CONTROLE DE PORTARIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTROLE DE PORTARIA"

Transcrição

1 UNIÃO EDUCACIONAL MINAS GERAIS S/C LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS DE MINAS Autorizada pela Portaria no 577/2000 MEC, de 03/05/2000 BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTROLE DE PORTARIA ANGELA PATRICIA ALVES R. MOURA Uberlândia 2005

2 ANGELA PATRICIA ALVES R. MOURA CONTROLE DE PORTARIA Trabalho de Final de curso submetido à UNIMINAS como parte dos requisitos para a obtenção do grau de Bacharel em Sistemas de Informação. Orientador: Prof. Márcio dos Reis Caetano Co-Orientador: Prof. Msc. Sílvio Bacalá Júnior UBERLÂNDIA - MG 2005

3 ANGELA PATRICIA ALVES R. MOURA CONTROLE DE PORTARIA Trabalho de Final de curso submetido à UNIMINAS como parte dos requisitos para a obtenção do grau de Bacharel em Sistemas de Informação. Orientador: Prof. Márcio dos Reis Caetano Co-Orientador: Prof. Msc. Sílvio Bacalá Júnior Banca Examinadora: Uberlândia, 02 de julho de Prof. Márcio dos Reis Caetano (Orientador) Prof. Msc. Sílvio Bacalá Júnior (Co-Orientador) Prof. Dra. Kátia Lopes Silva UBERLÂNDIA - MG 2005

4

5 AGRADECIMENTOS Agradeço em primeiro lugar à Deus, que me deu a dádiva da vida e a força para trilhar nesta longa caminhada e concluir mais esta etapa, a meus filhos Eduardo Augusto, Raphael Augusto, pela ausência de grande parte do tempo em busca de um futuro melhor para nossa família, a meu companheiro de todas as horas, Carlos Augusto pela compreensão e incentivo, minha mãe Maria Ozanete pelo esforço e ajuda quando mais precisei, a meu pai João Bosco pelo sonho de ver sua filha formada. Agradeço especialmente ao Professor Mestre Sílvio Bacalá Júnior que com muita dedicação contribuiu em minha formação pessoal e profissional e a Professora Marília Rodrigues pela revisão ortográfica deste trabalho.

6 RESUMO Este trabalho pretende contribuir com controle de acesso à visitantes do DMAE - Departamento Municipal de Água e Esgoto de maneira segura, com confiabilidade de disponibilidade do servidor ou serviço. O controle de acesso refere-se às atividades de recepção, verificação do documento, autorização, circulação e permanência de pessoas nas instalações da empresa. Através de pesquisas e estudo foi desenvolvido o sistema CP Controle de Portaria, cadastrando os visitantes, permitindo o registro da chegada/saída, bem como setor e/ou departamento comparecido e número do crachá. Provê relatórios conforme a data pré-estabelecida ou acesso diário visualizado em tela, contendo as informações necessárias efetuados, além de identificar o tempo de permanência da pessoa dentro da área e a quantidade de visitantes por dia. Possibilita o uso em rede, com restrições impostas através de senhas.

7 ABSTRACT This work intends to contribute with control of access to the visitors of the DMAE - Municipal Department of Water and Sewer in safe way, with availability trustworthiness serving it or service. The access control mentions the activities to it of reception, verification of the document, authorization, circulation and permanence of people in the installations of the company. Through research and study system CP was developed - Control of Would carry, registering in cadastre the visitors, allowing the chegada/saída register of, as well as sector and/or the appeared department and number of the indentification badge. To provide reports in agreement the daily payestablished date or visualized daily access in screen, I contend the effected necessary information, besides inside identifying to the time of permanence of the person of the area and the amount of visitors per day. It makes possible the use in net, with restrictions imposed through passwords.

8 LISTA DE FIGURAS 01. NOTAÇÃO DE DIAGRAMA DE CASO DE USO DIAGRAMA DE CASOS DE USO PARA O SISTEMA CP FORMULÁRIO EFETUAR LOGIN ACESSAR FORMULÁRIO PRINCIPAL CADASTRAR VISITANTES CONSULTAR NOME/NÚMERO DOCUMENTO ATUALIZAR INFORMAÇÕES ALTERAR INFORMAÇÕES CRIAR NOVO MOVIMENTO ATUALIZAR SAÍDA GERAR RELATÓRIO IMPRIMIR RELATÓRIO FORNECER INFORMAÇÕES SOBRE O CP ESCOLHER OPÇÃO DE SAÍDA DIAGRAMA DE ENTIDADE-RELACIONAMENTO CÓDIGO DO MÓDULO CONEXÃO COM BANCO DE DADOS FORMULÁRIO PRINCIPAL REGISTRO DE VISITANTES CONSULTA CONSULTA POR NOME CONSULTA POR NÚMERO DE DOCUMENTO ATUALIZAR SAÍDA RELATÓRIO IMPRESSÃO CONTROLE DE PORTARIA CAIXA DE SAÍDA ANEXO A ANEXO B...57

9 LISTA DE ABREVIATURAS E SÍMBOLOS 01. ACIUB ASSOCIAÇÃO COMERCIAL INDUSTRIAL DE UBERLÂNDIA 02. DMAE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO 03. CP CONTROLE DE PORTARIA 04. ODBC OPEN DATABASE CONECTIVITY 05. T.I. TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 06. CPD CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS 07. UML - UNIFIED MODELING LANGUAGE (LINGUAGEM DE MODELAGEM UNIFICADA) 08. B.D. BANCO DE DADOS 09. FK FOREIGN KEY (CHAVE ESTRANGEIRA) 10. PK PRIMARY KEY (CHAVE PRIMÁRIA)

10 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO HISTÓRIA DO DMAE MOTIVAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DO PROBLEMA ESPECIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS REQUISITOS DO SISTEMA CP TIPOS DE PROCESSO DO SOFTWARE MODELAGEM DOS REQUISITOS ANALISANDO OS REQUISITOS MODELAGEM DOS DADOS CONSTRUÇÃO DA INTERFÁCE GRÁFICA CONSIDERAÇÕES INICIAIS PROTOTIPAÇÃO DAS TELAS DO CP CONCLUSÃO...51 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...54 ANEXO A - MODELO DE CONTROLE DE PORTARIA EXECUTADO NO EXCEL...56 ANEXO B - MODELO DE CONTROLE DE PORTARIA EXECUTADO NO EXCEL...57

