GEO764 - Programação avançada em Geofísica. Controle da seqüência. Estrutura IF... THEN... ELSE. Comando IF

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GEO764 - Programação avançada em Geofísica. Controle da seqüência. Estrutura IF... THEN... ELSE. Comando IF"

Transcrição

1 GEO764 - Programação avançada em Geofísica FORTRAN 90: Aula n o 2 Estruturas, Controle, Entrada/saída Intrínsecas e Básicas Controle da seqüência Estruturas de controle permitem a alteração da ordem seqüencial de execução das instruções. O Fortran 90 suporta: Estruturas e comandos para execução condicional IF... IF... THEN loops (DO... END DO) Estruturas para multi seleção (SELECT CASE) 2 mar-07 Hédison K. Sato 3 4 Comando IF Estrutura IF... THEN... Exemplo IF(bool_val) A=3 A sintaxe básica é IF(<expres. lógica>) <cmd. executável> Se a expressão lógica valer.true., o <cmd. executável> é operado, caso contrário, não. Exemplo IF(b**2-4*a*c > 0) nroot=2 O IF bloco é uma versão mais flexibilizada do IF de uma única linha. IF(i.EQ.0) THEN PRINT*, I é zero PRINT*, I não é zero

2 Estrutura IF... THEN... 5 Visualização da Estrutura IF... THEN... 6 Pode existir mais de um desvio IF. IF(i.EQ.0) THEN PRINT*, I é zero IF(i>0) THEN PRINT*, I é maior que zero PRINT*, I é menor que zero Ambos e IF são opcionais. IF(i>17) THEN PRINT*, I > 17 PRINT*, I <= 17 IF(i>17) THEN i>17 else PRINT*, I > 17 PRINT*, I <= 17 Estrutura IF... THEN... IF 7 Visualização da Estrutura IF... THEN... 8 IF(<expres. lógica>) THEN <bloco then> [IF(<expres. lógica>) THEN! desvio! desvio <bloco elseif>...] [ <bloco else>] O bloco executado é aquele cuja <expres. lógica> é a primeira verdadeira. Se nenhuma expressão lógica for verdade, o bloco else, se presente, é executado. IF(i>17) THEN PRINT*, I > 17 IF(i==17)THEN PRINT*, I == 17 PRINT*, I < 17 PRINT*, I > 17 IF(i>17) THEN i>17 IF(i==17)THEN i=17 i<=17 else PRINT*, I == 17 PRINT*, I < 17

3 IF bloco encaixado e identificado 9 Laço com saída condicionada 10 Toda estrutura de controle pode ter nome e ser encaixada. nomea: IF(a.NE.0) THEN PRINT*, a /= 0 IF(c.NE.0) THEN PRINT*, a /= 0 e c /= 0 PRINT*, a /= 0 mas c == 0 IF(a.GT.0) THEN nomea PRINT*, a > 0 nomea PRINT*, a < 0 nomea Término de laço DO com desvio para fora i=0 DO i=i+1 IF(i.GT.100) EXIT PRINT*, I vale, i PRINT*, Fim do laco. I=, i Quais os valores impressos? Laço com CYCLE condicionado 11 Laços encaixados e identificados 12 Desvio para o início do laço DO i=0 DO i=i+1 IF(i>=50.AND. i<=59) CYCLE IF(i>100) EXIT PRINT*, I vale, i PRINT*, Fim do laco. I=, i Quais os valores impressos? EXIT e CYCLE direcionados 0 ext: DO 1 int: DO if(a>b) EXIT ext!p/ linha 9 4 if(a==b)cycle ext!p/ linha 0 5 if(a>b) EXIT int!p/ linha 8 6 if(a>b) CYCLE!p/ linha 1 7 int 8 ext 9...

4 13 14 Laços DO WHILE Laços com DO índice São equivalentes: DO WHILE (a.eq. b)... e DO; IF (a.ne. b)exit... O laço tem um número prefixado de iterações DO i1= 1, 100, 1...! i1 vale 1, 2, 3..., ! 100 interações END DO Sintaxe formal: DO <var>=<e1>,<e2>[,<e3>]...! <comandos executáveis> END DO Número de iterações (Zero significa NÃO EXECUTA) MAX(INT((e2-e1+e3)/e3), 0) Exemplos de número de iterações 15 Exemplos de número de iterações 16 Limite superior não é exato: loop: DO i=1,30,2...! i valerá 1, 3, 5..., 29...! 15 iterações loop: Passo negativo: loop: DO i=30,1,-2...! i valerá 30, 28..., 2...! 15 iterações loop: Nenhuma interação loop: DO i=30,1,2...! nenhuma iteração...! o laço é saltado loop: Passo não especificado (supõe-se valendo 1): loop: DO i=1,30...! i valerá 1, 2..., 30...! 30 iterações loop:

5 17 18 Valor da variável do DO Valor da variável do DO A variável do DO é recalculada no início do laço e comparado ao valor da expressão 2, se o caso é de encerramento do laço, a execução salta para o comando após o correspondente, e a variável do DO retém o valor que lhe foi atribuído. Exemplo DO i=4,45,17 PRINT*, I no laco=, i PRINT*, I apos o laco=, i irá produzir I no laco= 4 I no laco= 21 I no laco= 38 I apos o laco = Estrutura SELECT CASE (i) Visualização do SELECT CASE Exemplo: SELECT CASE (i) CASE (3,5,7) PRINT*, i é primo CASE (10:) PRINT*, I é maior que 10 CASE DEFAULT PRINT*, i não é primo e é < 10 END SELECT A estrutura IF... pode ser usada. Entretanto, SELECT CASE é mais eficiente e legível. SELECT CASE (i) CASE (1); PRINT*, I==1 CASE (2:9); PRINT*, I>=2 e I<=9 CASE (10:); PRINT*, I>=10 CASE DEFAULT; PRINT*, I<=0 END SELECT CASE CASE(1) I==1 SELECT CASE (i) CASE(2:9) CASE(10:) I>=2 e I<=9 I>=10 END SELECT CASE CASE DEFAULT I<=0

