Desmobiliza as da organização; produti-vidade; gre-ves; Apresenta maior concentração, Traz mais especialização na Obtém a Diminui o corpora- por parte da alta prestação de serviços; efetividade; tivismo; administração nas funções e atividades ligadas à missão da organização; Proporciona a desburo- Diminui o desperdício; Reavalia as Diminui o passivo cratização; Proporciona maior agilidade decisória e administrativa; Melhora da imagem organizacional; neces-sidades; tra-balhista; Aumenta o lucro; Diminui as reclama-tórias trabalhistas; Redistribui a renda; Aumenta os empregos especializados; Reduz os níveis hierárquicosdade; Aumenta a competitivi- Obtém serviços e/ou produtos intermediários de igual ou melhor qualida-de, por ocasião da aquisi-ção junto aos especialistas com mentalidade de parceria; Castro, Lauria, Limeira & Machado, (1998, p.11) (op.cit) adaptado. Quadro 2 - Desvantagens da Terceirização Organizacionais Econômicas Culturais Trabalhistas Perda da autonomia de Falta de parâmetros de Perda da cultura Apresenta dificuldade gerenciamento; preço, nas contratações do negócio da no aproveitamento dos iniciais; organi-zação; empregados já treinados; Muda a estrutura de Má escolha de Apresenta demissões poder; parceiros; na fase inicial; Reduz a segurança da Custo nas demissões; Impulsiona relações informação; com os sindicatos; Perda do controle das Aumento da etapas terceirizadas; dependência de terceiros: Castro, Lauria, Limeira & Machado, (1998, p.11) (op.cit) adaptado.

24 24 Vale ressaltar que, na área de TI, com a implantação da terceirização, além de proporcionar as vantagens citadas no quadro I, uma vez os investimentos já preestabelecidos, a organização consegue também determinar estratégias tecnológicas a serem adotadas a médio e longo prazos, sem a dependência direta da inconstante política econômica do país. Entende-se que algumas dessas vantagens podem ser obtidas até a partir da implantação de outras metodologias. Os itens constantes de Vantagens Organizacionais, tais como redução do tamanho e complexidade da organização, mais agilidade decisória e administrativa e redução dos níveis hierárquicos, são exemplos que podem ser obtidos através da aplicação do downsizing e/ou reengenharia. Entende-se também que muitas desvantagens mencionadas, não se aplicam a essa monografia como, por exemplo, a perda do controle das etapas terceirizadas, constante de desvantagens organizacionais. As competências do órgão regulador a ser criado, conforme explicado na seção 3 do capítulo V certamente não permitiriam que esse fato acontecesse. 5 Impactos da Terceirização Econômicos Fica evidente que o resultado do impacto econômico é extremamente favorável para as organizações na terceirização. A preocupação com a modernização/investimento, fica restrita ao que não se terceirizou. Portanto, todos os bens móveis (máquinas e equipamentos), imóveis (ampliação das instalações) e até mesmo a capacitação/reciclagem dos técnicos, receberão tratamento diferenciado em relação a situação anterior. Quando a organização terceirizada troca os gastos de capital por gastos de operações, ela é beneficiada com abatimentos de impostos na utilização das despesas com terceiros, ao invés de sofrer depreciação de seus artigos bens de capital, objetivos estes próprios do sistema capitalista. Com isso, pode-se diminuir custo e garantir qualidade, por força contratual junto às organizações contratadas que cumpram prazos e se mantenham tecnologicamente atualizadas.

Rio de Janeiro - Brasil

Rio de Janeiro - Brasil FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CENTRO DE FORMAÇÃO ACADÊMICA E PESQUISA AGOSTO DE 2000 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PúBLICA: VALE A PENA TERCEIRIZAR? Luiz

Leia mais

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Consultoria Empresarial

Consultoria Empresarial Consultoria Empresarial Referência : OLIVEIRA, Djalma CROCCO, Luciano; GUTIMANNN, Erick Prof- Daciane de O.Silva SURGIMENTO- Desde os tempos imemoriais COMO ISSO ACONTECIA? Os rabinos aconselhavam os fieis,

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

1. Problemas da Falta de Planejamento PLANO DIRETOR DE INFORMÁTICA (PDI)

1. Problemas da Falta de Planejamento PLANO DIRETOR DE INFORMÁTICA (PDI) PLANO DIRETOR DE INFORMÁTICA (PDI) Também denominado Plano Diretor de Tecnologia da Informação, ou simplesmente Plano de Informática, é um planejamento composto do levantamento das necessidades da empresa