11 11 1. INTRODUÇÃO 1.1. História do DMAE A pedido da ACIUB ASSOCIAÇÃO COMERCIAL INDUSTRIAL DE UBERLÂNDIA, o ex-prefeito Renato de Freitas, convidou José Pereira Espíndola para ser secretário de Obras, com o objetivo de realizar os sonhos dos uberlandenses de captar água do Rio Uberabinha e de viabilizar a implantação da cidade industrial. Em vinte e três de novembro de 1967, foi criado o DMAE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO, pretendendo ser um órgão independente para conseguir empréstimos ou receber repasse de verbas federais ou estaduais. Em 1968 foram iniciadas as obras de captação do Rio Uberabinha por administração direta e com recursos da Prefeitura. O DMAE começou pela construção da barragem e do canal que desviou o Rio para o acionamento das turbinas e ao mesmo tempo pela fabricação das máquinas para confecção de tubos. Em seguida foi iniciada as obras da estação de tratamento de água. Aplicando soluções econômicas, fabricando os tubos, os equipamentos hidráulicos e turbinas em Uberlândia, foi possível inaugurar o sistema de captação e tratamento de água da Cachoeira da Sucupira em agosto de 1970, sem nenhuma ajuda externa. A conquista deste evento foi o marco de desenvolvimento do setor industrial e imobiliário. Hoje os Uberlandesens podem se orgulhar por contar com um dos maiores importantes parques industriais do Brasil.(Fonte: Dmae A história do Abastecimento de Água de Uberlândia Agosto de 1993). O DMAE é um órgão público que atende em média setenta pessoas por dia, sendo necessário controlar a entrada de visitantes as dependências internas. A área de T.I.(Tecnologia da Informação) do DMAE, antigo CPD(Centro de Processamento de Dados), é responsável pela elaboração de estudos, pesquisas e implementações de novas tecnologias, bem como a manutenção diária de software e hardware. Dando toda a estrutura de suporte e apoio ao usuário final.

12 Motivação O DMAE possui um controle de portaria precário e desatualizado. A atendente insere os dados dos visitantes à empresa em planilhas no Microsoft Excel. São fornecidos os dados básicos, além da hora de entrada e saída. Observe no Anexo A e B o controle de portaria executado no Excel. O sistema CP - Controle de Portaria é um protótipo desenvolvido para melhorar a segurança e controle sobre os visitantes no DMAE e implementado utilizando a plataforma Visual Studio 6.0, Banco de Dados SQL Server 7.0 e ODBC (Open Database Conectivity) 32 bits. O CP é projetado para portar uma interface de fácil utilização e, consequentemente, satisfazer às necessidades do usuário. O CP desenvolvido na T.I. tem por objetivo maior controlar o fluxo de entrada e saída de visitantes que freqüentam estas dependências. Além deste controle, o sistema também irá informar quem são essas pessoas, onde moram, número do documento de identidade e quem ou qual departamento irá recebê-los. O sistema ainda irá registrar um número o qual o visitante portará em um crachá. Este projeto não visa diminuir o número de visitas, mas sim identificar cada uma delas e também preservar este patrimônio que é de todos moradores da cidade de Uberlândia. Todos os visitantes que chegarem à portaria serão encaminhados por uma pessoa responsável ao local competente pelo atendimento após serem devidamente cadastrados no sistema. Será fornecido um cartão (crachá) e anotado o número do documento no sistema, além da data, hora da chegada e saída do mesmo ao término da visita. Esses dados serão gravados em um banco de dados para eventuais consultas e relatórios estatísticos. Desta maneira, este trabalho propõe-se a especificar o CP - Controle de Portaria, implementado com as principais funcionalidades especificadas. A idéia básica do protótipo é permitir que seja definido um processo de controle de visitantes projetado e documentado utilizando a linguagem UML(Unified Modeling Language) para ilustrar os processos em ação. Basicamente, a UML permite a visualização do produto em diagramas padronizados. Esse trabalho está estruturado da seguinte maneira:

13 13 No Capítulo 2 introduzem-se alguns dos conceitos essenciais para definição de problemas diagnosticados; O Capítulo 3 abrange a especificação e a análise dos requisitos dos componentes é apresentada; No Capítulo 4 descreve-se a interface, o seu modo de funcionamento e a tecnologia utilizada no desenvolvimento; No Capítulo 5 são realizadas as conclusões deste trabalho.

14 14 2.ESPECIFICAÇÃO DO PROBLEMA A abordagem dos problemas que são tratados pelo aplicativo, focando as resoluções, testes e verificações do sistema CP, serão descritos e visualizados às várias etapas de aperfeiçoamento do aplicativo até a sua efetiva consolidação e utilização. O CP é um sistema de controle de acesso de visitantes, prestadores de serviços, etc., que possibilita identificar e permitir que apenas os cadastrados tenham acesso às dependências do DMAE. É uma ferramenta voltada à segurança patrimonial com propósito de registrar e gerenciar visitantes. Este sistema irá gravar um histórico de todos os visitantes com o seguinte propósito: *Permitir cadastrar todos os dados básicos dos visitantes com possibilidade também de recuperá-los quando for necessário; *Realizar um eficiente controle de horário e disponibilização de crachá permitindo ao usuário o controle de visitas prolongadas/extensas com a pendência da atualização do visitante registrado; *Controlar os contatos por setor; *Fornecer relatórios com disponibilidade de escolha por data escolhida. O sistema CP encontra-se dividido em módulos que manterão um conjunto de informações sobre os visitantes. Os módulos possibilitarão cadastrar e manter estas informações atualizadas, registrando todas as alterações ocorridas e listando um histórico desses dados. Módulos: * Cadastro de visitantes; * Controle das visitas: usuário cadastra destino, hora de chegada, hora de saída e data; * Consultas: rotina que possibilita consultar os visitantes inseridos no banco de dados por nome ou número de documento; * Atualização dos dados para registro da hora de saída;

15 15 * Comando para criar novo movimento e salvar os dados da movimentação da visita com nova data, hora de chegada, número do crachá, setor e observação; * Alteração de dados do visitante como, por exemplo, mudança de endereço; * Central de relatório: busca/pesquisa por data e quantidade de visitantes por dia; * Informações sobre o sistema CP e suas restrições à acesso; * Escolher opção para saída do sistema CP com alternativa de encerramento ou retorno ao formulário principal;

16 16 3. ESPECIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS REQUISITOS DO SISTEMA CP O desenvolvimento de sistemas de software de grande porte são suportados por métodos de análise e projeto que modelam esse sistema de modo a fornecer para toda a equipe envolvida (cliente, analista, programador, etc.) uma compreensão única do projeto. A UML - Unified Modeling Language é uma linguagem para especificação, documentação, visualização e desenvolvimento de sistemas. Sintetiza os principais métodos existentes, sendo considerada uma das linguagens mais expressivas para modelagem de sistemas orientados a objetos. Por meio de seus diagramas é possível representar sistemas de softwares sob diversas perspectivas de visualização. A linguagem de modelagem facilita a comunicação de todas as pessoas envolvidas no processo de desenvolvimento de um sistema como gerentes, coordenadores, analistas e desenvolvedores por apresentar um vocabulário de fácil entendimento. Com a UML podemos fazer uma modelagem visual de maneira que os relacionamentos entre os componentes do sistema sejam melhor visualizados, compreendidos e documentados Tipos de Processo de Software Segundo (PRESSMAN, 2001), existem vários modelos de processos de software. Os mais conhecidos são: Clássico ou Cascata: é um modelo que requer uma abordagem sistemática, seqüencial ao desenvolvimento do software, que se inicia no nível do sistema e avança ao longo da análise, projeto, codificação, teste e manutenção. Prototipação e incremental: é o desenvolvimento de um modelo vindo do sistema o qual enfatiza a interface com o usuário. É construído para experimentação, para

