LEOPOLDO PACHECO BASTOS /

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEOPOLDO PACHECO BASTOS / 0202106101"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO TECNOLÓGICO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA LEOPOLDO PACHECO BASTOS / CONTROLE DE RUÍDO EM INSTALAÇÕES DE GRUPOS GERADORES: UM ESTUDO DE CASO BELÉM 2007

2 ii LEOPOLDO PACHECO BASTOS / CONTROLE DE RUÍDO EM INSTALAÇÕES DE GRUPOS GERADORES: UM ESTUDO DE CASO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Colegiado do Curso de Engenharia Mecânica do Centro Tecnológico da Universidade Federal do Pará para obtenção do grau de Engenheiro Mecânico Orientador: Prof. Dr. Newton Sure Soeiro BELÉM 2007

3 iii LEOPOLDO PACHECO BASTOS / CONTROLE DE RUÍDO EM INSTALAÇÕES DE GRUPOS GERADORES: UM ESTUDO DE CASO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para obtenção do grau de Engenheiro Mecânico pela Universidade Federal do Pará. Submetido à banca examinadora do Colegiado constituída pelos integrantes: Prof. Dr. Newton Sure Soeiro (Orientador) Prof. Dr. Gustavo da Silva Vieira de Melo Prof. Rodrigo José de Andrade Vieira Julgado em: / / Conceito:

4 iv DEDICATÓRIA A meus pais, Ruilimam e Juciene e à minha filha, Luana Beatriz, razão da minha existência.

5 v AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus, o Altíssimo, por possibilitar esse momento, por iluminar o meu caminho nas horas em que mais precisei; Aos meus pais, Ruilimam e Juciene, a quem devo eterna gratidão, por terem me criado da melhor maneira que se deve criar um filho; Aos meus irmãos, em especial, o mais velho, Pablo Diego, por me ajudar na conclusão deste trabalho; À minha filha Luana, por ser minha fonte de inspiração; Ao Professor Newton Soeiro, pela confiança, pelo aprendizado e pela orientação; Ao Professor Gustavo Melo pelo apoio e aprendizado; Ao Grupo de Vibrações e Acústica e a todos os seus integrantes (Fábio, Hélder, Luiz Fernando, Roberta, Diana, Rodrigo, Rafael, Reginaldo, Aviz, Márcio, Walter, Alexandre, Keliene, Bruno e Juliana); À Dalliana, minha namorada, melhor amiga, quase noiva e futura esposa, pelo companheirismo e amor; Aos meus grandes amigos Manoelson, Genésio e Nauro, pela irmandade ao longo do curso;

6 vi SUMÁRIO SIMBOLOGIA... ix RESUMO... xi LISTA DE FIGURAS... xii LISTA DE TABELAS... xiv LISTA DE GRÁFICOS... xv CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Introdução Justificativa Objetivos Objetivo Geral Objetivos Específicos Organização do Trabalho...22 CAPÍTULO 2 - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA: O GRUPO GERADOR E SUA INSTALAÇÃO Introdução Tipos e Classificações de Sistemas Classificação de Energia de Grupos Geradores Classificação de Energia Standby Classificação de Energia Prime Classificação de Energia de Carga Básica Considerações Sobre o Local Considerações Sobre o Local Externo Considerações Sobre o Local Interno Considerações Ambientais Emissão e Atenuação dos Níveis de Ruído Emissões de Gases do Escape de Motores Sistema de Partida de Motores Baterias e Carregadores de Bateria Montagem dos Isoladores de Vibração...31

7 vii 2.8 Provisões para a Fundação Fundação para Isolamento de Vibrações Fundação Sistema de Escape e Silencioso Dimensionamento do Sistema de Escape Ventilação Sistemas de Ventilação Ruídos do Grupo Gerador...49 CAPÍTULO 3 - ABSORÇÃO SONORA, PERDA DE TRANSMISSÃO E CONTROLE DE RUÍDO Audibilidade Curvas de Compensação Controle de Ruído Controle de Ruído na Fonte Controle de Ruído na Trajetória Enclausuramento ou Encapsulamento Controle de Ruído no Receptor Absorção Sonora e Perda de Transmissão...61 CAPÍTULO 4 - PAINÉIS E DIVISÓRIAS DE FIBRA DE COCO: DESEMPENHO ACÚSTICO Características Técnicas da Fibra de Coco Ensaios Acústicos Painéis de Fibra de Coco Analisados Divisórias de Fibra de Coco Analisadas Metodologia Materiais Métodos Resultados Obtidos...78 CAPÍTULO 5 - ESTUDO DE CASO Seleção dos Isoladores Ações para o Controle de ruído...85

8 viii Utilização dos materiais de absorção para a redução do nível de pressão sonora do recinto Silenciadores Resistivos Porta Acústica Construção da Porta Acústica à base de fibra de coco e compensado Alteração na tubulação de escape Dimensionamento do Sistema de Escape Dimensionando o Sistema de Escape Cálculo das perdas de carga das singularidades da tubulação de escape Cálculo das perdas de carga da tubulação de escape Dimensionamento do Sistema de Ventilação Especificações do Motor CAPÍTULO 6 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES Conclusões Recomendações BIBLIOGRAFIA...112

9 ix SIMBOLOGIA A 2 A 1 A 2 A n B n Absorção da sala após a introdução do material absorvedor Absorção inicial da sala Absorção total da Câmara Receptora (constante de Sabine) Amplitude complexa da pressão acústica Amplitude complexa da pressão acústica da onda refletida S siar Área da seção interna aberta do revestimento S DIV Área superficial da divisória AT Atenuação Sonora e Base do logaritmo natural SBL efetiva Carga sobre o solo efetiva SBL permitida Carga sobre o solo permitida α τ l n ω f Coeficiente de Absorção Sonora Coeficiente de transmissão sonora Espessura do meio n considerado Freqüência angular Freqüência 1 NPS NPS K n PT D e P in 2 Nível de Pressão Sonora Médio na Câmara Emissora Nível de Pressão Sonora Médio na Câmara Receptora Número de onda Perda de Transmissão Perímetro de revestimento interno do duto Pressão acústica da onda incidente P rn Pressão acústica da onda refletida

10 x P tn R T t i c V Pressão acústica da onda transmitida Redução Sonora Temperatura Tempo Unidade imaginária Velocidade do som no meio Volume da câmara reverberante