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC 1. Diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenar

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO Estudamos até o momento os casos em que há vínculo empregatício (relação bilateral, nas figuras de empregado e empregador) e, também, casos em que existe

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Terceirização: o que é? terceirização

Terceirização: o que é? terceirização Terceirização: o que é? A terceirização é o processo pelo qual uma empresa deixa de executar uma ou mais atividades realizadas por trabalhadores diretamente contratados por ela, e as transfere para outra

Leia mais

Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações

Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações Cristiane Mello 1, Maria F. Marinho 1, Antônio Luiz S. Cardoso 1,2 1 Escola de Administração Universidade Federal da Bahia (UFBA) 41.100-903 Salvador

Leia mais

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. Regulamenta as atribuições e responsabilidades da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO ASPECTOS JURÍDIC FUNDAMENTAIS

TERCEIRIZAÇÃO ASPECTOS JURÍDIC FUNDAMENTAIS 39 TERCEIRIZAÇÃO OS ASPECTOS JURÍDIC FUNDAMENTAIS 1 A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças,

Leia mais

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO Artigo 1º A unidade acadêmico-gerencial modelo designado Escritório de Práticas de Gestão e com nome fantasia

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO. Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções.

TERCEIRIZAÇÃO. Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções. TERCEIRIZAÇÃO Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções. INTRODUÇÃO Para que haja uma perfeita compreensão sobre

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DEZEMBRO/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: cgti@listas.ifbaiano.edu.br Site: http://www.ifbaiano.edu.br

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Outsourcing e Terceirização

Outsourcing e Terceirização ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Estratégia de Negócios em TI (Parte 4) Outsourcing e Terceirização Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr Definições Processo de gestão pelo qual se

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Auditoria de Sistemas. UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima

Auditoria de Sistemas. UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima Auditoria de Sistemas UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima Auditoria É uma atividade que engloba o exame das operações, processos, sistemas e responsabilidades gerenciais

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 78 Assegurar às autarquias, fundações, empresas

Leia mais

Internet Ampliando o contato com a comunidade escolar

Internet Ampliando o contato com a comunidade escolar Internet Ampliando o contato com a comunidade escolar Introdução Silvio Henrique FISCARELLI 1 I Adriana da Silva TURQUETTI 2 Saur (1995), no Primeiro Congresso Nacional de Informática Pública realizado

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo para

Leia mais

CIOs da região Ásia-Pacífico interessados em. liderar o setor de big data e da nuvem

CIOs da região Ásia-Pacífico interessados em. liderar o setor de big data e da nuvem 8 A pesquisa indica ênfase na criação de valor, mais do que na economia de custos; o investimento em big data, na nuvem e na segurança é predominante CIOs da região Ásia-Pacífico interessados em liderar

Leia mais

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DA SUPERINTENDÊNCIA Capítulo I - DA

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO.

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. OneIT A gente trabalha para o seu crescimento. Rua Bento Barbosa, n 155, Chácara Santo

Leia mais

Curso Gestão do Outsourcing de TI

Curso Gestão do Outsourcing de TI Curso Gestão do Outsourcing de TI Segundo autores como Aalders, o Outsourcing é uma estratégia que consiste na contratação de fornecedores de serviços eficientes e especializados para tratar de algumas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014.

PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014. PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014. Dispõe sobre aprovação da Política de Segurança da Informação do IFMG. O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS, no uso

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado 13/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios.

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Autor: Douglas Marcos da Silva 7 Sumário Executivo Nas últimas décadas, a evolução tecnológica, a interdependência dos mercados e a intensificação

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Somos um escritório jurídico que reúne especialistas nos mais diversos ramos do direito empresarial. Priorizamos a ética nas relações com os clientes e nos dedicamos muito ao

Leia mais

A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO

A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO A essência da terceirização visa trazer às empresas contratantes desenvolvimento econômico, especialização dos serviços, competitividade, busca de qualidade, controles

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Estudo de Viabilidade SorveTech (Sistema de Gerenciamento) Professora: Carla Silva Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS TM RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS A visão da computação em nuvem por Aad van Schetsen, vicepresidente da Compuware Uniface, que mostra por que

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

Principais inovações baseadas em nuvem Relatório de início rápido do SAP HANA Enterprise Cloud para [Nome do cliente]