17 17 se obter requisitos dos usuários e para se obter uma confirmação sobre os mesmos. Os tipos de prototipação são: Prototipação transitória: utilizada como uma maneira de se obter informações e apresentar essas informações ao usuário. Após o sistema estar aceito em termos de informações, o protótipo é deixado de lado. Prototipação de demonstração: parte do sistema pode ser apresentada aos gerentes e patrocinadores do projeto para aprovação. Protótipo de Pesquisa: parte do sistema pode ser utilizada como maneira de testar a especialidade do domínio, com o objetivo de verificar se todos os conceitos e relacionamentos estão adequados. Este domínio é adquirido do usuário. Protótipo de interface: parte do sistema pode ser utilizada para testar se a interface está adequada. Por exemplo: soluções dadas e suas respectivas explicações. Prototipação evolutiva: utilizada como uma maneira de se obter informações e apresentar essas informações ao usuário. O protótipo vai sendo melhorado até atingir o objetivo final, ou seja, até que o mesmo atinja o sistema. Espiral ou Iterativo: é um processo que abrange as melhores características tanto do modelo Clássico como da Prototipação, acrescentando ao mesmo tempo, um novo elemento: a análise dos riscos que falta nesses outros paradigmas. Para o desenvolvimento deste trabalho foi usado o processo Espiral ou Iterativo por envolver todos os requisitos necessários para facilitar a implementação de um software Modelagem dos Requisitos Associada à técnica de caso de uso está é uma prática fortemente utilizada e bastante importante na captura dos requisitos de um futuro produto de software. A interface com o usuário é a porta de entrada da aplicação, e desempenha um papel fundamental no nível de produtividade. Durante o processo de prototipação, os usuários têm um alto grau de envolvimento nos projetos já que algumas vezes modificações consideradas triviais podem fazer toda a diferença para o usuário em seu dia-a-dia.

18 18 A técnica de caso de uso serve para identificar, organizar e manter os requisitos alocados ao software. Em vez de uma simples lista de requisitos, a utilização do caso de uso permite documentar a forma como os usuários utilizam o sistema. Isto possibilita a especificação de requisitos de maneira extremamente completa e consistente além de viabilizar o entendimento da importância de um determinado requisito sob a perspectiva do usuário final. Compreender como o sistema opera efetivamente do ponto de vista do usuário final, é uma dificuldade inerente ao desenvolvimento. É necessária uma documentação que oriente e mostre como as peças se encaixam e os casos de uso realizam este papel e são utilizados para orientar todo o ciclo de desenvolvimento de software. Diagrama de Caso de Uso: É um diagrama usado para se identificar como o sistema se comporta em várias situações que podem ocorrer durante sua operação. Descreve o sistema, seu ambiente e a relação entre os dois. Os componentes deste diagrama são os atores e os Casos de Uso. A notação usada pelo Diagrama de Caso de Uso é: Ator Caso de Uso FIGURA 1 NOTAÇÃO DE DIAGRAMA DE CASO DE USO Ator: Representa qualquer entidade que interage com o sistema. Pode ser uma usuário, outro sistema, etc. Algumas de suas características são descritas abaixo: ator não é parte do sistema. Representa os papéis que o usuário do sistema pode desempenhar. ator pode interagir ativamente com o sistema. ator pode ser um receptor passivo de informação. ator pode representar um ser humano, uma máquina ou outro sistema.

19 19 Caso de Uso: Como foi exemplificado acima, é uma seqüência de ações que o sistema executa e produz um resultado de valor para o ator. Algumas de suas características são descritas abaixo: Modela o diálogo entre atores e o sistema. É iniciado por um ator para invocar uma certa funcionalidade do sistema. Um Caso de Uso é fluxo de eventos completo e consistente. O conjunto de todos os Casos de uso representa todos as situações possíveis de utilização do sistema. Documentação de um Caso de Uso: Como apresentado acima, a documentação de um Caso de Uso é composta de uma Descrição textual resumida e dos Fluxos de eventos (Fluxo principal, secundário, alternativos e de exceção). Tipos de cenários: Primários: São os cenários nos quais o fluxo segue normalmente. Não há quebra no fluxo por alguma espécie de erro. Secundários: São os casos que compõem exceção. O fluxo normal de operação é interrompido. A partir do diagrama de casos de uso preliminar muitas vezes temos que definir casos de usos adicionais separadamente pois as operações se encontram duplicadas em outros casos de uso ou são complexas e longas e a separação nos ajuda a compreendê-las. Um relacionamento de herança mostra como um caso de uso herda de outro caso de uso onde a extensão pode ser acrescentar o comportamento da classe extendida. Os relacionamentos possíveis são: Inclusão - Se um caso de uso inicia ou inclui o comportamento de outro, dizemos que ele usa o outro. O relacionamento de inclusão em UML é ilustrado com uma linha de generalização com o rótulo <<include>>. As propriedades básicas da inclusão são: reduzir a complexidade de um caso de uso; realizar um decomposição funcional; O caso de uso básico não pode executar sem a inclusão; Comportamento comum.

20 20 2. Extensão - Define pontos de extensão (exceção) que adicionam comportamento a um caso de uso base descrevendo uma variação do comportamento normal. O caso de uso base pode ser executado mesmo sem a extensão. O relacionamento de extensão em UML é ilustrado com uma linha de generalização com o rótulo <<extend>>. Ex: O caso de uso Atualizar Informações pode apresentar a extensão Alterar Informações. 3. Generalização - Indica um caso de base que possui diferentes especializações e inclui comportamento ou sobrescreve o caso de uso base. A seguir é apresentado o diagrama de casos de usos do sistema CP, abrangendo suas funcionalidades. FIGURA 2 DIAGRAMA DE CASOS DE USO PARA O SISTEMA CP

21 21 Caso de Uso 1 Efetuar Login, (loga o sistema) é executado. Caso de Uso 2 Acessar Formulário Principal, (apresenta a tela principal com opções de menu) é executado. Caso de Uso 3 - Cadastrar Visitantes, (o usuário preenche o formulário de cadastro do visitante) é executado. Caso de Uso 4 - Consultar nome/número documento, (é executado a pesquisa do nome/número documento do visitante) é executado. Caso de Uso 5 - Atualizar informações, (os dados do visitante é recuperado e visualizado na tela) é executado. Caso de Uso 6 - Alterar informações, (modifica as informações do visitante) é executado. Caso de Uso 7 - Criar Novos Movimentos, (insere novos movimentos de visita como: hora de entrada, data movimento, número do crachá, destino e observação ) é executado. Caso de Uso 8 - Atualizar Saída, (atualiza a hora de saída do visitante) é executado. Caso de Uso 9 - Gerar Relatórios, (os relatórios são gerados conforme data escolhida) é executado. Caso de Uso 10 Imprimir Relatórios, (imprime o relatório da data pedida) é executado. Caso de uso 11 Fornecer Informações Sobre o CP, (fornece informações sobre o sistema) é executado. Caso de uso 12 Escolher opção de saída, (sai do sistema com opção em caso de sim ou não) o caso de uso é encerrado ou ignorado Analisando os Requisitos Diagrama de seqüência: captura um cenário ou processamento de tarefa específico da aplicação usando uma descrição em pseudo-código (lado esquerdo do diagrama). O lado direito do diagrama apresenta a estrutura de seqüência de mensagens entre os objetos do sistema. É esta comunicação entre os objetos que implementa os casos de uso.