11 xi RESUMO A necessidade de geração local (própria) de energia tem sido, ultimamente, uma preocupação comum entre diversas empresas de diversos ramos. A imprevisibilidade de interrupção no fornecimento de energia elétrica convencional, faz com que sistemas de energia auxliar, como grupos geradores a diesel, sejam cada vez mais requisitados. Grupos geradores a diesel, são equipamentos que possuem inúmeras vantagens em relação a outros sistemas de energia auxiliar, além do fornecimento confiável e versátil de energia, tornando-os propícios para recintos em que o fornecimento de energia elétrica tem de ser ininterrupto. Em contrapartida, são máquinas ruidosas e que, devido a queima de seu combustível e parte de sua potência ser convertida em calor, aquece o ambiente em que está abrigado, principalmente se a ventilação deste ambiente for deficiente. Este trabalho descreve a fundamentação teórica necessária para executar a operação, manutenção e instalação corretas desse equipamento. No estudo de caso que é analisado neste trabalho, são identificados problemas de instalação em um grupo gerador tais como: geração de ruído excessiva, aumento de temperatura anormal na sala que o abriga e local inadequado para dispersar os gases da combustão, propondo-se soluções alternativas para a corrigir esses problemas. Por outro lado, é feita uma abordagem do problema de modo a reduzir significativamente os custos do projeto através do estudo da utilização de amostras de fibra de coco e compensado, materiais alternativos disponíveis em abundância em nossa região. Palavras-Chave: grupo gerador, Controle de Ruído, fibra de coco, fornecimento de energia elétrica.

12 xii LISTA DE FIGURAS FIGURA Sistema de baterias de um grupo gerador...31 FIGURA Gerador montado sobre isoladores de vibração...32 FIGURA Fundação típica de isoladores de vibrações...34 FIGURA Silencioso e tubulação de escape suspensos por suportes (ilhós)...38 FIGURA Sistema de escape disposto corretamente...40 FIGURA Exemplo de sistema de escape para cálculo...41 FIGURA Silenciadores resistivos...50 FIGURA Engrenagens especiais...58 FIGURA Barreiras acústicas...58 FIGURA Enclausuramento de transformadores...59 FIGURA Protetores auditivos...60 FIGURA Coco in natura...65 FIGURA Fibra de coco...65 FIGURA Tubo de impedância de aço...69 FIGURA Câmara reverberante com difusores estáticos...70 FIGURA Câmara reverberante com difusores rotativos...71 FIGURA Cadeia de medição...74 FIGURA Desenho esquemático da cadeia de medição na câmara A...75 FIGURA Câmara A...77 FIGURA Câmara B e um modelo de divisória...77 FIGURA FIGURA Comparação dos coeficientes de absorção sonora das amostras de 100 mm...78 FIGURA Comparação dos coeficientes de absorção sonora das amostras de 50 mm...79 FIGURA Comparação dos valores de Perda de Transmissão das amostras DFC 1, DFC 2 e DFC FIGURA Comparação dos valores de Perda de Transmissão das amostras DFC 4, DFC 5 e DFC FIGURA Gerador a diesel analisado...81 FIGURA Isolador selecionado...84 FIGURA Planta baixa do Gerador analisado...86

13 xiii FIGURA 5.4 Vista lateral da sala do Gerador...87 FIGURA 5.5 Considerações feitas para a determinação da área total a ser revestida referente às paredes...87 FIGURA 5.6 Considerações feitas para a determinação da área total a ser revestida referente ao teto...88 FIGURA 5.7 Dimensões e geometria do silenciador FIGURA 5.8 Seção transversal do silenciador FIGURA 5.9 Geometria do silenciador FIGURA 5.10 Corte longitudinal do silenciador FIGURA 5.11 Seção transversal do silenciador FIGURA 5.12 Porta da sala do Gerador analisado...96 FIGURA Configuração física do modelo matemático para parede dupla...96 FIGURA 5.14 Detalhe interno da porta FIGURA 5.15 Detalhe do formato da porta e do portal FIGURA 5.16 Escape disposto inadequadamente FIGURA 5.17 Planta baixa do gerador (condição atual) FIGURA 5.18 Vista lateral do gerador s/esc. (condição atual) FIGURA Vista externa da lateral da sede após modificação no Sistema de Escape FIGURA 5.20 Sala do Gerador condição atual FIGURA 5.21 Sala do Gerador após modificação do Sistema de Ventilação FIGURA 5.22 Planta Baixa do Gerador após a instalação dos silenciadores e do revestimento acústico...109

14 xiv LISTA DE TABELAS TABELA Emissões típicas de escape de motores diesel...30 TABELA Comprimentos equivalentes de conexões de tubos em pés (metros) 43 TABELA Perdas de calor a partir de tubos de escape e silenciosos não isolados48 TABELA Fontes sonoras e seus respectivos níveis de pressão sonora...54 TABELA Níveis de Pressão Sonora e tempos de exposição...56 TABELA Denominações das amostras de fibra de coco...73 TABELA Denominações das divisórias analisadas...74 TABELA Especificações do gerador...86 TABELA Especificações de isoladores...87 TABELA Coeficientes de Absorção Sonora dos materiais testados...89 TABELA Coeficientes de Absorção Sonora das paredes, teto e piso da sala a ser revestida...93 TABELA Redução Sonora dos materiais testados...93 TABELA Atenuações Sonoras do silenciador 1 com diferentes materiais testados...96 TABELA Atenuação Sonora total do silenciador 1 com os diferentes materiais testados...96 TABELA 5.8 Atenuações Sonoras do silenciador 2 utilizando os materiais propostos...98 TABELA 5.9 Atenuação Sonora total do silenciador 2 utilizando os materiais propostos...99 TABELA 5.10 Isolamento Sonoro do compensado TABELA Perda de Transmissão de uma parede dupla constituída de folhas de compensado de 19 mm de espessura afastadas de 0,1 m TABELA 5.12 Especificações do motor...111

15 xv LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO Contrapressão no silencioso x Velocidade do gás em um escape típico...42 GRÁFICO Contrapressão de escape em diâmetros de tubos...44 GRÁFICO Mecanismo de percepção do ouvido...52 GRÁFICO Curvas de compensação...53

16 16 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 Introdução Audição é a percepção dos sons através da transformação das vibrações mecânicas, que chegam aos ouvidos (órgão responsável por captar sons até uma determinada distância) em impulsos nervosos decodificados no cérebro em uma sensação auditiva. É também considerada, por muitos, o mecanismo mais sensível do corpo humano, pois mesmo quando se está dormindo, ela permanece ativa e o ouvido em alerta. Antes mesmo do nascimento, o ser humano já recebe a influência de sons e vozes. Sons familiares, suaves, tranqüilizam, já ruídos de diferentes intensidades assustam, causam medo. A audição é o sentido que possibilita o aprendizado da língua, através da qual se aprende a entender, dialogar, conhecer o próximo não somente por suas palavras ou pela entonação, mas por cada emoção contida em uma expressão sonora. Em contrapartida, a poluição sonora é hoje, depois da poluição do ar e da água, o problema ambiental que afeta o maior número de pessoas. Em outras palavras, os ruídos estão em nosso cotidiano. Assim, o que antigamente era restrito a situações ocupacionais, hoje, é encarado como uma fonte de problemas físicos, psicológicos e sociais (ANDRADE, 2004). A preocupação com os problemas causados pelo ruído advém, geralmente, de países desenvolvidos ou em desenvolvimento, visto que uma economia crescente leva ao aumento da mobilidade e, conseqüentemente ao aumento do tráfego, de construções, de obras em geral e do ruído por eles gerado. Dessa forma, o desenvolvimento sócio-econômico de uma sociedade pode ser afetado pela incapacidade de compreender e reagir contra seus meios urbanos, industriais e de lazer, acusticamente poluídos, piorados pela alta densidade populacional, pela intensificação de atividades geradoras de ruídos e pelo aumento dos recintos e equipamentos ruidosos.