Principais inovações baseadas em nuvem Relatório de início rápido do SAP HANA Enterprise Cloud para [Nome do cliente] Principais inovações baseadas em nuvem Relatório de início rápido do SAP HANA Enterprise Cloud para [Nome do cliente] [Data] Página 1 de 10 DECLARAÇÃO DE CONFIDENCIALIDADE E EXCEÇÕES DA SAP Este documento

Leia mais

Resolução CC-52, de 23-6-2004

Resolução CC-52, de 23-6-2004 Resolução CC-52, de 23-6-2004 ANEXO I Institui a Política e o Plano Estratégico de Uso de Software na Administração Pública Estadual O Secretário-Chefe da Casa Civil, na qualidade de Presidente do Comitê

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Migração para Software Livre

Migração para Software Livre Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES Migração para Software Livre Sistemas de Software

Leia mais

TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIA-BRASIL S.A

TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIA-BRASIL S.A TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIABRASIL S.A. TBG PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E NÍVEL MÉDIO Edital PSPGEPE01/2007 De 16/10/2007 A

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

As Novas Profissões em Computação. Integrantes Eder Leão Leonardo Jorente Rafael Stéfano Vinícius Akihiro Kuwabara

As Novas Profissões em Computação. Integrantes Eder Leão Leonardo Jorente Rafael Stéfano Vinícius Akihiro Kuwabara As Novas Profissões em Integrantes Eder Leão Leonardo Jorente Rafael Stéfano Vinícius Akihiro Kuwabara Tópicos Contextualização Novas Profissões Impacto Conclusões Referências Contextualização (Histórico

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

Desenvolvimento e Implantação do Criptossistema da Autoridade Certificadora Raiz da ICP-Brasil

Desenvolvimento e Implantação do Criptossistema da Autoridade Certificadora Raiz da ICP-Brasil Programa 1109 Massificação da Certificação Digital ICP-Brasil Ações Orçamentárias Número de Ações 18 72640000 Produto: Sistema implantado Desenvolvimento e Implantação do Criptossistema da Autoridade Certificadora

Leia mais

Universidade do Estado de Minas Gerais Instituto Superior de Ensino e Pesquisa de Ituiutaba Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas

Universidade do Estado de Minas Gerais Instituto Superior de Ensino e Pesquisa de Ituiutaba Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas 1. Conceitos e Organização da Auditoria Universidade do Estado de Minas Gerais 1.1 Conceitos Auditoria é uma atividade que engloba o exame de operações, processos, sistemas e responsabilidades gerenciais

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário

Ministério do Desenvolvimento Agrário Capítulo 1 Ministério do Desenvolvimento Agrário Instituição: Sítio: Caso: Responsável: Palavras- Chave: Ministério do Desenvolvimento Agrário www.mda.gov.br Plano de Migração para Software Livre Paulo

Leia mais

8º.Seminário de Qualificação do Servidor Público Municipal

8º.Seminário de Qualificação do Servidor Público Municipal 8º.Seminário de Qualificação do Servidor Público Municipal FUP Federação Única dos Petroleiros Secretaria de Relações Internacionais e Setor Privado Anselmo Ernesto Ruoso Jr. Porto Alegre, 10 de maio de

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA APLICADA PARA AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE TELEFONIA IP

PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA APLICADA PARA AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE TELEFONIA IP Ministério Público do Estado do Paraná PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA APLICADA PARA AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE TELEFONIA IP ALEXANDRE GOMES DE LIMA SILVA CURITIBA - PR 2012-2013 Ministério

Leia mais

Introdução. PSINF Internet / Intranet nas Empresas. Motivos. Intranet. Canais. Finalidade

Introdução. PSINF Internet / Intranet nas Empresas. Motivos. Intranet. Canais. Finalidade Introdução PSINF Internet / Intranet nas Empresas Prof. Alexandre Beletti Ferreira Internet: sites sobre lazer, shopping, cultura, etc... Intranet: sistemas corporativos de informações, e que também podem

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Gestão

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

Ass.: Programa de Melhoria do Ensino das Instituições de Educação Superior - Programa IES

Ass.: Programa de Melhoria do Ensino das Instituições de Educação Superior - Programa IES CIRCULAR Nº 94/2009 Rio de Janeiro, 27 de agosto de 2009 Ref.: BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa de Melhoria do Ensino das Instituições de Educação Superior - Programa IES O Superintendente da Área de Operações