6 Estrutura SELECT CASE (ii) 21 Expr. numéricas c/ tipos diversos 22 [<nome>:] SELECT CASE (<expressão>) CASE (<seleção>) [<nome>] <comandos> CASE DEFAULT [<nome>] <comandos> END SELECT [<nome>] <expressão> deve ser um escalar, inteiro, lógico ou caracter. <seleção> é um valor ou faixa: (.TRUE.), (1), (1:9) Somente um CASE DEFAULT A CPU opera apenas valores numéricos do mesmo tipo Se a expressão tiver tipos mistos, algum operando terá que ser modificado. Os tipos padronizados tem uma ordem implícita: INTEGER mais baixa REAL DOUBLE PRECISION COMPLEX mais alta Expr. numéricas c/ tipos diversos 23 Atribuição c/ tipos diferentes 24 O tipo do resultado de uma expressão é sempre a do tipo mais elevado envolvido. INTEGER * REAL resulta REAL REAL * INTEGER resulta REAL DOUBLE PRECISION * REAL resulta DOUBLE PRECISION COMPLEX * <qualquer> resulta COMPLEX DOUBLE PRECISION * REAL * INTEGER resulta DOUBLE PRECISION O operador é irrelevante. Com freqüência, problemas ocorrem na operação de atribuição envolvendo tipos diferentes. Regras: INTEGER = REAL (ou DOUBLE PRECISIO N) O LD é avaliado, truncado e atribuído ao LE. REAL (ou DOUBLE PRECISION) = INTEGER O LD é avaliado, transformado para REAL e atribuído ao LE. REAL:: a=1.1, b=0.1 INTEGER:: i, j, k i=3.9! i será 3 j=-0.9! j será 0 k=a-b! k será 1 ou 0

7 25 26 Divisão inteira Procedimentos intrínsecos Com freqüência, confusões ocorrem com a divisão inteira. Em resumo, a divisão de inteiros resulta um inteiro com truncamento (em direção ao zero) REAL:: a, b, c, d, e a=1999/1000! LE é 1 b=-1999/1000! LE é -1 c=(1999+1)/1000! LE é 2 d=1999.0/1000! LE é e=-1999/1000.! LE é Fortran 90 possui 113 procedimentos intrínsecos. Eficientes, eles executam diversas tarefas comuns. Eles pertencem a diversas classes: Elementar: matemática: SIN e LOG numérica: SUM e CEILING caracter: INDEX e TRIM bit: IAND e IOR Questionamento: ALLOCATED e SIZE Transformação: REAL e TRANSPOSE Miscelânea: SYSTEM_CLOCK DATE_AND_TIME Todo procedimento intrínseco com argumento REAL também o aceita em DOUBLE PRECISION. Conversão de tipo 27 Funções intrínsecas matemáticas 28 REAL(i) converte i para uma aproximação real. INT(x) trunca x para o inteiro equivalente. DBLE(x) converte para DOUBLE PRECISION. IACHAR(c) retorna a posição do CHARACTER c na seqüência ordenada ASCII ACHAR(i) retorna o i-ésimo caracter da seqüência ordenada ASCII. Resumo ACOS(x) arcocosseno ASIN(x) arcoseno ATAN(x) arcotangente ATAN2(y,x) arcotangente de y/x COS(x) cosseno COSH(x) cosseno hiperbólico EXP(x) exponencial LOG(x) logarítmo LOG10(x) logarítmo na base 10

8 Funções intrínsecas matemáticas 29 Funções intrínsecas matemáticas 30 SIN(x) SINH(x) SQRT(x) TAN(x) TANH(x) ABS(x) AINT(x) ANINT(x) CEILING(x) CMPLX(x,y) seno seno hiperbólico raiz quadrada tangente tangente hiperbólica valor absoluto trunca para um REAL inteiro REAL inteiro mais próximo menor INTEGER.GE. x converte para complexo DBLE(x) converte para precisão dupla DIM(x,y) diferença positiva FLOOR(x) maior INTEGER.LE. x INT(x) trunca para um inteiro MAX(a1,a2,...) maior valor MIN(a1,a2,...) menor valor MOD(x,y) resto da divisão de x por y MODULO(a,p) função módulo a-p*floor(a/p) NINT(x) inteiro mais próximo REAL(a) converte para REAL SIGN(a,b) transferência de sinal (de b) Funções intrínsecas caracter Funções intrínsecas caracter ACHAR(i) ADJUSTL(s) ADJUSTR(s) CHAR(i) IACHAR(c) ICHAR(c) INDEX(s,sub) LEN(s) LEN_TRIM(s) LGE(s1,s2) LGT(s1,s2) i-ésimo da seqüência ASCII ajusta para esquerda ajusta para direita i-ésimo da seqüência do computador posição na seqüência ASCII posição na seqüência do computador posição inicial da subcadeia comprimento da cadeia compr. da cadeia s/ brancos à direita similar a.ge. (seqüência ASCII) similar a.gt. (seqüência ASCII) LLE(s1,s2) LLT(s1,s2) REPEAT(s,n) SCAN(s,set) TRIM(s) VERIFY(s,set) similar a.le. (seqüência ASCII) similar a.lt. (seqüência ASCII) repete a cadeia n vezes para cada caracter da cadeia, procura-o em set.se presente, retorna a posição do caracter de s mais à esquerda. remove os brancos à direita verifica se o conjunto set tem todos os caracteres da cadeia s. Retorna a posição do caracter de s mais a esquerda que não está em set.

9 Comando PRINT 33 Comando READ 34 É a forma mais simples de direcionar dados não formatados para o meio de saída padrão. Cada PRINT inicia uma nova linha. Pode transferir qualquer objeto do tipo intrínseco. Cadeias devem ser delimitadas com ou Duas ocorrências do caracter delimitador dentro da cadeia produz uma ocorrência na saída. O comando READ faz a leitura de forma não formatada (formato livre) do canal de entrada padrão. Cada comando faz a leitura de uma nova linha. Pode transferir qualquer objeto de tipo intrínseco READ*, longo_nome READ*, x, y, z READ*, logica aceita os dados na forma Argh! Que grande feito e12 T FIM 35 Fazer os exercícios distribuídos.

Capítulo 5. ARQUIVOS E FUNÇÕES MATEMÁTICAS INTRÍNSECAS

Capítulo 5. ARQUIVOS E FUNÇÕES MATEMÁTICAS INTRÍNSECAS Capítulo 5. ARQUIVOS E FUNÇÕES MATEMÁTICAS INTRÍNSECAS OBJETIVOS DO CAPÍTULO Conceitos de: arquivo de saída, biblioteca, funções matemáticas intrínsecas Criar e usar arquivos para mostrar resultados da

Leia mais

OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE

OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE 3.1 Operadores Os operadores indicam o tipo de operação matemática que será executada gerando novos valores a partir de um ou mais operadores. São muito utilizados em

Leia mais

Capítulo 13. VARIÁVEIS DO TIPO REAL DUPLA

Capítulo 13. VARIÁVEIS DO TIPO REAL DUPLA Capítulo 13. VARIÁVEIS DO TIPO REAL DUPLA OBJETIVOS DO CAPÍTULO Conceitos de: variáveis de precisão simples e dupla, variáveis do tipo real simples e dupla, mistura de variáveis do tipo inteiro com real

Leia mais

Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos.

Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos. 3 COMANDOS CONDICIONAIS E DE LAÇO Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos. 3.1 COMANDOS CONDICIONAIS 3.1.1 Comando IF Como o próprio nome já indica, estes comandos

Leia mais

Laboratório de Programação 02

Laboratório de Programação 02 Laboratório de Programação 02 Ambiente de Desenvolvimento e Revisão da Linguagem C Prof. Carlos Eduardo de Barros Paes Prof. Julio Arakaki Departamento de Computação PUC-SP Code::Blocks Ambiente integrado

Leia mais

Programação Básica em Arduino Aula 2

Programação Básica em Arduino Aula 2 Programação Básica em Arduino Aula 2 Execução: Laboratório de Automação e Robótica Móvel Variáveis são lugares (posições) na memória principal que servem para armazenar dados. As variáveis são acessadas

Leia mais

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS 1. A Linguagem Access Basic. 2. Módulos e Procedimentos. 3. Usar o Access: 3.1. Criar uma Base de Dados: 3.1.1. Criar uma nova Base de Dados. 3.1.2. Criar

Leia mais

APOSTILA PHP PARTE 1

APOSTILA PHP PARTE 1 APOSTILA PHP PARTE 1 1. Introdução O que é PHP? PHP significa: PHP Hypertext Preprocessor. Realmente, o produto foi originalmente chamado de Personal Home Page Tools ; mas como se expandiu em escopo, um

Leia mais

Acrescentando regras à Base de Conhecimento

Acrescentando regras à Base de Conhecimento Acrescentando regras à Base de Conhecimento fica(porto,portugal). fica(lisboa,portugal). passa(douro,porto). passa(douro,zamora). passa(tejo,lisboa). rio_português(r):-passa(r,c),fica(c,portugal). 16 Questões

Leia mais

Linguagem C: Estruturas de Controle. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Linguagem C: Estruturas de Controle. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Linguagem C: Estruturas de Controle Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Estrutura de Controle e de Fluxo Comandos de Seleção: O comando if; Ifs Aninhados; A escada if-else-if; A expressão condicional;

Leia mais

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA 4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Introdução à criação de macros...3 Gravação

Leia mais

Semana 1 Ambiente Microsoft Visual C# 2010 Express. Prof. Tiago Jesus de Souza

Semana 1 Ambiente Microsoft Visual C# 2010 Express. Prof. Tiago Jesus de Souza Atualização Técnica e Pedagógica de Professores no componente de Lógica de Programação com C# (console) Semana 1 Ambiente Microsoft Visual C# 2010 Express Prof. Tiago Jesus de Souza Linguagem de Programação

Leia mais

SCILAB. Software livre para cálculo numérico e simulação de sistemas físicos Utilizado nas áreas de:

SCILAB. Software livre para cálculo numérico e simulação de sistemas físicos Utilizado nas áreas de: SCILAB Software livre para cálculo numérico e simulação de sistemas físicos Utilizado nas áreas de: Controle e processamento de sinais Automação industrial Computação gráfica Matemática Física Entre outras.

Leia mais

Desenvolvido por: Juarez A. Muylaert Filho - jamf@estacio.br Andréa T. Medeiros - andrea@iprj.uerj.br Adriana S. Spallanzani - spallanzani@uol.com.

Desenvolvido por: Juarez A. Muylaert Filho - jamf@estacio.br Andréa T. Medeiros - andrea@iprj.uerj.br Adriana S. Spallanzani - spallanzani@uol.com. UAL é uma linguagem interpretada para descrição de algoritmos em Português. Tem por objetivo auxiliar o aprendizado do aluno iniciante em programação através da execução e visualização das etapas de um

Leia mais

José Romildo Malaquias 2011-1

José Romildo Malaquias 2011-1 Programação de Computadores I Aula 08 Programação: Estruturas de Repetição José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/58 Motivação Como imprimir os três

Leia mais

Programação de Computadores. Professor Ilaim Costa Junior ilaim@ic.uff.br Www.ic.uff.br/~ilaim

Programação de Computadores. Professor Ilaim Costa Junior ilaim@ic.uff.br Www.ic.uff.br/~ilaim Programação de Computadores Professor Ilaim Costa Junior ilaim@ic.uff.br Www.ic.uff.br/~ilaim Roteiro da Aula de Hoje Introdução ao FORTRAN (Parte I) Organização de programas Tipos de dados Variáveis Programação

Leia mais

Desenvolvimento OO com Java 3 Estruturas de Controle e Programação Básica

Desenvolvimento OO com Java 3 Estruturas de Controle e Programação Básica Desenvolvimento OO com Java 3 Estruturas de Controle e Programação Básica Vítor E. Silva Souza (vitor.souza@ufes.br) http://www.inf.ufes.br/~vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade

Leia mais

Hugo Pedro Proença, 2007

Hugo Pedro Proença, 2007 Stored Procedures À medida que a complexidade dos sistemas aumenta, torna-se cada vez mais difícil a tarefa de integrar o SQL com as aplicações cliente. Além disto, é necessário que todas as aplicações

Leia mais

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA COMBA DÃO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS 2012-2015 PROGRAMAÇÃO E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 2 Mecanismos de Controlo de

Leia mais

Introdução ao FORTRAN (Parte I)

Introdução ao FORTRAN (Parte I) Programação de Computadores III Aula 7 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-03.063 Roteiro da Aula

Leia mais

Aula prática de Cálculo I Gnuplot: Parte I

Aula prática de Cálculo I Gnuplot: Parte I Aula prática de Cálculo I Gnuplot: Parte I Ulysses Sodré e Sônia Ferreira Lopes Toffoli Londrina-PR, 27 de Junho de 2007, arquivo: sacgnu01.tex 1 Uma sessão do Gnuplot O Gnuplot é um programa para plotar

Leia mais

Aluísio Eustáquio da Silva

Aluísio Eustáquio da Silva 1 Aluísio Eustáquio da Silva SciLab Programável Material didático usado em aulas de Programação de Computadores, Algoritmos e Lógica de Programação Betim Maio de 2012 2 PROGRAMAÇÃO O SciLab permite que

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. A Linguagem C

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. A Linguagem C Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação A Linguagem C Prof. Renato Pimentel 1 Programação Quando queremos criar ou desenvolver um software para realizar determinado tipo de processamento

Leia mais

e à Linguagem de Programação Python

e à Linguagem de Programação Python Introdução a Algoritmos, Computação Algébrica e à Linguagem de Programação Python Curso de Números Inteiros e Criptografia Prof. Luis Menasché Schechter Departamento de Ciência da Computação UFRJ Agosto

Leia mais

Python: Comandos Básicos. Claudio Esperança

Python: Comandos Básicos. Claudio Esperança Python: Comandos Básicos Claudio Esperança Primeiros passos em programação Até agora só vimos como computar algumas expressões simples Expressões são escritas e computadas imediatamente Variáveis podem

Leia mais

1) - Contém protótipos de funções da biblioteca padrão de entrada/saída e as informações utilizadas por elas.

1) <stdio.h> - Contém protótipos de funções da biblioteca padrão de entrada/saída e as informações utilizadas por elas. 1 Principais funções da linguagem C Utilizando funções Em C todas as ações ocorrem dentro de funções. A função main é sempre a primeira a ser executada. Com exceção da função principal main, uma função

Leia mais

ÍNDICE. Curso Introdução ao MATLAB 2

ÍNDICE. Curso Introdução ao MATLAB 2 Curso Introdução ao MATLAB 2 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 ENTRANDO NO MATLAB...4 1.2 COMO O MATLAB TRABALHA...4 1.3 AMBIENTE DE TRABALHO DO MATLAB...5 1.4 ARQUIVOS.M...5 1.5 COMANDOS BÁSICOS...6 1.5.1 Comandos

Leia mais

public void setdata(data d) { data = d;

public void setdata(data d) { data = d; class Data... public class Compromisso private Data data; private int hora; private String descricao; /**java.lang.string*/ public Compromisso() public Compromisso(Data data, int hora, String descricao)

Leia mais

Utilizem a classe Aula.java da aula passada:

Utilizem a classe Aula.java da aula passada: Introdução à Java Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br Programação Orientada a Objetos Código Exemplo da Aula Utilizem a classe Aula.java da aula passada: public class Aula { public static void main(string[]

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO (CNC PROTEO)

GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO (CNC PROTEO) GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO () MCS Engenharia 6/9/2012 Página 1 de 17 ÍNDICE 1 PROGRAMAÇÃO ISO (CÓDIGOS G)... 3 1.1 COORDENADAS ABSOLUTAS / INCREMENTAIS (G90 / G91)... 3 1.2 ORIGENS: ABSOLUTA (G53), PEÇA

Leia mais

Sumário. Visual Basic Application para Excel. Prof. Luiz Bianchi Universidade Regional de Blumenau

Sumário. Visual Basic Application para Excel. Prof. Luiz Bianchi Universidade Regional de Blumenau Prof. Luiz Bianchi Universidade Regional de Blumenau Visual Basic Application para Excel Sumário Introdução...3 Conceitos...3 Objetos...3 Propriedades e métodos...3 Procedimento...3 Módulo...4 Fundamentos...5

Leia mais

Estruturas de Repetição

Estruturas de Repetição Estruturas de Repetição Introdução No capítulo anterior verificamos que a execução seqüencial dos comandos da função main nos limita a programação de algoritmos muito simples. Passamos, então, a dedicar

Leia mais

Para testar seu primeiro código utilizando PHP, abra um editor de texto (bloco de notas no Windows) e digite o código abaixo:

Para testar seu primeiro código utilizando PHP, abra um editor de texto (bloco de notas no Windows) e digite o código abaixo: Disciplina: Tópicos Especiais em TI PHP Este material foi produzido com base nos livros e documentos citados abaixo, que possuem direitos autorais sobre o conteúdo. Favor adquiri-los para dar continuidade

Leia mais

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C Capítulo 2: Introdução à Linguagem C INF1005 Programação 1 Pontifícia Universidade Católica Departamento de Informática Programa Programa é um algoritmo escrito em uma linguagem de programação. No nosso

Leia mais

Jaime Evaristo Sérgio Crespo. Aprendendo a Programar Programando numa Linguagem Algorítmica Executável (ILA)

Jaime Evaristo Sérgio Crespo. Aprendendo a Programar Programando numa Linguagem Algorítmica Executável (ILA) Jaime Evaristo Sérgio Crespo Aprendendo a Programar Programando numa Linguagem Algorítmica Executável (ILA) Segunda Edição Capítulo 2 Versão 08042010 2. Introdução à Linguagem Algorítmica 2.1 Variáveis

Leia mais

Introdução a PHP (Estruturas de Controle)

Introdução a PHP (Estruturas de Controle) Desenvolvimento Web III Introdução a PHP () Prof. Mauro Lopes 1-31 13 Objetivos Nesta aula iremos trazer ainda alguns conceitos básicos da programação com a Linguagem PHP. Iremos trabalhar conceitos das

Leia mais

Processamento Numérico

Processamento Numérico Matlab 1 Conceitos Básicos e Processamento Numérico 1. Iniciar o programa Matlab. Há duas formas: Fazer duplo-clique sobre o atalho, existente no ambiente de trabalho do Windows Menu Iniciar > Programas

Leia mais

Procalc v1.0. Versão Programador

Procalc v1.0. Versão Programador Procalc v1.0 Versão Programador Conteúdo Procalc... 4 Primeiros botões... 5 Funções Básicas... 6 Como funciona... 7 Funções avançadas... 8 Logaritmo... 8 Logaritmo Natural... 9 Expoente... 10 Factorial...

Leia mais

Criar a classe Aula.java com o seguinte código: Compilar e Executar

Criar a classe Aula.java com o seguinte código: Compilar e Executar Introdução à Java Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br Programação Orientada a Objetos Código Exemplo da Aula Criar a classe Aula.java com o seguinte código: public class Aula { public static void

Leia mais

Linguagens de programação

Linguagens de programação Prof. André Backes Linguagens de programação Linguagem de Máquina Computador entende apenas pulsos elétricos Presença ou não de pulso 1 ou 0 Tudo no computador deve ser descrito em termos de 1 s ou 0 s

Leia mais

PL/SQL. Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Laboratório de Bases de Dados PL/SQL

PL/SQL. Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Laboratório de Bases de Dados PL/SQL PL/SQL Laboratório de Bases de Dados PL/SQL Program Language SQL linguagem de programação da Oracle que permite processar dados armazenados no banco de dados Exemplos de operações permitidas alterar, remover,

Leia mais

Estruturas de controle no nível de sentença

Estruturas de controle no nível de sentença Estruturas de controle no nível de sentença Linguagens de Programação Marco A L Barbosa cba Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Leia mais

Departamento: Matemática Curso: Eng a Madeiras Ano: 1 o Semestre: 2 o Ano Lectivo: 2006/2007. Aula prática n o 1 - Introdução ao MATLAB

Departamento: Matemática Curso: Eng a Madeiras Ano: 1 o Semestre: 2 o Ano Lectivo: 2006/2007. Aula prática n o 1 - Introdução ao MATLAB Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Departamento: Matemática Métodos Numéricos Curso: Eng a Madeiras Ano: 1 o Semestre: 2 o Ano Lectivo: 2006/2007 Aula prática n o 1 - Introdução

Leia mais

Programa. Linguagem MATLAB Métodos Computacionais para EDO Métodos Computacionais para EDP. Critérios

Programa. Linguagem MATLAB Métodos Computacionais para EDO Métodos Computacionais para EDP. Critérios Programa Linguagem MATLAB Métodos Computacionais para EDO Métodos Computacionais para EDP Critérios P1: 5a Aula - Peso 1 P2: 10a Aula - Peso 1.5 P3: 15a Aula- Peso 2.0 Presença e Participação: Peso 2.0

Leia mais

APOSTILA DE VBA PARA EXCEL MARCOS DE BARROS OUTUBRO DE 2002 1 - RISK MANAGEMENT

APOSTILA DE VBA PARA EXCEL MARCOS DE BARROS OUTUBRO DE 2002 1 - RISK MANAGEMENT APOSTILA DE VBA PARA EXCEL MARCOS DE BARROS OUTUBRO DE 2002 1 - RISK MANAGEMENT ÍNDICE INTRODUÇÃO AO VBA 5 Constantes 5 Variáveis 5 Tipos de variáveis e constantes 6 O Comando Option Explicit 7 Comentários

Leia mais

Curso Básico de MATLAB para Sistemas de Comunicação

Curso Básico de MATLAB para Sistemas de Comunicação Curso Básico de MATLAB para Sistemas de Comunicação Simulação em Linguagem Script e em Simulink 2ª Edição Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia - Paraíba Profª Rafaelle Feliciano Objetivo

Leia mais

Programas simples em C

Programas simples em C Programas simples em C Problema 1. Escreve um programa em C que dados dois inteiros indique se são iguais ou qual o maior. Utilizar a construção em 5 etapas... quais? 1. Perceber o problema 2. Ideia da

Leia mais

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Básico de Computadores Computador: dispositivos físicos + programas Dispositivos físicos: hardware Programas: as instruções que dizem aos dispositivos

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EM DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EM DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Desenvolvimento De Sistemas - Lógica De Programação. 1. Lógica de Programação I 1.1 Introdução á Lógica de Programação 1.2 O que é lógica? 1.3 Lógica Matemática 1.4 Lógica de Programação 1.5 Seqüência

Leia mais

Universidade da Beira Interior Cursos: Matemática /Informática e Ensino da Informática

Universidade da Beira Interior Cursos: Matemática /Informática e Ensino da Informática Folha 1-1 Introdução à Linguagem de Programação JAVA 1 Usando o editor do ambiente de desenvolvimento JBUILDER pretende-se construir e executar o programa abaixo. class Primeiro { public static void main(string[]

Leia mais

Programa Microcal ORIGIN Comandos Básicos

Programa Microcal ORIGIN Comandos Básicos Apêndice II Programa Microcal ORIGIN Comandos Básicos Este apêndice foi elaborado com ajuda da apostila escrita pelo Prof. Fernando Omar Veas Letelier do Departamento de Física/UFMG que tem como objetivo

Leia mais

EXEMPLO IF E ELSE IF TERNÁRIO

EXEMPLO IF E ELSE IF TERNÁRIO PHP Aula 2 Estruturas de Controle, Continue e Break Leonardo Pereira facebook.com/leongamerti ESTRUTURA DE DECISÃO Simples Composta Encadeada Ternário IF Estrutura de controle que introduz um desvio condicional

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C++

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C++ INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C++ 1 - VARIÁVEIS Variáveis espaço de memória reservado para armazenar tipos de dados, com um nome para referenciar seu conteúdo. Observações importantes Todas as variáveis devem

Leia mais

TUTORIAL do OCTAVE. GNU-Octave versão 2.1.42. Aluna: Camili Ambrósio RA: 042426 Disciplina: MA111 Professor: Márcio Rosa Segundo semestre 2005.

TUTORIAL do OCTAVE. GNU-Octave versão 2.1.42. Aluna: Camili Ambrósio RA: 042426 Disciplina: MA111 Professor: Márcio Rosa Segundo semestre 2005. TUTORIAL do OCTAVE GNU-Octave versão 2.1.42 Aluna: Camili Ambrósio RA: 042426 Disciplina: MA111 Professor: Márcio Rosa Segundo semestre 2005. Glossário O que é o Octave? Onde Obter?...2 Introdução...3

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013 Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Problema 1 Suponha que soma (+) e subtração (-) são as únicas operações disponíveis em

Leia mais

JAVA NETBEANS PGOO Prof. Daniela Pires Conteúdo

JAVA NETBEANS PGOO Prof. Daniela Pires Conteúdo Conteúdo Estruturas de repetição (loops, laços)... 2 WHILE (enquanto)... 2 DO... WHILE (faça... enquanto)... 2 FOR... 3 FOREACH... 4 EXERCICIO LOOP FOR... 4 Novo Projeto... 5 Controles SWING... 10 1 Estruturas

Leia mais

Aritmética com Maple:

Aritmética com Maple: Aritmética com Maple: Capítulo 3 Objetivos: 1. Estudar os tipos de dados numéricos disponíveis no Maple 2. Estudar as operações ariméticas disponíveis no Maple 3. Apresentar as funções de uso mais frequente

Leia mais

Estruturas de entrada e saída

Estruturas de entrada e saída capa Estruturas de entrada e saída - A linguagem C utiliza de algumas funções para tratamento de entrada e saída de dados. - A maioria dessas funções estão presentes na biblioteca . - As funções

Leia mais

Introdução à estrutura de dados com Python

Introdução à estrutura de dados com Python Introdução à estrutura de dados com Python CLEIBSON APARECIDO DE ALMEIDA UFPR Universidade Federal do Paraná PPGMNE Programa de Pós Graduação em Métodos Numéricos em Engenharia Centro Politécnico CEP 81.531-980

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Professor: Renato Dourado Maia Disciplina: Programação de Computadores Curso: Engenharia de Alimentos Turma: Terceiro Período 1 Introdução

Leia mais

APOSTILA DE FORTRAN. - Há somente 4 tipos de instruções que um computador pode realizar:

APOSTILA DE FORTRAN. - Há somente 4 tipos de instruções que um computador pode realizar: Página 1 de 50 Sumário Capítulo 1: Noções Preliminares... 4 1.1. Introdução... 4 1.2. Computadores... 4 1.3. Algoritmos... 4 1.4. Diagramas de Fluxo... 5 1.5. Linguagens de Programação... 6 1.5.1 Linguagem

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Produção / Elétrica Algoritmos e Programação Parte 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Comandos de Controle de Fluxo

Comandos de Controle de Fluxo Algoritmos e Lógica de Programação Linguagem C Reinaldo Gomes reinaldo@cefet-al.br Grupos: Seleção (comando condicional) if e switch; Iteração (laços) while, for e do-while Desvio break, continue, goto

Leia mais

IES-300. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br

IES-300. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br IES-300 Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br Teste de Caixa Branca 2 Teste de Componentes: Caixa Branca Teste de Caixa Branca Grafo de Fluxo de

Leia mais

Algoritmia e Programação APROG. Linguagem JAVA. Básico. Nelson Freire (ISEP DEI-APROG 2012/13) 1/31

Algoritmia e Programação APROG. Linguagem JAVA. Básico. Nelson Freire (ISEP DEI-APROG 2012/13) 1/31 APROG Algoritmia e Programação Linguagem JAVA Básico Nelson Freire (ISEP DEI-APROG 2012/13) 1/31 Linguagem Java Estrutura de um Programa Geral Básica Estruturas de Dados Variáveis Constantes Tipos de Dados

Leia mais

CAPITULO 5 COMANDO DE FLUXO IF

CAPITULO 5 COMANDO DE FLUXO IF CAPITULO 5 COMANDO DE FLUXO IF Sempre que for necessária a tomada de decisão dentro de um programa, você terá que utilizar um comando condicional, pois é por meio dele que o PHP decidirá que lógica deverá

Leia mais

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C Resumo da Introdução de Prática de Programação com C A Linguagem C O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua. PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL

Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua. PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL 1) Visão Geral A PL/pgSQL é uma linguagem de programação procedural para o Sistema Gerenciador de Banco

Leia mais

Python Condicionais e Loops. Introdução à Programação SI1

Python Condicionais e Loops. Introdução à Programação SI1 Python Condicionais e Loops Introdução à Programação SI1 Conteúdo Comando de Decisão Comandos de Repetição Exercícios 13/06/2013 2 Condicional Controle de fluxo É muito comum em um programa que certos

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

Introdução ao Fortran 90

Introdução ao Fortran 90 Introdução ao Fortran 90 CENAPAD-SP 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO 1-HISTÓRIA 04 2-FORTRAN 77 05 3-FORTRAN 90 06 ELEMENTOS DO FORTRAN 90 4-EXEMPLO DE PROGRAMA 07 5-RECOMENDAÇÕES DE CODIFICAÇÃO 08 6-CARACTERÍSTICAS

Leia mais

ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++

ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++ ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++ #include { Este trecho é reservado para o corpo da função, com a declaração de suas variáveis locais, seus comandos e funções

Leia mais

Oracle PL/SQL Overview

Oracle PL/SQL Overview Faculdades Network Oracle PL/SQL Overview Prof. Edinelson PL/SQL Linguagem de Programação Procedural Language / Structured Query Language Une o estilo modular de linguagens de programação à versatilidade

Leia mais

Apostila de Introdução a Algoritmos

Apostila de Introdução a Algoritmos Apostila de Introdução a Algoritmos Prof. Luiz Gustavo Almeida Martins Introdução a Algoritmos 1. Resolução de Problemas pelo Computador Dados de Entrada Processamento (Transformação) Dados de Saída COMPUTADOR

Leia mais

LINGUAGEM C: DESCOMPLICADA. Prof. André R. Backes

LINGUAGEM C: DESCOMPLICADA. Prof. André R. Backes LINGUAGEM C: DESCOMPLICADA Prof. André R. Backes 1 COMANDOS DE CONTROLE CONDICIONAL Os programas escritos até o momento são programas sequeciais: um comando é executado após o outro, do começo ao fim do

Leia mais

2 echo "PHP e outros.";

2 echo PHP e outros.; PHP (Hypertext Preprocessor) Antes de qualquer coisa, precisamos entender o que é o PHP: O PHP(Hypertext Preprocessor) é uma linguagem interpretada gratuita, usada originalmente apenas para o desenvolvimento

Leia mais

Programação WEB I Estruturas de controle e repetição

Programação WEB I Estruturas de controle e repetição Programação WEB I Estruturas de controle e repetição Operadores de Incremento Operadores de incremento servem como expressões de atalho para realizar incrementos em variáveis Operadores de Incremento Vamos

Leia mais

1. FUNÇÕES NO EXCEL 2007

1. FUNÇÕES NO EXCEL 2007 1. FUNÇÕES NO EXCEL 2007 Funções são fórmulas predefinidas que efetuam cálculos usando valores específicos, denominados argumentos, em uma determinada ordem ou estrutura. As funções podem ser usadas para

Leia mais

Programação. Folha Prática 3. Lab. 3. Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal 2015. Copyright 2010 All rights reserved.

Programação. Folha Prática 3. Lab. 3. Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal 2015. Copyright 2010 All rights reserved. Programação Folha Prática 3 Lab. 3 Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal 2015 Copyright 2010 All rights reserved. LAB. 3 3ª semana EXPRESSÕES E INSTRUÇÕES 1. Revisão de conceitos

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SCILAB

INTRODUÇÃO AO SCILAB INTRODUÇÃO AO SCILAB Introdução Estas notas, de caráter introdutório e numa versão preliminar, tratam da utilização do software Scilab na disciplina Cálculo Numérico COM400, ministrada por professores

Leia mais

Comandos de Controle de Fluxo. Comandos de Controle de Fluxo. Comandos de Controle de Fluxo. Comandos de Controle de Fluxo

Comandos de Controle de Fluxo. Comandos de Controle de Fluxo. Comandos de Controle de Fluxo. Comandos de Controle de Fluxo Linguagem C Algoritmos e Lógica de Programação Reinaldo Gomes reinaldo@cefet-al.br Grupos: Seleção (comando condicional) if e switch; Iteração (laços) while, for e do-while Desvio break, continue, goto

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Prof. José Geraldo

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Prof. José Geraldo LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Prof. José Geraldo 1.1 Introdução A Lógica é forma de organizar os pensamentos e demonstrar o raciocínio de maneira correta. A utilização da lógica é a melhor maneira de solucionar

Leia mais

Métodos de Programação I 2. 1 Ana Maria de Almeida CAPÍTULO 2 CONTEÚDO

Métodos de Programação I 2. 1 Ana Maria de Almeida CAPÍTULO 2 CONTEÚDO Métodos de Programação I 2. 1 CAPÍTULO 2 CONTEÚDO 2.1 Programação: Conceitos Fundamentais 2.1.1 Fases de construção de um programa executável 2.2.2 Metodologia da programação 2.2 A Linguagem Pascal 2.2.1

Leia mais

Técnicas de programação com PASCAL

Técnicas de programação com PASCAL Técnicas de programação com PASCAL Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto www.vargasp.net A linguagem PASCAL... 4 Estrutura do Programa... 4 Declarando tipos [ Type ]... 5 Declarando variáveis [ Var ]...

Leia mais

Programação Paralela e Distribuída (DCC/UFRJ)

Programação Paralela e Distribuída (DCC/UFRJ) Programação Paralela e Distribuída (DCC/UFRJ) Aula 7: Programação com memória compartilhada usando OpenMP 1, 8, 10 e 15 de abril de 2015 OpenMP (Open MultiProcessing) Projetado para sistemas de memória

Leia mais

Notas para um curso de Cálculo 1 Duilio T. da Conceição

Notas para um curso de Cálculo 1 Duilio T. da Conceição Notas para um curso de Cálculo 1 Duilio T. da Conceição 1 2 Sumário 1 WOLFRAM ALPHA 5 1.1 Digitando Fórmulas e Expressões Matemáticas......... 6 1.1.1 Expoentes......................... 6 1.1.2 Multiplicação.......................

Leia mais

Gregory Baldasso Gianeri. Tutorial Winplot. Tutorial Winplot Gregory Baldasso Gianeri 1/15

Gregory Baldasso Gianeri. Tutorial Winplot. Tutorial Winplot Gregory Baldasso Gianeri 1/15 Gregory Baldasso Gianeri Tutorial Winplot RA:043808 Tutorial Winplot Gregory Baldasso Gianeri 1/15 Breve história sobre o Cálculo Introdução Surgido no século XVII "O Cálculo" é uma expressão simplificada,

Leia mais

Lista de Exercícios - Séries Matemáticas

Lista de Exercícios - Séries Matemáticas Lista de Exercícios - Séries Matemáticas Agosto de 203 Introdução à Programação Orientada a Objetos Usando Java 2 a Edição Exercícios Introdução Cientistas da computação e programadores frequentemente

Leia mais

Aula 1. // exemplo1.cpp /* Incluímos a biblioteca C++ padrão de entrada e saída */ #include

Aula 1. // exemplo1.cpp /* Incluímos a biblioteca C++ padrão de entrada e saída */ #include <iostream> Aula 1 C é uma linguagem de programação estruturada desenvolvida por Dennis Ritchie nos laboratórios Bell entre 1969 e 1972; Algumas características: É case-sensitive, ou seja, o compilador difere letras

Leia mais

Curso de C: uma breve introdução

Curso de C: uma breve introdução V Semana de Engenharia Elétrica - UFBA Licença de uso e distribuição Todo o material aqui disponível pode, posteriormente, ser utilizado sobre os termos da: Creative Commons License:

Leia mais

Javascript 101. Parte 2

Javascript 101. Parte 2 Javascript 101 Parte 2 Recapitulando O Javascript é uma linguagem de programação funcional Os nossos scripts são executados linha a linha à medida que são carregados. O código que está dentro de uma função

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Cálculo Numérico Prof. José Eduardo Castilho Março de 001 Conteúdo 1 Introdução 1 1.1 O MatLab.................................... 3 1.1.1 Cálculo

Leia mais

Este tipo de programação é feito através da atribuição de valores à variáveis.

Este tipo de programação é feito através da atribuição de valores à variáveis. 11 - MACRO B 11. MACRO B A função MACRO B é utilizada quando se deseja trabalhar na programação de peças complexas, famílias de peças e outras funções especiais tais como operações aritméticas, desvios

Leia mais

Manual do KmPlot. Klaus-Dieter Möller Philip Rodrigues David Saxton Tradução: Marcus Gama

Manual do KmPlot. Klaus-Dieter Möller Philip Rodrigues David Saxton Tradução: Marcus Gama Klaus-Dieter Möller Philip Rodrigues David Saxton Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Introdução 6 2 Primeiros passos com o KmPlot 8 2.1 Desenho de uma função simples............................. 8 2.2

Leia mais

ARITMÉTICA. 1. Constantes Operadores e Funções

ARITMÉTICA. 1. Constantes Operadores e Funções ARITMÉTICA Neste capítulo, estudamos os tipos de dados numéricos disponíveis no Maple, assim como as operações aritméticas. Paralelamente apresentamos as funções de uso mais freqüente. 1. Constantes Operadores

Leia mais

Sintaxe Básica de Java Parte 1

Sintaxe Básica de Java Parte 1 Sintaxe Básica de Java Parte 1 Universidade Católica de Pernambuco Ciência da Computação Prof. Márcio Bueno poonoite@marcioubeno.com Fonte: Material da Profª Karina Oliveira Estrutura de Programa Um programa

Leia mais