17 17 Máquinas que utilizam como fonte de energia algum tipo de combustível, como determinados Grupos Geradores (a diesel, a gás, etc.), por exemplo, além de emitirem ruído durante seu funcionamento, pois isso é de suas naturezas, devido à queima do combustível e ao atrito entre as peças que transmitem potência ou algum movimento relativo, irradiam certa quantidade de calor, mais significativa nas regiões relativamente próximas a essas máquinas, mas que, às vezes, tornam o ambiente ao seu redor desconfortável, impróprio para se realizar determinadas atividades. É fato que seus sistemas de arrefecimento fazem com que essa quantidade de calor gerada chegue ao meio externo e, dependendo de como o Grupo Gerador esteja abrigado, pode haver a necessidade da utilização de outros elementos como, por exemplo, ventiladores e/ou exaustores, para a remoção desse calor, de tal forma que torne propício o ambiente da sala que o contém, para o desenvolvimento das atividades que devem ser executadas nelas próprias e em suas proximidades. Devido, principalmente, à imprevisibilidade de interrupção do fornecimento de energia elétrica convencional, a necessidade de geração local de energia elétrica tem sido uma preocupação comum em diversas empresas nos últimos anos, principalmente naquelas em que o fornecimento de energia tem de ser ininterrupto, levando ao uso de um sistema de energia auxiliar, geralmente, um Grupo Gerador, o qual transforma a energia mecânica rotativa, proveniente de um motor de combustão interna, em energia elétrica. A instalação de um grupo gerador tem como objetivo primordial garantir o fornecimento de energia elétrica, sempre que solicitado, de maneira contínua e conforme a demanda. Em determinadas situações e de acordo com o uso das edificações, a falta de energia elétrica, ou até mesmo uma pequena queda de tensão, pode significar riscos aos negócios (supermercados, frigoríficos, sistemas de telecomunicações, etc.) e até mesmo à vida (hospitais, enfermarias, etc.), caso estes recintos não possuam um sistema de geração de energia auxiliar. Por outro lado, os grupos geradores também emitem elevados níveis de ruído, e que podem chegar ao valor de 110 db(a) ou mais, dependendo do modelo e potência do grupo gerador e do ambiente que o contém. Níveis de Pressão Sonora dessa grandeza podem facilmente proporcionar danos auditivos permanentes em uma pessoa. Por outro lado, quando instalados em locais inadequados, em relação à ventilação, promovem elevações de temperatura, quando em funcionamento, que podem ser prejudiciais à saúde. Portanto, ao mesmo tempo em que se torna essencial o uso de um grupo gerador, devido ao seu fornecimento de energia

18 18 auxiliar, a sua utilização pode também se tornar problemática pelo fato de representar uma fonte significativa de ruído e de calor, podendo provocar danos às pessoas e ao próprio equipamento. Segundo Andrade (2004), poluição sonora é qualquer alteração das propriedades físicas do meio ambiente causada por sons inadmissíveis ou ruído, que de forma direta ou indireta, possam lesar fisiologicamente e/ou psicologicamente a saúde, a segurança e o bem estar dos seres vivos, podendo provocar efeitos clínicos, estresse, dificuldades mentais e emocionais e até a surdez progressiva e imediata. Para se ter uma idéia de quão crítica é a situação em relação à poluição sonora, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) 10% da população mundial (mais de 600 milhões de habitantes) tem algum grau de deficiência auditiva. No Brasil, estima-se que esse número chegue a 15 milhões de pessoas, e o mais grave é que, segundo o último levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 350 mil brasileiros apresentam surdez profunda, ou seja, sem a o auxílio de aparelhos, não ouvem absolutamente nada. Objetivando amenizar o grau de poluição sonora de recintos poluídos, técnicas de controle de ruído (ativo, passivo e combinado) foram sendo desenvolvidas ao longo dos anos. Técnicas essas que são, em geral, específicas para cada caso, e que, atualmente, esbarram em um aspecto: o custo, ao qual, até então, não se dava devida importância em razão dos benefícios obtidos através dessas técnicas. Dispositivos acústicos sejam eles painéis, barreiras, etc., quando de alta eficiência, geralmente, são de custosa aquisição, tornando, em muitas das vezes, inviável sua utilização. Além do que, os materiais existentes no mercado (pelo menos o nacional) ou isolam ou absorvem ondas sonoras, embora com diferentes eficiências, em outras palavras, aquele material que tem grande poder de isolamento acústico quase não tem poder de absorção acústica, e vice-versa. Alguns outros materiais têm baixo poder de isolamento acústico e também baixo poder de absorção acústica (como plásticos leves e impermeáveis). Neste contexto surge a necessidade de proporcionar, aos recintos que dependem de grupo geradores, maior segurança no que diz respeito ao seu fornecimento de energia, através da instalação, manutenção e operação adequadas do equipamento. Ao mesmo tempo controlar os níveis de ruído a que, principalmente, funcionários ficam submetidos, através de Condicionamento