Leia mais

2Avalie novos modelos de investimento. Otimize a estrutura de tecnologia disponível

2Avalie novos modelos de investimento. Otimize a estrutura de tecnologia disponível Crise? Como sua empresa lida com os desafios? Essa é a questão que está no ar em função das mudanças no cenário econômico mundial. A resposta a essa pergunta pode determinar quais serão as companhias mais

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

04/04/2014. Antes de 1940

04/04/2014. Antes de 1940 Prof. William Costa Rodrigues Eng. Agrônomo Um Sistema de Informação Gerenciais é um instrumento administrativo que contribui efetivamente para a otimização das comunicações e do processo decisório nas

Leia mais

Como integrar R&S com treinamento em call center

Como integrar R&S com treinamento em call center 1 Como integrar R&S com treinamento em call center Já abordamos em outros artigos temas complexos em call center como a formação de cultura organizacional, o perfil do profissional de call center, sistemas

Leia mais

Agenda. Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI

Agenda. Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI Governança de TI Agenda Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI Modelo de Governança de TI Uso do modelo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação IFTI1402 T25 A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS Marcelo Eustáquio dos Santos

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Ministério da Fazenda Banco Central do Brasil Responsável: José Clovis Batista Dattoli, Chefe do Departamento de Planejamento

Leia mais

QUEM SOMOS? www.imagelh.com.br Rua José Bonifácio, 466 Vila Planalto. Campo Grande/MS CEP 79009-010 Fone/Fax: (67)3324-6500

QUEM SOMOS? www.imagelh.com.br Rua José Bonifácio, 466 Vila Planalto. Campo Grande/MS CEP 79009-010 Fone/Fax: (67)3324-6500 QUEM SOMOS? "A Image LH é uma empresa prestadora de serviços com mais de quinze anos no mercado atendendo instituições financeiras, com sede em Campo Grande MS e filial em Porto Alegre RS. Atua no ramo

Leia mais

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008.

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre as ações de comunicação do Poder Executivo Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

PDTI - Definição. Instrumento de diagnóstico, planejamento e

PDTI - Definição. Instrumento de diagnóstico, planejamento e PDTI - Definição Instrumento de diagnóstico, planejamento e gestão dos recursos e processos de Tecnologia da Informação que visa atender às necessidades tecnológicas e de informação de um órgão ou entidade

Leia mais

Governança de TI no Governo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto

Governança de TI no Governo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto Governança de TI no Governo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto Agenda Agenda Contexto SISP IN SLTI 04/2008 EGTI Planejamento

Leia mais

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento Completem o DHF Melhoria Continua e Teste As Organizações como Sistemas Abertos As organizações estão em um constante estado de fluxo. AMBIENTE Estagio de

Leia mais

Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos

Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos Conselho Nacional de Arquivos Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos Orientação Técnica n.º 1 Abril / 2011 Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos Este documento tem por objetivo

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE Ministério da Educação Novembro de 2013 1 SUMÁRIO 1. Apresentação 1.1 Introdução 1.2 Base Legal 1.3 Justificativa 2.

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

FEATI - Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti Mantida pela União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo UNIESP

FEATI - Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti Mantida pela União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo UNIESP PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS IBAITI/PR 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 3 ATUALIZAÇÃO DO PARQUE TECNOLÓGICO... 3 3.1 Laboratório de Informática, Departamentos Acadêmicos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 16/01/2014 (nº 11, Seção 1, pág. 26) Institui o Plano Nacional de

Leia mais

Administração de Recursos Humanos

Administração de Recursos Humanos Administração de Recursos Humanos Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame O que é a Administração de Recursos Humanos? Refere-se às práticas e às políticas necessárias para conduzir os aspectos relacionados

Leia mais

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO A Biblioteca da FAPPES é uma Biblioteca especializada, mantida pela Sociedade

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal

Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal 1. Há planejamento institucional em vigor? Deverá ser respondido SIM caso o Órgão/Entidade possua um planejamento estratégico

Leia mais

NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA

NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA APRESENTAÇÃO Este é o Código de Conduta da Net Serviços de Comunicação S.A. e de suas controladas ( NET ). A NET instituiu este Código de Conduta norteado

Leia mais

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA O texto que se segue foi elaborado pela CUT, por meio do GT Terceirização, coordenado pela Secretaria

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais