LEVANTAMENTO HERPETOFAUNÍSTICO DA FAZENDA LIGEIRO DA FURNE EM CAMPINA GRANDE- PB LIFTING OF SLIGHT HERPETOFAUNÍSTICO FARM IN FURNE CAMPINA GRANDE- PB

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEVANTAMENTO HERPETOFAUNÍSTICO DA FAZENDA LIGEIRO DA FURNE EM CAMPINA GRANDE- PB LIFTING OF SLIGHT HERPETOFAUNÍSTICO FARM IN FURNE CAMPINA GRANDE- PB"

Transcrição

1 LEVANTAMENTO HERPETOFAUNÍSTICO DA FAZENDA LIGEIRO DA FURNE EM CAMPINA GRANDE- PB LIFTING OF SLIGHT HERPETOFAUNÍSTICO FARM IN FURNE CAMPINA GRANDE- PB Jairton Severino Rocha COSTA 1, Joaci dos Santos CERQUEIRA², José da Silva BARBOSA², Helder Neves de ALBUQUERQUE³ 1. Graduando em Biologia. UVA/UNAVIDA. 2. Biólogo. Especialista em Desenvolvimento e Meio Ambiente. 3. Orientador. Professor UVA/UNAVIDA. RESUMO: A Caatinga um é dos biomas brasileiros menos amostrados em relação a herpetofauna e a escassez de informações naturalísticas sobre a Caatinga representam empecilhos adicionais para estudos nesta região. Com isso, esse estudo teve como objetivo realizar o levantamento herpetofaunístico da Fazendo Ligeiro da FURNE - em Campina Grande- PB. Para a análise herpetológica será estudada com a armadilha pitfall traps, possui cerca de 45 hectares e é caracterizada como conservada devido a cobertura vegetal. O período de coleta herpetológica foi entre novembro de 2011 a abril de 2012, sendo utilizado no levantamento uma única técnica. Para a captura dos herpetológica foram utilizadas duas séries de armadilhas de queda (Pitfall traps) de seis fojos cada.. Os anfíbios identificados pertencem a seis famílias, sendo Leptodactylidae a mais representativa com 04 espécies. Das 12 espécies de répteis encontradas, todos foram lagartos sendo Gymnophthalmidae a mais representativa com 3 espécies. A maior frequência foram das espécies de anfíbios Rhinella jimi (37,46) e Physalaemus cuvieri (7,69) e do lagarto da espécie Tropidurus hispidus (7,02). Quanto a constância, a maioria foi agrupada como espécies acidentais (z) pois só ocorreram em menos de 25% das coletas e apenas quatro espécies foram agrupadas como constantes (x). A riqueza de espécies da herpetofauna da Fazenda Ligeiro em Campina Grande-PB, relativamente alta para um fragmento urbano de Caatinga e a presença de impactos antrópicos nesta área salientam a necessidade urgente de implementação de medidas conservacionistas que visem garantir a viabilidade das populações de anfíbios e répteis nela encontradas. Palavras-chave: Herpetologia, Semiárido Paraibano, Uso de Pitfalls Trap. ABSTRACT: The Caatinga is one of the least sampled biomes in relation to herpetofauna and the lack of systematic reviews on the herpetological Neotropical and the scarcity of information about the Caatinga naturalistic pose additional obstacles for studies in this region. Thus, this study aimed to survey the herpetofaunistic Farm Ligeiro of the FURNE - Campina Grande-PB. For the analysis will be studied herpetological pitfall traps with the trap, has about 45 hectares and is characterized as conserved due to vegetation cover. The herpetological collection period was from November 2011 to April 2012, being used in a single survey technique. For capturing the herpetological used two sets of pitfall traps (pitfall traps) every six pitfalls.. Amphibians identified belonging to six families Leptodactylidae being the most representative with 04 species. Of the 12 species of reptiles found, all lizards were the most representative being Gymnophthalmids with 3 species. The higher frequency of amphibians were Rhinella jimi (37.46) and Physalaemus cuvieri (7.69) and the lizard Tropidurus hispidus species (7.02). As for consistency, most species were grouped as accidental (z) because it only occurred in less than 25% of samples and only four species were grouped as constant (x). Species richness of the herpetofauna of Light Farm in Campina Grande, PB, relatively high for an urban 1

2 fragment of Caatinga and the presence of human impacts in this area highlight the need for urgent implementation of conservation measures aimed at ensuring the viability of populations of amphibians and reptiles found therein. Keywords: Herpetology, Semiarid of Paraiba, Use of Trap Pitfalls. 1 INTRODUÇÃO Estimativas indicam que entre 5 a 20% das espécies animais e vegetais já identificadas estarão ameaçadas de extinção em um futuro próximo, se medidas de proteção não forem tomadas com urgência. Calcula-se que existam no planeta entre 13 e 14 milhões de espécies animais e vegetais, das quais apenas 13% foram identificadas até agora. O risco do planeta estar perdendo um grande número de espécies ainda desconhecidas pela ciência é um alerta geral à crescente alteração dos ecossistemas. O Brasil, considerado um país de megadiversidade, detentor da maior biodiversidade em todo o mundo, possui um papel chave para a conservação da variabilidade genética mundial. Essa posição se deve, em grande parte, ao número insuperável de espécies de plantas. No entanto, o território brasileiro tem sido alvo de uma ocupação maciça e desordenada, o que coloca em risco de ameaça grande parte de sua riqueza biológica. O estudo das espécies de anfíbios e répteis do semiárido nordestino é relativamente recente, inicialmente composto por informações bastante difusas para regiões particulares, correspondendo a listagens de espécies e registros de coletas esparsas no espaço e no tempo, realizadas por diferentes autores (BURT et al., 1933) A partir da década de 70, um maior número de trabalhos abrangendo o nordeste semiárido começaram a ser publicados, ainda na grande maioria, correspondendo a sínteses sistemáticas, tanto para o país (AMARAL, 1978a; 1978b) como para áreas mais restritas do território (CORDEIRO et al., 1973). Na década de 80, surgiu um marco da pesquisa herpetológica no semiárido nordestino brasileiro com a publicação do livro Répteis das Caatingas (VANZOLINI et al., 1980) e, a partir daí, uma série de trabalhos com a comunidade de répteis das cidades de Gurinhem, Cabaceiras, Coremas e Junco do Seridó no estado da Paraíba (RODRIGUES, 2003). Na década de 90, vários trabalhos foram publicados (VITT et al., 1994). Um fato importante para a pesquisa biológica no semiárido brasileiro foi a revelação de uma importante área de endemismos, com alta diversidade local, no campo de dunas do Rio São Francisco, entre as cidades de 2

3 Barra (Bahia) e Petrolina (Pernambuco) (RODRIGUES, 1988, 1991a, 1991b, 1991c, 1991d, 1993a, 1993b, 1996). Nessa área, com pouco mais de 5 mil km², foram registradas 40 espécies de lagartos e anfisbenas e 25 espécies de serpentes, das quais 35% do total são espécies endêmicas, além de espécies de aves, mamíferos e vegetais particulares somente dessa região (FIORAVANTI, 2000). Com relação aos anfíbios, a situação para o semiárido nordestino é desapontadora pela pouca quantidade de trabalhos sobre as espécies ocorrentes (GUIX et al., 1983). Cascon (1987) e Arzabe (1999) demonstraram que a caatinga é um dos ecossistemas brasileiros menos amostrados para os anuros e Rodrigues (2003), discute que aparentemente essa condição de desconhecimento ainda permanece. Na porção mais setentrional desse bioma, a carência de estudos sobre a herpetofauna é ainda considerável, o que pode ser confirmado pelo crescente número de descrições de novos táxons encontrados nos últimos anos. As referidas descrições de novas espécies reforçam a importância de inventários e estudos ecológicos sobre a herpetofauna desses remanescentes de caatinga para um melhor conhecimento de riqueza, padrão de distribuição geográfica, partilha dos recursos disponíveis no ambiente e as possíveis fontes de ameaças à permanência dessas comunidades animais. Compreender como as comunidades de anfíbios e répteis compartilham os recursos disponíveis em seu ambiente é essencial para entender como elas se estruturam (TOFT, 1985; VITT e CALDWELL, 1994), possibilitando predizer, por exemplo, de que maneira os impactos antrópicos podem afetar o seu funcionamento e sobrevivência (PEARMAN et al., 1997). Na Paraíba, os estudos são escassos e com a realização do workshop Biodiversidade da Caatinga, em Petrolina/ PE (2000), a fauna de anfíbios e répteis do semiárido brasileiro foi revisada, sendo registradas 26 espécies de lagartos, dois anfisbenídeos, 11 de serpentes, 04 de quelônios, um crocodiliano, 12 de anfíbios anuros e um gimnofiona (RODRIGUES, 2003). Esse número de espécies aumenta em muito quando se consideram as ilhas relictuais de florestas, como os brejos florestados e enclaves de outros tipos de paisagens mais mésicas presentes na região do semiárido. A revisão da literatura revelou a existência de uma grande lacuna, com regiões geográficas pouco ou ainda não amostradas. Das localidades amostradas, poucas contam com coleções representativas da herpetofauna local. 3

4 Com isso, esse estudo teve como objetivo realizar o levantamento herpetofaunístico da Fazendo Ligeiro da FURNE, em Campina Grande-PB. 2 MATERIAL E MÉTODOS A RPPN (Reserva Particular do Patrimônio Natural) Fazenda Aluízio Campos da Fundação Universitária de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extensão FURNE que está em processo de legalização, possui uma área de aproximadamente 168 ha, localizado nas margens da BR-104, no município de Campina Grande, PB (07º S e 35º W), possui uma altitude média de 490 m e relevo suavemente ondulado. O clima da região segundo a classificação de Köppen é do tipo Bsh (MCKNIGHT e HESS, 2000), ou seja, semiárido quente, com precipitação média anual 750 mm e temperatura média de 18 C. Os solos são predominantemente os Luvissolo vértice (EMBRAPA, 2006). A vegetação é do tipo caatinga hipoxerófila e apresenta histórico de cortes seletivos de madeira para a utilização como lenha e pecuária extensiva. Para a análise herpetológica será estudada com a armadilha pitfall traps, possui cerca de 45 hectares e é caracterizada como conservada devido a cobertura vegetal (Figura 01). Figura 1. Área de estudo na Fazenda Aluízio Campos da FURNE, Fonte: Google Eart,

5 Com a finalidade de validar os dados ecológicos da comunidade da fazenda Ligeiro em Campina Grande-PB em relação à diversidade herpetológica encontrada na região, foi realizado um inventário zoológico, com base em critérios internacionais de taxonomia e identificação de espécies. Como literatura de taxonômica base foram adotados os livros Répteis das Caatingas (VANZOLINI et al., 1980); Herpetofauna da Caatinga (RODRIGUES, 2000) e Serpentes da Bahia e do Brasil (FREITAS, 1999). O período de coleta herpetológica foi de seis meses, de novembro de 2011 a abril de 2012, sendo utilizado no levantamento da herpetofauna da fazenda Ligeiro uma única técnica. Para a captura herpetológica foram utilizadas duas séries de armadilhas de queda (Pitfall traps) de seis fojos cada, conforme a metodologia de Cechin e Martins (2000). As duas armadilhas (Figura 2 - uma em linha reta Fotografia 1, e a outra, em formato de cruz Fotografia 2) foram instaladas dentro da mata próximas a corpos d água, devido a maior facilidade de encontro de répteis (VANZOLINI et al., 1980). Cada fojo (Figura 2), possui 70 cm de profundidade e 50 de diâmetro e serão instalados 4 m de distancia um dos outros e em linha. Acompanhando os fojos foram fixadas lonas de 80 cm de altura erguidas com estacas. A vistoria dos fojos foi periódica, sempre três vezes por semana, o que totalizou, durante os 06 meses em que ficaram abertos, cerca de 78 vistorias. Como equipamentos de apoio foram utilizados luvas, pinções, laços, ganchos e puçás dependendo do animal a ser capturado. 5

6 Figura 2. Desenho esquemático do pitfalls traps instalados na fazenda, Imagem 1. Pitfall traps em linha reta na Fazenda Aluízio Campos da FURNE, Imagem 2. Pitfall traps em formato de cruz na área de estudo. FURNE, 2012 Fonte: Helder Neves de Albuquerque Fonte: Joaci dos Santos Cerqueira 6

7 Os animais capturados não foram fixados, sendo imediatamente fotografados e libertados logo após a fotografia. Para o registro fotográfico foi utilizado uma câmera Sony H-50 com zoom ótico de 24x. Os animais fotografados e identificados foram analisados através dos índices de frequência, e constância e diversidade. A frequência (F) foi calculada através da soma dos dados das coletas mensais, onde foi calculada a percentagem de indivíduos de cada espécie em relação ao total de indivíduos coletados. O estudo da frequência foi realizado de acordo com a distribuição de frequência (SILVEIRA NETO et al., 1976). Onde: F=Frequência; N=Total de indivíduos de cada espécie capturada; T=Total de indivíduos capturados. Para calcular a Constância (C) foi adotada a equação sugerida por Dajoz (1983). Onde: C= Constância; P=número de coletas em que foi contatada espécie estudada; N= número total de coletas efetuada. Pelas percentagens as espécies foram agrupadas nas seguintes categorias definidas por Dajoz, (1983): Espécies constantes (x): presentes em mais de 50% das coletas. Espécies acessórias (y): presentes entre 25 e 50% das coletas. Espécies acidentais (z): presentes em menos de 25% das coletas. Este estudo foi aprovado pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (IBAMA) como Autorização para atividades com finalidade científica sob número com Código de Autorização em 03 de fevereiro de Os resultados foram apresentados através da estatística descritiva e expostos em gráficos e tabelas. De acordo com variáveis intimamente ligadas aos objetivos do trabalho. 7

8 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO A herpetofauna do Complexo Aluízio Campos (Tabela 1) mostrou-se composta por 26 espécies, muito embora, não foi possível identificar 66 espécimes. Não foi registrada nenhuma serpente nos pitfalls instalados. Os anfíbios identificados (Fotografia 3 e 4) pertencem a seis famílias, sendo Leptodactylidae a mais representativa com 04 espécies. Das 12 espécies de répteis encontrada (Fotografia 5 e 6), todos foram lagartos sendo Gymnophthalmidae a mais representativa com 3 espécies. A maior frequência foram das espécies de anfíbios Rhinella jimi (37,46) e Physalaemus cuvieri (7,69) (Figura 3) e do lagarto da espécie Tropidurus hispidus (7,02) (Figura 4). Imagem 3. Corythomantis greeningi Imagem 4. Proceratophrys cristiceps : Fonte : arquivo pessoal Fonte: arquivo pessoal 8

9 Figura 3. Lista das espécies e da quantidade de anfíbios identificados na RPPN da FURNE Espécies de Anfíbios Rhinella jimi Não identificado 64 Physalaemus cuvieri 23 Proceratophrys cristiceps 16 Rhinella granulosa 8 Leptodactylus syphax 6 Leptodactylus fuscus 2 Ischnocnema ramagii 2 Leptodactylus chaquensis 1 Leptodactylus troglodytes 1 Physalaemus cicada 1 Physalaemus albifrons 1 Corythomantis greeningi 1 Hypsiboas raniceps 1 Rhinella margarififera Quantidade Quanto a constância, a maioria foi agrupada como espécies acidentais (z) pois só ocorreram em menos de 25% das coletas e apenas quatro espécies foram agrupadas como constantes (x). A ausência de serpentes nesse estudo pode sugerir o grau de degradação da área com a retirada da cobertura vegetal, inviabilizando pontos de fugas e esconderijo para esses animais. Os répteis de maior frequência foram Tropidurus hispidus (7,02), Mabuya agmosticha(4,01) e Ameiva ameiva (2,34) (Figura 4). Imagem 5: Ameiva ameiva Imagem 6: Tropidurus hispidus Fonte: arquivo pessoal Fonte: arquivo pessoal 9

10 Figura4. Lista das espécies e da quantidade de lagartos identificados na RPPN da FURNE Espécies de Lagartos Quantidade Com base nos resultados, fica evidente que, quando montadas e distribuídas de maneira adequada (ver sugestões abaixo), armadilhas de interceptação e queda são extremamente eficientes em amostragens de anfíbios e répteis, especialmente anuros e lagartos. As eficiências de captura apresentadas na tabela 1 podem servir de referência para estimativas do esforço de amostragem necessário para capturar um determinado número de anfíbios e répteis. Tabela 1. Distribuição dos filos, classes e ordens dos espécimes coletados com Frequência e constância na RPPN da FURNE. (x) Espécies constantes; (y) Espécies acessórias; (z):espécies acidentais CATEGORIAS TAXONÔMICAS QUANT F C Classe Lissamphibia Ordem Anura Familia Bufonidae Rhinella jimi ,46 x Rhinella granulosa 08 2,68 y Rhinella margarififera 01 0,33 z Não identificado 64 22,07 - Familia Cycloramphidae Proceratophrys cristiceps 16 5,35 x Família Brachycephalidae Ischnocnema ramagii 02 0,67 z 10

11 Familia Hylidae Hypsiboas raniceps 01 0,33 z Corythomantis greeningi 01 0,33 z Familia Leiuperidae Physalaemus cuvieri 23 7,69 x Physalaemus albifrons 01 0,33 z Physalaemus cicada 01 0,33 z Família Leptodactylidae Leptodactylus troglodytes 01 0,33 z Leptodactylus fuscus 02 0,67 z Leptodactylus syphax 06 2,01 y Leptodactylus chaquensis 01 0,33 z Classe Reptilia Ordem Squamata Família Iguanidae Iguana iguana 02 0,67 z Família Tropiduridae Tropidurus hispidus 21 7,02 x Tropidurus semiteniatus 02 0,67 z Familia Anguidae Diplogossus lessonae 02 0,67 z CATEGORIAS TAXONÔMICAS QUANT F C Classe Reptilia Ordem Squamata Familia Teiidae Ameiva ameiva 07 2,34 y Tupinambis merianae 01 0,33 z Familia Gymnophthalmidae Anotosaura vanzolinia 02 0,67 z Vanzosaura rubricauda 03 1,00 z Colobosaura mentalis 02 0,67 z Familia Scincidae Mabuya agmosticha 12 4,01 x Familia Gekkonidae Hemidactylus agrius 02 0,67 z 11

12 Hemidactylus mabouia 02 0,67 z Total 298 A herpetofauna registrada na área estudada, de uma forma geral, é generalista quanto ao uso do habitat e a maioria das espécies são típicas das formações abertas como também florestadas da caatinga. Segundo Pombal (1997), a presença de anuros terrestres ou arborícolas e a heterogeneidade espacial são importantes na determinação do número de espécies que podem utilizar um determinado ambiente para a reprodução, sendo que a coexistência de diversas espécies só é possível devido à exploração de microambientes com características distintas, que juntamente com as diferenças na estrutura do canto, assumem uma importância primária para o reconhecimento específico e evitam hibridização. De acordo com Carvalho (1937), os anuros da Caatinga são mais abundantes em terrenos próximos de corpos d água temporários porque estes lugares apresentam pouca profundidade, uma maior umidade do solo, por serem encobertos pela vegetação, e abrigam uma grande diversidade de artrópodes que servirão de alimento para os adultos. Ainda segundo Carvalho (1937), os anfíbios da Caatinga também se refugiam em lugares úmidos como moitas, embaixo de pedras e entre folhas de bromélias. Segundo Warburg (1972) e Navas et al. (2004), várias espécies de anfíbios, principalmente entre os anuros que habitam regiões áridas e semiáridas, vivendo sob condições xéricas durante parte do ano, apresentam adaptações fisiológicas e comportamentais para evitar a perda de água por evapotranspiração e aumentar a taxa de absorção de água. 4 CONCLUSÕES serpentes na área; Durante o estudo, as armadilhas não foram eficazes para captura de serpentes ou não existem Foram capturados 298 espécimes divididos em 26 espécies dentre anfíbios e lagartos. A riqueza de espécies da herpetofauna da Fazenda Ligeiro em Campina Grande-PB, relativamente alta para um fragmento urbano de Caatinga e a presença de impactos antrópicos nesta área salientam a necessidade urgente de implementação de medidas conservacionistas que visem garantir a viabilidade das populações de anfíbios e répteis nela encontradas. São necessárias, também, 12

13 mais incursões de campo para que todas as espécies da herpetofauna sejam conhecidas. Um conhecimento mais detalhado da Fazenda Ligeiro é um ponto crucial para a tomada de mediadas conservacionistas e de planos de manejo adequados para esta reserva. 5 REFERÊNCIAS ABRANTES S. A. F. SKUK, G. O. A fauna de lagartos do cariri paraibano. In Anais do XIV Encontro de Zoologia do Nordeste: A zoologia no desenvolvimento sustentável. Maceió-AL, BARBOSA, A. B.; NISHIDA, A. K; ALBUQUERQUE, H. N. de. Inventário preliminar da herpetofauna do ecotono de São José da Mata - Paraíba. In Anais do VII Congresso internacional sobre manejo de fauna silvestre na Amazônia e América Latina. Ilhéus / BA, 2006-b. CANEDO, C.; DIXO, M.; POMBAL, J. P. The new specie of Chiasmocleis Méhelÿ, 1904 (Anura: Microhylidae) from the Atlantic Rainforest of Bahia, Brazil. Herpetologica, v.60, n.4, p , CORDEIRO, C. L.; HOGE, A. R. Contribuição ao Reconhecimento das Serpentes do Estado de Pernambuco. Mem. Inst. Butantan, São Paulo, v. 37 p , CRUZ, C. A. G.; CARAMASCHI, U.; FREIRE, E. M. X. Occurrence of the genus Chiasmocleis (Anura: Microhylidae) in the State of Alagoas, north-eastern Brazil, with a description of a new species. Journal of Zoology, v. 249, p , FERRAREZZI, H.; FREIRE, E. M. X. New species of Bothrops Wagler, 1824 from The Atlantic Forest of Northeastern Brazil (Serpentes, Viperidae, Crotalinae). Boletim do Museu Nacional, v.440, p. 1-10, FREITAS, M. A. Serpentes da Bahia e do Brasil. Ed DALL, Feira de Santana -BA, FREITAS, M.A. Serpentes Brasileiras. Feira de Santana: UEFS, p. LOEHLE, C.; WIGLEY, T. B.; SHIPMAN, P. A.; FOX, S. F.; RUTZMOSER, S.; THILL, R. E.; MELCHIORS, M. A. Herpetofaunal species richness responses to forest landscape structure in Arkansas. Forest Ecology and Management, v.209, p , PEARMAN, P. B. Correlates of amphibian diversity in an altered landscape Amazonian Ecuador. Conservation Biology, v.11, n.5, p , PEIXOTO, O. L. P.; CARAMASCHI, W.; FREIRE, E. M. X. Two new species of Phyllodytes (Anura: Hylidae) from the States of Alagoas, Northeastern Brazil. Herpetologica, v.59, n.2, p RODRIGUES, M. T. Herpetofauna da Caatinga. Cap. 4. In LEAL, I. R, TABARELLI, M., SILVA, J.M.C. Ecologia e Conservação da Caatinga. Recife: UFPE. 2003, 180p. RODRIGUES, M. T. The conservation of Brazilian reptiles: challenges of a megadiverse country. Conservation Biology, v.19, n.3, p ,

14 RODRIGUES, M. T.; DIXO, M.; PAVAN, D.; VERDADE, V. K. A new specie of Leposoma (Squamata, Gymnophthalmidae) from the remnant Atlantic Forests from of the State of Bahia, Brazil. Papéis Avulsos de Zoologia, v.42, n.14, p , SCHLAEPFER, M. A.; GAVIN, T. A. Edge effects on lizards an frogs in Tropical Forest fragments. Conservation Biology, v.15, n.4, p , THUROW, G. R. Herpetofaunal changes in McDonough Country, Illinois. Transactions of the Illinois State Academy of Science, v.92, n.1/2, p , TOFT, C. A. Resource partitioning in amphibians and reptiles. Copeia, v.1, p.1-21, VANZOLINI P. E. Ecological and geographical distribution of lizards in Pernambuco, northeastern Brazil (Sauria). Papéis Avulsos Zoologia. v. 28, n.4, p , VITT, L. J.; CALDWELL, J. P.. Resource utilization and guild structure of small vertebrates in the Amazon forest leaf litter. Journal of Zoology, v.234, p , VITT, L.J. Reproduction and sexual dimorphism in the tropical teiid lizard Cnemidophorus ocellifer. Copeia, p ,

Distribuição geográfica de Psychosaura agmosticha (Rodrigues, 2000) (Squamata, Mabuyidae)

Distribuição geográfica de Psychosaura agmosticha (Rodrigues, 2000) (Squamata, Mabuyidae) Biotemas, 27 (2): 217-222, junho de 2014 ISSNe 2175-7925 217 http://dx.doi.org/10.5007/2175-7925.2014v27n2p217 Comunicação Breve Distribuição geográfica de Psychosaura agmosticha (Rodrigues, 2000) (Squamata,

Leia mais

1. Programa Ambiental Monitoramento de Fauna

1. Programa Ambiental Monitoramento de Fauna 1. Programa Amiental Monitoramento de Fauna 1.1. Aordagem metodológica 1.1.1. Pontos de amostragem 1.1.2. Métodos de amostragem 1.1.2.1. Herpetofauna A terceira campanha de campo para amostragem de herpetofauna

Leia mais

LEVANTAMENTO HERPETOFAUNÍSTICO DE UMA ÁREA DE CERRADO EM ALTO ARAGUAIA, MATO GROSSO, BRASIL

LEVANTAMENTO HERPETOFAUNÍSTICO DE UMA ÁREA DE CERRADO EM ALTO ARAGUAIA, MATO GROSSO, BRASIL 129 LEVANTAMENTO HERPETOFAUNÍSTICO DE UMA ÁREA DE CERRADO EM ALTO ARAGUAIA, MATO GROSSO, BRASIL Telêmaco Jason Mendes-Pinto 1 & Ílimo Melo Miranda 2 RESUMO - Apresentamos aqui uma lista das espécies de

Leia mais

ANÁLISE DA COMPOSIÇÃO DE ANFÍBIOS ANUROS NA FAZENDA JUNCO, EM CABACEIRAS, PARAÍBA

ANÁLISE DA COMPOSIÇÃO DE ANFÍBIOS ANUROS NA FAZENDA JUNCO, EM CABACEIRAS, PARAÍBA 21 ANÁLISE DA COMPOSIÇÃO DE ANFÍBIOS ANUROS NA FAZENDA JUNCO, EM CABACEIRAS, PARAÍBA 1 Tainá Sherlakyann Alves Pessoa, ²Eudécio Carvalho Neco, ³Randolpho Gonçalves Dias Terceiro RESUMO: Estudos atuais

Leia mais

Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, Campus Ciências Agrárias, CEP 56300-990, Petrolina, Brasil

Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, Campus Ciências Agrárias, CEP 56300-990, Petrolina, Brasil ISSN 1517-6770 Comunicação Científica Fauna de lagartos de hábitats de Caatinga do Campus Ciências Agrárias da Universidade Federal Do Vale Do São Francisco, Petrolina-Pe, Brasil Kariny de Souza 1,2 ;

Leia mais

TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DA HERPETOFAUNA EM ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE BOREBI, SÃO PAULO.

TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DA HERPETOFAUNA EM ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE BOREBI, SÃO PAULO. TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DA HERPETOFAUNA EM ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE BOREBI, SÃO PAULO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

1 30/04/13 Consolidação a pedido do Ibama MaAG MJJG MJJG. 00 14/08/09 Emissão final FAR MaAG

1 30/04/13 Consolidação a pedido do Ibama MaAG MJJG MJJG. 00 14/08/09 Emissão final FAR MaAG 1 30/04/13 Consolidação a pedido do Ibama MaAG MJJG MJJG 00 14/08/09 Emissão final FAR MaAG REV. DATA NATUREZA DA REVISÃO ELAB. VERIF. APROV. OBdS/ FAR EMPREENDIMENTO: ÁREA: USINA HIDRELÉTRICA RIACHO SECO

Leia mais

Federal do Espírito Santo. Santo. *Email para correspondência: 92.tomas@gmail.com

Federal do Espírito Santo. Santo. *Email para correspondência: 92.tomas@gmail.com III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 425 Atropelamento de Herpetofauna na Reserva Biológica de Sooretama, Espirito Santo, Brasil T. L. Rocha 1*, A. Banhos 2, P. L. V. Peloso 3, R.

Leia mais

SOCIEDADE PAULISTA DE ZOOLÓGICOS

SOCIEDADE PAULISTA DE ZOOLÓGICOS LEVANTAMENTO DE RÉPTEIS DO PARQUE MUNICIPAL MANOEL PEDRO RODRIGUES, ALFENAS-MG. Autores Ribeiro Júnior, M.A. marcoantonio@unisol.org.br 1 Leal, L.M.C. liliam.leal@ig.com.br 2 Brandão, A.A.A. andreabrandao@pitnet.com.br

Leia mais

Documento para discussão no GT répteis e anfíbios

Documento para discussão no GT répteis e anfíbios A FAUNA DE RÉPTEIS E ANFÍBIOS DAS CAATINGAS Miguel Trefaut Rodrigues Museu de Zoologia e Instituto de Biociências, Departamento de Zoologia, Universidade de São Paulo Documento para discussão no GT répteis

Leia mais

RÉPTEIS SQUAMATA DE REMANESCENTES FLORESTAIS DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE, NATAL-RN, BRASIL

RÉPTEIS SQUAMATA DE REMANESCENTES FLORESTAIS DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE, NATAL-RN, BRASIL Cuad. herpetol., 23 (2): 77 88, 2009 77 77 RÉPTEIS SQUAMATA DE REMANESCENTES FLORESTAIS DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE, NATAL-RN, BRASIL RAUL FERNANDES DANTAS DE SALES; CAROLINA

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ CERES DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DGEO PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA Caicó/RN 2015 UNIVERSIDADE

Leia mais

6.2. Herpetofauna da área de Curimataú, Paraíba. Cristina. Arzabe. Gabriel Skuk. Gindomar Gomes Santana. Fagner Ribeiro Delfim

6.2. Herpetofauna da área de Curimataú, Paraíba. Cristina. Arzabe. Gabriel Skuk. Gindomar Gomes Santana. Fagner Ribeiro Delfim 6.2 Cristina Herpetofauna da área de Curimataú, Paraíba Arzabe Gabriel Skuk Gindomar Gomes Santana Fagner Ribeiro Delfim Yuri Cláudio Cordeiro de Lima Stephenson Hallyson Formiga Abrantes Resumo No Curimataú,

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 CARACTERIZAÇÃO DA ANUROFAUNA DA ÁREA DO INSTITUTO DE PERMACULTURA CERRADO-PANTANAL E MATA ATLÂNTICA, NO MUNICÍPIO DE CARRANCAS, MG. FELIPE FERNANDES 1 & MARCELO PASSAMANI 2 RESUMO Este trabalho foi realizado

Leia mais

DESMATAMENTO EM ÁREAS PROTEGIDAS DA CAATINGA

DESMATAMENTO EM ÁREAS PROTEGIDAS DA CAATINGA DESMATAMENTO EM ÁREAS PROTEGIDAS DA CAATINGA Laura Sabbatini Trebbi 1,2, Bianca Vigo Groetaers Vianna 1,2, Bruno Mariani Piana 1,2, Daniel Moraes de Freitas 3, Rodrigo Antônio de Souza 3 1 Empresa Júnior

Leia mais

LEVANTAMENTO DA ANUROFAUNA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ, PR

LEVANTAMENTO DA ANUROFAUNA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ, PR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 LEVANTAMENTO DA ANUROFAUNA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ, PR Igor de Paiva Affonso¹; Emanuel Giovani Cafofo Silva²; Rosilene

Leia mais

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Eixo Temático: Sustentabilidade

Leia mais

Herpetofauna em remanescente de Caatinga no Sertão de Pernambuco, Brasil

Herpetofauna em remanescente de Caatinga no Sertão de Pernambuco, Brasil Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) 37(1):29-43. Janeiro-Março de 2015 29 Herpetofauna em remanescente de Caatinga no Sertão de Pernambuco, Brasil Edivania do Nascimento Pereira¹, *, Maria José Lima

Leia mais

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo ANA GABRIELA FARACO 1, EDER DASDORIANO PORFIRIO JUNIOR 2, TÂNIA MARIA DE MOURA 1, VANESSA PESSANHA TUNHOLI 3 & VIVIAN

Leia mais

Anurans from a Caatinga area in state of Piauí, northeastern Brazil

Anurans from a Caatinga area in state of Piauí, northeastern Brazil Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) 37(2):207-217. Abril-Junho de 2015 207 Anurans from a Caatinga area in state of Piauí, northeastern Brazil Ronildo Alves Benício 1,*, Guilherme Ramos da Silva 2 &

Leia mais

Preservar sapos e rãs

Preservar sapos e rãs Preservar sapos e rãs Rogério Pereira Bastos 1 Apesar de atualmente os temas biodiversidade, conservação, desmatamento, aquecimento global estarem freqüentemente na mídia, a população brasileira tem pouco

Leia mais

RÉPTEIS E ANFÍBIOS. Tabela 1. Herpetofauna do domo de Itabaiana, número de espécies registradas. Áreas Abertas. Áreas Fechadas

RÉPTEIS E ANFÍBIOS. Tabela 1. Herpetofauna do domo de Itabaiana, número de espécies registradas. Áreas Abertas. Áreas Fechadas PARQUE NACIONAL SERRA DE ITABAIANA - LEVANTAMENTO DA BIOTA Carvalho, C.M., J.C. Vilar & F.F. Oliveira 2005. Répteis e Anfíbios pp. 39-61. In: Parque Nacional Serra de Itabaiana - Levantamento da Biota

Leia mais

Morcegos da Caatinga: Panorama científico dos últimos 35 anos

Morcegos da Caatinga: Panorama científico dos últimos 35 anos Morcegos da Caatinga: Panorama científico dos últimos 35 anos Juan Carlos Vargas Mena 1,3,4, Eugenia Cordero-Schmidt 1,3,4, Bernal Rodriguez- Herrera 2,3,4 & Eduardo Martins Venticinque 1 1 Universidade

Leia mais

Eixo Temático ET-13-011 - Educação Ambiental A RPPN FAZENDA ALMAS NA ÓTICA DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE SÃO JOSÉ DOS CORDEIROS-PB

Eixo Temático ET-13-011 - Educação Ambiental A RPPN FAZENDA ALMAS NA ÓTICA DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE SÃO JOSÉ DOS CORDEIROS-PB Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 2: Congestas 2014 503 Eixo Temático ET-13-011 - Educação Ambiental A RPPN FAZENDA ALMAS NA ÓTICA DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE

Leia mais

AS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SOB A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE SÃO JOSÉ DOS CORDEIROS PB

AS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SOB A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE SÃO JOSÉ DOS CORDEIROS PB 103 AS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SOB A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE SÃO JOSÉ DOS CORDEIROS PB Azenate Campos GOMES¹ Alecksandra Vieira de LACERDA² Maria da Glória Lopes FRAGOSO³ João Paulo Pereira

Leia mais

FATORES CLIMÁTICOS ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS ALTERAM A DINÂMICA LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO

FATORES CLIMÁTICOS ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS ALTERAM A DINÂMICA LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO FATORES CLIMÁTICOS LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO ALTERAM A DINÂMICA ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS TEMPERATURA, UMIDADE,PRESSÃ O ATMOSFÉRICA Climas

Leia mais

(sheilapopoca@uol.com.br) ÁREA TEMÁTICA: Meio Ambiente

(sheilapopoca@uol.com.br) ÁREA TEMÁTICA: Meio Ambiente TÍTULO: A CRIANÇA E A MATA ATLÂNTICA AUTORES: Lima¹, Sheila Renata Alves de; Portela 1, Valdelira Maria Costa; Barbosa 2, Dilosa Carvalho de Alencar; Barbosa 3, Marlene Carvalho de Alencar. 1 Alunas de

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

Ecologia Geral. Ecologia de Populações

Ecologia Geral. Ecologia de Populações Ecologia Geral Ecologia de Populações CRONOGRAMA DE APS!!! Equipes já definidas? Não esqueçam das datas. Ecologia de Populações Uma população é o conjunto de indivíduos de uma mesma espécie, que compartilham

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO.

CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO. CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO. OLIVEIRA, Mayara Cecile Nascimento¹-UEPB SILVA, Renata Lima Machado¹-UEPB CARLOS, Angélica Cardoso

Leia mais

Fauna de anfíbios e répteis das Caatingas

Fauna de anfíbios e répteis das Caatingas Fauna de anfíbios e répteis das Caatingas COORDENADOR: Miguel Trefaut Rodrigues Universidade de São Paulo COLABORADORES: Celso Morato de Carvalho Diva Maria Borges Elisa Maria Xavier Freire Felipe Franco

Leia mais

ESTUDO DA HERPETOFAUNA DO LITORAL AMAZÔNICO NA MESORREGIÃO DO NORDESTE PARAENSE.

ESTUDO DA HERPETOFAUNA DO LITORAL AMAZÔNICO NA MESORREGIÃO DO NORDESTE PARAENSE. Salvador/BA 25 a 28/11/2013 ESTUDO DA HERPETOFAUNA DO LITORAL AMAZÔNICO NA MESORREGIÃO DO NORDESTE PARAENSE. Anderson André Alves da Silva (*), Antonio José Renan Bernardi *Instituto Federal de Educação,

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS José Irivaldo Alves Oliveira Silva, Elizandra Sarana Lucena Barbosa Universidade Federal de Campina

Leia mais

RÉPTEIS SQUAMATA DE UMA ÁREA DE TRANSIÇÃO FLORESTA- SAVANA NO OESTE DO ESTADO DO PARÁ, BRASIL

RÉPTEIS SQUAMATA DE UMA ÁREA DE TRANSIÇÃO FLORESTA- SAVANA NO OESTE DO ESTADO DO PARÁ, BRASIL RÉPTEIS SQUAMATA DE UMA ÁREA DE TRANSIÇÃO FLORESTA- SAVANA NO OESTE DO ESTADO DO PARÁ, BRASIL Telêmaco Jason Mendes-Pinto 1,2 Julio César Rodríguez Tello 1 RESUMO Este trabalho apresenta uma lista das

Leia mais

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal 1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal Ações do Governo Federal Visando à Valorização e Conservação da Biodiversidade Vegetal João de Deus Medeiros joao.medeiros@mma.gov.br Departamento

Leia mais

Origem, Evolução e Diversidade da Fauna do Bioma Caatinga

Origem, Evolução e Diversidade da Fauna do Bioma Caatinga Origem, Evolução e Diversidade da Fauna do Bioma Caatinga Adrian Antonio Garda Departamento de Zoologia Laboratório de Anfíbios e Répteis Universidade Federal do Rio Grande do Norte Estrutura da apresentação

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos de Oliveira 2 Universidade Estadual de Mato Grosso Tangará da Serra MT, junho 2009

Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos de Oliveira 2 Universidade Estadual de Mato Grosso Tangará da Serra MT, junho 2009 LEVANTAMENTO DA ARTROPODOFAUNA DE UM FRAGMENTO DE MATA E DE UMA PASTAGEM, LOCALIZADOS PRÓXIMO AO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO, TANGARÁ DA SERRA MT Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos

Leia mais

O que é biodiversidade?

O que é biodiversidade? O que é biodiversidade? A diversidade se expressa nos mais diversos níveis de organização biológica. É a soma de toda a variabilidade biológica desde os genes até os ecossistemas Por que nos preocuparamos

Leia mais

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Verônica Maria Pinheiro Pimentel (*), Jéssica Camilla da Silva Vieira de Araújo, Nadya

Leia mais

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso Biodiversidade Pode ser definida como a variedade e a variabilidade existente entre os organismos vivos e as complexidades ecológicas nas quais elas ocorrem. Pode ser entendida como uma associação de vários

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

Comunidade de palmeiras em fragmentos florestais no Vale do Paraíba

Comunidade de palmeiras em fragmentos florestais no Vale do Paraíba Comunidade de palmeiras em fragmentos florestais no Vale do Paraíba Gabriela da Cunha Souza Orientadora: Dra. Simey Thury Vieira Fisch http:// www.virtualvale.com.br/ http://upload.wikimedia.org/wikipedia/

Leia mais

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA Priscilla Menezes Andrade Antônio Laffayete Pires da Silveira RESUMO: O presente estudo foi realizado

Leia mais

136) Na figura observa-se uma classificação de regiões da América do Sul segundo o grau de aridez verificado.

136) Na figura observa-se uma classificação de regiões da América do Sul segundo o grau de aridez verificado. 136) Na figura observa-se uma classificação de regiões da América do Sul segundo o grau de aridez verificado. Em relação às regiões marcadas na figura, observa-se que A) a existência de áreas superáridas,

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA NÚCLEO DE PESQUISAS DE RORAIMA RELATÓRIO DE PESQUISA

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA NÚCLEO DE PESQUISAS DE RORAIMA RELATÓRIO DE PESQUISA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA NÚCLEO DE PESQUISAS DE RORAIMA RELATÓRIO DE PESQUISA DIVERSIDADE DE ANFÍBIOS DE DUAS LOCALIDADES DO LAVRADO (Savana) DE RORAIMA

Leia mais

Abundância de Biodiversidade

Abundância de Biodiversidade RIQUEZA POUCO CONHECIDA Abundância de Biodiversidade Apesar de distintas, as transformações sofridas por biomas como Mata Atlântica, Caatinga e Campos Sulinos mostram variações de um processo único: a

Leia mais

MACROFAUNA EDÁFICA DO SOLO E LÍQUENS COMO INDICADORES DE DEGRADAÇÃO EM REMANESCENTES FLORESTAIS URBANOS

MACROFAUNA EDÁFICA DO SOLO E LÍQUENS COMO INDICADORES DE DEGRADAÇÃO EM REMANESCENTES FLORESTAIS URBANOS MACROFAUNA EDÁFICA DO SOLO E LÍQUENS COMO INDICADORES DE DEGRADAÇÃO EM REMANESCENTES FLORESTAIS URBANOS Gabriela Fernandes Zangirolami Faculdade de Engenharia Ambiental CEATEC gabifz@terra.com.br Resumo:

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS VETORES DE CHAGAS EM SERGIPE

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS VETORES DE CHAGAS EM SERGIPE 50 DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS VETORES DE CHAGAS EM SERGIPE DIAS, Douglas de Matos 1 DANTAS, Lucineide Nascimento Almeida 2 DANTAS, José Oliveira 3 Resumo: Cerca de sete espécies de Triatominae são de

Leia mais

DEGRADAÇÃO HÍDRICA: UM ESTUDO DE CASO PRELIMINAR SOBRE A SITUAÇÃO AMBIENTAL DO RIACHO CURIMATAÚ, PILAR-PB

DEGRADAÇÃO HÍDRICA: UM ESTUDO DE CASO PRELIMINAR SOBRE A SITUAÇÃO AMBIENTAL DO RIACHO CURIMATAÚ, PILAR-PB DEGRADAÇÃO HÍDRICA: UM ESTUDO DE CASO PRELIMINAR SOBRE A SITUAÇÃO AMBIENTAL DO RIACHO CURIMATAÚ, PILAR-PB Joseline da Silva Alves, 1 Feliciana Laís Lima Alves 2, Lanusse Salim Rocha Tuma 3 1 Universidade

Leia mais

MATERIAIS E METODOLOGIA

MATERIAIS E METODOLOGIA QUANTIFICAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO E A RELAÇÃO COM A PRESSÃO ATMOSFÉRICA EM UMA ÁREA DE CULTIVO DE MANGA NO MUNICÍPIO DE CUIARANA-PA SILVA, F. M. 1 ; TORRES, C.S.C. 2 ; SOUSA, A. M. L. 3 ; NUNES, H. G. G. C.

Leia mais

Unidade IV Os seres vivos e o meio ambiente.

Unidade IV Os seres vivos e o meio ambiente. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Unidade IV Os seres vivos e o meio ambiente. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Geografia 7 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Complete o quadro com as características dos tipos de clima da região Nordeste. Tipo de clima Área de ocorrência Características

Leia mais

Documento para discussão no GT

Documento para discussão no GT Quanto ainda resta da Caatinga? Uma estimativa preliminar Carlos Henrique Madeiros Casteleti José Maria Cardoso da Silva Marcelo Tabarelli André Maurício Melo Santos Universidade Federal de Pernambuco,

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

MELIPONICULTURA: OPORTUNIDADE DE RENDA COMPLEMENTAR PARA OS QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE DIAMANTE PB

MELIPONICULTURA: OPORTUNIDADE DE RENDA COMPLEMENTAR PARA OS QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE DIAMANTE PB MELIPONICULTURA: OPORTUNIDADE DE RENDA COMPLEMENTAR PARA OS QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE DIAMANTE PB Rosélia Maria de Sousa Santos¹; José Ozildo dos Santos 2 ; Rafael Chateaubriand de Miranda¹; Iluskhanney

Leia mais

Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG

Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG ¹Eriks T. VARGAS; ²Jéssyka M. PARREIRA; 2Leandro A. MORAES; ³Éverton B. SILVA; ³Tamires

Leia mais

ANUROFAUNA DA ÁREA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NILTON LINS, MANAUS, AMAZONAS, BRASIL (AMPHIBIA; ANURA)

ANUROFAUNA DA ÁREA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NILTON LINS, MANAUS, AMAZONAS, BRASIL (AMPHIBIA; ANURA) 13 ANUROFAUNA DA ÁREA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NILTON LINS, MANAUS, AMAZONAS, BRASIL (AMPHIBIA; ANURA) Romeu Gonçalves Queiroz Filho 1 ; Telêmaco Jason Mendes-Pinto 2 ; Ana Cristina Fragoso 3 RESUMO - Este

Leia mais

Efeito do reflorestamento de restingas sobre taxocenose de lagartos

Efeito do reflorestamento de restingas sobre taxocenose de lagartos Universidade Federal da Paraíba UFPB Centro de Ciências Exatas e da Natureza CCEN Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas Área de Concentração - Zoologia Efeito do reflorestamento de restingas

Leia mais

EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA. Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2

EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA. Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2 37 EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2 Resumo: Com a urbanização, o tráfico nacional e internacional de espécies e exploração dos recursos naturais de maneira mal planejada

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG Maria José Reis da Rocha 1, Camila Aparecida da Silva Martins 2, Aderbal Gomes da Silva 3, Mauro

Leia mais

Atlas dos Municípios da Mata Atlântica

Atlas dos Municípios da Mata Atlântica Atlas dos Municípios da Mata Atlântica 2015 Realização: Patrocínio: Execução Técnica: MATA ATLÂNTICA De acordo com o Mapa da Área de Aplicação da Lei nº 11.428, de 2006, segundo Decreto nº 6.660, de 21

Leia mais

HERPETOFAUNA DA CAATINGA

HERPETOFAUNA DA CAATINGA 4. Herpetofauna da Caatinga HERPETOFAUNA DA CAATINGA 4 Miguel Trefaut Rodrigues Introdução Durante algum tempo, também entre herpetólogos, prevaleceu a idéia de que a Caatinga não tinha fauna própria (Vanzolini

Leia mais

Contribuição ao conhecimento da herpetofauna do nordeste do estado de Minas Gerais, Brasil

Contribuição ao conhecimento da herpetofauna do nordeste do estado de Minas Gerais, Brasil Contribuição ao conhecimento da herpetofauna do nordeste do estado de Minas Gerais, Brasil Renato Neves Feio 1 e Ulisses Caramaschi 2,3 Phyllomedusa 1(2):105-111, 2002 2002 Melopsittacus Publicações Científicas

Leia mais

Simpósios. 2) Integrando a história natural com ecologia, evolução e conservação de anfíbios e répteis.

Simpósios. 2) Integrando a história natural com ecologia, evolução e conservação de anfíbios e répteis. Simpósios Nove simpósios irão tratar de assuntos atuais, envolvendo pesquisadores brasileiros e estrangeiros. As conferências deverão compor a temática do evento, priorizando a integração de disciplinas

Leia mais

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 181 Comunidade Muscoidea (Diptera, Insecta): Estudo do efeito de borda e bioindicadores na Reserva Natural Vale D. F. Machado¹* & E.D.G. Soares

Leia mais

12/06/2015. Erosão em voçoroca CONCENTRAÇÃO GLOBAL DE CO2 ATMOSFÉRICO TRATAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NÍVEIS DE GÁS CARBÔNICO EM MAUNA LOA (HAWAI)

12/06/2015. Erosão em voçoroca CONCENTRAÇÃO GLOBAL DE CO2 ATMOSFÉRICO TRATAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NÍVEIS DE GÁS CARBÔNICO EM MAUNA LOA (HAWAI) DESMATAMENTO ECOLOGIA Unidade 5 MADEIRA CARVÃO PASTAGENS AGRICULTURA MINERAÇÃO LOTEAMENTOS DESMATAMENTO DESMATAMENTO RONDÔNIA RONDÔNIA EROSÃO - DESMATAMENTO - SOLO DESPROTEGIDO - CHUVAS - DESAGREGAÇÃO

Leia mais

Riqueza e composição de répteis Squamata (lagartos e anfisbenas) da Área de Proteção Ambiental da Fazendinha, Amapá, Brasil

Riqueza e composição de répteis Squamata (lagartos e anfisbenas) da Área de Proteção Ambiental da Fazendinha, Amapá, Brasil ARTIGO Riqueza e composição de répteis Squamata (lagartos e anfisbenas) da Área de Proteção Ambiental da Fazendinha, Amapá, Brasil ISSN 2179-5746 1 2 3 Carlos Eduardo Costa Campos, Jucivaldo Dias Lima,

Leia mais

Protocolos de reintrodução x ações emergenciais para espécies ameaçadas

Protocolos de reintrodução x ações emergenciais para espécies ameaçadas Simpósio 4: O SNUC e a proteção da fauna silvestre brasileira: o vazio das florestas e o dilema da reintrodução Protocolos de reintrodução x ações emergenciais para espécies ameaçadas Pedro F. Develey

Leia mais

FITOECOLOGIA DOS BREJOS DE ALTITUDE DO SERTÃO PARAIBANO

FITOECOLOGIA DOS BREJOS DE ALTITUDE DO SERTÃO PARAIBANO FITOECOLOGIA DOS BREJOS DE ALTITUDE DO SERTÃO PARAIBANO Ailson de Lima Marques (1); Júlia Diniz de Oliveira (2); Douglas Cavalcante de Araújo (3) Anna Raquel Dionísio Ramos (4) Universidade Federal de

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE ECOMORFOLOGIA E LOCOMOÇÃO DE SERPENTES

RELAÇÃO ENTRE ECOMORFOLOGIA E LOCOMOÇÃO DE SERPENTES RELAÇÃO ENTRE ECOMORFOLOGIA E LOCOMOÇÃO DE SERPENTES Adriana Mohr, Ana Cristina Silva, Danilo Fortunato, Keila Nunes Purificação, Leonardo Gonçalves Tedeschi, Suelem Leão, Renan Janke e David Cannatella

Leia mais

Biota Neotropica ISSN: 1676-0611 cjoly@unicamp.br Instituto Virtual da Biodiversidade Brasil

Biota Neotropica ISSN: 1676-0611 cjoly@unicamp.br Instituto Virtual da Biodiversidade Brasil Biota Neotropica ISSN: 1676-0611 cjoly@unicamp.br Instituto Virtual da Biodiversidade Brasil Recoder, Renato; Nogueira, Cristiano Composição e diversidade de répteis Squamata na região sul do Parque Nacional

Leia mais

Anurans from an Atlantic Forest-Caatinga ecotone in Rio Grande do Norte State, Brazil

Anurans from an Atlantic Forest-Caatinga ecotone in Rio Grande do Norte State, Brazil Herpetology Notes, volume 6: 1-10 (2013) (published online on 10 January 2013) Anurans from an Atlantic Forest-Caatinga ecotone in Rio Grande do Norte State, Brazil Felipe de Medeiros Magalhães 1, Anne

Leia mais

Sapo pigmeu: Rhinella pygmaea (Myers & Carvalho, 1952)

Sapo pigmeu: Rhinella pygmaea (Myers & Carvalho, 1952) Sapo pigmeu: Rhinella pygmaea (Myers & Carvalho, 1952) Caio A. Figueiredo-de- Andrade Leonardo Serafim da Silveira Sapo pigmeu: Rhinella pygmaea (Myers & Carvalho, 1952) Caio A. Figueiredo-de-Andrade *

Leia mais

Análise de Viabilidade

Análise de Viabilidade Análise de Viabilidade 1. Identificação Município: Itaúna Localização: Região de Tabuões Bacia Hidrográfica: Rio São Francisco 2. Resultados: Considerando as especulações que estão sendo levantadas com

Leia mais

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE Sebastião Cavalcante de Sousa (1); Rafaela Alves de Melo (1); Francisco Ramon da Cunha Alcantara (2) (Universidade Federal do Cariri,

Leia mais

01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se:

01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se: 01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se: I. Concentração nas baixas latitudes, associadas a elevadas precipitações. II. Distribuição

Leia mais

ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NAS IMEDIAÇÕES DA CIDADE DE SANTA CECÍLIA PB

ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NAS IMEDIAÇÕES DA CIDADE DE SANTA CECÍLIA PB ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NAS IMEDIAÇÕES DA CIDADE DE SANTA CECÍLIA PB Roseana Barbosa da Silva Graduada em Geografia, Universidade Estadual do Vale do Acaraú UVA/UNAVIDA E-mail: roseanabsilva@gmail.com.br

Leia mais

Herpetofauna dos remanescentes de Mata Atlântica da região de Tapiraí e Piedade, SP, sudeste do Brasil

Herpetofauna dos remanescentes de Mata Atlântica da região de Tapiraí e Piedade, SP, sudeste do Brasil Herpetofauna dos remanescentes de Mata Atlântica da região de Tapiraí e Piedade, SP, sudeste do Brasil Condez, T.H. et al. Biota Neotrop. 2009, 9(1): 157-185. On line version of this paper is available

Leia mais

A exuberante e pouco conhecida fauna brasileira

A exuberante e pouco conhecida fauna brasileira BIP A exuberante e pouco conhecida fauna brasileira maio/2007 O Brasil é o país de maior biodiversidade do planeta. A fauna brasileira é imensamente rica, porém muitas espécies não são ainda conhecidas.

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

ANUROFAUNA DE UM FRAGMENTO DE MATA ATLÂNTICA EM LAURO DE FREITAS BAHIA

ANUROFAUNA DE UM FRAGMENTO DE MATA ATLÂNTICA EM LAURO DE FREITAS BAHIA ISSN 1809-0362 ANUROFAUNA DE UM FRAGMENTO DE MATA ATLÂNTICA EM LAURO DE FREITAS BAHIA Hugo Estevam de A. Coelho * Rodrigo Serafim Oliveira ** *Pós graduando do curso de Especialização em Ecologia e Intervenções

Leia mais

USO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS: PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO SEMIÁRIDO-NORDESTINO

USO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS: PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO SEMIÁRIDO-NORDESTINO USO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS: PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO SEMIÁRIDO-NORDESTINO Juliana Meira de Vasconcelos Xavier 1, Divanda Cruz Rocha 2, Pedro Vieira de Azevedo 3 Laíse do Nascimento

Leia mais

CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA E POLINIZAÇÃO DE PLANTAS DO BIOMA CAATINGA: A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS DIFERENCIADAS EM SALA DE AULA.

CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA E POLINIZAÇÃO DE PLANTAS DO BIOMA CAATINGA: A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS DIFERENCIADAS EM SALA DE AULA. CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA E POLINIZAÇÃO DE PLANTAS DO BIOMA CAATINGA: A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS DIFERENCIADAS EM SALA DE AULA. Iara Késia Alves dos Santos (1); Tamires Araújo Fortunato (2); Jorgeana de

Leia mais

MAMÃOZINHO-DE-VEADO (Jacaratia corumbensis O. kuntze): CULTIVO ALTERNATIVO PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NA REGIÃO SEMI-ÁRIDA DO NORDESTE

MAMÃOZINHO-DE-VEADO (Jacaratia corumbensis O. kuntze): CULTIVO ALTERNATIVO PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NA REGIÃO SEMI-ÁRIDA DO NORDESTE MAMÃOZINHO-DE-VEADO (Jacaratia corumbensis O. kuntze): CULTIVO ALTERNATIVO PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NA REGIÃO SEMI-ÁRIDA DO NORDESTE Nilton de Brito Cavalcanti, Gherman Garcia Leal de Araújo, Geraldo Milanez

Leia mais

Anfíbios e Répteis do Pantanal Sul 1

Anfíbios e Répteis do Pantanal Sul 1 CAMPUS DE CORUMBÁ LABORATÓRIO DE ZOOLOGIA Av. Rio Branco 1270, Caia Postal 252, 79301-970, Corumbá, MS, Brasil Fones: 67 3234 6870, Fa: 67 3234 6837 Relatório parcial do projeto de pesquisa Anfíbios e

Leia mais

Anurofauna de uma localidade na Mata Atlântica setentrional, Alagoas, Brasil

Anurofauna de uma localidade na Mata Atlântica setentrional, Alagoas, Brasil Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) 37(1):141-163. Janeiro-Março de 2015 141 Anurofauna de uma localidade na Mata Atlântica setentrional, Alagoas, Brasil Cristiane Nikely Silva Palmeira 1,* & Ubiratan

Leia mais

ESCORPIOFAUNA EM MATA DE GALERIA NA AMAZÔNIA ORIENTAL

ESCORPIOFAUNA EM MATA DE GALERIA NA AMAZÔNIA ORIENTAL ESCORPIOFAUNA EM MATA DE GALERIA NA AMAZÔNIA ORIENTAL Moutinho, C. S. (1,2) ; Peniche, T. S. (1,2) ; Sidônio, I. A. P. (1,2) ; Nascimento, F. A. (1,2) ; Ferreira, R. M. A. (1,2) ; Caldas, E. M. (1,2) ;

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

Domínios Florestais do Mundo e do Brasil

Domínios Florestais do Mundo e do Brasil Domínios Florestais do Mundo e do Brasil Formações Florestais: Coníferas, Florestas Temperadas, Florestas Equatoriais e Florestas Tropicais. Formações Herbáceas e Arbustivas: Tundra, Pradarias Savanas,

Leia mais

MÓDULO 1 CLASSES GERAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal

MÓDULO 1 CLASSES GERAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal MÓDULO 1 ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal ECOSSISTEMAS HUMANOS As necessidades e desejos da população humana em expansão têm requerido um

Leia mais

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMAS BRASILEIROS Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMA: É CONJUNTO DE ECOSSISTEMAS TERRESTRES, CLIMATICAMENTE CONTROLADOS, QUE SÃO CARACTERIZADOS POR UMA VEGETAÇÃO PRÓPRIA (RAVEN ET AL., 2001) LOCALIZAÇÃO

Leia mais

Biodiversidade em Minas Gerais

Biodiversidade em Minas Gerais Biodiversidade em Minas Gerais SEGUNDA EDIÇÃO ORGANIZADORES Gláucia Moreira Drummond Cássio Soares Martins Angelo Barbosa Monteiro Machado Fabiane Almeida Sebaio Yasmine Antonini Fundação Biodiversitas

Leia mais

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG)

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG) USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO Calderano Filho, B. 1 ; Carvalho Junior, W. 2 ; Prado, R.B. 3 ; Calderano, S.B. 4 ; 1 EMBRAPA - CNPS Email:braz.calderano@embrapa.br; 2 EMBRAPA- CNPS Email:waldir.carvalho@embrapa.br;

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 M. G. Silva 2 ; F. D. D. Arraes 3 ; E. R. F. Ledo 4 ; D. H. Nogueira 5 RESUMO: O presente trabalho teve por objetivo

Leia mais

ESTUDANDO A MORFOLOGIA EXTERNA DOS INSETOS NAS AULAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO DE ZOOLOGIA II

ESTUDANDO A MORFOLOGIA EXTERNA DOS INSETOS NAS AULAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO DE ZOOLOGIA II ESTUDANDO A MORFOLOGIA EXTERNA DOS INSETOS NAS AULAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO DE ZOOLOGIA II Autor(a): Maria Inêz da Silva Coautor(es): Rayssa Batista, Alex Maciel, Ingridry Silva, Andiara Bandeira Email:

Leia mais

EDITAL DE APOIO A PESQUISAS REALIZADAS NA RPPN URU, LAPA, PARANÁ

EDITAL DE APOIO A PESQUISAS REALIZADAS NA RPPN URU, LAPA, PARANÁ EDITAL DE APOIO A PESQUISAS REALIZADAS NA RPPN URU, LAPA, PARANÁ I. Informações gerais sobre a reserva particular do Patrimônio Natural (RPPN) URU Em 2003, a Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação

Leia mais

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DOS SOLOS: MANEJOS DIFERENTES EM BIOMA DE MATA ATLÂNTICA NA REGIÃO SERRANA/RJ*

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DOS SOLOS: MANEJOS DIFERENTES EM BIOMA DE MATA ATLÂNTICA NA REGIÃO SERRANA/RJ* DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DOS SOLOS: MANEJOS DIFERENTES EM BIOMA DE MATA ATLÂNTICA NA REGIÃO SERRANA/RJ* LIMA, L. G. 1, BARROS, A L. R. de 2. VIDAL, D. P. 3, BERTOLINO, A V. F. A 4, BERTOLINO, L. C. 4 1 Graduando/

Leia mais