19 19 Acústico do recinto, e controlar também a temperatura deste recinto, através do dimensionamento correto dos Sistemas de Ventilação e Escape. 1.2 Justificativa Em um tempo em que altos níveis de ruído fazem parte do cotidiano das pessoas, a necessidade de controlá-los não é somente evidente, mas providencial. A poluição sonora é hoje, depois da poluição do ar e da água, o problema que afeta o maior número de pessoas. Pessoas essas, que submetidas a níveis exagerados de ruído, podem ser fisiológica e/ou psicologicamente lesionadas, podendo apresentar estresse, dificuldades mentais e emocionais, e até progressivas perdas auditivas, muitas das vezes irreversíveis. O preço a ser pago pela aquisição e pela alta eficiência de dispositivos acústicos, geralmente, é dispendioso, ás vezes impagável. Assim, soluções alternativas, a começar por novos materiais acústicos que sejam menos custosos e possuam desempenho satisfatório, surgem como uma ótima opção caso propostas tradicionais esbarrem em qualquer obstáculo que se mostre intransponível, principalmente se esse obstáculo for o custo. Grupos geradores, principalmente os que utilizam diesel como combustível, ultimamente têm sido requisitados por diversos motivos: utilização de um combustível mais barato, fornecimento de energia elétrica em curto tempo de partida do gerador (até 10 s), apresentam-se em modelos de maior potência, entre outros. Suas vantagens, confiabilidade e versatilidade no fornecimento de energia elétrica têm feito sua requisição ganhar um âmbito muito maior nos últimos 10 anos. No Brasil, durante os anos de 2000 e 2001, a quantidade de grupos geradores Diesel triplicou, dentre os motivos preponderantes para esse crescimento abrupto estava o apagão - colapso nacional, sem precedentes no Brasil, que afetou o fornecimento e distribuição de energia elétrica. A tendência é que esse número continue crescendo, não só no Brasil, mas em nível mundial, sendo que desta vez os motivos são outros. Alguns nobres, outros nem tanto, fato é que poucos são os casos justificáveis para a aquisição de um gerador, porém, todos contribuem para degradar acústica e termicamente o ambiente em que estiver instalado, caso seu projeto de instalação não seja bem executado. Até que ponto então, é viável proporcionar benefícios a algumas pessoas em detrimento de outras? Para não ter que responder essa pergunta, este trabalho propõe soluções alternativas para os problemas mais

20 20 freqüentes de um grupo gerador, tanto na fase de projeto quanto no problema já instalado. Adquirir máquinas e processos silenciosos, tanto em novas fábricas como na substituição ou ampliação de instalações existentes, seria a solução mais adequada de forma a garantir um ambiente industrial com nível de ruído adequado. Na prática, no entanto, nem sempre isso é possível. Muitas vezes, há dificuldade em se adquirir equipamentos que geram baixo nível de ruído, devido à falta de tecnologia do fabricante para projetar máquinas e processos silenciosos. Além disso, o ruído gerado pelas máquinas industriais depende, muitas das vezes, das suas condições específicas de instalação e de operação. O comprador pode também ter dificuldades para analisar o produto entregue pelo fabricante, devido à falta, de equipamento para medir o ruído ou, de conhecimento para fazer a avaliação em uma situação não tão simples, como por exemplo, com outras máquinas ruidosas em funcionamento. Visando a melhor relação custo/benefício para o controle de ruído de uma instalação já existente, na qual um grupo gerador esteja em operação, neste trabalho serão usadas algumas técnicas disponíveis, integrando a elas materiais regionais disponíveis e que levem a um custo menor quando comparado com os materiais usualmente utilizados. O motivo da realização deste trabalho é, portanto, mostrar que soluções alternativas, em vários casos, são menos custosas que as tradicionais, e em geral, só não são mais utilizadas devido a fatores como: desconhecimento das propriedades acústicas de novos materiais, como a fibra de coco, por exemplo, até por ter sido recentemente caracterizada (Mafra, 2004). 1.3 Objetivos Geral Caracterizar e propor ações para o controle de ruído em uma instalação de grupo gerador através da utilização de materiais regionais (por exemplo: fibra de coco e compensado).

21 Específicos Para o atendimento do objetivo geral deste trabalho foi realizado um estudo teórico sobre as características técnicas adequadas para as instalações de grupos geradores e após uma caracterização do caso a ser estudado, identificou-se os seguintes objetivos específicos: Quantificar o Coeficiente de Absorção Sonora (α ) de painéis confeccionados a partir da fibra de coco de modo a selecionar o de melhor desempenho acústico; Quantificar a Perda de Transmissão ( PT ) de peças confeccionadas a partir de compensado e painéis de fibra de coco, de modo a testar sua capacidade de isolamento acústico. Dimensionar um sistema de escape de maneira a despejar os gases da combustão em locais apropriados; Dimensionar ventiladores de insuflação e exaustão de modo a permitir a troca térmica no ambiente da casa de máquinas para o controle de temperatura; Dimensionar silenciadores para a entrada e saída do ar bem como especificar uma porta acústica. 1.4 Organização do Trabalho Este trabalho contém 6 capítulos, distribuídos da seguinte forma: Capítulo 1 - Introdução Neste capítulo é apresentado o tema, as atividades desenvolvidas e a estrutura do documento. Apresenta ainda os objetivos e a justificativa do trabalho.

22 22 Capítulo 2 Fundamentação Teórica: o Grupo Gerador e sua instalação Neste capítulo são apresentadas as classificações de energia de um grupo gerador, suas definições e aplicações. Descreve os procedimentos necessários para efetuar o projeto de instalação correto de um grupo gerador. Capítulo 3 Absorção Sonora, Perda de Transmissão e Controle de Ruído Este capítulo mostra como o mecanismo do ouvido reage a estímulos acústicos e como o ruído pode ser prejudicial às pessoas que não se previnem ou estão, de alguma forma, atreladas ao ruído (situações ocupacionais) sem que medidas mitigadoras sejam tomadas. Mostra também os principais métodos de controle de ruído e as principais propriedades que avaliam o desempenho acústico de um material. Capítulo 4 Painéis e divisórias de fibra de coco: desempenho acústico Neste capítulo são apresentadas características técnicas da fibra de coco sob outros aspectos que não o acústico, que, eventualmente, são consideradas em alguns projetos. Fornece a metodologia para a caracterização acústica de materiais em câmaras reverberantes, bem como descreve os materiais caracterizados neste trabalho. Por fim apresenta os resultados obtidos. Capítulo 5 Estudo de caso Descreve a instalação do grupo gerador analisado, identifica os problemas encontrados e propõe as alterações necessárias para corrigir os mesmos, utilizandose a teoria apresentada neste trabalho para tal. Capítulo 6 Conclusões e Recomendações

23 23 Apresenta as conclusões do trabalho, relacionando-as com os objetivos propostos e estabelece recomendações para trabalhos futuros. A bibliografia encerra o presente documento.

24 24 CAPÍTULO 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA: O GRUPO GERADOR E SUA INSTALAÇÃO 2.1 Introdução O projeto da instalação de um grupo gerador requer considerações sobre os requisitos de equipamentos e, obviamente, instalação. Requisitos estes, que variam dependendo da(s) circunstância(s) para se instalar o grupo gerador e do uso pretendido. A segurança, evidentemente, também deve ser levada em consideração, principalmente sob dois aspectos: a operação segura do grupo gerador (e seus elementos) e a operação confiável do sistema. A operação confiável do sistema está relacionada com segurança porque os equipamentos que auxiliam na manutenção da saúde e da própria vida (como sistemas de terapia intensiva em hospitais, iluminação de saídas de emergência, elevadores, etc.) são, em geral, dependentes do grupo gerador. Assim, seu bom funcionamento, no sentido de fornecer energia contínua e na quantidade certa para desenvolver as atividades primordiais de um recinto, durante o período de solicitação, é imprescindível para que não surjam prejuízos maiores. Já a operação segura, como seu próprio nome sugere, envolve o funcionamento do gerador e seus elementos de forma segura, através de inspeções, programas de manutenção, entre outros, visando garantir maiores eficiência e vida útil do equipamento, além de segurança obviamente. 2.2 Tipos e Classificações de Sistemas Os sistemas de geração local de energia (geradores) podem ser classificados por tipo e classe do equipamento de geração. As denominações são feitas conforme seus fabricantes. Já a energia requerida, geralmente, é classificada em: standby, prime e contínua.