22 22 1. Efetuar Login: O usuário fornece o login de acesso (usuário e senha). O sistema verifica se o acesso do usuário é válido. Fluxo Primário: 1.1. O usuário solicita conexão com o sistema; 1.2. O sistema apresenta tela de login; 1.3. O usuário informa (usuário e senha); 1.4. O sistema consulta na base de dados; FIGURA 3 FORMULÁRIO EFETUAR LOGIN

23 23 2. Acessar o Formulário Principal: É apresentado ao usuário a tela Principal com opções de menu para a escolha de formulários como: cadastrar, gerar relatório, fornecer informações sobre o CP e sair. Fluxo Principal: 2.1. O sistema exibe as opções do menu; 2.2. O usuário seleciona as opções do formulário principal; 2.3. É executado o acesso ao controle para cadastrar, gerar relatórios, fornecer informações sobre o CP e sair do sistema;

24 24 3. Cadastrar Visitantes: O usuário preenche os campos do formulário com as informações do visitante. Fluxo Principal: 3.1. O usuário solicita ao sistema o formulário cadastro; 3.2. O sistema solicita o número do documento do visitante; 3.3. O usuário fornece o número do documento do visitante; 3.4. O sistema verifica se existe o número do documento fornecido; Exibi mensagem: Visitante já cadastrado! ; 3.5. O sistema solicita criar; 3.6. O sistema solicita as informações básicas ao visitante; 3.7. O usuário entra com as informações; 3.8. O sistema inclui o visitante no banco de dados; Exibe mensagem: Visitante cadastrado!. FIGURA 5 CADASTRAR VISITANTES

25 25 4. Consultar nome/número documento: Para realizar a pesquisa referente ao visitante é necessário escolher a opção consulta por nome ou por número de documento. Fluxo Primário: 4.1. O usuário solicita consulta ao sistema; 4.2. O sistema solicita a escolha da consulta por nome ou número de documento; 4.3. O usuário digita o nome ou número de documento para pesquisa; 4.4. O sistema recupera os dados na base de dados; 4.5. O sistema exibe os dados na tela;

26 26 5. Atualizar informações: Para recuperar as informações na base de dados o usuário fornece o número de documento do visitante ao sistema. Fluxo Primário: 5.1. O sistema solicita o número de documento ao visitante; 5.2. O número de documento é fornecido; 5.3. O sistema solicita recuperação dos dados ao banco de dados; 5.4. A base de dados retorna os dados; 5.5. O sistema fornece a recuperação dos dados do visitante; Fluxo Secundário: 5.6. Alterar informações (altera-se os dados uma vez recuperado para criar um novo movimento na base de dados); 5.7. Consultar informações (pesquisa-se os dados antes de recuperá-lo para criar o novo movimento na base de dados);

27 27 6. Alterar informações: O sistema após a atualização, ou melhor, após ter recuperado e apresentado os dados básicos na tela de interface cadastro, o usuário poderá modificar os dados. Fluxo Primário: 6.1. Usuário altera informações; 6.2. O sistema solicita a alteração dos dados ao banco de dados; 6.3. A base de dados informa a alteração; Fluxo Secundário: 6.4. Atualizar informações (é recuperado os dados do banco de dados); 6.5. Consultar informações (pesquisa-se os dados antes de recuperá-lo para criar o novo movimento na base de dados);

28 28 7. Criar Novo Movimento: O sistema requer a recuperação dos dados e insere novos movimentos de visita como: hora de entrada, data de movimento, número do crachá, destino e observação. Fluxo Primário: 7.1. O sistema solicita a recuperação dos dados; 7.2. É recuperado os dados e inserido os dados de hora de entrada, data, número do crachá, destino e observação do visitante; 7.3. Usuário solicita inserção dos dados ao banco de dados; 7.4. A base de dados insere os dados no movimento; 7.5. É realizado a confirmação dos dados inseridos; Fluxo Secundário: 7.6. Atualizar informações (é recuperado os dados do banco de dados); 7.7. Alterar informações (altera-se os dados uma vez recuperado para criar um novo movimento na base de dados); 7.8. Consultar informações (pesquisa-se os dados antes de recuperá-lo para criar o novo movimento na base de dados);

29 29 8. Atualizar saída: O sistema fornece um formulário com todos os movimentos de entrada dos visitantes como: nome, número documento, data da visita, hora da entrada, crachá e requer a atualização da hora de saída. Fluxo Principal: 8.1. O sistema solicita atualizar a hora da saída; 8.2. É selecionado os dados do visitante na navegação (botão) e informado a hora de saída; 8.3. É atualizado os dados no banco de dados; 8.4. Os dados são inseridos no movimento; 8.5. É confirmado a atualização; Fluxo Secundário: 8.6. Criar Novo Movimento (recupera-se os dados do banco de dados para atualizar o horário de saída do visitante);

30 30 9. Gerar Relatório: É fornecido um calendário ao usuário para consulta segundo a data desejada e é gerado o relatório correspondente. O mesmo também especifica a quantidade de visitantes cadastrados no dia solicitado. Fluxo Principal: 9.1. O usuário solicita gerar relatório; 9.2. O sistema solicita data; 9.3. É fornecido a data; 9.4. O sistema recupera a data; 9.5. É exibido ou imprimido o relatório;

31 Imprimir Relatório: O sistema imprime o relatório escolhido conforme a data inicial e data final fornecida pelo usuário, ficando o mesmo disponível no banco de dados para posteriores consultas ou impressão. Fluxo Principal: É solicitado impressão; É fornecido a data inicial e final; O sistema recupera os dados no banco de dados; Imprime-se o relatório; Fluxo Secundário: Gerar Relatório (recupera-se os dados para a impressão);

32 Fornecer Informações Sobre CP: O usuário poderá verificar informações sobre o sistema Controle de Portaria como: informações sobre o produto de exclusividade do DMAE, nome do desenvolvedor e o do desenvolvedor em caso de solicitação do mesmo. Fluxo Principal: É requerido informações sobre o sistema CP; É fornecido;

33 Escolher Opção de Saída: Caso o usuário deseje encerrar o sistema é apresentado uma caixa de saída com a mensagem de confirmação ou a não confirmação do encerramento da utilização do sistema. Fluxo Principal: Solicita-se sair do sistema; O sistema fornece mensagem de confirmação (sim/não); Sim, fecha o programa; Não, continua na tela;

34 34 Descrição dos Fluxos Secundários para cada Caso de Uso: O usuário fornece (usuário e senha) de acesso inválido: Será exibido uma mensagem do sistema de: Login e usuário falho e Erro ao acessar o BD! O usuário fornece um número de documento inválido: O usuário pode fornecer um número de documento inválido ou que não consta cadastrado no banco de dados. O usuário não satisfaz todos os requisitos necessários: O usuário é informado que falta algum campo para ser preenchido. O sistema segue adiante. A data escolhida não pode ser imprimida: A data escolhida pelo usuário poderá ser inválido se a mesma coincidir com a data de sábado, domingo, feriado ou recesso. É informado de que o pedido de impressão deve ser repetido por data inválida. O sistema segue a diante. O sistema não pode recuperar as informações de consulta: Caso o usuário forneça dados incoerentes e deverá reiniciar o fluxo para nova consulta. O sistema informa que os dados não podem ser alterados: O usuário é limitado a certas alterações, devendo o mesmo solicitar alteração ao responsável pelo Banco de Dados (servidor) Modelagem dos Dados O modelo Entidade-Relacionamento pode ser expresso por um diagrama, o qual, varia na forma de representar as entidades, os atributos e os relacionamentos, como a nomenclatura para identificá-los dependendo da ferramenta ou do livro de pesquisa (LIMA, 1999). O objetivo é descrever o modelo físico do banco de dados, identificando as entidades (tabelas) e seus atributos (campos), otimizando a estrutura de dados e criando o banco de dados. Definição de Entidade: Representa uma entidade que pode ser física, conceitual ou de software. É uma abstração de algo que possui fronteira definida e significado para a aplicação. Toda a informação de um banco de dados relacional é armazenada em tabelas, que na linguagem do modelo relacional, também são chamadas de

35 35 Entidades. Por exemplo, Tabela Visitante, onde serão armazenadas as informações sobre os diversos visitantes. Essas diversas características de cada Visitante são os Atributos da entidade Visitante, também chamados de campos da Tabela Visitante. O conjunto de todos os atributos de um cliente os valores dos atributos é o que forma o Registro do Visitante. Com isso temos uma tabela que é constituída por um conjunto de Registros (uma linha completa completa com informações sobre o visitante) e cada Registro formado por um conjunto de atributos (Nome, Endereço, etc). Entidade ou Tabela é um conjunto de Registros e Campos ou Atributos referese as características individuais da tabela. Identificação da Construção Entidade-Relacionamento correspondente a cada Tabela: Para cada tabela define-se qual a construção correspondente ao nível de modelo Entidade- Relacionamento. Assim, uma tabela pode corresponder a uma entidade, um relacionamento n:n, ou uma entidade especializada. Verifica-se que o fator determinante da construção Entidade-Relacionamento que corresponde a uma tabela é a composição de sua chave primária. Conforme o tipo de chave classifica-se as tabelas: Chave primária composta por mais de uma chave estrangeira: A tabela que possui uma chave primária de múltiplas chaves estrangeiras implementa um relacionamento n:n; Toda a chave primária é uma chave estrangeira: A tabela cuja chave primária é toda ela estrangeira representa uma entidade que forma uma especialização da entidade correspondente à tabela referenciada pela chave estrangeira; Demais casos: Quando a chave não for do tipo mencionado nos itens acima, a tabela representa uma entidade. Identificação de relacionamentos 1:n ou 1:1: Toda a chave estrangeira que não faz parte de uma chave primária composta por múltiplas chaves estrangeiras, nem é toda ela uma chave primária, representa um relacionamento 1:n ou 1:1. Para identificar o tipo de cardinalidade é necessário verificar o possível conteúdo do banco de dados.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Desenvolvido por Fábrica de Software Coordenação de Tecnologia da Informação Pág 1/22 Módulo: 1 Responsável: Desenvolvimento Ti Data: 01/11/2012 Versão: 1.0 Empresa:

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2011 Análise e Projeto Orientados a Objetos Análise e Projeto Orientados a Objetos O que é Análise e Projeto? Análise o quê Investigação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML)

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Aécio Costa A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. Surge a UML (Unified Modeling Language)

Leia mais

Unioeste Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Unioeste Universidade Estadual do Oeste do Paraná Unioeste Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática Especificação de Requisitos e Modelagem Orientada

Leia mais

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso Casos de Uso O que é Casos de Uso Descrições narrativas de processos do domínio da aplicação Documentam a seqüência de eventos de um ator (um agente externo) usando o sistema para completar, do início

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE METODOLOGIA RÁPIDA UMA VISÃO ORIENTADA A OBJETO UML - LINGUAGEM DE MODELAGEM

Leia mais

Vendas. Manual do Usuário. Copyright 2014 - ControleNaNet

Vendas. Manual do Usuário. Copyright 2014 - ControleNaNet Manual do Usuário Copyright 2014 - ControleNaNet Conteúdo A Ficha de Vendas...3 Os Recibos...6 Como imprimir?...7 As Listagens...9 Clientes... 10 Consulta... 11 Inclusão... 13 Alteração... 14 Exclusão...

Leia mais

TCEnet. Manual Técnico. Responsável Operacional das Entidades

TCEnet. Manual Técnico. Responsável Operacional das Entidades TCEnet Manual Técnico Responsável Operacional das Entidades 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Características... 3 3. Papéis dos Envolvidos... 3 4. Utilização do TCEnet... 4 4.1. Geração do e-tcenet... 4

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

Webmail UFMA Tutorial de Operações Básicas do Usuário Cliente Web

Webmail UFMA Tutorial de Operações Básicas do Usuário Cliente Web UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO - UFMA NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - NTI GERÊNCIA DE REDES - GEREDES Webmail UFMA Tutorial de Operações Básicas do Usuário Cliente Web São Luís 2014 1. INICIANDO...

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência

Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência Milena Alexandre dos Santos Baesso (Mestranda em Engenharia Elétrica) Agenda Ciclo de Vida de um Sistema A Fase de Análise Análise Orientada à Objetos Diagramas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: ANPS Análise e Projeto de Sistemas AULA NÚMERO: 3 DATA: PROFESSOR: Murakami Sumário 1 APRESENTAÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO...1 2.1 Revisão...1 2.1.1

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE IVY MARTINS SALLES SATCAR: SISTEMA DE GERÊNCIA DE UMA EMPRESA DE RASTREAMENTO VEICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE IVY MARTINS SALLES SATCAR: SISTEMA DE GERÊNCIA DE UMA EMPRESA DE RASTREAMENTO VEICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE IVY MARTINS SALLES SATCAR: SISTEMA DE GERÊNCIA DE UMA EMPRESA DE RASTREAMENTO VEICULAR NITERÓI 2010 IVY MARTINS SALLES SATCAR: SISTEMA DE GERÊNCIA DE UMA EMPRESA DE RASTREAMENTO

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso! Um modelo funcional

Modelagem de Casos de Uso! Um modelo funcional Modelagem de Casos de Uso Diagrama de Casos de Uso Especificação de Cenários! Um modelo funcional! Mostra como os valores são processados, sem preocupações com:! ordenamento (seqüência) das ações;! as

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS DOCUMENTO DE REQUISITOS ID documento: Data: / / Versão : Responsável pelo documento: ID Projeto: HISTÓRICO DE REVISÕES Data de criação/ atualização Descrição da(s) Mudança(s) Ocorrida(s) Autor Versão do

Leia mais

Engenharia de Software: Introdução. Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes

Engenharia de Software: Introdução. Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes Engenharia de Software: Introdução Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes Programa 1. O processo de engenharia de software 2. UML 3. O Processo Unificado 1. Captura de requisitos 2.

Leia mais

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA Autores Karina de Oliveira Wellington da Silva Rehder Consultores em Informática Editora Viena Rua Regente Feijó, 621 - Centro - Santa Cruz do Rio Pardo - SP CEP 18.900-000 Central de Atendimento (0XX14)

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS 1/38 DOCUMENTO DE REQUISITOS GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Versão 1.1 Identificação do Projeto CLIENTE: NOME DO CLIENTE TIPO DO SISTEMA OU PROJETO Participantes Função Email Abilio Patrocinador

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 Atendente... 3

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 Atendente... 3 SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 1. Login no sistema... 2 Atendente... 3 1. Abrindo uma nova Solicitação... 3 1. Consultando Solicitações... 5 2. Fazendo uma Consulta Avançada... 6 3. Alterando dados da

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Livro Caixa. www.controlenanet.com.br. Copyright 2015 - ControleNaNet

Livro Caixa. www.controlenanet.com.br. Copyright 2015 - ControleNaNet www.controlenanet.com.br Copyright 2015 - ControleNaNet Conteúdo Tela Principal... 3 Como imprimir?... 4 As Listagens nas Telas... 7 Clientes... 8 Consulta... 9 Inclusão... 11 Alteração... 13 Exclusão...

Leia mais

Uma Abordagem usando PU

Uma Abordagem usando PU Uma Abordagem usando PU Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Baseada em: Rational Software Corpotation G. Booch, Ivar Jacobson,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Introdução Aula 03: Pacote Microsoft Office 2007 O Pacote Microsoft Office é um conjunto de aplicativos composto, principalmente, pelos

Leia mais

Unified Modeling Language

Unified Modeling Language Unified Modeling Language Modelagem de Negócios e de Sistemas com Casos de Uso Denize Terra Pimenta dpimenta@gmail.com www.analisetotal.com.br Índice 2 1 Objetivos Esta palestra é uma introdução à modelagem

Leia mais

Manual de utilização do. sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR

Manual de utilização do. sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR Manual de utilização do sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR Sistema integrado de controle médico Acesso... 3 Menu principal... 4 Cadastrar... 6 Cadastro de pacientes... 6 Convênios... 10

Leia mais

Volpe Enterprise Resource Planning

Volpe Enterprise Resource Planning Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado, reproduzido, traduzido ou reduzido a qualquer mídia eletrônica ou máquina de leitura, sem a expressa

Leia mais

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição SSE 3.0 Guia Rápido Módulo Secretaria Nesta Edição 1 Acessando o Módulo Secretaria 2 Cadastros Auxiliares 3 Criação de Modelos Definindo o Layout do Modelo Alterando o Layout do Cabeçalho 4 Parametrização

Leia mais

Usuários. Manual. Pergamum

Usuários. Manual. Pergamum Usuários Manual Pergamum Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 1-2 2 CADASTRANDO UM NOVO USUÁRIO/OPERADOR... 2-1 3 UTILIZANDO O MÓDULO DE USUÁRIOS... 3-2 3.1 CONFIGURAÇÃO DE GUIAS NO EXPLORER... 3-3 4 CADASTRO...

Leia mais

1998-2015 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2015 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Versão 8.1A-13 Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas

Leia mais

1. Introdução... 5. 2. Instalação do Módulo Gerenciador de Acessos SinaGAS... 6. 3. Tipos de Autenticação... 8. 3.1. Autenticação Sinacor...

1. Introdução... 5. 2. Instalação do Módulo Gerenciador de Acessos SinaGAS... 6. 3. Tipos de Autenticação... 8. 3.1. Autenticação Sinacor... Índice 1. Introdução... 5 2. Instalação do Módulo Gerenciador de Acessos SinaGAS... 6 3. Tipos de Autenticação... 8 3.1. Autenticação Sinacor... 8 3.2. Autenticação AD... 11 4. Fluxo Operacional... 14

Leia mais

Codificar Sistemas Tecnológicos

Codificar Sistemas Tecnológicos Codificar Sistemas Tecnológicos Especificação dos Requisitos do Software Sistema de gestão para a Empresa Cliente SlimSys Autor: Equipe Codificar Belo Horizonte MG Especificação dos Requisitos do Software

Leia mais

Modelagem do Sistema EMD Vanice Pinheiro do Amaral Silva, Alberto da Silva Lobo

Modelagem do Sistema EMD Vanice Pinheiro do Amaral Silva, Alberto da Silva Lobo Modelagem do Sistema EMD Vanice Pinheiro do Amaral Silva, Alberto da Silva Lobo NTI Núcleo de Tecnologia e Informação Fundação Unirg 1. Introdução A utilização da informática surgiu como uma ferramenta

Leia mais

Banco de Dados BrOffice Base

Banco de Dados BrOffice Base Banco de Dados BrOffice Base Autor: Alessandro da Silva Almeida Disponível em: www.apostilando.com 27/02/2011 CURSO TÉCNICO EM SERVIÇO PÚBLICO Apostila de Informática Aplicada - Unidade VI Índice Apresentação...

Leia mais

Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático

Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Notas de Aula Ulrich Schiel Notas de Aula Ariadne

Leia mais

Diveo Exchange OWA 2007

Diveo Exchange OWA 2007 Diveo Exchange OWA 2007 Manual do Usuário v.1.0 Autor: Cícero Renato G. Souza Revisão: Antonio Carlos de Jesus Sistemas & IT Introdução... 4 Introdução ao Outlook Web Access 2007... 4 Quais são as funcionalidades

Leia mais

APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA

APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA ANDRE APARECIDO LEAL DE ALMEIDA Discente da AEMS Faculdades Integradas

Leia mais

Curso de Licenciatura em Informática

Curso de Licenciatura em Informática Curso de Licenciatura em Informática Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Professor: Rafael Vargas Mesquita EXERCÍCIOS SOBRE MODELAGEM DE CASOS DE USO Exercício 1: construa um Diagrama de Casos de

Leia mais

UML Aula I Diagramas de Caso de Uso, Sequência e Colaboração

UML Aula I Diagramas de Caso de Uso, Sequência e Colaboração UML Aula I Diagramas de Caso de Uso, Sequência e Colaboração Ricardo Argenton Ramos Engenharia de Software II 2013.1 Um Exercício Como você pode representar? Uma casa de 2 andares, 4 quartos, 2 banheiros,

Leia mais

ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Análise Descrição do problema a ser implementado Descrição dos objetos e classes que fazem parte do problema, Descrição

Leia mais

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3 DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA INFORMATIZADO PARA O CONTROLE DE PROCESSOS DA QUALIDADE NA DIRETORIA DE METROLOGIA CIENTÍFICA E INDUSTRIAL DIMCI/INMETRO. Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando

Leia mais

Manual do sistema SMARsa WEB

Manual do sistema SMARsa WEB Manual do sistema SMARsa WEB Módulo Solicitação/Ouvidoria SMARsa WEB Solicitação/Ouvidoria Versão 2.7 1 Sumário INTRODUÇÃO...4 OBJETIVOS...4 Bem-vindo ao sistema SMARsa WEB: Módulo solicitação/ouvidoria...5

Leia mais

Tela Inicial: O Banco de Dados e seus objetos:

Tela Inicial: O Banco de Dados e seus objetos: Access 1 Tela Inicial: 2 ÁREA DE TRABALHO. Nosso primeiro passo consiste em criar o arquivo do Access (Banco de Dados), para isto utilizaremos o painel de tarefas clicando na opção Banco de Dados em Branco.

Leia mais

CASO DE USO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

CASO DE USO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com CASO DE USO Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Caso de Uso Descreve o modelo funcional (comportamento) do sistema Técnica de especificaçao de requisitos Especifica um serviço que o sistema

Leia mais

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Consultas... 5 3. Relatórios... 8 4. Conclusões... 11

Leia mais

Manual de Operações Básicas. Thiago Passamani

Manual de Operações Básicas. Thiago Passamani Manual de Operações Básicas Thiago Passamani 1 - Entrando e saindo do sistema O Zimbra Suíte de Colaboração é um software de correio eletrônico open source com suporte para e-mail, contatos, calendário

Leia mais

Manual do Instar Mail Sumário

Manual do Instar Mail Sumário Manual do Instar Mail Sumário 1 - Apresentação do sistema... 2 2 - Menu cliente... 2 3 - Menu Importação... 5 4 - Menu Campanhas... 9 5 - Menu banco de arquivos... 16 6 - Menu agendamento... 16 7 - Menu

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

FAQ PERGUNTAS FREQUENTES

FAQ PERGUNTAS FREQUENTES FAQ PERGUNTAS FREQUENTES 1 SUMÁRIO SUMÁRIO...2 1.Quais são as características do Programa?...4 2.Quais são os pré-requisitos para instalação do Sigep Web?...4 3.Como obter o aplicativo para instalação?...4

Leia mais

Smart Laudos 1.9. A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos. Manual do Usuário

Smart Laudos 1.9. A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos. Manual do Usuário Smart Laudos 1.9 A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos Manual do Usuário Conteúdo 1. O que é o Smart Laudos?... 3 2. Características... 3 3. Instalação... 3 4. Menu do Sistema... 4 5. Configurando

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Índice 1 Introdução...2 1.1 Versão... 2 1.2 Licenciamento...2 1.3 Mensagem do Projeto

Leia mais

Apostila Oultlook 2007 Prof. Fabrício Melo

Apostila Oultlook 2007 Prof. Fabrício Melo INTRODUÇÃO O Microsoft Outlook 2007 é um programa de gestão de informações pessoais e de mensagens que auxilia no gerenciamento de mensagens, compromissos, contatos, tarefas e partilhar informações com

Leia mais

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem?

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem? UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem de modelagem

Leia mais

Manual de Referência do Usuário. Programa de Tratamento de Registro de Ponto (PTRP) - JPonto5. Copyright 2012 Tecno Soluções em Informática LTDA

Manual de Referência do Usuário. Programa de Tratamento de Registro de Ponto (PTRP) - JPonto5. Copyright 2012 Tecno Soluções em Informática LTDA Programa de Tratamento de Registro de Ponto (PTRP) - JPonto5 Copyright 2012 Tecno Soluções em Informática LTDA Todos os Direitos Reservados Índice Cadastro de usuários... 8 Elementos da tela.... 8 Cadastrando

Leia mais

Manual do Usuário. Controle Financeiro. Copyright 2014 - ControleNaNet

Manual do Usuário. Controle Financeiro. Copyright 2014 - ControleNaNet Manual do Usuário Controle Financeiro Copyright 2014 - ControleNaNet Conteúdo Menu Principal...3 Clientes... 4 Consulta... 5 Inclusão...6 Alteração... 8 Exclusão...8 Fornecedores...9 Consulta... 10 Inclusão...

Leia mais

AULA 3: BrOffice Writer Numeração de páginas e outros comandos. Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de:

AULA 3: BrOffice Writer Numeração de páginas e outros comandos. Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de: AULA 3: BrOffice Writer Numeração de páginas e outros comandos Objetivo Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de: Conhecer o controle de exibição do documento; Fazer a correção ortográfica do documento

Leia mais

PMAT. Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações. Manual. Desenvolvido pelo BNDES AS/DEGEP

PMAT. Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações. Manual. Desenvolvido pelo BNDES AS/DEGEP PMAT Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações Manual 1 Índice 1. O que é o Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações PMAT... 3 2. Acessando o sistema pela primeira vez Download... 3 3. Fluxogramas

Leia mais

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 1. Login no sistema... 2 2. Tela Inicial... 2 3. Abrindo uma nova Solicitação... 3 4. Acompanhando as solicitações abertas... 4 5. Exibindo Detalhes da Solicitação... 6 6.

Leia mais

ÍNDICE BLUELAB A UTILIZAÇÃO DO BLUELAB PELO PROFESSOR RECURSOS PARA PROFESSORES E ALUNOS...05 INICIANDO O BLUELAB PROFESSOR...06

ÍNDICE BLUELAB A UTILIZAÇÃO DO BLUELAB PELO PROFESSOR RECURSOS PARA PROFESSORES E ALUNOS...05 INICIANDO O BLUELAB PROFESSOR...06 ÍNDICE BLUELAB RECURSOS PARA PROFESSORES E ALUNOS...05 INICIANDO O BLUELAB PROFESSOR...06 ELEMENTOS DA TELA INICIAL DO BLUELAB PROFESSOR guia Meu Espaço de Trabalho...07 A INTERFACE DO BLUELAB...07 INICIANDO

Leia mais

Rem Commodatum. Rem Commodatum - Versão 1.0. Manter Visitas Técnicas. Iteração 01 - Release 1.0. Versão do Documento: 1.0

Rem Commodatum. Rem Commodatum - Versão 1.0. Manter Visitas Técnicas. Iteração 01 - Release 1.0. Versão do Documento: 1.0 Rem Commodatum Rem Commodatum - Versão 1.0 Iteração 01 - Release 1.0 Manter Visitas Técnicas Versão do Documento: 1.0 Data Versão do Documento Histórico de Revisão Descrição Autor 20/09/2011 1.0 Elaboração

Leia mais

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Índice Como acessar o Moodle Editando seu PERFIL Editando o curso / disciplina no Moodle Incluindo Recursos

Leia mais

Sumário. Uma visão mais clara da UML

Sumário. Uma visão mais clara da UML Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Chapecó Ensino Médio Integrado em Informática Módulo V Unidade Curricular: Engenharia de Software Professora: Lara P. Z. B. Oberderfer Uma visão mais clara da

Leia mais

SISTEMA UNIMED HRP: MÓDULO WEBSAÚDE MANUAL DE UTILIZAÇÃO

SISTEMA UNIMED HRP: MÓDULO WEBSAÚDE MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA UNIMED HRP: MÓDULO WEBSAÚDE MANUAL DE UTILIZAÇÃO Departamento de Tecnologia da Informação tecnologia@unimeditabira.com.br 31 3839-771 3839-7713 Revisão 03 Itabira Setembro 2015 Sumário 1. Acessando

Leia mais

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM...

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM... 1 de 30 INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 3.1. ONDE SE DEVE INSTALAR O SERVIDOR BAM?... 4 3.2. ONDE SE DEVE INSTALAR O PROGRAMADOR REMOTO BAM?... 4 3.3. COMO FAZER

Leia mais

Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos DESIG/GPGEM

Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos DESIG/GPGEM Manual do Usuário SFC SISTEMA DE FATURAMENTO CORPORATIVO ECT EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS DESIG - DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO Elaborado por Claudimiro José dos Santos Neto Analista

Leia mais

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 4.1 Motivação Sistemas de Informação são usados em diversos níveis dentro de uma organização, apoiando a tomada de decisão; Precisam estar

Leia mais

GUIA DE AUXÍLIO PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA IFES

GUIA DE AUXÍLIO PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA IFES GUIA DE AUXÍLIO PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA IFES SUMÁRIO 1. PREENCHIMENTO DA PLANILHA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS...3 1.1 Menu...3 1.2 Termo de Abertura...4 1.3 Plano do Projeto...5 1.4

Leia mais

1998-2009 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2009 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas poderá ter

Leia mais

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO Danilo Freitas Silvas Sistemas de informação CEATEC danilofs.ti@gmail.com Resumo:

Leia mais

MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB

MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB CNS LEARNING MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB Versão Online 13 Índice ÍNDICE... 1 VISÃO GERAL... 2 CONCEITO E APRESENTAÇÃO VISUAL... 2 PRINCIPAIS MÓDULOS... 3 ESTRUTURAÇÃO... 3 CURSOS... 4 TURMAS... 4

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa Manual do Usuário Sistema Financeiro e Caixa - Lançamento de receitas, despesas, gastos, depósitos. - Contas a pagar e receber. - Emissão de cheque e Autorização de pagamentos/recibos. - Controla um ou

Leia mais

Manual do Usuário ZKPatrol1.0

Manual do Usuário ZKPatrol1.0 Manual do Usuário ZKPatrol1.0 SOFTWARE Sumário 1 Introdução de Funções... 3 1.2 Operação Básica... 4 1.3 Seleção de idioma... 4 2 Gerenciamento do Sistema... 5 2.1 Entrar no sistema... 5 2.2 Sair do Sistema...

Leia mais

Modelagem de Requisitos com Casos de Uso. Descrever em detalhe a técnica de Modelagem com Use Cases

Modelagem de Requisitos com Casos de Uso. Descrever em detalhe a técnica de Modelagem com Use Cases Engenharia de Software Modelagem de Requisitos com Casos de Uso 1 Objetivos Descrever em detalhe a técnica de Modelagem com Use Cases 2 1 Use Case É uma forma específica de uso do sistema através da execução

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DO PARANÁ. Sistema de Gestão Escolar PROJETO FINAL Schola Ratio Versão 8

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DO PARANÁ. Sistema de Gestão Escolar PROJETO FINAL Schola Ratio Versão 8 FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DO PARANÁ Sistema de Gestão Escolar PROJETO FINAL Schola Ratio Versão 8 CURITIBA Nov 2012 DJULLES IKEDA OSNIR FERREIRA DA CUNHA Sistema de Gestão Escolar PROJETO

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 2 - ANÁLISE DE REQUISITOS DE SOFTWARE APLICATIVO 1. INTRODUÇÃO Entender os requisitos de um problema está entre as tarefas mais difíceis na construção de um software. Na maioria das vezes o cliente

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPÚS: JOÃO CÂMARA DISCIPLINA: ENGENHARIA DE SOFTWARE

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPÚS: JOÃO CÂMARA DISCIPLINA: ENGENHARIA DE SOFTWARE INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPÚS: JOÃO CÂMARA DISCIPLINA: ENGENHARIA DE SOFTWARE PROFESSOR: EDMILSON CAMPOS GIB GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÃO DE BIBLIOTECA

Leia mais

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO CLIENTE DE E-MAIL: MICROSOFT OUTLOOK 2003

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO CLIENTE DE E-MAIL: MICROSOFT OUTLOOK 2003 Universidade do Contestado UnC Campus Mafra/Rio Negrinho/Papanduva MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO CLIENTE DE E-MAIL: MICROSOFT OUTLOOK 2003 SUMÁRIO ENTENDENDO SUA TELA PRINCIPAL...3 Descrição da divisão da

Leia mais

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 ArpPrintServer Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO SISTEMA... 3 REQUISITOS DE SISTEMA... 4 INSTALAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO SInAE Sistema Integrado de Administração Escolar Fevereiro - 2006 Sumário INTRODUÇÃO... 2 APRESENTAÇÃO DOS MÓDULOS... 3 Módulo Acadêmico... 3 Módulo de Cofigurações da Escola...

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: TÉCNICO EM INFORMÁTICA Qualificação:

Leia mais

ROTINAS PADRÕES DO SISTEMAS

ROTINAS PADRÕES DO SISTEMAS ROTINAS PADRÕES DO SISTEMAS Usando o Sistema pela primeira vez Ao executar o seu Sistema pela primeira vez a tela abaixo será apresentada para que você possa configurar os diretórios onde serão achados

Leia mais

Concepção e Elaboração

Concepção e Elaboração UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Análise e Projeto Orientado a Objetos Concepção e Elaboração Estudo

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Criação de Formulários no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Criação de Formulários no Google Drive Introdução...

Leia mais