25 25 É muito importante compreender as definições das classificações de energia para a seleção e utilização corretas do equipamento. 2.3 Classificação de Energia de Grupos Geradores A classificação de energia de um grupo gerador também é fornecida por seu fabricante. As classificações descrevem as condições de carga máxima permitida em um grupo gerador, o qual fornecerá desempenho e vida útil aceitáveis quando usado de acordo com as classificações especificadas. É importante operar os grupos geradores com carga mínima suficiente para atender a demanda, para que não atinja temperaturas elevadas e interfira negativamente na queima do combustível Classificação de Energia Standby A energia standby é a energia utilizada em aplicações de emergência, onde a energia é fornecida durante a interrupção da energia convencional. Esta classificação é utilizada em instalações servidas por uma fonte normal e confiável de energia, e aplica-se somente a cargas variáveis com um fator de carga média de 80% da classificação standby durante um tempo máximo de 200 horas de operação por ano, e um tempo máximo de 25 horas por ano a 100% de sua classificação standby. Essa classificação é utilizada somente para aplicações nas quais o grupo gerador serve como reserva da fonte normal de energia, não sendo permitida nenhuma operação sustentada em paralelo com a fonte normal de energia. Podem ser ativados em até 10 segundos após uma queda da rede pública, fornecendo continuidade de energia a operações críticas. A necessidade de geração local de eletricidade standby geralmente é definida por instalações obrigatórias de recursos para atender requisitos de normas de edifícios ou o risco de perdas financeiras que podem surgir na falta de energia elétrica convencional. Essas instalações são justificadas em função da segurança, onde a perda ou falta da energia convencional pode proporcionar riscos à saúde ou até mesmo à vida de pessoas. As instalações voluntárias de energia standby, por razões econômicas, normalmente são justificadas por uma redução no risco de perdas de serviços, dados ou outros ativos valiosos.

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET CONJUNTOS DE FACAS WINDJET CONJUNTO DE FACAS WINDJET SOPRADORES CONJUNTOS DE FACAS WINDJET SUMÁRIO Página Visão geral dos pacotes de facas de ar Windjet 4 Soprador Regenerativo 4 Facas de ar Windjet 4

Leia mais

Central de Produção de Energia Eléctrica

Central de Produção de Energia Eléctrica Central de Produção de Energia Eléctrica Ref.ª CPEE Tipo 1 Tipo 2 Tipo 3 Tipo 4 Tipo 5 5 a 25 kva 25 a 150 kva 150 a 500 kva 500 a 1.000 kva 1.000 a 2.700 kva Pág. 1 ! Combustível Diesel! Frequência 50

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL HISTÓRIA DE CASOS DIVISÃO TÉCNICA SEGURANÇA NO TRABALHO e DIVISÃO TÉCNICA DE ACÚSTICA 22/05/2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO ALGUNS

Leia mais

O bom funcionamento de um Grupo Gerador depende fundamentalmente de sua instalação.

O bom funcionamento de um Grupo Gerador depende fundamentalmente de sua instalação. INSTALAÇÃO DE GRUPO MOTOR GERADOR INTRODUÇÃO O bom funcionamento de um Grupo Gerador depende fundamentalmente de sua instalação. Se o Grupo Gerador for instalado dentro dos parâmetros recomendados e se

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 GRUPOS MOTOGERADORES CLASSIFICAÇÃO DE CARGAS A classificação de energia de um grupo gerador é publicada pelo fabricante.

Leia mais

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TODA DIFUSORES PARA LUMINÁRIAS O conjunto de difusão de ar completamente embutido, contribui para um visual leve e sem distorções. Sua flexibilidade própria,

Leia mais

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367 Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado Fundamentos de Engenharia Solar Racine T. A. Prado Coletores Solares Um coletor solar é um tipo específico de trocador de calor que transforma energia solar radiante em calor. Duffie; Beckman Equação básica

Leia mais

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor 1. Junta de expansão de fole com purga de vapor d água Em juntas de expansão com purga da camisa interna, para

Leia mais

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás.

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. USO DE GÁS NATURAL CANALIZADO NORMAS E LEGISLAÇÃO: ABNT NBR 14570 ABNT NBR 13103 COSCIP código de segurança - decreto estadual nº

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

(19) 3541-2000 - contato@dispelempilhadeiras.com.br www.dispelempilhadeiras.com.br

(19) 3541-2000 - contato@dispelempilhadeiras.com.br www.dispelempilhadeiras.com.br CE CERTIFICADO EMPILHADEIRAS A transmissão 2-3 T possui estrutura avançada tipo flutuante, a única na China. Estruturas flutuantes são projetadas para reduzir a transmissão das vibrações ao chassis em

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

AR CONDICIONADO. Componentes

AR CONDICIONADO. Componentes AR CONDICIONADO AR CONDICIONADO Basicamente, a exemplo do que ocorre com um refrigerador (geladeira), a finalidade do ar condicionado é extrair o calor de uma fonte quente, transferindo-o para uma fonte

Leia mais

Artigo. Desempenho acústico de divisórias para escritórios

Artigo. Desempenho acústico de divisórias para escritórios Artigo Desempenho acústico de divisórias para escritórios Raros escritórios comerciais não possuem divisórias para definir ambientes. Trata-se de um elemento arquitetônico versátil, com boas opções de

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da Definição De acordo com a Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos, ABENDE, os Ensaios Não Destrutivos (END) são definidos como: Técnicas utilizadas no controle da qualidade, d de materiais ou

Leia mais

Gas-Lift - Vantagens

Gas-Lift - Vantagens Gas-Lift - Vantagens Método relativamente simples para operar O equipamento necessário é relativamente barato e é flexível Podem ser produzidos baixos ou altos volumes É efetivo sob condições adversas

Leia mais

UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS

UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS NAS INSPEÇÕES DE CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS ATÉ RECENTEMENTE NÃO ERA DADA A DEVIDA ATENÇÃO AO COMPRESSOR - TIPO - LOCAL

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

Figura 2.1 Localização de uma APU em aeronave e seu sistema pneumático

Figura 2.1 Localização de uma APU em aeronave e seu sistema pneumático 1 Capítulo 2 - Seleção do local para a APU Os passos que devem ser dados desde a concepção de uma aeronave são: 1) No Planejamento: Admitir que a seleção e a instalação da APU são tão importantes quanto

Leia mais

Nota Técnica 001/2010

Nota Técnica 001/2010 Nota Técnica 001/2010 Produto: Sistema Zyggot Temperatura Aplicação: Termografia sem Contato em Painéis Elétricos de Baixa Tensão Serão discutidos os tópicos a seguir: 1) Conceito de Termografia; 2) Análise

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo IV Aula 01 1. Introdução Vamos estudar as torres de refrigeração que são muito utilizadas nas instalações de ar condicionado nos edifícios, na

Leia mais

Varycontrol Caixas VAV

Varycontrol Caixas VAV 5/1/P/3 Varycontrol Caixas VAV Para Sistemas de Volume Variável Séries TVZ, TVA TROX DO BRASIL LTDA. Rua Alvarenga, 2025 05509-005 São Paulo SP Fone: (11) 3037-3900 Fax: (11) 3037-3910 E-mail: trox@troxbrasil.com.br

Leia mais

5. Resultados e Análises

5. Resultados e Análises 66 5. Resultados e Análises Neste capítulo é importante ressaltar que as medições foram feitas com uma velocidade constante de 1800 RPM, para uma freqüência de 60 Hz e uma voltagem de 220 V, entre as linhas

Leia mais

Disciplina Higiene do Trabalho. Ventilação Industrial

Disciplina Higiene do Trabalho. Ventilação Industrial Tópicos da Aula Complementar - Ventiladores; - Ventiladores Axiais; - Ventiladores Centrífugos; - Dados necessários para a seleção correta de um ventilador; - Modelos e Aspectos Gerais de Ventiladores.

Leia mais

Transporte Vertical Normas Brasileiras e Cálculo de Tráfego

Transporte Vertical Normas Brasileiras e Cálculo de Tráfego Transporte Vertical Normas Brasileiras e Cálculo de Tráfego Elevadores de Passageiros Conhecimentos iniciais: Normas da ABNT NORMA NBR - 5666 Elevadores Elétricos - Terminologia NORMA NBR - NM 207 Elevadores

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA Índice 1 Introdução 2 Local da Obra 3 Normas 4 Malha de Aterramento 5 Equipamento e Materiais 6 Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas 7 Cálculo dos Elementos

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

Ar Condicionado. Tipos de aparelhos

Ar Condicionado. Tipos de aparelhos Ar Condicionado As pessoas passam, porventura, até cerca de 90 % das suas vidas nos espaços confinados, seja nas suas residências, no trabalho, nos transportes ou mesmo em espaços comerciais. A questão

Leia mais

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé TIRAGEM Definição Tiragem é o processo que garante a introdução do ar na fornalha e a circulação dos gases de combustão através de todo gerador de vapor, até a saída para a atmosfera 00:43 2 Conceitos

Leia mais

Escoamento em dutos em L

Escoamento em dutos em L 4ª Parte do Trabalho EM974 Métodos Computacionais em Engenharia Térmica e Ambiental Escoamento em dutos em L Rafael Schmitz Venturini de Barros RA:045951 Marcelo Delmanto Prado RA: 048069 1. Introdução

Leia mais

Ventilação em Espaços Confinados

Ventilação em Espaços Confinados Ventilação em Espaços Confinados Objetivo: Apresentar os conceitos básicos e soluções para ventilação de espaços confinados no contexto da norma regulamentadora NR-33. Palestrante: Eng o José Maurício

Leia mais

Estudo técnico. Melhores práticas para monitoramento de gás em cozinhas comerciais

Estudo técnico. Melhores práticas para monitoramento de gás em cozinhas comerciais Estudo técnico Melhores práticas para monitoramento de gás em cozinhas comerciais Aumento da segurança da cozinha através da monitoração de gás estratégica Visão geral Cozinhas comerciais são uma das áreas

Leia mais

Simples aspiração Dupla aspiração Duplex Rotores de alumínio Rotores chapa galvanizada

Simples aspiração Dupla aspiração Duplex Rotores de alumínio Rotores chapa galvanizada Simples aspiração Dupla aspiração Duplex Rotores de alumínio Rotores chapa galvanizada Fábrica: Av. Brasil, 20.151 Coelho Neto Rio de Janeiro CE 21.530-000 Telefax: (21) 3372-8484 vendas@trocalor.com.br

Leia mais

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE 167 13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE As tubulações de refrigerante representam uma parte essencial no sistema de refrigeração, pois requer as mesmas considerações gerais de projeto que qualquer sistema de

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 024/2010 EM REVISÃO Sistema de chuveiros automáticos para áreas de

Leia mais

GABINETE Chapas de aço carbono SAE 1020 galvanizadas. Tratado quimicamente com fosfato de zinco, pintado com pó epóxi na cor bege, curada em estufa.

GABINETE Chapas de aço carbono SAE 1020 galvanizadas. Tratado quimicamente com fosfato de zinco, pintado com pó epóxi na cor bege, curada em estufa. As Cortinas de Ar TroCalor são destinadas a impedir a mistura de fluxos de ar ao isolar dois ambientes distintos através da formação de uma barreira de ar entre eles, mantendo ideais as condições de temperatura

Leia mais

MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS

MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS 1 Programa de Recuperação de Espaços Didáticos Pró-Reitoria de Graduação MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS 2 1. INTRODUÇÃO Adotou-se um processo de trabalho convencional, de desenvolvimento

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES Necessidade da impermeabilização Introdução a Impermeabilização Projeto de impermeabilização Execução de impermeabilização 1 - A NECESSIDADE DA IMPERMEABILIZAÇÃO Problemas

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 RESUMO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos

Leia mais

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. DESENVONVIMENTO DE EQUIPAMENTOS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

DRD. Secador de ar comprimido por refrigeração 5-6000 pcm

DRD. Secador de ar comprimido por refrigeração 5-6000 pcm DRD Secador de ar comprimido por refrigeração 5-6000 pcm DRD Secador de ar por refrigeração A importância do ar comprimido como um gerador de energia para os processos industriais modernos é largamente

Leia mais

CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM GERADOR DE VAPOR

CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM GERADOR DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM 1 INTRODUÇÃO: A principal forma

Leia mais

- Válvulas com Flange -

- Válvulas com Flange - Procedimentos de Montagem e Manutenção - Válvulas com Flange - Para Sistemas de Vapor, Óleo Térmico e Outros Processos Industriais. Em uma instalação industrial de aquecimento, devem ser previstas facilidades

Leia mais

Para melhorar o conforto acústico das edificações é essencial realizar estudos de avaliação prévia e utilizar produtos submetidos a ensaios

Para melhorar o conforto acústico das edificações é essencial realizar estudos de avaliação prévia e utilizar produtos submetidos a ensaios Esquadrias anti-ruídos Para melhorar o conforto acústico das edificações é essencial realizar estudos de avaliação prévia e utilizar produtos submetidos a ensaios Laboratório de acústica da Divisão de

Leia mais

Perda de Carga e Comprimento Equivalente

Perda de Carga e Comprimento Equivalente Perda de Carga e Comprimento Equivalente Objetivo Este resumo tem a finalidade de informar os conceitos básicos para mecânicos e técnicos refrigeristas sobre Perda de Carga e Comprimento Equivalente, para

Leia mais

Strain Gages e Pontes de Wheatstone. Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna

Strain Gages e Pontes de Wheatstone. Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna Strain Gages e Pontes de Wheatstone Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna Referência Aula baseada no material dos livros: - Instrumentação e Fundamentos de Medidas

Leia mais

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração.

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração. Quais são os métodos mais utilizados para controle de vibrações? Defina um absorvedor de vibração? Qual é função de um isolador de vibração? Por que um eixo rotativo sempre vibra? Qual é a fonte da força

Leia mais

Tecnologia de Tração Elétrica

Tecnologia de Tração Elétrica REV.00 01 Tecnologia de Tração Elétrica Veículos a Bateria Trólebus Híbridos Hidrogênio Fuel Cel ou Pilha a Combustível 02 Veículos a Bateria VANTAGENS 1. TOTALMENTE ELÉTRICO. POLUIÇÃO PRATICAMENTE ZERO.

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Controle de Poluição do Ar

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Controle de Poluição do Ar Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa Nova

Leia mais

Suportes de Tubulações

Suportes de Tubulações Suportes de Tubulações Classificação dos Suportes Destinados a sustentar os pesos Fixos Semimóveis Móveis (Suportes de mola e suportes de contrapeso) Destinados a limitar os movimentos dos tubos Dispositivo

Leia mais

EMPILHADEIRAS A COMBUSTÃO

EMPILHADEIRAS A COMBUSTÃO EMPILHADEIRAS A COMBUSTÃO Uma empilhadeira é uma máquina industrial utilizada para levantar e carregar materiais, normalmente através de garfos de metal que são inseridos por debaixo da carga. Geralmente,

Leia mais

GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300. Capacidade de Elevação 130t

GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300. Capacidade de Elevação 130t GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300 Capacidade de Elevação 130t PÁGINA 01 GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300 Comprimento da extensão total da lança principal de 60m, perfil U, placa de aço WELDOX de alta resistência.

Leia mais

EXAUSTORES LOCALIZADOS Vantagens puras. Extrator ideal para ambientes industriais

EXAUSTORES LOCALIZADOS Vantagens puras. Extrator ideal para ambientes industriais Extrator ideal para ambientes industriais Nova tecnologia em combinação com novos materiais e foco no design fornecem ao Fumex PR muitas vantagens novas e importantes: - Facilidade de manobrabilidade única.

Leia mais

BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002. Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior. Goulds Pumps

BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002. Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior. Goulds Pumps BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002 Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior Goulds Pumps Goulds Modelos 5150/VJC Bombas cantiléver verticais Projetadas para lidar com lamas corrosivas

Leia mais

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA NBR5410 As instalações elétricas devem ser concebidas e construídas

Leia mais

Compressor Portátil MOBILAIR M 135

Compressor Portátil MOBILAIR M 135 www.kaeser.com Compressor Portátil MOBILAIR M 135 Com o mundialmente renomado PERFIL SIGMA Vazão 10,5 a 13,0 m³/min Feito na Alemanha A renomada linha de compressores portáteis MOBILAIR da KAESER é fabricada

Leia mais

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO As vibrações afetam as pessoas de muitas formas causando desconforto, problemas de saúde, diminuição da

Leia mais

Sensores Ultrasônicos

Sensores Ultrasônicos Sensores Ultrasônicos Introdução A maioria dos transdutores de ultra-som utiliza materiais piezelétricos para converter energia elétrica em mecânica e vice-versa. Um transdutor de Ultra-som é basicamente

Leia mais

Arranjo Unidades Físico Típicas de Indústria. Unidades de Produção e Instalações Auxiliares

Arranjo Unidades Físico Típicas de Indústria. Unidades de Produção e Instalações Auxiliares O cina de Manutenção A localização deve obedecer os seguintes princípios: - Proximidade das unidades de maior concentração de equipamentos e das instalações sujeitas a manutenção mais freqüente; - Proximidade

Leia mais

Projeto de Rede Telefônica

Projeto de Rede Telefônica Projeto de Rede Telefônica Prof. Manoel Henrique Sequencia Definições e materiais. Caixas de distribuição Blocos de terminais Caixas de passagem Tubulação Entrada Primária Secundária Cabos telefônicos

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento HYDAC KineSys Sistemas de acionamento Veículos de manuseio de materiais Usinas termelétricas Máquinas injetoras de plástico Seu parceiro profissional para soluções de acionamento Todas as condições para

Leia mais

A Acústica no Interior de Ambientes

A Acústica no Interior de Ambientes 54 Capítulo 7 A Acústica no Interior de Ambientes O projeto acústico de ambientes é um dos maiores desafios enfrentados por Arquitetos e Engenheiros Civis. Isto em razão da rara literatura em língua portuguesa

Leia mais

Administração de CPD Internet Data Center

Administração de CPD Internet Data Center Administração de CPD Internet Data Center Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados a um dos principais tipos

Leia mais

Soluções sustentáveis para a vida.

Soluções sustentáveis para a vida. Soluções sustentáveis para a vida. A Ecoservice Uma empresa brasileira que está constantemente em busca de recursos e tecnologias sustentáveis para oferecer aos seus clientes, pessoas que têm como conceito

Leia mais

Tecnologia do Vácuo 1. INTRODUÇÃO

Tecnologia do Vácuo 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A automação dos processos industriais de produção vem crescendo dia após dia e, com ela, a necessidade do emprego de novas tecnologias cujo objetivo, na maior parte das vezes, busca substituir

Leia mais

A maneira mais inteligente de aquecer água.

A maneira mais inteligente de aquecer água. A maneira mais inteligente de aquecer água. A JAMP O uso consciente de energia é um dos princípios que rege as atividades da JAMP, responsável pela introdução no País de soluções inovadoras no campo de

Leia mais

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais.

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais. Contate o seu concessionário Hyundai para mais informações. O equipamento apresentado pode variar de acordo com normas internacionais. Todas as medidas em libras e polegadas estão arredondadas. Novo Conceito

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE AR COMPRIMIDO VIII SEMINÁRIO PARANAENSE DE MANUTENÇÃO CURITIBA 2008

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE AR COMPRIMIDO VIII SEMINÁRIO PARANAENSE DE MANUTENÇÃO CURITIBA 2008 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE AR COMPRIMIDO VIII SEMINÁRIO PARANAENSE DE MANUTENÇÃO CURITIBA 2008 Roteiro: Apresentação do Grupo Renault; Introdução; Problemas encontrados nos sistemas; Geração

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

vendas1@juntasamf.com.br

vendas1@juntasamf.com.br À Sr( a) Ref.: Apresentação para Cadastro de Fornecedor Prezados Senhores, Vimos através desta, apresentar a Juntas AMF Ind. e Com. de Peças Ltda., uma empresa que já se tornou referencia no mercado de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 2.1 A manutenção preventiva para os aparelhos de Ar Condicionado do tipo janela:

TERMO DE REFERÊNCIA. 2.1 A manutenção preventiva para os aparelhos de Ar Condicionado do tipo janela: ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA 1 DO OBJETO DA LICITAÇÃO 1.1 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA COM REPOSIÇÃO PARCIAL DE PEÇAS ORIGINAIS DOS EQUIPAMENTOS DE REFRIGERAÇÃO

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 - Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 - Risco de incêndio 3 - Símbolos 9 - Fatores de segurança

Leia mais

Torres de Iluminação "Night Hawk" Multiquip

Torres de Iluminação Night Hawk Multiquip Torres de Iluminação Night Hawk Multiquip A série de torres de iluminação Night Hawk LT-12 Multiquip foi criada para fornecer iluminação confiável para um amplo campo de aplicações. Se você necessita de

Leia mais

Soluções Industriais do Projeto a Execução

Soluções Industriais do Projeto a Execução A Teoria Engenharia Acústica Ltda. é uma empresa que atua há mais de dez anos no mercado brasileiro disponibilizando a seus clientes soluções concebidas com a utilização de bases teóricas e sólidas e moderna

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

Servoacionamento série CuiDADoS E PrECAuÇÕES

Servoacionamento série CuiDADoS E PrECAuÇÕES A U T O M A Ç Ã O Servoacionamento série CuiDADoS E PrECAuÇÕES Recomendamos a completa leitura deste manual antes da colocação em funcionamento dos equipamentos. 1 Sumário Garantia Estendida Akiyama 3

Leia mais

Turbocompressor modelo ABS HST 20

Turbocompressor modelo ABS HST 20 Turbocompressor modelo ABS HST 20 Principais Aplicações O turbocompressor modelo ABS HST 20 é altamente adequado para as seguintes áreas de aplicação: Aeração de água, efluentes ou outros líquidos Flotação

Leia mais

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Durante uma brincadeira, Rafael utiliza o dispositivo mostrado nesta figura para lançar uma bolinha horizontalmente. Nesse

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções (Party Cooler s Thermomatic) Modelo: 40 litros & 77 litros Obrigado por escolher a série dos Party Cooler s da Thermomatic. Para garantir o uso correto das operações, por favor, leia

Leia mais

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1/8 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO AMAPÁ DIVISÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS 1. Normas de referência: NBR 10.897-ABNT 1.1. Outras normas: 2. Nome

Leia mais

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS VENTILADORES AXIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA DE VENTILADORES AXIAL Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: EAFN 500 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação G = Gabinete

Leia mais

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO Uma APLICAÇÃO PARA CADA NECESSIDADE www.rehau.pt Construção Automóvel Indústria A REABILITAÇÃO, UMA SOLUÇÃO COM SISTEMAS PARA O AQUECIMENTO E O ARREFECIMENTO POR SUPERFÍCIES

Leia mais

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva Com a linha Geafol, obteve-se um transformador com excelentes características elétricas, mecânicas e térmicas que, adicionalmente, ainda é ecológico. São produzidos sob certificação DQS, ISO 9001 e ISO

Leia mais

Índice. 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção.

Índice. 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção. MODELO: BYG AR 1533 Índice 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção. 7. Diagrama elétrico. 8. Diagrama hidráulico. 9. Peças

Leia mais

Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença

Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença Produzidos com os melhores componentes disponíveis no mundo e projetados com foco em economia de energia e facilidade de operação e manutenção,

Leia mais

A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação?

A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação? Nota técnica Principais fatores a se considerar ao selecionar uma codificadora a laser A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação? Equipamento Fluidos Treinamento

Leia mais

Parâmetros para o correto uso do gás canalizado

Parâmetros para o correto uso do gás canalizado Parâmetros para o correto uso do gás canalizado 2 Os parâmetros para utilização adequada do gás canalizado encontram-se no Decreto Estadual 23.317/97 que aprova o Regulamento de Instalações Prediais -

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 27 CONSIDERANDO:

RESOLUÇÃO N.º 27 CONSIDERANDO: PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE COMISSÃO CONSULTIVA PARA PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO RESOLUÇÃO N.º 27 Interpreta a aplicação dos artigos 103 e 104 da Lei Complementar 420/98 A Comissão Consultiva Para

Leia mais

Ar Condicionado Central VRF Ar de Confiança

Ar Condicionado Central VRF Ar de Confiança Impression TM Ar Condicionado Central VRF Ar de Confiança Impression Ar condicionado Central VRF Perfil do Produto A linha de produtos Impression é um novo conceito de condicionador de ar inteligente VRF

Leia mais

Realizando o ensaio de ultra-som

Realizando o ensaio de ultra-som Realizando o ensaio de ultra-som A UU L AL A Na aula anterior, você ficou sabendo que o ultra-som é uma onda mecânica que se propaga de uma fonte emissora até uma fonte receptora, através de um meio físico.

Leia mais

INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS

INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS 7 INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS 7.1 Tipos de aparelhos a gás 7.2 Localização de aparelhos a gás 7.3 Ventilação do ambiente 7.4 Exaustão dos produtos de combustão 7.5 Exemplos de instalação de aparelhos

Leia mais

COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617)

COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617) COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES FAIXAS MAIS USADAS ÁRA SELEÇÃO DOS COMPRESSORES. CENTRÍFUGOS: ENTRE 2.000 E 200.000 FT 3 /MIN (CFM) PRESSÃO ATÉ 5.000 PSIG ALTERNATIVOS: ATÉ 16.000 CFM PRESSÃO ATÉ

Leia mais

Condicionador de Ar Portátil

Condicionador de Ar Portátil Condicionador de Ar Portátil Manual do Usuário GP8-12L GP8-22L GP10-12L GP10-22L 1 Untitled-5 1 2 Untitled-5 2 Índice Resumo...4 Príncipio de funcionamento...5 Especificação técnica...7 Estrutura...8 Esquema

Leia mais

Exercícios Terceira Prova de FTR

Exercícios Terceira Prova de FTR Exercícios Terceira Prova de FTR 1) Existe uma diferença de 85 o C através de uma manta de vidro de 13cm de espessura. A condutividade térmica da fibra de vidro é 0,035W/m. o C. Calcule o calor transferido

Leia mais